Breaking News
Home / História Geral / Anarquismo na França

Anarquismo na França

PUBLICIDADE

Anarquismo na França – O que foi

Uma das figuras mais importantes do anarquismo na França foi Koenigsten, porém sua importância não esta ligada às bombas que produziu e sim à sua morte.

Mas, ele não foi o pai do “terror anarquista”. Foi nesta mesma França que os discípulos de Proudhon realizaram a primeira Internacional; onde se desenvolveu primeiramente o anarco-sindicalismo; o individualismo anarquista e onde o terrorismo chegou às mais sinistras proporções. Foi lá também que os poeta, escritores e pintores se influenciaram pela doutrina anárquica no glorioso fim de século.

Na metade do século passado se desenvolveram na França várias correntes anarquistas. Entre essas, estão a de Ernest Coeurderoy, caracterizada pelo abuso da violência e a de Joseph Déjacque ( um dos precursores da “propaganda pela ação”).

Mas, até o final de 1870, o que prevaleceu na França foi a doutrina mutualista.

Esta, perdeu a sua influência para as idéias coletivistas através destes Bakuninistas: Elisée Reclus, Benôite Malon, Albert Richard e outros.

É interessante notar que a comuna de Paris não foi nem anarquista e nem Marxista, mesclando-se com todas as correntes políticas de sua época. Com sua queda em 1871 a Internacional dos anarquistas foi considerada subversiva, tendo que se tornar clandestina, o que provocou o exílio de todos os libertários o ano de 1879 ( um pouco depois da unificação de diversos grupos) foi o da anistia aos participantes da Comuna, houve a reestruturação das diversas correntes politicas e o conseqüente aumento das divergências.

Em 1881, um movimento explicitamente anárquico começou a se difundir e propagar na França. O prestigio do anarquismo na época foi causado mais pela grandeza dos intelectuais adeptos a ele do que aos seus atos.

De 1881 a 1894 o povo francês sofreu na pele a violência politica que unificou uma pequena minoria dos anarquistas mas casou muito tumulto e agitação. Esta violência é creditada à influencia de um sinistro delegado, Louis Andrielx, e de um agente belga, Égdi Spilleux.

Na primavera de 1884, houve o primeiro atentado anarquista: um jardineiro, Louis Chavés, matou a madre superiora que o hospedara em um convento.

Uma pequena organização chamada Banda Negra executou em Montceu-les-Mines, uma série de atos anti religiosos: incêndios em capelas, escolas e vilarejos.

Eles foram presos mas nada se provo contra eles. Isto fez com que o governo francês, em 1883, promovesse em Lyon o famoso processo contra 65 libertários.

No mesmo ano, Louis Michel e Emile Pouget lideraram mais ou menos 500 manifestantes contra as ações ilegais do governo contra os anarquistas.

Apesar de terem sido presos os dois e todos os condenados de Lyon receberam a anistia, devido à indignação da opinião pública.

Foi por conta de Ravachol que mais uma fase violenta teve início: de 1892 à 1984 foram cometidos onze atentados à dinamite, que resultaram em nove mortos.

O ministro presidente da Sérvia sofreu um atentado e o presidente foi apunhalado e morto. O país inteiro estava amedrontado e os instrumentos de ação utilizados pelo governo acabaram com a imprensa libertária, processaram os líderes e dissolveram os grupos autônomos.

Em oposição à isto o comunismo-anárquico criou escolas libertárias e comunidades rurais anarquistas, que resistiram até a metade deste século.

Somente em 1920 os anarquistas tentaram se reunir, criando a União dos Anarquistas Franceses (UAF), o que reagrupou os diversos grupos previamente separados. Novas amarguras e divisões ainda estariam por vir, como o fascismo e o nazismo. Os russos exilados na França tentaram fundar uma Plataforma de Organização Geral dos Anarquistas. A UAF foi o palco dessas tentativas.

Eles queriam basicamente unificar os anarco-sindicalistas, anarco-comunistas e os individualistas. De 1926 até os dias de hoje o anarquismo na França sofreu várias divisões que criaram siglas e mais siglas ou pequenos grupos.

A principal manifestação moderna anarquista contra o poder autoritário foi a revolta estudantil em maio de 1968 e, em junho de 1977, em Toulon, o congresso reativou a FAF.

Um movimento político que se opõe a práticas autoritárias e princípios hierárquicos, o anarquismo na França vê figuras famosas como Bakunin, Kropotkine ou Pelloutier coexistirem em sua história e um conjunto de correntes ideológicas às vezes inspiradas por ideias do cristianismo ou sindicalismo revolucionário.

Ele tenta conciliar a recusa do poder governamental e a necessidade de se estruturar. Essa estruturação resulta na criação de muitas organizações e periódicos libertários.

Origem

história do anarquismo na França começa em 1840, com a publicação do livro O que é propriedade? ou Pesquisa sobre o princípio de Direito e Governo escrita por Pierre-Joseph Proudhon, que foi o primeiro a afirmar explicitamente ser um “anarquista”.

Em 1841, L’Humanitaire de Gabriel Charavay foi “o primeiro corpo comunista libertário e o único na França em quarenta anos”, segundo o historiador Max Nettlau.

Em 1850, Anselme Bellegarrigue publicou L’Anarchie, jornal da ordem. Para o Dr. Sharif Gemie, este jornal constitui o primeiro manifesto anarquista do mundo.

Os anarquistas participam da Comuna de Paris. A repressão custou 25.000 vidas e decapitou o movimento revolucionário na França. A Revolução Social, o primeiro jornal anarquista após a Comuna, foi publicado em 1880, mas foi criado pela polícia.

Período de insurreição

A partir de 1881, a ação direta é promovida e favorecida dentro do movimento anarquista. Entre 1882 e 1885, a cidade de Montceau-les-Mines foi o epicentro da agitação anarquista e os ataques foram perpetuados por várias organizações que se autodenominavam Black Bands.

Mas foi em 1892 que começou o verdadeiro período de ataques, com o objetivo de desestabilizar o poder atacando diretamente seus detentores. Foi uma série de atentados perpetrados por François Koënigstein, conhecido como “Ravachol”, em 11 de março de 1892, que desencadeou a onda de terrorismo anarquista. Ele será condenado à morte e guilhotinado em Montbrison em 11 de julho de 1892 por ter explodido as casas de dois juristas parisienses, bem como um quartel.

Antes de morrer, ele grita: “Viva a anarquia”.

Em 9 de dezembro de 1893, Auguste Vaillant, lança da tribuna para a Câmara dos Deputados uma bomba carregada de pregos que vai ferir alguém; durante o julgamento, ele justificará seu ato pelo desejo de vingar Ravachol. Ele foi executado em 4 de fevereiro de 1894. Em 24 de junho de 1894, o Presidente da República Sadi Carnot foi assassinado em Lyon por um jovem anarquista italiano, Sante Geronimo Caserio.

Nos dias 11 e 15 de dezembro de 1893 e 28 de julho de 1894, uma série de leis foi aprovada reprimindo urgentemente o movimento anarquista e proibindo-o de qualquer tipo de propaganda.

Os anarquistas então se apoderam da palavra libertário – neologismo criado em 1857 por Joseph Déjacque – para se identificar e continuar suas atividades editoriais. Essas leis “anti-anarquistas” não foram revogadas até 1992.

Início do século 20

Em outubro de 1906, o 9º congresso da Confederação Geral do Trabalho definiu na Carta de Amiens esta teoria do sindicalismo revolucionário: “no trabalho de protesto diário, o sindicalismo continua a coordenar os esforços dos trabalhadores; aumentar o bem-estar dos trabalhadores fazendo melhorias imediatas; […] Mas essa tarefa é apenas uma das faces do trabalho do sindicalismo: por um lado ele se prepara para a emancipação plena, que só pode ser alcançada por meio da expropriação capitalista, e por outro lado, defende a greve geral como meio de ação e considera que o sindicato, hoje um grupo de resistência, será, no futuro, o grupo de produção e distribuição, a base da reorganização social. ”

Criação da Federação Anarquista Judaica de Paris em 29 de maio de 1909.

A criação da Aliança Comunista-Anarquista foi anunciada no Le Libertaire de 22 de maio de 1910. As estruturas que eram muito frouxas não permitiram que a Aliança Comunista-Anarquista perdurasse.

O fracasso organizacional levou à criação de uma Federação Anarco-Comunista em 13 de novembro de 1910, então da Federação Anarquista Comunista que realizou um congresso em junho de 1911 que foi a primeira verdadeira organização libertária francesa de âmbito nacional.

Durante a Primeira Guerra Mundial, certos anarquistas (incluindo Jean Grave e Pierre Kropotkine) se uniram à Sagrada União e publicaram o Manifesto dos Dezesseis em apoio aos aliados contra a Alemanha.

Em 15 de junho de 1917, o primeiro número underground de Le Libertaire apareceu.

Entre duas guerras

Em dezembro de 1918, uma Federação anarquista foi fundada na região de Paris que, em 26 de janeiro de 1919, relançou o semanário Le Libertaire.

Em 14 e 15 de novembro de 1920, durante um congresso nacional, várias federações regionais, incluindo a Federação Anarquista Parisiense, formaram a União Anarquista (UA) em bases hostis aos bolcheviques. de dezembro de 1923 marca a primeira edição do diário Libertaire.

Em 1922, no Congresso inaugural da Confederação Geral do Trabalho Unitário (CGTU), cisão da Confederação Geral do Trabalho.

O termo anarco-sindicalismo é lançado por Alexandre Lozovski, secretário-geral do Red Trade Union International (ISR), na tentativa de desacreditar a minoria que reluta em se afiliar ao ISR. 11 de janeiro de 1924: eclodiram incidentes durante uma reunião eleitoral do Partido Comunista Francês nas instalações da CGTU na rue de la Grange-aux-Belles. O serviço de ordem comunista atira nos anarquistas, matando duas pessoas.

No dia seguinte, Le Libertaire pediu uma ruptura com a CGTU: ativistas fundaram a Federação dos Sindicatos Autônomos, que se dividiu em 1926 na Confederação Geral do Trabalho – Sindicalista Revolucionário (CGT-SR) enquanto outros ingressaram na CGT.

Russos no exílio encontraram-se em Paris em 1925 e fundaram com Nestor Makhno e Piotr Archinov a revista Dielo Trouda (Cause Ouvrière) 19.

Em 26 de março, o Libertaire cessa sua publicação diária e passa a ser semanal novamente. No ano seguinte, em junho, surgiu o “Projeto de Plataforma Organizacional para uma União Geral dos Anarquistas”, mais conhecido como “Plataforma de Archinov”. Voline responde a esta plataforma com seu projeto de “síntese anarquista” em seu artigo “o problema organizacional e a ideia de síntese”.

A União Anarquista se transforma em julho, após seu congresso em Orleans, na União Anarquista Comunista (UAC), uma oposição crescente se desenvolve entre partidários da plataforma e partidários da Síntese.

Os sindicalistas revolucionários deixaram a CGT e fundaram a Confederação Geral do Trabalho – Sindicalista Revolucionário com, como secretário, Julien Toublet.

A União Anarquista Comunista tornou-se principalmente uma plataformista no Congresso de Orleans de 30 de outubro e 1 de novembro de 1927.

Os sintetistas minoritários deixaram a UAC e fundaram a Associação de Anarquistas Federalistas (AFA) que iria transmitir o Trait d’union libertaire então a Voz Libertária.

Em 1934, a União Anarquista Comunista toma a iniciativa de convocar um congresso para alcançar a unidade de todos os anarquistas. O antifascismo deve servir para cimentar essa união.

O congresso que está sendo realizado em Paris nos dias 20 e 21 de maio decide voltar ao nome de “União Anarquista” e a AFA aproveita a oportunidade para dissolver e reintegrar a organização.

Uma Federação Comunista Libertária é criada a partir de uma divisão da UA.

Maçons Anarquistas Espanhois

Segundo (Guerra, 2010), a atração entre movimentos que poderíamos considerar, ou que se consideram, “heterodoxos” é más intenso quan do carecem de um corpo doutrinário único ou fechado e daí arrancaria a vinculação tão intensa que houve entre a Maçonaria e o livre pensamento ou o movimento libertário e a Maçonaria que começou no século xix e culminou com a queda do regime republicano e a repressão que promoveu ambos o ditador Francisco Franco.

Alguns dos mais importantes Maçons Anarquistas da Espanha são citados abaixo:

Anselmo Lorenzo

Anselmo Lorenzo
Anselmo Lorenzo

Na Catalunha Anselmo Lo renzo e Farga Pellicer iniciaram na loja Hijos del Trabajo. Anselmo Lorenzo nasceu em Toledo no ano de 1841 e faleceu em Barcelona em 1914, é também chamado “o avô do anarquismo espanhol”, foi um dos primeiros anarquistas espanhóis. Foi muito ativo no movimento desde a sua reunião com Giuseppe Fanelli em Madrid em 1868, até a sua morte em 1914.

Farga Pellicer

Farga Pellicer
Farga Pellicer

Rafael Farga i Pellicer (Ba rcelona, 1844 – 1890) também conhecido pelo pseudónimo de Justo Pastor de Pellico, foi um importante sindicalista de la Catalun ha na segunda metade do siglo XIX e tipógrafo diretor da tipografía La Academia.

Francisco Ferrer i Guardia

Foi iniciado em 1883 na loja Verdad de Barcelona e recebeu o nome simbólico de Zero.Fundador da Escola Moderna.

Anarquismo na França
Francisco Ferrer i Guardia

Francisco Ferrer Guardia (10 de Janeiro de 1849 – 13 de Outubro de 1909), foi um pensador anarquista catalão, criador da Escola Moderna (1901), um projeto prático de pedagogia libertária. Ele nasceu em Allela em 14 de Janeiro de 1849 (uma pequena cidade perto de Barcelona), filho de pais católicos, cedo se tornou anticlerical e juntou-se à Loja Maçônica Verdad, de Barcelona.

Apoiou o pronunciamento militar de 1886, que pretendia proclamar a República, mas diante do fracasso deste, Ferrer teve de exilar-se em Paris. Sobreviveu ensinando espanhol até 1901, e durante este período criou os conceitos educativos que aplicaria em sua Escola Moderna. A Escola Moderna transformou-se em um movimento de caráter internacional de apoio dos

trabalhadores a educação anti-Estatal e anti-Capitalista. Ferrer desenvolveu o método racional, enfatizando as ciências naturais com certa influência positivista, privilegiando a educação integral.

Propõe uma metodologia baseada na cooperação e respeito mútuo. Sua escola deveria ser frequentada por crianças de ambos os sexos para desfrutarem de uma relação de igualdade desde cedo.

A concepção burguesa de castigos, repressão, submissão e obediência, deveria ser substituída pela teoria libertária, de formação do novo homem e da nova mulher. Ferrer considerava que o cientificismo não era um saber neutro. Aqueles que tem o poder se esforçam por legitimá-lo através de teses científicas. Devido a intolerância da Igreja, em 1906, Ferrer foi preso sob suspeita de envolvimento no ataque de Mateo Morral, ex-colaborador de curta passagem, como tradutor e bibliotecário da Escola, que perpetrou um atentado frustrado contra o Rei Alfonso XIII, sendo absolvido um ano depois. Entretanto, durante sua estadia na prisão a Escola Moderna foi fechada. No ano seguinte, viajou pela França e Bélgica; neste último país, fundou a Liga Internacional para a Educação Racional da Infância.

Em 13 de Outubro de 1909 foi executado na prisão de Montjuich durante a lei marcial, acusado de ter sido o instigador da revolta conhecida como a Semana Trágica de Barcelona em 1909.

Execução de de Francisco Ferrer i Guardia na prisão de Montjuich.Execução de de Francisco Ferrer i Guardia na prisão de Montjuich.

Trabalhadores de passeata durante a "Semana trágica " em Barcelona
Trabalhadores de passeata durante a “Semana trágica ” em Barcelona

Avelino González: Foi diretor do periódico CNT.

Cristóbal Cano: Mestre laico da Escuela Neutra e membro do grupo específico Solidaridad.

Segundo Blanco: Chofer do dirigente anarquista e Conselheiro do Conselho Soberano das Astúrias.

José Caveda Obaya: Militante libertário em grupos de ação específica d a Federação Anarquista Ibérica (FAI).

Eleuterio Quintanilla

Anarquismo na França
Eleuterio Quintanilla

Nascido en Gijón en 1886, adere as fileiras libertarias colaborando com o periódico Solidaridad Obrera en 1909 e um ano mais tarde funda com Ricardo Mella a Acción Libertaria.

Em 1917, é iniciado como Maçom na Loja Jovellanos número 337 de Gijón e toma como nome simbólico o de Floreal.

Avelino González Mallada: Foi Maçom membro da loja Jovellanos, onde utilizava o nome simbólico de Panurgo, chegando a obter o grau 4 de Mestre Secreto. Chegou a ser prefeito de Gijón.

Avelino González García

Periodista e diretor del periódico CNT, foi iniciado na Loja Riego número 2, ml 21 de março de 1924, chegando ao grau de Mestre Maçom emoutubro de 1927.

Nas Astúrias a atração dos anarquistas pela Maçonaria só se registra

Durante o primeiro terço do século XX. Estes libertários vão a ocupar assento nas Lojas revestindo-se com o avental Maçônico, sendo que em muitas ocasiões sua transcendência iria muito mais alem, prolongando-se ao movimento operário e também ao educativo e social.

Segundo (Guerra, 2010), a atração dos anarquistas espanhóis pela Maçonaria se deveu principalmente ao caráter anticlerical da Maçonaria, fator que em dado momento tornou-se aglutinante, visto que a hierarquia católica espanhola era muito reacionária e representava a maior opressão e dominação sobre a classe operária.

Fonte: www.geocities.com/www.maconariaportugal.com/fr.wikipedia.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.