Breaking News
Home / História Geral / Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE

Definição

arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através de um exame atento dos papéis desempenhados por homens e mulheres, conforme exibido no registro arqueológico do passado.

O que é arqueologia de gênero?

O ramo da antropologia conhecido como arqueologia de gênero se esforça para aprofundar nossa compreensão dos papéis de homens e mulheres nas culturas humanas antigas.

Os fundadores deste ramo da arqueologia afirmam que um arqueólogo de gênero exige um maior grau de prova antes de formular teorias ou chegar a conclusões.

As metodologias usadas ao examinar os locais de sepultamento podem incluir análises esqueléticas, químicas e microscópicas; investigações em profundidade de artefatos de enterro; e estudos comparativos de outros túmulos.

Alguns acreditam que a arqueologia de gênero começou com o movimento feminista e argumentam que o estudo surgiu na tentativa de elevar o papel das mulheres na história da humanidade.

Os defensores da arqueologia de gênero afirmam que os estudos culturais convencionais geralmente interpretam mal os dados com base em idéias preconcebidas.

Muitas noções comuns em estudos antropológicos tipificam os homens como tendo as posições políticas, religiosas e sociais dominantes.

A arqueologia de gênero prefere examinar a história com base em evidências físicas, em vez de atribuir automaticamente papéis com base em características sexuais biológicas. Muitos propuseram que os machos, pensados para ser fisicamente mais fortes que as fêmeas, criaram ferramentas e aceitaram a responsabilidade de caçar e lutar, enquanto as mulheres eram responsáveis pela criação, coleta e tarefas domésticas típicas.

Com base em artefatos e evidências esqueléticas, evidências arqueológicas mais recentes sugerem que, em algumas culturas, os homens compartilhavam da educação infantil e outras responsabilidades domésticas e que as mulheres criavam ferramentas.

Arqueologia de Gênero

As culturas antigas freqüentemente enterravam homens deitados no lado direito, com a cabeça voltada para o leste ou norte, enquanto as mulheres eram colocadas no lado esquerdo, com a cabeça voltada para o sul ou oeste.

Os arqueólogos costumam classificar o sexo dos restos com base no posicionamento do enterro, até que a arqueologia de gênero se aprofundou ao realizar testes de ácido desoxirribonucleico (DNA) nos restos.

Alguns corpos, originalmente pensados para serem femininos, eram, de fato, masculinos.

A investigação de artefatos funerários em várias culturas revelou que algumas sociedades acreditavam em um terceiro gênero, ou indivíduos de dois espíritos, que freqüentemente agiam como agentes funerários, xamãs ou outros líderes religiosos de prestígio na comunidade.

Durante algumas investigações, os corpos adornados com jóias foram originalmente considerados femininos.

Investigações posteriores mostraram que ambos os sexos usavam jóias em algumas culturas e que o número e a colocação de adornos determinavam com mais precisão o sexo do indivíduo.

Em algumas sociedades, as mulheres ganharam status à medida que envelheciam.

Um arqueólogo de gênero que estuda um cemitério inteiro descobriu que, quando mulheres envelheciam em comunidades específicas, as sociedades os enterravam com roupas e artefatos mais extravagantes.

A arqueologia de gênero também descobriu que os homens de várias culturas nem sempre possuíam poder político e social.

Artefatos e restos de uma tumba descoberta no meio da Europa e datada de cerca de 500 aC, revelaram o local do enterro de uma possível princesa. Outro túmulo expansivo encontrado na Coréia, datado por volta de 400 dC, indica o local de descanso final de uma rainha.

Arqueologia de Gênero – Método

A arqueologia de gênero é um método de estudar sociedades passadas através de sua cultura material, examinando atentamente a construção social das identidades e relações de gênero.

A arqueologia de gênero em si baseia-se na ideia de que quase todos os indivíduos nascem naturalmente de um sexo biológico (geralmente masculino ou feminino, embora também sejam intersexuais).

Os arqueólogos de gênero examinam as posições relativas na sociedade de homens, mulheres e crianças através da identificação e estudo das diferenças de poder e autoridade que detinham, pois se manifestam em restos materiais (e esqueléticos). Essas diferenças podem sobreviver no registro físico, embora nem sempre sejam imediatamente aparentes e muitas vezes abertas à interpretação.

A relação entre os sexos também pode informar as relações entre outros grupos sociais, como famílias, diferentes classes, idades e religiões.

A teoria feminista na arqueologia de gênero apresentou uma nova perspectiva e introduziu alguns vieses na teoria arqueológica geral. Essa nova perspectiva, focada no ponto de vista feminista em arqueologia, foi iniciada pela rápida evolução no século XX, das perspectivas das Sociedades Ocidentais e da interpretação de gênero.

O desenvolvimento dessa perspectiva começou a partir do movimento feminista do final dos anos 1960.

Arqueologia de Gênero

Interpretação dos dados de gênero

A arqueologia de gênero injeta novos questionamentos na arqueologia filosófica e promove uma conscientização da importância da interpretação válida dos dados, além de causar uma revisão dos dados existentes.

Ao desafiar as idéias comumente adotadas, mas preconcebidas, sobre como homens e mulheres se relacionaram no passado, essa subdisciplina exige evidência em vez de afirmações.

Os arqueólogos de gênero nos forçam a parar de tentar reconstruir as interações passadas de homens e mulheres, cobrindo o registro arqueológico antigo com um modelo do século XXI.

Os benefícios para a antropologia geralmente estão nas áreas em que os pesquisadores podem aprender mais sobre papéis de gênero, ideologia de gênero e relações de gênero.

Sexo e Gênero

A interpretação dos achados da Idade do Ferro requer o uso de métodos arqueológicos.

Dois tipos principais de evidência fornecem nossos dados: achados escavados e fontes literárias do Mediterrâneo clássico.

Ambas as classes de evidência são incompletas, sujeitas aos caprichos da preservação e transmissão, repletas de possíveis erros e devem ser interpretadas criticamente.

Quase todos os objetos estudados aqui foram incorporados em assembleias funerárias.

Um aglomerado de tumbas apresenta a oportunidade de tentar explicar as associações de objetos e enterros, a escolha de objetos e a gama estilística de objetos de sepultura. A análise mortuária nos ensina que sexo, gênero, idade, identidade cultural ou étnica e vários papéis na sociedade ajudam a determinar o tipo de enterro, seu ritual associado e a seleção de objetos enterrados com os mortos.

A idade pode ser determinada com um bom grau de certeza – talvez oitenta por cento – se um esqueleto for preservado.

O crânio pode frequentemente ser identificado como tendo predominantemente as características de um tipo racial geral. A análise de DNA, quando realizada, pode revelar agrupamentos genéticos e anomalias.

A antropologia física pode ser extremamente informativa sobre a saúde, dieta, padrão de crescimento, causa de morte, etc. No entanto, os ossos não podem revelar como o indivíduo se sentiu ou pensou sobre qualquer um desses fatores biológicos ou como ele era considerado por ele/ela. meio social.

A raça é geralmente muito identificável com base nos restos humanos; identidade étnica e cultural de modo algum, uma vez que essas são questões de autodefinição variável com base em um complexo de fatores não representados no registro arqueológico. De maneira análoga, o sexo pode ser lido a partir dos ossos, mas o gênero, sendo uma questão de subjetividade social, cultural e individual, exige o exame de todo o achado complexo, o estudo comparativo de outros enterros e a consulta de fontes literárias não-celtas.

É surpreendente que um campo da arqueologia em que um grande número dos locais mais opulentos e significativos sejam enterros femininos se preocupe tão pouco com as questões de sexo e gênero.

Para entender a escolha, a função e o estilo de uma obra de arte, queremos saber por e por quem ela foi criada, quais eram seus propósitos funcionais e simbólicos originais e por que ela parou em seu local final de descoberta.

Juntamente com a idade, sexo e gênero representam aspectos de identidade que são fundamentais tanto para os papéis sociais, políticos e religiosos do indivíduo enquanto vivemos quanto para como esse indivíduo é tratado na morte e, assim, entra no registro arqueológico. É claro que nossas interpretações de um achado complexo como “elite”, “guerreiro”, “principesco”, “sacerdotal” etc. etc. serão fortemente coloridas pela adição de “feminino” a qualquer um desses termos. O cenário previsto em torno da fabricação, uso e deposição dos artefatos individuais deve, por sua vez, ser influenciado.

Quais são os diferentes tipos de teoria arqueológica?

A maioria das teorias arqueológicas lida com muitas das mesmas técnicas, evidências e fatos históricos, mas as aborda de maneira diferente.

As civilizações antigas eram tão complexas e ricas quanto as existentes hoje, o que significa que existem dezenas de maneiras diferentes de abordá-las e estudá-las.

A teoria arqueológica sempre foi motivo de controvérsia, passando da história cultural para a arqueologia processual e comportamental.

Esses métodos acabaram levando a uma teoria arqueológica chamada arqueologia pós-processual.

Especialistas no campo da arqueologia quase sempre discutiram sobre qual teoria arqueológica é a mais importante e a mais racionalizada.

A arqueologia histórica cultural se desenvolveu em cerca de 1860, depois que as teorias de evolução e seleção natural de Darwin se tornaram muito populares.

Os defensores da arqueologia histórica cultural teorizaram que toda cultura é distinta e separada, com códigos muito rígidos de comportamento normal. Por exemplo, se duas peças de cerâmica fossem encontradas em um local de escavação, com uma tendo padrões pontilhados e a outra decorada com listras, um arqueólogo histórico cultural assumiria que as duas peças eram de duas culturas distintas.

Os métodos da teoria da história cultural foram considerados um tanto falhos, embora não ilógicos.

Esse método de arqueologia postulava que todas as mudanças e variações dentro de uma cultura tinham que ser derivadas da observação dessas pessoas de outra cultura.

O foco era principalmente o motivo pelo qual as culturas mudaram e se desenvolveram, em vez de apenas observar que esses desenvolvimentos aconteceram. Os métodos para determinar as relações comerciais, movimento e cultura cruzada foram retidos da arqueologia histórica cultural e aplicados a outras teorias arqueológicas.

A teoria arqueológica processual desenvolveu-se dentro e afastou-se da arqueologia histórica cultural. A partir da década de 1960, muitos arqueólogos tomaram conhecimento do que chamavam de visão muito romântica e obstinada que consideravam que os arqueólogos históricos culturais anteriores haviam usado na interpretação dos dados. Para combater isso, os arqueólogos processuais procuraram aplicar o método científico a escavações arqueológicas, formando hipóteses não emocionais sobre como e por que as pessoas haviam vivido.

Essa teoria arqueológica ajudou as escavadeiras a examinar os locais de escavação de maneira mais objetiva, sem colocar suas próprias opiniões nas peças do quebra-cabeça, embora alguns tenham achado uma maneira fria de abordar a história.

A teoria arqueológica comportamental é uma espécie de ramificação da arqueologia processual. Desenvolvidas na década de 1970, essas teorias arqueológicas observavam muito objetivamente como as pessoas agiam. Essas escavadeiras concentraram-se nas ações dos povos antigos, sem especular por que eles agiram como agiram.

Esse método encorajou os arqueólogos a formar uma imagem completa de uma sociedade e de muitos de seus indivíduos, sem fazer julgamentos precoces.

As teorias arqueológicas pós-processuais estão entre as mais recentes teorias desenvolvidas.

Na década de 1980, um grupo de arqueólogos britânicos percebeu que escavadeiras não conseguem reunir culturas antigas sem aplicar suas próprias imagens e teorias às peças.

A maioria das teorias arqueológicas pós-processuais, portanto, incentiva as escavadeiras a teorizar, dentro da razão, e examinar por que elas acham que suas teorias estão corretas. Dessa maneira, a arqueologia se tornou mais uma arte do que uma ciência.

Fonte: www.archaeologyexpert.co.uk/www.researchgate.net/www.annualreviews.org/web.stanford.edu/www.wisegeek.org/www.cambridge.org/www.e-a-a.org/www2.iath.virginia.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Neolítico

PUBLICIDADE O termo Período Neolítico refere-se ao último estágio da Idade da Pedra – um …