Breaking News
Home / Turismo / Malta

Malta

PUBLICIDADE

História

Malta foi um importante centro de culto para a terra-mãe no quarta milênio aC. Trabalho arqueológico recente mostra um centro religioso desenvolvido muito antes da Suméria e do Egito.

A história Malta está escrita bem antes da era cristã.

Originalmente, os fenícios, e mais tarde os cartagineses, estabeleceram portos comerciais e assentamentos na ilha.

Durante a Segunda Guerra Púnica (218 aC), Malta tornou-se parte do Império Romano.

Durante o domínio romano, em 60 dC, São Paulo naufragou em Malta.

Malta

Em 533 dC Malta tornou-se parte do Império Bizantino e em 870 ficou sob o controle árabe.

Ocupação árabe de regra deixou uma forte marca na vida de Malta, costumes e linguagem.

Os árabes foram expulsos em 1090 por um grupo de Aventureiros normandos sob o comando do conde Roger da Normandia, que havia estabelecido um reino no sul da Itália e Sicília.

Malta tornou-se assim um apêndice Sicília para 440 anos. Durante este período, Malta foi vendido e revendido a vários senhores feudais e os barões e foi dominado sucessivamente pelo governantes da Suábia, Aquitaine, Aragão, Castela e Espanha.

Em 1523, uma data-chave na história de Malta, as ilhas foram cedidas pela Carlos V de Espanha à ordem ricos e poderosos dos Cavaleiros de St.João de Jerusalém.

Para os próximos 275 anos, esses famosos “Cavaleiros de Malta ” fez da ilha o seu reino. Eles construíram cidades, palácios, igrejas, jardins, e fortificações e embelezaram a ilha numerosas obras de arte e cultura.

Em 1565, estes cavaleiros quebrou o cerco de Malta por Suleiman, o Magnífico. O poder dos cavaleiros recusou, no entanto, e sua regra de Malta foi encerrada por sua rendição a Napoleão em 1798.

O povo de Malta levantou-se contra o domínio francês e, com a ajuda dos Britânicos, os expulsou em 1800.

Em 1814, Malta voluntariamente se tornou parte da o Império Britânico.

Sob o Reino Unido, a ilha tornou fortaleza militar e naval, a sede do British Frota no Mediterrâneo.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Malta sobreviveu a um cerco nas mãos das forças militares dos alemães e italianos (1940-1943).

Em reconhecimento, o Rei George VI, em 1942 recebeu a Cruz George “para a ilha-fortaleza de Malta – seu povo e defensores “do presidente Franklin Roosevelt, descrevendo o período da guerra, chamado de Malta “uma pequena chama brilhante na escuridão.”

Malta obteve a independência em 21 de setembro de 1964.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Malta

O arquipélago de Malta tem visto quase tudo na história, porque no seu solo ficaram marcas, de quase todas as civilizações. Os templos megalíticos espalham-se pelas ilhas, as antigas cidades romanas, as velhas igrejas medievais, a língua que deixaram os árabes, o misticismo dos Cavalheiros, a época britânica, tudo cheira a antigo em Malta. Caminhar pelos suas ruas enche de magia o turista.

Localização Geográfica

Malta é um arquipélago no meio do Mediterrâneo ao sul de Sicília.

Compreende quatro ilhas: Malta, Gozo, Comino e Filfla. As ilhas da República de Malta estão constituidas por camadas sedimentárias, sobretudo calcáreas, muito horizontais, com um ligeiro abombamento para o norte. Em conjunto é pouco elevado, mas acidentado. As costas são irregulares.

Flora

Se algo pode distinguir a Malta é a sua inacreditável fauna marinha. Nas numerosas grutas e cavernass de rochas, que encontram-se ao longo das costas e nas aproximidades, descobre-se uma rica variedade de espécies marinhas, que podem-se admirar e fotografar.

Por outro lado, graças a sua privilegiada temperatura de 15 graus, a vegetação, própria do Mediterrâneo, brota por todas partes. Cultivam-se cereais, hortaliças e legumes, assim como a criação de gado bovino e caprino.

História

O arquipélago de Malta tem estado habitado de tempos pré históricos. Não está clara a razão, mas é sabido que esteve desabitado depois, por volta de 2000 anos, até a chegada dos fenícios no século IX, antes de Cristo.

Foi invadida por Cartago no século IV e tornou-se romana, no ano 218 antes de Cristo. Os árabes ocuparam o arquipélago de 870 a 1090, data em que passou o poder dos normandos, do reino de Sicília.

Em 1530, Carlos V, a quem pertencia a ilha, a cedeu aos Cavalheiros de Rodas, que adotaram então o nome de Cavalheiros de Malta, em 1798. Os ingleses pegaram-na, em 1800 e o Tratado de Paris de 1814 confirmou a sua ocupação.

Em 1947 atingiu uma autonomia interna. Após diversos problemas, em 1964 um referendum favorável acelerou a concessão da independência, no mesmo ano, dentro da Commonwealth.

Um progressivo distanciamento, em respeito ao Reino Unido, culminou, em 1974, com a proclamação da República, dentro do âmbito da Commonwealth. Dom Mintoff, primeiro ministro e líder do Partido Laborista, reiterou a sua política de não-alinhamento, o que permiteu-lhe manter excelentes relações com a China e posteriormente, com a União Soviética. Em 1979, as forças britânicas abandonaram as instalações militares alugadas à ilha.

Em 1981 permitiram aos navios mercantes soviéticos a utilização dos depósitos de combustível, que antes tinham sido da OTAN, estabeleceram-se relações plenas com a URSS foi reiterada a neutralidade de Malta em respeito aos bloqueios militares.

A forte disputa que o país mantém dos anos 70, com Líbia, sobre o direito às exportações petrolíferas na plataforma continental foi posta finalmente à consideração da Corte Internacional de Justiça de Haya, em 1982, ano em que Malta foi aceita como membro do Conselho Geral da ONU.

Arte e Cultura

Os Cavalheiros Hospitaleiros de São João aportaram uma cultura própria a Malta. Antes deles, existem informações de antigos assentamentos, segundo as descobertas.

Antes dos Cavalheiros, fenícios, cartagineses, romanos ou aragoneses povoaram as ilhas, sem chegar a impor a sua cultura. Os Cavalheiros Hospitalarios têm seu início em torno do ano 1050 d.C.

Encarregavam-se de cuidar os feridos das Cruzadas. Com o tempo e especialmente, com a perda do Acra, em 1291, os Cavalheiros recebem a empobrecida ilha de Malta, como feudo através do imperador Carlos V.

Construiram hospitais e fortalezas, que ainda pode-se admirar. Nos Museus da Valletta é possível observar e reviver o passado cultural de Malta, marcado sobretudo pela presença dos Cavalheiros.

Gastronomia

A gastronomia do arquipélago maltês tem um caráter profundamente Mediterrâneo. Entre os alimentos mais consumidos destacam a carne de coelho (fenek), o peixe, como a lampuka, ou os servidos à maltesa, e o queijo.

O alho, as especiarias e o azeite de oliva são muito populares. A influência italiana deixa-se ver também na sua cozinha.

Bebidas

A cerveja local é bastante aceitável e os vinhos malteses são muito bons. Não há que esquecer que as condições do solo e do clima são particularmente favoráveis para a criação de maravilhosos caldos.

Compras

Os vinhos malteses são muito apreciados, assim como o artesanato sobretudo o vidro soprado e o encaixe de bilros.

Mas não esqueça de adquirir peças de vidro, cerâmica, bonecas, artigos de cobre e latão, trabalhos de filigrama em ouro e prata, assim como, encaixes feitos a mão.

No Centro Artesanal Maltês, na Praça de São João, exibem os trabalhos do artesanato local. Existe uma loja livre de impostos no aeroporto, aberto de dia e de noite.

População e Costumes

Por volta de 375.000 pessoas vivem em Malta. Os malteses são pessoas acostumadas com os estrangeiros, pois este tem sido um país visitado e disputado de tempos antigos. A influência britânica é muito forte, pois os ingleses permaneceram nas ilhas durante 150 anos, utilizando-a como base militar.

Os habitantes das ilhas são amáveis e hospitaleiros. e diz-se com frequência, que os malteses são a síntese afortunada da amabilidade mediterrânea e do disciplinado altruismo anglo saxão.

Os britânicos deixaram coisas boas às ilhas, entre elas um sistema social e administrativo exemplar, excelentes escolas e uma atitude disciplinada e serena dos malteses em todas as situações da vida, assim como uma boa dose de humor inglês.

Por outro lado, o povo maltês é muito religioso e bastante tradicional, em algumas aldeias, onde costumam celebrar as festividades de cada patrono.

Entretenimento

O arquipélago de Malta é um remanso de paz e tranquilidade, mas não por isso um lugar onde o tédio seja a nota predominante. Tudo ao contrário, Malta é um paraíso para aqueles que procuram praias, sol, descanso e tranquilidade.

Uma média, por ano, de 6 horas de sol diárias, 15 graus de temperatura na água, e umas brancas praias são o que fazem de Malta, a pérola do Mediterrâneo.

Malta é também um excelente lugar para a prática de esportes náuticos, especialmente o mergulho. Graças as suas numerosas rochas, grutas e cavernas, onde há uma abundante fauna, a água é de uma claridade que surpreende nestas latitudes.

Mas se gostar mais das atividades em terra, Malta oferece-lhe um excelente campo de Golfe de 18 buracos, canchas de tênis, equitação, squash ou badmintom e uma agitada vida noturna em discotecas, bares e cafeterias.

Outra das alternativas muito interessantes, é alugar algum bangalô privativo e perder-se em uma paz insuspeita. Se preferir, é possível alugar uma casa de lavoura, da qual pode-se realizar interessantes excursões.

Festividades

A festa mais representativa e interessante de Malta es, sem dúvida, o Carnaval de Malta. paradas e carroças são uma autêntica explosão de cor e diversão (durante o carnaval, os estabelecimentos e escritórios permanecem abertos).

Depois segue a Grande Regata no Porto da Valletta, que comemora o fim do assédio dos turcos no ano de 1565. Numerosas embarcações de Dghajsas, similares às de Veneza, lançam-se ao mar, pelo que o espetáculo é de grande interesse.

As festas oficiais são: o dia 1 de Janeiro Ano Novo, dia 10 de Fevereiro Naufrágio de São Paulo, no dia 19 de Março São José, 31 de Março Dia da Liberdade, Semana Santa, no dia 1 de Maio Dia do Trabalho, no dia 7 de Junho Festa do Sette Giugno, no dia 29 de Junho Festa de São Pedro e São Paulo, no dia 15 de Agosto Assunção da Virgem, no dia 21 de Setembro Dia da Independência, no dia 8 de Dezembro Imaculada Conceição, no dia 13 de Dezembro Dia da República, no dia 25 de Dezembro Natal.

Transportes

Avião: A Malta pode-se chegar de avião. O arquipélago conta com um aeroporto na Ilha de Malta. Air Malta oferece diversos vôos das principais cidades de Europa.

Barco: Malta está comunicada por via marítima, pela Companhia Italiana Navegações Tirrenia e pela empresa nacional Gozo Channel Company, dos portos de Reggio, Calábria, Catânia e Siracusa.

Carro: Há numerosas empresas de aluguel de veículos. Também é possível alugar motocicletas ou bicicletas. Para alugar um automóvel é necessário ser maior de 25 anos de idade. Em Malta conduz-se pela esquerda e a velocidade máxima é de 64 km/h e de 40 km/h nas zonas urbanas.

Transporte Público: Entre todas as cidades e vilas da ilha e a capital, A Valletta, existem frequentes ônibus que comunicam-nas entre si. São de cor verde. Na Valletta saem da City Gate.

Taxis: Não são muito caros e levam taxímetro oficial. São de cor branca, com a matrícula vermelha e letras em preto.

Fonte: www.genteviajera.es

Malta

“O turismo é uma atividade econômica importante em Malta, esse pequeno arquipélago recheado de cultura é parada obrigatoria para quem vai a Europa.”

Quatro principais ilhas compõem o arquipélago maltês – Malta, Gozo e Comino são habitadas; Fifla não é.

Cominotto e as duas ilhotas conhecidas coletivamente como Ilhas de São Paulo também são desabitadas. As ilhas de Malta cobrir uma área de 316 quilômetros quadrados (246 Malta, Gozo 67, Comino 2,7).

O arquipélago apresenta um dos destinos mais encantadores do Mediterrâneo, e oferece uma experiência única de férias. Abençoado com sol o ano inteiro e conjunto em águas cristalinas, as ilhas são um cenário fascinante para um período de férias.

Inúmeros tesouros culturais, artísticos e naturais estão lá para que você descubra e da beleza é que eles são todos de fácil acesso, onde você escolher para ficar nas ilhas.

O arquipélago maltês está encravado no centro do Mediterrâneo.

As terras mais próximas são todas sicilianas / italianas: a grande ilha da Sicília a norte, as ilhas Pelágias a oeste e a ilha de Pantelleria a noroeste.

Sua capital – situada na ilha de Malta – é La Valetta.

As cinco ilhas do arquipélago maltês são: Malta, Gozo, Comino e duas ilhotas desabitadas Cominotto e Filfla, as quais, no total, têm superfície de 316 km² e abrigam uma população estimada em 400 214 habitantes.

Diversão

Malta é um excelente lugar para a prática de esportes náuticos, especialmente o mergulho. Graças as suas numerosas rochas, grutas e cavernas, onde há uma abundante fauna, a água é de uma claridade que surpreende nestas latitudes.

Malta oferece-lhe um excelente campo de Golfe de 18 buracos, canchas de tênis, equitação, squash ou badmintom e uma agitada vida noturna em discotecas, bares e cafeterias.

Transporte

O arquipélago conta com um aeroporto na Ilha de Malta. Air Malta oferece diversos vôos das principais cidades de Europa.Entre todas as cidades e vilas da ilha e a capital, A Valletta, existem frequentes ônibus que comunicam-nas entre si. São de cor verde. Na Valletta saem da City Gate.

Os taxis não são muito caros e levam taxímetro oficial. São de cor branca, com a matrícula vermelha e letras em preto.

Gastronomia

Na cozinha tradicional maltesa destacam-se as sopas (minestrone, sopa de peixe), as massas e bolos e, em especial, os pratos estufados, como o prato nacional denominado Stuffat Tal-Fenek (estufado de coelho).

Dinheiro

Lira maltesa é a moeda de Malta.

O cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares

Compras

Os vinhos malteses são muito apreciados, assim como o artesanato sobretudo o vidro soprado e o encaixe de bilros. Mas não esqueça de adquirir peças de vidro, cerâmica, bonecas, artigos de cobre e latão, trabalhos de filigrama em ouro e prata, assim como, encaixes feitos a mão.

No Centro Artesanal Maltês, na Praça de São João, exibem os trabalhos do artesanato local. Existe uma loja livre de impostos no aeroporto, aberto de dia e de noite.

Capital Valeta

Valeta (em maltês Valletta) é a capital da República de Malta, com uma população de cerca de 6 315 habitantes (senso de 2005), e principal cidade da ilha de Malta.

Foi a partir desta cidade que Napoleão atacou a Ordem, obrigando o Grão-Mestre Ferdinand von Hompesch, que lhe teria dado porto-salvo para reabastecer os navios enquanto se dirigia para o Egipto, a capitular.

Idioma

Os dois idiomas oficiais em Malta são o maltês e o inglês. O maltês é uma língua com raizes árabes e influência italiana e francesa. O inglês que falam os malteses é muito correto, pois as crianças estudam na escola.

Clima

O clima é bastante moderado durante a maior parte do ano; é um clima Mediterrâneo, quer dizer, invernos muito suaves e verões também bastante suaves.

Fonte: www.souturista.com.br

Malta

Malta é um país do Sul da Europa.

A capital é La Valetta.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo, a Igreja Católica Romana é a igreja oficial).

A língua nacional é o Maltês. A outra língua oficial é o Inglês.

A Grã-Bretanha formalmente adquiriu a posse de Malta em 1814. A ilha apoiou incondicionalmente o Reino Unido através das duas Guerras Mundiais e manteve-se no Commonwealth quando se tornou independente em 1964.

Uma década mais tarde Malta tornou-se uma república. Desde cerca de meados dos anos 1980s, a ilha se transformou em um ponto de transbordo de mercadorias, um centro financeiro e um destino turístico.

Malta tornou-se um membro da União Européia em Maio de 2004 e começou a usar o euro como moeda em 2008.

Malta é composta por várias pequenas ilhas no Mar Mediterrâneo. É uma terra de história, intriga política e lendas. A ilha serviu como base dos cruzados Cavaleiros de Malta, que exerceram o poder da espada para defender esta ilha do Cristianismo contra os Muçulmanos do Império Otomano dos séculos 16 ao 18.

Terra

O arquipélago Maltês está 57 milhas (92 km) ao sul da Sicília e 179 milhas (288 km) a leste da Tunísia no Mar Mediterrâneo. Sua grande ilha principal, Malta, tem cerca de 17 milhas (27 km) de comprimento e 9 milhas (14 km) de largura; as outras ilhas são Kemmuna (Comino), Gozo, e os ilhéus desabitados de Kemmunett (Cominotto) e Filfia. A ilha principal é composta de calcário.

Malta não tem rios, lagos, minerais e matérias-primas, com exceção do calcário amarelado usado para a construção. Há poucas árvores. Os invernos são frios, ocasionalmente; os verões são quentes, secos e sem nuvens.

A precipitação se origina principalmente no outono e início do inverno. O número de horas de sol desfrutados nas ilhas é um trunfo importante. As superfícies rochosas das ilhas são cobertas com 3 ou 4 pés (cerca de 1 m) de solo.

População

Malta tem uma população de cerca de 400.000. Os Maltêses são descendentes dos antigos Cartagineses e Fenícios, com elementos de Italianos e outros povos do Mediterrâneo misturados. Alguns 98 por cento da população são Católicos Romanos. Ambos Maltese e Inglês são as línguas oficiais, mas mais do que 90 por cento usam o Maltese.

Cidades

Valletta, na costa central oriental da ilha de Malta, é a capital nacional. Ela é um monumento vivo à grande riqueza e gosto artístico dos Cavaleiros e foi designada pela UNESCO como Patrimonio Mundial. Valletta está localizada em uma península entre dois portos naturais.

Um destes, o Grand Harbor, foi uma importante base naval Britânica nos séculos 19 e 20 e foi fortemente bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial. A maior cidade é Birkirkara, no centro da Ilha de Malta.

No extremo sul da ilha está Marsaxlokk, uma vez uma pequena vila piscatória e hoje um dos portos mais movimentados de containers na Europa.

Economia

Dadas as condições rochosas, os agricultores Malteses têm que lutar para crescer qualquer coisa. Eles cultivam a batata, tomate, cebola, melão, cereais, uvas, frutas cítricas e outros vegetais, bem como o trevo e o feno para alimentar o seu gado, ovelhas e cabras.

No entanto, muita comida deve ser importada. Há uma indústria de pesca de pequeno porte, e parte da captura é exportada.

O turismo responde por cerca de 30 por cento do produto interno bruto (PIB). (O PIB é o valor de mercado total de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano).

Os visitantes vêm de todo o mundo para se aquecer nas praias e ver as grandes relíquias do passado. Além dos palácios medievais e túmulos dos Cruzados, estes últimos incluem restos fósseis de animais pré-históricos e templos megalíticos. (Megalitos são grandes pedras que foram amplamente utilizadas para construir estruturas e monumentos pré-históricos na Europa).

Vários desses templos, que datam do 4º e 3º milênio a.C., são patrimonio mundial da UNESCO. O mais famoso deles está em Tarxien.

Desde a última década do século 20 o desenvolvimento econômico de Malta tem sido baseado não só no turismo, mas também sobre as exportações de bens manufaturados, especialmente semicondutores e produtos farmacêuticos.

Os serviços financeiros também se tornaram importantes. A desaceleração global que veio na esteira da crise financeira de 2008 secou o turismo e os mercados para as exportações de Malta. Em 2010 a economia estava se recuperando, no entanto.

Economia – visão geral:

Malta – a menor economia da zona do euro – produz apenas cerca de 20% das suas necessidades alimentares, tem limitada água potável, e tem poucas fontes de energia domésticas.

Posição geográfica de Malta entre a Europa e África do Norte o torna um alvo para a imigração ilegal, o que tem exigido recursos políticos e econômicos de Malta.

Taxa de Malta fertilidade está abaixo da média da UE, eo crescimento da população nos últimos anos tem sido em grande parte da imigração, a pressão sobre o sistema previdenciário.

Malta adoptaram o euro em 1 de Janeiro de 2008. Economia de Malta é dependente do comércio exterior, produção e turismo, e foi ferido pela crise econômica global.

Malta tem desemprego baixo em relação a outros países europeus, e crescimento recuperou desde a recessão de 2009.

Malta indústria de serviços financeiros tem crescido nos últimos anos e tem evitado o contágio da crise financeira europeia, em grande parte porque a sua dívida é principalmente realizada a nível nacional e os seus bancos têm baixa exposição à dívida soberana dos países periféricos da Europa.

Malta reduziu o seu défice abaixo dos 3 por cento do PIB, levando a UE a despedir o seu procedimento de défice excessivo contra Malta oficial em 2012.

História

Malta pode ter sido parte da ponte de terra que ligava o norte da África à Itália. Ela está cheia de tesouros arqueológicos, arquitetônicos e artísticos das pessoas que lá viviam.

Templos da Idade da Pedra foram desenterrados, e restos de homens do Neolítico e da Idade do Bronze também foram encontrados.

A ilha foi detida em sucessão por Fenícios, Cartagineses, e Romanos. Os Maltêses ainda orgulham-se de um evento que ocorreu durante a dominação Romana da ilha. Em 60, São Paulo, em seu caminho para a capital imperial de Roma, naufragou em Malta, em uma baía que hoje leva seu nome.

Esta é a data tradicional da conversão da ilha ao Cristianismo. Hoje a maioria dos Malteses são membros da Igreja Católica Romana.

No século 9, os Árabes começaram a sua dominação de 220-anos de Malta. O Maltês, a linguagem de Malta, é semelhante ao Árabe, com traços das línguas Italiana e outras.

Em 1090 um conde Normando subjugou os Árabes na Sicília, e tomou a ilha de Malta. Por 440 anos Malta foi um apêndice da Sicília. Eventualmente ela veio sob o controle do Sacro Imperador Romano Carlos V.

Em 1530, Charles V deu Malta à ordem religiosa e militar dos Cavaleiros de São João de Jerusalém (também conhecida como os Cavaleiros de Malta).

Os Cavaleiros, originalmente uma ordem hospitalar estabelecida para defender e cuidar dos Cruzados feridos, vieram para Malta depois de terem perdido suas bases em Jerusalém e Rhodes.

Por 268 anos eles policiaram o Mediterrâneo, fazendo de Malta uma base militar na sua luta para deter a expansão do Império Otomano (Turco). No ano de 1565, os Turcos sitiaram Malta com um exército de cerca de 30.000 homens em quase 200 navios.

Os ilhéus estavam em menor número 5-1, mas conseguiram bravamente manter a ilha como um posto avançado da Europa Cristã.

Pouco tempo depois, Jean Parisot de La Valette, Grão-Mestre dos Cavaleiros e líder da defesa, construiu um grande porto-fortaleza no promontório rochoso e nomeou-o Valette, ou, como é agora conhecido, Valletta.

Napoleão I apreendeu Malta em 1798, e em 1800 os Britânicos entraram no controle. Até 1959, Malta foi um elo fundamental na defesa do Império Britânico.

A ilha prosperou, com a maioria de seus habitantes direta ou indiretamente envolvidos com a Marinha Real Britânica.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Malta resistiu a mais de 2.000 ataques aéreos. Em memória do sofrimento terrível e da ação heróica do povo, toda a população de Malta foi condecorada com a Cruz de George em 1942 pelo Rei George VI da Grã-Bretanha.

Embora a maioria dos visitantes conhecem Malta como um lugar pacífico, sua política interna desde a Segunda Guerra Mundial têm sido bastante divisiva.

Dois partidos principais – o socialista Partido Trabalhista de Malta e o conservador Partido Nacionalista – amargamente têm lutado pelo controle do governo da nação.

De 1971 a 1987, o governante Partido Trabalhista tentou reduzir a influência tradicional da Igreja Católica Romana. Os Nacionalistas tomaram o poder em 1987 e permaneceram no poder até 1996, liderados por Eddie Fenech Adami.

Em Dezembro de 1989, depois que a maioria dos regimes Comunistas na Europa Central e nos Balcãs tinham desmoronado, Malta sediou a primeira reunião de cúpula entre o Presidente dos EUA, George Bush e o Presidente Soviético Mikhail Gorbachev.

Durante a posse dos Nacionalistas, Malta também pediu a adesão na União Europeia (UE) e se juntou a Parceria para a Paz da Organização do Tratado do Atlantico Norte (OTAN).

Em outra mudança de poder, o Partido Trabalhista venceu por uma pequena maioria em 1996, e pouco depois de assumir, retirou o pedido do país para a adesão na UE.

Dois anos depois, em 1998, os Nacionalistas voltaram ao poder, com Adami novamente como primeiro-ministro.

O governo renovou a aplicação da UE. Apesar da oposição por quase metade da população de Malta, o país aderiu à UE no início de Maio de 2004 e adotou o euro como sua moeda em 2008.

Adami liderou os Nacionalistas à vitória novamente em 2003, mas renunciou em 2004 para tornar-se presidente, cargo que ocupou até 2009. Ele foi sucedido por Lawrence Gonzi como primeiro-ministro e por George Abela como presidente.

Devido à sua proximidade com o continente Africano, Malta tornou-se uma porta de entrada para a Europa para imigrantes ilegais do Norte da África. Malta incorreu em críticas por suas severas políticas para com os migrantes. Ela manteve alguns em detenção durante o tempo de quase 18 meses.

Governo

Malta ganhou autonomia interna em 1947 e completa independência em 1964. Ela tornou-se uma república em 1974. O Legislativo é a Câmara dos Deputados.

A Câmara elege o presidente, que é chefe de Estado, por cinco anos. O presidente nomeia um primeiro-ministro ou chefe de governo. O líder do partido majoritário na Casa é tradicionalmente escolhido para este papel.

Malta
As antigas fortificações na capital Valletta data para o século 16

Hugh H. Smythe

Fonte: Internet Nations

Malta

Nome completo: República de Malta
População: 418.000 (ONU, 2011)
Capital: Valletta
Área: 316 km ² (122 milhas quadradas)
Principais idiomas: maltês, Inglês
Principal religião: Cristianismo
Expectativa de vida: 78 anos (homens), 82 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: Euro a partir de 01 de janeiro de 2008
Principais exportações: máquinas e equipamentos de transporte
RNB per capita: EUA $ 18.620 (Banco Mundial, 2010)
Domínio da Internet:. Mt
Código de discagem internacional: 356

Perfil

O arquipélago maltês inclui as ilhas de Malta, Gozo, Comino, Comminotto e Filfla.

Ele tem uma história de séculos de controle coloniais de expansão.

Localizado ao sul da ilha italiana da Sicília, entre a Europa e Norte de África, foi ocupada por fenícios, gregos, romanos, árabes e, ultimamente, França e Grã-Bretanha.

Independência da Grã-Bretanha foi alcançado em 1964, depois que o povo de Malta receberam a Cruz George para defender a ilha durante a Segunda Guerra Mundial.

Quarenta anos em Malta era o menor dos 10 países a aderir à UE em Maio de 2004. Ele juntou-se a zona do euro em 2008.

Desde que se tornou membro da UE, a pequena ilha relatou um problema crescente com a imigração do norte da África e pediu mais ajuda para lidar com isso.

A agência de refugiados da ONU criticou a política da ilha de manter os requerentes de asilo em detenção por 18 meses.

Ao longo dos séculos, a posição estratégica de Malta promoveu o seu desenvolvimento como entreposto comercial importante e continua a ser um dos principais centros de transbordo de contentores e de mercadorias.

Malta é um popular destino de férias e turismo é a principal fonte de renda do país.

Malta
Malta tem uma história colonial abrangendo séculos

Uma cronologia dos principais eventos:

1814 – Malta uma colônia da coroa do Império Britânico.

Segunda Guerra Mundial – pesado bombardeio por forças aéreas alemãs e italianas segmentação bases aliadas.

1942 – Rei George VI colônia prêmios da Cruz George – a mais alta condecoração da Grã-Bretanha civil – para o heroísmo.

1947 – O auto-governo concedido.

1959 – O auto-governo revogada.

1962 – O auto-governo restaurado.

1964 – A independência total.

1964-71 – Partido Nacionalista persegue pró-ocidental de alinhamento.

1971 – Malta Dom Mintoff do Partido Trabalhista toma o poder, começa nova era de amizade não-alinhamento e especial com a Líbia e Estados comunistas.

1974 – Malta torna-se república.

1979 – Encerramento da base militar britânica.

1984 – Mintoff renuncia, sucedido por Carmelo Mifsud Bonnici.

Estrada para UE

1987 – Vitória de marcas Partido Nacionalista avançar para a integração europeia. Eddie Fenech Adami torna-se primeiro-ministro.

1989 – Malta acolhe primeira cimeira entre o presidente soviético Mikhail Gorbachev eo presidente dos EUA, George Bush.

1990 – Malta apresentar um pedido de adesão plena da União Europeia (UE).

Abril de 1995 – Malta junta parceria da OTAN para a Paz, só para sair em Outubro de 1996, a fim de manter sua neutralidade.

1996 – O Partido Trabalhista, liderado por Alfred Sant, recupera a energia e prateleiras pedido de adesão à UE.

1998 – Partido Nacionalista Eddie Fenech Adami de volta ao poder, revive pedido para entrar UE.

1999 – Guido de Marco empossado como presidente.

2001 Maio – O Papa João Paulo II visita a Malta, onde 98% da população são católicos romanos. O Papa beatifica três clérigos maltês em uma cerimônia ao ar livre.

De dezembro de 2002 – Cimeira da UE em Copenhague formalmente convida Malta a participar em 2004.

Março de 2003 – Pouco mais de 53% dos eleitores dizem sim à UE em referendo.

Abril de 2003 – partido no poder Adami de Nacionalista reclama vitória em uma eleição geral, confirmando o resultado do referendo pró-UE.

Março de 2004 – Lawrence Gonzi empossado como primeiro-ministro depois da aposentadoria do veterano líder Edward Fenech Adami.

2004 Maio – Malta é um dos 10 novos Estados para aderir à UE.

Julho de 2005 – O Parlamento ratifica proposta de Constituição da UE.

Malta se junta a zona euro

Malta
Malta tornou-se um destino turístico

2008 Janeiro – Malta adoptar o euro.

Março de 2008 – As eleições gerais. Partido Nacionalista vence por uma margem muito pequena.

2009 Abril – O Papa Bento XVI faz peregrinação a Malta, seguindo os passos dos primeiros missionários cristãos São Paulo, que naufragou na ilha 1.950 anos antes, em 60 AD.

2011 Julho – Maltese Parlamento aprova lei que permite o divórcio depois que o movimento foi aprovada em um referendo em maio; do estado, principalmente católica tinha sido o único país da Europa a proibir o divórcio.

2012 Janeiro – Malta classificação de crédito, juntamente com a de vários países da zona euro, é rebaixada pela agência Standard and Poor classificação. O FMI adverte que a economia maltesa está em risco de contágio da crise financeira global.

2013 Março – Partido Trabalhista retorna ao poder após vencer as eleições.

Fonte: news.bbc.co.uk

Malta

História

Malta foi habitada desde cerca de 5200 aC. BC e de uma civilização pré-histórica significativa existia na ilha antes da chegada dos fenícios, que deram a ele o nome de Malat, ou seja, um lugar seguro.

Gregos também se estabeleceram no site da Mdina presente e fornecer um regime democrático em Malta. A ilha foi, então, sob o controle de Cartago (-400) e Romanos (-218), antes de ser conquistada pelos árabes em 870.

Colonização árabe deu a Malta uma grande parte de sua cultura, incluindo a sua própria língua, maltês.

Em 1090, os normandos da Sicília mestres, liderado pelo Conde Roger de Hauteville, apreendeu Malta. Em 1127, a ilha ficou sob domínio da Sicília.

Durante este período, o rechristianisèrent maltês, mas manteve sua língua árabe, enquanto emprestando fortemente uma parte do seu vocabulário siciliano e italiano.

Em 1530, Carlos V, Sacro Imperador Romano e rei da Espanha, que tinha herdado os bens de Nápoles e Sicília, Malta oferece a Ordem Hospitaleira de S. João de Jerusalém, uma ordem dedicada à defesa da Reino Latino de Jerusalém, de Rodes compensação onde eles foram caçados pelos otomanos: o Grão-Mestre da Ordem de Malta tornou-se soberano. A ordem, então, mudou de nome e tornou-se conhecida como a Ordem de Malta. Eles construíram fortificações muitos e foram capazes de resistir com êxito o cerco turco de 1565.

Seu governo terminou em 1798 com a captura da ilha por Napoleão Bonaparte. Em 1800, o maltês chamado usando o Inglês por causa de várias leis impopulares promulgadas por Bonaparte.

No entanto, o britânico se recusou a fazer o arquipélago para a Ordem de Malta, e oficialmente anexada ao Império Britânico em 1814 pelo Tratado de Paris.

Mas os britânicos não eram mais aceitáveis do que os franceses: eles imposta unilateralmente sua língua monopolizado todo o poder político e econômico. Esta exploração colonial, por sua vez provocou o surgimento de fortes reivindicações nacionalistas, e os britânicos tiveram de admitir novas constituições crescente número de maltês eleito para o Conselho Legislativo, e reconhecer (em 1934) da língua maltesa.

Finalmente, a independência do país foi reconhecida 21 de setembro de 1964, mas manteve Malta rainha Elizabeth II como a sua cabeça, como muitos países da Commonwealth.

Não foi até dez anos depois, em 13 de dezembro de 1974, proclamou a República e Malta elege um Presidente, na sua cabeça. A adesão de Malta à União Europeia entrou em vigor em 1 de Maio de 2004, 11 anos após as primeiras negociações.

NB: Durante a Segunda Guerra Mundial, Malta desempenhou um papel importante devido à sua proximidade com as forças do Eixo, que rendeu ao país o rei George Cruz por sua bravura e essa cruz está agora na bandeira nacional.

Geografia

Malta estado ilha no Mar Mediterrâneo, entre a Sicília ea Tunísia, que abrange 316 km2, ocupa uma posição estratégica entre as duas bacias do Mediterrâneo, inclui, de noroeste para sudeste, Gozo (Gozo ), a ilha de Comino (Kemmuni) e da ilha de Malta em si. Baixa calcário ilha (258 m), clima mediterrâneo seco, Malta está privado de água doce, que deve ocorrer na dessalinização da água do mar a população, estimada em 400 mil habitantes, não aumenta fracamente e emigração, anteriormente enorme secou.

A ilha suporta uma densidade de 1265,8 registro h./km2. Valletta, a capital, onde mais de metade da população total do arquipélago. A economia é relativamente diversificada e próspera agricultura (cereais, frutas, legumes), indústria (arsenal Valletta, mecânica, têxtil, elétrica e eletrônica), o turismo.

Economia

O setor agrícola é reduzido e as batatas são apenas a quantidade bem exportado. A indústria da pesca também é relativamente insignificante, embora Malta é um estado insular. Dados os recursos limitados, os governos têm pensado o desenvolvimento da economia do país por meio do turismo e produtos específicos para exportação.

Turismo já responde por mais de um quarto das receitas do comércio exterior Malta. O setor industrial inclui têxteis, calçados e roupas (o maior de novas indústrias), plásticos, impressão eletrônica e equipamentos elétricos.

Os estaleiros antigos usados pelos britânicos foram modificados e agora servem estaleiros comerciais. Malta desenvolveu estreitos laços econômicos com a Líbia, que tem investido fortemente no mercado imobiliário e comércio na ilha, mas também desde que o volume de óleo necessário para cobrir as necessidades de energia do país.

França tornou-se o principal mercado de exportação (18,5% do total), seguido pelos Estados Unidos, Alemanha, Cingapura, Reino Unido e Itália. A política econômica principal discutido nas relações de Malta com a União Europeia ea candidatura do país para a integração na UE.

Partido Nacionalista (PN), um conservante, é a favor da integração, enquanto o Partido Trabalhista de Malta se opôs.

Os efeitos desestabilizadores dessa divisão surgiu no final de 1990: em 1996, após a vitória do Partido Trabalhista de Malta nas eleições de outubro, a demanda por integração de Malta foi subitamente retirado, mas depois vitória conservadora nas eleições de Setembro de 1998, Malta foi novamente um candidato.

Fonte: www.europa-planet.com

Malta

História

história de Malta é uma história de conquistas e conquistadores. Fenícios, romanos, árabes, aragoneses, os Cavaleiros da Ordem de St. John e os britânicos foram apenas alguns dos que tomaram vantagem da localização estratégica da ilha para torná-la uma chave de controle sobre o mediterrâneo. Ainda é possível encontrar sinais dessas culturas na ilha.

Nos túmulos fenícios espalhados por toda a ilha, a antiga cidade de Mdina e seu passado árabe, a capital Valeta, um livro aberto sobre a história da Ordem de St. John, e o que dizer da influencia britânica: a direção pela mão esquerda e as típicas cabines telefônicas inglesas são apenas algumas das memórias deixadas na ilha.

Em 1090, os normandos conquistaram a ilha para o rei da Sicília, que 300 anos depois passou para o reinado espanhol de Aragon. No século XVI a proteção da ilha foi confiada a Ordem da Hospitalidade de St. John (Cavaleiros Hospitaleiros).

Expulsos da Palestina, acabaram se fixando em Malta após a queda da Tunísia em 1574. Permaneceram lá por mais de três séculos, conhecidos como cavaleiros de Malta, até que os franceses os expulsaram em 1574.

O Congresso de Viena em 1815 reconheceu formalmente o titulo de Ordem Soberana de Malta, e deu a soberania sobre a ilha à Inglaterra.

A partir do início do século XX os malteses começaram a lutar por sua independência. Em 1921, após uma rebelião popular, Londres aceitou um certo grau de autonomia, que foi revogado quando a Segunda Guerra Mundial começou, durante a qual a ilha serviu de base contra as forças aliadas na Itália.

A batalha heróica do povo maltês elevou a consciência nacional. Em 1947 Londres devolveu a autonomia e declarou a independência da ilha em 8 de setembro de 1964, no entanto o Reino Unido continuou assegurando a assistência financeira e protegendo a ilha após a assinatura de um acordo por 10 anos.

Em 1971 o Partido Trabalhista chegou ao governo e estabeleceu relações com a Itália, Tunísia, USSR e Líbia, dos quais recebeu apoio financeiro. As forças da NATO foram expulsas em 1971 e dois anos depois Malta se juntou ao Movimento dos Países Não-Aliados.

As relações com a Líbia ficaram estremecidas em 1980 devido mineração de petróleo na plataforma continental da ilha. O conflito foi levado a Corte Internacional de Justiça, com sede em The Hague, e assim as relações bilaterais foram normalizadas.

Desde o início da administração do Partido Trabalhista, o poder Executivo adotou medidas para reduzir o papel da Igreja, proprietária de 80% das construções e do controle do sistema educacional.

O conflito explodiu em 1983 quando o governo tomou os bens da igreja e decretou a educação laica para o nível primário. Por fim em 1985 o governo e a Igreja assinaram um acordo que prevenia o uso gradual do ensino laico nas colegial. O Partido Nacional assumiu o governo em maio de 1987.

O primeiro ministro liberal Edward Fenech-Adami iniciou uma política de aproximação com os Estados Unidos. As importações tornaram-se livres, foram criadas zonas francas e o turismo e os investimentos estrangeiros foram impulsionados.

O primeiro ministro Adami foi reeleito em fevereiro de 1992, quando anunciou que seu objetivo principal era a integração à Comunidade Européia. Em 1993, a estabilidade democrática e a política de direitos humanos de Malta tornou possível a incorporação à Comunidade.

No entanto, suas estruturas econômicas eram consideradas “arcaicas” e a implementação da “reforma econômica fundamental” foi aconselhada. Em junho de 1995 a CE transferiu assistência econômica a Malta para contribuir com a reforma da economia e negociações foram anunciadas no final de 1996 com a entrada formal do país ao bloco.

Culinária

A culinária maltesa é resultado da interação entre culturas dos moradores da ilha e antigos conquistadores. É rústica e basicamente composta de produtos da estação e frutos do mar.

A maioria das receitas clássicas tem como base uma torta, que pode ser recheada com vegetais, queijo, peixe, carne, arroz ou massa, criando pratos variados e saborosos. Entre estes a torta lampuki, com recheio de peixe, espinafre, couve-flor, queijo de cabra e amêndoas, e pastizzi, uma delícia de ricota e massa de ovos.

Devido a falta de fogões a lenha, os malteses desenvolveram um processo de cozer lento no qual colocam o alimento em vasilhames de barro sobre uma pedra quente chamada kenur, que surgiu da predileção por cozidos e sopas, como o cozido de coelho com vinho e ervas, altamente recomendado.

Outra forma de preparação de pratos é o recheio de carne e frutos do mar, como o polvo recheado com molho de tomate quente, ou frango recheado com batatas, cebolas, alho e ervas.

Os vinhos malteses não são caros, e há alguns de ótima qualidade, assim como as cervejas. Os vinhos da ilha de Gozo tendem a ser um pouco mais encorpados.

Vida Noturna

O centro da vida noturna maltesa é sem dúvida, St. Julian, com uma enorme variedade de restaurantes, pubs, clubes e cassinos.

Entre os restaurantes, o visitante pode encontrar uma enorme variedade de tipos de comida: maltesa, chinesa, da Malásia, italiana, turca, entre outras.

Os pubs oferecem guloseimas com café, desde bolos a delicados chocolates. E quando se trata de casas noturnas, poderão satisfazer os desejos de qualquer consumidor de música eletrônica.

Esportes

Há uma enorme variedade de instalações para prática de esportes em Malta. Os hotéis possuem ginásios, quadras de tênis e squash, piscinas e saunas, cientes da importância de praticar esportes, hoje em dia.

O Sport Club de Marsa possui as melhores instalações da ilha, entre elas um campo de golfe de 18 buracos, 24 quadras de tênis e squash, um campo de pólo, piscina, ginásio de pistas de boliche.

Esportes aquáticos são os preferidos entre os visitantes de Malta, especialmente mergulho, windsurfe (a ilha é sede de duas competições internacionais desse esporte) e navegação, com inúmeras regatas que podem ser apreciadas entre abril e novembro.

O esporte nacional é sem dúvida o futebol, e a temporada vai de setembro a maio. Outros esportes que podem ser praticados na ilha são hipismo, ciclismo, tiro ao alvo, bobo e tiro de barro e atletismo onde qualquer um pode participar da Maratona Internacional em fevereiro.

Compras

Uma vez em Malta, uma das melhores aquisições são os artesanatos típicos do país, como bordados, cerâmica, braceletes, objetos banhados a ouro e prata e rendas feitas a mão. Essas têm uma tradição desde o século XV, quando eram usadas para adornas vestidos cerimoniais. As rendas mais conhecidas são as da ilha de Gozo, que possuem o estilo de Genebra.

Os objetos banhados a metais preciosos também possuem uma forte tradição no país, e essa arte geralmente é passada de pai para filho.

Clima

clima em Malta é mediterrâneo, como no sul da Itália e na Grécia, com forte influencia do mar. Os verões são secos e quentes, com poucas chuvas, e outonos são quentes de moderadamente úmidos, enquanto os invernos são curtos, não muito frios e muito chuvosos.

A temperatura é bem estável, com media anual de 18ºC, e variações entre 12ºC e 31ºC. Os ventos são fortes e freqüentes, os mais comuns são os Magistrais, ventos frios do noroeste, o Trigal, ou Gregale, ventos secos do nordeste, e o Sirocco, um vendo úmido e quente que vem do sul da ilha.

Festivais

Em Malta é tradição que cada vilarejo e cidade celebre o dia de seu santo padroeiro, porém a outras celebrações nacionais. Uma das mais importantes e coloridas é a festa de Mnarja, com uma enorme tradição, que inclui música e dança típica e corridas de burros e cavalos.

Outra festividade é a Imanarja, celebrada em 29 de junho, dia de São Pedro e São Paulo, onde são realizados piqueniques que duram a noite toda, com bandas, desfiles e carros alegóricos decorados e competição de cantores.

Em 8 de setembro é celebrada a Regata que comemora a vitória maltesa durante o Grande Cerco de 1565 e a Segunda Guerra Mundial. O imponente Fort St. Angelo providencia um cenário espetacular para a corrida com os coloridos barcos malteses.

O Carnaval tem como centro a capital, Valeta, onde há um desfile de carros alegóricos e a festa de Il-Kukkanja é realizada, uma competição entre os habitantes da cidade onde uma estrutura de galhos é construída para pendurar presunto, cestas de ovos, animais vivos das fazendas e todo tipo de provisão, coroado por um globo com uma figura com as cores do Grande Mestre.

Com um sinal, os moradores vão até a estrutura e pegam tudo que podem tornando aquilo propriedade deles. A pessoa que tiver o globo, ganha uma recompense em dinheiro.

O Natal é outra festa importante de Malta, quando fazem manjedouras chamadas presepju. Na última semana de agosto acontece o festival de Saint Julian, o santo dos caçadores. Os habitantes comemoram por ficarem reunidos no mezanino da igreja no domingo do feriado e jogam algo sobre a estátua do santo enquanto ela é tirada da igreja.

Transporte

Aeroportos: Malta possui apenas um aeroporto internacional, em Luga, 5km ao sudeste de Valeta, a capital da ilha. Possui serviços de ônibus e táxis que levam a qualquer lugar da ilha.

Avião: A companhia aérea maltesa oficial é a Air Malta. Outras companhias internacionais com destino em Malta são Aeroflot, Austrian Airlines, Alitalia, British Airways, Tuninter, Libyan Arab Airlines e Lufthansa.

Há uma opção alternativa à balsa que liga Malta a Gozo, que é o serviço de helicópteros.

Transporte Fluvial: Os portos principais da ilha são Valeta, Marsaxlokk e Mgarr em Gozo. Há serviços que operam com os portos sicilianos de Catania, Pozzallo e Syracuse. Essas rotas são cobertas por rápidos catamarãs e balsas. Há também balsas para passageiros entre Cirkewwa (Malta) e Mgarr (Gozo).

Automóvel: Deve se lembrar que em Malta se dirige pela mão esquerda. O limite de velocidade é 80 km/h na estrada 50 km/h nas áreas residenciais.

Aluguel: as mais importantes empresas de locação de carros têm filial em Malta. Os preços são os mais baratos da Europa. É obrigatório apresentar uma carteira de motorista internacional.

Fotos

Malta

Malta
Basilica – Malta

Malta
Basilica Ta Pinu – Malta

Malta
São João Catedral – Malta

Malta
Malta

Malta
Victoria Citadella – Malta

Fonte: www.sprachcaffe-malta.com

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.