Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Grécia  Voltar

Grécia

 

A palavra Grécia, de acordo com Aristóteles, vem da palavra Graikoi que era o nome pré-histórico dos helenos.

As pessoas que nós chamamos os gregos, e vive em um país que chamamos de Grécia, na verdade se chamam helenos e viver em um país chamado Hellas.

Onde a civilização ocidental começou

Grécia antiga é chamado de "o berço da civilização ocidental".

Cerca de 2500 anos atrás, os gregos criaram um modo de vida que foi admirado e copiado pelas outras pessoas. O romanos copiaram a arte e os deuses gregos, por exemplo.

Os gregos antigos experimentaram a democracia , começaram os Jogos Olímpicos e novas idéias na ciência, arte e filosofia (pensar sobre a vida, por exemplo).

Os antigos gregos viveram na Grécia continental e nas ilhas gregas, mas também no que hoje é a Turquia, e em colônias espalhadas ao redor da costa do mar Mediterrâneo. Havia gregos na Itália, Sicília, Norte de África e no extremo oeste da França.

Grécia
Parthenon-Acrópole, em Atenas, Grécia

Como era a Grécia antiga?

Grécia antiga tinha um clima quente e seco, como a Grécia de hoje.

As pessoas viviam da agricultura, pesca e comércio. Alguns eram soldados. Outros eram estudiosos, cientistas ou artistas.

A maioria dos gregos viviam em aldeias ou em pequenas cidades. Havia belos templos de pedra com colunas e estátuas, e teatros ao ar livre, onde as pessoas se sentavam para assistir as peças de teatro.

Muitos gregos eram pobres. A vida era difícil, porque a água, terras e madeira para construção eram escassos. É por isso que muitos gregos navegou para encontrar novas terras para conquistar.

Como a Grécia foi governada

Não havia um país chamado "Grécia Antiga". Em vez disso, houve uma pequena " cidade-estado ". Cada cidade-estado tinha seu próprio governo. Às vezes, as cidades-estados lutaram entre si, s vezes eles se uniram contra um inimigo maior, o Império persa.

Atenas, Esparta, Corinto e Olímpia foram quatro destas cidades-estados.Só um governante muito poderoso poderia controlar toda a Grécia. Um homem no século 4 aC surgiu.Ele foi Alexandre, o Grande, da Macedônia Macedônia. Alexandre liderou seu exército para conquistar não apenas a Grécia, mas um império que chegou tão longe como Afeganistão e Índia.

Quando a civilização grega começar?

Cerca de 3000 aC, vivia na ilha de Creta, um povo chamado agora minóicos. O nome vem do seu Rei Minos. Minos e outros reis Minoan enriqueceu com o comércio, e construíram belos palácios. A civilização minóica terminou cerca de 1450 aC.

Após a minóicos vieram os Micênicos. Eles eram soldados da Grécia continental, e foram os gregos que lutaram por Tróia no ano 1200 aC.

Após terminar a idade Micênica, cerca de 1100 aC, a Grécia entrou em uma "Idade das Trevas". Isso durou até o século 9 aC quando os gregos partiram por mar para explorar e criar colônias.

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 aC. Este foi o início da civilização "arcaico" grego.

Em torno de 480 aC, a "idade de ouro" da Grécia começou. Isto é o que os historiadores chamam de "clássico" da Grécia.

História

Grécia (e as ilhas gregas) é um país com uma história particularmente rica e personalidades famosas.

Escavações mostram que as primeiras datas de liquidação da era paleolítica (11,000-3,000 BC). Durante o segundo milênio aC, a Gréciadeu origem à grande civilização do minóicos (2600-1500 aC), o micênicos (1500-1150 aC) e da civilização das Cíclades.

O período clássico da história grega (sexto-quarto séculos aC) é o mais famosos em todo o mundo. O pico do período clássico é o século 5 aC, quando os fundamentos da civilização ocidental foram colocados em Atenas. Esta cidade-estado tornou-se a maior potência naval daGrécia, que o tempo e desenvolveu todos os domínios da cultura, incluindo a filosofia, música, teatro, retórica e um novo regime, a democracia.

Então, a história da Grécia é uma sucessão de invasões e dominações diferentes.

Em 334 aC, Alexandre, o Grande, invadiu o Império Persa e seu exército conquistou todo o caminho até a Índia. No entanto, em 323 aC, o grande general morre na Babilônia e seu império macedônio é dilacerada e governada por seus herdeiros.

Em 168 aC em diante, os romanos conquistaram a Grécia e um novo período começou para a história grega.

No século 3, o Império Romano foi cortado em dois pedaços, o Império Romano do Oriente e do Ocidente.

Enquanto o Império Romano do Ocidente foi gradualmente invadido por bárbaros norte-europeus tribos, o Império Romano do Oriente, com Constantinopla como capital desenvolveu e se tornou o Império Bizantino, que durou cerca de 1.000 anos.

Em 1453 aC, os turcos otomanos conquistaram Constantinopla e gradualmente o resto da Grécia, que já havia sido dominada pelos venezianos.

O país sofreu muito sob a ocupação otomana e as pessoas tentaram se rebelar muitas vezes.

No entanto, todos as rebeliões foram suspensas, até março de 1821, quando a Guerra da Independência Grega começou.

O país finalmente conseguiu a sua liberdade em 1829, quando o Estado independente primeiro Grego foi formada e Kapodistrias Ioannis foi definido como governador.

Após Kapodistrias foi assassinado em 1831, o príncipe Otto da Baviera se tornou o primeiro rei da Grécia, seguido por George I da Dinamarca em 1863.

Naquela época, as ilhas Jónicas foram dadas à Grécia pela Grã-Bretanha e depois Tessália foi anexado ao estado grego pelos turcos.

No início do século 20, Macedônia, Creta e ilhas do mar Egeu Oriental também foram anexados ao estado grego. Este foi o momento em que a figura de um importante político grego se levantou, Eleftherios Venizelos.

Grécia resistiu muito as forças do Eixo durante a Segunda Guerra Mundial, mas acabou perdendo a guerra.

A maior parte do território grego foi conquistado pelos alemães e algumas partes pelos italianos.

Após a Segunda Guerra Mundial, as ilhas do Dodecaneso também se tornara parte do Estado grego.

Três décadas de turbulência política se seguiu, incluindo uma junta militar a partir de 1967 até 1974.

Desde 1975, o regime da Grécia é República Parlamentar.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Grécia

Grécia, Paraíso dos Deuses

Grécia é especial. As lendas e a mitologia nos dizem que os deuses escolheram este cantinho do mundo para instalar sua morada, e quando se percorre o país, ninguém dúvida de que fizeram a melhor escolha.

Na Grécia se unem as paisagens mais belas com os restos arqueológicos das civilizações que sentaram as bases da cultura ocidental. A arte, filosofia, literatura e o pensamento político foram desenvolvidos nesta terra baixo a atenta mirada dos deuses do Olimpo.

Mas o trabalho divinho não acabou aí, pouco a pouco foram criando pequenos paraísos que somaram mais de 2.000 maravilhosas ilhas. Todas são de uma beleza inacreditável, selvagem, natural, indescritíveis.

Ainda se sente a magia divina e o fluxo de sabedoria legado das magníficas civilizações que foram ocupando este país. As terras onde Homero deu vida a Ulisses, Ícaro queimou suas asas ao querer viajar ao sol, Minotauro atemorizava as donzelas cretenses depois de que se internaram no Labirinto e onde Safo compôs suas poesias e se suicidou por amor, não defraudam a ninguém.

A mirada dos gregos delata um ponto de melancolia que enriquece a fascinação pôr esta população alegre, aberta, curiosa e muito comunicativa. Não há nada melhor que conversar com eles e deixar-se cativar por seus contos, lendas, desejos e suas esperanças. São os descendentes diretos dos deuses.

Nas festas populares gregas pode-se aproveitar e aceder a dimensões divinas. A animada música grega, a deliciosa gastronomia, as danças coloridas e o ouzo, típica bebida grega, transportam o visitante a ambientes nunca antes conhecidos e explorados.

Se Platão, Aristóteles, Pericles, Demóstenes ou Sócrates ressuscitassem e passeassem pela Grécia atual, assombrariam-se com a sabedoria dos gregos contemporâneos. Demostraram suficiente capacidade para unir o mais antigo com o mais moderno, e na delicadeza para entrelaçar as tradições com os conceitos mais avançados, conciliaram a cultura com a técnica.

Os antigos pensadores ficariam cativados com as cidades do século XX, com os edifícios que apresentam as mesmas características de cinco mil anos atrás.

Sem dúvida, os deuses do Olimpo de sua distante morada, seguem protegendo a Grécia para perpetuar o paraíso terrestre, repartindo-o hoje com todo o mundo.

Localização

Situada na Europa meridional, Grécia compreende o território sul da península dos Balcãs, os arquipélagos das ilhas Jônicas, do mar Egeu e a mística ilha de Creta.

Em total ocupa uma superfície de 131.957 km. Tem fronteiras ao norte com Iugoslávia e Bulgária, ao noroeste com Albânia, ao noroeste com Turquia e com os mares Mediterrâneo, Jônico e Egeu.

Grécia é fundamentalmente montanhosa com um terreno rochoso e afilado, sobre tudo em suas costas e ao constituir uma península seu litoral é muito importante sendo de aproximadamente 15.000 Km.

A costa banhada pelo mar Jônico forma dois golfos, o de Arta e o de Patras. A sul, no Peloponésio, também se recortam golfos, neste caso três, o de Mesenia, de Laconia e de Nauplia.

As margens escarpadas que banham o Mar Egeu se destacam por suas profundas enseadas no Golfo de Egina, de Volo, de Tesalonica e na Península Calcídica.

Montanhas

As montanhas gregas ocupam um 80 por cento do terreno, as cadeias montanhosas que formam estão constituídas principalmente por rochas caliças, que o tempo e a erosão lhes converteu em crateras, enseadas fechadas, barrancos e grutas, localmente chamadas "katavothra".

Uma das mais altas é a do Maciço do Pindo que se desdobra em duas, está situada no monte Smolikas e atinge uma altitude de 2.637 metros; e nos montes do Parnaso, com 2.510 metros no monte Guiona.

Continuando pela direção leste, a parte meridional com os Montes do Peloponésio que estendem-se até os altiplanos de Epiro e os relevos de Etolia e Acarmania e a parte que finaliza no monte Eta. Na parte setentrional destaca o Kaimaktsalám e sobre tudo a máxima altitude do país, no Maciço do Olimpo, morada dos deuses, se eleva o Mítikom com 2.917 metros.

Rios

A rede fluvial grega varia dependendo da zona. Os rios orientais são de carater torrencial e seu máximo expoente é o rio Aliakmom que deságua no Golfo de Tesalônica, enquanto que os ocidentais são mais caudalosos e mais constantes, entre os que destacam o Arakhthos e o Aqueloos.

A rede hidrográfica helênica, apresenta cursos de águas bastante breves, que desembocam no mar depois de haver criado planícies pantanosas e amplios deltas.

Desde a cadeia de Pindo descendem até verter suas águas no Mar Jônico: o rio Tiamis, o Arachthos, com um comprimento de 133 Km, que desemboca no Golfo de Arta, entre marismas e zonas pantanosas; o Aqueloos, com 242 quilômetros de comprimento, que desemboca frente à ilha de Cefalonia.

Enquanto descendem para o Egeu: o Pínios, com 227 quilômetros de comprimento; e o Aliákmon, o rio mais longo de Grécia, com 325 Km, que desemboca no Golfo de Salonica, num amplio delta onde se fundem também o Galikós e o Axiós.

Grécia
Grécia

Lagos

Entre os lagos destaca o maior de Grécia, o Lago Prespa, ao norte do Pindo, que partilha com seus países vizinhos. Junto a ele está situado o Lago Mikra Prespa. Entre as montanhas encontram-se alguns menores como o Lago Kastoría, a beira da cidade que leva seu nome, no vale alto do Aliákmon; o Lago Vegorritis, situado entre os maciços Voras e Vermion; o Lago Doiranis; o Epiro; os lagos de Langada e Volvi em Macedonia; os lagos Zistonis, ao leste do Delta de Nestos; o Lago Aqulinitsa, na desembocadura do Alfiós; e o Lago Trikhonis, junto à cidade de Agrínion, que está entre os montes situados ao norte do Golfo de Patras.

Ilhas

Uma parte essencial de Grécia são suas 427 ilhas que abarcam um total de 25.642 quilômetros quadrados do território nacional. De todas elas só aproximadamente cem estão habitadas.

As de maior tamanho são Creta com 8.220 quilômetros quadrados, Eubea, 3.580 quilômetros e Lesbos com 1.750 quilômetros.

As ilhas que há nas águas territoriais gregas são resultado do encontro entre o mar e a montanha, que são as partes mais altas de uma cadeia montanhosa hoje submersa.

Flora

Grécia tem sofrido uma profunda transformação com o passo do tempo. Alguns séculos atrás existiam grandes extensões de frondosos bosques de acebos, azinheiras, castanhos, fresnos, olmos, hayas e coníferas como alerces e abetos dos que em nossos dias só encontram-se algumas mostras, especialmente nas zonas da Cadeia do Pindo ou no Olimpo.

Também a típica vegetação mediterrânea tem sido substituída em boa medida pela phrygana, páramos com arbustos baixos, embora ainda podem-se encontrar oliveiras, cítricos, acebos, jaras, louro, acantos, hibiscos, enebros e algarrobos, entre outras espécies.

Pode-se encontrar maquis, típico mato do Mediterrâneo, chaparral de Califórnia, fynbos de África do sul e "mallee serub" do sudoeste africano.

Em Grécia não é difícil desfrutar de diferentes espécies de orquídeas todas elas de grande beleza. Também crescem narcisos, tulipas, açucenas de Calcedonia, adelfas, campanillas e ciclámenes.

Mesmo com este cambio, Grécia segue contando com uma formosa vegetação muito variada, chegou a registrar 6.000 espécies autóctones muitas delas endêmicas.

Fauna

A fauna também tem sofrido uma profunda restruturação e se acredita que na antigüidade viviam leões, chacais e camelos. Em nossos dias não encontraremos nenhum felino selvagem de formosa melena mas um grande número de outras espécies como ursos pardos, lobos, cervos, javalis, cobras, gato, corzos, lontras, gamos, gatos monteses, linces, raposas, porco espinho, lebres, esquilos, tartarugas marinhas e Hermann, escorpiões e grande quantidade de aves como cegonhas, águias, garças caranguejeiras, alcotanes, abejarucos, urubus africanos, cormoranes, mochuelos, pelicanos, andorinhas e corujas. Em fauna marinha destacam o pargo, mero, dentóm comum, salmonete, lula, bonito de pele listada e o sargo comum.

Nos últimos tempos o governo grego tem começado a preocupar-se seriamente pela proteção das espécies declarando dez reservas protegidas que corresponde a uns 64.000 hectares. Destacam o Lago de Prespa, Maciço do Olimpo, a Garganta de Amarão em Creta, Cabo Sunão e o Monte Parnaso.

História

Pré-história

história de Grécia se remonta aos primeiros povoados dos jônicos, eolios e dorios que se assentaram na península no 2.000 a.C. Especial menção vale a cultura desenvolvida em Creta denominada minoica pelo mítico rei que governava esta ilha, Minos e que deixou importantes mostras como os palácios de Cnosos e Festos.

A união de estes com os habitantes da zona do Egeu supôs o nascimento da civilização micénica que se expandiria pelas ilhas banhadas por esse mar e por Ásia Menor. O período de máximo esplendor desta civilização se deu entre o 1.450 e o 1150 a.C.

A Idade Escura

O seguinte período expansivo dos primeiros gregos teve lugar nos séculos VIII e VII a.C. fundando-se colônias em tudo o Mediterrâneo e do mar Negro ao Tirreno e é que os micénicos já tinham organizado socialmente e o poder estava em mãos dos aristocratas com ânsias de grandeza.

As principais colônias foram Cirenaica e Magna em Grécia, Sicília em Itália, Marselha em França e Ampurias na Espanha. Com o desenvolvimento econômico, as migrações dóricas e a aparição de novas estirpes começariam os conflitos que dividiriam aos gregos durante boa parte de sua história, deixando-lhes unicamente como elementos comuns sua cultura, seu profundo sentimento religioso e sua paixão pelas competições atléticas (somente masculinas e que acabariam desembocando nos primeiros Jugos Olímpicos que se celebraram em Olímpia no 776 a.C.).

Estas lutas sociais deram como resultado, já no século VI a.C., ordenamentos políticos democráticos em cidades como Atenas na que governavam nove arcontes eupátidas, nobres, seis tesmotetes elegidos pelo povo e um areópago, conselho de ex-arcontes.

A primeira constituição democrática foi redigida por Cistenes no 508 a.C. Seu ancestral inimigo, Esparta optou, sem embargo, por uma Constituição oligarquia governando cinco éforos assistidos por um conselho de trinta anciões.

Estes dois estados não duvidaram em unir-se quando o perigo da invasão persa se acentuou gravemente e assim, no século V, conseguiram derrotar-lhes enquanto as respectivas colônias também conseguiam céleres Batalhas contra os cartaginenses em Sicília e os etruscos em Campania.

Surgem importantes centros comerciais como Corinto, Mégara, Argos, assim como centros industriais como Sição e Calcis e de grande poder naval como Egina.

A Grécia Clássica e Helenistica

Esta união entre os dois estados, representando cada um deles de uma liga - Esparta à cabeça da Confederação Peloponésica e Atenas na Liga Delo-ática,-, não durou muito. Atenas se havia convertido num estado com grande poder graças ao sábio governo de Péricles o que provocou o antagonismo de Esparta.

A rivalidade entre as duas cidades desembocaria nas Guerras do Peloponésio, que duraram do 431 ao 404 a.C., alternando- nas vitorias e nas derrotas pois existia uma grande igualdade entre as partes em litígio.

Esparta conseguiu a hegemonia dos dois estados acabando com a riqueza e influência de Atenas. Esta supremacia espartana não finalizaria até o 371 a.C. com a rebelião de Tebas.

Porém o governo tebano tampouco duraria muito, desta vez uma aliança pacífica consegue reunir diferentes estados baixo o mando de Filipo de Macedonia.

O sucessor de Filipo, Alexandre Magno, reafirma com mão dura a hegemonia em Macedônia destruindo Tebas e nenhuma outra cidade grega se levantou enquanto durou seu mandato.

O mítico Alexandre Magno empreende uma campanha contra Persia ao mando de 40.000 homens e em só nove anos conquista um grande número de territórios conseguindo que seu império se estendera desde o Mar Jônico até o vale do Indo.

Sua morte no 323 a.C. Provocaria o desmoronamento do Império formando-se diferentes reinos que se uniram a sua vez em diferentes ligas. A mais importante foi a do Peloponésio.

Período Romano, Bizantino e Turco

Roma começa a tomar posições para impedir a pirataria dos ilirios ocupando Apolonia, Epidamno e Corfú. Esta influência foi aindaentando até que finalmente Grécia passa a ser uma colônia independente baixo o domínio do Império Romano e é renomeada no 27 a.C. com o nome de Acaya passando no ano 395 d.C.

A formar parte do Império de Oriente. No 393 d.C. Se celebraram os últimos Jogos Olímpicos e no 529 d.C. Justiniano fecha todas as escolas de filosofia de Atenas. A divisão do Império Romano deixa a Grécia dentro da parte oriental passando a ser parte do Império Bizantino mas em lugar de florescer com ele, a Hélade cai num período de decadência.

Desde este período até o século XI Grécia sofre periódicas invasões de germanos, eslavos, búlgaros, árabes e normandos. No XI, durante a IV Cruzada, o território grego é dividido, nobres francos ocuparam a península enquanto as ilhas passaram a ser propriedade de Veneza.

A época de influência européia se deixou notar na língua, em especial nas ilhas Jônicas, e em seu acercamento à Igreja de Roma.

No ano de 1260 se restaura a dominação bizantina concedendo a Grécia uma maior importância, mas a presença de venezianos e genoveses não acaba pois eles controlavam os portos e o comércio. Nos últimos anos deste período o governo chama a mercenários catalãos para que defendam o território dos turcos, mal pagados, acabariam tomando Atenas e Tebas nos anos 1311 e 1381.

Em 1460 Grécia foi invadida pelos turcos capitaneados pelo sultão Mohamed II que nos séculos XVI e XVII recuperariam também as ilhas.

Este foi um período muito duro pois durante o dominio otomano se unificou de novo o território continental, os gregos foram oprimidos violentamente e super explorados com o estabelecimento de serviços e o pago de insuportáveis taxas fiscais.

Os bandoleiros e os piratas foram durante esta época uma fonte continua de violência cotidiana, e as pragas reduziram a população mais drasticamente que as guerras.

Durante o século XVII, o Império Otomano parou sua expansão, apareceram novas tensões. Se formaram grupos de bandoleiros, chamados klephts, nas montanhas, em lugares de difícil acesso para o controle turco. A tradição campesina os converteu em símbolos da resistência grega.

A Independência

O crescimento de uma comunidade comercial em essas circunstancias é tal vez uma das causas que favoreceu o nascimento do nacionalismo grego. Os gregos bizantinos despreciavam o comércio, deixando-lhe para os estrangeiros, e igual fizeram os turcos.

Os gregos, judeus e armênios se foram transformando nos mercadores do Império Otomano. Os intercâmbios com Europa puseram em contato aos gregos ricos, não só nos estilos de vida europeus, sino também com suas idéias políticas e culturais.

A Revolução Francesa aportou o estímulo político revolta, mas a terra já estava abonada com idéias nacionalistas entre os cristãos do Império Otomano.

Os primeiros movimentos independentistas se organizaram baixo uma seita secreta chamada Hetairia que com o apoio russo se lançaram contra os turcos em uma luta que duraria de 1821 a 1829.

Com o apoio franco-británico e russo, as forças insurrectas obtiveram a vitória e no Congresso de Londres de 1830 se reconhecia o nascimento de um novo Estado de cujo território foram excluídas Tesalia, Macedônia e Creta. Este novo estado teve como dirigente o rei Otóm I de Baviera que foi derrocado e substituído por Jorge I de Dinamarca em 1863.

Em 1881 Grécia recupera Tesalia e uma parte de Epiro, e após o conflito bélico com Turquia de 1896, que durou um ano, se reconhece a autonomia de Creta.

Dentro de Grécia, os câmbios políticos se forçavam com freqüência com levantamentos militares. Em 1909 alguns jovens oficiais do exército se levantaram contra o regime estabelecido, e convidaram a um novo político de reputação radical, Eleutherios Venizelos, procedente de Creta, a formar governo.

Consumado diplomático e de grande encanto pessoal, Venizelos canalizou as energias da classe media grega através de seu Partido Liberal, que dominou a política grega os vinte e cinco anos seguintes. Com a ajuda exterior foi capaz de construir uma armada e um exército de grande eficácia militar.

Século XX

Uma nova crise balcânica em 1912-13 foi resolvida com uma sábia mistura de diplomacia e ação militar por parte de Venizelos que finalizaria com os Tratados de Londres e Bucareste. Mas não impediria os golpes para a pequena Grécia que significariam dez anos de guerra. Grécia se embarcaria também na Primeira Guerra Mundial.

O legado desta época foi a derrocada financeira e a divisão política dos gregos. Por outra parte, nestes anos Grécia recupera Creta e amplia o território com o resto de ilhas do Egeu exceto Dodecaneso, Ioánnina e Tesalônica.

O território de Grécia se viu de novo amparada graças a Constantino I pelo seu apoio à Entente, que obteve pelo Tratado de Sévres em 1920 Adianópolis e Esmirna para voltar a perde-los a mãos de Kemal Pachá em 1923, ano em que terminou a guerra entre Grécia e Turquia.

Esta perdida provocou uma forte instabilidade que desemboca na caída do rei Jorge II e na adoção de um regime republicano que se manteria até o ano de 1935, data em que o general Kondylis reinstala a monarquia e no ano seguinte se instauraria a ditadura de Metaxas.

Durante a Segunda Guerra Mundial Grécia foi ocupada pelo exército nazi contra os que lutaram os partidários do EAM e do ELAS até o desembarco dos aliados em 1944. Depois do conflito mundial, pelo que recuperaria o Dodecaneso, inicia-se um conflito de carater civil em 1947 que finalizaria três anos depois com a derrota dos comunistas.

Em 1951 Grécia entra a formar parte da OTAN. Em 1967 se produz um Golpe de Estado que instaura uma ditadura ao mando de uma junta de coroneles.

Dois anos depois Grécia abandona o Conselho de Europa acusada de violar a Carta Européia dos Direitos Humanos.

Em 1974 Chipre, antiga reivindicação territorial, motiva um novo enfrentamento com Turquia. Para ganhar tempo a Junta Militar nomeia a Karamanlis chefe de governo do país. Esse mesmo ano, no mês de novembro, se convocam eleições que reafirmam a Karamanlis no poder e como primeiro passo, este governante carismático, abole a monarquia grega.

O 7 de julho de 1975 se vota uma nova Carta Constitucional e é elegido como presidente da República Tsatsos. Dois anos depois celebram-se novas eleições das que saiu vencedor K. Karamanlis que em 1980 passou a ser Presidente da República.

Em 1981 Grécia entra para formar parte como estado de pleno direito da Comunidade Econômica Européia e nesse mesmo ano consegue a vitória nas urnas o Partido Socialista grego, PASOK, com Papandreu como chefe de governo.

Em 1985 os socialistas voltam a ganhar as eleições o que provoca a demissão de Karamanlis que é substituído como novo Chefe de Estado por Sartzetakis.

Em 1990 uma grave crises política própricia a volta à presidência de Karamanlis e a substituição de Papandreu por Mitsotakis.

Arte e Cultura

A arte grega é talvez, o que mais tem influenciado na arte de todo o mundo, principalmente em Europa. Os padrões artísticos de medida e proporções se seguem ainda hoje em dia e sua cultura tem sido tão importante que as principais bases do pensamento humano se desenvolveram neste país.

Se temos em conta que seu melhor período não durou mais de 30 anos, do 460 ao 430 a.C. resulta ainda mais surpreendente que em tão pouco tempo se pudessem desenvolver tantos e tão diversos aspectos da cultura. De fato este fenômeno não há voltuo a produzir-se em toda a história.

Pré-história

Deste período destacam as estatuetas estatopigeas e as cerâmicas do neolítico, os tholos e a cerâmica minia da civilização heládica, assim como as estatuetas em forma de violino e as cerâmicas em forma de frigideira da civilização cicládica. Na idade do Bronze se estabeleceu em Creta uma civilização que se diferenciou de todas as existentes em aquela época no Mediterrâneo, a minoico-micénica.

Dórico

Durante a idade do Ferro os dorios invadem a Península grega e embora com a implantação das cidades-estado perdem o domínio político, nas artes se desenvolvem intensamente o estilo geométrico tão característico deste povoado e que pode verse, sobre tudo, na cerâmica.

Um pouco mais tarde se desenvolve a escultura com Dédalo que realizava imagens em pedras, de grandes proporções muito rígidas e decoradas com motivos geométricos.

Período Arcaico

Em este período se sofre a transformação na arte, pois da importância da forma se passa à importância do símbolo. Sua principal expressão são os Kuroi, figuras masculinas desnudas de atletas e as Korai, figuras femininas com complicados tocados e simples túnicas.

Deste período, metade do século VII a.C. é o primeiro templo grego, o de Hera em Olímpia seguindo os padrões dóricos.

Da necessidade de decorar o interior dos templos surgem novas modalidades artísticas: frisos, metopas e frontones com relevos que tratam diferentes temas. A escultura começa a adquirir movimento embora de forma muito tímida. Porém, a cerâmica adquire neste período seu máximo esplendor com os vasos corintios em branco e negro. Começa a decorar a cerâmica com pintura e os motivos começam a recrear grupos de pessoas pintadas em negro.

Estilo Severo

De 480 ao 450 a.C. Aparecem novas tendências muito inovadoras como o naturalismo baseado nas teorias de Sócrates. O principal escultor é Miróm com seu famoso Discóbolo.

Período Clássico

Este período começa desde o 447 até o 323 a.C. Embora o verdadeiro esplendor dure só trinta anos. Em arquitetura destaca o Partenón da Acrópolis de Atenas de estilo dórico. Em escultura destacam Miróm que cavalga entre a etapa anterior e ésta e Policleto a quem se deve a consideração da estátua com medidas equilibradas.

Também é mundialmente famoso Fidias que seria substituído já no século IV a.C. Por Escopas que imprime movimento e sentimentos a suas esculturas, Praxisteles, o primeiro escultor que realiza desnudos femininos e Lisipo, partidário do naturalismo.

Desaparece a cerâmica ática, e em troca, se desenvolve a pintura de grandes dimensões.

Em arquitetura destacam especialmente os templos gregos. Em geral todos estão compostos por uma grande sala retangular, naos, na que se situava a estátua do deus correspondente, sempre mirando para o Leste. Precedendo à naos encontra-se a pronaos com duas colunas à entrada e cujo interior pode estar dividido em várias salas divididas por colunas a sua vez.

Com o tempo esta estrutura foi evolucionando complicando-se cada vez mais. Os templos gregos são denominados de acordo com o número de colunas da fachada, quatro colunas, tetrástilo, seis, exástilo, oito, octástilo, etc.

E também por ordem arquitetônico em que hajam sido realizados, dórico, Jônico ou corintio.

A ordem dórico se caracteriza porque as colunas não tinham base, o fuste das colunas eram acanalados e o capitel era simples e estava composto de um ábaco quadrado sobre um equino circular. O arquitrave, situado acima das colunas, era liso e o friso se dividia em triglifos e metopas.

A ordem Jônica tem como normas fundamentais colunas com base moldada em forma de discos superpostos, o fuste conta com astrágulo entre as estrias e o capitel conta com volutas e um ábaco muito reduzido e trabalhado. O arquitrave tem três faixas horizontais, um friso que pode ser liso ou com relevos.

A ordem corintio só se diverge do Jônico pela forma do capitel que compõe-se por duas capas de grandes folhas de acanto.

O templo grego era a residência do deus e o culto religioso se celebrava no exterior pelo que as decorações mais belas sempre estavam na fachada do edifício, de ahí, os maravilhosos frontões típicos de estas construções.

Período Helenístico e Romano

O grande predomínio de Grécia acaba neste período que vai desde o 310 até o 140 a.C. Os romanos favorecem o neoaticismo consistente em reproduções das obras clássicas.

Arte Paleocristiano

No século VI d.C. Aparecem as primeiras basílicas cristãs surgidas em redor do sepulcro de algum mártir. Destacam a Basílica de Agios Dimitrios em Salonica e as Basílicas A e B de Creta.

Desde o Período Bizantino até o Domínio Turco

No século VIII se construiu a primeira igreja de estilo bizantino, a Basílica de Santa Sofia em Salonica. A partir desse momento se levantam numerosos edifícios religiosos de diferentes dimensões por todo o país. Estes edifícios estavam decorados com formosos mosaicos como os de Ossios Loukas ou do mosteiro de Dafne. Também surgem os frescos com movimento e vivas cores.

Do século XIII ao XV a conquista de grande parte do território grego, por parte dos francos e venezianos, traem a Grécia os principais estilos artísticos europeus que se plasmam sobre tudo em igrejas e fortificações. Do século XV ao XIX, com a ocupação turca, as igrejas se transformam em mesquitas e aparecem banhos e mercados tipicamente otomanos.

Séculos XIX e XX

A nova Grécia independente adota estilos e formas do resto da Europa mantendo o estilo clássico. Destacam em arquitetura Kaftantzoglou, Orlandos e Tazagres, em pintura Litras, Katzis o Papaloukas e o realismo figurativo de Moralis, o expresionismo de Bouzianis e Mavroidis e o abstrato de Spiropoulos. Em escultura Aprtis, Milona e Avramidis.

Literatura

A literatura grega tem enfluenciado poderosamente no resto do mundo durante séculos até nossos dias. A épica de Homero, a tragédia com Sófocles e Eurípides, a comedia de Aristófanes e Menandro, a poesia de Píndaro e Teognis, a lírica de Safo, Anacreonte e Píndaro, a historiografia de Tucidides e Jenofonte, a oratória com Demóstenes, a filosofia de Platóm e Aristóteles, a elegia de Calímaco, a biografia com Plutarco e as fábulas de Esopo são, entre outras muitas, obras que ainda se lêem e se estudam em nossos dias pois suas temáticas e seus estilos seguem contendo as bases do pensamento atual.

A tragédia tem sido um gênero muito cultivado entre os gregos. Tem suas origens no culto dionisíaco, particularmente nas festas chamadas Grandes Dionisíacas, que se celebravam em Atenas desde o século VI a.C.

Na chegada da primavera acudiam a todos os pontos do Ática para, durante vários dias, assistir às procissões, participar nos cortejos e entregar-se aos excessos que autorizavam estas homenagens ao deus do vinho e da natureza.

Como apogeu de estas festas, os concursos de canto e poesias permitiam a poetas e coristas medem seu talento perante um apaixonado auditório. Sua celebração daria lugar ao nascimento da tragédia.

Já na idade contemporânea destacam Papadiamandis, Kondilakis, Xenópulos, Kavafis, Kostis Palamás, os Prêmio Nobel Seferis e Elitis e os poemas levados a canções populares de Theodorakis.

A Mitologia

Os gregos tinham um sentido do mundo profundamente místico e religioso. Os antigos situaram de maneira muito precisa alguns de seus mitos. Os cidadãos de Atenas, Corinto e Tebas podem ver continuamente com seus próprios olhos as zonas de atividade de seus heróis e deuses.

Desde os tempos de Homero até a desintegração do império de Alexandre, os gregos se sentiam um povo diferente de todos os demais, aos que chamavam bárbaros.

Conforme a lenda, a deusa Atenea escolheu a terra de Grécia para seu povo favorito, situada estrategicamente entre o norte gelado e o sul tórrido.

A religião grega conciliou seus deuses baixo formas antropomórficas e sobre eles criou uns mitos de uma riqueza excepcional. São tão fascinantes que todas nossas manifestações culturais, especialmente a literatura e a arte, em qualquer época histórica, se inspiraram em eles.

A religião teve sua origem nos cultos e as crenças ligadas à vida cotidiana e à agricultura. Veneravam às forças sobrenaturais, que traziam a fertilidade e a fecundidade.

Deusas e deuses de corpos inacreditáveis, ligados a animais ou vegetais eram adorados nos campos, templos e moradas construídas para eles. Lhes levavam oferendas, rendiam sacrifícios, em festas que davam lugar a procissões, representações, danças e jogos ginásticos.

O panteom grego estava organizado como uma sociedade familiar: Zeus, Possêidon, Hermes, Ares, Dioniso, Hera, Atenea, Artemis.

Junto a eles apareciam animais de variadas formas como as sirenas, esfinges, hidras, quimeras, grifos, gorgonas, que procediam de Creta e Oriente. Sem dúvida os mitos estão ligados a grandes aventureiros cujas lendas se formaram em torno das viagens de exploração características da época micénica (1580-1100 a.C.), e a lugares importantes da época.

Os mitos tal e como os conhecemos hoje são a criação de grandes poetas, que se inspiraram nas lendas populares. Entre os escritores maiores de estes tempos encontra-se Homero, cujas obras a Ilíada e a Odisséia são conhecidas no mundo inteiro.

Música e Dança

O instrumento musical grego por excelência é o bouzoúki, uma espécie de mandolina com um mástil alargado. A música e a dança guardam influências otomanas.

O kalamantianós está considerado como a dança nacional; se baila em círculo, colocando-se o primeiro bailarino no centro com um lenço. Pode ser acompanhada com uma balada triste, que faz referencia ao sacrifício das mulheres Suli que se jogavam desde uma roca fugindo dos turcos.

De origem oriental são as danças do zeimbékiko, interpretado por um só bailarino, o chassápiko por pares masculinos, e o tsifteteli, uma espécie de dança do ventre. A mirologia é uma dança fúnebre, que tem sua origem em Epiro, à que acompanha o sonido de um clarinete.

O sirtós é a dança tradicional dos euzones, soldados do Corpo de Guardas do Estado, se baila ataviado com gorro turco e saia do Epiro; desta dança se deriva o conhecido sirtáki.

O haniótico e o pentozáli de Creta, e o tsámikos de Samos são danças guerreiras, assim como a soústa, que data de épocas muito antigas, atualmente é bailada por homens e mulheres colocados em filas uns de frente pra outros.

Gastronomia

A cozinha grega se caracteriza pela sua simplicidade e por seus sabores agradáveis ao paladar. É uma cozinha tipicamente mediterrânea com o azeite de oliva como base fundamental. Não em vão Grécia é um dos principais produtores deste produto junto com Espanha e Itália.

O Café da manhã

Os gregos começam o dia com um café da manhã ligeiro, nada de ovos, suco, cereais, etc. tão só um café com as roscas de pão com sementes de gergelim, conhecidas como koulouri, são mais que suficiente.

Durante o transcurso da manhã é habitual tomar algum petisco e é freqüente que nas zonas de escritórios das principais cidades existam os kafetzis que servem, após receber uma chamada telefônica, qualquer refresco, café, sanduíches ou doces.

Se não se conta com este serviço se costuma sair à rua e comprar nos postos na rua os magníficos folheados bem de queijo (tiropitta), bem de espinafre (spanakopitta), de carne (kreatopitta), acompanhados de um iogurte folheado com nata ou fruta conhecido como bugatsa, delicioso.

A hora do Almoço e Jantar

A comida, quando tem-se tempo, é muito mais que o simples fato de comer. É um evento de reunião familiar ou de amigos que se deve desfrutar plenamente.

Se começa tomando um oúzo, aguardente de anís tipicamente grego, acompanhado de algum canapés que pode consistir em azeitona, salsichão, anchovas, caviar, camarão, salchichas de fígado, frituras, vísceras ou deliciosas saladas de ovas de peixe chamadas taramosaláta.

O primeiro prato costuma consistir na salada grega, salta khoriátiki, tipicamente mediterrânea a base de tomates, pepinos, cebola, azeitona negras e como toque grego se acompanha com queijo de ovelha chamado féta. Também pode-se comer como primeiro um prato de sopa de verduras com um ovo escalfado. No tempo de Páscoa é habitual tomar Magirítsa, sopa de bucho com ovos e suco de limão.

O segundo prato, o mais consistente, pode ser de carne ou peixe acompanhado de verduras. Si se decide pela carne encontrará estupenda vitela na zona de Tesalia e Atenas e em todo o país, principalmente, cordeiro.

Si se opta pelo porco (gourounópoulo), os gregos normalmente o preparam assado. Pratos típicos de carne são a souvlákia, brocheta que mistura carne de cordeiro com carne de porco, as dólmades, carne picada com arroz envolvida em folhas de parra ou couve, soutzoukákia, almôndegas de carne e arroz com salsa de tomate, mousakás, berinjela, molho branco e carne picada em forma de pastel, giovétsi, cordeiro assado com massa, kebab, típica brocheta de carne de cordeiro de origem turco, kotópoulo, frango assado recheado de arroz, queijo e passas e o galapoúla germistí, peru recheado de castanhas, passas e azeitona.

Todos estes pratos de carne estão preparados com grande esmero e seu sabor é realmente delicioso.

Grécia é uma península pelo que os peixes se tomam abundantemente em todo o país e são muito frescos.

Os restaurantes, bares e tabernas das cidades costeiras servem todo tipo de pratos: a marída são peixes fritos de pequeno tamanho regados com vinho aromatizado com resina e pode levar também camarão, polvo ou calamares. Também são muito típicos os salmonetes que se servem fritos ou a brasa.

Estes são as comidas de peixe mais tradicionais mas as cartas estão repletas de peixes preparados de diferentes maneiras. Não titubeei em provar qualquer variedade, sem dúvida será uma magnífica experiência.

Tanto os peixes como as carnes se costumam acompanhar de saladas mediterrâneas e purês entre os que destaca o de berinjelas com orégano.

Como sobremesa pode-se optar pelos queijos gregos como o féta e o mizithra, ambos de ovelha de sabor suave ou pelo kaséri, de cor amarelo e sabor mais forte. O iogurte é outra sobremesa habitual que pode-se tomar folheado, açucarado, com nata ou frutas.

E já como doces destacam as massas conhecidas como tirópita, os pudins de requeijão ou queijo e as baklavá, cataífi e balaktoboúreko, tortas folheadas, nozes e mel de origem turco. São estupendas também os doces acompanhadas de mel e as geleias de frutas. Não deixe de provar os sorvetes gregos, pagotá, têm merecida fama.

O jantar é algo mais leve e se comem os mesmos pratos que durante o almoço só que em menor quantidade.

Bebidas

Estás deliciosas comidas costumam estar regadas com vinho do país que deixa-se envelhecer em cubas às que se acrescenta resina de pinho conferindo-lhe um sabor curioso e uma maior conservação.

Não o mescle com água ou soda, o sabor piorará notavelmente. O vinho grego costuma ser branco, áspero, embora também se toma rosado, kokkinéli, que leva menos resina. Se este sabor não lhe satisfaz prove os magníficos caldos do Peloponesio como Acaía, Mantinha e Reine, os do Ática, de Creta, Minos e os do resto das ilhas que têm um ligeiro sabor doce.

Os vinhos tintos começaram a criar nos últimos tempos, destacando o de Naoussa. Também pode-se tomar cerveja, a mais popular é a Fix.

O café é imprescindível depois de uma boa comida. A influência do café turco é notável pelo que o sabor é excelente. Pode-se tomar amargo (skiétos), ligeiramente doce (métrios), doce (glikís), carregado (varís) ou cozido durante muito tempo (vrastós).

A comida finaliza com os licores. O brandy grego é excelente, os mais famosos são o Cambas e o Metaxá, este último se obtém da destilação do lentisco.

Também se toma licor de guindas, visinada.

Além dos restaurantes e tabernas gregas vale a pena visitar os kafenion, lugares de reunião de grupos de amigos onde se joga às cartas, se conversa ou se lê o jornal ou bem, os ouzeri, típicas tabernas onde se toma o licor nacional, o ouzo, cerveja, vinho e qualquer outra bebida acompanhados dos aperitivos mais variados conhecidos como meze.

O ambiente de ambos locais é tipicamente grego e resulta fascinante.

Compras

Grécia é um verdadeiro paraíso para os amantes das compras. Destacam os produtos artesanais como as imitações de antigas vasilhas de cerâmica em branco e negro com figuras humanas, as talhas de madeira pintadas a mão que podem ir desde pequenas caixas a cabeceiros de cama, cadeiras mesas, escrivaninhas, vitrinas, ovos de madeira de radiante colorido, tapetes de parede de desenhos originais, vestidos típicos de vivas cores, bordados de esmerado trabalho, tapetes de flokati, objetos de coro como sapatos, cinturões, artigos de escritório, bolsas entre as que destacam as conhecidas tagaria que são bolsas de praia de algodão e lã, luvas, bonecas, as típicas máscaras da tragédia grega realizadas nos mais variados materiais e diferentes objetos de cerâmica como jarros, vasos, lâmpadas, jogos de café e chá, braceletes e brincos entre muitos outros.

Têm especial fama os tecidos confeccionados a mão, em especial os da ilha de Creta. Também são conhecidos os de Micenas, de pior acabado que os cretenses, cujo estampado a listas é ideal para jogos de mesa ou saias de senhora. São excelentes para o inverno os pulôveres tecidos a mão pelas campesinas com lã das ovelhas do país.

No relativo a cerâmica é muito apreciada a de Rodas e a de Amaruosion. Se lhe gosta o vime e os pequenos móveis de incrustado, nas ilhas Cicladas encontrará estes artigos a bom preço.

Os trabalhos de joalheria são realmente excepcionais. Desenhos originais e imitações de jóias antigas muito formosas. Destacam as jóias de filigrana de prata, de prata, ouro, colares de ametista e os preciosos esmaltes de Epiro.

Em Grécia podem-se adquirir também a bons preços casacos de pele, sobre tudo de visão e raposa, procedentes de Kastoría.

São muito típicos os komboloi, espécie de rosário de cores que se vai passando para ter as mãos ocupadas. Pode ser de vários materiais embora os mais usados são os de madeira e âmbar. Porém os artigos mais vendidos neste país são as imitações de obras de arte antigas.

Estas imitações são vendidas em ocasiões como peças originais pelo que se deve que ter cuidado com o que lhe oferecem e com os certificados que estende o vendedor. É muito importante ter em conta que na alfândega serão muito severos com as peças de arte autêntica que se tentem sacar do país.

Si se conforma com uma boa imitação encontrará peças excelentes, vasos, estatuetas, ícones e pequenas esculturas entre outras.

Como produtos alimentícios são maravilhosos os frutos secos, mel, amêndoas e os doces. Também o vinho com sabor a resina (vinho macerado em barricas com resina de pino), o que lhe confere um sabor doce curioso e agradável.

Recorde que em toda Grécia há exposições permanentes de artesanato do país que dependem da Organização Nacional Helénica de Artesãos, Hommeh. Aqui podem-se conseguir peças originais a bons preços, além de obter os endereços de artesãos especializados.

Existe uma grande variedade de comércios nos que adquirir estes produtos. Desde butiques de luxo de elevados preços passando pelas pequenas lojas de aspecto íntimo, onde pode-se encontrar de tudo, até os alegres mercados inundados de cores e cheiros onde o ambiente é tão atrativo como os objetos que ali podem-se encontrar. Passe por eles, vale a pena.

População e Costumes

Os habitantes de Grécia têm o típico caráter mediterrâneo embora com características próprias. São alegres, amantes da diversão, sorrientes, abertos, comunicativos e acolhedores. O estrangeiro se sentirá como em seu próprio país e receber á toda ajuda que possa necessitar.

Os gregos são faladores, num tono mais alto de o habitual, e lhes encanta conversar com gentes de distinta cultura pois são muito curiosos e gostam conhecer outras formas de vida, outras crenças e outros modos de comportamento. Não criticaram as diferenças sino que as englobaram em outras culturas como parte delas e tentaram sacar o melhor de elas.

A imaginação grega é desbordante, de fato, existem numerosas lendas e contos que passam oralmente de geração em geração. Tal vez esta criatividade procede da Mitologia, tão estendida, que relata a vida e encarnações dos deuses gregos e sua descendência assim como suas conflituosas relações com os humanos.

A vida grega tem lugar em sua maior parte na rua. Os cafés, praças, passeios e jardins estão repletos de gente. Nos povoados é típico ver às mulheres charlando nas portas das casas aproveitando o refrescar da tarde enquanto que os maridos fazem o mesmo nas tabernas.

Outra atividade e tipicamente grega, que resulta chocante para os visitantes, é o passar as contas de komboli entre os dedos. Os komboli são uma espécie de rosário realizado em diferentes materiais, principalmente de madeira e âmbar.

Talvez, devido ao calor, as atividades lúdicas costumam realizar-se avançada a tarde e se alargam até bem entrada a noite. A siesta é respeitada por todos e durante as primeiras horas da tarde as ruas costumam estar desertas. O Tabil é um dos jogos preferidos para as horas de relaxação na taberna.

No relativo às ilhas, só a décima parte delas estão habitadas, e algumas por uns quantos monges e algumas cabras. Cada ilha conserva uma certa individualidade em sua arquitetura, em seus trajes típicos, e em seus dialetos. Apesar de isso é freqüente que existam contatos entre os grupos de ilhas, estabelecendo-se um rico intercâmbio cultural.

Os gregos têm uma parte melancólica em seu caráter. De vez em quando se observa certa tristeza em seus olhos e uma abstração momentânea que passa rapidamente.

Também são muito orgulhosos e embora tentam dissimular é melhor não despertar esta faceta sua.

A família é o núcleo essencial e costuma existir uma estreita relação entre pais, avôs, tios, primos, sobrinhos e demais parentela. Os anciões são venerados e costumam viver com os filhos até sua morte, enquanto que as crianças são muito queridas e gozam de uma amplia liberdade.

Como país mediterrâneo que é, o machismo ainda é habitual embora tem-se avançado muito neste aspecto, sobre tudo, nas novas gerações e nas zonas urbanas.

Nas zonas rurais ainda se mantém os antigos comportamentos, entre os que destacam o fato de que a mulher é sempre esposa e filha de um homem. Ainda se mantém o dote que a noiva aporta ao matrimonio.

A educação é obrigatória para todos e, de fato, em Grécia existe um índice muito baixo de analfabetismo e um número muito alto de livrarias. Os gregos são gente culta e lhes gosta cultivar-se.

Outra peculiaridade grega é o profundo respeito pelo religioso assim como pelos fenômenos sobrenaturais. A mistura do culto ortodoxo com celebrações pagãs, procedentes da antigüidade, estão ao cabo do dia. As lendas, feitiços, ritos e superstições têm um fiel reflexo ainda nas zonas rurais e se plasmam nas festas populares.

Os bailes folclóricos são coloridos e animados e ao ritmo do bouzoúki se interpretam o kalamantianós, um baile em círculo em cujo centro está o bailarino principal com um lenço, o tsifteteli, dança do ventre ao grego, o chassápiko, bailado por duplas masculinas e o zeimbékiko no que um dançarino se move com passos que imitam aos dos felinos.

Se tem oportunidade não deixe de assistir a qualquer de estas celebrações. As danças, a música, o vinho, a comida e sobre tudo a companhia dos gregos é fantástica. Estamos seguros de que passará momentos deliciosos.

Entretenimento

Grécia oferece uma grande variedade de atividade para passar um bom momento, tanto ao ar livre praticando algum esporte, como nas cidades assistindo a algum espetáculo.

Berço dos Jogos Olímpicos permite praticar numerosas atividade esportivas: vela, esqui náutico, golf, tênis, equitação, alpinismo e esqui alpino.

Praia

Grécia tem 15.000 quilômetros de costa pelo que as possibilidades de desfrutar do mar e das praias são quase ilimitadas. Barcos de vela que navegam pelas ilhas recorrendo rincões de grande beleza, motos aquáticas, surf windsurfing, esqui náutico o, simplesmente, um prezerosos banho em uma praia de areias finas são algumas das opções.

Os principais centros turísticos contam com instalações adequadas para satisfazer as mais exigentes petições, e os preços não variam muito dos que podem-se encontrar em outras zonas mediterrâneas como Espanha ou Itália. As praias mais apreciadas encontram-se em Ática, Beocia e o Peloponesio.

Encontrará dificuldades para achar lugares com sombra pelo que se deve tomar precauções à hora de tomar o sol. Recorde que para praticar a pesca submarina em Grécia há que trasladar-se às zonas em que esta permitida dita prática. Informe-se antes de realizar esta atividade.

Montanha e Excursões

Também são muito gratificantes as excursões a pé por um entorno de grande beleza como a rota do Peloponésio, um total de 250 quilômetros que podem-se percorrer em duas semanas cruzando zonas espetaculares como Egiona, Gythion, Kalavrita, Arcadia, Trípolis e Esparta.

Existem numerosos refúgios para os aventureiros. Por outra parte a Sociedade Helénica de Espeleologia descobriu e exploro umas 7.500 formações em forma de grutas e precipícios, curiosidades naturais, que acondicionaram em alguns casos para permitir sua visita.

Destacando a Gruta de Koutouki em Ática em Peania e a Gruta de Diros no Peloponésio na Baia do mesmo nome.

Outras Atividades

Além destas atividade pode-se praticar equitação, golfe, tênis, esqui e espeleología. As estações de esqui mais importantes estão em Beocia, Monte Parnaso; no Peloponésio, no Monte Aroania e no Monte Ménalo.

Balneários

Em Grécia podem-se encontrar também maravilhosos balneários de águas termais. Muito conhecidos são os de Kamena Vourla especializado em aliviar enfermidades do sistema nervoso, reumatismo, atrozes degenerativas, ciáticas, lumbago e problemas endócrinos, o de Thermopyles com águas de sulfurosas de hidrogênio que melhoram os problemas respiratórios e as enfermidades ginecológicas, Kalidromo cujas águas tratam as infecções cutâneas, Ypati recomendado para pessoas com problemas sangüíneos e cardíacos e Platystomo com águas sulfurosas alcalinas que tratam problemas de nutrição, de fígado e do sistema digestivo. Todos os balneários contam com instalações agradáveis com todo o necessário para fazer o tratamento e para passar uns dias muito agradáveis.

Espetáculos

Nas cidades as atividade são muito diferentes mas não são menos divertidas.

Grécia conta com uma grande oferta de teatros nos que pode-se desfrutar de qualquer tipo de espetáculos musicais. Também encontram-se na carteleira bailes folclóricos e, nos meses de verão, interpretações clásicas em espetaculares entornos como a Fortaleza velha em Corfú.

Se tem oportunidade não deixe de assistir ao Festival de Atenas que celebra-se entre os meses de julho a setembro no Odeon de Herodes Ático (muito perto à Acrópoles), com representações de tragédias clássicas, ópera, concertos e ballets num marco incomparável.

Nas salas de cinema se expõem filmes, sobre tudo estrangeiras, embora também se exibem filmes nacionais.

Os quatro casinos com que conta Grécia são muito atrativos, existe um no Monte Parnaso ao que se acede em teleférico, outro em Corfú, um mais em Rodas e outro na península Calcídica no complexo hoteleiro de Porto Carrás, uma espécie de Porto Banús em grego.

Um dos espetáculos mais típicos de Grécia são os clubes noturnos onde escuta a rembetika, música popular grega que muitas vezes se compara com o blues. Aparte de desfrutar do bom ambiente pode-se tomar uma copa e empapar-se do espirito de festa, isto nunca antes das doze da noite (mesmo abrindo às 22.00 h.).

Além da rembetika em outros clubes tocam os acordes do jazz, pop, rock e música tradicional como o bouzouki.

Festividades

Janeiro

As festividades em Grécia começam em 1 de janeiro com a celebração do Ano Novo. Os gregos se reúnem em família para degustar uma excelente comida e começar o ano com bom pé. O dia 6 de janeiro é o dia em que em todas as casas se escuta as risas das crianças gregas.

Os Reis Magos fizeram bem o seu labor e os presentes, especialmente brinquedos, fazem as delicias dos menores.

Março

Em 25 de março se comemora o Dia da Independência, desfiles, concertos, exposições e fogos artificiais para este dia tão especial para Grécia.

A Quaresma e Pentecostes celebram-se segundo o rito ortodoxo pelo que têm lugar semanas mais tarde que as correspondentes festas católicas. A Semana Santa se segue com bastante fervor religioso. A sexta-feira Santa é festa nacional e é típico ver procissões do féretro de Jesus Cristo, coberto de panos e flores com epitáfios, seguido de pessoas com velas ascendidas.

Ao meio dia o recolhimento dá passo à festa pois em esse momento as campanas ressoam com alegria e o céu grego se enche da luz dos fogos artificiais. Também são festa nacional o Dia de Páscoa e segunda-feira de Páscoa, nestas celebrações as casas, sobre tudo nos povoados, estão abertas e é tradicional comer cordeiro ao espeto.

Se tem oportunidade não deixe de visitar Corfú nesta época do ano, especialmente o Sábado Santo quando realiza-se a procissão das relíquias de São Spiridóm e se rompem vasilhas de barro acompanhadas das filarmônicas da ilha. Esta procissão se repete no Domingo de Ramos, no 11 de agosto e no primeiro domingo de novembro.

Maio

Em 21 de maio em Langada celebra-se a Festa de São Constantino e neste mesmo dia, em Macedonia, tem lugar o Agia Elení, uma festividade impressionante pois se bailam danças populares sobre brasas acesas.

Abril - Novembro

De abril a outubro têm lugar vários espetáculos de luz e sonido em marcos incomparáveis como a Acrópolis ateniense e a Fortaleza Antiga de Corfú. De maio a setembro se põe em cena numerosos bailes folclóricos na colina de Filopapo em Atenas. Durante todo o verão celebram-se continuas festas nas ilhas gregas.

Têm especial fama as que têm lugar com motivo da saída e o regresso dos pescadores de esponjas.

De junho a setembro celebram-se diferentes eventos como o Festival de Teatro Antigo de Epidauro, o Festival de Teatro, Música, Dança e Artes Plásticas de Patras e o Festival de Atenas com concertos de todo tipo de música, teatro, ballets, danças folclóricas e muitos mais espetáculos de tipo cultural.

Julho

No dia 8 de julho têm lugar as festas de Lefkimi em Corfú, muito divertidas, enquanto que o 15 de agosto, como em qualquer país com produção agrícola, celebra-se a Virgem de Agosto. A Assunção é uma festa religiosa que se sente com profundo fervor em toda Grécia.

Setembro

Em setembro celebra-se o Festival de Corfú com todo tipo de manifestações culturais em meio de um grande ambiente popular. E em Dafní, perto de Atenas, tem lugar a Festa do vinho.

Outubro

O 28 de outubro, festa nacional, os gregos comemoram o não haver caído baixo a influência fascista durante a Segunda Guerra Mundial.

Dezembro

O ano finaliza com duas celebrações especiais de carater familiar, o dia 25 Natal e o Dia de São Esteban.

No Natal, em toda Grécia, se bendiz o mar para que a pesca de todo o ano seja própria. Se submerge uma cruz na água em uma cerimonia tipicamente marinha repleta de encanto. Tem especial fama a que realiza-se no Pireo.

Transportes

Grécia conta com uma excelente rede de comunicações com o resto do mundo. O turismo oferece importantes ingressos econômicos ao país e o governo grego cuida com esmero esta fonte de ingressos.

Avião

As principais cidades estão comunicadas por via aérea. Olympic Airways oferece numerosos vôos às ilhas gregas como Creta, Miconos, Rodas e Santorini.

Durante a temporada de verão é aconselhável reservar praça com suficiente antecedência.

Em Atenas existem dois aeroportos: o Aeroporto Hellinikom Este para vôos internacionais e o Aeroporto Hellinikom Oeste para os vôos nacionais. Ambos aeroportos estão bem comunicados com a cidade. Existem vários ônibus e um bom número de taxis que são bastante mais baratos que em outros países da Europa, além de oferecer um excelente serviço. Certifique de que o motorista tenha entendido corretamente o aeroporto ao que deseja ir.

Barco

Desde o Pireo saem barcos e trens que chegam aos principais portos do Mediterrâneo e a quase todas as ilhas gregas. Pode-se viajar com o carro nestes barcos mas o preço é bastante alto portanto é aconselhável alugar o veículo no lugar do destino.

Também podem-se fazer cruzeiros de um ou vários dias pelas ilhas.

Trem

No interior do país a rede de ferrovias não é muito extensa e de fato só cobre 2.479 quilômetros parte pertencem a Comboios de via estreita. As principais estações atenienses são as de Larisa na que se tomam as linhas para Tesalonica e o norte de Grécia e a Estação do Peloponésio com serviço para Patras e Kalamata.

A rede de ferrovias gregas está, em sua maior parte, dirigida pelo OSE (Organismos Sidirodrómom Elládos).

Perecorrer Grécia em comboio pode converter-se em uma odisséia devido à reduzida rede de ferrovias e à escassa freqüência dos horários dos trens, tendo por vezes que esperar um ou dois dias para poder enlaçar com outros destinos, não é muito aconselhável este meio de transporte.

Ônibus

Os ônibus são o meio mais utilizado pelos gregos para viajar pelo interior do país, dado o carater precário das ferrovias. As estações de ônibus atenienses oferecem um serviço regular e pontual às principais cidades gregas e apesar de ser mais custoso que o trem, vale a pena.

Da Estação de ônibus Terminal A, saem os ônibus para o Peloponésio, enquanto que da Terminal B partem os que se dirigem a Atica e Beocia.

Carro

A documentação necessária para poder aceder a Grécia em carro é a carteira de motorista, os documentos do veículo e o seguro obrigatório.

Grécia dispõe de 38.000 quilômetros de estradas que se classificam em estradas nacionais com 8.700 quilômetros e uma incipiente rede de autoestradas (autovias) que se limita em Patras-Corinto-Atenas e Atenas-Larisa-Salonica-Evzsonoi.

Para conduzir em Grécia se deve ter em conta que, embora o asfalto é bom nas principais cidades turísticas, as pequenas cidades do Peloponésio contam com estradas sem asfaltar e de trazado sinuoso pelo que é recomendável extremar as precauções.

As normas de circulação são as mesmas que no resto dos países da união Européia. Os indicadores estão escritos em grego e em caracteres latinos. O limite de velocidade é de 120 km/h nas autoestradas, 80 km/h nas estradas provinciais e de 50 km/h nas zonas urbanas. É obrigatório o uso do cinto de segurança.

Em caso de defeito ou acidente a associação grega de ajuda em estrada recebe o nome de ELPA. Para fazer patente a necessidade de ajuda tem que levantar o capo do carro embora o defeito não afete ao motor.

O telefone em caso de urgência é o 104. Nas estradas secundarias há que recorrer à polícia, marcando o número de telefone 100.

Nas grandes cidades o tráfico é um pouco caótico e a isto há que somar uma certa anarquia dos gregos à hora de conduzir. É importante saber que em Atenas só se permite o acesso à cidade em dias alternativos segundo a matrícula seja par ou impar, entretanto os carros estrangeiros não sofrem esta restrição. O estacionamento também é algo complicado.

Não tem nenhum problema à hora de alugar um carro. Nos aeroportos e nas principais zonas turísticas encontram-se escritórios das principais firmas de aluguel de veículos. É necessário ser maior de 21 anos de idade e pagar a fiança correspondente.

Taxi

Os taxis são mais baratos que no resto dos países europeus, oferecendo um serviço cômodo e rápido.

Os carros são de cor amarelo e é muito importante fixar-se nos cartazes de "Taxi" pois vão acompanhados de uma letra que é a que lhes permite circular pelo centro de Atenas em dias alternativos: M para os dias impares e Z para os pares. Não se assombre si você toma um taxi e durante o percurso se recolhe a mais passageiros. É muito habitual que nas avenidas tenha gente parada gritando o caminho que quer realizar para partilhar a corrida. Há suplementos por equipagem, nos dias festivos e durante a noite, entre a meia noite e as sete da manhã.

Transportes Públicos em Atenas

Atenas conta com uma extensa rede de ônibus urbanos. Também é o meio de transporte público mais usado pelos atenienses pois é rápido, prático e econômico.

O bilhete se adquire nos quiosques. Atenas conta, ademais, com um serviço de trolebus. As paradas desses são amarelas e as dos ônibus azuis.

O metrô ateniense conta com uma única linha que une O Pireo com Kifissia passando pelos lugares mais centricos da cidade. Funciona das 5:30 da manhã s 24:00 h.

O funicular do Monte Licabeto permite aceder à colina mais alta de Atenas desde a qual se divisa uma formosa paisagem.

Fonte: www.genteviajera.es

Grécia

Grécia é um país do Sudeste da Europa e membro da União Europeia.

A capital é Athínai [Atenas].

A principal religião é o Cristianismo (Ortodoxo, a Igreja Ortodoxa da Grécia é a igreja oficial).

A língua nacional é o Grego.

Grécia conseguiu a independência do Império Otomano em 1829. Durante a segunda metade do século 19 e primeira metade do século 20, ela gradualmente acrescentou as ilhas vizinhas e territórios, a maioria com populações falando Grego.

Na Segunda Guerra Mundial, a Grécia foi invadida pela Itália (1940) e, posteriormente, ocupada pela Alemanha (1941-44); a luta resistiu em uma prolongada guerra civil entre os partidários do rei e os rebeldes Comunistas.

Após a derrota destes últimos em 1949, a Grécia aderiu à OTAN em 1952. Uma ditadura militar, que em 1967 suspendeu muitas liberdades políticas e forçou o rei a fugir do país, durou sete anos. As democráticas eleições de 1974 e um referendo criaram uma república parlamentar e aboliram a monarquia.

Em 1981, a Grécia aderiu à Comunidade Européia (atual União Européia); ela se tornou o 12º membro da União Economica e Monetária Européia em 2001.

Em 2010, a perspectiva de uma inadimplencia Grega de sua dívida denominada em euros criou graves tensões dentro da EMU e levantou a questão de saber se um país membro pode abandonar voluntariamente a moeda comum ou ser removido.

Grécia ocupa um lugar único na mente dos povos modernos. Os antigos Gregos tiveram um papel dominante no desenvolvimento da civilização clássica e ajudaram a lançar a base para todas as civilizações Europeias e de inspiração Europeia em todo o mundo.

Assim a Grécia moderna é considerada como a fonte da civilização Ocidental. As cidades-estados Gregas da era clássica são lembradas por suas contribuições à arte, arquitetura, literatura, religião, educação, e filosofia. E acima de tudo, a Grécia antiga é encarada como a inspiração para as nossas teorias modernas da democracia.

Não é apenas a Grécia clássica, no entanto, que tem influenciado o mundo moderno. Perto do fim da era clássica, as cidades-estados Gregas caíram sob o domínio de Roma; mas ao conquistar o mundo Grego o Império Romano absorveu e adaptou muito da cultura Grega, ampliando e tornando permanente os ideais Gregos.

Além disso, fora do Império Romano do Oriente lá, eventualmente, desenvolveu-se um império Grego medieval que hoje chamamos de Império Bizantino. Este império, uma das entidades políticas mais duráveis que jamais existiram, durou de 330-1453.

Inicialmente, os governantes do império usavam o Latin na administração, mas por volta do século 7 o império tinha sido reduzido para, essencialmente, as áreas de língua Grega da Europa, Ásia e sul da Itália.

O Império Bizantino deixou a sua marca não só sobre a Grécia moderna, mas também sobre toda a civilização Europeia. Sua capital em Constantinopla (moderna Istambul) foi durante muitos séculos a maior cidade na Europa e superou Roma como o centro da cultura e aprendizagem.

Durante o século 11 o Império Bizantino começou a enfraquecer militarmente e economicamente. Ele perdeu muitos de seus importantes territórios nucleares para forasteiros (especialmente Muçulmanos), que, por vezes, deixaram seu impacto na cultura Grega. Como o passar dos anos, a desintegração do império continuou.

Do final do século 13 os Turcos Otomanos, um povo que tinha saído da Ásia, começaram as invasões que se tornaram cada vez mais bem sucedidas.

Em 1453, os Turcos tomaram Constantinopla, e o Império Bizantino entrou em colapso. A partir daí até o século 19, a Grécia esteve sob o domínio Turco, mas como o passar dos anos a oposição ao domínio Otomano cresceu.

Finalmente, a independência triunfou; em 1821, os Gregos se revoltaram, e em 1832 um minúsculo reino independente Grego foi fundado. A partir deste reino o Estado Grego moderno desenvolveu-se e expandiu.

Terra

Geograficamente, a Grécia está localizada no sudeste da Europa no extremo sul da Península Balcânica e abrange centenas de ilhas espalhadas pelo extremo leste do Mar Mediterrâneo.

Ao norte, a Grécia continental fronteira a Albânia, Macedônia, Bulgária e Turquia. Em outras direções, a Grécia é cercada pelo Mediterrâneo e suas diversas subdivisões: o Mar Jonico, o Mar Egeu e o Mar de Creta.

Levou mais de 100 anos para reunir as terras - tanto continentais e as ilhas - que constituem o moderno estado Grego. Quando a Grécia se tornou um reino independente em 1832, o estado consistia do Peloponeso, as Cyclades, e um pequeno território ao norte, incluindo Euboea.

As ilhas Jônicas foram cedidas pela Grã-Bretanha em 1864; a Tessália e uma pequena parte do Épiro foram entregues pelo Império Otomano em 1881; Creta, Epirus, Macedonia, e muitas das ilhas do Mar Egeu vieram dos Turcos com os assentamentos das Guerras dos Balcãs de 1912 e 1913; a Trácia Ocidental veio da Bulgária após a Primeira Guerra Mundial; e, finalmente, (1947) as Ilhas do Dodecaneso foram cedidas para a Grécia pela Itália após a Segunda Guerra Mundial.

Região Continental

A Grécia continental é dividida em duas partes desiguais pelo Golfo de Corinto. Ao norte deste golfo estão as subdivisões históricas de Attica, Beócia, Tessália, Epiro, Macedonia, Trácia ocidental e a Península Calcídica.

Ao sul do golfo está o Peloponeso, uma península que até os tempos modernos estava ligada por terra às áreas do norte do Istmo de Corinto. Em 1893, o Canal de Corinto foi aberto, cortando aquele istmo e conectando o Golfo de Corinto com o Golfo de Salonica a leste.

Hoje, o Peloponeso está completamente cercado por água, e os navios viajam diretamente do oeste através do Canal de Corinto ao Mar Egeu.

O Peloponeso inclui áreas com nomes tão antigos como Arcadia, Laconia, Acaia, Argolis, e Messênia. Nos tempos medievais, o Peloponeso foi chamado de Morea, um nome que ainda é usado ocasionalmente.

A topografia da Grécia continental varia, mas as condições montanhosas prevalecem sobre grande parte do território. As Montanhas Pindo dominam no noroeste e as Montanhas Taygetus no sul do Peloponeso.

Apesar de montanhas, montes e vales serem encontrados em todo o país, existem áreas bastante férteis próprias para a agricultura em lugares como a Tessália, Arcadia, e Beócia. No entanto, não tem havido geralmente terras férteis suficientes para sustentar a população.

Esta é uma razão pela qual muitos Gregos se voltaram para o mar para sua subsistência ou emigraram ao território em torno do Mediterrâneo e, posteriormente, em todo o mundo. A emigração da Grécia no final do século 19 e 20 foi particularmente elevada, resultando em um número substancial de Gregos se instalando nos Estados Unidos e em outros lugares.

A Grécia continental, como a Itália e a Espanha, reflete as condições climáticas do Mediterrâneo. Muitas de suas áreas são muito quentes durante os meses de verão. Nas áreas montanhosas de inverno, especialmente no norte, pode ser muito frio, com queda de neve considerável.

Mesmo as montanhas do sul do Peloponeso sofrem frio severo e condições de inverno, às vezes. A maior parte da chuva cai na primavera e o verão e o outono tendem a ser extremamente secos.

As Ilhas Gregas

A Grécia continental é delimitada por centenas de ilhas que, como a parte continental, variam muito em topografia e clima. As duas maiores ilhas são Creta ao sul e Euboea ao leste. Euboea, também conhecida como Negropont (o nome dado nos tempos medievais), fica a leste do continente e é separada por um canal estreito.

Algumas das ilhas Gregas estão incluídas em grupos que têm seus próprios nomes distintos. A oeste estão as Ilhas Jonicas, das quais as mais conhecidas são Corfu, Cephalonia, Ithaca, e Zakynthos (ou Zante).

As Cyclades

No Mar Egeu estão as Cyclades (que vem da palavra Grega para círculo, porque os antigos Gregos as consideravam um grupo circular de ilhas com Delos como o grande centro comercial e político). A maior ilha das Cíclades é Naxos. Ela está associada com a antiga história de Teseu, que matou o Minotauro na ilha de Creta com a ajuda da Princesa Ariadne, que ele abandonou em Naxos.

Outra das Cíclades, Thera, também chamada de Santorin, é conhecida por suas formações geológicas e suas muitas erupções vulcânicas. Uma cidade antiga, acredita-se ter sido destruída pela grande erupção vulcânica de 1400 aC, está sendo sistematicamente escavada.

As Esporades

Dois outros grupos de ilhas no Mar Egeu são as Esporades do Norte e as Esporades do Sul. Euboea é uma das Esporades do Norte. Outra é a ilha de Skyros, mais famosa talvez porque o poeta Inglês Rupert Brooke (1887-1915) está enterrado lá.

Também nas Esporades está Mykonos, que é notável por seus moinhos de vento e inúmeras igrejas caiadas de branco, capelas e casas. Mykonos é uma das mais populares das ilhas Gregas com os turistas de verão.

As ilhas mais importantes das Esporades do Sul são as do Dodecaneso, que em Grego significa "doze". Na verdade, existem 12 ilhas principais e um número de menores no grupo. Elas encontram-se na costa meridional Turca, e a mais importante delas é Rhodes.

Lá nos tempos antigos foi construída a grande estátua de bronze do deus do sol Hélios, que veio a ser conhecida como o Colosso de Rhodes, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Nenhum vestígio do que sobrevive.

Rhodes tem visto muitos conquistadores ao longo dos séculos. Em 1309 ela foi tomada por uma ordem de Cruzados, que fortificaram a ilha e estabeleceram sua sede lá. Em 1522 a ilha foi entregue para os Turcos Otomanos. Em Rhodes algumas das fortificações medievais e outros edifícios foram restaurados.

A ilha de Patmos é importante na história Cristã. A tradição da Igreja afirma que em cerca de 95 AD, São João Evangelista foi exilado para Patmos. Lá, ele viu a sua visão do Apocalipse e ditou a sua história para seu discípulo St. Prócoro.

O Apocalipse, também chamado de o Livro da Revelação, é parte do Novo Testamento.

Ao norte estão três ilhas famosas da história Grega: Samos, Quios e Lesbos. Samos foi um grande centro cultural no século 6 e reivindica Pitágoras como um filho da terra. Chios, que afirma ser o berço de Homero, foi notada nos tempos antigos por seus bons escultores e poetas.

No final do período Bizantino, Chios caiu (1261) nas mãos dos Genoveses. Os Turcos Otomanos a capturaram em 1566; e em 1822, durante a Revolução Grega, foi a cena de um grande massacre, quando os Turcos assassinaram a população Cristã inteira.

O massacre foi amplamente divulgado e fez muito para trazer Europeus e Americanos para o lado dos Gregos em sua busca pela independência dos Turcos.

Lesbos (também conhecido como Mitilene) é incluída por alguns geógrafos nas Sporades do Sul. Seu nome é sempre associado com a grande poetisa Safo e outros poetas do século 7 aC.

Creta

No sul do Mar Egeu está a maior ilha Grega, Creta. Creta tem uma herança magnífica desde os tempos antigos até o presente. Ela foi o local de uma antiga civilização Mediterrânea chamada de Minoana, após o lendário Rei Minos, cujo palácio estava na cidade de Knossos.

A civilização Minóica influenciou outras partes do mundo Grego. O palácio de Knossos foi escavado e restaurado no início do século 20 e é hoje uma das principais atrações turísticas da Grécia.

Creta permaneceu parte do mundo Grego na época clássica, e mais tarde caiu sob os impérios Romano e Bizantino. De 823-960 ela foi detida pelos Árabes. Os Bizantinos retomaram-na, mas depois perderam o controle para Veneza no início do século 13.

Em 1669, ela foi entregue para os Turcos Otomanos depois de uma longa guerra. Durante o período de ocupação Veneziana, Creta produziu um dos maiores artistas de todos os tempos. Seu nome era Kyriakos Theotokopoulos, mas ele é mais conhecido no mundo por seu apelido Espanhol, El Greco.

População

Os Gregos se referem a si mesmos como Helenos, e a Grécia pode ser referida como Hellas, a palavra Grega para o país. Os quase 11 milhões de habitantes da Grécia vivem em locais muito divergentes, da mais ínfima aldeia para grandes cidades se alastrando como Atenas.

Com o advento da avançada tecnologia nos transportes e comunicações, as distinções entre as pessoas da cidade e do interior quase desapareceram. A informação é acessível a quase todos por todo o país.

O vestido de costume nos ambientes urbanos é muito parecido com aquele conhecido em todo o resto do mundo. Nas áreas rurais e agrícolas remotas as formas de se vestir são, por vezes baseadas nos estilos antigos, mas, em geral, os trajes tradicionais Gregos são usados apenas em festivais, desfiles e outros eventos sociais.

Os famosos Evzones que guardam o palácio presidencial e o Túmulo do Soldado Desconhecido em Atenas usam o distintivo uniforme fustanella; ele se distingue por uma saia como um kilt e sapatos distintos chamados tsarouhia.

Certo tempo, um século ou mais atrás, a fustanella era a roupa costumeira dos homens.

A moderna cultura e civilização Gregas são um amálgama das muitas influências que foram combinadas através dos séculos. A tradição clássica é visível nos vestígios que abundam no país e na reverência com que os Gregos mostram sobre sua herança.

A influência Bizantina é vista na presença viva da Igreja Ortodoxa Grega como parte integrante da sociedade, bem como nas obras arquitetônicas e artísticas que continuam a ser inspiradas por formas Bizantinas. As tradições folclóricas, a música, a literatura, e o artesanato exibem as influências que resultam dos períodos clássico, Bizantino e moderno.

É a língua Grega que une tudo isso junto, de modo que no século 20, a civilização Grega surgiu como um todo multifacetado, porém vibrante.

Você só precisa citar as obras de três escritores Gregos: o poeta George Seferis, que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1963; Odysseus Elytis, outro poeta ilustre, que ganhou o Prêmio Nobel em 1979; e Nikos Kazantzakis, autor de Zorba, o Grego e inúmeras outras obras e o romancista mais famoso da Grécia moderna. A influência de tais escritores se estende além das fronteiras da sua Grécia nativa.

Religião

Estima-se que cerca de 98 por cento da população Grega pertence à Igreja Ortodoxa Grega, uma denominação Cristã que é parte integrante da Igreja Ortodoxa Oriental, que foi separada da Igreja Católica Romana em 1054. Naquela época, cada ramo excomungou o outro.

Ao longo dos séculos, as duas igrejas pela maior parte meramente toleraram umas às outras. Gradualmente, as relações entre elas melhoraram. Embora ainda separadas, ambas em 1965 "comprometeram-se ao esquecimento" da excomunhão de 1054; e, assim há uma maior cooperação presente entre elas.

No mesmo espírito de cooperação a Igreja Ortodoxa Grega tem desenvolvido relações de amizade com os Protestantes e seitas não-Cristãs fora do país.

Para os Gregos em geral, ser membro da Igreja Ortodoxa é visto não apenas como uma questão de devoção religiosa, mas também como parte de ser etnicamente Grego. Há orgulho e reverência especial no fato de que o Novo Testamento foi escrito originalmente em Grego, e é esta forma não traduzida da Bíblia que ainda é usada nos serviços Ortodoxos Gregos hoje na Grécia.

Da Língua Grega

A moderna língua Grega é o resultado da evolução ao longo de muitos séculos. No momento da independência da Grécia no século 19 duas formas de Grego moderno foram defendidas por diferentes facções.

A forma mais pura, chamada katharevousa, foi usada para esforços literários e não para conversas diárias; ela tentava imitar o Grego clássico, tanto quanto possível. A outra forma era a língua da fala comum, chamada demótico, ou dimotiki, que varia muito do Grego clássico, mas ainda é reconhecidamente o seu desdobramento.

Às vezes, toda a questão de à qual forma -katharevousa ou dimotiki - deve ser dada precedência na literatura e educação tornou-se entrelaçada com as questões políticas Gregas. Recentemente, no entanto, o demótico ganhou ampla aceitação na escrita, bem como no discurso falado.

Educação

Hoje, a educação universal na Grécia é fortemente forçada, e todas as escolas são supervisionadas pelo governo nacional. Como resultado desses esforços o país hoje tem uma taxa de alfabetização de 96 por cento.

No topo do sistema de ensino está a Universidade de Atenas, fundada em 1837, poucos anos depois da Grécia ganhar a independência. Ela tornou-se um catalisador de um sistema nacional de ensino superior que hoje inclui uma série de outras universidades e numerosas faculdades técnicas, de comércio e especializadas.

Existem instituições privadas de ensino superior, mas o governo Grego não reconhece os seus programas de graduação.

Cidades

Atenas

Como a capital e o centro economico e cultural da Grécia, Atenas desempenha um papel dominante em todos os aspectos da vida Grega. Nomeada para a deusa Atena e uma vez a jóia da civilização clássica Grega, Atenas foi muito menos importante nos tempos Bizantinos e foi reduzida para pouco mais de uma aldeia durante o período Otomano.

Não foi mesmo a primeira capital da república Grega; Nauplia, no Peloponeso, foi. Mas a sede do governo foi logo removida para Atenas, e a partir desse ponto o crescimento da moderna cidade começou.

Embora crescesse ao longo da era moderna, ela teve sua maior explosão de crescimento no período após a Segunda Guerra Mundial. Na aldeia após aldeia em toda a Grécia, os jovens desertavam a casa da família em busca de empregos e o progresso econômico em Atenas.

Muitas vezes, eles foram acompanhados pelo resto da família. Como resultado, hoje Atenas é uma cidade superlotada se alastrando, com serviços públicos inadequados e graves problemas de poluição.

No entanto, a cidade ainda continua sendo um ímã para os Gregos das áreas rurais e possui uma vibração encontrada apenas nas grandes cidades do mundo. Ela é o centro da vida econômica da Grécia, e muito do transporte da nação passa por seu porto do Pireu.

Atenas é o local das muitas mundialmente famosas relíquias da história Grega. A mais conhecida delas é o Parthenon. Ele está localizado, junto com outras glórias da Grécia clássica, na Acrópole, a antiga cidadela da cidade.

Ele era originalmente um santuário dedicado à deusa Atena, e foi convertido em uma igreja Cristã durante a época Bizantina. Incrivelmente, o edifício sobreviveu em estado quase perfeito até o século 17.

Durante uma guerra Otomano-Veneziana em 1687, os Turcos usaram o Parthenon como um local de armazenamento de munições, e as canhoneiras Venezianas bombardearam-no, reduzindo-o a ruínas.

A grande reconstrução do monumento começou na década de 1980. A coleção de esculturas de mármore, conhecida como os Mármores de Elgin, foi removida no início do século 19 por um Inglês, Thomas Bruce, o sétimo Conde de Elgin.

Hoje a coleção reside no Museu Britânico. O governo Grego pediu para tê-la devolvida.

Entre as relíquias da era clássica estão o Ágora, o Erechtheum, e o Teatro de Dionísio. Do período Romano, o Arco de Adriano domina a sua localização. Da era Bizantina está a Pequena Catedral do século 12, ou Velha Igreja Metropolitana. A Igreja Kapnikarea é outro excelente exemplo da arquitetura Bizantina. O Museu Nacional de Atenas mostra a arte gloriosa de toda a Grécia.

Entre as modernas estruturas de Atenas está o Edifício do Parlamento, localizado na Praça Syntagma (Constituição), o mais importante espaço público da cidade.

Originalmente construído como um palácio real para o Rei Otto I (reinou de 1832-1862), o primeiro rei da Grécia moderna, ele foi convertido em um prédio para abrigar o parlamento Grego, no século 20.

Foi na frente do edifício em 1844 que os revolucionários forçaram o Rei Otto a conceder à nação uma constituição. Atenas é também o local do Estádio Panathenaico, que foi originalmente construído no século 6 aC, e em seguida, reconstruído em 329 aC, e restaurado para sediar os primeiros Jogos Olímpicos modernos em 1896.

Ele foi usado novamente nos Jogos Olímpicos de 2004, para os quais Atenas construiu outro complexo principal de edifícios. O último inclui um estádio projetado e com a assinatura do arquiteto Espanhol Santiago Calatrava.

A Plaka, na base da colina em que fica a Acrópole, é a parte antiga de Atenas. Suas sinuosas ruas estreitas dão uma idéia do que a cidade deve ter sido pelo fim da era Bizantina, no período das Cruzadas, e durante a ocupação Turca.

O governo Grego acaba de dar muita atenção para a restauração e preservação da Plaka, e ela é uma das atrações turísticas favoritas de Atenas, com muitas lojas, restaurantes e casas noturnas.

Salônica

A segunda maior cidade da Grécia é a grande cidade Macedonica de Salônica, também conhecida como Tessalônica. Ao longo de sua longa história ela tem sido a capital cultural, religiosa e comercial do norte.

Ela foi especialmente importante durante a época Bizantina, e os seus museus estão cheios de obras-primas da arte Bizantina que rivalizam com as encontradas em Istambul. A moderna Salonika continua a ser um importante centro comercial e seu porto é apenas segundo ao Pireu.

Patras

O maior porto marítimo no Peloponeso, Patras é também um importante centro industrial. Ele produz têxteis, papel, pneus, vinhos e produtos químicos. Liderados por seu bispo, Patras foi a primeira cidade do Peloponeso que se levantou contra os Turcos na revolução Grega de 1821.

Monte Athos

Um local fascinante no norte da Grécia é a comunidade Cristã do Monte Athos, localizada na ponta da península de Calcídica. Esta comunidade só de homens religiosos consiste de 20 mosteiros e é regida sob um sistema teocrático, que funciona como uma entidade separada administrativa na Grécia.

O primeiro mosteiro do Monte Athos foi fundado em 963, e suas comunidades religiosas têm sobrevivido desde aquela época.

Cidades Históricas

Delfos, no noroeste do continente de Atenas e situada entre o Monte Parnaso e o Golfo de Corinto, foi um dos centros religiosos mais importantes da Grécia antiga. Foi aqui que o Oráculo de Delfos era consultado sobre grandes questões de Estado. Muitos templos elaborados foram construídos em Delfos e preenchidos de tesouros por várias cidades-estados Gregas.

O Peloponeso é o local de várias das mais importantes cidades da Grécia antiga. Olympia, como Delfos, foi um centro religioso, e foi aqui que os Jogos Olímpicos originais foram realizados. Tiryna é o local das ruínas de uma importante fortaleza militar do século 13.

Micenas é uma das cidades mais antigas da Grécia. Ela floresceu de 1600 a 1100 aC, durante a Idade do Bronze, e foi a lendária capital do Rei Agamenon.

Corinto foi provavelmente fundada no século 9 e tornou-se um movimentado centro comercial. Ela foi destruída em 146 aC, e em 44 Júlio César construiu uma nova cidade no mesmo local. Corinto continuou como uma cidade importante durante as eras Bizantina, Veneziana, e Turca.

Grande parte da cidade foi destruída por um terremoto no século 19 e a moderna Corinto foi construída em 1858 no interior a partir do antigo local. Embora a moderna Sparta seja uma bastante pequena cidade, ela é o local da mais importante cidade-estado do Peloponeso durante a época clássica.

Economia

A multifacetada economia Grega inclui a agricultura, indústria, transporte, mineração e turismo. Ainda mais do que a maioria das economias, a da Grécia sempre foi vulnerável às pressões externas.

No século 20, ela sentiu os efeitos da Guerra dos Bálcãs de 1912 e 1913, da Primeira Guerra Mundial, da Guerra Greco-Turca de 1920, da depressão mundial da década de 1930s, da Segunda Guerra Mundial, e da Guerra Civil Grega da década de 1940.

A agricultura continua a ser uma parte significativa da economia Grega, apesar da terra arável insuficiente e do fato de que muitos jovens não parecem querer ir para a agricultura, optando pela vida na cidade.

As principais culturas incluem uvas para vinho e para uvas passas, azeitonas, figos, trigo e frutas cítricas.

Outras frutas, arroz e legumes também são cultivados. Algodão e tabaco são culturas importantes para exportação. As ovelhas são os principais rebanhos.

A bauxita é um mineral importante. O mármore, magnésio, lignita, e níquel também são minados. Recentes descobertas de petróleo perto da ilha de Thassos do Egeu levaram a sérios conflitos com a Turquia sobre os direitos do petróleo na área.

O transporte marítimo continua a ser muito importante - muitas das grandes fortunas feitas na Grécia vêm das flotilhas de navios navegando pelos armadores Gregos. A produção industrial está atrasada da Europa Ocidental. A Grécia produz cimento, aço, têxteis, açúcar refinado, e navios.

Em 1981, a Grécia aderiu à Comunidade Europeia (CE), que agora é conhecida como a União Européia (UE). Mas o esperado impulso para a economia não ocorreu imediatamente. Desde o final dos anos 1990s, no entanto, a economia da Grécia cresceu de forma constante.

Em 2002, a Grécia adotou a moeda da UE, o euro, e o crescimento econômico acelerou entre 2003 e 2007. Mas o crescimento desacelerou dramaticamente mais tarde, em resposta à crise econômica mundial de 2008-09. No final de 2009, a economia Grega enfrentou uma grave crise da dívida.

Turismo

Pelo menos desde o século 18, aventureiros viajantes Europeus têm procurado as glórias da Grécia clássica e Bizantina. Hoje, o turismo é um fator importante para a economia Grega. Estrangeiros continuam a vir para a Grécia para buscar suas ruínas magníficas e sítios históricos; mas muitos mais vêm para desfrutar de natação, pesca, passeios de barco e cruzeiro pelas ilhas Gregas.

Promovida pelo apoio do governo, a indústria turística Grega cresceu enormemente desde a Segunda Guerra Mundial. O aeroporto internacional de Atenas é um dos mais movimentados do mundo. Navios de cruzeiro de luxo transportam turistas estrangeiros de uma ilha Grega para a próxima.

Governo

Desde 1974, quando a monarquia foi derrubada, a Grécia tem sido uma república, cujo nome oficial é República Helênica. Sob a sua constituição, ratificada em 1975, o chefe de Estado é o presidente.

A autoridade legislativa é investida em um parlamento unicameral (Vouli), ou assembléia nacional. O Parlamento, constituído por 300 deputados eleitos por sufrágio universal, escolhe o presidente para um mandato de cinco-anos.

O poder executivo real, no entanto, recai sobre o primeiro-ministro e o gabinete de ministros, que formam o governo. Eles são escolhidos dentre os membros do parlamento.

Administrativamente, a Grécia é subdividida em 51 províncias, ou departamentos (nomoi). Eles, por sua vez são divididos em unidades menores. Há também uma região autônoma, Mt. Athos.

O ministro do Interior nomeia um governador, ou prefeito (nomarchis), para cada departamento; assim há uma grande quantidade de controle central dos governos locais. Os prefeitos e outros funcionários são eleitos localmente.

História

Os primeiros povos falantes do Grego migraram abaixo do continente do que é hoje a Grécia por volta de 1900 aC. Entrando em contato com a já próspera civilização Minóica da ilha de Creta, eles desenvolveram sua própria civilização, hoje conhecida como Micênica.

Esta floresceu por volta de 1600 à cerca de 1150 aC. Esta era de instabilidade periódica foi o cenário para as duas grandes obras da literatura Grega antiga, a Ilíada e a Odisséia. Ambos os poemas foram escritos entre 800 e 750 aC, com base em tradições orais.

O poeta cego Homero sempre foi creditado por escrevê-los. Eles formam a primeira grande obra literária dos Gregos antigos e duas das obras mais influentes da civilização Ocidental.

Na Ilíada, Homero descreve o cerco de Tróia para garantir a libertação da requintadamente bela rainha de Esparta, Helena, que tinha sido capturada e levada por Paris, filho de Príamo, rei de Tróia. Assim, o palco estava montado para a Guerra de Tróia, um evento que a maioria dos historiadores aceitam como tendo ocorrido cerca de 1250 aC.

A Odisséia traça o vaguear de Ulisses, rei de Ítaca, em seus esforços para voltar à sua casa após o fim da Guerra de Tróia.

Idade de Ouro da Grécia

Os Gregos antigos não estabeleceram um país unificado. Em vez disso, eles estabeleceram cidades-estados, cada uma chamada de polis, que eram auto-governadas e independentes.

Muitas vezes, elas guerreavam entre si, os dois inimigos mais persistentes sendo Atenas e Esparta. Todas as cidades-estados, no entanto, de vez em quando iam à guerra com outra polis.

Embora os Gregos são creditados com a invenção da forma democrática de governo, nem todos as cidades-estados eram democráticas na forma. Esparta, por exemplo, foi durante a maior parte de sua predominância um regime aristocrático e militar.

Mesmo Atenas, a mais famosa de todas as cidades-estados democráticos, contou com a escravidão para seu bem-estar econômico. Só os cidadãos Atenienses do sexo masculino participavam da democracia.

Todas as cidades-estados Gregas tinham altos níveis de cultura e a civilização Grega se espalhou por colônias em todo o mundo Mediterrâneo: do Mar Negro para a Espanha e da Itália e do sul da França ao Norte da África.

Atenas serviu como uma espécie de catalisador entre as cidades-estados, e o que surgiu foi uma das maiores civilizações que o mundo já viu. A arquitetura atingiu níveis esplêndidos. O Parthenon, construído entre 447 e 432 aC, foi o mais espetacular dos muitos belos templos que foram construídos em toda a Grécia.

Raramente qualquer período de tempo viu tal profusão de pessoas talentosas como na Grécia clássica. Entre eles estavam o líder Ateniense Péricles; os filósofos Sócrates, Platão e Aristóteles; o escultor Fídias; os dramaturgos Sófocles, Ésquilo, Eurípides e Aristófanes; o poeta Píndaro; e Heródoto, o "Pai da História".

A rivalidade entre Atenas e Esparta irrompeu na Guerra do Peloponeso, em 431 aC. Ela finalmente terminou em 404 com uma grande vitória para Esparta, que surgiu como o governante de toda a Grécia. Era para ser um governo de curta duração. Guerras com a Pérsia ao leste e com a cidade Grega de Tebas - e com toda a Grécia - abriram à conquista do norte.

Período Helenístico

Em 338 aC, o Rei Filipe II da Macedônia foi capaz de trazer as outrora orgulhosas cidades-estados Gregas sob seu controle. Os Macedônios eram um povo aparentado aos Gregos. Eles falavam uma forma de Grego, e os seus governantes consideravam-se verdadeiros Gregos.

O filho de Filipe, Alexandre, o Grande (reinou de 336-323 aC), conquistou vastas áreas da Europa, Egito e Ásia, chegando até a Índia. As conquistas de Alexandre expandiram a civilização Grega e a língua por todo o Oriente Médio.

A civilização Grego-baseada que se desenvolveu então é chamada Helenística para distingui-la do período Grego clássico que terminou com as conquistas da Macedônia.

Após a morte de Alexandre seu império foi dividido entre seus generais. A cidades-estados Gregas formaram várias ligas e pelos anos 220s aC tinham-se tornado na maior parte independentes novamente. Os confrontos com os Macedônios e a expansão de Roma impediram as tentativas para manter a independência.

O Período Romano

Com o declínio do poder Macedônio e a ascensão de Roma os Romanos interviram repetidamente nos assuntos Gregos particularmente a partir dos anos 220s.

Por 146 aC os Gregos estavam efetivamente sob a dominação Romana e assim permaneceriam por séculos. Os Romanos, no entanto, foram cativados pelas belezas da civilização Grega, e as formas e ideais Gregos tiveram uma influência tão importante na cultura Romana que as pessoas ainda hoje falam da fusão como Greco-Romana.

O Cristianismo foi promovido entre os Gregos pela viagens missionárias e as obras de São Paulo. Ele pregava em lugares como Atenas, Corinto, Filipos e Tessalônica (Salônica). Foi nos primeiros séculos do Cristianismo, que o período Romano se fundiu na era Bizantina da história Grega.

O Império Bizantino

Em 330 o Imperador Romano Constantino I fundou a cidade de Constantinopla, que ele ergueu no local da antiga cidade Grega de Bizâncio. Constantinopla se tornou a capital do que viria a tornar-se o Império Bizantino.

O Grego sempre permaneceu a língua da cultura no Império Romano oriental. Após o reinado de Constantino, as partes orientais do império cada vez mais se separaram dos territórios ocidentais.

Aos poucos, elas se dividiram em duas partes: a Ocidental, com sua capital em Roma, e a Oriental, com sua capital em Constantinopla. Quando o Império Romano enfraqueceu, muito de seus territórios orientais foram perdidos para os conquistadores Islâmicos. Por volta do século 7 o que tinha sido o Império do Oriente foi reduzido a um núcleo essencialmente de língua Grega centrado em torno de Constantinopla.

Por muitos séculos, este ainda-poderoso Império Bizantino teve um enorme impacto na Europa e no mundo em torno da bacia do Mediterrâneo. Quando Roma caiu, Constantinopla se tornou o centro da arte, arquitetura, literatura, educação, comércio e religião.

Em Constantinopla residia o mais importante bispo da Igreja do Oriente, o Patriarca Ecumênico; mesmo os membros de hoje da Igreja Ortodoxa Grega e de outras igrejas Ortodoxas consideram o Patriarca Ecumenico o líder espiritual da Igreja. Missionários enviados da Igreja Grega em Constantinopla converteram muitas pessoas da Europa Oriental para o Cristianismo, incluindo os Russos, os Sérvios, os Romenos e os Búlgaros. Assim, através da Igreja, a influência Grega cobriu praticamente toda a Europa Oriental.

Por volta do século 11 o Império Bizantino tinha começado a enfraquecer internamente em face do aumento das pressões externas. Os Cruzados Cristãos, que vieram da Europa Ocidental inicialmente para assumir "terras infiéis" na Palestina, anexaram terras controladas por seus companheiros Cristãos, os Gregos Bizantinos. Ocidentais como Normandos, Venezianos, e Genoveses assumiram grandes seções de Bizâncio. Mesmo a capital de Constantinopla foi detida por Europeus Ocidentais de 1204-1261, quando os Bizantinos a retomaram.

Por esse tempo o império tinha perdido seu impulso, no entanto, e os Bizantinos nunca foram capazes de desalojar totalmente os líderes da Europa Ocidental que haviam criado os seus próprios pequenos estados em algumas partes no que hoje é a Grécia moderna. Atenas tornou-se o Ducado de Atenas e Tebas, governada por pessoas de origem Ocidental. A maioria dos moradores das ilhas Gregas tornaram-se vassalos de vários príncipes reinantes da Europa Ocidental.

E um novo poder surgiu na área; a partir do século 14 os Turcos Otomanos começaram a invadir ambos o Império Bizantino e suas conquistas Européias Ocidentais.

Os Turcos Otomanos

Constantinopla caiu em 1453, terminando assim a existência política do Império Bizantino. Posteriormente, os Turcos trouxeram sob seu controle todas as partes de língua Grega da Europa e da Ásia Menor, exceto por uma grande área, as ilhas Jônicas. Estas permaneceram sob o domínio Veneziano por centenas de anos (até 1797). Após a era Napoleônica, eles se tornaram um protetorado Britânico.

Caso contrário, os Gregos ficaram sob o domínio dos Turcos Otomanos. O Sultão Mohammed II, o Conquistador, o governante Turco que tomara Constantinopla em 1453, deu ao Patriarca Ecumênico certos direitos políticos e religiosos sobre os assuntos da Ortodoxia Grega do império.

Isso ajudou os Gregos a manter uma identidade étnica reconhecível em um império que era de outra maneira quase que totalmente Muçulmano. Relativamente poucos Gregos foram convertidos ao Islã, e a Igreja Ortodoxa Grega portanto ajudou a manter vivo um sentimento nacional distinto entre os Gregos.

As condições dos Gregos variavam de lugar para lugar no Império Otomano. Alguns eram oprimidos e explorados; outros enriqueceram no comércio. Outros ainda chegaram a elevada posição no governo, mesmo que permanecessem Cristãos.

A Busca da Independência

Ainda assim, muitos Gregos se irritavam sob o domínio Otomano, e quando os ideais do nacionalismo que foram desencadeados pela Revolução Francesa no século 18 se espalharam para áreas de língua Grega, o espírito revolucionário se desenvolveu entre os Gregos.

O resultado foi uma revolução de pleno-direito contra os Turcos em 1821. Com a ajuda da Grã-Bretanha, Rússia e França, e depois de inúmeras batalhas sangrentas, a Grécia tornou-se um reino independente em 1832.

Durante a revolução muitos estrangeiros que eram pró-Gregos, incluindo alguns Norte-americanos, ajudaram a causa de fora ou foram para a Grécia para lutar com os rebeldes. Eles foram chamados Filelenos, e o mais famoso deles foi o poeta Inglês Lord Byron. Sua morte na Grécia em 1824 fez dele um herói nacional Grego, inspirando muitos outros a aderir à causa Grega.

O Reino Grego

Com a independência, um príncipe Bávaro chamado Otto foi escolhido pelas potências Ocidentais para ser o primeiro rei da moderna Grécia. Pode parecer estranho que os Gregos aceitariam um rei nascido no estrangeiro depois de terem expelido o jugo Turco. Haviam várias razões para isso, entre elas que nenhum rebelde Grego surgiu como líder do país.

Talvez o mais importante, acreditava-se que um estranho ligado por nascimento às grandes casas reais da Europa Ocidental daria à nova nação lutando o prestígio que seria necessário entre os outros governantes reais da Europa.

Otto era o filho do Rei Ludwig I da Baviera, o primeiro monarca Europeu a abertamente apoiar a causa Grega. Por fim, Otto era jovem o suficiente para que ele pudesse se aclimatar ao país e se tornar, de fato, um Grego.

Otto acabou por ser um forte patriota Grego. Ele apoiou um conceito chamado de a Grande Idéia, que previa a minúscula Grécia como o núcleo para um aumentado Estado Grego que recriaria o antigo Império Bizantino à custa dos agora fracos Turcos Otomanos. Embora bem-educado, Otto também era autoritário.

Um levante em 1843 forçou-o a aceitar uma constituição nacional. No entanto, seu autoritarismo cresceu, e em 1862 ele foi forçado a partir do trono.

Otto foi substituído em 1863 por um príncipe Dinamarquês - eleito pela Assembleia Nacional Grega - que assumiu o trono Grego como George I dos Helenos. O novo rei, como o Rei Otto, defendia a Grande Idéia e de fato viu o seu reino alargado três vezes durante seu reinado.

Durante os últimos anos de seu governo, o Rei George confiou o primeiro-ministério à um dos líderes mais notáveis da Grécia moderna. Eleutherios Venizelos, um Cretense de nascimento, lutara contra os Turcos em sua ilha natal, onde ele ganhara grande aclamação.

Como primeiro-ministro, Venizelos rejuvenesceu a Grécia; ele dedicou atenção à administração interna e construiu o exército e a marinha. Ele supervisionou a revisão da Constituição, e ele habilmente construiu uma rede de conexões com os vizinhos do norte da Grécia contra os Turcos Otomanos.

As Guerras dos Balcãs

Foi nestas circunstâncias que a primeira Guerra Balcânica eclodiu em 1912, e a Grécia foi um participante importante nela. Com Venizelos como o líder político e o filho do Rei George, o Príncipe Herdeiro Constantino, à frente do exército, a Grécia ganhou vitórias sem igual.

Assim que Constantino tinha tomado Salonika dos Turcos, o Rei George passou a residir ali para mostrar que, mesmo antes do tratado de paz, a Grécia considerava a cidade Grega. Foi em Salônica que o rei foi assassinado por um louco em Março de 1913, enquanto caminhava pelas ruas.

Constantino I subiu ao trono como o filho de um mártir e como o primeiro rei Grego-nascido em séculos. Em Junho de 1913 uma segunda Guerra dos Bálcãs começou. Novamente Constantino e Venizelos trabalharam juntos para garantir vitórias enormes e novos territórios para a Grécia.

A Primeira Guerra Mundial

Infelizmente, a Primeira Guerra Mundial rompeu a estreita relação entre o rei e o primeiro-ministro. Venizelos favorecia juntar-se aos Aliados (Grã-Bretanha, França e Rússia) contra a Alemanha, a Áustria-Hungria e o Império Otomano.

Constantino, cuja esposa, a rainha Sofia, era uma irmã do Imperador Alemão William II, queria que a Grécia se mantivesse neutra. Constantino foi marcado como pró-Alemão; Venizelos renunciou ao cargo, liderou uma revolução, e forçou o rei a abdicar em 1917.

O segundo filho de Constantino, em seguida, tornou-se o Rei Alexandre I dos Helenos. Venizelos voltou para o cargo de primeiro-ministro e ganhou uma série brilhante de vitórias militares e diplomáticas. Elas culminaram com as tropas Gregas entrando em Constantinopla junto com as demais forças Aliadas quando o Império Otomano perdeu a guerra e desapareceu da história.

Além disso, Venizelos ganhou dos Aliados o direito de ocupar a cidade Grega-habitada de Esmirna, na Ásia Menor, sinalizando assim o fato de que território Turco na Ásia Menor não estava imune à Grande Idéia.

Os Anos 1920s e 1930s

Então, tudo entrou em colapso. O Rei Alexandre morreu tragicamente como o resultado de uma infecção de uma mordida de macaco. Venizelos perdeu nas urnas, e o Rei Constantino foi restaurado ao trono pelo voto popular.

Os Turcos, apesar de sua derrota na Primeira Guerra Mundial, atacaram os Gregos em Esmirna e os expulsaram. Constantino foi forçado a abdicar mais uma vez (1922), desta vez em favor de seu filho mais velho, que se tornou o Rei George II dos Helenos.

O desastre militar na Ásia Menor havia deixado a Grécia um país enfraquecido e alquebrado. A Grande Idéia foi destruída para sempre, e George II foi forçado a deixar a Grécia em 1923.

De 1924 a 1935, a Grécia foi uma república. A maioria desses anos foram turbulentos, com exceção de um período de 1928-1932, quando Venizelos mais uma vez deu ao país um governo estável. A monarquia foi restaurada em 1935, na pessoa de George II, mas no ano seguinte todo o poder governamental caiu nas mãos de um ditador militar chamado John Metaxas.

A Segunda Guerra Mundial

Metaxas ainda estava no comando em Outubro de 1940, quando a Itália Fascista sob Benito Mussolini invadiu a Grécia. A valente defesa pelos Gregos, que continuaram após a morte de Metaxas no início de 1941, levou a uma invasão Alemã a partir do norte em 1941. O Rei George II e seu governo foram forçados ao exílio.

Durante a ocupação Nazista, grupos de resistência se desenvolveram, sendo o mais importante o EAM com seu exército ELAS. Eles eram comunistas que tentaram, sem sucesso, tomar o governo em 1944, quando a Grécia foi liberada.

A Guerra Civil Grega e Chipre

No final da Segunda Guerra Mundial, o Rei George II foi novamente restaurado ao trono em um plebiscito de 1946. Ele morreu em 1947, e seu irmão, o filho mais novo de Constantino I, tornou-se rei como Paulo I. Entretanto, os comunistas tinham começado uma guerra civil que durou até 1949 quando, com a decisiva ajuda Americana, ela foi esmagada.

Durante o reinado do Rei Paulo surgiu um homem que enfileira com Venizelos como um dos dois grandes estadistas modernos Gregos. Constantine Karamanlis tornou-se primeiro-ministro em 1955. Ele ressaltou o desenvolvimento econômico e uma solução para a questão Cipriota. Chipre era uma colônia Britânica, com uma população de cerca de 80 por cento Grega e 17 por cento Turca.

O Arcebispo Ortodoxo Grego de Chipre, Makarious III, tornou-se o líder de um movimento para a enosis, ou união, com a Grécia. A enosis foi acremente oposta por ambos os Cipriotas Turcos e pela Turquia. Karamanlis negociou com os Britânicos, a Turquia e os Cipriotas, e como resultado, Chipre tornou-se uma república independente em 1960.

As relações Greco-Turcas têm sofrido por causa da disputa sobre o Chipre, mas nos últimos anos elas começaram a ser consertadas. Depois de uma briga com o Rei Paul, Karamanlis renunciou em 1963.

O Governo dos Coronéis

A ausência de Karamanlis marcou o início de uma longa crise política na Grécia. O Rei Paul morreu em 1964, e seu filho o sucedeu como Constantino II. Constantino achou cada vez mais difícil lidar com uma situação política instável.

Em Abril de 1967, um grupo de oficiais militares conhecidos como os Coronéis tomaram o governo e estabeleceram uma ditadura. O rei bravamente tentou desalojá-los do poder em Dezembro de 1967, mas ele falhou e foi forçado ao exílio.

Enquanto isso, o problema Cipriota continuou. As duas facções, Gregos e Turcos, não podiam viver juntos em harmonia. Em resposta aos esforços dos Coronéis para forçar a união de Chipre, a Turquia invadiu a ilha em 1974 e tomou aproximadamente 40 por cento da ilha. Na Grécia, isso levou à queda dos Coronéis. Karamanlis voltou do seu longo exílio, tornou-se primeiro-ministro novamente, e restabeleceu a democracia.

A República Grega

Em 1974, a monarquia foi rejeitada pelo plebiscito, e a Grécia foi declarada uma república. Karamanlis permaneceu como primeiro-ministro até 1980. Sua política externa se concentrou em uma relação estreita com a Europa Ocidental e os Estados Unidos, e a Grécia aderiu à Comunidade Europeia (CE).

Em 1981, um governo Socialista chegou ao poder. Andreas Papandreou, líder do Partido Socialista (PASOK), serviu como primeiro-ministro até 1989. De 1989 a 1993, o conservador Partido da Nova Democracia estava no poder. Karamanlis tornou-se presidente em 1990.

Enquanto isso, Papandreou e vários de seus companheiros foram presos por acusações de corrupção, embora Papandreou foi absolvido em Janeiro de 1992. Em Outubro de 1993, o PASOK venceu as eleições parlamentares e Papandreou tornou-se primeiro-ministro novamente.

Ele serviu até Janeiro de 1996, quando renunciou devido a problemas de saúde e foi substituído como chefe do PASOK e primeiro-ministro por Kostas Simitis.

Em Abril de 2000, o PASOK venceu as eleições parlamentares pela quinta vez. Durante seu mandato de oito-anos, o moderado Simitis melhorou as relações com o inimigo tradicional da Grécia, a Turquia, e também mudou o país para a zona do euro. Cerca de 1.000 tropas Gregas serviram na força de manutenção da paz no Kosovo, na Sérvia.

Simitis renunciou em Janeiro de 2004. Nas eleições seguintes, em Março, a oposição conservadora do partido da Nova Democracia venceu confortavelmente. O novo governo, liderado por Kostas Karamanlis (sobrinho de Constantine Karamanlis), inicialmente focou no Jogos Olímpicos de 2004. Apesar dos receios de ataques terroristas, o forte esquema de segurança permitiu aos jogos seguirem sem problemas.

Os Jogos Olímpicos foram muito caros para o governo Grego, que depois se esforçou para reduzir o seu déficit orçamental. Sob pressão da UE, o governo tentou reformar as leis trabalhistas e do bem-estar e reduzir a despesa pública. Tais esforços foram em grande parte descarrilados por greves e protestos generalizados.

Em 2007, quando o governo ganhou estreitamente a reeleição, e em 2009, os incêndios varreram o país. Em Dezembro de 2008, violentos distúrbios ocorreram em Atenas, quando as pessoas lançaram ao ar as suas queixas sobre a corrupção política. Finalmente, em Setembro de 2009, novas eleições parlamentares varreram o PASOK de volta ao poder.

O líder Socialista George Papandreou, filho de Andreas e neto do anterior George, também primeiro-ministro, assumiu a liderança do país. Ele enfrentou uma crise colossal. Tanto o déficit orçamental e a dívida pública total eram muito mais elevados do que anteriormente reconhecidos.

Em resposta, as agências de classificação internacionais rebaixaram a classificação do crédito da Grécia, temendo que o país poderia entrar em default em seus empréstimos.

Sob forte pressão dos mercados financeiros e da UE, Papandreou anunciou medidas de austeridade difíceis. Elas incluíam os salários do setor público e cortes nas pensões, aumento dos preços de combustível, e uma repressão contra a evasão fiscal.

Em Abril de 2010, uma importante agência de crédito atribuiu a classificação de crédito mais baixo possível da dívida Grega. Em Maio, o Fundo Monetário Internacional e os governos da Zona do Euro forneceram à Grécia empréstimos de emergência no valor de $147 bilhões de dólares para permitir ao país pagar suas dívidas.

Em troca desse grande resgate, o governo anunciou novos cortes de gastos e aumentos de impostos, totalizando $40 bilhões de dólares em três anos.

Ao contrário de seus antecessores, Papandreou se manteve firme diante dos enormes protestos públicos contra as medidas de austeridade. Os protestos continuaram em 2011, quando os cortes de gastos foram sentidos ainda mais intensamente.

Mas os cortes também tomaram seu preço na economia, que se contraiu fortemente. As receitas do governo caíram, e, no verão de 2011, a Grécia precisava de ajuda financeira adicional. Em meio a muita controvérsia, a UE negociou outro resgate para o sitiado país em Julho.

Mesmo antes deste plano ser ratificado por todos os membros da zona do euro, ficou claro que um pacote de resgate muito maior era necessário.

Após a realização de difíceis negociações, mais um acordo foi acertado no final de Outubro. Ele deveria reduzir o tamanho da carga da dívida da Grécia, forçando os obrigacionistas a aceitar um corte de 50% no valor de seus títulos Gregos.

O acordo também impos austeridades adicionais sobre a Grécia, bem como um sistema para monitorar suas finanças. Com a falta de apoio dentro de seu próprio partido, o Primeiro-ministro Papandreou envolveu-se em manobras políticas para ganhar o apoio do Partido da Nova Democracia da oposição, liderado por Antonis Samaras.

Ele até propôs submeter o acordo da dívida para aprovação por referendo popular, uma sugestão logo retirada. Após vários dias de crise política aguda, a Nova Democracia concordou em participar de um governo de unidade nacional.

As negociações sobre um governo de unidade entre Papandreou e Antonis Samaras se arrastaram por vários dias no início de Novembro quando os dois lados discordaram sobre um primeiro-ministro.

Mas em 10 de Novembro, Lucas Papademos, ex-governador do Banco da Grécia e um ex-vice-presidente do Banco Central Europeu, foi nomeado primeiro-ministro interino. O governo interino deveria supervisionar a implementação do novo acordo da dívida e a adoção de um orçamento para 2012 antes de convocar as eleições em 2012.

Fotos

Grécia
O coroas Partenon da Acrópole, em Atenas. A Acrópole é uma fortaleza em uma superfície plana, alta,
afloramento rochoso de 150 m (490 pés) acima do nível do mar e é o ponto mais alto de Atenas. 
Ele preserva uma série de estruturas antigas

Grécia
Parthenon - templo à divindade antiga Atenas 'patrono, Athena

Grécia
Outro ponto de vista do Partenon na Acrópole de Atenas. 
Construído no século 5 aC, é o edifício mais importante sobrevivente da Grécia Clássica

Grécia
Vista da parte de trás do Partenon na Acrópole de Atenas. O templo, dedicado à deusa Atena, foi construído entre 447 e 438 aC.
A Acrópole é uma fortaleza em uma superfície plana, alta, afloramento rochoso de 150 m (490 pés) 
acima do nível do mar e é o ponto mais alto de Atenas. Ele preserva uma série de estruturas antigas

Grécia
As ruínas do Templo de Zeus Olímpico (Olympieion) em Atenas

Grécia
Treze das colunas do Templo de Zeus Olímpico (Olympieion) em Atenas. 
Originalmente, 104 colunas apoiou esta estrutura maciça, que foi iniciada em 520 aC mas não totalmente concluída até 132 dC!

Grécia
O Templo de Zeus Olímpico (Olympieion) em Atenas. 
A construção começou em 520 aC mas não foi concluída até 132 dC durante o reinado do imperador romano Adriano. 
Dezesseis dos originais 104 colunas coríntias sobreviver (15 em pé, uma caída). A Acrópole pode ser visto na distância

Grécia
O Templo de Hefesto na Ágora ou mercado antigo em Atenas é o melhor preservado templo clássico na Grécia. 
Foi dedicado a Hefesto e Atena. A Ágora foi fundado no século 6 aC e era o coração da cidade de 1.200 anos

George J. Marcopoulos

Fonte: Internet Nations

Grécia

Nome completo: A República Helénica
População: 11,4 milhões (ONU, 2011)
Capital: Atenas
Área: 131.957 km ² (50.949 milhas quadradas)
Grande língua: Grego
Principal religião: Cristianismo
Expectativa de vida: 78 anos (homens), 83 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos
Principais exportações: têxteis e vestuário, alimentos, produtos de petróleo
RNB per capita: EUA 25030 dólares (Banco Mundial, 2011)
Domínio da Internet: gr.
Código de discagem internacional: 30

Perfil

O patrimônio histórico e cultural da Grécia continua a repercutir em todo o mundo ocidental moderno - em sua literatura, arte, filosofia e política.

Situado no extremo sul da Península dos Balcãs, Grécia combina as altas montanhas do continente, com mais de 1.400 ilhas, a maior das quais é Creta.

Pós-Segunda Guerra Mundial a Grécia viu a mudança econômica e social rápida, com o turismo e transporte se tornando os principais contribuintes para a economia.

A crise financeira do final dos anos 2000 atingiu a Grécia particularmente difícil, como o legado de elevados gastos públicos e evasão fiscal generalizada combinada com a crise de crédito ea recessão resultante para deixar o país com uma dívida incapacitante.

Na primavera de 2010, em meio a temores de um default iminente sobre o pagamento da dívida e do contágio da dívida se espalhe para outros países, os países da zona do euro colegas da Grécia concordou um inédito pacote de 110 bilhões de euros para resgatar sua economia cambaleante.

A principal condição associadas ao empréstimo - cortes drásticos nos gastos públicos e aumento de impostos - solicitado agitação social prolongada.

O pacote de resgate 2010 logo se mostrou à altura da tarefa de ligar o buraco nas finanças da Grécia, e no ano seguinte uma ajuda ainda maior de euros 130 bilhões foi obrigado a afastar o perigo iminente de o país calote em suas dívidas. A economia continuou a contrair até 2012, superando as estimativas anteriores.

Grécia tem sido em desacordo com o seu vizinho próximo, a Turquia, sobre disputas territoriais no Mar Egeu e da ilha dividida de Chipre.

Relações aqueceu depois que ambos os países sofreram terremotos em 1999 e ofereceu a cada um outro tipo de ajuda prática.

Embora as disputas continuam por resolver, o governo grego dá forte apoio à candidatura da Turquia à UE. Ele vê dividendos a serem obtidos com a maior estabilidade regional que acredita filiação traria.

A Grécia tem estado em disputa desde o início de 1990 com a antiga República Jugoslava da Macedônia. Grécia afirma que o uso do nome Macedônia pelo país vizinho implica uma reivindicação territorial sobre própria região da Grécia com o mesmo nome. A ONU está envolvida em continuar os esforços de mediação.

Atenas entrou para a ribalta mundial quando os Jogos Olímpicos voltaram para casa em 2004. Os jogos foram saudados como um sucesso, apesar dos temores amplamente divulgadas de que a infra-estrutura não seria completa no tempo.

Uma cronologia dos principais eventos:

1924 - gregos voto para a abolição da monarquia, o país torna-se república.

1935 - Monarquia restaurada.

1936 - Metaxas geral nomeado primeiro-ministro, estabelece-direita ditadura.

1940 - As forças de Mussolini ataque Grécia do italiano-held Albânia, mas são repelidos.

1941 - Metaxas morre. Grécia cai para a Alemanha. Mais de 100 mil morrem de fome.

1942 - 1944 - feroz resistência à ocupação por facções comunistas e monarquista igualmente.

1944 - Forças britânicas e gregas combinam para forçar a retirada nazista. Com o apoio da Grã-Bretanha, Georgios Papandreou torna-se primeiro-ministro.

Protesto comunistas. As tensões aumentam e há violência esporádica.

1946 - 1949 - os partidos monárquicos ganhar eleições. Que se seguiu uma guerra civil termina com a derrota das forças comunistas.

1952 - Nova Constituição declara Grécia um reino governado por uma democracia parlamentar. A Grécia adere Otan.

1955 - Konstantinos Karamanlis torna-se primeiro-ministro.

1964 - O rei Constantino II sucede ao seu pai, Paul.

1967 - Grupo de oficiais do exército tomar o poder em golpe militar. Eleições são adiadas indefinidamente e Col George Papadopoulos toma posse como primeiro-ministro.

Centenas de ativistas políticos são presos sob um regime caracterizado pela brutalidade e repressão.

1973 - A Grécia declarou uma república, a monarquia é abolida e Papadopoulos assume a presidência.

A oposição ao regime militar leva à inquietação crescente. Papadopoulos deposto em golpe de Estado por Ioannidis Demetrios brigadeiro-general, comandante da polícia militar. Ele restaura parcialmente o regime civil, mas mantém grande parte do poder.

1974 - Um golpe Grécia, apoiado contra o presidente Makarios do Chipre é seguido por invasão turca e ocupação do norte da ilha.

Governo desmorona Ioannidis. Karamanlis lembrou do exílio e empossado como primeiro-ministro. Referendo rejeita restauração da monarquia.

República parlamentar

1975 - Nova Constituição declara Grécia uma república parlamentar com alguns poderes executivos investidos em um presidente.

1980 - Karamanlis presidente eleito.

1981 - A Grécia adere UE. Socialista Andreas Papandreou Party (Pasok) ganha as eleições.

1985 - Karamanlis renuncia em protesto contra os planos do governo para reduzir os poderes do presidente. Christos Sartzetakis torna-se chefe de Estado.

1986 - Emenda Constitucional transfere alguns dos poderes presidenciais para a legislatura

1990 - Centro-direita Nova Democracia partido do governo sob formas líder do partido Constantino Mitsotakis

1991 - Antiga República Jugoslava da Macedônia declara a independência. Objetos para Grécia nome ea bandeira da República da Macedônia, por razões que implicam reivindicações territoriais para a província grega da Macedônia.

1993 - Eleição retorna Papandreou ao poder.

1995 - Relações com a Macedônia normalizado.

1996 - Tensão chamas entre Grécia e Turquia sobre disputado Egeu ilhota.

Papandreou renuncia por problemas de saúde e morre pouco depois. Sucedido por Kostas Simitis.

De setembro de 1999 - terremoto atinge Atenas - dezenas de mortos, milhares desabrigadas.

Junho de 2000 - Sênior diplomata britânico brigadeiro Stephen Saunders morto a tiros em Atenas pelo esquerdista grupo guerrilheiro 17 de novembro.

Janeiro de 2002 - Euro substitui dracma.

Março de 2002 - grego, governos turcos concordam em construir gasoduto através do qual a Turquia abastecimento da Grécia com gás.

Julho de 2002 - suposto líder e membros do grupo terrorista novembro 17 presos depois que um deles está ferido, supostamente por sua própria bomba, e fornece informações à polícia.

De dezembro de 2003 - Julgamento de 17 de novembro suspeitos termina com a sua convicção. Chefe de grupo e seu principal assassino condenado à prisão perpétua.

2004 Fevereiro - Kostas Simitis chama eleições de março e fica para baixo como líder do Pasok.

Mudança de governo

Março de 2004 - Nova Democracia conservador liderado por Costas Karamanlis ganha eleição geral, terminando mais de uma década de governo do Pasok.

Agosto de 2004 - Atenas anfitriões dos Jogos Olímpicos.

Dezembro de 2004 - questões da Comissão Europeia advertência formal depois da Grécia encontrado para ter falsificado dados do défice orçamental em run-up de ingressar na zona do euro.

Abril de 2005 - O Parlamento ratifica Constituição da UE.

Dezembro de 2005 - Em meio a greves de protesto por parte dos trabalhadores de transporte, o parlamento aprova mudanças nas leis trabalhistas, incluindo o fim da vida em empregos para o setor público. Os planos de ação provocou industrial em junho.

Março de 2006 - Os trabalhadores do setor público greve por salários e em protesto contra planos do governo de sucata leis de segurança do trabalho e intensificar a privatização.

Maio de 2006 - grego e turco lutador acidente de aviões no Mar Egeu após se chocar em pleno ar.

Setembro de 2006 - Grécia, Rússia e Bulgária volta um negócio tão esperado para construir um oleoduto que transportará petróleo russo para a Europa através Alexandropoulis na Grécia.

De agosto de 2007 - Os incêndios florestais varrer tinder-seca florestas em todo o continente e ilhas, matando dezenas de pessoas.

De setembro de 2007 - Apesar das críticas da manipulação de seu governo dos incêndios, o primeiro-ministro Karamanlis ganha uma estreita maioria na votação. Ele diz que tem agora um mandato por mais reformas, mas também se compromete a fazer a unidade nacional uma prioridade.

Março de 2008 - Oferta blocos Grécia Macedônia a aderir à OTAN por causa da disputa não resolvida sobre o nome da ex-república jugoslava.

Parlamento aprova lei restritiva do governo de reforma controversa pensão em face da greve do setor público em geral e protestos em massa.

De dezembro de 2008 - Os estudantes e os jovens para as ruas da cidade em protestos em todo o país e motins da polícia morte de um menino de 15 anos de idade, em Atenas. Grandes greves do setor público coincidir aumentar a pressão sobre o governo por suas políticas econômicas.

De agosto de 2009 - Cerca de 10 mil pessoas são retiradas de suas casas como incêndios varredura em todo o país.

Outubro de 2009 - Oposição socialista Pasok partido ganha eleições antecipadas chamado por Karamanlis PM. George Papandreou toma posse como novo primeiro-ministro.

Crise da dívida

2009 Dezembro - Confrontos sair em Atenas, no primeiro aniversário da morte de um adolescente pela polícia.

Classificação da Grécia de crédito é rebaixado por um dos três mundiais principais agências de rating em meio a temores de que o governo poderia pagar sua dívida balonismo. PM Papandreou anuncia programa de duros cortes de gastos públicos.

2010 Janeiro-Março - Governo anuncia mais duas rodadas de duras medidas de austeridade, e enfrenta protestos em massa e greves.

Pacote de resgate

2010 Abril / Maio - Os temores de uma possível inadimplência em dívidas da Grécia da zona do euro os países imediatas para aprovar um $ 145bn (110 bilhões de euros; £ 91bn) pacote de resgate para o país. Como parte do acordo de resgate, PM Papandreou anuncia uma rodada de medidas de austeridade ainda mais severas. Sindicatos convocar uma greve geral em protesto.

2010 Outubro - Governo anuncia novas medidas mais duras de austeridade, em 2011 projeto de orçamento. As medidas incluem novos impostos e maior taxa de IVA.

2011 Fevereiro - credores internacionais dizem que as medidas de austeridade implementadas até agora não vão longe o suficiente, e que a Grécia deve acelerar reformas para colocar as finanças de volta aos trilhos.

2011 Junho - 24 horas greve geral. Dezenas de milhares de manifestantes marcham em parlamento para se opor aos esforços do governo para aprovar leis de austeridade novas.

Aprofundamento da crise

2011 Julho - Os líderes da União Europeia concordam uma ajuda importante para a Grécia sobre a crise da dívida, canalizando euros 109bn através do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira.

Todas as três agências de classificação de crédito principais cortar rating da Grécia para um nível associado a um risco substancial de padrão.

2011 Setembro - rebaixamentos agência de notação de crédito Moody oito bancos gregos, devido a preocupações sobre a capacidade da Grécia de pagar suas dívidas.

2011 Outubro - Os líderes da zona do euro concordam uma dívida de 50% do abate para a Grécia em troca de mais medidas de austeridade. PM George Papandreou lança o negócio em dúvida ao anunciar um referendo sobre o pacote de resgate.

2011 Novembro - Diante de uma tempestade de críticas sobre o seu plano de referendo, Papandreou retira-lo e, em seguida, anuncia a sua demissão.

Lucas Papademos, ex-diretor do Banco da Grécia, torna-se primeiro-ministro interino de um coaltion Democracia / Pasok Novo com a tarefa de tirar o país de volta aos trilhos a tempo para as eleições marcadas provisoriamente para a primavera de 2012.

Novo plano de resgate

2012 Janeiro - As negociações de reescalonamento da dívida com credores privados da Grécia vacilar, pondo em perigo a 130 bilhões de euros do pacote de resgate da UE / FMI, que a Grécia precisa cumprir o seu prazo de reembolso próximo dívida em março.

2012 Fevereiro - Num cenário de violentos protestos nas ruas de Atenas, o Parlamento grego aprova um novo pacote de medidas de austeridade duras acordadas com a UE, o preço de um pacote de socorro do euro 130 bilhões.

2012 Março - Grécia atinge uma "dívida swap" a lidar com os seus credores do setor privado, permitindo-lhe reduzir à metade sua debtload maciça.

Ministros das Finanças da UE insistiu que o acordo de troca de dívida era uma condição que tinham de ser cumpridos antes que eles concordassem em assinar o pacote de resgate do euro 130 bilhões.

2012 Maio - eleições legislativas antecipadas ver o apoio dos partidos da coligação Nova Democracia ea queda do Pasok, com um aumento do apoio à austeridade anti-partidos da extrema esquerda e da direita. As três partes de alto escalão não conseguem formar uma coalizão de trabalho e presidente Papoulias chama novas eleições para 17 de Junho.

2012 Junho - Outras eleições parlamentares impulsionar a Nova Democracia, embora deixando-o sem uma maioria. Líder Antonis Samaras monta uma coalizão com o terceiro colocado do Pasok e grupos menores para prosseguir o programa de austeridade.

Anti-austeridade protestos

2012 Setembro - Comércio sindicatos fase greve geral de 24 horas contra as medidas de austeridade do governo. Polícia de gás lacrimogêneo para dispersar fogo comício anarquista fora do parlamento.

2012 Outubro - O projeto de orçamento para 2013 prevê mais de contração econômica e um endividamento ainda maior, com o primeiro-ministro Samaras advertindo que seu governo vai ficar sem dinheiro até o final de novembro a menos que receba ajuda internacional fresca.

Parlamento passa um plano de austeridade 13.5bn de euros destinada a garantir a próxima rodada de empréstimos de resgate da UE e do FMI, o pacote - o quarto em três anos - inclui aumentos de impostos e cortes de pensão.

2012 novembro - Ministros das Finanças da Zona Euro e do FMI concorda em liberar a próxima parcela do empréstimo de resgate da Grécia em dezembro. O negócio é visto como mitigar o risco de a Grécia deixar o euro.

Fonte: news.bbc.co.uk

Grécia

História

Os primeiros vestígios de ocupação humana do território grego datam já da Era Paleolítica (cerca de 120.000 - 10.000 a.C.).

No curso do período seguinte, a Era Neolítica (cerca de 7.000 - 3.000 a.C.), uma civilização florescente aparece no espaço grego. Inúmeras povoações e cemitérios neolíticos foram descobertos na Tessália (Sesklo, Dimini), na Macedônia, no Peloponeso e em outras regiões.

O início da Idade do Cobre (de 3000 a 1100 a.C. aproximadamente) coincide com o aparecimento dos primeiros núcleos urbanos no espaço do Mar Egeu (Poliokhni, em Lemnos). Surgem povoações humanas florescentes em Creta, na Grécia continental, nas Cíclades e na região nordeste do Mar Egeu, áreas onde desenvolvem-se alguns modelos de civilização característicos.

No começo do segundo milênio a.C., na Creta Minóica surgem comunidades organizadas em torno de grandes palácios, tendo por consequência o aparecimento dos primeiros sistemas de escrita.

A partir do núcleo constituído pelo Palácio de Cnossos, os Minoanos organizam uma rede de comunicações com povos do Mediterrâneo oriental, adotam elementos de suas culturas e, por sua vez, influenciam de maneira decisiva as civilizações da Grécia continental e das ilhas do Mar Egeu.

Na Grécia continental, os gregos micenianos, tirando partido do desastre provocado em Creta pela erupção do vulcão de Santorini (em torno de 1500 a.C.), começam a desenvolver-se e tornam-se a potência liderante em toda a área do Mar Egeu no curso dos últimos séculos do segundo milênio.

As citadelas micenianas em Micenas, Tirinto, Pylos, Tebas, Glá, Atenas e Iolkós passam a ser os núcleos de reinos organizados de modo burocrático. A destruição massiva dos núcleos micenianos, em torno de 1200 a.C., levou a civilização miceniana ao declínio e gerou movimentos de populações em direção das costas da Ásia Menor e de Chipre (primeiro período de colonização grega).

Depois de cerca de dois séculos de inatividade econômica e cultural, também conhecidos como "Idade das Trevas" (de 1150 a 900 a.C.), sobrevém o Período Geométrico (séc. IX e VIII a.C.), época em que tem início o renascimento grego.

Esse período é marcado pela formação das cidades-estados gregas, pela criação do alfabeto grego e pela composição dos poemas épicos de Homero (fim do séc. VIII a.C.). O Período Arcaico que vem em seguida (séc. VII e VI a.C.) caracterizam-se por câmbios sociais e culturais profundos.

As cidades-estados gregas estabelecem colônias desde a Espanha no Ocidente até o Mar Negro ao norte, passando pelas costas setentrionais da África (segundo período de colonização grega), criando os fundamentos para o auge do período clássico.

Durante o Período Clássico (séc. V e IV a.C.) torna-se patente a hegemonia espiritual e política de Atenas, a tal ponto que a segunda metade do século V a.C. é citado como a "Idade de Ouro" de Péricles. No ano de 404 a.C., após o fim da Guerra do Peloponeso, Atenas perde seu papel de potência dominante.

No século IV apparecem novas pötencias. Com Felipe II e seu filho Alexandre, os Macedônios passam a desempenhar um papel dominante no território da Grécia. A campanha militar de Alexandre no Levante e a conquista de terras que chegam até o rio Indo acarretaram mudanças radicais na situação do mundo conhecido naquela época.

Após a morte de Alexandre, os territórios do vasto império criado por ele são partilhados entre seus generais, surgindo desse modo os reinos que irão dominar durante o Período Helenístico (séc. III a I a.C.).

Nessa época, as cidades gregas conservam ainda uma autonomia reletiva, apesar de terem perdido o poder e o prestígio de outrora.

A aparição dos romanos e a conquista definitiva do território grego, no ano de 146 a.C., transformou a Grécia em província do vasto Império Romano. Durante o Período Romano (séc. I a.C. a III a.D.), a maioria dos imperadores romanos, sendo admiradores da civilização grega, farão obras de benevolência nas cidades gregas, especialmente em Atenas.

No curso do primeiro século de nossa era, com as viagens do Apóstolo Paulo, teve início a divulgação no espaço grego do cristianismo, da nova religião que iria gradualmente destronar o culto dos deuses do Olimpo.

Os visitantes que chegam hoje na Grécia têm a oportunidade de conhecer as "marcas" deixadas pela história do país, desde a época paleolítica até o período romano, nas centenas de sítios arqueológicos, bem como nos museus e coleções de arqueologia, que encontram-se espalhados por todo o território do país (Grécia continental e insular).

A decisão do imperador Constantino Magno de transladar a capital do império, de Roma para Constantinopla (no ano de 324), teve por consequência a transposição do coração do império à sua parte oriental. Essa transposição marca o início do Período Bizantino, durante o qual a Grécia constitui uma região do Império Bizantino.

Depois do ano de 1204, quando Constantinopla foi conquistada pelos cruzados ocidentais, partes do território grego são partilhadas entre soberanos ocidentais enquanto que os venezianos ocupam posições estratégicas da região do Mar Egeu (ilhas ou cidades costeiras), tendo em vista o controle das vias de comércio.

A reconquista de Constantinopla pelos bizantinos, em 1262, marca a última fase da vida do império. A partir do século XIV, os Otomanos iniciam aos poucos a ocupar territórios do Império Bizantino, concluindo sua destruição com a conquista de Constantinopla, em 1453.

Creta foi a última parte do território grego a ser ocupada pelos otomanos, no ano de 1669. Sobrevêm quase quatro séculos de dominação otomana, até o início da Guerra de Independência, em 1821.

Hoje em dia sobrevivem inúmeros monumentos que datam do Período Bizantino e da época da dominação otomana; entre eles figuram igrejas e mosteiros bizantinos e pós-bizantinos, construções de estilo otomano, encantadores castelos bizantinos e francos, vários outros monumentos, mas também povoados tradicionais, muitos dos quais preservam até hoje seu estilo otomano e, em certo ponto, bizantino.

Como consequência da Guerra de Independência, foi instituído em 1830 um reino grego independente, o qual, todavia, extendia-se em um território limitado.

Pouco a pouco, no curso do século XIX e no início do século XX, serão incorporados ao Estado grego novos territórios onde predominava a população grega.

Grécia terá sua máxima extensão territorial logo após o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1920, graças à contribuição decisiva do primeiro-ministro da época, Eleftherios Venizelos. O território do Estado grego tomou sua forma atual depois da Segunda guerra Mundial e após a incorporação das ilhas do Dodecaneso.

Em 1974, após sete anos de ditadura, foi decidido por referendo mudar o regime do país, de monarquia constitucional para democracia parlamentar presidencial, e desde 1981 a Grécia é um Estado-membro da Comunidade Européia, atualmente União Européia.

Clima

O clima da Grécia é do tipo mediterrânico, com importante insolação, temperaturas amenas e precipitações moderadas. Caracteriza-se por grandes variações devido à situação geográfica do país, ao relevo acidentado e à sua distribuição entre a parte continental do país e o mar.

Durante o verão, os dias quentes e secos são geralmente refrescados por ventos sezonais chamados "meltémia", enquanto que as regiões montanhosas apresentam temperaturas mais baixas. Os invernos são amenos nas áreas de planície, com a presença de um pouco de geada e neve, mas as montanhas ficam geralmente cobertas por neve.

Além disso, é um fenômeno comum a ocorrência de condições climáticas diferentes no curso da mesma estação do ano (p.ex., calor ameno perto do mar e temperaturas mais frescas nas regiões montanhosas).

Saúde

Os turistas oriundos de países-membros da União Européia (U.E.) que desejem visitar a Grécia devem trazer consigo o Cartão Europeu de Saúde / European Health Card (EHIC), ou outro documento comunitário legal expedido por sua caixa de segurança social competente, a fim de poderem aproveitar dos necessários cuidados de saúde em nosso país

Nesses casos, os socorros médicos necessários na Grécia são assumidos:

Pelos Centros de Saúde ou as clínicas do IKA (Instituto de Previdência Social) em cada localidade

Pelas Policlínicas Regionais (antigos ambulatórios rurais) ou os Centros de Saúde do Sistema Nacional de Saúde (ESY)

Pelos ambulatórios de consulta externa dos estabelecimentos hospitalares contratados.

Os turistas que vêm de países não pertencentes à União Européia, devem consultar seu organismo de segurança social ante de visitarem a Grécia, a fim de poderem aproveitar dos necessários cuidados de saúde em nosso país.

A República Helênica, nome oficial da Grécia (Ellinikí Dimokratía ou Ellás, em grego), é um país europeu situado no sul da península dos Balcãs. Sua superfície de 131.957 km2 inclui várias ilhas nos mares Jônico e Egeu, que ocupam cerca de um quinto da extensão total. Faz fronteira com a Turquia, a leste; com a Bulgária e a Macedônia, ao norte; e com a Albânia, a noroeste.

O nome latino Grécia deriva de graeci, com o qual os romanos denominaram a tribo dos beócios, estabelecida na Itália até o século VIII a.C.

Geologia e relevo

A montanha e o mar são os dois elementos dominantes na paisagem grega. Três quartos do país são cobertos de montanhas e de tal maneira o mar invade a terra, com inúmeros golfos, que o ponto mais afastado da costa dista dela apenas oitenta quilômetros.

O relevo tem como principal nó orográfico a cadeia do Pindo, prolongamento das montanhas balcânicas, na direção noroeste-sudeste. Do Pindo partem algumas ramificações, como o maciço do monte Aeta, que se estende, também na direção sudeste, pelos montes Parnaso, Kizeron e Helicon.

Na direção leste partem do Pindo duas cadeias que delimitam a bacia da Tessália. Na porção mais setentrional ergue-se o famoso monte Olimpo, com 2.918m, ponto culminante da Grécia.

Na península do Peloponeso, separada do continente europeu pelos golfos de Patras e de Corinto, erguem-se os montes de Acaia e Arcádia.

As regiões naturais da Grécia são: a Macedônia e Trácia, ao norte, montanhosas e com planícies litorâneas de origem aluvial; a Grécia central, onde se encontram a Tessália e a Ática, com férteis vales; o Peloponeso, zona muito montanhosa mas com vales litorâneos; e Creta, a maior ilha do país, com montanhas que atingem quase 2.500m de altitude.

Clima e hidrografia

O clima é mediterrâneo em grande parte do território, com sensíveis diferenças entre as regiões localizadas a oeste do Pindo, mais quentes e úmidas, e as orientais, mais secas e de temperaturas mais baixas. Nas regiões montanhosas ocorrem climas semi continentais.

A hidrografia grega é pobre, devido à abundância de solos calcários, que determinam represamentos subterrâneos. Os rios são curtos, com volume irregular durante o ano, não são navegáveis e têm limitadas possibilidades para a irrigação. Os principais cursos fluviais gregos são o Vardar, o Struma e o Nestos, que cruzam a Macedônia e a Trácia para desembocar no mar Egeu.

Flora e fauna

A vegetação é tipicamente mediterrânea (pinheiros, oliveiras, vegetação rasteira e matas esparsas) nas regiões meridionais e centrais. No norte prevalece o tipo de vegetação característico da Europa central, com florestas mistas. Nas planícies predomina vegetação arbustiva e herbácea.

Nos planaltos do centro e do sul aparecem árvores de folhas caducas, sobretudo o carvalho e o castanheiro. Acima de 200m estendem-se florestas e cerrados.

Nas regiões centrais, sobretudo nas zonas de floresta, a fauna é do tipo centro-europeu, com ursos, lobos, javalis, linces, martas, corças, camurças e vários répteis.

No litoral predominam as espécies mediterrâneas, como o chacal, o bezoar (espécie de cabra selvagem) e o porco-espinho. Entre as aves, salientam-se pelicanos, garças, cucos e cegonhas. Muitas espécies do norte da Europa migram para a Grécia durante o inverno.

População

A população grega é de raça branca, embora se encontrem pessoas de pele escura devido à mestiçagem ocorrida durante a dominação turca. Outros grupos étnicos, além da maioria grega, são os macedônios, albaneses, búlgaros, armênios, turcos e ciganos.

A língua oficial e mais falada é o grego moderno, que conserva os mesmos caracteres gráficos do grego clássico, mas é sintaticamente mais simples. O tipo de povoamento rural compreende desde pequenas comunidades montanhesas, semelhantes às da Europa central, até as maiores do sul e de Creta, semelhantes às do norte da África.

O desenvolvimento econômico e a influência do turismo favorecem o êxodo do campo para a cidade, o que determina uma concentração de mais de dois terços da população nas zonas urbanas. A principal cidade é Atenas, a capital, que com seu porto, o Pireu, constitui a maior concentração demográfica da Grécia e um importante centro industrial e portuário.

Seguem-se, em importância, Tessalonica, na Macedônia, e Heracléia (Cândia), em Creta.

Com exceção de Chipre, sul da Albânia e Turquia, não há grupos gregos nos países vizinhos, mas há importantes comunidades gregas no oeste da Europa, na América e na Austrália. Os limitados recursos econômicos da Grécia sempre foram motivo de emigração.

Enquanto no período clássico ela se dirigia para o resto do Mediterrâneo, nos tempos modernos se voltou para os Estados Unidos, Canadá, Austrália, Alemanha e Bélgica, embora a crise econômica mundial de 1973 tenha freado a corrente migratória.

Economia

Grécia experimentou um rápido desenvolvimento econômico depois da segunda guerra mundial, apesar da limitação de seus recursos naturais e da excessiva burocratização. O país vinculou-se economicamente à Comunidade Econômica Européia (CEE) em janeiro de 1981 e, em julho de 1992, o Parlamento ratificou a adesão grega à União Européia, regulada pelo Tratado de Maastricht.

Embora a economia grega tenha se baseado tradicionalmente na iniciativa privada, a intervenção pública aumentou bastante -- sobretudo com a chegada ao poder do Movimento Socialista Pan-helênico (Pasok), em 1981 -- até controlar mais de dois terços da atividade econômica, especialmente produção de energia, estaleiros, comunicações, seguros e bancos.

A partir de 1970 observou-se uma queda significativa no número de pessoas empregadas na agricultura e um aumento proporcional de trabalhadores nos setores industrial e de serviços.

Agricultura, pecuária e pesca

Aproximadamente trinta por cento da superfície total da Grécia são aráveis, sessenta são usados como pastos ou estão cobertos por florestas e os outros dez são improdutivos.

A produção agrícola é economicamente importante, apesar do solo rochoso, das chuvas escassas, do excesso de minifúndios e da utilização de técnicas agrícolas obsoletas. As principais lavouras são as de trigo, cevada, arroz, algodão, fumo e batata, no norte; as regiões centrais, o sul e as ilhas produzem melões, figos, tomates, uvas e azeite.

A pecuária é constituída, principalmente, de rebanhos ovinos e caprinos; na Tessália, há criação de gado bovino. Os produtos florestais não são economicamente importantes.

A grande extensão do litoral e a tradição marítima impulsionaram a modernização da frota pesqueira. Entretanto, o relativo esgotamento piscícola do Mediterrâneo transformou a Grécia em importador de produtos da pesca.

Energia e mineração

A produção de energia elétrica, baseada na linhita e nas quedas-d'água, aumentou a partir de 1950, em virtude de investimentos feitos pela Empresa Pública de Energia, que contou com ajuda financeira e técnica dos Estados Unidos.

Grécia não é rica em recursos minerais, exceto em bauxita, de que é um dos principais produtores europeus. Há também produção de linhita, manganês, ferro, zinco, chumbo, ouro e diamantes.

A produção de petróleo e de gás natural no norte do mar Egeu começou em 1981.

Indústria

Algumas empresas de grande porte, concentradas em Atenas e Tessalonica, dividem a atividade industrial com milhares de pequenas empresas que não empregam mais de dez trabalhadores por unidade.

Devido às fortes diferenças regionais, a CEE considerou que todo o território da Grécia, à exceção da Ática e da Tessalonica, reúne os requisitos necessários para receber ajuda do Fundo Europeu para o Desenvolvimento Regional.

Finanças e comércio

O Banco da Grécia, fundado em 1928, dirige a política monetária do país e supervisiona todas as operações bancárias. As ruínas da antiga civilização helênica, as aprazíveis ilhas e o clima ensolarado fizeram da Grécia uma potência turística.

O turismo e as remessas dos imigrantes e marinheiros compensa parcialmente o déficit do comércio exterior e o saldo negativo da balança de pagamentos. As principais importações consistem em petróleo, maquinaria e produtos químicos e alimentícios. As exportações incluem alimentos, bebidas, madeira e diamantes.

O transporte terrestre, tanto rodoviário como ferroviário, tem menos importância que o marítimo, já que a Grécia conta com uma das maiores frotas mercantes do mundo.

O transporte aéreo é servido por uma companhia nacional e várias companhias estrangeiras. O país dispõe de modernos aeroportos, especialmente em Atenas e Creta.

Fonte: www.gnto.gr

Grécia

Grécia Antiga - Arte

Resgate da História pela Arte

Até as primeiras décadas do século XIX, as civilizações antigas eram totalmente desconhecidas do Ocidente. Exaltada como a perfeição da Antigüidade, a Grécia era tida como o passado cultural da humanidade, mas um passado do qual pouco se sabia.

O alemão Johann Joachin Winckelmann (1717-1768), coletando as raras e nem sempre originais peças à disposição em Dresden, iniciou a sistematização do passado grego. Em dois livros, relacionou obras e artistas, identificou escolas e a iconografia dos deuses. Seu trabalho acordou o interesse mundial.

Como decorrência, uma instituição internacional foi criada em Roma. E quando em 1821, a Grécia consolidou sua independência da Turquia (parte do mérito devido àquela instituição), as escavações começaram. Delos, Olímpia, Argus, Corinto e Atenas, a história brotava do solo, enchendo os museus da Europa e dos Estados Unidos.

Porém, apesar de profícuas, nenhuma peça pré-histórica foi encontrada, donde surgiu o novo desafio: onde estariam os primórdios desta cultura? Como vimos, foram as contribuições de Heinrich Schlieman e de Arthur Evans que romperiam os véus deste mistério.

Grécia
Atená a deusa
Zeus concebeu Atená de sua cabeça. Com tal procedência, ela é a deusa da sabedoria e das manobras bem sucedidas.

As finalidades da cerâmica

Grécia
Kratera para vinho - Estilo Orientalizante

A cerâmica servia a vários fins

Vasos funerários, como o ao lado;

Grandes recipientes para armazenagem de vinho, azeite, ou mantimentos secos;

Recipientes para bebida, como: a kratera e a enócoa

Recipientes para rituais, como a cabeça com chifres como alças (arte minóica); e

Vasos de cosméticos

Demarcação da História Helênica

Para estudo, a História da Grécia Antiga é divida em quatro momentos: Período Pré-helênico (5000 a 1200 a.C.); Período Obscuro (1200 a 800 a.C.); Período Helênico (800 a 323 a.C.); e Período Helenístico (323 a 147 a.C.).

Demarcação da Cultura Helênica

Já para a análise da cultura helênica, definimos três momentos: Cultura Arcaica (IX e de VII a VI a.C.), Cultura Clássica (V e IV a.C.) e a Cultura Helenística (III ao II a.C.). Destes momentos, nos restaram muitas Cerâmicas (com registros pictóricos), Relevos, Esculturas, Arquitetura e nenhuma Pintura.

No Período Pré-helênico, a Cultura Arcaica foi composta pela Cultura Minóica (referente ao Rei Minos) e Cultura Micênica.

O Período Obscuro abrange a acomodação dos dórios.

O Período Helênico, que inicia no final do século VIII a.C., abrange a Jônia, a Hélade e as demais colônias.

Já a Cultura Clássica inicia somente no século V a.C., tendo como centro Atenas. O Período Helenístico, após a morte de Alexandre até a conquista romana da área, tem como centro cultural a cidade de Alexandria no Egito.

Na cerâmica o passado perdido

Com poucas terras produtivas, o potencial econômico dos helenos era ínfimo.

Como riquezas havia: o azeite (usado na iluminação, perfumaria e alimentação), o vinho e a cerâmica. Só posteriormente, as oficinas de Escultura chegariam a ter uma produção considerável. Com uma vasta costa, estimular o comércio externo foi a solução para a busca de lucro.

Sendo criação utilitária, a Arte (com sentido amplo) da Antigüidade era tarefa do quotidiano, onde as necessidades configuravam os objetos. Contudo, quando as peças se tornaram mercadorias que rendiam bons lucros, o preciosismo passou a fazer parte da criação.

Astutos negociantes, os helenos contaram com o esmero de seus artesãos para tornarem as peças produtos cobiçados.

De simples recipiente para guardar comestíveis, o artesanato evoluiu para belos frascos de perfume, peças para ritos sagrados, para as reuniões dos simpósios e de enxoval matrimonial ou mesmo funerário.

Enxoval funerário

Com finalidade funerária, eram fabricados grandes vasos para demarcar os locais do sepultamento (posteriormente esses foram substituídos por estelas). Vasos funerários menores serviam para guardar cinzas (o hábito da cremação foi introduzido pelos dórios). Vasos pequenos e ornados eram utilizados para as oferendas aos mortos, geralmente, contendo azeite.

Nesses vasos era usada uma artimanha curiosa. O conteúdo preenchia somente o espaço do gargalo, uma prática de ostentação pelo tamanho da oferenda e uma medida de economia pelo conteúdo real.

Na árdua reconstituição dos primórdios da História helênica pelos historiadores, seria a cerâmica que teria um papel predominante. Sem outros achados, foram as imagens pintadas na superfície dos vasos que contariam sobre o passado perdido.

Estágios do passado

Seriam os tratamentos distintos que permitiriam uma análise dos tempos vividos.

No Período Arcaico, a cerâmica mais remota é denominada de estilo Geométrico, tendo sua decoração em figuras pretas estilizadas, rasgadas com estilete sobre o fundo avermelhado do barro.

Na sequência: Orientalizante, Brilhante,Quotidiano

Grécia

Grécia

Grécia

A partir de VII a.C., a influência vinda da Jônia cria o estilo Orientalizante, onde as figuras vermelhas ou brancas são tratadas com pincel sobre fundo negro fosco, e posteriormente brilhante. Como seria de esperar, os temas são os heróis e mitos jônicos, com predominância dos personagens de Homero.

Porém, ao tomar gosto pelo estilo narrativo, os pintores começaram a gravar suas próprias façanhas, legando-nos descrições detalhadas e preciosas do quotidiano da época. O final do período é marcado pelas figuras sobre fundo branco.

A região da Ática desenvolveu uma obra memorável na técnica - principalmente na cidade de Cerâmica - localidade que passaria seu nome a esta técnica milenar.

Gerando o desejo - criando o mercado

Para obter um amplo público consumidor, o costume regional do Simpósio, (beber junto) foi estimulado e divulgado, tornando-se uma fonte de vantajosos lucros.

Reclinados sobre coxins, os homens ouviam música, poesias, conversavam e deleitavam-se com a mistura de vinho e água, já que beber vinho puro "era coisa de bárbaro, que levava à loucura". O célebre Banquete de Platão narra uma dessas reuniões.

Amplamente vivido pelos gregos, e disseminado por todo o Mediterrâneo e o Oriente, o simpósio tornou-se sonho de consumo, e com esse, sua louça: a kratera, para a mistura do vinho com a água; a enócoa, para por a mistura nas taças; o kúlix, taça com duas asas; e a skúfos, um similar da caneca.

Artigo de luxo, a louça era requisita em todos os portos. Uma demanda tão grande, que até os etruscos, povo que basearia a cultura romana, trabalharam na sua confecção, na Magna Grécia.

Escultura - um culto a Perfeição

O amor pela Phýsis vem desde os primeiros ritos no Período Pré-helênico, quando nas cerimônias, um tronco de madeira eram cortado, erguido e cultuado como símbolo de união entre céu e terra.

Ao longo do tempo, os troncos foram sendo trabalhados, até resultarem em toscas peças esculpidas com forma humana - a xoana, que significa madeira raspada.

Ainda no Período Arcaico, a evolução do tratamento da figura é constatada na numerosa estatuária masculina - os kouroi, encontrada pelos arqueólogos.

Com seus sorrisos enigmáticos, lembrando as obras mesopotâmicas, e postura frontal como as egípcias, os Kouroi foram tomados por representações de deuses. Hoje se supõe que sejam homenagens aos heróis das Olimpíadas.

Contudo, também foram encontradas estátuas femininas - as Kórai, o que fragiliza a hipótese, visto que as mulheres não participavam dos jogos, não podendo assim receber o mérito. O exercício físico fazia parte somente da educação masculina, com exceção das mulheres espartanas, que seguiam a tradição atlética das cretenses.

Veja exemplos de koroi abaixo:

Arte Arcaica

Grécia
Kouros de Anavisos - 194 cm

Grécia
Koré - 500 a.C

Grécia
Kouros de Súnio - 550 a.C.

Nos estádios esportivos, os atletas treinavam nus, e seus corpos perfeitos serviam de modelo aos artistas. O nu feminino somente foi cultivado na arte helenística.

Quais os arcaicos troncos de adoração, o ereto corpo do kouros busca unir céu e terra. Em um total de algumas centenas, eles podem ser admirados por todos os melhores museus do mundo.

Para os helenos, o Universo - Cósmos, oriundo do Caos primordial, distinguiu-se desse pela Ordenação - sinônimo de Beleza. O sagrado não habitava outra instância, nem tinha de ser revelado, pois o mundo era repleto de deuses (leis), e todas as suas maravilhas eram oferecidas ao deleite da vista.

Portanto, a Arte helena reproduzia a Phýsis - a Natureza, usando o - corpo humano - como modelo de sua ordenação. Como seria de se esperar, a Escultura que se desenvolveria retrataria o corpo nu na plenitude de sua aretê.

No Período Clássico, os ateliês atenienses foram centros fervi-lhantes, aonde as encomendas de esculturas em mármore chegavam dos recantos mais distantes.

Já a fundição em bronze teria no Peloponeso os seus mais primorosos artesões.

Grécia
Os lekitos - Vasos de oferendas funerárias

Grécia
Vasos de cosméticos

Grécia
Oferenda de ex-votos

Grécia
Cavaleiro de Payne-Rampin - Louvre - Período Arcaico, cerca 560 a.C.

Grécia
Teatro grego - Local de aculturamento do povo, 
o teatro reunia multidões em espetáculos de dias

Fonte: www.arguscultura.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal