Breaking News
Home / Turismo / Naxos

Naxos

PUBLICIDADE

Naxos Grécia é o maior e maior das Ilhas gregas da Grécia Cíclades, no Mar Egeu. Naxos está localizado em frente de Paros, perto de Mykonos.

É a ilha nupcial do deus Dionísio e tem a montanha mais alta do grupo, o Monte Zas. A ilha foi durante muitos séculos sob o domínio dos venezianos e Sanudo Marko.

Naxos é caracterizado pela sua cidade de Veneza, as aldeias pitorescas, os vales férteis, as praias, o portão de mármore chamado Portara, o Kouros e a comida Naxian e saborosos produtos agrícolas.

Localizado quase no centro do grupo de Cyclades, Naxos é cercado por Paros (oeste), Donoussa (leste), e Schinoussa Koufonissia (sul) e por Mykonos e Delos (norte).

A capital da Naxos é Hora e metade dos 20 mil habitantes de toda a ilha vivem lá. A ilha está situada a 103 milhas náuticas do porto de Pireu.

Conhecido pela sua incrível beleza natural ea rica música tradição, Naxos é uma ilha montanhosa com formação rochosa impressionante de formas grandes saindo do mar, vários planícies verdes, vales férteis e verdejantes e belas, longas praias de areia de ouro com águas cristalinas azul-turquesa . Férias em Naxos são ideais.

Por causa de suas planícies e vales muitos, Naxos é famosa, desde os tempos antigos, por ser fértil e para a produção de diversos produtos agrícolas, como batata, azeitonas e vinho de grande qualidade. Férias em Naxos será cheia de gostos.

A riqueza e fertilidade da terra permitido aos habitantes da ilha para ser financeiramente independente. Isso explica por que Naxos foi um dos a última ilha das Cíclades de abertas as suas portas ao turismo.

Esta é também a razão, porque Naxos é um dos poucos da ilha das Cíclades, que mantém a sua autenticidade e uma beleza natural intocada.

Naxos tem pico da montanha mais alta nas Cyclades: Zas Mount, subindo a uma altitude de 1004 metros.

É também a Ilha das Cíclades, com as mais longas praias de todo o grupo, praias de areia que estão aumentando mais de 92 quilômetros.

A ilha de Naxos é muito bonito e tem um monte de coisas para oferecer ao visitante a partir do ponto de arquitetura, arcaeological e natural de vista.

Primeiro de tudo, a sua capital, Hora, é uma bonita vila com um castelo veneziano maravilhosa vista para ele.

Naxos tem muitas aldeias tradicionais que mantiveram há autenticidade, intocada pelo crescimento do turismo.

Finalmente, Naxos também oferece interessantes sítios arqueológicos, como templos testemunham sobre a antiguidade próspero na ilha, muitas belas igrejas bizantinas e veneziano permanece como o castelo e torres finas.

Em poucas palavras, Naxos é um verdadeiro paraíso, que manteve o seu carácter tradicional e cor e oferece uma paisagem de beleza inimaginável.

Fonte: www.greeka.com

Naxos

Naxos é a ilha mais atraente e bonito em Cyclades e é um excelente destino para todo o tipo de interesses. É um resort para jovens e idosos, famílias e solteiros, pessoas que realmente gostam do mar e do sol, as pessoas com interesses especiais, como civilização e da história, as pessoas que gostam de atividades como ciclismo, caminhada, surf, kite, mergulho, 4 × 4 condução, iatismo.

Naxos Island tem inúmeros locais para todo o tipo de interesses para visitar. Monumentos, sítios arqueológicos, igrejas, castelos, museus, paisagem única. 3000 anos de história é uma promessa para a exploração de turismo, e descoberta.

Naxos praias são inigualáveis. Superior intermináveis praias de areia dourada ou branca e fina, calma ou cheia, com infra-estrutura turística ou remoto, com profundidade de águas rasas.

Naxos adoraria ter o turismo de alta classe e as grandes dólares que vêm com ele como Mykonos seus vizinhos, mas eles têm os seus campos e seu fruto e oliveiras e sua pesca e se contentam em ser o tipo de lugar que não é atraente apenas para aqueles que procuram a luz solar, bares e biquínis, mas também aqueles que procuram um pouco de cultura grega para ir junto com ele.

Naxos é a mais verde ilha das Cíclades, com montanhas altas impressionante e vales férteis. Há praias que estão entre as mais belas, na Grécia, a poucos minutos das aldeias onde eles ainda usam vestido tradicional, tecer em teares antigos e vivem do fruto da terra.

Naxos é uma ilha de belas igrejas antigas, mosteiros e castelos venezianos e casas. Naxos tem sido continuamente habitada desde o quarto Milennium aC e escavações ao redor da ilha trazer à luz artefatos antigos e os edifícios quase diariamente.

Então, se Mykonos estilo de turismo faz o seu caminho para Naxos e torna-se o queridinho da torcida Egeu jet-set, hey isso é ótimo, (suponho). Mas, entretanto, Naxos está feliz com a sua reputação como uma ilha grande e bonito, rico em agricultura, a tradição, alguns dos melhores praias das Cíclades, e um interior à espera de ser descoberto.

O marco mais famoso da Grécia Ilha de Naxos é a Portara, uma porta maciça de mármore de 2.500 anos de idade, que não leva a nada.

História

O Portara fica em Palatia, que já foi uma colina, mas agora é uma ilha separada pouco ligado a Naxos por uma ponte. (O Mediterrâneo tem aumentado significativamente desde os tempos antigos.)

O Portara é a entrada para um templo inacabado que enfrenta diretamente para Delos , local de nascimento de Apolo. Por esta razão, a maioria dos estudiosos acreditam que ele foi dedicado a Apolo, mas alguns acham que foi construída em honra de Dionísio, que era adorado em Naxos Island.

Qualquer que seja o deus que foi dedicado a, o templo foi iniciado cerca de 530 aC pelo Lygdamis tirano, que disse que iria fazer edifícios Naxos de o. Maior e mais glorioso na Grécia Apenas as paredes eram em sua maioria concluído quando ele foi deposto em 506 aC, o templo nunca foi terminado.

Evidências de cerâmica indica culto do templo foi abandonado pelo século 5 aC.

Por os séculos 5 e 6, o templo foi transformado em igreja. Sob o domínio veneziano e turco, o templo foi desmontado pelo que a sua mármore poderia ser usado para construir um castelo.

A porta, no entanto, foi tão grande e pesado que não poderia ser utilizado, por isso continua de pé sozinho entre as ruínas.

O que ver

Hoje, a Portara é um dos marcos mais famosos Naxos “e está ligado a Naxos Town por uma ponte feita pelo homem. É pitorescamente vista para o mar, de modo que com um pouco de imaginação, pode ser um portal para outro mundo.

A porta fica retangular 26 pés (8 m) de altura e é feito de quatro blocos de mármore, cada 16 metros de comprimento e pesando 20 toneladas.

Os encaixes (projeções de elevação dos blocos) nunca foram removidos, fornecendo informações sobre os métodos de construção do templo.

Algumas das fundações e piso do templo também sobreviveram. A partir disso, os arqueólogos discerniu que o templo seria 181 pés de comprimento por 80 metros de largura e fechado dentro de uma colunata exterior de seis colunas jônicas nas extremidades e 12 ou 13 nas laterais longas.

Era para ter varandas e um santuário interior com uma colunata dupla.

Naxos
O Portara (c.530 aC) com vista para o Mar Egeu

Naxos
O Portara ao pôr do sol

Naxos
Vista lateral da Portara

Fonte: www.naxos-greece.org

Naxos

É a maior e a mais fértil das ilhas Cíclades. Por trás dos seus montes áridos e secos escondem-se vales verdes por onde – milagre! – correm riachos que só secam no Verão.

Ao contrário das outras ilhas gregas, Naxos não precisa dos milhares de turistas que lhe enchem as praias. Mas eles vão chegando e, mais que isso, muitos acabam por ficar.

O NEXO DE NAXOS

Viagem agitada, com um meltémi frio e incontrolável a correr toda a gente dos decks. O ferry balançava nas ondas muito azuis de um Mediterrâneo inquieto.

A Khora – o inevitável nome que os gregos dão à cidade mais importante de cada ilha – apareceu como uma fortaleza cubista: um quadriculado de casas brancas empilha-se, em pirâmide, à volta de um velho castelo.

Mais ao longe levanta-se um monte árido, como uma gigantesca onda de terra petrificada. Duas capelas brancas agarram-se rocha, quase no cimo, e uma colmeia de casas aninha-se na encosta nua.

Dezenas de barquitos jazem inertes sobre uma água pálida, indiferentes à fúria do vento. No fim de uma estreita língua de terra, um gigantesco portal de pedra parece simbolizar a entrada no mundo virtual dos deuses do Olimpo.

Naxos
Porto da Khora, em Naxos

Esta é a primeira face de Naxos. A segunda, a dos seus habitantes, assalta-nos mal pomos o pé no cais: uma turba mal controlada pelos guardas do porto acena fotografias de hotéis e chama por quem desce do barco, oferecendo quartos “no centro”, com descontos e ofertas múltiplas.

Estamos no fim de Setembro, a época turística está a acabar e requer esforço manter os pequenos negócios de família. Uma velhinha de chapéu de palha e olhos doces prende-me a atenção – e o braço.

Num inglês pior que o meu diz que a casa é perto, e arrasta-nos com o sorriso.

Há quartos para todos os gostos: os do cimo têm terraço e os de baixo partilham a casa de banho e as querelas familiares.

São três mulheres: a mãe, Anna, e duas filhas. De sangue na guelra, discutem tudo bem alto e sorriem-nos de esguelha, piscando o olho.

Sentadas ao lado dos hóspedes, descascam as batatas do almoço para uma bacia, dobram os lençóis lavados de fresco e, à hora da chegada do ferry, saem de albúm de fotografias debaixo do braço, para mostrar os quartos aos que chegam de novo.

Procurávamos amigos, ele, grego de Atenas, ela, canadiana.

Acabamos por encontrar uma comunidade crescente, que viu nas ilhas gregas a melhor das oportunidades para começar vida nova: meteorologia sem sobressaltos, paisagens relaxantes, uma procura turística favorável ao aparecimento dos pequenos negócios individuais.

Aluga-se de tudo, de casas a motoretas, passando por pranchas de windsurf e guarda-sóis. Dezenas de restaurantes oferecem pitéus locais ou pratos de sabores mais longínquos, para matar as saudades de casa.

O Café Picasso optou pela comida mexicana, o Papagalos pelas especialidades vegetarianas; o truque é descobrir qual o nicho vazio, que clientela não falta durante a longa época alta, que vai da Páscoa a Setembro.

Há lojas tradicionais com produtos locais, roupas made in India, Internet de aluguer, ginásios para quem não descura a cultura física nem nas férias, enfim, tudo o que se pode encontrar numa capital, e ainda a atmosfera descontraída de uma ilha soalheira.

A sesta, por exemplo, é ponto assente: a não ser nos excitantes meses de Julho e Agosto, quase tudo fecha à uma da tarde, para abrir de novo depois das quatro, até às nove ou dez da noite.

Naxos
Portal de um templo junto à khora

Mas Naxos nunca procurou o turismo. Enquanto outras, pouco habitadas, se foram tornando pequenos paraísos privados e, mais tarde, locais populares entre estrangeiros ou atenienses em férias, o desenvolvimento de Naxos foi sempre gradual e, pela sua auto-suficiência, a ilha nunca caíu nas mãos de grupos ou modas exteriores, que foram determinando clientelas especiais para certas ilhas.

Ios, por exemplo, é agora conhecida como refúgio de alcóolicos e toxicodependentes; Santorini é procurada por artistas e personagens da élite internacional; Mykonos disputa com Ibiza o lugar de eleição para homossexuais.

E Naxos?

Naxos continua associada ao seu famoso vinho, à batata de semente que vai para o resto da Grécia, às excelentes frutas e legumes (tomates, beringelas, amêndoas, figos, uvas, limão) e ao kytron, a típica aguardente de folhas de limoeiro. Também não faltam os rebanhos de cabras e ovelhas, que produzem o melhor queijo kefalotiri que comi em todo o país. E iogurte, azeitonas e mel.

Decididamente, Naxos foi abençoada por Dionísio – Baco, para os romanos – que aqui criou o armazém de iguarias necessárias aos seus banquetes.

Possível, graças à abundância do que falta em todas as outras Cíclades: nascentes de água que correm livremente dos montes, tornando os vales verdes e férteis.

Penetrando no interior da ilha, pelas estradas sinuosas e estreitas que ligam as povoações, entramos num mundo agrícola e antiquado, onde os canados de leite ainda são transportados em cima de burros, e as uvas são pisadas com os pés.

O tempo parece não querer passar, e é o que acontece a muita gente, que vai ficando… Não se pode dizer que o turismo não tenha chegado aqui. Em quase todas as aldeias há o incontornável sinal “rooms to let”, e os donos do kafenío local já se habituaram ao inglês essencial para atender os estrangeiros.

Mas há uma diferença abismal entre os clientes do circuito praia-restaurante-bar-discoteca e os que por aqui param, à procura da Grécia pré-turística.

Naxos
Igreja Pangia Drosiana, Naxos

Da khora de Naxos a Apiranthos, aldeias brancas de ruas quase desertas – o trabalho nos campos começa logo de manhã – alinham-se ao longo da estrada, embrulhadas no verde dos loendros, canaviais, ciprestes, campos de batata e cereais.

A população fixa é de cerca de vinte mil habitantes, mas dos campos ocupam-se, sobretudo, os mais velhos, pelo menos durante o Verão, quando os jovens estabelecem negócios sazonais junto às praias ou na cidade.

Khalki foi capital antes do comércio ganhar importância, obrigando deslocação da cidade para a costa onde, apesar dos riscos dos ataques de piratas, o porto fornecia o necessário escoamento aos produtos da ilha.

Hoje é uma vila pacata, coração da Tragéa e dos seus vales em socalcos de um viço inesperado, onde abundam oliveiras, pinheiros e carvalhos.

As montanhas são secas e agrestes, com as cúpulas típicas das igrejas cristãs ortodoxas a marcarem os pontos mais altos, e o ocasional rebanho a destacar-se nas rochas.

De um branco incandescente, ou com as cúpulas redondas pintadas da cor do céu, parecem grandiosas basílicas em miniatura. Não há aldeia sem duas ou três igrejas, mosteiros ou capelas; mas diga-se, em abono da verdade, que poucas vezes estão abertas e ainda menos vezes têm gente lá dentro – à excepção de um padre apressado que vem tocar os sinos ao fim da tarde e volta para casa logo a seguir.

Perto de Moni fica a Panagia Drosiani, que data do século VI, uma das mais antigas igrejas da Grécia, construída como um aglomerado de capelas justapostas. O interior é decorado com frescos belíssimos, embora com evidentes sinais do tempo.

E ali perto fica outro local sagrado, ainda mais imponente: o monte Zás, ou Zeus, com a dupla honra de ser o ponto mais alto das Cíclades (mil metros de altitude), e morada do deus dos deuses durante a sua infância, onde viveu com a águia que lhe serviu de ama…

Naxos
Capelas isoladas fazem parte da paisagem da ilha grega de Naxos

Só em Naxos é possível esquecermos que estamos numa ilha, não ouvir nem sentir o cheiro do mar. Caminhando pelos vales interiores, por entre campos cultivados e ruínas de moinhos ou torres venezianas, atravessando aldeias brancas de ruas estreitas, onde passam furtivas mulheres de preto, a sensação é a de estar algures no interior sul da Europa, num Alentejo ou numa Andaluzia pouco povoados, onde as igrejas são a única marca humana visível.

A maior ilha do grupo, com quatrocentos e vinte e oito quilómetros quadrados, oferece-nos muitos locais de onde podemos olhar o horizonte sem que os olhos alcancem o mar.

Os que não passam sem os azuis do Mediterrâneo, e preferem passeios pelo areal a calcorrear os montes do interior, tem lugares “secretos” para fugir às multidões e aos hippies de profissão, para quem o Woodstock nunca acabou. Lionas e Moutsouna são dois deles, escondidos em calhetas de seixos, afastados da estrada principal.

De um modo geral, toda a costa leste está naturalmente mais isolada, quer por um relevo mais irregular e rochoso, quer pelo excesso de areia que dificulta o acesso – e, também, pelo frequente meltémi que, embora derive do italiano beltempo, é um vento frio e desagradável.

Quase na ponta norte, Apollon é a típica enseada de pescadores convertida ao turismo. Em redor da pequena praia acotovelam-se esplanadas.

Casas brancas, cadeiras e portadas azuis prolongam as cores do mar pela terra dentro, contrastando com a violento lilás das bungavílias.

O segredo de tanto sucesso, numa terra tão pequena e distante de tudo, é o kouros ali próximo: uma estátua do deus Apolo, representando o ideal de beleza masculina que, apesar de inacabada e abandonada no chão, atrai camionetas de turistas. Jaz ali desde de 600 aC e faz parte da longa história dos habitantes da ilha, mistura de trácios, cretenses, jônios, persas e venezianos – enfim, a miscigenação parece ter começado bem antes da chegada do turismo.

A costa oeste confirma a diversidade paisagística e natural de Naxos.

Quase completamente desabitada até perto da khora, esconde duas esplêndidas construções do século XVIII: o pirgo de Agia, uma das mais belas torres venezianas da ilha, e o mosteiro de Faneromenis, tipicamente enclausurado entre muros alvos.

A estrada passa também por duas barragens de água doce e pelas belas aldeias de Engares e Galini, antes de nos levar ao acesso do mosteiro de Agiou Ioannou, pendurado nos montes por trás do porto, habitado por um grupo de freiras ortodoxas.

E como numa ilha é preciso regressar sempre ao ponto de chegada, o ferrys ancorados avistam-se de longe, antes de entrarmos de novo na cidade.

ARTES EM NAXOS

A hora da sesta é a melhor para percorrer as ruelas estreitas e sombrias da zona antiga, especialmente concebidas para que o sol nunca bata no fundo. Herança dos venezianos, o kastro (fortaleza) e o casario em redor formam um labirinto de becos, túneis, entradas quase secretas, portas com brasões, e escadarias brancas de onde se levantam igrejinhas da mesma cor – um mundo pedestre, onde os carros não têm lugar, e só os gatos se passeiam durante as horas de calor.

No centro fica a igreja católica e o Museu Arqueológico, que possui uma importante coleção das famosas figurinhas das Cíclades, cujas reproduções aparecem em todas as lojas de souvenirs.

Naxos
Um dos famosos Kouros de Naxos

Depois de muitas mudanças de mãos e outras convulsões, já habituais na longa história da humanidade, Naxos fez parte de um Ducado Católico veneziano, juntamente com as ilhas de Paros, Sifnos, Milos, Ios, Santorini e Anáfi. Entre 1207 e 1566, Marco Sanudo e os seus sucessores governaram daqui este grupo de ilhas, por entre assaltos mais ou menos bem sucedidos de corsários turcos.

Espalhados por Naxos sobraram exemplos da arquitetura veneziana, que constituem uma das suas marcas mais características: os famosos pirgi.

Trata-se de torres defensivas, integradas em casas acasteladas ou junto à costa, isoladas e em posições estratégicas; dir-se-ia uma espécie de grandes pombais de pedra nua, com as esquinas superiores embelezadas por bicos e frisos geométricos.

Algumas estão ocasionalmente abertas aos visitantes, como a de Grazia, em Khalki; outras foram compradas por estrangeiros, recuperadas, e servem agora de habitação; muitas delas estão romanticamente votadas ao abandono, inseridas numa paisagem agreste com mar ao fundo.

Conhecida pelo seu mármore, a ilha forneceu material para monumentos e templos importantes, nas ilhas e no continente, nomeadamente em Atenas.

Os exemplos mais próximos encontram-se no santuário da ilha de Delos: os Leões que guardam o Lago Sagrado e o Colosso de Naxos, de que só restam alguns pedaços. Ainda junto às pedreiras jazem alguns kouri; incompletos e partidos, só aqui ficaram por se terem quebrado durante os trabalhos, como o de Melanés; ou por serem demasiado grandes para arrastar até à costa e daí levadas por mar, presas entre dois barcos, até ao seu destino – o que parece ser o caso do enorme kouros de Apollon.

Naxos
Uma das torres de vigia venezianas da ilha

O escultor Ingbert Brunk faz objetos de arte bem mais pequenos, mas igualmente apreciáveis. Nem precisa de ser mármore; qualquer pedra com dureza e veio interessantes podem ser transformados em peças únicas, polidas e sedutoras.

E este é apenas um dos artistas que trabalham na antiga Escola das Ursulinas, que acolhe os que desejam ficar por ali, tendo como única riqueza a magnífica vista sobre a cidade e o mar que se tem das janelas e terraços do enorme convento arruinado.

A troco de uma módica quantia e da autorização do padre, é possível dormir num dos pequenos quartos escuros onde ficavam as freiras e as alunas internas, e preparar refeições numa cozinha impressionante e a clamar por obras. Não há mobília, só grandes espaços amplos, iluminados pela luz forte do Mediterrâneo.

Matte, uma pintora dinamarquesa, prefere utilizar apenas um destes enormes salões para o seu trabalho: peixes azuis e laranjas garridas de Naxos.

Desde de 1995 que só vai a casa passar o Natal, mas alguns, como a Debbie e o Stratos, chegaram há mais tempo, e têm a sua própria casa. O café que abriram perto do centro ocupa-os pouco mais de metade do ano, mas o “lar” já é aqui.

Fazem-se amigos, estabelecem-se hábitos – o melhor restaurante é em Aperanthos, a meia-hora de carro, a melhor praia é Agios Prokopios, a quinze minutos -, o sol dura até Novembro…

E porquê aqui, se só nas ilhas Cíclades há uma vintena de ilhas habitadas? Sorrisos, encolher de ombros. “Foi por acaso”… De algum modo, Naxos impôs-se como a alternativa indiscutível. Para todos, faz mais nexo estar aqui, do que nos locais onde sempre viveram.

Naxos
Chegada à ilha de Naxos, Grécia

Sentada junto ao templo de Apolo, com a khora enquadrada no gigantesco portal, vendo chegar os últimos barcos do dia. O pôr-do-sol amaciou a luz, e o vulto da ilha de Iráklia tornou-se mais nítido. O mar morno e transparente acalmou-se.

Acenderam-se as luzes dos restaurantes do porto. Caminhar pela língua de terra, por entre dois braços de mar até à cidade, que começa a agitar-se, é escolher entre solidão e paz, ou um bulício animado.

Em Naxos, todos os dias podemos escolher: montanha ou mar, sossego ou agitação. Ficar faz todo o sentido.

QUANDO VIAJAR PARA NAXOS

A ilha é agradável todo o ano, sobretudo no Outono e na Primavera. O clima mediterrânico é suave e o Verão é longo, com as temperaturas mais altas entre Maio e Outubro.

Fonte: www.almadeviajante.com

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.