Breaking News
Home / Turismo / Peloponeso

Peloponeso

PUBLICIDADE

As riquezas culturais e belezas naturais do Peloponeso dificilmente pode ser exagerada. Esta península do sul – tecnicamente uma ilha desde o corte do Canal de Corinto – parece ter o melhor de quase tudo grego.

Sítios arqueológicos incluem os palácios homéricos de Agamemnon em Micenas e de Nestor de Pilos, o mais conservado de todos os teatros gregos em Epidaurus, eo santuário exuberante de Olympia , Anfitriã dos Jogos Olímpicos para um milênio.

Os vestígios medievais são pouco menos ricos, com o Venetian fabuloso, castelos francos e turcos de Nafplio , Methóni e antiga Corinto , As estranhas torres de batalha e igrejas com frescos do Máni , E os enclaves extraordinariamente bem preservada bizantinos de Mystra e Monemvasia .

Além desta profusão incrível e densidade de monumentos culturais, o Peloponeso também é um excelente lugar para relaxar e passear.

Suas praias, especialmente ao longo da costa oeste, estão entre os melhores e menos desenvolvida do país, e da paisagem interior é excelente – dominada por montanhas com florestas cortadas por alguns dos vales e desfiladeiros mais cativantes para ser imaginado.

Não foi à toa que sua província coração da Arcadia tornou sinônimo de o próprio conceito de um idílio clássico rural.

O Peloponeso revela seu verdadeiro caráter mais claramente quando você se aventurar fora de estrada: para os antigos cidades do monte de Arcádia como Karítena, Stemnitsa e Dhimitsána; as aldeias Mani torre como Kitta ou Vathia; no Voïdhokiliá e Elafonissos praias do sul, ou um viagem através do desfiladeiro de Vouraikos, possivelmente no antigo pinhão e cremalheira-ferroviária.

A região será amplamente pagar qualquer quantidade de tempo que você gasta. O Argólida , a área mais rica em história antiga, é apenas um par de horas de Atenas, e se pressionado você pode completar o circuito dos principais pontos turísticos aqui – Corinto , Micenas e Epidauro – em um par de dias, tornando a sua base, o mar em Nafplio.

Dada uma semana, você pode adicionar os dois grandes sites de Mystra e Olympia em um ritmo mais vagaroso.

Para se familiarizar com tudo isso, porém, além das penínsulas do sul do Mani e Messinia, e as cidades do monte de Arcadia, você vai precisar de pelo menos um par de semanas.

Se você estava planejando uma combinação de Peloponeso-mais-ilhas, em seguida, as Argo-Sarónicas ou ilhas jônicas são mais convenientes. Das ilhas jônicas, isolado Kýthira é coberto nesta seção desde acesso mais próximo é a partir dos portos do sul do Peloponeso.

Breve história

Antigamente conhecido como o Moreas, da semelhança do seu contorno para a folha de uma amoreira (Mouria), do Peloponeso foi o lar de alguns dos governantes mais poderosos na Grécia antiga. Durante o período micênico (cerca de 2000-1100 aC), a península hospedado os reinos semi-lendárias de Agamemnon em Micenas, Nestor de Pilos e Menelau de Esparta.

Nas eras Dorian e Clássica, da região principais cidade-estado era Esparta, que, com seus aliados, derrubou Atenas na Guerra do Peloponeso ruinosa. Sob o domínio Romano, Corinto era a capital da província grega.

Desde o declínio do Império Romano para a conquista otomana, no Peloponeso perseguiu um curso mais complexo, individual do resto da Grécia. Uma sucessão de ocupações e conquistas, com postos avançados de atendimento e castelos, deixou um legado extraordinário de vestígios medievais.

É mantida uma civilização nominalmente romana bem depois de o governo colonial tinha se dissipado, com Corinto na linha da frente, até que foi destruída por dois grandes terremotos nos séculos quarto e sexto.

Os bizantinos estabeleceram seus tribunais, castelos e cidades a partir do século IX; seu controle, no entanto, foi apenas parcial. Os venezianos dominaram a costa, fundando portos comerciais em Monemvasia, Pilos e Koroni, que suportou, em sua maior parte, no século XV.

Os francos, frescos do saque de Constantinopla na Quarta Cruzada, chegou em 1204 e rapidamente conquistou grandes áreas da península, dividindo-o em baronatos feudais sob um príncipe dos Moreas.

Rumo a meados do século XIII, houve uma notável renascimento bizantino, que se espalhou a partir do corte de Mystra para reafirmar o controle sobre a península.

Um lampejo de última regra “grego”, que acabou por ser extinto pela conquista turca entre 1458 e 1460, e era para estar dormente, para salvar rebeliões esporádicas na Máni perenemente intransigente, até a Guerra do século XIX da Independência Grega.

Os séculos XIX e XX

O Peloponeso desempenhado um importante papel na revolta contra os turcos, com heróis locais Theodhoros Kolokotronis e Petros Mavromihalis tornando-se importantes líderes militares. Em Pylos, a batalha internacional, mas acidental naval de Navarino Bay, em 1827, decidiu a guerra, e o primeiro parlamento grego foi convocada em Nafplio.

Após a independência, no entanto, o poder rapidamente drenada do Peloponeso até Atenas, onde era para ficar. A península tornou-se desafeto, com destaque para o assassinato de Kapodhistrías, o primeiro presidente grego, por Maniots em Nafplio.

Ao longo dos séculos XIX e XX, a região desenvolveu portos importantes em Pátra, Kórinthos e Kalamata, mas seu interior voltou ao status de remanso, começando um declínio da população, que continua até o presente.

Foi pouco perturbado, até a Segunda Guerra Mundial, durante a qual a área viu algumas das piores atrocidades alemãs, não era muito brava resistência nas montanhas, mas também alguns da colaboração mais vergonhosa.

Subsequente guerra civil deixou muitas das cidades polarizadas e fisicamente em ruínas, na sua esteira, houve emigração substancial de ambas as cidades eo campo, para a América do Norte e Austrália, em particular. Terremotos ainda causar perturbação considerável, como em Kórinthos em 1981, Kalamáta em 1986, e Éyio em 1995.

Hoje, o Peloponeso sul tem uma reputação de ser uma das regiões mais tradicionais e politicamente conservador da Grécia. As pessoas são mantidas em relação bastante pobre por outros gregos, embora a estranhos que parecem infalivelmente hospitaleiro.

Fonte: www.roughguides.com

Peloponeso

O Peloponeso é a área mais ao sul da Grécia e é uma península enorme e só está longe de ser uma ilha por apenas 6 km do Istmo Corinto , que agora é atravessado por o canal de Corinto.

O Peloponeso teve uma enorme influência e importância na história da Grécia moderna e antiga, a maioria dos combates da guerra de independência aconteceu lá como fez muito dos mitos e da história da Grécia antiga.

O Peloponeso nome significa ilha de Pélope, nomeado após Pelops que era o avô de Agamémnon da Ilíada de Homero.

O Peloponeso é a casa da maioria dos sítios arqueológicos da Grécia; Olympia, casa dos Jogos Olímpicos está no oeste da península, a antiga cidade de estados de Corinto , Esparta, Argos, Epidauros e muitos mais estão espalhados por todo o Peloponeso. Muitas das cidadelas Mycenaen são encontrados aqui, como Micenas, Tyrins , Pylos que rejeitaram muitos dos mitos e lendas da Grécia antiga.

A cidade de Nafplio no leste do Peloponeso, que foi a primeira capital da Grécia moderna, é considerada a mais bonita cidade da Grécia e tem uma enorme influência veneziana como fazem outras cidades como Monemvasia (Gibraltar Grécia) e Methoni.

O Peloponeso tem muitos sites influenciados pelos bizantinos como os grandes mosteiros de Mystra e outros, também existem muitas ruínas de castelos cruzados franco e Fortaleza “espalhados por toda a região.

Não só é o famoso Peloponeso por seus sítios históricos, mas também pela sua beleza natural, tanto de seu interior é coberta por florestas montanhas e grande para caminhantes, o desfiladeiro de Lousios famoso é muito popular.

As praias do Peloponeso são também muito bom, o melhor é ao longo da costa oeste sul de Patra (terceira maior cidade da Grécia) até Methoni no extremo sul.

Provavelmente, uma das áreas mais interessantes do Peloponeso é a Mani, no sul da região da onde ele é muito resistente e estéril, muitas das casas e aldeias são construídas como fortalezas pequenas.

O Mani era como o oeste selvagem da Grécia, onde muitas famílias e clãs estavam em constantes brigas e guerras uns com os outros sobre os recursos mínimos da região. Os Maniots seriam os descendentes dos antigos espartanos.

Fonte: www.athens-greece-guide.com

Peloponeso

Esparta, Olímpia, Arcádia, Corinto, Micenas – se há lugares que já conhecemos de nome desde os bancos da escola, um bom punhado deles situa-se na península grega do Peloponeso. E quase de certeza que são os mais belos. Viagem ao Peloponeso, Grécia.

SOBRE A PENÍNSULA DO PELOPONESO

Pátra é a cidade mais importante da atraiçoada península do Peloponeso – transformada em ilha pelo canal de Corinto desde 1893 -, mas não é, certamente, a mais interessante. Aliás, mesmo as históricas Corinto ou Argos, apesar das monumentais ruínas, pouco têm para prender o visitante.

E Esparta, por escolha dos seus próprios arquitetos, nunca teve grandes monumentos ou fortalezas, já que “são os homens, e não as muralhas, que fazem uma cidade”.

É preciso procurar nos lugares pequenos, e nas paisagens afastadas dos caminhos principais, a admirável conjugação de história e beleza que o Peloponeso tem para oferecer.

Podemos começar por Mystras, a apenas cinco quilómetros de Esparta que, juntamente com Monemvassia, mais a Sul, é uma espantosa cidade bizantina bem preservada e recuperada, onde as fortificações e as igrejas pintadas com frescos nos levam numa primeira viagem no tempo, a repetir um pouco por todo o lado.

PAISAGENS IDÍLICAS DE OLÍMPIA A NÁPFLIO

Peloponeso

Praia na península do Peloponeso, Grécia

Em Olímpia, por exemplo. A zona onde se situa, a Arcádia, é de tal modo idílica que deu origem ao conceito de paraíso rural, tão caro literatura europeia renascentista. Vales e montes parecem desenhados pelos melhores paisagistas, com pequenos detalhes de casario em pedra por entre bosques de choupos, pinheiros, castanheiros e oliveiras.

A terra é fértil e avermelhada, destacando as riscas verdes das vinhas e os cinzentos de lagos escondidos por canaviais. Reina a harmonia e a abundância, e os ruídos são de pássaros, água, ou badalos de rebanhos distantes.

Alguns pastores espalham as manchas brancas das ovelhas pela paisagem onde se esconde Olímpia, onde durante um milénio se realizou a mais importante competição desportiva do mundo.

O lugar continua encantador e deixa-nos imaginar as competições no estádio, onde caberiam quarenta mil pessoas, ou os treinos dos atletas por entre as colunas da Palaestra. O formidável templo de Zeus desabou, mas os seus pórticos trabalhados, com figuras maiores que o natural, e as enormes colunas tombadas, deixam aperceber uma obra construída por deuses, ou por quem pretendia imitá-los.

A paisagem continua a mesma até Nápflio, com extensos olivais e laranjais, de onde sobressaem as pontas aguçadas de ciprestes.

São famosas, as azeitonas desta zona, e com este clima os tomates não sabem a água, o queijo Feta é dos melhores do mundo, há mel e vinho com fartura.

Ao fim do dia, depois de uma prolongada sesta que pode ir até às cinco da tarde, nesta agradável cidade abrem-se de novo as portas das lojas, e nas ruelas estreitas os restaurantes transbordam de mesinhas de madeira pintada.

Nápflio chegou a ser por um breve período (1829-1834) a capital da Grécia moderna, e conserva muito da elegância arcaica desse período, com os seus cachos de buganvílias que escorregam das casas e as varandas de ferro forjado.

EPIDAURO, O MAIS BEM PRESERVADO TEATRO DA GRÉCIA ANTIGA

Peloponeso
Epidauro, teatro grego

Não muito longe fica Epidauro, o mais bem preservado dos teatros gregos. Ainda hoje é utilizado num festival anual, que se realiza durante o Verão e basta deixar cair uma moeda no centro do palco para que o som se espalhe, chegando claro e límpido aos últimos lugares do anfiteatro.

E ali próximo fica Micenas, as ruínas e os túmulos de um lugar místico, a cidade pré-histórica mais importante da Grécia.

O seu nome está para sempre associado à poderosa civilização Micénica, que floresceu nesta zona do Peloponeso, e que liderou a guerra de Tróia e a construção mais impressionante é o chamado Tesouro de Atreus: um extraordinário túmulo nu, como uma enorme cúpula assente no chão, e um portal de entrada digno de um gigante.

Se percorrermos depois a costa para Sul, rente a um mar de águas azuis, encontramos praias desertas como a de Leonidio, num enquadramento de falésias vermelhas encimadas por moinhos; no cimo fica um planalto de abetos, cedros, pinheiros e castanheiros.

É nestes lugares que sabe bem ter o seu próprio meio de locomoção e partilhá-lo com os que pedem boleia, desesperados com a falta de transportes. Geralmente são velhinhos das aldeias mais próximas, e gostam de nos deixar nas mãos um bom punhado de figos ou de castanhas, acenando depois até desaparecermos nas curvas.

VISITANDO APOLO

A península de Mani é um lugar muito especial. Yíthio, antigo porto de Esparta, Flomokhóri, Váthia e Kítta são nomes de povoações, mas também de antigos feudos que se guerreavam até à morte, em vendettas inexplicáveis que duravam anos e dizimavam famílias.

A sua extraordinária arquitetura é disso testemunha: as casas-torre, onde se abrigavam dos ataques, levantam-se como agulheiros de pedra de uma paisagem excepcionalmente agreste e pedregosa. O grupo mais bonito e bem recuperado é o de Váthia, junto à bela baía de Porto Káyio.

Infelizmente, muitas destas aldeias tornaram-se museus ao ar livre, onde as únicas vozes que se ouvem são as dos que admiram mais esta particularidade do Peloponeso, onde ainda mora Apolo, o deus da beleza.

Peloponeso
Vista de Nápflio, Grécia

Peloponeso
Nápflio

Peloponeso
Península de Mani, Peloponeso

Peloponeso
Ruínas de Olímpia, Grécia

Peloponeso
Ruínas de Corinto

Peloponeso
Entardecer numa praia do Peloposeno, Grécia

Fonte: www.almadeviajante.com

Peloposeno

Peloponeso
Epidauro, teatro grego

O outro lado do estreito de Corinto revela uma das regiões mais interessantes da Grécia.

O Peloponeso, citado nos livros de história por ser a região de Esparta, a cidade-Estado que guerreou com Atenas na era clássica, tem seu quinhão de lindas praias, belas montanhas e alguns sítios históricos importantíssimos, como Epidauros e Olímpia.

Na província, está também um dos destinos mais bonitos e românticos de toda a Grécia, Nafplio, primeira capital da Grécia independente, com um inegável sabor de Veneza em suas vielas, janelas e terraços.

Para quem aluga um carro em Atenas, a viagem é inesquecível até porque as estradas são lindamente cênicas. E, se quiser, você pode atravessar, com carro e tudo, pelo ferryboat e chegar às Ilhas Jônicas e às ilhas do Golfo Sarônico, muito próximas.

Hora local: + 5h

Melhor época: julho e agosto, estação de verão e alta temporada, são os meses mais caros e caóticos na Grécia. Prefira, se puder, setembro ou outubro, quando os hotéis voltam a ter vagas e os preços caem. A badalação, é claro, diminui radicalmente.

Fonte: viajeaqui.abril.com.br

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.