Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  México  Voltar

México

 

 

Antes da chegada dos espanhóis, em 1519, o México foi ocupado por um grande número de grupos indígenas com diferentes sistemas sociais e econômicos.

Em geral, as tribos do norte árido eram grupos relativamente pequenos de caçadores e colhedores que percorriam extensas áreas de vegetação escassa desertos e estepes. Estas pessoas são frequentemente designado por chichimecas, apesar de serem uma mistura de vários linguisticamente característico grupos culturais.

México

No resto do país, os nativos eram agricultores, o que permitiu o apoio a populações densas. Entre estes estavam os maias de Yucatán, Totonac, Huastec, Otomi, mixtecos, Zapotecas, Tlaxcalans, Tarascans e astecas. Alguns destes grupos desenvolveram civilizações elevadas com elaborados centros urbanos utilizados para fins religiosos, políticos e comerciais. As cidades maias de Chichen Itza, Uxmal e Palenque, a capital asteca de Tenochtitlan, Tzintzuntzan do Tarastec, e Monte Alban dos zapotecas são exemplos.

No ano 1100 os toltecas haviam conquistado grande parte do centro e sul do México e tinham estabelecido sua capital em Tula no Centro Mesa. Eles também construíram a cidade de Teotihuacan próximo da atual Cidade do México. Por volta da mesma época, os zapotecas controlava o Vale Oaxaca e partes do Sul de Highlands. As cidades que construíram em Mitla e Monte Alban permanecem, embora eles foram assumidas pelos mixtecas, antes da chegada dos espanhóis.

Quando os espanhóis chegaram no México central, os astecas controlavam a maior parte da Mesa Central através de um sistema de tributo estadual que extraiu impostos e servilismo político conquistados grupos tribais. Os astecas migraram para a Central Mesa do norte e cumpriu uma profecia tribal, estabelecendo uma cidade onde uma águia com uma serpente em seu bico repousava sobre um cacto. Isto tornou-se o símbolo nacional do México e adorna a bandeira do país e selo oficial. Os astecas fundaram a cidade de Tenochtitlán no início de 1300, e tornou-se a capital do seu império. Os Tlaxcalans para o leste, os Tarascans no oeste, e os chichimecas no norte estavam fora do domínio asteca e freqüentemente guerreou com eles. O nome do país deriva dos astecas deus da guerra, Mexitli.

Conquista Espanhola

Desde o momento da conquista Hernando Cortez, até 1821, o México era colônia da Espanha. Cortez entrou pela primeira vez no Vale do México, na Central de Mesa em 1519 depois de marchar por terra de Veracruz, a cidade que ele havia fundado na planície costeira do Golfo. Com menos de 200 soldados e alguns cavalos, a conquista inicial dos astecas só foi possível com a ajuda dos grandes exércitos indianos Cortez montados a partir de entre os inimigos dos astecas.

Depois de um breve sucesso inicial em Tenochtitlán, os espanhóis foram expulsos da cidade, na Noche Triste, mas retornou em 1521 para destruir a cidade e para oprimir os astecas. Dentro de um curto espaço de tempo o resto do centro e sul do México e grande parte da América Central foram conquistados a partir de Cidade do México.

Os espanhóis usurparam as terras indígenas e redistribuíram as partes entre si, primeiro como encomendas, um sistema de bolsas de tributo, e mais tarde como fazendas, ou doações de terras. Durante o contato precoce com os índios, milhões de pessoas morreram de doenças européias como sarampo e varíola, para as quais os nativos não tinham imunidade. O México central não recuperou seus números pré-colombianas da população talvez até 1900.

Independência

Junto com outras colônias espanholas no Novo Mundo, o México lutou e ganhou sua independência no início de 1800.

Em 16 de setembro de 1810, na cidade de Dolores Hidalgo, o padre Miguel Hidalgo y Costilla tocou os sinos de sua igreja e incentivou os índios locais para "recuperar os espanhóis odiados a terra roubada de seus antepassados ..."

Esta data é comemorado como o Dia da Independência do México. Padre Hidalgo foi enforcado em julho de 1811.

Hidalgo foi sucedido por José María Morelos y Pavón, outro padre da paróquia, mas um líder mais capaz do que seu antecessor.

Morelos foi chamado pelo congresso nacional, que em 6 de novembro de 1812, declarou oficialmente o México para ser independente da Espanha.

Morelos foi executado por um pelotão de fuzilamento espanhol em 1815, mas seu exército, liderado por Vicente Guerrero, continuou lutando até 1821.

Por causa de fraquezas e divisões políticas em Espanha, o movimento revolucionário ganhou força. Agustin de Iturbide, um oficial monarquista, juntou forças com Guerrero e elaborou o Plano de Iguala, que previa a independência nacional sob uma monarquia constitucional - o Império Mexicano. Não surpreendentemente, Iturbide foi coroado imperador do México, em julho de 1822, e do império recém-formado durou menos de um ano. Iturbide foi exilado do país, mas voltou e foi executado.

General Antonio López de Santa Anna, em seguida, surgiu como a força política dominante por cerca de 30 anos. Santa Anna foi presidente do México, quando se revoltaram e Texas durante a Guerra Mexicano-Americana de 1846.

Anos de Juarez

Depois de quase meio século de independência, o México tinha feito relativamente pouco progresso econômico ou político, e os camponeses continuaram a sofrer.

Em 1858, Benito Juarez, um zapotecas de Oaxaca, tornou-se presidente. Ele tentou eliminar o papel da Igreja Católica no país, apropriando sua terra e prerrogativas.

Em 1859, o Lerdo Ley foi emitido - separando Igreja e Estado, abolindo ordens monásticas, e nacionalizar as propriedades da igreja. Juarez tinha antecipado que índios e camponeses readquirissem os 50 por cento das terras do país anteriormente ocupado pela igreja, mas as propriedades foram rapidamente adquiridos pela elite.

Por causa dos muitos anos de caos econômico e político que se passaram, o México foi financeiramente insolvente.

Em 1861 Juarez anunciou uma suspensão de pagamento de empréstimos estrangeiros, e o Veracruz britânico, espanhol e francês ocupada, a fim de cobrar as dívidas mexicanas. O britânico e espanhol rapidamente retirou-se, mas a França derrubou o governo do México e em 1864 declarou México um império com Maximiliano I da Áustria como imperador.

Durante a guerra com os franceses, os exércitos mexicanos venceu uma grande batalha em 5 de maio de 1862, apesar de estarem severamente em desvantagem e sem armas. Essa vitória é celebrada como Cinco de Maio, um feriado nacional.

Por causa de sua própria Guerra Civil, os Estados Unidos foram incapazes de fazer valer a sua Doutrina Monroe, que proibiu o envolvimento europeu nas Américas. No fim da Guerra Civil, no entanto, os Estados Unidos ameaçaram enviar tropas para o México, e o exército francês se retirou do país.

Maximiliano foi executado pelos mexicanos em 1867.

Após a queda dos anos franceses e vários de turbulência, Porfirio Diaz apareceu para tornar-se presidente em 1877 e, com exceção de quatro anos, governou como um ditador absoluto até 1910. Durante o seu reinado Diaz incentivou o investimento estrangeiro e tentou modernizar a nação. Ele ajudou a aumentar o PIB cinco vezes, expandiu as exportações e importações, viu aumentar a produção de ouro e prata de 25 a 160 milhões de dólares por ano, e construiu mais de 15.000 milhas (24.000 km) de estrada de ferro. Durante este mesmo período Diaz revestiu seus bolsos e deu grandes concessões de terra para amigos e especuladores estrangeiros.

Em 1910 mais de 95 por cento das famílias rurais sem-terra tornou-se - peões da dívida por causa da expropriação governo de aldeias agrícolas comunitariamente detidas.

Revolução Mexicana

Porque Diaz tinha cercado de amigos e companheiros que ganharam poder econômico e político, houve pouca oportunidade para pessoas de fora do processo, mesmo se eles fossem de classe alta e mexicanos. Francisco Madero, nascido em uma família rica de mineração pecuária do norte do México, é creditado e incentivou a Revolução Mexicana.

Após a eleição fraudulenta de 1910, Madero liderou um movimento revolucionário que em 1911 capturou a cidade fronteiriça isolada Ciudad Juarez. Um velho mal de saúde, Diaz foi forçado a renunciar, e Madero foi eleito presidente em uma plataforma prometendo reforma social.

Madero era idealista, mas politicamente inepto. Como resultado a sua presidência foi de curta duração e caótica. Félix Díaz, sobrinho de Porfirio, e o general Victoriano Huerta se uniram em uma rebelião que derrubou Madero.

Ele e seu vice-presidente, Pino Suarez, foram executados pelos militares em fevereiro de 1913.

Huerta tornou-se presidente, mas as contra-revoluções eclodiram no norte. Eles foram liderados pelo general Venustiano Carranza, um seguidor de Madero e governador de Coahuila, com Pancho Villa e Álvaro general Obregon. Camponeses do sul, desiludidos com a ineficácia de Madero, se reuniram atrás do carismático revolucionário indiano Emiliano Zapata. Enquanto os revolucionários do norte eram amplamente interessado em acesso ao poder, Zapata e seus seguidores, os zapatistas, exigiu terra e liberdade para os camponeses.

Durante os próximos anos, a desordem eo caos reinou.

Em 1915 Carranza derrubou Huerta para tornar-se presidente, mas no processo ele alienado Villa, entre outros.

Zapata foi morto pouco depois de Carranza chegou ao poder, mas seu ideal de reforma agrária tornou-se a pedra angular da revolução.

Villa voltou a Chihuahua e invadiram cidades de fronteira no sudoeste-dental Estados Unidos, incluindo Columbus, Novo México, onde um número de norte-americanos foram mortos. O general americano John J. Pershing foi enviado ao México para capturar Villa, mas não teve sucesso.

A grande realização do período de Carranza foi a Constituição de 1917, que tentou destruir o feudalismo que existia no México por 400 anos.

Após o assassinato de Carranza em 1920, o general Obregon ascendeu presidência. Uma pessoa forte, ele estava disposto e capaz de empurrar através de reformas sociais.

Seu sucessor em 1924 foi o general Plutarco Elias Calles, um antigo aliado político. Calles era vigorosamente anti igreja e também era hostil ao investimento de capital estrangeiro. Somente através de intervenção diplomática foi Calles persuadido a reabrir as igrejas que tinham fechado e tornar-se menos hostil aos governos estrangeiros que tinha alienados.

Obregón foi eleito para um segundo mandato em 1928, mas foi assassinado no mesmo ano.

Calles, que havia fundado o Partido Nacional Revolucionário, o antecessor do Partido Revolucionário Institucional (PRI), que ainda controla o país, encheram o cargo de presidente interino, com três presidentes fantoches sucessivas.

Reformas pacíficas

A eleição do general Lázaro Cárdenas, em 1934, mudou a política da nação. Cardenas expulsou Calles e desenvolveu um plano de seis anos vigorosaos para modernizar o país. Ele redistribuído mais terra do que todos os seus antecessores juntos, construíram escolas rurais, nacionalizou a indústria do petróleo e fortaleceu os sindicatos.

Miguel Alemán Valdés, presidente de 1946 a 1952, foi responsável por enormes de obras públicas, incluindo projetos de sistemas de irrigação no noroeste e energia hidrelétrica no sul. Luis Echeverría Alvarez (1970-1976), desvalorizou o peso depois de quase 25 anos de paridade com o dólar dos Estados Unidos.

José Lopez Portillo (1976-1982) dirigiu o crescimento econômico frenético do boom do petróleo.

Miguel de la Madrid Hurtado (1982-1988) herdou uma economia que havia sido transformado por uma rápida diminuição dos preços internacionais do petróleo, bem como enormes dívidas externas.

Em julho de 1988, o candidato do PRI Carlos Salinas de Gortari foi eleito presidente em uma votação marcada por acusações de fraude generalizada.

Em 1991, o Presidente Salinas ordenou o fechamento imediato da maior refinaria da Cidade do México governo-operado, em um movimento para combater a crise da cidade da poluição do ar. A refinaria gigante seria substituída por parques públicos e espaços verdes.

Salinas foi sucedido em 1994 por Ernesto Zedillo Ponce de Leon, que foi eleito depois que o candidato líder, Luis Donaldo Colosio, foi assassinado.

Em julho de 1996 Zedillo e partidos de oposição do país principais assinaram um acordo histórico para a reforma política. O pacto eliminou o controle do PRI dos procedimentos eleitorais e a contagem de votos e os limites colocados sobre os gastos de campanha. O acordo adicionou 17 novas alterações na Constituição do México.

Sessenta e oito anos de governo ininterrupto legislativo pelo PRI chegou ao fim em julho de 1997 como eleitores mexicanos entregues controle da câmara baixa do país, de parlamento para dois partidos da oposição nominalmente aliados contra o PRI. Enquanto o PRI ganhou a maior parcela individual do voto, terminando com cerca de 39 por cento dos votos, ele não conseguiu ganhar uma maioria independente na Câmara pela primeira vez desde 1929.

O Partido da Ação Nacional (PAN) terminou em segundo lugar na eleição, capturando 27 por cento dos votos, eo Partido da Revolução Democrática (PRD), ganhou quase 26 por cento dos votos. Analistas políticos foram quase unânimes em afirmar que os resultados das eleições indicaram que o sistema político mexicano começou a afastar-se da regra velada de um só partido e para a democracia multipartidária genuína. Em nenhum outro lugar a atmosfera de mudança política mais evidente do que na Cidade do México, onde PRD líder Cuauhtémoc Cárdenas Solórzano obteve uma vitória esmagadora na corrida para prefeito.

Relações recentes com os Estados Unidos

Relações entre os Estados Unidos eo México flutuou no século 20. A disputa de fronteira de longa data foi estabelecida em 1963, e em 1992 os dois países, juntamente com o Canadá, assinaram o acordo mais amplo do comércio já alcançado entre eles. O continente inteiro estabeleceu um Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) que entrou em vigor em 1994. Além disso, os Estados Unidos e o México têm trabalhado cooperativamente para lidar com o fluxo de tráfego ilegal de narcóticos do México para os Estados Unidos. A questão de imigração ilegal e no tratamento de imigrantes ilegais nos Estados Unidos é também uma fonte de irritação entre as nações.

Agitação em Chiapas

As tensões entre forças pró-governo paramilitares e do anti-governo Zapatista com seu Exército de Libertação Nacional (EZLN) explodiu durante as duas primeiras semanas de Janeiro, em 1994, quando guerrilheiros do EZLN organizaram uma revolta em todo Chiapas, em protesto contra o tratamento do governo mexicano do grande México, mas empobrecia a comunidade indígena.

O levante em 1994 deixou pelo menos 140 mortos, e provocou uma luta contínua que se alastrou por todo o sul do estado de Chiapas e assegurou entre 300 e 600 acidentes mortais nos anos subsequentes.

Em dezembro de 1997, a aldeia de Acteal, em Chiapas tornou-se o local de um dos mais sangrentos massacres da história recente do México, como um grupo armado paramilitar abatidos pelo menos 45 pessoas e feriram dezenas mais. Embora o motivo do ataque, bem como a identidade dos agressores, ainda não está claro, os moradores de Acteal sugeriu que o governo pró-guerrilha tinha encenado o ataque de retaliação para o apoio Acteal de o EZLN, notando que os moradores Acteal tinha sido fortes defensores de a rebelião camponesa anti-governo que começou em Chiapas em 1994.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

México

História e Cultura

Atrações históricas México - desde as antigas ruínas dos olmecas, maias, astecas e, às rotas de trem usados pelo impetuoso e lendário Pancho Villa - Ranking perdendo apenas para as praias de Cancún - e como o povo Alcapulco razão principal vir.

A razão para isso é simples: o conto do passado do México, acompanhado por uma enorme quantidade de restos físicos, é tão romântico, sangue-curling, dramático e complexo quanto ele ganha.

Algo em torno de 1000 aC, o primeiro de antigas civilizações do México, os olmecas, estabeleceu-se no que hoje são os estados de Veracruz e Tabasco.

Eles adoravam um deus jaguar, construíram cidades, construídas esculturas cabeça maciça de pedra, e se espalhou por todo centro e sul do México até a sua civilização desapareceu misteriosamente por volta de 400 aC.

Embora os olmecas deixaram para trás artefatos relativamente poucos, sua influência sobre culturas posteriores foi profundo. Na sua esteira veio a Teotihuacan, os zapotecas e mixtecas de Monte Alban, a Maya de Yucatan, toltecas, astecas, e dezenas de grupos menores e citou.

Para equilibrar os reinos espirituais e terrestre e apaziguar seus panteões de deuses, muitas dessas civilizações praticavam sacrifícios humanos, um fato que muitas vezes ofusca suas grandes realizações nos domínios da matemática, astronomia, arquitetura, tecelagem, arte, cerâmica e.

Os maias, por exemplo, eram tão avançados em matemática e astronomia que seu calendário era o mundo mais precisa até este século. Eles também poderiam prever eclipses solares e lunares.

Nenhum dos pré-colombianas do México civilizações é mais célebre, no entanto, que os astecas. Embora seja discutível que outras civilizações no México alcançou maior proezas artísticas e científicas, nenhum avançou tão rapidamente ou governado tanto território.

Antes do século 15, os astecas eram uma tribo marginal vivendo na borda do lago Texcoco, o local da Cidade do México atual. Por 1473, depois de subjugar as tribos vizinhas, que governou o maior império do México já tinha visto.

Seu capital de Tenochtitlan, situado no lago, era uma cidade pitoresca de pirâmides, milhas de comprimento estradas flutuantes, aquedutos, mercados animados e cem mil moradores. Liderando um governo altamente codificada foi um imperador todo-poderoso que cobrou impostos da terra conquistada e distribuído ao seu povo, especialmente os guerreiros. Quando o aventureiro espanhol Hernán Cortez chegou em 1519, a cidade rica era uma visão perfeitamente engrenado à sua sede de conquista.

A conquista da Nova Espanha, uma grande história e trágico, começa em abril de 1519, quando um terras Cortes em Veracruz, a cerca de 200 quilômetros da capital asteca.

Cortes tinha uma missão singular: derrotar os astecas e levar seu ouro. Para isso, ele teve menos de 400 soldados, 16 cavalos, 14 peças de artilharia, 11 navios, a abundância de armas e munições, e Cajones.

Seu primeiro ato após o pouso era queimar tudo, mas um de seus navios - ele não queria voltar atrás. Que ele foi capaz de derrotar um império com apenas algumas centenas de homens parece nada menos que um milagre, mas alguns de sucesso El Conquistador, no entanto, pode ser atribuído à sorte pura e simples.

De acordo com um mito asteca, o Quetzacuatl de rosto branco - seu deus mais importante - há muito tempo tinha fugido para o leste, mas que voltaria um dia. Quando o governante asteca, Montezuma II, viu Cortes e seus homens de pele clara a sua chegada em Tenochtitlan, ele acreditava que isso seria emissários do Quetzacuatl próprio grande.

As Cortes oportunista, treinada por Malinche - um indiano de língua espanhola que se tornou seu amante de volta à costa - não tentar corrigi-lo. Cortes voltou hospitalidade do imperador, tomando-o como refém.

A Moctezuma compatível ordenou seu povo a se retirar, e pelo tempo que os astecas começaram a resistir Cortes já tinha trazido reforços da costa. Os astecas renegou seu imperador, cooperativa cativo, que morreu um prisioneiro em seu próprio palácio. Quando os astecas finalmente cerco ao palácio, Cortés e seus homens snuck no meio da noite e correu para a costa.

No caminho, mais de metade a sua força foi morto pelo exército perseguindo, mas os sobreviventes retornaram com milhares de aliados indígenas para conquistar a cidade um ano depois.

México, com suas planícies férteis e grande riqueza mineral, era a jóia da coroa das colônias da Espanha. Foi fortemente tributados, governado diretamente da Espanha, e não permitia nenhuma autonomia. Os monarcas espanhóis distribuiu terras a colonos na forma de encomiendas, que foram trabalhadas por escravos índios que o colono foram acusados de proteger e converter-se ao cristianismo.

Um sistema de castas desenvolvido: havia Espanoles (espanhóis nascidos na Espanha), criollos (mexicano-nascido, mas com sangue espanhol), mestiços (espanhol e índio), e, finalmente, os indígenas, os índios.

Por causa de sua dependência forçada sobre os proprietários da fazenda, e nenhuma resistência a doenças europeus, os índios estavam cheios de dívidas e longa doença depois de a Espanha aboliu a escravidão em 1548.

Se as sementes da independência mexicana ainda não tinham sido plantadas no solo, em seguida, eles foram plantadas quando Napoleão conquistou a Espanha em 1808, quando o conquistador francês colocou seu irmão no trono espanhol, a elite do México começou a falar de auto-governo.

O homem que virou conversa em ação foi um sacerdote católico chamado Pai Miguel de Hidalgo y Costilla, que liderou uma rebelião armada em 1810. Embora ele acabou sendo capturado e executado, liderança Hidalgo começou uma guerra de independência, que culminou em 27 de setembro de 1821, quando o líder rebelde Vicente Guerrero eo monarquista Agustin de Iturbide assinaram o Tratado de Córdoba. Infelizmente, com problemas de independência do México estavam apenas começando.

Por quase um século, o novo país seria assolado por marcado por combates quase incessante. Um dos primeiros presidentes do México, o ex-general rebelde de Santa Ana, é creditado com azedume perder metade do país dele para os Estados Unidos depois de uma guerra de dois anos que terminou em 1848.

Santa Ana acabou exilado e sucedido por Ignacio Comonfort, que abdicou da presidência em favor de um dos mais amados do México-líderes, um mestiço do estado de Oaxaca ("Wah-ha-ka") chamado Benito Juarez .. Juarez liberalizado a Constituição e instituiu de reforma agrária, a classe rica irritante conservadora e desencadeando um conflito sangrento conhecido como a Guerra da Reforma, que durou de 1858-1861.

Forças Juarez foram vitoriosos, mas pelo tempo que a guerra acabou cofres do México estavam secos e foi inadimplente em seus pagamentos da dívida externa. França, um credor principal, e viu isso como uma desculpa perfeita para invadir. Napoleão III enviou o arquiduque da Áustria, Maximiliano, que rapidamente tomou a maior parte do país.

Depois de uma resistência obstinada, Juarez finalmente retomou a Cidade do México em 1867 e Maximiliano foi executado.

Para crédito do arquiduque, muito de sua derrota foi causada por sua própria consciência e amor para o México: durante seu governo, ele apaixonadamente instituiu uma série de reformas progressistas que enfureceu os conservadores e causou Napoleão para abandoná-lo.

Em 1871, um mestiço chamado Porfirio Díaz correu contra Juarez para presidente e foi derrotado. Um mau perdedor, ele decidiu derrubar o governo e conseguiu cinco anos depois. Seu governo com mão de ferro, que durou quase 40 anos, tornou-se conhecido como o Porfiriato.

Durante o seu reinado, Diaz vendeu tanto de indústrias do México para os estrangeiros e rotineiramente reprimida seus oponentes com uma força brutal. Ele acabou por ser desafiado por proprietário fazenda Francisco I. Madero, em seu famoso livro A sucessão presidencial de 1910.

Diaz ordenou Madero preso, mas este último fugiu para os EUA e voltou a ganhar a presidência em 1910, apoiado pelo lendário Emiliano Zapata, que estava liderando uma revolta contra Diaz no sul.

Mas a presidência de Madero foi de curta duração; próprio comandante Madero militar, Victoriano Huerta, assassinou-o com a ajuda do embaixador dos EUA, e na guerra tremendamente sangrenta que se seguiu, as forças de Huerta foram lançados contra uma formidável aliança liderada por homens cujos nomes estão agora lenda: Venustiano Carranza, o general Alvaro Obregon, Emiliano Zapata e Pancho Villa a infame no norte. A Revolução Mexicana, entre os mais sangrentos conflitos internos na história do mundo, estava em.

Uma vez Huerta foi derrotado, Carranza assumiu a presidência, mas isso foi só o começo. Villa e Zapata, recusando-se a reconhecê-lo, levou ele e Obregon da capital. Enquanto os exércitos do norte e do sul realizou festas selvagens na capital, Carranza e Obregón recuou para Veracruz, onde rapidamente remontado e, em seguida, retomaram a capital quando Villa e Zapata não conseguiu organizar um governo.

Obregon depois annihilated cavalaria Villa em Celaya, e Villa nunca mais seria tão poderoso. Carranza no poder até as próximas eleições, quando ficou claro que o Obregon popular seria derrotá-lo. Cair na armadilha agora bem-vestida de querer manter o poder por muito tempo, Carranza tentou dar um golpe, mas Obregon escapou e voltou suas forças para perseguir e matar Carranza como ele fugiu ao longo da rota de fuga de idade para Veracruz.

Enquanto isso, em uma última tentativa de tirar os Estados Unidos em um conflito contra Carranza, Villa invadiu várias cidades de fronteira dos Estados Unidos e matou alguns habitantes. Depois de uma busca sem sucesso por forças dos EUA, Villa finalmente pendurou as pistolas e se tornou um agricultor de Parral.

Ele foi assassinado em 1923, quando seu carro foi emboscado. Seu irmão, no sul, Zapata, também foi morto em 1919 depois que ele foi atraído para uma armadilha por um soldado do governo. Quando tudo acabou, o homem só deixou vivo, Obregon, era presidente.

História do México pós-revolução é marcada pela tenacidade de um único partido político, o Partido Revolucionário Institucional, ou PRI. O partido foi fundado por Plutarco Elias Calles, que assumiu como presidente quando foi assassinado Obregon (possivelmente por um lote Calles) em 1928.

Mas o presidente mais amado do partido era o general Lázaro Cárdenas em 1934. Cardenas instituiu a reforma agrária ampla, fortaleceu os sindicatos, e nacionalizou a indústria do petróleo. PRI candidatos, que são escolhidos a dedo pelo presidente, no poder desde já - mas nem sempre de forma pacífica.

Fraude eleitoral tem sido endêmica (embora as eleições recentes indicam isso está mudando). Em 1968, o governo reprimiu violentamente um protesto de estudantes na cidade do México, matando centenas de pessoas.

Os últimos 30 anos viram uma economia fortemente flutuante, um afluxo de refugiados da América Central, e corrupção do governo inveterado (muitas delas ligadas ao comércio ilícito de drogas). Embora o Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) tem proporcionado esperança econômica para alguns, também ajudou a impulsionar guerrilheiros indígenas em Chiapas se rebelar contra o que vêem como um governo indiferente.

Muitos mexicanos colocam sua esperança em 1994 PRI candidato Luis Donaldo Colosio, apenas para tê-las destruído quando ele foi assassinado no mesmo ano em Tijuana. O ambiente político atual no México é, no entanto, otimista. As indicações são de que o PRI é compartilhar o poder com a oposição disposta.

Em 1997, pela primeira vez na história, a Cidade do México eleito um prefeito que não era um candidato do PRI.

Tradicionalmente, a sede da prefeitura da Cidade do México é o segundo escritório mais poderoso da nação, e os cidadãos do Distrito Federal não poderia ter eleito um homem mais irônico: ele é Cuauhtemoc Cardenas, o filho do amado do PRI Lazaro Cardenas. Ele correu contra o partido de seu pai, e ganhou.

Fonte: www.geographia.com

México

México é a terra onde tudo é possível, onde a ficção torna-se realidade pura e, a realidade pura ficção.

E é que, o México é um país nascido de inumeráveis existências e miragens. Com um passado indígena e um presente mestiço e indígena, seu futuro e possibilidades pertecem ao mundo da imaginação. México é, em poucas palabras e como bem o expresara Carlos Fuentes, a cultura de Quetzacoatl a Pepsicoatl.

Quem viaja ao México realiza uma viagem ao mundo da ficção. México não é só praias e ruínas, México é composto de impressionantes desertos, altas montanhas, mares azuis, ilhas cativadoras, cidades coloniais, rios e selvas, onde a aventura é a nota caraterística.

Todos estes elementos de realidade, o perfeito quadro para os místicos costumes de sua povoação, onde a vida e a morte presidem em cada cena diária. O resultado deste estranho encontro é uma apoteose de brilhos para deslumbrar os olhos e, comover o espírito. México é a diversidade por excelência, o ponto de encontro entre realidade e ficção.

E para demostrar um pouco: no Dia de Finados, por exemplo, vende-se nas padarias "pão de morto" e caveiras de açúcar e chocolate além, de instalar preciosos e elaborados altares em cada casa, com oferendas para os que já foram. Porque cada espírito regressa à terra, atraído pelos cheiros e sabores, os quais na vida mais gostavam.

Para guiar-lhes da tumba até a casa, faz-se um caminho com "flores de morto". Os cigarros habituais, o guisado e a fruta preferida e garrafas de pulque (licor de pita), águardente de pita ou tequila, esperam iluminados pelas velas. Esta é a realidade, nada de ficção, verdade pura.

Se nesta travessia à diversidade, à cor, à imaginação, à música, o doce e o picante e ao surpreendente universo de possibilidades que significa México, você cruza a fronteira entre realidade e ficção, não se alarme e siga ao pé da letra o conselho do refrão que diz: "Para todo mal, águardente e, para todo bem, também".

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

México, com uma extensão de 1.958.201 quilômetros quadrados, tem fronteiras ao norte com os Estados Unidos, ao Sul com Guatemala e Belice, ao leste com o Oceano Atlântico e ao oeste com o Pacífico.

O Trópico de Câncer corta o país quase pelo centro e, dada sua extensão de norte à sul e sua especial orografia (descrição de montanhas), apresenta uma climatologia muito variada. É, em muitos outros aspectos, uma terra de altos contrastes.

O coração geográfico do país são as terras do planalto vulcânico, conhecidas como Anáhuac, onde juntam-se as duas cadeias montanhosas, a Serra Madre Oriental e a Serra Madre Ocidental. Estas duas formações percorrem o país pelos acostados, de norte à sul.

Entre as duas cadeias surgem diferentes vales e escudelas com uma média de altitude de 2.000 e 2.500 metros. É uma região dominada por grandes cones vulcânicos como o Popocatépetl com 5.452 m. ou o Ixtlacíhuatl com 5.216 metros. (o ponto mais alto do país é o Pico de Orizaba com 5.700 metros. no Estado de Veracruz). Neste vale, que representa uns 10% do território nacional concentra-se mais do 50% da população.

A Serra Madre do Sul, formada por um grupo de montanhas menores, prolongação das outras duas serras, estreitam-se no Istmo de Tehuantepec e seguem até Guatemala, enquanto que ao norte a Península de Yucatán estende-se plana e coberta de vegetação.

A maior parte do território mexicano carateriza-se pela presença de montanhas e mesetas (pequeno planalto) e, a excessão dos estados do norte, onde predominam os desertos que contrastam com a exuberante vegetação das zonas do sul. Os rios são curtos, a maior parte, e estreitos com um curso que desemboca rapidamente no mar.

Por outro lado, o México tem mais de 10.000 km de costas, rodeado por quatro grandes mares ou oceanos: o Oceano Pacífico, o Mar de Cortés, o Golfo do México e o Mar Caribe. O país está dividido políticamente em 31 Estados e um Distrito Federal.

FLORA E FAUNA

Dada sua privilegiada situação e extensão, o México conta com uma rica flora e fauna. Muito perto do Éden, a terra do iguano e das borboletas monarcas (no Estado de Michoacão) acolhe numerosas maravilhas naturais.

O México é mais que uma terra de desertos ou de espinhosos cactus. A extrema diversidade dos ecosistemas vem dada por sua extensão (quatro vezes a Espanha) e, a especial geografia dando origem a espécies de grande rareza como é, o caso do coelho dos vulcões, um lagomorfo de pelagem marrom que encontra-se no umbral da extinção, ou do monstro de Gila nas inóspitas zonas de Sonora ou bem, o ajolote, um anfíbio muito peculiar chamado popularmente "monstro aquático" e, que pode ser visto nos canais de Xochimilco. Os cientistas afirmam que ao redor dos 15% das espécies botânicas e animais no México, não encontram-se em nenhúm outro lugar do planeta.

O país conta com 600 áreas protegidas entre Parques Nacionais, Reservas da Biosfera, Zonas Desérticas e Selvas Tropicais. Nestas áreas encontram-se mais de 1.500 espécies de mamíferos, répteis e anfíbios; como macacos, onças, báquiras, a anta de Baird, preguiças, algumas espécies da família dos sapos mais venenosos do planeta como os dendrobátidos, iguanos, caranguejos, raposas cinzas, macacos-aranha, a ornitofauna, com mais de 1.000 variedades, destacam os falcões, oropêndolas, aracaris, guacos, orioles, águias pescadoras (muito escassa em outros lugares, pois abundantes no México), pássaros fragata, chimangos com cristas (ave de rapina), corre caminhos, araras, rascones (ave pernalta), verdelhões, garças azuis, papamoscas reais com penas de cores; mais de 50 espécies de colibri, etc.

Por exemplo, no sul do país, na pequena Reserva do Triunfo, encontra-se um dos bosques de nevoeiro mais maravilhosos do continente em que, convivem pacíficamente quetzais (ave trepadeira) e outras 300 espécies de pássaros, entre plantas de 9 m. e, árvores que superam os 30 m. de altura.

A Península da Baixa Califórnia é um caso a parte na natureza mexicana. Aloja grandes concentrações de pelicanos (em alguns casos até 100.000 em cada porção de terra) ou de patos azuis, caraterísticos das ilhas Galápagos. Também pode -se ver a foca de Guadalupe, uma curiosa espécie em perigo de extinção pela depredação dos caçadores em procura da sua pele.

Porém, a protagonista desta zona é a baleia cinza que instala-se todo inverno nesta zona, perto da lagoa Olho de Liebre, procedente de Alaska (entre dezembro e março). Porém, os mares mexicanos são casas também de manatís, marsopas, huachinangos, robalos, lucias, golfinhos, peixe-espada, atuns, etc.

Quanto à flora, México possui espécies endêmicas como a dália, flor nacional, os nardos, a noite-boa e mais de 6oo variedades de orquídeas, entre as que encontram-se a baunilha.

Além disso, México conta com mais da metade de espécies de cactus que têm no mundo e, exemplo deles é o pita, a base para a elaboração de dois licores mexicanos: o pulque e o tequila. Em total contabilizaram-se mais de 30.000 espécies de plantas, entre as que destacam os abetos, enebros, moctezumas, pinheiros jacolotes, pinheiros azteca, carvalhos, encinos mexicanos, acácias, mezquites, cajados santos, nopales, pitas, henequenes, mexcales, yucas, zoyotes, nolinas, coqueiros, palmas apache, ceibas, bouganviles, jacarandas, etc. Sem esquecer, a rica variedade de frutas como o abacate, manga, limão, sapota, mamão, abacaxi, melão, goiaba, brea (tipo de pinhão), figueira da índia, tamarindo, coco, jamaica, etc.

Sem via de dúvidas, a natureza do México surpreende quem a descobre e visita pela riqueza de contrastes.

História

O Período Pré-colombiano

A história dos primeiros povoadores do México remonta-se à 21.000 anos atrás, com a chegada das primeiras migrações procedentes do Estreito de Béring.

Porém, os primeiros habitantes não começariam a utilizar rudimentários instrumentos de caça até o ano 9.000 aC. E a agricultura iria surgir ao redor de 6.000 aC.

Os Olmecas

Aproximadamente no ano 2.000 aC. fazem sua aparição os Olmecas, o primeiro grande grupo cultural do México antigo, que assentou-se nas regiões de Veracruz e Tabasco, na zona do Golfo do México. Constituiam uma sociedade muito eficiente, bem organizada e governada por uma hierarquia religiosa.

A sua influência foi muito intensa já, que grupos posteriores iriam adotar diferentes aspectos de suas tradições religiosas, arquitetônicas e artísticas. Apesar da total ausência de bancos de pedra por perto, os Olmecas desenvolveram imponentes edificações com este material, como La Venta, São Lorenzo ou Três Zapotes. Criaram um calendário muito avançado que incluia o conceito de zero. Da origem dos Olmecas sabe-se muito pouco, assim como, de seu desaparecimento em torno do ano 1.200 aC.

Até o ano 1.300 dC., momento em que faz a sua aparição, os aztecas, desenvolveram

e desapareceram numerosas culturas, como a maia, tehotihuacana, zapoteca, mixteca, tarasca ou totonaca, para citar algumas. Monte Albán, no estado de Oaxaca, é o emprazamento arqueológico mais antigo, posterior aos Olmecas.

Os Maias

As origens dos célebres maias remotam ao redor do ano 1.200 aC.

Esta cultura desenvolveu em três períodos distintos: o pré-clássico, o clássico e o pós-clássico (cada um correspondente a diferentes lugares do México e da América Central). Porém seria a partir do ano 250 dC., quando inicia um período de progresso que vai até o ano 900dC, conhecido como período clássico.

Considerada como uma das civilizações mais avançadas do México pré-colombiano, os maias, foram grandes artistas e intelectuais que dominaram um complexo sistema matemático, além de serem capazes de realizar difíceis cálculos astronômicos. A sua estrutura social era muito fechada e articuláva-se em autonômias, governadas por sacerdotes.

Mantiveram estreitas relações com Teotihuacán e Monte Albán, comerciando com produtos como o sal, já que naqueles tempos Yucatán era o primeiro produtor deste mineral. Lá pelo ano 1.400 dC. a cultura Maia tinha disseminado e, quase desaparecido, deixando um incrível número de centros cerimoniais e cidades antigas.

Os Mixtecas-Zapotecas

A sua aparição remota-se ao ano 900 aC. No Vale de Oaxaca. Foram grandes artesões e construtores, edificando importantes cidades e câmaras mortuárias além, de desenhar e criar uma preciosa cerâmica e orivesaria. Os Mixtecos foram os que conquistaram aos zapotecas, assentando-se perto de Mitla e Yagul.

Reconstruiram Monte Albán, porém só para ser usado como cemitério. No começo do século XV, os Mixtecos foram dominados pelos Aztecas. Estas duas culturas (Mixteca e Zapoteca) continuam existindo no Estado de Oaxaca, onde moram perto de dois milhões de indígenas descendentes daqueles grupos.

Teotihuacán e os Toltecas

No ano 300aC. Estabelece a cultura Teotihuacana no planalto central, fundando a maior cidade da Mesoamérica pré-colombiana: Teotihuacán, que significa "o lugar em que os homens fazem deuses" ou "o lugar dos deuses". Seu esplendor perdurou até que os toltecas, com capital em Tula, os dominara.

Foram estes os que introduziram o culto a Quetzalcóatl, a serpente de penas, o deus que tem seu coração no planeta Vênus e o deus que haveria de voltar pelo Leste.

Quetzalcóatl aparece sob a forma de deus Kukulkán na cultura maia.

Os Toltecas foram poderosos guerreiros que estabeleceram nas mediações do norte do Vale de México, ao redor do ano 950 até o 1.300 dC. Construíram Tula, uma das cidades mais espetaculares de México e, foram consumados artesões que influiram fortemente nas culturas Maia e Azteca. Para muitos, os Toltecas desenvolveram-se à partir da cultura Teotihuacana.

Os Aztecas

Conta a lenda que Huitzilopochtli, o deus da guerra, guiava aos nahuas (que procediam de Aztlán, daí o nome de aztecas) até o lugar em que deveriam instalar-se.

O sinal era uma águia sobre um cactu, devorando uma cobra. Foi no Lago de Texcoco (atual Cidade de México) onde encontraram-se com o sinal do deus, pelo que fundaram a cidade com o nome de Tenochtitlán.

Somente após um século, graças as estratégicas alianças com outros grupos, impuseram-se acima do resto dos grupos indígenas, inaugurando o Império Azteca, que permaneceria até a chegada dos espanhóis (1519). Os aztecas impuseram um sistema, onde as forças sociais tinham certa participação, utilizaram uma complexa estrutura impositiva e de vigilância, desenvolveram um sistema educativo exemplar e, segundo as testemunhas, não conheceram a corrupção.

Foram além disso, excelentes construtores, seguindo as tendências de culturas anteriores (Olmecas, Toltecas, Maias). Porém, o que mais surpreende desta cultura é a sua particular cosmo-visão da existência, articulada em uma profunda filosofia, que tinha sua base na própria imagem do mundo que construíram.

A Conquista

Apesar da aparente solidez das estruturas sociais dos aztecas, existia um setimento de mal estar e odio, sobretudo nos povos subjugados, que se mostraram favoráveis a ajudar aos invasores espanhóis. Paradóxalmente, ajudou também a concepção religiosa dos aztecas, que afirmava que Quetzacóatl iria regressar.

Os aztecas viram nos soldados espanhóis o seu deus, o deus de tez branca e rosto barbado, razão pela qual Moctezuma recebeu-os amistosamente. Porém, depois de alguns presságios e coincidências as relações foram-se deteriorando, momento em que Hernán Cortés, depois de ter queimado seus navios, abandonava a cidade para lutar contra as tropas enviadas por Diego de Velázquez, governador de Cuba.

Em sua ausência, o capitão Alvarado, depois de autorizar uma celebração religiosa dos aztecas censurada por Cortés, provoca a rebelião dos indígenas, findando na famosa "Noite Triste" (conhecida assim pelos mexicanos).

Depois da fuga, Cortés consegue chegar com os sobreviventes a Tlaxcala, onde buscava ajuda e mantimentos e, é aqui onde desenha a estretégia do ataque final. No ano de 1521 Tenochitlán é dominada e, com isto inicia-se nova etapa na história do México.

Como bem, expressou o líder azteca: "Não é a vitória e nem a derrota de um povo, mas sim o doloroso nascimento de uma nação".

Período Colonial (1521-1810)

Cortés foi nomeado capitão geral da Nova Espanha, decidindo mudar o nome de Tenochtitlán pelo de México (procedente da palavra "mexica"). No ano de 1527 se forma a primeira Audiência e, a partir deste momento, os missionários começam o intenso ltrabalho evangelizador. Durante esse tempo, no ano 1533, faz sua aparição a Virgen de Guadalupe, atual padroeira da América.

A sua imagen para muitos, é um pergaminho indígena, com elementos espanhóis, razão pela qual rapidamente despertou um forte sentimento religioso, com o que indetificaram-se crioulos e indígenas.

Deste período é necessário ressaltar os constantes abusos de poder por parte da Igreja. A situação era de uma grande injustiça e alguns evangelizadores, como Frei Bartolomé das Casas denunciaram a escravatura, que eram submetidos os índios, por parte dos espanhóis.

As causas desta situação eram provocadas pelo peculiar sistema de encomendas, no que cada colono recebia um lote de terra junto com um grupo de indígenas para a sua exploração. A sociedade da Colônia articulava-se rigidamente de acordo a um sistema de casta que lembrava o feudalismo europeu. Esta política foi, pela sua vez, a ferramenta que iria acelerar a mestiçagem.

A Independência

Durante três séculos México esteve regido por um vice- rei, de que dependiam os corregedores. As oportunidades políticas e econômicas de cada grupo social eram radicalmente distintas, é nos finais do século XVIII, quando os crioulos tomam consciência da sua nacionalidade. Ajudados por uma série de acontecimentos começam os primeiros movimentos independentes, com o objetivo de conquistar o poder.

A Independência do México tem lugar em 15 de setembro de 1810, quando o padre Miguel Hidalho e Costilla, a frente de um improvisado exército de voluntários, lança o grito de independência, em povo Dolores. Diferentes grupos de homens toman algumas cidades, porém, ápos cruéis batalhas são vencidos pelos exércitos realistas (não há que esquecer que a revolta iria continuar durante 11 anos, custando mais de 60.000 vidas humanas).

O movimento emancipador continua a frente de outro padre, José Maria Morelos e Pavón que, convoca o Congresso de Chilpacingo no ano de 1813, onde relata a Ata Primeira da Independência. No ano 1821 Agustín de Iturbide e Vicente Guerrero proclamam o Plano de Igualdade, garantindo a religião católica, a fraternidade com os espanhóis e a independência política. Em 1821 nasce, finalmente, México com o Tratado de Córdoba assinado pelo recentemente chegado vice-rei João O´Donojú.

Reforma e Estabilidade (1860-1910)

A independência do México, em princípio, acrescentou as diferenças sociais existentes. O século XIX foi um período de problemas e contratempos para o México, sobretudo, pelo permanente enfrentamento entre liberais e conservadores, somando a guerra contra os Estados Unidos, nos anos 1846 e 1848, que deu como resultado a perca da metade do território nacional.

Com a assinatura do Tratado de Guadalupe-Hidalgo, o México é obrigado a entregar mais da metade de seu território pel airrisória soma de um poco mais de 6 dólares por quilômetros quadrados.

N o ano de 1858 instala-se a Guerra da Reforma, liderada por Benito Júarez, o primeiro e único presidente indígena (zapoteca) que teve o México. A guerra prolongou-se até o ano 1861, momento em que Juarez vence os conservadores, estabelecendo a unidade nacional. Porém, nesse mesmo ano o exército francês decide invadir o país, justificando a ação pelo não pagamento da dívida do México a Espanha, Grã- Bretanha e França.

Napoleão III envia a Maximiliano de Hasburgo, que agindo mais como um liberal que como um conservador, provocando a retirada de respaldo que recebia da Igreja e inclusive do próprio Napoleão. Na ofensiva de Benito Juárez desde o Paso do Norte, hoje Cidade Juárez, Maximiliano é derrotado e fuzilado.

As suas últimas palavras foram: "Viva o México! Viva a Independência!".

No ano de 1876 Porfírio Diaz toma o poder depois de liderar uma revolta no ano1871, ressentido pela derrota eleitoral sofrida ante Benito Juárez. Com Díaz inaugura-se uma "ditadura democrática" que iria prolongar-se por três décadas.

Nesse período Porfírio Diaz assentou as bases da industrialização do país, desenhando e construindo as principais trilhas de ferro e, fomentando a educação. Porém, favoreceu a concentração de propriedade e, a inversão européia, pelo qual a mineração os bancos e a indústria do petróleo passaram às mãos estrangeiras.

Revolução e Câmbios (1919-1945)

No ano de 1910 Porfírio Diaz, depois das únicas eleições limpas (daquela etapa), é derrotado por Francisco Madero e, muito cedo inicia-se a primeira revolução de século XX, a Revolução Mexicana.

Com o movimento armado, o povo pretendia melhorar as precárias condiçoes de vida e recuperar os recursos naturais. Pelo norte o general Francisco Villa e pelo sul o emblemático Emiliano Zapata, perseguiam terminar com o latifúndio e a exploração, ao grito de "Terra e Liberdade". A Revolução Mexicana foi uma batalha liderada por camponeses que procuravam uma reforma de leis agrárias, o sufrágio universal.

Acabar com o controle econômico estrangeiro e a completa separação de Igreja e do Estado. Perderam-se centena de milhares de vidas em inúteis lutas de chefes regionais, em busca de legitimidade, reconhecimento e controle. Finalmente, no ano de 1917, Venustiano Carranza promulga um avanço da Constitução.

Depois, aconteceria uma série de enfrentamentos entre a Igreja e o povo (a guerra dos cristeros), em meio a uma instabilidade política, que finda com a aparição de Lázaro Cárdenas. Com ele, o país inicia nova etapa ao nacionalizar o petróleo e, empreender uma reforma ágraria, com o que instaura-se a normalidade constitucional.

O México Contemporâneo

Depois da II Guerra Mundial, a infraestrutura do país desenvolveu os setores manufatureiros e industriais, expandiram-se igualmente a produção agrícola, fortalecendo a classe média e evoluiu econômicamente. Porém, numerosos problemas caraterizaram os últimos tempos como, o rápido crescimento demográfico, o êxodo macisso das áreas rurais para os centros urbanos, a diminuição da produçao agrícola e, uma crescente dívida externa, entre outros problemas.

Nos últimos anos emprenderam-se importantes reformas econômicas e políticas que, têm permitido avançar o país, a pesar de toda classe de contratempos. Desde então, o PRI tem governado o país no meio à fortes crises econômicas sem que, até agora os logros da Revolução tenham chegado a todos os setores da população.

Gastronomia

Italo Calvino, o célebre literário italiano, escreveu em uma obra, que provavelmente, a comida mexicana, pelos elaborados sabores, tinha origem obscura. Talvez, os indígenas ocultavam o gosto da carne, proveniente dos sacrifícios humanos, adereçando-a com muitas especiarias, para oultar seu verdadeiro gosto. A verdade fica para os historiadores, mas o certo é, que a gastronomia mexicana é rica, elaborada e carregada de sabores.

É também, o resultado de uma estranha mestiçagem, principalmente, com a comida espanhola, com seus ingredientes básicos no milho, adorado pelos indígenas, o chile, (pimentao picante), com mais de 100 variedades dignificando os sabores, e o feijao, ingredientes que ira encontrar sob diferentes formas em toda comida que realizar.

Por outro lado, México tem aportado ao resto do mundo um comprido listado de alimentos como abóbora, tomate, chocolate, abacate, mamao, goiaba, baunilha y duzias de espeçarias, por citar alguns.

Para disfrutar de este rico paraiso gastronômico é imprescindivel se esquecer de tudo o que se pensa da comida mexicana. Quer dizer, renunciar aos preconceitos sobre o assunto, já que em muitos casos, especialmente no extrangeiro, a ideia que se tem da comida mexicana é bastante distorsionada.

Dada a grande extensao de México e a variedade de zonas climâticas, a comida mexicana está muito regionalizada, pelo que o tipo varia muito de uma regiao a outra. O que ira degostar nas costas pode nao encontrar terra adentro. É aqui onde radica a fascinaçao da comida mexicana.

O invitamos a descobrir este sorprendente universo, enriquecido durante os últimos 500 anos, e fazer-o sem reparos.

No México o desjejum é muito cêdo (entre as 7.00 e 10.00 da manhã) e completo.

Como diz o refrão: "Quebre jejum como rei, almoçe como príncipe, jante como pobre e terá saúde". Experimente o menudo nortenho, vísceras de vaca moidas e cocidas com milho largo e molho de chile roxo, os chilaquiles omeletes de milho fritas e preparadas em molho verde o vermelho, com crème, os ovos rancheiros, fritos acima de uma omelete de milho, banhados em molho picante ou ovos à mexicana, mexidos com tomate, cebola e chile. Nunca irá faltar o suco de laranja e uma taça de café, ao estilo americano, quer dizer, muito suave ou então do jeito mexicano, de panela, com um toque de canela e piloncilho.

Antes de iniciar a comida, que se serve entre as 14.00 e as 16.00 h, em muitas regiões costuma-se tomar o aperitivo. Consiste em cerveja ou outra bebida, acompanhada de botana, como as tapas espanholas e que pode ser uma porçao de caldo ou comida do dia.

A comida é para muitos mexicanos o melhor momento do dia e se compoe de soupa, soupa seca, como arroz, um segundo prato que pode ser carne, peixe ou frango, sobremesa e café acompanhado de bolilnhos (pao) e omeletes de milho.

Pode começar com um bom caldo tlapenho, com frango, abacate, grao de bico e chile chipotle. Ou se preferir, o caldo sudado de Sinaloa, uma sopa de camarões e moluscos ou bem um caldo tarasco, muito mais suave, com frango e pedacinhos de abacate. As saladas tambén predominam e aconselhamos perguntar pela "salada do chef".

Quanto ao segundo prato, o mais forte e elaborado, o listado pode ser interminavel. Não pode, de jeito nenhum, abandonar México sem ter experimentado o verdadeiro frango com mole poblano, o prato bandeira da cuzinha mexicana. A receita foi inventada pela freira de um convento que, querendo agradar ao bispo, misturou mais de 30 ingredientes, impressionando-o com o delicioso molho.

A preparaçao é muito devagar e trabalhosa por ter diversas etapas onde vao-se misturando o chile, chocolate, amanedoim, tomates, amenduas, passas, alhos, pimentao, canela, pao, banana, etc. Todo é fritado em momentos diferentes e moido até formar a pasta. Igualmente, da zona de Puebla deve experimentar os mixiotes, porções de cordeiro assado embrulhadas em folhas de maguey. Se tem coragem pode perguntar pelos vermelhinhos dessa planta; a gente come eles vivos ou assados em molho.

Na pensínsula de Yucatao nao se esqueça de experimentar a cochinita pibil, leitão em axiote embrulado em folha de bananeira ou o pocchuc, filés de porco cuzinhado com molho de cebola e laranjas amargas, ou bem o queijo recheado, próprios da região.

O veado à serrana, sobre todo no norte do México, é um prato que se prepara com pedaços de carne preparada com chile roxo, alho e cebola. Também se pode decidir pelos tacos de carne de boey, de frango, ao pastor, de porco, etc.

Deguste o frango com pepián, uma pasta de gergelim parecida com o mole, os romeritos, tortas de milho com camaroes e herbas de cheiro, acompanhadas com molho de pepino e sementes de abóbora. No norte do México, experimente o bode ao churrasco e o perú defumado, pratos muito procurados naquela zona.

Quanto a peixe e marisco, sobressaem os preparados ao estilo veracruzano como o huachinango, que se serve con diversos molhos ou bem o cebiche, troços de peixe o marisco macerados no limao verde, que achará em muitos lugares do país. A lagosta, propria de toda a zona do Caribe e os camaroes são uma delícia.

Pergunte pelo peixe ou camarões ao molho de alho, é seguro que vai pedir repite. Para finalizar, feijões refritos ou mexidos com queijo. E se ficou satisfeito, ainda tem a sobremesa. Os mexicanos são chegados ao doce, de um jeito paradogico. As frutas são deliciosas, as laranjas, maçãs e goiabas, abacaxi, mamão, pêra, guanábanas, mangos, memayes, tunas, etc, tem um sabor que só poderá encontrar naquelas latitudes. Quanto as sobremesas, destacam o jamoncilho de leite, as jericalhas (qualidade de flan), os crepes tuti fruti, sorvetes e doces.

Se você é de paladar mais conservador, ou dos que preferem tiragostos, não fique preocupado, pois México oferece rica variedade. Experimente as pamonhas de carne, com milho cocido e embrulhado em folhas da mesma planta, os "burritos", preparados com omelete de milho em farinha onde embrulha-se todo tipo de guisados, as Torradas de frango com alfaçe e abacate, as flautas, com omeletes de milho fritadas e enroladas, o queijo Oaxaca, chouriços, os pasteis de carne, as memelas – tortas cobertas de diversos ingredientes ou os tacos de huitlacoche, um fungo parasita do milho. Geralmente os jantares se servem entre as 20.00 e as 22.00, com alguns dos pratos citados neste sugerente listado. Tem quem prefere uma taça de chocolate com pão doce.

Bebidas

Aconselhamos experimentar a cerveja mexicana nas comidas. É mais suave que a européia, e com a possibilidde de escolher entre uma rica variedade. As marcas mais destacadas são Coronita, Tecate, XX Lager, Modelo, Bohemia, Pacífico, Noche Buena (encontrada na época do Natal), Negra Modelo, Corona e Superior.

Quanto aos vinhos nacionais, encontrará alguns de ótima qualidade. Recomendamos as marcas L. A. Cetto, Clafia e Los Reyes. Outra possibilidade é o pulque, que só poderá experimentar-lo em uma pulqueria (onde geralmente está proibido o acesso as mulheres).

Trata-se de uma antiga bebida nacional que se obtém da água-mel do maguey e, que fermenta em alforjas de couro de bode. Alguns preparam-no com frutas para inaltecer o gosto.

Como aperitivo, o tequila é o rei. É o licor nacional, que se obtém da destilação do suco fermentado do agave azul. Originário do Estado de Jalisco, começou a ser produzido no século XVII e na atualidade consiste em uma das bebidas mais internacionais. Serve-se num dedal e bebe-se de um gole, para depois chupar um pouquinho de sal e limao e alcançar o ponto do equilibrio.

Também, pode ser bebido com um dedal de sangria, um suco de laranja, pimentão, limão e sal. Existem várias qualidades de tequila, como o branco, de gosto forte e o mais usado para as bebidas preparadas, embora possa ser consumido só; ou o idoso, mais escuro e suave de gosto.

Entre as marcas mais reconhecidas encontra-se o Tequila Cuervo, Sauza, Orendaín e Herradura Reposado. Nos últimos tempos, devido ao importante aumento da demanda internacional e à escassez que provoca a mesma, os preços do tequila subiram notavelmente. Porém, nao se pode abandonar o país sem ter experimentado o internacional coctel margarita, preparado com tequila, gelo, limão e sal.

Em algumas regiões do México destilam-se diferentes licores espirituosos, baseados em erbas e plantas. Experimente o mezcal, originário de Oaxaca e engarrafado com um pequeno verme proveniente da mesma planta, o damiana, licor de ervas originárias dos estados de Baixa Califórnia e Sinaloa e que, segundo o pessoal, tem propriedades afrodisíacas. Outra possibilidade é o xtabentú, licor elaborado com mel originário de Yucatao, parecido com o anis.

Beba água engarrafada ou gasosas (como a célebre sidral, de suco de maçã ou a sangria –sem álcool), e evite em determinados lugares os cubos de gelo. Os sucos liquificados e águas frescas de jamaica ou tamarindo são deliciosos; deve experimentá-los.

Conselhos Práticos

Para que o seu encontro com a gastronomia converta-se em uma experiência deliciosa, é aconselhável conhecer alguns conselhos.

Quanto ao lugar

Deixe-se guiar pela intuição e utilize o seu próprio critério e senso comum. Se, o lugar estiver cheio, deve ser por uma boa razão. Pode -se aventurar além do seu hotel, lembrando que nem sempre o mais caro é o melhor.

Comer na rua

Para comer nos botecos das ruas, precisa-se ter prudência. Quase todos tem boa comida a preços de vantajosos, mas é preciso prestar atenção às medidas higiênicas.

Comida Internacional

No méxico vai encontrar numerosos restaurantes que preparam comida de outros paises, como a chinesa, japonesa, libanesa, espanhola, etc.

Os Preços

Nos últimos tempo, os preços dos alimentos tem sido incrementados. Porém, com a desvalorização do peso (ano 1994), ainda são muito econômicos.

Paciência

Para os mexicanos as comidas são tembém um momento de encontro e conversa. As comidas são relaxadas e requerem seu tempo. A conta nunca é apresentada até ser solicitada ao moço (mesero) e pode demorar. Seja paciente.

Compras

México é um paraíso para as compras. As tentações, em forma de artesanato, espreitam inesperadamente em todo canto. Aconselhamos a deixar-se ser tentado, já que os preços são vantajosos e, a qualidade aceitável. Lembre de pechinchar, especialmente nos centros de artesanato e nos postos das ruas. Nas lojas e boutiques é menos frequente mas, por tentar não perde nada.

A melhor alternativa é mergulhar nos inumeráveis mercados que existem em quase todo lugar. Labirintos de postos e lojinhas onde abundam cores, cheiros, sons e sabores, assim como, grande variedades de produtos.

Na Península de Yucatao e nas zonas da Rota Maia, principalmente em Cancún, Mérida ou são Cristobao de Las Casas encontrará excelentes redes tecidas em algodão puro, em tons suaves e pálidos, cestaria e olaria de barro, não vetrificado e vetrificado, taças, jarros, pratos, fontes, etc.

Destacam-se, as belas máscaras talhadas em madeira da região de Chiapas. Em Cancún vai encontrar artigos de todas as zonas do país, porém os preços resultam bastante elevados pelo que é melhor fazer as compras em outras cidades.

Quanto aos tecidos e têxteis, o México conserva uma tradição milenar. Sobressaem os famosos e típicos "huipiles" (camisas sem mangas) da zona de Guerrero, Ometepec e Oaxaca, assim como, os bordados de Puebla e dos índios Huicholes. Vai encontrar excelentes tecidos emáguascalientes, a capital dos brancos e, em Pâtzcuaro e Mérida.

Em São Luis de Potosí achará delicados "reboços" ou chales de seda, enquanto que em Veracruz pode adquirir um Quechquémtl, ou capa para as mulheres, bordada em ponto de cruz pelos índios huastecas. Outros dos lugares onde encontra-se excelentes tecidos é Jocotepec.

Os artigos de cestaria, jarapas e sacolas, tem sua capital em Tequisquiapan, no Estado de Querétaro. Em Veracruz, por toda a zona costeira, pode adquirir pequenas esteiras elaboradas com folha de palma. Em são Miguel de Allende, Guanajuato, vai encontrar variado artesanato, e não esqueça de perguntar pelas figurinhas, delicadamente, trabalhadas em papel machê. As pinturas em cortiça de árvore, chamadas hamate, encontram-se, preferencialmente, no Estado do México. Os chapéus do Panamá são tecidos em Bekal, Campeche.

Tlaquepaque e Tonalá, no Estado de Jalisco, são os melhores lugares para adquirir cerâmica e olaria. Desde os mais simples objetos, como as máscaras ricas em cores, até importantes obras artísticas. Aqui encontram-se as oficinas dos mais famosos artesãos, como o de Sergio Bustamante, que destacam-se pelos inovadores desenhos e as propostas vanguardistas.

Porém, o número de lugares é quase infinito: Puebla para as louças, azulejos e cerâmica de Talavera e os elaborados "árvores da vida", Oaxaca para as peças com formas de animais e a cerâmica tradicional ao fogo sem forno, em cores verde e preto, e Michoacão para as peças em vidro em tons verdes. Além disso, é bom levar em conta que muitos artigos de cerâmica, igualmente que na olaria, são enfeitados as vezes com pinturas baseadas em plomo, pelo que não devem ser usadas para a elaboração de alimentos.

Quanto a peças trabalhadas em madeira e laca, recomendamos as produzidas em Sonora, especialmente pelos índios Seris. Porém, Uruapao e Paracho, no Estado de Michoacao, destacam-se pelos objetos lacados ou pintados e pelas guitarras.

Os móveis mexicanos, de estilo colonial e com uma lograda aparência de antigos, encontrar-os nos Estados do centro da República, como em Guanajuato. Os de caoba e cedro fabricam-se em Mérida, Yucatao, Valladolid, Tabasco e Campeche.

México é o primeiro produtor de prata do mundo, razão pela qual encontrará um amplo mosaico de artigos trabalhados neste metal. Taxco, em Guerrero, é a cidade da prata e suas ruas estão cheias de joalherias. Porém, nao é possível deslocar-se até lá, tendo como alternativas o Estado de México, Toluca, Oaxaca, Zacatecas, Guanajuato, Tlaquepaque ou Querétaro.

Procure adquirir a prata em estabelecimentos reconhecidos, onde oferecem todo tipo de garantias e seguro que na peça aparece gravado "925", que significa que é de prata com um 92, 5 % de pureza. Cobre encontrará em Michoacao e Vila Escalante.

Nao pode abandonar o Norte do México sem vestir um blue-jeans. Desde a cabeça, com um excelente chapéu texano, passando pelos cinturões de couro e pele, gravados, ci e com milhares de fivelas para escolher. E por último, um par de botas caipiras.

Tem de todo tipo e de toda as peles: avestruz, touro, elefante, iguano, cobra, etc.

Os artesanatos tarahumaras, com são os mais primitivos e menos elaborados, que os dos povos do sul, tem especial encanto: talhas em madeira, vasilhas de barro e cinturões de cores tecidos à mao.

Deixe um espaço para uma garrafa de mezcal (com verme incluido) e para uma boa garrafa de tequila do povoado de Tequila, onde encontram-se os melhores agaves, no Estado de Jalisco. Nao esqueça-se, também, de degustar e adquirir os deliciosos doces de Puebla, Guanajuato, Morelia e León.

Para finalizar, na Cidade do México encontrará de tudo o que é produzido no país. Tem numerosos mercados de artesanatos e mercadinhos fim de semana, onde achará peças únicas, como é o caso do Bazar do Sábado, em São Angel, sem esquecer-se dos centros comerciais com rica variedades de artigos e com as melhores firmas internacionais. Também, as lojas de artesanato gestionadas pelo Governo, conhecidas como Fonart, oferecem artigos de qualidade, porém os preços são mais caros que em outros lugares.

A exportação de peças pré-colombianas está proibida, pelo que evite este tipo de compras.

População e Costumes

Quando pergunta-se aos turistas que estiveram no México, como são os mexicanos, as respostas costumam ser variadas, extremas e difíceis de arrumar formas e tipos. É que, os mexicanos são o resultado de estranhos encontros que sucederam-se nos últimos seis séculos.

A essa pergunta poderia-se responder com a célebre frase de um presidente mexicano: "os mexicanos não são isto nem aquilo, mas tudo ao contrário".

Porque os mexicanos são um impressionante quadro de paradóxos e contrastes.

A razão deste jeito de ser tem sua origem na mestiçagem entre indígenas e os primeiros espanhóis, entre os crioulos e os indígenas e entre os crioulos e os espanhóis. Enfim, é o resultado estranho de um labiríntico encontro. Alguns afimam, que a contradição entre as duas cosmo-visões, a do indígena com um sentido da vida mais harmônico e, pela outra, a do mestiço que, no empenho por afirmar-se, provocou este especial caráter que define muito bem esse "X" que encontra-se no centro da palabra "México".

Como disse o escritor Alfonso Reyes, é impossível chegar perto do México e dos mexicanos sem entender as contradições que este "X" tem imposto na definição de identidade de um povo que, ainda hoje, nega-se aceitar a dualidade da sua origem.

Pois, os mexicanos, embora mostrem uma forte coesão e um sólido sentimento nacionalista, não resolveram ainda as contradições internas derivadas do fato de ser um país pluri-étnico e pluricultural, onde enfrentam tradições e costumes pertencentes as expressões mais genuínas da modernidade e do progresso.

Nos mexicanos encontra-se com frequência sentimentos machistas e malinchistas. Malinchistas (o termo provém da Malinche, a admirável indígena que foi a intérprete de Hernão Cortés), por admirar o alheio e o estrangeiro, e machistas por, dissimular complexos de inferioridade com atitudes de prepotência.

Porém, os mexicanos não são assim, que dizer, nem isto e nem aquilo, mas tudo ao contrário. Os mexicanos são gente amável, porém impulsivos e violentos, segundo o caso. Gente aberta mais reservada, generosa, porém desconfiada, com uma visão de vida, séria e pessimista, enquanto afirmam que "a vida não vale nada" e, por isto aludem, em forma de brincadeira, à figura da morte. Os mexicanos são tudo isso e tudo ao contrário.

Mas não fique alarmado, já que desfrutará profundamente do trato com os mexicanos, porque são, sem contradição nenhuma, estremamente hospitaleiros. As condutas afetuosas são muito comuns e, descubrirá como dão-se aa mãos, cumprimentando-se, no encontro e na despedida. Aconselhamos-lhe a ser gentil, já que para os mexicanos a gentileza é sinônimo da educação. Procure pedir as coisas acompanhadas de um "por favor" e não esqueça de dar sempre graças.

Aceite sempre um convite, embora não esteja afim, pois é melhor aceitar e não se apresentar, que rejeitá-lo. E, se marcou hora com alguém, pode esperar um bom tempo, pois o relógio dos mexicanos funcionam mais devagar que os outros relógios do mundo.

Também, aconselhamos não elogiar em excesso qualquer pertinência do seu interlocutor, porque poderia acabar dando-a de presente e você terá que aceitá-la.

No México o sentimento de pudor é muito forte, pelo que deverá comportar-se. Em muitos lugares, sobretudo nas zonas que não têm praia, não são bem vistos os calções curtos nos homens. Evite entrar com eles nos templos. O traje de banho é bem visto apenas nas praias, mas não fora delas.

Os mexicanos professam profundo sentimento religioso, por isto evite entrar em discusões profundas neste tema. Pelo contrário, é melhor interessar-se e, tentar decifrar as raizes desta experiência, que tem a base nos cultos anscestrais dos indígenas. Lembre-se que, no México habitam 56 etnias, entre as que encontram-se os Chinatecos, Huastecos, Huicholes, Tarahumaras, Lacandones, Chichimecas, Chinatecos, Nahuas, etc. Convidamos-o a descobrir este precioso mosaico de culturas, tradições e costumes, onde convivem numerosos universos que, inevitavelmente, acabarão por cativá-lo.

Entretenimento e Festividades

No México não existe o tempo para o aborrecimento ou o tédio e as possibilidades são infinitas. O país oferece uma rica e variada gama de possibilidades para entreter o espírito e o corpo. Atividades para quem gosta de participar e para quem desfruta só olhando. De qualquer jeito podemos garantir que o México é sinônimo de excitação, atividade e alegria.

Praias

Como não poderia deixar de ser, no México desfrutará de excelentes praias. Mais de 9.000 quilômetros de costas, abrangendo quatro grandes extensões aquáticas, fazem do México um paraíso e, um dos lugares mais importantes quanto a praias.

Existem para todos os gostos (desde águas tranquilas até águas com ondas importantes), assim como, instalações turísticas para qualquer economia, desde as típicas cabanas com tetos de palapa, até as construções mais modernas.

Por outro lado, todas as praias do México estão abertas ao público sem custo algum sendo necessário levar em conta algums conselhos:

Lembre que muito poucas praias do México contam com socorristas, pelo que é aconselhável extremar as precauções na hora de nadar.

O Top-less e o nudismo estão proibidos nas praias mexicanas. Existem algumas exceções como, no caso de Porto Angel, em Oaxaca, que conta com uma praia de nudismo. Em Cancún, em determinadas zonas, tolera-se tomar sol com o torso descoberto.

Nunca nade sozinho e nem de costas para o mar, já que as ondas são imprevisíveis. No caso de ser puchado pela correnteza marítima, não fique com medo e tente nadar paralelamente à praia, pois geralmente em 20 metros as condições mudam, sendo mais facil nadar para a areia.

Nas praias é preciso o uso de protetores solares e evitar o sol entre as 12.00 e as 14.00 h.

Preste atenção as bandeiras que indicam a situação das águas (azul, em boas condições, amarelo, precaução, e vermelho, evitar o banho).

Em Cancún, sobretudo pela qualidade da areia que, dada sua composição, é chamada pelos habitantes "areia de ar condicionado", destacam as Praia Tartaruga, Praia Chac Mool ou Praia do Rei, onde poderá tomar banho sem problemas.

Outras praias do México são Loreto, La Paz e Os Cabos (Baixa California), Guaymas (Sonora), Mazatlao (Sinaloa), Porto Vallarta (Jalisco), Manzanilho (Colima), Ixtapa Zihuatanejo e Acapulco (Guerrero), Porto Escondido e Huatulco (Oaxaca), Cozumel (Quintana Roo) e Veracruz.

Mergulho e atividades aquáticas

Os 9.600 quilômetros de costa do México oferecem infinitas possibilidades para os esportes aquáticos como o surfing, boogie board, esqui á jato, broncos (mini-lanchas), velawindsurf, etc. Em muitos hotéis poderá alugar o equipamento necessário, ou então nos centros de atividades esportivas aquáticas.

Se gosta do mergulho, Os Cabos oferece restos de naufrágios, cavernas e até cachoeiras de areia submarinas. No Mar de Cortés, de Loreto a La Paz e ao redor de Os Cabos, tem uma das zonas mais plácidas e calmas para o mergulho. Na Ilha Mulheres e em Cozumel poderá desfrutar de excelentes profundidades.

Os amadores de l snorgeling ou scuba encontrarão um verdadeiro paraíso no Caribe, com uma visibilidade de até 60 metros. Para os menos experimentados aconselhamos a formosa lagoa Xel-Ha, muito perto de Tulúm.

Em Cozumel com formações de coral preto, os restos de um avião e, 32 quilômetros de arrecifes, incluindo o Grande Arrecife Maya (GAMA), o segundo maior do mundo. Outros dois lugares para praticar este esporte são Porto Valharta, onde poderá submergir-se na reserva natural de Os Arcos e na Praia de Mismaloya, em Mazatlao, na Ilha do Veado, em Ponta Mita e Guaiabitos (Nayarit).

Em Huatulco e encontrar mais de 30 quilômetros de tranquilas baias com muito que explorar e, em Ixtapa-Zihuatanejo descobrirá mais de 30 privilegiados enclaves, entre os que se encontram deliciosas praias de coral pouco profundas. Em Akumal, nos meses do verão, poderá observar as grandes tartarugas sairem das águas e por seus ovos na praia.

Pesca

A pesca esportiva no México pode-se praticar quase todo o ano e constitui uma das atividades mais fascinantes do país. Os melhores emprazamentos para a pesca deágua doce são, tal vez, a Lagoa de Coyuca em Acapulco, os Lagos Comedero e O Salto em Mazatlan. Se preferer o mar, Cabo são Lucas acolhe a mais de 850 especies de peixe.

Sugerimos, porém, que entregue de volta suas capturas aoágua, para que outros possam disfrutar como você. Lembre que os arpões e outras armas de caça são ilegais no México e, que é necessário permissão para seu uso. Geralmente, o relacionado com licenças e permissos é tramitado pelos operadores especializados neste tipo de excursões. Normalmente, os tours de meio dia ou de dia completo incluem tudo o que é necessário.

Golfe e Tênis

Os Campos de golfe mexicanos estão situados entre incríveis paisagens naturais (com ruinas maias nos arredores) e, embora apenas uma dúzia deles tenham categoria internacional, os campos de golfe mexicanos não tem nada a invejar dos melhores do mundo. são muitas as razões que fizeram do México um dos lugares mais procurados pelos golfistas: o fato de estar situados em cenários naturais de grande beleza, por ser desenhados com qualidade, porque neles não existe multidões, pelo excelente serviço e os preços razoáveis. Nao importa se é principiante ou se tem experiência, convidamos voce a desfrutar das magníficas instalações.

Para quem prefere o tênis, a maioria dos hotéis contam com pistas para a prática deste esporte. Em Cancún encontra-se incluido canchas cobertas com ar condicionado.

Caça

A caça de aves concentra-se em três zonas do México: Sinaloa e Sonora no noroeste do México, Baixa Califórnia Sul (perto de Os Cabos) e nos estados de Yucatao e Campeche. É conveniente informar-se com relação as normas que regulam as atividades de caça, assim como, da importação de armas de fogo, as licenças necessárias e o calendário e temporada de caça. Pode obter informaçao em sua agência de viagens ou contactando com o Departamento de Flora e Fauna na Cidade de México.

Atividades Ecoturísticas

As excursões a os trekking são possibilidades muito atrativas. Visite o norte do México, especialmente Chihuahua, que é promocionado como o "Caminho da Aventura".

Conta com maravilhosos cenários naturais: zonas montanhosas, rios para praticar a pesca e a caça, cachoeiras, bosques de pinheiros, extensos planaltos e desertos. Dependendo de seus interesses pode-se desenhar tours interessantes. (Ver Apartado de Ecoturismo).

Espetáculos e Outros Eventos

No México encontrará infinitas possibilidades para assistir a todo tipo de espetáculos. Na cidade de México não deixe de conhecer o Palácio de Belas Artes, para desfrutar do Balé Folclórico e os bailes tradicionais de todos os estados da República. Tem lugar as quartas-feiras e domingos.

Quanto aos eventos esportivos não deixe de assistir ao jogo do Jai-Alai ou bola vasca que pratica-se no Frontao México todas as noites (exceto segundas e sextas-feiras). Porém, o esporte mais popular é o jogo de bola.

No Estádio Azteca, o segundo maior do continente, poderá vibrar e desfrutar de um espetáculo popular, único no mundo. Se preferir, vá ao Hipódromo das Américas onde a estrada é livre e a aposta mínima. A temporada de corridas de cavalos é de 12 de outubro a 16 de setembro. As charreadas costumam ser celebradas ao redor das 10.00 h em numerosos locais charros que se encontram-se nas principais povoações do centro do México.

Os mariachis colocam fundo musical à difíceis provas, como a derrubada de vacas, manejo de cordas ou as carreiras das adelitas. Outra possibilidade é assistir a uma tourada (nas principais cidades) ou na Monumental Praça de Touros do México (a maior do mundo). A temporada se extende de novembro a março-abril. De abril a novembro realizam-se novilhadas.

Ao Final do Dia

Quando chega a noite a festa direcciona-se em outros sentidos. Nas principais povoaçoes do país ira encontrar bares, clubes, centros noturnos e cafés onde poderá passar um bom tempo, sem esquecer as discotecas, algumas delas com o que de mais avanzado há quanto à luzes e som.

Outra alternativa é a famosa Praça Garibaldi, na Cidade de México, onde poderá contratar um grupo de mariachis para tocar pra você cançoes a seu gosto. Também encontrará mariachis em Tlaquepaque, em Guadalajara e em quase todas as cidades do país.

Existem ademais novos centros que reunen sob o mesmo teto diferentes alternativas como boliche, mesa de bilhar, cafés, restaurantes, sala de jogos, etc. Um bom exemplo, único no norte, é Juventus Bowl em Chihuahua.

Nas noites, em Cancún pode visitar alguns dos numerosos centros noturnos, clubes e discotecas que proliferam por todo lado. Se preferir um lugar mais tranquilo, aconselhamos um jantar em algum cruceiro ou bem acudir ao espetáculo del Balé Folclórico com ceia incluida e, que apresenta-se em diversos locais segundo o dia.

Podemos assegurar que na sua estadia no México não terá tempo para o tédio e aborrecimento. México é um país em permanente festa.

Transportes

Avião

Numerosas companhias aéreas voam para o México desde Espanha. Empresas como Ibéria, Air Europa, Lufthansa, KLM, British Airways, Air France, Swissair, Alitalia, SAS ou TAP tem frequentes vôos à Cidade de México, fazendo escalas em determinadas cidades.

Também pode-se chegar ao México pelas companhias aéreas norte-americanas que voam desde Espanha, realizando uma escala nos Estados Unidos. Aero-México tem 5 vôos semanais diretos desde Madrid à Cidade do México.

As principais cidades e capitais, assim como numerosas povoações do México, estão ligadas por via aérea. As companhias com mais presença são Aero-México, Mexicana de Aviação, Taesa e Aero-California. Porém, nos últimos anos tem proliferado numerosas empresas que operam com aviões pequenos e médios cobrindo diversos destinos.

Precisa-se anotar que a maior parte destes vôos realizam escalas e, em muitos casos é necessário trocar de avião em Cidade do México. Por exemplo, para voar de Cancún a Acapulco, vai precisar trocar de avião no aeroporto Benito Juárez da Cidade do México. Não é necessário comprar passagem de ida e volta, já que o preço é fixo pelo trajeto que realizar.

Aconselhamos que, se pensa utilizar este tipo de transporte, realize reserva com antecipação, já que em temporada alta é difícil conseguir vaga. As tarifas são ligeramente mais econômicas que as espanholas e, mais caras que as norte-americanas.

O Aeroporto Internacional Benito Juarez da Cidade do México encontra-se dentro da cidade, pelo que está perfeitamente comunicado por metro, ônibus e táxi.

O aeroporto de Cancún tem muito movimento devido a intensa frequência de vôos regulares e charters. Aero-Caribe e Aviacsa cobrem diversos destinos da rota maia. A primeira oferece um Maypass com que pode-se realizar um determinado número de vôos a preços interessantes.

Ônibus

Este é, sem dúvida, o meio mais econômico, utilizado e popular em todo México. Provavelmente não existe cidade nenhuma e nem povoado, por mais longe que esteja, que não ache comunicação, por este meio de transporte.

Existem diversas classes de serviços como o "turista", "executivo", de primeira, segunda e até de terceira categoria. Os ônibus de primeira classe ou de classe especial, que transitam pelas principais estradas, são novos, limpos, confortáveis, con televisão, serviço sanitário e com assentos largos e abatíveis.

Tem serviços diretos, que somente param para comer e outros que, vão parando em algumas povoações. Recomendamos viajar em primeira (a diferença com a segunda classe é somente de 10%), já que o preço é muito econômico. Para os povoados de menos importância, os ônibus são de segunda e terceira categoria.

Nao é costume vender passagem de ida e volta. Existem numerosas linhas que cobrem com muito boa regularidade diferentes zonas. Porém, nos lugares mais longe, as frequências são mais bem escassas.

A Cidade do México conta com quatro estações de ônibus: Estação do Norte, Estação do Sul, Estação Poente e Estação Oriente. De acordo com o destino e endereço, terá que procurar a uma delas. Por outro lado, a maior parte das cidades contam com sua própria rodoviária, de onde partem todos os ônibus. Geralmente, estão nas redondezas da cidade. A estação central de ônibus em Cancún encontra-se na Ave. Uxmal e, desde lá pode-se ir as principais povoações e centros de interesse da Península de Yucatao.

Trem

Este é o meio menos recomendável para deslocar-se dentro do país, sobretudo pelo demorado serviço. Se tem tempo, a experiência pode ser inesquecível, além de que permitirá conhecer muito de perto os mexicanos. Nos últimos anos tem surgido novas rotas, nas que o governo mexicano investiu importantes quantidades para melhorar o serviço, introduzindo novos camarotes-cama e vagões-restaurantes.

As rotas que mais chamam a atenção são o Trem Jarocho, que opera entre Veracruz e a Cidade do México; o Trem O Tapatío, que liga Guadalajara com a capital do país; o Trem Oaxaquenho, que opera entre Oaxaca e Cidade do México; O Constitucionalista, que liga as cidades coloniais de Querétaro, São Miguel de Alhende e a capital do país; e o Trem O Purepechá, entre Cidade do México e Morelia.

Se viajar ao norte, não deixe de realizar o percurso no trem Chihuahua ao Pacífico, uma das viagens mais espetaculares pela beleza da paisagem. É além, uma das obras de engenharia ferroviária mais relevantes do mundo, sendo o único meio que percorre toda a Serra Madre.

Para este percurso precisaram de 37 pontes e 86 túneis (um deles com quase 2 quilômetros de comprimento), para os 635 quilômetros que separam a cidade de Chihuahua e Os Mochis. Os vagões são cômodos e as tarifas econômicas. O trajeto Chihuahua-Os Mochis é de 10 h. aproximadamente.

Automóvel

É um dos melhores meios para conhecer o país. As empresas de aluguel de carros estão presentes nas principais cidades, além de numerosas empresas de caráter local. É necessário apresentar licença de dirigir em vigor, uma carteira de crédito e ser maior de 21 anos.

Aconselhamos contratar um seguro complementário em caso de roubo ou acidente e, dirigir com precaução. Em termos gerais as estradas estão em bom estado e existem vários trechos de autovias (geralmente de pesagem) entre as principàis povoações. A velocidade máxima é de 100 km por hora nas estradas e 50 quilômetros nas zonas urbanas.

Procure viajar de dia, faça pelas estradas principais e preste atenção aos "topes" (estruturas de concreto colocados nos caminhos para obrigar a diminuir a velocidade) e, ao gado que pode andar solto em determinadas zonas. Viaje com o depósito de gasolina cheio, já que em algumas zonas as bombas são mais bem escassas.

Entre as qualidades de gasolina mais comuns encontra-se a Nova (bombas de cor azul), gasolina com chumbo de 81 octanos para veículos anteriores a 1991 e a Magna Sin (bombas cor verde), sem chumbo e para veículos posteriores ao ano 1991. Convem verificar a leitura da bomba antes e depois do serviço. É costume deixar uma pequena gorjeta para a pessoa que serve o combustível.

As principais estradas do México estão vigiadas pela Polícia Federal de Caminhos e pela Policia Auxiliar de Turismo, conhecida carinhosamente como os "anjos verdes" devido à cor das combis que dirigem. Trata-se de oficiais bilingües, capacitados para atender à maior parte dos concertos de emergência. O serviço é de graça, a exceção da gasolina e os repostos. Em caso de ajuda pode ligar ao 01-800-90-392.

Nos caminhos rurais e nas zonas de montanha recomenda-se, antes de iniciar a viagem, perguntar pela situação dos caminhos, se chover pode ter perigo de atolamento. Aconselhamos à estacionar em lugares vigiados e, se em alguma ocasião descobre-se que retiraram-lhe a placa, é que algum agente de polícia considerou que estava mau estacionado. Para recupera-la deve-se ir a Chefia da Polícia, depois de pagar a multa.

BARCO

Existem barcas com diferença frequência entre A Paz, Baixa Califórnia e Mazatlao, Sinaloa, com uma escala em Topolobampo, Os Mochis, porta de entrada à zona do Barranco do Cobre. A viagem tem uma duração de 16 horas em cada sentido (o avião só precisa de 20 minutos).

Na Península de Yucatao existem vários ferris de pasageiros que ligam Cancún (desde Ponta Sam e Porto Juárez) e Ilha Mulheres. Com tarifas muito razoaveis, tem 8 saídas diárias nas duas direções. O outro ferri de interesse é o que navega de Praia do Carmo à Cozumel. Existem 9 saídas diárias nas duas direções. Em alguns rios podem-se realizar excursões e trajetos de canoa até determinados lugares de interesse.

Transporte Público

As principais povoações do México dispõem do serviço de ônibus urbanos. As rotas podem ser anunciadas com números ou então indicando o destino com algum nome. As unidades geralmente são velhas e em mal estado, embora que nos uútimos anos tenham sido renovadas.

Na Cidade de México o mais recomendável é usar o metrô. Trata-se de um dos melhores serviços do mundo, limpo, rápido, econômico e eficiente. Tem os mini-ônibus, chamados combis ou "peseros" na capital e, em cidades como Guadalajara, Monterrei, Cidade Juárez, para citar algumas. É um transporte muito rápido, já que competem entre eles, para chegar primeiro as paradas e subir mais passageiros.

Paga-se ao início do trajeto e, é aconselhável fazer na quantidade exata. Embora que em Cancún poderá ir caminhando à maior parte dos lugares, o serviço de ônibus pode ser um alívio em algum momento. Anunciam-se com o número de rotas que realizam, seguido de um nome, por exemplo "Rota I, Zona Hotéis".

Táxis

Em geral os táxis do México são econômicos, porém as tarifas variam de uma cidade a outra. Nas principais cidades estão previstas de taxímetros e, no caso contrário, o melhor é combinar e pechinchar no preço antes de iniciar o trajeto. Os preços são geralmente mais baixos nas cidades do interior que nos centros turísticos de praia.

É bom se informar previamente do custo da viagem antes de abordar o táxi. Em alguns aeroportos e centrais de ônibus existem, à saida, passagens para táxi, com tarifas autorizadas. Pode utilizar este serviço. Provavelmente, a viagem de regresso ao aeroporto irá ser mais cara, pois aplica-se diferente tarifa. Não costuma-se deixar gorjeta.

Arte e Cultura

Arte Pré-colombiana

Ninguém duvida da grandiosidade dos povos pré-colombianos. Desde as origens, os indígenas mostraram uma profunda sensibilidade nas suas expressões artísticas. Povos como os olmecas, teotihuacanos, zapotecas-mixtecos, purepechas, etc, sobressaíram por sua elaborada arte.

Os maias desenvolveram uma civilização avançada, com grandes centros cerimoniais como Tikal, Palenque ou Copán, onde esculpiram delicadas estrelas, finas janelas ou elaboradas lajes. Por exemplo, na estrela de Quiriguá gravaram cálculos exatos das posições astronômicas, fazem 400 milhões de anos, calculando o tempo de um ano com maior exatidão, que o nosso atual calendário gregoriano. Não pode esquecer-se, além disso, as operações matemáticas e o fato de ter sido o primeiro povo americáno em trabalhar a escrita por meio de confusos hieroglifos.

Os maias destacaram em todas as artes, feito que constata-se na cerâmica policromada e chumbada, na decoração das fachadas, na refinada pintura, nas vasilhas de alabastro ou na incorporação de arcos em suas construções.

Nestas manifestações deixa –se sentir a influência dos toltecas, quando aparecem os chac-mooles, altares decorados com crânios e tíbias cruzadas ou os edifícios curculares. Seus sólidos conhecimentos urbanísticos foram o suficentemente extensos para poder construir terraças artificiais, calçadas, aquedutos e tanques nas cidades.

Os aztecas não introduziram grande inovações e, em suas pirâmides percebe-se a influência totlteca. Porém, destacaram-se por ter sido grandes artistas de profunda sensibilidade. A arquitetura e escultura azteca é impressionante, seguramente influenciada pelos ritos de sacrifícios humanos. As expressões transmitem muita força que, pode parecer no primeiro momento brutal, mas de uma original beleza quando estudada em detalhes.

Período Pré-clássico (2.000 aC ao 200 dC)

Neste tempo formaram-se os padrões principais da civilização mexicana e sua habilidde arquitetônica para trabalhar com a pedra, as técnicas manuais para os tecidos, cerâmicas, talhados em pedra e madeira, a escritura hieroglífica e, a divisão do tempo e as estações do ano. Graças à utilização de diferentes métodos agrícolas, a população cresceu rapidamente, convertindo as pequenas vilas em povoados. Começaram a surgir centros cerimoniais, que serviram também, como centros de troca e comércio.

Bons exemplos deste período são: São Lorenzo, La Venta, Tres Zapotes (Estado de Veracruz) e Cuicuilco, na Cidade de México.

Período Clássico (200 dC ao 900 dC)

Etapa em que acontece a transição das culturas rurais aos centros urbanos com hegemonia política e econômica. Neste tempo foi a "época dourada" para as expressões artísticas. Foi um tempo em que construíram-se importantes obras arquitetônicas, logrou-se uma planificação urbana avançada e, ocrreram relevantes fatos no âmbito intelectual. O comércio realizou-se de forma organizada o que, ao lado de uma estratificação de sociedade teocrática, permitiu aos governantes a criação de grandes impérios.

Os melhores exemplos deste período o encontramos em lugares como Teotihuacán e Cholula (na Mesa Central), El Tajín (Veracruz), Monte Albán (Oaxaca), Palenque e Bonampak (Chiapas), Dizbilchantún, Labná, Kabah, Sayil, Chichen-Itzá e Uxmal (na Península de Yucatán).

Período Pós-clássico (900 dC ao 1521 dC)

Este período caracterizou-se pela evolução das estruturas sociais, passando da ordem teocrática a ordem militar. Além disso, sucederam-se câmbios nos importantes centros cerimoniais (como Cholula, Chichén Itzá, Tenochtitlán), desaparecendo alguns e, outros florescendo.

O Período Pós-clássico esteve dominado pelo Império Azteca e pelo ressurgimento da civilização maia nas proximidades de Chichén-Itzá e Uxmal. As mostras deste tempo encontramos em sítios como Xochicalco (Estado de Morelos), Tula (Hidalgo), Tenayuca e Tenochtitlán (Mesa Central), Yagul e Mitla (Oaxaca) e Chichén-Itzá, Tulúm e Cobá na Península de Yucatán.

Arquitetura

A arquitetura dos séculos XVI ao XVIII é, sem dúvida, a marca mais visível do México colonial. Durante este período construiram-se perto de 15.000 templos e uma trintas catedrais, promovidas e construídas pela Igreja católica e, graças a abundante boa mão de obra indígena, mais o menos especializada (somente nos primeiros 50 anos foram construídos pelo menos 250 conventos de franciscanos, dominicanos, agostinhos e jesuítas).

A singularidade da arquitetura tem a sua base no relativo isolamento da colônia, e no comportamento dos próprios indígenas, durante sua fase de aprendizagem das técnicas espanholas. As propostas locais manifestaram nos desenhos ornamentais que iriam evoluir mais tarde, o plateresco. Nas primeiras construções, o marco mais chamativo são as capelas abertas (chamadas também capelas dos índios), assim como, os afrescos com fins didáticos. Os elementos góticos e renascentistas das construções combinavam-se com elementos mudéjares e arcaismos medievais.

Porém, é o estilo barroco que pode ser considerado como o primeiro estilo artístico americano e, muito especialmente, mexicano. Um estilo que adquire a sua própria aparência e que tem a melhor testemunha no Sagrário da Catedral Metropolitana. Coincide com o assentamento da colônia e o puxado econômico, situação que estava refletida na construção de numerosos palácios e casas singulares.

O século XVIIII é a época em que a arquitetura se mexicaniza, quer dizer, momento em que os crioulos e indígenas, com propostas mais vitalistas, desprezam os artezãos europeus. No final deste período, no século XVIII o barroco foi derivando para o churrigueresco, dando vida a uma arte excessivamente carregada. Finalmente o estilo herreriano acabou impondo-se, afastando os elementos decorativos, partes muito específicas das construções.

Durante o século XIX foi introduzido diversas correntes européias ecléticas do momento, especialmente as procedentes de Itália e França, existindo um período onde impôs o estilo Neo-clássico. Resultado disto, foram as construções como o edifício dos Correios e o Palácio de Chapultepec (Cidade de México), onde podem-se apreciar as diferentes correntes modernistas. No século XX a arquitetura mexicana renova-se com as propostas dos arquitetos como Luis Barragán o Villagrán García. Entre as obras contemporâneas, destacam-se a Cidade Universitária, o Museu Nacional de Antropología e História e o Museu Rufino Tamayo.

Pintura

Durante a época da colônia, a pintura mexicana esteve fortemente influenciada pelos temas religiosos e enfocada à técnica mural. Os grandes retábulos e os baixo-relêvos do espirito indígena constituíram as formas mais frequentes da escultura, daquele tempo. Durante o século XIX a pintura caraterizou-se pela influência acadêmica, porém no final deste mesmo século, surgiu o movimento chamado "pintores viajantes" onde as paisagens foram o tema predominante.

O século XX foi prolixo em representações históricas do país e, os movimentos revolucionários assentaram as bases do movimento muralista. Os pintores utilizaram a sua arte como instrumento de oposição política e nacionalista. José Clemente Orozco propos uma visão satírica e trágica. Diego Rivera recriou em suas pinturas a Conquista, desde o ponto de vista dos índios e, finalmente, David Alfaro Siqueiros decantou-se pelos temas sociais. Com esta sólida base surgem as obras de Rufino Tamayo, Frida Kalho, José Luis Cuevas ou Vicente Rojo, para citar alguns.

Música

Os rítmos mexicanos são o resultado de uma longa mistura entre numerosas formas de raças dadas, nos últimos 500 anos. Durante a época pré-colombiana a música formou parte de todas as cerimonias rituais. Os instrumentos como o huehuetl, espécie de tambor, o teponaztli, um pau ôco, as flautas de cana e argila, os caracóis do mar eram comuns nas cerimonias religiosas e civis.

Com a chegada dos espanhóis os rítmos conservam-se, porém misturados com os recém chegados e, os instrumentos espanhóis, como a guitarra, arpa, violino e órgão impuseram-se rapidamente. Entre a música popular destacam o huapango, rítmo originário de Veracruz que utiliza instrumentos de corda, sandunga, muito parecida ao fandango, a música rancheira, geralmente de temas de amor e dramáticos ou corrido, muito mais alegre.

Literatura

Os primeiros espanhóis enfocaram a literatura para a evangelização e, desta época conservaram as crônicas históricas, como as de Sahagún e Díaz do Castillo.

Destacam também, os temas que fazem referência à defesa dos índios e que tem o melhor espoente em Frey Bartolomé das Casas. Do século XVII destaca-se a extraordinária obra de Sor Joana Inés da Cruz, em cujos escritos poéticos trata do amor e a mulher.

No nosso século destacam-se Amado Nervo, ao que segue o também modernista Enrique González Martínez, caraterizado pela profundidade de seus pensamentos. Enrique Reyes trabalhou todos os gêneros. A obra de Carlos Fuentes reflete a sociedade contemporânea, enquanto que a poesia de Octavio Paz define-se como uma síntese das culturas mexicana e européia.

CAPITAL

A capital da República Mexicana é uma das mais povoadas do mundo, com 11 milhões aporximadamente, de habitantes e, uma zona de satélite que quase duplica sua população. Situada no leito seco do Lago Texcoco e rodeada de montanhas, foi chamada por Cortés como "coisa maravilhosa".

A cidade cresceu de forma desordenada, embora conservando sempre a herança histórica nas construções e costumes. México é uma tentação que encanta quem a conhece. Talvez o absoluto, a sua magnitude e por ser o reinado dos contrastes, alguns elementos possibilitam tão estranha fascinação.

Achamos que o melhor, é visitar os principais lugares de interesse do centro histórico, caminhando. Também pode utilizar o metrô, um dos mais eficientes, rápidos e limpos do mundo, as combes (chamadas "peseros", pequenos ônibus), os novos bici-táxis, o pequeno trem que realiza percursos turísticos, os ônibus ou bem o táxi.

O centro histórico era construído acima das ruínas da antiga Tenochitlán. Trata-se de um conglomerado de vestígios coloniais e ocultas construções aztecas. O melhor lugar para iniciar a visita é desde o Zócalo ou Praça da Constitución, a segunda praça maior do mundo. Em torno dela encontra-se o Palácio Nacional, com esplêndidos murais de Diego Rivera, a Suprema Corte de Justiça, o Portal de Mercaderos, a zona arqueológica do Templo Mayor, o Museu e a Catedral Metropolitana.

A construção deste impressionante templo iniciou-se no século XVI sobre o recinto cerimonial azteca e, não acabou até o XIX, ração pela que reúne vários estilos arquitetônicos como o renascentista espanhol, barroco, neo clássico francês e inclusive algumas das vidraçarias de Matias Goherita, além de excelentes mostras da arte contemporânea.

É a maior Catedral latino americana, e no seu interior destacam vários retábulos barrocos e Neo-clássicos. Não menos surpreendente é o Sagrario Metropolitano, considerado como uma das obras churrigurescas mais importantes do país.

Da Catedral, atravessando a rua, encontra-se o Monte Nacional de Piedad, o lugar onde existira o Palácio Axayácatl e onde Cortés esteve prisioneiro a Moctezuma. Do lado contrário, o Templo Mayor, conformado por duas pirâmides gêmeas e, lugar onde os aztecas adoravam a Huitzilopochtli, deus da guerra e a Tláloc, deus da chuva. Aqui, levanta-se o Museu que mostra peças achadas no jazigo e constitui um dos mais belos e modernos lugares de exibição com que a capital conta.

Muito perto, ao norte, a Praça de São Domingo, onde levanta-se a Antiga Aduana, considerada como uma das edificações mais harmoniosas do México e sede da antiga Santa Inquisição. Aqui encontra-se o Portal dos Evangelistas, chamado assim pelos numerosos escrivãos que, com suas velhas máquinas, relatam e comprimentam o que for solicitado (inclusive cartas de amor).

Voltando ao Zócalo e em direção sul descobrirá o Museu da Cidade, que exibe uma coleção de peças que mostram a história da capital. Muito perto está o Hospital de Jesus, fundado por Hernán Cortés, cujos restos estão enterrados embaixo de uma singela lápide, que não tem mais legenda no seu nome na igreja adjunta.

Voltando ao Zócalo e em direçao Oeste, pela rua Madero, pode-se visitar a Igreja-Convento de São Jerônimo, do século XVII. Entre seus muros viveu a célebre poetisa Sor Joana Inês da Cruz. A poucos passos a Igreja da Profesa, lugar onde iniciou-se a conspiração para alcançar a independência.

O Palácio de Itúrbide, do século XVIII, importante casa colonial, destacada pela arquitetura e, muito perto a Casa dos Azulejos, hoje café, onde aconselhamos a desfrutar de um gostoso desejum do tipo "ovos rancheros". A frente, o Templo de São Francisco e a Torre Latino Americana, com 177 metros de altura e a segunda em altura, depois da Torre de Petróleos.

Neste ponto descobrirá o belo e delicado Palácio de Belas Artes. Construído em mármore de Carrara, no início do século, seguindo o estilo Art Nouveau e acabando em pleno auge do Art Déco, é sede de importantes exposições, concertos, óperas. Coraise apresentações do Balé Folclórico.

Destaca-se, o maravilhoso pano de fundo de vidro de Tiffany, beseado em um desenho do célebre pintor, que representa os vulcões Popocatépetl e Iztaccíhuatl. Aqui aloja-se o Museu Nacional de Arquitetura. Muito perto o Palácio de Correios e "El Caballito", monumento dedicado a Carlos IV cuja figura é apagada pela perfeição com que seu autor, Tolsá, executou o corcel que monta o soberano.

Ao frente, o Museu Nacional de Arte, onde pode-se desfrutar um interessante percurso pela arte dos séculos XVI ao XX e o Palácio de Minería, a mais bela mostra do estilo Neo-clássico que caraterizou o México do fim de século.

Atrás, o Palácio La Alameda, tradicional parque que data do século XVI, um dos melhores lugares para observar a vida e costumes dos habitantes da capital.

Durante os fins de semana é ocupada por numerosos postos de comida e artesãos, além dos espetáculos de música e baile. Por perto da Alameda, o Museu de Artes e Indústrias Populares, desde onde pode-se ver o Hemiciclo Benito Juárez.

Muito perto, deixando atrás o parque, chegará à Igreja-Convento de São Hipólito, que merece uma visita por ser o lugar em que os espanhóis foram derrotados pelos aztecas na Noite Triste. Continuando mais para o Oeste pela Av. Juárez, chegará à Praça da República, onde levanta-se, majestoso, o Monumento a la Revolución.

A frente o Frontón México, lugar de jogo de bola vasca e muito perto, o Museu de São Carlos, de estilo Neo-clássico e, que aloja a tradicional Acadêmia de Pintura do México. A muitos poucos passos, no antigo Convento de São Carlos, está o Museu José Luis Cuevas e a colosal escultura "La Giganta".

Deixando esta zona, aconselhamos ir à Praça das Três Culturas, onde coincidem os alicerces de uma pirâmide azteca, um convento colonial e a moderna torre branca da Secretaria de Relações Exteriores a a Basílica de Guadalupe, tanto a construída em tempos de conquista como a nova, pelo prfundo significado religioso. Aqui sentirá muito de perto o fervor dos crentes. 12 de dezembro, Dia da Virgem de Guadalupe, milhares de peregrinos reúnem-se para cantar serenatas.

Vá até o Paseo da Reforma admirar as construções decimônonicas e modernas que são vigiadas. Em uma bela e animada praça levanta-se o Angel da Independência, o monumento mais simbólico da cidade.

Quando chegue a ele estará na conhecida Zona Rosa, um dos bairros mais elegantes e comerciais da Cidade de México. Pelo Paseo pode-se ir ao extenso Bosque de Chapultepec. Nesta zona encontra-se, no alto de uma pequena colina. O Castillo, onde viveu o imperador Maximiliano e, onde os nossos heróis morreram defendendo a sua escola Militar durante a guerra e, invasão norte-americana que custou ao país a perda dos Estados da Califórnia, Texas e Novo México.

Na atualidade aloja o Museu de História. O bosque acolhe o Zoológico e os Museus de História Natural, Arte Moderna, Rufino Tamayo e o importante Museu de Antropologia e História. Este último aloja a coleção de peças pre-colombianas, a mais importante da América. Nas 25 salas exibem peças de todas as culturas e lugares do México. Aconselhamos que o percorra em várias visitas (tem restaurante).

Em outra direção e para o sul, pela Av. Insurgentes, uma das mais compridas do mundo, poderá ter acesso a Coyoacán, bairro tradicional de México. As ruas conservam o ambiente colonial e o Templo de São João Batista, junto com os Museus de Frida Kalho e das Artes Populares, são alguns dos principaís atrativos da zona. Mais ao sul localiza-se a pitoresca Vila de São Angel. As ruas empedradas e as majestosas casas coloniais o convertiram em um lugar de elite. Nos finais de semana, numerosos artistas expõem os seus trabalhos, sendo bom lugar para algumas compras.

Aqui encontra-se o Museu Estudio Diego Rivera, em uma construção de estilo funcionalista e o Convento do Carmo, com uma das belas cúpulas policromadas da Nova Espanha e com a única coleção de múmias da cidade. Em uma fazenda antiga, desfrutá de um dos restaurantes mais elegantes do país, o "São Angel Inn".

Mais para o sul, depois do bairro de Tlalpan e do Estadio Azteca, com uma impressionante escultura metálica, o "Sol Roxo" de Alexander Calder, encontra-se Xochimilco, "Lugar das Flores" e testemunha das antigas lagoas de Tenochitlán. Neste lago os indígenas cultivavam verduras, flores e frutos nas chinampas, parcelas flutuantes de terra.

Aconselhamos dar um passeio pelos canais em alguma das trajineras ou lanchas enfeitadas com flores (de plástico). Não deixe de ir à praça e o mercado onde poderá degustar a comida mexicana e realizar algumas compras a preços baixos.

Em Xochimilco vá ao Museu Dolores Olmedo, com a coleção privada mais importante de Diego Rivera, com obras de Frida Kalho, peças de arte pré-hispânica e de artes populares. Encontra-se uma bela fazenda acondicionada para alojar tão importante mostra.

OS ARREDORES DO DISTRITO FEDERAL

Neste percurso iniciaremos pelos lugares de interesse do estado do México, para continuar pelos estados de Morelos, Puebla, Tlaxcala e Hidalgo. Realizaremos um curto pulo ao Estado de Guerrero.

ESTADO DE MÉXICO

Aproximadamente a 40 quilômetros para o norte de Cidade de México encontra-se Teotihuacán, cujo nome significa "lugar de deuses". Trata-se de um impressionante conjunto arqueológico abandonado no ano 800 e composto pelas Pirâmides do Sol, da Lua, a Calçada dos Mortos, a Ciudadoa, o Templo de Quetzacóatl e o Palácio Quetzalpapalotl. A magnifIcência do caminho vai cativar-lo.

Muito perto é bom fazer uma parada no Convento de Acolman, o melhor lugar para compreender a mestiçágem entre as duas cosmo-visões que fizeram possível, o México de hoje: a indígena e a espanhola.

Outra das excursões que pode-se fazer desde a Cidade de México é a visita à Valle de Bravo, encantador lago rodeado de montanhas. Encontra-se a 80 quilômetros de Tpluica e constitui um dos mais importantes centros naúticos do país, onde junto com o esquí aquático, nevegação à vela, vôo sem motor, equitação e golf, poderá desfrutar de excelentes restaurantes e discotescas cheias de gente jovem.

Toluca

Toluca, a cidade mais alta do país, com 2.600 metros de altitude, é a capital do Estado de México. Nela distingue-se o Portal Madero e a Catedral, todos dois do século XIX, o novo Cosmovitral e Jardim Botânico, um encantador lugar de plantas e flores no que foi o antigo mercado, o Templo do Carmen, do século XVIII, o Templo da Santa Veracruz, século XVI, de fachada neoclássica e o Centro Cultural Mexiquense, 8 km ao oeste do centro da cidade e que acolhe o Museu de Culturas Populares, o Museu de Antropologia e História e o Museu de Arte Moderna.

Para os que gostam da natureza o Estado de México oferece, entre outros atrativos, o Nevado de Toluca (Xinantécatl), um vulcão com 4.558 metros de altura situado a 22 quilômeros da capital. E para os amantes da arqueologia, nada melhor que ir para a Calixtlahuaca, o assentamento Matlazinca mais importante do estado, onde destaca-se Teocalli (Casa de Deus), de planta circular e quatro edificações sobrepostas em distintas épocas, dedicado a Ehécatl "deus do vento".

Perto, nos bosques de oyameles, produz –se o maravilhoso fenômeno da migração anual da borboleta monarca, que pode-se contemplar dento de circuitos, severamente vigiados pelos guardas rurais, encarregados de fazerem respeitar o chamado "Santuário da Mariposa" (cfr. O apartado dedicado a Michoacao).

MORELOS

O Estado de Morelos caracteriza –se por ser um estado pequeno, por acolher bom número de mosteiros do século XVI e por alojar balneários emblemáticos como Oaxtepec.

Tepoztlán

A 80 quilômetros da Cidade do México, levanta-se Tepoztlán (Lugar do Cobre), em um verde vale rodeado de incríveis formações de montanhas. Foi aqui o lugar onde apareceu Quetzacóatl, o místico deus dos Aztecas. Provavelmente por isto, Tepoztlán converteu-se nos últimos tempos, em um lugar de encontro de intelectuais, artistas e boêmios. É aconselhável visitar o Ex-Convento Dominicano da Natividad, do ano 1506, de fachada plateresca, o Museu Arqueológico Carlos Pellicer, com interessantes peças pre-colombianas e a Pirâmide de Tepozteco, no alto de uma pequena montanha.

Cuernavaca

Para o sul da República. Em direção a Acapulco, encontra-se Cuernavaca, a cidade da eterna primavera. Trata-se de uma preciosa povoação onde o lazer e os passeios, visitando os monumentos coloniais, é a melhor atividade. Distinguem-se o Palácio de Cortés e o Museu de Cuauhnáhuac, com murais orientais e, porque nela pode –se apreciar as diversas etapas de sua construção desde a ano 1526 (Capela de São José, Templo da Asunción de María e Templo da Terceira Ordem de São Francisco), o Museu Robert Brady, com mostras de artistas contemporâneos, o Museu Herbolário, na antiga casa construída pelo Imperador Maximiliano, chamada também "La Casa do Olvido", o Palácio Municipal, do século XIX e o Salto de São Antón, uma cascata de 40 m de queda livre.

Taxco

Continuando pela estrada principal, mais para o sul, encontra-se Taxco, a capital da prata. A pequena cidade estende-se pelas ladeiras das montanhas e minas.

Aqui moran alguns dos melhores oríveres do mundo. Distinguem-se a Igreja de Santa Prisca, a peça mestra da arquitetura barroca, com impressionantes torres e uma inesquecível fachada churrigueresca, a Casa Humboldt que acolhe o Museu de Arte Virreinal, o Museu da Platería, onde podem-se ver os melhores trabalhos em prata, suas numerosas lojas de ourivesaria, as ruas empedradas e o pitoresco ambiente.

PUEBLA

Para definir o Estado de Puebla precisa-se dizer que é uma região de vulcões, vales, povoados típicos e, provavelmente, o lugar com alguns dos trabalhos mais importantes de arte colonial no México.

Puebla dos Angeles

Para o sul da Cidade de México, na direção à Veracruz, liga-se Puebla, "a cidade dos azulejos". Conta com perto de um milhão e meio de habitantes e entre os seus atrativos destaca-se a Capela do Rosário, recoberta de ouro, e lugar onde destaca-se toda a fantasia dos mestres barrocos; a Catedral, do século XVI com fachada estilo herreriano, a Biblioteca Palafoxiana no Antigo Palácio do Arzobispado, o Museu Amparo com uma extraordinária coleção de arte pré-hispãnico e colonial, a Casa das Artesãos no Ex-Convento de Santa Rosa, o Museu Bello e González com preciosa fachada, o Museu Regional do Estado na antiga Casa de Alfeíque de estilo barroco e o Teatro Principal, considerado como o mais antigo de América, para citar algumas construções emblemáticas.

Não deixe de visitar, pelar redondezas, os formosos conventos levantados ao pé do vulcão Popocatépetl, com preciosos pátios interiores de arcos decorados e fontes de pedra, formando um agradável conjunto; Huejotzingo, lugar onde elabora-se sidra e com o belo Mosteiro de São Miguel do século XVI; e Africam Safari, zoológico com animais em liberdade.

TLASXCALA

Tlaxcala é o menor estado da República Mexicana. São seus principais atrativos dois lugares, Tlaxcala e Cacaxtla.

Tlaxcala

A capital do estado é uma pacífica vila colonial. Ao redor das duas praças principais localizam-se seus atrativos, como o Palácio de Governo com belos murais do artista local Hernández, o Ex-Convento de São Francisco, um dos primeiros mosteiros do país, o Santuário da Virgem de Ocotlán, que além da fachada churrigueresca, é um dos centros de peregrinação mais importantes do México, e o Museu de Artes e Tradições Populares com o melhor dos trabalhos regionais.

Cacaxtla

A 20 quilômetros a sudeste de Tlaxcala localiza-se a Zona Arqueológica de Cacaxtla, antiga capital dos olmecas-xicalancas, atingindo seu máximo desenvolvimento entre 650 e 900 dC. Foi abandonada para o ano 1.000 da nossa era.

As ruínas de Cacaxtla escondem os mais belos afrescos de todo o país. As pinturas murais conservam seu colorido e força, só precisa chegar perto do Mural da Batalla para descobrir toda a magia das ruínas.

Este mural, realizado entre os anos 650 e 700 dC. representa a luta entre dois grupos: os vencidos levam adornos de cabeça feitos com ricas penas de aves, jóias e jade e encontram-se feridos, enquanto que os vencedores, a maior parte com couros de onça, atacam os inimigos com lanças, facas de obsidiana (pedra vulcânica) e lança-dardos. Para protegê-lo, foi construído um teto metálico que constitui uma das maiores superfícies cobertas do mundo.

HIDALGO

Ao norte da Cidade de México, pelo caminho que conduz a Tepoztlán (Morelos), vale a pena visitar as Ruinas de Tula, antigo assentamento fundado pelos Chichimecas. Destacam-se os "Atlantes", sólidas colunas de quase cinco metros que representam ferozes guerreiros (ver o apartado de Lugares Arqueológicos).

Pachuca

A "bela arejada" capital do Estado de Fidalgo é uma modesta cidade com população aproximada de 30.000 habitantes. Aqui tem o Museu Nacional de Fotografía, com um arquivo de mais de um milhão y meio de imagens, a Igreja da Assunção de século XVII e o Centro Cultural Hidalgo, no antigo Mosteiro de São Francisco (compreende dois museus, um teatro, galeria de arte e uma biblioteca).

GUERRERO

O Estado de Guerrero abrange uma agreste zona montanhosa (como querendo proteger as belas praias do Pacífico), dois destinos turísticos muito solicitados e, bom número de pequenos povoados costeiros e de montanha. A capital, Chilpancingo, acolheu no início do século XIX o célebre Congreso de Chilpancingo, onde realizou-se a Declaração da Independência.

Acapulco

Acapulco, nas costas do Pacífico, é um dos destinos mais explorados do México. A imagem da Quebrada, onde os cravadistas lançam-se ao mar desde alturas de vertigem, tem dado a volta ao mundo. Acapulco é sinõnimo de lojas,. bares, restaurantes, discotecas e praias como a do Revolcadero, estenso arenal com uma lagoa o a do Pie da Cuesta, lugar romântico, cujas palmeiras servem de marco a um dos entardeceres mais belos do país. Não é a toa que Acapulco é o destino turístico mais antigo do México.

Na zona centro e do velho Acapulco destacam o Zócalo, a Igreja de Nossa Senhora da Solidão, com duas preciosas torres cobertas de azulejos amarelos e azuis, o Forte de São Diego, reconstruído no séculpo XVIII e com fascinante museu no interior, o Mercado Municipal, o maior que pode-se ver em qualquer destino de praia, o Mágico Mundo Marino, onde realizam-se exibições marinhas sob teto e as Praias de Caleta e Caletilla. O coração da zona hoteleira é a Avenida Miguel Alemán, conhecida popularmente como "la costera", onde encontra-se o Parque Papagaio, o Centro Cultural Guerrero, provido de um moderno museu e, o Centro Internacional Acapulco, sede de importantes convenções como a do Tianguis Turístico Annual. Em La Costera concentra-se toda a vida da preciosa baia.

A sudeste de Acapulco, entre o aeroporto e a baia encontra-se Porto Marquês, tranquila bahia que acolhe o luxuoso complexo turístico Punta Diamante e Praia Revolcadero, uma larga faixa de areia branca, rodeada de palmeiras. É o melhor lugar para os surfistas e, para quem gosta do golfe. Não deixe de visitar o Complexo Vidafel, que conta com canais. piscinas e preciosos motivos decorativos de inflluência maia.

Ixtapa-Zihuatanejo

Ao norte destas costas encontra-se Ixtapa, o centro turístico mais moderno do ocidente mexicano, em claro contraste com Zihuatanejo, povoado que conserva o jeito tradicional e com perto de 60.000 habitantes.

Nos tempos pré-colombianos constituiu um santuário sagrado para a nobreza indígena do México e supõe-se que a zona foi na época uma sociedade matriarcal, já que o nome significa: "lugar de mulheres".

Distingue-se, além do ambiente pacífico, o Museu Arqueológico da Costa Grande de Zihuantanejo, que exibe peças de cerâmica e outros objetos encontrados na zona. Desde aqui pode-se viajar de lancha à Praia Las Gatas, lugar em que o "snorkeling" é a atividade mais praticada e, a Ilha Ixtapa, refúgio para a fauna selvagem onde habita tatus, mapaches, veados, iguanos e numerosas espécies de aves próprias da região. A melhor praia da ilha é Praia Coral.

Ao sul, a 20 quilômetros de Zihuatanejo, encontra-se Praia Branca, com enorme lagoa excelente para a observação das aves. As léndas de piratas e tesouros, faladas no povoado de pescadores, não desmerece as encantadoras praias de Barra de Potosí.

Fonte: www.rumbo.com.br

México

Dia de Los Muertos

No México contemporâneo, temos um sentimento especial diante do fenômeno natural que é a morte.

A morte é como um espelho que reflete como vivemos e nossos arrependimentos.

Quando a morte chega nos ilumina a vida.

Se nossa morte precisa de sentido, tão pouco sentido teve a vida, "diga como morre e te direi como é".

Fazendo uma comparação com os cultos pré-hispânicos e a religião cristã, se sustenta que a morte não é o fim natural da vida, se não uma fase de um ciclo infinito. Vida, morte e ressureição são os estados do processo que nos ensina a religião cristã.

O desprezo, o medo e a dor que sentimos diante da morte unem-se ao culto que profetizamos.

A morte pode ser uma vingança da vida, porque nos liberta daquelas vaidades em que vivemos e nos converte, no final , a todos por igual como somos, um monte de ossos. Então a morte vem, jocosa e irônica, a chamamos de "esqueleto", "ossuda", "dentona", "a magricela", "la parca". Ao ato de morrer damos definições como "petatearse", "esticar as canelas", "fugir", morrer.

Estas expressões só permitem brincar e criar mais brincadeiras com refrões e versos. Nossos jogos estão presentes nas caveiras de açucar, recortes de papel, esqueletos coloridos, piñatas de esqueletos, marionetes de esqueletos e quando fazemos caricaturas ou historinhas.

Fonte: br.geocities.com

México

Capital: Mexico City

Tamanho: 1,958,201 km²

População: 94.9m

Moeda: Peso Mexicano

Idioma: Espanhol

Visto: Não é necessário para os cidadãos da Comunidade Europea.

Desde paredes pintadas por Bonampak até Templos do Chichén Itzá, onde Olmec lideraram en Veracruz até o coração da selva Palenque, uma enorme variedade de sítios arqueológicos no México e impressionante. Além do oceano cristalino do Caribe, com enormes abismos e densas selvas e uma mistura extraordinária de culturas e paisagens.

A Cidade do México é uma das maiores do mundo. Congestionada, poluída e frenética, a capital foi originalmente fundada pelos astecas, onde se encontra os restos do Templo Mayor, pirâmide no coração da cidade de Tenochtitlán - "lugar do cacto" - atualmente onde está moderna praça pública, iluminada por luzes de néon.

Longe da capital, tudo passa devagar. As cidades coloniais, fundadas no período próspero da mineração da prata, descansam seguramente.

Dentro de uma pequena distância entre a Cidade do México, os lagos e os vulcões de Michoacán, são um outro mundo:tranqüilo dia-a-dia, pescam, plantam e vendem nos mercados locais na mais pura calma. Há duas horas ao sul da capital, a cidade de Taxco tem uma reputação pela produção de refinados utensílios de prata, mais a diante, estão os mercados indígenas em Oaxaca e cerca da bela cidade de San Cristóbal de las Casas na região montanhosa da Chiapas.

Os aventureiros percorrem o México para subir os picos dos vulcões, descer nos caldeirões mais profundos ou mergulhar nas águas brancas da Antígua e no rio Pescado. O Caribe oferece fenômeno mergulho perto do litoral Quintana Roo, enquanto na costa do oeste, os surfistas se amontoam nas belas praias selvagens do Oceano Pacífico e Califórnia Baja. No interior, no norte do México, o abismo de Cobre atraem escaladores e é a partida do famoso Chihuahua à Estrada de Ferro do Pacífico, um dos grandes passeios de trem do mundo.

No noroeste distante, o Mar de Cortés é umas das maiores areas de alimentação marítimas do planeta, onde pode-se encontrar cabeça -martelo, golfinhos e baleias cinzentas da Califórnia. No sul, esta a Reserva de Biosfera Sian Ka'an - uma savana, mangue e habitam marítimo que apresenta centenas de espécie inclusive grandes gatos, crocodilos, macacos e manatins.

E com certeza ninguém poderia resistir ao coquetel margarita.

Comida

Dois ingredientes principais predominam; a pimenta, tão condimentado que tem um jogo que leva o seu nome, e grão de milho. Usado para fazer o conhecido antojitos (refeições leves) como tacos, quesadillas, sopas, torradas e tortilla, grão de cacau, e sementes de gergelim. Molhe Colorado (vermelho), ou somente coloradito, é também muito típico e bastante condimentado. O Almendrado (também vermelho) é menos picante e ligeiramente doce. O molhe verde (verde) é um pouco picante, enquanto molhe amarillo (amarelos) fora do círculos cromático da culinária de Oaxaca.

Bebida

Experimente tequila ou Mezcal com um gusano de maguey (verme na garrafa).

Festivais

Entre 31 de Outubro a 2 de Novembro, em muitas partes do México, os cemitérios rurais onde fazem vigílias de varar a noite para entreter almas voltam. Essas celebrações, conhecidas como o Dia dos Mortos e de Todos os Santos, são um espetáculo fascinante. A terra inflama com velas e flores enquanto o ar tem um cheiro de incenso.

México
Convento de San Antonio de Padua - Mexico

México
Pirâmide do Sol - Mexico

México
Igreja de São Francisco, em Cerocahui - Mexico

México
Vista da Pirâmide do Sol - Mexico

Fonte:  www.lata.org

México

México é um país da América do Norte.

Sua capital é a Cidade do México.

A principal religião é o Cristianismo.

A principal língua é o Espanhol.

O local de avançadas civilizações Ameríndias, o México ficou sob o domínio Espanhol durante três séculos antes de alcançar a independência no início do século 19.

A desvalorização do peso no final de 1994 atirou o México para o caos econômico, provocando a pior recessão em mais de meio século.

A nação tinha realizado uma impressionante recuperação até que a crise financeira global a atingiu em finais de 2008. As preocupações econômicas e sociais incluem os baixos salários reais, o subemprego para um grande segmento da população, a distribuição de renda desigual, e poucas oportunidades de promoção para a maioria da população Ameríndia dos estados empobrecidos do sul. As eleições realizadas em 2000 marcaram a primeira vez desde a Revolução Mexicana de 1910 que um candidato da oposição - Vicente Fox do Partido Ação Nacional (PAN) - venceu o partido do governo, o Partido Revolucionário Institucional (PRI). Ele foi sucedido em 2006 por um outro candidato do PAN Felipe Calderon. Em Janeiro de 2009, o México assumiu um assento não-permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas para o período 2009-10. As eleições nacionais, incluindo a eleição presidencial, estão programados para Julho de 2012. Desde 2007, poderosas organizações do tráfico de drogas do Mexico têm se engajado em lutas sangrentas, resultando em dezenas de milhares de homicídios relacionados com a droga.

Um azulejo colorido em um restaurante da Cidade do México proclama: "Cristãos pela graça de Deus; cavalheiros, graças à nossa descendência Espanhola; nobres senhores da nossa ancestralidade nativa: nós somos, então, os Mexicanos". Com a aptidão da auto-confiança, o lema aponta para a mistura dos elementos contrastantes que é a essência do México. Embora o Espanhol seja a língua nacional do México, cerca de 50 línguas nativas ainda são faladas, incluindo o Otomí, o Tarascan, o Zapotec, o Mixtec, o Maya, e o Nahuatl, a língua dos Astecas.

Terra

O México é a mais setentrional das nações da América Latina. Situa-se entre os Estados Unidos e a América Central com grande costa marítima no Oceano Pacífico e no Golfo do México. O coração do México é o Planalto Central, uma região geograficamente semelhante às seções do planalto do sudoeste dos EUA e a região das Montanhas Rochosas.

O Planalto Central

A parte norte do Planalto Central, da fronteira com os EUA às imediações do estado de San Luis Potosí, é geralmente muito seca para ser cultivada sem irrigação. A parte sul do planalto geralmente recebe mais chuva, e é, portanto, mais produtiva. Esta parte sul do Planalto Central se estende aproximadamente de San Luis Potosí, no norte, para Guadalajara, no oeste, e para a vizinhança geral da Cidade do México, a leste. É a região mais rica e populosa do país. Ela contém cerca da metade da população total do México.

Dentro do coração, a região mais desenvolvida é conhecida como o Vale do México, onde a Cidade do México está localizada. Este é um vale dentro do Planalto Central, milhares de metros acima do nível do mar. Cerca de 50 milhas (80 km) de comprimento e 40 milhas (65 km) de largura, o Vale do México goza de chuvas moderadas e clima ensolarado de primavera o ano todo. Desde os tempos antigos, ele tem sido o centro das ocupações da vida Mexicana.

Hoje, atravessado por estradas modernas, o Vale do México contém os movimentados complexos industriais de Tlalnepantla e outras cidades. As comunidades agrupadas no vale estão rapidamente ganhando população. Seu clima agradável e rápida modernização têm ajudado a atrair turistas.

Montanhas

No leste, oeste e sul, o Planalto Central é cercado por três grandes cadeias de montanhas, as quais são chamadas de Sierra Madre. A Sierra Madre Oriental (Serras do Leste) é uma extensão do sul das Montanhas Rochosas dos Estados Unidos. A Sierra Madre Occidental (Serras do Oeste) é a extensão Mexicana da Sierra Nevada da Califórnia. Ao sul da Cidade do México, estas duas grandes faixas se fundem em uma mistura espetacular de enormes cones vulcânicos. Estes incluem o Pico de Orizaba, que, em 18.700 pés (5.700 m), é a terceira maior montanha da América do Norte, e os lendários picos nevados do Popocatepetl (Montanha Fumegante) e do Ixtacihuatl (Mulher Dormindo), ambas que podem ser vistas da Cidade do México.

Ao sul desta zona ativa vulcânica encontra-se a Sierra Madre del Sur (Serras do Sul), que se estende ao sul do Istmo de Tehuantepec, separada do Oceano Pacífico por uma estreita planície.

Costa, Deserto, e Florestas

A grande região central do México é composta de planalto e montanhas. Eles são orlados pelas planícies costeiras a leste e oeste, pelo deserto a noroeste, e por selvas ao sul.

No leste, a planície costeira do Golfo se estende por todo o caminho da fronteira do Texas à Península de Yucatán. A metade norte da planície é quente e semi-árida; a metade sul é molhada e coberta com florestas. As pessoas tendem a evitar os dois extremos climáticos agrupando-se no meio, nas proximidades de Veracruz. O porto de Veracruz também serve como um importante canal de escoamento para os produtos do Planalto Central. A planície costeira do Golfo é como a sua homóloga nos Estados Unidos. Ela tem campos de petróleo substanciais, que estão concentrados no estado de Veracruz.

No oeste, a planície costeira é muito mais estreita do que o litoral do Golfo e é menos desenvolvida. O canto noroeste do México é ocupado pelo Deserto de Sonora. No extremo oeste fica o dedo longo e estreito da Baja California (Baixa Califórnia), separada do continente pelo Golfo da Califórnia. A península da Baja California é montanhosa e árida. Mas suas praias intocadas atraem os turistas.

No sul do México, as montanhas dão lugar às áreas de baixa altitude do Istmo de Tehuantepec. O pantanal e a selva constituem cerca de dois terços do istmo. A alta pluviosidade e o clima quente são propícios ao cultivo da cana de açúcar, bananas e cocos. A seiva da chicozapote, ou árvore do sapoti, é recolhida para a fabricação de chiclê para goma de mascar. Os peixes são abundantes, e há petróleo no estado de Tabasco.

A Península de Yucatán é formada de rochas calcárias muito porosas. Elas filtram a água da chuva que se acumula nos rios subterrâneos e piscinas. Sem rios confiáveis, os poços cortados da rocha fornecem o único acesso a água para a população, e a terra não é bem adequada para a agricultura.

A costa da parte oriental da península, no estado de Quintana Roo, é coberta com florestas tropicais. Bancos de corais cercam a península. As ilhas de Cozumel, Cancun, e Mujeres ficam ao largo da costa no lado do Caribe. Elas fazem parte de uma importante zona turística por vezes referida como a "Riviera Maia".

Três zonas climáticas

Uma vez que todo o México encontra-se dentro de zonas climáticas tropicais ou subtropicais, o clima seria quase universalmente quente se não fosse pelas montanhas. Em geral, o clima do México fica mais frio com a elevação cada vez maior, mesmo se você estiver viajando de norte a sul. Normalmente, as chuvas também tendem a aumentar com a altitude, apesar de existirem áreas costeiras baixas no México - a parte sul da planície costeira do Golfo por exemplo - que são extremamente molhadas.

Os Espanhóis reconheceram a relação das montanhas com o clima na América Latina. Eles distinguiram três zonas e deram-lhes nomes que são usados ainda hoje. A Tierra caliente - "terra quente" - inclui as regiões do nível do mar até 2.000 a 3.000 pés (600 a 900 m). Onde há bastante chuva - como ao longo da parte sul do litoral da planície do Golfo - culturas tolerantes ao calor como o tabaco, a cana de açúcar, o sisal, o feijão, café e bananas podem ser cultivadas.

Mas grande parte da tierra caliente no México, como o Deserto de Sonora no noroeste do país, é muito seco para a agricultura. A exceção está nas áreas onde a água é fornecida através de irrigação.

Em altitudes mais elevadas, em aproximadamente 3.000 a 8.000 pés (900 a 2.400 m), está a tierra templada - "terra temperada" - onde a maioria das boas áreas agrícolas do Mexico são encontradas. A tierra templada inclui o Planalto Central e as encostas intermediárias de várias cadeias de montanhas. Nesta zona climática, as temperaturas médias de Janeiro e Julho podem variar de apenas 10 ° a 15 °F (5 ° a 10 °C). Por exemplo, a temperatura média da Cidade do México em Janeiro é de 57 °F (14 °C), e sua temperatura média de Julho é de 63 °F (17 °C). Na tierra templada, há cultivo extensivo da maguey, ou planta do século, a partir da qual as populares bebidas Mexicanas pulque e tequila são feitas. Trigo e feijão são cultivados nestas regiões, e a cultura mais amplamente plantada de todas é o milho.

Quando a terra se eleva acima de 8.000 a 9.000 pés (2.400 a 2.700 m), as temperaturas ficam ainda mais frias do que na tierra templada - tão frio que a geada pode se formar. Esta tierra fría - "terra fria" - é praticamente desabitada em altitudes acima de 10.000 pés (3.000 m).

Economia

Hoje a maioria dos Mexicanos trabalham em indústrias de serviços ou na manufatura. Grandes empresas agrícolas cultivam grande parte da terra. E transportes modernos e sistemas de comunicação ligam o país, criando um clima de negócios atraente para os investidores. A modernização da economia do México ocorreu a partir de 1940 em diante. Antes disso, o México foi muito como tinha sido por gerações. Haviam poucas estradas durante todo o ano e a maioria das pessoas trabalhava na agricultura.

O México é mais rico e mais industrializado do que muitos outros países em desenvolvimento. A industrialização e o crescimento econômico têm enriquecido alguns Mexicanos. Muitos outros têm uma melhor alimentação e melhor acesso à habitação, cuidados de saúde e educação do que no passado.

Mas milhões de Mexicanos ainda têm que lidar com trabalho instável e de baixa renda. A renda média é aproximadamente a mesma que na Argentina e no Chile, dois outros países da região Latino-americana. Mas ela é um terço de um país rico, como os Estados Unidos. E a renda no México é muito desigualmente distribuída. Os ricos ficam com muito dela, enquanto os pobres ficam com pouco.

Atualmente, mais de 40 por cento das pessoas do México são pobres. Eles não têm dinheiro suficiente para pagar a alimentação, saúde, habitação e outros bens e serviços que necessitam. A pobreza é pior no campo, onde alguns 30 por cento das famílias não têm o suficiente para comer. Isso se compara a cerca de 10 por cento nas cidades.

Em 2008, o governo começou a fazer pagamentos mensais para os cidadãos mais pobres. Ele queria ajudá-los a lidar com os crescentes preços dos alimentos.

Um dos maiores desafios econômicos do México é a criação de empregos. Alguns 25 por cento dos Mexicanos são estimados serem subempregados, o que significa que eles trabalham em tempo parcial, mas querem trabalhar mais ou em tempo integral.

Muitos Mexicanos saem de seu país, pelo menos temporariamente para trabalhar - muitas vezes ilegalmente - nos Estados Unidos. Eles enviam parte do dinheiro que ganham para as suas famílias no México. Esta é uma importante fonte de renda para o país. Mas a imigração ilegal é uma questão preocupante tanto para o México e os Estados Unidos.

Serviços

A economia do México produz bens e serviços acima dos US$ 1,5 trilhões por ano. Os serviços empregam cerca de 60 por cento dos trabalhadores do México e contribuem com uma percentagem ligeiramente superior ao seu produto interno bruto (PIB). (O PIB é o valor total de todos os bens e serviços produzidos num país durante um período de tempo, geralmente um ano). Os serviços de rápido crescimento são o turismo, os bancos e a publicidade. O turismo é oficialmente encorajado. Em média, mais de 20 milhões de turistas visitam o México a cada ano.

Manufatura e Mineração

A manufatura e a mineração empregam pouco mais de 25% dos trabalhadores do México. Elas contribuem com pouco mais de 33% da sua economia. As grandes indústrias incluem os produtores de alimentos e bebidas, tabaco, produtos químicos, ferro e aço. Outras indústrias importantes são aquelas que produzem têxteis, vestuário, e veículos motorizados.

O Programa das Industrias da Fronteira, iniciado em 1965, levou à criação de milhares de maquiladoras (montadoras) ao longo da fronteira com os EUA. Elas importam materiais duty-free (livres de impostos) dos Estados Unidos e montam-nos com mão de obra local em produtos, como eletrodomésticos. Os produtos são então exportados para os Estados Unidos. Este setor da economia foi duramente atingido pela desaceleração econômica de 2008-09 nos Estados Unidos, o principal mercado exportador do México. Ele também está experimentando forte concorrência da China. As minas do México produzem prata, cobre, manganês, zinco, chumbo e outros minerais.

Agricultura, Pesca e Silvicultura

Cerca de 15 por cento dos trabalhadores do México são empregados na agricultura. Mas o setor contribui com menos de 4 por cento para a economia do México. No centro e no sul do México, os agricultores plantam milho e feijão em pequenas parcelas de terra. Em contraste, no norte, grandes e modernas fazendas irrigadas produzem frutos especiais e legumes. Os principais exemplos incluem morangos, melões, pepinos e tomates. Algodão e café também são importantes culturas comerciais. A indústria de pesca do México centra no camarão e outros crustáceos, sardinhas, atum e pompano. A indústria florestal produz madeiras cortadas do mogno e outras madeiras tropicais, pinho e carvalho.

Energia

A indústria do petróleo e do gás é muito importante para o México. A empresa petrolífera estatal é a Petróleos Mexicanos, conhecida como PEMEX. Ele provê ao governo bilhões de dólares em receitas fiscais e receitas de exportação a cada ano. Algum investimento estrangeiro é permitido. E muito mais pode ser autorizado para aumentar a produção e a exportação de petróleo. A energia hidrelétrica responde por quase 25% da capacidade de energia do Mexico. As plantas de vapor queimando óleo combustível e gás natural compõem o restante.

Comércio

As principais exportações do México são os produtos manufaturados, petróleo e derivados de petróleo, prata, frutas, legumes, café e algodão. Suas importações principais são variadas. Elas incluem máquinas de metalurgia, produtos siderúrgicos, máquinas agrícolas e equipamentos elétricos. O México também importa autopeças para montagem, sobressalentes de veículos automotivos, aeronaves e peças de aeronaves.

Os Estados Unidos são o principal parceiro comercial do México. Ele compra cerca de 80 por cento das exportações do México a cada ano. Estas incluem o petróleo, bens manufaturados, frutas e legumes. O México compra quase metade das suas importações provenientes dos Estados Unidos. O México tem 12 acordos de livre comércio com mais de 40 países. Estes incluem acordos com a Guatemala, Honduras, El Salvador, a Área Europeia de Livre Comércio, e o Japão. (Os membros de um acordo de livre comércio abaixam ou acabam com as tarifas ou impostos sobre as importações e outras barreiras ao comércio. Isso incentiva os bens e serviços a circularem mais livremente - e barato - entre os países membros). O acordo de livre comércio mais importante do país é o North American Free Trade Agreement, ou NAFTA. No NAFTA, o México parceria com o Canadá e os Estados Unidos.

O NAFTA foi lançado no dia 1 de Janeiro de 1994. Ela criou um bloco comercial regional maior que o da União Europeia. O comércio do México com o Canadá e os Estados Unidos quase triplicou desde então. O México é também um membro da Organização Mundial do Comércio (OMC). Esta é uma organização internacional que regulamenta o comércio entre os países.

População

O México é o lar de mais de 110 milhões de pessoas. Mais de 75% delas são nominalmente Católicos Romanos. Outras 6 por cento são Protestantes. Inevitavelmente, o modo de vida Mexicano tem sido influenciado pelos Estados Unidos. Mas mesmo que o mundo moderno possa se intrometer, uma herança mais velha e mais profunda permanece. No México, os Espanhóis encontraram um povo que tinha construído grandes cidades e cuja sociedade tinha evoluído ao longo de muitos séculos. Os Espanhóis conquistaram o povo nativo, mas a cultura indígena (nativa) sobreviveu. As duas civilizações - Espanhola e nativa - fundiram-se em uma única cultura Mexicana.

O Espanhol é a língua mais falada no México. De fato, o México é o lar do maior número de pessoas de língua Espanhola no mundo. Cerca de 6 por cento dos Mexicanos também falam línguas nativas - principalmente o Nahuatl, o Maia, o Mixteca, e o Zapoteco.

Religião e Festivais

No México, a prática do Catolicismo Romano está imbuída de influências nativas. A Virgem Maria, invocada no México como a Virgem de Guadalupe, é retratada como de pele morena em imagens e estátuas. O mesmo é verdade para os santos da Igreja Católica, que muitas vezes são venerados em cerimônias especiais que se assemelham em alguns aspectos aos antigos ritos religiosos dos povos nativos do México.

Os santos são uma parte central da vida do Mexicano médio. Cada pessoa é batizada com o nome de um santo. As cidades, bem como os ofícios e as profissões, têm santos padroeiros. O calendário está cheio de dias de festas dedicadas aos santos. Em seu dia da festa, a estátua de um santo padroeiro da cidade é muitas vezes carregada em torno da vila no início de um desfile barulhento, enquanto as pessoas jogam moedas na cesta ao lado dele. Eles honram o santo com fogos de artifício, pompa, e a música de bandas de mariachis (compostas de instrumentos de cordas, pandeiros, chocalhos e reco-recos).

O concurso pode incluir homens fantasiados relembrando eventos históricos Espanhóis, como os Espanhóis combatendo os Mouros. Danças folclóricas carregam faixas religiosas, mas o objetivo, como nos tempos Astecas, é induzir os poderes espirituais à trazerem a chuva para as colheitas e para proteger os dançarinos dos perigos do destino.

Festivais especiais marcam a Semana Santa, a época do Natal e o Dia de Finados. No Sábado Santo, antes da Páscoa, Judas Iscariotes, que no Novo Testamento traiu Cristo, é queimado em efígie. Ele é representado por um monstro de papelão enfeitado com bombinhas que os meninos Mexicanos inflamam com alegria, gritando quando a efígie explode e pega fogo.

Durante os nove dias antes do Natal, grupos chamados Santos Peregrinos comemoram a peregrinação da Sagrada Família. Eles batem à porta, perguntam cantando param serem admitidos, e são recusados. O ritual é repetido até que eles atinjam uma casa, decidida de antemão, que os admitem.

O ponto alto da noite é a quebra da piñata, uma figura pendurada de barro ou de papier-mâché alegremente decorada e cheia de frutas, doces e brinquedos.

Com os olhos vendados, as crianças se revezam balançando-a com um cabo de vassoura até que finalmente alguém quebra a piñata. Uma cascata de surpresas cai fora, e todos se embaralham para o tesouro. Tudo isso é acompanhado por músicas natalinas, cenas de neve prateada pintadas, e "natividades", representações em miniaturas de barro do nascimento de Cristo na manjedoura. As famílias investem muita imaginação e dinheiro para montar um presépio.

O Dia de Finados, 2 de Novembro, é dedicado à memória dos mortos, e por isso é também chamado de Dia dos Mortos. O Dia dos Mortos não é uma ocasião triste. Ele expressa certas atitudes exclusivamente Mexicanas em direção à morte, especialmente um humor macabro. As crianças devoram esqueletos de açúcar com os olhos fosforescentes e nomes tão comuns como Maria, Concha, ou Lupe inscritos em suas frontes. Esqueletos de brinquedo executam danças frenéticas em fios ou movem suas mandíbulas para o acompanhamento de acessos de riso. Nos altares da igreja cobertos com papel de tecido de decoração, os adoradores colocam doces e pão para os famintos no outro mundo, uma sobrevivência de uma antiga crença nativa que a alma imortal da criatura morta ainda anseia confortos. Os cemitérios têm mais visitantes em 2 de Novembro do que em qualquer outro dia do ano.

Talvez o festival mais emocionante acontece em 16 de Setembro, quando os Mexicanos comemoram o aniversário da primeira revolta contra a Espanha em 1810. Fogos de artifício são feitos em quadros, chamados castelos, amarrados com figuras luminosas. Quando estão prontos, eles se parecem com caleidoscópios incandescentes girando no ar da noite. As crianças brincam com frágeis brinquedos de papel tecido ou de papelão que raramente sobrevivem ao período de carnaval. O que é caracteristicamente Mexicano sobre eles é o talento criativo e o amor artístico que entram em sua construção. É quase como se o artesão gostasse mais de criá-los do que as crianças de brincar com eles. Como todos os carnavais do México, os dias que comemoram os heróis revolucionários são marcados pelo ruído tremendo, a música mariachi, fogos de artifício, e muito comércio festivo na praça do mercado, onde as pessoas se reúnem para vender seus produtos.

Hoje, as fiestas ainda têm uma forte influência nas áreas rurais. Mas nas cidades, as velhas tradições foram diluídas quando o México encontra-se como um participante ativo na era moderna. Embora a maioria das pessoas não se opõem à modernização, os Mexicanos são, por vezes, tomados de nostalgia quando se lembram de volta à simplicidade de seus costumes antigos e à sua maneira mágica de revelar a beleza e a criação de momentos de alta alegria na comunidade.

Cozinhando

A culinária Mexicana começou com o povo nativo, que tinha desenvolvido uma dieta variada impressionante antes de os conquistadores Espanhóis chegarem no século 16. O povo nativo deu ao mundo cerca de 40 alimentos que eram desconhecidos antes da conquista, incluindo o milho, sucos, batata doce, abacate, pimentão, vários tipos de feijão, baunilha, pimenta, chocolate, e tomates. O milho era o esteio da vida, do qual eram feitas as tortillas - enormes panquecas planas de milho com cêrca de um pé (30 cm) de largura.

A tortilla ainda é o pão do México. Os povos nativos variavam sua dieta vegetal com caça selvagem, perus, e cães de pequeno porte que eram criados especialmente para serem comidos. Peixe e marisco, particularmente o camarão, eram comumente consumidos ao longo de ambas as costas do México, assim como eles são hoje. Uma variedade de saborosas frutas tropicais também eram usadas nas receitas das regiões quentes do litoral. O chocolate acrescentava sabor para os pratos de caça, ou era misturado com farinha de milho e pimenta para fazer uma bebida fogosa. Os grãos de cacau do qual ela era feita também foram uma forma de moeda.

Embora os alimentos nativos fossem altamente originais, eles dificilmente poderiam igualar os sumtuosos pratos que os mestiços contribuíram na época colonial.

Os Espanhóis trouxeram muitos novos ingredientes, incluindo a banha, carne, queijo e cebola. Nos palácios e conventos, o complicado menu nacional tomou forma - uma mistura de ingredientes estrangeiros e alimentos nativos. As freiras trabalhavam mais pratos para agradar ao bispo, e os cozinheiros do palácio dedicavam toda a sua engenhosidade para ganhar a aprovação das damas da corte.

Um dos mais famosos pratos do México hoje, o mole, é supostamente a criação de uma freira do século 16. O mole é uma mistura de peru ou frango com molho de chocolate amargo, nozes e diversas especiarias quentes. Pratos complexos usando chocolate, salsa, chá Mexicano, amendoim, baunilha, tomates, e omeletes de milho eram os alimentos preferidos dos frades e vice-reis, enquanto os nativos que cultavam de tudo se davam bem com o tradicional feijão, pimentões e tortillas. Mas novas criações foram raras após o século 19.

Populares entre os alimentos Mexicanos hoje são os tacos e as enchiladas, ambos consistindo de carne, frango, ou queijo, enrolado em tortillas. Os tacos têm uma crosta por fora, enquanto as enchiladas são mais suaves e são cobertas com molho de chili. Os tamales, outro prato popular, são bolinhos de milho recheados com carne temperada e outros ingredientes e cozinhados em palha de milho. As quesadillas são uma espécie de milho recheado enrolado com queijo, carne, ou até mesmo flores espremidas, e fritas em banha. Tão popular como estes pratos tradicionais permanecem no México moderno, o alimento está se tornando rapidamente internacionalizado, especialmente nos restaurantes das cidades.

Tendências sociais

Antes da Revolução de 1910, que lançou as bases para o atual estado do México, o único trabalho que a maioria das mulheres Mexicanas faziam fora de casa era em conventos, como professoras ou enfermeiras, ou na agricultura. Hoje muitas mulheres trabalham como professoras, funcionárias da empresa, e funcionárias públicas. As mulheres tiveram plenos direitos políticos no México desde 1953. As organizações de mulheres trabalham de forma eficaz sobre os problemas relativos à saúde, bem-estar, nutrição e mães solteiras.

Educação

Uma força fundamental para a mudança no México é a educação. Antes da Revolução de 1910, quase 80 por cento dos Mexicanos não sabiam ler nem escrever. Hoje 86 por cento dos Mexicanos acima dos 15 anos sabem ler e escrever. A educação gratuita e obrigatória para todos foi um princípio essencial da revolução e foi consagrado no artigo 3º da Constituição de 1917.

A educação recebeu um impulso especial no ataque do Presidente Manuel Ávila Camacho sobre o analfabetismo, a partir de 1944. Ele pediu para que todo Mexicano alfabetizado ensinasse outro Mexicano a ler e escrever; 700.000 tornaram-se recém-alfabetizados no primeiro ano da campanha. O Ministro Jaime Torres Bodet, que lançou o projeto, mais tarde lançou um programa que visava dar ao México todas as escolas e professores que fossem necessários.

A educação de todas as crianças até os 15 anos de idade é exigida por lei no México hoje. Quase 100 por cento das crianças em idade escolar no México freqüentam a escola. A percentagem de crianças que frequentam as escolas secundárias é um pouco menor. Esforços têm sido feitos para remediar a falta de espaço na sala de aula e salas de aula foram construídas a um ritmo extremamente rápido. Um dispositivo particularmente engenhoso é a escola pré-fabricada, que os próprios aldeões podem erigir sob a orientação de um engenheiro federal. Ao mesmo tempo, os pais Mexicanos rurais ressentiam-se da invasão do professor, mas hoje a sua atitude mudou. Eles exigem agora uma escola adequada para seus filhos.

O secretário da educação pública coordena as atividades dos governos federal, estaduais, locais e as agências municipais. De acordo com estatísticas recentes, as médias federais para o orçamento da educação são bem mais de US$ 1 milhão por dia, e os estados contribuem com fundos adicionais. A Comissão Nacional para a distribuição gratuita de livros fornece livros didáticos para as escolas de ensino fundamental.

A educação pré-escolar é fornecida em jardins de infância que muitas vezes dão às crianças o seu primeiro contato com o mundo fora de suas casas. As escolas de ensino fundamental se concentram na leitura básica, escrita, e habilidades aritméticas; o Inglês foi adicionado ao currículo da escola primária em 2006.

O México também tem escolas que oferecem formação profissional excelente. Estas instalações incluem escolas especiais para treinar professores; um número de institutos técnicos; e escolas agrícolas onde os alunos aprendem métodos de agricultura moderna.

A liberdade acadêmica no México é garantida por lei. A Universidade Nacional Autônoma do México é a instituição mais importante de ensino superior da nação. Fundada em 1551, é a universidade mais antiga da América do Norte. Hoje, multidões de estudantes, pagando mensalidades baixas, estudam lá para se tornarem cientistas, advogados, médicos e artistas. O campus da universidade foi concluído em 1954 no subúrbio da Cidade do México chamado Cidade Universitária. A Cidade Universitária é uma maravilha arquitetônica, com soberbos edifícios modernistas e magníficos murais pintados pelos principais artistas do México.

Das Artes

Além do grande impulso que deu à educação, a Revolução de 1910 produziu um brilhante florescimento da atividade artística. Este é o período em que os muralistas Mexicanos mudaram o mundo inteiro com seu uso ousado da cor e design sensual. De acordo com a grande revolução que mudou toda a vida Mexicana, eles retratavam os povos nativos do México com simpatia e produziam mordazes caricaturas de estrangeiros indesejáveis.

Como seus ancestrais, os artistas pós-revolucionários acreditavam que a arte era para o povo e para a expressão das crenças apaixonadas do país. Apesar de sua arte ter raízes pré-Colombianas, já não era dedicada a um panteão de ídolos. Em vez disso, a arte era canalizada para a fé na Revolução. Os artistas adotavam temas históricos, sociais, e populares, e sua genialidade era quase inteiramente dedicada à decoração de locais públicos e em transformar prédios em objetos de beleza.

Os três grandes do renascimento da arte Mexicana foram Diego Rivera (1886-1957), José Clemente Orozco (1883-1949), e David Alfaro Siqueiros (1896-1974). Entre eles, Rivera se destacou por sua grande imaginação e fidelidade às origens do povo. Como os outros, ele sentia que "só uma obra de arte pode elevar o gosto das massas". Com total apoio do governo mas salários minúsculos, ele cobriu as paredes do Ministério da Educação, da Escola Agrícola Nacional, do Palácio Nacional, e de outros edifícios públicos com uma documentação brilhante da luta de seu país. As massas magras de Orozco esmagando seus opressores e os heróicos agricultores de Siqueiros combatendo os aristocráticos oficiais do exército expressam os mesmos temas.

Hoje, a pintura Mexicana já não é dedicada exclusivamente a indivíduos com mensagens políticas e sociais. Os temas Maia e outros temas nativos ainda aparecem, mas a arte em si é internacional. Modernos artistas Mexicanos bem-conhecidos como Rufino Tamayo (1899-1991), Juan Soriano (1920-2006), e José Luis Cuevas (1934- ), procuram, como Cuevas colocou, "... largas estradas saindo para o resto do mundo ao invés de trilhas estreitas ligando uma aldeia de adobe com outra".

Tamayo, um descendente dos Zapotecas, era um colorista fantástico e um inimigo amargo da escola do "realismo social", que enfatizava temas políticos e sociais.

Confortável em ser Mexicano, ele não era chauvinista e não adotava slogans para seus assuntos. Em seu trabalho, ele desmontava a realidade e a recriava em surpreendentes pinturas a óleo que parecem ser banhadas em luz. A arquitetura monumental e a arte do mosaico de Juan O'Gorman (1905-1982), exemplificada pelo marcante edifício da biblioteca da Universidade do México, também combina motivos pré-Colombianos com um espírito que é do futuro ainda mais do que do presente.

Música e Literaturas Modernas

Na mente do público, a proeminência dos murais e da arquitetura tende a ofuscar as grandes conquistas dos Mexicanos em outras formas de arte. O espírito popular da música Mexicana encontrou expressão em compositores como Carlos Chávez (1899-1978) e Agustin Lara (1900-1970).

As realizações no campo da filosofia incluem as obras de Samuel Ramos, autor de Profile of Man and Culture in Mexico, em que Ramos analisa as forças que atuam sobre a vida e a mente de seu país. O poeta, ensaísta e crítico literário Octavio Paz (1914-1998) foi outro autor que mergulhou com a visão sobre a questão do caráter nacional Mexicano. Paz foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura de 1990.

O autor Alfonso Reyes (1889-1959) personificou o homem de letras e representava as virtudes de um grande humanista. Sua curiosidade de grande envergadura intelectual trouxe-lhe o prestígio duradouro e bem merecido. Entre os romancistas Mexicanos, menção deve ser feita em primeiro lugar a Mariano Azuela (1873-1952), por causa de sua contribuição para o campo do romance revolucionário. Seu romance Los de Abajo (The Underdogs) é notável por seu estilo clean-cut, sua acurada observação psicológica, e suas agudas descrições dos usos e costumes.

Os romances de Agustín Yáñez (1904-1980), como o seu muito aclamado Al Filo del Auga (At the Edge of the Storm), nos trouxe, através de suas agudas e condensadas caracterizações, sinais de um novo estilo de romance - um romance que já não descreve hábitos e costumes, mas reflete os complexos problemas interiores da humanidade.

Pelo início da década de 1950, dois excepcionais artistas da prosa apareceram. Um deles foi Juan José Arreola (1918- ), um intelectual que, em um estilo detalhado, traçava diagramas de um complicado mundo da imaginação. O outro, Juan Rulfo (1918-1986), escreveu sobre o infortúnio nativo na linguagem que beirava a magia. Entre outros romancistas importantes a surgir um pouco mais tarde estavam Sergio Galindo (1926-1993), Gustavo Sáinz (1940- ), e Carlos Fuentes (1928- ), cuja obra única e poderosa inclui The Old Gringo and Constancia and Other Stories for Virgins.

Notáveis poetas Mexicanos têm incluído Manuel Gutiérrez Nájera (1859-1895), Amado Nervo (1870-1919), e José Gorostiza (1901-1973). Gorostiza escreveu seu impressionante poema Muerte Sin Fin (Morte Sem Fim) no final dos 1930s.

No teatro, a criatividade de dramaturgos como Rodolfo Usigli (1905-1979) e, mais recentemente, Emilio Carballido (1923- ) e Sergio Magaña (1924-1990) vêm à mente, assim como o Ballet Folclorico do México, fundado em 1952. Essas realizações no teatro, poesia, romance, e ensaio apontam para um corpo cada vez mais complexo, estimulante e maduro de trabalho.

História

México antigo

Forças temporais, convulsão social, e outras forças destruíram grande parte do México pré-Colombiano. Um véu de mistério separa os Mexicanos modernos da sua cultura antiga, embora eles possam falar um dos dialetos tribais e moerem o milho em metates, ou pedras de moagem, como seus ancestrais faziam antes do nascimento de Cristo.

A maioria dos estudiosos acreditam que os primeiros povos do México migraram da Ásia através do Estreito de Bering muitos milhares de anos atrás, espalhando-se para o sul até que eles povoaram a América do Norte e a América do Sul. Eles eram caçadores-coletores, que tinham dominado o fogo e a arte de lascar pedras para armas de pedra. Eventualmente, eles chegaram ao México. Lá, começando cerca de 5.000 aC, eles gradualmente mudaram da coleta de plantas silvestres para cultivarem suas próprias plantas alimentares. Assim, eles deram o primeiro passo crucial para a civilização - o cultivo de culturas. Como agricultores, eles tiveram que se estabelecer em um único local e estudar as estações do ano. Com o tempo, isso levou aos direitos da propriedade, à matemática, ao calendário, e à um ritual complexo projetado para ganhar o favor dos deuses, para que a colheita prosperasse. Uma casta sacerdotal, templos e ídolos evoluíram.

Antes de 1000 aC, vasos de cerâmica e estatuetas graciosas começaram a aparecer no que hoje é o México. Estes eram sepultados com os mortos, de acordo com a crença de que os espíritos sobreviventes queriam alimentos e objetos bonitos. Cidades se desenvolveram, e ferramentas, cerâmicas e técnicas agrícolas como a irrigação entraram em amplo uso.

Um dos povos antigos do México foram os Olmecas, cuja influência apareceu no sul do México em cerca de 1000. Sua cultura era uma cultura mágica. Os Olmecas eram pessoas de ritos misteriosos e ídolos assustadores, adoradores de um semi-deus metade humano, metade-jaguar que era talvez uma deidade da chuva ou da fertilidade. Eles eram esplêndidos artesãos, particularmente apreciadores da jade, e eles sabiam como processar a borracha e as fibras, incluindo o algodão. As grandes esculturas face-de-lua Olmecas, como as do Buddha, datam desta época, e foram encontradas principalmente nos atuais estados de Veracruz e Tabasco.

Período Clássico do México

Durante o período pré-clássico (650 aC-150 dC), o Vale do México se tornou densamente povoado, e uma casta sacerdotal chegou ao poder. Os sacerdotes criaram governos estáveis e contruíram cidades templares.

Várias das maravilhas arqueológicas do México, cuja construção foi desenvolvida neste período pré-clássico, foram expandidas ao seu máximo esplendor no período clássico (150-900 dC). Um deles é o centro de Zapotec, o Monte Albán, em Oaxaca. Ele é o mais antigo sítio arqueológico do México, onde os cientistas descobriram números escritos e calendários de pedra esculpida com escrita hieroglífica.

Outra maravilha arquitetônica é a Pirâmide de Cholula, perto de Puebla. Ela é maior, em geral, do que a Grande Pirâmide do Egito. A grandiosa empresa de todos foi a cidade cerimonial de Teotihuacán, no Vale do México, que em seu pico pode ter tido 100 mil habitantes. Sua Pirâmide do Sol foi segunda em tamanho apenas para a Pirâmide de Cholula.

Teotihuacán também continha os templos do deus da chuva Tlaloc e da serpente emplumada Quetzalcoatl, bem como da Pirâmide da Lua e de um templo da agricultura, primorosamente decorados com flores e desenhos envolventes. Essas estruturas monumentais foram erguidas por pessoas que não tinham desenvolvido a roda ou instrumentos de metal e que não tinham animais de carga. A influência do comércio de Teotihuacán ampliou-se tanto quanto o que hoje é a Guatemala.

Durante o período clássico, a Idade de Ouro do México, os povos Maias da península de Yucatán e do Istmo de Tehuantepec desenvolveram uma alta civilização, que incluiu uma soberba arquitetura, a astronomia, o conceito de "zero", a escrita hieroglífica e a manutenção de registros sobre pilares de pedra (estelas), e um calendário mais preciso do o que da Europa. O calendário ainda está em uso hoje entre os Maias, e determina horários para o plantio, a colheita e os feriados religiosos. Os Maya também produziram uma escultura que mostra uma visão original e profunda sensibilidade religiosa. O crítico de arte Inglês Roger Fry chamou a atenção para uma semelhança entre a escultura Maya e a escultura Hindu. Ele afirma que o trabalho Maya é mais estilizado e artisticamente superior.

No mesmo período, no México central, os Teotihuacanos, os Mixtec, os Tarascos, os Zapotecas, e outros construíram bem planejadas cidades atendidas por drenos e aquedutos e agraciados por templos, pirâmides, mercados e praças de tribunais. As praças de tribunais provavelmente foram utilizadas para jogos cerimoniais. Perder um jogo era um sinal de que o jogador tinha perdido o favor dos deuses e devia ser sacrificado para apaziguá-los.

Toltecas

O período clássico começou a declinar com a queda de Teotihuacán em cerca de 750 dC. A cidade pode ter sido saqueada, ou pode simplesmente ter ido à falência. Como as cidades templares foram abandonadas, seus povos migraram. As cidades ficaram isoladas, e a interação entre elas que tinha acendido o progresso não mais ocorreu. No vácuo de poder desta "idade sombria" vieram guerreiros do norte, os Toltecas, que começaram a sua expansão em torno de 900 dC. Eles foram a vanguarda de um grupo de povos que falavam a língua Nahuatl, um grupo que incluía os Astecas.

As novas tribos sempre adotaram algumas das maneiras dos povos que invadiram, e os Toltecas caíram herdeiros da clássica cultura Teotihuacán. Eles desempenharam um papel importante na evolução dos mitos em torno de uma importante divindade Teotihuacán, Quetzalcoatl.

Quetzalcoatl era a Serpente Emplumada, capaz de rastejar e voar. Ela foi uma benevolente deusa-criadora que ensinou a agricultura e as artes, exigiu um comportamento altamente moral, e proibiu o sacrifício humano. Na religião politeísta nativa, os deuses assumiam as características que as necessidades sociais ditavam, de modo Quetzalcoatl significava coisas diferentes para diferentes tribos. Para alguns, como os Olmecas, ela era uma manifestação da estrela da manhã, Vênus. Para os Astecas, ela era uma deusa-salvadora incorporada em uma figura humana.

No século 10, um chefe-sacerdote Tolteca, também chamado Quetzalcoatl, tentou induzir o povo a seguir o código humano do deus. Mas a proibição do sacrifício humano parecia uma heresia por causa da crença de que os deuses fossem alimentados com sangue humano. A menos que eles fossem alimentados, eles iriam perecer, e assim seria o universo. O Chefe Quetzalcoatl foi traído e fugiu para o exílio. A lenda surgiu de que ele voltaria no ano de Ce-Acatl, um ano no calendário Asteca relacionado com o aparecimento de Vênus como a estrela da manhã.

No calendário Asteca, Ce-Acatl caía nos anos 1.363, 1467 e 1519. Com o tempo, as pessoas confundiram o sacerdote com o próprio deus, que era suposto ser loiro e barbudo. Assim, quando o barbudo e de pele clara conquistador Espanhol Hernán Cortés (1485-1547) apareceu no ano de Ce-Acatl (1519), muitos acreditavam que isso marcava a volta do deus.

Em torno de 1000 dC, os Toltecas estenderam seu poder ao sul do Vale do México para os centros Maya em Yucatán. Os Maias disseram ter abrigado o exilado Quetzalcoatl. A vingança por isso pode ter motivado os ataques dos aguerridos Toltecas aos Maya paz-orientados. Chichén Itzá, uma grande cidade no país Maya, mostra grande influência Tolteca.

Por volta de 1500 dC, as guerras tinham dilacerado afora a sociedade de Yucatán. Por esta altura, também, os conflitos entre facções pró e anti-Quetzalcoatl tinham enfraquecido os Toltecas e quebrado o seu controle das tribos subjugadas.

Astecas

As tribos Nahua, as últimas a chegarem no planalto Mexicano, herdaram o extenso complexo cultural da região. Uma dessas tribos foi a Mexica-Astecas, ou Astecas. Na princípio, os Astecas eram uma tribo intrusa lutando nas franjas do território. Eles eram seguidores de um sanguinário deus guerreiro, Huitzilopochtli.

Durante suas andanças como intrusos, os Astecas eram por vezes reduzidos a vestir-se com folhas de plantas e insetos para comer. Mas a adversidade temperava-os e, eventualmente, eles se tornaram politica e militarmente a melhor sociedade organizada no centro do México.

Em cerca de 1325, os Astecas chegaram ao local onde agora está a Cidade do México. Ele era então um complexo de lagoas pantanosas e pequenas ilhas. Em uma ilha no Lago Texcoco, os Astecas têm a fama de terem visto uma águia com uma serpente em sua boca no cimo de um cacto. Vendo isso como um presságio mágico, os sacerdotes, declararam que a ilha tinha sido escolhida para os Astecas por seus deuses. Sobre ela, eles construíram Tenochtitlán. Eles estenderam a sua cidade, fazendo jangadas de ramos entrelaçados e juncos cobertos com terra e plantas.

Com o tempo, a vegetação se enraizou no fundo do lago raso e ancorou as ilhas. A cidade foi dividida em quatro bairros, que eram atravessados por canais de água, onde pequenos barcos carregados de frutas e verduras passavam a caminho do mercado. Três viadutos ligavam Tenochtitlán com o continente. Até o momento da conquista Espanhola, em 1519, a cidade foi uma Veneza deslumbrante de praças, templos e jardins flutuantes.

Os Astecas não foram inovadores e tinham pouco a oferecer culturalmente, exceto em assuntos militares. Mas nos dois séculos após a fundação de Tenochtitlán, eles combinavam as características das civilizações estabelecidas ao seu redor com os restos da cultura clássica. Eles abateram os seus vizinhos pelo poder armado, e, eventualmente, o seu domínio chegou tão ao norte como San Luis Potosí e ao sul para o território Maia.

A sociedade Asteca era rigidamente dividida em classes. A casta sacerdote-guerreiro estava no topo, e os escravos estavam na parte inferior. Entre eles estava a classe livre do trabalho artesanal e, um pouco acima, a classe comerciante. Esta última viajava entre as tribos vizinhas e servia como espiã. A menor ofensa contra esses comerciantes era severamente punida pelo exército. As tribos subjugadas tinham que pagar tributo aos Astecas em forma de ouro, jóias, escravos, cacau, milho, feijão e outros produtos, de modo que toda a riqueza fluía em Tenochtitlán, tornando-a esplêndida às custas dos outros povos.

O centro da atividade comercial era o tianguis, um mercado público encenado em uma enorme praça central. Madeira, bens domésticos duráveis, panelas, tapetes, facas de obsidiana, faisão e outra caça, alimentos e vestidos de algodão eram comprados com várias moedas, incluindo conchas, penas de luxo, e recipientes cheios de cacau ou de ouro.

Entre os produtos cultivados pelos Astecas estava o maguey, ou planta do século, como um fornecedor para todos os fins que os Espanhóis a chamavam de "boi verde" dos povos nativos. As folhas do maguey eram usadas como fibras de pano ou palha para o telhado das casas de adobe. Sua seiva era fermentada para fazer o pulque, uma bebida inebriante, que contribuía para o declínio dos grupos que a usavam demasiado livremente. (O pulque, aliás, continua a ser uma bebida popular no México). Os espinhos da planta maguey poderiam ser puxados para fora com uma fibra anexada, proporcionando uma agulha pronta para uso com a linha.

Os espinhos duros e espinhosos também serviam para testar a coragem dos jovens: na Calmecac, a escola Azteca para os meninos da casta sacerdote-guerreiro, os professores utilizavam os espinhos para testar a tolerância de seus alunos à dor. O código moral extremamente rígido dos Astecas exigia respeito pelos mais velhos, a obediência aos pais, a temperança na comida e na bebida, a coragem e a fidelidade no casamento.

Mas ser "moral" para os Astecas não significava ser humano. O deus principal, Huitzilopochtli, era a divindade mais sanguinária no panteão dos deuses Astecas.

Mesmo Tezcatlipoca, o deus da primavera, exigia o sacrifício humano. Cada ano, um rapaz era escolhido como um sacrifício a Tezcatlipoca, e para esse ano o menino vivia como um príncipe. Vestido com sinos de ouro em suas sandálias e penas brancas em seu turbante, ele desfilava entre as pessoas; todo mundo, até mesmo o rei, ajoelhava-se diante dele. No dia do sacrifício, ele subia os degraus do templo e era oferecido como alimento para o deus da primavera. Ser sacrificado era considerado uma honra, não uma punição.

Huitzilopochtli, em particular, era tão voraz que em ocasiões especiais, milhares eram sacrificados para ele em um único dia. Longas filas de vítimas labutavam para o topo da pirâmide, onde grupos de sacerdotes tomavam um de cada vez, cortavam seu coração com uma faca de obsidiana, e apresentava-o quente e sangrando na pedra do altar do deus. Para tais ofertas em massa, os Astecas não podiam depender de voluntários, então eles mandavam incursões freqüentes ao território circundante para capturar vítimas.

No auge do domínio Asteca, Tenochtitlán foi o centro de cerimoniais cada vez mais sangrentos. Banquetes sacramentais de carne humana, cerimônias de esfola, as mortificações (mesmo em casa), e outros ritos combinavam para criar uma vida ofuscada pelos símbolos da morte.

Conquista

Os Astecas eram tão ferozmente odiados por seus vizinhos indefesos como qualquer outro povo na história. Esta era a situação quando o chefe-sacerdote Asteca Montezuma começou a ouvir rumores de "montanhas flutuantes portando belos deuses" no Golfo do México. Os Espanhóis haviam desembarcado em Yucatán, em 1517, e explorado tão longe quanto Veracruz, no ano seguinte.

Mas foi em 1519, ano em que os sacerdotes tinham previsto o retorno de Quetzalcoatl, que Hernán Cortés desembarcou na costa, com uma grande expedição composta por 11 navios, cerca de 500 homens, e 16 cavalos. Em Tabasco, Cortés recebeu 20 mulheres como um presente. Uma delas foi nomeada Malinche e foi chamada de Doña Marina pelos Espanhóis. Ela falava as línguas Maia e Asteca, aprendeu o Espanhol, e tornou-se a esposa, guia e intérprete de Cortés.

Quando Cortés desembarcou, mensageiros confirmaram os piores temores de Montezuma: os estrangeiros eram de fato de pele branca e barbudos, e deviam ser emissários de seu inimigo-deus Quetzalcoatl. De início, Montezuma esperava poder comprá-los para fora, então ele mandou-lhes presentes magníficos, que Cortés enviou de volta ao Rei Carlos I da Espanha. Quando o artista Europeu Albrecht Dürer viu as jóias de Montezuma, incluindo enormes placas de ouro e de prata, ele declarou que elas eram tão requintadas como qualquer arte no mundo.

Claro, esse tesouro só aguçou o apetite de Cortés, e ele impeliu para o interior. Quando ele foi, ele pegou muitos recrutas entre os Tlaxcala e outros que ansiavam por vingança contra os Astecas. Com suas forças assim muito reforçadas, Cortés chegou a Tenochtitlán, no final de 1519. Montezuma o recebeu com cortesia no palácio. O conquistador Espanhol prontamente tomou o rei como refém e governou a cidade por trás do seu trono.

Ouvindo que uma expedição estava vindo de Cuba para substituí-lo, Cortés foi combatê-los, deixando seu lugar-tenente Pedro de Alvarado no comando. Alvarado cometeu tantas atrocidades que os Astecas se rebelaram, cercaram o palácio, e apedrejaram Montezuma até a morte.

Cortés, que havia retornado até então, tentou fazer com que suas tropas ficassem fora da cidade, mas os Astecas romperam as calçadas, e centenas de Espanhóis, carregados com o saque, caíram no lago e se afogaram, enquanto os Astecas abatiam as tropas em pânico que se apinhavam juntas tentando escapar.

Cortés fugiu, mas esta derrota, conhecida como a "noite sombria", custou-lhe 75% de seus homens.

Posteriormente, os Astecas foram dizimados pela varíola, uma doença até então desconhecida para eles, e para a qual eles não tinham imunidade. Uma vítima foi o novo chefe, Cuitlahuac. Seu sucessor, Cuauhtémoc, jurou nunca se render aos Espanhóis. Mas Cortés recrutou outras pessoas nativas, e a cultura de facas obsidianas não poderia suportar as armas de aço dos Europeus.

Em Agosto de 1521, 150.000 famintos e sitiados povos nativos entregaram a sua cidade para Cortés, que então passou a arrasá-la. Cuauhtémoc foi capturado e executado. Hoje, muitos monumentos honram-no, mas em todo o México, não há uma estátua de Cortés.

Governo Espanhol

Por quase três séculos depois da conquista, o México foi governado por vice-reis Espanhóis que viviam como reis. Frades Católicos espalharam-se pela terra estabelecendo missões. Guiados pelos Espanhóis, talentosos artesãos nativos aprenderam uma variedade de novas habilidades, incluindo a fabricação do vidro, a metalurgia com bronze e aço forjado, e a arte da pintura com cera. A arte cerâmica antiga atingiu níveis elevados, especialmente em Puebla, onde elaborados utensílios de cozinha cobertos com desenhos de vidro eram fabricados. Estilos Europeus e tecidos bordados apareceram, utilizando a seda produzida pelo bicho-da -seda que os Espanhóis tinham introduzido para o México.

Os Espanhóis também introduziram a cana de açúcar, a roda, e os animais domesticados de carga, tais como o cavalo, o boi, o burro e a mula.

As contribuições culturais da Espanha para o México foram muito além da agricultura e do simples artesanato. Em 1551, a Espanha emitiu um decreto criando a Universidade do México. Muito mais tarde, em 1792, uma escola de minas abriu. Entre seus professores estavam Fausto de Elhuyar, descobridor do tungstênio, e Andrés Manuel del Rio, descobridor do vanádio.

A arquitetura, uma forma de arte de grande porte sob o povo nativo e no México moderno, também foi importante na época colonial. A Catedral da Assunção da Cidade do México, a maior igreja em toda a América Latina, é um excelente exemplo do estilo arquitetonico clássico. A catedral foi iniciada em 1573 e terminada em 1667, com adições feitas em estilos mais tarde. Por exemplo, o Santuário Metropolitano, que é conectado à catedral por uma parede de tezontle (pedra avermelhada nativa), é feito no estilo barroco altamente ornamentado que floresceu na Europa no século 18.

O México colonial produziu notáveis estudiosos e artistas também. Eles incluíram Francisco Javier Clavijero, autor da História Antiga Mexicana; Mateo Alemán, autor do romance Guzmán de Alfarache; e Francisco Javier Alegre, uma conhecida autoridade em Latim. Talvez a peça teatral mais conhecida da época foi La Verdad Sospechosa (A Verdade Suspeita), escrita por Juan Ruiz de Alarcón, o dramaturgo Mexicano, que - juntamente com os Espanhóis Lope de Vega, Tirso de Molina, e Calderón de la Barca - representam o nível mais alto do teatro Espanhol clássico.

Notáveis, também, são os poetas Bernardo de Balbuena e Sor Juana Inés de la Cruz. Também dignos de menção são Bernardino de Sahagún, talvez o mais talentoso historiador das colônias produzido; o nativo historiador Fernando de Alva Ixtlilxochitl; o escultor nascido em Valencia Manuel Tolsá; Fray Pedro de Gante, que introduziu a pintura para o México, e o pintor Miguel Cabrera , um nativo de Oaxaca. Todos esses escritores e artistas fizeram contribuições brilhantes para a cultura do México colonial.

Os Espanhóis estabeleceram cerca de 100 cidades no México e expandiram seu reino no que é hoje a Califórnia e o Sudoeste Americano. Sua sociedade, como a dos Astecas, era rigidamente estratificada. No topo estavam os homens nascidos na Espanha - gachupines, ou portadores de esporas.

Os Criollos - pessoas de sangue Espanhol mas Mexicano-nascidos - vinham em seguida. Os casamentos com as pessoas nativas produziram a grande tensão étnica atual, os mestiços. Outras misturas étnicas incluíam o Espanhol-preto (mulatos) e os nativos-preto (zambos). Todos os mestiços tinham status muito baixos, mas ainda eram considerados superiores aos povos nativos, que constituíam metade da população e eram virtuais escravos.

O fosso entre os aristocratas e os humildes nativos era astronômico. Os Espanhóis possuiam vastas propriedades (haciendas) e minas; eles dominavam o governo, a igreja, e os militares. A riqueza era drenada da terra e enviada para a Espanha ou para as propriedades baroniais dos gachupines. As classes mais baixas eram brutalmente exploradas.

A independência do primeiro século

O final do século 18 viu a chegada de novas e mais-liberais idéias, tanto na Europa e nas Américas. Foi também uma época revolucionária, o tempo das Revoluções Americana e Francesa. Esses desenvolvimentos tiveram o seu efeito no México. Intelectuais crioulos e mestiços começaram a sonhar em derrubar a tirania Espanhola e em criar uma república.

Na cidade de Querétaro, um tal grupo de criollos estabeleceu um clube literário e social em que se discutiam os planos de independência. Um membro do grupo era o Padre Miguel Hidalgo y Costilla, um padre da paróquia da aldeia vizinha de Dolores. Hidalgo era um humanitário que havia vencido o amor de seus paroquianos nativos através de seus esforços para ajudá-los. Em violação da lei, ele havia ensinado o povo nativo à plantar várias culturas e fazer novos tipos de cerâmica e couro.

O grupo de Querétaro esperava liderar uma revolta não-sangrenta de criollos contra os gachupines. Seus planos foram descobertos, no entanto, e em Setembro de 1810, foram emitidas ordens de prisão contra os líderes dos conspiradores. Agora Hidalgo pediu ajuda ao povo nativo. Em 16 de Setembro de 1810, ele convocou os seus paroquianos e, em um discurso inflamado, clamou-os a libertar sua terra da tirania Espanhola.

Ele concluiu: "Viva a Virgem de Guadalupe! Viva o México!" Hoje, esse "Grito de Dolores" ainda ecoa em todo o país em 16 de Setembro.

O México irrompeu como um de seus próprios vulcões. Os insurgentes que combatiam sob o estandarte da Virgem foram derrotados em 1811, e Hidalgo foi despojado do seu sacerdócio e decapitado. Um aluno de Hidalgo, o Padre José María Morelos, pegou a bandeira e liderou a rebelião. Morelos, o primeiro herói mestiço do México, é homenageado como um patriota previdente que, olhando para além revolução, apelou por reformas sociais básicas. Ele foi executado em 1815. Em 1820, Agustín de Iturbide, um ex-general das tropas Espanholas, fez um acordo com o líder insurgente Vicente Guerrero. Eles proclamaram a independência Mexicana, e Iturbide assumiu como imperador do México.

Entre 1821 e 1876, o México foi governado por dois imperadores, 40 presidentes, e vários governos provisórios. A guerra civil e os conflitos entre a Igreja e o Estado eram quase contínuos. O imperador Iturbide deteve o poder até 1823, quando as forças do General Antonio López de Santa Anna derrubaram seu governo e declararam o México uma república. O líder criollo Santa Anna - às vezes liberal, às vezes reacionário, mas geralmente conservador - governou o país várias vezes pela década de 1850.

A Guerra Mexicana

As políticas e decisões de Santa Anna trabalharam contra os interesses Mexicanos. Ele foi responsável pelo massacre de Texanos no Alamo, após o Texas ter declarado sua independência do México em 1836. Mais tarde, quando foi capturado, Santa Anna desistiu do Texas em troca de sua liberdade pessoal.

Em 1846, os Estados Unidos anexaram o Texas, cuja independência o México nunca tinha reconhecido. A guerra estourou, e os Estados Unidos invadiram o México. As forças do México se saíram mal. Quando o General Winfield Scott chegou à Cidade do México, cadetes heróicos clamaram por Los Niños ("os meninos") mortos defendendo Chapultepec. Santa Anna fugiu, e os Americanos saíram vitoriosos. Pelo poder armado, os Estados Unidos tomaram mais da metade do território do México, incluindo a maior parte do que hoje é a Califórnia e os estados do sudoeste.

Mais tarde, reportadamente para pagar suas dívidas, Santa Anna vendeu aos Estados Unidos o Vale de Mesilla, agora parte do Novo México e do Arizona, por $10 milhões de dólares.

Benito Juárez e Maximiliano

Em 1855, os liberais conseguiram o exílio de Santa Anna. Seu líder era um Zapotec, Benito Juárez, nascido no estado de Oaxaca. Os liberais promulgaram a memorável Constituição de 1857, que - buscando quebrar o poder da igreja e terminar o feudalismo no México - confiscou as terras da igreja, chamou pela educação livre patrocinada pelo Estado, e declarou a liberdade religiosa. Na resultante Guerra da Reforma (1858-1860), os liberais ganharam, e Juárez entrou na Cidade do México como presidente em 1861.

Mas o país estava falido de anos de guerra, e Juárez teve que suspender o pagamento das dívidas para a Espanha, Inglaterra e França. Os reacionários utilizaram esta falha como um pretexto para convencer Napoleão III da França para tomar o México. De 1862 a 1864, tropas Francesas invadiram e conquistaram o país com o apoio dos reacionários, que restauraram a forma monárquica de governo.

Napoleão III deu a coroa ao Arquiduque Maximiliano da Áustria e sua esposa, Carlota. O Imperador Maximiliano provou ser um monarca fraco, embora ele fosse bem-intencionado e surpreendentemente liberal. Na verdade, por causa desse liberalismo, Maximiliano decepcionou seus seguidores reacionários. Ao mesmo tempo, ele era oposto pelos liberais Mexicanos, porque ele era um estrangeiro. Napoleão retirou as tropas Francesas em 1867, e Maximiliano, abandonado por todos, foi executado. Carlota, que havia escapado para a Europa, esteve insana para o resto de sua vida.

Juárez novamente assumiu o cargo de presidente. Durante seu breve regime - ele morreu no cargo em 1872 - Juárez lançou as bases para o desenvolvimento da indústria, transportes, comunicações e educação pública, e começou, finalmente, o processo de forjar o México em uma nação.

Porfirio Díaz

Em 1876 Porfirio Díaz, um dos oficiais de Juárez, tomou a presidência, iniciando-se mais de 30 anos de estabilidade conhecidos como a Paz Porfiriana. Ele trouxe a lei e a ordem para a sua terra conturbada, estabelecendo uma ditadura militar. Díaz pensava de si mesmo como um pai severo que sabia o que era melhor para seus filhos desobedientes.

A ditadura, no entanto, espezinhava as instituições que os reformistas tinham sonhado e tinham consagrado na Constituição de 1857. Díaz restaurou para o exército e os aristocratas todos os seus antigos privilégios, e fez as pazes com a Igreja, retornando as suas vastas propriedades. Para desenvolver a terra, ele incentivou o investimento estrangeiro não regulamentado. Com a cooperação dos capitalistas estrangeiros e dos Mexicanos ricos, ele iniciou a indústria do petróleo, construiu ferrovias e portos, e implementou a produção agrícola. A dissidência foi rigorosamente reprimida.

Díaz lidou com o banditismo no campo, colocando os bandidos em uniformes e rotulando-os de rurales (polícia rural). Os órgãos e governos estaduais íam para a rica elite de pele clara. Um por cento da população controlava e explorava o resto, de modo que a maioria das pessoas estava pior do que nunca, enquanto os aristocratas viviam vidas de luxo.

Sob a proteção da Paz Porfiriana, as grandes haciendas floresceram. Estas vastas propriedades tipicamente incluíam uma casa grande (que era a casa do proprietário), uma casa para o administrador, uma casa ou casas para os funcionários, uma loja comercial, uma igreja, e uma prisão.

Trabalhando uma programação diária brutal, o peão nativo era forçado a se endividar para a loja da hacienda. E ele nunca pagava a dívida, que se tornava hereditária, garantindo a virtual escravidão. No entanto, o regime parecia atraente para os investidores estrangeiros que viam apenas a ornamentada opulência dos novos edifícios na Cidade do México e as esplêndidas avenidas amplas. Afinal, para a maioria das aparências, Díaz havia abolido a "desordem civil".

Mas, assim como o estoicismo nativo sob o impulso Espanhol tinha atingido os seus limites um século antes, assim novamente o México fervia sob a superfície. A vida sob o regime de Díaz tinha se tornado intolerável, e a fachada rígida da Paz Porfiriana começou gradualmente a rachar quando o século 20 se abriu.

Em 1908, um sonhador intelectual chamado Francisco I. Madero publicou um trabalho intitulado A Sucessão Presidencial em 1910, que sugeria fortemente que era hora de uma mudança democratizante. Madero, um rico plantador de algodão que alimentava os filhos dos seus trabalhadores em sua própria mesa, era um pacifista. No entanto, precisamente 100 anos após o "Grito de Dolores" de Hidalgo, a mensagem do livro de Madero tornou-se um grito de guerra para os insurgentes, dando início a uma década de violência e derramamento de sangue sem precedentes.

A Moderna Nação Mexicana

Os Mexicanos têm vivido com a revolução em toda sua história. Quando falam da Revolução, eles estão se referindo a duas coisas. Primeiro, eles querem dizer o violento conflito que começou em 1910 e durou até 1920. Durante essa provação, os Mexicanos pagaram por sua libertação com o sangue, tumulto e devastação que custou 1 milhão de vidas.

Mas pela "Revolução", os Mexicanos também se referem ao processo de mudança revolucionária pacífica que se seguiu à guerra. Seus princípios estão consagrados na Constituição de 1917, que se mostrou suficientemente flexível e humana para suportar o estresse triturante da transição do país para o mundo moderno. A idéia da revolução ainda está encarnada em nome do poderoso Partido Institucional Revolucionário do México (PRI), que controlou a presidência de 1929-2000.

A Revolução armada começou com rebeliões no norte sob Pancho Villa, um bandido virado revolucionário, e no sul sob o líder nativo Emiliano Zapata. Díaz foi obrigado a sair do poder em 1911, e Madero - o estudioso que ajudou a inspirar a revolução - foi posteriormente eleito presidente do México.

Mas Madero era politicamente inexperiente e de temperamento inadequado para altos cargos políticos. Em 1913, o impiedoso General Victoriano Huerta, comandante das forças do governo, traiu Madero e fez-se presidente pela força. Madero foi preso e depois morto, supostamente ao tentar fugir.

A fúria da Revolução, em seguida, caíu sobre a terra, e a população faminta se levantou contra a tirania de Huerta. Antes da ordem ser restaurada em 1920, o país teve 10 presidentes, um dos quais durou no cargo por menos de uma hora. Todo o México era um cenário de exércitos em guerra, fazendas em chamas, e atos diários de brutalidade.

Um evento de esperança, no entanto, ocorreu. Venustiano Carranza, um governador de Estado e general tornou-se líder do país em 1916. Ele chamou a convenção que elaborou a Constituição de 1917. Essa constituição permanece em vigor hoje. Ela estabeleceu um sistema presidencial organizado em princípios federativos, com estados liderados pelos governadores.

Ela reviveu os ideais da Constituição de 1857: a educação gratuita, a separação entre a Igreja e o Estado com o controle estatal da propriedade da igreja, e as liberdades civis. Ela também introduziu a jornada de trabalho de oito horas, fixou o salário mínimo, e deu aos trabalhadores o direito de sindicalização e de greve. Pela Constituição, todos os recursos da terra e nacionais poderiam ser reivindicados pelo governo.

Em 1920, Carranza foi deposto e, como Madero, assassinado. Outros heróis revolucionários que tiveram o mesmo destino foram Pancho Villa e Zapata. Mas fora do turbilhão surgiu o líder dos Yaqui, Álvaro Obregón. Ele era um rancheiro de Sonora que havia perdido seu braço direito na guerra. Em 1920, ele assumiu a presidência da nação. Desde aquela época, nenhum presidente foi derrubado pela força. Finalmente livre de ditadores e da guerra, o México começou a longa luta para construir uma nação moderna e progressista.

A Revolução Pacífica

Com efeito, a Revolução Mexicana saiu das planícies e fazendas com uma mão sobre a Constituição de 1917 e a outra em uma arma. Prevenir mais desordem e curar as terríveis feridas da guerra veio primeiro. Em seguida, veio o trabalho de transformar os princípios da Revolução em objetivos práticos, seguido da tremenda tarefa de fazer os objetivos se tornarem realidade.

Uma Única Forma de Governo

De acordo com a Constituição de 1917, o México é dirigido por um presidente que é eleito para um mandato de seis anos e não pode servir a dois mandatos sucessivos. Quase todo o poder pertence ao presidente e o gabinete, que ele nomeia. Existe um Senado de 50-membros e uma maior Câmara dos Deputados, eleitos pelo povo. O Poder Judiciário é dirigido por um supremo tribunal, com juízes nomeados para a vida; eles, por sua vez, nomeiam os juízes distritais inferiores. Antes de 1929, não havia nenhuma organização política, a não ser o exército. Naquele ano, Plutarco Calles, compatriota de Obregón e sucessor como presidente, formou o que se tornou o PRI, que passaria a governar o México pelos próximos 71 anos.

A Revolução na Prática

Obregón e Calles lideraram a nação através de seus primeiros 14 anos. Obregón, presidente de 1920-1924, instituiu programas de educação pública gratuita e de distribuição de terras, e incentivou o trabalho de sindicalização. Seu sucessor, Calles, começou como um reformador, fundando o Banco do México e avançando os objetivos revolucionários. Mais tarde, ele cresceu como conservador. Seus esforços para implementar a Constituição causaram conflitos com as empresas estrangeiras de petróleo e a Igreja Católica Romana. O repúdio da Constituição pela Igreja causou consternação entre os devotos. E provocou profunda animosidade entre os rebeldes Católicos militantes, conhecidos como Cristeros, e as forças do governo anticlericais.

Nesse meio tempo, os sindicatos estavam sem-vida, e o papel-moeda estava praticamente sem-valor. A Constituição foi alterada para permitir a reeleição de Obregón em 1928. Mas antes que Obregón pudesse assumir o cargo, ele foi assassinado. Ao longo dos próximos seis anos, o México teve três presidentes. Mas o verdadeiro governante era Calles. Muitos Mexicanos sentiram que seu país estava se afastando de seus objetivos e ideais revolucionários e voltava para a velha corrupção e exploração.

História recente

Lázaro Cárdenas, "a consciência da Revolução", foi eleito para um mandato de seis-anos em 1934. Seu sucessor mais moderado, Manuel Ávila Camacho (presidente de 1940-46), fez as pazes com a igreja sem restaurar seu poder político. Ele também instituiu reformas educacionais radicais. Miguel Alemán (presidente de 1946-1952) foi criticado por corrupção. Mas ele fez estabelecer a segurança social e trazer o desenvolvimento econômico extenso.

As mulheres Mexicanas receberam o direito de voto em 1958. Ao longo da década de 1960 e 1970, quando foi descoberto petróleo, o país gozava de prosperidade sem precedentes. A superabundância de petróleo em todo o mundo no início dos 1980s, no entanto, levou a economia a uma espiral. Carlos Salinas de Gortari, eleito em 1988, enfrentou desafios economicos e sociais. O excedente de petróleo significou menos receita do petróleo do que o esperado.

Como resultado, o país encontrou-se com a inflação perigosamente elevada, uma moeda seriamente desvalorizada (o peso), e uma enorme dívida externa. Para piorar a situação, o Furacão Gilbert atingiu o México em 1988, causando a devastação generalizada.

Uma vitória diplomática para Salinas ocorreu em 1990, quando a chegada do Papa João Paulo II na Cidade do México terminou um período de 133-anos de não-relações do Mexico com o Vaticano. Para incentivar o investimento nacional e estrangeiro, Salinas iniciou a privatização de empresas estatais e bancos federais, e assinou o Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA), um acordo de livre comércio entre o México, Estados Unidos e Canadá, que entrou em vigor em 1 de Janeiro de 1994.

A campanha de Salinas contra a corrupção do governo não foi suficiente para acalmar os adversários do PRI. Os anos 1990s foram marcados por conflitos políticos quando vários partidos se tornaram fortes o suficiente para apresentar oposição viável ao PRI, embora o partido mantivesse sua maioria em ambas as casas legislativas nas eleições de 1994. Ernesto Zedillo Ponce de León, que tornou-se presidente naquele ano, assinou um acordo em 1996 com os quatro principais partidos da oposição, projetado para tornar o México uma verdadeira democracia multipartidária.

As reformas políticas e o descontentamento com os problemas econômicos do México enfraqueceram o PRI, que em 1997 perdeu a maioria na câmara baixa do Legislativo pela primeira vez em sua história. Um candidato da oposição também foi eleito prefeito da Cidade do México, nas primeiras eleições realizadas para esse cargo desde 1928.

As históricas eleições presidenciais de Julho de 2000 que terminaram o governo do PRI foram conquistadas pelo candidato da oposição Vicente Fox Quesada do Partido Ação Nacional (PAN), mas seu partido não ganhou o controle do Legislativo. Outro partido de oposição, o Partido da Revolução Democrática (PRD), manteve a prefeitura da Cidade do México. Os esforços de Fox para introduzir mais reformas democráticas e de livre mercado, eliminar a pobreza e fortalecer os laços com os Estados Unidos foram prejudicados por uma desaceleração econômica, pela oposição legislativa em casa, e por um rancoroso debate sobre a imigração ilegal nos Estados Unidos.

Na eleição presidencial de 2 de Julho de 2006, o candidato de centro-direita Felipe Calderón do PAN de Fox derrotou o candidato do PRD de esquerda Andrés Manuel Lopez Obrador, o populista ex-prefeito da Cidade do México. A eleição foi decidida por menos de 1 por cento dos votos.

Nas semanas seguintes à eleição, dezenas de milhares de Mexicanos foram às ruas da Cidade do México, em apoio das chamadas de Lopez Obrador por uma recontagem. Quando isso não aconteceu, ele continuou a desafiar a autoridade de Calderón, mesmo depois de Calderón assumir o cargo em 1 de Dezembro de 2006.

O Governo de Calderón foi elogiado por sua resposta rápida às inundações no sudeste do México, que deixaram 70 por cento do estado de Tabasco debaixo de água em Novembro de 2007. Ele foi menos bem sucedido no combate cada vez mais violento aos traficantes de drogas da nação ou em mitigar o impacto econômico de uma recessão nos Estados Unidos e de um surto de gripe suína em 2009 que prejudicou a vital indústria do turismo. Em Janeiro de 2011, o governo Mexicano anunciou que um total de 34.612 pessoas foram mortas nos últimos quatro anos como resultado do crime organizado, incluindo membros de gangues, forças de segurança, e inocentes.

Antonio Montes De Oca

Fonte: Internet Nations

México

História

Antes da chegada dos espanhóis, México estava habitado por vários povos. Os Maias, por exemplo, tinham se estabelecido no sul. No princípio do século XIV apareceram os Astecas, povo que alcançou uma notável civilização e fundou em 1325 a cidade de Tenochtitlán, hoje México. Uma das suas tribus, a dos mexicas, deu ao país seu nome atual. Esse povo constituiu um poderoso império e nele reinava Moctezuma II quando chegaram os espanhóis.

Em 1518, Juan de Grijalba reconheceu o país e no ano seguinte empreendeu sua conquista Hernán Cortés quem em 1521 tomou o poder da capital e pouco depois converteu o grande império Asteca em reinado espanhol. A dominação espanhola durou três séculos, atendendo sempre a prosperidade da colônia e melhorando as condições sociais dos índios.

1810-1821 A LUTA PELA INDEPENDÊNCIA

No início do século XIX, começa o processo que acarretou na independência do México. sde 1810 a 1821 diversos caudilhos se sublevaram contra a dominação espanhola, destacando neste sentido o "Grito de Dolores" encabeçado pelo padre Hidalgo e as campanhas empreendidas pelo padre Morelos. Todos estes movimentos acabaram sendo sufocados pelas autoridades espanholas.

Em 1820, a restauração em Espanha da Constituição de 1812 e a rejeição às reformas liberais provocou que a elite conservadora deixasse de apoiar o regime espanhol.

Uma sublevação das tropas mexicanas ao comando de Agustín de Iturbide promulgou o Plano de Iguala ou das Três Garantias, que proclamava: uma religião única, a união de todos os grupos sociais e a independência de México com uma monarquia constitucional.

Iturbide foi proclamado Emperador pelo que se estabeleceu o primeiro Império Mexicano, de curta duração já que ao perder o apoio dos caudilhos regionais e do exército, o imperador Agustín I acabou sendo derrocado.

1823-1855 OSANOS DE SANTA ANNA

Os anos que decorrem até o triunfo da revolução liberal foram uns anos de profunda instabilidade interna, conflitos entre os Estados que compunham a nação e estancamento econômico. A época esteve marcada pela personalidade do general Antonio López de Santa Anna, quem pese a assumir a presidência em sete ocasiões, não conseguiu dar estabilidade à república.

Além disso, a debilidade do Estado mexicano facilitou a separação de Texas, em 1836, que acabou unindo-se aos Estados Unidos em 1845, o qual desembocou numa guerra entre ambos países (1846-1848) que concluiu com a perda do norte de México: a Alta California, Texas e Novo México.

1855-1876 GUERRA DE REFORMA E MEXICO LIBERAL

O triunfo da revolução liberal, em 1853, trouxe consigo grandes reformas e transformações: o partido conservador que tinha apoiado a Santa Anna perdeu o poder, implementou-se uma legislação laica, levou-se a cabo uma reforma agrária e se aboliram os privilégios.

A figura dominante do período foi Benito Juárez em cujo mandato (1864-1872) foi colocada em vigor a legislação liberal conhecida como Leis de Reforma. O partido conservador, contrário a tais reformas, resistiu-se apelando às armas o que se traduziu em duas guerras civis. A primeira (1858-1861) acabou com o triunfo do liberais e a segunda trouxe consigo a intervenção estrangeira e a invasão das tropas francesas que impuseram a Maximiliano de Habsburgo como Emperador (1864-1867). Mas a retirada do exército francês, em 1866, pelos compromissos de Napoleão III em Europa e o desgaste das forças conservadoras ante a ofensiva dos guerrilheiros liberais conduziu à queda do II Império e ao regresso de Juárez à presidência em 1867. Mas nem Juárez nem seu sucessor, Sebastián Lerdo de Tejada (1872-1876), conseguiram estabilizar ao país.

1876-1911 O PORFIRIATO

As reformas liberais, a estabilidade política e o crescimento econômico não foi conseguido até a chegada ao poder de Porfirio Díaz. Este militar mexicano impôs seu domínio durante mais de três décadas graças à intimidação dos seus rivais, o clientelismo com seus apoiantes e a repressão contra seus opositores. México viveu uma época de ouro em matéria econômica e de estabilidade interna pois o porfiriato facilitou a chegada de investimentos estrangeiros que se traduziram, principalmente, na criação de uma ampla e moderna rede de transportes ferroviários.

Porém, as contradições políticas e sociais sintetizadas na falta de liberdade e o surgimento das classes média e obreira, excluídas do sistema porfirista, conduziram à queda do regime, já desgastado, em 1911.

1911-1920 A REVOLUÇÃO MEXICANA

A revolução mexicana foi um processo longo e complexo que mudou ao país definitivamente e que impulsionou o México moderno. Começou como uma reforma política de caráter democratizador, processo que encarnou Francisco Madero, presidente entre 1911 e 1913, cujas mudanças moderadas foram cortados na raiz por um golpe de Estado que acabou com sua vida.

A Revolução continuou depois como um conflito de características sociais, durante a guerra civil de 1913-16 que enfrentou as forças conservadoras do presidente Victoriano Horta e as forças revolucionárias encarnadas em Emiliano Zapata no sul, líder dos camponeses indígenas, e Pancho Vila, Álvaro Obregón e Venustiano Carranza no norte. O triunfo dos revolucionários sobre Horta foi só a antessala de uma nova guerra civil, desta vez entre os próprios dirigentes revolucionários que se finalizou com a vitória militar de Obregón e Carranza sobre Zapata e Pancho Vila.

No final da segunda década do século XX, a Revolução conseguiu consolidar-se com a promulgação da Constituição de 1917, ainda vigente, e a chegada ao poder de Obregón e seus apoiantes, os sonorenses, cujo domínio se estendeu até os anos 30.

1920-1946 A ERA DO PRI

Entre 1920 e 1940 foi se desenhando o novo modelo de Estado e se assentou o regime. As metas mais importantes foram a criação do Partido Nacional Revolucionário em 1929, antecedente direto do PRI, que uniu as forças revolucionárias e as enquadrou de tal maneira que puderam ser controladas pelo Estado, o que facilitou a pacificação do país, que só se viu alterado pela sublevação dos setores católicos (a Guerra Cristera) em desacordo com a legislação leiga do homem forte de México, Plutarco Elías Calles, depois da morte, em 1928, de Obregón.

As reformas implementadas por Lázaro Cárdenas, entre 1934 e 1940, outorgaram maior legitimidade ao regime, sobretudo, graças ao impulso da reforma agrária e a nacionalização do petróleo.

O PNR, que em 1937 passou a chamar-se Partido da Revolução Mexicana, adotou, em 1946, o nome de Partido Revolucionário Institucional, PRI. Desde esse ano, o PRI se converteu no partido hegemônico no sistema político deste país pois até os anos 80 nunca perdeu uma eleição estatal. A estabilidade dos anos 40, foi seguida pelo crescimento econômico dos 50, as tentativas de introduzir reformas moderadas no sistema, nos anos 60, e o giro para a esquerda nos 70.

A crise pela suspensão do pagamento da dívida e a nacionalização da banca em 1982, unida à crise econômica e o descrédito do PRI e seu sistema, propiciaram o surgimento de forças políticas que, em meados dos anos 80, colocaram em perigo o domínio do PRI. O Partido de Ação Nacional, o PAN, nascido em 1939, e o Partido da Revolução Democrática, surgido de uma cisão dos setores mais à esquerda do PRI, foram ocupando espaços de poder.

1990- OS ÚLTIMOS ANOS

As reformas econômicas e sociais de Carlos Salinas de Gortari (1988-1994), em especial a assinatura do Tratado de Livre Comércio com os Estados Unidos, pareceram dar um novo impulso ao PRI, mas a crise econômica de 1994 e a sublevação zapatista em Chiapas, desse mesmo ano, prejudicaram o partido que perdeu a maioria na Câmara de Deputados em 1997 e no ano 2000 a presidência.

A Cultura

Gastronomia

Os costumes na hora de comer estão muito ligados à ocasião, à origem social das celebrações e à época do ano.

Para resumir, podemos nomear três ocasiões que nos pode servir de mostra:

O almoço é o alimento depois do café da manha (se esse não foi muito farto) e é a ocasião para provar os tamales (tortas finas de milho), ou um caldo acompanhado de batatas. Não menos deliciosos são os chilaquiles (uma massa com batatas) ou ovos rancheiros.

A comida, servida entre a uma e as quatro da tarde, é mais abundante que em outros países e também possui mais condimentos. Antes da comida principal, que geralmente é um cozido, é comum saborear uma sopa ou um arroz. Depois vem a sobremesa.

A merenda é um momento familiar no qual se destacam os sabores doces: chocolate a espanhola ou chapurrado, pães doces com nomes graciosos e também os tira-gosto: tacos, tamales, quesadillhas, entre outros.

Literatura

A literatura mexicana em língua espanhol data do século XVI e muitas obras faz referencia à temas de tradição oral dos grupos indígenas do país. Destaque para Sor Juan Inês de la Cruz, uma das grandes poetas do século XVII. Entre os escritores mexicanos mais relevantes do século XX se encontram os novelistas Mariano Azuela, Martín Luis Guzmán, Augustín Yánez e Carlos Fuentes; os dramaturgos Rodolfo Usigli, Salvador Novo e Emilio Carballido e os poetas Alfonso Reyes e Octávio Paz, que ganhou o prêmio Nobel de Literatura em 1990.

Outro dos grandes nomes da literatura mexicana e universal é Juan Rulfo, autor de clássicos como "El llano em llamas" e "Pedro Páramo", fieis representações do realismo mágico. Conseguiu um grande êxito de público a autora Laura Esquivel, com sua novela "Como água para chocolate".

Música e Dança

As canções e danças folclóricas, características das diferentes regiões do país, são acompanhadas de diversos tipos de conjuntos musicais onde o principal instrumento é a guitarra.

A banda de mariachis é originária de Jalisco. Normalmente interpretam músicas rancheiras cujos temas podem variar, mas sempre abordam temas românticos. O corrido, uma balada folclórica narrada em rimas de quatro versos, derivada da romanza espanhola, é provavelmente a maior contribuição mexicana à música folclórica da América.

Outras danças que se destacam é o danzón, o cha-cha-cha, a sadunga, a jarana e o jarabe tapatío.

São interpretes e compositores famosos da música mexicana, entre outros: Agustín Lara, Jorge Negrete, Pedro Infante, Chavela Vargas, Lucha Reyes, Miguel Aceves Mejía, José Alfredo Jimenez, Armando Manzanero y Los Panchos.

Algumas das danças e instrumentos pré-hispanicos sobrevivem. As danças mais conhecidas são as dos concheros e dos voladores. Quanto aos instrumentos destaque para o huéhuetl e o teponaztli, ambos de percussão, além de numerosas flautas de cerâmica e cana.

Por último, devemos mencionar algumas das jovens bandas mexicanas que passaram a fronteira do país: El Tri, Maldita Vecindad, Caifanes e Maná.

As artes

A cultura mexicana é uma mescla rica e complexa de tradições indígenas, espanholas e estadunidenses.

As áreas rurais estão povoadas por indígenas, descendentes de sociedades altamente desenvolvidas como maias, astecas e toltecas, e por agricultores descendentes de espanhóis e mestiços. Nas cidades se sobressai tanto a influencia européia, principalmente espanhola e francesa, como estadunidense.

A maioria dos artistas mexicanos contemporâneos está esforçando-se por produzir um trabalho caracteristicamente mexicano que fusione estilos espanhóis, indígenas e europeus.

Recursos naturais

No México os recursos minerais são abundantes e variados. Podem-se encontrar quase todos os minerais conhecidos com destaque para a prata, além de carvão, ferro, ouro, cobre, chumbo, mercúrio e zinco. As reservas de petróleo e gás natural são abundantes, com alguns dos maiores depósitos do mundo localizados perto da baía de Campeche.

Agricultura e pecuária

Num país considerado como semi-árido, a produção agrícola está sujeita às variações dos regimes fluviais. Apesar disso, os projetos de irrigação aumentaram o valor das terras de baixo cultivo e a conservação dos solos aumentou a produção.

Em 2003 os principais produtos agropecuários do México foram: milho, trigo, cevada, arroz, legumes, batata, café, algodão, cana de açúcar, fruta e hortaliças.

Entre os rebanhos pecuários de 2003 estavam as vacas, ovinos, caprinos, mulas, asnos e aves.

Silvicultura e pesca

Aproximadamente 29% do país estão cobertos por bosques. Devido o desmatamento incontrolado de ricas áreas madeireiras a exploração florestal está atualmente bastante controlada pelo governo. México manufatura importante quantidade de produtos florestais, entre eles madeira, chicle, resinas, tanino, quina e outras substâncias.

Os bancos pesqueiros mais importantes localizam-se nas proximidades das costas da baixa Califórnia, no golfo do México e nas costas do Pacífico, desde o estado de Jalisco até Chiapas. A indústria pesqueira está administrada por sociedades cooperativas que têm o monopólio de certos produtos.

Entre os crustáceos destaca a jaiba (uma espécie de caranguejo), a lagosta e o camarão. Esse último é extraído nas costas de Campeche e Sinaloa e são exportados principalmente para os Estados Unidos. Os moluscos mais capturados são as lapas burras, os caracóis, os polvos, entre outros.

Também é importante a pesca de numerosas espécies de água doce. A captura de tartarugas marinhas para o consumo de sua carne foi freada nos últimos anos já que é uma espécie protegida.

Indústria

A indústria mexicana é uma das mais desenvolvidas da América Latina. Nos últimos anos algumas empresas estadunidenses investiram grandes quantidades de dinheiro em modernas e bem equipadas instalações nas quais se produzem veículos a motor e outros objetos de consumo para o mercado desse país.

As principais plantas industriais do México também abrangem as de fabricação de máquinas, aparelhos eletrônicos, refinarias de petróleo, empacotamento de alimentos, produção de papel e algodão, processamento de tabaco e de açúcar.

Outros produtos industriais são os têxteis, o ferro e o aço, os produtos químicos, os fertilizantes, o cimento, o vidro, a cerâmica e os artigos de pele.

Energia

Cerca de 79% da eletricidade no México é produzida em instalações térmicas, 14% em plantas hidrelétricas, 4% em plantas nucleares e 3% a partir de fintes geotérmicas.

Turismo

Mundialmente, o México ocupa o sétimo lugar em captação de turistas internacionais e o décimo primeiro em captação de divisas.

Transporte

O sistema ferroviário mexicano, que está privatizado, tem 17.697 km de vias. A extensão das estradas é de 329.532 km (1999), dos quais 33% estão pavimentados.

Varias autopistas atravessam o país, entre elas quatro rotas principais, que vão desde a fronteira com Estados Unidos até a capital da República Mexicana e formam parte da rodovia Pan-americana.

O transporte aéreo se desenvolveu de maneira intensiva e atualmente o país conta com mais de 1.700 aeroportos e pistas de pouso. As principais companhias aéreas são Aeroméxico e Mexicana de Aviação.

Fonte: www.ciberamerica.org

México

México (América do Norte)

Geografia

Escarranchando América do Norte e América do Sul, o México é uma vasta área montanhosa, limitado no oeste pelo Oceano Pacífico e ao leste pelo Golfo do México.

Os dois canais principais do país são a Sierra Madre Ocidental e Oriental montanhas espalhadas (Altiplano incluindo o centro), que cair a planícies estreitas ao leste e oeste. Eles se encontram no sudeste do país.

Existem algumas outras áreas marcadas como a península de Baja California tempo para o noroeste, alguns morros ao Pacífico, e grandes áreas costeiras do leste e ao oeste pela Península de Yucatán, no sul-leste, e um planalto de calcário formando uma fronteira natural entre o norte eo sul.

Países fronteiriços:

Norte: Estados Unidos
Sul: Guatemala e Belize

Independência: 24 de agosto de 1821 (da Espanha)

Governo: República Federal, presidencial

Capital: México

Idioma Oficial: Espanhol

Usual: Maia e Nahuatl

Área: 1972547 km ²

População: 107 milhões de habitantes

Moeda Nacional: Peso mexicano (MXN)

Dia Nacional: 16 de setembro (Proclamação da Independência de 1810)

Clima

No litoral, o clima é tropical: verões quentes e invernos úmidos e suave. Em média 23 ° C de temperatura. No centro, o clima é temperado continental, devido à altitude média. Os verões são quentes durante os invernos dia e frio à noite, e frio. De maio a outubro, as chuvas são mais abundantes.

As temperaturas estão geralmente entre 10 e 20 ° C. Finalmente, há um clima semi-tropical na região intermediária. Deserto, o local é sujeito a um clima severo, os verões são quentes e chuvas muito baixo.

Saúde

Nenhuma vacina necessária. Atualizado Gerais vacinas recomendadas (poliomielite, tétano, difteria ...). E os termos e duração da estadia, a febre tifóide, a hepatite B ea raiva. Evite beber água da torneira e cuidado com queimaduras solares e mosquitos.

Descubra

Na costa, o México oferece belos resorts com praias de areia branca e água cristalina quente: para deliciar os entusiastas ambos os esportes que os seguidores da ociosidade. Cidade do México tem algumas belas paisagens para ver e visitar como o Zócalo, a Catedral eo Museu de Antropologia. No local de Teotihuacan, você pode ver a Pirâmide do Sol ou da Lua, resquícios da era maia. Finalmente, um pequeno desvio para Acapulco, que foi muito importante porto colonial, é necessária. As praias são lindas, a cidade é vibrante e moderna, local e pina colada é uma delícia!

México
Vista noturna da cidade do México

Fonte: www.continent-americain.com

México

O México é um país onde a riqueza, a pobreza, esplendor natural e urbano ombros esfregar ferrugem.

Sua política foi dominada por 70 anos pelo Partido Revolucionário Institucional, ou PRI. Mas as eleições em 1997 viu uma pausa oposição ressurgente que estava em vigor um sistema de partido único, com uma fachada democrática.

Eleições em 2000 confirmou a tendência, quando Vicente Fox se tornou o primeiro presidente a vir da oposição.

O México tem a segunda maior economia da América Latina e é um produtor de petróleo e exportador. Embora a produção tenha caído nos últimos anos, cerca de um terço das receitas do governo ainda vem da indústria. Grande parte do petróleo bruto é comprado por os EUA.

Mas a prosperidade continua a ser um sonho para muitos mexicanos, ea diferença sócio-econômica ainda é grande. As zonas rurais são muitas vezes negligenciados e favelas enormes tocar as cidades.

Em décadas recentes, muitos mexicanos pobres têm procurado a cruzar a fronteira de 3.000 km com os EUA em busca de um emprego. Em um ponto mais do que um milhão foram sendo presos todos os anos, mas, desde 2007, parece ter sido uma queda dramática nos números, principalmente atribuída a mudanças demográficas no próprio México.

O México foi o lar de inúmeras antigas civilizações americanas

Recuperação econômica

A economia mexicana é fortemente dependente do dinheiro enviado para casa pelos milhões de trabalhadores migrantes em os EUA, e foi duramente atingida pela recessão na economia de seu vizinho, na esteira da crise de crédito de 2008.

Em uma nota mais positiva, o México foi recentemente emergindo de sua mais profunda crise econômica desde a década de 1930, com as empresas estrangeiras investindo bilhões de dólares em novos investimentos para o país. O investimento estrangeiro direto subiu quase 30 por cento nos primeiros seis meses de 2010 ante o ano anterior.

O crime violento que continua a ser uma grande preocupação, o México tem uma das maiores taxas de seqüestros no mundo, e mais de 35 mil pessoas morreram em violência relacionada às drogas desde dezembro de 2006.

Poderosos cartéis controlam o tráfico de drogas da América do Sul para os EUA, um negócio que vale cerca de US $ 13 bilhões (R $ 9 bilhões) por ano.

Cidades do norte fronteiriças do México está enfrentando o pior da violência. Ciudad Juarez (em frente de El Paso, no Texas) é a cidade que mais sofrem. Há também níveis elevados de violência em Michoacán e Guerrero estados.

No entanto, o México é um país grande, e há ainda muitas áreas que não apresentam níveis elevados de criminalidade grave. A taxa de homicídios em geral é menor do que vários outros países da região, incluindo El Salvador e Honduras.

Direitos indígenas

Outra questão persistente tem sido a pressão por maiores direitos para os povos indígenas do México. Uma lei aprovada em 2001 ficou aquém de dar autonomia do México índios política.

No entanto, as demandas por direitos indígenas tenham sido em grande parte pacífica desde 1994, quando pelo menos 150 pessoas morreram durante um levante no sul do estado de Chiapas, liderado pelo movimento rebelde zapatista.

Escritores como Octavio Paz e Carlos Fuentes, o mural pintor Diego Rivera, e ranchero popular e música mariachi significa que a cultura mexicana é conhecida em todo o mundo de língua espanhola e além.

Uma cronologia dos principais eventos:

México
A cidade de Teotihuacan era um centro pré-colombiana cultural principal

c. AD 250-900 Clássica Maya cidade estados florescer no extremo sul da moderna do México, bem como na vizinha Guatemala e Belize, antes de sofrer um colapso misterioso.

c. AD 0-500 - centro cultural e religioso Maior de floreios de Teotihuacan. Pensado para ter sido uma das maiores cidades do mundo no momento, mas pouco se sabe sobre sua natureza étnica e política.

6o-7o século - influxo de novos povos para o centro do México a partir do norte, incluindo falantes de náuatle.

800-1000 - ponto alto da cultura tolteca, centrada na cidade de Tula, na atual província de Hidalgo.

10o-16o séculos - Revitalized flores civilização maia na península de Yucatán norte, criando grandes cidades como Chichen Itza e Uxmal.

1428-1521 - A mais recente de uma longa linha de civilizações indígenas, o império asteca - uma aliança de Estados de língua Nahuatl cidade liderados por Tenochtitlan (hoje Cidade do México) - estabelece a hegemonia sobre grande parte da região central do México.

1519 - O exército espanhol Pequeno liderada por Hernán Cortés terras em Veracruz, marcando o início da conquista espanhola do México.

1521 - Aliado com nativos astecas anti-forças, os homens de Cortés 'capturar a Tenochtitlan de capital (atual Cidade do México).

1521-1820 - México faz parte do Vice-Reino da Nova Espanha.

Independência

1810-1821 - Guerra da Independência termina com a criação do Império de vida curta mexicano, que inclui a América Central até a fronteira sul da moderna Costa Rica, bem como o que é agora os EUA sudoeste.

1824 - México torna-se uma república federal após a queda eo exílio do imperador Augustin de Iturbide. Central províncias americanas se separar, tornando-se os países da Guatemala, Honduras, El Salvador, Nicarágua e Costa Rica.

O novo Estado mexicano está marcada pela tensão entre o conservador elite latifundiária origem espanhola ea minoria em grande parte indígenas sem-terra, resultando em instabilidade e conflito armado frequente.

1836 - O ex-província do Texas, agora cada vez mais povoada por Inglês de língua americanos, secedes depois de uma guerra, passando a se juntar aos Estados Unidos, nove anos depois.

1846-8 - Guerra Mexicano-Americana termina com o México sendo forçada a vender suas províncias do norte (incluindo moderna Califórnia, Nevada, Novo México, Arizona e Utah) para os EUA.

1855-1872 - "La Reforma", período caracterizado por reformas liberais que limitam o poder e propriedades rurais da Igreja Católica.

México
Pancho Villa foi um dos líderes da Revolução Mexicana. 
Suas façanhas foram recriados em uma variedade de livros e filmes

1864-7 - o arquiduque Maximiliano de Habsburgo da Áustria é instalado como imperador mexicano com o apoio de Napoleão III de França e latifundiários conservadores, mas é derrubado e executado pelos rebeldes republicanos.

1876-1911 - a ditadura de Porfirio Díaz de 35 anos de duração - conhecido como o "Porfiriato" - traz um longo período de modernização, estabilidade e crescimento econômico, mas ao preço de repressão política e estagnação.

Revolução

1910 - 1920 - Revolução Mexicana termina a ditadura de Porfirio Díaz e leva ao estabelecimento de uma república constitucional.

1913 -4 Sucessor de Diaz, o liberal Francisco Madero, introduz a reforma agrária ea legislação laboral antes de ser assassinado. Victoriano Huerta toma o poder. Instabilidade política continua com Zapata liderando uma revolta de camponeses no sul.

1914 - Victoriano Huerta - visto com suspeita pelos Estados Unidos por supostas simpatias pró-alemão - renuncia, e é sucedido por Venustiano Carranza.

1916 - as forças dos EUA cruzam a fronteira em busca do líder guerrilheiro Francisco "Pancho" Villa.

1917 - As forças dos EUA retirar, não tendo conseguido matar Villa. Uma nova constituição é adotada, que é projetado para garantir a democracia permanente no México.

1920 - O presidente Venustiano Carranza é assassinado. A guerra civil segue.

O PRI

1929 - O Partido Revolucionário Nacional é formado. Em 1946, é re-nomeado do Partido Revolucionário Institucional, ou PRI.

1934 - O presidente Lázaro Cárdenas inicia o programa de nacionalização do petróleo, reforma agrária e da expansão industrial.

1940 - Leon Trotsky assassinado no México.

1942 - O México declara guerra ao Japão e Alemanha.

1960 - Motins entre camponeses e trabalhadores sobre a distribuição de riqueza desigual é suprimida.

1968 - manifestação estudantil em Tlatelolco, Cidade do México, durante os Jogos Olímpicos é disparado por forças de segurança mexicanas. Centenas de manifestantes são mortos ou feridos. A extensão dos choques violência do país.

1976 - Grandes reservas de petróleo offshore descoberto, o campo Cantarell torna-se a base da produção de petróleo do México.

1985 - Terremoto no México mata milhares e faz muitos mais desabrigados.

1993 - Parlamento mexicano ratifica o Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta) com os EUA e Canadá.

Chiapas rebelião

1994 - Uma rebelião de guerrilha em Chiapas por Zapatista de Libertação Nacional do Exército é brutalmente reprimida pelas tropas do governo. Os rebeldes se opõem Nafta e quer um maior reconhecimento dos direitos indígenas. O governo reconhece a Frente Zapatista de Libertação Nacional (EZLN).

1994 Agosto - As eleições presidenciais ganhas por PRI candidato Ernesto Zedillo Ponce de Leon, depois de o candidato anterior, Luis Donaldo Colosio, foi assassinado. O mercado de ações mergulha em dezembro, o peso perde um terço do seu valor.

1995 - O ex-presidente Carlos Salinas vai para o exílio depois que seu irmão Raul Salinas está conectado com o assassinato de Colosio.

1995 novembro - O governo eo EZLN chegar a um acordo sobre uma maior autonomia para os Maias indígena de Chiapas.

1996 - A insurgência no sul escalada como o esquerdista Exército Popular Revolucionário (EPR) ataca tropas do governo.

1997 - O PRI sofre pesadas perdas nas eleições e perde a sua maioria absoluta na câmara baixa do Parlamento pela primeira vez desde 1929.

De dezembro de 1997 - 45 índios mortos por paramilitares em uma aldeia Chiapas. O incidente faz com que um clamor internacional, o presidente Zedillo começa uma investigação.

1998 Janeiro - O governador de Chiapas renuncia. As negociações de paz com os rebeldes são reativadas, mas falham no final do ano.

Fox vitória eleitoral

Julho de 2000 - Vicente Fox da Aliança para a Mudança vence as eleições presidenciais, o candidato da oposição primeiro a fazê-lo. As eleições legislativas ver a Aliança para a Mudança surgir como o partido mais forte, batendo o PRI em pouco mais de 1%.

De dezembro de 2000 - Vicente Fox é empossado como presidente.

Março de 2001 - guerrilheiros zapatistas, liderada pelo subcomandante Marcos, palco sua "Zapatour", uma marcha de Chiapas à Cidade do México para destacar suas demandas.

Abril de 2001 - O Parlamento aprova uma lei aumentando os direitos dos povos indígenas. Poucos dias depois, o Subcomandante Marcos rejeita o projeto de lei, dizendo que ela deixa a população indígena pior do que antes. Marcos diz que o levante em Chiapas vai continuar.

Novembro de 2001 - O presidente Fox nomeia um promotor para investigar o desaparecimento de ativistas de esquerda durante os anos 1970 e 1980.

Março de 2002 - Roberto Madrazo ganha o concurso para liderar o PRI, que governou por 71 anos, até 2000.

Passado descoberto

Junho de 2002 - Milhões de arquivos de segurança secretos são liberados, lançando luz sobre a tortura eo assassinato pelas forças de segurança de centenas de ativistas políticos nos anos 1960 e 1970. Presidente Fox diz que seu governo não tem medo de buscar processos.

Julho de 2002 - O ex-presidente Luis Echeverría é questionado sobre massacres de manifestantes estudantis em 1968, quando ele era ministro do Interior, e em 1971, quando ele era presidente.

Setembro de 2002 - Três oficiais do Exército são acusados de assassinato em primeiro grau sobre o assassinato de 134 esquerdistas nos anos 1970.

Julho de 2004 - Investigador julgar 1.971 tiros de manifestantes estudantis por forças do governo ter sido genocídio; juiz se recusa a ordem de prisão do ex-presidente Luis Echeverría por acusações de que ele ordenou o ataque.

De janeiro de 2005 - Seis agentes penitenciários são assassinados e de segurança máxima de prisões são colocados em alerta máximo em meio a escalada de tensão entre as autoridades e grupos de traficantes.

Abril de 2005 - furor política como prefeito da Cidade do México e presidenciais favorito Andres Manuel Lopez Obrador é despojado de sua imunidade pelo Congresso em uma disputa de terras. O governo acabou abandona a acusação.

Fevereiro de 2006 - Um posto de procurador federal de especial é criada para combater o crime violento contra as mulheres. México tinha sido criticado pelos grupos da ONU e os direitos sobre os assassinatos não resolvidos de mais de 300 mulheres com mais de 12 anos na cidade fronteiriça de Ciudad Juarez.

ulho de 2006 - o candidato conservador Felipe Calderón é declarado o vencedor das eleições presidenciais, com uma maioria apertada sobre seu rival de esquerda, Andrés Manuel López Obrador, que contesta o resultado com protestos de rua em massa. O Tribunal Federal Eleitoral confirma vitória de Calderón, em setembro.

Outubro de 2006 - presidente dos EUA, George W Bush legislação sinais para construir 1,125 km (700 milhas) de cercas ao longo da fronteira EUA-México. México condena planos para a barreira, que se destina a reduzir a imigração ilegal.

Guerra contra as drogas

De dezembro de 2006 - Uma nova força policial federal é criado para combater os cartéis de drogas, milhares de tropas estão implantados no estado ocidental de Michoacán, como parte de uma unidade de grande tráfico de drogas.

Fevereiro de 2007 - Nova lei obrigando as autoridades a tomar medidas mais duras contra a violência doméstica entra em vigor.

Julho de 2007 - Um site financeiro diz que mexicana de telecomunicações Carlos Slim ultrapassou o fundador da Microsoft Bill Gates para se tornar a pessoa mais rica do mundo.

Julgamento genocídio contra o ex-presidente Luis Echeverría está suspenso.

Outubro de 2007 - inundação fortes chuvas quase todo o estado do sul de Tabasco. Alguns 500.000 estão desabrigadas em um dos piores do país desastres naturais.

2.008 assassinatos relacionados com a droga soar. Assassinatos ligada ao crime organizado salto de quase 1.400 nos primeiros cinco meses do ano.

Maio de 2008 - O procurador-geral Eduardo Medina Mora diz que mais de 4.000 pessoas foram mortas em 18 meses desde que o presidente Calderón tomou posse e declarou guerra aos cartéis de drogas. Cerca de 450 dos mortos são policiais, soldados ou do Ministério Público, e muitas das mortes foram concentradas ao longo da fronteira com os EUA.

De agosto de 2008 - Centenas de milhares de pessoas se juntar marchas em todo o México para protestar contra a onda contínua de violência relacionada com as drogas.

Reformas energéticas

Outubro de 2008 - Diante de queda na produção de petróleo mexicano, o governo passa série de reformas de energia. O pacote inclui planos controversos para permitir investimentos privados na estatal de petróleo Pemex gigante.

Janeiro de 2009 - Governo anuncia pacote de medidas de emergência no valor de quase US $ 150 milhões (£ 100 milhões) para proteger a economia dos efeitos da crise econômica EUA.

De fevereiro de 2009 - Relatórios dizem que cerca de 1.000 pessoas morreram em um surto mais na violência relacionada às drogas nas primeiras seis semanas de 2009.

2009 Março - tropas do Exército entrar Ciudad Juarez, na fronteira com os EUA, como a guerra aberta irrompe entre quadrilhas de traficantes rivais.

Abril de 2009 - Autoridades fechar escolas e prédios públicos após dezenas estão confirmados para ter sido morto pelo vírus da gripe suína virulenta.

De julho de 2009 - Oposição Institucional Partido Revolucionário (PRI) faz grandes ganhos em eleições intercalares do Congresso, ganhando 48% dos assentos na Câmara dos Deputados.

Outubro de 2009 - taxa de assassinatos em Ciudad Juarez no México-EUA fronteira atinge todo o tempo de alta em meio a batalhas entre cartéis de drogas rivais.

2009 Dezembro - Um dos senhores do México mais procurados de drogas, Arturo Beltran Leyva, foi morto em um tiroteio com as forças de segurança do Estado.

Fonte: news.bbc.co.uk

México

Um país múltiplo, o México tem praias famosas como Acapulco, Los Cabos ruínas milenares como as de Theotihuacan e uma culinária sem paralelo no mundo.

Situado na América do Norte e delimitado ao Norte pelos Estados Unidos da América, a leste pelo Golfo do México e pelo Mar das Caraíbas, através dos quais se aproxima de Cuba, a sul pela Guatemala e por Belize, e a oeste pelo Oceano Pacífico, o México oferece um mundo cheio de contrastes. Cidades imensas, selvas virgens, vulcões, praias intermináveis, cidades coloniais, paisagens diversas, vida silvestre, desertos impressionantes, a fascinante e histórica arqueologia dos povos aztecas e maias, entre muitas coisas mais, como visitar pirâmides, passear por um rio num barquinho colorido, entender boa parte da história da humanidade em um dos melhores museus de antropologia do mundo, almoçar ao som dos mariachis e, de quebra, comprar jóias de prata da melhor qualidade.

Isso sem contar com os diversos parques espalhados pela cidade, como o Alameda e o Chapultepec.

Há várias coisas interessantes para turismo no México. Pirâmides e templos antigos, grandes megalópoles e resorts tropicais.

A viagem ao México pode começar na sua capital, a Cidade do México. É a terceira maior metrópole do mundo, perdendo apenas para Tóquio e Nova Iorque.

Essa cidade com mais de 20 milhões de habitantes foi construída sobre as ruínas de Tenochtitlan, a antiga capital Asteca fundada em 1325.

Indícios de civilizações antigas estão presentes na cidade, particularmente nas escavações do Templo Mayor e no Museu Antropológico no Parque Chapultepec.

Tenochtitlan foi fundada em 1325 pelos astecas.

Um dos pontos turísticos obrigatórios são as pirâmides de Teotihuacan e Chichen Itza. Teotihuacan fica a 50km ao norte da Cidade do México e é possível observar pinturas místicas como figuras de deuses, seres noturnos entre outros.

As ruínas de Chichen Itza ficam entre Cancun e Merida, onde habitavam as tribos Mayas.

Se você se cansar de ver ruínas e estradas empoeiradas, você pode desfrutar de resorts como Cancun, Puerto Vallarta ou Acapulco.

Cancun é um dos pontos turísticos mais populares do México. Com apenas 35 anos de existência, Cancún foi construída no que antes era uma vila de pescadores. Cancún é famosa por suas belas praias que contornam toda a cidade.

Um dos pontos turísticos mais excitantes do mundo, Acapulco é famosa por sua vida noturna, belas praias, inúmeros esportes aquáticos, hotéis e restaurantes de primeira linha e a maravilhosa Baía de Acapulco.

A melhor época para curtir um turismo no México é entre Outubro até Maio.

A sua viagem ao México pode começar pela Capital que é a Cidade do México e a terceira maior metrópole do mundo, perdendo apenas para Tóquio e Nova Iorque. Lembra bastante São Paulo. Essa cidade com mais de 20 milhões de habitantes foi construída sobre as ruínas de Tenochtitlan, a antiga capital Asteca fundada em 1325, em uma ilha do lago Texcoco.

Grande, densamente povoada, possui uma das mais fantásticas histórias da América.

Além de esbanjar história indígena e colonial, a cidade é moderna, com intensas movimentações financeiras e negócios de primeiro mundo, em grande parte influenciados pela fronteira com os Estados Unidos.

A Plaza de la Constitución ou Zócalo, o centro histórico e marco zero da Cidade, não é só uma das maiores praças do mundo, mas contém todos os símbolos históricos, políticos e sociais do país.

A praça ostenta uma imponente bandeira mexicana no centro e é rodeada pela Catedral Metropolitana, pelo Palácio Nacional, além de outros prédios públicos, restaurantes, lojas e feiras. As ruas estão sempre repletas de ambulantes vendendo todo tipo de produto típico do folclore mexicano.

A sede do governo é o símbolo da dominação do espanhol Hernán Cortés sobre a cidade asteca de Tenochtitlán e seu imperador Montezuma. Cortés soterrou o palácio de Montezuma e construiu a sua casa em cima, em estilo renascentista. No interior do prédio que abriga o gabinete do presidente estão pintados diversos murais de Diego Rivera, que retratou entre 1929 e 1935 sua visão da história do país.

Nos fundos do palácio há mais uma representação do país. O jardim tem exemplares de todas as espécies de cacto do México.

A cidade é ainda um paraíso para os amantes das comidas apimentadas (mesmo no café da manhã), dos chillis, das guacamoles e dos tacos, tapas e tortilas, sem contar as iguarias à base de cacto (até suco se faz com a planta – tenha coragem e experimente!) e as bebidas feitas com tequila, que também se origina na exótica planta do deserto.

A seguir, no trajeto para Teotihuacan visitaremos a Basílica da Virgem de Guadalupe, um dos mais ricos e visitados de todos os santuários católicos da América.

É um conjunto de edifícios instalados na base de um morro, o Cerro Del Tepeyac. Acredita-se que aqui, em 1531, uma Virgem Maria de pele morena tenha aparecido milagrosamente para o índio Juan Diego.

Agradável e relaxante nesse itinerário é uma parada em Xochilmico (lugar dos campos de flores), chamada em nahuati, língua falada pelos astecas, é um dos bairros da Cidade do México que mais preservam a cultura dos índios. Xochimilco era uma aldeia à beira do lago ligada a Tenochtitlán por uma passarela.

Atualmente, este é o único lugar da Cidade do México onde é possível ver os chinampas, canteiros semiflutuantes de flores e verduras criados com camadas de terra sobre raízes flutuantes. Feitos pelos astecas os chinampas até hoje fornecem boa parte das flores e verduras da cidade. Uma das coisas mais bacanas para fazer no bairro é passear em uma das barcas floridas, pelos 180km. de canais que sobraram do lago Texcoco, soterrado para a construção da Cidade do México. Veja e deslumbre-se!...

Finalmente chegaremos à região arqueológica de Teotihuacan (local onde os homens se tornam deuses), a 50km. ao norte da Cidade do México, cidade maia que foi no passado, a maior da América. A cidade é uma das mais impressionantes do mundo antigo, foi fundada antes da era cristã e chegou a ter mais de 125 mil habitantes.

Quando os astecas chegaram ao local, consideraram Teotihuacan uma cidade sagrada construída pelos deuses ou por gigantes. Os templos e pirâmides do sítio arqueológico refletem a grandiosidade desse povo, mas ainda não revelou a história deles. Para explorar o local esteja disposto a caminhar por terrenos irregulares e subir escadas a uma altitude dr 2.300 metros. Não esqueça do protetor solar, do chapéu e sapatos confortáveis. Vale a pena a escalada. A vista é deslumbrante e você vai se sentir no meio da história dos teotihuacanos lá de cima.

Diz a lenda que a Pirâmide da Lua suga a energia das pessoa e a do Sol, revigora.

Mas antes de fazer a escalada, conheça as ruínas das casas e também o Palácio Quetzalpapaloti, um labirinto de templos e residências que foi se formando com o passar dos séculos.

Nosso passo seguinte será a encantadora cidade de CUERNAVACA – a cidade da Eterna Primavera. Originalmente chamada deCuauhnáhuac (lugar das águas sussurrantes). Lá, visitaremos a Catedral de la Assunción, a mais antiga do México e o Palácio Cortês, famoso pelos murais pintados por Diego de Rivera.

Prosseguiremos para TAXCO, a “Capital da Prata”, tombada pelo Patrimônio Mundial.

Situada em uma esplêndida encosta de montanha, 1.800metros acima do nível do mar, Taxco, é uma das cidades coloniais mexicanas mais bem preservadas.

Famosa pela prata (admire e compre belas peças finamente trabalhadas deste precioso metal por preços convidativos),. é muito pitoresca com casinhas brancas espalhadas pelas ruelas nas encostas das montanhas. Visitaremos a bela Igreja de Santa Prisca com fachada churrigueresca ( estilo barroco desenvolvido pelo arquiteto José Churriguera), e esculturas elaboradas.

Além de muita história e cultura o México é pródigo em belíssimas praias, destacando-se Acapulco, plantada em uma das baías mais belas do litoral do Pacífico, é o balneário mais famoso do país. Fazer um cruzeiro pela famosa baía, é pedida obrigatória, considerada uma das mais lindas do planeta. Não deixe de fazer uma visita ao longo da Costa de Acapulco, conhecida como a “Pérola do Pacífico”, até La Quebrada, onde os famosos clavidistas dão arriscados mergulhos em direção ao mar junto dos rochedos.

Depois de curtir Acapulco a próxima parada é GUADALAJARA, considerada a Pérola do Oeste ou Capital das Rosas, é a capital do Estado de Jalisco, e a segunda maior cidade do México e terra dos mariachis e sombreros mexicanos. É uma cidade encantadora que mantém todo charme dos prédios e praças coloniais no seu centro histórico. Visitaremos também Taqueplaque, pequeno vilarejo da região, que se destaca pela variedade de objetos de cerâmica e outros artesanatos que fazem a atração dos visitantes. Conheceremos também o povoado de Tequila onde se produz a mais tradicional bebida do México e rumo a Puerto Vallarta que fica na Baía de Banderas, a segunda maior baía natural da América do Norte, um verdadeiro paraíso, além de ser o balneário da moda.

Um “tour” de contato pela cidade inclui: Viejo Vallarta – uma autêntica vila mexicana com suas casas brancas caiadas e ruas de pedras , Isla Rio Cuale – uma ilha no rio que corta a cidade, repleta de boutiques e cafés, Av. Malecón, a Marina Vallarta e Nuevo Vallarta – a vila mais rica da região, a agitada vida noturna, e as diversificadas opções de excelentes restaurantes, são convites irrecusáveis para todos dos os gostos.

Agora se você quiser algo diferente estique até CANCUN, principal ponto turístico do momento. Tem em suas PRAIAS a mais bela das atrações. Abertas, naturais, com um colorido insuperável e infra-estrutura turística reconhecida mundialmente, e mais shoppings, teatros, o passeio no Teatro Interativo “Los Galeones”, as famosa Ruínas Maias (Chichen Itza, as ruínas de Tulun-Xel-Há, e o fabuloso Parque Temático X - Caret que oferece de tudo, desde diversão a gastronomia. Enfim, Viva Cancun com todas as suas forças. Vale a pena!

Do México a CUBA é uma questão de pouquissimas horas. Não deixe de conhecer as belezas e peculiaridades desse interessante país localizado à entrada do Golfo do México com uma extensão territorial de 110.922km2, que o distingue como sendo a maior ilha das Antilhas.

Evoca imagens de praias de águas calmas e azuis. Possui ambiente perfeito para saborear coquetéis de Rum, sentir o aroma dos originais charutos de Havana e viajar no tempo para ver como um carro clássico americano dos anos 50 passa por você em uma larga avenida. A história, a riqueza arquitetônica e as tradições culturais de Cuba, assim como o povo e a sua inconfundível música e dança, fazem desse mágico país caribenho, um lugar com infinitas atrações de entretenimento e lazer.

HAVANA – (San Cristóbal de la Habana) capital da República Socialista de Cuba é uma das maiores e fascinantes cidades da América Central. É uma cidade rica de contradições e contrastes, mistura de vivacidade caribenha e burocracia socialista, tecnologias avançadas e ritos mágicos, alegria mesmo na pobreza extrema. Coração e razão, cultura e necessidade, se entrelaçam continuamente na vida desta metrópole tropical, luminosa e colorida, numa paisagem urbana feita de modernos arranhacéus e palácios coloniais semi destruídos; de belas avenidas, largas e retas, mas quase sem tráfego; de gigantescas escritas murais com os slogans da revolução, sob as quais movimenta-se uma das populações mais jovens do mundo.

Situada no costa nordeste de Cuba, defronta-se com a homônima, belíssima baía, em torno do porto natural, uma das escalas mais ativas e freqüentadas do Caribe.

A cidade não tem um centro, mas três áreas principais, bem distintas, nascidas em períodos históricos diversos, com diferentes fisionomias: Habana Vieja (com seus edifícios históricos, seus forte e Catedral), Centro Habana e Vedado, neste bairro deve-se visitar a Praça da Revolução.

Ande pelas alamedas surpreendentemente simétricas até chegar a El Malecón, o calçadão a beira-mar, instituição local.

O símbolo da cidade está junto ao mar. É o Castelo do Morro, conhecido como La Giraldilla, onde diariamente se pode presenciar a tradicional cerimônia do tiro de canhão, que ocorre de noite.

Paralelamente a tudo isso, os diversos teatros, cinemas, museus, casas de cultura e de shows como a Tropicana, ao ar livre, sob o arvoredo, com jantar incluso, bares famosos como Floridita, com a famosa bebida Daiquiri e La Bodeguita, com a bebida “Mojito”, onde várias personalidades como o escritor Ernest Remingway e outros , passaram e deixaram sua assinatura que fazem de Havana um verdadeiro centro cultural gastronômico.

A cozinha cubana cultua os sabores indígenas, espanhol, africano chinês, francês e norte-america e outras influências presentes nos pratos que os cubanos hoje comem e oferecem aos visitantes.

A uns 140km. de distância de Havana, estaremos na bela e paradisíaca cidade praiana de VARADERO que conta com 40 km de incomparáveis praias de areias alvejantes e uma das barreiras de corais mais bonitas de Cuba. Oferece várias atividades de lazer e conta com excelente rede de hotéis e resorts, restaurantes, centros noturnos e uma infindável cadeia de elegantes e chamativas lojinhas de souvenir que fazem desta zona turística uma das mais completas de todo o país.

Banhada pelo oceano Atlântico, pelo mar do Caribe e pelas águas do Golfo do México, Cuba é a maior ilha das Antilhas, situada logo ao sul do trópico de Câncer. A ilha dista apenas 180 km. da Flórida e 210 km. do México. Cuba não é apenas uma ilha mas um arquipélago variado com superfície total de 110.922 km2.

Imagens de Cuba são sempre ensolaradas, com mar azul, altas palmeiras e campos de cana-de-acúcar. Cuba tem tudo isso, mas é também um país de cultura complexa e de raízes profundas, em que antigas tradições convivem com novos contextos culturais. É uma ilha jovem, cheia de vitalidade, música e cores, que apesar dos problemas econômicos manteve a sua identidade.

Fonte: www.valeverdeturismo.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal