Breaking News
Home / Turismo / Hino Nacional do México

Hino Nacional do México

PUBLICIDADE

O nome oficial do hino é Hino Nacional do México (Himno Nacional Mexicano em espanhol). Junto com o Escudo e a Bandeira Nacionais, o hino forma parte dos símbolos nacionais do México. Foi escrito em 1853 pelo poeta potossino Francisco González Bocanegra e musicalizado pelo compositor catalão Jaime Nunó Roca. Foi apresentado oficialmente no dia 16 de setembro de 1854.

História

Em 1821, José Torrescano apresentou uma primera composição do Hino Nacional, embora, não tive a aceptação da Nação Mexicana.

No ano de 1849 a “Academia de San Juan de Letrán” faz uma convocação com objeto de adquirir uma letra adequada para o hino que representaria aos mexicanos, sobre tudo no exterior. Nessa convocação só se receberam trinta composições, das quais duas foram elegidas: a composição do compositor americano Andrew Davis Bradburn e a do poeta mexicano Félix María Escalante, com música do austríaco Henry Herz. Esta última, foi elegida para ser apresentada em Guadalajara em novembro de 1850.

Tempo depois, um poeta cubano, Juan Miguel Lozada, e o compositor Nicolas-Charles Bochsa (http://bochsa.site.voila.fr), criaram um novo Hino Nacional, o qual não transcendeu.

Desde 1850 se realizaram outras tentativas para conseguir que o México tivesse um hino nacional, tais como as propostas dos compositores Antonio Barilli, Ignacio Pellegrini e Max Maretzek, italianos e húngaro, respectivamente.

Em 1853 o Presidente Antonio López de Santa Anna, convocou um concurso para estabelecer o Hino Nacional. A convocação ofrecia um premio para “a melhor composição poética que pudesse servir de letra a uma melodia realmente patriótica”. Um prazo de veinte días foi estabelecido para apresentar os trabalhos.

Francisco González Bocanegra, um talentoso poeta, não estava interessado em participar no concurso. Ele acreditava que escrever poemas à mulher amada era uma coisa muito diferente de escrever a letra do hino duma nação, embora, a noiva dele, Guadalupe González del Pino (conhecida como Pili), sem desânimo pela falta de interesse do Francisco, insistiu para que ele participasse.

Após as continuas negativas, Pili, com algum pretexto, lhe guiou até um quarto isolado da casa onde Francisco ficou trancado, sem lhe permitir sair até que não entregara para Pili uma composição para a convocação.

Depois de quatro horas de forçada, mas abundante, inspiração, Francisco foi capaz de obter a sua liberdade trocando dez estrofes que passou por embaixo da porta para sua captora. Estas dez estrofes ganharam, eventualmente, a convocação e se convirtiram na letra do Hino Nacional.

Um ano depois, em Agosto de 1854, foi selecionada a música composta pelo catalão Jaime Nunó, inspetor de bandas militais, para acompanhar a letra de Francisco.

O hino foi inaugurado oficialmente no 16 de Setembro desse mesmo ano. Foi interpretado pela soprano Balbina Steffenone e pelo tenor Lorenzo Salvi, ficando baixo a direção do mesmo Nunó. À presentação também assistiram, já casados, o Francisco e a Pili.

Não foi senão até 1943 que o Presidente Manuel Ávila Camacho adopta oficialmente o Hino Nacional Mexicano como Hino Nacional, através dum decreto presidencial no Diário Oficial da Federação.

Finalmente, em 1984, sob a presidência de Miguel de la Madrid, é publicada a “Lei sobre a Bandeira, Escudo e Hino Nacionais” onde se especifica o uso e caracteristicas dos Símbolos Patrióticos.

HINO NACIONAL MEXICANO

Mexicanos, al grito de guerra
el acero aprestad y el bridón
y retiemble en sus centros la tierra
al sonoro rugir del cañón.

Ciña ¡oh Patria! tus sienes de oliva
de la paz el arcángel divino
que en el cielo tu eterno destino
por el dedo de Dios se escribió.

Mas si osare un extraño enemigo
profanar con su planta tu suelo
piensa ¡oh Patria querida! que el cielo
un soldado en cada hijo te dio.

En sangrientos combates los viste
por tu amor palpitando sus senos,
arrostrar la metralla serenos,
y la muerte o la gloria buscar.

Si el recuerdo de antiguas hazañas,
de tus hijos inflama la mente.
Los laureles del triunfo tu frente
volverán inmortales a ornar.

Como al golpe del rayo la encina
se derrumba hasta el hondo torrente
la discordia vencida, impotente
a los pies del arcángel cayó.

Ya no más de tus hijos la sangre
se derrumbé en contienda de hermanos,
solo encuentre el acero en sus manos
quien tu nombre sagrado insultó.

Del guerrero inmortal de Zempoala
te defiende la espada terrible
y sostiene su brazo invencible
tu sagrado pendón tricolor.

El será feliz mexicano
en la paz y en la guerra el caudillo,
porque el supo sus armas de brillo
circundar en los campos de honor.

¡Guerra, guerra sin tregua al que intente
de la patria manchar los blasones!
¡Guerra, guerra! los patrios pendones
en las olas de sangre empapad.

¡Guerra, guerra! en el monte, en el valle
los cañones horrísonos truenen,
y los ecos sonoros resuenen
con las voces de ¡Unión! ¡Libertad!

Antes, patria, que inermes tus hijos
bajo el yugo su cuello dobleguen,
tus campiñas con sangre se rieguen,
sobre sangre se estampe su pie.

Y tus templos, palacios y torres
se derrumben con hórrido estruendo
y sus ruinas existan diciendo:
de mil héroes la patria aquí fue.

Si a la lid contra hueste enemiga
nos convoca la trompa guerrera
de Iturbide la sacra bandera
¡mexicanos! valientes seguid.

Y a los fieros bridones les sirvan
las vencidas enseñas de alfombra
los laureles del triunfo den sombra
a la frente del bravo adalid.

Vuelva altivo a los patrios hogares
el guerrero a contar su victoria,
ostentando las palmas de gloria
que supiera en la lid conquistar.

Tornaránse sus lauros sangrientos
en guirnaldas de mirtos y rosas,
que el amor de las hijas y esposas
también sabe a los bravos premiar.

Y el que al golpe de ardiente metralla
de la Patria en las aras sucumba,
obtendrá en recompensa una tumba
donde brille de gloria la luz.

Y de Iguala la enseña querida,
a su espada sangrienta enlazada,
de laurel inmortal coronada
formará de su fosa la cruz.

¡Patria! ¡Patria! tus hijos te juran
exhalar en tus aras su aliento
sí el clarín con su bélico acento
los convoca a lidiar con valor.

¡Para ti las guirnaldas de oliva!
¡Un recuerdo para ellos de gloria!
¡Un laurel para ti de victoria!
¡Un sepulcro para ellos de honor!

Tradução

Mexicanos ao grito de gerrra
Com aço comprimido e aos brados
E retimbre em seus centros a terra
Ao sonoro rugir do canhão.

Cinja, Ó Pátria, tuas têmporas com oliva
Da paz o arcanjo divino,
Que, no céu, teu eterno destino,
Pelo dedo de Deus se escreveu.

Mas se ousar um estranho inimigo
Profanar, com um plano, teu solo
Pensa, Oh, Pátria querida, que o céu
Um soldado, em cada filho, te deu.

Em sangrentos combates os viste,
Por amor a ti palpitando seus seios,
Arrastar, calmamente, a metralhadora
E a morte ou a glória buscar.

Se as recordações de antigas façanhas
de teus filhos enchem a mente,
As glórias e o triunfo à tua frente
Transformaram imortais em exaltaldos.

Assim como ao golpe do raio
Se derruba a mais funda corrente,
A discórdia, vencida, impotente,
Aos pés do arcanjo caiu.

Já não mais se derruba o sangue
De teus filhos em contendas de irmãos,
Só se encontra o aço em suas mãos
Quem teu nome sagrado insultou.

Do guerreiro imortal de Zempoala
Te defende a espada terrível
E sustenta seu braço invencível
Teu sagrado pendão tricolor.

E será feliz mexicano,
Na paz e na guerra, o caudilho,
Porque supôs em suas armas de brilho
Circundar os campos de honra.

Guerra! Guerra! Sem trégua ao que tenta
À Pátria manchar os brasões!
Guerra, guerra! Os pendões pátrios
E as orlas de sangue empapadas.

Guerra! Guerra! No monte no vale
Os canhões trovoam em uníssono,
E os ecos sonoros ressonem
Com as vozes de “União! Liberdade!”

Antes Pátria que, inermes, teus filhos,
Sob o jugo, seus colos submetam,
Teus campos com sangue se regam
Sobre o sangue se estampe seus pés.

E templos, palácios e torres
Se derrubam com horríveis estrondos
E as suas ruínas dizem:
“De mil heróis a Pátria se foi.”

Se a lidar contra a hoste inimiga
Nos convoca a tropa guerreira
De Iturbide a Sacra Bandeira
Mexicanos, sigam valentes!

E aos ferozes brados os sirvam
As derrotas de lição,
Os gloriosos do triunfo de mácula
À frente do bravo atrito.

Volte altivo à Pátria
O guerreiro a cantar sua vitória
Ostentando os aplausos de glória
Que supera na lida conquistar.

Se tornaram suas glórias sangrentas
Em grinaldas de cravos e rosas,
Pois o amor das filhas e esposas
Também sabe aos bravos premiar.

E o que ao golpe da metralhadora ardente
Se rende nas lavouras da Pátria,
Obterá em recompensa um sepulcro
Donde brilhe a luz da glória.

E de Iguala a ensina querida,
A sua espada sangrenta enlaçada,
De glória imortal coroada
Formará a sua cruz e sua casa.

Pátria! Pátria! Teus filhos te juram
Exalar em tuas lavouras seu fôlego
Se o clarim com bélicos acentos
Os convoca a batalhar com valor.

Para ti as coroas de oliva!
Uma lembrança, a eles, de glória!
Uma glória, a ti, de vitória!
Um sepulcro, a eles, de honra!

Hino Nacional do México

Fonte: rumbo.com.br

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.