Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Esportes / Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

I – Técnicas básicas de tiro

PUBLICIDADE

Existem muitos sistemas diferentes de exercitar a mente e o corpo adequadamente. E nenhum deles é o mais certo ou o mais errado. Tudo depende do aluno, do professor e da metodologia.

Nós podemos dividir o treino em várias etapas.

Primeiro temos o treino básico onde o aluno(a) aprende a postura e os elementos e técnicas básicas da prática do tiro com arco e flechas.

Como funciona um tiro:

1. Você se posiciona na linha de tiro, com os pés de cada lado da linha demarcada, ficando de lado para o alvo.
2.
Você coloca a flecha na corda e em cima do apoio da flecha (rest), se for destro segura o arco com a mão esquerda e puxa a corda com a mão direita.
3.
Depois de ter botado a flecha na corda, você coloca os três primeiros dedos da mão direita (para destros, canhotos o contrário) na corda até no máximo a primeira juntura dos dedos.
4.
Você inspira, olha para o lado do alvo, espira, inspira de novo levantando o arco e mantendo a mira no alvo você puxa a corda até ela tocar a ponta do seu nariz e a sua mão tocar o seu queixo.
5.
Você alinha a corda no arco e solta a corda.
6.
Você mantém o arco erguido até a flecha acertar o alvo, e então você relaxa o corpo inteiro e se prepara para o próximo tiro.
7.
Você confere o tiro através da luneta para ver se tem que ajustar a mira, faz os ajustes necessários e se posiciona para o próximo tiro.
8.
Você esquece o tiro anterior e se concentra no próximo tiro como se ele fosse o único tiro que você vai dar.

As técnicas básicas do tiro começam primeiro com o teste da dominância do olho e depois se dividem em 10 etapas.

Dominância do olho

Antes de começara a atirar com o arco é importante determinara dominância do olho, com qual olho se mira. Como existem pessoas que escrevem com a direita ou com a esquerda também temos atiradores canhotos ou destros. A dominância do olho não tem que ser igual a dominância com as mãos ao escrever por exemplo. Tem muitos arqueiros que são destros, mas atiram com a esquerda porque o olho dominante é o esquerdo.

Uma pessoa com o olho direito dominante deveria segurar o arco com a mão esquerda e puxar a corda com a mão direta. Quem tiver o olho esquerdo como dominante é o inverso. A razão para tal é para alinhar a flecha no arco com o olho e assim facilitar o tiro.

Existe casos em que um arqueiro com dominância de olho esquerdo prefere atirar como destro (porque é destro e se sente desajeitado atirar como canhoto). Isso deveria ser evitado se for possível. Porque em tais casos o olho dominante será substituído pelo outro olho e tal vai afetar o outro olho o forçando desnecessariamente podendo levar a futuras lesões nesse olho.

Como testar a dominância do olho

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Como amostra os desenhos acima, você estica ambos os braços e com as mãos faz uma pequena abertura circular pela qual você mira o alvo. Você tenta olhar com ambos os olhos abertos através da abertura das suas mãos o alvo. Agora, sem mover a cabeça você fecha o olho esquerdo e olha com o olho direito através de suas mão o alvo. . Você está vendo o alvo? Você faz o mesmo procedimento sem mover a cabeça para o lado, fechando o olho direito e olhando com o olho esquerdo. Se você ver o alvo com o olho direito e não o mais ver com o olho esquerdo, você é destro na dominância do olho. No outro caso, você é canhoto. Agora para assegurar que você fez tudo certo você de novo estica os braços, faz a abertura com as mãos, olhe o alvo com ambos os olhos através da abertura e devagar vai trazendo as mãos cada vez mais perto da face até encostar com as mãos um de seus olhos. Esse será o olho dominante e deveria ser o mesmo que você descobriu com o exercício anterior

Os 10 passos são:

Postura
Colocar a flecha
Empunhadura
Pré puxada
Puxada
Ancoragem
Mirar
Largada
Finalização
Relaxamento

1. Postura

Toda vez que um arqueiro dispara uma flecha, ele deve seguir uma seqüência exata de movimentos que devem ser repetidos da mesma forma, com o máximo de precisão, para que todas as flechas se agrupem no centro do alvo.

A seguir será apresentada a técnica “Clássica” do tiro com arco, que foi utilizada por Gilman Keasey para ganhar o campeonato dos Estados Unidos de 1935, e que continua sendo utilizada até hoje com bons resultados.

É considerado técnica ao conjunto de movimentos que levam o arqueiro a realizar o tiro com perfeição. Devido às diferentes constituições físicas e psíquicas dos arqueiros, algumas variações podem ser criadas em cima de uma técnica, constituindo então um estilo.

Por questões didáticas a técnica apresentada será dividida em nove etapas, mas que na verdade constituem um único conjunto de movimentos, que se inicia quando o atleta decide atirar a flecha, e termina quando a flecha alcança o alvo.

1. Postura do corpo
2. Colocação da flecha
3. Empunhadura
4. Pré-puxada
5. Puxada
6. Ancoragem
7. Mira
8. Largada
9. Finalização

1. Postura do corpo

O atleta deve se posicionar com a linha de tiro entre os dois pés, de forma eqüidistante, e com uma abertura das pernas equivalente à largura dos ombros.

Se os pés estiverem muito juntos irão provocar um desequilíbrio do corpo na hora do disparo; e se estiverem muito abertos provocarão um cansaço na musculatura da perna provocando desconforto e conseqüente imprecisão do tiro.

O peso do corpo deve estar igualmente distribuído nas duas pernas.

O arqueiro fica reto e confortável, em posição relaxada com ambos os pés paralelos á linha de tiro. Os deveria estar mais ou menos a largura de seus ombros. O peso do corpo deveria ser distribuído igualmente entre ambos os pés e distribuído entre a plante e o calcanhar dos pés.

Durante o tiro a postura deverá permanecer constante e sem movimentação par frente ou para traz.

Se tiver algum problema com a corda batendo no braço se pode adotar a postura aberta. Isso significa que se trás o pé de traz um pouco para frente.

Uma vez escolhido a postura ela tem que ser sempre a mesmo, em alguns casos se recomenda a fazer um marca no chão para sinalizar a posição dos pés.

2. Colocar a flecha

Segure o arco perpendicular ao solo e com a mão da corda deslize a flecha pelo apoio e encaixe a rabeira na corda, com a pena de índice para cima.

Agora coloque o dedo indicador acima da flecha e o dedo médio e anular abaixo, formando um gancho e abraçando a corda entre a primeira e segunda falange.

Coloque a flecha na corda debaixo no ponto de nock na corda. Esteja acertado que a marca lateral da flecha amostra para você (ou que a pena líder está amostrando para fora da janela doa rco)

A flecha é colocado sobre o apoio da flecha na janela do arco.

3. Empunhadura

Estando os dedos devidamente posicionados na corda, o arqueiro deve puxá-la levemente de forma a sentir a empunhadura encaixada entre o polegar e o dedo indicador da mão do arco.

O punho deve apoiar de forma suave na palma da mão e sempre na mesma posição.

A posição da mão que segura o arco. O local fica entre dedão e dedo indicador. Bote o resto do dedão na linha central do arco. Não aperte o arco com a mão. Depois de ter puxado a corda, abre a mão e relaxe os dedos.

Durante a puxada a pressão deveria estar em cima do músculo do dedão e alinhado com o punho e o braço.

Para arqueiros recurvos se utilizam os dedos indicador, anular e terceiro dedo. Para facilitar no começo, se pode encostar o dedão no dedinho, para evitar usá-los durante o tiro. O dedo indicador é botado em cima da rabeira da flecha enquanto os outros dois dedos ficam em baixo da rabeira da flecha.

Mantenha um espaço entre os dedos e a rabeira da flecha para evitar encostar com os dedos a rabeira, isso irá alterar o tiro.

Mantenha a mão o mais relaxado possível.

Aplique uma pequena pressão na corda para posicionar os dedos na corda. Durante todo a puxada tente manter uma pressão constante e igual em todos os três dedos.

4. Pré-puxada

Olhe fixamente para o centro do alvo e comece a levantar o arco até que a mira esteja um pouco acima do centro do alvo. O braço da corda deverá estar fazendo 45 graus com a horizontal.

Nesta etapa o corpo está ereto e a cabeça na posição de tiro.

Levante o arco a altura do alvo e comece levemente a puxar a corda. Esta primeira tenção irá posicionar definitivamente o arco em sua mão.

Mantenha os ombros relaxados e baixos. Mantenha o cotovelo do braço que vai puxar a corda elevada.

5. Puxada

Agora comece a puxar a corda de forma suave, firme e constante. Enquanto vai puxando, o braço da corda e o braço do arco vão abaixando de forma que, ao efetuar a ancoragem (próxima etapa) o arco esteja posicionado com a mira no centro do alvo.

A puxada é feita com os músculos das costas, movendo a omoplata.

Da pré-puxada você continua sem intervalo para a puxada final do arco num movimento contínuo e lento, mas constante. a posição dos ombros e da cabeça não deveria mudar, o corpo inteiro fica parado como se estivesse congelado.

(Uma constante e igual força entre puxar a corda e empurrar o arco irão manter o arco firme).

6. Ancoragem

Coloque a parte de cima do dedo indicador da mão da corda contra o osso da mandíbula com firmeza, procurando identificar esta sensação para que possa repetir esta posição com precisão.

Neste ponto os músculos estão executando a força máxima, e se o movimento foi preciso e a cabeça estiver na posição correta, a corda estará obrigatoriamente tocando o queixo e a ponta do nariz do arqueiro.

É importante lembrar que se o arqueiro tiver que movimentar a cabeça para encontrar uma posição confortável, significa que ele ainda não está com os movimentos que compõem o tiro bem definido.

A mão da corda deve estar relaxada e plana.

A Ancoragem é quando a mão que puxa a corda se posiciona de baixo do queixo. É importante que o dedo indicador encoste firme no queixo, e a corda encosta-se ao meio do nariz.

A relação entre todos estes detalhes é importante, especialmente quando se atira com mira.

Esta postura também permite uma puxada constante. É importante sempre puxar a mesma distancia pára evitar a flecha ora subir ora descer no tiro.

7. Mira

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Alinhe a corda com o centro do arco ou a face da janela, e com o pino da mira.

Neste ponto a mira estará sobre o centro do alvo, não exatamente no centro e nem estática, mas circulando ao redor deste.

Esta é uma das partes mais importantes do tiro, pois quem vai fazer todo o alinhamento e centrar a mira no alvo é o subconsciente.

O atleta neste ponto tem de estar despojado de qualquer pensamento e ao mesmo tempo completamente envolvido no tiro, de tal forma que ele, por uma pequena fração de tempo, não consiga definir quem é o arco, quem é a flecha, quem é o alvo e etc.

O ponto principal é capacidade de concentração no objetivo a ser alcançado.

Segurar e mirar significa em manter a mira durante toda a pré puxada e puxada no alvo. na fase final se acerta com o braço a mira e se alinha a corda ou na janela do arco ou ao lado interno da mira. No desenho acima a corda foi ajustada ao lado da mira, mantendo-se a mira no alvo.

É importante não inclinar o arco nem para a direita nem para a esquerda. isso irá trazer um desvio no tiro.

É natural, que quando se tenta manter a mira no alvo ela se movimenta, devido a tenção muscular do braço que segura o arco. na maioria das vezes se pode compensar essa movimentação fazendo pequenos círculos.

8. Largada

Neste passo o arqueiro continua fazendo exatamente o que fazia na etapa anterior.

Este é o ponto crucial do tiro pois é quando o atleta tomará a decisão de soltar a flecha e obter o resultado do seu trabalho.

Mais uma vez, se todas as etapas foram feitas com perfeição, a largada se comporá de um relaxamento dos dedos na corda associado a um leve movimento das omoplatas procurando levar o cotovelo para trás, o suficiente apenas para que a corda escape de suas mãos.

O arqueiro deve mentalizar que a corda irá passar através dos seus dedos em linha reta na direção da flecha.

A largada é a parte mais crucial do tiro. Se não for feita corretamente então todo esforço foi em vão.

Para ter uma boa largada se deve na hora de largar relaxar os dedos e permitir que a corda escape dos dedos e todos os três dedos devem largar ao mesmo tempo.

Quando a largada for feita certa a mão se movimenta para traz e fica a altura da nuca. Se a largada for forçada a mão acaba ficando uns 5 cm alem da nuca ou do ombro.

9. Finalização

A rigor o tiro só deve terminar quando a flecha atingir o alvo.

Portanto após a largada o arqueiro deve manter o braço do arco esticado aguardando, sem interferir, as reações mecânicas que acompanham o tiro.

Se tudo ocorreu de maneira correta o arco irá se projetar um pouco para frente, na direção da flecha, e então cair suavemente em direção ao solo.

Só então o arqueiro dará por concluído o tiro, e após analisar o resultado, irá relaxar e se preparar para o próximo disparo.

A execução do tiro, a partir da pré-puxada até a largada, deve levar no máximo 7 segundos.

Tiros muito longos fazem com que o atleta perca a capacidade de concentração e provoca stress na musculatura, causando movimentos e tensões indesejáveis à perfeita execução do tiro.

Na finalização o arqueiro mantém a posição dos braços até a flecha atingir o alvo.

A posição da cabeça e do corpo não muda enquanto que a mão que puxou a corda se movimenta para traz.

É importante não deixar o arco cair depois do tiro, ou mover a mão para o lado para ver onde a flecha atingiu o alvo é um erro muitas vezes fatal.

10. Relaxamento

O arqueiro tem que relaxar a musculatura depois de cada tiro. Uns 20 a 30 segundo é o suficiente para recarregar os músculos. Se não tiver este relaxamento entre os tiros os músculos irão cansar muito rápidos e não serão capazes de manter o mesmo padrão de funcionamento.

Enquanto o corpo relaxa a mente tem a possibilidade de conferir o tiro e tomar as providências necessárias, para ajustar a mira ou a postura conforme o resultado. A mente tem controle sobe todos os músculos necessários para um bom tiro, de tal forma que estes 10 passos podem ser usados como um lista mental para melhor cada tiro.

Como qualquer esporte ou arte, a melhor coisa é aprender este esporte sob a tutela de um instrutor qualificado. No Brasil os instrutores qualificados são treinados e licenciados pela CBTARCO (Confederação brasileira de tiro com arco).

Como nem todos são idênticos, um bom instrutor irá poder adaptar o arqueiro á posição ideal conforme seu físico.

II – Técnicas avançadas de tiro

1. A respiração

A respiração se divide em quatro etapas:

A primeira fase:

Primeiro o aluno olha para frente, se posiciona confortavelmente na linha de tiro, com os pés paralelamente, e olha para frente sem levantar o queixo para compensar a postura. Por causa de vícios e mal comportamento da postura, as pessoas tendem a ter uma certa fraqueza na musculatura de sustentação da coluna e assim quando eretas elas tendem a formar uma escoliose na parte lombar para compensar esta fraqueza. Isso se nota quando a pessoa começa a arrebitar o bumbum e envergar a coluna para dentro. Muitos acham esta postura bonita e sexy e a acentua de propósito (em especial mulheres), e ao calçarem sapatos de salto alto. Esta postura é nociva para o corpo, em especial para a coluna e o beco. Este mesmo problema iremos encontrar em academias de musculação com os levantadores de peso. por isso a maioria deles usam cintos de couro largos para apoiar a coluna. Com tais cintos tais atletas podem se dar o luxo de levantar mais peso que o próprio corpo suportaria. E isso é algo que nós queremos evitar no arco e flecha.

Então voltando, em primeiro lugar se tenta manter uma postura ereta, e para endireitar o corpo nós inspiramos profundamente e enchemos o pulmão por completo. Desta forma o corpo se endireita por sozinho. Ao enchermos os pulmões nós simultaneamente trazemos o bumbum para dentro aliviando assim a coluna lombar.

A segunda fase:

Depois de termos enchido o pulmão, com a cabeça ereta, o queixo ligeiramente abaixado, com uma certa tenção na nuca, que é algo natural porque nós costumamos a andar com o queixo elevado (para compensar a fraqueza muscular das costas e a falta de flexibilidade dos músculos devido a tenção muscular, nós acentuamos as curvaturas naturais da nossa coluna para aliviar a musculatura).

Depois da primeira inspiração, mantendo a cabeça ereta nós olhamos para o lado em direção ao alvo e espiramos relaxando o corpo, mas mantendo a postura adquirida com a inspiração. deste jeito o corpo se relaxa, assim possibilitando a mente também se relaxar, mas em perder a postura. Porque a postura ereta é tão importante quanto uma mente relaxada para a terceira fase.

Ao relaxar através da inspiração você proporciona a mente a se concentrar ainda melhor no objetivo. è exatamente neste momento que você começa a se concentrar em acertar o alvo.

A terceira fase:

Com o corpo reto e a mente relaxa eu me posso concentrar adequadamente.

Vamos fazer um experimento: Sente numa cadeira sem se encostar, mas todo torto e relaxado. Dá para prestar atenção a uma palestra adequadamente nesta postura? Agora endireite a coluna, inspire profundamente, enche os pulmões de ar, e assim o corpo de oxigênio. Agora preste atenção, se concentre. Deu para notar a diferença? Esta é a mesma técnica usada pelos monges Zen-budistas em suas meditações.

Depois de você ter olhado para o lado sem levantar o queixo, mantendo a postura inalterada, você levanta o braço com o arco, mantendo a mira no alvo, você inspira devagar enquanto puxa a corda dom a outra mão.

Esta inspiração você faz em direção da barriga e não mais inflando os pulmões. A razão é bem simples. Se você agora for inflar os pulmões sua postura iria mudar e conseqüente, mente cada tiro iria ser diferente. Você inspira para a barriga, inflando o a barriga ao abaixar o diafragma, desta forma você irá manter a mente calma se ser perturbada, irá manter o corpo estável sem ser mudado, e o seu tiro será mais preciso.

Durante toda esta fase você se concentra unicamente no tiro, na puxada certa, na postura, na mira e por fim no largar, soltar da corda.

A quarta fase:

Esta é a última fase. depois do tiro você mantém o braço que está segurando o arco esticado até a flecha acertar o alvo, e somente depois que a flecha ter acertado o alvo você abaixa o braço e relaxa a musculatura do braço e das costas ao expirar o ar.

Depois que você largou a corda você esquece, deixa de querer acertar o alvo. Você esquece o tiro e relaxa e se prepara para o próximo tiro, como se cada tiro fosse o primeiro e o último ao mesmo tempo. Como se cada tiro fosse o único tiro.

Então recapitulando

Mantém postura e uma posição confortável na linha do tiro, olha para frente, inspire e enche os pulmões endireitando o corpo e a mente; abaixe o queixo e endireite a nuca como se algo estivesse puxando a sua cabeça para cima; olhe para o lado em direção ao alvo sem levantar o queixo e espire relaxando o corpo e a mente, mas sem mudar a postura; levante o braço com o arco, mantendo a mira no alvo puxe a corda inspirando agora para dentro da barriga, mire e solte acorda, espere a flecha acertar o alvo e abaixe o braço espirando o ar e relaxando a musculatura.

2. A postura

A postura se pode dividir em quatro níveis:

1. Os pés
2. A cintura e as costas, a região lombar
3. Os ombros e as costas
4. A cabeça

1.Os pés

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Existem várias possíveis posições para os pés. Na realidade não importa como você se posiciona, tanto faz se você esta com ambos os pés no chão, ou só com um, se está atirando de joelhos ou até virado de cabeça para baixo. A postura que você assume durante o tiro é irrelevante, o que importa é que você sempre faça a mesma postura em todos os tiros.

Isso quer dizer: se você consegue repetir sempre a mesma postura durante cada tiro, essa postura será a adequada para você. Isto é a regra básica. Se você consegue atirar de cabeça para baixo e sempre repetir essa postura em cada tiro, ótimo, atire de cabeça para baixo. Só que para aqueles que não são capazes de atirar de cabeça para baixo ou num pé só, para tais existem certas regras básicas.

Estas regras são uma forma de molde inicial, para facilitar o aprendizado da lógica do tiro. com o tempo, conforme a individualidade de cada um, cada arqueiro irá modificar a postura básica de acordo com seu corpo.

Então vamos lá, os pés:

A posição básica dos pés e mantê-los paralelos com a linha de tiro, e afastado um do outro da largura do próprio ombro.

No desenho acima podemos ver vários possíveis posicionamentos dos pés:

A postura básica é o nº 1, neste caso os pés estão paralelos e alinhados com a linha de tiro. Esta postura é a mais estável de todas e também a mais neutral. O importante nesta postura que os pés estejam alinhados com a cintura e os ombros. Esta é uma postura muito fácil de ser repetida, ela é flexível e proporciona uma melhor e mais fácil adaptação á circunstancias locais que nem vento.

No segundo caso temos onde um dos pés está virado para fora. Alguns atletas gostam desta postura porque ela induz maior segurança e estabilidade (que é mera ilusão). a razão disso é muitas vezes uma certa fraqueza dos tecidos de sustentação que nem os tendões e dos músculos que estão encurtados por falta de exercícios de alongamento. A postura não é errada. O importante é que o arqueiro sempre toma de novo a mesma posição de pois de cada série de tiros.

No terceiro caso temos algo muito comum, mas que deveria ser evitado caso for possível. Esta é uma postura um pouco estável, principalmente quando venta. Mas existem muitos arqueiros que têm dificuldade em manter os pés paralelos e assim acabam por escolhendo esta postura. Para tais arqueiros eu recomendo então uma postura mais que nem a segunda, par dar um pouco mais de estabilidade.

O quarto exemplo é uma variação da primeira postura, neste caso o arqueiro optou por bota um pé mais para trás. Esta adaptação se pode fazer para compensar certa fraqueza muscular das costas e dos músculos laterais. Muitas vezes ela é adotada para compensar o vento ou até cansaço, especialmente no fim de provas.

Ela tira um pouco da agressividade do tiro, e ao mesmo tempo facilita a abertura do peito assim possibilitando um tiro mais limpo e correto. Não deveria ser uma opção para a postura básica, mas pode ser usada como uma alternativa, uma adaptação momentânea. O ponto fraco nesta postura é que ela acentua a curvatura das costas na área lombar, e isso causa mais instabilidade no tiro. O ponto forte é que ela aumenta o alinhamento do braço que segura o arco com o ombro e as costas, dando assim mais estabilidade ao braço.

A quinta postura é uma postura agressiva. Neste caso o pé de trás fica um pouco na frente do pé que amostra para a linha de tiro. Esta postura é muito adotada por arqueiros compostos. Nesta postura o corpo fica mais virado para o alvo, a concentração acaba sendo mais agressiva, a puxada não tão longa. esta postura é boa para aliviar a tenção das costas, especialmente quando se começa a cansar durante campeonatos. ela alivia a área lombar das costas, endireitando as costas. O ponto fraco é que esta postura enfraquece o braço que está segurando o arco, desalinhando-o ligeiramente da posição ideal.

Como podemos ver não existe a postura perfeita. O que existe são elementos fisiológicos que irão divergir de corpo para corpo. cada arqueiro tem que ser analisado individualmente e corrigido conforme a sua necessidade.

2. A cintura e as costas:

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

O segundo elemento muito importante é a cintura. Como base podemos afirmar que a cintura deveria estar alinhada com os pés e os ombros.

A cintura é uma junta que coneta os pés ao resto do corpo, e é através dela que podemos endireitar e balancear o corpo.

No desenho acima podemos ver bem claro. A figura 1 é a postura ideal. A cintura está alinhada com o resto do corpo. Desata forma se pode economizar o máximo de energia e força ao puxar o arco. Cada desalinhamento vai forçar mais a musculatura e conseqüentemente cansar o corpo mais rápido.

O caso 2, acontece quando o arqueiro mantém a posição 5 dos pés que acabamos ver acima. Neste caso, se tenta compensar a virada do torso. Esta postura da cintura diminui a abertura dos braços e do peito, obrigando o arqueiro a fazer uma abertura menor. Ela pode causar que uma flecha, mesmo sendo puxada até a sua puxada normal (o cliker no caso do recurvo, ou o martelo no caso do composto) cai durante o tiro. A razão é que ao atirar o braço que segura o arco perde tenção fazendo com que a flecha não sai com o mesmo ímpeto. O outro problema desta postura é que as flechas tendem a ir mais para a direita para arqueiros destros e vice versa para canhotos.

O que isso no quer dizer, é que, quando se está cansado, ou por uma razão não clara, no meio do campeonato todas as flechas começarem a ir mais para a esquerda, depois de ter ajustado a mira, se pode compensar tal falha inexplicável, movendo um pouco o pé para frente, até a próxima pausa para concertar o erro no arco.

O que nunca podemos e devemos esquecer é que cada mudança de postura gera uma mudança na mira.

No caso 3, a cintura foi movida para trás para compensar a posição dos pés conforme o caso quatro. O efeito aqui é o contrário do efeito do caso 2. Neste caso as flechas tendem a ir para o lado esquerdo para arqueiro destro, e vice versa para canhoto. Esta postura se dá devido ao posicionamento dos pés na posição 4.

Esta postura causa um excesso na curvatura da parte lombar da coluna conforme o desenho abaixo. o certo seria uma postura que nem o desenho

1. Mas muitas vezes acontece que o arqueiro (a) tende a adotar uma postura que nem o desenho

2. Inclusive muitos arqueiros, e em especial arqueiras de ponta e de nível olímpico e mundial adotam esta postura. esta postura não é saudável a longo prazo. Nós não queremos praticar este esporte só por alguns anos e sim a vida toda, por isso temos que cuidar do corpo já no começo e não depois dele estar danificado.

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Uma opção par melhor a postura seria conforme a velha tradição e tiro com arco tradicional coreano, trazer o bumbum para frente tencionando as pernas e a barriga para dentro. Infelizmente isso é difícil, especialmente quando se atira com um recurvo com laminas pesadas. O problema é que ao fazermos força, par podermos segurar o arco e puxá-lo direito, muitas vezes compensamos a falta de força nas costas com os músculos da cintura e da parte lombar da coluna assim acentuando a curvatura natural da coluna até o excesso prejudicando a nossa postura e a nossa saúde.

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

E por fim temos o posicionamento da postura em relação ao resto do corpo.

No desenho acima a postura 1 é ideal e a única certa. Esta é uma das poucas exceções em que se deve realmente tentar manter o que está prescrito.

No caso 2 acontece quando o arco é muito pesado e o arqueiro não está treinado para segurar o arco. Aí o arqueiro tenta compensar recuando com o corpo para trás, e na maioria das vezes ele (a) nem, seque nota este erro fatal.

Existe duas forma de corrigir este erro depois de ter treinado o braço e fortalecido a musculatura do braço que segura o arco. Uma possibilidade seria conscientemente trazer o corpo para frente como se estivesse empurrando o arco. E a segunda forma seria deslocar somente a cintura um pouco para trás para compensar o ombro e assim alinhar o corpo.

O ideal seria combinar ambos os movimentos, empurrar um pouco o arco e trazer ao mesmo tempo a cintura para trás, sem cometer o erro de exagerar nos movimentos e acabar que nem na figura 3, onde a maior parte do peso do corpo acaba em cima de uma só perna.

É evidente que existem anomalias físicas que vai fazer com que certos atletas acabem adotando uma postura menos ortodoxa, mas isso não dever ser usado como desculpa para falta de treino. e mesmo para tais arqueiros, a meta é chegar o mais próximo á postura central que nem na figura 1.

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

No desenho acima podemos ver as musculaturas das costas, em especial as dos ombros e da nuca.

3. Os ombros

A posição dos ombros é essencial para um bom tiro. Os braços e a puxada tem que estar alinhada com os ombros.

O alinhamento dos ombros tem que ser de tal forma que ao fazer a minha puxada final eu possa utilizar a musculatura das omoplatas e das costas para terminar o meu tiro.

Por isso é muito importante o alinhamento entre cintura e ombros para que eu tenha a maior abertura possível sem correr o perigo de abrir demais.

Quando o braço que segura o arco estiver alinhado com o ombro, a própria anatomia do corpo cria uma estabilidade e suporte do braço, de tal forma que eu não preciso usar força para manter o arco no lugar e estendido. O ombro forma uma concha que envolve o úmero, o osso do braço.

Quando o braço está estendido em uma linha reta com o resto do ombro, então o úmero se encaixa perfeitamente nesta concha tendo suporte na escápula.

Agora se o alinhamento não for perfeito e o braço tender mais para frente ou para trás, somos obrigados a exercer força para manter o arco posicionado, e quanto mais potente for o arco, mais força somos obrigados a exercer.

Este desalineamento faz com que depois de cada tiro o arco tende a cair par um ou para o outro lado fazendo com que a flecha não acerte o centro do alvo.

Se a posição da cintura estiver para trás a tendência é mover o braço depois do tiro para trás. Se a cintura estiver virada para frente, a tendência é mover o braço para frente. A razão é bem simples. a pressão do arco é maior do que a nossa capacidade de mantê-lo estável. Enquanto tiver pressão, o arco é mantido estável, mas no momento em que a corda for solta a pressão automaticamente repentinamente desaparece causando assim uma desestabilidade no braço, que por sua vez vai influenciar a trajetória da flecha.

Pegue um companheiro e peça para ele empurrar lateralmente o seu braço estendido. Resista á pressão. Agora peça ao seu companheiro para tirar a pressão repentinamente do seu braço sem antes avisar. o que vai acontecer? O seu braço se move na direção de onde vinha a pressão.

No desenho abaixo podemos ver a articulação do ombro, os tendões e a musculatura.

Embaixo também temos os principais problemas que afetam o ombro: a bursite, a tendinite, lesão de impacto e da rótula. Das mencionada as lesões que podem ocorrer são a bursite e a tendinite, em especial devido a postura errônea e por causa de uma potência exagerada do arco.

4. A cabeça

A postura da cabeça é muito importante, porque é ela que vai determinar se a flecha vai acertar o alvo ou não. Cada mudança na postura da cabeça vai ter um enorme efeito indesejável.

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

A razão é simples. Quando usamos a mira, os pontos de referencia têm que ser os mesmos com cada tiro. Se tais pontos hora toda forem diferentes a mira nunca estará ajustada adequadamente.

Nós lemos que primeiro devemos inspirar, e abaixar o queixo. Por quê abaixar o queixo? Muito simples. se você se posicionar na frente de um espelho e se olhar você irá notar que você não esta reto, e sim mantém a cabeça um pouco inclinada para trás e o queixo um pouco elevado. Agora, olhando o espelho tente endireitar o corpo e olhar diretamente nos seus olhos. Agora você irá notar que o seu queixo tem que abaixar para você olhar reto, isso causa uma certa tenção na sua nuca. Isso é norma porque a musculatura de sua nuca está um pouco atrofiada por causa de poucos exercícios e muita tenção.

Com a cabeça agora reta você a vira para o lado, se você for destro para o lado esquerdo e olhe por cima do ombro esquerdo. se você for canhoto o contrário.

Se você fizer tudo certo o eu queixo fica baixo. Agora se você não olhou reto e sim permaneceu com o queixo elevado e o virar você irá torcer o pescoço e inclinar a cabeça. e é exatamente isto que nós queremos evitar, torcer o pescoço e mover o queixo lateralmente.

O objetivo do tiro é repetir a mesma postura em cada tiro, quanto melhor você consegue repetir a mesma postura mais certeiro será o seu tiro. Cada inclinação vai mudar o vínculo entre o seu olho e a mira e também vai mudar a referência de ancoragem assim mudando as referencias da mira.

Como podemos notar, a posição de sua cabeça e muito importante porque é a sua cabeça que vai servir como ponto de referencia para o ajuste da mira. No desenha abaixo podemos ver a diferença entre olhar reto e olhar inclinado.

A postura

A cabeça está reta e a nuca endireitada. Se mantiver esta postura ao viramos a cabeça para o lado ela irá virar reta sem inclinação. Nesta postura temos que trabalhar menos músculos e eles conseguem trabalhar com maior constância.

Já na figura B notamos que ao relaxarmos a postura o queixo sobe e nós na realidade não olhamos reto e sim de coma para baixo com um pequeno vínculo. Ao virarmos a cabeça para o lado, não só levantamos desnecessariamente o queixo como inclinamos a cabeça, e é esta inclinação que torna o tiro fatal porque ela nunca é repedia identicamente.

É evidente que existe exceções devido a certos problemas musculares ou outras razões, que evitam o arqueiro (a) a manter a postura ereta, mas nem por isso devemos treinar esta postura.

3. A pré puxada e a puxada

A puxada da corda se divide em 6 etapas.

1. Etapa, a postura

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Ela começa no momento em que você segurou a corda do arco com os dedos.

A puxada começa praticamente no momento em que você se posicionou e depois de ter botado a flecha na corda segurou a corda. Esta é a primeira etapa. É o momento em que você ajusta a mão esquerda no punho do arco (para arqueiros destros) e os dedos da mão direita na corda do arco.

Você relaxa os ombros, apóia o peso do arco nos dedos direitos, apontando a flecha para baixo, olha para frente e começa a se concentrar. Esta também é a primeira fase de concentração.

2. Etapa, levantar o arco

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Agora você levanta o arco sem fazer puxada, e mantém a mira no alvo. Esta é o preparatório para todo o processo de tiro. Aqui você inspira e puxa devagarzinho a corda (pré-puxada), mantendo o cotovelo do braço direto alto até chegar com a mão direita ao queixo (para destros, canhotos o contrário).

Como podemos ver nos desenhos acima, o braço ao puxar a corda mantém o ombro elevado.

Existem vária formas de fazer a puxada:

1. Ao levantar o arco se puxa um pouco a corda de tal forma que o arco quando estiver á altura do alvo já está estendido um pouco. Esta era uma forma adotada na Europa por muitos anos. eu notei que ela tem um problema. Ao fazer esta pré-puxada, acontece que o músculo é tencionado numa posição diferente a da puxada final (com o braço apontando para baixo). Aí quando eu levantar o braço esquerdo, o músculo do braço direito por já estar tencionado precisa de muita força para continuar a puxada. Esta técnica exige muita força desnecessária.

2. Nesta técnica se eleva o arco acima da visão e se faz uma pré puxada e ao puxar a corda se desce o arco até ele estar á altura do alvo e a mão no queixo. Esta técnica é boa quando se quer compensar um excesso de potencia no arco. O ruim nela é que pode acontecer ao descer o arco até a altura do queixo e do alvo, se tende a levantar o queixo para acomodar a mão no queixo. E tal mudança de postura pode comprometer o tiro. Ela só não compromete o tiro se o arqueiro for capaz de repetir o mesmo movimento sempre de novo, algo difícil.

3. Esta técnica é a que eu recomendo. Ela é também atualmente usada pelo time olímpico Italiano que conquistou ouro nas olimpíadas de Atenas. A técnica é simples. Se eleva o braço com o arco até a mira dar no centro do alvo. depois, devagar se puxa a corda, acertando a postura. Desta forma a mão que puxa vai de sozinho na posição certa debaixo do queixo sem comprometer a postura. A pré puxada e a puxada se tornam uma unidade, e a mira é sempre mantida no alvo.

Para testar a postura correta:

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Um bom teste é ficar de braços abertos, olhar para o lado e depois dobrar o braço direito até o queixo mantendo o cotovelo alto. Desta forma se tem a postura ideal para a puxada.

A pré-puxada se dá ao puxarmos a corda lentamente e devagar com uma pressão constante e contínua, num movimento fluido e lento. A pré-puxada se torna uma unidade com a puxada final. Desta forma evitamos puxar a flecha demais e ultrapassar o cliker antes do tempo.
Se formos puxar rápido para compensar o excesso de potencia, a flecha facilmente irá ser puxada demais e passará o cliker antes do tempo, antes de termos mirado certo. A puxada rápida é um sinal que o arco está pesado demais para o arqueiro (a).

Na hora da puxada se deveria concentrar no cotovelo e não no braço ou ombro. Deve-se mover o cotovelo para trás e não o ombro. Desta forma se evita que o movimento é feito com o ombro, sobrecarregando o ombro. Ao se concentrar no cotovelo, automaticamente o movimento é feito com a musculatura das costas e da omoplata em conjunto com a musculatura do ombro, assim facilitando o movimento e cansando menos a musculatura.

3. Etapa, a ancoragem

Esta terceira etapa é essencial. Se a postura da cabeça estiver correta ao puxar a corda, automaticamente a corda irá tocar a ponta do nariz e ao mesmo tempo a mão irá encontrar seu lugar ao lado inferior do queixo. Qualquer variação na posição do queixo irá mudar a trajetória da flecha.

O importante nesta fase é, depois de ter acertado a mira no alvo, com a mão que está segurando a corda, alinhar a corda num ponto fixo no arco, este ponto pode ser a parte interna da janela da empunhadura, pode ser o lado interno ou lateral da mira.

A terceira etapa se caracteriza pela concentração final e o ajuste final da mira. É nesta fase que o arqueiro ajusta a corda no arco movendo ligeiramente a mão no queixo para dentro ou fora.

Nesta fase a concentração está no seu auge, a respiração parou por completo, o tempo parou, somente existe o alvo, o arco, a flecha e o arqueiro. A postura está perfeita e o arqueiro está pronto par soltar a flecha.

4. Etapa, soltar a corda

Nesta etapa o arqueiro se concentra no cotovelo, puxando-o mais para trás, e ao puxá-lo sem alterar a posição da corda no arco, a flecha passa o cliker que avisa a puxada ideal. è neste momento em que o arqueiro solta a corda, mantém o arco erguido e a mente acompanhando a flecha até ela atingir o alvo.

Aqui a concentração termina, o arqueiro somente fica atento ao seu mundo.

5. Etapa, o momento final

Esta é provavelmente a mais importante de todas as etapas do tiro. Depois da flecha ter acertado o alvo, o arqueiro espira o ar e relaxa toda a musculatura. Ao mesmo tempo ele relaxa a mente e a concentração. Aqui o arqueiro esquece o tiro, não se concentra no tiro e muito, menos em ter que acerta ou quere acertar.

Esta é a fase mais difícil de se treinar, porque a nossa mente está condicionada a procurar resultados, ela está condicionada a ter sucesso. Mas, é exatamente neste momento, por uma fração de tempo, que temos que relaxa e desligar, para depois podermos nos concentrar de novo. se não conseguirmos desligar o próximo tiro será afetado pela nossa preocupação ou insatisfação.

6. Etapa, o começo

Depois de termos relaxado, abaixado o braço, nós conferimos o tiro e acertamos o arco se for necessário. e de novo estamos pronto para o novo tiro, que deveria ser o primeiro e único tiro. O que foi era, o que vai ser ainda não é, portanto ambos não interessam. A única coisa que interessa é o momento, e isso significa o tiro que estamos prestes a fazer.

4. Ancoragem

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

O preparo para uma ancoragem certa começa com o primeiro passo da postura e com o primeiro passo da pré-puxada.

Se a minha postura não estiver adequada, o vínculo dos meus braços em relação ao arco estará mudado em cada tiro, que por sua vez muda o vínculo do meu olho com a mira, muda a abertura dos meus braços e conseqüentemente a potencia (puxada) do arco. A variação na potencia vai fazer com que a flecha ora voe mais forte ou mais fraca.

Então podemos dizer que existem duas etapas iniciais para uma boa ancoragem:

1. A postura

O posicionamento dos meus pés, e o posicionamento da minha cabeça em relação ao ombro. Na parte em que falamos sobra a postura da cabeça, é de eminente importância que a minha cabeça esteja reta, para quando eu virá-la em direção ao alvo ela não incline.

Cada mudança na postura de mina cabeça irá influenciar a minha ancoragem e, portanto, influenciar o meu tiro.

No desenho acima podemos ver que existem várias possibilidades de ancora o arco, e vários erros que se deveria evitar cometer.

Os desenhos 1, 2, e 3 são as três possíveis formas de ancoragem. Como você pode notar, em todas elas a ponta do nariz é a referencia inicial.

Na postura 1. temos uma ancoragem central. Neste caso o arqueiro alinha a corda no meio do nariz e a mão no centro do queixo. Esta é uma ancoragem muito usada pelas coreanas (campeã olímpicas e mundiais). Esta ancoragem se pode fazer em especial quando se possui uma puxada longa (braços longos).

Na postura 2. temos uma ancoragem levemente lateral. Muito usado pelos arqueiros masculinos. De novo o nariz é a primeira referencia, depois se ajusta a mão lateralmente no queixo.

E por fim temos na postura 3. um ancoragem lateral. É uma ancoragem usada por quem usa um beijador. Beijador é um plástico que é preso na corda para ajudar como referência.

Todas estas três ancoragens são válidas e vão depender do arqueiro.

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Os desenhos 4, 5, 6 e 7 nos amostram o que não deveríamos fazer:

A figura 6 nos mostra o clássico erro de uma ancoragem baixa. Neste caso a flecha acaba subindo e atingindo o alvo acima do desejado.

Na fig 7 temos o caso de uma ancoragem alta. Neste caso a flecha acaba atingindo o alvo mais baixo.

Na fig 5 temos o caso em que o arqueiro não usa o nariz como referencia. Isso dificulta o tiro.

Em todos estes casos, a ancoragem não é propícia porque ela é difícil de ser repetida de novo e de novo do mesmo jeito. E já que cada alteração da postura vai mudar o meu tiro, é óbvio que se deveriam evitar tais erros.

Na fig 4, temos uma ancoragem muito usado por pessoas que querem ter uma puxada maior do que o cumprimento do próprio braço.
Esta ancoragem não é recomendada porque o posicionamento na lateral do olho é muito difícil de controlar, é difícil de saber exatamente onde está a corda.

Como funciona a mira?

Antes de podermos acertar a mira é importante ter o material adequado, é importante ter as flechas certas com o spine certo para a potencia do arque.

Assumindo que seu arco esteja em perfeito estado e suas flechas sejam adequadas, vamos analisar os possíveis erros que se possa cometer na ancoragem.

Para podermos mirar bem, precisamos de duas referencias, uma linha horizontal e uma linha vertical. Juntando estas duas referencias temos o centro. Portanto, um tiro sempre é bidimensional (altura x largura).

A referencia horizontal (aquela que me dá a lateralidade) é conseguida mantendo a corda sempre na ponta do nariz. Desta forma a distancia entre o meu olho e a corda sempre será igual. Uma vez tendo o nariz como ponto de referencia, ao puxar a corda e manter a mira no alvo eu posiciono a sombra da corda num ponto fixo no aro do arco ao lado da mira. E em cada tiro eu uso as mesmas referencias. Cada mudança nestas referencias vai mudar a lateralidade do meu tiro. Se eu posicionar a corda um pouco mais para a direita no meu nariz a flecha voará mais para a esquerda e não acertará o centro do alvo. Em tais casos, não é culpa da mira, do vento ou do arco, e sim, do arqueiro.

A figura é o arco sendo olhado de cima

Aqui podemos ver que uma pequena mudança na lateralidade da flecha vai fazer com que a flecha não acerte o alvo.

A linha de tiro representaria o ponto central de ancoragem da corda na ponta do nariz.

Portanto, é importante que a referencia da corda e o ponto em que você mira a corda no arco sejam sempre idênticos a durante todos os tiros.

A referencia vertical (aquela que nos da a altura certa do tiro) é determinada com o posicionamento da minha mão no queixo.

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Na figura acima podemos notar o que acontece quando a ancoragem no queixo variar. na fig 1 temos a ancoragem ideal, sendo que a linha de tiro representa o posicionamento da mão na parte inferior do queixo. Se elevarmos a mão para cima, o vínculo da flecha vai mudar e ela cai (fig 3). Se baixarmos demais a mão a flecha sobe (fig 2).

Isso implica então, que quando atirarmos com o queixo elevado, não só iremos ter dificuldade em tocar a corda na ponta do nariz, como também a ancoragem da mão que puxa a corda será alta e a flecha irá cair. O ideal seria mover a cabeça de tal forma que ao puxarmos a corda ela automaticamente toca a ponta do nariz e a mão ao mesmo tempo alcança o queixo na posição desejada.

Existem casos de atletas de ponta, que depois de terem puxado a corda, elas ajeitam a cabeça movendo-a para ajeitar a visão e o nariz, e depois atira. Uma das melhores arqueiras do mundo faz isso. Não é para ser imitado. O truque dela é que ela ancora no pescoço, tendo o pescoço como referência. Assim ela se pode dar o luxo de mover a cabeça. Só que ela treina isso a mais de 15 anos e com treinador e uma equipe inteira. Ela consegue treinar de tal forma, que tal vício sempre se repete da mesma formal. Mas isso é uma exceção.

2. A posição dos dedos

A posição dos dedos em relação á corda do arco é muito importante e ela começa no momento em que eu me preparo para puxar a corda, quando eu posiciono os dedos na corda. Em regra se usa a ponta dos dedos até a primeira junta. Normalmente se tenta distribuir o peso da corda igualmente entre os dedos.

A distribuição do peso da corda entre os dedos pode variar. Tem arqueiros que botam maior peso no dedo indicador, já outros distribuem o peso entre o indicador e anular. Uns mantêm os dedos mais abertos, já outros fecham a mão mais, encurvando os dedos. Não existe um padrão aqui a não ser que você usa as pontas dos dedos até a primeira junta. A forma de segurar a corda é bem individual e com o tempo e a prática você vai descobrir o seu jeito.

Da mesma forma é essencial como você segura o arco. A pegada no arco tem que ser sempre idêntica, pois cada mudança vai influenciar a trajetória da flecha.

Por isso, muitos arqueiros moldam o seu próprio punho conforma a mão e o jeito de segurar o arco. Na regra se diz que se deveria segurar o arco entre o dedão e o dedo indicador conforme amostra afigura abaixo:

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

A mão envolve o punho do arco sem apertá-lo ou segurar o arco.

Os dedos ficam soltos. A mão é passiva e funciona meramente como elemento de apoio.

Tendo determinado a posição de ambas as mãos no arco e na corda, nós puxamos a corda até o queixo com a mão direita e seguramos o arco com a mão esquerda sem apertar o arco. A mão e o braço esquerdo servem somente como elemento de sustentação. É o braço direito que é ativo, enquanto o esquerdo fica passivo. e se fizermos a puxada certa a mão direta se encaixará automaticamente debaixo do queixo.

Ao puxarmos a corda devemos sempre prestar atenção para não torcermos a mão. isso acontece mais do que se pensa. Normalmente dá para eliminar tal vício com o treino. caso não der então se tenta uma variação de acordo com o tipo de torção. Se torcermos o punho durante a puxada, vai acontecer que o arco acaba sendo inclinado para um ou para o outro lado, afetando a trajetória da flecha.

Recapitulando

Nós temos dois elementos fundamentais para uma boa ancoragem: A postura e o posicionamento da cabeça. e a posição dos dedos na corda e da mão no arco.

5. Soltar a flecha

Urakami Sakae Hanshi, mestre do estilo Heki ryu Insai-ha escreveu:

O objetivo do tiro com arco é, através de treino e determinismo, autocontrole e correção, fortalecimento dos tendões e ossos, com o objetivo (a meta, o alvo) mantendo se no Ho (as regras) acertar o alvo. Por isso, todos aqueles que querem atirar com um arco têm que primeiro determinara suas intenções, controlar sua mente e executar as regras (normas) direito, começando com ashibumi, dozukuri, torikake, tenouchi,yugamae, ushiokoshi, hikivake, sanbun no ni, tsumeai, nobiai, yagoro, hanare e zanshin.

Se a postura estiver certa, então as tuas juntas se alinharão precisamente, a tenção muscular estará bem balanceada, seu puxar será de acordo com o seu tamanho, sua mente estará repousada e não será afetada por distrações, seu corpo estará cheio de vitalidade, você e o arco serão uma unidade e o arco irá se encher de força e vida. Desta forma terás que permanecer, de tal foram que todos estes elementos se realizam para que o soltar da flecha aconteça de sozinho (automaticamente).

Uma flecha atirada desta forma jamais irá errar o alvo. Ela irá errar porque tu, por exemplo, está pensando de mais. Não é que nem no mosha guchu (uma flecha atirada com sorte) e sim que nem no Hôsha hitshu (um tiro de acordo com as regras nunca erra o alvo).

É importante eliminar qualquer dúvida, mesmo o nosso pequeno Eu, e ser um com a natureza, não pensar e delimitar, e sim, transcender o pensamento e a vontade de querer (o desejo), e como algo que é refletido num espelho ou a lua que é refletida num lago, acalmar a visão interna e imergir no mundo do munen muso (sem intenção, sem pensamentos) e depois direcionar a flecha de acordo com as normas.

O que Sensei Urakami escreveu acima resuma praticamente tudo sobre a arte de soltar a flecha.

1. Soltar a flecha começa praticamente com a postura, começa no momento em que posicionamos os dedos na corda. Por isso a posição dos meus dedos na corda é fundamental. Cada variação vai mudar a trajetória da flecha.
2.
O segundo elemento importante é a puxada e a abertura do meu peito e o alinhamento das minhas costas.
3.
Depois vem a ancoragem.

Até agora nada é novidade, mas nunca canso em repetir isto porque são passos facilmente esquecidos. A postura certa do meu corpo vai determinar a posição da minha cabeça que por sua vez vai determinar a ancoragem certa. E é a ancoragem que vai determinar o meu tiro.

Soltar a flecha envolve 4 fases:

1 Fase: Mirar

Depois de termos puxado a corda e ancorado a mão debaixo do queixo, começa a fase final de mira. Já na puxada eu alinho a mira do arco com o centro do alvo, mas é na puxada final que eu acerto a mira. Nesta fase eu mantenho a mira no centro do alvo com o meu braço esquerdo (para destros, canhotos o inverso) e com a minha mão direta eu acerto a corda na ponta do nariz e a sombra da corda num ponto fixo no arco.

Portanto eu tenho três referencias: o nariz, o queixo e a sombra da corda no arco ou mira Estas três referencias vão determinar se a flecha vai acertar o alvo conforme a mira foi ajustada.

Ao mirar, acontece que não dá para manter o braço esquerdo que segura o arco imóvel. se isso der, fantástico, mas na maioria dos casos nós oscilamos com o braço. Para tal existem várias técnicas.

Técnicas de mira:

1. Eu posso começar mirando um pouco abaixo do centro do alvo e quando a ancoragem estiver certa começar a levantar o arco devagar e no momento que eu passar pelo centro largar a corda.
2.
Eu posso começar mirando acima do alvo e ir descendo a mira até passar pelo centro do alvo.
3.
Eu posso circundar o centro, mover o arco em minúsculos círculos e no momento que eu passar pelo centro do alvo soltar a corda.
4.
eu posso fazer um oito deitado. Desta forma eu sempre irei passar com a mira pelo centro do alvo, ora subindo, ora descendo.

Não existe a melhor forma de mirar. Cada arqueiro (a) tem que achar o seu jeito individual. É bom tentar várias formas, ouvir como outros arqueiros fazem, e achar o seu jeito individual. Eu pessoalmente gosto no arco composto indo subindo com a mira. Já no recurvo eu tento manter a mira no centro até a puxada final fazendo pequenos círculos. Agora cada um tem que achar o seu padrão individual.

2. Fase: Tenção nas costas

Agora estamos na postura certa, com a puxada certa. A flecha está quase na sua puxada final. Para tal o arco recurvo tem uma ajuda, o chamado clicker. O clicker deveria ser ajustado de tal forma que a flecha somente o passará por completo na tenção final da musculatura das costas, e não antes.

Já no composto não precisa de clicker porque as roldanas têm uma trava que determina a puxada final da flecha.

Voltando para o arco recurvo: Uma vez estando tudo certo, eu começo a me concentrar no cotovelo e trazê-lo para trás. Ao me concentrar no cotovelo eu automaticamente contraio a musculatura das costas assim evitando mover o ombro e mudar a minha postura. Esta contração dos músculos é exatamente a puxada final necessária para a flecha atravessar o clicker.

3. Fase: soltar a corda

Uma vez que a flecha passou o clicker, se mantêm por uma fração de segundo a postura, conferindo a mira e depois se solta a corda.

A corda é solta, e não largada. O processo é passivo. Ao soltar a corda nós relaxamos os dedos e não de tal forma que a mão automaticamente vai para trás encostando com os dedos na nuca por causa da tenção muscular das costas. Soltar a corda não é um procedimento ativo onde os dedos se abrem ou estendem e sim um processo de relaxamento da mão.

È muito importante quando nós formos fazer a puxada não ficar abrindo a mão pouco a pouco ao puxarmos a corda. Isto é um erro muito comumente praticado.

Tal erro faz com que a corda torce ao momento que ela desliza pelos dedos. Aí, depois de ser solta e se destorce desviando a flecha do seu alvo. Ao puxarmos a corda devemos sempre manter os dedos firmes até o momento final, sem torcer a corda, e na hora do tiro aí relaxar os dedos de tal forma que a corda é solta com a menor resistência possível.

O momento certo de soltar a corda é um momento bem intuitivo. Se a minha concentração estiver correta, o meu corpo saberá o momento certo. E tal momento nós sabemos que foi certo depois do tiro. É uma sensação muito agradável ter atirado no momento certo. Pode acontecer que nós fizemos tudo certo, atiramos no momento certo e não acertamos o centro. Isso acontece. Isso acontece e as razões são várias, pode ser que a mira não está ajustada, ou está solta, ou pode ser que simplesmente esquecemos de mirar no centro do alvo.

4. Fase: Manter o braço

Esta 4 fase é muito importante. Muitos atletas depois do tiro tem a mania de abaixar imediatamente o braço depois do tiro. Com o arco recurvo tal vicio pode e na maioria dos caso causa que a flecha perca altura e acerte embaixo do alvo. Portanto, depois do tiro se deve manter o braço erguido até a flecha acertar o alvo.

Desta forma se mantêm a concentração por uma pouco de tempo a mais. Na realidade se deveria de empurrar o arco um pouco para frente durante a puxada, e tal forma que depois do tiro o arco caia por cima da mão relaxada e aberta do braço esquerdo.

Existe uma técnica muito boa, especialmente para o treino, que é fechar os olhos depois que a flecha deixou o arco. Isso nos ensina a não nos preocupar com o tiro depois que ele foi dado, e a nos concentra na nossa própria postura e estado mental.

Depois do tiro, depois da flecha ter acertado o alvo, você abaixa o braço, espira e relaxa o corpo e a mente. Confere na luneta o seu tiro e se prepara para o próximo tiro, que deveria ser de novo o seu único tiro.

E aqui termina a soltura da corda. Como podemos ver, cada fase do tiro depende das outras fases, se tornando uma unidade. Uma fase é seguida pela próxima num processo contínuo e fluido que em harmonia vão nos dar um bom tiro.

Christian Haensell

Fonte: www.geocities.com

Técnicas de Tiro do Arco e Flecha

Fator técnico – Forma de Tiro

A forma de tiro, ou melhor, a postura, e o conjunto de movimentos na prática do tiro com arco e flecha , não se limita apenas ao condicionamento físico e as técnicas visuais ; pois elas estão intimamente unida são atitudes da mente e do corpo , e atuam , de modo inseparável, com o processo respiratório .

Considerada pôr todos os atleta de maior experiências como “ a essência do bom resultado ” , é sem duvida o fator delimitante entre sensibilidade e destreza , o qual será adquirido através da pratica das técnicas formais , de modo disciplinado , onde o corpo e os membros fazem pôr si , só aquilo que lhes for atribuído, sem qualquer cálculo ou raciocínio maior .

Posicionamento

Para os tiros F.I.T.A (Federação Internacional de Tiro com Arco), dentre os mais diversos conceitos do bom posicionamento surge uma máxima comum – “ … um pé anterior , e outro posterior à linha de tiro , sendo a abertura das pernas proporcional à dos ombros , o braço de sustentação do arco será levado até uma altura natural do ombro , o braço que executará a puxada , o realizará num ângulo paralelo a boca ,sem levantar demasiadamente o cotovelo , distribuindo igualmente a força realizada pelos membros superiores , devidamente equilibrada sobre o conjunto inferior ; o qual mantém-se alinhado perpendicularmente à uma linha em direção ao centro do alvo …”

Anexamos a este conceito o correto alinhamento , embora seja um tanto utópico avaliar sobre alinhamento, devido aos diversos estilos individuais , mas dentro das posições básicas , é necessário frisar que o alinhamento correto contribui para uma maior precisão e índices de acerto além ; é claro , de não prejudicar o trabalho muscular das costas , e sim auxiliar o melhor desenvolvimento do conjunto.

Dentre as posições mais usadas podemos caracterizar duas , as quais são mais utilizadas pelos arqueiros da elite , como também as que demonstram melhor desempenho.

Posição Fechada ou Clássica

Consiste no arqueiro se posicionar lateralmente em relação ao alvo ; a denominação “ clássica” , advém desta ser a primeira posição a ser ensinada ao arqueiro , visando a consolidação da forma , e com a opção de , caso seja necessário , uma mudança para a evolução.

Favorável: É considerada muito confortável , e fácil.
Desfavorável:
Face a não existir nenhuma contratação mais solida , das costas , esta posição pode permitir um desalinhamento ósseo do braço com o ombro do arco , ocasionando pane na largada, onde o arqueiro moverá a direita ( destro).

Posição Obliqua- Aberta

A posição aberta consiste em uma variação da posição clássica , na qual o arqueiro para assumir uma posição de corpo à 45° em relação ao alvo, muda a posição dos pés , colocando o pé que se situa atrás da linha de tiro paralela à mesma , ou com pequena abertura.

Fávoravel: Proporciona face a uma leve torção do tórax, maior sensibilidade da musculatura das costas , ocasionando uma inércia no momento da largada ; elimina o erro de pronunciar o ombro quando da puxada; diminui a perda de pressão na musculatura das costas .
Desfavorável:
Incomodo quando da abertura além do ponto ideal.

Observação

A posição aberta é considerada uma evolução da posição clássica e tem sua utilização principalmente nos tiros com mira , onde facilita a condição de alinhamento.

Cuidados a serem tomados para se assumir a posição obliqua.

Posicione

Se de maneira a ficar com o corpo a 45o. do alvo com o pé anterior a linha de tiro paralela à mesma , e formando ângulo de 90o. com o pé anterior . A abertura entre os pés , deverá ser o máximo , a medida de seus pés , deverá ser o máximo , a medida de seus ombros , a fim de lhe proporcionar o melhor equilíbrio.

Jamais permita que a torção para o alinhamento das costas se faça a partir de seu quadril , mas sim acima do mesmo.

Importante

Tenha cuidado em alinhar o braço da puxada procurando coloca-lo alinhado com o osso da clavícula , sem contudo incorrer no erro contrario de interioriza-lo , demasiadamente , voltando a perder o alinhamento.

Algumas variáveis são possíveis respeitando as características individuais , contudo , a avaliação sobre qual o atleta deverá adotar , deverá ser feita no início de sua temporada , o que lhe permitirá testes e a adequada adaptação à mesma.

Muitos arqueiros possuem uma posição básica , e pequenas alterações para condições adversas ( meteorológicas , e / ou técnicas e de equipamentos ) :

A posição mais confortável

Posição 1 – base paralela ou Natural
Posição 2 –
Abertura lateral excessiva , muito adotada contra o vento , contudo é muito desconfortável e não eficiente
Posição 3 –
Abertura lateral muito fechada , recomendada apenas para casos field , onde o espaço para os pés seja muito pequeno
Posição 4 –
Utilizada por atletas de altura inferior à 1,55 m , ou ainda muito magros , não recomendamos esta posição tendo em vista o esforço lesivo de membros inferiores (principalmente joelhos)
Posição 5 –
Recomendada para arqueiros de constituição robusta, apresenta bom equilibrio e conforto;fig ao lado
Posição 6 –
Confortável e de Fácil movimentação de conjuntos musculares , apresenta em determinados casos , ganho de ofensividade
Posição 7 –
Grande estabilidade , mas muito frontal , possibilita variáveis de alinhamento e follow-trough
Posição 8 –
Recomendada para atletas com problemas de torção de quadril , e antebraço muito curto em relação ao braço (puxada muito curta – menor de 24 ½”)

Antes de qualquer treino ou mesmo de competições, o arqueiro deve se posicionar na linha de tiro e colocar – se em frente ao alvo, na posição que acreditar ser a mais confortável para seu tiro, enquadrando o arco ao centro, fechar os olhos e sem flecha , armar o arco com toda a rotina normal para um bom tiro.

Logo após a ancoragem abrir os olhos e verificar onde a mira se encontra; a partir desse ponto o arqueiro deverá ir mudando de posição, até encontrar o ponto em que armando o arco com os olhos fechados, a mira, ao abri-los, se achar no centro do mesmo. Deste modo,se consegue encontrar o ponto em que armando o arco com os olhos fechados, a mira, ao abri-los, se achar no centro do mesmo. Deste modo,se conseguirá encontrar a postura mais perfeita possível, proporcionando que o arco ao ser armado fique naturalmente alinhado no alvo. Após encontrar a posição ideal, o arqueiro deverá marcar o solo com grampos ( campo) ou giz ( salão) a fim de atirar durante toda a competição na mesma posição.

Não se envergonhe deste procedimento , ele se presta à todos, de iniciantes à campeões, atirar bem em sua posição mais confortável facilitará manter o corpo em maior período de inércia, durante largada e posição final.

Processo de Abertura

Posicionamento do Arco no Inicio da Puxada – Pré Draw

Muitos atletas apresentam bom posicionamento , alinhamento, mas pecam na hora da abertura , conduzindo assim de maneira desordenada todo o esforço físico , no conjunto dos membros superiores . É importante salientar sobre a ordenada seqüência adotada pelo atleta , para seu melhor rendimento .

Adotemos então uma seqüência de atitudes:

a) Iniciar o encaixe da mão , no grip do arco, com a palma da mão para baixo , onde desta forma a mão oferece uma maior resistência à força do arco, força esta que será transmitida ao ombro;
b
) A pressão do arco estará localizada no ponto “Y”, formando pelo polegar e o dedo indicador da mão que segura o arco;
c
)Manter a mão totalmente descontraída , após o encaixe no punho;
d)
Posicionar a corda na linha da primeira falange dos dedos;
e)
Usar 70% da força no dedo médio , 20% no indicador e 10 % no anelar;
f)
Sentir a pressão da corda nos dedos antes de iniciar a puxada;
g
)Para arqueiros de ancoragem com base , principalmente os de mira , é recomendada ligeira torção para fora , criando pequeno angulo , o que irá facilitar a posterior largada ativa e falow-trough;
h)
Girar o cotovelo do braço do arco para fora;
i)
Iniciar a abertura do arco, simultaneamente com o braço do arco e o da corda, pouco acima da altura dos ombros; ( **… – obs.)
j)
Levantar o braço do arco , de modo natural, sem o hisperetender;
k
) Encaixar o ombro do arco e mante-lo descontraído;

Observação

Ao iniciar a puxada, deve-se pensar no movimento das costas, e na mão do arco até automatizar o movimento, este expediente trará como vantagens a maior harmonia entre o braço do Arco e as costas, além de menor esforço no músculo das costas , e facilitar o alinhamento dos ombros.

Abertura do Arco – Draw

a) Os músculos dos braço, ombro e costas devem ser usados em seqüência, com movimentos compassados , suaves e definidos;
b)
A corda deverá se mover sempre numa linha próxima ao braço que segura o arco , durante todo o processo de abertura;
c
) O cotovelo do braço da corda deve estar na altura aproximada da orelh ;
d)
O movimento deverá contínuo e gradativo , numa forma circular.

3.1.7 – Ancoragem

Descritivamente o nome ancoragem , ou ponto de ancora, é o local onde fixamos a mão num ponto do rosto , onde apoiada durante alguns segundos irá preceder a largada.

São diversas as formas e os pontos, normalmente dois tipos são os mais tradicionais: lateral ao canto da boca ( tiro instintivo), e com base – queixo-maxilar-lateral próxima a mandíbula,(mais utilizada para o tiro com mira – dedeira ou gatilho ).

Observamos ainda quando da ancoragem , que podem ser na forma parada ou contínua , (esta apresenta maior tendência atual, e dos melhores arqueiros).

Utilizemos o expediente anterior de seqüência , para melhor estudar estes movimentos:

a) Com a cabeça o mais natural possível , voltada para a frente , não inclinada , boca fechada , dentes encostados, não mordendo , prepara – se para receber a ancoragem;
b)
Movimentos lentos e coordenados ( não bruscos, o que no caso de se utilizar o cliker irá atrapalhar ), trazendo a corda até seu ponto ideal.
c)
A corda deverá tocar no caso de arqueiros instintivos no canto da boca, e no caso de atletas com mira , tocar o centro do nariz ( sem pressionar) e o queixo ( centro ou lateral);
d
)O dedo polegar deve ficar reto , totalmente descontraído dentro da palma;
e
) Pode-se fazer um apoio do dedo mínimo em um ponto do pescoço, para aqueles que estiverem com o ponto de ancoragem indefinido (apenas com orientação e supervisão , pois o mesmo pode causar angulação desnecessária ,ou ainda uma perda de alinhamento);
f)
O pescoço deve ficar totalmente descontraído, durante todo este ciclo;
g)
A parte inferior da mão da corda , poderá ficar um pouco inclinada para fora;
h)
No caso da ancoragem contínua , pode-se diminuir a velocidade do movimento , mas não parar a movimentação , até o disparo;
i)
Realizada a ancoragem ( fração de segundos próxima a estabilização da ancoragem – anterior ) inicia-se à verificação de alinhamento de corda , alça de mira , ou visada.

3. 2 Qual a maneira correta de mirar

O ato de mirar , talvez seja , no tiro com arco e flecha, em particular , um dos fatores mais complexo de todo esse esporte.

Se compararmos o tiro com arco, com outras modalidades de armas convencionais , nos depararemos com profundas diferenças tais como:

Enquanto um atirador de carabina se preocupa em enquadrar alça e massa , apontando – as montadas a um determinado alvo , o arqueiro deve enquadrar uma alidade (padrão) em determinado ponto do alvo ,posto que o correto seria a massa do arco ( a corda) , se alinha geralmente em ponto paralelo a mira, ocasionando com isso a perda da sensação de alinhamento e consequentemente a perda de confiança.

O alinhamento da corda.

Em relação a mira do arco, a corda pode ser posicionada de três modos diferentes:

1) Na janela do arco, junto à mira formando o que se conhece por alinhamento 01 ;( arqueiros destros)
2)
Tangenciando a mira pôr fora do arco , conhecido como alinhamento 10 ; ( arqueiros destros )
3)
Forma japonesa , isto é , a corda pelo meio da mira ,também conhecida como alinhamento 010.

Não existe uma maneira considerada correta para se visar a corda ,contudo deve-se escolher uma destas , e impor atenção a mesma durante o tiro , e uma vez definida a qual será utilizada , esta e somente esta deverá ser utilizada na seqüência dos tiros , pois qualquer mudança irá fazer com que os impactos se espalhem , sendo muito difícil a identificação do problema que causou esta situação .Alguns atletas usam este procedimento para compensar o vento,é muito perigoso pois muda-se a memória muscular, provocando tiros tensos e susceptíveis a erro.

Como e onde mirar?

Como sabemos o ser humano não possui uma visão como a dos insetos, multifocal.Esse fato nos leva a uma grande dúvida no que tange a qual dos três pontos ( mira, alvo,ou corda ) devemos focar.

Muitas maneiras são utilizadas e desenvolvidas , a partir disto surgem algumas conclusões :

1) tentar focar a corda é praticamente impossível, face a mesma se encontrar muito perto dos olhos ;
2)
focar a mira e se atirar no embaçado do alvo talvez seja o mais cômodo , porém face à distância do alvo torna-se quase impossível encontrar um ponto concreto para mirar, ocasionando uma “flutuabilidade da mira”;

Focar o alvo é a opção mais efetiva para se conseguir um ponto perfeito de mira.

Focar com segurança

Após levantarmos todos esses tipos de problemas , chegamos ao que chamamos de : seqüência de focagem progressiva , a qual consiste em irmos progressivamente avançando nosso ponto de foco, tal que lente uma Zoom:

O primeiro passo , ou ponto a ser enquadrado é a corda em seu berço (local de alinhamento) , é claro que isto ocorre quando o arco já esta armado , e em ponto quase final de ancoragem , com a mira embora fora de foco, já enquadrada no alvo.

O passo seguinte será posicionar o clicker a 2mm da ponta da flecha -início da rampa , (não é normal o fato de se atirar sem olhar o clicker pois a maioria dos arqueiros não conseguem manter seu trem de atiro).

Raras são as vezes em que o atleta consegue atirar bem sem tomar este tipo de cuidado , somente ocorrendo quando o mesmo se encontra totalmente mecanizado.Pelo fato do clicker e da mira se encontrarem quase no mesmo ponto , muda-se o olhar rapidamente para a mira já focada através da mesma e força-se a focagem do ponto do alvo em que se deseja mirar.

Com o desenvolvimento desse tipo de focagem , o mesmo se sincronizará com sua clicagem e relaxamento final, dando -lhe a certeza de que todo o processo é continuo e parte de um todo que se completa.

Ponto de mira e ponto de score

A pouco nos referimos a enquadrar a massa da mira em pouco determinado do alvo , e não a mirar no centro do mesmo. Algumas vezes nos formamos a acreditar que mirar no 10 é esforço a nossa vontade desmedida de acerta-lo.

No tiro FITA , lidamos c/ fatores climáticos que seguramente influenciam significamente em nosso desempenho . É impossível, após termos acertado a mira p/ o centro do alvo , nos tiros de experiência , se continue a mirar no mesmo ponto, tendo detectado alguma mudança climática , mais especificamente o vento.

Um projetil de carabina tem aproximadamente 1/28 de comprimento’ de uma flecha , e se movimenta a uma velocidade muito superior a ela ,… mesmo assim seu atirador , afim de corrigir possíveis distorções em sua trajetória muda seu ponto ; baseado nesse exemplo você pode imaginar o nosso desempenho se torna vulnerável tendo um projetil mais lento c/ uma área de arrasto muito maior.

Na maioria das vezes o que impede uma arqueiro de compensar seus tiros, está ligado ao grau de confiança que o mesmo imprime a sua forma. Se você já treinou, e esta consciente de que desenvolveu satisfatoriamente sua memória muscular motora, como também, já treinou a fazer grupos fora do centro, acredite, você está apto a compensar o tiro e ganhar aqueles pontos tão importantes p/ lhe colocar no patamar que você merece realmente estar.

Lembre-se o desenvolvimento da memória muscular motora proporciona a retirada de toda a obrigação de seu consciente , lhe deixando livre para tomar conhecimento de outros fatores que podem influenciar seu tiro.

Jamais tema mirar fora do centro , pois esse é o ponto onde você tem obrigação de acertar , mas não necessariamente a mirar durante toda a competição.

Como compensar

A maioria dos arqueiros não tem um método realmente eficiente p/ trabalhar com a compensação , na maioria das vezes , pôr não terem tomado consciência que os pontos de compensação no alvo formam uma linha imaginaria em forma de elipse e não em forma de círculo como pensam a maioria dos arqueiros . Essa elipse é conseqüência direta da influencia da flecha ‘ em função da sua forma se torna mais vulnerável às rajadas laterais , necessitando assim , mais compensação as 9 e 3 horas . O vento na mesma intensidade , se na posição frontal ou de costas para o arqueiro , necessitará uma compensação apenas mais suaves,face à menor área da flecha em atrito com o vento. Em particular deve-se atentar em treino , o quanto a flecha tende a cair quando atingida pôr.

vento frontal , pois dependendo do angulo de arrasto imposto às penas a queda poderá ser menor ou maior . Em condições constantes de vento , uma boa compensação seria azul as 12 ou as 6 horas , conforme a posição do vento.

Considere sempre que o vento de costas sempre sobe um pouco mais a flecha do que costuma descer quando do vento de frente , pois a angulação das penas aumenta consideravelmente o arrasto.

Normalmente o vento de costas afeta a forma demasiada ao atleta que perde a confiança de mirar abaixo da linha do centro do alvo , temendo que suas flechas caiam antes do mesmo . Tenha confiança e aposte em você , essa é a melhor forma de ir ganhando confiança.

Notadamente , talvez seja a rajada lateral forte sobre o corpo do arqueiro o que lhe desequilibra com alta intensidade, o mais difícil de se compensar , em algumas opções seriam: vento da esquerda para a direita -partir para uma base mais obliqua , num trem de tiro mais rápido o possível, trazendo mira para o preto ás 9 horas (3); da direita para a esquerda- mira para as 3 horas , preto (3); alguns atletas tinham a flecha do clicador auxiliando assim o timing,contudo utiliza-se este expediente apenas quando de uma forma , visada,e compensação absolutamente precisa e confiante.

3.6.1 – Flutuabilidade

Muito se discute em relação à visada correta ; seja esta contexto geral,batente da janela , lateral da janela , visão combinada , ponta da flecha , etc (Tiro sem Mira); pin travado no 10, aro travado no 10, pin alto no 9; pin médio 10 baixo; etc (Tiro com Mira); – observamos nos itens anteriores, conceitos os quais nos demonstram que visar não é um ato consciente, mas subconsciente, e portanto, não precisamos visar perfeitamente ; para ser mais concreto, tente firmar o máximo possível o pin parado no centro do alvo (objetivo – 10) (caso de tiro sem mira – objetivo da focagem),repare que sempre existirá uma certa “flutuabilidade” , isto é , a mão e braço do arco realizarão pequenos movimentos tirando-o deste ponto ;portanto não é errado ,para aqueles que tem determinada dificuldade em manter-se estáveis , colocar seu pin/foco em torno da mosca “X”.

Muitos arqueiros perdem o alvo , porque perdem o relaxamento ; acredita-se ser o fator de maior importância no tiro ; tentando colocar o pin / foco , na mosca a todo custo. Isto é desnecessário , e desgastante. Não é incomum observarmos diversos tiros voltados e refugados por tal motivo, aumentando consequentemente o tempo consumido para o disparo , a tensão, o aumento de ácido láctico nos músculos envolvidos no processo, enfim , fatores extremamente prejudiciais ao bom disparo.

Um método de grandes resultados , para estes casos , é o de flutuar o pin / foco , em qualquer ponto de uma determinada área do alvo.

É importante nos permitir uma margem de trabalho, por exemplo:

90 metros – vise o vermelho ( 8 ), rodando nele
70 metros – vise o amarelo ( 9 ), rodando nele
60 metros – vise o 10 – rodando nele
50 metros – vise o vermelho ( 8 ), rodando nele
30 metros – vise o 10 – confortávelmente.

Algumas vezes isto irá depender das condições meteorológicas , por exemplo em caso de vento , vise o alvo todo utilizando mais de um ponto de mira / visada (conforme citado anteriormente); você poderá criar seu próprio sistema e/ou tabela de parâmetros , mas de modo algum deve ficar ansioso , ou inseguro do que está visando ; demore-se apenas o suficiente , não tente ser extremamente precioso , pois este não irá lhe ajudar.Pois confiança é o mais importante para se atirar bem , entretanto não seja superconfiante , pois se exagerar está somente lhe trará problemas.

Para o melhor desempenho deste processo , inicie-o respirando bem devagar , relaxe , concentre-se em sua forma , arme consistente e suavemente , vise / mire , e traga lentamente a força para as costas; passando pelo clicker ( Recurvo) ponto de encaixe das costas – back tension – parede (COMPOSTO) ; e dispare decidido e ofensivamente.

Isto é tudo. CONCENTRE-SE NISTO !!!

Sentido da Flutuabilidade

Podemos observar que o sentido da flutuabilidade , seja ele horário , anti-horário, vertical ou horizontal , elíptico ou em ziguezague ; não se apresenta com certeza ou preponderância ; contudo notamos que para os arqueiros destros , giram mais para a direita , e os canhotos , mais para a esquerda. Não existem regras para seu controle ,pois isto irá depender das características individuais de cada atleta , mas podemos aconselhar a dar maior atenção à mão do arco e conjunto de sustentação , pois mínimos movimentos nestes , poderão auxiliá-lo neste intento.

Eventuais Problemas durante a Compensação

A maioria dos problemas ocasionados durante um tiro compensado , é como já citamos anteriormente , motivado pela confiança do atleta em suas decisões.

Dentre elas podemos citar :

O arqueiro atirar a primeira flecha para ver onde acerta; – tender a voltar para o centro durante a largada ; – enrijecer a musculatura ; enrijecer a largada e relaxamento final; – tender a ver a flecha em vôo , baixando assim o braço de sustentação uma pequena fração de segundos antes (e/ou) do momento da largada; etc..

Esteja atento para estes tipos de problemas , e caso aconteçam , volte a treinar o processo de compensação. Porém antes de tudo , o mais importante é manter a calma e a auto confiança.

Ao mirar fora do centro , você deve estar convicto da vontade de acertar onde mirou/visou , afim de não tender a voltar para o centro durante a largada/disparo. Imagine que você quer mirar no azul – 6 , às 3 horas, e que terá a grata surpresa ao encontrar essa flecha no centro do alvo – 10. Agindo desta forma você deixará o vento trabalhar à seu favor.

Jamais atire uma flecha para ver onde acerta , pois fazendo isto para depois compensar, você irá desperdiçar tiros e possíveis pontos valiosos, dando à seus oponentes uma vantagem de até 10 pontos. Confie em seu instinto. Com o tempo você concluirá que este procedimento lhe dará muita vantagem nas condições de vento.

Enrijecer a musculatura e consequentemente todo o processo final de tiro, é algo típico de dias com muito vento , no qual a maioria dos arqueiros tendem a brigar com o vento para manter o corpo parado e firme, sem sucesso é claro.

O tiro com vento não é fácil de ser realizado , portanto todo cuidado deve ser tomado, contudo:

Não se deprima com o vento , lembre-se que está ventando para todos;
Se seu trem de tiro é rápido , com o vento, este deve ser mais ainda;
Coloque-se na linha de tiro confiante ; analise com frieza e segurança onde e qual é a intensidade do vento , calcule o ponto o desconto , e aguarde em posição, porém desarmado. Logo que sentir que o vento abrandou ligeiramente , arme rápido e com segurança , disparando as flechas , o mais cadenciadas e rápidas possível.
Jamais lute contra o vento.
Mantenha-se relaxado , respire compassadamente.
Somente toque a mira no caso de não acreditar num possível desconto.
Somente toque a mira se o vento mostrar-se constante em sentido e intensidade.
As pessoas que vivem tocando a mra , na maioria das vezes, durante a prova, perdem a confiança pessoal em sua capacidade.
Mantenha uma base aberta , e atire o mais relaxado possível para que seu corpo movimente-se naturalmente com o vento, contrabalançando assim o seu esforço.

Largada (Realease)/ Disparo de Gatilho e Follow Trough

Considerações diversas sempre são feitas à respeito de largada/disparo e follow trough , tendo em vista que é o fantasma que assola o arqueiro vulnerável , pois à qualquer deslize que o indivíduo dê , é neste conjunto que vai a culpa.

Podemos definir a largada e o disparo do gatilho como uma seqüência natural de movimentos , ao longo de seus tiros , que culmina na posição vazia (follow trough),onde mão e braço seguem num movimento suave e contínuo , durante toda a puxada e em determinado instante a corda solta-se , e percorrerá sua trajetória soltando a flecha, e indo ao seu estado de repouso.

Basicamente podemos observar o seguinte:

Contrair a musculatura das costas provocando um movimento para trás do braço da corda, e direcionando a mão do arco na direção do alvo;
Expansão do movimento ocorrendo desde o momento da ancoragem até a liberação da corda;
Direção da mão de corda , sempre para trás (Gatilhos – a mão do mesmo deverá assumir uma posição no final do movimento a qual deverá ser natural e não conduzida , evitando assim erros de gatilhamento);(Arqueiros que utilizam os dedos –Recurvos e categorias sem mira –esta mão passa pelo pescoço , e deverá parara atrás da nuca com o dedo indicador esticado , e dedo mínimo apontado para baixo, – direção do ombro);
Acompanhamento da distribuição da energia para as costas.

Existem fundamentalmente 2 tipos de largada/disparo ; a passiva onde os dedos relaxam após o momento do disparo (Recuvo / Categorias sem Mira; – Gatilho estático –parado – Compostos) ,indo a mão sem tensão continuar seu movimento à esmo e sem objetividade (tiro defensivo e sem expressividade); e a ativa ; onde dedos e mão são comandados (consciente ou subconscientemente) realizando uma largada/disparo direcionado e de grande ofensividade.

A seqüência de disparo é importante para termos uma maior constituição da forma , onde no final da largada o braço do arqueiro alonga-se em direção ao alvo , alinhando assim ainda mias seu tiro, sem solavancos e/ou quedas , ou ainda torques laterais.

A mão do arco não deverá cair abaixo da linha do braço , evitando o desmoronamento , ou seja , queda do braço seguida de perda do alinhamento, visada , e terminando em variação de todos os componentes da forma e técnica de tiro.

Outro fator a ser observado por arqueiros de recurvo e categorias sem mira, e á questão dos dedos, no que tange à posicionamento de corda e sua liberação, onde a mesma deverá ser acomodada na primeira falange, mantendo-se as costas da mão num eixo retilineo, evitando deflexões (concha ), numa liberação clara,suave e lisa, ou seja sem interferência.

Lembre-se de que , nós não controlamos a largada conscientemente , este movimento deverá ser subconsciente , o máximo em que devemos pensar é no follow trough . após o disparo.

Algumas variações no sentido da mão de corda em sua largada , afetarão diretamente na lateralidade de seu tiro , portanto mantenha sua concentração , e só pense em abrir os dedos e atingir o ombro, do que pensar em uma boa largada.

Para os arqueiros de gatilho , a opção entre o back-tension de grande intensidade e explosão , e a explosão controlada (ofensiva e sensitiva) deverá ser testada longamente ; mas o principio básico deverá ser o mesmo , sustentação e alongamento em direção do alvo pelo braço esquerdo, sem a perda da forma , e disparo objetivo ofensivo , se possível alongando no sentido do vetor de força.

A arte de querer sem querer

Jamais se conforme em acertar pontos aleatórios no alvo, tenha segurança e coloque sua flecha onde você desejar.

Atirando – se em dias tranqüilos ( sem vento) , podemos verificar nosso grau de espaçamento , e o mesmo é reflexo do desenvolvimento de todo o conjunto de habilidades adquiridas e doutrinadas , sendo assim , ao atirar uma flecha fora desse espaçamento , analise rápida e friamente , e conclua se foi uma falha técnica ou de não ter mirado no ponto correto , ou ainda de uma má compensação.

Valorize suas capacidades doutrinadas e disciplinadas , lembre-se , no tiro com arco e flecha , tamanha é a vontade , e a tranqüilidade com a qual deverá ocorrer o disparo , que não é mais você que dispara na direção do alvo, e sim a própria flecha que parte na direção do alvo.

Fonte: arcoeflechasp.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Arremesso de Peso

Arremesso de Peso

PUBLICIDADE O arremesso de peso é uma prova de atletismo moderno. A pessoa impulsiona uma …

História das Olimpíadas

História das Olimpíadas

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 a.C. em Olímpia, na Grécia antiga, e duraram por mais de mil anos.

Rivellino

Rivellino

Rivellino, Roberto, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Seleção Brasileira, Gols, Faltas, Cobrador de Faltas, Corinthians, Vida, Carreira, Rivellino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+