Breaking News
Home / Períodos Literários / Trovadorismo

Trovadorismo

PUBLICIDADE

O que foi o Trovadorismo?

A escola literária denominada como Trovadorismo é o primeiro movimento literário da Língua Portuguesa e nasce em Portugal no século XII. No movimento trovadoresco, a literatura era cantada e não escrita. Quem cantava eram os trovadores, que possuíam origem nobre, ou os jograis, quando pertenciam à plebe. Os trovadores compunham as cantigas (do amigo, do amor, do escárnio e do mal-dizer) e cantavam as melodias em feiras, festas e castelos.

Contexto histórico do Trovadorismo:

O momento histórico em que o trovadorismo ocorre é a Idade Média. É importante compreender que a linha do tempo das escolas literárias facilita a compreensão dos textos e da estrutura da escola. O movimento trovadoresco se estende desde o século XII até o século XV. Essa data não é exata, mas é a utilizada para caracterizar que o período literário ocorre ao mesmo tempo que o período medieval. Ele ascende quando a formação de Portugal está sendo firmada, após a Guerra da Reconquista. Mas, além da formação de Portugal, a linguagem e a cultura também ainda estão sendo estabelecidas e, por isso, o Trovadorismo é a primeira escola literária da Língua Portuguesa.

Além disso, a sociedade da época era teocêntrica e monárquica. O rei era legitimado pela igreja que, por causa do teocentrismo, exercia grande influência sobre a população. É importante saber, também, que o sistema econômico da época era o feudalismo.

A literatura propriamente dita durante o trovadorismo:

O Trovadorismo conta com um acervo de prosa e poesia. No entanto, a poesia constitui um espaço muito maior durante essa época por ser de mais fácil acesso à população. Como as poesias eram cantadas, elas atingiam uma gama de pessoas mais ampla. Vamos ver os aspectos da poesia e, depois, da prosa.

Poesia trovadoresca:

Quem faz a poesia? A poesia é composta e cantada pelo trovador e é feita em forma de cantiga. O trovador faz parte da nobreza, apesar de não ser o maior dos nobres. Mesmo assim, ele não é parte do vassalo.

Apesar do trovador, a cantiga pode ser cantada, também, pelo jogral. O jogral é mais pobre que o trovador e somente canta. Ele não compõe porque, nesse período, a população mais pobre não sabia ler e escrever.

Fora isso, tanto o trovador quanto o jogral, poderiam ser acompanhados pelas soldadeiras. Elas não são a voz principal da cantiga e exercem um papel de “backing vocals” da Idade Média. Além de ser, praticamente, o único momento em que as mulheres aparecem nessa escola literária. O idioma utilizado para a produção literária era o galego-português.

A poesia trovadoresca é dividida em dois grupos:

  1. poesia lírica

Que é dividida, também, em dois grupos:

  1. cantiga de amor:

A cantiga de amor possui o eu-lírico masculino e retrata a história de um “amor impossível”. O homem (que faz parte do vassalo) está perdidamente apaixonado e sofrendo por uma mulher nobre e inalcançável. A cantiga nunca revela nomes e a mulher, por sua vez, muitas vezes se assemelha à Virgem Maria devido a sua perfeição.

Exemplo:

“Senhora minha, desde que vos vi,

lutei para ocultar esta paixão

que me tomou inteiro o coração;

mas não o posso mais e decidi

que saibam todos o meu grande amor,

a tristeza que tenho, a imensa dor

que sofro desde o dia em que vos vi.”

  1. cantiga de amigo:

Já na cantiga de amigo, o eu-lírico é feminino. Entretanto, quem compõe a cantiga continua sendo um homem. A diferença é que, aqui, ele cria uma personagem feminina para a poesia. O amor retratado nessa versão, é o amor saudosista. Ele ainda não vai acontecer, mas é um pouco mais alcançável. Essas cantigas eram construídas de maneira a parecer que a jovem estivesse contando sua história de amor para alguém: mãe, tia, amiga ou quem estivesse disposto a ouvir.

Exemplo:

“Ai flores, ai flores do verde pinho

se sabedes novas do meu amigo,

ai deus, e u é?

Ai flores, ai flores do verde ramo,

se sabedes novas do meu amado,

ai deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,

aquele que mentiu do que pôs comigo,

ai deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,

aquele que mentiu do que me há jurado

ai deus, e u é?

(…)”

  1. poesia satírica

É mais popular e também é dividida em dois grupos:

  1. cantiga de escárnio:

É, literalmente, um escárnio. É feita para tirar sarro de alguém, no entanto não cita nomes. Ou seja, pode-se dizer que é como uma crítica explícita a alguém sem dizer o nome da pessoa. E, claro, também é cantada.

  1. cantiga de mal-dizer:

Assim como a cantiga do escárnio, ela é feita para criticar alguém. Mas, aqui, isso é feita de maneira direta e explícita. As cantigas de mal-dizer citam os nomes de quem se critica e podem conter até mesmo palavras de baixo calão.

Exemplo para os dois tipos de cantiga satírica:

“Ai, dona feia, foste-vos queixar

que nunca vos louvo em meu cantar;

mas agora quero fazer um cantar

em que vos louvares de qualquer modo;

e vede como quero vos louvar

dona feia, velha e maluca!

Dona feia, que Deus me perdoe,

pois tendes tão grande desejo

de que eu vos louve, por este motivo

quero vos louvar já de qualquer modo;

e vede qual será a louvação:

dona feia, velha e maluca!

Dona feia, eu nunca vos louvei

em meu trovar, embora tenha trovado muito;

mas agora já farei um bom cantar;

em que vos louvarei de qualquer modo;

e vos direi como vos louvarei:

dona feia, velha e maluca!”

O trovador mais famoso desse período é o Dom Diniz.

Prosa trovadoresca:

A prosa durante o trovadorismo foi feita em menor quantidade. No entanto, elas são de extrema importância para compreender e saber mais sobre a história de Portugal. As prosas são divididas em quatro grupos:

  1. crônicas:

São encontradas até em latim e não diretamente no galego-português ou português arcaico – que é a linguagem que se forma em Portugal – e narram a história do país.

  1. histórias de linhagem:

Também contam sobre a história de Portugal, mas contam muito mais sobre as famílias que viveram no país naquela época. Mostram, literalmente, a linhagem.

  • hagiografias:

São as histórias e relatos religiosos. Histórias de santo e coisas que aconteceram na religião. É, basicamente, sobre religião.

  1. novelas de cavalaria:

Fizeram bastante sucesso, eram bastante populares e comuns. Por isso, era normal que fossem lidas nas casas de famílias.

Por Amanda Abreu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Realismo

PUBLICIDADE O que é o realismo? A escola literária chamada Realismo é pautada na segunda …

Romantismo

PUBLICIDADE O que foi o romantismo? O Romantismo sucede o Arcadismo. Na escola anterior a …

Renascimento

Definição PUBLICIDADE Pelo termo Renascimento (“Novo Nascimento”), usada no seu sentido mais restrito, entende-se que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.