Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Temas Transversais / Inclusão Digital

Inclusão Digital

PUBLICIDADE

O que é

Enquanto a barreira digital e a cultura digital entraram em uso comum – e para as discussões por formuladores de políticas – a inclusão digital o termo ainda é muito novo.

A inclusão digital é uma categoria muito mais ampla que aborda os outros dois.

É importante ressaltar que a “inclusão digital” tem sido articulada especificamente para tratar de questões de oportunidade, o acesso, conhecimento e habilidade ao nível da política.

Considerando que a discussão em torno da barreira digital tende a concentrar-se no acesso disponíveis aos indivíduos, a inclusão digitalé utilizada para sinalizar um foco em uma abordagem prática, orientada por políticas que abordam as necessidades das comunidades como um todo.

Em suma, a inclusão digital é um marco para a avaliação e considerando a disposição das comunidades para fornecer acesso a oportunidades na era digital.

A onipresença da Internet coloca desafios e oportunidades para indivíduos e comunidades similares.

Estes desafios e oportunidades não têm sido uniformemente distribuída.

A tecnologia digital abriu novos domínios de exclusão e de privilégio para alguns, deixando algumas populações isoladas do vasto reino digital.

Mesmo o acesso equitativo, no entanto, não é mais suficiente – cada vez mais, a vida digital requer que os usuários ser mais do que usuários.

Os usuários são agora criadores de conteúdo, tanto quanto eles são consumidores de conteúdo.

O sucesso nos reinos sociais e económicos cada vez mais digitalizado requer uma abordagem abrangente para promover a inclusão. A inclusão digital reúne o acesso de alta velocidade à Internet, tecnologias de informação e cultura digital de forma a promover o sucesso para as comunidades e indivíduos que tentam navegar e partipate no reino digital.

A inclusão digital tem três grandes facetas: acesso, adoção e aplicação.

Essas facetas mostram o objetivo final de criar comunidades digitalmente inclusivas.

Acesso: Disponibilidade, acessibilidade, design para a inclusão eo acesso público.
Adoção: Relevância, alfabetização digital e segurança do consumidor.
Aplicação: O desenvolvimento econômico e força de trabalho, educação, saúde, serviços de segurança e emergência públicas, engajamento cívico e conexões sociais.

Para atingir estes objetivos, as bibliotecas precisam promover a inclusão digital de quatro maneiras significativas:

Ao proporcionar livre acesso às tecnologias de acesso público (hardware, software, conectividade de internet de alta velocidade) em suas comunidades.
Ao fornecer acesso a uma gama de conteúdos digitais para as suas comunidades.
Ao fornecer serviços cultura digital que ajudam indivíduos navegar, compreender, avaliar e criar conteúdo digital usando uma gama de tecnologias de informação e comunicação.
Ao fornecer programas e serviços em torno da comunidade de chave precisa áreas como a saúde e bem-estar, educação, emprego e desenvolvimento da força de trabalho e engajamento cívico.

Quatro passos para a inclusão digital

Inclusao Digital
Inclusão Digital

A inclusão digital é a capacidade dos indivíduos e grupos a acessar e utilizar tecnologias de informação e comunicação.

Inclusão digital virou expressão de moda. Sobre ela falam aqueles que desenvolvem projetos diversos nesta direção. Mas é um desses termos que vai sendo incorporado aos nossos conceitos para explicar a sociedade da informação sem que saibamos exatamente o que expressa.

Inclusão digital é, dentre outras coisas, alfabetização digital. Ou seja, é a aprendizagem necessária ao indivíduo para circular e interagir no mundo das mídias digitais como consumidor e como produtor de seus conteúdos e processos. Para isto, computadores conectados em rede e softwares são instrumentos técnicos imprescindíveis. Mas são apenas isso, suportes técnicos às atividades a serem realizadas a partir deles no universo da educação, no mundo do trabalho, nos novos cenários de circulação das informações e nos processos comunicativos.

Dizer que inclusão digital é somente oferecer computadores seria análogo a afirmar que as salas de aula, cadeiras e quadro negro garantiriam a escolarização e o aprendizado dos alunos. Sem a inteligência profissional dos professores e sem a sabedoria de uma instituição escolar que estabelecessem diretrizes de conhecimento e trabalho nestes espaços, as salas seriam inúteis. Portanto, a oferta de computadores conectados em rede é o primeiro passo, mas não é o suficiente para se realizar a pretensa inclusão digital.

O segundo passo para se aproximar do conceito é que as pessoas que serão digitalmente incluídas precisam ter o que fazer com os seus computadores conectados ou com suas mídias digitais. Se não tiverem, serão como aqueles que aprendem a ler e escrever o alfabeto mas não encontram oportunidades para usá-lo com freqüência. Ou como quem aprende uma língua estrangeira e acaba esquecendo-a por não praticá-la. Mesmo que as pessoas saibam o alfabeto, se não tiverem acesso a determinadas condições sociais e culturais podem tornar este aprendizado letra morta. Portanto, inclusão digital significa criar oportunidades para que os aprendizados feitos a partir dos suportes técnicos digitais possam ser empregados no cotidiano da vida e do trabalho.

O terceiro passo para se pensar a inclusão digital, corolário do anterior, é que precisa haver todo um entorno institucional para que esta se realize. Empresas precisam fabricar a tecnologia (hardware, software e a estrutura física das redes) que são desenvolvidas a partir de algum conhecimento e de pesquisa que, por sua vez, são desenvolvidas em instituições universitárias e de pesquisa. Para isso é preciso muito investimento financeiro, pois essa tecnologia não é gratuita, mesmo que pública. E tal desenho institucional não se faz de modo aleatório. Por isso, a necessidade de políticas governamentais que orientem e orquestrem o trabalho dessas empresas de produção tecnológica, apontem e organizem seus mercados. Para se propor tais políticas, há novamente necessidade de pesquisa, muita pesquisa, que possa subsidiar, planejar e colocá-las em execução para o desenvolvimento deste setor. Aqui entram novamente as instituições universitárias e de pesquisa. Portanto, não só as instituições mas as atividades necessárias para a inclusão digital se ampliam e tornam mais complexo o caminho para se chegar a esta inclusão.

O outro lugar institucional certamente será dado pela escola e outras agências educacionais, como as do terceiro setor e das empresas, que optam por se engajar em projetos de inclusão digital. Mais uma vez a necessidade de planejamento e políticas, isto é, inteligência, que orientem o que fazer, quem atender e como atender à população que será digitalmente incluída.

Um quarto passo para se chegar à definição do conceito é de que estamos começando a entender que inclusão digital pressupõe outras formas de produção e circulação da informação e do saber diferentes destas mais tradicionais que nos acostumamos a freqüentar. Portanto, há também um elemento importante de inovação no uso das tecnologias.

As mídias digitais permitem que se estabeleçam relações descentralizadas e verticalizadas entre os produtores e consumidores de conhecimento. Isto porque tais mídias possibilitam maior interação entre tais agentes. Assim, no interior delas, podemos ser ora produtores, ora consumidores dos conteúdos e dos processos possíveis de circularem na rede. Portanto, se tais mídias digitais não explorarem esse potencial interativo e as possibilidades de relações mais horizontais, serão apropriadas como as velhas mídias em que a grande massa de receptores recebe de modo pouco participativo o que lhes é ofertado por um número mínimo de produtores, como é o caso, por exemplo, do modelo da televisão que temos hoje.

Sem esta compreensão, pode-se construir toda uma custosa parafernália tecnológica que será acessada tal como fazemos hoje com o rádio e a televisão. Por isso, os produtos, conteúdos, relações e atividades a partir da rede são radicalmente diversos do que temos nessas “velhas” mídias não digitais em que a relação comunicacional é bastante verticalizada. O caráter descentralizado da rede pressupõe um público disperso e que pode gradativamente inventar formas de aprender, de se relacionar e de trabalhar. Por isso, pessoas e instituições precisam ser preparadas para adotar esta inovação. Agora fazemos essas indagações olhando apenas para a Internet sem visualizarmos com clareza o impacto substantivo da tv digital que se anuncia para breve.

As mídias digitais já impactam, por exemplo, os processos educativos formais, o trabalho nas tradicionais salas de aula. De um lado, porque permitem o acesso fácil a conteúdos digitais diversificados, disponíveis cada vez mais em bibliotecas virtuais e em banco de dados. Por outro lado, porque facilitam processos de interação e de auto-aprendizagem. Por isso, inauguramos expressões como “aprendizado colaborativo”, “aprendizado em rede”, “construção do conhecimento em rede”, “rede de conhecimento” e outros congêneres. Termos que surgem para dar conta deste modo emergente de conhecer, de aprender e produzir, cujas possibilidades ainda estão modestamente experimentados.

Acreditamos até que para se incorporar as mídias digitais nos processos de aprendizagem basta resgatar os procedimentos da educação a distância e inventar o e-learning. Porém, dado o caráter pouco sistemático dessas mídias, dada a possibilidade de acesso e de interação, o uso dessas mídias para a aprendizagem vai além dos processos formais dos métodos da sala de aula tradicional mesmo que transpostas para ambientes virtuais. É possível que processos formais e informais de acesso ao conhecimento e de aprendizagem se confundam cada vez mais à medida que as mídias digitais se tornem tão natural quanto a eletricidade de nossas casas. E a inclusão digital significará a ampliação de uma inteligência coletiva em que produtores e consumidores de conhecimento interajam cada vez mais através delas e, com isso, a aprendizagem e o trabalho se transferem majoritariamente para o interior deste universo digital cujo dinamismo começamos a vislumbrar.

Embora esses passos não esgotem a definição do problema, pode ser que comecem a abrir um caminho de entendimento.

Fonte: digitalinclusion.umd.edu/www.comunicacao.pro.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Inclusão Social,

Inclusão Social

PUBLICIDADE O que é A Inclusão Social é o processo de melhorar as condições para …

Ação Social

Ação Social

PUBLICIDADE Em sociologia, ação social, refere-se a um ato que leva em conta as ações …

Xadrez das Cores

Xadrez das Cores, Video, Virtual, Videos Educativos, Educacionais, Educação, Online, Grátis Xadrez das Cores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+