Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Faraós do Sol

Faraós do Sol

PUBLICIDADE

Faraós do Sol
Faraós do Sol

Arqueólogos e historiadores continuam a especular sobre o período de Amarna do Egito, que abrangeu os anos de cerca de 1369 a 1344 a. C. O período refere-se ao Faraó Akhenaton e sua bela mulher e rainha, Nefertiti. Corriam, na época, os anos finais da Décima Oitava Dinastia, quando aquele faraó teve a revelação de se devotar a um só deus, Aton, e atreveu-se a mostrar sua convicção. No esforço para difundir a nova crença ao povo, apenas conseguiu, daí por diante, ser conhecido como o herege.

Remanescentes deste e de outros períodos importantes da história do Egito Antigo continuam a ser investigados e reavaliados.

O que se chamou de Período de Amarna abrangeu no máximo o espaço de alguns anos; mas foi alvo de um interesse dos historiadores e do público que se podia comparar ao dedicado ao Período das Pirâmides de mais de mil anos antes. Akhenaton era uma pessoa controvertida e idealista que deixou com sua presença uma marca indelével na história do mundo.

Esse faraó resolveu introduzir o conceito monoteísta, a crença em um só deus. Parece que ele achava ter chegado o momento de seu povo ter nova religião, e, no intuito de estabelecer essa idéia, procurou desviar do povo o culto aos muitos deuses e levá-lo a devotar-se a um só.

Achava também que o poder dos sacerdotes sobre o povo e os reis devia sofrer restrições e nova orientação.

A Décima Oitava Dinastia teve início por volta de 1570 a. C. e produziu muitos faraós brilhantes, entre os quais Ahmoses, Tutmosis III, Amenhotep III e, naturalmente, a Rainha Hatshepsut. Tutmosis III muitas vezes conduziu o exército até a Síria e ao vasto deserto no noroeste, conseguiu dominar as cidades dos estados vassalos, e derrotar o rei hitita em Kadesh. Tebas tornara-se a mais rica e mais poderosa cidade da terra.

Os tesouros do templo do deus Amon em Karnak estavam repletos de ouro, prata, bronze, cobre e pedras semipreciosas trazidas pelos guerreiros cruzados, Os estados vassalos continuaram a enviar seu tributo anual ao faraó. A mais antiga civilização do mundo estava mais gloriosa que nunca. O deus Amon em Karnak fora igualado ao deus-sol Ra. Os pastores que a invadiram, os hicsos, haviam sido expulsos.

Após os triunfos de Tutmosis III, reinou a paz na terra. A riqueza das províncias conquistadas fluíam para Karnak, em Tebas. O poderio dos sacerdotes, guardiães dos tesouros do templo, quase que se poderia comparar ao do faraó. Sob o reinado de Amenhotep III continuou imperando uma paz suntuosa.

Acredita-se agora que Amenhotep sentia-se preocupado com o crescente poder do sacerdócio de Amon e tornou a favorecer o deus-sol Ra, que fora adorado pelos reis do Antigo Reino. Ra era às vezes chamado de Aton, que significava o disco solar físico, o centro de um deus.

No quarto ano de reinado de Amenhotep III, a Rainha Tiy deu-lhe um filho que recebeu o nome de Amenhotep IV. Aos vinte e um anos, este casou-se com a bela Nefertiti, que talvez fosse sua meia-irmã. Ela Também pode ter sido filha de Aye, sacerdote do Templo de Amon, em Karnak, cuja mulher também se chamava Tiy. Mas alguns estudiosos acreditam que Nefertiti era filha de Dushratta, rei de Mitani (o que é mais provável).

No festival Sed de Amenhotep III, quando celebrou seu trigésimo ano de faraó, ele nomeou o filho co-regente. John A. Wilson diz que o jovem príncipe foi associado ao pai no trono como co-regente. Em Tebas, eles reinaram juntos por quatro anos. Tal como o pai, Amenhotep IV sentia que era preciso compensar o poder de Amon, havendo também a necessidade de um deus universal que fosse reconhecido não só no Egito mas também nas províncias estrangeiras. E assim talvez a fidelidade dos povos submetidos pudesse ser mantida sem ser necessária a freqüente demonstração de força do exército.

Segundo a opinião dos pesquisadores, em sua maioria, Amenhotep III morreu no quarto ano da co-regência. Assim, nessa ocasião, Amenhotep IV começou a construir nova cidade e capital a cerca de 380 km ao norte de Tebas, num local virgem da margem leste do Nilo. Dois anos depois, com Nefertiti, deixou Tebas e estabeleceu-se com a corte na nova capital, à qual deu o nome de Akhetaton, “o horizonte de Aton”. Conhecemos suas ruínas hoje pelo nome de Tell el-Amarna.

Ali construiu ele seu grande templo, um edifício sem telhado, cujo santuário ficava aberto aos céus — a Aton. Em contraste, os templos de Amon-Ra eram cobertos com telhados e o santuário localizava-se nas partes mais internas e escuras do prédio.

O famoso decreto que instalou a nova religião em Akhetaton, tinha uma declaração solene: “Este é meu juramento verdadeiro, que é de meu desejo pronunciar, e do qual jamais direi: é falso; eternamente, para sempre.”

Amenhotep IV e Nefertiti permaneceram em Akhetaton durante onze anos, rodeados pelos funcionários e nobres da corte, que mandaram fazer túmulos para si nas colinas a leste da cidade. Neste túmulos há inscrições que nos falam da vida em Akhetaton, com referência a um só deus, Aton, cujo poder vivificante, simbolizado pelo disco solar, é irradiado pelos seus incontáveis braços e mãos.

Quando Amenhotep IV rompeu com os sacerdotes de Amon, em Karnak, mudou seu nome para Akhenaton, que significa “a glória de Aton”, “vivendo em Maat — a verdade”. Em cada túmulo há uma representação do disco solar de onde descem raios, cada um com a extremidade em forma de mão humana, que às vezes toca figuras também humanas. O nome Nefertiti significa “a bela mulher chegou”, “deslumbrante é a beleza de Aton”.

Aye, que talvez fosse o pai de Nefertiti, transferira-se para a nova cidade e se tornara nobre da corte. A nova religião encerrava o amor ao belo na natureza e na arte. Foi ali que Akhenaton compôs seu grande hino, de um tema único, um objeto de culto — o Aton — e com simplicidade revela sua filosofia religiosa. Hoje, os historiadores acreditam que o conceito referia-se não só ao disco solar físico mas também ao seu poder criador de vida. A fé de Aton não era apenas política; era sobretudo religiosa. Em sua convicção, Akhenaton declarou que Ra, o sol, era uma manifestação física, ou símbolo, do Deus único — o símbolo da própria vida. E o culto do sol como um deus mudou para o culto de Deus, simbolizado pelo sol, cuja essência “existe por toda parte e em tudo”.

Não há dúvida alguma de que Akhenaton tinha o apoio integral de Nefertiti para a nova religião, o novo conceito de monoteísmo. Na verdade, parece que ela superava em seu entusiasmo nessa crença. A única preocupação de Akhenaton e Nefertiti parece ter sido a devoção à sua religião e os cuidados com a nova cidade. As necessidades materiais do país ficaram um tanto negligenciadas. Não se dava atenção a conquistas ou guerras. Em Akhetaton, Akhenaton dedicava-se ao seu grande ideal. Ele era de fato um revolucionário em termos de religião; queria libertar o povo da magia e da superstição primitivas e do culto aos muitos deuses.deuses.

Começaram a surgir dificuldades nas províncias do norte. Vieram pedidos de ajuda escritos em plaquetas de argila em caracteres cuneiformes. É de duvidar que ele as tivesse recebido e o mais provável é que fossem interceptadas por traidores da sua corte. Também parece não existirem registros de que tenham obtido resposta. As províncias estavam sendo atacadas. Akhenaton, o poeta e místico, prosseguia em seu objetivo de derrubar a fé politeísta dos seus antepassados. As plaquetas, uma grande quantidade delas encontradas na cidade de Akhetaton — mais tarde chamada Tell el-Amarna pelos árabes — , foram descobertas em 1887. Elas revelam que os governantes já trocavam correspondência diplomática. Estas plaquetas são conhecidas como as Cartas de Amarna. O idioma diplomático usado nessas comunicações era conhecido como cuneiforme babilônico.

Havia cartas-plaquetas de estados vassalos como a Síria, Babilônia e Mitani. Os hititas, oriundos da atual Turquia, avançaram para o sul e deram início ao ataque às cidades leais ao faraó. Seus governadores escrevera-lhe pedindo apoio militar.

Não houve ajuda. A intriga, por certo bastante disseminada, jamais permitiu que as cartas chegassem às mãos de Akhenaton. Ao propor a devoção a Aton, não deixava de se preocupar com o poderio de Amon-Ra em Tebas, e enviou emissários por toda a terra para eliminar o nome deste deus onde quer que aparecesse escrito. Ele não ignorava que havia muita inquietação e confusão; parece que os que viviam fora de Akhetaton não aceitava a nova crença.

Não há dúvida de que Nefertiti, como o próprio Akhenaton, era intensamente dedicada à religião de Aton. Talvez como qualquer idealista, ela jamais pensasse num meio-termo. Parece, porém, que Akhenaton procurou reunir o povo por meio de um compromisso. Sabe-se que após o décimo quarto ano do seu reinado, sua mulher, Nefertiti, deixou o palácio da cidade de Akhetaton e mudou-se para o chamado Palácio do Norte, cerca de uns dois quilômetros de distância.

Nessa época, a filha maior, Maritaton, casou-se com um meio-irmão de Akhenaton, Semencaré, Também conhecido como Sakere. Foram juntos para Tebas, onde Semencaré reinou como co-regente. Akhenaton permaneceu em Akhetaton. É provável que Semencaré e Maritaton tenham partido por insistência de Akhenaton, que acreditava que os sacerdotes poderiam ser influenciados a abalar seu poder. Talvez este fosse um esforço para enfraquecer o poderio de Amon-Ra. Se esta era a intenção, não deu certo. No terceiro ano da sua co-regência, Semencaré começou a restaurar uma forma de culto a Amon-Ra, em Tebas. Isto pode ter sido parte do acordo do faraó e pode, também, ter significado uma cisão na corte, com uma facção que insistia no completo retorno a Tebas.

Akhenaton morreu aos quarenta e um anos de idade, no décimo sétimo ano do seu reinado, conforme se constatou. Seu corpo jamais foi encontrado. Há alguns anos, pensou-se que era sua a múmia descoberta perto do túmulo de Tutankhamon, mas verificou-se que não. Ela seria talvez de seu meio-irmão, Semencaré. Não se sabe como Akhenaton morreu (?). Parece que Semencaré morreu em Tebas na mesma época. Há alguns anos, acreditava-se que Akhenaton subiu ao trono ainda na adolescência e morreu por volta dos trinta anos. Sabe-se agora, no entanto, que estes dados não são corretos. Ele tornou-se faraó quando contava talvez vinte e quatro anos.

Ao mudar-se para o Palácio do Norte, Nefertiti levou consigo outro meio-irmão mais novo de Akhenaton, Tutankaton, que era apenas um menino. Nefertiti providenciou imediatamente o casamento de sua terceira filha, Anksenpaaton, com Tutankaton. A Segunda filha, Meketaton, morrera. Isto legitimava a ascensão de Tutankaton ao trono, que por costume e tradição tinha de ser pela linha feminina. Tutankaton e Anksenpaaton eram crianças ainda. Ele reinou em Akhetaton por muito pouco tempo e logo foi obrigado ou persuadido a voltar à capital ancestral de Tebas e a adotar novo nome, Tutankhamon. A esposa mudou o seu para Anksenamon.

Seu túmulo continha o símbolo de Aton, o disco solar com raios descendentes. Assim, claro que ele devia adotar a religião de Aton quando subiu ao trono. É provável que Nefertiti tenha morrido nessa época, mas seu corpo também jamais foi encontrado (é evidente que deve ter havido uma conspiração para eliminar Akhenaton e sua bela esposa, Nefertiti). Seu busto magnífico esculpido, que se pôde ver em Tell el-Amarna, comprova sua incomparável beleza. Esse busto encontra-se atualmente no Museu de Berlim.

Já não existia o desejo ou a força de incutir a crença em Aton. Os sacerdotes de Amon-Ra, de Tebas, logo recuperaram todo o poder e a antiga religião foi restabelecida. Despacharam-se emissários por todo o país para apagar dos monumentos o nome do rei herege. Nas paredes dos túmulos situados em Tell el-Amarna e também nas do túmulo do vizir, Ramoses, no Vale dos Reis, encontram-se reminiscências de desfiguração das representações de Akhenaton e de Nefertiti, executada pelos defensores do sacerdócio de Amon-Ra do Templo de Karnak, após a morte de Akhenaton. Parece que a desfiguração de todos os monumentos a ele relacionados foi feita em todo o país.

A cidade de Akhetaton foi abandonada e caiu em ruínas. Anksenamon precisava de um marido para ficar a seu lado como rei; ela via os cortesãos intrigando ao seu redor sequiosos de poder. Então escreveu ao rei hitita pedindo que lhe enviasse um dos filhos para ser seu marido e rei. A solicitação foi atendida, mas o pretendente jamais chegou a Tebas, pois a intriga cuidara da sua eliminação.

O antigo primeiro-ministro de Akhenaton, Aye, agora aparece na História como o faraó seguinte. Aye subiu ao trono por ser pai (?) de Nefertiti. Tutankhamon, o último descendente da família, morreu por volta de 1344 a. C. A Décima Oitava Dinastia logo chegou ao fim. Após a breve reinado de Aye, Horemheb segundo consta tomou o trono, reivindicando-o através do casamento com a irmã de Akhenaton, Beketaton. Quando Horemheb, um militar oportunista, apossou-se do trono, logo restaurou a supremacia do deus tebano, Amon-Ra.

Algumas das opiniões dadas acima foram apresentadas por arqueólogos, John Pendlebury e H. W. Fairman, e pelo famoso escritor e historiador, Leonard Cottrell.

O período da Amarna criou nova arte, uma arte de puro realismo. O antigo estilo formal da escultura e da pintura foi relegado. Akhenaton, Nefertiti e a família não eram representados como deuses, mas como seres humanos e devoção humana. Por qualquer razão, Akhenaton permitiu que seus defeitos físicos fossem destacados no realismo da arte do seu tempo. Ele e a esposa tiveram seis filhas, e Akhenaton e Nefertiti se identificavam nas atitudes e comungavam o mesmo ideal de viver em prol da beleza e da verdade.

A luz da filosofia religiosa de Akhenaton brilhou por tão pouco tempo, mas não apagou. Ela continuou ardendo baixo, para reavivar-se nas futuras gerações de gente esclarecida nos séculos de uma era posterior. O Deus único de Akhenaton até hoje continuou a enviar seus raios.

O Esplendor de Aton

“Numerosas são todas as tuas obras! Elas nos estão ocultas, Ó, Tu, Deus único, cujos poderes nenhum outro possui.” Estas são palavras de beleza e significação, palavras que uma ou outra vez sem duvida já ouvimos ou lemos.

Somos inclinados a pensar que a literatura inspirada é de origem relativamente recente, e também a crer que havia pouca ou nenhuma literatura bela ou significativa antes da compilação da Bíblia. Entretanto, após a descoberta, e eventual tradução, da Pedra de Rosetta, os arqueólogos puderam determinar a importância dos caracteres hieroglíficos que são as palavras de um importante rei egípcio, cujo significado eles consideravam digno da melhor literatura.

Referimo-nos aos hinos gravados nas paredes das capelas-túmulos de pedra, da Décima Oitava Dinastia, o período do reinado do faraó que viveu há mais de três mil anos. Os dois hinos referem-se a Aton e foram compostos pelo rei para suas devoções pessoais ou para os serviços e cerimônias que se realizavam no seu templo. Os hinos em geral são conhecidos como “Louvor a Aton pelo Rei Akhenaton e Rainha Nefertiti”.

Observou-se que existe notável semelhança entre os hinos egípcios e o Salmo 104 dos hebreus. As palavras dos hinos são de Akhenaton, o rei egípcio que governou com sua bela mulher, Nefertiti, de 1367 a 1353 a. C.

Sob a orientação dos sacerdotes dos faraós, o povo do Egito adorava uma multiplicidade de deuses. Quando Amenhotep IV tornou-se rei, estava preocupado com a existência de tantos deuses, sobretudo com o deus-sol Aton. No seu reinado, Aton tornou-se o senhor do sol e o calor vital do sol foi deificado. Dizia-se que Aton era atuante por toda parte através dos seus raios, e seu símbolo era o disco nos céus. Dele, os raios divergentes desciam para a terra, com as extremidades em forma de mãos. Cada mão segurava o símbolo da vida, a cruz ansata (o ankh). Havia extraordinária simbologia nisto, pois representava o poder divino do Deus Supremo. O sol passou a ser o símbolo da divindade. Não era um deus ou um ídolo mas um símbolo físico que representava Aton. Na época em que viveu, Amenhotep teria pouco ou nenhum conhecimento dos aspectos físicos e químicos do sol.

Tebas tornou-se a “Cidade do Brilho de Aton”. Aton ficou sendo não só o Deus supremo mas o deus do império.

Três cidades foram fundadas para representar as três divisões do Império que eram: Egito, Núbia e Ásia. Várias centenas de quilômetros ao sul de Tebas, Akhenaton construiu sua nova cidade santa dedicada a Aton, dando-lhe o nome de Akhetaton — “O Horizonte de Aton”.

Assim, Amenhotep IV, agora Akhenaton, esforçava-se por fazer com que o povo aceitasse sua doutrina ou filosofia.

Uma pessoa que respeitava seus ensinamentos disse: “Como é próspero aquele que ouve teus ensinamentos de vida”. Seus súditos achavam que percebiam uma relação definida entre Akhenaton e Aton, o deus supremo.

Através de revelações, na certa experimentadas durante seus períodos de meditação, Akhenaton compôs os hinos a Aton. Além do que é mencionado aqui, existem sem dúvidas muitos belos hinos de Akhenaton que se perderam.

Em um ou mais dos seus hinos encontramos as palavras: “Ó, tu, Deus único, incomparável”.

Akhenaton deu novo espírito ao Egito. Esforçou-se para que o novo ensinamento superasse o antigo tradicionalismo. Não há dúvida de que ele era capaz de meditação profunda e séria; compreendeu a idéia do Criador, do Criador da Natureza; viu o propósito benéfico em tudo o que fora criado; tinha uma percepção clara do poder e da beneficência de Deus. Sem dúvida, Akhenaton atribuía certa dose de retidão ao caráter de Deus e achava que esta devia refletir-se no caráter dos homens.

A palavra verdade surge muitas vezes nos hinos de Akhenaton, preservados em escrita hieroglífica.

Ao próprio nome ele acrescentou: “Vivendo na Verdade”.

Não há dúvida quanto à intenção desta frase. Ele viveu uma vida aberta e franca, e a verdade, para ele, era indubitavelmente aplicada, pelo menos em parte, na sua aceitação dos fatos cotidianos da existência. Seu reinado deu origem a uma nova arte; os artistas da sua corte, com pincel e cinzéis, deixaram-nos o realismo simples e belo que viam na vida animal. Essa arte reproduzia parte da verdade que Akhenaton viveu.

Em A História do Egito, James Henry Breasted escreveu: “Ele baseou a soberania universal de Deus em seu cuidado paternal dedicado a todos os homens, independente de raça ou nacionalidade; e para o egípcio orgulhoso e exclusivista ele mostrou as maravilhas universais do pai comum da humanidade… É este aspecto do espírito de Akhenaton que é particularmente extraordinário; ele foi o primeiro profeta da História”. Procurou voltar à natureza; reconhecer a bondade e a beleza encontradas nela.

Procurou resolver o seu mistério que, como disse Breasted: “acrescenta apenas o elemento adequado de misticismo nessa fé”.

Com referência à filosofia religiosa de Akhenaton, Sir Flinders Petrie, em sua História do Egito, disse que “esta não poderia ser logicamente aperfeiçoada na atualidade”. Para os sacerdotes, Akhenaton era conhecido como fanático; chegou mesmo a ser chamado de “o criminoso de Akhetaton”.

Com a morte de Akhenaton, o antigo sacerdócio de Amon recuperou o controle; a antiga religião foi restabelecida, a religião dos inúmeros deuses. Mas a evolução de Akhenaton e seu reconhecimento da verdade, como ele a viu, de um deus supremo como ele o compreendia, deixara marca indelével na história do mundo. Era o esclarecimento trazido à humanidade há mais de três mil anos. Seu aparecimento no horizonte do seu tempo deixou um sinal que jamais se apagará.

Breasted, um dos mais famosos egiptólogos do mundo, escreveu que Akhenaton, destemido, enfrentou a tradição “para que pudesse disseminar idéias que ficavam muito além e acima da capacidade de compreensão da sua época… O mundo moderno ainda está por avaliar adequadamente, ou mesmo familiarizar-se com esse homem que, num período tão remoto e em condições tão adversas, tornou-se o primeiro idealista do mundo, o primeiro indivíduo do mundo”.

É interessante que hoje em dia a atenção do público se volte para Akhenaton e o período do seu reinado. Um belo filme, que tornou-se um clássico, com o título de O Egípcio, inspirado no livro do mesmo nome, de Mika Waltari, é exemplo desse interesse. Muitas outras obras foram escritas por Akhenaton.

Como dissemos, os hinos de Akhenaton são considerados literatura da melhor qualidade; eles talvez sejam monumentais na sua magnificência e continuarão a existir, tal como as paredes de pedra do Egito onde foram esculpidos.

Na opinião deste autor, alguns dos versos mais significativos e belos dos seus hinos (eles eram divididos em estrofes e começavam com “O Esplendor de Aton”) são:

Teu alvorecer é belo no horizonte do céu,
Ó, Aton vivo, Começo da vida!
Quando surges no horizonte oriental do céu,
Enches toda a terra com tua beleza;
Pois és belo, grande…
Teus raios cobrem as terras,
E tudo o que criaste…
Tu és Ra…
Tu os unes pelo teu amor.
Embora estejas distante, teus raios estão na terra…

Luminosa é a terra.
Quando surges no horizonte,
Quando brilhas como Aton durante o dia.
As trevas são banidas,
Quando lanças teus raios…

Eles vivem quando brilhas sobre eles.

Excelentes são os teus desígnios, Ó, Senhor da eternidade!…
Pois teus raios nutrem todos os jardins,
Quando surges, eles vivem, e crescem por ti.
Fazes as estações do ano para criar todas as tuas obras;…
Para contemplar tudo o que criaste…

Tu estás em meu coração,
Nenhum outro que te conhece…
Tu o tornaste sábio em teu desígnios
E em teu poder.
O mundo está em tuas mãos,
Como o criaste…
Pois tu és duração…
Por ti o homem vive,
E seus olhos contemplam tua beleza…
Vivendo e florescendo para todo o sempre.

Numerosas são todas as tuas obras”
Elas nos estão ocultas,
Ó, tu, Deus único,
Cujos poderes nenhum outro possui.

Fonte: www.starnews2001.com.br

Faraós do Sol

No Antigo Egito, alguns faráos ficaram conhecidos como os Faraós do Sol.

Faraós do Sol: Akhenaton, Nefertiti, Tutancâmon.

Esse título se refere aos monarcas vistos como rebeldes que instituíram um poder maior ao deus Aton e fundaram uma nova capital conhecida por Amarna.

A capital do Antigo Egito no ano de 1353 a.C. estava localizada em Tebas, governada por Amenófis III. Esse faraó construiu um conjunto de monumentos em Karnak e Luxor, centros religiosos de deus Amon, considerado o patrono de Tebas. Amon significa ”oculto”, que com o passar dos tempos fundiu-se com o antigo deus sol ”Ra” , tornando-se Amon-Ra.

O próprio Amenófis III considerava-se filho de Amon , igualando-se mais tarde ao próprio deus. Devido a sua proeza de igualar-se a esse deus, começou a erigir monumentos à sua própria divindade. Com a morte do faraó Amenófis III, seu filho Amenófis VI casa-se com Nefertiti e iniciam uma revolução religiosa que desmontaria muitos séculos de tradição no Antigo Egito. Amenófis IV tinha como objetivo elevar Aton acima de todos os deuses do panteão egípcio, até mesmo acima de Amon , que por centenas de anos prevaleceu como deus soberano.

Mais tarde Amenófis IV mudaria seu nome para Akhenaton (“o que bem serve a Aton”). Akhenaton insistia em um deus supremo, um criador onipotente, que se manifestava à luz do sol. Via a si mesmo e a Nerfetiti como extensões desse deus e portanto também dignos de veneração. Para Akhenaton os raios de Sol eram as manifestações físicas de Aton.Como o deus dos egípcios passou a ser a luz do sol, eles não precisavam de estátuas em santuários internos e escuros. Assim construíram templos sem teto e realizaram seus rituais sob o sol. Houve um entusiasmo coletivo que tornou-se tangível na arte e na arquitetura.

A religião que Akhenaton estabelecia rompia com mais de 100 anos de tradição artística, ordenando aos seus artistas que retratassem o mundo como ele realmente era, ou seja , em vez de representações clássicas de um faraó fisicamente perfeito matando seus inimigos, o novo soberano estabeleceu uma aparência muito mais realista a arte. Akhenaton liberou um furor criativo que deu origem a uma era que talvez tenha sido a mais requintada da arte egípcia. Revolucionou Tebas em seus quatros primeiros anos como soberano, pois mandou erguer quatro novos templos para Aton nas proximidades do templo de Amon em Karnak.

Apesar da empolgação popular, esse faraó cultivou inimigos que eram contra as suas decisões. Essa fase foi decisiva para a mudança da capital para Amarna.O local escolhido para sua nova capital ficava a 280 km ao norte, sendo batizada com o nome de Akhetáton, que significa ”horizonte de Aton ”.

Arqueólogos pesquisaram durante duas décadas a vida econômica de Amarna, sendo que a descoberta mais importante foi uma coleção com cerca de 350 cartas diplomáticas escritas em tábulas de argila, achadas nas ruínas de uma construção, conhecida como casa do Faraó. As chamadas cartas de Armana fornecem um registro quase completo da correspondência entre a corte egípcia e vários governantes da Ásia Ocidental.Um dos correspondentes mais notável foi Tushratta, rei do estado Mesopotâmico de Mitani, um importante aliado que regularmente enviava filhas reais para o harém do faraó.A segunda esposa de Akhenaton, Kiya , pode ter sido uma dessas filhas reais de Mitani. Kiya gerou o único herdeiro do sexo masculino, conhecido por Tutankhamon.

Para Akhenaton sua principal preocupação era os assuntos religiosos , por isso não dava muita importância aos assuntos externos, ignorando as solicitações de Tushratta sobre os presentes prometidos por Amenófis III. A morte de Akhenaton aconteceu entre uma série de problemas religiosos e externos, após a morte de sua mãe e de duas outras filhas. Tutankhamon assumiu o poder cerca de quatro anos após a morte de seu pai .

A maioria dos especialistas imagina que ele estava com 10 anos e que foi orientado por dois homens: o general Horemheb e um cortesão chamado Aye, talvez pai de Nefertiti. Esse fárao reconheceu Amon como rei dos deuses e em dois anos transferiu a capital religiosa de volta para Tebas.

Logo os nomes de Akhenaton e seu deus foram erradicados e seus templos demolidos, com isso Amarna caiu no abandono gradualmente.

O reinado de Tutankhamon foi curto, passando o poder para Aye que morreu três anos depois deixando o governo nas mãos de Horemheb, que fazia o possível para eliminar todos os registros da existência de Nefertiti e Akhenaton.O paradeiro da família real é uma controvérsia para os pesquisadores, pois encontraram apenas a múmia de Tutankhamon próxima de Akhenaton, mas a tumba de Nefertiti até agora não foi encontrada.

Fonte: www.galeon.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Descolonização da África e da Ásia

PUBLICIDADE O que foi a Descolonização da África e da Ásia? Com o enfraquecimento das nações …

Socialismo Científico

PUBLICIDADE O que é o Socialismo Científico? Karl Marx (1818-1883), filósofo e economista alemão que …

Unificação da Itália

PUBLICIDADE Dos vários pequenos reinos em que se dividia a Itália, era o reino de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database. You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation