Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Rio Nilo

Rio Nilo

PUBLICIDADE

Nilo vem da Neilos grego, que significa “vale do rio”.

Os antigos egípcios chamavam o rio Ar ou Aur, que significa “negro”, por causa do sedimento preto deixado para trás após as inundações do rio freqüentes. Os antigos gregos chamavam o rio Kem, que se traduz em “preto” também.

As pessoas que viviam ao longo do Nilo, em tempos antigos usavam o rio para a agricultura e transporte. Isso não mudou, embora os métodos de agricultura e transporte tenham mudado. Navios a vapor ainda são usados no Egito e Sudão, para transporte de mercadorias.

O Rio Nilo tem 6.700 km (5.600 desde o lago Vitória) de comprimento e é o maior rio da África e no mundo.

Embora seja geralmente associada com o Egito, apenas 22% do curso do Nilo atravessa o Egito.

Saindo do lago Vitória (com o nome de Nilo Vitória), onde se lança seu principal formador, o Kagera, o Nilo corre para o norte.

Atravessando os lagos Kioga e Mobutu Sese Seko, toma o nome de Nilo Branco (Bahr el-Abiad) ao sair da região pantanosa do Sudão meridional.

Em Cartum, recebe o Nilo Azul (Bahr el-Azrak) e depois o Atbara.

No Egito, o Rio Nilo cria um vale fértil e verdejante através do deserto.

Foi nas margens do rio que uma das civilizações mais antigas do mundo começou.

Os antigos egípcios viveram e de criação ao longo do Nilo, utilizando o solo para produzir alimentos para si e para os seus animais.

Rio Nilo
Rio Nilo

Atravessa, em seguida, a Núbia e o Egito, que fertiliza com as suas cheias estivais, atinge o Cairo, onde começa o delta, que se abre no Mediterrâneo.

A barragem de Sadd al-Ali (alta barragem de Assuã) regularizou-lhe o curso inferior e criou um vasto lago artificial, com 500 km de comprimento (que, em parte, se estende ao Sudão).

Segundo Heródoto (historiador grego), “O Egito é um dom do Nilo”, sem o Nilo e a cheia, o Egito seria apenas a parte oriental do Saara. Sua cheia chega mais forte no Egito quando é verão, carregada de aluviões pelo vento que desce dos altos planaltos da Abissínia. A cheia e suas riquezas são representadas pelo deus Hapi, de ventre repleto e seios pendentes. Antes de chegar à Assuan pela construção das barragens, o Nilo depositava nas terras cultiváveis, em média, um milímetro de lodo por ano. Além dos peixes que os pescadores pescavam, em grupo, com enormes redes.

A prosperidade do Egito nasce da ação conjunta do Nilo e do Sol, todos os dois elevados pelos habitantes à categoria de deuses. O Nilo começa a se encher em julho e chega no nível mais alto do rio em agosto e setembro, quando impregna os campos de uma água carregada de aluviões extremamente férteis. O sol apressa a vazante, e o renascimento da vegetação. Em novembro começava a baixar o nível da água, os camponeses começavam a trabalhar e em fevereiro e março era a época em que o Nilo ficava mais baixo.

Rio Nilo

Uma cheia muito fraca não alimenta bem a terra, muito forte, devasta os campos – tanto uma quando a outra levam à fome: sem a cheia, o sol seria devastador; sem o sol, a cheia seria inútil.

O importante é que o equilíbrio (Maát) seja mantido entre os dois.

Quais são os dois principais rios que deságuam no rio Nilo?

O rio Nilo é formado a partir do Nilo Branco, que se origina no Lago Victoria e do Nilo Azul, que nasce no Lago Tana, na Etiópia. Esses rios se encontram no Sudão e depois ir em sua longa jornada para o norte em direção ao mar.

O Nilo Branco é muito maior do que o Nilo Azul, mas por causa das perdas ao longo do caminho o que só contribui com cerca de 15% do fluxo do Nilo combinado. O Nilo Azul, subindo na Etiópia, contribui com cerca de 85% do fluxo do Nilo que atravessa o Egito até o Mediterrâneo.

Localização

O Rio Nilo está localizado no continente africano, e que flui através dos países da Etiópia, Uganda, Egito, Burundi e Sudão. O rio Nilo é o rio mais longo do mundo, com 6670 km.

As áreas próximas ao Nilo foram o lar de uma das civilizações mais antigas do mundo. O rio cria um vale no deserto, o que permitiu que os antigos egípcios viver em fazendas. A fonte do rio Nilo é considerado o Lago Victoria, que é o maior lago da África.

A foz do rio está localizado no Egito, e deságua no Mar Mediterrâneo.

Fatos interessantes sobre o Rio Nilo:

O rio Nilo é o rio mais longo do mundo.
O Nilo deságua no Mar Mediterrâneo.
A maior fonte do Nilo é o Lago Victoria.
O Nilo tem um comprimento de cerca de 6.695 quilômetros (4.160 milhas).
Sua vazão média é de 3,1 milhões de litros (680.000 galões) por segundo.
A bacia do Nilo é enorme e inclui partes da Tanzânia, Burundi, Ruanda, Congo (Kinshasa), no Quênia.
O nome do Nilo vem da “Neilos” gregos, o que significa vale.
Os antigos egípcios chamavam o rio Ar ou Aur (preto) por causa da cor dos sedimentos deixados após a inundação anual do rio.

Fonte: www.geocities.com

Rio Nilo

O Nilo é o rio mais longo do mundo, que se estende para o norte por aproximadamente 4.000 quilômetros do Leste da África para o Mediterrâneo.

Estudos têm demonstrado que o River (Iteru, o que significa, simplesmente, Rio, como os egípcios chamavam) mudou gradualmente a sua localização e tamanho ao longo de milhões de anos. O Nilo corre das montanhas no sul do Mediterrâneo, no norte.

Três rios corriam no Nilo a partir do sul e, portanto, serviu como suas fontes: o Nilo Azul, o Nilo Branco eo arbara. Dentro da seção sul entre Aswan e Cartum, terra que foi chamada Núbia, o rio passa por formações de rocha ígnea dura, resultando em uma série de corredeiras, ou catarata, que formam uma fronteira natural ao sul. Entre as primeira e segunda catarata estava Núbia Inferior, e entre a segunda e sexta catarata estava Núbia superior.

A história do rio Nilo

O Nilo, provavelmente, recebe o nome do formulário “Nahal”, que significa “vale do rio” em semita, mais tarde “Neilos” em grego e “Nilo”, em latim. (129).

É o rio mais longo do mundo, estendendo-se 95 4187 milhas desde a sua nascente nas montanhas do Burundi. A nascente do rio é tão longe do Mediterrâneo, que levou o homem até a metade do século 20 para encontrá-lo.

Durante séculos, a fonte mais precisa de conhecimento sobre a localização desta fonte foram os escritos de Heródoto (historiador grego, 460 aC), que escreveu que a fonte do Nilo era um profundo primavera entre duas montanhas altas. Quando Nero ordenou a seus centuriões para seguir o fluxo do rio, a fim de encontrar a sua fonte, que não foi além do vale impenetrável do Sudd. John Henning Speke pensou que tinha finalmente encontrado a fonte quando ele chegou Lago Vitória, em 1862, apenas para ser mais tarde provado errado e esquecido pela história.

Em 1937, a fonte foi finalmente tropeçou pelo pouco conhecido explorador alemão Bruckhart Waldekker (127).

O Nilo é formado por três afluentes, o Nilo Azul, o Nilo Branco eo Atbara. O Nilo Branco nasce a partir de sua fonte no Burundi, atravessa o Lago Victoria, e flui para o sul do Sudão. Lá, perto da capital de Cartum, o Nilo Branco se encontra com o Nilo Azul, que tem sua origem nas terras altas da Etiópia, perto do Lago Tana. Mais de 53% das águas do Nilo vêm do Nilo Azul. Os dois correm juntos para a norte de Cartum, onde se juntam pelas águas do Atbara, cuja fonte também está localizado nas terras altas da Etiópia.

O rio flui para o norte através do lago Nasser, o segundo maior lago artificial do mundo, ea represa de Aswan antes da divisão em dois grandes afluentes a norte do Cairo. Os dois afluentes são o ramo Rosetta para o oeste eo Dameita para o leste. Nos tempos antigos, o número de distribuidors era muito maior, mas o fluxo lento de água, a interferência humana, ea acumulação de sedimentos levou ao desaparecimento de todos os outros afluentes importantes. Isto efetivamente levou à desertificação de grandes extensões de terra do Egito.

No antigo Egito, o Nilo, e seu delta, foram adorado como um deus. O deus Hapi, que veio na forma de um sapo, representado delta do Nilo. Várias vezes ao longo da história, os egípcios tentaram unificar o vale do Nilo sob o seu domínio ao conquistar o Sudão. As terras ao sul deles que margeavam o rio estava em perigo constante. O Sudão foi invadida durante o reinado da rainha Sheba, durante o domínio romano de Nero, e inúmeras outras vezes. Isso ocorre porque os egípcios sempre temeram que um dia as águas do Nilo já não atingem o seu país. As pessoas acreditavam que uma vez que o fluxo do Nilo era tão imprevisível, algo tinha que vêm afetando-o. A lenda diz que, durante uma particularmente ruim fome no Egito, o sultão egípcio enviou seus embaixadores ao rei da Etiópia, a fim de suplicar-lhe para não obstruir as águas. Um viajante escocês no século 18 contou uma história que o rei da Etiópia enviou uma carta ao paxá em 1704 ameaçando cortar a água. Dado esse medo é muito natural que os países do Nilo desejo de proteger suas fontes de água. (127)

Importância do Rio Nilo

Sem o Nilo, o Egito não existiria. Não haveria água nem terra fértil para plantar. O nível de chuvas é baixo , cerca de 100 a 150 milímetro na média anual. O clima é quente, mesmo no inverno, as temperaturas raramente caem abaixo de 13°C. Mas o Egito tem o Nilo. Ele é um dos maiores rios do mundo e percorre uma longa distância – cerca de 6.690 quilômetros – em um vale margeado por penhascos e montanhas, uma vez por ano, entre junho e outubro, ocorria a enchente do Nilo, que cobria o vale com uma espessa camada da lama e sedimentos. Através dos séculos isso transformou-se em solo rico, quente e úmido. E foi nesse vale que os antigos egípcios viveram e cultivaram suas plantações. Se, como acontecia ocasionalmente, as cheias não ocorriam, havia fome no país. Desde que a represa de Assuã foi terminada, em 1968, o Nilo não tem mais enchentes.

Uma sobrevivência vinda da terra

Os agricultores egípcios plantavam grãos, lentilhas, feijão e hortaliças na lama úmida do Nilo. As plantações cresciam rapidamente e davam boas safras. O lodo fresco a cada ano atuava como fertilizante natural. Os camponeses cavavam canais de irrigação para espalhar a água das enchentes o mais distante possível e para garantir o abastecimento quanto a inundação terminasse. Eles construíam máquinas engenhosas para captar a água do rio e irrigar os campos. Balsas e barcos de carga seguiam um curso cuidadoso pelos canais do rio. Vacas, burros, ratos, cães e crianças vagavam nas águas rasas das margens. As mulheres se juntavam para lavar roupa, conversando e rindo. A água que se bebia vinha de poças rasas e poluídas. O “rio da vida” era também um ninho de doenças. Os agricultores egípcios fabricavam e consertavam suas próprias ferramentas agrícolas, geralmente muito simples e feita de madeira. Embora esses instrumentos facilitassem as tarefas, o trabalho era muito duro. Não havia tempo a perder. Além de cultivar os campos, os egípcios das aldeias colhiam plantas silvestres para alimentar o gado, cortavam bambus para confeccionar cestos e esteiras e criavam linho para fazer tecidos. Onde havia terra suficiente, eles plantavam e colhiam maçãs, uvas e figos. Usavam a lama do Nilo na fabricação de tijolos para construir e reparar suas casas.

Caça e pesca

Os egípcios das aldeias caçavam animais selvagens nas redondezas e pescavam de barco, com lanças ou redes. Algumas vezes saíam para matar crocodilos ou, menos freqüentemente, hipopótamos. Eles consideravam esses dois animais muito perigosos. Era importante também exterminar as pragas que ameaçavam as colheitas, principalmente os camundongos e gafanhotos. Os egípcios criavam ( e as vezes adoravam ) gatos. Alguns, pertencentes a nobres esportistas, eram treinados para recolher os pássaros mortos com lanças. Os gatos matavam os ratos, mas nada podia defender os campos de uma invasão de gafanhotos. Se eles chegavam antes da colheita, como escreveu um poeta egípcio, os ricos ficavam preocupados, e cada homem era visto carregando armas. Assegurar-se de uma boa colheita era, pois, uma questão de vida ou morte.

Criaturas do Nilo

O rio Nilo era o hábitat de uma variedade enorme de vida animal, desde pequenas cobras-d’água até enormes crocodilos. A maioria era inofensiva, mas alguns levavam perigo para as pessoas que usavam o rio. Encontraram-se múmias cujos ossos parecem ter sido partidos por dentes de crocodilo.

O Nilo na enchente

Em certas épocas do ano o Nilo transbordava. Suas margens submersas resultavam em alimento e água para os egípcios. Os peixes eram apanhados com redes atiradas pelos pescadores, ou com anzóis e linhas lançados de jangada de papiro. Algumas plantas cresciam naturalmente s margens do Nilo e eram bastante aproveitadas. Com o sisal, por exemplo, faziam-se esteiras e cestos, os botões de lótus serviam para decorar os banquetes dos ricos.

Após a enchente

As plantações eram semeadas logo depois das cheias. Os agricultores usavam bois para puxar seus arados de madeira. Caso não tivesse animais, aravam eles próprios a lama fértil, utilizando ferramentas.

Rio Nilo
Rio Nilo – As pirâmides de Gizé, nas margens do rio Nilo, construída pelos antigos egípcios para abrigar os corpos de seus faraós

Fonte: tati_hundrel.vilabol.uol.com.br

Rio Nilo

O Egito e as águas sagradas do Nilo

O rio Nilo, o maior rio em extensão do mundo, também é o responsável direto por manter a continuidade de uma das mais antigas culturas que temos registro, a cultura egípcia. Saiba um pouco da sua história e do simbolismo das suas colossais construções.

José e as pragas do Egito

Rio Nilo
Osíris e Horus cabeça=de-falcão

O hebreu José ainda estava encarcerado, vítima da perfídia da mulher de Putifar, quando o Faraó mandou chamá-lo para esclarecer um mistério. Precisava de alguém que lhe interpretasse um sonho que o atormentava há algum tempo. Nele o faraó estava à beira do rio Nilo e viu por ali passar sete vacas gordas que, em pouco tempo, foram devoradas por outras sete vacas magras. Em seguida, deparou-se ele com sete belas espigas de trigo para igualmente vê-las desaparecer engolidas por outras sete mirradas espigas.

José, que tinha o dom da adivinhação, disse ao imperador que se tratava de uma mensagem divina. Deus, por meio da sua estranha linguagem onírica, avisava o Faraó para que se precavesse. Haveria no Egito sete anos de abundância e, em seguida, sete anos de fome. José aconselhou-o então que mandasse recolher tudo o que fosse possível na época da anunciada bonança, porque os sete anos futuros seriam de estiagem generalizada.

Tão impressionado ficou sua majestade que, rebatizando com o nome de Sefenat Fanec, encarregou o visionário hebreu de assumir uma função plenipotenciária, responsabilizando-o doravante pelo sucesso do armazenamento dos mantimentos, dando assim os começos da vida de sucesso de José (Gênesis, 37-50)

O Faraó e o Nilo

Este sonho em si sintetiza tudo na vida do Egito Antigo.

Nele encontram-se os diversos elementos que compõem sua história: o Faraó como interlocutor entre os deuses e os homens; a banal e antiquíssima crença de que o sobrenatural se comunica com o natural através dos sonhos; a dependência que a população tinha da carne e do trigo e, finalmente a magna presença do rio Nilo.

E anuncia também a referência mágica do número sete. Algarismo de profundo significado hermético. Foi este número que orientou o faraó Ramsés II a que desse início entre os séculos 14 e 13 e a.C. na construção de sete templos sagrados espalhados pelas ribeiras do Nilo. Um deles Beit el-Wali, outro em Gerf Hussein, mais outro em el -Sebua, em el-Derr, os magníficos templos de Abu Simbel (onde ele se fez reproduzir em forma colossal), Aksha e, finalmente, o de Ibsambul.

Durante muito tempo os arqueólogos quebraram a cabeça para entender seu significado, até concluírem que aquelas construções tratavam-se de “casas divinas” só acessíveis aos sacerdotes, aos sábios e ao próprio faraó, erguido para afirmar e assegurar a regularidade das preciosas cheias do rio.

Os deuses

Para os egípcios havia uma sagrada simbiose entre o Nilo e todos os reinos vivos da Terra. Nada havia na natureza que dele não dependesse.

Tão forte era a crença que em todas as suas representações sagradas os seus deuses são pintados ou esculpidos de maneira zooantropomórficos, isto é , têm simultaneamente forma humana e animal: Bastet, a deusa da guerra, tem uma cabeça de leoa; Thot, deusa da escrita, uma de Íbis; Hátor, a deusa das mulheres e do céu, tem chifres de vaca e mesmo Rá, o deus-sol, um dos mais cultuados, ostenta sobre o disco solar , uma cabeça de falcão.

Imaginavam eles que a vida tivesse emergido dos pântanos e concebiam a existência como uma harmonia entre o mundo humano, o animal e o vegetal. Bem ao contrário da cultura ocidental (que as separa em esferas distintas – reservando a superior para os humanos e a inferior para as demais), eles não faziam distinções entre os reinos. Tudo dotado de vida era uma manifestação do sagrado.

A lenda de Osíris

Atribui-se também à sua religião a idéia do deus morto e redivivo, reproduzida na lenda de Osíris: a história do deus morto à traição pelo seu perverso irmão Seth, o “Caim” dos egípcios. Essa história era uma representação simbólica das fases de estiagem do Nilo, quando em dezembro ele se encolhia. Osíris, todavia, ressuscitava voltando vida, transbordando das suas margens e propiciando com seu humo as prodigiosas colheitas por todo o lugar onde passava.

Manifestavam eles a mais profunda fé no retorno futuro dos seus mortos ilustres. Daí mumifica-los. Os egípcios eram os apologistas da ressurreição. Não aceitavam que seus grandes simplesmente desaparecessem nos breus escuros da morte como acontecia aos demais mortais. Inconformados, envolviam os corpos dos grandes mortos em natrão (carbonato hidratado de sódio natural) e essências especiais. Enchiam-lhes as cavidades com panos ensopados em resina e sacos de matérias perfumadas com mirra e canela, enfaixando-os, por fim, com tiras de linho.

Sepultavam-nos então seus faraós e grão-sacerdotes em prédios gigantescos, dignos da magnitude deles, em mastabas, pirâmides ou em templos no Vale dos Reis. No sarcófago ilustre deixavam parte dos seus bens e decoravam tudo com imagens que faziam o gosto do falecido, visto que esperavam que na outra vida ele pudesse usufruir daquilo que amara aqui na terra.

A grandeza do estado

Tais construções majestosas e imponentes, que se encontram em várias partes do alto e baixo Nilo, glorificavam ainda outra coisa. Foram elas as primeiras manifestações arquitetônicas celebrantes da grandeza do estado. As dimensões gigantescas e a estatuária extravagante da maioria delas, como é o caso das pirâmides da planície de Guizé, que até hoje impressionam qualquer visitante, são lembrança permanente do feito extraordinário que foi constituir-se um estado centralizado, soberano e independente, que se estendia por milhares de quilômetros quadrados do solo africano.

O Antigo Egito formou uma sociedade emblemática. Nenhum dos seus reinos vizinhos, na Palestina, ou na velha Mesopotâmia ou no planalto do Irã, atingiu a sua duradoura continuidade. Com aqueles edificios-monumento o faraó desejava imortalizar não apenas a sua sobrevivência no mundo do além, no reino dos mortos, mas igualmente a perpetuação do poder do estado real.

Era como se houve um trono imaginário no vértice das pirâmides contemplando dali os quatro cantos da Terra. O Estado é aquele que tudo vê e que tudo alcança com seu olhar. A base dele pode estar enraizada no chão, na realidade, mas sua cabeça coroada encontra-se nas alturas, perto dos céus e dos deuses, bem longe da vista dos simples mortais.

Construído as pirâmides

Geograficamente o Antigo Egito era uma confederação de oásis espalhados pelo Nilo e adjacências e bem poucas vezes, ao correr da sua longuíssima história, as antigas cidades de Mênfis, Tebas ou Heliópolis, gozaram de alguma autonomia política. Quem o dominasse o rio Nilo, dominava tudo.

Deste modo, quando os governantes do Alto Nilo, situado próximo ao delta, unificaram todas as regiões mais ao sul, submeteram-nas a um único e sólido reino: o império dos faraós.

E, para fixar definitivamente essa integração norte-sul, fizeram vir por barcaças e jangadas, enormes pedras de todas as partes do país para empilhá-las, uma a uma, formando assim as impressionantes pirâmides de Guizé. Os quatro pontos cardeais da base da pirâmide, os quatro cantos do império, tinham um só comando situado no seu topo.

Toda a dócil população ribeirinha do Egito, os felás, transformada num exército de operários, era então convocada para, nos períodos da entre-safra, vir a colaborar no erguimento delas, fazendo com que aquelas construções imperiais representassem também, em sua grandeza, a materialização das possibilidades coletivas da humanidade. As pirâmides não foram obra de gente escrava, mas sim de milhares de súditos de um Egito independente e orgulhoso.

O papiro e a memória

Nenhum rio do mundo sustentou a perenidade de uma civilização, de uma cultura e de um estado, durante tanto tempo como o Nilo o fez. Nascido bifurcado, resultado do Nilo branco e do Nilo azul, vindos ambos das profundezas do coração da África, ele cumpre uma sinuosa trajetória de mais de 6 mil quilômetros.

Rasgando com suas águas mansas o deserto, termina por desaguar no Mediterrâneo. No seu berço ele é assistido por um monte de pedras e, ao longo das suas margens, contido pelas areias finas do Saara. O Sol inclemente acompanha suas corrente o tempo inteiro. Foi nas suas beiras que se multiplicou o papiro, utilizado como o papel da época, que proporcionou que se registrasse nele toda a sabedoria da Antigüidade. O Nilo, tal como os rios da Mesopotâmia, é assim um dos rios-mãe da humanidade, tudo por primeiro surgiu por lá, dali espalhando-se para o restante do mundo.

Fonte: educaterra.terra.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+