Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Iodo  Voltar

Iodo

 

História

No início dos anos 1800, Bernard Courtois de Paris fabricou o salitre (nitrato de potássio, KNO 3) e utilizou cinzas de algas como sua fonte de potássio.

Um dia, em 1811, acrescentou ácido sulfúrico e viu uma fumaça roxa que se condensaram para formar cristais com um brilho metálico.

Courtois adivinhou que este era um novo elemento.

Ele deu alguns para Charles-Bernard Desormes e Nicolas Clément que realizaram uma investigação sistemática e confirmaram que era um novo elemento.

Em novembro de 1813, eles apresentaram o iodo no Instituto Imperial em Paris.

Foi provado por Joseph Gay-Lussac e confirmado pelo Humphry Davy, que estava visitando Paris.

Davy enviou um relatório para a Royal Institution em Londres, onde ele foi erroneamente assumido como o descobridor, uma crença que persistiu por mais de 50 anos.

Papel biológico

O iodo é um elemento essencial para o ser humano, que necessitam de uma ingestão diária de cerca de 0,1 miligramas de iodeto.

Nossos corpos contêm até 20 miligramas, principalmente na glândula tireóide. Esta glândula ajuda a regular o crescimento e a temperatura do corpo.

Normalmente temos iodo suficiente do alimento que nós comemos. A deficiência de iodo pode causar a glândula tireóide a inchar (conhecido como bócio).

Usos

O iodo foi descoberto pelo químico francês Barnard Courtois em 1811. Courtois foi extrair compostos de sódio e potássio a partir de cinzas de algas marinhas.

Uma vez que estes compostos foram removidos, adicionou-se ácido sulfúrico (H2 SO 4) para processar ainda mais a cinzas. Ele acidentalmente acrescentou muito ácido e uma nuvem cor violeta eclodiu a partir da massa. O gás condensado em objetos de metal na sala, criando iodo sólido.

Hoje, o iodo é principalmente obtida a partir de depósitos de iodato de sódio (naio 3) e periodato de sódio (NaIO4) no Chile e na Bolívia.

Vestígios de iodo são necessários pelo corpo humano. O iodo é parte de tiroxina, um hormônio produzido pela glândula tireóide, que controla a taxa de desenvolvimento físico e mental do corpo. A falta de iodo também pode causar um bócio, um inchaço da glândula tiróide. O iodo é adicionado ao sal (sal iodado) para evitar essas doenças.

O iodo é usado como um teste para o amido e vira um azul profundo, quando ele entra em contato com ele. O iodeto de potássio (KI) é usada para fazer a película fotográfica e, quando misturado com iodo em álcool, como um anti-séptico para feridas externas. Um radioativos isótopo de iodo, iodo-131, é utilizada para tratar algumas doenças da glândula tiróide.

Cuidados devem ser tomados ao manusear e utilizar iodo. Ele pode queimar a pele e danificar os olhos e mucosas. Iodo puro é tóxico se ingerido.

Símbolo - I

Elemento não metálico pertencente ao grupo dos halogênios na Tabela Periódica, tem cor violeta escuro.

Número atômico: 53
Configuração eletrônica:
[Kr]4d105s25p5
MA =
126,9045
d =
4,94g.cm-3
PF =
113,5ºC
PE =
183,45ºC.
Número de prótons / Elétrons:
53
Número de nêutrons: 74.
Classificação:
halogênio
Densidade @ 293 K: 4,93 g / cm3
Cor: enegrecido.
Data da descoberta:
1811
Descobridor: Bernard Courtois
Nome de Origem: A partir das complexo Ixodes palavra grega (violeta)
Usos: necessário em humanos
Obtido a partir de: compostos de sódio e potássio

O elemento é insolúvel em água, mas é solúvel em etanol e em outros solventes orgânicos.

Quando aquecido produz vapor violeta que sublima.

O iodo é necessário como elemento em nível de traço nos organismos vivos; em animais está concentrado na glândula tireóide como constituinte dos hormônios que ela produz.

O elemento está presente na água do mar e antigamente era extraído de algas marinhas.

Atualmente é obtido por deslocamento por cloro de água salgada encontrada em perfurações de petróleo.

Tem um isótopo estável, o 127I, e 14 isótopos radioativos.

É usado em medicina como anti-séptico suave (dissolvido em etanol, como "tintura de iodo") e na indústria de compostos de iodo.

Quimicamente é menos reativo que os demais halogênios e é o mais eletropositivo deles.

Foi descoberto em 1812 por Courtois.

Utilização

O iodo molecular, I2, é empregado como antiséptico.

Um sal de iodo, o KI ou NaI, é adicionado ao sal de cozinha, para evitar os "DDI" (Distúrbios por Deficiência de Iodo), o que pode provocar problemas de saúde como: bócio, abortos prematuros, etc.

O isótopo radioativo I-131 é empregado na medicina, no tratamento de tireóide.

Estrutura atômica

Iodo

Número de níveis de energia: 5

Primeiro Nível de energia: 2
Segundo Nível de Energia: 8
Terceiro Nível de Energia: 18
Quarto Nível de Energia: 18
Quinto Nível de Energia: 7

Iodo - Organismo

O Iodo é um elemento indispensável ao funcionamento de todo o organismo.

Com efeito, o iodo entra na formação de dois fatores hormonais da glândula tireóide (tiroxina e triiodotiroxina) que agem sobre a maioria dos órgãos e das grandes funções do organismo: o sistema nervoso, a termo-gênese (que nos permite conservar uma temperatura estável), os sistema cardiovascular, os músculos esqueléticos, as funções renais e respiratórias.

Em suma, estes hormônios são indispensáveis ao crescimento e ao desenvolvimento harmonioso do organismo.

As fontes mais ricas de iodo são os frutos do mar e o sal marinho, mas o iodo está também presente em numerosos legumes (vagem, agrião, cebola, alho porro, rabanete, nabo) e em certas frutas (ananás, groselhas, ameixas).

Quando os solos são pobres em iodo, particularmente em certas regiões montanhosas da Europa, distantes do mar, pode-se apresentar uma carência em iodo, cujo principal sinal é a papeira (aumento do volume da glândula tireóide). Com a carência de iodo, há uma diminuição da formação de hormônios tiroideanos e, então, por um mecanismo de feedback ("efeito de retorno") um aumento da estimulação da glândula pelo hormônio hipofisiário que rege a tireóide, e daí um aumento do volume da glândula tireóide.

A papeira do hipotireoideano por carência em iodo atinge a escala mundial de cerca de dois milhões de pessoas. Na França, foi Napoleão o primeiro a mandar fazer uma pesquisa epidemológica sobre a papeira, pois os jovens com papeira eram considerados incapazes para o serviço militar.

Contrariamente ao que se possa pensar, a papeira endêmica não desapareceu da Europa, como mostra um publicação recente feita pela Associação Européia para estudo da tireóide. Nos países outrora atingidos pela papeira (Suiça, Checoslováquia, Bélgica, Países Baixos, Países Es- candinavos), os programas de profilaxia através do sal iodado, diminuíram a freqüência dessa afecção. Na Finlândia, por exemplo, esta profilaxia iodada foi administrada igualmente ao plantel bovino, permitindo-se obter produtos leiteiros iodados.

Em contraposição, em outros países como na Áustria, Polônia, Hungria, Alemanha, ela persiste no estado endêmico. Quanto à França, uma pesquisa em curso permitirá precisar a ligação entre o aparecimento da papeira e o aporte de iodo (que se estima atualmente em limite inferior do normal 0,2 a 0,3 mg/dia).

Ao lado do aporte insuficiente de iodo, outros fatores podem intervir na formação da papeira, como certos alimentos (couve, couve flor, nabo, grãos de soja), os tiocianatos (manioc) ou ainda o teor exagerado de certos minerais como cloreto de sódio, na água.

Quando a carência atinge crianças, elas ficam raquíticas por deficiência no crescimento ósseo. Elas são atingidas pelo cretinismo. Sua pele é seca e edemaciada (mixedema), seus traços grosseiros. É de se notar que a insuficiência tireoideana (diminuição da síntese dos hormônios tireioideanos) pode existir sem papeira.

Neste caso, a glândula apresenta freqüentemente nódulos.

Fora do quadro evoluído de hipotiroidismo (com ou sem papeira), encontra-se no homem, e mesmo nas pessoas jovens de ambos os sexos, formas enganosas, quer dizer infraclínicas (as dosagens hormonais no limite da normal). Os sintomas de hipotiroidismo são cutâneos, (pálpebras inchadas, tegumentos sem vida e secos, cabelos quebradiços e se rarefazendo), musculares(astenias e caimbras), com um metabolismo reduzido (sensação hipotérmica, anorexia, distúrbios dispépticos), amenorréia ou impotência sexual, sinais neuropsíquicos (apatia, lentidão de raciocínio).

O bócio também pode ser associada a um hipertireoidismo. Este resulta de um hiperfuncionamento da glândula tireóide cuja etiologia mais freqüente é a doença de Basedow, uma doença de natureza imunológica (pode-se detectar a produção de anticorpos antitiroideanos), cíclica e evoluindo espontaneamente (mas lentamente) para a cura. No entanto, um tratamento protetor é indispensável.

Segundo a hipótese atual, existe uma predisposição genética na constituição da doença e o stress seria o fator que desencadeia as anomalias imunitárias. Os sinais clínicos mais típicos são palpitações, aumento do débito cardíaco, emagrecimento, tremor das extremidades, ansiedade e a insônia.

É interessante lembrar que o primeiro semestre que segue a um parto é freqüentemente o momento do aparecimento das disfunções tiroideanas, num terreno genético predisposto.

Neste caso, os hipertireoidismos são em geral transitórios, mas os hipotireoidismos podem tornar-se definitivos.

Um outro caso bastante dissimulado e menos conhecido dos disteroidismos é a sobrecarga de iodo devido a certos medicamentos. Aliás, este problema volta à tona na atualidadeessencialmente medicamentos contendo iodopresença excessiva de iodopossíveis da glândula tireóidesobrecarga de iodo(antiasmáticosesquecer os anti. Os medicamentos responsáveis pelos distúrbios da glândula tireóide de origem iatrogênica são , como também outros com grandes doses de lítio (não no tratamento de oligoelementos). Em , nas tomadas medicamentosas de longo prazo, a liberação dos hormônios tiroideanos é limitada, daí as disfunções . Este fenômeno é, na maioria dos casos, transitório, pois após alguns dias ocorre uma adaptação da tireóide à . Na ausência da adaptação, um hipotiroidismo irá então aparecer. Ele se instala progressivamente e só regride lentamente vários meses) após a suspensão do medicamento.

Mais de cerca de 300 espécies pertencem às diversas classes terapêuticas que contém iodo: antálgicos, bronquiodilatadores, anti-sépticos intestinais, veinotrópicos, antihipertensores, antigota, antiarritímicos, sem se -sépticos externos iodados. ), em particular quando o paciente tem antecedentes alérgicos ou cardíacos. Os choques anafiláticos ao iodo, no momento de, são imprevisíveis, daí a necessidade de praticar testes prévios e de prover sempre para o doente meios de reanimação.

Iodo - Elemento Químico

Encontrado na natureza sob a forma de íon em diferentes compostos ou moléculas diatômicas, o iodo tem função fisiológica importante na regulação da glândula tireóide, além de formar compostos largamente empregados na indústria química.

Iodo é um elemento químico de símbolo I, pertencente ao grupo dos halogênios, do qual também fazem parte o flúor, o cloro, o bromo e o astato. Descoberto em 1811 pelo francês Bernard Courtois, fabricante de salitre, o elemento foi estudado por Gay-Lussac e Humphry Davy e, em 1813, batizado de iodo -- do grego ioeides, "violeta", em alusão à coloração do vapor por ele liberado.

Propriedades físicas

O iodo é um dos mais impressionante e belo de todos os elementos. Como um sólido, é um cinzento-negro, material pesado, de aparência metálica.

Quando aquecido, não derrete. Em vez disso, ele sublima.

A sublimação é o processo pelo qual um sólido se transforma directamente a um primeiro gás, sem fusão.

O vapor de iodo resultante tem uma cor violeta e um odor dura. Se um objeto a frio, tal como um ferro de barra, é colocado na estes vapores, iodo muda de volta para um sólido. Ele forma atraente, delicado, cristais metálicos.

Iodo dissolve apenas ligeiramente na água. Mas ele dissolve-se em muitos outros líquidos para dar soluções roxo distintivas. Se aquecida, sob as condições apropriadas, pode ser feita fundir a 113,5 ° C (236,3 ° F) e a ferver a 184 ° C (363 ° F).

A densidade do elemento é 4,98 gramas por centímetro cúbico.

Propriedades quimicas

Como os outros halogênios, o iodo é um elemento ativo.

No entanto, é menos activo do que os três halogéneos acima na tabela periódica.

Seus compostos mais comuns são os de metais alcalinos, sódio e potássio. Mas também forma compostos com outros elementos.

Ele ainda forma compostos com os outros halogênios.

Alguns exemplos são monobrometo de iodo (IBr), monocloreto de iodo (ICl), e pentafluoreto de iodo (SE 5).

Obtenção, importância e aplicações

 O iodo é encontrado em pequenas proporções (entre 1 e 50mg/kg) na água do mar, na forma de iodeto de sódio (NaI), e nos campos petrolíferos, na forma de iodeto de potássio (KI). É extraído industrialmente das águas salgadas dos poços de petróleo e como subproduto do processo de obtenção do salitre do Chile, em cujos depósitos ocorre na forma de iodato de sódio (NaIO3). Está presente nos tecidos orgânicos animais e vegetais em pequenas quantidades, mas é abundante nas algas marinhas, concentradoras de iodo.

Pouco tóxico, o iodo está ligado à regulação das funções da tireóide no corpo humano e, em solução alcoólica (tintura de iodo), era usado como anti-séptico até que se descobriu que retardava o restabelecimento dos tecidos. Diversos sais de iodo são empregados no tratamento de afecções como arteriosclerose, hipertensão arterial, sífilis, actinomicose, enfisemas, bronquite crônica e algumas formas de artrite. Na indústria, o iodo é componente importante na fabricação de películas fotográficas, corantes, reagentes e produtos intermediários usados na síntese de compostos orgânicos e em laboratórios de análise.

Fonte: www.rsc.org/www.cdcc.sc.usp.br/education.jlab.org/www.chemistryexplained.com/biomania.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal