Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Stuart Highway

Stuart Highway

PUBLICIDADE

Não haverá muitas estradas tão longas e retilíneas como a Stuart Highway, no coração da Austrália.

São 2.834 quilômetros que cruzam o interior desértico do país, de Darwin, bem a norte, até Port Augusta, no litoral sul, já bem próximo de Adelaide.

Percorri-a de ponta a ponta, 145 anos depois do explorador europeu John McDouall Stuart o ter feito em sentido inverso, e garanto que o esforço é plenamente justificado.

De Darwin a Port Augusta, Outback Australiano

É uma viagem polvilhada de paisagens deslumbrantes e surpresas agradáveis. Cidades subterrâneas e homens rudes, lagos salgados e cascatas, desfiladeiros imponentes e rochas sagradas, serpentes, térmitas e cangurus e, a espaços, uma ou outra povoação de assinalar, eis parte daquilo com que um viajante se depara numa travessia da Stuart Highway.

Mas é também uma jornada cansativa, não há que negar. Percorrer toda a extensão da Stuart Highway, mais o inevitável desvio até Uluru (Ayers Rock), exige muitas horas ao volante.

São 2.834 quilômetros que cruzam o interior desértico da Austrália, atravessando-a completamente, de Darwin, na costa do mar de Timor, até Port Augusta, no litoral sul, já bem próxima da capital do estado Austrália do Sul, Adelaide.

A Stuart Highway atravessa maioritariamente zonas despovoadas, onde os raros aglomerados urbanos distam centenas de quilômetros uns dos outros. O estado dos Territórios do Norte, por exemplo, com cerca de quinze vezes a dimensão territorial de Portugal, tem apenas três localidades de dimensão registável: Darwin, Alice Springs e Katherine.

Austrália
Austrália

Na verdade, o nome Stuart Highway diz respeito não a uma, mas sim à junção de duas estradas nacionais. A Nacional 1, que liga Darwin a Daly Waters e daí prossegue em direcção à costa leste, e a Nacional 87, que continua de Daly Waters em linha quase reta até Port Augusta.

Um percurso de retas intermináveis em paisagens planas, áridas e belas, e também o local onde com frequência se avistam os “animais” mais estranhos das estradas australianas: os road trains.

São camiões de transporte de carga que mais parecem comboios de mercadorias, com dois, três ou mais atrelados de grandes dimensões, e que podem totalizar mais de uma centena de metros de comprimento.

Quer os road trains, quer os normais veículos de passageiros, circulam, regra geral, a grandes velocidades mas, não obstante as excelentes condições rodoviárias, a Stuart Highway deve ser feita sem sofreguidão.

Com tempo para se permitir deter numa qualquer planície isolada por motivo nenhum, com tempo para apreciar o nascer do sol nos desertos semi-áridos, com tempo para absorver as culturas aborígenes, com tempo, enfim, para desfrutar da viagem pela estrada a que John McDouall Stuart deu o nome.

Ele foi o primeiro europeu a cruzar a Austrália de sul a norte, seguindo, em traços largos, a rota que se viria a transformar na atual Stuart Highway.

Km 0 – Darwin

Considerada a capital multicultural da Austrália, possui uma das maiores percentagens de população indígena entre todas as cidades australianas, e uma significativa percentagem de imigrantes do sudeste asiático e outras paragens.

Mas, aparte os conhecidos problemas de integração das comunidades aborígenes, Darwin é uma cidade bonita e agradável.

Organizada. Sem prédios de grande altura e tráfego congestionado. As pessoas andam despreocupadamente pelas ruas, num ritmo de vida lento e prazenteiro. O calor é tórrido, e convida sobremaneira à inatividade.

Talvez por isso, só ao fim da tarde a cidade ganha vida, quando as pessoas se juntam nos bares do centro em torno de umas quantas cervejas. Partilho desses momentos, enquanto se fazem os últimos preparativos para a longa viagem que se aproxima.

Centro de Darwin, norte da Austrália
Centro de Darwin, norte da Austrália

Km 105 – Parque Nacional de Lietchfield

Uma paragem no Parque Nacional de Litchfield, a um par de horas de viagem de Darwin, constitui um óptimo início para a extensa viagem. Cascatas como a de Florence ou Wangi proporcionam aos viajantes a oportunidade de nadar em águas cristalinas e, mais importante, refrescar o corpo.

Nunca é demais referir as altas temperaturas existentes nesta região da Austrália, pelo que todas as oportunidades que surgem para as combater são muito, muito bem-vindas, e devem ser aproveitadas para tal.

É também em Litchfield que o viajante toma contato com construções arquitetónicas verdadeiramente extraordinárias. Montes gigantes construídos por laboriosas térmitas impressionam pela magnitude e pela sua orientação quase milimétrica, de forma a controlar as temperaturas dos seus interiores. É espantoso como criaturas tão pequenas constroem edificações tão colossais e engenhosas.

Montes de térmitas no Parque Nacional de Litchfield, norte da Austrália
Montes de térmitas no Parque Nacional de Litchfield, norte da Austrália

Mais à frente, indiferente à passagem da viatura, uma cobra venenosa atravessa a estrada. Aqui e ali, dezenas de pequenos cangurus saltitam graciosamente. E emas, lindas. Uma oportunidade de vislumbrar animais completamente selvagens no seu habitat natural. Quase às portas de Katherine.

Km 321 – Katherine

Katherine, apesar de ser a terceira cidade do estado, não tem mais do que dez mil habitantes. Não há grandes motivos de interesse na cidade, embora Katherine seja um ponto a ter em conta para abastecimento de combustível e de viveres nos grandes supermercados da cidade. E vale, principalmente, pela oportunidade de tomar contato com a história de Glen, uma das raras biografias de integração bem sucedida de um aborígene no chamado mundo dos brancos.

Entra-se na loja de Glen, um misto de cibercafé, galeria de arte e ponto de venda de artesanato aborígene, e é-se recebido com enorme simpatia pelo próprio. Bom conversador e esclarecido, Glen sabe que constitui a excepção (“sou um dos poucos indígenas a ter um negócio próprio em todo o estado”). Vende artesanato feito pelo seu povo ao “homem branco”. Divulga as suas raízes culturais. Contribui para a independência económica da sua comunidade. Lá fora, no entanto, o cenário é um pouco diferente. Aborígenes de aspeto miserável deambulam, ébrios e sem rumo aparente, pela principal rua de Katherine. São a maioria, infelizmente.

Km 427 – Mataranka

Pub em Daly Waters
Pub em Daly Waters

Depois das emoções de Litchfield e da curta paragem em Katherine, as fontes termais de Mataranka são um bom pretexto para uma pausa na viagem. As nascentes de água quente recompõem o corpo moído após as primeiras centenas de quilômetros na estrada.

O contíguo parque de campismo é opção para quem já só quer mesmo dormir. Manhã cedo, curiosos e atentos aos desperdícios dos campistas, pequenos cangurus aproximam-se sem medo. É um encontro cara-a-cara com as saltitantes criaturas.

Km 587 – Daly Waters

Poderia passar completamente despercebida, como tantas outras minúsculas povoações, não fora o fato de ser em Daly Waters que a Stuart Highway se despede da Nacional 1, que segue em direcção a Borroloola, na costa leste.

Daly Waters é, portanto, um importante entroncamento na esparsa rede viária do interior australiano e, talvez por isso, ali surgiu, corria o ano de 1983, aquele que se viria a tornar na maior atracção turística da localidade: o bar da localidade.

É um pub curioso, cujas paredes são decoradas com notas, fotografias, mensagens, lenços, bandeiras e outras marcas deixadas por visitantes de todo o mundo. Uma espécie de Peters Café Sport transportado do Atlântico para o outback australiano, transformou-se em ponto de paragem obrigatório para quem cruza a Stuart Highway. No exterior, um carrinho de mão tem afixado um letreiro carregado de bom humor: “Taxi Daly Waters”. Para quem já não conseguir voltar para casa sozinho.

Km 984 – Tennant Creek

Não pela beleza extraordinária da povoação mas sim devido à sua localização geográfica, a aproximadamente quinhentos quilômetros de Alice Springs, Tennant Creek constitui um local frequentemente escolhido para pernoitar e recarregar baterias. Nada mais.

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália
Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

Km 1494 – Alice Springs

Alice Springs é a segunda maior cidade dos Territórios do Norte, logo após a capital Darwin. Convenientemente localizada no centro geográfico da Austrália, constitui ponto de passagem quase obrigatório para quem cruza o país.

Para a grande maioria dos turistas, Alice Springs constitui apenas uma porta de acesso à magia de Uluru. Mas sabe bem um pouco de civilização após tanto tempo fora dela.

Uma ida ao centro comercial, por exemplo, pode até ganhar contornos de prazer. Uma entrada na discoteca, ser algo totalmente fora do contexto, depois da poeira de tanto tempo na estrada. Um banco de rua, uma oportunidade banal para parar e sentir o pulsar da cidade.

Nem sempre harmonioso, é certo, já que aqui, tal como em Darwin ou Katherine, muitos aborígenes enfrentam terríveis dificuldades de integração após a “invasão” dos nossos dias. Uma nódoa na vida da agradável Alice.

Longa é a estrada…

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

Poucas serão as pessoas a ter uma homenagem de milhares de quilômetros mas John MacDouall Stuart teve-a. Merecida, diga-se. São 3200 os quilômetros que ligam o norte ao sul da Austrália, de Darwin a Port Augusta, 3200 km que levam o apelido de quem a tornou possível, 3200km que se resumem em duas palavras: Stuart Highway.

O seu traçado, cheio de aventuras e desventuras, faz parte da história da Austrália, escrita em inglês, pelos novos habitantes.

As comunicações com a mãe pátria eram tudo menos rápidas e dependiam do tempo que os navios à vela levavam a fazer a viagem de ida e volta. Nunca menos de 6 meses. O telégrafo, que já unia Inglaterra à Índia, prometia encurtar as distâncias mas só seria viável se fosse possível estabelecer uma ligação terrestre através do novo continente.

E, cinquenta anos após a colonização, o interior continuava terra incógnita. Nenhum branco lá entrara, não existia um único caminho que pudesse ligar o sul povoado ao norte inóspito, os mapas apresentavam um extenso espaço completamento vazio.

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

A imensidão, as temperaturas absurdamente elevadas ou as chuvas torrencias, um mato cerrado e feito de espinhos fortes que se cravavam na pele ao maispequeno contato e, so bretudo, o desconhecimento dos raros pontos onde o abastecimento de água fosse possível, faziam de qualquer tentativa um pesadelo a que, geralmente, só a morte vinha trazer alívio.

Em expedições com poucos homens e cavalos, para assim poder avançar mais facilmente, JMS foi avançando tenazmente pelo centro infernal. Escorbuto, falta de água, esgotamento físico e mental, temperaturas abrasadoras, obrigaram-no a retroceder 5 vezes.

Partiu para a 6ª tentativa em outubro de 1861 e, depois de sucessivos avanços e retrocessos, atingiu a baía de Chambers, perto do que hoje é Darwin, em Julho de 1862. Estava aberto o caminho para o telégrafo!

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

Regressemos ao séc XXI e à Stuart Highway, que tem aproximadamente o traçado do caminho que JMS fez no regresso. Não conseguimos sentir o sofrimento e o esforço dos exploradores mas a dureza do terreno não passa despercebida. Não há uma sombra, uma gota de água, um ribeiro, uma poça. Há mato cerrado ou um deserto vermelho que se estende bem para além do que conseguimos ver.

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

Cruzamos road trains que são a seiva do país, paramos em todas as áreas de serviço. São poucas, espaçadas de uns 200 kms, e tudo fazem para chamar a atenção de quem passa na estrada e levar a uma paragem, uma qualquer despesa.

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

Em Ailleron são as estátuas gigantescas; Barrow Creek anuncia os vestígios do que foi a sua estação de telégrafo; numa outra o proprietário anuncia ao mundo que tem nova esposa, Wycliffe Creek afirma-se como sendo o local da Austrália onde há provas do aparecimento de ovnis, …

Formações rochosas Devil Marbles, Austrália

Fonte: mochila-as-costas.blogspot.com.br/www.almadeviajante.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+