Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Perseu  Voltar

Perseu



 

Perseu

Temeroso de ver cumprida a previsão de um oráculo, segundo a qual sua filha Dânae daria à luz aquele que lhe roubaria o trono e a vida, Acrísio, rei de Argos, enclausurou-a numa torre.

Zeus, sob a forma de uma chuva de ouro, introduziu-se na torre e engravidou Dânae, que gerou Perseu.

Herói da mitologia grega, Perseu era filho de Zeus com a mortal Dânae. Logo após seu nascimento, o avô abandonou-o ao mar numa arca, em companhia da mãe, para que morressem. A correnteza, porém, arrastou a arca até a ilha de Sérifo, reino de Polidectes, que se apaixonou por Dânae.

Mais tarde, com o intuito de afastar Perseu da mãe, Polidectes encarregou Perseu de perigosa missão: trazer a cabeça da Medusa, a única Górgona mortal.

Com a ajuda de Atena, Hades e Hermes, que lhe emprestaram as armas e a armadura, Perseu venceu as Górgonas e, para evitar a visão da Medusa, que petrificava quem a fitasse, decapitou-a enquanto dormia, guiando-se por sua imagem refletida no escudo de Atena. Passou então a carregar sua cabeça como um troféu, com que petrificava inimigos.

Na Etiópia, Cassiopéia, esposa do rei Cefeu e mãe de Andrômeda, proclamara-se mais bela que as próprias ninfas. Posêidon, furioso, castigou-os com uma inundação e com a presença de um monstro marinho.

Um oráculo informou a Cefeu que a única maneira de salvar o reino seria expor Andrômeda ao monstro, o que foi feito. Perseu, em sua viagem de volta a casa, viu a bela princesa e apaixonou-se por ela. Com a cabeça da Medusa, petrificou o monstro e libertou a jovem, com quem se casou.

De volta à Grécia com a esposa, após resgatar sua mãe do castelo de Polidectes, Perseu restabeleceu o avô Acrísio no trono de Argos mas, como predissera o oráculo, terminou por matá-lo, embora acidentalmente.

Ao sair de Argos, fundou Micenas, e tanto a Grécia como o Egito o honraram como herói.

Fonte: www.nomismatike.hpg.ig.com.br

Perseu

Perseu

O matador da Górgona Medusa. Era filho de Zeus e de Danaê, filha de Acrísios, rei de Argos. Advertido de que seria morto pelo neto, Acrísios trancou a mãe e a criança numa arca, lançando-os ao mar.

Acabaram chegando à ilha de Sérifo, onde foram salvos e onde Perseu cresceu até a idade adulta. Polidectos, rei de Sérifo, apaixonou-se por Danaê e, temendo que Perseu talvez interferisse em seus planos, enviou-o numa missão para obter a cabeça da Medusa, um monstro para o qual quem voltasse o olhar, era transformado em pedra.

Auxiliado por Hermes, mensageiro dos deuses, Perseu abriu caminho por entre as Gréias, três velhas decrépitas que compartilhavam o mesmo olho entre elas e vigiavam a caverna que levava ao local onde estavam as Górgonas.

Perseu tomou-lhes o olho e recusou a devolvê-lo até que elas lhe dessem a direcção para alcançar a Medusa.

Recebeu das ninfas um par de sandálias aladas, um alforje mágico que guardaria qualquer coisa que fosse colocado dentro dele e um capacete que o tornava invisível. Equipado com uma espada de Hermes que nunca podia ser entortada ou quebrada, e um escudo da deusa Atena, que o protegeria de virar pedra. Perseu encontrou a Medusa e a matou.

Com seu capacete que o tornava invisível, ele foi capaz de escapar da ira de suas irmãs e com a cabeça do monstro em seu alforje, ele voou em suas sandálias aladas de volta para casa. Enquanto passava pela Etiópia, ele salvou a princesa Andrómeda que estava prestes a ser sacrificada para um monstro marinho e a tomou como sua esposa.

Em Sérifo ele libertou sua mãe de Polidectos usando a cabeça da Medusa para transformar o rei e seus seguidores em pedra. Então todos retornaram à Grécia, onde Perseu acidentalmente matou seu avô Acrísios com um disco, cumprindo assim a profecia.

De acordo com uma lenda, Perseu foi à Ásia, onde seu filho Perses governou os persas, povo que recebeu seu nome.

Perseu

Danae, filha do rei de Argos, Acrísio, foi trancada por seu pai em uma torre de bronze, porque o oráculo anunciara a este que o seu neto devia um dia usurpar-lhe a coroa e matá-lo; Júpiter mudou-se em uma chuva de ouro, e tendo conseguido introduzir-se na torre, tornou Danae mãe de Perseu. Tendo o rei sabido do nascimento dessa criança, fez expor a mãe e o filho no mar, em uma barca frágil que as ondas felizmente impeliram para as costas da ilha de Serifos.

Um pescador encontrou a barca e os dois desgraçados ainda com vida, e levou-os imediatamente ao Polidetes, que os recebeu bem, e tomou sobre si a educação do jovem prícipe.

Mais tarde Polidetes, apaixonado por Danae e querendo desposá-la, procurou um meio de afastar o filho, já que as leis não permitiam uma mulher com filho desposar outro que não fosse seu pai, e ordenou que fosse combater a Medusa (mulher que ousou se comparar em beleza com Minerva, a deusa ficou tão irritada com essa pretensão que transformou seus lindos cabelos em serpentes e deu a seus olhos o poder de mudar em pedra a tudo que vissem, muitas pessoas na ilha que eles moravam estavam sentindo os efeitos dos seus olhares) e trouxesse a cabeça dela.

Perseu, querendo pagar a bondade de Polidetes, parte nessa missão.

Amado pelos deuses, recebeu para êxito de sua missão a espada e o escudo de Minerva, o capacete da invisibilidade de Plutão e as sandálias com asas de Mercúrio.

Quando chegou ao templo da Medusa, com receio de ser petrificado, colocou diante de si o escudo da deusa, que por ser bem polido, refletia as imagens, e, na mão direita a espada, que com a aproximação do monstro, sem olhar para ela, fez cair sua cabeça, que desde então traz consigo em todas as expedições para petrificar os inimigos. Do sangue que saiu da ferida da Medusa, quando sua cabeça foi cortada, nasceu Pégaso (cavalo alado).

Desde que Pégaso viu a luz, voou para a morada dos imortais, o Olimpo, foi domado por Minerva, a quem desde então obedeceu.

Perseu voltou para a ilha de Serifos e, um dia em que num festim, Polidetes quis ultrajar Danae, Perseu, para defender sua mãe, apresentou ao rei a cabeça da Medusa, que imediatamente o petrificou.

Depois de algum tempo soube que a linda princesa Andrômeda seria sacrificada a um monstro marinho, resolveu salvá-la e pediu a ajuda de Minerva nesta missão.

Perseu montou no Pégaso que a deusa lhe emprestara e, através dos ares, transportou-se até o país da Etiópia.

Na Etiópia vivia uma princesa chamada Andrômeda, filha do rei Cefeu. Juno estava muito enciumada devido a grande beleza da princesa, que era maior que a sua. Netuno para vingar a deusa, instigou um monstro marinho que desolava o país. O oráculo, consultado para saber um meio de acalmar os deuses, respondeu que era preciso expor Andrômeda ao furor do monstro.

A jovem princesa foi amarrada em um rochedo, e o monstro estava prestes a devorá-la, quando Perseu, montado no Pégaso, petrificou e matou o monstro com a cabeça da Medusa. Quebrou as correntes de Andrômeda, entregou-a a seu pai, e tornou-se seu esposo.

A cerimônia de núpcias foi, porém, perturbada pelo ciúme de Fineu, esse príncipe, a quem Andrômeda tinha sido prometida em casamento, reuniu vários homens e entrou com eles na sala do banquete, provocando uma terrível carnificina.

Perseu teria morrido se não tivesse recorrido à cabeça de Medusa, a cuja vista Fineu e seus amigos foram petrificados.

Depois voltou a Argos, na Grécia com a jovem princesa. Se bem que tivesse motivos de sobras contra seu avô Acrísio, restabeleceu-o no trono, donde Proeto o expulsara e matou o usurpador.

Pouco tempo depois, porém, matou Acrísio com um disco, nos jogos que se celebravam, e assim cumpriu-se a profecia. Causo-lhe este acidente tão viva dor, que depois de um tempo, deixou Argos e fundou a cidade de Micenas.

Retirando-se para Micenas, cedeu generosamente o trono de Argos a Megapento, filho de Proeto, esperava assim fazer as pazes com ele.

Mas o príncipe preparou-lhe uma armadilha, e fê-lo morrer para vingar a morte de seu pai, que havia sido morto por ele. Esse herói foi colocado no céu, em forma de constelação, por seu pai Júpiter, junto com sua esposa, Andrômeda.

As Aventuras de Perseu

Acrísio, rei de Argos, só tinha uma filha, chamada Dânae.

Ele queria um filho, e perguntou ao oráculo o que o futuro lhe reservava. o oráculo respondeu: "Você não terá um filho homem e seu neto o matará". O rei, aterrorizado, prendeu sua filha em uma torre altas, atrás de portas de bronze. Mas Zeus veio até ela em uma chuva de ouro e, no tempo certo, ela deu a luz à um filho, Perseu.

Temendo a ira de Zeus caso matasse sua filha e seu neto, Acrísio lançou Dânae e Perseu no mar, numa arca de madeira. Dânae pediu ajuda a Zeus e, em vez de ser engolida pelas águas, a arca chegou à ilha de Serifos. Com o tempo, o rei da ilha, Polidectes, acabou encontrando Dânae. Ele a desejou como esposa, mas ela o recusou.

Com Perseu agora já crescido para protegê-la, o rei sabia que não conseguiria fazê-la aceitá-lo.

Decidiu, então, se livrar de Perseu. Ofereceu um banquete para os jovens da aldeia.

Todos os convidados trouxeram presentes, exceto Perseu, que era muito pobre. Envergonhado, ele prometeu ao rei um presente. "Traga-me a cabeça da Górgona Medusa", pediu Polidectes. Medusa era um monstro terrível, com cobras no cabelo e um olhar que transformava a pessoa em pedra. A tarefa era impossível.

Zeus teve piedade de Perseu e enviou dois imortais, Atena e Hermes para ajudá-lo.

Atena emprestou a Perseu seu escudo, dizendo: "Olhe apenas o reflexo de Atenas no escudo e você não se transformará em pedra".

Hermes emprestou a Perseu uma foice para cortar a cabeça da Górgona. Também disse a Perseu como encontrar a Ninfa do Vento Norte, que lhe emprestaria sandálias aladas, uma rede para prender a cabeça de Medusa, e buscaria pra ele o Gorro da Invisibilidade de Hades, deus do Mundo dos Mortos. Usando as sandálias e o gorro, Perseu voou sem ser visto até o lugar onde estava Medusa e suas duas irmãs, dormindo ao lado das já carcomidas estátuas de outros heróis transformados em pedra por seu olhar. Olhando apenas para o reflexo da Medusa no seu escudo, Perseu arrancou a foice, cortou a cabeça da Górgona e a jogou na rede. Do corpo dela, saltou o maravilhoso cavalo alado, Pégaso.

Voltando para casa, Perseu viu uma moça amarrada em uma pedra. Seu nome era Andrômeda e ela estava prestes a ser sacrificada a um monstro marinho, para impedir que ele acabasse com o reino de seu pai. Quando a criatura se levantou das profundezas, Perseu puxou a cabeça da Medusa e transformou o monstro em pedra. Perseu e Andrômeda, que haviam se apaixonado à primeira vista, logo se casaram.

Quando Perseu retornou a Serifos, Polidectes transformara Dânae em escrava. O rei ficou surpreso ao ver Perseu vivo e não acreditou que ele tivesse matado a Medusa.

Perseu lhe mostrou a cabeça da Górgona e ele se transformou em estátua ali mesmo.

E a profecia do oráculo se concretizou, pois Perseu, no final, acabou matando seu avô. Um dia ele estava atirando discos, quando, pela vontade dos deuses, um disco atingiu Acrísio.

O cavalo alado Pégaso se tornou a montaria de outro herói, Belerofonte que o cavalgou quando foi matar a Quimera, monstro com cabeça de leão que expelia fogo, e tinha corpo de bode e rabo de serpente. Belerofonte matou-a, atirando uma lança em sua garganta. A lança tinha um pedaço de chumbo na ponta que derreteu com o fogo da respiração de Quimera, queimando-a por dentro.

Belerofonte era um homem tão grande que acabou se achando igual aos deuses. Ele foi com Pégaso ao Olimpo. mas Zeus mandou uma vespa ferroar Pégaso que corcoveou, atirando Belerofonte na terra, onde ele terminou seus dias como mendigo. Quanto a Pégaso, Zeus começou a usá-lo para carregar seus raios.

Fonte: www.geocities.com

 

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal