Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Esportes / Modalidades de Pesca

Modalidades de Pesca

PUBLICIDADE

A caça-submarina, ao contrário de outros esportes que sempre dispõe de um terreno de jogo com características inalteráveis, é uma atividade que se desenrola em um meio muito inconstante, sob condições muito variáveis e às vezes imprevisíveis.

Isto faz com que não se possa planejar de uma forma exclusiva a prática desse esporte.

A estação do ano, a corrente, a visibilidade, a temperatura e muitos outros fatores incidem das mais variadas maneiras no ambiente físico no qual o mergulhador irá se encontrar.

Para cada situação concreta poderíamos estabelecer um tipo de caça, mas dada a complexidade de fatores que podem provocar e de quanto provocam tantas e tão variadas situações ambientais, o bom mergulhador deverá ser extremamente versátil e possuir uma boa dose de capacidade de adaptação a estas diferentes situações. Não obstante e apesar do que foi dito anteriormente, vamos esclarecer duas modalidades de caça que apresentam características bem definidas e que permitem um tratamento especial.

São elas:

Caça a pouca profundidade:

Como é lógico, esta modalidade de pesca é a que praticamos quando iniciamos neste esporte, mas nem por isso é uma modalidade exclusiva dos aprendizes, porque em muitas ocasiões os grandes especialistas também recorrem a ela.

Tem-se realizado grandes caçadas e tem-se ganho importantes competições caçando a pouca profundidade, porque há fatores que aconselham a caçar a pouca profundidade.

Estes fatores são:

No inverno e por regra geral, em todas as regiões de água fria pratica-se esta modalidade de caça, porque uma roupa muito grossa necessita de muito peso, tornando-se desaconselhável descer a grandes profundidades e em determinadas épocas do ano, os peixes se encontram em maior quantidade a pequenas profundidades.

Lugar: Há zonas do litoral em que é mais conveniente praticar este tipo de caça, é inútil caçar a partir de uma certa profundidade. Além disso, existem espécies de peixe que têm o seu habitat a pouca profundidade.
Visibilidade:
Quando a água está turva, é preferível caçar a pouca profundidade e conseguir ver o fundo que caçar a grandes profundidades e não distinguir nada.
Corrente:
Quando houver forte corrente, pois nos cansamos com mais facilidade, tornando-se perigoso descer à grandes profundidades.

Alguns conselhos práticos:

Geralmente o peixe, no raso, é desconfiado e arisco. Se sente menos seguro que o que se encontra no fundo, e sabe se esconder muito bem. Por isso o mergulhador deve ser muito meticuloso e procurar com muita paciência em todos os lugares onde o peixe pode ter-se escondido.

Nunca tente caçar a uma profundidade maior que aquela em que se sente bem. A profundidade é uma meta que deve ser conseguida gradualmente, de forma natural, caso contrário corremos um grande risco.

Caça a muita profundidade:

É uma modalidade exclusiva de caçadores experimentados. Não existe um limite determinado entre a caça a pouca e a grande profundidade. Isso varia de mergulhador para mergulhador, dependendo da sua experiência. Cada um deve estabelecer a sua fronteira, deixando de lado quantidades em metros.

Podemos definir a caça a grande profundidade, quando as condições em que se desenvolvem nos obrigam a usar todas as nossas faculdades físicas e psíquicas.

Por isso só se deve ser feita com total controle.

Os fatores que influem neste tipo de caça, não são somente os metros, mas a temperatura, visibilidade e corrente, ou seja, quando descemos a uma determinada profundidade normalmente não teremos nenhum problema, mas com água turva, fria e com corrente teremos que realizar um esforço físico maior, nos obrigando a ter o máximo de prudência. Um mergulho a vinte metros numa área abrigada e calma é muito mais fácil que em alto mar com o mar revolto.

Condições Ambientais:

Temperatura da água: ideal no verão, com água mais quente.
Visibilidade:
água clara, caso contrário perde-se muito tempo procurando bons pontos para caça.
Corrente:
Aumenta com a sua intensidade. Devemos fazer um grande esforço para subir e descer.

Condições Físicas e Psíquicas:

Estar em perfeito estado de saúde;
Estar bem treinado, nunca realizar os primeiros mergulhos muito fundo, para que o nosso organismo se adapte pouco à pouco à profundidade.

Se após observarmos todas estas regras, sentirmos algum sintoma estranho em nosso organismo, que nos alerte de algum possível perigo, devemos abandonar imediatamente estas águas e buscar outras menos profundas.

Antes de iniciar o mergulho, devemos estar fisicamente descansados e psicologicamente relaxados. A fadiga e a tensão emocional podem nos trair.

Uma vez no fundo não se deve esquecer da distância para a superfície, este é o momento mais crítico, pois nosso organismo está com menos ar e forças.

Nunca suba com peso excessivo. Tudo que se puder subir com uma corda desde a superfície não suba com seu próprio esforço. Em caso de emergência, abandone o cinto de lastro.

O mais importante de todos os conselhos: caçar vigiado por um companheiro que chegue a mesma profundidade. Esta regra evita muitas mortes. Cace com um amigo.

Nosso Organismo

Evidentemente o homem é um intruso no fundo do mar.

Sua fisiologia, apesar de sua extraordinária capacidade de adaptação, se encontra em meio estranho.

Esta observação deve estar sempre presente e o mergulhador em um excesso de confiança em si mesmo, nunca deve superestimar sua capacidade e esta é uma maneira perigosa de enganar a si mesmo.

É importante ter em conta que somos seres terrestres e, por tanto, nossas incursões submarinas requerem uma grande dose de prudência e uma preparação fisiológica e psicológica especial.

Noções Básicas de Caça Submarina

Indubitavelmente, a caça submarina já alcançou a maturidade. Varias vezes campeão em varias modalidades, e seu domínio pela América do Sul já é notado.

Trata-se, portanto, de uma atividade esportiva onde o Brasil é nome respeitado. Já com um número considerável de títulos. Também temos uma pequena, mas sólida industria, que nos supre de equipamentos necessários, a pratica deste esporte, também dispomos igualmente de vasta e bela costa atlântica para explorar.

Aos que nunca tiveram contato com o mar com o intuito de praticar caça sub, ou não deve fazemos fazer uma advertência. A simples leitura deste pequeno curso não habilita ninguém a determinadas proezas nem imuniza contra perigo.

O Mar deve Ser Respeitado

Na pratica de qualquer esporte a forma física tem de ser aprimorada na caça submarina, o preparo físico nunca será suficientemente bom se o conhecimento não estiver no mesmo plano. Um e outro se completam, tanto na superfície como nas profundezas do mar. Descubra as profundezas do mar, com máscara e pé-de-pato e refugie-se nele, com certeza de que terá momento inesquecíveis junto a natureza. Mas poupe as espécies e preserve o fundo do mar que, talvez seja, o seu último refugio.

O Ambiente

Se você deseja tornar-se adepto das atividades submarinas, deve antes de mais nada ser advertido de que o mar é um ambiente hostil, um ambiente no qual o homem se arrisca a ser atacado. Pelos Tubarões ?.Não, disso falaremos mais tarde, atacado pelo frio, pelo vento, pelas marés, pelas ondas , pelas correntes. O que significa que não é sem aprendizado que passaremos da terra firme à águas profundas.

Será preciso que você conheça o ambiente marinho, que seja treinado para enfrenta-ló, que vença várias etapas preparatórias: Terá também de aprender as disciplinas da apnéia (estado de suspensão da respiração embaixo d’água, as técnicas de caça, as características de cada espécie da fauna marinha que ira encontrar, as regras de segurança e, além da caça, às quais terá acesso com boa experiência.

PRIMEIRO É PRECISO CONHECER A APNÉIA

O Bater de Pernas

Meio de propulsão e de evolução, na superfície ou em mergulho, o bater de pernas deve ser impecável. Qualquer erro acarreta num desperdício de energia e uma aceleração cardíaca que reduz o tempo de fôlego. O elemento motor de bater as pernas é a coxa, que, sozinha, trabalha com força, e sua potência é suavemente transmitida às nadadeiras, elemento de propulsor, por intermédio das articulações do joelho, tornozelos e do pé.

Golpe de Rim

Modalidades de Pesca

A partida do mergulhador embaixo d’água se inicia por um movimento, de inspirar, prender a respiração, dobre-se ao meio, em ângulo reto, abaixe bem a cabeça, jogue as pernas para cima na vertical, e deixe afundar suavemente, não comece a bater as pernas cedo demais, bata as pernas lentamente e compense quando necessário, durante a descida.

Compensar

Embaixo d’água , a pressão aumenta de uma atmosfera a cada dez metros( 1kg por centímetro quadrado). O mergulhador sente desde que desça vários metros embaixo d’água, uma leve dor no ouvido, causada pela pressão da d’água agindo sobre o tímpano. Ele deve então fazer passar o ar do ouvido médio, para equilibrar a pressão exterior.

Como se faz a compensação?

Apertando o nariz e expirando o ar com força.

EQUIPAMENTO DE CAÇA

Certo número de acessórios juntam-se as nadadeiras, mascara e o respirador.

Modalidades de Pesca

A Roupa

A Roupa de neoprene constitui um elemento imprescindível ao equipamento de um bom caçador submarino. Entre suas funções, podemos destacar as seguintes.

Nos protege das mudanças de temperatura e do frio; Nos protege de arranhões; Psicologicamente nos da segurança, convertendo-se em nossa segunda pele. É muito importante que a roupa esteja bem ajustada ao corpo do mergulhador mas não muito apertado. Uma roupa que aperta é muito incômodo produzindo fadiga e sensação de asfixia. Pelo outro lado, uma roupa muito folgada deixa correr água pelo seu interior e não cumpre sua função de nos proteger do frio.

A roupa está composta de varias peças:

Jaqueta: é aconselhável que seja sem zíper e que tenha capuz;
Botas:
devem ser colocadas pôr baixo das calças;
Luvas:
permitem maior segurança ao se tocar as coisas.

Cinto de Lastro

O cinto de lastro têm como função compensar a flutuabilidade da roupa, não de ajudar-nos a descer mais fundo e mais rápido. Isso significa que nunca por mais peso do que o necessário, à não ser que se esteja praticando caça de espera e a muito pouca profundidade. Deve-se levar em conta que todo o peso a mais que utilizamos para mergulhar também o teremos para subir e isso pode ser perigoso em determinados mergulhos.

A Faca

Modalidades de Pesca

A faca só deve ser utilizada como arma em último caso, geralmente sua função é a de uma ferramenta. Em qualquer momento podemos nos ver presos a uma corda, em uma rede abandonada no fundo, etc. Nesses casos, a faca pode nos salvar a vida. Ela deve estar sempre bem afiada, para poder cortar uma corda, com o mínimo de esforço. O lugar ideal para se prender a faca é a parte interna da perna.

Lanterna

A lanterna é um elemento muito útil quando há de se caçar em uma área rochosa, onde os peixes têm muitos recursos para fugir do cerco do mergulhador.

Bóia

A bóia é um requisito exigido pelas normas legais que regulamentam a atividade desportiva da caça submarina, não só em competições como em qualquer ocasião. O caráter imperativo do uso da bóia vê-se justificando pelo fato de que se constitui num elemento de segurança de primeira ordem. A bóia indica às embarcações a presença de mergulhadores em suas proximidades, por isso nunca se deve aventurar-se num mergulho sem levar a bóia regulamentar na superfície.

Armas

Arbalete – arma simples, pratica, potente, com elásticos simples ou duplos.Perfeita para o iniciante ou mesmo para o veterano na caça submarina.

Ar Comprimido – Em grande progresso, potente, facilmente manejável, robusta, boa para todo tipo de caça.

Modalidades de Pesca
Armas de Mergulho

Na Caçada

Regras: Ordem acima de tudo

A bordo, seja qual for o barco, um mandamento absoluto: ordem, arrume sua bolsa e seu equipamento com cuidado, para ter tudo a mão, sem incomodar os companheiros.

Nunca tenha armas carregadas a bordo. Você não prenderá os elásticos da sua arbalete nem carregará uma arma de ar comprimido, a não ser quando já estiver na água.

O correto seria hasterar a bandeira de mergulho Nos cursos de arrais(habilitação para navegar) não ensinam o que é uma bandeira de mergulho, portanto não confie nas embarcações, elas irão se afastar de sua bóia, talvéz, só pelo medo do cabo prender na sua hélice. Ela assinala aos que passeiam próximo a presença de mergulhadores, pouco visíveis no mar, sobretudo se há ondas.

Uma escada para volta a bordo será prevista para qualquer barco, grande ou pequeno.

Entrada n’água sempre com calma. Inútil saltar espetacularmente da borda do barco. Você deve entrar calmamente na água.

Antes, molhe o rosto e a nuca com água do mar, para “pegar a temperatura”: se se usa uma roupa isotérmica, não hesite em deixar escorrer um pouco d’água entre o corpo e a roupa para atenuar o choque do frio.

Subida a Bordo desarme o seu fusíl, é perigoso, mas frequente, encontrar-se a bordo, depois da caça, uma arma carregada, da qual o choque ou as trepidações devidas ao motor podem disparar o arpão. Peste atenção. Ao se desequipar, não espalhe o material por todo lado. Reuna-o num só lugar. Examine se a ponteira do arpão está bem aparafusada.

Técnicas de Caça e Tiro

Falamos aqui de caças porque é preciso distinguir vários gêneros, segundo as capacidades físicas de cada caçador(melhor ou pior) e em função da caça procurada(diferente conforme as águas, a profundidade, as estações).

Sobre o assunto, saiba que a teoria, necessária, não funciona sem a prática constante, que é o único caminho para progredir, da iniciação ao domínio do esporte.

Essa prática instrutiva não se adquire seriamente a não ser quando o iniciante caça em companhia de camaradas experientes, donde a utilidade dos clubes.

Se cada aquisição téorica lhe é útil, mais ainda o são as saídas com colegas tarimbados, dos quais você segue no mar a preparação, as evoluções, a ação, que lhe ensinarão astúcias e procedimentos.

Em ordem de dificuldades crescentes, a caça é feita:

Na margem
De vista ou mar aberto
Na toca
De espera

Na margem quer dizer, seguindo a costa bem de perto, visitando fissuras, escoramentos, cavidades, grupo de algas.

Encontros possíveis: Moréia, congro (sobretudo no Atlantico), polvo, lagosta(sobretudo nas vertentes batidas pelas ondas.

De vista ou mar aberto, passa-se naturalmente para este estágio quando, afastando-se da margem, se têm, para baixo, profundidades de 4 a 10 metros. Na medida em que aumenta a profundidade o campo de visão em superfície irá aumentando. Não se trata mais, então, de observar na vertical em direção ao fundo ou num curto raio, e sim de exercer uma vigilância global do espaço submarino, em torno de você, da superfície aos fundos, e tão longe quanto possível, adiante.

Pampos passeiam às vezes logo sob a superfície, badejos isolados vêm comer nas pedras. Fique em silêncio, respirando e batendo os pés.

Toca, a mais cansativa, pois é preciso mergulhar continuamente, evoluir no fundo e imobilizar-se, para que o olho se acostume com a obscuridade dos buracos. O peixe do buraco, o senhor das cavernas, é a Garoupa, chegou a hora de utilizar todos os seus recursos físicos, todo o seu conhecimento. Sem precipitação. A conquista de uma garoupa é um trabalho que requer grande fôlego, é o caso de dizê-lo. Mergulhe na vertical para permanecer fora do campo de visão, enquanto você marca a entrada do buraco.

De espera, os franceses são os especialistas nesta modalidade. Esse tipo de caça, demanda treinamento rigoroso. Trata-se, em resumo, de se imobilizar no fundo, para esperar aí a passagem ou a vinda do peixe escolhido. Donde o uso obrigatório de um cinto de chumbo mais pesado(imobilidade) e de uma roupa de neoprene(frio). A tocaia é utilizada em fundos não muito grandes, rochosos, num buraco, entre pedras, em destroços, nas embocaduras de rios.

Tiros: Exercite-se sobre uma prancheta, afundada por pedras.

Não se treina tiros num alvo. Para apreciar o alcance da sua arma, a potência comparada de um ou dois elásticos. Entretanto, o tiro permanece um ato reflexo, instintivo, que chegará a ser eficaz por força das tentativas. Posição de tiro, braço estendido, ligeiramente dobrado.

Modalidades de Pesca
Caça Submarina

Tipos de Caça

Caça em Toca

Ao se aproximar da toca, feche um pouco os olhos para se acostumar com a escuridão. Olhe bem o interior da toca e em cima. Balançar lentamente a cabeça pode ajudar a enxergar um peixe mimetizado.
Não deixe que nada provoque barulho, como por exemplo, a espingarda, a lanterna ou as nadadeiras encostarem na pedra.
Quando estamos explorando uma toca, é comum o peixe sair por outro buraco e ficar próximo ao caçador, observando o que está se passando na “sua casa”. Assim, antes de subir, olhe ao redor da pedra. Tente não entrar pelo meio da caverna pois o peixe pode ver o seu corpo inteiro e se assustar com o tamanho. A melhor opção é entrar pelos lados.
Faça uma espera na areia, em frente a toca, para atrair os peixes, antes de explorá-la.

Devem ser tomados alguns cuidados para este tipo de caça.

Caça ao Buraco

Ao contrário do que se possa pensar inicialmente, a caça nos buracos requer grande técnica. Cada buraco é uma nova situação e há que improvisar em inúmeros casos. Para um tipo de caça tão diverso, é difícil estabelecer regras, mesmo para caçadores mais experientes, cada um usa a sua técnica, podendo muitas delas ser contestadas entre si. Não existem portanto padrões definidos para capturar este ou aquele peixe dentro de concavidades.

Entre as diversas capturas que se podem realizar dentro de buracos, podemos distinguir dois tipos de peixes diferentes: aqueles que ocasionalmente estão em tocas e os que permanecem escondidos nelas.

Há muitos peixes residentes ou semi-residentes em determinados fundos e buracos.

Dentro de um vasto leque que podem ser capturados na caça submarina e dentro de tocas, encontram-se: os sargos, os robalos, os meros, os safios, as moréias, as abróteas e os bodeões. Além destes e com menos frequência, podem ainda ser encontradas as douradas e as tainhas.

A caça feita em buracos compreende dois métodos base: o primeiro não é mais do que inspecionar sistematicamente todos os buracos existentes no fundo, a fim de encontrar aqueles que estão habitados por peixes. Esta técnica é mais usual quando não há movimento no fundo de outros pequenos peixes, aqueles que dão indícios da presença de outros de maior porte.

O segundo método, muito instintivo, visa a visualização direta da presa ou do buraco bom, isto feito da superfície ou planando sobre o fundo.

A eficácia de cada um deles é notavelmente influenciada por uma série de fatores: tipo de fundo, profundidade, visibilidade, presença de outro caçador, estado do mar, etc. A descoberta de um determinado buraco, muitas vezes está associado ao movimento de pequenos peixes no fundo, junto à entrada da toca. No caso de sargos, robalos, douradas e tainhas, são exemplares mais pequenos e curiosos que entram e saem do seu local de abrigo. Este movimento que em alguns casos é um autêntico frenesi, é o melhor indicador de presença de boas tocas e de ótimos exemplares. Com o tempo e depois de bem observados estes locais, os fundos, as entradas dos buracos, etc. Podem dar informações preciosas para as situações em que não existe movimentação no fundo de qualquer espécie. Mas que, no entanto, podem estar em buracos. Caso depare com um cardume de peixes a entrar e sair de um determinado buraco, pode estar perante a uma situação tipo e que normalmente tem um procedimento metódico para resultar em pleno. Para rentabilizar o melhor possível a sua descoberta, nada melhor que iniciar a sua caçada aos peixes que nadam cá fora, fazendo pequenas esperas perto da entrada do buraco, ou na descida para o fundo. Além de não criar confusão dentro do esconderijo, os peixes que vêem o que se passa cá fora transmitem um certo receio aos que estão dentro das tocas. Evite, portanto, entrar diretamente para o buraco, quando existem ainda peixes de bom porte nas redondezas da toca. Após a captura de alguns exemplares fora do seu esconderijo, aí sim pode ir dar uma espreitadela ao que se passa lá dentro do buraco.

Há caçadores que só espreitam para dentro das concavidades pelos locais onde saem e entram peixes. É por essas mesmas portas que se deve disparar. Uma técnica muito usada, para tentar agüentar o mais possível um cardume de sargos dentro de uma toca, é colocar espingardas nas diversas portas do buraco. O peixe ao ver tais objetos mantém-se entocado. Claro que esta técnica nem sempre resulta, há dias e dias. Em muitos casos, após o primeiro disparo o peixe foge.

Outra técnica usada é a colocação de uma rede especial á porta do buraco. Esta rede não é mais do que um arpão de uma arma baby a servir de lastro e algumas bóias de pesca a fazerem a sua sustentação. Este princípio base pode ser mais trabalhado por cada caçador. Outro comportamento que o caçador deverá ter, perante um buraco recheado de peixe, é usar o menos possível a lanterna, mas disso já falarei mais à frente. Como nem todos os dias se vêem os pequenos peixes à entrada dos buracos para darem as indicações necessárias, há muitas situações em que a caça é realizada de uma maneira muito criteriosa. Isto é, as tocas a observar devem ser selecionadas, pela sua configuração, pela sua altura pelo tipo de fundo que os buracos têm, areia ou cascalho, etc.

Em muitos outros casos as capturas realizadas nas concavidades devem-se ao fato de se observar a entrada do peixe para dentro dos seus esconderijos. Nestas situações o silêncio é decisivo, uma aproximação barulhenta, um toque do arpão a entrada do buraco, um tubo rígido a raspar pelo teto, etc. pode facilmente assustar o peixe. Se estiver perante um buraco que apresente diversas entradas poderá realizar um ou dois mergulhos para ver qual o melhor local para disparar.

Qual a entrada que lhe permite melhor ângulo de tiro e de visão, assim como a que lhe facilita a sua entrada. Caso tenha grandes dificuldades em colocar a espingarda para dentro do buraco, podendo nesta situação provocar algum barulho, o melhor de fato é escolher a outra entrada. Se a água é limpa, não há corrente e o mar está calmo, a caça ao buraco não levanta grandes problemas. O pior é quando a água não é a melhor, a corrente tem força e o mar está agitado.

Nestes casos, não é nada difícil perder uma toca com peixe lá dentro. Para evitar estas situações pouco agradáveis, pode recorrer a diversas técnicas, todas com o mesmo fim, não perder o buraco de vista. A mais fácil e usual é andar com a bóia presa à cintura e a qualquer momento soltar a poita para o fundo, marcando a zona desejada.

Outra situação, é ter uma pequena bóia de cortiça com uma chumbada e fio de nylon no cinto, de maneira a ser solto assim que for necessário. Por último pode usar um carreto no braço e deixar a espingarda no fundo a marcar a entrada da toca. As espingardas a utilizar neste tipo de caça podem ser muito diversificadas.

As mais utilizadas em Portugal são as juniores (75 cm), as babys (55 cm) e/ou as standards (90 cm ). Isto não quer dizer que não se possa utilizar armas de luxo (100 cm ) ou, ainda maiores, em casos muito particulares. Como normalmente os tiros são curtos e as entradas dos buracos difíceis de passar armas grandes, o mais usual é caçar com juniores ou babys. Apesar de estas espingardas serem pequenas para tiros potentes, para um safio, ou um mero de grande porte. Para isso basta trocar os elásticos pelos mais adequados a estas situações, os de maior dureza ou os de diâmetro de 20mm. Como os tiros não são muitos longos a precisão do arpão pode ser substituída em favor da potência ou força que este pode levar. Outro fator importante para os que os tiros em buracos resultem em pleno prende-se com as barbelas usadas e a sua colocação no arpão.

Como muitos peixes que o caçador pretende capturar dentro dos buracos, estão mesmo encostados á pedra, um tiro efetuado na perpendicular à rocha pode resultar num peixe perdido. Isto, porque o arpão não teve espaço suficiente para atravessar o exemplar de maneira a abrir a barbela. Em muitos casos, o arpão sai com uma força tal, produzindo um impacto tão violento, que pode voltar para trás sem que o peixe seja capturado. Para evitar estas situações pouco agradáveis, o ideal é disparar um pouco de lado, a 45º da pedra ou mais, permitindo que o arpão possa ter espaço de atuação. Se pratica muito a caça aos buracos o ideal é preparar uma arma só para esse fim. Uma barbela curta, para que o arpão possa ter o seu ponto de atuação mais perto da ponta e que esta mesma barbela seja colocada bem perto da extremidade. Estes dois pequenos pormenores podem saldar-se em mais algumas capturas que eram antes quase impossíveis de realizar. Outro pormenor que deve ser alterado na arma de origem é o fio. Este deverá ser alterado para o fio de nylon monofilamento, ou para um fio bem mais grosso de nylon entrelaçado. É que os tiros em buracos têm alguns problemas bem específicos, um deles é o arpão ficar preso. Nestes casos, os fios devem ser resistentes para agüentarem as trações a que são sujeitos quando se pretendem recuperar as hastes. Outros dos problemas dos tiros em tocas prendem-se com a potência da arma e a distância a que se vai disparar.

O resultado final poderá ser: arpões tortos e a ponta numa bola. Qualquer destas das situações pode pôr em causa os seus próximos disparos tanto em precisão como em penetração. Um arpão pouco afiado e disparado a alguma distância, pode ser o suficiente para deixar um bom robalo na mesma, sem que este lhe tenha causado qualquer interferência, além de ser um ótimo causador de resvalos nos tiros dados de cima, de frente, ou ainda por trás.

Caça ao Buraco

Modalidades de Pesca

Caça ao buraco é a mais rica, variada, e uma das mais produtivas. Para o mergulhador e observador é a mais rendosa e talvez de fácil execução. Pratica-se a todas as profundidades, desde menos de um metro de água, até uma dada profundidade útil que varia com as capacidades do mergulhador em apneia. Sobretudo entender que a caça ao buraco é a primeira a ser limitada pela profundidade, tornando-se extremamente perigosa.

Numa perspectiva buraqueira, há quatro tipos de peixes:

Os que nunca entocam; poucos, como linguado e afins, barracudas, serras, salmonete e pouco mais por esses mares afora.
Os que vivem entocados, saindo eventualmente para caçar, e mesmo neste caso nem sempre, como as moreias e safio, abrótea, faneca e muitos peixes pequenos mas sem interesse de caça e que são fáceis de encontrar ao observador menos experiente.
Os que vivendo em água livre, podem procurar abrigo debaixo de pedras, furnas, etc, fazem-no para descansar e são quase todos: pargos, salemas, saimas, douradas, tainhas, robalos, badejo, anchova, lírios, enxarréus e até as corvinas, raias e cações!
Os que vivem perto do fundo e passam grandes períodos entocados, não só em descanso, mas sobretudo para se esconderem ou emboscarem: Mero, bodiões, sargo alcorraz e roçada, rascasso.

Na caça ao buraco a primeira coisa a fazer é não ignorar nenhuma pedra, nenhuma reentrância. Com o tempo se adivinham as pedras mais propícias, mas surgem buracos onde menos parece e são muitas vezes caixa de surpresas, sobretudo se o fundo é pobre ou muito caçado, pois o peixe também sabe e sente onde está mais vulnerável, escondendo-se às vezes em sítios onde não parece caber e até não oferecer proteção, mas discretos.

Basicamente temos cinco tipos de fundo com buracos:

O Lajão, pedra normalmente chata e lisa, aberta por baixo em grandes fendas, salões ou prateleiras, quase sempre em fundo arenoso.
O Laredo, pedra muito partida e amontoada, geralmente em volta de acidentes como peões, pontas e falésias. No labirinto que constituem há todo o tipo de buracos e espaços tão do agrado de muitos peixes.
Os Matacões, grandes pedras, normalmente isoladas no fundo e que podem ou não roçar a superfície. Neles se abrem túneis, falhas e buracos diversos.
As Furnas, autênticas grutas e cavernas, a descoberto ou submersas, que se abrem nas grandes massas, rochosas, como falésias ou pedras ilhadas.
As Fendas, são falhas verticais ou longitudinais, raramente oblíquas, estreitas, onde mal cabemos, que se abrem profundamente nas paredes rochosas das grandes massas. Existe um outro tipo de fendas que se abrem paralelas ao fundo e na vertical; não sendo as mais vulgares são normalmente interessantes como refúgio temporário de muitos peixes, sobretudo sargos, quando se sentem ameaçados.

Há ainda a considerar, fora destes buracos típicos, aqueles acidentes como as que são espaços abertos sob uma pedra, autêntico teto suportado por duas pedras, que oferecem abrigo ou posto de caça a muitos peixes como saimas, pargos e até meros. Também os destroços ou barcos afundados, mais ou menos partidos em peças como chapas, caldeiras, etc. São buracos e excelente refúgio para quase todos os peixes.

Os buracos são regularmente ocupados pelo peixe, portanto devem ser marcados e visitados sistematicamente, aprenderemos com a prática que há buracos de mero, robalos, sargos, safio, etc e os que são mistos; como há os de abrigo, repouso e caça. Convém marcá-los e identificar os ocupantes que podem até variar com a época do ano, maré e hora do dia, isto serão memórias de caçador! Os buracos descobrem-se da superfície ou fazendo meios mergulhos a estudar o fundo. Outro modo é observando o peixe que se movimenta e vai denunciá-los, ao vermos que desapareceram debaixo de alguma pedra, ou pelo o seu entrar e sair. Com alguma prática e poder de observação, acabaremos por desenvolver um sentido da pedra que intuitivamente nos conduzirá. A primeira coisa a fazer é, se o peixe está calmo e voga ao redor do buraco, fazer mergulhos em volta e cosendo-nos com o fundo ou atrás das pedras, esperar que passem ao nosso alcance ou mesmo venham observar, o peixe é curioso. O segundo passo, esgotado este recurso, é pormo-nos frente ao buraco, e afastados, esperar que o peixe assome à porta; outra forma é colocarmo-nos ao lado ou por cima da abertura e esperar que algum se mostre, ou arpoar os que tentem fugir, convidando-os a permanecer entocados. Em ambos os casos não fazer ruídos que perturbem o peixe dentro do buraco, cuidado com a poita por exemplo, como se deve imobilizar imediatamente o peixe arpoado, cujas vibrações vão alarmar os outros. Caçar em volta do buraco, o peixe que voga, vai obrigá-lo muitas vezes a entocar, como há quem aposte em fazer ruído à superfície, por exemplo descrevendo círculos com o barco, o que todavia me deixa dúvidas e não me parece ético. Observar o comportamento do peixe, entrando e saindo calmo do buraco, e se a cor é viva e brilhante ou sem nenhum sinal de avivamento ou mudanças, sinal este, de confiança. Vamos então, depois de tudo, caçar dentro do buraco.

Abordar o buraco de lado ou por cima, ficando de fora, e nunca de frente. Enfiar apenas a cabeça e a ponta da arma que acompanha esta, pronta a um tiro instintivo, meter o resto da arma depois de conhecermos o interior do buraco. Se a introdução da arma é difícil e ruidosa, podemos deixá-la posicionada, desde que tenhamos o buraco bem marcado, quer à vista (punho da arma muitas vezes é branco), ou com a bóia ou uma pequena rígida de emergência que usamos no cinto. Não usar ainda a lanterna. Pode, por exemplo, para se melhorar a habituação ao escuro, fechar um ou ambos os olhos durante a descida. O peixe pode estar à vista ou não, se estiver escondido pode trair-se pelo ruído – barbatanas que rufam, bater na pedra – pelo brilho, ou por levantar poalho (poeira muito fina que cobre muitas vezes o fundo). Se o peixe estiver amontoado, atirar aos das pontas e nunca ao molho. Se estiver algum perto de outra saída, atirar a esse preferencialmente. Se nadar no meio do buraco e houver fendas interiores, atirar primeiro ao que está fora e só depois ao das fendas. Observar se o peixe muda a cor para tons baços e escuros sinal de que está á defesa e tende a esconder-se no mais escuro e recôndito da toca. Só no fim de deve usar a lanterna e entrar no buraco para melhor o inspeccionar. Os que tiverem permanecido ou até os que não vimos, estão agora nos cantos mais escuros, estreitos e escondidos. Se vemos um amontoado de peixe e a situação é propícia, podemos tentar a sorte e fazer um tiro que arpoe vários, deixando-os sobreporem-se ou atirando à sorte, chamam-se duplas, triplas e por aí fora.

Há diversas tácticas: se o peixe joga às escondidas e há diversos esconderijos interiores, bater por fora ou iluminar uma zona e ir do outro lado tentar a sorte, esperando assim tocá-los a nosso gosto; meter um pé numa abertura e atirar por outra; colocar diversas armas ou objetos a impedir a saída e atirar à vez em cada abertura, enfim, nesta guerra vale tudo!

Há quem recomende vivamente o não esvaziar de um bom buraco deixando alguns peixes para que atraiam outros e se possa repetir a caçada. Todavia lembro que o peixe tem de fato memória e comportamento adquirido, sendo cada vez mais difícil mantê-lo entocado, sobretudo nos locais mais caçados, por ele acaba por fugir depois de arpoado e até por vezes antes de tal, apenas ao assomarmos o buraco. Assim, pergunto se não será melhor esvaziar a toca para que não havendo sobreviventes não haja aquisição de comportamento defensivo?

Parece-me radical, e também nada benéfico, pelo que sugiro que se mate o peixe entocado, deixando ficar o que se refugie nas fendas e locais e locais mais recônditos, criando-lhe uma ilusão de segurança que não o faça perder o sentido de se esconder em buracos e deste modo mantenha o comportamento e nós a possibilidade de continuar a caçar ao buraco. A posição de tiro nesta caça pode não ser a vulgar, ocorre frequentemente que o buraco é curto e também pela necessidade de enfiar a arma aos poucos, á medida que assomamos a cabeça, tenhamos que recuar muito o braço. Por isso é costume virar o punho ao contrário e apoiando os dedos na parte contrária deste, enfiar o polegar no espaço do gatilho, atirando assim, o que pede apenas alguma prática. Aliás na caça ao buraco usam-se todas as posições de tiro, variando dedos e mãos de acordo com a necessidade e capacidade de improvisação.

As armas devem Ter em conta o tipo de buracos, se são compridos e de fácil acesso (90 a 110 cm), se são curtos ou de difícil acesso (50 a 75 cm). Pessoalmente prefiro caçar com as armas ditas júnior de 75 cm, com arpão de 110 ou 115 cm e elásticos de latex virgem para os buracos compridos, permitindo tiros longos, progressivos e certeiros; ou a mesma arma com arpão de 90 a 110 cm e elásticos tipo dinamite (vermelhos ou pretos, rijos), prevendo tiros curtos e portanto necessitando de maior velocidade inicial.

No primeiro caso o nylon de pesca monofilamento por permitir velocidade, no segundo prefiro o clássico trançado e bem forte por:

A menor velocidade desde, num tiro curto, é irrelevante.
Permite melhor ponto de apoio para se puxar com as mãos.
Melhor de cortar, com a faca, se necessário.

Quando os tiros são quase encostados, para ser mais fácil e rápido sacar o peixe, evitando que este fuja, enrole tudo, espante os outros e nos faça perder tempo, deve encurtar-se o fio, puxando-o todo e dando um nó junto ao buraco da cabeça da arma, ficando só um comprimento. Isto com fio do de pesca é complicado!

Para grandes peças, entocadas ou em destroços, pode usar-se mesmo, cabo de aço inoxidável, muito maleável e resistente. Não esquecer que os contratempos maiores são exatamente o partir do fio por fricção, o peixe enrolar o fio dentro do buraco e, sobretudo ficar o arpão preso lá dentro.

Se lhe chegamos, ou podemos enfiar nele a arma, para com jeito e força, rodar e puxar… apesar de ser uma barbaridade para a arma… mas pode estar em local inacessível e termos de o abandonar, se não tivermos um saca-arpões, peça que recomendo vivamente como a um gancho-saca-peixes ou bicheiro (graveto nos açores), que pode poupar muitos esforços e arpões tortos nesta caça.

Depois há que ter em conta que se praticamente todos os peixes entocam, diverso é o seu comportamento, mas isso são contas de outro rosário, e ficará para outra ocasião!

Caça nas Algas

Tentaremos aqui revelar um pouco desse mundo e das regras deste jogo tão apaixonante que á a caça na alga. Referimo-nos à vulgar laminária, Saccorhiza polyschides, que é uma alga castanha, comum no atlântico. Vive na zona limite da maré alta, podendo ficara seco na vazante, e encontra-se até 24 metros. Fixa-se na pedra por um disco e daí parte um talo, longo, que se abre e divide depois em longas tiras de um palmo de largura, que podem ir até mais de 2 metros de comprimento, assemelhando-se uma mão de longos dedos, úmida, escorregadia e maleável.

Forma campos densos e por vezes extensos, chegando a plantar-se em seixos, cobrindo assim zonas de pedra ou de areia. Forma-se em zonas de corrente ou calma, disso dependendo da sua densidade e comprimento, sendo menos densas e mais curtas nas zonas de maior hidrodinamismo. Como é fotófita e sensível à limpidez da água. Surge na Primavera, cresce, forma-se para lá do Verão, e normalmente desaparece com as águas de Setembro; em zonas abrigadas da costa pode encontrar-se em quase todos os meses, sendo, embora, uma planta anual.

Do ponto de vista de caça, as que nos interessam particularmente, são as de fim de Primavera-Verão, quando estão pujantes e viçosas, bem fixas à pedra, designadamente: lajes corridas e com falhas horizontais, ou basalto escuro com falhas verticais, normalmente formando manchas, frente a praias largas e arenosas. Sem desprezar as manchas de alga nas zonas pedregosas, é sobretudo para ali que os peixes são atraídos e onde poderemos encontrar quantidade e qualidade.

A alga fornece-lhes nesta época, abrigo para o descanso: sentem-se tranqüilos nestes esconderijos sem precisarem de buracos escuros e, gozam as delícias do Sol em recato.

Também aí, se encontram mexilhões e um petisco muito apreciado: o caranguejo pilado, por vezes aos milhares, cobrindo os pés da laminária; em busca de refúgio … acabam por atrair robalos e douradas. Ainda nesta época, as águas estão mais quentes e calmas, portanto mais limpas, o que é tão interessante para os peixes que buscam repouso e abrigo, como para nós!

Estas zonas são facilmente identificáveis no período em que á alga, por ficarem vestígios, sobretudo, discos e pés de alga fixos a depressões do fundo.

Normalmente são fracos de peixe na época nua, mas convém tomar nota e visitá-las na época boa. Pelo que tenho observado, parece que o peixe procura aqui, fundamentalmente, abrigo e comida, o que é importante para determinar o seu comportamento e a forma de os localizar. A maré parece-me irrelevante, salvo se, deixar a alga a descoberto… direi que a melhor alga é a que, está sempre abaixo do nível mínimo da maré-baixa, ficando nos 2-3 metros, por vezes, na rebentação se o peixe anda a comer, ou em zona mais calma fora da rebentação, se repousa. Já a limpidez parece-me importante, pois o peixe com água limpa segura-se bem na alga, enquanto se a água estiver suja sente-se protegido e tende mais a sair para fora. Esta é, sem dúvida, uma caça de Verão, dias quentes, Sol, mar parado e água lusa. Sair da praia a preparar-se para uma caça preguiçosa e lenta, para percorrer o fundo, sem pressa, ao correr do tempo..

Encontram-se na alga os mais diversos peixes, são atraídos pelas mais diversas razões e até uns pelos outros. Os robalos são incontestavelmente os grandes freqüentadores, quer para descansar e apanhar sol, amolecidos pelas águas paradas e quentes, quer para caçar em emboscada. Seguem-se os sargos, também ao apelo da preguiça dos dias grandes de calmaria, e aí se sentem abrigados. A as douradas são outro freqüentador comum, dos três principais é o único que entoca, é menos freqüente, robalos e sargos fazerem-no nos campos de laminárias. Os badejos nadam por cima ou nos carreiros de massa de alga, tal como as tainhas que raramente penetram no seu interior, já as salemas evoluem junto aos pés, assim como os bodeões que parecem estar no seu quintal. Corvinas não são de admirar, espécimes isolados são muitas vezes encontrados, pousados na areia, nalgum carreiro, em total imobilidade. Os pargos são outro encontro de esperar, normalmente sob uma frondosa alga, camuflados com ela, com cuja cor se confundem, são muito difíceis de ver e normalmente damos por eles, quando se afastam lentamente, depois de arpoado um sargo ali mesmo ao lado ! As salemas, ou sargo-veado, são outro encontro habitual e quase certo, sobretudo na costa sudoeste, também parados, no meio da massa de alga, por vezes em pequenos cardumes de dois indivíduos grandes e quatro ou cinco pequenos e médios. Os cações, nos meses de Junho e Julho, volteiam nestas massas pelos carreiros de pedra ou areia, enquanto raias e ratões se enterram encostados a elas, do lado de fora. Podemos também contar com linguados e pregados , nos espaços de areia por entre as pedras e massa de alga, por vexes debaixo de uma fita de laminária, assim como pequenos cardumes de salmonetes !

É um mundo de duração limitada, que neste período se nos revela, com as suas regras que convém saber. Como já disse antes o peixe vem aos campos de laminárias basicamente para repousar, sentindo-se protegido, numa época em que tende a estar amolecido e menos ativo devido ao estado do mar, calmo e mais quente. Outros ali caçam, como parece ser o caso do robalo, dourada e pargo. Se notarmos que há pilado nos pés da alga, ou evoluírem pequenos cardumes de sardinha a rasar o topo da massa de alga; de notar ainda, a presença de bancos de mexilhões que atraem também polvos. Salemas e tainhas buscam alimentação nas algas e micro-organismos que se fixam nas grandes laminárias, bodeões e sargos alimentam-se de crustáceos, moluscos e vermes, bem como os salmonetes e linguados. Há uma transferência para estes locais que o caçador acompanha, devendo observar atentamente todas as indicações que lhe digam qual a postura do peixe, quais os espécimes, onde os encontrar e como atuar.

Fundamentalmente é: se a profundidade for pouca, nunca passar com o barco por cima do campo de caça, convém poitar por fora e aproximarmos a nado. Se a massa de alga é muito densa e fechada, será de menor interesse. Pode-se nadar e rasar o fundo, por debaixo da alga se houver espaço, ou, escondido nela só com a cabeça e a espingarda de fora e tentar atrair algum peixe maior que ande à caça, fora do campo da laminária. Este raciocínio é valido, para o caso de se ver peixe miúdo nadando a rasar a laminária e por fora desta. Se a alga é de densidade desejável, isto é, aquela que permite ver para dentro dela e evoluir pelo seu interior, então temos que estudar bem o caso e adotar a estratégia mais correta. Se se trata de manchas de alga a cobrir afloramentos de rocha, disseminadas pelo areal, em maior ou menor extensão, a melhor táctica é rodear cada mancha, sem entrar nela, por cima, começando por fora e descrevendo círculos ou cruzando-a conforme a sua importância. O primeiro objetivo será, localizar possíveis peixes grandes (robalos, alguma corvina ou pargo) que como já referi, estarão logo, na fronteira alga-areia (linguados e pargos), ou nos carreiros, abertos na massa de alga, pelos desníveis do fundo ou pela existência de línguas de areia que cruzam e intercalam a pedra. Nada-se sem ruído, lenta e compassivamente, deslizando, perscrutando o interior e ignorando os sargos, estes manter-se-ão por ali e são de menor importância.

O passo seguinte é, escolher de cima, os pontos propícios como, vales, carreiros ou clareiras e, escondendo-nos na alga ou acidente no fundo, fazer “agachon”, virados para a zona limpa, apontando para o centro da mancha: aí aguardar o possível aparecimento de um robalo. Esgotadas estas duas tácticas, vamos então procurar os sargos!

O melhor é começar por cima, sem os perseguir quando estão ainda na alga, deixando-os sentir-se seguros; quando deixarem de agüentar a nossa aproximação, vamos então entrar na alga e evoluir por entre ela, efetuando, ora uma aproximação, escondidos com os acidentes do fundo e as próprias algas, ora esperas.

Como devem ter presente o “agachon” faz-se para os peixes que andam a alimentar-se, isto é, em atividade, enquanto que a aproximação, seja por fora ou por dentro da alga, é para o peixe estático. Se não adivinharmos movimento, nem detectarmos nenhum tipo de alimentação, praticamos esta última, se, pelo contrário há movimento, pequenos peixes, mexilhão, pilado e, estamos por exemplo, em zona de ressaca ou corrente, então o “agachon”, entremeado de pequenas deslocações pelo fundo, para posicionamento e localização, impõe-se de imediato. Quando estamos em presença de um maciço de algas muito extenso e ininterrupto, vulgarmente cobrindo rocha, e aqui sim, com a ocorrência de falhas e buracos, deveremos optar uma táctica polivalente , que nos permita averiguar o que andará o peixe a fazer. Convém notar, que as horas se Sol alto, os robalos parecem gozá-lo, nadando logo por baixo da camada de algas, em movimentos lentos como que em passeio.

Os sargos estarão estáticos em pequenos cardumes, também aflorando o topo do campo de laminárias: poderemos localizá-los sobrenadando o campo.

De igual modo ao cair de noite, virão em busca de guarita , ficam mansos e estáticos, exigem golpe de vista atento e experiente, ou sorte, quando algum ligeiro do mar e alga os descobrem na sua imobilidade. Fora destas duas ocasiões, o ideal é cruzar o campo de caça, buscando por cima o peixe parado, se a visibilidade o permite. Se percebermos que está em movimento, vamos entrar na alga a tentar atraí-lo com “agachons” nos sítios propícios e alternar com a evolução pelo meio da alga e fundo, tentando a aproximação sempre que a densidade e visibilidade o permitam. Na alga densa, o peixe está menos em movimento, tendendo a deslocar-se por ela se perseguido ou inseguro. Obviamente que a deslocação do caçador se faz na zona mais aberta da alga que é junto ao pé, ou, no caso do talo ser curto ou se a densidade for maior, pelos vales e carreiros já descritos. Julgo que as horas da manhã até ao meio-dia, são as melhores para encontrar pargos e corvinas. Localizada alguma toca ou falha, podendo perceber, ou não, se está ocupada, convém marcar bem o local. Devemos dar uma volta em redor, para caçar o peixe que ande por fora, e, tentar entocar algum, para depois irmos então caçá-lo aí. Normalmente, os buracos estarão vazios, denso só ocupados depois de caçarmos, exceto, no caso das douradas que, todavia também se encontram abrigadas da alga, e dos pargos que gostam especialmente de falhas verticais. As salemas, tirando partido das riscas verticais e da cor que as mimetizam perfeitamente n4este meio, gostam do mais cerrado, mas estão muitas vezes à sombra de uma solapa ou pedra especada entre duas, sempre com amplitude, como quem está debaixo da ponte. Se camufladas na densidão são mesmo difíceis de ver.

Resta dar alguns conselhos sobre o equipamento a usar: as armas devem ser preparadas para tiros curtos, que requerem força imediata e velocidade inicial: aconselho os elásticos rijos, tipo dinamite ou os megaton. O tamanho mais conveniente será o das “júnior” ou “standard”, com tubo de 70 a 90 cm, e arpão não superior a 1,20 m, para melhorar maneabilidade. Para os tiros dados por cima, ou para os sargos, uso muito o pentadente. Geralmente pode usar-se o tridente, sendo o arpão taitiano também eficaz, com a vantagem de segurar melhor a tal corvina !

A faca deve colocar-se no interior da perna para não empeçar na alga. Como o uso de bóia é problemático, aconselho para as aflições, uma pequena bóia feita com flutuadores de esferovite, redondos, ou com duas pequenas bóias de rede ou aparelho, unidas com araldite e uma caneta ou tubo plástico, rígido, de pequeno diâmetro e uns 10 cm de comprido, onde enrolaremos uns metros de fio fino, de pesca, e uma chumbada de 100 ou 150 gr. Entala-se no casaco ou cinto se necessário solta-se e desenrola-se de imediato, sozinha, temos assim a localização de emergência!

O tubo respirador deve ser anatômico, dos que envolvem a cabeça e se fixam à máscara na nuca. A lanterna deve ser colocada atravessada na rabeira do fato, pela frente, estando segura e à mão, sem empeçar a nossa progressão discreta pelo meio da alga. A máscara inteira, denominada na gíria de “aquário”, de grande visibilidade e dada a pouca profundidade em que se efetua esta caça, é a mais adequada. Se o fato se confundir com a alga, melhor. Aconselho camuflados, verde amarelo, ou caqui.

As barbatanas muito longas, rígidas e de cores vivas são de evitar por dificultarem os movimentos e espantarem o peixe.

Caça na Praia

De entre as muitas formas que há de caçar, complementando as memoráveis jornadas, por mares dos Açores ou Moçambique, não deixarei, muito justamente, de lembrar as nossas caçadas que se aparentemente menos ambiciosas, não deixarão por outras razões de ser também memoráveis. A modesta saída da praia, pode constituir uma solução ótima e até revelar-se magnífica…Tentarei aqui dar algumas pistas.

Uma expedição destas começa de forma bem simples, com um mapa que nos informe e localize as praias: quanto mais afastadas e desertas melhor. Em qualquer mapa é possível ver se há peões, pontas, se a costa é rochosa e obter outras informações. Depois uma jornada no Portugal-fora-de-estrada, vamos no local procurar o que nos interessa, estudando a costa, pontos de interesse e acessos.

Como já sabemos a costa dá-nos uma idéia dos fundos e estes, uma previsão do peixe que podemos encontrar. Falésias com grandes blocos e amontoados de pedra partida, com reentrâncias, pontas e escolhos, tão comuns na nossa costa são o terreno de caça ideal, onde muitas vezes se localizam pequenas praias, atenção à maré! Praias extensas de areal nu, são suspeitas. Se houver falésia ou dunas podemos identificar a existência de manchas de pedra ou algas, sendo estas arrojadas à praia.

Se não houver indícios ou meios de os verificar, o simples exame da zona de rebentação nos dará informações: Conchas de mexilhão é bom; amêijoas; berbigão; cadelinhas e outros bivalves do tipo; é mau. Ouriços e laminarias, são indício seguro de pedra. As vinagreiras com reservas, sozinhas, nada, juntas a outros, bom. Molhos de possidónios e zoostera, algas curtas e verdes, são mau indício. Quero com isto dizer, mau indício de inexistência de pedra ou está a ser muito rasa e dispersa, mas, há que contar com raias, cações e até corvinas, nas épocas próprias de início e fim de Verão, respectivamente; chocos; linguados e outros peixes chatos; polvos; os próprios bivalves que tanto atraem estes; santolas na areia e mesmo robalos.

Caso haja, na própria praia, aflorações de rochas, importantes com falhas e outros acidentes, vamos encontrá-las na água como na praia e aí achar os peixes de areia e de rocha: sargos, robalos e todo o nosso plantel habitual. Se as aflorações forem como folhas na vertical, de pedra escura e dura, partindo-se em finas placas, o fundo será mais fraco. Se forem como que grandes mesas de pedra mais mole e amarelada, haverá fortes probabilidades de as irmos encontrar sob a água, aquilo a que chamamos “lajões”, que são estas rochas, semeadas na areia de forma solta ou em formações, mas a água cavou-lhe por baixo, enormes fendas e salões que são o paraíso para os peixes como sargos, robalos, safios, douradas, etc. Identificado o local e os pontos de interesse, convém estudar os pontos de entrada e saída, depois com mais ou menos escaladas e penar por areias, vamos à ação!

É uma técnica de caça que deve ser entendida como de busca, pois sendo a deslocação feita à barbatana, temos por um lado menos terreno para bater mas por outro lado, todo o interesse em fazê-lo metódica e exaustivamente, espreitando todos os buraquinhos, fazendo “agachons” em todo o relevo, não deixando de explorar todas as hipóteses; como a caça é uma atividade de insistência, em que esta torna a mestra, teremos os frutos de acordo com toda a preparação e empenho.

Depois de identificadas as dificuldades, como corrente e rebentação que marcarão o sentido de deslocação e regresso, caçaremos em ziguezague, cruzando todo o campo de caça. O equipamento não deve ser descurado, pois ele dependerá em boa parte o sucesso.

Temos de o limitar por razões de esforço mas deveremos prever algumas situações: a bóia é indispensável para sinalização e agora como ponto de apoio e transporte de material e presas. Um saco de rede para marisco – lavagantes, navalheiras, santolas e bivalves são de esperar. Duas armas são de aconselhar, uma “júnior” para buracos e alga e conforme a previsão, uma “luxo” para água livre mas que pode ainda servir para grandes lajões, ou uma “standard” menos especializada mas que dá para tudo. As duas armas não só permitem uma caça especializada como ainda dobrar um grande safio ou se substituem por alguma avaria ou perda de arpão. Prefiro a combinação “luxo-júnior”, mas se vemos que o fundo é predominantemente constituído por pedra partida e a caça no buraco de prever, a “standard” será de preferir à de “luxo”. Na bóia colocar ainda um enfião para comodidade óbvia, e por via das dúvidas uma lanterna.

O restante equipamento será o normal, mas mesmo que a água esteja fria não aconselho nesta caça fato muito espesso nem colete, que obriga a mais lastro, o que se torna pesado e cansativo e ainda porque vamos nadar bastante o que provoca calor e é desconfortável. Nestas jornadas a presença de um companheiro é particularmente interessante e podem os dois usar uma só bóia, transportando tudo e puxada à vez.

Convém neste caso combinar bem a estratégia e o caminho a seguir, sem esquecer que quem leva a bóia marca o ritmo e o caminho.

Caça à Índio

Outra técnica de caça, misturando às já antes descritas, e muito utilizada, é a chamada “à índio”, pressupondo uma analogia com as técnicas terrestres de caça de aproximação muito praticadas por caçadores usando, como o caçador submarino, as suas capacidades e armas menos sofisticadas.

Esta técnica acaba por ser muitíssimo complexa e exigir do caçador, bons conhecimentos dos locais, fundo em geral e hábitos e comportamentos dos peixes, assim como bons dotes físicos e sobretudo apnéia: trata-se de evoluir pelo fundo, colado a ele, como que rastejando, sem alertar o peixe. Esta técnica é uma das minhas favoritas, quase que diria, que é como caçar de salto, executa-se com quase todo o tipo de condições e profundidade, desde que, conhecedores do fundo e hábitos do peixe, possamos prever onde este está.. O tipo de fundo ideal, independentemente da profundidade é o que seja acidentado, com vales, pedras amontoadas e todo o tipo de obstáculos que nos possam ajudar a progredir escondendo-nos ou pelo menos disfarçando-nos. O caçador mergulha antes do local onde adivinhe ou tenha visto o peixe, que se abrigue, repouse ou alimente, e desliza rente ao fundo nessa direção, de forma lenta e silenciosa para não alertar as suas presas, disfarçando com a lentidão e ritmo as suas reais intenções. É muito costume nem sequer nadar, deixando as barbatanas imóveis e estendidas para trás, impulsionamo-nos com a mão livre, mantendo o braço armado estendido mas rente ao fundo e disfarçando o tal efeito de espadarte de que já falei. Esta progressão faz-se sempre cosido com o fundo, escolhendo os obstáculos naturais, como sejam, depressões, vales, lombas, pedras, algas, que nos escondam.

Fazem-se pequenas paragens e curtas esperas, passa-se por debaixo de pedras furadas, sempre atento ao avisar de um peixe que surpreendemos em descanso, outro atraído pelo movimento que sentiu, outros ainda, distraídos a mariscar. Como se entende adivinham-se apnéias muito longas.

Em zonas conhecidas é fácil referenciarmos o peixe, em zonas novas teremos de Ter a sensibilidade para adivinhar, através do conhecimento de fundo e hábitos do peixe, a sua presença e as querenças. Na maré cheia e onde haja rebentação espraiada em baías, escolhos e outros acidentes sobretudo com pedra e comida, é uma técnica excelente para surpreender os mariscadores, douradas e sargos, como os caçadores robalos e anchovas ou as salemas e tainhas pastando o limo.

Na maré vazia iremos para fora, voltear o fundo, contornado peões e vales, surpreendendo e atraindo bodeões, robalos, sargos e badejos. Podemos facilmente combinar esta técnica com a calça ao buraco ou à espera, sendo uma excelente forma de conhecer e investigar o fundo, ajudando a localizar os bons postos ou buracos.

Se a água estiver suja é mesmo a técnica mais aconselhável e na minha opinião a mais rendosa, entremeando-a com esperas. O peixe pode ser detectado à vista e aproximado pelo fundo, de forma muito subtil se este for propício, com mais certeza do que da superfície e em queda vertical. Também podemos aproximarmo-nos desta forma, de um local para o emboscar na sua passagem, o que, para os pargos, por exemplo, é muito eficaz. Ainda desde modo podemos fazer da sua toca os bodeões e outros peixes territoriais como meros e garoupas, ou atrair a atenção dos caçadores robalos, anchovas, corvinas…

Nesta técnica o material não precisa de grande especialização, todavia aconselho um lastro que nos mantenha no fundo, luvas, uma máscara dessas tipo “aquário” de incomparável panorâmica e uma arma “standard” ou “luxo” consoante a limpidez da água seja maior ou menor aberta. No primeiro caso o tridente ou pentadente são de preferir.

Caça à Espera

Se a caça no buraco é uma forma imediata de caçar, em que os progressos serão rápidos, a caça à espera, pelo contrário, leva mais tempo a aperfeiçoar até porque, exige mais conhecimentos do fundo e dos peixes. Trata-se de esperar que o peixe nos passe a tiro, atraindo-o emboscando-o, o que desde já, deixa entrever da dificuldade da empresa!

Todos vimos já que o peixe freqüenta certos locais ou passa por determinados sítios: quando mergulhamos eles desaparecem e deixam-nos, caçador ou observador, no fundo, a olhar para um deserto depois, viramo-nos para subir e vemos que esteve um peixe ou mesmo um cardume atrás de uma pedra, nas nossas costas, a observar-nos! Se os atraímos sem querer, porque não fazê-lo intencionalmente?

A primeira grande premissa é o perfeito domínio do gesto, ou seja, uma irrepreensível técnica de mergulho que nos permita movimentar como peixe na água, dominando o equipamento e a nós próprios naquilo que designamos por aquaticidade e que é só possível a mergulhadores treinados e experientes: sobriedade de movimentos e ruídos ao mínimo, o peixe deve ser atraído pelo invulgar do nosso volume e forma, não espantado por um comportamento que além de invulgar será alarmante. Lembremos que o peixe tem padrões de comportamento tão mais rígidos quanto mais simples ele é, o que quer dizer que serão sempre os mesmos e que convém observar e reter.

Para isto concorre ainda, um equipamento discreto na cor que, como já disse, é um fator de aviso importante: fato e demais componentes de cor discreta e tanto quanto possível mimética ajudando o caçador a ser menos visível, o que estimula a curiosidade do peixe.

O segundo ponto é o local e a sua escolha. Consoante o tipo de peixe e de fundo assim vamos agir, é necessário observar o que é que o peixe anda a fazer, se voga, se se alimenta e neste caso se caça ou marisca. Logo daqui se depreende a dificuldade desta técnica que abriga a um bom conhecimento do local ou, pelo menos, dos movimentos do peixe com a maré e hábitos alimentares ou defesas. O peixe que voga, na época da reprodução, anda alheio e é de simples aproximação mas, menos de atrair. Se voga entre marés esperando a hora de comer ou em busca de refúgio pode ser atraído explorando-lhe a curiosidade ou cortando-lhe o caminho, uma vez descoberta a sua querença que é o caminho que habitualmente torna em busca de refúgio ou no seu deambular, uma rápida observação do sentido em que se desloca, para onde foge e de onde vem, impõe-se. Depois, é eleger um ponto de espera discreto e escondido, virado no tal sentido a aguardar! Inclusive, há que considerar as situações em que o peixe não se vê mas “anda por ali” e, o caçador sente-o. Sensação esta que não sou capaz de a explicar e, se calhar, ninguém o consegue, salvo a reconhecer das condições ideais de comida, abrigo e fundo, em geral, favoráveis que o caçador, inconscientemente, reconhece. Quando se alimenta, e sabemos que o faz preferencialmente na maré cheia, depende se marisca, isto é se se alimenta de organismos nas rochas / fundo ou se caça de emboscada ou ativamente. Aqui, o conhecimento intrínseco de cada espécie e local, é preponderante e apanágio de caçadores com experiência.

O peixe mariscador é o mais difícil de atrair. O ideal, será perceber qual o sentido da sua deslocação e escondermo-nos perto dos locais onde está a comida, esperando-o aí ou na aproximação da comedoria. O peixe será mais atraído pela nossa presença, vindo ele investigar um sempre possível competidor ou fonte de alimento. Se é caçador ativo como o robalo será a presa clássica desta técnica, se é caçador de emboscada, como o mero será mais difícil mas ainda vulnerável, pois estes são por norma muito mais territoriais.

Uma boa espera, tanto mais proveitosa quanto experiência e domínio da técnica, como material adequado, começa pela escolha do local: Pode fazer-se a espera deitado na areia, simplesmente, mas os locais mais produtivos são os fundos rochosos, acidentados, e que permitam, simultaneamente, ao peixe evoluir escondido, portanto mais confiante, e ao caçador emboscar-se sendo este sentido por aquele mas não visionado e portanto suscitando curiosidade.

A espera faz-se em termos gerais: sabendo que peixe esperamos, usando alguma técnica ou cuidado especial, ou generalizando se for o contrário, sabendo se o peixe voga, está abrigado ou se se alimenta, o peixe voga se o mar está agitado ou em época de reprodução, ou alimenta-se em cardume e plena água.

Ainda entre marés sobretudo na vazante, quando o peixe de água livre ganha o largo e o da pedra tende a entocar. Estará em estado de se abrigar se, a maré for baixa, e, atenção à presença de grandes ou “superpredadores”, falo de robalos, anchovas, carangídeos, meros, corvinas, tubarões e até roazes, que fazem também entocar peixe. A profundidade influi no comportamento do peixe. Devemos virar as costas à corrente, o peixe tende a nadar contra ela, que lhe trás alimento e foge a favor o que o ajuda a escapar, portanto devemos tê-la “na cara”.

Se houver uma massa rochosa importante ou algum acidente no fundo, colocamo-nos virados para fora deste. Se houver reentrâncias, falhas ou pedras isoladas, serão ótimos pontos para nos emboscarmos, inclusive debaixo das pedras. Tanto os altos como os baixos fundos são elegíveis, aqueles atingem-se mergulhando na vertical, escolhendo-os da superfície e através de meios mergulhos de verificação; estes mergulhando antes e deslocando-nos pelo fundo até eles, pois de outra forma o possível espadanar e agitação do “pato” será um fator de perturbação.

As esquinas ou virar de pontas ou pedras submersas são outros excelentes pontos de espera: aqui especificamente se farão esperas, com o corpo meio erguido, virados para o azul, esperando o aproximar do peixe que por ali vogue, ou nos emboscaremos atrás da esquina, surpreendendo os peixes que não nos vêem. No posto de espera a imobilidade deve ser absoluta, bem como o silêncio, tudo começa à superfície; aproximação deve ser feita na maior descrição, a natação silenciosa, o pato perfeito. Nesta altura a água que entra no tubo e borbulha pode ser evitada, tirando o tubo da boca, ou mais fácil e prático, apenas abrindo-a sem largar o tubo, que se enche de água sem ruído nem bolhas.

Podemos optar por nos dirigirmos para o posto mergulhando na vertical ou melhor, mergulhando uns metros antes e nadando pelo fundo, sempre discretos. O braço flexionado, não agressivamente esticado com a arma em riste.

Aliás, a arma e o seu empunhar são muito importantes: a espingarda nesta técnica deve ser entendida como fundamental, sobretudo porque o peixe dela desconfia. É agressiva e denunciadora, como tal deve ser disfarçada.

Primeiro encostá-la ao corpo a não a separar deste, evitando ser como o rosto de um espadarte, depois encostá-la ao relevo como se fosse parte do fundo ou um seu acidente, é essencial imobilidade absoluta: os peixes decoram os acidentes “arbalete” tem de estar imóvel. Posso arriscar a informação de que se o peixe exige imobilidade na aproximação, ao entrar, tolera um pequeno movimento, a ajustar a pontaria, quando se afasta. Aliás o tiro é fundamental na caça à espera, ao contrário do geral em que se faz de instinto, este é quase sempre apontando, pedindo calma e pontaria. Como se faz? Pois, traçando uma linha imaginária ponta-do-arpão-peixe. Se percebermos que apontamos o dedo de uma forma absolutamente natural, e, que a espingarda é o prolongamento sete, os tiros serão óbvios. Aliás o tiro aqui é sempre apontado, pois o peixe deixa escolher e para que não se espantem os outros convém segurá-lo bem, senão, matá-lo logo. O tiro mortal é na cabeça, atrás do olho ou por cima da barbatana peitoral, na linha que acompanha a “espinha”. Se pudermos esconder a máscara e olhos, melhor, há quem diga que os nos traem ou que o espelhar do vidro da máscara espanta o peixe, o certo é que algo há que por vezes dificulta a aproximação, na falta de vidro anti-reflexo, a mão a tapar a máscara é clássico. As barbatanas leves e que se levantam ou agitam com a força do mar são outro empecilho, pelo que é vantajoso usar pesos nos tornozelos nesta caça específica.

O lastro deve ser, no geral, superior ao usual, pois esta caça exigindo imobilidade é praticada normalmente a profundidades médias ou baixas e em zonas de movimento de água, convém estar pesado, e ainda, porque o fato deve ser mais espesso ou usar-se um colete. Sendo uma caça de espera em que a imobilidade é fundamental, o frio é de esperar e que, para além do desconforto, diminui a apnéia, que em termos físicos é quesito fundamental que é de prever. Esta técnica pede prolongadas permanências no fundo, imóvel, à espera que o peixe passe a tiro!

A caça de espera pode realizar-se com maior proveito em condições de visibilidade fraca, pois o peixe tem de aproximar-se para ver; se a água estiver mais limpa, entra menos pois pode-nos estudar a maior distância, o que quer dizer: quanto mais limpa a água, mais e melhor, teremos de nos esconder. A finalizar, ainda, uma palavra para a arma, que deve ser preparada para tiros compridos e certeiros. Preferindo eu as de luxo ou super-luxo, com elásticos macios e progressivos, que provocam, menos desvios na pontaria e transmitem ao arpão maior energia de modo a ir mais longe. Este deve ser longo e leve, para tirar partido dos elásticos, em que a velocidade inicial é melhor e o comprimento influi na precisão na razão direta, além de diminuir a distância ao peixe.

Se em local mais agitado, uma standard serve, sempre com a condição de ter elásticos progressivos e arpão longo.

O arpão de 6mm deve ter a seguinte correspondência ao tubo:

Arma Super Luxo – (Arpão 6,5 mm por causa do varejar) – Tubo 1,20 m e arpão 1,70 m
Arma Luxo –
Tubo 1,0 m e arpão 1,50 m
Arma Standard –
Tubo 0,90 m e arpão 1,40 m ou 1,30 m

O carreto, é nesta circunstância de grande valia, caçando fundo ou a peixe de maior porte, enquanto que um fio ou mangueira atrás de nós é francamente de evitar.

Para mim os grandes peixes de caça de espera ou “agachon” são:

O Robalo – Caçador de água livre, a atrair com uma espera franca na espuma e água agitada, mesmo com meio metro de água, onde maior for o reboliço.
A Dourada –
Nos bancos de mexilhão e outras comidas, em falésias e, em geral, vogando entre pedra e mar aberto.
O Pargo –
Caçando perto de terra, um eterno desafio, normalmente fundo em grandes lajões ou calhaus, a pedir um mimetismo e imobilidade absolutos.
O Lírio –
Vogando ou caçando, de formas nobre e como tal previsível, atraído pela sua nobreza , a indagar da nossa presença. Entra bem se nos destacarmos um pouco da pedra, soerguendo meio corpo.
Anchova –
Voraz caçador, difícil, mas presa fácil da sua agressividade, sobretudo se nos escondermos totalmente e com algum cardume de peixe miúdo à volta.
O Enxaréu –
que entra a um “agachon” perfeito de imobilidade.
As Salemas e Badejos –
Numa perspectiva mais modesta são-no ainda como os sargos sobretudo se em cardume, quando se alimentam junto ao fundo ou na sua passagem.
As tainhas –
Quando andam “amajoadas” isto é, em cardume, são particularmente atraídas e, afinal, todo e qualquer peixe, pois se até um tubarão capturamos ao “agachon”!

Afinal, a caça é exatamente isto: emboscar e esperar a presa! Existe algo de novo aqui, debaixo do sol?

Caça à Boleia

No meio da caça submarina Rolando Oliveira é conhecido como inventor, adaptador e fabricante de novos utensílios para otimizar a prática da modalidade. Desta vez fomos como usa e como adaptou uma “scooter” de superfície para a caça submarina.

Durante a viagem até ao local de ensaio, inevitavelmente fui “disparando” inúmeras perguntas ao caçador setubalense sobre este veículo aquático. Quais as capacidades desta máquina, as suas limitações e as performances mais fantásticas.

Em primeiro lugar, e para compreender melhor até onde pode ir com esta alternativa, apresento as características desta “scooter” aquática: peso – cerca de 4 kg, depósito de combustível – 2 litros, autonomia – 2,5/3 horas, potência – 2 cv, alimentação – mistura (super + óleo), velocidade – 2-3 nós. Se já memorizou as capacidades desta máquina, poderá rapidamente compreender que este veículo se transporta por cima das pedras sem grandes dificuldades, ou ao longo de uma praia. Com este aparelho pode ir ao longo da costa, sem nadar, quer isto dizer, sem se cansar, observando o fundo e caçando ao mesmo tempo. Se o local apresentar alguma corrente, com este sistema esse problema, que o poderia limitar nas suas deslocações, deixou de ser uma preocupação. Segundo Rolando Oliveira, quando se caça em zonas de corrente, o ideal é viajar sempre contra a força da água, caso a “scooter” falhe, tem sempre a possibilidade de voltar para trás com a ajuda da corrente. Esta “mota” de água que não é tão silenciosa como se poderia pensar à primeira vista, tem ainda, a vantagem de servir de ótimo utensílio para entocar sargos. Salvaguardando que só em casos muito concretos e apenas quando se sabe o que se está a fazer, esta situação poderá acontecer.

“Em zonas de baixa profundidade em que é impossível, ou difícil ir com barco, e se algum cardume de sargos andar por perto e com predisposição para entocar, a “scooter” poderá ser extremamente útil”, continua “como esta máquina é barulhenta, em vez de andarmos nós a fazer barulho, a gesticular e a dar tiros para entocar o peixe, podemos, da superfície, controlar a situação fazendo alguns círculos em volta da zona pretendida”. Na parte dianteira foi colocado um carreto, além de várias dezenas de metros, possui numa das extremidades um pequeno ancorete. Na parte posterior da “scooter” foi colocado um cabo com um destorcedor que irá servir de ligação a uma bóia. O cabo tem cerca de 2 metros e termina com uma bóia tipo defensa. Na extremidade e através de um mosquetão, é colocado um enfião porta peixe. Esta bóia, além de servir como mais um ponto de sinalização, é um ótimo apoio para fazer reboques. “Nos Açores já vieram mais dois caçadores a reboque eu m enfião com cerca de 70 quilos de peixe” conta-nos Rolando Oliveira, mais uma vez, ficando demonstradas as capacidades do seu aparelho. “Quando vou para os Açores levo a “scooter” sempre comigo. Alugo um carro e todos os dias entro em locais diferentes. Vou contra a corrente e venho a favor da mesma. Como as águas são limpas este veículo não podia ser melhor”. Para evitar a entrada de água na zona de alimentação do ar, Rolando Oliveira adaptou ainda um tubo, tipo traquéia, na extremidade do “snorkel”. Este tubo de respiração pode servir ainda como local de apoio às bandeiras de sinalização de mergulhador.

Num dia de caça normal este meios de transporte serve perfeitamente para dois caçadores. Se por qualquer motivo, intencional, ou não, largar a “scooter”, mesmo que esta se encontre a trabalhar, passa automaticamente para a sua velocidade mais baixa e começa a descrever um circulo com um diâmetro de 20 metros aproximadamente. Isto acontece devido à configuração de posicionamento da hélice. Mesmo para quem tem barco, esta máquina pode revelar-se bastante útil. “Por vezes, vou às santolas para a as zonas de areia e alguma corrente. Até à área pretendida vou de barco, depois salto para a água e reboco o semi-rígido com a “scooter”, ao mesmo tempo vou vislumbrando as santolas no fundo”. Outros caçadores rebocam pranchas, algumas de fabrico próprio, outras comercializadas em diversas lojas do nosso país. Além de facilitar um dia de “caça a partir da pedra” esta “scooter” já foi utilizada em competições internacionais.

No mundial de Palma de Maiorca as equipas de França e Itália serviram-se de “motas” como esta para realizarem os seus trabalhos de prospecção em fundos de baixa profundidade. Atenção que esta “scooter” é de superfície, existem outras máquinas que fazem trabalho semelhante mas que têm, no entanto, as suas desvantagens, como por exemplo, autonomia muito mais reduzida. Por outro lado, têm duas características muito boas, como sejam o poder de submergir até profundidades consideráveis e serem silenciosas. No mercado nacional existem diversas marcas de “scooters” submarinas.

Folha Morta

Muitas vezes, no meio da descida, o caçador visualiza o peixe no fundo do mar. A partir deste momento ele deve começar a bater os pés de forma mais lenta possível, com o mínimo de barulho e movimentos.

Quando chegar abaixo da barreira dos 10 metros e a flutuabilidade negativa começar e empurrá-lo para o fundo, ele para totalmente os movimentos (economizando energia e não espantando o peixe) e deixa seu corpo “cair” em direção ao peixe, como se fosse uma “folha morta”.

Caças Esportivas

Estes são considerados os mais esportivos:

Badejo: Os Badejos formam uma família – SERRANÍDEOS – muito bem situada na caça submarina, apresentando várias espécies, cada uma com pequenas diferenças, de carne saborosa, o badejo é encontrado em fundos de pedra e areia e pode estar a meia água ou bastante profundos.
Bijupirá:
Bijupirá têm o hábito de ficar por baixo das simpáticas jamantas. Cujo nome científico é Rachycentron canadus. Pode medir cerca de dois metros e seu peso ultrapassa 40 Kg. Arpoar um bijupirá e difícil para o iniciante e, se o tiro não for bem colocado, o material corre sério risco.
Caranha:
Com dentes poderosos, e atinge porte considerável, com um corpo bem estruturado. É facilmente encontrada e dá bastante trabalho, arpoada. O tiro deve ser na cabeça. A caranha têm cor avermelhada, mas na mesma família há escuras. O seu nome científico é Lutjanus griseus.
Cioba:
Tem a carne apreciadíssima. O corpo tem um tom vermelho, com tom mais forte nos indivíduos mais jovens. O dorso é mais escuro. Possui manchas azuladas que refletem quando nada, tornando-o muito bonito.
Enchova:
Enchova é peixe que gosta de comer junto à arrebentação, nas pedras; daí seu apelido de marisqueira. É encontrada em toda a costa brasileira e, quando não morre com o impacto do arpão, pode morder a mão do caçador. Alguns autores a considerão predadoras.
Sargo de Dente:
Seu corpo é coberto de grandes escamas prateadas e suas nadadeiras têm as bordas escuras. Vivem em cardumes ao redor de tocas de pedra. O sargo de dente possui uma dentição característica, formada de dentes pequenos e arredondados, parecidos até com a dentição humana.
Garoupa:
O corpo é curto e forte e a cabeça é quase que desproporcional de tão grande. Com seus opérculos e espinhos, crava-se de tal maneira dentro da toca que a briga para desentocar é das mais trabalhosas.
Robalo:
Apreciadíssimo pela qualidade da carne. Excelente nadador, sua captura requer silêncio. Qualquer movimento brusco e ele desaparece. Seu corpo é prateado nos flancos e verde-oliva no dorso. Possui duas nadadeiras dorsais, a primeira com grande espinho, a cabeça triangular. É uma espécie de graduação do pescador.

Fonte: www.portalsubmarino.com.br

Modalidades de Pesca

Noções Básicas de Caça Submarina

Caça submarina é um antigo método de pesca que tem sido utilizado em todo o mundo por milênios.

Civilizações antigas tinham o costume de caçar peixes de rios e córregos, usando paus afiados.

Hoje a caça submarina moderna faz uso de espingardas com gás comprimido para atacar o peixe.

Técnicas e equipamento especializados têm sido desenvolvidos para vários tipos de ambientes aquáticos e tipos de peixes.

A caça submarina pode ser feita usando técnicas de mergulho livre. O uso de espingardas é proibido em alguns países.

A caça submarina é altamente seletiva e normalmente não se usa isca.

A Pesca submarina é um antigo método de pesca e pode ser realizada com uma simples lança.

A pesca submarina tradicional é restrita a águas rasas.

O uso do arpão permite a pesca em águas profundas.

Com a prática, os mergulhadores são capazes de prender a respiração por até quatro minutos e às vezes mais, claro, um mergulhador com equipamento de respiração subaquática pode mergulhar por períodos muito mais longos.

Esta é uma lista de equipamentos usados na caça submarina.

Nem todos são necessários, pois a caça submarina é muitas vezes praticado com equipamento mínimo.

Arpão: Constituído por uma haste longa com o ponto em uma extremidade. Eles também podem ser em diversos materiais como: alumínio, titânio metálico, fibra de vidro ou fibra de carbono. Muitas vezes eles são aparafusados a partir de pequenos pedaços ou capazes de serem dobrados para baixo facilitando o transporte.
Estilingues havaianos:
Consistem em um elástico ligado a um tubo, através do qual uma lança é lançada.
Roupa de mergulho:
Roupas projetadas especificamente para caça submarina são muitas vezes duas peças com cores para a camuflagem. Padrões de camuflagem incluem, azul para mar aberto, verde ou marrom para a caça em recife. Geralmente elas têm uma almofada no peito para ajudar no carregamento de espingardas. Às vezes, eles têm reforço nos cotovelos e joelhos.
Colete de peso:
Estes são usados para compensar a flutuabilidade e ajudar o mergulhador descer à profundidade desejada.
Faca:
A faca é utilizada como medida de precaução no caso de o mergulhador se enroscar em linhas, por exemplo.
Boia:
A boia é muito importante pois é usada como um dispositivo de segurança para alertar o piloto de barco que há mergulhador na área.
Luvas:
Luvas são valiosas para acessar áreas mais perigosas, como aquelas entre corais, que de outra forma não poderia ser alcançado sem o uso das mãos.
Máscara de mergulho:
O uso da máscara de mergulho é importante para equalizar a pressão nos ouvidos evitando problemas.

Fonte: en.wikipedia.org

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Arremesso de Peso

Arremesso de Peso

PUBLICIDADE O arremesso de peso é uma prova de atletismo moderno. A pessoa impulsiona uma …

História das Olimpíadas

História das Olimpíadas

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 a.C. em Olímpia, na Grécia antiga, e duraram por mais de mil anos.

Rivellino

Rivellino

Rivellino, Roberto, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Seleção Brasileira, Gols, Faltas, Cobrador de Faltas, Corinthians, Vida, Carreira, Rivellino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+