Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Nossa Senhora das Rosas  Voltar

Nossa Senhora das Rosas

04 de janeiro

Nossa Senhora das Rosas

A Rosa simboliza há muito tempo grande mistério.

Na catacumba de São Calixto (Século III) os cristãos pintavam rosas como sinal do paraíso.

São Cipriano de Cartago escreve que é o sinal do martírio.

No século V a rosa já era sinal metafórico da Virgem Maria.

Edulio Caelio foi o primeiro a chamar a Maria “rosa entre espinhos”.

Quatro séculos depois o monge Teófanes Graptosusa faz a mesma comparação referindo-se à pureza de Maria e a fragrância de sua graça.

Para Tertuliano e Santo Ambrósio a raiz representa a genealogia de Davi; o broto é Maria e a flor, rosa, é Cristo.

Nossa Senhora das Rosas
Nossa Senhora das Rosas

A veneração da Rosa Mística remonta aos primeiros séculos do cristianismo.

No hino “Akathistos Paraclisis” das igrejas do Oriente, é como uma espécie de Rosário cantado a invocação: “Maria, Tu, Rosa Mística, da qual saiu Cristo como milagroso perfume.” Podemos ver também como nas Ladainhas Lauretanas (1587, em honra à Santíssima Virgem, que trazem o título de Maria Rosa Mística.

A partir do século V que a rosa passou a simbolizar Maria Santíssima. As gravuras e ícones marianos orientais representam a Mãe Imaculada com o Filho nos braços e uma rosa na mão. O ocidente deu outras expressões a essa iconografia Mariana. Sob título de "Madona da Rosa" ou "Madona das Rosas", foram executadas diversas obras especialmente para adornar diversos Santuários no mundo.

A devoção à Nossa Senhora "das Rosas" teve início no século XV e está ligada a dois fatos extraordinários, ocorridos na região da Brescia, Itália.

Era noite de 3 para 4 de janeiro de 1417, quando dois mercadores romanos dirigiram-se à localidade de Brescia, rumo à Bérgamo (Itália), quando acabaram se perdendo em um bosque dum vilarejo chamado Albano. Estavam a oito quilômetros do destino, mas perdidos na selva, quando foram duramente castigados pelo frio e pela fome, já que o local estava coberto pela neve. Neste momento pediram fervorosamente auxílilo ao Senhor, invocando a ajuda e intercessão da Virgem Maria, fazendo o firme propósito de erguerem uma capela em sua honra, caso os libertasse daquela situação desesperadora. Foi quando subitamente veio do céu um raio de luz rompendo a escuridão, onde um grande feixe luminoso indicou o caminho até a entrada da cidade.

Com ânimo renovado, sentiram grande júbilo diante do maravilhoso milagre.

Ao aproximarem-se da basílica de Santa Maria Maggiore, quando ainda rezavam agradecendo a Deus, sucedeu-lhes um segundo milagre. A Virgem Imaculada apareceu num trono de nuvens, rodeada de rosas. Tinha no colo o Menino Jesus, que também trazia na mão um pequeno maço de rosas. Era um espetáculo do paraíso realizando-se diante dos seus olhos.

Ao amanhecer, a notícia defundiu-se rapidamente junto ao povo e também junto à autoridade civil; o fato prodigioso foi grande sinal de benevolência da parte do céu para a cidade de Bérgamo, aflita por muitos problemas, já que a Itália atravessava sérias contendas, inimizades e discórdias, principalmente pelo fato da Igreja encontrar-se contundida pela divisão de cismas. Isto fez com que São Bernardino de Sena suplicasse uma bênção especial à Nossa Senhora, no mesmo instante daquela noturna aparição.

Todas as intenções de erigir um templo em reconhecimento à tantas graças recebidas por parte de Nossa Senhora, foram informadas ao novo Papa Martinho V, eleito no Concílio de Constança, em 11 de novembro de 1417. No ano seguinte (1418), foi o próprio Papa quem autorizou a construção do templo mariano no Monte Bérgamo, hoje Monte Róseo, inaugurada em maio daquele ano. Os mercadores que haviam feito doações para a primeira obra, acabaram adquirindo também um terreno no vilarejo de Albano, local do primeiro milagre e aí construíram uma capela também dedicada a Nossa Senhora das Rosas.

A devoção de Nossa Senhora das Rosas atravessou séculos e reascendeu-se com por ocasião da difusão da epidemia de cólera, em 1855. O pároco de Albano não só exortou a população a recorrer à Nossa Senhora das Rosas, mas fez um voto de erigir no local onde estava a capela, um Santuário em sua homenagem, caso cessasse o contágio. O contágio cessou em 20 de setembro de 1855, iniciando-se a construção do santuário com aclamação unânime da população local.

Nossa Senhora das Rosas é celebrada no dia 04 de Janeiro, conforme decreto pontifício firmado em 1877 pelo Papa Pio IX.

Fonte: www.paginaoriente.com

Nossa Senhora das Rosas

Nossa Senhora das Rosas
Nossa Senhora das Rosas

ORAÇÃO

Rosa Mística, Virgem Imaculada, Mãe da Graça para honra de Vosso Divino Filho, nos prostramos diante de Vós implorando a misericórdia de Deus: Não por nossos méritos mas pelo amor de Vosso Coração Maternal, nós vos suplicamos que nos concedais proteção e graça com a certeza de que nos haveis de atender.
Ave Maria....

Rosa Mística, Mãe de Jesus, Rainha do Santo Rosário e Mãe da Igreja, Corpo Místico de Cristo, nos Vos pedimos que concedais ao mundo dilacerado pela discórdia a unidade e a paz e todas aquelas graças que podem mudar o coração de tantos de teus filhos.
Ave Maria...

Rosa Mística, Rainha dos Apóstolos, fazei florescer à volta da mesa da Eucaristia muitas vocações sacerdotais e religiosas que difundam, com a santidade de sua vida e com o zelo apostólico pelas almas, o reino de Vosso Filho Jesus por todo o Mundo. E derramai sobre nós também a abundancia de Vossas graças celestiais!
Ave Maria...

Salve Rainha.....Rosa Mística, Mãe da Igreja, rogai por nós!

São José, varão feliz, que tivestes a dita de ver e ouvir o próprio Deus, a quem muitos reis quiseram ver e não viram, ouvir e não ouviram; e não só ver e ouvir, mas ainda traze-lo em vossos braços, beija-lo, vesti-lo e guarda-lo!

V.Rogai por nós, bem aventurado São José!
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amem.

Ó Deus que nos concedestes o sacerdócio real, nos vos pedimos que assim como São José mereceu cuidar e trazer em seus braços como carinho o vosso Filho Unigênito nascido da Virgem Maria, façais que nós vos sirvamos com o coração limpo e boas obras, de modo que hoje recebamos dignamente o sacrossanto Corpo e Sangue do Vosso Filho e na vida futura mereçamos alcançar o premio eterno. Amém.

Fonte: matrizsaogeraldo.vilabol.uol.com.br

Nossa Senhora das Rosas

História da Rosa Mística

MARIA ROSA MÍSTICA MÃE DA IGREJA

Queremos Partilhar com nossos irmãos, pois muitos nos pedem informações a respeito da história de NOSSA SENHORA ROSA MÍSTICA, para assim acolher melhor essa devoção mariana. Apresentamos aqui uma suscita de mais uma chamada de Nossa Senhora à oração, a mais penitência e maior reparação.

É mais um milagre mariano, depois do primeiro público que JESUS realizou em Cana da Galiléia, por intercessão de Sua Mãe Santíssima.

Não podemos deixar de nos sentirmos amado pelo PAI ( Jô 3, 11 ) pelas provas com que nos tem cercado, além da salvação que nos deu por seu filho JESUS.

E a MÃE que JESUS nos deu no golgota, no momento mais santo do mundo e que não nos esquece, nem nos abandona, protegendo-nos ainda mais nos tempos difíceis em que vivemos.

Ela veio em muitos lugares: La Salette, Lourdes, Fátima, Montechiari, Fontanelle, Mejugorje, San Nicolas, Olivetto, Cintra e outros...

Tudo porque ela quer todos os homens a Deus. Em todas as suas palavras busca glória de seu Filho e a soberania do Santíssimo Sacramento do Altar quer milagres da transformação e da renovação nas almas e na Igreja. O relato que agora vamos partilhar é o das aparições de Maria Santíssima em Montechiari, diocese de Bréscia ao norte da Itália.

A seu respeito a Igreja não deu ainda aprovação definitiva, porém, tem a seu favor seis bispos que defendem sua autenticidade, entre os quais o próprio Bispo Diocesano DOM JACINTO.

As aparições em montichiari começam em 1947.

Em uma pequena cidade localizada aos pés dos Alpes Italianos, na fértil terra cortada pelo Rio Pó. Numa pequena montanha estava a fortaleza de Maria, a Venerada Igreja de São Pancrácio. Pierina Gilli nasceu a 3 de agosto de 1911 e na ocasião exercia o oficio de enfermeira no lugar. Na primavera de 1947 apareceu-lhe a Mãe de Deus numa sala do hospital. Viu Pierina a belíssima Senhora vestida com uma túnica roxa celestial parecia triste e corriam lágrimas de seus olhos puríssimos, lágrimas que caiam até o chão.

Seus lábios se abriram para dizer docemente “Oração – Penitência – Reparação” e ficou em silêncio.

Essa foi A PRIMEIRA APARIÇÃO.

A SEGUNDA APARIÇÃO

No Domingo, 13 de junho de 1947, muito cedo no hospital apareceu novamente a Mãe de Deus vestia-se de branco e no lugar das três espadas tinha três rosas uma branca, vermelha e amarelo-dourada.

Pierina lhe pediu, assombrada:

“Por favor diga me o que é...”

Com um sorriso a doce Senhora respondeu:

“Sou a Mãe de Jesus e Mãe de todos vocês! Nosso Senhor me envia para implantar uma nova devoção mariana em todos os institutos tanto masculinos como femininos, e nas comunidades, congregações religiosas e entre todos os sacerdotes. Eu lhe prometo que se honrarem mais, desta especial maneira gozarão particularmente de minha proteção, haverá um florescimento de vocações religiosas, menos deserções apostasias e uma grande santidade de seus membros. Desejo que no dia 13 de cada mês seja consagrado como dia mariano e os doze anteriores sirvam de preparação, com orações especiais”.

Seu rosto iluminou-se com uma inefável alegria e continuou:

“Nesse dia derramarei abundância de graças e santidade sobre aqueles que me tiverem honrado; desejo que o dia 13 de julho de cada ano seja dedicado à ROSA MÍSTICA”.

Pierina perguntou se não era necessário um milagre como prova das aparições e a Mãe de Deus respondeu: o milagre mais evidente consistirá em que as pessoas consagradas a Deus, cujos espíritos se deixam dominar pela mornidão de modo especial durante a ultima, até o ponto de serem infiéis a sua devoção, e que com sua deslealdade provocaram os castigos e as perseguições, que sofre a Igreja atualmente, cessem de ofender gravemente o Senhor, fazendo o Espírito primitivo de seus santos fundadores. depois explicou o significado das três espadas e das três rosas.

A primeira espada significa: a perda culposa da vocação sacerdotal ou religiosa

A segunda espada: a vida em pecado mortal de pessoas consagradas a Deus

A terceira espada; a traição daquelas pessoas que, ao abandonarem sua vocação sacerdotal ou religiosa, perdem também a fé e se convertem em inimigos da Igreja

A rosa branca, simboliza o espírito de oração

A rosa vermelha: espírito de reparação e sacrifício

A rosa amarelo-dourada, espírito de penitência.

TERCEIRA APARIÇÃO (22/10/1947)

Foi na capela do hospital de Montechiari, durante a celebração eucarística, onde os presentes conheceram a presença de algo extraordinário, porém a Pierina pode vê-la e ouvi-la.

MARIA, ROSA MÍSTICA, pedia prática da devoção que já havia recomendado e acentuou:

“Meu Divino Filho, cansado das incessantes ofensas, quer dar curso à sua justiça. Coloco-me qual medianeira entre os homens e em particular entre as almas dos religiosos e o meu Divino Filho”.

A vidente agradeceu-lhe em nome de todos e ela respondeu:

“VIVE O AMOR”

A QUARTA APARIÇÃO (16/11/1947)

Sua mensagem na Igreja Paroquial de ofensas pode resumir-se nestas palavras:

“pelas faltas de impureza suplico oração e penitência. Meu Divino Filho o Nosso Senhor esta para enviar um dilúvio de castigos...” e depois prosseguiu: “intervim para implorar ainda misericórdia e em reparação, rogo oração e penitência. Suplico intimamente aos sacerdotes que se esforcem pôr combater as faltas contra a pureza. Eu encherei de graça os que repararem estes pecados”.

Pierina ousou perguntar: “seremos perdoados?”

A Rosa Mística respondeu: “Sim, contanto que deixem de cometê-los”.

A QUINTA APARIÇÃO (22/11/1947)

Pierina viu novamente a Virgem Santíssima na Igreja. Esta lhe ordenou que fizesse com a língua quatro pequenas cruzes sobre as lajes do pavimento, ao meio da catedral, embaixo da cúpula.

Depois a celestial Senhora foi ao lugar e disse:

“Eu desci a este lugar sagrado, onde acontecerão grandes coisas”.

Com ar de tristeza acentuou:

“os cristãos de sua nação são os que neste tempo ofendem mais o meu Divino Filho, por isso o Senhor exige: oração, sacrificio e penitência”.

Pierina perguntou: “O que devemos fazer para cumprir seus desejos de oração e penitência?”

Resplandecente de bondade, disse: “Oração”.

E depois continuou: “aceitai diariamente todas as pequenas cruzes e os trabalhos em sinal de penitência”.

E, retomando a expressão de realeza, disse: “No dia 08 de dezembro pelo meio dia, voltarei aqui à Igreja e será a Hora da Graça”.A hora da Graça. Será um acontecimento de numerosas e grandes conversões.

Almas totalmente endurecidas no mal e frias Como este mármore serão tocadas pela graça divina, tornando-se fieis ao Senhor e apaixonadas por ELE. Foi a única vez que a Senhora avisou Pierina de sua próxima vinda.

A SEXTA APARIÇÃO (07/12/1947)

Estavam como testemunhas só três pessoas, entre elas o confessor de Pierina, quando apareceu a senhora. Estava envolta num manto muito alvo, as pregas caiam graciosamente e um menino o sustinha à direita e uma menina à esquerda.

Os dois, vestidos de branco. A mãe de Deus disse: “Amanhã mostrarei meu coração Imaculado, que os homens conhecem tão pouco e “em Fátima desejei propagar a devoção da Consagração do coração Imaculado”.

Em Bonate (na região de Bergan, em 1940/1945 durante a guerra, procurei incultar essa devoção às famílias cristãs. Em Montechiari desejo implantar a devoção à Rosa Mística, unida a veneração do meu Coração Imaculado e desejo arraigá-la especialmente nos conventos e Institutos Religiosos, para que as almas consagradas a Deus obtenham aumento de graça do meu Coração Maternal.

Comunicou, depois, um segredo à Pierina, prometendo-lhe que ela mesma lhe indicaria quando deveria ser revelado, a respeito das crianças que a acompanhavam, explicou: são Jacinta e Francisco, que te farão companhia desde agora em tuas atribulações. Eles também tiveram que sofrer, apesar de serem pequenos. O que quero de ti é simplesmente a bondade, a semelhança destas crianças.

Ao dizer estas palavras, a Virgem estendeu os braços em gesto de proteção à terra, ergueu os olhos ao céu e exclamou: “O Senhor seja Louvado” e desapareceu.

A SÉTIMA APARIÇÃO (08/12/1947)

Aqui em Montichiari quero ser chamada “ROSA MÍSTICA”. Nesta festa mariana por excelência, escolhida para a aparição, milhares de pessoas vieram de todas as partes; Pierina Gilli conseguiu entrar com dificuldade e dirigir-se ao lugar central onde se deram as aparições anteriores, e começou a rezar o Rosário.

De repente Pierina exclamou: “Oh! A Senhora”! Contemplou a Mãe de Deus na parte superior de uma escada branca que chegava à terra ladeada de rosas brancas, vermelhas e amarelas.

À Virgem, sorrindo, disse: Eu sou a Imaculada Conceição, sou a Mãe da graça, Mãe do Divino Filho, Jesus Cristo. Quero que, ao meio dia de cada 08 de dezembro, seja celebrada a hora de ação de graças para todo o mundo; mediante esta devoção se alcançarão graças para a alma e para o corpo. Nosso Senhor, meu Divino Filho, concederá sua misericórdia, contando que os bons não deixam de orar pelos irmãos pecadores; é preciso informar rapidamente ao Supremo pastor da Igreja Católica, o Papa Pio XII, o meu desejo de que esta hora de graça seja conhecida e estendida por todo o mundo. Quem não puder ir a Igreja, que reze em sua casa ao meio-dia e obterá as minhas graças, e se alguém vier orar com lágrimas de arrependimento sobre estas lajes encontrará uma escada certa para ir ao céu, junto com a proteção do meu coração materno.

“Vede este coração que ama tanto os homens enquanto a maioria deles o injúria”. Se todos, bons e maus, se reunirem em oração, obterão deste coração misericórdia e Paz. Os bons acabam de obter, pela minha intercessão, a misericórdia do Senhor, que teve um grande castigo.

“Tenho preparada uma abundância de graças para todos os filhos que escutam minha voz e guardam os meus desejos”.

Nesta ocasião a Rosa Mística confirmou também a Pierina segredo que, posteriormente deverá ser dado a conhecer à autoridade espiritual c. mp, p. entp e, que Ela própria o determinar.

Pierina passou vários anos em Bréscia, ajudando num convento de religiosas por ordem do Bispo Diocesano D. Jacinto Tredici e seu diretor espiritual foi Frei Carpin. A segunda etapa das maravilhosas aparições da Rosa Mística começou no ano de 1966.

Em fevereiro, e em oração, Pierina tornou a ver a Virgem. A Mãe de Deus lhe infundiu novo ânimo, a consolou com alegria e lhe prometeu aparecer em Fontanelle.

Fontanelle é um bairro de Montechiari onde se encontra uma fonte de água escondida numa gruta. É preciso descer uns dez degraus de pedra para chegar até à cova.

Assim Pierina ia rezando o terço no caminho, a pouca distância da gruta, quando na hora do Ângelus apareceu Maria, Mãe de Deus, e disse:

“Meu Divino Filho é todo amor e manda dar um grande poder milagroso de cura a esta fonte... em sinal de penitência e purificação beija de joelhos os degraus...”e depois deu instruções: “desejo que os doentes e todos os meus filhos venham aqui à fonte de graça”.

Em abril de 1969, dia 20, deu-se em Fontanelle, o sinal maravilhoso no céu. Este escureceu rapidamente à tarde, brilharam as estrelas, apareceu o sol, pequeno no inicio, mas aumentando, tornou-se vermelho de diferentes matizes e movia-se para a direita e esquerda, parecia que cairia sobre a terra. Colocou-se no centro de uma coroa de estrelas e em seguida partiu-se em dois e uma grande cruz se tornou visível.

O sol se converteu numa roda de fogo que lançava chamas.

Isso se repetiu várias vezes. Assistiram esse sinal 19 pessoas. Aconteceram vários outros sinais que, por falta de espaço não poderão aqui ser relatados, mas o que é importante é o chamado do céu conversão na terra.

Sinais para que o homem se volte para Deus para que ame como Jesus ensinou no seu mandamento, e Nossa Senhora exorta a orar:

“A oração é uma condição requerida pôr Deus”.

SOBRE AS IMAGENS DA VIRGEM PEREGRINA

“Onde quer que eu vá, levo as graças de Nosso Senhor comigo”. Ela prometeu em revelação a Pierina, que estará presente durante as orações à sua imagem e recomenda que se invoque de maneira especial o Arcanjo São Rafael. E diz ainda: “Eu mesma trago as graças do céu”.

São Rafael é o arcanjo de cura, do consolo e da proteção contra ataques de satanás.

No dia 8 de dezembro de 1947, Nossa Senhora apareceu na capela da Pierina, na hora da graça ( das 12 às 13 horas ). A capela estava cheia de peregrinos. Apareceu à vidente acompanhada de milhares de anjos. Os espíritos bem-aventurados lhe faziam a corte como Senhora e Rainha e não só na igreja, mas também fora, formavam um caminho luminoso de incrível beleza até o céu o louvavam jubilosos a Deus. A aparição demorou quase vinte minutos.

Nossa Senhora disse que abençoará os conventos, as casa e seus habitantes que a receberam com alegria e amor, e estará muito perto deles de maneira especial na hora da morte, com a graça de Deus e seu amor maternal.

Tudo quanto se sacrifica, consagra e se repara diante da Virgem-Peregrina é admirável e comovedor e por isso as suas peregrinações se convertem em caminhos triunfais.

HISTÓRICO DE NOSSA IMAGEM E CAPELA

Nossa Senhora das Rosas
Capela

Na última aparição de MARIA ROSA MÍSTICA, Mãe da Igreja à Pierina em abril de 1969, Ela pediu que Pierina mandasse fabricar 40 (quarenta) imagem e as distribuíssem para as mais diversas regiões do Globo.

Com a graça de Nossa Senhora, uma dessas imagens é a que temos conosco em nossa capela.

Como a imagem veio para cá:

Em 1978 a irmã Pierina ficou sabendo que estavam em Montechiare um Padre que iria para o Brasil, e procurou encontra-lo para entregar-lhe a imagem. Foi alcança-lo já no Aeroporto da cidade. Este sacerdote é o nosso querido Padre Remígio Coraza o escolhido, por ROSA MÍSTICA para nos traze-la.

Padre Remigio nos conta que a trouxe no colo dentro do avião enrolada em um lençol branco que às pressas tirou da sua mala.

Chegando em casa Branca na Shica havia no aeroporto em guarda muçulmana que quisera ver o que estava enrolada no lençol, suspeitaram que havia dentro da imagem algum contrabando e queriam quebrá-la para averiguar, mas felizmente, um deles o que parecia ser o chefe, murmurou na sua língua palavras que o Padre Remigio traduziu em “Mãe de Deus” e a libertou intacta.

Também no aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, houve suspeitas, mas com aparelhos confirmaram que nada havia dentro da Imagem.

No Aeroporto de Goiânia, também queriam perfura-la para averiguações de contrabando e o Padre Remigio pediu se fosse possível liberar a imagem sem tal operação que o fizesse na parte de baixo da Imagem para não danifica-la. Confiaram na honestidade do Pe. Remigio e a libertaram.

O Pe. Remigio veio para a Casa Paroquial da Paróquia São Paulo Apóstolo, onde era vigário o Pe. José Tonelle, quem não deu muita importância a este fato por não acreditar muito nas aparições. O amor de Pe. Remigio, pela Rosa Mística mais fervoroso e tornava frente as dificuldades. Passado alguns dias o Pe. Remigio saiu andando pela cidade com o propósito de procurar um local para instalar a imagem, se possível fosse onde pudesse construir-lhe uma capela.

Aqui neste lugar do St. Bueno, como iluminado pelo Espírito Santo, ele imaginou que Rosa Mística gostaria de ficar.

Bateu na porta da residência da família do Sr. Nei que após dialogarem se prontificaram a acolher a Imagem.

O Pe. Remigio iniciou então as celebrações da Santa Missa, para fortalecer o intuito da construção da capela. Nesta residência ( 1 vez por mês ). Quando aumentaram os participantes passou missa campal já na praça.

Na gestão de Francisco de Castro, na Prefeitura o Pe. Remigio conseguiu o uso do solo para a construção da capela, mas sem dinheiro e com pouco apoio do pároco vieram as dificuldades. O Pe. Remigio com seu grande espírito mariano e operário de Deus, iniciou a construção da capela com muita fé e na proteção e intercessão de Nossa Senhora para a realização de sua obra.

Buscou o apoio e encontrou com o grupo de Jovens JOPEM (Jovens Peregrino de Maria ) que foram o braço direito de Pe. Remigio no tocante à conseguir doações para realizarem a construção do Templo da Rosa Mística, tijolos de uns, areia de outros, cimento, tintas etc.

A estrutura de ferro e cobertura um Senhor de Campinas nos doou.

Jesus nos entregou Nossa Senhora da Rosa Mística como Nossa Mãe e Mãe desta Comunidade que hoje cresceu e tornou-se uma grande Igreja viva, que requer a nossa dedicação constante para dar continuidade no desejo de Nossa Senhora de ver todos os seus filhos à caminho do Pai.

Devemos meditar a respeito desta nova era Mariana: é o tempo da grande Senhora do Apocalipse, a Virgem que esmaga a cabeça da serpente, triunfadora em todas as batalhas de Deus.

O importante para nós é cumprir as petições da Rosa Mística: oração, sacrifício, reparação.

Fonte: paroquiarosamistica.com.br

Nossa Senhora das Rosas

Nossa Senhora das Rosas
Nossa Senhora das Rosas

Oração a Nossa Senhora Rosa Mística

Mãe Celeste, Rainha dos Céus, Soberana do gênero humano, Vós que recebestes de Deus o poder e a missão de esmagar a cabeça de Satanás, dóceis ao Vosso apelo nós acorremos a Vossos Pés.

Mãe de Misericórdia, dignai-Vos acolher os louvores e as preces que fazem subir para Vós, cheios de confiança, Vossos filhos peregrinos; eles vieram confiar-Vos todas as suas penas, todas as suas misérias.

Ó maravilhoso reflexo da beleza do Céu, pela luz da fé, expulsai dos nossos espíritos as trevas do erro.

Rosa Mística, pelo perfume celeste da esperança, reanimai a coragem das almas abatidas.

Nascente inesgotável de água, salutar pelas correntes da Divina caridade, dai vida aos corações definhados.

Nós somos os Vossos filhos; Vós nos reconfortais nas nossas penas; Vós nos protegeis no perigo; Vós nos animais na luta; fazei que amemos e sirvamos o Vosso Filho Jesus; dai-nos um amor ardente pelo Vosso Rosário; fazei que difundamos por toda parte a devoção mariana, que nós nos esforçamos por viver em estado de graça, para merecer a felicidade eterna perto de Vós.

Amém! Assim seja.

Fonte: rosariopermanente.leiame.net

Nossa Senhora das Rosas

Nossa Senhora das Rosas
Nossa Senhora das Rosas

ORIGEM DA NOVENA DAS ROSAS

O Rev. Padre Putingan, SJ, no dia 3 de dezembro de 1925, começou uma novena em honra de Santa Teresinha do Menino Jesus, pedindo à milagrosa santa uma graça importante. Nesta intenção começou a rezar, durante a novena, 24 Glória ao Pai, em ação de graças à Santíssima Trindade, pelos favores e graças concedidos a Santa Teresa do Menino Jesus durante os 24 anos de sua existência terrena. Pediu o padre à Santa Teresinha que lhe desse um sinal de que a novena era ouvida, e este sinal seria receber uma rosa fresca e desabrochada. No terceiro dia da novena uma amiga procura o Padre Putigan e lhe oferece uma rosa vermelha.

No dia 24 do mesmo mês o padre começou uma segunda novena e pediu uma rosa branca.

No quarto dia da novena, uma irmã, enfermeira do hospital, trouxe uma linda rosa branca dizendo:

"Aqui está uma rosa que Santa Teresinha envia a V. Revma."

Surpreendido, pergunta o padre: "Donde vem esta rosa"? "Fui à capela onde se acha adornada uma bela imagem de Santa Teresinha, diz a freira, e, ao aproximar-me do altar da Santinha, caiu ao meus pés esta rosa. Quis colocá-la de novo na jarra, mas me lembrei de trazê-la a V. Revma."

O Padre Putingan, alcançadas as graças pedidas na novena, resolveu propagá-la, formando uma cruzada de orações em honra de Santa Teresinha.

Assim, no dia 9 a 17 de cada mês, todas as pessoas que desejarem fazer a novena dos 24 Glória ao Pai unem as suas intenções às das pessoas que, na mesma época, fazem a dita novena, e se estabelece, desta maneira, uma bela comunhão de orações.

A NOVENA DAS ROSAS

Pode-se fazer a novena dos 24 Glória ao Pai em qualquer época, mas é preferível e muito mais vantajoso fazer-se do dia 9 a 17 de qualquer mês, a fim de se participar da comunhão de orações dos que a fazem.

Rezam-se durante os nove dias somente 24 Glória ao Pai à Santíssima Trindade em ação de graças pelos favores e graças com que enriqueceu a alma de Santa Teresinha do Menino Jesus, durante os anos que ela viveu na terra, podendo, se quiser, usar da seguinte fórmula ou de outra semelhante:

"SS. Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, eu vos agradeço todos os favores, todas as graças com que enriquecestes a alma de vossa serva Teresa do Menino Jesus, durante os 24 anos que passou na terra e, pelos méritos de tão querida Santinha, concedei-me a graça que ardentemente vos peço, se for conforme a vossa santíssima vontade e para salvação de minha alma.

Rezam-se em seguida os 24 Glória ao Pai, podendo-se acrescentar a cada Glória ao Pai a jaculatória: Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós!"

Fonte: teresinha.com

Nossa Senhora das Rosas

Maria, Rosa Mística

Nossa Senhora das Rosas
Nossa Senhora das Rosas

Na Itália, a devoção mais antiga a Rosa Mística está relacionada a uma pequena imagem de Nossa Senhora segurando o Menino Jesus nos braço esquerdo, tendo na mão direita um galho de roseira com uma flor aberta.

Essa imagem foi levada para o Convento das Irmãs de Caridade em Cormons em 1737, quando aconteceu um primeiro milagre: do braço e da mão da imagem que segura a rosa, escorreu com abundância um líquido, como suor. Esse fenômeno aconteceu durante 15 dias. Posteriormente, uma menina devota, viu os olhos e o rosto da imagem docemente iluminados.

Muitos milagres foram registrados desde a efusão da água milagrosa. Em 1885 foi celebrada de maneira particular, no dia 15 de janeiro, a primeira festa da Rosa Mística de Cormons.

Na Alemanha, o Santuário de Rosenberg abriga uma imagem milagrosa de Nossa Senhora Rosa Mística, venerada desde 1738.

No pedestal da imagem estão três rosas: uma vermelha, uma amarela e uma branca. Essa imagem está em um nicho com 13 rosas douradas de cada lado, em fileiras e cachos de 3,4 e 6 flores.

Aparições a Pierina Gilli

A mais conhecida devoção a Rosa Mística é relacionada a aparições de Nossa Senhora a Pierina Gilli, sob esse título. Esses fenômenos ainda não foram analisados pela Igreja, mas a devoção particular se estendeu por todo o mundo.

Em Montichiari, Nossa senhora Rosa Mística se apresentou com três rosas sobre o peito: uma vermelha, uma amarela e uma branca.

Essas aparições aconteceram em Montichiari e em Fontanelle, subúrbio de Montichiari, na Itália. Os bispos de Bréscia, desde 1966 até os dias de hoje, proibiram a devoção pública a Rosa Mística.

No ano de 2001, o bispo atual, Mons. Giulio Sanguineti, determinou a organização da dispensa dos sacramentos e do culto mariano em Fontanelle, estabelecendo um sacerdote responsável pelo atendimento daquela comunidade. Além disso, uma nova associação de fiéis - Rosa Mística Fontanelle - foi constituída, para a promoção e divulgação de devoção a Nossa Senhora, na localidade de Fontanelle, sob orientação do Bispo de Bréscia.

O culto público e a divulgação de Rosa Mística continuam proibidos, mas não o culto particular (isto é, nas casas e locais particulares).

Dessa forma, a Rosa Mística de Montichiari se tornou conhecida pelo mundo todo, de tal maneira que fora da Itália existem 4 santuários associados a essa devoção: no Brasil ( Em Jambeiro, SP), na Venezuela, no Líbano e na China.

A devoção de Montichiari-Fontanelle

A mensagem de Montichiari-Fontanelle (ainda não aprovada pela Igreja) é especialmente relacionada à Igreja e às vocações religiosas e sacerdotais.

Os devotos procuram sempre cumprir estas práticas:

Trezena Mensal, começando no dia 1° de cada mês. Essa trezena é composta pela récita do terço, orações a Rosa Mística, Consagração ao Imaculado Coração de Maria e em louvor ao Preciosíssimo Sangue, entre outras.

Santificação dos dias 13 de cada mês, como dias marianos: um dia dedicado à oração.

13 de julho: festa de Rosa Mística.

13 de outubro: reparação Eucarística ( ou no segundo domingo de outubro, segundo informação da Associação Rosa Mística Fontanelle): um dia mundial de comunhões reparadoras.

Hora da Graça Universal, ao meio-dia de 8 de dezembro (dia da Imaculada Conceição): promessa de numerosas graças de conversão e santificação para os fiéis que estiverem em oração nesse dia, a essa hora.

Fonte: www.santissimavirgemaria.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal