Breaking News
Home / História Geral / Democracia X Liberdade

Democracia X Liberdade

PUBLICIDADE

Eu gostaria de lançar a divisão entre “liberais” e “conservadores” em uma outra luz. Aqueles que apóiam a liberdade vs aqueles que empurrar para a democracia.

Claro, todo mundo é a favor de ambos, então primeiro algumas definições.

Pela democracia quero dizer uma estrutura organizacional onde as pessoas-chave no governo são escolhidos por meio de eleições.

Além disso, é preciso haver o Estado de Direito para que as eleições sejam justas e honestas. Opostos os candidatos não podem ser eliminados pela aplicação pontual de aplicação de auto-serviço da lei. Além disso, é necessário que haja algum mecanismo para evitar os piores abusos da tirania da maioria. Além disso, as condições sociais tem que ser de tal forma que nenhum grupo está proibido de ser representado tanto pela legislação ou por meios extra-judiciais.

Pela Liberdade quero dizer a capacidade de um indivíduo para perseguir seus próprios objetivos sem (excessiva) interferência do governo. No sentido usado pelos conservadores liberdade implica também que o governo não vai ficar no caminho das pessoas que ganham tanto poder econômico como eles podem, desde que não envolva o comportamento criminal.

Também parecem ter dois pontos de vista básicos da natureza humana na esfera política. Grupo A (os “liberais”) acredita que as pessoas tendem a se comportar corretamente por conta própria e, portanto, há uma necessidade mínima de intervenção legal em seus relacionamentos sociais. Isso significa que o governo deve ficar longe de impor um comportamento moral.

Por outro lado, os “conservadores”, Grupo B, desconfiança natureza humana, acreditam que o homem é fraco, nascido em um estado de pecado, e precisa de supervisão constante ou eles não vão se comportar eticamente. No homem forma mais extrema é tomar como essencialmente egoísta e sociedade se torna uma competição como cada pessoa tenta maximizar seus próprios desejos. Governo deve regular o comportamento interpessoal humana.

Quando se trata de instituições as atitudes são invertidos. Um grupo acredita que as instituições privadas são amorais e interessados em maximizar a sua riqueza e, portanto, precisa ser regulada, enquanto o grupo B acredita que o governo (exceto para os poderes da polícia) é a área que não pode ser confiável. A solução é manter o governo tão pequena quanto possível.

Estas posições aparentemente estranhas realmente fluir a partir dos grupos de visões de mundo. Grupo A confia no povo, o governo é o representante do povo e, portanto, leva a cabo a vontade do povo. Ele é tão grande quanto as pessoas desejam que ele seja. Empresas, por outro lado, representa os proprietários, não é democrático, exceto no sentido limitado que os acionistas (se houver) votar no conselho de administração. Nas corporações modernas de controle pelos acionistas é completamente não-funcional. Assim, as empresas privadas precisam de supervisão do governo para restaurar alguma sensação de controle democrático ao seu comportamento.

Grupo B, a natureza humana desconfiada, também desconfia de representantes do público – o governo. Em vez disso, acreditando na liberdade pessoal, então, por extensão, as empresas devem ser livres para fazer o que deseja maximizar seus retornos. A competição inerente que vem do egoísmo do outro vai manter as coisas sob controle. Desde que o governo é financiado pelos impostos, e desde que o governo é intrusiva, em seguida, os impostos também são intrusivos e um limite para a sua “liberdade”. Suporte para os militares também é consistente, pois as pessoas não podem ser confiáveis ??por sua própria natureza, então é importante que seu ser um forte militar e policial para impedir que outros a tomar a propriedade de alguém ou de outra forma violar a liberdade pessoal.

Os conservadores acreditam em uma forma hierárquica de sociedade. A maioria das pessoas não pode ser confiável e, portanto, precisam ser guiados por aqueles de talentos superiores. Democracia é incerto demais, corre-se o perigo de regra de multidão ou movimentos populistas que redistribuir a riqueza e poder.

Uma sociedade democrática pode decidir que os limites de “liberdade” que levaram a extrema desigualdade social são leis antidemocráticas e mudança, de modo a corrigi-los. Esta seria a última ameaça à “liberdade”.

Assim, usando minhas definições expandidas, vemos que “conservadores” tendem a ser a favor de um regime autoritário e desconfiado da democracia. O também são a favor de controlar a mensagem. Isso varia de envio de crianças para as escolas privadas que suportam as ideologias de seus pais, favorecendo a concentração da mídia e da imposição de limites à liberdade de expressão em nome da “decência” e outros critérios imprecisos.

Os liberais tendem a ser cautelosos com muita “liberdade” de vê-lo como uma cobertura para a proteção da riqueza e da desigualdade social. Um governo democrático em funcionamento, o que representa a maioria das pessoas não vão votar leis que favorecem privilégio e riqueza ao longo igualdade. Que isso é assim é amplamente compreendido pelos conservadores razão pela qual um dos seus argumentos mais comuns é a alegação de que as restrições à acumulação de riqueza vai impedir outros de se juntar à classe privilegiada no futuro. Vendendo essa esperança tem trabalhado há milênios, não há razão para esperar que ele seja menos eficaz agora.

Conservadores, autoritários não confiar no público e, portanto, não são a favor de uma democracia vigorosa. Sendo pessoas superiores que sabem o que é melhor, eles preferem orientar a política pública e moralidade privada – esta é fundamentalmente anti-democrática.

Robert D Feinman

Fonte: robertdfeinman.com

Democracia X Liberdade

Liberdade contra a Democracia

Muitos acreditam erroneamente que a democracia significa liberdade, mas isso não é verdade.

Você prefere viver em um país que tem:

1) O Estado de Direito com um serviço honesto civil forte proteção da propriedade privada e os direitos das minorias, o livre comércio, mercados livres, impostos muito baixos, e total liberdade da expressão, de imprensa e de religião, mas não é uma democracia?

2) Democracia e uma corte corrupta e do serviço público, muitas restrições à liberdade econômica, incluindo impostos muito altos, com direitos limitados de religiões minoritárias, povos e fala?

O primeiro exemplo descreve Hong Kong sob o domínio britânico, que tinha liberdades civis completos, pouco a corrupção ea economia mais livre do mundo. O chinês assumiu Hong Kong em 1997 e permitiu-lhe continuar como a economia mais livre do mundo. Como resultado dos britânicos serem ditadores benevolentes e os chineses em grande parte continua não interferência econômica, com uma série de restrições à liberdade de expressão e de imprensa, Hong Kong alcançou uma renda per capita próxima à dos Estados Unidos e maior do que quase todos democracias.

Muitos acreditam erroneamente que a democracia significa liberdade, mas uma rápida revisão das democracias mundiais mostram que não é verdade. Quase todas as democracias restringir as liberdades econômicas mais do que o necessário. Muitos têm corte corrupta e sistemas de serviço civil, inibem os direitos das mulheres, restringir a liberdade de imprensa e não proteger os direitos das minorias e visões. Irã, embora uma teocracia muito restritiva, chama-se a democracia e mantém eleições.

Os Pais Fundadores americanos estavam preocupados com a liberdade, por isso eles montaram uma república para proteger as liberdades individuais das paixões da maioria no momento. Eles ficaram preocupados com os excessos da democracia.

James Madison, o principal conspirador da Constituição dos EUA, observou: “As democracias têm sido espetáculos de turbulência e conflitos.” Seus pontos de vista foram compartilhadas pelos outros Fundadores. É por isso que a Constituição dos EUA foi projetado para restringir a maioria democrática de limitar a liberdade de expressão, imprensa, religião e assim por diante. É um documento de liberdade, não de democracia.

O governo Bush se colocou em uma posição difícil, defendendo a democracia, em vez de liberdade como sua missão global. As eleições democráticas no Iraque e na Palestina pode resultar em subjugação das mulheres, contenção das liberdades básicas de expressão e de imprensa, e suporte para atividades terroristas.

Nós, os vencedores no Iraque, tinha todo o direito – na verdade, uma responsabilidade – para insistir qualquer nova Constituição, proteger as liberdades individuais, incluindo plenos direitos para as mulheres, os direitos de propriedade eo direito de seguir as próprias convicções religiosas e não ser forçado usar traje religioso da maioria.

Lembre-se, o general Douglas MacArthur e seus colegas oficiais americanos praticamente ditou a constituição do Japão após a Segunda Guerra Mundial, que aboliu o papel do imperador como uma divindade. Que a Constituição serviu os japoneses também.

Os Aliados não teria aceito uma constituição alemã que os direitos das minorias restritas, por uma boa razão. Padrões de tolerância e as liberdades civis não deveriam ter sido reduzidos para as nações de maioria muçulmana. Ao fazer isso, podemos acabar com vitórias ocas. Religiosos muçulmanos podem fazer perfeitamente bem sob regimes que protegem as liberdades de todos os cidadãos, como demonstrado pelas comunidades muçulmanas de sucesso em os EUA e outros países.

Argumenta-se que você não pode ter longos períodos de liberdade sem democracia, e que o argumento não tem mérito. Essas unidades econômicas / políticas atuais que têm liberdade sem democracia são quase todas as colônias e territórios das grandes democracias (a exceção notável é Hong Kong, que permanece em grande parte livre por causa do tratado).

Inglaterra gostava de vários séculos de liberdade considerável sem ser uma democracia real.

No entanto, tais casos eram raros: Mesmo as monarquias e oligarquias mais liberais (no sentido original) na maioria das vezes acabou restringindo liberdades.

O governo Bush precisa rever a sua retórica e as ações para colocar o avanço da liberdade humana, inclusive a liberdade econômica, na vanguarda da sua agenda global. Isso não significa apoio aos governos e às instituições democráticas dentro dos países que ajudam a preservar a liberdade. A democracia não deve ser vista como o objetivo final em si, mas apenas como um mecanismo, se devidamente construído, para ajudar a criar, preservar e melhorar a liberdade.

Richard W. Rahn

Fonte: www.freedomworks.org

Democracia X Liberdade

A Democracia é o sistema (regime) de organização social mais eficiente para se cultivar e se praticar a liberdade de ação e de expressão. A prática da liberdade estimula autocorreções que ajudam a acelerar o desenvolvimento de uma nação. No entanto, a Democracia não é a mãe da liberdade; é apenas uma ferramenta que bem usada facilita a preservação do estado de liberdade. E, ao contrário do que muitos brasileiros pensam, a Democracia não tem poder de evolução, ela tanto pode ajudar a prosperar como pode também ajudar a arruinar. Um povo sábio e bem informado usa a Democracia para se livrar dos vigaristas e fazer prosperar o país. Mas um povo ingênuo e mal informado, permite que os demagogos e os vigaristas controlem a Democracia e destruam o país.

O real motivo dos Estados Unidos terem sido um dos países mais bem-sucedidos do século XX, não estava fundamentado na sua Democracia, mas sim no fato de ter sido, por longo tempo, uma nação de educação genuinamente cristã, (obs. a partir dos anos 90 a educação e a cultura norte-americana se vulgarizaram não merecendo mais tal qualificação). A Democracia é apenas um bom instrumento de liberdade, mas não é o fator determinante.

A Grécia, por exemplo, que é tida pela maioria dos historiadores como o berço da Democracia, perdeu a liberdade várias vezes no último século, resultado de invasões, de guerras civis e de ditaduras militares: a mais recente de 1967 a 1974. (Uma situação pior que a brasileira, e que demonstra que o simples fato de conhecer ou praticar democracia não garante a preservação do estado de liberdade).

Portanto, precisamos considerar a Democracia como um bom instrumento social, e não como a mãe de todas as soluções. Porque, se assim fosse, a nossa Democracia dos anos 60 não teria resultado numa revolução militar. É obvio que se houve uma revolução foi porque alguma coisa não andava muito bem. Além disso, democratizar não é misturar crianças com adolescentes e com adultos.

A Democracia não tem como objetivo igualar estas três diferentes fases do ser humano. A idéia central da democracia é igualar o direito de opinião das diferentes classes sociais. Numa democracia desenvolvida, todos os cidadãos exerçam a mesma influência política independentemente de posição social. Na prática, o sistema democrático tem como objetivo evitar que o poder econômico domine o país e oprima os mais pobres. (Uma realidade que as lideranças brasileiras não têm dado o devido enfoque).

Em nenhum lugar do mundo a Democracia tem como propósito igualar opinião de adultos com opinião de adolescentes, como tem acontecido ultimamente no Brasil. Colocar na mesma urna, o voto de um adolescente de 16 anos e o voto de um adulto de 50 anos, não é democracia, é insensatez e desrespeito à vivência e à experiência humana. A Democracia visa minimizar as diferenças sociais e não as diferenças de idade. Tais diferenças são imposições da natureza e conseqüentemente precisam ser respeitadas. Os próprios adolescentes não entendem esta insensatez brasileira de “cidadania precoce”; uma invenção perigosa que, infelizmente, facilita a eleição dos maus políticos e dos manipuladores da adolescência e da juventude.

Portanto, seria mais prudente fazer o contrário e elevar a idade mínima do voto para 21 anos, de modo a atribuir maior respeito à experiência humana e maior responsabilidade para com o destino do país. O povo brasileiro ainda está em fase de desenvolvimento e, conseqüentemente, sujeito a vigaristas e enganadores que manipulam a imaturidade dos adolescentes visando unicamente benefício próprio. Precisamos de um pouco mais de prudência no trato dessa questão. Não podemos correr o risco de deixar a nação se afogar no caos e na desordem como já aconteceu no passado. É importante nos conscientizarmos de que, o realmente útil e produtivo, numa Democracia, é o livre direito de opinar e de fazer oposição (de criticar e de apontar erros) e não o direito imaturo de votar. O excesso de direitos, inventado no Brasil, pode estimular nossos adolescentes a se tornarem prepotentes, desrespeitadores e inconseqüentes.

Fonte: www.renascebrasil.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.