Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Gregos e a Democracia

Gregos e a Democracia

PUBLICIDADE

É 507 aC A democracia nasceu na cidade. Os princípios fundamentais do sistema político (literalmente “governo pelo e para o povo”) não mudaram hoje.
Naquela época, cerca de 40 mil das 250 mil pessoas que habitavam Attica eram cidadãos, ou seja, tinha mais de 20 anos, eles eram do sexo masculino, livre (não-escravo) e nascido pais atenienses.

Eles, e somente eles tiveram o privilégio de sentar-se na “Ecclesia” (assembléia do povo).

Como estavam representados todos os cidadãos?

É simples: cada aldeia era chamado de edema.

Um desses inchaços poderia ser encontrado em três partes distintas da Ática (Atenas área): a parte “polis” (urbano), o “paralia” (o mar), eo “Mesogeia” ( “meio-termo” entre o mar ea cidade). 100 destes foram agrupados em 30 Demes trytties. Em seguida, formou 10 tribos, cada uma consistindo de alguns paralia, um pouco Mesogeia e alguns educado … e todas as categorias de cidadãos estavam representados.

Os debates

Cada tribo elegeu 50 representantes para a Ecclesia: eles foram nomeados por um ano. Em seguida, cada décimo de um ano, uma tribo presidiu a Boule (Council of Ecclesia: a instituição decidiu submeter às leis, tinha 500 membros). Este foi constantemente chamada prytany.

Então, a cada dia, um membro da tribo foi atraído para debates cadeira: ela tornou-se então epistate.

O Boule decidiu agendas e as leis foram discutidas e votadas pela Ecclesia (mão livre). Tudo aconteceu na Ágora de Atenas ou no Pnyx colina da cidade. Os textos jurídicos foram exibidos na cidade, e todos pudessem vê-lo.

Liturgias e mishtoï

Havia, naturalmente, muitas diferenças de renda entre os cidadãos, porque eles poderiam tanto ser médicos agricultores.

Para evitar que a riqueza de afetar a política (porque a corrupção existia naquela época), foi estabelecido um sistema dual:

As liturgias: os cidadãos mais ricos foram, ocasionalmente, dar dinheiro para a cidade, a fim de equipar uma trirreme, ou participar na construção (caro) de um templo.

O mishtoï: foi dada pelas subvenções municipais para pequenos comerciantes e agricultores quando eles foram para a Ágora para exercer os seus poderes democráticos. O que ele não venceu no seu dia foi e “reembolsado”.

É, no entanto, observou que os cidadãos mais ricos que não trabalham para viver têm mais tempo para se dedicar à política, para que eles eram mais influente e poderoso.

Justiça

Havia em um tribunal popular de Atenas, o chamado Héliée. Ela era composta por 5.000 membros e 1.000 suplentes. Depois de um julgamento, o veredicto final foi votado de forma anônima e exibido em público. As sanções foram particularmente exílio da cidade (para a vida), ea morte por envenenamento.

Deveres do cidadão ateniense

O cidadão deve participar da defesa de seu país (até 60 anos) ea ephebeia durante sua juventude, 18 a 20 anos.

Este “serviço militar” no momento em que durou dois anos: o primeiro, o jovem estava em uma excursão dos grandes santuários , e então, dois instrutores, escolhidos pelo povo, aprendeu a Adonis usar várias armas (arco, dardo …). No segundo ano, eles receberam da cidade um escudo redondo e uma lança, em seguida, eles foram para guarnecer fortes nas fronteiras do território.

Depois de dois anos de serviço, eles se tornaram cidadãos de pleno direito e poderia exercer plenamente os seus poderes no Agora.

O lema da cidade de Atenas:

Isonomia: a igualdade perante a lei.
Isegoria: igualdade de expressão.
Isokrateïa: poderes iguais.

Estigma

Cada uma vez por ano, a um sceance especial, os membros da Ecclesia poderia, através de votação, escolher o exílio de Atenas por dez anos, a pessoa de sua escolha. E foi banido da cidade Themistocles , o grande vencedor em Salamis.

Fonte: hellada.free.fr

Gregos e a Democracia

No ano de 507 aC, o ateniense líder Clístenes introduziu um sistema de reformas políticas que ele chamou demokratia, ou “governo pelo povo.” Embora esta democracia ateniense sobreviveria por apenas dois séculos, invenção Clístenes ‘foi um dos da Grécia antiga, mais duradouro contribuições para o mundo moderno.

Demokratia e os Demos

“Em uma democracia”, o historiador grego Heródoto escreveu, “não há, primeiro, que mais esplêndida das virtudes, a igualdade perante a lei.” Era verdade que Clístenes ‘demokratia aboliu as diferenças políticas entre os aristocratas atenienses que haviam monopolizado por muito tempo o processo e os de média e da classe trabalhadora pessoas que compunham o exército ea marinha tomada de decisão política (e cujo descontentamento incipiente era a razão Clístenes introduziu suas reformas, em primeiro lugar). No entanto, a “igualdade” Heródoto descreveu foi limitada a um pequeno segmento da população ateniense. Por exemplo, em Atenas, em meados do século quarto havia cerca de 100 mil cidadãos (cidadania ateniense foi limitado a homens e mulheres cujos pais também tinham sido cidadãos atenienses), cerca de 10.000 metoikoi, ou “estrangeiros residentes” e 150.000 escravos. De todas essas pessoas, apenas os cidadãos do sexo masculino que eram mais velhos do que 18 faziam parte das demos, ou seja, apenas cerca de 40 mil pessoas poderiam participar do processo democrático.

A Ekklesia

A democracia ateniense era composta por três instituições importantes. A primeira foi a ekklesia, ou Assembleia, o órgão soberano de Atenas. Qualquer membro dos demos – qualquer um desses 40 mil cidadãos adultos do sexo masculino – era bem-vindo para participar das reuniões da ekklesia, que foram realizadas 40 vezes por ano, em um auditório encosta oeste da Acrópole chamado Pnyx. (Apenas cerca de 5.000 homens participaram de cada sessão da Assembleia, o resto estavam servindo no exército ou na marinha ou trabalhar para sustentar suas famílias.) Nas reuniões, a ekklesia tomou decisões sobre a guerra ea política externa, escreveu e leis revisto e aprovado ou condenaram a conduta de funcionários públicos. (Ostracismo, no qual um cidadão pode ser expulso da cidade-estado ateniense de 10 anos, estava entre os poderes da ekklesia.) O grupo tomou decisões por maioria simples de votos.

O Boule

A segunda instituição importante foi a boule, ou Conselho dos Quinhentos. O boule era um grupo de 500 homens, 50 de cada uma das dez tribos atenienses, que serviu no Conselho por um ano. Ao contrário da ekklesia, o boule conheceu todos os dias e fez a maioria dos hands-on trabalho de governança. Ele supervisionou os trabalhadores do governo e estava no comando das coisas como navios da Marinha (trirremes) e cavalos do exército. Tratava-se de embaixadores e representantes de outras cidades-estados. Sua principal função era decidir o que importa viria antes da ekklesia. Desta forma, os membros 500 da Boule ditada como toda a democracia iria trabalhar.

Posições sobre o boule foram escolhidos por sorteio e não por eleição.

Isso aconteceu porque, em teoria, um sorteio aleatório é mais democrático do que uma eleição: puro acaso, afinal, não poderia ser influenciado por coisas como dinheiro ou popularidade. O sistema de loteria impediu também o estabelecimento de uma classe permanente de funcionários públicos que poderiam ser tentados a usar o governo para avançar ou enriquecer. No entanto, os historiadores argumentam que a seleção para o boule nem sempre foi apenas uma questão de oportunidade. Eles observam que ricos e influentes pessoas – e seus familiares – servido no Conselho com muito mais freqüência do que seria provável em uma loteria verdadeiramente aleatório.

O Dikasteria

A terceira instituição importante foi os tribunais populares, ou dikasteria. Todos os dias, mais de 500 jurados foram escolhidos por sorteio de um conjunto de cidadãos do sexo masculino com idade superior a 30 anos. De todas as instituições democráticas, Aristóteles argumentou que a dikasteria “mais contribuiu para o fortalecimento da democracia” porque o júri tinha o poder quase ilimitado. Não havia polícia em Atenas, por isso foi os próprios demos que trouxeram processos judiciais, defendeu da acusação e da defesa, e entregues veredictos e sentenças pela regra da maioria. (Havia também há regras sobre que tipos de casos poderia ser processado ou o que podia e não podia ser dito no julgamento, e os cidadãos atenienses tão freqüentemente usado o dikasteria punir ou envergonhar seus inimigos.)

Os jurados foram pagos um salário pelo seu trabalho, para que o trabalho pudesse ser acessível a todos e não apenas os ricos (mas, já que o salário era menor do que o trabalhador médio ganhava em um dia, o jurado típico era um aposentado idoso). Uma vez que os atenienses não pagam impostos, o dinheiro para esses pagamentos veio de direitos aduaneiros, as contribuições dos aliados e dos impostos incidentes sobre a metoikoi. A única exceção a esta regra foi a leitourgia ou liturgia, que era uma espécie de imposto que as pessoas ricas se ofereceu para pagar a patrocinar grandes empresas civis, como a manutenção de um navio da Marinha (esta liturgia foi chamado de trierarchia) ou a produção de um jogo ou desempenho coral no festival anual da cidade.

O fim da democracia ateniense

Cerca de 460 aC, sob o governo de Péricles as gerais (generais estavam entre os únicos funcionários públicos que foram eleitos e não nomeados) a democracia ateniense começou a evoluir em algo que poderíamos chamar de uma aristocracia: a regra de que Heródoto chamou de “um homem , o melhor. “Embora os ideais e os processos democráticos não sobreviveram na Grécia antiga, eles vêm influenciando políticos e governos desde então.

Fonte: www.history.com

Gregos e a Democracia

Os gregos antigos inventaram a famosa democracia. Mas o que era democracia grega realmente gosta – e como era diferente do tipo do século 21?

O que está em uma palavra?

O que está em uma palavra? Podemos viver em um mundo muito diferente e muito mais complexo, mas sem os gregos antigos que nem sequer tenho palavras para falar sobre muitas das coisas que nós nos importamos mais sobre.

Tome política, por exemplo: para além da palavra em si (da polis, que significa cidade-estado ou comunidade) muitos dos outros termos políticos básicos no nosso vocabulário cotidiano são emprestados dos gregos antigos: monarquia, aristocracia, a tirania, a oligarquia e – é claro – democracia.

A antiga palavra grega que demokratia era ambígua. Isso significava literalmente “povo-poder”. Mas quem eram as pessoas a quem pertencia o poder? Era todas as pessoas – as “massas”? Ou só algumas das pessoas – os cidadãos devidamente qualificados? A palavra grega demos pode significar tanto. Há uma teoria de que a palavra demokratia foi cunhado pelos inimigos da democracia, os membros da elite rica e aristocrática, que não gostava de ser derrotada pelo rebanho comum, seus inferiores sociais e econômicos. Se essa teoria estiver certa, a democracia deve ter originalmente significava algo como ‘regra de multidão “ou” ditadura do proletariado “.

Sistemas políticos gregos

Na época de Aristóteles (século IV aC), havia centenas de democracias gregas. Grécia naqueles tempos não havia uma única entidade política, mas sim uma coleção de cerca de 1.500 poleis separados ou espalhados redondas ‘cidades’ às margens do Mar Mediterrâneo e Negro “, como sapos ao redor de uma lagoa”, como Platão, uma vez encantadoramente colocá-lo. Aquelas cidades que não eram democracias eram ou oligarquias – onde o poder estava nas mãos dos poucos cidadãos mais ricos – ou monarquias, chamadas de “tiranias” nos casos em que o único governante usurpou o poder pela força, em vez de herança. Das democracias, o mais velho, o mais estável, a mais longa, mas também o mais radical, era Atenas.

Sólon e Clístenes

A origem da democracia ateniense dos séculos V e IV pode ser rastreada até Solon, que floresceu nos anos em torno de 600 aC. Solon foi um poeta e um estadista sábio, mas não – ao contrário do mito mais tarde – um democrata. Ele não acreditava em pessoas-power como tal. Mas era pacote de reforma constitucional de Sólon, que estabeleceu a base sobre a qual a democracia pode ser pioneira quase 100 anos mais tarde por um aristocrata progressista chamado Clístenes.

Clístenes era o filho de um ateniense, mas o neto e homônimo de um tirano grego estrangeira, o governante de Sícion no Peloponeso. Por um tempo, ele também era o irmão-de-lei do tirano ateniense Pisístrato, que tomou o poder três vezes antes de finalmente estabelecer uma ditadura estável e aparentemente benevolente.

Foi contra o governo cada vez mais dura do filho mais velho de Peisistratus que Clístenes defendeu um movimento de reforma política radical que, em 508/7 inaugurou a constituição democrática ateniense.

Ephialtes e Pericles

Foi sob este sistema político que Atenas conseguiu resistir as investidas persa de 490 e 480/79, o mais visivelmente nas batalhas de Maratona e Salamina. Essa vitória, por sua vez incentivou os atenienses mais pobres a exigir uma maior participação na execução de sua cidade, e nos Ephialtes 460s atrasados ??e Pericles presidiu uma radicalização do poder que mudou o equilíbrio de forma decisiva para as camadas mais pobres da sociedade. Esta foi a Atenas democrática que ganhou e perdeu um império, que construiu o Partenon, que deu um estágio de Ésquilo, Sófocles, Eurípides e Aristófanes, e que lançou as bases do pensamento racional e crítico ocidental.

O sistema democrático não era, é claro, sem críticas internas, e quando Atenas tinha sido enfraquecido pela catastrófica Guerra do Peloponeso (431-404), estes críticos tem a chance de traduzir palavras em atos. Em 411 e novamente em 404 oligarcas atenienses levou contra-revoluções que substituíram a democracia com extrema oligarquia. Em 404 os oligarcas foram apoiados pelo antigo inimigo de Atenas, Esparta -, mas mesmo assim os oligarcas atenienses descobriu que era impossível manter-se no poder, e depois de apenas um ano, a democracia foi restaurada. A anistia geral foi declarado (a primeira na história registrada) e – com algumas “blips” notórios como o julgamento de Sócrates – a democracia ateniense restaurado floresceu de forma estável e eficaz por mais 80 anos. Finalmente, em 322, o reino da Macedônia, que havia subido em Philip e seu filho Alexandre, o Grande para se tornar o soberano de todos Egeu Grécia terminou uma das experiências mais bem sucedidas de sempre no cidadão auto-governo. Democracia continuaram em outras partes do mundo grego de forma limitada – até que os romanos extinta para o bem.

Democracia grega e da democracia moderna

Os arquitetos das primeiras democracias da era moderna, a França pós-revolucionária e os Estados Unidos, afirmou que uma linha de descendência de demokratia grega clássica – “governo do povo pelo povo para o povo”, como Abraham Lincoln colocou.

Mas neste momento, é fundamental que tenhamos em mente as diferenças entre o nosso e os sistemas de democracia dos gregos – três diferenças fundamentais em particular: de escala, de participação e de elegibilidade.

Primeiro, a escala. Não houve censos populacionais adequados em Atenas antiga, mas a suposição moderna mais educado coloca a população total de Atenas do século V, incluindo o seu próprio território de Attica, em torno de 250 mil – homens, mulheres e crianças, livres e não livres, emancipados e marginalizados.

Os machos adultos de nascimento ateniense e status completo – Desses 250 mil, em média, cerca de 30.000 foram totalmente integralizado cidadãos. Desses 30 mil, talvez 5000 pode freqüentar regularmente uma ou mais reuniões da Assembleia Popular, de que havia pelo menos 40 por ano na época de Aristóteles. Foram selecionadas 6.000 cidadãos para preencher o painel anual de potenciais jurados que se o pessoal dos tribunais do júri popular (um tamanho típico do júri era 501), como para o julgamento de Sócrates.

Um clube de homens atenienses

A segunda principal diferença é o nível de participação. Nossa democracia é representativa – nós escolhemos os políticos para governar por nós. A democracia ateniense era direta e in-your-face. Para torná-lo mais participativo possível, a maioria dos funcionários e de todos os jurados foram selecionados por sorteio.

Isso foi pensado para ser a forma democrática, desde a eleição favoreceu os ricos, famosos e poderosos sobre o cidadão comum. A partir de meados do século V, os detentores de cargos, jurados, membros da principal Conselho administrativo da cidade de 500, e até mesmo frequentadores da Assembleia foram pagos uma pequena quantia de fundos públicos para compensar o tempo gasto em serviço político longe do campo ou oficina.

A terceira diferença chave é a elegibilidade. Apenas os cidadãos adultos do sexo masculino precisam solicitar os privilégios e deveres de um governo democrático, e um critério de nascimento de dupla descendência – de uma mãe ateniense, assim como o pai – era estritamente insistiu. As mulheres, mesmo atenienses, foram totalmente excluídos – este era um clube para homens. Estrangeiros, estrangeiros de escravos, especialmente sem liberdade, foram excluídos formalmente e rigorosamente. O corpo cidadão era uma elite política fechado.

Um espaço político

Existem algumas diferenças importantes também. A democracia ateniense não aconteceu apenas na Assembleia e no Conselho. Os tribunais também foram espaços essencialmente políticas, localizado simbolicamente bem no centro da cidade. Aristóteles, em sua Política definiu o cidadão democrático como o homem que tem uma parte (legal) julgamento e escritório. Também na sombra da Acrópole colocar o teatro de Dionísio. O drama ateniense, trágico e cômico, era uma atividade fundamentalmente político, bem como, envolvendo a cidade eo cidadão-corpo, direta ou indiretamente, da ação dramática encenada.

Poder para o povo

Uma prática democrática distintamente ateniense que despertou a ira especial dos críticos do sistema era a prática do ostracismo – a partir da palavra grega para caco. Nesta eleição reversa para decidir qual o líder político deve ser exilado por dez anos, os eleitores riscado ou pintado o nome de seu candidato preferido em um pedaço de cerâmica quebrada. Pelo menos 6.000 cidadãos tiveram que ‘votar’ para um ostracismo para ser válido, e toda o maior peixe político arriscou ser frito desta forma cerimoniosa. Por quase 100 anos ostracismo cumpriu a sua função de abortar agitação civil graves ou até mesmo a guerra civil. No final do século V, foi substituído por um procedimento legal administrada pelos jurados dos tribunais das pessoas. Poder para o povo, todas as pessoas, especialmente os pobres maioria, manteve-se o princípio orientador da democracia ateniense.

Paul Cartledge

Fonte: www.bbc.co.uk

Gregos e a Democracia

Nenhum povo do mundo antigo contribuiu tanto para a riqueza e a compreensão da Política, no seu sentido mais amplo, como o fizeram os gregos de outrora. Os nomes de Sócrates, Platão e Aristóteles, no campo da teoria, de Péricles e de Demóstenes na arte da oratória, estão presentes em qualquer estudo erudito que se faça a respeito e mesmo nos mais singelos manuais de divulgação.

Entendiam-na – a política – como uma ciência superior, determinante de qualquer organização social e com inquestionáveis reflexos sobre a vida dos indivíduos. Para Aristóteles era a arte de governar a cidade-estado (pólis). Por não conviverem com estados-nacionais, mas sim com organizações menores, as cidades, para os gregos, tornaram-se o objeto da sua maior atenção. Como nenhum outro povo, interessaram-se pela administração da coisa pública, envolvendo-se nos intensos e acalorados debates políticos que afetavam a comunidade, manifestando extraordinária consciência sobre a importância e o significado da palavra eleutéria , entendida como liberdade e independência da cidade em relação a qualquer outro poder vindo de fora – num mundo cercado pelo despotismo e pela tirania. A sua contribuição não se confinou somente ao teórico, pois também legaram os grandes discursos de Demóstenes e de Ésquines que imortalizaram a oratória voltada para a ação..

A DEMOCRACIA

“Vivemos sob a forma de governo que não se baseia nas instituições de nossos vizinhos; ao contrário, servimos de modelo a alguns ao invés de imitar os outros. Seu nome, como tudo o que depende não de poucos mas da maioria, é democracia” Péricles, Oração fúnebre, in Tucidides: A Guerra do Peloponeso, Livro II, 37.

As origens da democracia

Atenas, a mais próspera das cidades-estados da Grécia Ocidental, no decorrer do século IV a.C., estava sendo governada por um regime tirânico. Em 560 a.C. Pisístrato, um líder popular, havia tomado o poder por meio de um astucioso estratagema, tornando-se o homem-forte da pólis. Apesar da ilegalidade da sua ascensão, isso não o impediu de fazer uma administração que muito impulsionou a prosperidade e o bem-estar da capital da Ática. Seus filhos, Hípias e Hiparco, que o sucederam em 527 a. C., não tiveram o talento paterno para manter a fidelidade dos cidadãos. Em 514 a.C., Hiparco foi morto por dois jovens, Armódio e Aristógiton, que passaram a ser venerados como os tiranicidas. Sentindo a perda do prestígio do regime, Hípias fugiu de Atenas, refugiando-se num protetorado persa. A queda da tirania abriu caminho para que os dois partidos tradicionais da cidade, o dos ricos, chefiado por Iságoras, e o dos populares, liderado por Clístenes, passassem a disputar o controle de Atenas. Iságoras, apoiado pelo rei espartano Cleômenes, conseguiu desterrar Clístenes.

Mas o povo se sublevou e conseguiu trazer o líder de volta, dando-lhe plenos poderes para elaborar uma nova constituição. A tirania havia perseguido os partidários da aristocracia, enfraquecendo a nobreza urbana, criando-se assim as condições para a implantação de um regime novo. A monarquia, por sua vez, já fora abolida há muitos séculos e o título de rei (basileus) era mantido apenas por tradição. O regime oligárquico, por seu lado, também sucumbira à tirania de Pisístrato.

Abriam-se as portas, depois da expulsão do descendente do tirano, para uma experiência inédita: o regime governado diretamente pelo povo, a democracia.

A constituição democrática

Com poderes delegados pelo povo como nomotheta, Clístenes implementou uma profunda reforma política que tinha como objetivo deslocar o poder das mãos dos nobres para as dos demos, palavra que significava não apenas povo, como também os bairros e comunidades habitados.

A antiga divisão política da cidade de Atenas estava baseada nas quatro tribos (filiai) formadoras originais da região, denominadas de guerreiros (Hoples), cultivadores (Geleôn), pastores (Aegicoros) e artesãos (Argadês), todas filhas de um mítico antepassado, Ion (daí vem a palavra jônico, que denomina o povo que habitava Atenas e as regiões vizinhas). Cada uma delas era chefiada por um patriarca, o filobasileus, que mantinha uma relação de domínio sobre seus integrantes, favorecia os membros da nobreza, os quais integravam o sistema das tribos e exerciam sua autoridade baseada na tradição.

Clístenes, em 502 a.C., desativou a divisão por tribos e reestruturou a cidade em uma outra, baseada em 10 demos que estavam distribuídos pelo interior, na cidade e no litoral. Considerava-se cidadão (thetes) qualquer ateniense maior de 18 anos que tivesse prestado serviço militar e que fosse homem livre. Da reforma em diante, os homens da cidade não usariam mais o nome da família, mas, sim, o do demos a que pertenciam. Manifestariam sua fidelidade não mais à família (gens) em que haviam nascido, mas à comunidade (demói) em que viviam, transferindo sua afeição de uma instância menor para uma maior. O objetivo do sistema era a participação de todos nos assuntos públicos, determinando que a representação popular se fizesse não por eleição, mas por sorteio.

A crítica à democracia

Esse foi um dos aspectos da democracia ateniense que mais crítica sofreu por parte dos filósofos, especialmente de Sócrates e Platão. Eles não aceitavam que a nave do estado fosse conduzida aleatoriamente, ao sabor do acaso. Platão afirmava que adotar esse costume era o mesmo que realizar um sorteio entre os marinheiros, num mar escalpelado, para ver qual deles deveria ser o piloto a conduzir o timão para levar o barco a um porto seguro. Parecia-lhe evidente que se exigisse que mesmo as tarefas comuns fossem assumidas por profissionais, hoje diríamos técnicos; o estado só poderia ser dirigido por especialistas, pelos filósofos ou pelo rei-filósofo, como logo abaixo será exposto. O questionamento dele tornou-se, desde então, um tema clássico no debate político sobre quem deve reger o estado, a maioria ou somente os técnicos?

A igualdade

A base da democracia é a igualdade de todos os cidadãos. Igualdade perante a lei (isonomia), e igualdade de poder se pronunciar na assembléia (isagoria), quer dizer, direito à palavra. Essas duas liberdades são os pilares do novo regime, estendidos a ricos e pobres, a nobres e plebeus. O sistema de sorteio evitava, em parte, a formação de uma classe de políticos profissionais que atuassem de uma maneira separada do povo, procurando fazer com que qualquer um se sentisse apto a manejar os assuntos públicos, eliminado-se a alienação política dos indivíduos.

Procurava-se, com o exercício direto da participação, tornar o público coisa privada. Sob o ponto de vista grego, o cidadão que se negasse a participar dos assuntos públicos, em nome da sua privacidade, era moralmente condenado. Criticavam-no por sua apatia ou idiotia. Quem precisava de muros para se proteger era a comunidade, não as casas dos indivíduos.

Instituições da democracia

O Conselho dos 500

Uma vez por ano, os demos sorteavam 50 cidadãos para se apresentarem no Conselho (Boulê) que governava a cidade em caráter permanente. Como eram 10 demos, ele denominava-se “Conselho dos 500”. Entre estes 500 deputados eram sorteados 50 que formavam a pritania ou presidência do Conselho, responsável pela administração da cidade por 35 ou 36 dias. Cada demos era chamado, alternadamente, a responder pelos assuntos da pólis, durante um certo período. O Conselho determinava a pauta das discussões, bem como a convocação das assembléias gerais populares (a Ecclesia), que se realizavam duas vezes por semana.

A Ecclesia

A assembléia geral que reunia o povo inteiro não tinha um lugar fixo. A palavra ecclesia era utilizada para definir, genericamente, qualquer reunião para debater questões públicas, semelhante ao comício (comitiu) romano em sua forma original. Entretanto, em Atenas costumou-se fazer esses grandes encontros num lugar chamado Pnix, uma grande pedra que dominava uma colina, a qual comportava parte considerável dos cidadãos. Quando a ecclesia estava reunida, não só entravam na liça os problemas mais candentes da comunidade, como se escolhiam os magistrados eletivos. As funções executivas estavam divididas entre os magistrados sorteados e os escolhidos por voto popular. Eles eram responsáveis perante a ecclesia por todos os seus atos, podendo ser julgados por ela em caso de falta grave.

Os magistrados

As magistraturas eletivas concentravam maior prestígio. É o caso dos estrategos, que formavam uma espécie de estado-maior que reunia os comandantes militares que chefiavam os soldados de infantaria (hoplitas) em tempos de guerra. Cada estratego tinha que ser indicado (eleito diretamente) pelo seu demos e aprovado pela ecclesia. O comando supremo era entregue ao arconte-polemarco, chefe das forças armadas e virtual líder político da cidade. Explica-se a longa liderança de Péricles, por mais de 30 anos, de 460 a 429 a.C., como resultado de suas sucessivas reeleições para o cargo de estratego.

A segunda magistratura em importância era a dos juizes (arcontes) que formavam o Tribunal de Justiça (areópago), em número de nove. O título de rei (basileus), como já vimos, era mantido para o responsável pelo cerimonial religioso. A diferença entre as magistraturas escolhidas por sorteio das determinadas por voto é de que as primeiras não podiam ser reeleitas.

Os excluídos

Quem participava efetivamente da vida democrática da cidade de Atenas?

Estimativas calculam que sua população, no apogeu da cidade, nos séculos V-IV a. C., dificilmente ultrapassava 400 mil habitantes [ 130 mil cidadãos (thètes), 120 mil estrangeiros (métoikion) e 120-130 mil escravos (andrapoda)]. A sociedade ateniense vivia em parte do trabalho dos escravos, sendo esses estrangeiros, visto que, desde os tempos das leis de Sólon (cerca de 594 a.C.), gregos não podiam escravizar gregos. Além dos escravos, tanto os públicos como os domésticos (oikétès) – ex-prisioneiros de guerra ou comprados nos mercados de escravos – excluídos da cidadania, contavam-se os estrangeiros (métoikion) e seus filhos, que igualmente não eram considerados cidadãos. As mulheres, independentemente da sua classe social ou origem familiar, encontravam-se afastadas da vida política. A grande parte da população, dessa forma, não participava dos destinos públicos, estimando-se que os direitos de cidadania estavam à disposição, no máximo, de 30-40 mil homens, mais ou menos um décimo da população total.

O ostracismo

Uma típica instituição da democracia ateniense foi o ostracismo (ostrakón). Tratava-se da votação feita anualmente para excluir da vida política aquele indivíduo que fosse considerado uma ameaça às instituições democráticas. Consta ter sido Clístenes quem por primeiro se utilizou dele para banir da cidade velhos seguidores da tirania. Para o cidadão perder seus direitos políticos por 10 anos era necessário, entretanto, que seu nome fosse apontado, geralmente em pedaços de cerâmica, em eleições secretas por mais de 6.000 votos. Isso evitava que ele fosse vítima do capricho de um líder político que desejasse exilá-lo da comunidade. Pode-se considerar o ostracismo como uma prática civilizada, pois evitava-se executar o adversário político, sendo aplicado principalmente contra os chefes do partido aristocrático, que sempre conspiravam contra o bom funcionamento da democracia. Além do mais, não se tocava nos bens do atingido, comprometendo-se o estado a não causar nenhum dano a seus familiares, que ficavam sob sua proteção. Cumpridos os dez anos de exílio, ele podia retornar e assumir plenamente os seus direitos de cidadania.

Apogeu e crise da democracia

Como qualquer outro regime político, a democracia ateniense foi testada pelas guerras. Por duas vezes os gregos estiveram ameaçados de perder sua liberdade.

A primeira deu-se quando uma expedição naval dos persas tentou desembarcar nas praias de Maratona, sendo derrotada pelo general ateniense Milcíades, em 490 a.C., e a segunda, quando os persas invadiram a Grécia sob o comando do rei Xerxes, em 480 a.C., sendo novamente derrotados nas batalhas de Salamina e Platéias, desta vez por Temístocles. A vitória de Atenas projetou-a como líder das cidades gregas, formando-se então uma simaquia, ou liga federada entre as polis, denominada de Liga de Delos (formada em 478 a.C. e extinta em 404 a.C.).

Durante o trintênio de Péricles, também considerado como o período do seu apogeu, aproveitou-se dessa liderança para lançar mão dos recursos financeiros da Liga para embelezar a cidade, restaurando então o célebre templo do Pártenon (em honra à deusa Atena Pártenos, a protetora) em mármore e ouro.

Isso serviu de motivo para que as demais cidades integrantes da Liga de Delos se sentissem lesadas, situação que terminou sendo explorada por Esparta, que liderou uma confederação contra os atenienses, levando-os a uma guerra desastrosa: a Guerra do Peloponeso.

Elfíades e Péricles

Dois líderes do partido democrático se destacam naquela época de esplendor: Elfíades e Péricles.

O primeiro conseguiu reduzir o poder do Areópago ateniense (espécie de senado vitalício e símbolo do poder dos aristocratas) e o outro introduziu o pagamento em forma de subsídio a todo cidadão pobre que participasse das tarefas políticas das cidades, denominado de mistoforia (o misthos ecclesiastikós). Dessa forma, os de origem humilde, podiam ter sua atividade garantida nas assembléias, bem como exercer algumas das magistraturas. Essa prática desagradou profundamente os nobres e os ricos. Sócrates, que não tinha simpatias pela democracia, lamentava que as assembléias estivessem tomadas por sapateiros, carpinteiros, ferreiros, tendeiros e até vendedores ambulantes, o que fazia com que as pessoas de bom gosto e fortuna se afastassem da vida pública, abandonando o campo da política nas mãos dos demagogos e dos sicofantas (delatores profissionais).

A guerra do Peloponeso

Mas a verdadeira causa do declínio das instituições democráticas foi, como vimos, resultado da derrota ateniense, perante as forças espartanas na longa Guerra do Peloponeso (431 – 404 a.C.). A oligarquia tentou retomar o poder do meio do governo dos “Trinta tiranos”, em 404-403 a.C., mas uma rebelião pró-democracia conseguiu restabelecê-la. Em 338 a.C. os atenienses sofreram um novo revés, dessa vez perante as forças do rei da Macedônia, Felipe II, e seu filho Alexandre, na batalha de Queronéia, fazendo com que a cidade terminasse por ser governada pelos sucessores (diádocos) macedônicos. Seu eclipse final ocorreu durante o domínio romano, quando a Grécia inteira se torna uma província do Império, a partir de 146 a.C.

O mito das virtudes democráticas

Platão, num dos seus diálogos, o Protágoras, ou os Sofistas, reproduz o seguinte mito, narrado pelo filósofo Protágoras a Sócrates, que duvidava ser a política uma atividade ao alcance de todos:

“O homem, ao participar das qualidades divinas (a sabedoria das artes úteis e o domínio do fogo), foi primeiramente o único animal que honrou os deuses e se dedicou a construir altares e imagens das deidades: teve, além disso, a arte de emitir sons e palavras articuladas, inventou as habitações, os vestidos, o calçado, os meios de abrigar-se e os alimentos que nascem da terra. Apetrechados dessa maneira para a vida, os seres humanos viviam dispersos, sem que existisse nenhuma cidade; assim, pois, eram destruídos pelos animais, que sempre, em todas as partes, eram mais fortes do que eles, e seu engenho, suficiente para alimentá-los, seguia sendo impotente para a guerra contra os animais; a causa disso residia em que não possuíam a arte da política (Politike techne), da qual a arte da guerra é uma parte. Buscaram, pois, uma maneira de reunir-se e de fundar cidades para defender-se. Mas, uma vez reunidos, feriam-se mutuamente, por carecer da arte da política, de forma que começaram de novo a dispersar-se e a morrer.

Zeus lhes envia o pudor e a justiça

Então Zeus, preocupado ao ver nossa espécie ameaçada de desaparecimento, mandou Hermes trazer para os homens o pudor e a justiça (aidós e dikê), para que nas cidades houvesse harmonia e laços criadores de amizade.

Hermes, pois, perguntou a Zeus de que maneira deveria dar aos humanos o pudor e a justiça: “Deverei distribuí-los como as demais artes? Estas se encontram distribuídas da seguinte forma: um só médico é suficiente para muitos profanos, o mesmo ocorre com os demais artesãos. Será essa a maneira pela qual deverei implantar a justiça e o pudor entre os humanos ou deverei distribuí-los entre todos?” “Entre todos”, disse Zeus, que cada um tenha a sua parte nessas virtudes, já que se somente alguns as tivessem, as cidades não poderiam subsistir, pois neste caso não ocorre como nas demais artes; além disso, estabelecerás em meu nome esta lei, a saber: que todo homem incapaz de ter parte na justiça e no pudor deve ser condenado à morte, como uma praga da cidade.” (PLATÃO “Protágoras ou os Sofistas” In: Obras Completas. Madri: Aguilar, 1974, pp. 168/9.)

Voltaire Schilling

Fonte: www.robertexto.com

Gregos e a Democracia

Nenhum povo do mundo antigo contribuiu tanto para a riqueza e a compreensão da Política, no seu sentido mais amplo, como o fizeram os gregos de outrora.

Os nomes de Sócrates, Platão e Aristóteles, no campo da teoria, de Péricles e de Demóstenes na arte da oratória, estão presentes em qualquer estudo erudito que se faça a respeito e mesmo nos mais singelos manuais de divulgação.

Entendiam-na – a política – como uma ciência superior, determinante de qualquer organização social e com inquestionáveis reflexos sobre a vida dos indivíduos.

Para Aristóteles era a arte de governar a cidade-estado (pólis). Por não conviverem com estados-nacionais, mas sim com organizações menores, as cidades, para os gregos, tornaram-se o objeto da sua maior atenção. Como nenhum outro povo, interessaram-se pela administração da coisa pública, envolvendo-se nos intensos e acalorados debates políticos que afetavam a comunidade, manifestando extraordinária consciência sobre a importância e o significado da palavra eleutéria , entendida como liberdade e independência da cidade em relação a qualquer outro poder vindo de fora – num mundo cercado pelo despotismo e pela tirania. A sua contribuição não se confinou somente ao teórico, pois também legaram os grandes discursos de Demóstenes e de Ésquines que imortalizaram a oratória voltada para a ação..


Demóstenes (384-322 a.C.) e seu rival Ésquines (389-314 a.C.)

A DEMOCRACIA

“Vivemos sob a forma de governo que não se baseia nas instituições de nossos vizinhos; ao contrário, servimos de modelo a alguns ao invés de imitar os outros. Seu nome, como tudo o que depende não de poucos mas da maioria, é democracia” Péricles, Oração fúnebre, in Tucidides: A Guerra do Peloponeso, Livro II, 37.

As origens da democracia


Harmódio e Aristógiton, os tiranicidas, considerados heróis da democracia

Atenas, a mais próspera das cidades-estados da Grécia Ocidental, no decorrer do século IV a.C., estava sendo governada por um regime tirânico. Em 560 a.C. Pisístrato, um líder popular, havia tomado o poder por meio de um astucioso estratagema, tornando-se o homem-forte da pólis. Apesar da ilegalidade da sua ascensão, isso não o impediu de fazer uma administração que muito impulsionou a prosperidade e o bem-estar da capital da Ática. Seus filhos, Hípias e Hiparco, que o sucederam em 527 a. C., não tiveram o talento paterno para manter a fidelidade dos cidadãos. Em 514 a.C., Hiparco foi morto por dois jovens, Armódio e Aristógiton, que passaram a ser venerados como os tiranicidas. Sentindo a perda do prestígio do regime, Hípias fugiu de Atenas, refugiando-se num protetorado persa. A queda da tirania abriu caminho para que os dois partidos tradicionais da cidade, o dos ricos, chefiado por Iságoras, e o dos populares, liderado por Clístenes, passassem a disputar o controle de Atenas. Iságoras, apoiado pelo rei espartano Cleômenes, conseguiu desterrar Clístenes.


Tucidides, historiador que registrou o discurso de Péricles

Mas o povo se sublevou e conseguiu trazer o líder de volta, dando-lhe plenos poderes para elaborar uma nova constituição. A tirania havia perseguido os partidários da aristocracia, enfraquecendo a nobreza urbana, criando-se assim as condições para a implantação de um regime novo. A monarquia, por sua vez, já fora abolida há muitos séculos e o título de rei (basileus) era mantido apenas por tradição. O regime oligárquico, por seu lado, também sucumbira à tirania de Pisístrato.

Abriam-se as portas, depois da expulsão do descendente do tirano, para uma experiência inédita: o regime governado diretamente pelo povo, a democracia.

Fonte: www.terra.com.br

Gregos e a Democracia

Durante a era clássica da Grécia Antiga muitas cidades-estados tinham formas de governo baseado na democracia , na qual o livre (não escravo ), nativa (não-estrangeira) machos adultos cidadãos da cidade teve um papel importante e direto na gestão dos assuntos de Estado, como uma declaração de guerra , material de votação, enviando missões diplomáticas e ratificar tratados. Essas atividades foram muitas vezes tratados por uma forma de democracia direta , baseado em uma assembléia popular . Outros, de natureza judicial, muitas vezes eram manipulados por grandes júris , extraídos do corpo do cidadão.

O exemplo mais significativo e, de longe, bem entendido hoje foi a democracia ateniense em Atenas . No entanto, outras cidades importantes como Corinto , Megara , Siracusa e outros tinham regimes democráticos durante parte de sua história.

Democracia Federal

Durante o século 3 aC, o centro de gravidade político na Grécia, mudou de cidade-estados individuais para ligas, como a Liga do Peloponeso e da Liga de Delos.

Estes foram confederações que tratados conjuntamente os assuntos externos e militares para as cidades participantes. Sua estrutura interna foi democrático com relação às cidades membros, ou seja, cada cidade foi tido dentro do peso liga aproximadamente proporcional ao seu tamanho e poder. Por outro lado, as próprias cidades foram amplamente representado nas ligas pelas elites ricas.

Estas ligas diferia agrupamentos anteriores cidades-estados gregas, como a Liga de Delos , na medida em que não foram dominados por uma única cidade, foi liderada por Atenas, como o Peloponnesians eram liderados por Esparta.

Fonte: en.wikipedia.org

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+