Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Castela e Leão  Voltar

Castela e Leão

 

Os territórios de Castela e Leão, dois reinos medievais rivais da Espanha central, ficaram definitivamente unidos no início do século XIII e formam, atualmente, a maior Comunidade Autónoma do país.

A extensão da região abrange uma variedade de paisagens mas predominam as vastas planícies, do lado da velha Castela, em contraste com as terras altas e montanhas no Norte de Leão.

A importância do enorme território também deu origem a um património imensamente rico, caracterizado por cidades históricas como Salamanca (com a mais antiga universidade de Espanha) ou Burgos (a primeira capital dos reinos unificados), magníficos monumentos, dos quais a catedral de Leão ou o Alcázar de Segóvia constituem apenas um exemplo, assim como inúmeros castelos, grandes mosteiros, igrejas e outros tesouros arquitetônicos.

Foi também aqui que nasceu, perto de Burgos, o lendário herói El Cid, a figura mais carismática da Reconquista no século XI.

Em paralelo, a região oferece ao visitante belas paisagens campestres com pequenas aldeias pitorescas que ainda preservam muita da sua arquitetura tradicional.

O planalto central de Espanha, caracterizado por invernos rigorosos e um calor abrasador no Estio e também atingido por séculos de isoamento e privações, favoreceu o aparecimento de uma gastronomia baseada sobretudo em sabores rurais, com destaque para o leitão e o borrego, tradicionalmente assados nos grandes fornos do pão.

A produção vinícola de Castela e Leão é também conhecida, nomeadamente os vinhos de excelente qualidade de Ribera del Duero, ou os populares tintos de Toro, ambos provenientes de planaltos elevados sobre o rio Douro.

Fonte: biztravels.net

Castela e Leão

Em Castela - Leão há três cidades que são Património da Humanidade ÁvilaSegóvia e Salamanca.

Ávila é uma bonita cidade conhecida pela sua muralha românica.

Esta muralha era uma cerca militar e rodeia toda a  cidade de Ávila, tendo 9 portas.

As muralhas são o monumento mais relevante da cidade e pode-se aceder a quase toda ela, através de três pontos de acesso, Casa das CarniceríasPorta do Alcazar e Porta do Carmen.

Na cidade de Segóvia há um monumento por excelência: o aqueduto.

aqueduto de Segóvia é um dos monumentos mais significativos e melhor conservado que os romanos deixaram na Península Ibérica. É tão importante para a cidade de Segóvia que se encontra no seu escudo.

Por último, na cidade de Salamanca há muitos monumentos para visitar, mas um dos pontos mais emblemáticos é a Universidade de Salamanca.

fachada desta universidade é a mais antiga de Espanha. Toda a fachada está  repleta de objetos, personagens e animais imaginários. Um desses animais é uma rã, a lenda diz que todo o estudante que queira passar de ano tem de encontrar a rã.

Hoje em dia tornou-se comum cada turista querer encontrar a rã na fachada da universidade em questão.

Fonte: viagens.kazulo.pt

Castela e Leão

Castela e Leão é o berço da língua clássica castelhana ou espanhola.

Tem uma rica história e é cercada de patrimônios arquitetônicos romanos e medievais: muralhas, castelos, igrejas, catedrais. Situada no centro-norte da Espanha, a região é cortada pelo rio Douro, que atravessa, também, Portugal.

Algumas das cidades mais importantes dessa comunidade autônoma são Burgos e Salamanca.

Esta última guarda uma tradição secular: foi lá que surgiu uma das primeiras universidades da Europa, no século XIII.

Salamanca é um antigo centro urbano e conta também com um bom número de restaurantes, em que se podem apreciar as comidas tradicionais, a maioria de carnes.

Consequentemente, a culinária local caracteriza-se principalmente pelos assados, destacando-se o de cordeiro (borrego) e o de leitão (cochinillo). Outro prato importante é a sopa de alho castelhana, à base de pão.

Castela e Leão

Como em toda Espanha, os embutidos e os queijos têm grande importância. Embora se localize longe do mar, essa cozinha faz pratos de peixes de rio, como as saborosas trutas.

Especialidades da região, as leguminosas, de gosto apurado, como as lentilhas, o grão de bico e o feijão branco (ou alubias blancas), são legalmente protegidas, e mantém a tradição da saudável cozinha caseira.

Para os apreciadores de vinho, Castela e Leão possui exemplares de grande prestígio mundial, como a Denominação de Origem (DO) Ribeira del Duero.

Castela e Leão
Entre as cidades mais importantes da região está a festiva Salamanca, com seu antigo centro urbano

Ingredientes típicos de Castela e Leão

Queijo de Valdeón: queijo azul (com mofo), com Indicação Geográfica Protegida, feito no Vale de Valdeón, na província de Leão. Elaborado com leite de vaca ou da mescla de leite de vaca com ovelha, é gorduroso e forte. 

Queijo pata de mulo: produzido em Leão, é um queijo feito de leite cru de ovelha, podendo ser semi curado ou curado. Seu formato é tubular, sendo circular ou ovalado. Tem sabor leitoso, úmido, suavemente ácido e salgado. 

Morcela de Burgos: embutido recheado basicamente de sangue de porco coagulado, gordura de porco, arroz, pimentão, sal, cebola e especiarias.

Botillo del Bierzo: é um embutido semifresco, feito de diversos tipos de carne de porco: costela, rabo, língua, temperado com sal, pimentão, alho e especiarias. Seu processo de produção dura uma semana. 

Alubia: tipo de feijão que, em Castela e Leão, tem Indicacão Geográfica Protegida. São catalogadas as seguintes variedades: canela, em forma de rim, de cor canela; plancheta, de formato ovalado e cor branca; pinta, arredondada, de cor canela, com pintas; e riñon menudo, ovalado e de cor branca.

Presundo cru de Guijuelo: perto da cidade de Salamanca, faz parte da Denominação de Origem Protegida do jamón (presunto cru) ibérico de Bellota, que inclui também o presunto de jabugo de Huelva (Andaluzia) e principalmente o presunto cru de Extremadura. Os presuntos são produzidos com a raça ibérica, que se alimenta do fruto da bellota (bolota). Também se produzem em Guijuelo lingüiças e choriços.

Farinatos: embutido em formato de ferradura, que se come frio, acompanhado de ovos e também na grelha. É elaborado com miolo de pão, gordura de porco, especiarias, cebola, sal, pimentão, cominho, alho e anis.

Vinhos

Bierzo: região que está em crescimento, com os bons vinhos feitos da uva tinta mencía, que faz vinhos aromáticos e aveludados. Também produz exemplares brancos, bem frescos, a partir da godello e da doña blanca.

Ribera del Duero: é a Denominação de Origem (D.O.) mais importante de Castela e Leão. Um dos vinhos mais renomados do mundo é feito aqui: o Vega Sicília, cuja vinícola produz também o Alion, seu segundo vinho, também excelente. A uva tinta mais importante é a tempranillo, chamada nesse local de tinto fino.

Rueda: essa D.O. é reputada pelos seus ótimos vinhos brancos, a maioria feitos com estilo moderno, ressaltando a fruta e o frescor. Cultiva-se as castas brancas verdejo, a mais importante, a viura, e a sauvignon blanc.

Toro: a D.O. Toro caracteriza-se por fazer tintos de qualidade, principalmente os da uva tempranillo, chamada na região de tinta de Toro.

Pratos típicos de Castela e Leão

Assado de borrego castelhano (o “lechazo”): o lechazo é um tipo de assado de cordeiro feito em travessa de barro, em que se unta a carne com banha e se rega a pele com água e sal para ficar crocante.

Assado de cochinillo (ou tostón): cochinillo é um leitão de cerca de 20 dias e peso de 4 quilos, que foi alimentado somente por leite materno. É assado inteiro em recipiente de barro, de forma que fique crocante. Juntam-se à carne gordura de porco, água e sal.

La olla podrida: guisado muito típico da cidade de Burgos, desde a Idade Média, bastante difundido pela Espanha. Substancioso, é feito com aluvias (feijão branco), carne de porco, chouriço, morcela, ovos, salsa, alho, pão ralado, azeite de oliva e sal, cozidos num caldeirão.

Mantecadas de Astorga: doce amanteigado típico da cidade de Astorga, em Leão. É feito de farinha, ovos, gordura de vaca e porco, açúcar e canela.

Chanfaina de Salamanca: prato tradicional à base de arroz, feito numa panela plana, acrescido de  inúmeros outros ingredientes como cordeiro, tripa de carneiro, cozido de sangue, ovo, cebola, alho, louro e pimentão verde. O nome chanfaina tem origem árabe e significa “harmonia de vários produtos”.

Sopa de alho castelhana: feita com azeite, presunto, pão em fatias, azeite de oliva, muito alho, ovos e um litro de água. Os ovos são colocados por último, na sopa bem quente, isto é, escalfados.

Yemas de Ávila: docinho de gema suave e delicado, cujos mais famosos são os da cidade de Ávila. É um doce artesanal, preparado batendo-se as gemas com açúcar e adicionando-se suco de limão. Depois, é assado durante uma hora.

Castela e Leão
O assado de borrego (cordeiro) castelhano também é chamado de lechazo

Castela e Leão
O nome chanfaina vem do árabe e significa “harmonia de vários produtos”. 
É um prato à base de arroz, legumes e carnes.

Castela e Leão
Feito à base de feijão branco, o prato la olla podrida é tradicional desde a Idade Média

Castela e Leão
Na região, os amanteigados são chamados de mantecadas de Astorga

Castela e Leão
As yemas de Avila são docinhos assados, feitos de gemas

Guta Chaves

Dolores Freixa

Referências bibliográficas

BEATO, Manoel; CHAVES, Guta (Org.). Guia de Vinhos Larousse. São Paulo: Editora Larousse, 2007. 
BERTOLINO, Cíntia. A nobreza suína da Extremadura. São Paulo: Jornal O Estado de São Paulo, Caderno Paladar, 22 de abril de 2010.
CHAVES, Guta (Org.). Larousse do Vinho. São Paulo: Editora Larousse, 2007. 
CANHOTO, Susana. FAUSTINO, Ana. TRUTTER, Marion. Culinária Espanha: especialidades espanholas - San Mauro: Konemann, 2001.
DOMINGO, Xavier. HUSSENOT, Pierre. The taste of Spain - Paris: Flammarion, 1992. Espanha: Guia Visual Folha de S. Paulo. São Paulo: Publifolha, 2007. 
FECAROTTA, Luiza. Pérolas aos porcos. São Paulo: Jornal Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, 22 de abril de 2010. 
Galícia: Rotas de Queijos e Vinhos. Galícia: Consellería de Cultura, Comunicación Social e Turismo. Gastronomia y turismo en Espana - Madrid: 1993. 
GRATACOS I GRAU, Mariona. VILLANUEVA, Ambrosio Berasain. TRUTTER, Marion. Un paseo gastronomico por Espana - Koln: Konemann, 1999. 
Guía de Gastronomía Euskadi – Pais Vasco. Euskadi: Servicio Central de Publicaciones Del Gobierno Vasco, www.paisvascoturismo.net 
Guia Visual - Folha de SãoPaulo. COLABORAÇÃO DE JOHN ARDAGH, David Baird. CALCAGNOTTO, Daniela. Espanha - Londres: Dorling Kindersley, 1996. 
La Gastronomia Española. Turespanã. Secretaria General de Turismo y Ministerio de Industria, Turismo y Comercio. http://www.spain.info/
PRADO, Marianinha. 100 receitas espanholas. 2.ed - São Paulo: Marco Zero, 1994. 
Rutas vino de España. Espanha: Turespaña, Ministério da Indústria, Turismo e Comércio. Saboreando as Asturias, receitas da boa cozinha asturiana. Astúrias: Sociedad Regional de Turismo Del Principado de Asturias, 2004. 
SANTAMARIA, Santi. A cozinha a nu. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009. 
SPILOTROS, Daniela. A peso de ouro. São Paulo: Editora 4 Capas, Revista Prazeres da Mesa, 2004, p. 26-29 
WALDMAN, Marta. A cozinha espanhola - São Paulo: Melhoramentos, 2002.

Fonte: comida.ig.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal