Breaking News
Home / Turismo / Sevilha

Sevilha

PUBLICIDADE

A cidade de Sevilha, a capital da província localizada no centro de Andaluzia (sul da Espanha), é também a capital regional. Seu centro histórico extraordinário, incluindo a Catedral de Sevilha, o Alcázar eo Arquivo das Índias, foi Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Dois grandes eventos que refletem o caráter emocional de Sevilha Feria de Abril e as celebrações da Semana Santa foram declaradas de Interesse Turístico Internacional. É também duas excelentes oportunidades para desfrutar da gastronomia típica da região e seus tapas inevitáveis. Para não falar de alguns pratos andaluzes como gazpacho ou sopas.

Sevilha, que fica ao pé da Serra Morena, é banhada pelo rio Guadalquivir. O ambiente natural da província é caracterizada por vegetação mediterrânica, trilhas de montanha e montados de velhos carvalhos utilizados para criação de gado touros de lide.

Fusão de tradições artísticas

A cidade de Sevilha testemunhou a passagem das civilizações mais diversas. Os Tartessos fundada Hispalis lado, que, no ano de 207 aC. AC, os romanos elaboraram a famosa cidade de Itálica.

Fundada pelo general Cipião deu à cidade dois imperadores em Roma: Trajano e Adriano. A longa presença de muçulmanos no ano 711-1248, irá marcar a cidade para sempre. O fim do Califado de Córdoba (XI) promove o apogeu do reino Taifa de Sevilha,particularmente sob a autoridade da Al Mutamid, o poeta-rei.

Sevilha goza de seu maior esplendor depois da descoberta da América. Durante os séculos XVI e XVII, o seu porto, um dos maiores da Europa, desfrutou de um monopólio sobre o comércio exterior. A intensa atividade comercial na época de Sevilha desenhou uma cidade de palácios, casas senhoriais, igrejas e conventos.

O conjunto arquitetônico formado pela Catedral, o Alcázar e Arquivo das Índias, Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, é o emblema da cidade.

Entre as paredes caiadas do bairro de Santa Cruz fica este templo gótico construído na mesquita almóada grande de Sevilha. Esta herança árabe estão preservadas hoje a famosa Giralda e do Tribunal de Orange.

Não muito longe da fortaleza fica como uma fortaleza do século IX árabe, mas é Pedro I, o Cruel (XIV) que deve a sua decoração mudéjar. Suas paredes contêm muitos quartos, salões suntuosos e pátios românticos. Seus amplos jardins, árabe e elementos do renascimento, definir o conjunto.

Arquivos das Índias eles nos levam para a arte renascentista espanhol. Este é um dos maiores centros de documentação existente sobre a conquista do Novo Mundo. Outro edifício renascentista importante da cidade, a casa de Pilatos é um palácio que combina elementos de estilo gótico e mudéjar outro, Renascença, importados da Itália.

Gastronomia

Um verdadeiro deleite para o paladar

A melhor maneira de descobrir a cozinha de Sevilha é, talvez, através das grades do bairro da Cidade Velha de Triana Macarena e saborear as deliciosas tapas que são servidos. Se a variedade é infinita, no entanto, recomendamos tudo acompanhado por uma cerveja gelada ou um xerez fino ou manzanilla.

Para encomendar o seu tapas, apostar na diversidade de provar todos os sabores possíveis. Entre os mais típicos incluem a charcutaria (presunto, lombo de porco), os temperos à base (azeitonas, batatas com ervas alinas camarão …), peixe frito (cavala, cação em lula guisado, pequeno …), os montaditos (sanduíches grelhados), a tortilla de patatas e kebabs.

Finalmente, se você visitar Sevilha durante os meses mais quentes, considere encomendar um gazpacho (sopa fria de tomate), saborosa e muito refrescante.

Compras

Itens artesanais, como cerâmica, mantilhas de renda e fãs, alimentação, vestuário, moda, jóias, presentes e antiguidades são alguns objetos que decoram vitrines de Sevilha. Em Sevilha, ao lado de tradicionais escolas novas franquias, supermercados e lojas de moda, e oferecem aos visitantes uma grande variedade de oportunidades de compras.

Sevilha tem uma grande variedade de fazer compras, de artesanato e lembranças de roupas sofisticadas, que podem ser comprados em lojas, oficinas, lojas e mercados de pulga.

Em Sevilha, há três áreas comerciais distintas: a cidade velha, e Triana Nervión.

Outras Informações

Horas: algumas lojas, especialmente as grandes redes e centros comerciais estão abertos continuamente 10:00-21:00. Abrir lojas tradicionais de aproximadamente 10:00-13:30 e das 17:00 às 20:30 h.

Saldos: em geral, começam na segunda semana de janeiro até o final de fevereiro para a temporada de inverno, e 1 de julho até o final de agosto para a temporada de verão.

Meios de pagamento: normalmente em dinheiro ou através de cartão, por apresentar um passaporte ou bilhete de identidade.

Restituição de imposto: pessoas que residem fora da União Europeia podem ser reembolsados ??imposto sobre o valor acrescentado (IVA) para compras acima de € 90,15.

Cartão de Sevilla: Este cartão está disponível a partir de ofertas postos de turismo, além de descontos atraentes em lojas, restaurantes, centros de entretenimento e recreação, muitos benefícios, como acesso gratuito a maioria dos museus, uso ilimitado do transporte público ou um passeio do bairro de Santa Cruz.

Uma cidade aberta ao turismo de negócios

Mais de uma centena de conferências, exposições e eventos que ocorrem a cada ano em Sevilha fazem desta cidade um dos principais destinos para turismo de negócios na Espanha.

Os excelentes meios de comunicação disponíveis para a cidade incluem um moderno aeroporto internacional localizado a poucos quilômetros do centro e uma ferrovia de trem de alta velocidade (AVE) que liga Sevilha e Madrid em pouco mais de duas horas dedistância. Há também uma extensa rede de estradas e rodovias, que facilitem o acesso a Sevilha a partir de qualquer ponto da península.

Todos os anos, Sevilha acolhe exposições, simpósios e reuniões profissionais de todos os tipos, no Palácio de Congressos e Exposições (FIBES), localizado na entrada da cidade. É um conjunto arquitetônico futurista composto por um edifício principal, dois laterais adicionais e três pavilhões para exposições.

No total, 30.000 metros quadrados, com um auditório com capacidade para mais de mil pessoas, quartos equipados com tecnologias inovadoras e serviços multimídia, bem como catering e refeitórios.

Na Ilha de La Cartuja, o Palenque é um grande centro de 9.000 metros quadrados equipados para acomodar os mais diversos eventos: reuniões de negócios, apresentações, conferências, etc. Entre as suas instalações enfrentar uma capacidade de 1.500 lugares auditório.

Sevilha capacidade hoteleira é de aproximadamente 10.000 assentos divididos entre os hotéis de cinco e quatro estrelas, e cerca de 3.500 lugares nos hotéis de três estrelas.

Entre os mais notáveis ??incluem o Hotel Alfonso XIII, localizado em um edifício Mudéjar, ea antiga casa do Duque de Béjar no Bairro Judeu, o Hotel Casas de la Judería.

Como chegar lá?

Sevilha tem terra excelente e comunicações aéreas para acesso fácil e confortável na cidade, independentemente do meio de transporte escolhido.

aeroporto fica a 10 quilômetros ao norte da cidade, perto da estrada A-4. Instalações foram projetadas pelo prestigiado arquiteto espanhol Rafael Moneo.

A cada ano, cerca de cinco milhões de passageiros utilizam o aeroporto, a maioria deles de outras cidades espanholas, como Madrid, Barcelona, Bilbao e Valência. Mas oferece muitas conexões com cidades europeias, como Londres, Paris, Roma, Milão, etc. Para chegar ao centro da cidade para o aeroporto, os visitantes podem tomar um táxi ou utilizar o serviço de ônibus especial que levará a Prado de San Sebastián, no centro, por € 2,40.

Desde 1992, Sevilha é servido pelo comboio de alta velocidade AVE. Ele oferece 20 viagens por dia (nos dois sentidos) entre Sevilha ea capital da Espanha, onde ingressou em um período de duas horas e meia.

O AVE também liga a cidade de Barcelona através de Zaragoza, a cerca de cinco e meia. A estação de trem de Santa Justa está localizado na Avenida Kansas City, a poucos minutos a pé da cidade velha.

Sevilha é servido por outras linhas interurbanas, incluindo viagens Sevilha-Saragoça-Barcelona ou Sevilha-Valência-Barcelona. Trens regionais, por sua vez, se conectar a outros principais cidades da província de Sevilha Andaluzia e muitos outros municípios.

estrada é uma boa maneira de chegar a Sevilha, como a capital regional tem uma grande infra-estrutura rodoviária, incluindo muitas rodovias e vias expressas.

Incluir a A-4, Madrid-Andaluzia eixo, eo A-66 que liga Mérida e pegar o A-5, que também dá acesso a Madrid. Granada e da Costa del Sol estão conectados à capital sevilhana através de A-92. Para Portugal, você tem que tomar a A-49. Finalmente, Sevilha e Cádiz são ligados pela A-4 e E-5 rodovia.

Toda a saída para as rodovias nacionais e deixar o dispositivo SE-30, que contorna a cidade e oferece centro de acesso a muitos.

A cidade tem duas estações de ônibus. A principal delas é o lugar de Armas, que tem deslocações nacionais e internacionais muitos. A estação de autocarros Prado de San Sebastián, por sua vez, é responsável pela escala regional programado.

Fonte: www.spain.info

Sevilha

Sevilha, tapas e flamenco

Um inventário dos “segredos” de Sevilha, capital da Andaluzia, não caberia, provavelmente, em livro nenhum, e muito menos num apontamento de carácter jornalístico.

Mas aqui fica o atrevimento de sugerir algumas pistas para um roteiro de breves prazeres pela cidade do Guadalquivir.

Explorando Sevilha

Quem sabe que idade tem o bairro de Santa Cruz em Sevilha? Posta a questão assim, fica no ar uma falsa pista. Aquela que é uma das zonas mais visitadas da cidade de Sevilha, e considerada como uma das mais “típicas”, não tem raízes em tempos de antanho. A certidão de nascimento não tem sequer um século, aliás.

O Bairro de Santa Cruz começou a nascer aí por volta de finais dos anos 20, segundo uma ideia do Marquês de Vega Inclán, no espaço onde jazia arruinada a velha judiaria da cidade, nomeadamente na zona delimitada pelos Reais Alcázares e a Calle Mateus Gago.

No horizonte estava a Exposição Ibero-Americana de 1929 e o objetivo era construir um modelo exemplar de um povoado andaluz. Um dos aspectos mais conseguidos diz respeito à integração de antigos edifícios monumentais, como a Igreja de Santa Maria la Blanca, antigamente uma sinagoga, ou o Hospital de los Venerables.

Sevilha
Sevilha

Hoje, ainda que a Triana continue a ser uma das zonas de maior autenticidade de Sevilha (três imprescindíveis jornadas:Calle de la Pureza, Calle Betis e o Callejón de la Inquisición, com os seus belos pátios floridos), o bairro de Santa Cruz acabou por se tornar num destino de peregrinação obrigatória não apenas para os turistas, que a cada volta podem sempre descobrir novos e surpreendentes pormenores, como para os próprios habitantes no cumprimento das suas rotinas lúdicas.

A área acolhe alguns dos mais populares bares de tapeo da cidade. Mas há outros locais interessantes noutras zonas da cidade, como as ruelas e praças do bairro de Santa Cruz. Apesar de alguns locais se ataviarem para o olho do turista, ali podemos encontrar verdadeiros santuários onde a arte do tapeo está superiormente representada, como no caso da Casa Román.

Mas alhures, um pouco por toda a parte, multiplicam-se esses pequenos paraísos onde copos de manzanilla ou de vinho branco acompanham o salmorejo, nacos de jamón ou picadillo. As praças de Galviria, Alfalfa e de San Lorenzo, assim como os inúmerosbares da Triana, do outro lado do Guadalquivir, são por alguma razão muito animadas.

Alguns endereços mais</blockquote>: El Riconcillo, na Calle Gerona, La Bodeguita, na Plaza del Salvador, Bienmesabe, na Calle Macarena, Los Latinos, na Calle Virgen de la Estrella e La Cañera, na Calle Pureza, nome adequado dada a sua localização no emblemático bairro da Triana.

Do lado de cá, e aos fins-de-semana, é impossível não seguir o rastro do imenso burburinho que rompe da Plaza del Salvador e das ruelas próximas. Podem os bares fechar as portas, a horas que são já desoras, que a festa continua na rua, improvisada em excêntricos piqueniques de copas que duram até ao amanhecer.

Flamenco em Sevilha: onde ouvir, onde aprender

Triana, bem entendido, continua a deter o mérito de ser o lugar mais referenciado em qualquer geografia do flamenco.

E não do canto ou da dança exercitadas para aplauso do turista em comitiva, coisa que em Sevilha é o pão nosso de cada dia. Não.

O Bairro da Triana tem história, tem histórias, e pelo menos uma delas pouco nobilitante: o caso é que aí pelos idos de sessenta as autoridades municipais decidiram expulsar da zona as comunidades ciganas, ou que atirou o bairro musical para uma situação agônica.

Mas como a alma se faz imortal também para as coisas lúdicas, o flamenco regressou às ruas da Triana, particularmente a uma área conhecida como Las Tres Mil Viviendas. É nessa espécie de trincheira, onde se resiste aos estragos da modernidade, que “cantaores, bailadores y musicos” mantêm viva a arte do flamenco num dos seus espaços de eleição, a rua.

Um pouco desse sintoma de criatividade e de resistência a popular está registado no disco «Las Tres Mil Viviendas, Viejo Patio».

Quem não aprende em casa pode ainda recuperar a voz do sangue numa das mais reputadas academias andaluzas de flamenco, a Fundacão Heeren, localizada no Bairro de Santa Cruz. A instituição é uma universidade do flamenco mais ortodoxo, mais puro, menos tocado pelas práticas de fusão.

As matérias estudadas não se reduzem às técnicas de canto ou de dança mas incidem igualmente num amplo leque de contextos essenciais para compreender a arte: literatura, antropologia, história, coreografia, interpretação, harmonia, cantos religiosos são, por exemplo, outras disciplinas consideradas essenciais para uma aprendizagem sólida do flamenco.

Sevilha
Plaza de España, Sevilha

A monumental Feira de Abril constitui, naturalmente, uma boa oportunidade para escutar o flamenco mais popular da pátria sevilhana, mas porquê esperar pela Primavera? Amanhã mesmo, se para tanto se orientar o desejo do viajante, poderemos cerrar os olhos e com um copo de manzanilla entre as mãos, esquecer o cinzento quotidiano de brandas emoções.

A oferta é ampla e com diferentes colorações, para gostos de variada exigência.

Eis os endereços de alguns dos tablaos mais reputados: Los Gallos, na Plaza de Santa Cruz, El Arenal, na Calle Rodo, e El Patio Sevillano, no Paseo Colón.

De outra loiça é o La Carbonería, na Calle Levíes, um bar em que a improvisação divide o seu reinado com o acaso e onde não há estrelas profissionais. Isto é, ao conviva convém paciência e perseverança e, sobretudo, disponibilidade para mergulhar no compassado tempo andaluz.

Talvez de um momento para o outro uma voz e uma guitarra atravessem subitamente os anos-luz de distância que separam o viajante da mais autêntica e esquiva galáxia do flamenco.

O QUE VISITAR EM SEVILHA

Algumas sugestões: Catedral e Giralda; Reais Alcázares; bairros de Santa Cruz e da Triana; Torre del Oro; Casa de Pilatos; Museu de Belas Artes; Arquivo Geral das Indias; Praça de Touros da Maestranza; Ruínas de Itálica, nos arredores. A Isla Mágica, um parque de diversões temático, no espaço onde decorreu a Expo 92, é outro atrativo da cidade.

Fonte: www.almadeviajante.com

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.