Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Múrcia

Múrcia

PUBLICIDADE

Múrcia

Múrcia, cidade espanhola localizada na costa Mediterrânica, é banhada pelo rio Segura.

A Catedral de Santa Maria é dos locais a não perder, situa-se na Plaza Cadenal Belluga maior ponto de encontro da cidade.

Múrcia e toda a sua região podem ser consideradas um dos celeiros da Europa, são grandes produtores de laranjas, limões e alfaces entre outros produtos agrícolas.

O turismo é também importante na economia de Múrcia.

Fonte: viagenslacoste.com

Múrcia

Superfície: 11.313 km²
População: 1.197.646 habitantes
Capital: Múrcia

Com 250 quilômetros de litoral mediterrânico, a Comunidade de Múrcia implementou numerosos centros turísticos e de lazer.

Nesta região costeira, destaca-se a zona de Manga do Mar Menor.

Entre os centros urbanos, são de realçar as cidades de Cartagena e de Múrcia, esta última com a sua imponente Catedral.

A gastronomia de Múrcia é um dos seus grandes atrativos turísticos.

Os produtos da horta murciana, famosa desde o tempo dos árabes, são responsáveis pela rica e variada cozinha da região.

Esta gastronomia conserva as virtudes saudáveis da dieta mediterrânica associada à imaginação e à criatividade da cozinha contemporânea.

Fonte: www.cumbre-iberoamericana.org

Múrcia

Múrcia

A pequena região de Múrcia é contemplada por um belo litoral, recortado pelo Mar Menor, uma imensa lagoa salgada com 180 quilômetros de extensão e separada pelo Mar Mediterrâneo por uma estreita faixa de areia de 22 quilômetros.

Essa formação geográfica propicia uma variedade de excelentes frutos do mar e peixes, como o atum e o mújol, do qual se extrai as ovas, uma verdadeira iguaria. É famoso também o lagostim.

Muitos povos passaram por Múrcia, como iberos, fenícios, cartagineses, romanos e mouros (árabes). O resultado foi um grande legado cultural, principalmente desses últimos, que levaram uma culinária refinada e técnicas como as de irrigação.

Esta propiciou a implantação de hortas e pomares, com produção de romã, pera, tâmara, cereja, uva, maçã, marmelo, figo, melancia, melão e, principalmente, a laranja e o limão, que se destacam pela excelente qualidade.

As famosas hortas murcianas apresentam diversidade de verduras e legumes, como couve-flor, alcachofra, berinjela, pimentão e tomate, muito usados nos pratos locais como o arroz caldero e michirones. O arroz é parte integrante da alimentação, sendo feito de várias maneiras.

Nota-se, assim, que predomina na região a dieta mediterrânea, somando-se aqui o uso de azeite de oliva nos pratos. Entre as carnes destaca-se o carneiro, o frango e o coelho. Um prato muito apreciado é a carne picada e ovos cozidos, servida com os pimentões da região.

Múrcia
A pequena região guarda influências de iberos, fenícios, cartagineses, romanos e árabes

Múrcia
O pastel de carne murciano tem vitela, ovos cozidos, miolo de boi e presunto cru no recheio

Múrcia
A monastrell é a uva típica da região. Produz vinhos potentes, 
expressivos e de cores violáceas

Ingredientes típicos de Múrcia

La mojama de huevas de mújol: é semelhante a famosa botarga italiana (as ovas curadas, extraídas da tainha). Nesse caso, as ovas vem do peixe mújol, são salgadas e curadas ao natural, dando origem a mojama de ovas de mújol. Essa iguaria é tão valorizada que é considerada o “caviar” do mediterrâneo. É consumida sozinha, como aperitivo, ou ainda acompanhada de amêndoas fritas e frutas secas. Pode ser também ralada sobre o prato.

Pimenta la Ñora: pimenta arredondada e seca, de sabor picante, muito usada na confecção de embutidos e pratos tradicionais. La Ñora é o nome de uma cidade próxima de Murcia.

Vinhos

Jumilla: a uva característica dessa pequena região com Denominação de Origem (D.O.) é a monastrell, que dá vinhos potentes, expressivos e de cores violáceas. Produzem tintos e rosados intensos, encorpados e com muita fruta. Os brancos são feitos com macabeo, que dá vinhos bastante frescos.

Pratos típicos de Múrcia

Arroz Caldero: prato de pescador típico da região do Mar Menor, à base de arroz, azeite de oliva, alho, açafrão, pimenta ñora, salsinha, tomate, lagostin e pescados como moralla, gallina, mújol, gallineta e dorada. É preparado em um caldeirão, por isso seu nome.

Michirones: é um prato típico da Múrcia, que leva variedades de vegetais das hortas locais, favas secas, presunto cru, chouriço e louro.

Pastel de carne murciano: pastel de carne recheado de vitela, ovos cozidos, miolo de boi, presunto cru, alho e pimenta. É coberto com uma massa folheada fina e levado ao forno. Prato muito antigo, continua sendo preparado em dias de festa.

Paparajotes: especialidade de Múrcia, esse doce é feito das folhas do limoeiro, que são revestidas por uma massa à base de farinha, canela, ovos, polvilhados com açúcar e depois fritos no azeite de oliva. É um prato das Festas de São José, que se realizam na primavera.

Pan de higos: espécie de torta redonda, feita à base de figos secos, picados e prensados, acrescido de amêndoas, avelãs e especiarias, como cravo, anis e canela. Alguns locais colocam também aguardente ou casca de laranja.

Referências bibliográficas

BEATO, Manoel; CHAVES, Guta (Org.). Guia de Vinhos Larousse. São Paulo: Editora Larousse, 2007.
BERTOLINO, Cíntia. A nobreza suína da Extremadura. São Paulo: Jornal O Estado de São Paulo, Caderno Paladar, 22 de abril de 2010.
CHAVES, Guta (Org.). Larousse do Vinho. São Paulo: Editora Larousse, 2007.
CANHOTO, Susana. FAUSTINO, Ana. TRUTTER, Marion. Culinária Espanha: especialidades espanholas – San Mauro: Konemann, 2001.
DOMINGO, Xavier. HUSSENOT, Pierre. The taste of Spain – Paris: Flammarion, 1992. Espanha: Guia Visual Folha de S. Paulo. São Paulo: Publifolha, 2007.
FECAROTTA, Luiza. Pérolas aos porcos. São Paulo: Jornal Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, 22 de abril de 2010.
Galícia: Rotas de Queijos e Vinhos. Galícia: Consellería de Cultura, Comunicación Social e Turismo. Gastronomia y turismo en Espana – Madrid: 1993.
GRATACOS I GRAU, Mariona. VILLANUEVA, Ambrosio Berasain. TRUTTER, Marion. Un paseo gastronomico por Espana – Koln: Konemann, 1999.
Guía de Gastronomía Euskadi – Pais Vasco. Euskadi: Servicio Central de Publicaciones Del Gobierno Vasco, www.paisvascoturismo.net
Guia Visual – Folha de SãoPaulo. COLABORAÇÃO DE JOHN ARDAGH, David Baird. CALCAGNOTTO, Daniela. Espanha – Londres: Dorling Kindersley, 1996.
La Gastronomia Española. Turespanã. Secretaria General de Turismo y Ministerio de Industria, Turismo y Comercio. http://www.spain.info/
PRADO, Marianinha. 100 receitas espanholas. 2.ed – São Paulo: Marco Zero, 1994.
Rutas vino de España. Espanha: Turespaña, Ministério da Indústria, Turismo e Comércio. Saboreando as Asturias, receitas da boa cozinha asturiana. Astúrias: Sociedad Regional de Turismo Del Principado de Asturias, 2004.
SANTAMARIA, Santi. A cozinha a nu. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009.
SPILOTROS, Daniela. A peso de ouro. São Paulo: Editora 4 Capas, Revista Prazeres da Mesa, 2004, p. 26-29
WALDMAN, Marta. A cozinha espanhola – São Paulo: Melhoramentos, 2002.

Fonte: comida.ig.com.br

Múrcia

Múrcia
Universidade de Múrcia: Campus de la Merced

A cidade de Múrcia está situada no centro de uma planície fértil, conhecida como huerta (horta), que inclui os vales do rio Segura e do seu tributário Guadalentín (ou Sangonera) e é rodeada por montanhas.

Foi fundada como Medinat Mursiya, no ano 825, por Abd ar-Rahman II, emir do Al-Andalus; aproveitando o curso do rio Segura, os árabes criaram uma complexa rede de canais que tornou a cidade próspera e antecipou o moderno sistema de irrigação.

Após a queda do Califado de Córdova, Múrcia foi sucessivamente dependente de Almería, Toledo e Sevilha; em 1172, foi tomada pelos almôadas, e de 1223 a 1243 tornou-se a capital de um reino independente.

Quando os castelhanos, liderados pelo rei Afonso X, tomaram Múrcia aos árabes, no final deste período, instalou-se na cidade um grande número de imigrantes vindos do Norte da Catalunha e da Provença, pelo que ainda são frequentes os nomes catalães.

A cidade floresceu no século XVIII, principalmente devido ao crescimento da indústria da seda; muitas das suas igrejas e monumentos datam desse período.

Os monumentos mais notáveis são a Catedral, erguida entre os séculos XIV e XVIII, e o Palácio Episcopal, do século XVIII.

A Glorieta, junto ao rio Segura e tradicionalmente o centro da cidade, é uma agradável praça ajardinada, construída no século XVIII.

Zonas pedonais ocupam a maior parte do centro histórico, em torno das ruas da Platería e da Trapería; a Trapería vai da Catedral à Plaza de Santo Domingo, onde se localizava o antigo mercado; na Trapería, fica o Casino, um clube inaugurado em 1847, com um sumptuoso interior que inclui um pátio mourisco inspirado nos aposentos reais do Alhambra.

Outros locais que merecem uma visita são a avenida Malecón, o santuário de La Fuensanta, o mosteiro dos Jerónimos, o teatro Romea, o palácio Almudí, o castelo de Monteagudo, o Museu Salzillo e a Igreja-Museu de São João de Deus.

As procissões da Semana Santa de Múrcia são famosas; esculturas em tamanho natural de Francisco Salzillo (1707–1783) saem dos museus e são levadas pela cidade em elegantes procissões cheias de flores e, à noite, de velas; as esculturas, minuciosamente esculpidas, representam os acontecimentos que levaram à Crucifixão.

Porém, os festejos mais coloridos acontecem na semana a seguir à Semana Santa, quando os murcianos vestem os tradicionais trajes huertanos para celebrar o Bando de la Huerta (desfile da huerta), na terça-feira, e enchem as ruas para o desfile do Entierro de la Sardina (enterro da sardinha), no sábado.

Apesar da proximidade do mar, o clima de Múrcia está sujeito a grandes variações: o calor do Verão é intenso, ao passo que o Inverno chega a ter geadas; a precipitação é rara.

Uma das mais pequenas regiões autónomas de Espanha, Múrcia oferece um litoral muito apreciado para férias e desportos aquáticos, cidades e vilas históricas, um interior remoto e acidentado e as famosas celebrações da Páscoa na capital regional e em Lorca.

Múrcia

Atraente cidade universitária, Múrcia foi fundada no ano 825 pelos Mouros; o seu principal monumento é a imponente Catedral do século XIV, construída sobre uma antiga mesquita e com duas capelas laterais de decoração requintada, uma bela fachada barroca e um museu a exibir um sarcófago romano, retábulos góticos e uma grande custódia de prata do século XVIII.

Outro local de interesse em Múrcia é o Casino, um clube fundado em 1847 com um ornamentado pátio neo-árabe e um imponente salão de baile.

A segunda cidade é Cartagena, fundada em 223 aC pelos cartagineses e depois conquistada pelos romanos, que lhe chamaram Carthago Nova.

Do parque que rodeia as ruínas do Castillo de la Concepción obtém-se uma óptima panorâmica da cidade.

Não muito longe, o visitante pode admirar o submarino de Isaac Peral, um dos protótipos mais antigos do mundo (1888).

O Museu Nacional de Arqueologia Marítima tem interessantes coleções de artefatos gregos e romanos recuperados do mar, e escavações puseram a descoberto uma rua romana e a muralha bizantina, construída em 589-590.

A Costa Cálida estende-se do Mar Menor a Águilas e inclui bonitas praias e estâncias populares como La Manga ou Los Alcázeres.

O Mar Menor é uma enorme lagoa de águas salgadas, mais quentes do que as do Mediterrâneo e com alto teor de minerais e iodo, que há muito atrai turistas.

A cidade de Lorca, rodeada de planícies férteis, surge como um oásis na paisagem árida do sudoeste de Múrcia; a Plaza de España, no centro, possui belos edifícios barrocos, a imponente igreja de Colegiata de São Patrício (1533-1704) e a Câmara Municipal, alojada na antiga cadeia de Lorca (século XVI); são famosas as cerimónias religiosas da Semana Santa na cidade.

No interior, o Parque Natural de Sierra Espuña atrai adeptos de caminhadas e escaladas com as suas florestas de pinheiros dominadas por grandes formações calcárias.

No ocidente de Múrcia, Caravaca de la Cruz orgulha-se das suas igrejas antigas e do castelo que abriga o Santuário de Vera Cruz.

Fonte: biztravels-monuments.net

Múrcia

Múrcia

Nesta comunidade encontra-se o Cabo de Paus, este cabo faz parte de uma pequena cordilheira de colinas vulcânicas que formam uma pequena península.

Uma prova desta cordilheira são as ilhas próximas no mar Mediterrâneo: Ilha Grossa e as Ilhas Formigas, assim como as cinco situadas no Mar Menor.

Outro ponto turístico é o povoado Caravaca da Cruz, uma cidade situada entre Múrcia e Granada. Por esta população passaram iberos, romanos e muçulmanos encontrando-se construída ao pé do seu castelo. Mas Caravaca é, essencialmente, a Cidade Santa.

Como destino natural, temos o Vale de Ricote e Cieza. Aqui pode-se encontrar uma imponente horta, que  envolve as longas ribeiras banhadas pelo rio Segura e nos transportam a um mundo idílico.

Fonte: viagens.kazulo.pt

Múrcia

História e Cultura da Região de Múrcia

Múrcia

Murcia é cultura, é historia e é riqueza. Desde os Muçulmanos até hoje, o legado cultural que esta cidade foi adquirindo foi muito importante, daí que esta cidade seja, atualmente, um local cultural especial da costa levantina.

Murcia é uma cidade que está situada no Sueste de Espanha, imediatamente a Norte de Almeria e a Sul de Alicante. Esta cidade foi fundada pelos Muçulmanos, tendo chegado a ser a capital de Al-Andalus no século XIII, origens estas que conferiram à cidade um legado único e espectacular como a Muralha de Santa Eulalia, a Muralha de Verónicas, o edifício da antiga Diputación, o Colégio de Arquitetos, o Almudí, e, por último, a parte lateral da Capela del Pilar.

Mas antes dessa época, Múrcia, a capital da Comunidade Autónoma, na Antiguidade, foi um porto fluvial fenício e romano, e depois uma província bizantina. No ano 831, Abderraman II mandou construir uma urbe, como capital de toda a provincia califal.

Após a época muçulmana, Múrcia foi substituindo as mesquitas árabes pelas igrejas, tendo sido feito um re-ordenamento urbano e a cidade foi adquirindo o perfil que conhecemos hoje.

Após a época medieval, chegou o Renascimento, com o primeiro e segundo corpos da Torre da Catedral e algumas capelas, como a da Encarnación, a de Junterón e a Bautismal, a Capela da Inmaculada ou do “Trascoro” da Catedral e o Claustro Conventual da Ordem de La Merced (atualmente a Faculdade de Direito da Universidade de Múrcia).

Esta última foi uma corrente que fez com que o século XVIII tenha sido também um século de ouro para Múrcia, com uma grande influência do barroco, que também deixou o seu legado na fachada principal da Catedral, na Igreja de San Juan De Dios e na Ponte velha de Los Peligros.

E foi assim que, até ao século XIX, a cidade se foi tornando naquilo que é hoje, com as influências da Revolução Industrial, o trânsito de veículos com rodas e futuro caminho de ferro, que fizeram mudar a morfologia desta cidade.

No século XIX têm também lugar a expropriação dos bens eclesiásticos, (conventos de La Merced, Santo Domingo, Trinidad, Santa Isabel…), o que dá lugar ao nascimento, nos seus solares, de praças como a de Santa Isabel (Convento de Santa Isabel), e edifícios como o Teatro Romea (Convento de Santo Domingo).

Até ao meio do século XX, abrem-se grandes artérias que atravessam a cidade de Norte a Sul, fazendo assim desaparecer alguns espaços urbanos e conservando, pelo contrário, outros que chegaram até aos nossos dias.

Atualmente, Múrcia conta com una importante rede de museus para visitar, e com uma oferta cultural que se completa com as salas de exposições municipais com que a localidade conta.

Fonte: murcia.costasur.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database. You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation