Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Alsácia

Alsácia

PUBLICIDADE

Entre o Reno e as montanhas dos Vosgos, junto à planície alsaciana, séculos de trabalho criaram uma das mais belas paisagens vinícolas de França.

No Alto Reno, as aldeias de Eguisheim, Riquewihr, Kaysersberg, Hunawihr e Ribeauvillé emergem de um mar de vinhedos e são, ao mesmo tempo, a face irresistível da Alsácia rural emedieval.

Alsácia, Rota das Vinhas

Por uma razoável variedade de razões se pode meter os pés ao caminho em terra alsaciana, mas deve o viajante prover-se de claras convicções, isto é, munir-se de um objectivo desejo e de um afeto que o sustente, mas, também, de ânimo e paciência para belezas que, para os cânones dominantes, respondem por superlativas.

Se assim não for, há-de um tédio sorrateiro instalar-se-lhe na alma, tal a fotogénica leveza da paisagem ou a formosura do cenário de conto de fadas que algumas das povoações exibem.

Não é de excluir que um ou outro forasteiro mais excêntrico chegue em busca das paisagens que assistiram, nos anos 30, à rodagem de um dos mais belos filmes de sempre – «A Grande Ilusão», de Jean Renoir -, mas a grande maioria dos visitantes que procura a Alsácia tem em mente as inúmeras aldeias de urbanismo e arquitetura medieval e renascentista, as paisagens de vinha que se estendem por suaves colinas ondulantes, a degustação de alguns néctares afamados, ou um turismo cultural que se traduz na oferta de uma infinidade de pequenos museus temáticos, uma boa parte relacionada com a cultura do vinho.

Pode-se, simplesmente, chegar à Alsácia em busca de uma certa França germânica, identificável no rosto das povoações ou no dialeto da Alsácia que mistura palavras latinas e alemãs.

Os nomes das aldeias testemunham bem o atribulado percurso histórico da região, que foi mudando, periodicamente, e ao sabor de trocas entre poderios feudais e guerras, de domínio político: Eguisheim, Riquewihr, Kaysersberg, Hunawihr, Ribeauvillé, Niedermorschwihr.

A coluna vertebral da região é, sem dúvida, a cultura do vinho. Grande parte das atividades económicas e das práticas culturais estão intimamente relacionadas com o vinho – a Alsácia produz anualmente mais de um milhão de litros de vinho e o processo envolve quase dez mil famílias.

Museus e atividades de ecoturismo, gastronomia e percursos de trekking ou simples caminhadas, tudo evoca mais ou menos diretamente a cultura do vinho ou as paisagens transformadas com essa finalidade.

Alsácia
Vista de Ribeauvillé, Alsácia

A chamada Rota dos Vinhos é, assim, a atração que mais polariza a atenção dos visitantes, embora a sua extensão – cerca de uma centena de quilómetros – a torne impraticável no espaço de tempo de umas breves férias e desaconselhe, aliás, o seu percurso de uma só vez.

O itinerário, que atravessa os mais importantes vinhedos da região e dá a conhecer algumas das aldeias históricas da Alsácia, começa na povoação de Tann, perto de Mulhouse, e termina em Marlenheim, a cerca de trinta quilómetros de Estrasburgo, seguindo quase sempre a estrada D 35, com alguns desvios por caminhos municipais.

Entre estas duas portas do reino alsaciano o roteiro cumpre-se ao gosto do viajante, as mais das vezes de automóvel, mas também, frequentemente, sobre duas rodas. Pode ser dividido em duas grandes etapas, que correspondem, também, a duas subzonas vitivinícolas, o Alto Reno e o Baixo Reno.

DE EGUISHEIM A RIBEAUVILLÉ, A ALSÁCIA RURAL E MEDIEVAL

As primeiras notas são, evidentemente, as da integração harmoniosa das aldeias na paisagem e da intimidade com os vinhedos. A articulação entre estes dois elementos funciona numa lógica de contraponto ou de complementaridade, mas é sempre testemunho de uma Alsácia rural e quinhentista que sobrevive com um edificante e invejável nível de conservação.

Caminha-se no interior das povoações ou pelos trilhos entre as vinhas dos arrabaldes e cada um dos cenários oferece-se sempre ao alcance do olhar gratificado do caminheiro.

Qualquer uma das cinco aldeias tocadas por este roteiro possui, nas redondezas, caminhos pedestres assinalados, o que proporciona, aliás, uma agradável experiência, acrescentada, ainda, do bónus retemperador da evasão das multidões de turistas que habitualmente abarrotam os povoados, especialmente Riquewhir. Este celebérrimo burgo passa por ser a aldeia mais visitada de França – dois milhões de visitantes por ano!

Um traço comum a todos os povoados é uma arquitetura com muitos pormenores marcados pela cultura do vinho, como pátios interiores e outras estruturas funcionais requeridas por habitações rurais que deviam também apoiar os trabalhos vitivinícolas.

A cultura do vinho é uma realidade local pelo menos desde o século XVI, quando a Alsácia exportava já os seus vinhos para o Norte da Europa, e o urbanismo e a arquitetura da maioria das aldeias datam exatamente dessa época.

Muitas casas conservam traça e estruturas medievais ou renascentistas e algumas tornaram-se mesmo paradigmas de conservação, como é o caso da Maison du Gourmet, em Kaysersberg.

Alsácia
Igreja em Eguisheim, Alsácia, França

Eguisheim é um precioso exemplo de estrutura urbana conservada praticamente intacta. O povoado dispõe-se de forma concêntrica em torno do castelo do século XIII, restaurado no final do século XIX.

Esta configuração favorece ao caminhante a descoberta de ângulos surpreendentes que combinam perspectivas singulares sobre as ruas estreitas e as fileiras de casas medievais de tabique – um exercício que pode começar pelas antigas Rues des Fossés, perto da confluência da Grand Rue com a Rue du Muscat e a Rue du Riesling.

O conjunto de edifícios medievais da adega Freudenreich, junto ao Cour Unterlinden, merece também atenção do visitante: não só é paradigmático da arquitetura rural da Alsácia, com o seu belo pátio interior, como aí encontramos um recanto muito simpático e aconselhável para uma prova de vinhos.

Pormenor curioso e significativo em Kaysersberg: a Rua General de Gaulle mantém também a sua designação medieval, Grand Rue. Ladeada por casario de raiz medieva, a artéria atravessa toda a povoação e leva-nos a uma magnífica ponte quinhentista fortificada, uma espécie de centro nevrálgico dos deambulares turísticos.

O adjetivo pitoresco vai que nem uma luva: lá em cima, coroando um cerro arborizado, jazem os restos mortais de um castelo medieval e, junto à ponte, um vetusto casarão em tabique, com uma varanda bordada em madeira, parece acabadinho de edificar.

A Grand Rue de Kaysersberg leva à estrada para Kientzheim, a aldeia vizinha, onde se pode visitar um museu consagrado à cultura do vinho. Entre as duas povoações, um trilho contorna os premiados vinhedos da casa Schlosseberg, nome a reter, tanto como o das adegas Salzmann.

Quatro ou cinco aldeias depois, surge Riquewhir e, finalmente, Ribeauvillé, que se reclama como a pátria do Riesling. Garantida a excelência dos vinhos, ainda que aquela paternidade seja disputada, resta confirmar o recorrente figurino medieval, a que se associa uma série de edifícios dos séculos XVI e XVII.

Os cerros vizinhos anunciam a cadeia montanhosa dos Vosgos e têm empinados uns quantos castelos. Observado de longe, o de St. Ulrich parece apenas mais uma fortaleza – por dentro, revela-se a residência luxuosa de uma família aristocrata da povoação.

Vale o esforço da subida, quanto mais não seja pela soberba vista sobre Ribeauvillé e a vasta planície alsaciana, que se estende para leste, até ao Reno e à fronteira franco-alemã.

Alsácia
Rua General de Gaulle, em Riquewhir, Alsácia

Para além destas andanças de reconhecimento do património edificado e da Rota do Vinho, há, claro, a História, com maiúscula, alicerçada nas narrativas que os turistas podem encontrar com abundância de referências nos folhetos ou nos guias turísticos, narrativas essenciais, bem entendido, para o inteiro retrato da Alsácia.

Mas por ora, fiquemo-nos pela matéria com que se tece o imaginário local. E para isso, não há, certamente, história mais adequada do que a de um célebre e milagreiro fontanário de Hunawhir: num tempo já, convenientemente, longínquo, a água da fonte ter-se-á transformado em vinho para compensar os habitantes pelos danos causados por um ano de más vindimas.

RIQUEWIHR, O OURO DO RIESLING

Apesar da dimensão e do número de habitantes (cerca de um milhar), há que evitar qualquer expressão do tipo “a aldeia de Riquewihr”, descuido capaz de gerar localmente a maior indignação… Riquewihr é cidade desde 1320, o que constitui, naturalmente, motivo de forte orgulho para os seus habitantes, orgulho que não impede o povoado de pertencer, paradoxalmente, a uma associação que reúne as cem mais belas aldeias de França!

Alsácia
Local de prova de vinhos da casa Freundenreich, em Eguisheim

Ainda que a torre Dolder, que fazia parte da primeira cintura de muralhas, construída no final do século XIII, seja uma das imagens mais reproduzidas da cidade, o século XVI corresponde à época de ouro de Riquewhir, quando o rendimento da produção vinícola aumentou substancialmente.

A maioria das belíssimas e coloridas casas em tabique que rodeiam as estreitas ruas e ruelas da povoação data precisamente desse tempo. Muitas delas apresentam-se decoradas com escultura em madeira, uma delas famosíssima pela réplica que acabou por constituir um dos ex-líbris da cidade de Bruxelas.

Com efeito, o Manneken-pis, datado de 1617, terá colhido inspiração numa figura semelhante criada por um artista da Alsácia. Esculpida em 1545, o antepassado da irreverente figurinha belga pode ainda hoje ser admirado pelos visitantes de Riquewhir num edifício localizado a meio da Rua Charles de Gaulle, a rua principal.

A arquitetura de Riquewihr solicita ao visitante um esforço particular, tal a profusão de ornatos inscritos nas estruturas dos edifícios ou a quantidade de recantos que há que escrutinar. Neste capítulo, vale bem a pena, por exemplo, partir à descoberta dos pátios setecentistas, com os seus varandins de madeira e poços que conservam as estruturas originais em ferro forjado.

Entre muitos outros, anotem-se o Pátio Schwander, na Rue Saint-Nicholas (duas escadas em caracol, em madeira e em pedra), e o Pátio das Cegonhas, na Rue des Écuries, onde se pode ver uma enorme prensa em madeira, datada do início do século XIX.

Do topo da torre Dolder obtém-se um bom panorama da cidade e, também, dos vinhedos circundantes. Na região há um percurso assinalado, de 15 km, que abrange um território de excelência entre Riquewihr, Zellenberg, Beblenheim, Hunawhir, Mittelwhir e Bennwihr.

O Riesling produzido localmente é dos melhores da Alsácia, graças à natureza calcária dos solos, generosos também para as castas Moscatel e Pinot. Provas recomendadas: Sporen e Schoenenberg.

Vinhos da Alsácia

A cultura do vinho na Alsácia remonta a uma época anterior à conquista romana. Durante a Idade Média, os vinhos da Alsácia eram já exportados para Inglaterra e Escandinávia e no século XVIII eram muito apreciados na Áustria e na Suíça. Atualmente, mais de metade dos vinhos produzidos na Alsácia é consumida pelos mercados da Alemanha, Reino Unido, Escandinávia, Suíça, Itália, Estados Unidos e Canadá.

Os vinhedos ocupam mais de 12.000 hectares, entre Tann, no Alto Reno, e Marlenheim, no Baixo Reno, e os métodos de vinificação são modernos, utilizando alta tecnologia. Uma das singularidades mais marcantes da produção vinícola da Alsácia é a designação dos vinhos em função das castas e não da origem geográfica, salvo algumas excepções, como a marca Les Sorcières, de Riquewihr. A zona compreendida entre esta povoação e Ribeauvillé corresponde, aliás, a uma das mais importantes aglomerações vinícolas da Alsácia.

Entre as castas mais nobres utilizadas na produção dos vinhos da região destacam-se a Riesling, a Gewürztraminer, a Moscatel da Alsácia, a Sylvaner e a Pinot Blanc. A grande estrela destes vinhos, muito apreciado localmente, é o Riesling, que os alsacianos aconselham degustar na companhia de ostras, mariscos ou alguns queijos.

Alsácia
Vista de Kaysersberg, Alsácia, França

Algumas das grandes casas produtoras – Hugel, Dopff, Lorenz, Willm – mantêm-se propriedade das mesmas famílias há quatrocentos anos e proporcionam visitas e provas inesquecíveis. A centenária casa Wolfberger, em Eguisheim, por exemplo, tem caves bem emblemáticas, com as suas grandes cuvas em carvalho da Hungria, onde se pode adquirir alguns dos bons vinhos alsacianos.

Em alternativa, há vinotecas que disponibilizam um amplo leque de escolhas, onde é possível adquirir vinhos de diferentes produtores. Eis um bom endereço: Maison Emile Beyer, na Place du Chateau, em Eguisheim.

Alsácia
Riquewhir é um vespeiro de turistas durante o Verão

Alsácia
A bela paisagem vinícola da Alsácia, França

Fonte: www.almadeviajante.com

Alsácia

Alsácia é a única apelação clássica da França que construiu sua reputação apoiando-se no conceito de vinhos varietais. A região produz vinhos brancos muito ricos, com ênfase no caráter frutado, que são adequados tanto quando consumidos na refeição como quando degustados isoladamente.

Localização

A Alsácia situa-se no nordeste da França, sendo delimitada pelas Montanhas de Vosges a oeste e pelo rio Reno e pela Floresta Negra da Alemanha a leste. Do alto das Montanhas de Vosges nascem seis rios, que atravessam cerca de 97 quilômetros de magníficos vinhedos.

Clima

Os vinhedos da Alsácia são protegidos plenamente da influência do Atlântico pelas Montanhas de Vosges, recebendo uma excepcional insolação, com baixíssima taxa de precipitação pluvial. Isto se deve ao fato das nuvens de chuva descarregarem seu conteúdo na face oeste dos Vosges, na medida em que vão alcançando maiores altitudes.

Aspecto

Os vinhedos estão situados nas encostas do Vosges, com orientação leste, a altitudes relativamente elevadas, entre 180 a 360 metros, com inclinações que variam entre 25o nas encostas mais baixas e 65o nas mais elevadas. Os melhores vinhedos possuem uma orientação sul ou sudeste, porém existem excelentes propriedades nas encostas voltadas para o norte e nordeste.

Na década de 70, o excesso de cultivo nas férteis regiões planas deram origem a problemas decorrentes da superprodução de uvas. Entretanto, alguns vinhedos destas regiões planas dão origem a vinhos de muito boa qualidade, devido à constituição favorável do solo.

Solo

A Alsácia possui a constituição geológica mais complexa de todas as grandes regiões produtoras da França. As três principais áreas, baseado em sua estrutura e morfologia são: a borda de silício dos Vosges, as colinas de calcário e os solos de aluvião da planície.

Os solos dos Vosges incluem colluvium (terras trazidas pelas chuvas que caem sobre as encostas), areia fértil sobre base de granito, solos de argila e pedras sobre xisto, solos férteis variados sobre rocha sedimentar de origem vulcânica e finalmente os solos pobres e leves, de areia sobre pedregulho arenoso.

Nas colinas, encontramos solos pedregosos, marrons, alcalinos e secos, sobre base de calcário; solos marrons e arenosos sobre pedregulho arenoso e calcário; solos pesados e férteis sobre argila e calcário e solos alcalinos marrons sobre giz e marla.

Nas planícies o solo de aluvião (trazido pelos rios) é composto de areia, argila e pedregulhos, além de um solo composto por um material poroso, marrom e pobre em cálcio, sobre o qual, em alguns lugares se deposita um escuro solo calcário.

Viticultura e Vinificação

O sistema de condução dos vinhedos os mantém mais elevados, evitando a proximidade com o solo congelado na época da primavera. Habitualmente os vinhos são fermentados até o máximo consumo possível do açúcar, apesar de atualmente muitos vinhos não serem tão secos como costumavam ser, pois houve uma drástica redução na quantidade de uvas de cada colheita nos últimos dez anos, com o objetivo de se conseguir os elevados níveis de açúcar exigidos para a produção de vinhos “Vendage Tardive” e “Sélection de Grains Nobles”.

As principais variedades de uvas cultivadas na Alsácia são as germânicas Riesling e Gewürztraminer, a francesa Pinot Gris e a exótica Moscatel, em suas quatro principais variedades, entre elas as Moscatel branca e rosé “à petit grains” e a Moscatel “otonell”. Também encontramos a Sylvaner, a Pinot Noir, a Pinot Blanc, a Auxerrois e a Chasselas.

Deve-se ressaltar que na Alsácia, a Gewürztraminer e a Pinot Gris (que é uma uva neutra em todas as outras regiões), assumem um caráter decididamente “spicy” (picante, pungente e com toques de especiarias).

Muito pouco vinho tinto, particularmente de Pinot Noir, é produzido na Alsácia, sendo brancos 90% dos vinhos produzidos na região. Tradicionalmente, a produção de vinhos na Alsácia é de vinhos brancos secos, bastante frutados, apesar dos vinhos produzidos c om a Gewürztraminer serem menos secos do que os produzidos com as demais varietais.

Com a introdução dos vinhos “Vendage Tardive” e “Sélection de Grains Nobles” e com a deliberada redução das quantidades de uvas colhidas, buscando um maior teor de açúcar, mesmo os “cuvées” mais básicos acabaram se tornando muito ricos para a produção de um vinho verdadeiramente seco.

Em vista disso, a tendência à produção de vinhos não verdadeiramente secos (off-dry) vem se espalhando para todas as outras varietais.

Os Grand Crus da Alsácia

A legislação que instituiu os “grands crus” na Alsácia data de 1975, porém somente em 1983 é que surgiu a primeira relação de 25 vinhedos classificados como “grand cru”. Três anos mais tarde, 25 novos vinhedos entraram na lista, totalizando 50 “grands crus”, apesar deste número ser alvo de intensa controvérsia, não apenas por excluir um dos mais famosos e conceituados vinhedos da Alsácia, um verdadeiro e reconhecido “grand cru”, o grandioso Kaefferkopf, em Ammerschwihr.

Embora a longo prazo deva trazer benefícios aos consumidores, o fato da legislação restringir o uso da denominação “grand cru” aos vinhos 100% varietais das quatro principais uvas, a saber, Gewürztraminer, Riesling, Pinot Gris e Moscatel, certamente irá inibir o plantio e o desenvolvimento das outras varietais, privando o mercado de uma gama maior de vinhos de alta qualidade.

Principais Produtores

Os principais produtores da Alsácia são: Domaine Zind-Humbretch, Domaine Weinbach, E.F.Trimbach, Marcel Deiss, Albert Mann, Dopff au Moulin, Hugel & Fils, Kuentz-Bas, Bruno Sorg, Paul Blanck, entre outros.

Fonte: www.abs-sp.com.br

Alsácia

A Região

Situa-se na região nordeste, entre as cidades de Strasbourg, ao norte, e Moulhouse, ao sul, na fronteira com a Alemanha, da qual é separada pelo rio Reno (Rhin), que faz a divisa entre os dois países. É uma região muito peculiar, histórica e enologicamente, pois foi território alemão por várias vezes, nos séculos X, XVII, XIX e XX.

Ao contrário das outras regiões vinícolas da França, a Alsácia não possui uma classificação com divisões em sub-regiões ou locais de produção (“château”, “climat”, etc.) e só existe uma A.O.C. geral, Alsace.

Outra grande diferença é que os vinhos alsacianos em sua maioria absoluta são varietais, isto é, são elaborados com um só tipo de uva, com predomínio absoluto das brancas. A Pinot Noir é praticamente a única variedade tinta e dá bons tintos e rosés. Existem, ainda, outras poucas variedades não típicas da região como Chardonnay, Auxerrois e outras.

Localização: Alsace é uma região da França.

Classificação dos vinhos Alsacianos: Existem ainda quatro denominações especiais que podem ser encontradas no rótulo:

Vendange Tardive: Vinho geralmente doce, mais alcoólico, feito com uvas de colheita tardia (equivalente ao Spätlese alemão).

Séletion de Grains Nobles: Vinho fino de sobremesa, doce e mais alcoólico, elaborado a partir de grãos selecionados de uvas hiperamadurecidas e botritizadas (equivalente ao Beerenauslese e ao Trockenbeerenauslese alemães).

Edelzwicker: Literalmente, significa mistura nobre e indica que o vinho é feito a partir de um corte de Gutedel (Chasselas) com Pinot Blanc ou Silvaner e um pouco de variedades aromáticas (Gewürztraminer e Muscat).

Crémant d’Alsace

Vinho espumante feito a partir de corte com uvas típicas da região ou outras como a Chardonnay, a Pinot Noir, a Auxerrois.

Existe, desde 1983, uma denominação, para os vinhos da mais alta qualidade, a Appellation Alsace Gran Cru que, no entanto, não é um índice confiável de alta qualidade, pois por seu caráter político, incluiu produtores medíocres e deixou de fora alguns bons produtores.

Assim, como no rótulo de um vinho alsaciano constam apenas a A.O.C. Alsace, o nome da variedade da uva do qual é feito e o nome do produtor, esse último é o fator decisivo na escolha de um vinho alsaciano.

Fonte: www.academiadovinho.com.br

Alsácia

Alsácia é o quinto menor das 27 regiões da França em área de terra (8,280.2 km 2 ), e o menor em França metropolitana. É também a sétima região mais densamente povoada na França.

Alsácia

Alsace está localizado na fronteira oriental da França e na margem oeste do Alto Reno adjacente à Alemanha e Suíça. O estatuto político da Alsácia tem sido fortemente influenciada por decisões históricas, guerras e política estratégicos. O capital político, económico e cultural, bem como a maior cidade da Alsácia é Estrasburgo.

A cidade é a sede de várias organizações e organismos internacionais.

A linguagem histórica da Alsácia é alsaciano , um germânico (principalmente Alemannic) dialeto falado também em parte de Lorena e do outro lado do Reno, mas hoje a maioria dos alsacianos falar principalmente francês, a língua oficial da França. 43% da população adulta, e 3% dos 3-17 anos, declarou em 2012 que eles falam da Alsácia.

Os nomes dos lugares utilizados neste artigo são em francês; para os nomes de lugares alemães, ver os nomes dos locais alemães (Alsácia).

Arquitetura

O habitat tradicional da planície da Alsácia, como em outras regiões da Alemanha e o Norte da Europa, consiste em casas construídas com paredes em estrutura de madeira e espiga e telhados em telhas planas. Este tipo de construção é abundante em partes adjacentes da Alemanha e pode ser visto em outras áreas da França, mas a sua abundância em particular na Alsácia é devido a várias razões:

A proximidade das Vosges onde a madeira pode ser encontrada. Durante os períodos de guerra e peste bubônica, aldeias foram incendiadas, muitas vezes, de modo a evitar o colapso dos andares superiores, pisos térreos foram construídas de pedra e pisos superiores construídos em meias-timberings para evitar a propagação do fogo.

Durante a maior parte da parte de sua história, uma grande parte da Alsácia foi inundada pelo Reno cada ano.

Casas em enxaimel eram fáceis de derrubar e para se movimentar durante esses tempos (um dia foi necessária para movê-lo e um dia para reconstruí-la em outro lugar).

Cozinha

Cozinha alsaciana, um pouco baseada em tradições culinárias germânicos, é marcada pelo uso de carne de porco em várias formas. Ela é talvez mais conhecido por vinhos e cervejas da região. Os pratos tradicionais incluem baeckeoffe , Flammekueche , choucroute , e fleischnacka.

Turismo

Tendo sido sempre cedo e densamente povoada, Alsácia é famosa por seu alto número de aldeias pitorescas, igrejas e castelos e para as várias belezas de suas três principais cidades, apesar das destruições graves sofreu ao longo de cinco séculos de guerras entre a França e a Alemanha.

A Alsácia é, além disso, famosa pelas suas vinhas (especialmente ao longo dos 170 km da Route des Vins d’Alsace de Marlenheim para Thann ) e as montanhas de Vosges com suas densas florestas e verdes e lagos pitorescos.

Fonte: en.wikipedia.org

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+