Breaking News
Home / Turismo / Ancara

Ancara

PUBLICIDADE

Ancara é uma cidade turca que conta com uma população de mais de 5 milhões de habitantes. É a capital da Turquia, função retirada a Constantinopla, a antiga Istambul, em princípios do século XX.

O comércio, a indústria, a atividade política, têm vindo a desenvolver-se, nos últimos anos, em Ancara. Nesta cidade, onde encontramos importantes museus nacionais, encontramos também as embaixadas e escritórios dos corpos diplomáticos de países próximos, o Mausoléu de Kemal Ataturk … que transferiu a capital de Istambul para Ancara devido à débil posição geo-estratégica de Istambul.

Ancara é uma cidade de interior, sendo por isso que tem um clima seco, com Verões quentes, Invernos frios e Primaveras e Outonos chuvosos.

Fonte: turquia.costasur.com

Ancara

A cidade de Ankara encontra-se no centro da Anatólia , na extremidade oriental do grande, de alta Anatolian Planalto, a uma altitude de 850 metros acima do nível do mar.

É o centro da província de mesmo nome, que é um trigo predominantemente fértil estepe terra com florestas áreas em sua região nordeste e agrícolas terras no sul. Ancara tem um continental clima ; verões são quentes e secos, os invernos são frios e com neve.

Faz fronteira com as províncias de Cankiri e Bolu para o norte, Eskisehir a oeste, Konya e Aksaray para o sul, e Kirikkale e Kirsehir para o leste.

A cidade é bem ligada a outras partes do país por rodovias e ferrovias, há também um grande aeroporto internacional. População de Ancara em 2012 é de quase 5 milhões, de modo que torna segunda maior cidade da Turquia.

A história da região remonta à Idade do Bronze; Hatti Civilização, que foi sucedido no segundo milênio aC pelos Hititas, então o frígios (século 10 aC); lídios e persas seguido. Depois destes veio a Gálatas , uma raça celta, que foram os primeiros a fazer seu capital Ankara (século 3 aC).

Foi então conhecido como Ancyra, ou seja, âncora. A cidade posteriormente caiu no romanos , bizantinos , e Seljuks sob governante Malik Shah-em 1073 e, finalmente, os otomanos primeiro em 1356 e depois em 1403, uma vez que perdeu contra Tamerlão em 1402. Ancara permaneceu sob o controle otomano até a Primeira Guerra Mundial.

A cidade, uma vez que um importante centro comercial na rota de caravanas para o leste, havia diminuído em importância no século 19.

Tornou-se um importante centro de novo quando Kemal Ataturk a escolheu como a base a partir da qual a dirigir a Guerra de Libertação. Em conseqüência de seu papel na guerra e sua posição estratégica, foi declarado como a capital da nova República turca em 13 de outubro de 1923.

Ancara é geralmente uma cidade formal por causa do parlamento e os Chefes de Estado que residem aqui. Mas há muitos interessantes museus e sítios para visitar, em Ancara, um esqui nas proximidades do centro, e uma vida noturna bem.

Fonte: www.allaboutturkey.com

Ancara

 

Ancara

Ancara foi inicialmente conhecida como Angora ou Engürü, devido aos famosos bodes com longo pelo e valiosa lã (mohair), a uma raça única de gatos (gato angorá) e a um tipo de coelhos brancos com um pelo muito apreciado (lã angorá).

No período Clássico e Helenístico passou a ser designada Ánkyra, e no período Romano foi denominada Ancyra.

Ancara

Ancara está localizada no centro da Anatólia, na parte oriental do planalto da Anatólia, a uma altitude de 850 metros.

Situa-se na margem esquerda do rio Enguri Su, um afluente do rio Sakarya (Sangarius), no sopé de uma colina escarpada e rochosa que atinge os 170 metros de altitude.

Constitui o centro da província com o mesmo nome, que é uma área onde predominam as estepes fertéis, propícias ao cultivo do trigo, mas também com zonas de floresta na região Nordeste.

Ancara

Possui numerosos sítios arqueológicos Hititas, Frígios, Gregos, Romanos, Bizantinos e Otomanos.

A colina é coroada pelas ruínas do castelo, restando poucos vestígios da cidade antiga e da sua história Otomana mais recente, cujas casas, típicas desta região, foram construídas maioritariamente com tijolos de barro seco ao sol e madeira.

Ancara

Existem, contudo, alguns vestígios bem preservados da arquitetura Grega, Romana e Bizantina, sendo o mais notável o Templo de Augustus, em cujas paredes está o famoso Monumentum Ancyranum ou Res Gestae Divi Augusti, ou seja, “os feitos do Divino Augustus”, que constitui a inscrição funerária do primeiro imperador Romano Augustus, tratando-se de um registo na primeira pessoa da sua vida e das suas conquistas.

A história da região recua à civilização Hatti da Idade do Bronze (2500-2000 a.C.), que foi sucedida no 2º milénio a.C. pelos Hititas, no século X a.C. pelos Frígios e depois pelos Lídios e Persas.

Ancara

A cidade expandiu-se e adoptou a forma da cidade de Pontus, maioritariamente conhecida pelos Gregos, que vieram para esta região e transformaram a cidade num centro de comércio de bens entre os portos do Mar Negro, Crimeia, Arménia e Georgia a Norte, Assíria, Chipre, e Líbano a Sul, e Pérsia a Este.

Nesse período a cidade adoptou o nome de Ànkyra.

Ancara

Diz-se que parte da sua população veio de Gordium, depois de um terramoto que aconteceu na antiguidade.

O poderio Persa chegou ao fim quando se rendeu ao rei Macedônio Alexandre, o Grande.

Em 333 a.C., Alexandre veio de Gordium para Ancara e ficou na cidade durante algum tempo. Depois da sua morte na Babilônia em 323 a.C., e a posterior divisão do seu império pelos seus generais, Ancara caiu na posse de Antigonus.

Em 278 a.C., Ancara foi ocupada pelos Gálios, que foram os primeiros a fazer de Ancara uma capital. Nessa altura era conhecida como Ancyra, que significa âncora em Grego. A história organizada e escrita de Ancara começa com os Gálios.

Ancara

Posteriormente a cidade foi conquistada pelos Romanos, Bizantinos, Seljúcidas e Otomanos . Estes últimos só se renderam no final da Primeira Guerra Mundial.

O domínio do Império Romano começou em 189 a.C. e transformou Ancara na capital da província Romana da Galácia. Sob o poder Romano, Ancara passou a ser a porta de Roma para o Leste, e como estava tão desenvolvida, adquiriu o estatuto de cidade-estado ou polis.

A sua importância militar e logística continuou durante o longo reinado Bizantino, mesmo depois da capital ter passado a ser Constantinopla.

Embora Ancara tenha caído nas mãos de vários exércitos árabes numerosas vezes depois do seculo VI, permaneceu uma cidade importante durante o Império Bizantino até ao final do século XI.

Em 1071, o sultão Seljúcida Alparslan, abriu a porta da Anatólia para os Túrquicos com a sua vitória em Malazgirt.

Em 1073, anexou Ancara, um importante local para o transporte militar e recursos naturais, ao território Turco.

O imperador Bizantino Alexios I Komnenos reconquistou a cidade aos Túrquicos durante a Primeira Cruzada. A cidade esteve na posse dos Bizantinos até ao fim do século XII, quando deixou o controlo Bizantino para sempre.

Orhan I, o segundo bey (chefe) do Império Otomano, conquistou a cidade em 1356.

Ancara

Outro líder Túrquico, Timur Lenk, sitiou Ancara durante a sua campanha na Anatólia, mas em 1403 Ancara estava outra vez sob o controle Otomano.

Perto da Primeira Guerra Mundial, a Turquia era controlada pelo sultão Otomano, e tendo perdido a guerra, era partilhada pelos Gregos, Franceses, Britânicos e Italianos.

O líder dos nacionalistas Turcos, Kemal Atatürk, estabeleceu o centro de operações do seu movimento de resistência em Ancara em 1919.

Depois da Guerra da Independência ter sido ganha e da dissolução do Império Otomano, a Turquia foi declarada República em 29 de Outubro de 1923.

Ancara substituiu Istambul (antiga Constantinopla) como a capital da Nova República da Turquia em 13 de Outubro de 1923.

Depois de Ancara se ter tornado a capital da recém fundada República da Turquia, a cidade foi dividida em duas regiões: a região antiga denominada Ulus (nação) e uma nova região chamada Yenisehir (cidade nova).

Os antigos edifícios refletindo a história Romana, Bizantina e Otomana e as ruas estreitas espiraladas marcam a região antiga.

A nova região, agora centrada em torno de Kizilay, tem os traços de uma cidade mais moderna: ruas largas, hotéis, teatros, centros comerciais e prédios. Os edifícios governamentais e as embaixadas localizam-se nesta nova região.

Fonte: cronicasdaanatolia.com

Ancara

Ancara e a Região Central

Esta região, localizada no planalto de Anatolia Central, tem três atrações turísticas. Por um lado a capital do país, Ancara, por outro, uma das paisagens mais bonitas que existem no mundo inteiro, Capadócia e por último, a área onde se instalaram os famosos Derviches Dançantes seguidores da seita Mevlevi.

Ancara possui um longo repertório de conquistadores: hititas, frigios, persas e celtas passaram por esta cidade desde suas origens, sem esquecer aos romanos, otomanos, bizantino, árabes, cruzados, selyúcidas e mongóis. Depois da Primeira Guerra Mundial e com a vitória de Atatürk durante a guerra que manteve o povo turco contra as potências aliadas, a cidade que tinha sido o centro da resistência, foi nomeada capital do recém estreada República Turca em 13 de outubro de 1923. Na atualidade apesar do passado histórico rico Ancara é uma cidade completamente moderna com extensos parques e bonitos jardins nos quais ainda pode-se conhecer vestígios históricos misturados com construções modernas.

Em honra do homem que re-estruturou a Turquia e a transformou num país moderno e independente se levantou, de 1944 à 1953, o Mausoléu de Atatürk. Nesta construção combinaram os elementos tradicionais da arquitetura turca com o mais avançado e lhe concederam um aspecto sem igual. Foi construído em pedra calcária e tem 21 m de altura. Antes de entrar pode-se visitar as galerias e museus que estão na esplanada na qual são conservados objetos pessoais e documentação de Atatürk.

Então, e depois de subir os 33 degraus adornados com baixo relevos, se alcança a impressionante varanda que dá acesso ao edifício que é flanqueado por quatro torres denominadas da Revolução, República, Vitoria e Paz. A câmara funerária está revestida de mármore branco com veias rosas, o telhado tem mosaicos dourados de grande beleza e a tumba, de 40 toneladas de peso, está composta por um único bloco de mármore.

A Cidadela foi construída no século VII para protege-la das freqüentes invasões árabes. T numa dupla muralha que na atualidade ainda acolhe a parte histórica da cidade e preserva 15 torres. O interior do recinto conserva numerosas casas tradicionais turcas construídas em madeira nas que se instalaram museus, restaurantes ou cafés, ruas calçadas com pedras e a Mesquita de Alaeddin do século XII.

Entrar nesta parte da cidade é sentir que o tempo parou e através de suas ruas é como ir conhecendo o modo de vida dos diferentes habitantes desta vila fortificada já que cada um deles deixou sua marca.

Próximo da fortaleza está o Bazar Hisar Kapisi, um bazar coberto do século XV e que acolhe o Museu das Civilizações de Anatolia no qual pode-se admirar uma excelente coleção de restos arqueológicos da pré-história. (Fechado nas segundas-feiras). Outro museu localizado numa construção otomana é o Museu Etnográfico no qual podem ser vistos tapetes, tapeçarias, vestuários, porcelanas, instrumentos cerâmicos, musicais e objetos caseiros de várias épocas.

Também do século XV é a Mesquita Haci-Bayram decorada com cerâmica de Kutahya do século XVIII. Próximo está o Templo de Augusto do qual só se conservam os muros que alcançam um grande valor já que, gravados a cinzel, pode-se ler em grego a relação dos eventos mais importantes da vida deste imperador. Também do tempo romano são os banhos do século III nos quais se percebem os restos das fundações dos quartos e as piscinas, as conduções de água, o colunado do corredor e o que conduz ao ginásio e o Coluna Juliana de 15 m de altura erguida no século IV.

Não deixe de visitar as antigas lojas localizadas em Cikrikcilar Yokusu são realmente encantadoras e nelas poderá achar todo o tipo de artigos de diferentes épocas.

Os Arredores de Ancara

Nos arredores de Ancara se encontra Cankiri com uma mesquita do século XVI construída por Sinán, Bogazkale com bonitas ruínas hititas, Amasya na que são conservadas uma mansão otomana e tumbas romanas escavadas na rocha, Tokat cujas casas de madeira ostentam preciosos lavrados, a estância termal de Baliki Kaplica (Sivas) de águas térmicas nas que se banham numerosos peixes que, de acordo com a sabedoria popular, curam as enfermidades da pele, Divrigi com a Mesquita de Ulu e a Madrasa 1929 e Nevsehir na qual é um conjunto arquitetônico de importância dentro da Mesquita de Kursunlu.

Capadócia

Nevsehir é considerada como a principal porta que dá acesso a Capadócia. Esta paisagem repleta de formas alucinante foi o resultado do trabalho e esforço feita pela paciente e sábia natureza. Tudo começou quando aproximadamente três milhões de anos atrás os vulcões Erciyes e Hasamdag entraram em erupção e banharam o planalto de Anatolia Central com lava, cinza e lama.

Depois do banho ardente a chuva, o vento, as neves e as temperaturas extremas se ocuparam de modelar a rocha até adquirir as formas maravilhosas e surpreendentes que hoje podem ser admiradas nesta área e que fizeram dela, um dos lugares mais visitados por turistas do mundo inteiro.

Com grande sucesso o governo turco decidiu denominar o lugar como Chaminés das Fadas já que realmente parece que estes seres mágicos tocaram com sua vara mágica as pedras de forma que mudaram sua cor original e alcançaram tons fascinantes: cinza, bege, amarelo, vermelho, óxido, azul marinho, lilás, verde, rosa e dourado, sempre dependendo da luz que os ilumina.

Surpreendentemente esta área esteve habitada desde 4.000 a.C. alcançando seu melhor momento com o governo do hititas no século XII a.C. Os romanos e o bizantinos conquistaram este lugar mas não o acharam suficientemente interessante como para deixar uma influência importante. Só lhes interessava como rota comercial, razão pela qual os governos locais puderam viver de acordo com sua própria cultura refugiando-se nos vales rochosos e cavando as moradias na pedra.

Estas casas tinham um sistema de ar condicionado realmente invejável, no verão estavam frescas e no inverno quentes, talvez por isto ainda hoje em dia os descendentes destes primeiros habitantes continuam lutando para habitar nestas casas. Estes refúgios eram usados pelos primeiros cristãos para proteger-se das perseguições romanas fundando igrejas, monastérios e cidades subterrâneas.

Porém, não só os cristãos se sentiram seguro nestas vilas, também os árabes e mais de mil grupos religiosos que coabitaram com suavidade em Capadócia que adquire uma mistura de culturas de riqueza enorme.

Entre os numerosos lugares, destaca O Vale de Goreme no que pode-se visitar ao ar livre de museu composto por igrejas bizantinas dos séculos X e XI escavadas na pedra e decorada com afrescos em tons de ocre de grande beleza.

Destacam a Igreja com Serpentes em cujos afrescos podem-se ver condenados estrangulados por estes répteis, a Igreja Escura com o altar e os bancos esculpidos em pedra e a Igreja das Sandálias denominadas deste modo porque debaixo de um dos afrescos estão duas pegadas. A curta distância encontra-se Avcilar uma cidade escavada na pedra com as casas em forma de cone e Zelve, um monastério de tom avermelhado.

Ürgüp, a 10 quilômetros de Göreme, se assenta na base de uma rocha coberta por bonitos pináculos nos quais foram escavadas um bom número de moradias. Uma jornada por estas casas oferece uma boa amostra do modo de vida dos antigos residentes.

Um percurso pela parte mais típica da Capadócia normalmente começa nesta cidade que hoje se tornou um centro turístico com restaurantes, bares, discotecas e onde se podem adquirir tapetes e kilims de boa qualidade a preços interessantes.

No Vale de Ihlara, depois de baixar 435 degraus, chega-se a um dos lugares mais bonitos no mundo. Mais de 100 igrejas e muitas mais moradias, tudo escavado na pedra, salpicam a paisagem que oferece um espetáculo que nem a imaginação mais fértil poderia criar. Percorrer este lugar é passear por um entorno de lenda ou por um sonho maravilhoso do qual não se quer despertar.

Kaymakli e Derinkuyu são as cidades subterrâneas mais importantes. Os túneis seguem o plano de ruas complicados que comunicam as moradias e igrejas situadas na parte superior com as áreas usadas como armazém localizadas nos níveis inferiores. Também foram construídos túneis que unira umas cidades com outras.

Estas construções acabaram sendo a 40 m de profundidade e têm um sistema de ventilação engenhoso por onde entra um ar continuamente fresco. Também tinham um bom sistema segurança que consistia numa camuflagem perfeita pela qual era quase impossível a descoberta da cidade do exterior e, por acaso falhava a camuflagem, havia pedras preparadas nas entradas que bloqueariam os acessos em muito pouco tempo, se os atacantes pudessem superar todos estes obstáculos continuariam tendo sérios problemas para chegar ao núcleo da cidade já que para chegar a ele teriam que cruzar um tortuoso e complicado labirinto. Na atualidade se pode percorrer, sem problemas, graças aos guias da área que conhecem perfeitamente o traçado.

Outro encrave natural de grande beleza que é a Cascata Kapuzbasi composta por 7 quedas de água que oscilam entre os 30 e o 70 m de altura.

Konya

Como sitio urbanístico, Konya é a segunda cidade em importância desta área depois de Ancara. Foi capital do Império Selyúcida nos séculos XII e XIII e durante este período era o centro da cultura de toda a Turquia.

Esta cidade também conta com sua própria lenda já que se diz que foi a primeira que ressurgiu de entre as águas caídas durante o Dilúvio Universal e foi a eleita pelos seguidores da seita Mevlana para desenvolver sua filosofia baseada na procura do bem em qualquer uma de suas manifestações por isso estão contra a escravidão. Eles são extremamente tolerantes e monógamos e o Derviches Dançantes, através de sua dança giratória expõe a separação dos laços terrestres.

Estas danças podem ser vistas durante o Festival Anual de Mevlana que acontece em dezembro. O monastério ainda é conservado no qual foi fundada esta ordem, o Mausoléu de Mevlana, coroado por uma cúpulas turquesa. Na atualidade abriga um museu no qual se expõe o poema épico místico, o principal manuscrito, o Mesnevi, instrumentos musicais antigos, vestimentas dos Derviches, tapetes, tapeçarias e diferentes objetos religiosos.

Também pode-se admirar o sarcófago de Rumi, fundador da seita. Outros monumentos de interesse em Konya são a Mesquita de Alaedin com telhado de madeira, em vez de cúpula, sem ornamentos excessivos no exterior. Destacam no interior o púlpito e o altar ambos em madeira talhada e o Karatay Medressi sede do Museu de Cerâmico com uma estupenda mostra de cerâmica selyúcidas.

Turquia Oriental

Esta zona de Turquia é muito diferente do resto do país. A terra varia imensamente: montanhas afiadas com picos nevados, florestas frondosas, bonitos lagos, pastos, planícies e vales férteis ao lado dos rios Eufrades e Tigris. Na antigüidade a região era conhecida como a Alta Mesopotâmia.

Aqui tudo é extremo, o clima pode ser muito frio em inverno ou muito quente e úmido em verão, as pessoas são amáveis mas reservadas e não se encontra o conforto das zonas anteriores como, hotéis de luxo nem restaurantes caros, nem discotecas e tudo é muito básico. Talvez ai resida o máximo atrativo. Natureza selvagem e belos restos históricos, de diferentes períodos e a gente vigorosa com um grande coração.

O percurso por Turquia Oriental começa em Diyarbakir. Esta cidade tem como símbolo distintivo a muralha tripla, muito bem conservada e construída com basalto que lhe concedem a cor preta tão característica dessa pedra. Esta muralha foi construída por ordem de Imperador Constâncio no ano 349, tem 5 quilômetros e meio de comprimento, numerosas torres, e várias portas entre as que destaca a Porta Urfa e a Porta Nova.

Também são de interesse a Mesquita Ulu Cami, do século XI na qual podem ser observados os diferentes materiais empregados ao longo dos anos nas restaurações e que lhe concede num aspecto muito especial e a escola teológica sede do Museu Arqueológico onde está exposta uma coleção que abarca um período de 40 séculos.

Do negro de Diyarbakir ao branco da cidade de Mardin porque os edifícios são construídos com pedra calcária que segue o cânones da arquitetura síria. Destacam como lugares de interesse a fortaleza romana, Madrasa do Sultão Isa 1385, as Mesquitas Latifiye e Ulu obra de arquitetos selyúcidas do século XI e o Kasin Pasa Medreses do século XV. Nos entornos desta cidade está o Delyrulzaferan, monastério Sírio-ortodoxo protegido por um alto muro e a Mesquita Ulu, do século XIII, situada nas próxima cidade de Kiziltepe.

Nemrut Dagi é o lugar no qual numerosos escravos trabalharam e morreram para fazer realidade um sonho de Antioco I. Este rei, que acreditava ser deus, ordenou construir um hierotesion, uma tumba-santuário, numa montanha de 2.100 m de altitude na qual era necessário subir as enormes pedras com que se fizeram as enormes figuras de pedra sentadas que alcançam desde do 7 m e meio até os 10 m e meio.

Estas figuras representaram o imperador e os deuses Zeus, Apolo e Heracles acompanhadas pela soberana de Comagenes e por um leão e uma águia. As inclemência do tempo submeteram a estas impressionantes esculturas a uma erosão severa aumentada pelos terremotos sofridos nesta área. Porém ainda é impressionante principalmente se visita nas primeiras ou nas últimas luzes do dia.

Outra marca de beleza incomparável é o Lago Van. De enormes dimensões, este lago localizado a 1800 m de altura, é tranqüilo e gentil em verão que permite o banho e a navegação, enquanto em inverno se torna traiçoeiro impedindo absolutamente qualquer atividade.

A 100 m da margem e a 200 m do centro do lago fontes sulfurosas que fazem que a água esteja muito salgada, igual ao Mar Morto. A 5 quilômetros a cidade do mesmo nome, Van, com uma formosa fortaleza que contém duas turbas colunarias, duas mesquitas restabelecidas, uma tumba com escrituras cunciforme, varias igrejas e um grupo de casas cavadas na pedra.

População e Costumes

Turquia tem uma população aproximada de 61 milhões de habitantes. Se algo pode caracterizar ao povo turco é de proceder de uma variada mistura de raças, culturas e religiões. Provavelmente esta seja a razão de sua tolerância, ao longo da história, com as crenças ou os modos de vida alheios ao seu, convivendo pacificamente com “o outro” sem perder para isto a própria identidade.

Geralmente os turcos, de belos olhos, sorriem continuamente, porém há uma condição indispensável para manter a cordialidade com eles e o respeito profundo por sua religião e por seus costumes, que não são outros que esses que regem a qualquer país islâmico. Se respeita as normas não terá nenhum problema já que, além de seu sorriso, os turcos são muito comunicativos, abertos e hospitaleiros.

Na hora de estabelecer uma relação é importante não ter pressa, não ir diretamente para o grão, saudar cortesmente e perguntar pela família antes de qualquer outra questão. Os turcos gostam de prólogos para criar uma atmosfera agradável e acolhedora para fundamentar uma relação. Não esqueça que para saudar basta um aperto de mão firme e um sorriso sincero.

Nas cidades não terá problemas para entender um ao outro já que muitos deles falam, mesmo com dificuldades, idiomas diferentes como inglês, francês, espanhol, italiano até mesmo japonês. É freqüente escutar nos mercados expressões em espanhol como “mais barato que em Pryca” ou “melhor que o Corte Inglês”. Para comunicar-se com os turcos não é necessário nada mais que uma boa disposição e, principalmente, educação. Os descendentes dos otomanos mantêm escrupulosamente as normas de cortesia e esperam que o visitante faça o mesmo.

Se deseja que sua viagem seja enriquecedora, deverá ter em conta diferentes normas de conduta, especialmente no que se refere ao respeito pelas cerimônias religiosas. Se pretende visitar uma mesquita procure faze-lo em horas que não está destinadas à oração e lembre-se de deixar os sapatos fora, como também vestir-se adequadamente, não usar bermudas, camisetas sem mangas ou decotes marcados. Lembre-se que se vai entrar na casa de algum turco também deverá tirar os sapatos. Não se pode fumar em cinemas, teatros nem nos transportes públicos.

Para fotografar os turcos é necessário ter em conta o lugar em que se encontra o mesmo. Se trata-se de cidades, é conveniente pedir permissão. Com segurança eles consentirão agradavelmente para serem fotografados. Por outro lado, nas áreas rurais é aconselhável, antes de tirar fotos, estabelecer uma conversação. Respeite também as proibições dentro dos edifícios, principalmente, se são religiosos (geralmente é indicado com cartazes a proibição de fazer fotografias ou tomar imagens em vídeo).

A família é talvez a instituição com mais força da República Turca. Os turcos mantêm um sólida relação com os membros do núcleo familiar em qualquer grau, pais, mães, filhos, tios, sobrinhos, primos e avós. Os homens velhos são adorados e costumam ser o cabeça da família, enquanto as crianças desfrutam uma grande liberdade embora ao mesmo tempo sejam os membros mais protegidos.

Curiosamente para um povo que respeita o Islã a igualdade entre os homens e mulheres está legalmente garantida pela Constituição. Ambos os sexos podem votar (as mulheres de 1927), trabalhar em qualquer ocupação, estudar qualquer profissão, divertir-se em lugares públicos e, em definitivo, participar em qualquer aspecto da vida tanto política, econômico e social. É conveniente advertir que são várias as mulheres que participam ativamente no Parlamento e no Governo.

Fonte: www.rumbo.com.br

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.