Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  As Forças Caudinas  Voltar

As Forças Caudinas

Machado de assis

Comédia em dois atos

PERSONAGENS

TITO
ERNESTO SEABRA
ALEIXO CUPIDOV coronel russo
EMÍLIA SOARES viúva
MARGARIDA SEABRA
UM CORREIO

A cena passa-se em Petrópolis - Atualidade.

ATO PRIMEIRO

(Um jardim: mesa, cadeiras de ferro. A casa a um lado.)

Cena I

SEABRA (assentado a um lado da mesa, com um livro aberto); MARGARIDA (do outro lado)

SEABRA — Queres que paremos aqui?

MARGARIDA — Como quiseres.

SEABRA (fechando o livro) — É melhor. As coisas boas não se gozam de uma assentada. Guardemos um bocado para a noite. Demais, era já tempo que eu passasse do idílio escrito para o idílio vivo. Deixa-me olhar para ti.

MARGARIDA — Jesus! Parece que começamos a lua-de-mel.

SEABRA — Parece e é. E se o casamento não fosse eternamente isto o que poderia ser? A ligação de duas existências para meditar discretamente na melhor maneira de comer o maxixe e o repolho? Ora, pelo amor de Deus! Eu penso que o casamento deve ser um namoro eterno. Não pensas como eu?

MARGARIDA — Sinto...

SEABRA — Sentes, é quanto basta.

MARGARIDA — Mas que as mulheres sintam é natural; os homens...

SEABRA — Os homens são homens.

MARGARIDA — O que nas mulheres é sensibilidade, nos homens é pieguice: desde pequena me dizem isto.

SEABRA — Enganam-te desde pequena.

MARGARIDA — Antes isso!

SEABRA — É a verdade. E desconfia sempre dos que mais falam, homens ou mulheres. Tens perto um exemplo. A Emília faz um grande cavalo de batalha da sua isenção. Quantas vezes se casou? Até aqui duas, e está nos vinte e cinco anos. Era melhor calar-se mais e casar-se menos.

MARGARIDA — Mas nela é brincadeira.

SEABRA — Pois sim. O que não é brincadeira é que os cinco meses do nosso casamento parecem-me cinco minutos...

MARGARIDA — Cinco meses!

SEABRA — Como foge o tempo!

MARGARIDA — Dirás sempre o mesmo?

SEABRA — Duvidas?

MARGARIDA — Receio. É tão bom ser feliz!

SEABRA — Sê-lo-ás sempre e do mesmo modo. De outro não entendo eu.

TITO (ao fundo) — O que é que não entendes?

Cena II
MARGARIDA, SEABRA, TITO

SEABRA — Quem é? (levanta-se e vai ao fundo) Ah! é o Tito! Entra! Entra! (abre a cancela) Ah! (abraçam-se) Como estás? Acho-te mais gordo! Anda cumprimentar minha mulher. Margarida, aqui está o Tito!

TITO — Minha senhora... (a Seabra) Dás licença? (a Margarida) Quem vem de longe quer abraços. (dá-lhe um abraço) Ah! aproveito a ocasião para dar-lhes os parabéns.

SEABRA — Recebeste a nossa carta de participação?

TITO — Em Valparaíso.

SEABRA — Anda sentar-te e conta-me a tua viagem.

TITO — Isso é longo. O que te posso contar é que desembarquei ontem no Rio. Tratei de indagar a tua morada. Disseram-me que estavas temporariamente em Petrópolis. Descansei, mas logo hoje tomei a barca da Prainha e aqui estou. Eu já suspeitava que com o teu espírito de poeta irias esconder a tua felicidade em algum recanto do mundo. Com efeito, isto é verdadeiramente uma nesga do paraíso. Jardim, caramanchões, unia casa leve e elegante, um livro... (abre o livro) Bravo! Marília de Dirceu... É completo? Tityre, tu patulae... Caio no meio de um idílio. (a Margarida) Pastorinha, onde está o cajado? (Margarida ri às gargalhadas) Ri mesmo como uma pastorinha alegre. E tu, Teócrito, que fazes? Deixas correr os dias como as águas do Paraíba? Feliz criatura!

SEABRA — Sempre o mesmo!

TITO — O mesmo doido? (a Margarida) Acha que ele tem razão?

MARGARIDA — Acho, se o não ofendo...

TITO — Qual, ofender! Se eu até me honro com isso. Sou um doido inofensivo, isso é verdade. Mas é que realmente são felizes como poucos. Há quantos meses se casaram?

MARGARIDA — Cinco meses fazem domingo.

SEABRA — Disse há pouco que me pareciam cinco minutos.

TITO — Cinco meses, cinco minutos! Eis toda a verdade da vida. Se os pusessem sobre uma grelha, como São Lourenço, cinco minutos eram cinco meses. E ainda se fala em tempo! Há lá tempo! O tempo está nas nossas impressões. Há meses para os infelizes e minutos para os venturosos!

SEABRA — Mas que ventura!

TITO — Completa, não? Imagino! Marido de um serafim nas graças e no coração... Ah! perdão, não reparei que estava aqui... mas não precisa corar!... Disto me hás de ouvir vinte vezes por dia! o que penso, digo. (a Seabra) Como não te hão de invejar os nossos amigos!

SEABRA — Isso não sei.

TITO — Pudera! Encafuado neste desvão do mundo de nada podes saber. E fazes bem. Isto de ser feliz à vista de todos é repartir a felicidade. Ora, para respeitar o princípio devo ir-me já embora...

SEABRA — Deixa-te disso: fica conosco.

MARGARIDA — Os verdadeiros amigos também são a felicidade.

TITO (curvando-se) — Oh!...

SEABRA — É até bom que aprendas em nossa escola a ciência do casamento.

TITO — Para quê?

SEABRA — Para te casares.

TITO — Hum!

MARGARIDA — Não pretende?

SEABRA — Estás ainda o mesmo que em outro tempo?

TITO — O mesmíssimo.

MARGARIDA — Tem horror ao casamento?

TITO — Não tenho vocação. É puramente um caso de vocação. Quem a não tiver não se meta nisso que é perder o tempo e o sossego. Desde muito tempo estou convencido disto.

SEABRA — Ainda te não bateu a hora.

TITO — Nem bate.

SEABRA — Mas, se bem me lembro, houve um dia em que fugiste às teorias de costume; andavas então apaixonado...

TITO — Apaixonado é engano. Houve um dia em que a providência trouxe uma confirmação aos meus instantes solitários. Meti-me a pretender uma senhora...

SEABRA — É verdade: foi um caso engraçado.

MARGARIDA — Como foi o caso?

SEABRA — O Tito viu em um baile uma rapariga. No dia seguinte apresenta-se em casa dela, e, sem mais nem menos, pede-lhe a mão. Ela respondeu... que te respondeu?

TITO — Respondeu por escrito que eu era um tolo e me deixasse daquilo. Não disse positivamente tolo, mas vinha a dar na mesma. É preciso confessar que semelhante resposta não era própria. Voltei atrás e nunca mais amei.

MARGARIDA — Mas amou naquela ocasião?

TITO — Não sei se era amor, era uma coisa... Mas note, isto foi há uns bons cinco anos. Daí para cá ninguém mais me fez bater o coração.

SEABRA — Pior para ti.

TITO — Eu sei! Se não tenho os gozos intensos do amor, não tenho nem os dissabores nem os desenganos. É já uma grande fortuna!

MARGARIDA — No verdadeiro amor não há nada disso...

TITO — Não há? Deixemos o assunto; eu podia fazer um discurso a propósito, mas prefiro...

SEABRA — Ficar conosco? Está sabido.

TITO — Não tenho essa intenção.

SEABRA — Mas tenho eu. Hás de ficar.

TITO — Mas se eu já mandei o criado tomar alojamento no hotel de Bragança...

SEABRA — Pois manda contra-ordem. Fica comigo!

TITO — Insisto em não perturbar a tua paz.

SEABRA — Deixa-te disso!

MARGARIDA — Fique!

TITO — Ficarei.

MARGARIDA — E amanhã depois de ter descansado, há de nos dizer qual é o segredo da isenção de que tanto se ufana.

TITO — Não há segredo. O que há é isto. Entre um amor que se oferece e... uma partida de voltarete, não hesito, atiro-me ao voltarete. A propósito, Ernesto, sabes que encontrei no Chile um famoso parceiro de voltarete? Fez a casca mais temerária que tenho visto... (a Margarida) Sabe o que é uma casca?

MARGARIDA — Não.

TITO — Pois eu lhe explico.

SEABRA — Aí chega a Emília.

Cena III
Os mesmos, EMÍLIA e o CORONEL

MARGARIDA (indo ao fundo) — Viva, Senhora ingrata, há três dias...

EMÍLIA — E a chuva?

CORONEL — Minha Senhora, Sr. Seabra...

SEABRA (a Emília) — D. Emília, vem achar-me na maior satisfação. Tornei a ver um amigo que há muito andava em viagem. Tenho a honra de lho apresentar: é o Sr. Tito Freitas.

TITO — Minha Senhora! (Emília fita-lhe os olhos por algum tempo procurando recordar-se; Tito sustenta o olhar de Emília com a mais imperturbável serenidade)

SEABRA (apresentando) — O Sr. Aleixo Cupidov, coronel do exército russo; o Sr. Tito Freitas... Bem... (indo à porta da casa) Tragam cadeiras...

EMÍLIA (a Margarida) — Pois ainda hoje não viria se não fosse a obsequiosidade do Sr. Coronel...

MARGARIDA — O Sr. Coronel é uma maravilha. (chega um fâmulo com cadeiras, dispõe-nas e sai)

CORONEL — Nem tanto, nem tanto.

EMÍLIA — É, é. Eu só tenho medo de uma coisa; é que suponham que me acho contratada para vivandeira para o exército russo...

CORONEL — Quem suporia?

SEABRA — Sentem-se, nada de cerimônias.

EMÍLIA — Sabem que o Sr. Coronel vai fazer-me um presente?

SEABRA — Ah!...

MARGARIDA — O que é?

CORONEL — É uma insignificância, não vale a pena.

EMÍLIA — Então não acertam? É um urso branco.

SEABRA e MARGARIDA — Um urso!

EMÍLIA — Está para chegar; mas só ontem é que me deu notícia...

TITO (baixo a Seabra) — Com ele faz um par.

MARGARIDA — Ora, um urso!

CORONEL — Não vale a pena. Contudo mandei dizer que desejava dos mais belos. Ah! não fazem idéia do que é um urso branco! Imaginem que é todo branco!

TITO — Ah!...

CORONEL — É um animal admirável.

TITO — Eu acho que sim. (a Seabra) Ora vê tu, um urso branco que é todo branco! (baixo) Que faz este sujeito?

SEABRA (baixo) — Namora a Emília, mas sem ser namorado.

TITO (idem) — Diz ela?

SEABRA (idem) — E é verdade.

EMÍLIA (respondendo a Margarida) — Mas por que não me mandaste dizer? Dá-se esta, Sr. Seabra; então faz-se anos nesta casa e não me mandam dizer?

MARGARIDA — Mas a chuva?

EMÍLIA — Anda lá, maliciosa! Bem sabes que não há chuva em casos tais.

SEABRA — Demais fez-se a festa tão à capucha!

EMÍLIA — Fosse o que fosse, eu sou de casa.

TITO — O coronel está com licença, não?

CORONEL — Estou, sim, senhor.

TITO — Não tem saudades do serviço?

CORONEL — Podia ter, mas há compensações...

TITO — É verdade que os militares, por gosto ou por costume, nas vagas do serviço do exército, alistam-se em outro exército, sem baixa de posto, alferes quando são alferes, coronéis quando são coronéis. Tudo lhes corre mais fácil: é o verdadeiro amor; o amor que cheira a pelouro e morrião. Oh! esse sim!

CORONEL — Oh!...

TITO — É verdade, não?

CORONEL — Faz-se o que se pode...

EMÍLIA (a Tito) – É advogado?

TITO — Não sou coisa alguma.

EMÍLIA — Parece advogado.

MARGARIDA — Oh! ainda não sabes o que é o nosso amigo... Nem digo, que tenho medo...

EMÍLIA — É coisa tão feia assim?

TITO — Dizem, mas eu não creio.

EMÍLIA — O que é então?

MARGARIDA — É um homem incapaz de amar... Não pode haver maior indiferença para o amor... Em resumo, prefere a um amor... o quê? Um voltarete.

EMÍLIA — Disse-te isso?

TITO — E repito. Mas note bem, não é por elas, é por mim. Acredito que todas as mulheres sejam credoras da minha adoração; mas eu é que sou feito de modo que nada mais lhes posso conceder do que uma estima desinteressada.

EMÍLIA — Se não é vaidade, é doença.

TITO — Há de me perdoar, mas eu creio que não é doença nem vaidade. É natureza: uns aborrecem as laranjas, outros aborrecem os amores; agora se o aborrecimento vem por causa das cascas, não sei; o que é certo é que é assim.

EMÍLIA (a Margarida) — É ferino!

TITO — Ferino, eu? Sou uma seda, uma dama, um milagre de brandura... Dói-me, deveras, que eu não possa estar na linha dos outros homens, e não seja, como todos, propenso a receber as impressões amorosas, mas que quer? A culpa não é minha.

SEABRA — Anda lá, o tempo há de mudar.

TITO — Mas quando? Tenho vinte e nove feitos!

EMÍLIA — Já, vinte e nove?

TITO — Completei-os pela Páscoa.

EMÍLIA — Não parece.

TITO — São os seus bons olhos...

UM CORREIO (ao fundo) — Jornais da corte! (Seabra vai tomar os jornais. Vai-se o correio)

SEABRA — Notícias do paquete.

CORONEL — Notícias do paquete? Faz-me favor de um? (Seabra dá-lhe um jornal)

SEABRA — Queres ler, Tito?

TITO — Já li. Mas olha, deixa-me ir tirar estas botas e mandar chamar o meu criado.

SEABRA — Vamos. Dispensam-nos por um instante?

EMÍLIA — Pois não!

SEABRA — Vamos.

TITO — Não tardo nada. (entram os dois em casa. O Coronel lê as notícias com grandes gestos de espanto)

EMÍLIA — Coronel, ao lado da casa há um caramanchãozinho, muito próprio para leitura...

CORONEL — Perdão, minha senhora, eu bem sei que faço mal, mas é que realmente o paquete trouxe notícias gravíssimas.

EMÍLIA — No caramanchão! no caramanchão!

CORONEL — Hão de perdoar, com licença... (a Emília) Não vai sem mim?

EMÍLIA — Conto com a sua obsequiosidade.

CORONEL — Pois não! (sai)

Cena IV
MARGARIDA, EMÍLIA

MARGARIDA — Quando te deixará este eterno namorado?

EMÍLIA — Eu sei lá! Mas, afinal de contas, não é mau homem. Tem aquela mania de me dizer no fim de todas as semanas que nutre por mim uma ardente paixão.

MARGARIDA — Enfim, se não passa da declaração semanal...

EMÍLIA — Não passa. Tem a vantagem de ser um braceiro infalível para a rua e um realejo menos mau dentro de casa. Já me contou umas cinqüenta vezes a batalha em que ganhou o posto de coronel. Todo o seu desejo, diz ele, é ver-se comigo em São Petersburgo. Quando me fala nisto, se é à noite, e é quase sempre à noite, mando vir o chá, excelente meio de aplacar-lhe os ardores amorosos. Gosta do chá que se péla! Gosta tanto como de mim! Mas aquela do urso branco? E se realmente mandou vir um urso?

MARGARIDA — Aceita.

EMÍLIA — Pois eu hei de sustentar um urso? Não me faltava mais nada.

MARGARIDA — Quer-me parecer que acabas por te apaixonar...

EMÍLIA — Por quem? Pelo urso?

MARGARIDA — Não; pelo coronel.

EMÍLIA — Deixa-te disso... Ah! mas o original... o amigo de teu marido? Que me dizes do vaidoso? Não se apaixona!

MARGARIDA — Talvez seja sincero...

EMÍLIA — Não acredito. Pareces criança! Diz aquilo dos dentes para fora...

MARGARIDA — É verdade que não tenho maior conhecimento dele...

EMÍLIA — Quanto a mim, pareceu-me não ser estranha aquela cara... mas não me lembro!

MARGARIDA — Parece ser sincero... mas dizer aquilo é já atrevimento.

EMÍLIA — Está claro...

MARGARIDA — De que te ris?

EMÍLIA — Lembra-me um do mesmo gênero que este... Foi já há tempos. Andava sempre a gabar-se da sua isenção. Dizia que todas as mulheres eram para ele vasos da China: admirava-as e nada mais. Coitado! Caiu em menos de um mês. Margarida, vi-o beijar-me a ponta dos sapatos... depois do que desprezei-o.

MARGARIDA — Que fizeste?

EMÍLIA — Ah! não sei o que fiz. Fiz o que todas fazemos. Santa Astúcia foi quem operou o milagre. Vinguei o sexo e abati um orgulhoso.

MARGARIDA — Bem feito!

EMÍLIA — Não era menos do que este. Mas falemos de coisas sérias... Recebi as folhas francesas de modas...

MARGARIDA — Que há de novo?

EMÍLIA — Muita coisa. Amanhã tas mandarei. Repara em um novo corte de mangas. É lindíssimo. Já mandei encomendas para a corte. Em artigos de passeio há fartura e do melhor.

MARGARIDA — Para mim quase que é inútil mandar.

EMÍLIA — Por quê?

MARGARIDA — Quase nunca saio de casa.

EMÍLIA — Nem ao menos irás jantar comigo no dia de ano bom?

MARGARIDA — Oh! com toda a certeza!

EMÍLIA — Pois vai... Ah! irá o homem? O Sr. Tito?

MARGARIDA — Se estiver cá... e quiseres...

EMÍLIA — Pois que vá, não faz mal... Saberei contê-lo... Creio que não será sempre tão... incivil. Nem sei como podes ficar com esse sangue-frio! A mim faz-me mal aos nervos!

MARGARIDA — É-me indiferente.

EMÍLIA — Mas a injúria ao sexo... não te indigna?

MARGARIDA — Pouco.

EMÍLIA — És feliz.

MARGARIDA — Que queres que eu faça a um homem que diz aquilo? Se não fosse já casada era possível que me indignasse mais. Se fosse livre era possível que lhe fizesse o que fizeste ao outro. Mas eu não posso cuidar dessas coisas...

EMÍLIA — Nem ouvindo a preferência do voltarete? Pôr-nos abaixo da dama de copas! E o ar com que diz aquilo! Que calma! Que indiferença!

MARGARIDA — É mau! É mau!

EMÍLIA — Merecia castigo...

MARGARIDA — Merecia. Queres tu castigá-lo?

EMÍLIA — Não vale a pena.

MARGARIDA — Mas tu castigaste o outro.

EMÍLIA — Sim... mas não vale a pena.

MARGARIDA — Dissimulada!

EMÍLIA (rindo) — Por que dizes isso?

MARGARIDA — Porque já te vejo meio tentada a uma vingança nova...

EMÍLIA — Eu? Ora, qual!

MARGARIDA — Que tem? Não é crime...

EMÍLIA — Não é, decerto; mas... Veremos!

MARGARIDA — Ah! Serás capaz?

EMÍLIA (com um olhar de orgulho) — Capaz?

MARGARIDA — Beijar-te-á ele a ponta dos sapatos?

EMÍLIA (apontando com o leque para o pé) — E hão de ser estes...

MARGARIDA — Aí vem o homem! (Tito aparece à porta da casa)

Cena V
TITO, EMÍLIA, MARGARIDA

TITO (parando à porta) — Não é segredo?

EMÍLIA — Qual! Pode vir.

MARGARIDA — Descansou mais?

TITO — Pois não! Onde está o coronel?

EMÍLIA — Está lendo as folhas da corte.

TITO — Coitado do coronel!

EMÍLIA — Coitado por quê?

TITO — Talvez em breve tenha de voltar para o exército. É duro. Quando a gente se afaz a certos lugares e certos hábitos lá lhe custa a mudar... Mas a força maior... Não as incomoda o fumo?

EMÍLIA — Não, senhor!

TITO — Então posso continuar a fumar?

MARGARIDA — Pode.

TITO — É um mau vício, mas é o meu único vício. Quando fumo parece que aspiro a eternidade. Enlevo-me todo e mudo de ser. Divina invenção!

EMÍLIA — Dizem que é excelente para os desgostos amorosos.

TITO — Isso não sei. Mas não é só isto. Depois da invenção do fumo não há solidão possível. É a melhor companhia deste mundo. Demais, o charuto é um verdadeiro Memento homo: reduzindo-se pouco a pouco em cinzas, vai lembrando ao homem o fim real e infalível de todas as coisas: é o aviso filosófico, é a sentença fúnebre que nos acompanha em toda a parte. Já é um grande progresso... Mas aqui estou eu a aborrecê-las com uma dissertação aborrecida... Hão de desculpar... que foi descuido. (fixando o olhar em Emília) Ora, a falar a verdade, eu vou desconfiando; V. Exa. olha-me com uns olhos tão singulares.

EMÍLIA — Não sei se são singulares, mas são os meus.

TITO — Penso que não são os do costume. Está talvez V. Exa. a dizer consigo que eu sou um esquisito, um singular, um...

EMÍLIA — Um vaidoso, é verdade.

TITO — Sétimo mandamento: não levantarás falsos testemunhos.

EMÍLIA — Falsos, diz o mandamento.

TITO — Não me dirá em que sou eu vaidoso?

EMÍLIA — Ah! a isso não respondo eu.

TITO — Por que não quer?

EMÍLIA — Porque... não sei. É uma coisa que se sente, mas que se não pode descobrir. Respira-lhe a vaidade em tudo: no olhar, na palavra, no gesto... mas não se atina com a verdadeira origem de tal doença.

TITO — É pena. Eu tinha grande prazer em ouvir da sua boca o diagnóstico da minha doença. Em compensação pode ouvir da minha o diagnóstico da sua... A sua doença é... Digo?

EMÍLIA — Pode dizer.

TITO — É um despeitozinho.

EMÍLIA — Deveras?

TITO — Despeito pelo que eu disse há pouco.

EMÍLIA (rindo) — Puro engano!

TITO — É com certeza. Mas é tudo gratuito. Eu não tenho culpa de coisa alguma. A natureza é que me fez assim.

EMÍLIA — Só a natureza?

TITO — E um tanto de estudo. Ora, vou desfiar-lhe as minhas razões. Veja se posso amar ou pretender amar: 1°, não sou bonito...

EMÍLIA — Oh!...

TITO — Agradeço o protesto, mas continuo na mesma opinião: não sou bonito, não sou.

MARGARIDA — Oh!

TITO (depois de inclinar-se) — 2°, não sou curioso, e o amor, se o reduzirmos às suas verdadeiras proporções, não passa de uma curiosidade; 3°, não sou paciente, e nas conquistas amorosas, a paciência é a principal virtude; 4°, finalmente, não sou idiota, porque, se com todos estes defeitos, pretendesse amar, caía na maior falta de razão. Aqui está o que eu sou por natural e por indústria; veja se se pode fazer de mim um Werther...

MARGARIDA — Emília, parece que é sincero.

EMÍLIA — Acreditas?

TITO — Sincero como a verdade.

EMÍLIA — Em último caso, seja ou não seja sincero, que tenho eu com isso?

TITO — Ah! Nada! Nada!

EMÍLIA — O que farei é lamentar aquela que cair na desgraça de pretender tão duro coração... se alguma houver.

TITO — Eu creio que não há. (entra um criado e vai falar a Margarida)

EMÍLIA — Pois é o mais que posso fazer...

MARGARIDA — Dão-me licença por alguns minutos... Volto já.

EMÍLIA — Não te demores!

MARGARIDA — Ficas?

EMÍLIA — Fico. Creio que não há receio...

TITO — Ora, receio... (Margarida entra em casa, o criado sai pelo fundo)

Cena VI
TITO, EMÍLIA

EMÍLIA — Há muito tempo que se dá com o marido de Margarida?

TITO — Desde criança.

EMÍLIA — Ah! foi criança?...

TITO — Ainda hoje sou.

EMÍLIA (voltando ao sério) — É exatamente o tempo das minhas relações com ela. Nunca me arrependi.

TITO — Nem eu.

EMÍLIA — Houve um tempo em que estivemos separadas; mas isso não trouxe mudança alguma às nossas relações. Foi no tempo do meu primeiro casamento.

TITO — Ah! foi casada duas vezes?

EMÍLIA — Em dois anos.

TITO — E por que enviuvou da primeira?

EMÍLIA — Porque meu marido morreu.

TITO — Mas eu pergunto outra coisa. Por que se fez viúva, mesmo depois da morte de seu primeiro marido? Creio que poderia continuar casada.

EMÍLIA — De que modo?

TITO — Ficando mulher do finado. Se o amor acaba na sepultura acho que não vale a pena de procurá-lo neste mundo.

EMÍLIA — Realmente o Sr. Tito é um espírito fora do comum!

TITO — Um tanto.

EMÍLIA — É preciso que o seja para desconhecer que a nossa vida não comporta essas exigências de eterna fidelidade. E demais, pode-se conservar a lembrança dos que morreram sem renunciar às condições da nossa existência. Agora, é que eu lhe pergunto por que me olha com olhos tão singulares...

TITO — Não sei se são singulares, mas são os meus.

EMÍLIA — Então acha que eu cometi uma bigamia?

TITO — Eu não acho nada. Ora, deixe-me dizer-lhe a última razão da minha incapacidade para os amores.

EMÍLIA — Sou toda ouvidos.

TITO — Eu não creio na fidelidade.

EMÍLIA — Em absoluto?

TITO — Em absoluto.

EMÍLIA — Muito obrigada!

TITO – Ah! eu sei que isto não é delicado; mas, em primeiro lugar, eu tenho a coragem das minhas opiniões, e em segundo, foi V. Exa. quem me provocou. É infelizmente verdade, eu não creio nos amores leais e eternos. Quero fazê-la minha confidente. Houve um dia em que tentei amar; concentrei todas as formas vivas do meu coração; dispus-me a reunir o meu orgulho e a minha ilusão na cabeça do objeto amado. Que lição mestra! O objeto amado, depois de me alimentar as esperanças, casou-se com outro que não era nem mais bonito, nem mais amante.

EMÍLIA — Que prova isso?

TITO — Prova que me aconteceu o que pode acontecer e acontece diariamente aos outros.

EMÍLIA — Ora...

TITO — Há de me perdoar, mas eu creio que é uma coisa já metida na massa do sangue.

EMÍLIA — Não diga isso. É certo que podem acontecer casos desses; mas serão todas assim? Não admite uma exceção que seja? Seja menos prevenido; aprofunde mais os corações alheios se quiser encontrar a verdade... e há de encontrá-la.

TITO (abanando a cabeça) — Qual...

EMÍLIA — Posso afirmá-lo.

TITO — Duvido.

EMÍLIA (dando-lhe o braço) — Tenho pena de uma criatura assim! Não conhecer o amor é não conhecer a felicidade, é não conhecer a vida! Há nada igual à união de duas almas que se adoram? Desde que o amor entra no coração, tudo se transforma, tudo muda, a noite parece dia, a dor assemelha-se ao prazer... Se não conhece nada disto, pode morrer, porque é o mais infeliz dos homens.

TITO — Tenho lido isso nos livros, mas ainda não me convenci...

EMÍLIA — Há de ir um dia à minha casa.

TITO — É dado saber por quê?

EMÍLIA — Para ver uma gravura que lá tenho na sala: representa o amor domando as feras. Quero convencê-lo.

TITO — Com a opinião do desenhista? Não é possível. Tenho visto gravuras vivas. Tenho servido de alvo a muitas setas; crivam-me todo, mas eu tenho a fortaleza de São Sebastião; afronto, não me curvo.

EMÍLIA (tira-lhe o braço) — Que orgulho!

TITO — O que pode fazer dobrar uma altivez destas? A beleza? Nem Cleópatra. A castidade? Nem Susana. Resuma, se quiser, todas as qualidades em uma só criatura e eu não mudarei... É isto e nada mais.

EMÍLIA (à parte) — Veremos. (vai sentar-se)

TITO (sentando-se) – Mas, não me dirá; que interesse tem na minha conversão?

EMÍLIA Eu? Não sei... nenhum.

TITO (pega no livro) — Ah!

EMÍLIA — Só se fosse o interesse de salvar-lhe a alma...

TITO (folheando o livro) — Oh! essa... está salva!

EMÍLIA (depois de uma pausa) — Está admirando a beleza dos versos?

TITO — Não senhora; estou admirando a beleza da impressão. Já se imprime bem no Rio de Janeiro. Aqui há anos era uma desgraça. V. Exa. há de conservar ainda alguns livros da impressão antiga...

EMÍLIA — Não, senhor; eu nasci depois que se começou a imprimir bem.

TITO (com a maior frieza) — Ah! (deixa o livro)

EMÍLIA (à parte) — É terrível! (alto, indo ao fundo) Aquele coronel ainda não acabaria de ler as notícias?

TITO — O coronel?

EMÍLIA — Parece que se embebeu todo no jornal... Vou mandar chamá-lo... Não chegará alguém?

TITO (com os olhos cerrados) — Mande, mande...

EMÍLIA (consigo) — Não, tu é que hás de ir. (alto) Quem me chamará o coronel? (à parte) Não se move!... (indo por trás da cadeira de Tito) Em que medita? No amor? Sonha com os anjos? (ameigando a voz) A vida do amor é a vida dos anjos... é a vida do céu... (vendo-o com os olhos, fechados) Dorme!... Dorme!...

TITO (despertando, com espanto) — Dorme?... Quem? Eu?... Ah! o cansaço... (levanta-se) Desculpe... é o cansaço... cochilei... também Homero cochilava... Que há?

EMÍLIA (séria) — Não há nada! (vai para o fundo)

TITO (à parte) — Sim? (alto) Mas não me dirá?... (dirige-se para o fundo. Entra o coronel)

voltar 12avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal