Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Obras Literárias / O Protocolo

O Protocolo

Machado de Assis

PUBLICIDADE

Comédia em um ato

Representada pela primeira vez no

Ateneu Dramático em novembro de 1862

PERSONAGENS

Pinheiro – Sr. Cardoso

Venâncio Alves – Sr. Pimentel

Elisa – Sra. D. Maria Fernanda

Lulu – Sra. D. Jesuína Montani

Atualidade

EM CASA DE PINHEIRO

Sala de visitas

CENA I
Elisa, Venâncio Alves

ELISA – Está meditando?

VENÂNCIO (como que acordando) – Ah! perdão!

ELISA – Estou afeita à alegria constante de Lulu, e não posso ver ninguém triste.

VENÂNCIO – Exceto a senhora mesma.

ELISA – Eu!

VENÂNCIO – A senhora!

ELISA – Triste, por que, meu Deus?

VENÂNCIO – Eu sei! Se a rosa dos campos me fizesse a mesma pergunta, eu responderia que era falta de orvalho e de sol. Quer que lhe diga que é falta de… de amor?

ELISA (rindo-se) – Não diga isso!

VENÂNCIO – Com certeza, é.

ELISA – Donde conclui?

VENÂNCIO – A senhora tem um sol oficial e um orvalho legal que não sabem animá-la. Há nuvens…

ELISA – É suspeita sem fundamento.

VENÂNCIO – É realidade.

ELISA – Que franqueza a sua!

VENÂNCIO – Ah! é que o meu coração é virginal, e portanto sincero.

ELISA – Virginal a todos os respeitos?

VENÂNCIO – Menos a um.

ELISA – Não serei indiscreta: é feliz.

VENÂNCIO – Esse é o engano. Basta essa exceção para trazer-me um temporal. Tive até certo tempo o sossego e a paz do homem que está fechado no gabinete sem se lhe dar da chuva que açoita as vidraças.

ELISA – Por que não se deixou ficar no gabinete?

VENÂNCIO – Podia acaso fazê-lo? Passou fora a melodia do amor; o coração é curioso e bateu-me que saísse; levantei-me, deixei o livro que estava lendo; era Paulo e Virgínia! Abri a porta e nesse momento a fada passava. (Reparando nela). Era de olhos negros e cabelos castanhos.

ELISA – Que fez?

VENÂNCIO – Deixei o gabinete, o livro, tudo, para seguir a fada do amor!

ELISA – Não reparou se ela ia só?

VENÂNCIO (suspirando) – Não ia só!

ELISA (em tom de censura) – Fez mal.

VENÂNCIO – Talvez. Curioso animal que é o homem! Em criança deixa a casa paterna para acompanhar os batalhões que vão à parada; na mocidade deixa os conchegos e a paz para seguir a fada do amor; na idade madura deixa-se levar pelo deus Momo da política ou por qualquer outra fábula do tempo. Só na velhice deixa passar tudo sem mover-se, mas… é porque já não tem pernas!

ELISA – Mas que tencionava fazer se ela não ia só?

VENÂNCIO – Nem sei.

ELISA – Foi loucura. Apanhou chuva!

VENÂNCIO – Ainda estou apanhando.

ELISA – Então é um extravagante.

VENÂNCIO – Sim. Mas um extravagante por amor… Ó poesia!

ELISA – Mau gosto!

VENÂNCIO – A Sra. é a menos competente para dizer isso.

ELISA – É sua opinião?

VENÂNCIO – É opinião deste espelho.

ELISA – Ora!

VENÂNCIO – E dos meus olhos também.

ELISA – Também dos seus olhos?

VENÂNCIO – Olhe para eles.

ELISA – Estou olhando.

VENÂNCIO – O que vê dentro?

ELISA – Vejo… (Com enfado) Não vejo nada!

VENÂNCIO – Ah! está convencida!

ELISA – Presumido!

VENÂNCIO – Eu! Essa agora não é má!

ELISA – Para que seguia quem passava quieta pela rua? Supunha abrandá-la com as suas mágoas?

VENÂNCIO – Acompanhei-a, não para abrandá-la, mas para servi-la; viver do rasto de seus pés, das migalhas dos seus olhares; apontar-lhe os regos a saltar, apanhar-lhe o leque quando caísse… (Cai o leque a Elisa. Venâncio Alves apressa-se a apanha-o e entrega-lho). Finalmente…

ELISA – Finalmente… fazer profissão de presumido!

VENÂNCIO – Acredita deveras que o seja?

ELISA – Parece.

VENÂNCIO – Pareço, mas não sou. Presumido seria se eu exigisse a atenção exclusiva da fada da noite. Não quero! Basta-me ter coração para amá-la, é a minha maior ventura!

ELISA – A que pode levá-lo esse amor? Mais vale sufocar no coração a chama nascente do que condená-la a arder em vão.

VENÂNCIO – Não; é uma fatalidade! Arder e renascer, como a fênix, suplício eterno, mas amor eterno também.

ELISA – Eia! Ouça uma… amiga. Não dê a esse sentimento tanta importância. Não é a fatalidade da fênix, é a fatalidade… do relógio. Olhe para aquele. Lá anda correndo e regulando; mas se amanhã não lhe derem corda, ele parará. Não dê corda à paixão, que ela parará por si.

VENÂNCIO – Isso não!

ELISA – Faça isso… por mim!

VENÂNCIO – Pela senhora! Sim… não…

ELISA – Tenha ânimo!

CENA II
Venâncio Alves, Elisa, Pinheiro

PINHEIRO (a Venâncio) – Como está?

VENÂNCIO – Bom. Conversávamos sobre coisas da moda. Viu os últimos figurinos? São de apurado gosto.

PINHEIRO – Não vi.

VENÂNCIO – Está com um ar triste…

PINHEIRO – Triste, não; aborrecido… É a minha moléstia do domingo.

VENÂNCIO – Ah!

PINHEIRO – Ando a abrir e fechar a boca; é um círculo vicioso.

ELISA – Com licença.

VENÂNCIO – Oh! minha senhora!

ELISA – Eu faço anos hoje; venha jantar conosco.

VENÂNCIO – Venho. Até logo.

CENA III
Pinheiro, Venâncio Alves

VENÂNCIO – Anda então em um círculo vicioso?

PINHEIRO – É verdade. Tentei dormir, não pude; tentei ler, não pude. Que tédio, meu amigo!

VENÂNCIO – Admira!

PINHEIRO – Por que?

VENÂNCIO – Porque não sendo viúvo nem solteiro…

PINHEIRO – Sou casado…

VENÂNCIO – É verdade.

PINHEIRO – Que adianta?

VENÂNCIO – É boa! adianta ser casado. Compreende nada melhor que o casamento?

PINHEIRO – O que pensa da China, Sr. Venâncio?

VENÂNCIO – Eu? Penso…

PINHEIRO – Já sei, vai repetir-me o que tem lido nos livros e visto nas gravuras; não sabe mais nada.

VENÂNCIO – Mas as narrações verídicas…

PINHEIRO – São minguadas ou exageradas. Vá à China, e verá como as coisas mudam tanto ou quanto de figura.

VENÂNCIO – Para adquirir essa certeza não vou lá.

PINHEIRO – É o que lhe aconselho; não se case!

VENÂNCIO – Que não me case?

PINHEIRO – Ou não vá à China, como queira. De fora, conjecturas, sonhos, castelos no ar, esperanças, comoções… Vem o padre, dá a mão aos noivos, leva-os, chegam às muralhas… Upa! estão na China! Com a altura da queda fica-se atordoado, e os sonhos de fora continuam dentro: é a lua de mel; mas, à proporção que o espírito se restabelece, vai vendo o país como ele é; então poucos lhe chamam Celeste Império, alguns infernal império, muitos purgatorial império!

VENÂNCIO – Ora, que banalidade! E que sofisma!

PINHEIRO – Quantos anos tem, Sr. Venâncio?

VENÂNCIO – Vinte e quatro.

PINHEIRO – Está com a mania que eu tinha na sua idade.

VENÂNCIO – Qual mania?

PINHEIRO – A de querer acomodar todas as coisas à lógica, e a lógica a todas coisas. Viva, experimente e convencer-se-á de que nem sempre se pode alcançar isso.

VENÂNCIO – Quer-me parecer que há nuvens no céu conjugal?

PINHEIRO – Há. Nuvens pesadas.

VENÂNCIO – Já eu as tinha visto com o meu telescópio.

PINHEIRO – Ah! se eu não estivesse preso…

VENÂNCIO – É exageração de sua parte. Capitule, Sr. Pinheiro, capitule. Com mulheres bonitas é um consolo capitular. Há de ser o meu preceito de marido.

PINHEIRO – Capitular é vergonha.

VENÂNCIO – Com uma moça encantadora?…

PINHEIRO – Não é uma razão.

VENÂNCIO – Alto lá! Beleza obriga.

PINHEIRO – Pode ser verdade, mas eu peço respeitosamente licença para declarar-lhe que estou com o novo princípio de não-intervenção nos Estados. Nada de intervenções.

VENÂNCIO – A minha intenção é toda conciliatória.

PINHEIRO – Não duvido, nem duvidava. Não veja no que disse injúria pessoal. Folgo de recebê-lo e de contá-lo entre os afeiçoados de minha família.

VENÂNCIO – Muito obrigado. Dá-me licença?

PINHEIRO – Vai rancoroso?

VENÂNCIO – Ora, qual! Até à hora do jantar.

PINHEIRO – Há de desculpar-me, não janto em casa. Mas considere-se com a

mesma liberdade. (Sai Venâncio. Entra Lulu).

CENA IV
Pinheiro, Lulu

LULU – Viva, primo!

PINHEIRO – Como estás, Lulu?

LULU – Meu Deus, que cara feia!

PINHEIRO – Pois é a que trago sempre.

LULU – Não é, não, senhor; a sua cara de costume é uma cara amável; essa é de afugentar a gente. Deu agora para andar arrufado com sua mulher!

PINHEIRO – Mau!

LULU – Escusa de zangar-se também comigo. O primo é um bom marido; a prima é uma excelente esposa; ambos formam um excelente casal. É bonito andarem amuados, sem se olharem nem se falarem? Até parece namoro!

PINHEIRO – Ah! tu namoras assim?

LULU – Eu não namoro.

PINHEIRO – Com essa idade?

LULU – Pois então! Mas escute: estes arrufos vão continuar?

PINHEIRO – Eu sei lá.

LULU – Sabe, sim. Veja se isto é bonito na lua de mel; ainda não há cinco meses que se casaram.

PINHEIRO – Não há, não. Mas a data não vem ao caso. A lua de mel ofuscou-se; é alguma nuvem que passa; deixa-la passar. Queres que eu faça como aquele doido que, ao enublar-se o luar, pedia a Júpiter que espevitasse o candeeiro? Júpiter é independente, e me apagaria de todo o luar, como fez com o doido. Aguardemos antes que algum vento sopre do norte, ou do sul, e venha dissipar a passageira sombra.

LULU – Pois sim! Ela é norte, o primo é o sul; faça com que o vento sopre do sul.

PINHEIRO – Não, senhora, há de soprar do norte.

LULU – Capricho sem graça!

PINHEIRO – Queres saber de uma coisa, Lulu? Estou pensando que és uma brisazinha do norte encarregada de fazer clarear o céu.

LULU – Oh! nem por graça!

PINHEIRO – Confessa, Lulu!

LULU – Posso ser uma brisa do sul, isso sim!

PINHEIRO – Não terás essa glória.

LULU – Então o primo é caprichoso assim?

PINHEIRO – Caprichos? Ousas tu, posteridade de Eva, falar de caprichos a mim, posteridade de Adão!

LULU – Oh!…

PINHEIRO – Tua prima é uma caprichosa. De seus caprichos nasceram estas diferenças entre nós. Mas para caprichosa, caprichoso: contrafiz-me, estudei no código feminino meios de pôr os pés à parede, e tornei-me de antes quebrar que torcer. Se dia não der um passo, também eu não dou.

LULU – Pois eu estendo a mão direita a um e a esquerda a outro, e os aproximarei.

PINHEIRO – Queres ser o anjo da reconciliação?

LULU – Tal qual.

PINHEIRO – Contanto que eu não passe pelas forcas caudinas.

LULU – Hei de fazer as coisas airosamente.

PINHEIRO – Insistes nisso? Eu podia dizer que era ainda um capricho de mulher. Mas não digo, não, chamo antes afeição e dedicação.

CENA V
Pinheiro, Lulu, Elisa

LULU (baixo) – Olhe, aí está ela!

PINHEIRO (baixo) – Deixa-a.

ELISA – Andava à tua procura, Lulu.

LULU – Para que, prima?

ELISA – Para me dares uma pouca de lã.

LULU – Não tenho aqui; vou buscar.

PINHEIRO – Lulu!

LULU – O que é?

PINHEIRO (baixo) – Dize à tua prima que eu janto fora.

LULU (indo à Elisa, baixo) – O primo janta fora.

ELISA (baixo) – Se é por ter o que fazer, podemos esperar.

LULU (a Pinheiro, baixo) – Se é por ter o que fazer, podemos esperar.

PINHEIRO (baixo) – É um convite.

LULU (alto) – É um convite.

ELISA (alto) – Ah! se é um convite pode ir; jantaremos sós.

PINHEIRO (levantando-se) – Consentirá, minha senhora, que lhe faça uma observação: mesmo sem a sua licença, eu podia ir!

ELISA – Ah! é claro! Direito de marido… Quem lho contesta?

PINHEIRO – Havia de ser engraçada a contestação!

ELISA – Mesmo muito engraçada!

PINHEIRO – Tanto quanto foi ridícula a licença.

LULU – Primo!

PINHEIRO (a Lulu) – Cuida das tuas novelas! Vai encher a cabeça de romantismo, é moda; colhe as idéias absurdas que encontrares nos livros, e depois faz da casa de teu marido a cena do que houveres aprendido com as leituras: é também moda. (Sai arrebatadamente).

CENA VI
Lulu, Elisa

LULU – Como está o primo!

ELISA – Mau humor, há de passar!

LULU – Sabe como passava depressa? Pondo fim a estes amuos.

ELISA – Sim, mas cedendo ele.

LULU – Ora, isso é teima!

ELISA – É dignidade!

LULU – Passam dias sem se falarem, e, quando se falam, é assim.

ELISA – Ah! isto é o que menos cuidado me dá. Ao principio fiquei amofinada, e devo dizê-lo, chorei. São coisas estas que só se confessam entre mulheres. Mas hoje vou fazer o que as outras fazem: curar pouco das torturas domesticas. Coração à larga, minha filha, ganha-se o céu, e não se perde a terra.

LULU – Isso é zanga!

ELISA – Não é zanga, é filosofia. Há de chegar o teu dia, deixa estar. Saberás então quanto vale a ciência do casamento.

LULU – Pois explica, mestra.

ELISA – Não; saberás por ti mesma. Quero, entretanto, instruir-te de uma coisa. Não lhe ouviste falar no direito? É engraçada a história do direito! Todos os poetas concordam em dar às mulheres o nome de anjos. Os outros homens não se atrevem a negar, mas dizem consigo: “Também nós somos anjos!” Nisto há sempre um espelho ao lado, que lhes faz ver que, para anjos faltam-lhes… asas! Asas! asas! a todo o custo. E arranjam-nas; legítimas ou não, pouco importa. Essas asas os levam a jantar fora, a dormir fora, muitas vezes a amar fora. A essas asas chamam enfaticamente: o nosso direito!

LULU – Mas, prima, as nossas asas?

ELISA – As nossas? Bem se vê que és inexperiente. Estuda, estuda, e hás de achá-las.

LULU – Prefiro não usar delas.

ELISA – Hás de dizer o contrário quando for ocasião. Meu marido lá bateu as suas; o direito de jantar fora! Caprichou em não levar-me à casa de minha madrinha; é ainda o direito. Daqui nasceram os nossos arrufos, arrufos sérios. Uma santa zangar-se-ia como eu. Para caprichoso, caprichosa!

LULU – Pois sim! mas estas coisas vão dando na vista; já as pessoas que freqüentam nossa casa têm reparado; o Venâncio Alves não me deixa sossegar com as suas perguntas.

ELISA – Ah! sim?

LULU – Que rapaz aborrecido, prima!

ELISA – Não acho!

LULU – Pois eu acho: aborrecido com as suas afetações!

ELISA – Como aprecias mal! Ele fala com graça e chama-o afetado?…

LULU – Que olhos os seus, prima!

ELISA (indo ao espelho) – São bonitos?

LULU – São maus.

ELISA – Em que, minha filósofa?

LULU – Em verem o anverso de Venâncio Alves e o reverso do primo.

ELISA – És uma tola.

LULU – Só?

ELISA – E uma descomedida.

LULU – É porque os amo a ambos. E depois…

ELISA – Depois, o que?

LULU – Vejo no Venâncio Alves um arzinho de pretendente.

ELISA – À tua mão direita?

LULU – À tua mão esquerda.

ELISA – Oh!

LULU – É coisa que se adivinha… (Ouve-se um carro). Aí está o homem.

ELISA – Vai recebê-lo. (Lulu vai até à porta. Elisa chega-se a um espelho e compõe o toucado).

CENA VII
Elisa, Lulu, Venâncio

LULU – O Sr. Venâncio Alves chega a propósito; falávamos na sua pessoa.

VENÂNCIO – Em que ocupava eu a atenção de tão gentis senhoras?

LULU – Fazíamos o inventário das suas qualidades.

VENÂNCIO – Exageravam-me o cabedal, já sei.

LULU – A prima dizia: “Que moço amável é o Sr. Venâncio Alves!”

VENÂNCIO – Ah! e a senhora?

LULU – Eu dizia: “Que moço amabilíssimo é o Sr. Venâncio Alves!”

VENÂNCIO – Dava-me o superlativo. Não me cai no chão esta atenção gramatical.

LULU – Eu sou assim: estimo ou aborreço no superlativo. Não é, prima?

ELISA (contrariada) – Eu sei lá!

VENÂNCIO – Como deve ser triste cair-lhe no desagrado!

LULU – Vou avisando, é o superlativo.

VENÂNCIO – Dou-me por feliz. Creio que lhe cai em graça…

LULU – Caiu! Caiu! Caiu!

ELISA – Lulu, vai buscar a lã.

LULU – Vou prima, vou. (Sai correndo).

CENA VIII
Venâncio, Elisa

VENÂNCIO – Voa qual uma andorinha esta moça!

ELISA – É próprio da idade.

VENÂNCIO – Vou sangrar-me…

ELISA – Hein!

VENÂNCIO – Sangrar-me em saúde contra uma suspeita sua.

ELISA – Suspeita?

VENÂNCIO – Suspeita de haver-me adiantado o meu relógio.

ELISA (rindo) – Posso crê-lo.

VENÂNCIO – Estará em erro. Olhe, são duas horas; confronte com o seu: duas horas.

ELISA – Pensa que acreditei seriamente?

VENÂNCIO – Vim mais cedo e de passagem. Quis antecipar-me aos outros no cumprimento de um dever. Os antigos, em prova de respeito, depunham aos pés dos deuses grinaldas e festões; o nosso tempo, infinitamente prosaico, só nos permite oferendas prosaicas; neste álbum ponho eu o testemunho do meu júbilo pelo dia de hoje.

ELISA – Obrigada. Creio no sentimento que o inspira e admiro o gosto da escolha.

VENÂNCIO – Não é a mim que deve tecer o elogio.

ELISA – Foi gosto de quem o vendeu?

VENÂNCIO – Não, minha senhora, eu próprio o escolhi; mas a escolha foi das mais involuntárias; tinha a sua imagem na cabeça e não podia deixar de acertar.

ELISA – É uma fineza de quebra. (Folheia o álbum).

VENÂNCIO – É por isso que me vibra um golpe?

ELISA – Um golpe?

VENÂNCIO – É tão casta que não há de calcular comigo; mas as suas palavras são proferidas com uma indiferença que eu direi instintiva.

ELISA – Não creia…

VENÂNCIO – Que não creia na indiferença?

ELISA – Não… Não creia no cálculo…

VENÂNCIO – Já disse que não. Em que que devo crer seriamente?

ELISA – Não sei…

VENÂNCIO – Em nada, não lhe parece?

ELISA – Não reza a história de que os antigos, ao depositarem as suas oferendas, apostrofassem os deuses.

VENÂNCIO – É verdade: este uso é do nosso tempo.

ELISA – Do nosso prosaico tempo.

VENÂNCIO – A senhora ri? Riamos todos! Também eu rio e da melhor vontade.

ELISA – Pode rir sem temor. Acha que sou deusa? Mas os deuses já se foram. Estátua, isto sim.

VENÂNCIO – Será estátua. Não me inculpe, nesse caso, a admiração.

ELISA – Não inculpo, aconselho.

VENÂNCIO (repoltreando-se) – Foi excelente esta idéia do divã. É um consolo para quem está cansado, e quando à comodidade junta o bom gosto, como este, então é ouro sobre azul. Não acha engenhoso, D. Elisa?

ELISA – Acho.

VENÂNCIO – Devia ser inscrito entre os beneméritos da humanidade o autor disto. Com trastes assim, e dentro de uma casinha de campo, prometo ser o mais sincero anacoreta que jamais fugiu às tentações do mundo. Onde comprou este?

ELISA – Em casa do Costrejean.

VENÂNCIO – Comprou uma preciosidade.

ELISA – Com outra que está agora por cima, e que eu não comprei, fazem duas, duas preciosidades.

VENÂNCIO – Disse muito bem! É tal o conchego que até se podem esquecer as horas… É verdade, que horas são? Duas e meia. A senhora dá-me licença?

ELISA – Já se vaI?

VENÂNCIO – Até à hora do jantar.

ELISA – Olhe, não me queira mal.

VENÂNCIO – Eu, mal! E por que?

ELISA – Não me obrigue a explicações inúteis.

VENÂNCIO – Não obrigo, não. compreendo de sobejo a sua intenção. Mas, francamente, se a flor está alta para ser colhida, é crime aspirar-lhe de longe o aroma e adorá-la?

ELISA – Crime não é.

VENÂNCIO – São duas e meia. Até à hora do jantar.

CENA IX
Venâncio, Elisa, Lulu

LULU – Sai com a minha chegada?

VENÂNCIO – Ia sair.

LULU – Até quando?

VENÂNCIO – Até à hora do jantar.

LULU – Ah! janta conosco?

ELISA – Sabes que faço anos, e esse dia é o dos amigos.

LULU – É justo, é justo

VENÂNCIO – Até logo.

CENA X
Lulu, Elisa

LULU – Oh! teve presente!

ELISA – Não achas de gosto?

LULU – Não tanto.

ELISA – É prevenção. Suspeitas que é do Venâncio Alves?

LULU – Atinei logo.

ELISA – Que tens contra esse moço?

LULU – Já to disse.

ELISA – É mau deixar-se ir pelas antipatias.

LULU – Antipatias não tenho.

ELISA – Alguém sobe.

LULU – Há de ser o primo.

ELISA – Ele! (Sai).

CENA XI
Pinheiro, Lulu

LULU – Viva! está mais calmo?

PINHEIRO – Calmo sempre, menos nas ocasiões em que és… indiscreta.

LULU – Indiscreta!

PINHEIRO – Indiscreta, sim, senhora! Para que veio aquela exclamação quando eu falava com Elisa?

LULU – Foi porque o primo falou de um modo…

PINHEIRO – De um modo, que é o meu modo, que é modo de todos os maridos contrariados.

LULU – De um modo que não é o seu, primo. Para que fazer-se mau quando é

bom? Pensa que não se percebe quanto lhe custa contrafazer-se?

PINHEIRO – Vais dizer que sou um anjo!

LULU – O primo é um excelente homem, isso sim. Olhe, sou importuna, e hei de sê-lo até vê-los desamuados.

PINHEIRO – Ora, prima, para irmã de caridade, és muito criança. Dispenso os teus conselhos e os teus serviços.

LULU – É um ingrato.

PINHEIRO – Serei.

LULU – Homem sem coração.

PINHEIRO – Quanto a isso, é questão de fato; põe aqui a tua mão, não sentes bater? É o coração.

LULU – Eu sinto um charuto.

PINHEIRO – Um charuto? Pois é isso mesmo. Coração e charuto são símbolos um do outro; ambos se queimam e se desfazem em cinzas. Olha, este charuto, sei eu que o tenho para fumar; mas o coração, esse creio que já está todo no cinzeiro.

LULU – Sempre a brincar!

PINHEIRO – Achas que devo chorar?

LULU – Não, mas…

PINHEIRO – Mas o que?

LULU – Não digo, é uma coisa muito feia.

PINHEIRO – Coisas feias na tua boca, Lulu!

LULU – Muito feia.

PINHEIRO – Não há de ser, dize.

LULU – Demais, posso parecer indiscreta.

PINHEIRO – Ora, qual; alguma coisa de meu interesse?

LULU – Se é!

PINHEIRO – Pois, então, não és indiscreta!

LULU – Então, quantas caras tem a indiscrição?

PINHEIRO – Duas.

LULU – Boa moral!

PINHEIRO – Moral à parte. Fala: o que é?

LULU – Que curioso! É uma simples observação; não lhe parece que é mau desamparar a ovelha, havendo tantos lobos, primo?

PINHEIRO – Onde aprendeste isso?

LULU – Nos livros que me dão para ler.

PINHEIRO – Estás adiantada! E já que sabes tanto, falarei. como se falasse a um livro. Primeiramente, eu não desamparo; depois, não vejo lobos.

LULU – Desampara, Sim!

PINHEIRO – Não estou em casa?

LULU – Desampara o coração.

PINHEIRO – Mas, os lobos?…

LULU – Os lobos vestem-se de cordeiros e apertam a mão ao pastor, conversam com ele, sem que deixem de olhar furtivamente para a ovelha mal guardada.

PINHEIRO – Não há nenhum.

LULU – São assíduos; visitas sobre visitas; muita zumbaia, muita atenção, mas lá por dentro a ruminarem coisas más.

PINHEIRO – Ora, Lulu, deixa-te de tolices.

LULU – Não digo mais nada. Onde foi Venâncio Alves?

PINHEIRO – Não sei. Ali está um que não há de ser acusado de lobo.

LULU – Os lobos vestem-se de cordeiros.

PINHEIRO – O que é que dizes?

LULU – Eu não digo nada. Vou tocar piano. Quer ouvir um noturno ou prefere uma polca?

PINHEIRO – Lulu, ordeno-lhe que fale!

LULU – Para que? para ser indiscreta?

PINHEIRO – Venâncio Alves?…

LULU – É um tolo, nada mais. (Sai. Pinheiro fica pensativo. Vai à mesa e vê o álbum)

CENA XII
Pinheiro, Elisa

PINHEIRO – Há de desculpar-me, mas creio não ser indiscreto, desejando saber com que sentimento recebeu este álbum.

ELISA – Com o sentimento com que se recebem álbuns.

PINHEIRO – A resposta em nada me esclarece.

ELISA – Há então sentimentos para receber álbuns, e há um com que eu deveria receber este?

PINHEIRO – Devia saber que há.

ELISA – Pois… recebi com esse.

PINHEIRO – A minha pergunta poderá parecer indiscreta, mas…

ELISA – Oh! indiscreta, não!

PINHEIRO – Deixe, minha senhora, esse tom sarcástico, e veja bem que eu falo sério.

ELISA – Vejo isso. Quanto à pergunta, está exercendo um direito.

PINHEIRO – Não lhe parece que seja um direito este de investigar as intenções dos pássaros que penetram em minha seara, para saber se são daninhos?

ELISA – Sem dúvida. Ao lado desse direito, está o nosso dever, dever das searas, de prestar-se a todas as suspeitas.

PINHEIRO – É inútil a argumentação por esse lado: os pássaros cantam e as cantigas deleitam.

ELISA – Está falando sério?

PINHEIRO – Muito sério.

ELISA – Então consinta que faça contraste: eu rio-me.

PINHEIRO – Não me tome por um mau sonhador de perfídias; perguntei, porque estou seguro de que não são muito santas as intenções que trazem à minha casa Venâncio Alves.

ELISA – Pois eu nem suspeito…

PINHEIRO – Vê o céu nublado e as águas turvas: pensa que é azada ocasião para pescar.

ELISA – Está feito, é de pescador atilado!

PINHEIRO – Pode ser um mérito a seus olhos, minha senhora; aos meus é um vício de que o pretendo curar, arrancando-lhe as orelhas.

ELISA – Jesus! está com intenções trágicas!

PINHEIRO – Zombe ou não, há de ser assim.

ELISA – Mutilado ele, que pretende fazer da mesquinha Desdêmona?

PINHEIRO – Conduzi-la de novo ao lar paterno.

ELISA – Mas, afinal de contas, meu marido, obriga-me a falar também seriamente.

PINHEIRO – Que tem a dizer?

ELISA – Fui tirada há meses da casa de meu pai para ser sua mulher; agora, por um pretexto frívolo, leva-me de novo ao lar paterno. Parece-lhe que eu seja uma casaca que se pode tirar por estar fora de moda?

PINHEIRO – Não estou para rir, mas digo-lhe que antes fosse uma casaca.

ELISA – Muito obrigada!

PINHEIRO – Qual foi a casaca que já me deu cuidados? Por ventura quando saio com a minha casaca não vou descansado a respeito dela? Não sei eu perfeitamente que ela não olha complacente para as costas alheias e fica descansada nas minhas?

ELISA – Pois tome-me por uma casaca. Vê em mim alguns salpicos?

PINHEIRO – Não, não vejo. Mas vejo a rua cheia de lama e um carro que vai passando; e nestes casos, como não gosto de andar mal asseado, entro em um corredor, com a minha casaca, à espera de que a rua fique desimpedida.

ELISA – Bem. Vejo que quer a nossa separação temporária… até que passe o

carro. Durante esse tempo como pretende andar? Em mangas de camisa?

PINHEIRO – Durante esse tempo não andarei, ficarei em casa.

ELISA – Oh! suspeita por suspeita! Eu não creio nessa reclusão voluntária.

PINHEIRO – Não crê? E por que?

ELISA – Não creio, por mil razões.

PINHEIRO – Dê-me uma, e fique com as novecentas e noventa e nove.

ELISA – Posso dar-lhe mais de uma e até todas. A primeira é a simples dificuldade de conter-se entre as quatro paredes desta casa.

PINHEIRO – Verá se posso.

ELISA – A segunda é que não deixará de aproveitar o isolamento para ir ao alfaiate provar outras casacas.

PINHEIRO – Oh!

ELISA – Para ir ao alfaiate é preciso sair; quero crer que não fará vir o alfaiate à casa.

PINHEIRO – Conjecturas suas. Reflita, que não está dizendo coisas assizadas. Conhece o amor que lhe tive e lhe tenho, e sabe de que sou capaz. Mas, voltemos ao ponto de partida. Este livro pode nada significar e significar muito. (Folheia). Que responde?

ELISA – Nada.

PINHEIRO – Oh! que é isto? É a letra dele.

ELISA – Não tinha visto.

PINHEIRO – É talvez uma confidência. Posso ler?

ELISA – Por que não?

PINHEIRO (lendo) – “Se me privas dos teus aromas, ó rosa que foste abrir sobre um rochedo, não podes fazer com que eu te não ame, contemple e abençoe!” Como acha isto?

ELISA – Não sei.

PINHEIRO – Não tinha lido?

ELISA (sentando-se) – Não.

PINHEIRO – Sabe quem é esta rosa?

ELISA – Cuida que serei eu?

PINHEIRO – Parece. O rochedo sou eu. Onde vai ele desencavar estas figuras.

ELISA – Foi talvez escrito sem intenção…

PINHEIRO – Ai! foi… Ora, diga, é bonito isto? Escreveria ele se não houvesse esperanças?

ELISA – Basta. Tenho ouvido. Não quero continuar a ser alvo de suspeitas. Esta frase é intencional; ele viu as águas turvas… De quem a culpa? Dele ou sua? Se as não houvesse agitado, elas estariam plácidas e transparentes como dantes.

PINHEIRO – A culpa é minha?

ELISA – Dirá que não é. Paciência. Juro-lhe que não sou cúmplice nas intenções deste presente.

PINHEIRO – Jura?

ELISA – Juro.

PINHEIRO – Acredito. Dente por dente, Elisa, como na pena de Talião. Aqui tens a minha mão em prova de que esqueço tudo.

ELISA – Também eu tenho a esquecer e esqueço.

CENA XIII
Elisa, Pinheiro, Lulu

LULU – Bravo! voltou o bom tempo?

PINHEIRO – Voltou.

LULU – Graças a Deus! De que lado soprou o vento?

PINHEIRO – De ambos os lados.

LULU – Ora bem!

ELISA – Pára um carro.

LULU (vai à janela) – Vou ver.

PINHEIRO – Há de ser ele.

LULU (vai à porta) – Entre, entre.

CENA XIV
Lulu, Venâncio, Pinheiro, Elisa

PINHEIRO (baixo à Elisa) – Poupo-lhe as orelhas, mas hei de tirar desforra…

VENÂNCIO – Não faltei… Oh! não foi jantar fora?

PINHEIRO – Não. A Elisa pediu-me que ficasse…

VENÂNCIO (com uma careta) – Muito estimo.

PINHEIRO – Estima? Pois não é verdade?

VENÂNCIO – Verdade o que?

PINHEIRO – Que tentasse perpetuar as hostilidades entre a potência marido e a potência mulher?

VENÂNCIO – Não percebo…

PINHEIRO – Ouvi falar de uma conferência e de umas notas… uma intervenção da sua parte na dissidência de dois estados unidos pela natureza e pela lei; gabaram-me os seus meios diplomáticos, e as suas conferências repetidas, e até veio parar às minhas mãos este protocolo, tornado agora inútil, e que eu tenho a honra de depositar em suas mãos.

VENÂNCIO – Isto não é um protocolo… é um álbum… não tive intenção…

PINHEIRO – Tivesse ou não, arquive o volume depois de escrever nele – que a potência Venâncio Alves não entra na santa-aliança.

VENÂNCIO – Não entra?… mas creia… A senhora… me fará justiça.

ELISA – Eu? Eu entrego-lhe as credenciais.

LULU – Aceite, olhe que deve aceitar.

VENÂNCIO – Minhas senhoras, Sr. Pinheiro. (Sai).

TODOS – Ah! Ah! Ah!

LULU – O jantar está na mesa. Vamos celebrar o tratado de paz.

Fonte: alecrim.inf.ufsc.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+