Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Mecânica / Freios ABS

Freios ABS

Freios ABS – Sistema

PUBLICIDADE

O ABS é um sistema de quatro rodas que impede a roda de travar automaticamente por modulação da pressão do freio durante uma parada de emergência.

Ao evitar o bloqueio das rodas, que permite o motorista a manter o controle de direção e parar na menor distância possível na maioria das condições.

Durante a travagem normal, o ABS possui sistemas de freios antitravamento.

Durante a operação o ABS, uma pulsação pode ser sentida no pedal do travamento, acompanhado por uma queda e, em seguida, subir na altura do pedal de freio e um som de um ruído.

Veículos com ABS estão equipados com um sistema de pedal acionado, duplo freio.

O sistema de travagem hidráulica básica consiste no seguinte:

ABS válvulas de controle hidráulico e unidade de controle eletrônico
Cilindro mestre do freio
Tubos e mangueiras de freio necessárias

O sistema de travagem anti-bloqueio consiste nos seguintes componentes:

Unidade de controle hidráulico (HCU).
Módulo de controle de freio antibloqueio.
Sensores de freio anti-bloqueio da frente / sensores de freio anti-bloqueio traseiro.

Antibloqueio – Sistemas (ABS) funcionam da seguinte maneira:

Quando são aplicados os travões, o fluido é forçado a partir das portas de saída do cilindro mestre de freio para as portas de entrada de ar HCU. Esta pressão é transmitida através de quatro válvulas solenóide normalmente abertos contidos dentro do HCU, em seguida, através das portas de saída do HCU para cada roda.
O circuito primário (parte traseira) do cilindro mestre do freio alimenta os freios dianteiros.
O circuito secundário (frente) do cilindro mestre do freio alimenta os freios traseiros.
Se os anti-bloqueio de travões sentidos do módulo de controle de uma roda está prestes a travar, com base em dados do sensor de freio anti-bloqueio, ele fecha a válvula solenóide normalmente aberta para esse circuito. Isto impede que mais fluido do que o circuito de entrada.
O módulo de controle de freio anti-bloqueio, em seguida, olha para o sinal do sensor de travagem anti-bloqueio da roda afetada novamente.
Se a roda ainda está desacelerando, ele abre a válvula solenóide para o circuito.
Uma vez que a roda afetada volta até a velocidade, o módulo de controle de freio anti-bloqueio retorna as válvulas solenóides à sua condição normal, permitindo o fluxo de fluido para o freio afetada.
O módulo de controle de freio anti-bloqueio monitora os componentes eletromecânicos do sistema.
Mau funcionamento do sistema de freios anti-lock fará com que o módulo de controle de freio anti-bloqueio para desligar ou inibir o sistema. No entanto, ainda de travagem com assistência normais.
Perda de fluido hidráulico no cilindro mestre do freio irá desativar o sistema anti-bloqueio. [Li [O sistema de travagem anti-bloqueio de 4 rodas é auto-monitoramento. Quando a chave de ignição é girada para a posição RUN, o módulo de controle de freio anti-bloqueio irá realizar uma auto-avaliação preliminar sobre o sistema elétrico anti-lock indicado por um segundo iluminação dos ABS amarelos querem indicador três.
Durante a operação do veículo, incluindo a normal e anti-bloqueio de travagem, o módulo de controle de freio anti-bloqueio monitora todas as funções anti-bloqueio elétricos e algumas operações hidráulicas.
Cada vez que o veículo é conduzido, logo que a velocidade do veículo atinge cerca de 20 km / h (12 mph), o módulo de controlo de travagem anti-bloqueio liga-se o motor da bomba durante cerca de meio segundo. Neste momento, um ruído mecânico pode ser ouvido. Esta é uma função normal da auto-avaliação pelo módulo de controle de freio anti-bloqueio.
Quando a velocidade do veículo vai abaixo de 20 km / h (12 mph), desliga-se o ABS.
A maioria das falhas do sistema de freios anti-lock e um sistema de controle de tração, se equipado, fará com que o indicador de aviso amarelo ABS a ser iluminada.

Freios ABS na traseira

Caminhões mais leves e SUVs usam uma forma de ABS conhecido como ABS da roda traseira.

O sistema traseiro de bloqueio Anti Roda (RWAL) reduz a ocorrência de travamento da roda traseira durante a frenagem severa, regulando a pressão da linha hidráulica traseira. O sistema monitoriza a velocidade das rodas traseiras durante a travagem. O Módulo de Controle de Freio Eletrônica (EBCM) processa esses valores para a produção de controles de comando para evitar que as rodas traseiras de bloqueio.

Este sistema utiliza três componentes básicos para o controle da pressão hidráulica para os travões traseiros.

Estes componentes são os seguintes:

Módulo de Controle de freio eletrônico
Válvula de pressão Anti-Trava
Sensor de velocidade do veículo

MÓDULO DE CONTROLE ELETRÔNICO DE FREIO:

O EBCM montado sobre um suporte ao lado do cilindro principal, contém um microprocessador e um software para a operação do sistema.

ANTI-LOCK válvula de pressão:

A válvula de pressão anti-bloqueio (APV) é montado no conjunto de válvula sob o cilindro principal, tem uma válvula de isolamento para manter ou aumentar a pressão hidráulica e de uma válvula de descarga para reduzir a pressão hidráulica.

SENSOR DE VELOCIDADE DO VEÍCULO:

O sensor de velocidade do veículo (VSS) localizado na parte traseira esquerda da transmissão em caminhões de duas rodas motrizes e no caso de veículos de quatro rodas motrizes transferência, produz um sinal de tensão AC que varia em freqüência de acordo com a velocidade do eixo de saída. Em alguns veículos, o VSS está localizado no diferencial traseiro.

BASE TRAVAG MODE:

Durante a travagem normal, o EBCM recebe um sinal proveniente do interruptor de luz de travagem e começa a controlar a linha de velocidade do veículo.
A válvula de isolamento é aberta ea válvula de descarga está sentado. Isto permite que o fluido sob pressão para passar através da APV e viajar para o canal de freio traseiro. O botão de reset não se move porque a pressão hidráulica é igual em ambos os lados.

Antibloqueio de Frenagem MODE:

Durante uma frenagem a EBCM compara a velocidade do veículo para o programa integrado. Quando detecta uma condição de lock-up roda traseira, que opera a válvula de pressão anti bloqueio para manter as rodas traseiras de trancar.

Para isso, o EBCM utiliza um ciclo de três etapas:

Pressão Manter
Diminuição da pressão
Aumento da pressão

MANTER A PRESSÃO:

Durante a manter a pressão EBCM energiza o solenóide de isolamento para impedir o fluxo de fluido a partir do cilindro principal para os travões traseiros.
O botão de reset se move quando a diferença entre a pressão da linha do cilindro mestre e do canal de pressão do freio traseiro se torna grande o suficiente.
Se isso acontecer, razão o circuito lógico EBCM.

REDUÇÃO DE PRESSÃO:

Durante a pressão diminuir o EBCM mantém o solenóide isolamento energizado e energiza o solenóide de despejo. A válvula de descarga se move da sua sede e movimentos do fluido sob pressão para dentro do acumulador. Esta ação reduz a pressão do tubo traseiro impedindo traseira lock-up.
Os motivos botão de reset para contar a EBCM que diminuem a pressão tenha ocorrido.

Aumento de pressão:

Durante a pressão aumentar a EBCM de-energiza o despejo e solenóides de isolamento. A válvula de descarga reseats e mantém o fluido armazenado no acumulador. A válvula de isolamento 9pens e permite que o fluido a partir do cilindro principal flua passado, e aumentar a pressão nos travões traseiros.
O botão de reset volta para sua posição original, por força de mola. Esta ação marca o EBCM que diminuem a pressão acabou e motorista aplicado currículos pressão.

Sistema de auto-teste:

Quando a chave de ignição é girada “ON”, o EBCM executa um auto-teste do sistema. Ele verifica o seu circuito interno e externo e realiza um teste de função pelo ciclismo o isolamento e válvulas de descarga. O EBCM então começa sua operação normal, se não forem detectados problemas de funcionamento.
Freio pedal pulsação e pneu traseiro ocasional “chilrear” são normais durante a operação RWAL. A superfície da estrada e da gravidade da manobra de frenagem determinar quanto estes irão ocorrer. Uma vez que estes sistemas só controlar as rodas traseiras, ainda é possível travar as rodas dianteiras durante determinadas condições de travagem graves.

Freios ABS – Pneus

Pneu sobressalente:

Usando o pneu sobressalente fornecido com o veículo não afetará o desempenho do RWAL ou sistema.

Os pneus de substituição:

Tamanho do pneu pode afetar o desempenho do sistema RWAL. Os pneus de substituição deve ser do mesmo tamanho, gama de cargas, e construção de todas as quatro rodas.

Contrariamente à crença populares freios ABS não vai parar seu carro mais rápido. A idéia por trás freios ABS é que você mantenha o controle do seu veículo, evitando o bloqueio das rodas para cima. Quando as rodas travar você não tem controle de direção e girar o volante para evitar uma colisão que você vai fazer nenhum bem. Quando as rodas parar de girar, ele é feito e acabado.

Ao dirigir em estradas escorregadias é necessário para permitir o aumento da distância de frenagem desde que as rodas vão travar muito mais fácil e os ABS vontade ciclo muito mais rápido. A velocidade é um fator também, se você estiver indo rápido demais até mesmo o controle ABS dá-lhe não será suficiente para superar a inércia simples. Você pode virar o volante para a esquerda ou direita, mas a inércia irá mantê-lo daqui para frente.

Se houver uma falha de ABS, o sistema voltará para a operação do freio normal, então você não vai ficar sem freios. Normalmente, a luz de advertência do ABS acende e deixá-lo saber que há uma falha. Quando essa luz está acesa, é seguro assumir que o ABS mudou para a operação de frenagem normal e você deve conduzir adequadamente.

Espero que isso tenha ajudado a entender como funcionam os sistemas ABS. É uma tecnologia que tem sido usado por muitos anos antes de ter sido adaptado para o uso automotivo. Aeronaves foram usando alguma forma de ABS desde a Segunda Guerra Mundial e é um sistema experimentado e verdadeiro que pode ser uma grande ajuda para evitar acidentes se for utilizado como ele foi concebido para ser utilizado.

Freios ABS – Carro

Freios ABS
Freios ABS

O sistema de frenagem ABS (travagem) de carros funciona evitando que a roda bloqueie (ao pisar no pedal de freio fortemente) e entre em derrapagem, deixando o carro sem aderência à pista. Esse método evita o descontrole do veículo (desviando de obstáculos enquanto se esfria) e aproveita-se melhor o atrito estático, que é menor que o atrito cinético (de deslizamento).

Este sistema é utilizado através de sensores que monitoram a rotação de cada roda e compara a velocidade do carro.

Se a velocidade da roda cair muito em comparação a do carro, o sistema ABS envia sinais para válvulas e bombas no sistema de óleo de freio, aliviando a pressão, causando uma vibração ao pisar fundo no pedal do freio.

Dessa forma é bem mais vantajoso, pois a frenagem da roda diminui sua rotação em movimento sem que trave simplesmente.

Manutenção dos Freios

O sistema de frenagem é uma parte muito importante do carro. Assim, a atenção com os freios deve ser grande, principalmente ao realizar a manutenção preventiva.

As partes principais são: discos, pastilhas e tambor que atuam diretamente na roda do carro e o faz parar ao pisar no pedal.

O freio a tambor (rodas traseiras) deve receber revisão a cada 5.000km, porém antes deste período poderá apresentar problemas como vibração, desvio de rota no momento de frear, barulhos, entre outros, então o proprietário sempre deve dar atenção a essas circunstâncias.

O fluido de freio requer avaliações também após 1 ano ou 10.000 km.

A sua ausência pode causar a perda dos freios.

Siga essas dicas, para não correr riscos!

Freios ABS – O que é

Freios ABS
Freios ABS

ABS é uma abreviação para Sistema de Travagem Anti-lock. Ele foi projetado para ajudar o motorista a manter alguma capacidade de direção e evitar a derrapagem durante a frenagem.

ABS foi introduzido em meados da década de 1980 e tornou-se equipamento “standard” na maioria dos veículos vendidos no Canadá. ABS em carros e maioria dos veículos multi-uso (MPV) funciona em todas as quatro rodas. Isto promove a estabilidade direcional e permite direção, maximizando a frenagem.

Os ABS, na maioria dos caminhões pick-up funciona apenas nas rodas traseiras, o que promove apenas a estabilidade direcional. No entanto, há algumas disponíveis com ABS em todas as quatro rodas.

Os sistemas de travagem anti-bloqueio foram desenvolvidos para reduzir a derrapagem e manter o controle de direção quando os freios são usados ??em uma situação de emergência.

No entanto, os carros com freios anti-bloqueio são até 65% mais provável que seja em acidentes fatais do que os carros sem eles, diz um novo estudo realizado nos EUA. Parece que o problema não é com a tecnologia, é pobre hábitos de condução e falta de consciência do condutor em como os freios funcionam.

Motorista que contam com a tecnologia, em vez de melhores hábitos de condução para melhorar a segurança está dirigindo por uma estrada perigosa.

Uma vez que grande parte do problema decorre da falta de conhecimento de como usar os freios, é necessária a educação.

Aqui estão dicas de Manitoba do Conselho de Segurança sobre a operação ABS-equipados carros:

Numa situação de emergência, aplicar os freios de disco e ficar com eles. O pedal mais conversa melhor.
Não bombeie os travões. Bombeamento é para freios convencionais. Rouba completamente freios ABS de sua eficácia.
Lembre-se de que os freios ABS não ajudá-lo a parar mais rápido na maioria das condições. Eles ajudá-lo a manter o controle de direção durante a frenagem para que você possa virar em torno de obstáculos.
A regra geral é que, se você tem que evitar um obstáculo, virar à direita. Desta forma, você evita tráfego.
Não se torne um motorista excessivamente confiantes, porque você tem ABS. Dirigir com prudência como sempre deveria.

Travões anti-bloqueio são projetados para manter os carros de entrar em uma derrapagem quando os freios são acionados em caso de emergência. Projetado para permitir o controle de direção motorista, freios ABS trabalho acionando os freios automaticamente ligado e desligado durante as paragens de emergência.

Eles são eficazes para ajudar os motoristas a evitar acidentes. Em determinadas situações, freios ABS pode ajudar a encurtar as distâncias de travagem.

Controle sob forte frenagem

Freios ABS
Frenagem Controlada

ABS permite manter o controle do veículo. Desde quatro rodas ABS evita todas as rodas de derrapagem, que lhe permite dirigir o veículo e ainda manter a frenagem.

Como isso funciona?

ABS utiliza sensores de velocidade das rodas para determinar se uma ou mais rodas estão tentando travar durante a frenagem. Se uma roda tenta bloquear-se, uma série de válvulas hidráulicas limitar ou reduzir a travagem em que a roda. Isso evita derrapagens e permite que você mantenha o controle de direção.

Como faço para usar o ABS?

Freios ABS

Aplique uma pressão firme e constante – não tirar o pé do pedal do freio até que o veículo parou e não bombear o freio.

O que é que o ruído e vibração?

Isso é normal e indica que o ABS está ativo. Vários som ABS ou sentir de forma diferente.

Alguns dos efeitos, por exemplo, são:

Um ruído gemendo
Uma pulsação rápida do pedal do travão
Uma queda periódica do pedal do travão
Um disco (não compatível) pedal de freio
Uma luz que acende a dizer “baixa tração”.

Você deve se familiarizar com o funcionamento do sistema, em primeiro lugar ler “Manual do Proprietário” e, em seguida, a testar suas ABS em um estacionamento vazio sob várias condições climáticas ou seja, seco, molhado, neve e gelo.

Pedal do freio pulsar

Como o ABS se envolve, você pode sentir o pedal do freio pulsar. Isto é causado pelo sistema de aplicação e de libertação da pressão nos travões.

O ruído associado com ABS quando ele está funcionando não deve ser confundido com guincho de freio. Se seus freios guinchar sob frenagem normal, isso pode significar que as pastilhas de freio estão gastas e precisam ser substituídas. Um pedal de freio pulsando cada vez que você aplica os freios pode significar discos de freio empenados e / ou pinças de freio apreendidos que requerem manutenção.

É a distância de travagem mais curta com ABS?

Não! Desde os primeiros anúncios publicitários, pode ter parecido que você poderia parar em um centavo. Essa parada instantânea não é realista. Quando a travagem em piso seco ou molhado a sua distância de parada será o mesmo que com os freios convencionais.

Você deve permitir uma distância maior do que parar com ABS para freios convencionais durante a condução em pisos de terra, lama e neve. Isso ocorre porque o pneu girando vai ficar no topo da superfície da estrada baixa tração cobertura, e efetivamente “flutuar” sobre esta camada limite.

Um veículo com travões ABS não pode bloquear seus pneus e criar um efeito de arado de neve na frente dos pneus que ajuda a desacelerar o veículo. Estes pneus travados muitas vezes pode encontrar mais tração abaixo desta camada limite.

Controle de freios – ABS e EBS

O sistema de freios, em conjunto com o motor, é um dos elementos mais importantes na mecânica dos automóveis, em se tratando de sua segurança.

São projetados, desenhados e dimensionados, com o objetivo de manter a capacidade de desaceleração do veículo consideravelmente maior que sua capacidade de aceleração.

No momento em que o sistema é acionado, o veículo obrigatoriamente, pela lei da cinética, percorre uma certa distância, até que o potencial de movimento cesse por completo. Portanto, o veículo sempre percorrerá uma distância antes que venha a parar. Porém, com os sistemas de freios sem controle esta distância poderá aumentar, pois ao efetuar uma frenagem brusca as rodas poderão travar e assim aumentado a distância em questâo e perdendo o controle do veículo.

Para solucionar este problema foi implementado o controle eletrônico de freio.

O mais conhecido é o ABS, do inglês Anti-lock Breaking System, que basicamente é focado no controle de antitravamento das rodas, onde os primeiros sistemas foram desenvolvidos inicialmente para aeronaves. O principio de funcionamento consiste através de sensores indutivos e discos ranhurados (tambem chamado de roda dentada) instalados nas rodas com a finalidade de captar os movimentos das rodas e transforma-los em sinais elétricos. Sinais esses enviados ao módulo eletrônico (ECU) do ABS, onde por sua vez analisa estes sinais e atua ser for necessário em vávulas moduladoras independentementes conectadas ao sistema hidráulico. Assim com a velocidade da roda caindo bruscamente em relação à do carro, ou seja, na iminência do travamento, o sistema envia sinais para as válvulas aliviando a pressão. Essa operação causa uma vibração quando se “pisa fundo” no pedal do freio, o que deve ser considerado pelo motorista como operação normal do sistema.

Outro controle não tão conhecido é o EBS, que também do inglês Electronic Braking System, é uma evolução do ABS pois segue o mesmo princípio porém com a integração de vários sistemas, ou seja, as componentes sensoriais e de atuação são as mesmas, porém, não somente com a utilização para antitravamento.

Pode-se resaltar alguns sistemas que integram o EBS:

ABS – Sistema Antibloqueamento de freios
ATC –
Controle automático de tração
ESP –
Programa eletrônico de estabilidade

Um diferencial permite que uma roda gire mais que a outra facilitando a fazer curvas. Em um caso de atolamento em terronos acidentados umas das rodas que compõem um eixo pode “patinar” logo a outra travada, ou seja, 100% do torque esta destinada a roda que esta patinando, contudo o veículo não se movimenta.

O sistema ATC (Automatic Traction Control) inibi esse efeito de forma a frenar a roda que está girando livre fazendo com que seja transferido o torque para a outra roda girando-a. Como esta roda está em terreno mais firme o veículo consegue ter aderência e se movimentar. Outros efeitos positivos deste sistema é melhorar a tração nas saídas, na aceleração e subidas e melhorar a dirigibilidade em curvas.

Agora o ESP (Eletronic Stability Program) se basea no controle de estabilidade, geralmente utilizado em carreta e caminhão. Durante o esterçamento exagerado ocorre a perda do controle do eixo traseiro do veículo causando o perigo de efeito “L” para combinação de cavalo carreta. Com a intervenção do ESP ocorre a frenagem da roda dianteira do lado externo da curva, reduzindo o torque do motor e a frenagem completa da carreta. Com isso a estabilidade do veículo é mantida.

Então com o controle de freios pode-se obter melhor segurança, diminuindo a distância de frenagem, possibilitando ainda na frenagem que possa fazer manobras evasivas e controla a estabilidade em terrenos mistos (terrenos escorregadios e aderentes). Assim proporciona maior conforto e redução de riscos para o usuário.

Freios ABS – Frenagem

Freios ABS
Freios ABS

ABS são as siglas em inglês para sistema de frenagem anti-travamento.

A diferença dos freios convencionais (nelese com o travamento das rodas do veículo é onde originam-se dificuldades para controlar a direção), no sistema ABS um dispositivo eletrônico não permite que a roda deixe de girar (travamento), possibilitando frear e manobrarcontroladamente ao mesmo tempo.

Desta maneira, os freios ABS ajudam o motorista a manter certa capacidade de manobrabilidade, especialmente emcondições ambientais adversas como chuva, umidade, neve ou lama, ou quando diminui a aderência é comum obloqueio de uma roda causando a perda de controle.

Como utilizar o ABS?

Para utilizar corretamente este sistema de freios é conveniente aplicar uma pressãoconstante e regular, sem retirar o pé do pedal.

Isto quer dizer, não bombear o freio.

Também, verifique o manual deseu veículo para compreender como operar de maneira eficaz.

Atenção: o sistema ABS não reduz as distâncias de frenagem próprias de cada veículo, só evita o travamento desuas rodas permitindo manter o controle direcional ainda em frenagens de emergência (panic stop)

Freios ABS exigem manutenção?

O sistema de freios antitravamento (ABS) é um dos grandes trunfos da eletrônica moderna.

Melhor ainda: é um componente que, em tese, é feito para durar enquanto o veículo estiver rodando. Em tese, evidentemente. Na verdade, o sistema não requer nenhum tipo de manutenção. Problemas no módulo eletrônico são raríssimos.

O que acontece mais é algum tipo de deficiência no funcionamento dos sensores do ABS, localizados nas rodas. A falha pode ocorrer por conta de um forte impacto próximo a um destes sensores, por exemplo, explica Carlo Gibran, gerente de vendas e marketing da divisão Chassi Systems Control da Robert Bosch América Latina.

Seja como for, o especialista lembra que o condutor tem como aliado o painel de instrumentos, onde uma luz de cor amarela acende para avisar que há algo errado com o ABS. Mas isso não chega a ser a pior coisa do mundo. O ABS é um complemento do sistema de freios convencional. Se ele pára de funcionar por algum motivo, os freios continuam atuando normalmente, apenas sem a assistência do ABS, lembra Gibran, para o alívio dos desavisados.

Mais: a rigor, um sensor defeituoso não impede a atuação dos demais, então, o motorista fica apenas parcialmente desprotegido.

O gerente explica que a troca destes sensores pode ser feita em concessionárias ou mesmo em oficinas independentes especializadas. Alguns modelos exigem também a troca do cubo da roda. Outros trazem o sensor preso apenas por um parafuso, explica Sérgio Finardi, reparador do Centro Automotivo Finardi. Por conta disso, a mão-de-obra pode oscilar entre R$ 40 e R$ 80. Já o valor do sensor fica, em média, na casa dos R$ 200.

A remota reprogramação do módulo do sistema exige outras providências. No caso dos equipamentos fabricados por nós, um profissional da própria Bosch corrige essa eventual falha. Mas isso realmente é muito raro, não me lembro de nenhuma reprogramação de módulo feita por nós nos últimos três anos, afirma Gibran. Tão animadora quanto essa notícia é a informação de que a empresa executou o serviço gratuitamente para os poucos consumidores atingidos pelo problema.

Pode parecer estranho, mas a troca do módulo é muito mais corriqueira do que sua reprogramação. Isso pode ser necessário, naturalmente, no caso de uma colisão que tenha danificado o equipamento.

Outro fator externo que pode atrapalhar a vida do dono do carro é a chuva. O circuito eletrônico do módulo pode queimar quando o carro passa por áreas alagadas. O único jeito é trocar a peça. O custo varia muito de um modelo para outro, mas dá para dizer, como simples referência, que ultrapassa os R$ 500, lembra Finardi.

O mecânico lembra ainda de ter reparado modelos com problemas na bomba de óleo do sistema ABS apenas duas rodas contavam com o efeito antitravamento. O custo da peça também ultrapassa os R$ 500, segundo Finardi.

Fora todas essas eventualidades, o dono do carro deve ter o cuidado de manter lonas, pastilhas e discos de freio em dia, até porque o excesso de desgaste dos componentes tradicionais pode reduzir bastante a eficiência do ABS. Freios em mau estado possuem uma tendência de travamento muito menor. Por isso, é possível que o ABS nem entre em funcionamento, explica Gibran.

ABS para todos

Seguindo a resolução 312 do Contran, as montadoras devem passar a oferecer, gradualmente, cada vez mais modelos equipados com o sistema de freios ABS.

Uma pitada a mais de segurança muito bem-vinda para nossas ruas e estradas.

Freios ABS
Freios ABS

O freio ABS é uma solução que as montadoras desenvolveram para que o carro freie com mais segurança tanto em pista molhada como em seca.

Os freios ABS nasceram no Brasil há quase vinte anos o primeiro foi no Santana 91, de lá pra cá esses freios tem sido comum entre os carros e logo será obrigado que todos sejam lançados com essa tecnologia, esses freios ao invés de prender as rodas a seco e o carro derrapar, o mantém em movimento e parando devagar isso possibilita que o carro pare com mais velocidade do que os que não contam com o adereço, mas nem todas as pessoas sabem como usar isso, vamos passar alguns passos de como usar o ABS.

Com o ABS se pode pisar no freio com toda força para parar o carro, o sistema eletrônico irá ver se alguma roda está travada, se sim ele irá diminuir a pressão apenas naquela roda e seu carro irá parar com mais velocidade evitando um acidente.

O ABS também possibilita que se estiver em situação de perigo possa virar a direção que seu carro irá virar normalmente, mas se for em um carro de freios comum mesmo virando a direção o carro continua derrapando e não tem como evitar a batida.

Mesmo em uma curva o ABS pode te possibilitar contorná-la tranquilamente com seu sistema EBD esse distribui a pressão entre os eixos e evita qualquer desequilíbrio do carro possibilitando fazer uma curva em alta-velocidade.

Não se esqueça de que se levar seu carro em uma funilaria tem que desligar a bateria e o sistema eletrônico dos freios ABS, se não pode danificá-lo e depois terá de trocar o sistema eletrônico inteiro o que te dará um prejuízo.

Freios ABS – Veículos

Muitos dos atuais modelos de veículos estão equipados com o sistema de freio anti- bloqueamento – ABS.

Esse sistema utiliza componentes eletrônicos e hidráulicos, que ajudam a prevenir o bloqueamento das rodas durante períodos de forte frenagem.

O sistema anti-bloqueamento garante a segurança dos ocupantes do veículo, mantendo o controle direcional enquanto oferece máxima eficiência na frenagem.

O sistema hidráulico do freio atua reduzindo a pressão a fim de evitar o travamento das rodas, mantendo o atrito entre as rodas e a pista num valor ótimo. Já o sistema eletrônico do ABS age recebendo sinal dos sensores e enviando sinais de comando para o atuador hidráulico.

Os componentes do ABS são:

Sensores de velocidade nas rodas
Coroa dentada
Atuador hidráulico
Módulo de controle Electronic Control Unit (ECU).

O sistema pode ser aplicado nas duas rodas traseiras ou nas quatro rodas.

Sensores de Velocidade nas rodas e Rotores Dentados

Esses sensores são utilizados para determinar a razão de rotação das rodas. A extremidade do sensor está localizada perto do coroa dentada, que é geralmente preso ao eixo do veículo ou na articulação guiada e gira na mesma velocidade das rodas. Quando o rotor gira, uma tensão é induzida no sensor. O módulo e a freqüência dessa tensão varia em relação à velocidade da roda.

O sensor de velocidade pode vir montado em cada roda ou na carcaça do eixo ou ainda na transmissão.

Atuador Hidráulico

O atuador hidráulico é a unidade que tem a capacidade de aumentar, diminuir ou manter a pressão no freio. Ele age baseado em sinais recebidos do módulo de controle.

O atuador hidráulico consiste basicamente nos seguintes componentes:

Conjunto bomba/motor, que supre o acumulador com fluido de freio pressurizado
Acumulador, que recebe o fluido de freio altamente pressurizado
Conjunto de válvulas bloqueadoras, que contêm as válvulas solenóides hidráulicas.

No sistema intregrado ABS, o conjunto cilindro mestre/elevador de pressão é uma parte integral da unidade hidráulica. Nesses sistemas, o acionamento assistido é provido pelo fluido de freio pressurizado que é suprido pelo acumulador. Em um sistema não integrado, um conjunto convencional cilindro mestre/bomba é usado.

Alguns veículos são equipados com atuadores que utilizam motores elétricos ao invés de válvulas hidráulicas para regular a pressão do freio.

Módulo de Controle

Um módulo de controle anti-bloqueamento é um computador que usa sinais dos sensores de velocidade da roda para determinar quando e como o sistema anti-bloqueamento deve operar em uma determinada situação. Quando a roda está próxima à uma condição de bloqueamento, o módulo de controle emite sinais para o atuador hidráulico para regular a pressão do fluido que afeta a roda em questão.

Operação do ABS

Durante o período de frenagem normal, ao porção anti-bloqueamento do freio não opera. Apesar disso, os sensores continuam monitorando a velocidade de rotação das rodas e enviando sinais para o módulo de controle. Quando o pedal do freio é pressionado, fluido de freio escoa do cilindro mestre, através do atuador hidráulico, até o freio.

Quando o módulo de controle detecta que a roda está aproximando do bloqueamento, ele emite sinais para a válvula solenóide no atuador hidráulico para bloquear a passagem de fluido entre o cilindro mestre e o freio da roda em questão. A pressão do fluido do cilindro mestre não pode, assim, escoar através da válvula solenóide, e, a pressão do freio, na roda afetada, é mantida constante.

Quando o módulo de controle detecta um bloqueamento completo, ele comanda o atuador a diminuir a pressão na roda afetada. Para realizar isso, a válvula solenóide no atuador move-se para interromper a pressão de fluido vinda do cilindro mestre e permite que o fluido, atuando no freio, escoe para o reservatório do acumulador. No mesmo instante, a bomba contida dentro do atuador, força o fluido do acumulador de volta ao cilindro mestre. Quando isso ocorre, a pressão atuante na roda diminui.

Quando todas as rodas estão girando normalmente, a válvula solenóide no atuador retorna à sua posição original e o sistema de frenagem convencional volta a funcionar. Se for necessário, um sistema típico anti-bloqueamento pode repetir esse ciclo por volta de 15 vezes por segundo.

Freios ABS – Travamento

O nome é derivado de uma expressão em inglês, Anti-lock Breaking System, ou sistema de frenagem anti bloqueio. Trata-se de um sistema que evita que a roda do veículo trave provocando uma derrapagem, mas, que vantagens se obtem ao evitar o travamento da roda?

Quando dois corpos se encostam e existe movimento ou tendencia de movimento entre eles, aparece uma força oposta chamada de atrito.

Existem dois tipos de atrito: o que atua sobre corpos em repouso, chamado de estático e o que atua sobre corpos em movimento, chamado dinâmico, o atrito estático é o maior, iniciar um movimento exige uma força maior que a necessária para mantê-lo.

Quando um carro de desloca em uma rodovia, apesar do carro se movimentar, o pneu não deslisa sobre o asfalto, ele gira por sobre ele, o ponto do pneu que encosta no asfalto permanece parado em relação à ele. Se uma gota de tinta é colocada na banda de rodagem, ela não deixa um risco no asfalto e sim uma série de pontos, por isso o atrito entre o pneu e a pista é do tipo estático. Aí você se assusta e afunda o pé no freio, as rodam travam e o carro derrapa; a partir deste momento o atrito passa a ser dinâmico e em consequencia diminui. O espaço percorrido pelo carro até parar vai aumentar por causa dessa redução. Uma frenagem sob controle evitando a derrapagem, utiliza um espaço menor para parar que outra onde as rodas se travam. Esta é a primeira grande vantagem do sistema ABS ao impedir o travamento das rodas.

A segunda e maior delas, é que se ocorrer o travamento, o veículo perde completamente a dirigibilidade, ele vai para onde quizer, faça você o que fizer com o volante. Se as rodas derrapam, não faz a menor diferença se estão alinhadas ou tortas ou mesmo de lado, portanto pode-se girar o volante para onde quizer que o carro não está nem aí. Este é o maior perigo para quem enfrenta uma derrapagem, além de necessitar de um espaço muito maior para parar o veículo, ainda se perde completamente o controle sobre sua trajetória.

O sistema ABS ao impedir o travamento, o mantém durante todo o tempo no controle do veículo.

Como o sistema de freios ABS pode salvar sua vida?

Alguns dos principais fatores causadores de acidentes nas estradas e trechos urbanos, estão diretamente associados às derrapagens e ao travamento das rodas em frenagens de emergência, quando o motorista tenta evitar uma colisão.

Quando ocorre o travamento das rodas, especialmente das rodas dianteiras, o motorista perde a dirigibilidade do veículo, que segue em linha reta ainda que o ele tente desviar do obstáculo ou manter o veículo em curso.

Embora um estudo de comportamento encomendado pela Bosch, fornecedora de 65% dos sistemas de freio ABS que equipam a frota brasileira, revele que apenas 11% dos carros nacionais são equipados com o Antiblock Braking System (ABS), ou sistema Antibloqueio de Frenagem, em português, este é um dos equipamentos mais comuns na indústria automobilística.

Na Europa, onde o sistema é utilizado há 25 anos, ele equipará 100% dos veículos produzidos à partir de 2004. O dispositivo, que evita que as rodas travem numa freada brusca, evoluiu bastante e está agora mais rápido, mais leve e, portanto, mais eficiente.

O objetivo principal é desviar dos obstáculos e reduzir o espaço de frenagem

A principal função do dispositivo é garantir que o automóvel obedeça à trajetória determinada pelo motorista, permitindo que o veículo desvie de eventuais obstáculos e reduza o espaço de frenagem. Segundo estudos realizados pela equipe de engenharia da Bosch, um veículo médio equipado com ABS , a 80 quilômetros por hora, precisa de um espaço 20% menor para frear até parar.

Ao evitar que as rodas travem durante uma freada brusca, o ABS melhora a performance de segurança do veículo, ajudando a prevenir acidentes.

No ABS , cada roda do veículo é equipada com um sensor de movimento. Toda vez que uma delas ameaça travar, os sensores detectam o problema e enviam a informação para um processador central (igual ao de um computador). Numa fração de segundo, o processador transmite uma ordem para o sistema hidráulico, que imediatamente alivia a pressão dos freios das rodas que ameaçam travar, evitando que o veículo se desgoverne.

Além de fazer constantemente sua auto-diagnose, o sistema permite que em caso de pane total do sistema elétrico, as funções do freio convencional sejam mantidas inalteradas, evitando assim riscos de perda dos freios caso o sistema ABS não esteja em funcionamento.

Composição básica do ABS

Atuando em conjunto com freio convencional, o sistema é basicamente composto por:

Processador
Módulo hidráulico
Sensores que fazem o monitoramento das rodas.

1) Processador

O processador é considerado o “cérebro” do sistema ABS. Nele, todas as informações transmitidas pelos sensores das rodas são lidas e interpretadas. Após receber os dados, o processador envia um comando para o sistema hidráulico diminuir a pressão sobre os freios das rodas que ameaçam travar, evitando assim diferenças de velocidade entre estas e as demais e conseqüentemente mantendo o veículo sobre controle.

2) Módulo hidráulico

O módulo hidráulico tem a função de realizar o “serviço pesado” do ABS: é ele que controla a pressão dos freios. O sistema entra em operação toda vez em que os sensores detectam risco de travamento de algumas das rodas. Para evitar o bloqueio e, ao mesmo tempo realizar uma frenagem eficiente, o módulo hidráulico alivia a pressão dos freios, devolvendo fluído para o cilindro mestre. Esse processo causa a pulsação que é sentida pelo motorista no pedal de freio e pode se repetir numa freqüência de até 20 vezes por segundo.

3) Sensores de velocidade

O sistema ABS é dotado de quatro sensores, instalados um em cada roda. Todas vezes que uma delas ameaça travar, os sensores detectam o risco e repassam a informação para o processador. Os veículos mais modernos dotados de ABS possuem um anel magnético, localizado no cubo de roda; através desse dispositivo, o sensor consegue fazer uma leitura precisa da velocidade com que a roda está girando e se há risco de travamento durante uma frenagem.

Consolidação do ABS

A consolidação do ABS deu origem a outros sistemas como o Controle de Tração (ASR ou TC) que tem como princípio monitorar as rodas do veículo e evitar que as elas girem em falso durante uma arrancada, especialmente em piso escorregadio, e ao Programa Eletrônico de Estabilidade (ESP), cuja função é monitorar a trajetória e inclinação do veículo em relação à direção imposta pelo motorista ao volante e atuar no sistema de freio ou no torque do motor – sem a interferência do motorista – para garantir que o veículo siga a trajetória desejada, mantendo assim a sua estabilidade.

Troca de freios ABS

Sua segurança em primeiro lugar

Ao tentar evitar uma colisão ou outro tipo de acidente, o primeiro impulso do motorista é acionar o pedal de freio. O travamento das rodas e a derrapagem que resultam de uma freada de emergência são dois dos principais motivos dos acidentes em estradas e cidades. Ao travarem-se os pneus, o carro perde sua estabilidade, tornando-se descontrolado.

Para minimizar os efeitos deste tipo de situação e, por conseqüência, o número de vítimas, cada vez mais os fabricantes de veículos e autopeças se empenham em criar novos e mais eficientes sistemas de segurança para os automóveis.

Freios ABS

Embora um estudo de comportamento encomendado pela Bosch, fornecedora de 65% dos sistemas de freio ABS que equipam a frota brasileira, revele que apenas 11% dos carros nacionais são equipados com o Antiblock Braking System (ABS), ou sistema Antibloqueio de Frenagem, em português, este é um dos equipamentos mais comuns na indústria automobilística.

Já utilizado há vários anos na Europa, o freio ABS equipa 100% dos veículos produzidos desde o ano passado. Nos Estados Unidos, 74% dos carros já saem de fábrica com este sistema.

A tecnologia do sistema de freio ABS está a cada dia evoluindo mais, tornando-se mais e mais eficiente. O freio ABS é um sistema de frenagem que evita o bloqueio instantâneo das rodas melhorando a dirigibilidade quando se necessita, mesmo sendo utilizado em solo irregular ou em condições inseguras, como pistas molhadas, com resíduo de óleo, etc.

A Bosch, por exemplo, já está desenvolvendo a oitava geração do sistema ABS, que está muito mais leve, pesando 1,6 quilo, ou seja, quatro quilos a menos do tinham os modelos do final da década de 80, além de contar com um processador eletrônico mais evoluído, que trabalha muito mais informação e utiliza muito menos tempo para processá-las.

Manutenção do Sistema

Os sistemas de freios ABS possuem características técnicas e de manutenção muito simples. O período entre as manutenções dos freios ABS é maior do que o que necessitam outros componentes eletrônicos de s carro, como o sistema de injeção eletrônica, por exemplo. Porém, quando sua manutenção é necessária, o uso de equipamentos do tipo de diagnóstico/scanner, multímetro e informações técnicas do sistema é fundamental.

Desta maneira, uma empresa preparada para o atendimento de sistemas de injeção eletrônica está preparada, também, para o atendimento do sistema ABS.

A rede de oficinas Bosch Service possui todos o maquinário necessário para realizar diagnósticos eficientes em todos os sistemas eletrônicos de seu veículo, sempre de maneira rápida e precisa.

Para obter sempre maior segurança, conforto e economia recomenda-se que se mantenha seu veículo em perfeitas condições, realizando sempre manutenções preventivas regulares.

O que é Freio ABS ou Anti-lock Braking System

Um sistema de freio ABS é um sistema de segurança que impede que  as rodas de um veículo movido a motor travem (ou deixem de girar) durante uma a frenagem.

Isso é muito útil porque enquanto a roda do carro estiver girando, o motorista ainda consegue manter o controle do veículo, mesmo sob frenagens fortes, evitando uma derrapagem e permitindo que a roda continue interagindo com a superfície da estrada de acordo com os comandos do motorista.

Os freios ABS oferecem um melhor controle do veículo e reduz as distâncias de parada em superfícies secas e especialmente em superfícies escorregadias. No entanto, em superfícies soltas, como cascalho e neve na calçada, ele pode aumentar ligeiramente a distância de frenagem e ainda assim melhorar o controle do veículo.

Como o uso em larga escala na produção de carros, o Anti-lock Braking System evoluiu consideravelmente. Versões recentes não só evitam o travamento das rodas, mas também controlam eletronicamente os freios dianteiro e traseiro, ajustando a tensão nas pastilhas de freio de acordo com as necessidades exigidas no momento.

Essa função, de acordo com suas capacidades específicas e implementação, é conhecida como distribuição de brakeforce distribution (EBD), sistema de controle de tração, assistente de freio de emergência ou controle eletrônico de estabilidade.

Vantagens e desvantagens do Freio ABS

Você já se perguntou qual é a vantagem e a desvantagem do freio ABS ? Esse item está disponível como opcional na maioria dos veículos brasileiros mas dificilmente já vem como veículo de série.

Aqui está um texto com as vantagens e as desvantagens do ABS, principalmente nas estradas brasileiras:

Paralelamente à busca pelo melhor desempenho, ganhos em segurança têm sido outra meta da indústria automobilística, Jean. Em se tratando de freios, um desses ganhos foi o ABS antilock braking system ou sistema de freios antitravamento. Ao contrário do que pensam alguns, o menor espaço de freada é obtido com os pneus girando no limite da aderência, e não com as rodas travadas.

Daí a necessidade de se modular a aplicação dos freios. Isso pode ser conseguido em piso seco e plano, mas se torna difícil numa freada de emergência, sobre piso molhado, escorregadio ou mesmo numa curva. É aí que entra o ABS .

O sistema é composto por sensores eletrônicos de rotação instalados junto às rodas, os ABS de três canais, em vez de quatro, utilizam um único sensor para as rodas traseiras por questão de economia, um microprocessador central e um modulador hidráulico (conjunto de válvulas eletromagnéticas). Quando os sensores detectam um travamento de roda, enviam um sinal para a central, que passa ao modulador as instruções para aumentar ou reduzir a pressão do fluido sobre cada cilindro de roda.

O ABS pode chegar a soltar totalmente os freios de uma roda e manter a pressão sobre as demais, se necessário for. Tudo em frações de segundo e sem que o motorista perceba qualquer atuação, salvo uma ligeira pulsação no pedal de freio, que é normal e não significa que se deva aliviar a pressão do pé. Além do ganho em segurança, o ABS evita que os pneus sofram desgaste irregular nas freadas. Um problema já detectado, mais em alguns carros que em outros, é a interpretação incorreta de freadas em piso irregular (costelas-de-vaca). Como as rodas perdem o contato com o solo e travam por instantes, o sistema pode aliviar a pressão e deixar o veículo praticamente sem freios.

Ao contrário do que pensam alguns, o menor espaço de freada é obtido com os pneus girando no limite da aderência, e não com as rodas travadas. Daí a necessidade de se modular a aplicação dos freios. Isso pode ser conseguido em piso seco e plano, mas se torna difícil numa freada de emergência, sobre piso molhado, escorregadio ou mesmo numa curva. É aí que entra o ABS .

O sistema é composto por sensores eletrônicos de rotação instalados junto às rodas os ABS de três canais, em vez de quatro, utilizam um único sensor para as rodas traseiras por questão de economia, um microprocessador central e um modulador hidráulico (conjunto de válvulas eletromagnéticas). Quando os sensores detectam um travamento de roda, enviam um sinal para a central, que passa ao modulador as instruções para aumentar ou reduzir a pressão do fluido sobre cada cilindro de roda. O ABS pode chegar a soltar totalmente os freios de uma roda e manter a pressão sobre as demais, se necessário for. Tudo em frações de segundo e sem que o motorista perceba qualquer atuação salvo uma ligeira pulsação no pedal de freio, que é normal e não significa que se deva aliviar a pressão do pé.

Além do ganho em segurança, o ABS evita que os pneus sofram desgaste irregular nas freadas. Um problema já detectado, mais em alguns carros que em outros, é a interpretação incorreta de freadas em piso irregular (costelas-de-vaca). Como as rodas perdem o contato com o solo e travam por instantes, o sistema pode aliviar a pressão e deixar o veículo praticamente sem freios.

Freios ABS – Vídeos

Freios ABS – Conceito

Freios ABS – Teste Bosch

Fonte: autorepair.about.com/www.mucda.mb.ca/www.bosch.com.br/infomanejo.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Embreagem

Embreagem, Carro, Automóvel, Veículo, O que é, Tipo, Sistema, Componente, Partes, Câmbio, Mecânica, Rodas, Função, Embreagem

Câmbio

Câmbio, Carro, Veículo, Automático, Manual, Automóvel, Sistema, Dualogic, Marcha, Caixa, Manutenção, Dirigir, O que é, Câmbio

Diferencial

Diferencial, Carro, Tipo, Sistema, O que é, Componentes, Veículos, Mecânica, Engrenagens, Velocidade, Rodas, Como Funciona, Diferencial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+