Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / História da Alemanha

História da Alemanha

História Antiga e Medieval

PUBLICIDADE

Os povos germânicos estabelecidos no princípio ao norte do país foram conquistando pouco a pouco os territórios do sul, de onde começaram expulsar os celtas, pelos tempos de Cristo. Durante as grandes invasões foram abandonando os territórios situados ao leste do Elba.

O primeiro Estado alemão foi o reino de Luis Germânico, um dos três reinos que resultaram da repartição do império de Carlomagno. Na época carolíngea, este Estado se caracterizou pelos conflitos entre o poder central e os poderosos senhores feudais, contra os reis, que procuraram o apoio da Igreja. Enrique I logrou estabelecer a autoridade real e seu filho Otóm, o Grande, foi coroado pelo papa em 962. Pouco depois Otóm depôs o pontífice e submeteu as eleições papais à aprovação do imperador e, assim nasceu o Sacro Império Romano Germânico, que reivindicava a hegemonia sobre a Itália e a Igreja.

A partir disso os imperadores deveriam manter firme o poder da Igreja, frente às tendências autonomistas dos príncipes. Este conflito de poderes culminou, com a derrota do Império, frente ao pontificado no século XIII, o que supôs a declinação do poder central da Alemanha, enquanto que os demais grandes Estados da Europa, se afirmavan. O fim da Idade Média foi um brilhante período para a cultura alemã.

A Reforma e a Guerra dos Trinta Anos

As coisas não voltaram a serem iguais na Europa depois da reforma da Igreja empreendida por Martím Lutero, que enfrentou o protestantismo, como se definiu a causa de Lutero, contra a Igreja Católica de Roma. A tensão entre católicos e protestantes levou a Europa à Guerra dos Trinta Anos, que culminou na Paz de Westfalia. Apareceu uma nova força na Alemanha central, o reino Prusiano liderado por Federico o Grande, que rivalizou com outra grande potência, a Áustria.

No século XVIII, Napoleão, depois de haver vencido uma e outra, desmembrou o Império convertendo alguns de seus principados, na Confederação do Rhin, baixo protetorado francês e desaparecendo o Sacro Império Romano Germânico. Como consequência do enfrentamento de Prússia contra Napoleão e, a derrota deste último, junto com as idéias francesas se despertou na Alemanha, a conciência nacional. Porém, continuavam as divisões herdadas da reforma.

Século XIX

Em 1815 após o Congreso de Viena se recompõe o mapa da Europa, e Alemanha fica de novo fragmentada, até a chegada de Bismarck, que alcançou a unidade em 1862. Porém, os conflitos entre as facções alemãs continuaram até a chegada de Guillermo I e depois, Guillermo II.

Século XX

Na I Guerra Mundial a Alemanha foi vencida e perdeu muitos de seus territórios. Em 1918 o império foi derrotado e se proclamou a República de Weismar, mas os conflitos entre comunistas, nacionalistas e separatistas protagonizaram várias rebeliões, acusadas pela situação precária da economia.

Em 1925 sobe ao poder Hinderburg, candidato da direita. A crise econômica mundial, que se desencadeou em 1929, afetou duramente a Alemanha. A posição política se endureceu, após um páreo desastroso. Os nazistas aproveitaram esta situação convertendo-se no segundo partido do país, nas eleições gerais, de 1930. Em julho de 1932, as eleições legislativas deram a supremacia ao Partido Nacionalista. Em 1933, Hitler foi nomeado chanceler, encabeçando uma coligação de nazistas e conservadores.

Os nazistas provocaram uma série de feitos e medidas repressivas para destruir à esquerda opositora. O governo certo de seu maioritarismo pode assumir então poderes ditatoriais. Todos os partidos, menos o nazista, ficaram proibidos. Os judeus foram perseguidos, e os membros do partido único, que se opuseram foram assassinados. Ao morrer Hinderburg, Hitler acumulou as funções de chanceler e de presidente convertendo-se no dono absoluto da Alemanha. Començou uma política de rearmamento, se estabeleceu o serviço militar obrigatório e se iniciu uma política exterior expanssionista. Em 1936, se estabelece uma política de cooperação com Japão, e com Itália.

A invasão da Polônia, em 1939 desencadeou a Segunda Guerra Mundial. Pouco a pouco Hitler foi apoderando de grande parte da Europa. Em 1945 sofreu uma derrota que o deixou sem condições. Os aliados que tinham sido os oponentes de Hitler na guerra, repartiram a administração do território alemão e acordaram de tratar a Alemanha como uma unidade econômica, julgaram e condenaram no processo de Nuremberg a alguns dos chefes políticos e militares hitlerianos, exceto o próprio Hitler, que desapareceu durante a tomada de Berlim pelos soviéticos.

A repartição das zonas (a URSS o Leste e as potências ocidentais, o oeste da Alemanha) supôs uma separação de poderes que desembocou na criação da República Federal da Alemanha (RFA), Alemanha do Oeste e a República Democrática Alemã (RDA), Alemanha do Leste.

Da divisão à unidade

Para impedir o êxodo para o Oeste a RDA levanta o muro de Berlim. O desenvolvimento econômico da RFA aumenta consideravelmente, enquanto que as condições econômicas do Leste, em mudança, não são tão favoráveis.

Os governos da RDA e a RFA chegam a um acordo com o fim de aumentar o trâfego econômico entre os dois países. Em 1980 Helmut Schmidt, chanceler da RFA, é sustituido por Helmut Khol, demócrata-cristiano, em 1982. Erch Honecker, presidente da RDA, é substituido por Egom Krenz, que era mais partidário das reformas que, do bloqueio soviético, começaria a empreender Gorbachov.

Em 1989 se abrem as fronteiras entre os dois países. O governo da RFA propõe que o marco seja a moeda única para as duas Alemanhas. A reunificação alemã se leva a cabo no processo europeu total com o apoio da extinta URSS e Estados Unidos. Em 1990 Alemanha é uma nação unida, sob o nome de República Federal da Alemanha, e Helmut Kholt obtém a vitória nas eleições da Alemanha unificada. Translada-se a capital de Bonm a Berlim. Em 1992 o Bundesrat aprova por unanimidade a ratificação do tratado de Maastricht.

Fonte: www.rumbo.com.br

História da Alemanha

Desde a sua primeira aparição na história do mundo, os alemães representou o princípio do individualismo desmarcada, em oposição ao princípio romano de uma autoridade abrangente.

História da Alemanha na Idade Média foi fortemente influenciado por dois princípios opostos: universalismo e individualismo.

Depois de Arminius tinha lutado pela liberdade Alemão na Floresta de Teutoburgo a idéia de que a corrida tinha direito a ser independente tornou-se gradualmente um poderoso fator de seu desenvolvimento histórico.

Esta primeira concepção tomou forma quando os estados germânica cresceu a partir do Império Romano. Mesmo Teodorico o grande pensamento de unir os países bárbaros discordantes com a ajuda do gentium leges em uma grande confederação do Mediterrâneo. Embora nestes países mediterrânicos, a princípio romano finalmente prevaleceu, sendo que de uma civilização mais avançada, ainda as forças individualistas que contribuíram para fundar esses estados não foram desperdiçados.

Por eles o império mundial abrangente de Roma foi derrubado eo modo preparado para o princípio nacional. Não foi até depois da queda do Império do Ocidente de que um grande reino franco tornou-se possível e os francos, não mais realizada em cheque pelo Império Romano, foram capazes de reunir as tribos do estoque velho Teutônica e para estabelecer as bases de um império alemão.

Antes deste as tribos germânicas haviam sido continuamente em desacordo; sem gravata uniu-os; mesmo a linguagem comum não conseguiu produzir unidade. Por outro lado, o Lautverschiebung chamado, ou deslocamento das consoantes, em alemão, separados do Norte e do Sul alemães.

Nem era mitologia alemã uma fonte de união, para os centros de culto tribais vez aumentou o particularismo já existente. Os alemães não tinha sequer um nome comum. Desde o século oitavo provavelmente os francos denominações e francos estendido para além dos limites da tribo franca. Não foi, no entanto, até o século IX que o theodisk expressão (Deutsch depois Alemão), significando “popular”, ou “pertencente ao povo” fez a sua aparição e uma grande extensão de tempo dividido neste início do uso da palavra como um nome da nação.

O trabalho de unir a Alemanha não foi iniciado por uma tribo que vive no interior, mas por um na periferia do país. As pessoas chamadas Franks, de repente aparecem na história, no século terceiro. Eles representavam nenhuma tribo única, mas consistia em uma combinação de baixo e alto tribos alemãs.

Sob a liderança de Clovis (Chlodwig) os francos derrubou os restos do poder romano na Gália e construiu-se o estado franco em uma fundação germano-românico. As tribos germânicas foram conquistados um após o outro e colonizados na forma romana. Grandes extensões de território foram marcadas como pertencentes ao rei, e sobre estas colônias militares foram fundadas. Os comandantes dessas colônias militares gradualmente tornou-se funcionários administrativos, e as colônias si cresceu em pacíficas comunidades rurais agrícolas.

Por um longo tempo expressões políticas, como centenas, lembrou o caráter militar original do povo. A partir desse momento o governante franco tornou-se o patrão alemão, mas a tendência centrífuga das tribos germânicas reagiu contra essa soberania, logo que a dinastia merovíngia começaram lentamente a declinar, devido às disputas internas. Em cada uma das tribos após este o duque levantou-se a supremacia sobre seus companheiros de tribo. A partir do século sétimo duque tribal tornou-se quase um soberano independente. Esses estados ducais originado no comando supremo das grandes massas de tropas, e em seguida, na administração de grandes territórios por duques.

Ao mesmo tempo, a desintegração foi ajudado pela má administração das contas, os responsáveis dos distritos territoriais (GAU), que já não eram supervisionados pela autoridade central. Mas o que foi mais desastroso foi a de que uma aristocracia rebelde procurou controlar todos os interesses econômicos e de exercer poderes arbitrários sobre a política. Esses nobres soberanos se tornou poderoso através do sistema feudal, uma forma de governo que deu para a Alemanha medieval seu caráter peculiar. César em seu dia descobriu que era costume entre os gauleses para um homem livre, o “cliente”, voluntariamente para entrar em uma relação de dependência de um “sênior”. Essa entrega (Commendatio) aconteceu a fim de obter a proteção do senhor ou para ganhar o usufruto da terra. A partir deste sistema gaulês da clientela, desenvolveu-se, em tempos francos, a concepção de “homem do Senhor” o (homagium ou hominium), que por um juramento jurou lealdade a seu suserano e se tornou um vassus, ou gasindus, ou homo. O resultado do crescimento desta idéia era que finalmente apareceu, todo o reino, juntamente com royalties, poderosos senhores territoriais com sua Vassi ou Vassalli, como seus seguidores foram chamados a partir do século VIII.

Os vassalos recebeu como feudo (beneficium) um pedaço de terra de que se o uso para a vida. A luta dos francos com os árabes acelerou o desenvolvimento do sistema feudal, para a necessidade de criar um exército de cavaleiros então tornou-se evidente. Além disso, os homens livres pobres, deprimido em condições pelas guerras frequentes, não poderia ser obrigado a fazer o serviço como cavaleiros, um dever que só poderia ser exigido dos vassalos dos grandes proprietários de terras. A fim de forçar estes senhores territoriais fazer feudos do serviço militar foram concedidos a partir do domínio público já existente, e por sua vez os grandes senhores concedido parte destes feudos aos seus retentores. Assim, o rei franco foi gradualmente transformado de um senhor da terra e as pessoas a um senhor feudal sobre os beneficiários, direta e indiretamente a cargo, pela posse feudal. Até ao final do século IX o sistema feudal tinha unidos a maior parte da população.

História alemã real começa com Carlos Magno (768-814). A guerra com os saxões foi o mais importante ele continuou, eo resultado dessa luta, de fundamental importância para a história alemã, era de que os saxões foram trazidos para a conexão com as outras tribos germânicas e não cair sob a influência escandinava.

A união duradoura dos francos, saxões, frísios, turíngios, Hessians, alamanos, e bávaros, que Carlos Magno efetuada, formaram a base de uma combinação nacional que gradualmente perdido de vista o fato de que ele era o produto de compulsão. Desde o tempo de Carlos Magno as tribos acima mencionados alemães viviam sob constituição franco mantendo suas próprias leis antigas, o barbarorum leges, que Carlos Magno codificados. Outro ponto de importância para o desenvolvimento alemão era que Carlos Magno fixou a fronteira entre o seu domínio e os eslavos, incluindo os Wends, na outra margem do rio Elba e Saale Rios.

Em 840, o imperador morreu perto Ingelheim. As brigas dos filhos passou após a morte do pai, e em 841 Lotário foi completamente derrotado perto de Fontenay (Fontanetum) por Luís, o Germânico e Carlos, o Calvo.

O império caiu agora à parte, não da força de ódios nacionais, mas em consequência de a partição já fez e conhecido como o Tratado de Verdun (agosto de 843), que dividiu o território entre os filhos de Luís, o Piedoso: Lotário, Luís o alemão (843-76), e Carlos, o Calvo, e que finalmente resultou na derrubada completa da monarquia Carlovingian.

A fama de Henry I foi assegurado pela sua vitória sobre os magiares perto Merseburg (933). Ao recuperar a Lorena, que tinha sido perdido durante o reinado de Conrad, ele garantiu um baluarte do lado para a França, que permitiu a consolidação ininterrupto de seu reino. O mesmo resultado foi alcançado em outras fronteiras por suas campanhas bem sucedidas contra o Wends e boêmios. Reino de Henry foi feito de uma confederação de tribos, para a idéia de um “Rei dos alemães” ainda não existiam. Foi apenas como o “Sacro Império Romano da Nação Alemã” que a Alemanha poderia desenvolver a partir de uma união de tribos germânicas a uma nação compacto. Como defensores do poder supremo, como vassalos do imperador, os alemães estavam unidos.

O aumento do poder da Prússia, no século 19, apoiado pelo crescente nacionalismo alemão, finalmente, terminou na formação do império alemão em 1871 sob a chancelaria de Otto von Bismarck. Os partidos políticos desenvolvido durante o império, e Bismarck foi creditado com o passar da legislação do bem-estar social mais avançado da idade.

No entanto, a expansão dinâmica imperador William II do poder militar contribuiu para as tensões no continente. O frágil equilíbrio de poder europeu, que Bismarck tinha ajudado a criar, quebrou em 1914. Primeira Guerra Mundial e suas consequências, incluindo o Tratado de Versalhes, terminou o Império Alemão.

Ascensão do fascismo e derrota

O pós-guerra da República de Weimar (1919-1933) foi uma solução pacífica, regime liberal democrático. Este governo foi severamente prejudicado e, eventualmente, condenados por problemas econômicos e do aumento dos extremos políticos. A hiperinflação de 1923, a depressão mundial que começou em 1929, e a agitação social resultante de ressentimento para com as condições do Tratado de Versalhes trabalharam para destruir o governo de Weimar.

O Partido Nacional Socialista (nazista), liderado por Adolf Hitler, destacou temas nacionalistas e racistas, enquanto a promessa de colocar os desempregados a voltar ao trabalho. O partido culpou muitos dos problemas da Alemanha sobre a suposta influência de judeus e não-alemã grupos étnicos.

O partido também ganhou apoio em resposta a temores de crescente força comunista. Nas eleições de 1932, os nazistas ganharam um terço dos votos.

Em uma estrutura de partido fragmentado, isso deu os nazistas uma bancada parlamentar forte, e Hitler foi convidado a formar governo.

Ele declinou rapidamente. A República erosão e Hitler se nomeado como chanceler do Reich janeiro de 1933.

Depois que o presidente Paul von Hindenburg morreu em 1934, Hitler assumiu que o escritório também.

Uma vez no poder, Hitler e seu partido minado primeiro e depois aboliu as instituições democráticas e os partidos da oposição.

A liderança nazista imediatamente preso oposição judaica e outras figuras e retirou seus direitos políticos.

Os nazistas implementou um programa de genocídio, em primeiro lugar através de prisão e trabalho forçado e, em seguida, através da criação de campos de extermínio. Nazista revanchismo e expansionismo levou a Segunda Guerra Mundial, que resultou na destruição de infra-estruturas políticas e econômicas da Alemanha e levou à sua divisão.

Após a rendição incondicional da Alemanha em 8 de maio de 1945, os Estados Unidos, o Reino Unido, a União Soviética e, mais tarde, a França ocupou o país e assumiu a responsabilidade de sua administração. Os comandantes-em-chefe exercia a autoridade suprema em suas respectivas zonas e agiu em conjunto sobre questões que afetam todo o país.

Os Estados Unidos, o Reino Unido, e da União Soviética concordou em Potsdam em agosto de 1945 para tratar a Alemanha como uma unidade econômica com alguns departamentos da administração central em um quadro descentralizado. No entanto, a política soviética voltou dominando cada vez mais para que parte da Europa, onde seus exércitos estavam presentes, incluindo Alemanha Oriental. Em 1948, os soviéticos, em uma tentativa de revogar acordos para Four-Power o controle da cidade, bloquearam Berlim. Até maio de 1949, a parte ocupada pelos Aliados de Berlim foi mantido fornecido apenas por uma ponte aérea aliada.

A “ponte aérea de Berlim” conseguiu forçar os soviéticos a aceitar, por enquanto, o papel dos Aliados e da continuação da liberdade em uma parte da cidade, Berlim Ocidental.

Desenvolvimentos políticos na Alemanha Ocidental

Os Estados Unidos e no Reino Unido mudou-se para estabelecer um núcleo para um futuro governo alemão através da criação de um Conselho Central da Economia por suas duas zonas. O programa mais tarde prevista uma assembleia constituinte, um estatuto de ocupação rege as relações entre os Aliados e as autoridades alemãs, ea incorporação política e econômica dos franceses com os britânicos e americanos. A parte ocidental do país tornou-se a República Federal da Alemanha.

Em 23 de maio de 1949, a Lei Básica, que veio a ser conhecida como a Constituição da República Federal da Alemanha, foi promulgada. Conrad Adenauer tornou-se o primeiro chanceler federal, em 20 de setembro de 1949. No dia seguinte, o estatuto de ocupação entrou em vigor, a concessão de poderes de auto-governo com algumas exceções.

A FRG progrediu rapidamente em direção a plena soberania e associação com seus vizinhos europeus e com a comunidade atlântica. Os acordos de Londres e de Paris, de 1954 restaurada a soberania plena (com algumas exceções) para a RFA maio 1955 e abriu o caminho para a adesão alemã na Organização Tratado do Atlântico Norte (Otan) e da União da Europa Ocidental (UEO).

Os três aliados ocidentais retidos poderes de ocupação em Berlim e em certas responsabilidades para a Alemanha como um todo, incluindo a responsabilidade para a determinação das fronteiras orientais da Alemanha. Sob o novo regime, os aliados estacionados tropas dentro da FRG para defesa da NATO, nos termos do estacionamento e estatuto das forças de acordos. Com a exceção de 45.000 tropas francesas, as forças aliadas estavam sob comando da OTAN defesa conjunta. (França retirou da estrutura de comando da OTAN militar em 1966.)

A vida política na RFA foi notavelmente estável e ordenada. Após chanceler Adenauer (1949-1963), Ludwig Erhard (1963-1966) e Kurt Georg Kiesinger (1966-1969) serviu como chanceler. Entre 1949 e 1966 a bancada unida da União Democrata Cristã (CDU) e União Social Cristã (CSU), seja sozinho ou com a menor Partido Democrático Livre (FDP), formou o governo. 1966-1969 Kiesinger da “grande coalizão” incluiu dois a RFA maiores partidos, CDU / CSU eo Partido Social Democrata (SPD). Após a eleição de 1969, o SPD, liderado por Willy Brandt, formou um governo de coalizão com o FDP. Brandt renunciou em maio de 1974, depois que um membro sênior de sua equipe foi descoberto como um espião da Alemanha Oriental.

Helmut Schmidt (SPD), conseguiu Brandt, servindo como chanceler 1974-1982. Hans-Dietrich Genscher, um funcionário FDP líder, tornou-se vice-chanceler e ministro das Relações Exteriores, cargo que manteria até 1992.

Em outubro de 1982, o FDP juntou forças com a CDU / CSU para fazer CDU Presidente Helmut Kohl o chanceler. Após as eleições de março de 1983, Kohl surgiu no firme controle do governo e da CDU. Ele atuou até a derrota da CDU nas eleições de 1997. Em 1983, um novo partido político, o Partido Verde, entrou no Bundestag pela primeira vez.

Desenvolvimentos políticos na Alemanha Oriental

Na zona soviética, o Partido Comunista forçou o Partido Social Democrata de fundir em 1946 para formar o Partido Socialista Unificado (SED). Sob a direção soviética, uma Constituição foi redigida em 30 de maio de 1949, e aprovada em 7 de outubro, quando a República Democrática Alemã era proclamada.

Em 11 de outubro de 1949, um governo SED sob Wilhelm Pieck foi estabelecida. A União Soviética e seus aliados do Leste Europeu reconheceu imediatamente o GDR Os Estados Unidos ea maioria dos outros países não reconhecem a RDA até que uma série de acordos em 1972-73.

A RDA estabeleceu as estruturas de um partido único, estado, centralizado comunista. Em 23 de julho de 1952, a RDA aboliu a tradicional Laender e estabeleceu 14 Bezirke (distritos). Formalmente, existia uma “Frente Nacional” – uma organização que, nominalmente, que consiste na SED, outros quatro partidos políticos controlados e dirigidos pela SED, e os quatro principais organizações de massa (de jovens, sindicatos, mulheres e cultura). No entanto, o controle foi clara e unicamente nas mãos da SED. A votação nas eleições da RDA não era segredo. Em 17 de julho de 1953, os alemães orientais se revoltaram contra um regime totalitário. A FRG marcou a sangrenta revolta, tornando a data da Alemanha Ocidental do Dia Nacional, que permaneceu até a reunificação.

Inter-Relações alemães

Durante os anos 1950, os alemães orientais fugiram para o Ocidente pelos milhões. Os soviéticos fizeram a fronteira interna alemã cada vez mais apertado, mas o status de Berlim Quatro-Power rebateu tais restrições. Berlim tornou-se assim um ponto de fuga para um número ainda maior de alemães orientais.

Em 13 de agosto de 1961, a RDA começou a construir um muro através do centro de Berlim, retardando o fluxo de refugiados e divide a cidade.

O Muro de Berlim tornou-se o símbolo da debilidade política do Oriente e da divisão da Europa.

Em 1969, o chanceler Brandt anunciou que a RFA permaneceria firmemente enraizada na Aliança Atlântica, mas que intensificar os esforços para melhorar as relações com a Europa Oriental ea RDA A FRG iniciado este “Ostpolitik”, de negociação de tratados não-agressão com a União Soviética, Polônia, Tchecoslováquia, Bulgária e Hungria. Com base em políticas de Brandt, em 1971 as quatro potências concluíram um acordo quadripartite em Berlim para abordar questões práticas a divisão colocada, sem prejuízo de vista de cada parte do estado de energia da cidade Quatro.

As relações da FRG com a RDA colocou questões particularmente difíceis. Apesar de ansioso para aliviar dificuldades sérias para famílias divididas e para reduzir o atrito, a RFA sob Brandt tinha a intenção de realização de seu conceito de “dois estados alemães em uma nação alemã”. A melhoria das relações, no entanto, e em setembro de 1973, a RFA ea RDA foram admitidos para as Nações Unidas. As duas Alemanhas trocados representantes permanentes em 1974, e, em 1987, chefe de Estado da RDA, Erich Honecker, fez uma visita oficial à FRG

Unificação Alemã

Durante o verão de 1989, as rápidas mudanças ocorreram nos Pressões da RDA para a abertura política na Europa de Leste não parecia afetar o regime da RDA. No entanto, a Hungria terminou restrições de sua fronteira com a Áustria, e uma inundação crescente de alemães orientais começaram a tirar vantagem desta rota para a Alemanha Ocidental. Milhares de alemães orientais também tentou alcançar o Ocidente por encenar sit-ins em instalações FRG diplomáticas em outras capitais do Leste Europeu. O êxodo demandas geradas dentro da RDA para a mudança política e manifestações em massa em várias cidades – especialmente em Leipzig – continuou a crescer. Em 7 de outubro, o líder soviético Mikhail Gorbachev visitou Berlim para comemorar o 40 º aniversário do estabelecimento da RDA e pediu que a liderança da Alemanha Oriental para prosseguir a reforma.

Em 18 de outubro, Erich Honecker renunciou e foi substituído por Egon Krenz. O êxodo continuou inabalável, ea pressão para a reforma política montada.

Finalmente, em 9 de novembro, a RDA permitido alemães orientais para viajar livremente. Milhares foram através do Muro de Berlim para os setores ocidentais de Berlim. A parede foi aberto.

Em 28 de novembro, RFA. Chanceler Kohl apresentou um plano de 10 pontos para a unificação pacífica das duas Alemanhas. Em dezembro, a Volkskammer GDR eliminou o monopólio do SED no poder. A SED mudou seu nome para Partido do Socialismo Democrático (PDS), e vários grupos políticos e partidos formados. O sistema comunista havia sido eliminada. Um novo primeiro-ministro, Hans Modrow, liderou um governo interino que dividiu o poder com os novos, os partidos democraticamente orientadas.

No início de fevereiro de 1990, o chanceler Kohl rejeitou a proposta do governo de Modrow para um sistema unificado, Alemanha neutro. Kohl afirmou que uma Alemanha unificada deve ser um membro da NATO. Finalmente, em 18 de março, as primeiras eleições livres foram realizadas na RDA, e Lothar de Maiziere (CDU) formou um governo com uma política de unificação expedita com a RFA Os representantes livremente eleitos da Volkskammer realizou sua primeira sessão em 5 de abril ea RDA pacificamente evoluiu de um comunista para um governo democraticamente eleito.

Berlim

Logo após a Segunda Guerra Mundial, Berlim tornou-se a sede do Conselho de Controlo Aliado, que era para ter governado a Alemanha como um todo, até a conclusão de um acordo de paz. Em 1948, no entanto, os soviéticos recusaram participar por mais tempo na administração quadripartite da Alemanha.

Eles também se recusaram a continuar a administração conjunta de Berlim e levou o governo eleito pelo povo de Berlim fora de sua sede no setor soviético e instalou um regime comunista em seu lugar. A partir de então até a unificação, os aliados ocidentais continuaram a exercer autoridade suprema – eficaz apenas em seus setores – através da Kommandatura aliada.

Para o grau compatível com o estatuto especial da cidade, no entanto, eles virou o controle e gestão dos assuntos da cidade para o Senat Berlim (executivo) e da Câmara dos Representantes, os órgãos de gestão estabelecido pelo processo constitucional e escolhido por eleições livres. Os aliados e autoridades alemãs na RFA e em Berlim Ocidental nunca reconheceu o regime comunista da cidade de Berlim Oriental ou autoridade GDR lá.

Durante os anos de isolamento de Berlim – 176 km (110 milhas). Dentro da antiga RDA – os aliados ocidentais incentivou uma estreita relação entre o Governo de Berlim Ocidental e que representantes da RFA da cidade participaram como membros sem direito a voto na RFA parlamento; apropriadas agências da Alemanha Ocidental, como o Supremo Tribunal Administrativo, tiveram seus assentos permanentes na cidade, eo prefeito governo de Berlim teve sua vez como presidente do Bundesrat. Além disso, os aliados cuidadosamente consultado com os Governos FRG e Berlim sobre questões de política externa que envolvem a unificação eo estado de Berlim.

Entre 1948 e 1990, grandes eventos, como feiras e festivais teve lugar em Berlim Ocidental, ea RFA incentivou o investimento no comércio por legislação especial de tributação concessionária. Os resultados de tais esforços, combinados com a administração da cidade eficaz e energia os berlinenses “e espírito, foram encorajadores. Moral de Berlim manteve-se elevada, e sua produção industrial superou consideravelmente o seu nível pré-guerra.

O Tratado de Liquidação Final terminou estatuto especial de Berlim como uma área separada em quatro controle de Energia. Sob os termos do tratado entre a RFA ea RDA, Berlim se tornou a capital de uma Alemanha unificada. O Bundestag votou em junho de 1991 para fazer Berlim a sede do governo.

O Governo da Alemanha pediu aos aliados para manter uma presença militar em Berlim até a retirada completa do Grupo Ocidental das Forças (ex-União Soviética) do território da antiga RDA A retirada russa foi concluída 31 de agosto de 1994. Em 8 de setembro de 1994, cerimônias marcaram o final de partida das tropas ocidentais aliados de Berlim.

Em 1999, a sede oficial do governo federal passou de Bonn para Berlim. Berlim também é um dos Laender da República Federal da 16.

Quatro Power Control Termina

Em 1990, como um passo necessário para a unificação alemã e em paralelo com os desenvolvimentos internos alemães, os dois Estados alemães e os quatro potências – Estados Unidos, Reino Unido, França e União Soviética – negociados para acabar Quatro direitos reservados energia para Berlim e da Alemanha como um todo. Estes “dois mais quatro” negociações foram mandatados na conferência de Ottawa Céu Aberto em 13 de fevereiro de 1990. Os seis ministros de Relações Exteriores se reuniu quatro vezes nos meses seguintes, em Bona (5 de maio), Berlim (22 de junho), Paris (17 de julho) e Moscou (12 de setembro).

O ministro Estrangeiros polaco participou de parte da reunião de Paris que lidava com as fronteiras polaco-alemãs.

De importância fundamental foi superar objeções soviéticas a associação uma Alemanha unificada na NATO. A Aliança já estava respondendo às novas circunstâncias, e, no âmbito da NATO, emitida a Declaração de Londres, em uma OTAN transformada. Em 16 de julho, depois de uma reunião bilateral, Gorbachev e Kohl anunciou um acordo de princípio para permitir uma Alemanha unida na OTAN.

Isto abriu o caminho para a assinatura do “Tratado sobre a Liquidação final com respeito à Alemanha” em Moscovo, em 12 de setembro. Além de cancelar quatro direitos de alimentação, o tratado determinou a retirada de todas as forças soviéticas da Alemanha até o final de 1994. Esta claro que as atuais fronteiras foram final e definitiva, e especificou o direito de uma Alemanha unida a pertencer à NATO.

É igualmente prevista a continuação da presença das tropas britânicas, francês e americano em Berlim, durante o período de transição da retirada soviética. No tratado, os alemães renunciou armas nucleares, biológicas e químicas e declarou sua intenção de reduzir forças armadas alemãs para 370 mil dentro de 3 a 4 anos após as Forças Armadas Convencionais na Europa (CFE), assinado em Paris, em 19 novembro de 1990, entrou em vigor.

Unificação alemã poderia então proceder. De acordo com o artigo 23 da Lei Fundamental da RFA, o Laender cinco (que tinha sido restabelecida na RDA) aderiram à RFA em 3 de outubro de 1990. A FRG proclamou 03 de outubro como dia nacional novo. Em 2 de dezembro de 1990, todos os alemães foram realizadas eleições, pela primeira vez desde 1933.

Fonte: www.historyofnations.net

História da Alemanha

Durante a idade da pedra, os bosques alemães estavam povoados por grupos de caçadores e coletores. Constituíam as formas primitivas do Homo sapiens, (Homem de Heidelberg que viveu há 400.000 anos).

Aproximadamente em 2300 a.C. chegaram novas hordas de povos indo-europeus, antepassados dos germanos, que se instalaram no norte e no centro da Alemanha, os povos bálticos e os eslavos no leste e os celtas no sul e no oeste. De 1800 a 400 a.C., os povos celtas do sul da Alemanha e da Áustria desenvolveram progressos no trabalho com o metal, configurando várias culturas — campos de urnas, Hallstatt e La Tène — que se difundiram pela Europa.

Entre os séculos II a.C. e V d.C. as tribos germânicas e celtas estiveram em contato com os romanos que controlavam o sul e o oeste da Europa e tentaram sem êxito estender seu domínio até o rio Elba. A fronteira se manteve nos rios Rin e Danúbio, onde erigiram os limes (linha de fortificações). Nos séculos IV e V os hunos assolaram o território a partir da Ásia e os ostrogodos, visigodos, vândalos, francos, lombardos e outras tribos germânicas invadiram o Império romano.

No final do século V, o chefe dos francos, Clodoveu I, derrotou aos romanos e estabeleceu um reino que englobava a maior parte da Galia e o sudeste da Alemanha. Seu trabalho continuou no século VIII por Carlos Magno, que anexou o sul da Alemanha e submeteu os saxões. O Império carolíngio não sobreviveu e depois da morte de Carlos Magno foi dividido entre seus três netos.

Depois da morte do último monarca carolíngio, Oto I o Grande foi o primeiro rei saxão fortemente decidido a criar uma monarquia centralizada. Outorgou privilégios territoriais à Igreja, defendeu seu reino dos ataques exteriores e invadiu a Itália duas vezes. Durante 100 anos (1024-1125) os reis da Germânia foram eleitos entre os francos que reinavam no ducado da Franconia. Os reis sálicos levaram o império ao seu ponto culminante.

Conrado II, o Sálico foi o primeiro rei indiscutível da Alemanha. Foi sucedido pelo seu filho Henrique III, o Negro, que obrigou o duque da Boêmia a reconhecer sua autoridade. Aos seis anos de idade, Henrique IV sucedeu a seu pai e durante a regência, sua mãe, Inês de Poitiers, se viu obrigada a ceder a maior parte do território real. Henrique IV tentou recuperar a perda do poder imperial o que provocou a rebelião dos saxões.

O resultado foi uma guerra civil de quase 20 anos. Henrique marchou sobre Roma, instalou o antipapa Clemente III e foi coroado imperador em 1084. Finalmente, traído e feito prisioneiro por seu filho (Henrique V), viu-se obrigado a abdicar.

Henrique V continuou inutilmente as lutas de seu pai por manter a supremacia sobre a Igreja. Perdeu o controle da Polônia, Hungria e Boêmia. A Questão das investiduras terminou com a Concordata de Worms (1122), que estipulou que as nomeações episcopais teriam lugar perante a presença imperial sem simonia e o imperador investiria o candidato com os símbolos de seu cargo temporal antes que um bispo o fizesse com os símbolos espirituais.

Nos séculos XII e XIII a Alemanha e a Itália estiveram imersas na rivalidade existente entre duas famílias principescas: os Hohenstaufen da Suabia, denominados gibelinos na Itália, e os Welfs da Baviera e da Saxônia, conhecidos como guelfos na Itália.

Com a morte de Henrique V os príncipes elegeram imperador a Lotario II, duque da Saxônia, que tentou converter e dominar ao leste. Depois de seu falecimento, os príncipes elegeram Conrado de Hohenstaufen, duque da Suábia e a guerra civil explodiu novamente (guelfos – gibelinos); enqaunto, Conrado dirigia a desafortunada Segunda Cruzada, que se desenvolveu de forma paralela ao conflito guelfo-gibelino na Itália.

Frederico I Barba-Roxa assumiu o título de imperador do Sacro Império Romano. Unificou a Alemanha e a Borgonha, declarou uma paz imperial e submeteu os guelfos.

Henrique VI quis ampliar seus domínios. Para assegurar a paz na Alemanha, reprimiu uma rebelião, invadiu as cidades do norte da Itália, conquistou a Sicília e tentou criar um império no Mediterrâneo que se desmembrou rapidamente. Seu filho, Frederico II, herdou a Sicília, mas a Itália Setentrional reafirmou sua independência, conservando a Sicília. Para conseguir o apoio alemão em suas campanhas na Itália Setentrional, permitiu aos príncipes ser donos absolutos em seus próprios territórios. Conquistou os principais lugares cristãos da Terra Santa e depois das guerras com a Liga Lombarda tomou os Estados Pontifícios.

O filho mais novo de Frederico herdou a Sicília e o título imperial, mas a Itália e a Alemanha nunca mais se uniram. Os papas, aliados aos franceses, expulsaram os Hohenstaufen da Sicília. A Alemanha sofreu a desordem do Gran Interregnum (1254-1273), durante o qual os inumeráveis estados em que estava dividida protagonizaram uma anarquia geral.

No final do século XIII, o Império havia perdido a Polônia, a Hungria e o controle efetivo da Borgonha e da Itália. Dentro de suas fronteiras, os principados eram praticamente autônomos. Nas cidades o comércio teve um grande desenvolvimento. As cidades de Rin e, mais tarde, as cidades alemães do norte formaram associações comerciais; a mais poderosa foi a Liga Hanseática.

No final da Idade Média, a grande estirpe de duques foram extintas e se criaram novos principados. Três casas reais — Habsburgo, Wittelsbach e Luxemburgo — lutaram pelos direitos dinásticos da coroa imperial. Em 1273 se pôs fim ao Gran Interregnum. Rodolfo I de Habsburgo ampliou as possessões de sua família.

Durante o reinado de Sigismundo de Luxemburgo foi convocado o Concílio de Constança (1414-1418). O movimento husita convulsionou a Boêmia ao combinar os sentimentos tradicionais tchecos com o desejo de reformar em profundidade a Igreja.

Com seu enteado Alberto V, o Ilustre, a coroa imperial tornou-se hereditária da casa dos Habsburgo. Seu sucessor, Frederico III da Estiria, perdeu a Hungria e a Boêmia, e vendeu Luxemburgo para a França, enquanto lutava contra os príncipes alemães e os turcos alcançavam as fronteiras do Império.

Maximiliano I desenvolveu uma política matrimonial em benefício de sua família. Mediante o matrimônio de seu filho, Felipe I o Belo, com a herdeira da Espanha, Joana I a Louca, Maximiliano asentou as bases para a futura união das coroas de Castela e Aragão com o Império. Como no resto da Europa, o século XV foi uma época de transição da economia feudal da Idade Média para a economia monetária da época moderna, processo que criou tensões entre todas as classes da sociedade, enquanto as cidades se tornavam cada vez mais importantes.

As inquietações espirituais de Martinho Lutero se combinaram com as ambições seculares dos príncipes alemães para produzir a Reforma protestante que propunha a liberdade religiosa. As lutas religiosas intensificaram os conflitos políticos europeus durante cem anos.

Em 1519, Carlos I da Espanha e V da Alemanha sucedeu a seu avô Maximiliano como imperador do Sacro Império Romano. Dedicou sua vida a preservar um império medieval unido na fé, um esforço infrutífero na sociedade plural criada pelos reformadores e as forças seculares.

Os protestantes estavam divididos: além dos luteranos haviam cristãos reformistas inspirados pelo teólogo suíço Ulrico Zuinglio e radicais anabatistas.

Pela Paz de Augsburgo (1555), ficou reconhecido o luteranismo, mas não ocorreu o mesmo com os calvinistas.

Carlos abdicou em 1556.

Seu vasto Império se dividiu: as possessões espanholas e borgonhesas passaram a seu filho Felipe II, enquanto que o título imperial e as possessões imperiais foram para seu irmão Fernando I de Habsburgo.

Enquanto os imperadores Fernando I e seu filho Maximiliano II estiveram ocupados com a ameaça da invasão turca, o protestantismo se expandiu na Alemanha, mas seu progresso se deteve pela Contra-reforma. O Concílio de Trento (1545-1563), modificou a doutrina e o culto católicos e impediu a reconciliação com os protestantes.

A tensão entre ambas religiões conduziu à guerra dos Trinta Anos que finalizou pela paz de Westfalia (1648). Reconhecia-se a soberania e a independência de cada estado do Sacro Império Romano Germânico e a religião seria determinada por seu príncipe; foi aceita a situação existente em 1624 no aspecto religioso, ao estabelecer que as propriedades dos Habsburgo, o sul e o oeste da Alemanha eram católicos e os protestantes podiam manter as propriedades adquiridas.

Politicamente o Sacro Império Romano Germânico (ou I Reich) continuou com tal denominação, mas havia perdido todas as pretensões à universalidade e a um governo centralizado. No final do século XVII e início do XVIII, o Império estava eclipsado pela França e pela Inglaterra.

A estrutura imperial dependia de grande quantidade de príncipes menores; os Wettins da Saxônia, os Welfs de Brunswick-Luneburgo se converteram em eleitores de Hannover, os Wittelsbachs da Baviera, os Habsburgo da Áustria e os Hohenzollern de Brandeburgo eram as famílias hegemônicas no Império e dominavam aos outros príncipes.

Apenas haviam se recuperado da guerra dos Trinta Anos quando os príncipes e o imperador se enfrentaram em uma série de novas lutas dinásticas. No oeste, os príncipes se envolveram em quatro guerras para freiar as intenções de Luís XIV de estender o território francês até o Reno.

Os príncipes alemães se encaminharam para o norte e o leste, onde entraram em conflito com a Suécia no mar Báltico, produzindo-se duas guerras, denominadas de Norte. Os alemães também tiveram que enfrentar os turcos otomanos, que se expandiram no sudeste da Europa. Eugênio de Sabóia os venceu em Senta (1697) e os Habsburgo foram anexados a maior parte da Hungria. A família dos Hohenzollern tinha territórios geograficamente desconectados no oeste. Fora do Império, a área mais importante era a Prússia, que se converteu em um reino independente em 1701.

Frederico Guilherme I da Prússia era um militar dedicado a unir suas dispersas possessões em um único Estado moderno onde a presença do militar seria constante. Frederico II o Grande dedicou a maior parte de sua vida a estender o território da Prússia para a costa da Áustria e da Polônia.

O imperador Carlos VI, ansioso em manter unificados os domínios dos Habsburgo, promulgou a Sanção Pragmática em 1713, declarando que sua filha Maria Teresa I da Áustria lhe sucederia. Quando morreu em 1740, os eleitores da Baviera e da Saxônia rechaçaram a Sanção Pragmática. Frederico II invadiu a Silésia, precipitando a guerra da Sucessão austríaca (1740-1748). Maria Teresa assinou a paz com ele em 1742, cedendo-lhe a Silésia.

O surgimento da Prússia como uma grande potência levou a uma mudança de alianças e a novas hostilidades. A intenção de Maria Teresa de reconquistar a Silésia deu lugar a uma série de alianças que conduziriam à guerra dos Sete Anos (1756-1763).

Durante 18 anos os Estados alemães estiveram implicados de forma diferente em cinco guerras contra os exércitos da França revolucionária e napoleônica. No início a Áustria e a Prússia perderam muitos territórios, mas em 1812 Napoleão foi derrotado na campanha da Rússia. Frederico Guilherme III da Prússia, junto com a Áustria e a Rússia, derrotou Napoleão em Leipzig (1813).

No Congresso de Viena (1814-1815) os Estados vencedores de Napoleão redesenharam o mapa da Europa. O Sacro Império Romano Germânico, com mais de 240 estados, foi substituído pela Confederação Germânica, formada por 39 estados representados na Dieta de Frankfurt. Muitos alemães queriam estabelecer um governo liberal de acordo com uma Constituição que garantisse a representação popular e outras medidas. Também tinham esperanças na unificação nacional.

Os soberanos da Prússia e da Áustria e os recentemente coroados reis da Baviera, Hannover, Württemberg e Saxônia, temerosos de qualquer usurpação de sua soberania, opuseram-se ao liberalismo e ao nacionalismo. Áustria, Prússia, Rússia e Grã-Bretanha formaram a Quádrupla Aliança para suprimir qualquer ameaça aos acordos com Viena.

As revoluções liberais de 1830 e 1848 em Paris, estenderam-se sobre a Europa. Os confrontos também alcançaram a Baviera, a Prússia e o sudoeste da Alemanha, mas foram esmagados rapidamente na Áustria, Hungria e Prússia.

Prússia e Áustria fizeram planos divergentes para a futura unificação alemã. Na Prússia, o rei Guilherme I, junto a seu primeiro-ministro, Otto von Bismarck, decidiram fazer da Prússia um poderoso Estado.

Depois da Guerra Áustro-prussiana, a Áustria cedeu Veneza para a Itália, e a Prússia foi anexada a Schleswig-Holstein, Hannover e outros estados, e organizou a Confederação da Alemanha do Norte (1867) sem a Áustria. Bismarck culminou sua estratégia com a Guerra Franco-prussiana, depois da qual, em 1871, Guilherme foi proclamado imperador do Império Alemão (o II Reich).

Una vez unificados os diversos Estados alemães sob o Império dirigido pela Prússia, Bismarck fez uma série de alianças para proteger a Alemanha de qualquer agressão exterior. No interior fomentou a Revolução Industrial.

Bismarck considerou que a Igreja católica ameaçava a supremacia do Estado alemão. Iniciou assim a Kulturkampf (luta cultural) durante a qual suprimiu muitas ordens religiosas.

O Império não funcionava de forma democrática. Bismarck dirigiu uma perseguição ao Partido Socialista, precursor do Partido Social-democrata alemão e preparava suprimir a Constituição. Entretanto, o novo imperador Guilherme II da Prússia o destituiu, por querer governar o Império de forma pessoal.

Guilherme II manteve a Tríplice Aliança (1882) da Alemanha, Áustria e Itália. Para equilibrar a situação, a Rússia concordou com uma aliança em 1894 com a França. A Grã-Bretanha, durante muito tempo neutra, clarificou suas diferenças coloniais com a França e com a Rússia, o que teve como resultado a formação do Tríplice Acordo. Desta forma, a Europa se dividiu em dois blocos armados.

A crise do Marrocos e dos Balcãs intensificaram os antagonismos. Guilherme II interveio duas vezes no Marrocos (1905, 1911), que a França pretendia, para proteger os interesses alemães na África. A Áustria foi anexada em 1908 às províncias turcas da Bósnia e Herzegovina. O assassinato do arquiduque austríaco Francisco Fernando de Habsburgo em Sarajevo, em junho de 1914, foi a faísca que iniciou a I Guerra Mundial.

As tropas alemães invadiram e avançaram pela neutra Bélgica com a intenção de tomar Paris de surpresa, mas os alemães encontraram mais resistência na Bélgica do que esperavam, apesar de quase chegaram a Paris. Entretanto, os britânicos e os franceses freiaram o avanço alemão na batalha de Marne. Enquanto os russos atacaram o leste, mergulhando a Alemanha na temida guerra de duas frentes.

Os alemães derrotaram várias vezes os russos. Os aliados bloquearam a Alemanha para impossibilitar o fornecimento de alimentos e matérias-primas, contando com o apoio dos Estados Unidos que entrou na guerra em 1917. A Rússia pediu a paz, que foi assinada em 1918. Os alemães lançaram uma ofensiva final no oeste, mas os aliados resistiram.

O chanceler anunciou que Guilherme II abdicou e se demitiu. O dirigente do Partido Social-democrata Friedrich Ebert proclamou a República.

A Alemanha teve que enfrentar os duros termos do Tratado de Versalhes em 1919: perdeu a Alsácia e Lorena a favor da França, e a Prússia Ocidental passou para a Polônia. Também perdeu suas colônias e teve que ceder suas instalações siderúrgicas, linhas ferroviárias e barcos comerciais, assim como sua força naval. Além disso, tiveram que aceitar a plena responsabilidade como causadores da guerra e pagar as indenizações.

A crise econômica fez piorar a situação. Pelo Plano Dawes (1924), foi revista a quantia e a modalidade de pagamento das reparações de guerra e se proporcionaram empréstimos do exterior. Durante cinco anos a Alemanha desfrutou de uma estabilidade social e prosperidade relativas; em 1926 se incorporou à Sociedade das Nações. Entretanto, a crise econômica mundial de 1929 colocou o país uma vez mais no desastre.

Em meio a depressão econômica, as eleições de 1932 fizeram com que o Partido Nacional-socialista (nazista) fosse o de maior representação no Reichstag. Em 1933, com o apoio de elementos de extrema direita, Hitler foi eleito chanceler. O novo Parlamento aprovou a Lei de Poderes Especiais permitindo a Hitler controlar todos os aspectos da vida alemã e criar o III Reich.

Todos os partidos políticos, exceto o Nacional-socialista foram considerados ilegais. O III Reich buscou ser econômicamente auto-suficiente. O sistema propagandístico contou com o apoio da Gestapo. Os judeus sofreram com as leis discriminatórias, sendo privados da cidadania e excluídos das atividades civis e profissionais, e depois da denominada Noite dos cristais quebrados, centenas de milhares de judeus fugiram do país.

As ocupações da França, da Bélgica, dos Países Baixos, da Noruega, da Dinamarca, da Iugoslávia e da Grécia fizeram com que milhões de judeus ficassem sob o domínio nazista. Ainda houve colaboradores nos territórios ocupados que ajudavam aos nazistas, a resistência a sua política foi importante. Até o final da guerra, os judeus mortos chegaram a cerca de seis milhões no que ficou conhecido como o Holocausto.

Os desejos da Alemanha de buscar uma revisão do Tratado de Versalhes pela força tornaram inúteis os esforços realizados pelos os outros países que queriam evitar o confronto militar, o que conduziu à II Guerra Mundial.

Em 1942, a Grã-Bretanha porém resistia e os Estados Unidos havia entrado na guerra depois do ataque japonês a Pearl Harbor. Em 1943, a ofensiva soviética conduziu gradualmente as tropas alemães para o oeste. As forças do Eixo na África do Norte foram derrotadas e a Itália foi invadida. A Alemanha, a partir de 1942, começou a ser bombardeada de forma intensiva, mas Hitler recusou render-se. As forças britânicas e americanas desembarcaram na Normandia em 1944 e avançaram para a fronteira alemã, enquanto os soviéticos faziam o mesmo na frente oriental. Hitler se suicidou antes dos tanques soviéticos entrarem em abril de 1945 em Berlim.

A rendição incondicional da Alemanha pôs fim ao III Reich. Os aliados reduziram a Alemanha às suas fronteiras anteriores ao início da contenda e ainda destinaram uma parte de seu território oriental a Polônia como forma de compensar as terras ocupadas pela União Soviética até o Oder. A Alemanha foi dividida em quatro zonas de ocupação, mas como a política dos aliados divergiam, a Alemanha praticamente foi dividida em duas partes. Em 1948, Grã-Bretanha, Estados Unidos e França uniram suas zonas de ocupação e encorajaram aos alemães a formar um governo democrático. A URSS, por sua vez, criou outro Estado.

Em 1949 foram formados dois Estados alemães: a República Federal Alemã, ou Alemanha Ocidental e a República Democrática Alemã ou Alemanha Oriental.

O governo da Alemanha Oriental caiu em 1989. Com a derrubada do muro de Berlim e outras barreiras migratórias mais de 200.000 alemães orientais entraram na Alemanha Ocidental.

Ambas Alemanhas realizaram a união econômica e monetária em julho de 1990, e em outubro foi dissolvida a República Democrática Alemã: todos seus cidadãos se converteram em súditos da República Federal Alemã. A coalizão dirigida por Helmut Kohl conseguiu a vitória nas eleições de 1990.

Com a dissolução da antiga URSS e a evolução política européia, os Estados Unidos começaram a reduzir suas forças militares na Alemanha.

Apesar da grande destruição sofrida durante a II Guerra Mundial, a Alemanha ressurgiu na década de 1960. A reunificação foi um golpe muito duro; a Alemanha Ocidental tem suportado as custas das melhorias na infra-estrutura, no meio ambiente e na indústria da parte oriental, embora muitas empresas do Leste tenham falido, a Alemanha continua a ser uma potência na economia mundial devido à forte competência da Alemanha Ocidental.

Fonte: gele.netlan.net

História da Alemanha

A Alemanha é uma república federal localizada na Europa Central. Limita-se ao norte com o mar do Norte, a Dinamarca e o mar Báltico; ao leste com a Polônia e a República Checa; ao sul com a Áustria e a Suíça, e ao oeste com a França, Luxemburgo, Bélgica e Holanda. É conhecida oficialmente como República Federal Alemã (RFA). Berlim é a capital e a cidade mais importante. Outras cidades importantes são Hamburgo, Munique, Colônia, Frankfurt e Essen. O alemão é o idioma oficial e existem vários dialetos regionais.

Possui três grandes regiões geofísicas: as terras baixas que conformam a planície do norte, com numerosos vales fluviais; a região das mesetas centrais que abrange um território de suaves montanhas, vales fluviais, rios e vales bem definidos; e as cadeias montanhosas que incluem as cordilheiras Eifel e Hunsrück, Taunus, Spessart e Fichtelgebirge. Os contrafortes do Jura e um grande bosque, a Floresta Negra, estão no sudoeste. No extremo sul estão os Alpes bávaros.

A maioria dos grandes rios alemães estão na região ocidental. O mais importante é o Reno e seus afluentes, Neckar e Ruhr. Outros rios importantes são Elba, Danúbio, Oder e Neisse. Dos poucos grandes lagos destaca-se o Constança.

A população da Alemanha é de 82,4 milhões de habitantes, com uma densidade de 226 hab/km2, e está distribuída por 16 estados (terra): Baden-Wuerttemberg, Baviera, Berlim, Brandenburg, Bremen, Hamburg, Hessen, Mecklenburg-Vorpommern, Niedersachsen, Renânia do Norte – Vestefália, Rheinland-Pfalz, Saarland, Sachsen, Sachsen-Anhalt, Schleswig-Holstein e Turíngia.

Fonte: mundofred.home.sapo.pt

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+