Breaking News

Avô

PUBLICIDADE

ROSTO de velho a trescalar meiguice
Dos lábios, da expressão, dos olhos francos;
Alma de avô, que sente a meninice
Voltar-lhe a rir sob os cabelos brancos.

Entre os netinhos meigos, contemplai-o:
Enche-lhe a face um resplendor de aurora,
E alegria e afeição – trêmulo raio
De sol, que ao fim do dia os céus colora.

Há que tempo se foram risos, graças
Da juventude, rápidos, voando!
E as fibras, sem calor, penderam lassas,
E o desânimo veio brando e brando…

Foi-se-lhe tudo o que sonhara, tudo:
Aspirações, ideal, ledas quimeras;
E ele quedou-se frio, o olhar desnudo
Das miragens e sonhos de outras eras.

Onde morava o riso, veio o pranto;
E a robustez dos músculos em breve
Foi-se afrouxando mole, e, todo o encanto
Da vida se desfez em fumo e neve.

No entanto, ei-lo a sorrir todo ternura;
Ei-lo desfeito em bençãos e carinhos,
– Espelho de antiquíssima moldura –
Reflete o gozo puro dos netinhos.

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

O Bicho Folharal

PUBLICIDADE Cansada de ser enganada pela raposa e de não poder segurá-la, a onça resolveu …

O Menino o Burro e o Cachorro

PUBLICIDADE Um menino foi buscar lenha na floresta com seu burrico e levou junto seu …

O Menino e o Padre

PUBLICIDADE Um padre andava pelo sertão, e certa vez com muita sede, aproximou-se duma cabana, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.