Breaking News

Receios

PUBLICIDADE

QUE dia negro!… A tempestade ronca
Sobre o modesto lar;
E, chicoteando a penedia bronca,
Zune o vento do mar.

Voam gaivotas céleres, em bando,
De outras plagas em pós…
E o mar ulula e geme, inflando, inflando
O seu dorso feroz.

Fogem barcas de pesca uma pós uma,
Risca, rápido, o céu,
Um fulgurar de luz, rompendo a bruma.
Do túrbido escarcéu.

E na casinha humilde, ai! que temores,
Quantos suspiros vãos!
A mãe esconde o olhar, pleno de dores,
No côncavo das mãos.

Voa-lhe ansioso o coração do peito
Buscando, entre o negror
Do mar, a vela do barquinho estreito
Do esposo pescador,

A vela branca, que nos outros dias
Aponta e surge além,
Ligeira e mansa, cheia de alegrias,
Mensageira do bem,

A pequenina barca, o seu tesouro,
Tão novinha e tão boa!
Que tanto à noite, como ao brilho louro
Do sol, nos mares voa,

Donde lhe vem aos lares a abstança,
Que enche os celeiros nus,
E que, leve, nas águas se balança,
Se o pescador conduz…

Tenta sair, num desespero fundo,
Entre perigos mil…
Mas os filhinhos vê sós neste mundo
E esconde o olhar febril…

Pela janela aberta olha-se um braço
Do mar negro e feroz;
Longe, as gaivotas vão cortando o espaço,
Veloz, veloz, veloz…

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

O Bicho Folharal

PUBLICIDADE Cansada de ser enganada pela raposa e de não poder segurá-la, a onça resolveu …

O Menino o Burro e o Cachorro

PUBLICIDADE Um menino foi buscar lenha na floresta com seu burrico e levou junto seu …

O Menino e o Padre

PUBLICIDADE Um padre andava pelo sertão, e certa vez com muita sede, aproximou-se duma cabana, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.