Breaking News

Poupemos

PUBLICIDADE

É CLOTILDE a costureira.
Com que tino e ciência ela trabalha!
A agulha corre ligeira,
Tecendo prática esteira
Nas meias de algodão, de malha em malha.

Pobrezita é, com certeza.
Mas que asseio das roupas no preparo!
E, em tudo, a graça e a pureza,
Que a alma sente e goza, presa
De um bem-estar delicioso e raro.

Ao longe, vê-se a campina
Por entre os vidros da janela estreita;
E a luz, desmaiada e fina,
Do dia, que, almo, declina,
Com nimbos de ouro o seu rostinho enfeita.

Trabalha, cantarolando,
Em singela toada, umas cantigas,
Num fio de voz tão brando,
Que a gente vai recordando
Velhos acordes de canções amigas.

E, com infinita graça,
Corre a mãozinha, leve como um fuso,
No fio, que se entrelaça,
E a agulha passa e repassa,
Fechando os rombos da velhice e uso.

Doura-lhe a face risonha
O reflexo do bem, que ela pratica.
Trabalho não a envergonha,
E, trabalhando, ela sonha
Que o seu labor faz a Mamãe mais rica.

É tão bom prestar-se a gente
A todos – auxiliá-los com ternura!
Que gozo puro a alma sente
Num bem-estar, procedente
De nós para uma outra criatura!…

E a economia é virtude;
Quem poupa os gastos, a fortuna afaga
E muita gente se ilude
Achando humilhante e rude
A boa fada, que o labor nos paga.

– Poupar é um saber profundo,
Dizem os meigos olhos de Clotilde.
Quem dera que todo o mundo
Possuisse o dom fecundo,
Que impele as mãos da costureira humilde!

Veja também

Livro das Donas e Donzelas

PUBLICIDADE Clique nos links abaixo para navegar no capítulo desejado: Minhas Amigas Natal Brasileiro Conventos …

Flores – Júlia Lopes de Almeida

Júlia Lopes de Almeida PUBLICIDADE Escrevo estas linhas pensando em minhas filhas. Elas me compreenderão …

Cenas e Paisagens do Espírito Santo

PUBLICIDADE Clique nos links abaixo para navegar no capítulo desejado: Capítulo I Capítulo II Capítulo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.