Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Itália

Itália

PUBLICIDADE

As migrações de povos indo-europeus para a Itália provavelmente começou cerca de 2000 aC e continuou até 1000 aC.

Por volta do século 9 aC, até que foi derrubado pelos romanos no século 3 aC, a civilização etrusca era dominante.

Em 264 aC, todo o sul da Itália Gália Cisalpina foi sob a liderança de Roma.

Para os próximos sete séculos, até que as invasões dos bárbaros destruíram o Império Romano do Ocidente nos séculos 4 e 5, a história da Itália é basicamente a história de Roma.

De 800 em diante, os imperadores do Sacro Império Romano, Papas católicos romanos, normandos e sarracenos todos disputavam o controle sobre vários segmentos da península italiana. Numerosas cidades-estados, como Veneza e Gênova, cuja rivalidades política e comercial eram intensos, e muitos pequenos principados floresceram no final da Idade Média.

Embora a Itália permanecesse politicamente fragmentado por séculos, tornou-se o centro cultural do mundo ocidental a partir do século 13 para o século 16.

Itália

Itália torna-se um Península Unificado

Em 1713, após a Guerra da Sucessão Espanhola, Milão, Nápoles e Sardenha foram entregues para os Habsburgos da Áustria, que perdeu alguns de seus territórios italianos em 1735.

Depois de 1800, a Itália foi unificada por Napoleão, que coroou-se rei da Itália em 1805, mas com o Congresso de Viena, em 1815, a Áustria voltou a ser o poder dominante em uma Itália desunida.

Exércitos austríacos esmagaram as revoltas italianas em 1820-1821 e 1831.

Na década de 1830, Giuseppe Mazzini, um nacionalista liberal brilhante, organizou o Risorgimento (Ressurreição), que lançou as bases para a unidade italiana.

Decepcionados patriotas italianos olharam para a Casa de Sabóia para a liderança. Contagem Camille di Cavour (1810-1861), primeiro-ministro da Sardenha em 1852 e arquiteto de uma Itália unida, juntou-se a Inglaterra e a França na Guerra da Criméia (1853-1856), e em 1859 ajudou a França em uma guerra contra a Áustria, assim conquistou a Lombardia.

Por plebiscito em 1860, Modena, Parma, Toscana, e da Romagna votaram pela adesão Sardenha.

Em 1860, Giuseppe Garibaldi conquistou a Sicília e Nápoles, e os entregou para a Sardenha.

Victor Emmanuel II, rei da Sardenha, foi proclamado rei da Itália em 1861.

A anexação de Veneza, em 1866, e de Roma papal em 1870 marcou a unificação completa da península italiana em uma nação sob uma monarquia constitucional.

Geografia

Itália, ligeiramente maior do que o Arizona, é uma península longa formato de uma bota, cercado no oeste pelo Mar Tirreno e no leste pelo Mar Adriático.

É delimitada pela França, Suíça, Áustria e Eslovénia para o norte.

As montanhas dos Apeninos formam a espinha dorsal da península, os Alpes formar seu limite norte.

O maior de seus muitos lagos do norte é Garda (143 sq mi; 370 km ²), o Po, seu principal rio, flui dos Alpes, na fronteira ocidental da Itália e cruza a planície Lombard para o Mar Adriático. Diversas ilhas fazem parte da Itália; maiores são Sicília (9926 sq mi; 25.708 km ²) e Sardenha (9301 sq mi; 24.090 km ²).

Governo

República.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Itália

Italia, República oficialmente italiano. Faz fronteira com a França, no noroeste, o Mar da Ligúria eo Mar Tirreno, no oeste, no mar Jônico, no sul, no Mar Adriático, a leste, Eslovénia, no nordeste, e Áustria e Suíça, no norte.

O país inclui as ilhas grandes mediterrânicos de Sicília e Sardenha e várias pequenas ilhas, nomeadamente Elba, Capri, Ischia, e ilhas Lipari.

A Cidade do Vaticano e San Marino são dois enclaves independentes no continente italiano.

Roma é a capital da Itália e maior cidade.

Itália antiga

Pouco se sabe da história italiana antes do quinto cento. AC, exceto para as regiões (S Itália e Sicília), onde os gregos tinham estabelecido colônias.

Os primeiros habitantes conhecidos parecem ter sido de estoque da Ligúria. Os etruscos, vindos provavelmente da Ásia Menor, estabeleceram-se no centro da Itália, antes de 800 aC Eles reduziram a população indígena a condição servil e estabeleceu um império próspero, com uma cultura complexa. Na quarta cento.

AC, os celtas (gauleses chamado pelos historiadores romanos) invadiram a Itália e expulsou os etruscos do vale do Pó. No sul, o avanço etrusca foi verificada na mesma época pelos samnitas, que adaptou a civilização dos seus vizinhos gregos e que na quarta cento. aC levou os etruscos de Campania.

Os latinos, que vivem ao longo da costa do Lácio, não tinha sido totalmente submetido ao etruscos; eles e seus vizinhos, os sabinos , foram os ancestrais dos romanos. A história da Itália a partir do quinto cento. AC até o AD cento. 5 é em grande parte o crescimento de Roma e do Império Romano, de que a Itália era o núcleo. Augusto dividiu a Itália em 11 regiões administrativas (Lácio e Campânia, Apúlia e Calábria, Lucania e Bruttium, Sâmnio, Picenum, Umbria, Etruria, Cispadane Gália, Liguria, Venetia e Istria, Transpadane Gália).

Por esse tempo, no início da era cristã, toda a Itália tinha sido completamente latinizado, a cidadania romana foi estendido a todos os italianos livre, um excelente sistema de estradas foram construídas, e Itália, feito isenta de impostos, compartilhado plenamente na riqueza de Roma. Nunca, desde que foi conhecida a Itália o mesmo grau de prosperidade ou o tempo de um período de paz. Cristianismo se espalhou rapidamente.

As Invasões Bárbaras

Como o resto do Império Romano, Itália, no início cento 5. DC começou a ser invadida por ondas sucessivas de tribos-o bárbaro germânico visigodos , os hunos e os hérulos germânicas e ostrogodos.

A deposição (476) de Rômulo Augusto, último imperador romano do Ocidente, como a assunção pela Odoacro da regra sobre a Itália é comumente considerada como o fim do Império Romano. No entanto, os imperadores orientais, que residem em Constantinopla, renunciou à sua reivindicação para a Itália e para a sucessão ao Ocidente.

Na insistência de Zenão, o imperador do Oriente, o ostrogodo Teodorico, o Grande, invadiu a Itália, levou (493) Ravenna (que tinha substituído Roma como capital), matou Odoacro, e começou um longo governo e benéfica sobre a Itália. Instituições romanas foram mantidas com a ajuda de estudiosos e administradores, como Boécio e Cassiodoro.

Após a morte de Teodorico (526), o assassinato (535) da rainha gótico, Amalasuntha , foi seguido pela reconquista da Itália pelo imperador Justiniano I do Oriente e seus generais, Belisarius e Narses.

Exceto, no entanto, no exarcado de Ravenna, a Pentápolis (Rimini, Ancona, Fano, Pesaro, e Senigallia) no Adriático costa central e na costa da S Itália, o domínio bizantino logo foi deslocado pelo que dos lombardos , que sob Alboin estabelecido (569) um reino novo.

O papado surgiu como o baluarte principal da civilização latina. Gregório I (reinou de 590-604), sem a ajuda de Bizâncio, conseguiram salvar Roma e do Patrimônio de São Pedro da conquista Lombard, lançando assim as bases para a criação do Estados Pontifícios . Ao mesmo tempo, ele efetivamente libertado Roma da fidelidade para os conquistadores bizantinos.

Os lombardos repelido esforços na reconquista bizantina e em 751 tomou Ravenna; seu avanço sobre Roma resultou no apelo do Papa Estêvão II Pepino, o Breve , régua dos Francos, que expulsou os lombardos da exarcado de Ravenna e do Pentápolis, que doou (754) para o papa.

Intervenção Pepin foi seguida pela de seu filho Carlos Magno , que derrotou o rei lombardo, Desidério, foi coroado rei dos Lombardos, confirmou a doação de seu pai para o papado, e em 800 foi coroado imperador do Ocidente em Roma.

Estes eventos forma muito da história depois da Itália e do papado. Entre os resultados diretos foram a alegação de imperadores posteriores para a Itália e do poder temporal dos papas.

Itália medieval

Nas divisões (. 9 cento) do Império Carolíngio, a Itália passou para os sucessivos imperadores Lotário I , Louis II , e Charles II , no entanto, foi em grande parte de seu controle nominal. Sob Carlomano (m. 880) e do Imperador Carlos III (reinou 881-87), o poder local se tornou cada vez mais forte na Itália. Imperador Arnulf (reinou 896-99) não conseguiu reafirmar a autoridade.

De 888-962 Itália foi nominalmente governada por uma série de reis e imperadores fracos, incluindo Guy de Spoleto, Berengário I da Friuli, Louis III de Borgonha, e II Berengário de Ivrea. Os nobres menores foram constantemente brigando, e no final do período o papado havia afundado a seu ponto mais baixo de degradação.

Os magiares saqueada N Itália, e no sul, os árabes apreendidos (917) Sicília e invadiram o continente. Em 961, atendendo um apelo do Papa para a proteção contra Berengário II, o rei alemão Otto I invadiu a Itália.

Em 962 ele foi coroado imperador pelo papa. Esta união da Itália e da Alemanha, marcou o início do Sacro Império Romano.

Embora os Alpes nunca tinha impedido a entrada de invasores Itália, eles fizeram os imperadores impedir de exercer controle efetivo lá. Novamente e novamente os imperadores e reis alemães cruzaram os Alpes para afirmar sua autoridade, cada vez que a sua autoridade praticamente desapareceu quando eles deixaram a Itália.

Na melhor das hipóteses, o seu poder era limitado a norte territórios dos Estados Pontifícios. Os papas, exercendo sua influência e organizando alianças com outras potências, foram importantes no controle imperial frustrante.

Puglia e Calábria, depois de ter sido brevemente detidos novamente pelos bizantinos, foram conquistados (11 cêntimos). Pelos normandos sob Robert Guiscard e seus sucessores, que também arrancou Sicília dos árabes e estabeleceu o reino normando da Sicília.

No centro e N Itália, o caos predominante foi aumentada pelo conflito entre os imperadores e os papas mais de investidura e pela sucessão contestada a Toscana após a morte (1115) da condessa Matilda . Porque os senhores muitos pequenos eram independentes da autoridade imperial e porque as cidades gradualmente ganhou controle sobre esses senhores, o feudalismo não ganhar uma posição firme no centro e N Itália.

No entanto, no sul dos reis Norman e seus sucessores, os Hohenstaufen e Angevin dinastias, firmemente enraizada no sistema feudal, as piores características de que mais tarde foram perpetuados pelos governantes espanhóis de Nápoles e Sicília. Assim, a grande diferença na estrutura social e econômica entre N e S Itália, que continuou até o 20 cent., Pode ser rastreada até o século 11.

A ascensão das Cidades

O desenvolvimento característica central e N Itália foi a ascensão da cidade, a partir do 10 cent. O aumento foi, em parte, na origem político-burgueses estavam chegando juntos para se proteger dos nobres e em parte econômico-contato com o mundo muçulmano estava fazendo os mercadores italianos os intermediários e as cidades italianas os entrepostos da Europa Ocidental. A sobrevivência das instituições romanas e do exemplo da comuna de Roma facilitou o processo.

Para proteger o seu comércio e as suas indústrias (principalmente a indústria da lã) cidades agrupadas em ligas, que muitas vezes estavam em guerra uns com os outros. As ligas foram particularmente fortes na Lombardia.

A tentativa pelo imperador Frederico I para impor autoridade imperial em algumas cidades levou à formação da Liga Lombarda , que derrotou o imperador em 1176. Rivalidade entre as cidades, no entanto, impediu a formação de um sindicato forte o suficiente para consolidar ainda uma parte da Itália.

Na 13 cêntimos. a luta entre o imperador Frederico II eo papado dividiu as cidades e os nobres em dois partidos fortes, os guelfos e gibelinos . Sua guerra fratricida continuou por muito tempo depois da morte (1250) de Frederico, que marcou o fim virtual do governo imperial na Itália e na ascensão do papado.

Em 1268, o neto de Frederico, Conradin, foi executado em Nápoles, acabando assim com as aspirações Hohenstaufen.

O conflito entre as facções levou à ascensão de déspotas em algumas cidades. Estes déspotas, que eram de origem nobre ou burguesa, eram geralmente líderes de facções, que, tendo obtido a magistratura, fizeram hereditária.

Alguns deles conseguiu restaurar a ordem nas cidades. Em muitas cidades, no entanto, as instituições republicanas foram mantidas com pouca interrupção. Em outras cidades, dinastias foram estabelecidas e investido (cento 14 e 15.)

Com títulos por parte dos imperadores, que ainda alegou soberania sobre N Itália. Os príncipes mais poderosos (por exemplo, o Visconti e Sforza de Milão, o Gonzaga de Mântua, a Este de Ferrara, e os duques de Sabóia ) e das repúblicas mais poderosos (por exemplo, Florença, Veneza e Gênova) tendeu a aumentar seus territórios em detrimento dos vizinhos mais fracos.

As cidades dos Estados Pontifícios passou sob os tiranos locais durante o cativeiro babilônico dos papas em Avignon (1309-1378) e durante o Grande Cisma (1378-1417).

Até ao final do 15 cento. Itália tinha caído nas seguintes componentes principais: no sul, os reinos da Sicília e Nápoles, rasgadas pelas reivindicações rivais dos franceses Angevin dinastia e da casa espanhola de Aragão, no centro da Itália, dos Estados Pontifícios, as Repúblicas de Siena , Florença e Lucca, e as cidades de Bolonha, Forlì, Rimini e Faenza (apenas nominalmente sujeitas ao papa), no norte, os ducados de Ferrara e Modena, Mantua, Milão e Savoy. As duas repúblicas mercantes grandes, Veneza e Génova, com suas distantes possessões, colônias e postos avançados, eram distintos em caráter e perspectivas do resto da Itália.

Guerra constante entre estes muitos estados resultou em tumulto político, mas pouco fez para diminuir sua riqueza ou impedir sua produção cultural. As guerras eram geralmente lutou de forma desconexa por bandas contratadas liderados por comandantes profissionais. Em comparação com a peste negra, a peste que assolou a Itália em 1348, as guerras locais causou poucos danos.

A prosperidade material havia sido promovido consideravelmente pelas Cruzadas; pela expansão do comércio com o Oriente Médio, e pelo surgimento de grandes empresas bancárias, nomeadamente, em Gênova, em Lucca, e em Florença (onde o Medici subiu de banqueiros para duques). A prosperidade facilitou o grande florescimento cultural do Renascimento italiano, que mudou definitivamente a civilização da Europa Ocidental.

Desintegração política e Rebirth

A Renascença atingiu seu pico no final de 15 cêntimos. Enquanto isso, a independência política da Itália foi ameaçada pelas nações crescentes de França, Espanha e Áustria. Brigas entre os estados italianos convidou intervenção estrangeira.

A invasão (1494) da Itália por Carlos VIII da França marcou o início da Guerra italiano , que terminou em 1559 com a maioria da Itália submetido ao domínio espanhol ou influência. Logo no início das guerras, em que França e Espanha foram os principais contendores pela supremacia na Itália, vários estadistas italianos, nomeadamente de Maquiavel , chegou à convicção de que a unidade só poderia salvar a Itália da dominação estrangeira. Papa Júlio II consolidou os Estados Pontifícios, mas sua Liga Santa , criada (1510) para expulsar os franceses, não conseguiu criar uma maior unidade italiana.

Depois de 1519, as guerras italianas tornaram-se parte da luta europeia entre Francisco I da França e do Imperador Carlos V . Pelo Tratado de Cateau-Cambrésis (1559), a Espanha ganhou os reinos da Sicília e Nápoles eo ducado de Milão. Dominação estrangeira continuou com a Guerra da Sucessão Espanhola (1701-1714) e da Guerra da Sucessão da Polônia (1733-1735).

Por 1748, Nápoles, Sicília, e os ducados de Parma e Piacenza tinha passado para ramos da Bourbons espanhol, e os ducados de Milão, Mântua, Toscana, Modena e para a Áustria. Mas independente foram os Estados Pontifícios, as repúblicas declínio de Veneza, Gênova e Lucca, e do reino da Sardenha, criado em 1720 pela união de Piemonte, Sabóia, e Sardenha sob a casa de Sabóia.

Estes séculos de fraqueza política também foram um período de declínio econômico. O centro do comércio europeu deslocou-se do Mediterrâneo, o comércio ea indústria e sofreu com as políticas mercantilistas dos estados europeus. Impostos subiram sob domínio espanhol, a quantidade de terra cultivada diminuiu, a população diminuiu ea bandidagem aumentou.

No entanto, a Itália continuou a ter uma influência considerável sobre a cultura europeia, especialmente na arquitetura e na música. No entanto, para as gerações seguintes, na Itália (especialmente no cento 19.), Preocupados com os conceitos de independência nacional e de poder político, a condição política do século 18 Itália representou degradação nacional. A Revolução Francesa reacendeu italianos aspirações nacionais, e as guerras revolucionárias francesas varreu as instituições políticas do século 18 na Itália.

Triunfo Napoleônicas e o renascimento da Itália

General Bonaparte (mais tarde Napoleão I ), que derrotou os exércitos austríacos da Sardenha e em sua campanha italiana de 1796-1797, foi a primeira aclamado pela maioria dos italianos. Napoleão redesenhou o mapa italiano várias vezes. Reformas agrárias extensas foram realizadas, especialmente em N Itália.

O Cispadane e repúblicas Transpadane, criada em 1796, estavam unidos (1797) como a República Cisalpina , reconhecido no Tratado de Campo Formio (1797). Em 1802, a República Cisalpina, compreendendo Lombardia e Emilia-Romagna, foi renomeado República italiana, em 1805, tornou-se o reino da Itália (ampliado pela adição de Venetia), com Napoleão como rei e de Eugène Beauharnais como vice-rei.

De 1795 a 1812, Savoy, Piemonte, Ligúria, Toscana, Parma, e os Estados Papais foram anexados pela França. Em 1806, Joseph Bonaparte foi feito rei de Nápoles, ele foi substituído em 1808 por Joachim Murat , Napoleão irmão-de-lei. Sardenha permaneceu sob a casa de Sabóia e Sicília sob os Bourbons.

Fracasso de Napoleão para unificar a Itália e para dar-lhe auto-governo desapontado patriotas italianos, alguns dos quais formaram sociedades secretas revolucionárias, como o Carbonari , que mais tarde teve um papel vital na unificação italiana.

O Congresso de Viena (1814-1815) geralmente restaurou o status quo pré-napoleônica e as famílias governantes antigos. No entanto, Venetia estava unida com Lombardia como o reino Lombardo Veneziano-sob a coroa austríaca, e Ligúria passou para a Sardenha. Nápoles e Sicília estavam unidos (1816) como o reino das Duas Sicílias . Influência austríaca se tornou imprescindível na Itália. No entanto, os esforços de Metternich e da Santa Aliança (por exemplo, em sufocar insurreições em Nápoles e em Palermo) não pôde reprimir o movimento nacionalista.

O Ressurgimento, como o movimento de unificação foi chamado, incluiu três grupos: os radicais, liderados por Mazzini , que procurou criar uma república, os liberais moderados, que consideravam a casa de Savóia como a agência de unificação, e os católicos romanos conservadores , que desejava uma confederação sob a presidência do papa. Em 1848-1849, havia vários curta duração explosões revolucionárias, nomeadamente em Nápoles, Veneza, Toscana, Roma, e do reino da Sardenha (cuja nova constituição liberal sobreviveu).

Unificação foi finalmente alcançado no âmbito da casa de Sabóia, em grande parte graças aos esforços de Cavour , Garibaldi e Victor Emmanuel II , que se tornou rei da Itália em 1861. Naquela época, o reino de Itália não incluem Venetia, Roma, e parte dos Estados Pontifícios. Por tapume contra a Áustria na Guerra Austro-Prussiana de 1866, a Itália obteve Venetia. Para Napoleão III de França, que tinha ajudado a Sardenha derrota da Áustria em 1859, Sardenha cedeu Nice e Sabóia.

O protetorado de Napoleão III sobre os Estados Papal atrasou a anexação italiana da cidade de Roma até 1870. As relações entre o governo italiano eo papado, que se recusou a admitir a perda de seu poder temporal, manteve-se um grande problema até 1929, quando o Tratado de Latrão fez a soberana papa dentro da Cidade do Vaticano.

Depois de 1870, a Áustria ainda retinha áreas com populações em grande parte italianos (por exemplo, S Tirol e Trieste); agitação italiano para sua anexação passou por cumprir, até a Primeira Guerra Mundial.

1861 para a ascensão do fascismo

De 1861 até a ditadura fascista (1922-1943), de Benito Mussolini, a Itália era governada sob a Constituição liberal adotada pela Sardenha em 1848. Os reinados de Victor Emmanuel II (1861-1878) e Humberto I (1878-1900), e na primeira metade do reinado de Victor Emanuel III (1900-1946) foram marcados por moderadas reformas sociais e políticas e por alguns expansão industrial em N Itália (principalmente no cento 20.).

Agitação social periódica foi causada pelos deslocamentos presentes industrialização e pela depressão econômica ocasional. No sul subdesenvolvido, o crescimento rápido da população levou à emigração em massa, tanto para os centros industriais da Itália e N para as Américas.

Os estadistas destacados do período pré-fascista foram Agostino Depretis , Francesco Crispi , e Giovanni Giolitti . Expansão colonial foi enfatizado sob Crispi, mas foi contrário esporádica. Um grave revés para as aspirações coloniais italianos foi a criação (1881) de um protetorado francês sobre a Tunísia , foi um motivo importante para a conclusão (1882) de aliança da Itália com a Alemanha ea Áustria.

Mais tarde, a Itália adquiriu parte da Somália e da Eritreia em 1889, em 1890, mas avanços na África do NE foram verificados pela vitória da Etiópia (1896) em Adwa . Líbia e do Dodecaneso foram conquistados na Guerra ítalo-turca (1911-1912).

Na Primeira Guerra Mundial, a Itália em primeiro lugar se manteve neutro. Após os aliados ofereceram recompensas substanciais territoriais, Itália denunciou a Tríplice Aliança e entrou (1915) a guerra ao lado dos aliados. Embora inicialmente os italianos sofreram sérios reveses, eles ganharam (1918) uma grande vitória em Vittorio Veneto , que foi seguido pela entrega da Áustria-Hungria. Na Conferência de Paz de Paris, a Itália obteve S Tirol, Trieste, Istria, parte de Carniola, e várias das ilhas da Dalmácia. Posse italiano do Dodecaneso foi confirmada. No entanto, estes termos concedido muito menos do que os Aliados tinham prometido secretamente em 1915. Descontentamento italiano era evidente na apreensão (1919) de Fiume por uma banda nacionalista liderado por Gabriele D’Annunzio.

Na Itália, a agitação política e social aumentou, favorecendo o crescimento do fascismo. O líder fascista (Ital. Il Duce) Mussolini , prometendo o restabelecimento da ordem social e de grandeza política, dirigida (27 de outubro de 1922) uma marcha bem sucedida em Roma e foi feito primeiro pelo rei. Concedeu poderes ditatoriais, Mussolini anulada oposição ao Estado (especialmente a de socialistas e comunistas), arregimentada a imprensa e as escolas, os controles impostos sobre a indústria e trabalho, e criou um estado corporativo controlada pelo partido fascista e da milícia.

O programa fascista econômico como um todo foi um fracasso, mas alguns programas de valor duradouro (por exemplo, a drenagem dos pântanos Pontine ea construção de uma rede de auto-estradas) foram realizadas. Os problemas causados pelo aumento da população foram agravadas pelas restrições de imigração drásticas nos Estados Unidos e pela depressão econômica dos anos 1930.

II Guerra Mundial

Mussolini seguiu uma política externa agressiva, e depois de 1935, ele voltou cada vez mais para militaristas e imperialistas soluções para os problemas da Itália.

Itália conquistou a Etiópia em 1935-36, superando facilmente as sanções ineficazes impostas pela Liga das Nações (desde que a Itália retirou-se em 1937). Ao mesmo tempo, a Itália se aproximava para a Alemanha nazista e no Japão, em 1936, a Itália formaram um entendimento com a Alemanha. Itália interveio no lado rebelde na guerra civil espanhola (1936-39), e em 1939 ele tomou a Albânia.

Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, a Itália assumiu uma postura neutra amigável para a Alemanha, mas em junho de 1940, mas declarou guerra à França e colapso na Grã-Bretanha. Em 1940, as forças italianas estavam ativos no Norte de África e atacaram a Grécia, no entanto, não foram bem sucedidas até que as tropas alemães vieram em seu auxílio no início de 1941.

Mais tarde, em 1941, a Itália declarou guerra à União Soviética e os Estados Unidos. Logo Itália sofreu grandes reveses, e em julho de 1943, que havia perdido suas possessões africanas, seu exército foi destruído, Sicília foi caindo aos soldados norte-americanos, e as cidades italianas (especialmente portas) estavam sendo bombardeada pelos aliados.

Em julho de 1943, o descontentamento entre os italianos culminou na rebelião do Grande Conselho Fascista contra Mussolini, o despedimento de Mussolini por Victor Emmanuel III, a nomeação de Badoglio como primeiro-ministro, ea dissolução do partido fascista.

Em setembro de 1943, a Itália se rendeu incondicionalmente aos Aliados, enquanto as forças alemãs rapidamente ocuparam N e Itália central. Ajudado pelos alemães, Mussolini fugiu da prisão e estabeleceu uma república fantoche em N Itália. Enquanto isso, o governo de Badoglio declarou guerra à Alemanha e Itália, foi reconhecido pelos aliados como um cobelligerent.

A campanha aliada italiano foi uma luta lenta, cansativa, e caro. A queda de Roma (Julho de 1944), foi seguida por um ponto morto. Em abril de 1945, os partidários capturado e sumariamente executado Mussolini. Em maio de 1945, os alemães se renderam.

Depois da guerra, as fronteiras da Itália foram estabelecidos pelo tratado de paz de 1947, que atribuiu vários pequenos distritos alpinos para França; do Dodecaneso para a Grécia, e Trieste, Istria, parte de Venezia Giulia, e vários ilhas do Adriático para Jugoslávia (atualmente na Eslovénia e Croácia) e para o Território Livre de Trieste. Em 1954, Trieste e seus arredores foram devolvidos para a Itália. Como resultado da guerra, a Itália também perdeu suas colônias da Líbia, Eritréia e Somália italiana.

Itália do pós-guerra

Em 1944, o gabinete Badoglio impopular havia renunciado, e gabinetes de coalizão depois vários seguido outro até dezembro de 1945, quando Alcide De Gasperi , um democrata cristão, tornou-se primeiro-ministro. De Gasperi permaneceu uma importante influência sobre a política italiana até sua morte em 1954.

Em maio de 1946, Victor Emmanuel abdicou, tendo anteriormente transferido seus poderes ao seu filho, Humbert II . Depois de um mês de regra, Humbert foi exilado quando os italianos votaram em um plebiscito por uma pequena maioria para tornar o país uma república. Uma nova Constituição republicana entrou em vigor em 1 de janeiro de 1948.

Após a guerra, a Itália tornou-se firmemente ligada ao Ocidente, unindo o Atlântico Norte Organização do Tratado em 1949, e da Comunidade Econômica Europeia (hoje União Europeia) em 1958. Ele foi admitido nas Nações Unidas em 1955. Na política interna, Christian Itália democratas, comunistas, socialistas e emergiu da guerra como as partes principais.

A divisão dos socialistas para os socialistas maioria (ala esquerda) ea minoria social-democratas (ala direita) habilitado os democratas-cristãos para manter o poder na cabeça de sucessivos governos de coalizão com os social-democratas (até 1959) e outros partidos de centro e para excluir os comunistas do governo. No entanto, nos anos do pós-guerra, os comunistas dominaram a política local de Toscana, Úmbria e Emilia-Romagna.

Em 1962, Premier Amintore Fanfani , um democrata cristão, formado uma coalizão de centro-esquerda, com um gabinete que novamente incluídos os social-democratas, bem como o apoio parlamentar do Partido Socialista, liderado por Pietro Nenni. No entanto, o governo Fanfani caiu após as eleições gerais em 1963 e havia uma incerteza considerável antes de Aldo Moro , também democrata-cristão, foi capaz de formar uma coalizão de centro-esquerda no final de 1963.

O governo Moro caiu em 1964 e em 1966, mas em cada ocasião foi re-formado após um breve hiato. No final de 1966, N e centro da Itália vítima de inundações, com danos causados aos tesouros de arte e bibliotecas, especialmente em Florença.

A gangorra política contínua

Começando no final dos anos 1960, houve tensões sociais vividas no país como trabalhadores exigiam salários mais altos e melhores serviços sociais. Após as eleições gerais de maio de 1968, o governo Moro caiu de novo e de uma crise de governo começou que foi só terminou em dezembro de 1968, quando Mariano Rumor , um democrata cristão, formou um governo de coalizão com o apoio socialista. Depois de coalizão Rumor caiu pela terceira vez em julho de 1970, ele foi substituído como primeiro-ministro por Emilio Colombo , também democrata-cristão.

Colombo renunciou em janeiro de 1972. Depois de um longo período de crise, Giulio Andreotti , também democrata-cristão, formou um novo governo de coalizão, em junho de 1972; pela primeira vez em 10 anos, o governo tinha um centro-direita, em vez de um de centro-esquerda, caráter. Mas essa combinação também não durou muito tempo e foi substituído (Julho de 1973) por uma pequena coalizão deixaram de centro-dirigido por boato.

Em março de 1974, Rumor renunciou, mas ele logo se formou um outro gabinete de centro-esquerda, o governo 36 desde a queda de Mussolini em 1943. Em meados de 1974, a Itália enfrentou uma crise econômica, um programa de austeridade foi iniciado em uma tentativa de reduzir a taxa de inflação crescente eo déficit comercial esmagadora estrangeira.

Administração rumor é renunciou novamente em outubro e foi substituído por Moro.

Muitos outros governos seguidos, mas teve pouco sucesso lidar com o declínio econômico, corrupção e ilegalidade. Crescente insatisfação popular com a situação caótica da Itália político ajudou os comunistas alcançar uma medida de participação no governo de coalizão em 1977.

A extrema esquerda e direita, excluídos pela coligação entre democratas cristãos e comunistas, foi responsável por um aumento constante da violência política que os políticos aterrorizadas, empresários, intelectuais e membros do judiciário. Em 1978, o ex-premier Moro foi sequestrado e assassinado pela Brigada Vermelha, um grupo de esquerda terrorista.

Coalizões de centro-esquerda dominadas pelos democratas cristãos continuaram a manter o poder até 1983, quando a coalizão república socialista liderado primeiro tomou o poder sob Premier Bettino Craxi .

A lentidão contínua da economia causada Craxi para instituir um outro orçamento de austeridade, que inclui aumento de impostos, cortes de serviços, e reajustes salariais. Craxi levou o governo por quatro anos, até que renunciou em 1987 e foi substituído pelo democrata-cristão Giovanni Goria. Ciriaco De Mita conseguiu Goria, em 1988, e foi-se sucedeu em 1989 por Giulio Andreotti, que na idade de 70 anos tornou-se primeiro-ministro pela sexta vez.

Em 1991, o Partido Comunista Italiano mudou seu nome para Partido Democrático da Esquerda. Nas eleições de 1992 os democratas-cristãos quase não mantiveram sua coalizão com os socialistas, os liberais e os social-democratas. Socialista Giuliano Amato foi nomeado primeiro-ministro.

Sondas de corrupção, iniciado em 1992 e liderado por Amato, levou à prisão de centenas de empresas e figuras políticas e da investigação de muitos outros, incluindo vários líderes do partido e ex-primeiros-ministros. Em 1993 Premier Amato renunciou e Carlo Azeglio Ciampi, presidente do banco central da Itália, o sucedeu.

Além disso, a legislação em grande parte terminando representação proporcional no Parlamento foi aprovada. O Partido Democrata Cristão mudou seu nome para o partido Popular Italiano em 1994, mas depois de uma separação em 1995, a facção de centro-direita se tornou o United Christian Partido Democrata.

Em novas eleições em março de 1994, uma coalizão de conservadores e neofascists conquistou a maioria no parlamento. Bilionário empresário Silvio Berlusconi do jovem conservador partido Forza Italia se tornou primeiro-ministro, mas o seu governo de coalizão se desintegrou em dezembro, foi sucedido por um “apolítico” governo de centro-esquerda sob Lamberto Dini, e então, depois das eleições de abril de 1996, por um governo de centro-esquerda de Romano Prodi , que incluía o Partido Democrático da Esquerda. Após uma série de reviravoltas em relação às medidas de austeridade postas em prática para se preparar para a união econômica europeia, o governo de Prodi entrou em colapso em outubro de 1997.

Massimo D’Alema , do Partido Democrático da Esquerda, tornou-se primeiro-ministro como chefe de um novo governo de coligação, que incluiu vários partidos políticos. Parlamento nomeou o ex-premier Ciampi como presidente em maio de 1999, substituindo Oscar Luigi Scalfaro, que ocupava o cargo desde 1992.

Em abril de 2000, D’Alema renunciou depois de sua coalizão sofreu perde em eleições regionais. Socialista Giuliano Amato, D’Alema ministro das Finanças e um ex-premiê, formou um governo de centro-esquerda nova, que foi substancialmente semelhante à Alema D’.

As eleições parlamentares de 2001 deu coalizão conservadora de Berlusconi uma vitória sólida, e ele tornou-se primeiro-ministro de um governo de centro-direita para um segundo tempo, terminando seis anos de governo liberal.

Em 2003, o Parlamento aprovou uma lei que os principais e outros altos funcionários italianos imune a processos no exercício do mandato. A lei foi visto como um movimento de mão pesada para acabar com julgamento de Berlusconi por corrupção, e provocou um clamor de muitos, na Itália.

O Tribunal Constitucional anulou a lei, no entanto, permitindo que o julgamento prossiga, e ele foi absolvido (2004) de suborno; outras acusações foram demitidos.

Perdas pela coalizão de governo em eleições locais forçado Berlusconi a renunciar em abril de 2005, e re-formar seu governo. Mais tarde, na passagem Berlusconi ano garantido de mudanças eleitorais que restabeleceram a representação proporcional como base para eleger legisladores nacionais, as mudanças foram projetados para minimizar as perdas de sua coalizão nas eleições de 2006.

No abril de 2006, a coalizão de eleições Berlusoni perdeu por pouco a uma coalizão de centro-esquerda liderada por Romano Prodi. Berlusconi desafiou os resultados, alegando irregularidades, mas supremo Itália “tribunal confirmou-los no final do mês. Em maio, Giorgio Napolitano, do Partido Democrático da Esquerda, foi eleito para suceder Ciampi como presidente da Itália, Romano Prodi e posteriormente formou um governo.

Um plano de reorganização do governo, que teria aumentado os poderes do primeiro-ministro ea autonomia das regiões da Itália foi derrotado em um referendo realizado em Junho de 2006, o plano havia sido proposto pela coalizão de Berlusconi.

Em fevereiro de 2007, o governo de Prodi perdeu uma votação de política externa no Senado da Itália e resignado, mas na semana seguinte ele re-formado seu governo, e ganhou um voto de confiança. No final do ano o Partido Democrata foi formada através da fusão do Partido Democrático da Esquerda e centro-esquerda ex-democratas-cristãos.

Coalizão de Prodi desvendado em janeiro de 2008, e renunciou depois de perder um voto de confiança. As eleições parlamentares foram realizadas em abril, e resultou em uma vitória sólida para a coalizão de Berlusconi, Berlusconi voltou a ser primeiro-ministro.

Terra e Povo

Cerca de 75% da Itália é montanhoso ou montanhoso, e cerca de 20% do país é coberta por florestas. Há estreitas faixas de terras baixas ao longo da costa do Adriático e partes da costa do Tirreno. Além de Roma, outras cidades importantes e Livorno.

Norte da Itália, composta em grande parte de uma vasta planície que está contido pelos Alpes no norte e drenada pelo rio Po e seus afluentes, abrange as regiões de Ligúria , Piemonte, Valle d’Aosta, Lombardia , Trentino-Alto Adige , Venetia , Friuli-Venezia Giulia , e parte da Emilia-Romagna (que se estende até o centro de Itália).

É a parte mais rica do país, com as melhores terras agrícolas, o principal porto (Genoa), e os maiores centros industriais. Norte da Itália tem também um comércio florescente turístico na Riviera Italiana, nos Alpes (incluindo as Dolomitas), às margens do seus belos lagos (Lago Maggiore, Lago Como, Lago Garda), e em Veneza. Gran Paradiso (13.323 pés / 4.061 m), o pico mais alto na totalidade, situado no interior da Itália, sobe em Valle d’Aosta.

A península italiana, bootlike em forma e atravessado em toda a sua extensão pelos Apeninos (que continuar na Sicília), compreende centro da Itália ( Marche , Toscana , Umbria e Lazio regiões) e Sul de Itália ( Campania , Basilicata , Abruzzi , Molise , Calábria e Apulia regiões).

Itália central contém grandes centros históricos e culturais, como Roma, Florença, Pisa , Siena , Perugia , Assis , Urbino , Bolonha, Ravenna , Rimini , Ferrara , e Parma . As principais cidades da S Itália, geralmente a parte mais pobre e menos desenvolvida do país, incluem Nápoles, Bari, Brindisi , Foggia , e Taranto.

Exceto para o Po e Adige, Itália tem apenas rios curtos, entre os quais o Arno eo Tibre são os mais conhecidos. Maior parte da Itália tem um clima mediterrânico, no entanto, que da Sicília é subtropical, e nos Alpes há invernos longos e rigorosos.

O país tem grande beleza cênica, os majestosos Alpes, no norte, as colinas suaves e ondulantes da Úmbria e da Toscana, e da paisagem acidentada romanticamente dos Apeninos S. A Baía de Nápoles, dominada pelo Monte. Vesúvio, é um dos pontos turísticos mais famosos do mundo.

A grande maioria da população fala o italiano (incluindo vários dialetos). Há pequena empresa alemã, francesa e de língua eslava minorias. Quase todos os italianos são nominalmente católico romano, embora existam pequenas comunidades protestantes, judeus e muçulmanos.

Economia

Itália começou a se industrializar tarde, em comparação com outros países europeus, e até a Segunda Guerra Mundial foi em grande parte um país agrícola. No entanto, a partir de 1950 a indústria foi desenvolvido rapidamente, de modo que até 2006 a indústria contribuiu com cerca de 30% do produto interno bruto anual e agricultura apenas 2%.

Os principais produtos agrícolas são frutas, legumes, uvas, batata, beterraba, soja, grãos, azeitonas e azeite de oliva, e animais (especialmente bovinos, suínos, ovinos e caprinos). Além disso, muito vinho é produzido a partir de uvas cultivadas em todo o país, e não há pesca.

O turismo é uma das indústrias mais importantes da Itália e uma das principais fontes de divisas. Fabricação é centrado no norte, particularmente no “triângulo dourado” de Milão-Turim-Gênova. Economia da Itália tem sido gradualmente diversificar, passando de alimentos e produtos de engenharia de tecidos, aço e químicos.

O chefe fabrica incluem máquinas, ferro, aço e outros produtos de metal, produtos químicos, automóveis, vestuário e calçados; e cerâmica. Apesar de muitas indústrias importantes da Itália são de propriedade estatal, a tendência nos últimos anos tem sido no sentido de privatização. O setor de serviços tem importância crescente na Itália e emprega mais da metade da força de trabalho.

Itália tem apenas recursos minerais limitados e tem aumentado suas importações de minerais, os minerais principais são produzidos de petróleo (especialmente na Sicília), linhita, mercúrio, zinco, potássio, mármore, barita, amianto e pedra-pomes.

Existem também grandes depósitos de gás natural (metano), e muito hidroeletricidade é gerado. Itália, no entanto, ainda é muito dependente do petróleo para satisfazer suas necessidades energéticas, e mais do que deve ser importado.

A Itália tem um grande comércio estrangeiro, facilitada pela sua frota de transporte considerável comercial. As principais exportações são produtos de engenharia, têxteis e vestuário, máquinas, veículos, equipamentos de transporte, produtos químicos, alimentos e bebidas, tabaco, minerais e metais não ferrosos.

As principais importações são matérias-primas, produtos químicos, equipamentos de transporte, metais, têxteis e vestuário, alimentos e petróleo. Os principais parceiros comerciais são a Alemanha, França, Espanha e Grã-Bretanha.

Economia da Itália tem força ilusória porque é apoiado por uma substancial economia “subterrânea”, que funciona fora do controle do governo. Apesar dos progressos significativos do governo em sua guerra contra o crime organizado, as organizações criminosas, como a máfia continuam a exercer uma forte influência na Itália S, às vezes impedem os programas governamentais que visam a integração da região mais plenamente economicamente e politicamente no cenário nacional.

Governo

Itália é governada sob a Constituição de 1948, conforme alterada. O presidente, que é o chefe de Estado, eleito por ambas as casas do Parlamento e 58 representantes regionais para um mandato de sete anos, não há limites de prazo.

O primeiro-ministro, que é o chefe de governo, é nomeado pelo presidente e aprovado pelo Parlamento. O Conselho de Ministros, a cabeça pelo primeiro-ministro, serve como executivo do país, que deve ter a confiança do parlamento.

O Parlamento bicameral consiste da Câmara 630 assentos dos Deputados, cujos membros são eleitos pelo voto popular, e do Senado, com 315 membros eleitos pela região, além de membros de vida poucos. Todos os legisladores mandatos de cinco anos.

Em 1994, 1996 e 2001, a maioria dos deputados e senadores foram eleitos diretamente, com cerca de um quarto das cadeiras em ambas as casas atribuídas numa base proporcional.

Alterações introduzidas em 2005, retornou ao país um sistema proporcional para a eleição de legisladores nacionais, exceto para aqueles assentos atribuídos à coalizão vencedora como um bônus.

Administrativamente o país está dividido em 15 regiões e cinco regiões autônomas, que também têm parlamentos e governos.

Bibliografia

A bibliografia do início do período e as invasões bárbaras é listada em Roma . Para o período medieval, JK Hyde, Sociedade e Política na Itália Medieval (1973); C. Wickham, Early Itália Medieval: Poder Central e da sociedade local, 400-1000 (1981 ). Para o período moderno, ver B. Rei, Uma História da Unidade Italiana (2 vol, 1924, repr 1967..); DM Smith, Itália (1959, 1969 repr.); C. Seton-Watson, Itália, de liberalismo ao fascismo , 1870-1925 (1967); FR Willis, Itália escolhe a Europa (1971); JC Adams, o governo do republicano Itália (3 ª ed 1972.); SJ Woolf, Uma História de Itália, 1700-1860 (1979); RJB Bosworth , Itália: a menor das Grandes Potências (1980) e da Itália de Mussolini (2006); H. Hearder, Itália na Idade do Risorgimento (1983); M. Clark, Modern Italy, 1871-1982 (1984); FJ Coppa , Dicionário de História Moderna italiano (1985); VS Pisano, A Dinâmica do Subversion e Violência na Itália Contemporânea (1987); P. Ginsborg, Uma História da Itália Contemporânea: Sociedade e Política, 1943-1988 (1988) e Itália e os seus Descontentes: Família, Sociedade Civil, Estado, 1980-2000 (2003); RS Cúnsolo, nacionalismo italiano moderno (1989); S. Tarrow, Democracia e Transtorno: Protesto e Política na Itália, 1965-1975 (1989); A. Stille , Cadáveres excelente: o da máfia e da morte do primeiro República Italiana (1995); C. Duggan, A Força do Destino: A História da Itália desde 1796 (2008).

Fonte: www.factmonster.com

Itália

Capital: Roma
Idioma: Italiano
Moeda: euro
Clima: mediterrâneo, continental úmido e polar de altitude
Fuso horário (UTC): +1 (+2)

Pontos turísticos

Roma: Uma das cidades mais importantes historicamente do mundo ocidental, possui tumbas etruscas, templos imperiais, igrejas do início do cristianismo, torres medievais, palácios renascentistas e basílicas barrocas. Todos esses monumentos estão misturados na agitada vida cotidiana, com cafés e restaurantes oferecendo o melhor da culinária italiana.

Veneza: Uma das cidades mais importantes do Renascimento, mantém seu charme tanto nos casarios à beira dos canais, como nas vielas embaralhadas. Os famosos passeios em gôndolas são a marca registrada dessa cidade, assim como a Catedral de São Pedro*.

Florença: Capital do renascimento, a cidade é um museu a céu aberto, onde além dos impressionantes palácios, como o Palazzo Vecchio, o Palazzo Pitti, residência da família Médici, entre outros, destacam-se o Duomo, a famosa ponte Vecchio sobre o rio Arno, além dos arredores da cidade, que está encravada na Toscana.

Milão: Uma das cidades mais sofisticadas do país, é o centro da moda italiana, rivalizando com Paris. É considerada o centro financeiro da Itália, embora as artes e a culinária sejam também seus pontos fortes para os turistas.

Sicília: Ilhas com diversos atrativos turísticos, pode ser citado as praias de profundo azul turquesa; as ruínas das antigas cidades, como as termas romanas de Villa Romana Del Casale, as ruínas de Agrigento, e o teatro de Taormina, entre tantos outros; a igreja normanda de Monreale, a catedral barroca de Piazza Armerina; e acima de tudo o vulcão Etna, ativo até hoje.

Herculano e Óstia: Cidades da época do império romano, se mantém intactas graças à erupção do vulcão Vesúvio, que em 64 a.C. derramou lava e cinzas por toda a região, soterrando não somente as cidades como também seus moradores.

Vaticano: Cidade-estado independente, mas encravado no coração de Roma, possui a maior concentração de obras de arte do mundo, espalhadas por museus, capelas e galerias. A maioria dos turistas que circundam o Vaticano no entanto a procuram por seu caráter religioso e de maior importância dentro da fé cristã.

Costa Amalfitana: Com apenas 100 km de extensão localizado entre a cidade de Sorrento e Salerno, abriga diversos vilarejos e praias famosas, além de possuir em seu litoral a famosa ilha de Capri com sua Gruta Azul.

Fonte: www.geomade.com.br

Itália

A Itália é um país do Sul da Europa e membro da União Europeia.

A capital é Roma [Rome].

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

A língua nacional é o Italiano. Alemão, Francês e Ladino são uma minoria de línguas oficiais.

A Itália tornou-se um estado-nação, em 1861, quando os estados regionais da península, junto com a Sardenha e a Sicília, foram unidos sob o Rei Victor EMMANUEL II. Uma era de governo parlamentar chegou ao fim no início dos 1920s, quando Benito Mussolini estabeleceu uma ditadura Fascista.

Sua aliança com a Alemanha Nazista levou à derrota da Itália na Segunda Guerra Mundial. Uma república democrática substituiu a monarquia em 1946 e uma recuperação econômica seguiu-se. A Itália foi um membro fundador da NATO e da Comunidade Economica Europeia (CEE).

Ela tem estado na vanguarda da unificação economica e política Europeia, aderindo à União Economica e Monetária em 1999. Os problemas persistentes incluem a imigração ilegal, o crime organizado, a corrupção, o desemprego, o crescimento econômico lento, e os baixos rendimentos e padrões técnicos do sul da Itália em comparação com o norte próspero.

A Itália é um país no sul da Europa. Ela consiste principalmente de uma península longa e estreita, em forma mais ou menos como um bota. Ela é um país de surpresas constantes e fascínio interminável. O antigo e o moderno se misturam em um cenário de belas paisagens, convidativas cidades nas colinas, e cidades emocionantes.

Terra

O nome “Itália” é extremamente antigo. Ele parece ter sido usado pela primeira vez em documentos do século 5 aC. Eles descreviam um pequeno território na ponta da península em forma de bota que se estende até o Mar Mediterrâneo. Os historiadores pensavam que a Itália fôra nomeada para um rei lendário, Italo.

Não importa quais as suas origens, por cerca de 1000, o nome “Itália” designava uma região, um dialeto e uma cultura. Mas não foi até meados do século 19 que as muitas nações separadas na península estavam unidas. Elas se tornaram uma nação à qual foi dado o antigo nome “Itália”.

No norte, onde a península Italiana junta-se ao continente Europeu, os Alpes formam uma fronteira natural quase contínua. Os Alpes dividem a Itália da França no noroeste e da Suíça e da Áustria no norte. O vizinho nordeste da Itália é a Eslovenia.

A península Italiana se estende sudeste para o Mar Mediterrâneo da Europa quase à África, com seu calcanhar para o leste e seu dedo apontando para o oeste.

A bota parece prestes a chutar a sua maior ilha, a Sicília, da qual ela é separada pelo Estreito de Messina. Além da Sicília, a Itália inclui as ilhas da Sardenha e de Elba no Mar Tirreno em sua costa oeste. Há cerca de 70 ilhas menores espalhadas ao longo da costa, tanto no Mar Adriático e no Mar Tirreno.

Dois pequenos Estados independentes estão dentro das fronteiras da Itália. Um deles é a República de San Marino, no nordeste; ela afirma ser a menor e mais antiga república do mundo. O outro é a Cidade do Vaticano, que cobre 108,7 acres (44 ha) na capital de Roma. Este é o centro espiritual do mundo Católico Romano. É o menor país independente do mundo.

Colinas, montanhas e vulcões

Dois-terços da Itália são cobertos por montanhas e colinas. Desde que a península se estende por cerca de 600 milhas (970 km) e média de 90 milhas (140 km) de largura de costa a costa, isto significa que a paisagem é bastante acidentada. As montanhas e colinas serviram até recentemente para manter uma região da Itália completamente isolada da outra. Sem viajar muitas milhas, ainda é possível encontrar diferenças de perspectiva, costumes, dialeto, e cozinha.

Os Alpes contêm o pico mais alto inteiramente dentro da Itália. É o Gran Paradiso de 13.323 pés (4.060 m) de altura. Mas esta alta cadeia montanhosa na parte superior da Itália nunca bloqueou efetivamente os invasores agressivos ou pacíficos.

Desde os tempos mais remotos, as passagens através dos Alpes para a Itália foram usadas por guerreiros e visitantes. No 3º século aC, o general Cartaginês Aníbal liderou um exército totalmente equipado com elefantes através dos Alpes no norte de Itália. Esta invasão famosa foi seguida por outras. Cada uma deixou sua marca na terra e no povo da Itália.

Hoje, um excelente sistema de auto-estradas, túneis, e ferrovias ligam a península Italiana com a França, Suíça, Áustria, e Eslovenia – os vizinhos transalpinos da Itália. Entre as passagens mais conhecidas através dos Alpes estão o Brenner da Áustria; o São Gotardo, o Bernina, o Grande São Bernardo, e o Maloja da Suíça; e o Monte Cenis, o Monte Blanc, e o Pequeno São Bernardo da França.

A “espinha” da Itália é formada pela Faixa dos Apeninos, que se estende dos Alpes da Ligúria no noroeste até o Estreito de Messina no sul. As montanhas da Sicília são consideradas uma extensão dos Apeninos. O Corno Grande é um pico no grupo Gran Sasso d’Italia a leste de Roma na região de Abruzzi. Ele sobe até 9.560 pés (2.910 m) e é o ponto mais alto dos Apeninos.

No entanto, a altura média da faixa é consideravelmente menor. Os Apeninos eram densamente florestados. Mas séculos de corte de árvores para a construção e para lenha deixaram as montanhas quase nuas e desgastadas. Para combater esta erosão e prover a Itália com uma fonte confiável de madeira, o governo lançou um programa de reflorestamento de longo alcance.

Os Apeninos são conhecidos por suas características vulcânicas. Eles têm campos de lava, terremotos e vulcões ativos, como o Vesúvio, perto de Nápoles e o Monte Etna perto de Messina, na Sicília. A primeira erupção registrada do Vesúvio ocorreu em 79 A.D. Ela destruiu as cidades de Pompeia e Herculano. Os terremotos muitas vezes atingem a península Italiana e a Sicília, acabando com as cidades e vidas em poucos minutos. O Etna está em erupção quase continuamente desde 1994.

Lagos e rios

Além dos lagos de cratera vulcânica nos Apeninos – Bolsena, Bracciano, Albano, e Vico – a Itália é conhecida pelo seu magnífico distrito lacustre ao sul dos Alpes. Os belos lagos Garda, Maggiore, Como, Iseo, e parte de Lugano são atrações turísticas mundialmente famosas.

O Garda é o maior lago na Itália; Maggiore e Como classificam como o segundo e o terceiro maiores, respectivamente. Outro lago famoso é o Trasimeno, na Itália central. Ele é conhecido não só pela sua beleza, mas também porque foi lá que Aníbal ganhou uma importante vitória contra os Romanos em 217.

A Itália tem muitos rios, mas apenas dois – o Pó e o Adige – são navegáveis. O longo Po de 405-milhas (650-km) é o maior rio da Itália e tem a maior bacia de drenagem. O Po nasce nos Alpes, flui no sentido leste através da planície entre os Alpes e os Apeninos, e deságua no Mar Adriático, ao sul de Veneza. O Po, seus afluentes, e um complexo sistema de irrigação ajudam a tornar a grande planície Italiana do norte a mais fértil região agrícola do país.

O Adige nasce nos Alpes e deságua no Mar Adriático. Embora seja navegável por apenas cerca de 70 milhas (110 km), ele tem sido aproveitado para fornecer energia hidrelétrica. Outros rios Italianos, como o Arno, Tiber, Piave e Isonzo são bem conhecidos por causa das cidades em suas margens e os acontecimentos que tiveram lugar nas proximidades. O Arno é o rio de Florença, a principal cidade da Toscana.

O Tibre corre através da capital Italiana, Roma. Ambos nascem nos Apeninos e desaguam no Mar Tirreno. O Piave no norte e o Isonzo no nordeste fluem no Adriático; eles foram os locais de batalhas ferozes durante a Primeira Guerra Mundial.

Ilhas

Sicília

A maior das ilhas da Itália, a Sicília classifica como a maior e mais populosa de todas as ilhas do Mediterrâneo. Desde 1947, a Sicília e as ilhas próximas, tais como os grupos Lipari e Egadi tem sido governada como uma região autônoma da Itália. A montanhosa Sicília é conhecida por suas magníficas paisagens, clima agradável, e riqueza mineral. Cenicamente, o marco mais notável é o Monte Etna, o vulcão ativo mais alto na Europa.

A viagem para a borda da cratera principal do vulcão pode ser feita por teleférico, então jipe, e, finalmente, para os últimos metros, a pé. Uma vez no topo do Etna há uma vista deslumbrante da ilha, o mar ao redor, e, claro, a cratera impressionante em si. A primeira erupção do Etna registada teve lugar em 475 aC, quando a ilha foi colonizada pelos Gregos.

A ilha foi ocupada sucessivamente pelos Romanos, Bizantinos, Árabes, Normandos e Espanhóis. No século 18 a Sicília, com Nápoles, se tornou parte do reino das Duas Sicílias, e ela foi feita parte do recém-formado reino Italiano em 1861. Uma das atrações da Sicília é a riqueza de relíquias e monumentos deixados por alguns dos primeiros colonos. Um dos mais bem-preservados templos Gregos está em Agrigento; outros notáveis legados Gregos estão em Siracusa e Segesta.

Hoje, no entanto, a Sicília está rapidamente se recuperando de séculos de ocupação estrangeira, de governo ruim, e da negligência de proprietários ausentes que possuíram uma vez grande parte da terra. A ilha fértil agora lidera a Itália na produção de frutas cítricas. Milho, cevada, azeitonas, amêndoas, uvas e algodão também são cultivados. Atum e pesca da sardinha são importantes para a economia da ilha.

Desde a Segunda Guerra Mundial, as empresas governamentais e privadas têm ajudado muito o desenvolvimento industrial da ilha. A Sicília produz atualmente cerca de 66% do enxofre da Itália, bem como importantes quantidades de asfalto, sal-gema, sal marinho, e pedra-pomes. O futuro econômico da Sicília tem sido ainda mais brilhante com a descoberta de um dos maiores campos de petróleo da Europa.

Ilhas da Sicília

As Ilhas Lipari, as Ilhas Egadi, Ustica, e Pantelleria fazem parte da região autônoma da Sicília. As Ilhas Lipari, um grupo vulcânico, também são conhecidas como as Ilhas Eólias. Eles levam esse nome de Éolo, o deus Grego dos ventos, que foi acreditado armazenar os ventos em uma caverna em uma das ilhas. Um dos grupos é chamado de Vulcano.

Foi nomeado em honra do deus Romano do fogo, Vulcano, cuja oficina foi acreditada estar lá. Stromboli, também no grupo, tem um vulcão ativo. As ilhas são conhecidas por suas paisagens e são populares entre os mergulhadores, que nadam em suas águas muito claras e cavernas submarinas.

Capri e Ischia

Estas duas ilhas na Baía de Nápoles estão entre os resorts mais famosos da Itália. O cenário de Capri, a vegetação e o clima atraíram gerações de turistas.

Mesmo no tempo dos Romanos, os imperadores Augusto e Tibério acharam Capri linda o suficiente para construir moradias de férias lá. Os modernos visitantes procuram a Gruta Azul, que é famosa pela estranha luminescência da água do mar. Ela pode ser visitada de barco.

Ischia é uma ilha vulcânica cujas quentes nascentes de água mineral e soberbas paisagens a tornaram um resort de saúde popular. Um castelo construído no século 5 sobre fundações Gregas e o mar sempre convidando também atraem os visitantes.

Sardenha

Cerca de 115 milhas (185 km) fora da costa oeste da Itália está a Sardenha, a segunda maior ilha Italiana. A Sardenha montanhosa é uma das mais belas e dramaticamente menos povoadas partes da Itália. Seu clima seco, denso crescimento de arbustos, sobreiros e urze, e as águas cristalinas circundantes estão tornando-a um resort popular.

A capital, Cagliari, é mais antiga do que Roma. Pré-históricas casas-fortalezas de pedra chamadas nuraghi estão espalhadas por toda a ilha, mas os arqueólogos não conseguiram determinar exatamente quem as habitavam.

A Sardenha, como a Sicília, é uma região autonoma. E também como a Sicília, é uma das áreas mais ricas da Itália em recursos minerais. Chumbo, zinco, linhita, cobre, ferro e sal são minados. Milho, cevada, uvas, azeitonas, e tabaco são cultivados, e cortiça é exportada.

Elba

Esta pequena ilha só 6 milhas (10 km) na costa da Toscana, não é conhecida tanto por suas minas de ferro, que têm sido trabalhadas desde a época Romana, ou pela sua paisagem agradável. Sua fama vem do fato de que durante um ano na sua longa história de ocupação por potências estrangeiras, ela foi um principado soberano.

Este breve momento veio em 1814-15, quando os líderes Europeus baniram o imperador Francês Napoleão para lá e deram-lhe a pequena ilha como sua. Quando fugiu de Elba e falhou em seu esforço para retomar o poder, Napoleão foi enviado para St. Helena. É uma ilha muito mais distante no Atlântico Sul. Elba se tornou uma parte da Itália.

Recursos naturais

Um dos recursos importantes de energia da Itália é a hidroeletricidade produzida por utilizáveis fluxos das corredeiras Alpinas. Muita eletricidade também é gerada por reatores nucleares. Petróleo e gás natural são encontrados na costa do Adriático, perto de Ravenna, no extremo sul da planície do Pó, e na Sicília.

Outra fonte de energia vem de um complexo único na área Larderello perto de Pisa, na Toscana. Lá o vapor de alta temperatura natural produzido pelos soffioni – jatos de vapor irrompendo através da crosta terrestre, tem sido aproveitado por meio de poços profundos. O vapor é então canalizado para instalações de energia por meio de dutos isolados termicamente e usado para operar turbinas a vapor que produzem eletricidade.

Os visitantes em alta velocidade de trem de Milão e Genova para Roma, ou vice-versa, raramente sabem que a sua locomotiva elétrica é alimentada por vapor jorrando em jatos como geisers das profundezas da terra. E menos ainda percebem que Larderello – por causa de seus enormes jatos de vapor ruidoso e poços de lama em ebulição – foi durante muito tempo considerada um canto do inferno na terra. Em 1911 ela tornou-se o local de uma usina comercial geotérmica. A planta produz 10 por cento do fornecimento mundial de eletricidade geotérmica e energiza sobre um milhão de famílias Italianas.

Apenas três minerais – mercúrio, enxofre e mármore – são extraídos em quantidades suficientes para a exportação. A Itália é, de fato, o produtor líder mundial de mármore. O mármore Italiano mais famoso vem das pedreiras dos Alpes Apuane, um ramo dos Apeninos que percorre parte da costa da Toscana. Os Apuane são uma vista surpreendente. Subindo para cerca de 6.000 pés (1.800 m), eles parecem, mesmo no verão, ser cobertos de neve. A “neve”, é claro, é composta de milhões e milhões de pedaços de mármore.

As pedreiras de Apuane foram usadas para produzir mais de 33% do mármore do mundo e empregavam mais de 100.000 pessoas, mas esses números caíram.

O melhor mármore nessa região vem do entorno de Carrara. Seu bonito mármore de estatuária branco foi usado pelo artista do século 16 Michelangelo.

Clima

Artistas, compositores e fotógrafos contribuíram para a fama mundial do céu azul Italiano e o clima ameno. Na verdade, o clima está longe de ser uniforme. No norte, por exemplo, os Alpes atuam como um escudo que mantém os ventos mais intensamente frios fora da Itália. No sopé dos Alpes, em volta do Lago Como e do Lago Garda, o clima é tão leve que existem jardins com flores de limão e laranja.

Ao sul dos lagos, na planície do Rio Po, o clima é mais continental. Os invernos são frios e os verões quentes. De fato, a temperatura média no inverno de Milão, no extremo norte da planície do Pó, é mais fria do que a de Paris. Exceto para os Apeninos, a região central da Itália tem um clima Mediterrâneo típico com as chuvas mais pesadas caindo na primavera e no outono. Os invernos são suaves, e os verões são quentes e secos. É esta parte da Itália que criou o estereótipo.

Nas montanhas as nevadas de inverno são muitas vezes pesadas, mas os verões tendem a ser secos, ensolarados e agradáveis.

Quando se vai mais para baixo da península ao sul da Itália e a Sicília o clima se torna mais e mais parecido com o do Norte da África. O calor do verão é intenso. Os invernos são suaves e muitas vezes chuvosos. Ocasionalmente, o quente vento carregado de pó chamado de sciròcco sopra dos desertos do Norte da África por toda a Sicília e no sul da Itália.

População

A Itália tem cerca de 58 milhões de habitantes. Os Italianos de hoje são descendentes principalmente dos antigos Etruscos e Romanos. Vários outros povos têm sido adicionados à população nativa, de modo que misturados com faces familiares de cabelos escuros e pele morena do Mediterrâneo se vê Italianos loiros de olhos azuis cujos antepassados provavelmente vieram do norte.

A população é bastante homogênea. Mas há também as minorias, incluindo as pessoas de língua Alemã na província nortista de Bolzano, Eslovenos perto de Trieste, Francêses em Val d’Aosta, e pequenas comunidades de pessoas de origem Grega e Albanesa.

Linguagem

A língua Italiana vem do Latim dos antigos Romanos. De fato, um conhecimento do Latim ajuda a aprender o Italiano, porque a linguagem moderna tem uma semelhança próxima ao Latim clássico.

Mesmo no tempo dos Romanos, no entanto, dois tipos de Latim eram falados – a linguagem da classe culta e a linguagem das pessoas que não tinham escolaridade. Esta divisão cresceu depois que o Império Romano caiu no século 5 A.D., e a península Italiana estava dividida em muitos estados separados, cada um dos quais desenvolveu seu próprio dialeto.

Não foi até que a obra-prima épica de Dante Alighieri, A Divina Comédia, apareceu no início do século 14 que os Italianos começaram a ter uma língua nacional. Dante, um nativo de Florença na região da Toscana, escreveu seu poema na língua falada pelas pessoas comuns da sua cidade.

Dessa forma, mais pessoas seriam capazes de compreendê-la do que se fosse escrita em Latim. Por causa da imensa popularidade de A Comédia sua linguagem tornou-se a língua de toda a Itália.

A literatura, as escolas e modernos sistemas de comunicação têm feito muito para padronizar a língua Italiana. Mas as diferenças regionais persistem. Um Italiano do sul pode casualmente deixar cair as vogais finais das palavras ou dobrar as consoantes iniciais, especialmente “b” e “p”. Um fazendeiro da Toscana pode alegremente mudar “c” para “h”.

Ele vai para a sua hasa – casa – talvez para ter uma bebida conhecida internacionalmente que ele chama de “hoha hola” – coca-cola. Há também vocabulários regionais. Assim, é interessante saber, por exemplo, que para obter melancia em Florença você pergunta por cocomero, mas em Trieste você deve solicitar por anguria.

No entanto, qualquer que sejam as palavras ou dialeto, o Italiano é uma língua muito musical por causa de seus belos sons de vogais e consoantes claramente pronunciados. É conveniente que o Italiano fôsse o idioma das primeiras óperas.

Religião

A maioria – 90 por cento – do povo Italiano são Católicos Romanos. O saldo inclui os Protestantes, Judeus e outras minorias.

A Cidade do Vaticano é a casa do papa e, assim, a sede espiritual da Igreja Católica Romana. É um estado separado dentro da cidade de Roma. O papa governou uma vez um estado de grandes dimensões que se estendia através da Itália central. Hoje, o Vaticano não tem papel direto na política Italiana. No entanto, a influência da Igreja continua a ser importante. A instrução religiosa é opcional nas escolas de ensino fundamental e intermediário na Italia.

A vida do povo Italiano é infundida com a sua centenária associação com o Catolicismo Romano. As magnificamente projetadas e decoradas catedrais e igrejas da Italia estão entre os mais belos monumentos inspiradores da nação.

O calendário da Igreja está repleto de feriados e dias santificados. Cada aldeia e cidade tem o seu santo padroeiro. Mas nada ganhou popularidade como San Gennaro de Nápoles. Seu dia é comemorado também pelos Napolitanos que emigraram para outros países.

A festa da Assunção da Virgem no dia 15 de Agosto é um grande feriado religioso. É também um sinal do início do período de duas semanas chamado Ferragosto. Durante esse tempo, muitos Italianos saem de férias de verão, e um grande número de lojas e empresas fecham.

A cada ano mais Italianos comemoram o Natal na maneira do norte da Europa, com árvores ornamentais e a troca de presentes em 25 de Dezembro. Muitas pessoas, entretanto, ainda mantêm a tradição mais antiga. Eles guardam a troca de presentes para 6 de Janeiro, a Festa da Epifania, recordando os presentes dos Três Reis Magos.

O feriado de Páscoa é celebrado com missas. Em casa, festas de cordeiro assado ou cabrito assado são seguidas por ovos de chocolate e bolos especiais.

Educação

Todas as crianças devem freqüentar a escola Italiana até que tenham 14 anos de idade. Após os cinco anos do ensino fundamental, os alunos passam para uma scuola media – intermediário ou secundária de três anos. Isto pode ser seguido por cinco anos de escola secundária.

Neste nível, os alunos têm uma escolha entre escolas que oferecem cursos que enfatizam os clássicos, a ciência, a formação de professores, ou arte, e aqueles que enfatizam os estudos técnicos como a agricultura.

O grau oferecido pelas universidades da Itália é a laurea. Tradicionalmente, isso exigia 5-6 anos de trabalho do curso e a conclusão de uma tese. Em outras palavras, era semelhante a um doutorado e era considerado condição suficiente para o alto nível dos trabalhos acadêmicos. Em 1999, a estrutura da laurea foi alterada para ficar mais em linha com a formação em outras universidades ocidentais.

Ela foi dividida em dois ciclos de grau: um primeiro ciclo de três anos equivalente a um diploma de bacharel, e um segundo ciclo de mestrado de dois anos (laurea magistrale). Um aluno que tenha concluído o último ciclo é qualificado para se inscrever para o grau chamado de dottorato di ricerca (doutorado de pesquisa).

As universidades da Itália estão entre as mais antigas e mais ilustres do mundo. Elas incluem Salerno, cuja escola de medicina remonta ao século 9; Pavia, cuja escola de direito data do mesmo século 9; Bolonha, que é mais jovem por cerca de um século; e Florença, uma meca para os estudantes de todo o mundo devido à seus ilustres professores.

Pizza, massas e outros prazeres

Os séculos durante os quais a Itália foi uma coleção de reinos separados, ducados, e repúblicas deu aos modernos Italianos uma cozinha com muitas variações sutis. A pizza, por exemplo, foi originalmente um prato Napolitano comido pelos pobres.

Os antigos Romanos emprestaram receitas de todo o seu grande império. Eles também distribuíram as suas ideias sobre culinária onde quer que seus exércitos fossem. O melhor de suas receitas sobreviveram e foram modificadas durante os séculos que se seguiram.

Além disso, a posição da Itália no cruzamento do Mediterrâneo tornou-a um ponto de entrada natural para os alimentos do Oriente Médio e da África. A cana-de-açúcar, o sorvete, e alguns doces e bases como a pasta de amêndoas e o marzipan foram introduzidas para a Itália pelos Árabes.

Os Cruzados voltaram da Terra Santa com uma variedade de adições, incluindo o uso do suco de limão para dar sabor.

A pasta (massas), macarrão feito de trigo duro, é um alimento básico Italiano. Existe uma lenda que o viajante Veneziano Marco Polo trouxe o espaguete para a Itália da China. No entanto, os Árabes estavam usando o trigo duro para fazer macarrão logo no século 5 e provavelmente introduziram o prato na Sicília, quando eles invadiram no século 7.

Pelo século 16 a cozinha havia adquirido o status de uma arte na Itália. Refinamentos, como o garfo de mesa foram introduzidos. Refeições compostas por muitos cursos eram populares com aqueles que podiam pagar por elas.

Duas filhas da família líder de Florença, os Medici, casaram-se com reis da França. Ambas estas nobres mulheres levaram seus melhores chefs para a corte Francesa, que assim foi apresentada à altamente desenvolvida culinária Italiana.

A introdução de alimentos como o milho, tomates, pimentões, batatas e peru do Novo Mundo arredondaram os recursos da cozinha Italiana. Uma refeição típica Italiana agora representa o melhor de uma longa tradição de cozinhar com profundas raízes estendendo-se para o passado.

As refeições geralmente começam com o antipasti (hors d’oeuvres). Exemplos são as finas fatias de prosciutto (presunto), mortadela (um tipo de bologna), ou salame, que é muito popular no norte; ou a caponata, o aperitivo de berinjela da Sicília.

As sopas variam da espessa sopa de legumes chamada minestrone ao apimentado caciucco de Livorno, que é como um ensopado de peixe. O mais simples caldo é feito geralmente mais saboroso com a adição de queijo e massas pequenas.

A pasta abre o próximo curso da refeição. Há umas estimadas mais de 100 formas de massas diferentes. Elas podem ser divididas em quatro categorias, dependendo se se destinarem para a sopa, para ferver, para enchimento, ou para cozimento. Um ABC do macarrão vai de agnolotti, bucatini, e canelone para o ziti.

A maioria dos nomes da pasta são descrições coloridas de formas: agnolotti (“cordeiros com pouca gordura”), bucatini (“furinhos”), canelone (“tubos grandes”), farfalle (“borboletas”), e vermicelli (“pequenos vermes”).

A pasta pode ser preparada de muitas maneiras diferentes. Estas vão desde a elaboração de lasanha recheada com carne e queijo e cozida em um molho para o mais simples fettucine al cacio e burro, com sua manteiga, creme e molho de queijo gratinado. No norte da Itália a farinha de milho e o arroz dividem os holofotes com as massas como amidos.

A carne bovina aparece principalmente na culinária do norte. Bistecca alla Fiorentina (“bife de Florença”) é um prato clássico da Toscana. Peixes, carne de porco, frango e vitela são cozidos de muitas maneiras. Exemplos incluem pratos delicados de bovino aromatizado com limão, e o mais pungente pollo alla cacciatora (“frango à caçadora”). Como acompanhamentos há uma abundância de legumes e verduras.

Nenhuma refeição é completa sem pão, que varia em forma e sabor de região para região. Existem as varas douradas de grissini do Piemonte, os enormes pães rodados de Apulia, e os pequenos rolos delicados de Ferrara. O queijo também varia de lugar para lugar, assim como os vinhos.

E cada refeição é coroada com frutas: maçãs do Trentino-Alto Adige, pêssegos, pêras, e cerejas da Romagna, figos e ameixas douradas da Calábria, laranjas e tangerinas da Sicília, damascos de perto de Nápoles. Há também ricas sobremesas como excelentes sorvetes e a zuppa inglese (sopa Inglêsa). Esta última, uma camada de bolo embebido em rum com creme e chantilly, está muito próxima do trifle Inglês, que é talvez a origem do nome.

Feiras, Festas e Festivais

A comida é uma característica proeminente de muitas feiras e festivais que ocorrem ao longo do ano. A menor cidade e a maior cidade têm uma feira chamada sagra cuja principal característica é de comer. Por exemplo, na Sagra della Braciòla, na Terma do Castelo de São Pedro, um vilarejo perto de Bologna, à todo mundo que vem é dada uma costeleta de cordeiro gratuita que foi assada em fogo aberto.

A Aria di Festa de San Daniele del Friuli no nordeste da Itália celebra o presunto local; cerca de 15 por cento do prosciutto consumido na Itália vem dali. A Torre Annunziata, perto de Nápoles, tem sido famosa como um centro fazedor de massas desde o século 18. Ela mantém um Festival da Pasta anual onde são dadas enormes porções de espaguete cozinhado no molho de tomate.

A hospitalidade é outro tema de quase todas as festas populares na Itália. Há, por exemplo, uma Feira da Hospitalidade comemorada todos os anos em Bertinoro perto de Forlì na Itália central. Ela comemora a tradição medieval segundo a qual um cavaleiro passando pela cidade poderia amarrar sua montaria num anel na Coluna da Hospitalidade (que ainda está no meio da praça).

Em cada anel havia um colete de armas diferente, de modo que cada um pudesse escolher seu patrono e ter a certeza de hospitalidade gratuita e abundante no palácio ou castelo do dono do anel. A tradição tem sido renovada. Os visitantes no verão podem colocar suas cartas nos anéis e serem convidados a uma casa para um prato de macarrão e um copo do bom vinho local.

A riqueza das tradições da Itália inclui jogos e concursos que têm sido proferidos inalterados ao longo dos séculos. Um dos mais antigos destes é o Calcio in Costume de Florença. O jogo, em que uma bola redonda é chutada e manipulada, data de pelo menos o século 16, mas provavelmente foi jogado na cidade desde que era uma colônia Romana.

O jogo de hoje, com base em um concurso famoso que teve lugar em 1530, é jogado por equipes de quatro dos bairros da cidade.

Cada ano em Marostica, uma cidade em Veneto, um jogo de xadrez – partita a scacchiusing de peças humanas é jogado sobre os quadrados de mármore rosa e branco da praça. O jogo é baseado em uma história sobre uma partita em que o jogo era a filha do governador, Parisio. Parisio havia proibido os dois pretendentes de sua filha a duelar por sua mão, sugerindo em vez que o concurso devia ser resolvido em um tabuleiro de xadrez.

Provavelmente o mais conhecido de todos esses festivais tradicionais é o palio. Uma corrida de cavalos selvagens, ele é executado em 2 de Julho e 16 de Agosto de cada ano, na Piazza del Campo em formato oval de Siena. Neste show, música e cor desempenham um papel importante.

O palio abre com um desfile de porta-estandartes de cada contrada de Siena. Eles agitam suas bandeiras, giram e jogam-nas no ar, e as pegam antes que elas toquem o chão.

Na manhã do palio, uma missa especial é celebrada na Igreja de cada contrada. A igreja é adornada com bandeiras, banners, e insígnias ganhas da contrada rival ao longo dos anos. O serviço é atendido por todos os cidadãos da contrada e, mais importante, pelo cavalo que representa a contrada. O cavalo é observado de perto por todos. Se ele deixa cair os excrementos na igreja, isso é tomado como um sinal certo da vitória.

Esportes

A maioria dos Italianos são fãs apaixonados de esportes. O futebol é de longe o esporte mais popular. O time nacional ganhou a Copa do Mundo quatro vezes, mais do que qualquer outro país, exceto o Brasil. Times como o Juventus de Turim, o A. C. Milan e o Internazionale de Milano, e o Lazio de Roma estão entre os mais bem sucedidos na Europa. Os jogadores mais populares são heróis nacionais.

O pólo aquático é muito popular na Itália, como são os esportes de inverno. Os Jogos Olímpicos de Inverno realizaram-se na Itália em 1956 e 2006, e os atletas Italianos foram ganhadores de medalhas em eventos como o esqui, luge, e bobsled.

A corrida de bicicleta de longa-distancia é outro esporte que tem um seguimento devotado na Itália. O Giro d’Italia é segundo apenas ao Tour de France como um grande evento de ciclismo. E em quase todas as cidades e resorts você pode ver as pessoas de todas as idades jogando bocha, uma forma de boliche de relva.

Artes e Entretenimento

Na escultura, arquitetura, pintura, ciência, língua, literatura, filosofia e música a Itália tem uma herança cultural de riqueza incomum. Desde a antiguidade até pelo menos o século 16 ela foi talvez o maior centro artístico do mundo. Ela foi, lembre-se, o berço do Renascimento.

A ópera na forma musical também teve suas origens na Itália, no século 16, e atingiu uma idade de ouro lá no século 19. A última foi a era dos gigantes como Gioacchino Rossini, Giuseppe Verdi, ou Giacomo Puccini. Foi também uma época em que produções operísticas foram montadas em todo o país, mesmo em áreas rurais, por empresas de turismo.

A opera continua a ser uma forma de arte popular. Na verdade, superstars da ópera como o tenor lírico Luciano Pavarotti (que morreu em 2007) estenderam seu alcance com grandes concertos ao ar livre. Esta é uma tradição praticada por cantores menores como o tenor cego Andrea Bocelli, que já vendeu mais álbuns de música clássica do que qualquer outro artista na história.

Os cantores de ópera da Itália também são mestres do gênero chamado canção Napolitana, que inclui canções famosas como “O sole mio”, “Funiculi, Funicula”, e “Santa Lucia”. Enrico Caruso, que veio de Nápoles, popularizou essas músicas no exterior.

Como em outros lugares, a moderna música pop Italiana foi fortemente influenciada pelos estilos Americanos – jazz, rock music, hip-hop – e, mais recentemente, pela música de dança Latino-americana.

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, Roma tornou-se um centro de produção de filmes. Os primeiros filmes do pós-guerra, com seus retratos realistas das pessoas e seus problemas, foram imitados em todo o mundo.

Desta época, veio a obra mais famosa de Roberto Rossellini (Roma: Cidade Aberta) e de Vittorio de Sica (Umberto D.) – os produtores do cinema Italiano fizeram filmes de todos os tipos; alguns dos melhores e mais realistas westerns foram feitos por Sergio Leone.

Outros gigantes do cinema Italiano têm sido Luchino Visconti, Pier Paolo Pasolini, Federico Fellini, Michelangelo Antonioni e Bernardo Bertolucci. E a atriz Sophia Loren personifica o glamour da indústria cinematográfica Italiana como nenhuma outra.

Cidades

Os Italianos fazem piada que eles têm três cidades capitais – Roma, a capital política; Milão, a capital financeira; e Turim, a capital industrial. Pode-se acrescentar Nápoles e Veneza como as capitais turísticas. E a lista realmente pode ser estendida para incluir Gênova, a capital marítima; Florença, a indiscutível capital cultural da nação; Palermo, que realmente é a capital da Sicília. Então há Bolonha, a capital da região de Emilia-Romagna e Bari, capital da região Aulia no extremo sul.

Com a adição de Catania, essas cidades são as maiores da Itália – uma distinção importante em um país que tem sido chamado de “uma nação de cidades”, porque tem um total de mais de 150 cidades e vilas com uma população de mais de 30.000 cada uma.

Não importa quão grande o orgulho local, os cidadãos de todas as cidades Italianas agora olham para Roma como sua capital e como o verdadeiro centro da vida nacional e política.

Roma

Roma é uma das cidades mais antigas e bonitas do mundo. Ao longo dos séculos ela tem servido como a capital da poderosa república e império Romano, a sede da Igreja Católica Romana, e a capital da moderna nação da Itália. É conhecida como a Cidade Eterna.

Segundo a lenda, Roma foi fundada em 753 aC, e a cidade é um tesouro de monumentos quase daquela era para esta. O Tibre, fluindo por Roma de norte a sul, divide a cidade. Os restos mais visíveis e abundantes da Roma clássica estão localizados na margem leste, principalmente ao sul da Piazza Venezia. Talvez o mais famoso deles é o Coliseu, um anfiteatro que originalmente assentava 60.000 pessoas.

Outros incluem o Fórum, o Circo Máximo, o Panteão, a Domus Aurea, a Coluna de Trajano, as Catacumbas, as Termas de Caracalla, e o Arco de Constantino. Também nesta área está a Igreja de Santa Maria Maggiore, que mantém alguma de sua estrutura original do início da era Cristã (século 4).

Começando no século 15 os papas foram os responsáveis pela transformação da Renascença de Roma. Na margem oeste do Tibre foram construídos o Palácio do Vaticano, incluindo a Capela Sistina, a Praça de São Pedro, e a atual Basílica de São Pedro – tudo agora abrangido pela Cidade do Vaticano. Para os períodos Renascentista e Barroco datam muitas das largas ruas, praças (piazzas), fontes (por exemplo, a Trevi), estátuas e palácios pelos quais Roma é famosa. Dois palácios do século 17, Madama e Montecitorio, abrigam o Parlamento Italiano.

Um dos muitos marcos históricos do século 18 é a Escadaria de Espanha, que se ergue da Piazza di Spagna. Do final do século 19, vem o enorme Monumento para Vittorio Emanuele II, primeiro rei de uma Itália unificada.

Os Fascistas, que governaram a Itália de 1922-1943, deixaram seu próprio legado da arquitetura monumental em Roma, talvez mais notavelmente o Palazzo della Civiltà Italiana, no bairro empresarial EUR. Muitos notáveis edifícios modernos incluem o Parco della Musica. É um grande complexo da música projetado pelo arquiteto Italiano Renzo Piano e inaugurado em 2002.

Monumentos como estes, parques espaçosos, magníficos museus de arte e arqueologia, e uma próspera comunidade de artes cênicas tornaram Roma a atração turística mais popular da Itália. Além do turismo, a economia baseada em serviços de Roma inclui indústrias de alta tecnologia, tais como tecnologia da informação, aeroespacial e de telecomunicações e serviços bancários e financeiros.

Muitas das maiores corporações da Itália estão sediadas lá, algumas delas alojadas no EUR. Roma é também o centro da indústria cinematográfica Italiana. A Cinecittà, um legendário estúdio de cinema, produziu milhares de filmes internacionais e Italianos.

Milão

Milão, a segunda maior cidade da Itália e a capital da província da Lombardia, não é muito bem amada pela maioria dos Italianos. Os Milaneses são considerados por outros Italianos a sofrer de uma mania auto-destrutiva para o excesso de trabalho e sucesso. E os Milaneses são muitas vezes comparados com os Nova-iorquinos, porque eles parecem correr, em vez de andar. Milão é uma única cidade Italiana onde realmente se sente o pulso firme de uma economia produtiva em trabalho.

Com seus arranha-céus, metrôs, avenidas largas, e elegantes lojas e restaurantes, Milão é uma cidade solidamente plantada no século 21. É o mais importante centro comercial e bancário da Itália e lidera a nação na produção de têxteis, produtos químicos e metalúrgicos, e na impressão e publicação editorial. Mas há mais para Milão do que os bancos e indústrias. Como todas as cidades Italianas, Milão tem seus grandes marcos culturais e históricos.

O coração de Milão é a grande Piazza del Duomo (“catedral”), que foi colocada ao público em 1861, aos pés da magnífica catedral Gótica. De um lado da praça estão as arcadas da Galleria Vittorio Emanuele II, com suas lojas finas, cafés e restaurantes. Lá, os imaculadamente e garbosamente uniformizados carabinieri (um corpo especial do exército que tem deveres policiais) vigiam um desfile em constante mudança dos Milaneses. Se alguém atravessa a Galleria, sai-se na Piazza della Scala e sua construção mais famosa – o Teatro alla Scala. La Scala, como é chamado, é provavelmente a mais famosa casa de ópera do mundo.

Os outros marcos importantes da cidade incluem a Basílica de Sant ‘Ambrogio – a igreja do século 11 construída em homenagem ao primeiro bispo de Milão, Santo Ambrósio. A Igreja de Santa Maria delle Grazie é conhecida pelos amantes da arte, porque foi aqui que Leonardo da Vinci pintou seu mais famoso afresco, A Última Ceia. Existem várias coleções de belas artes em Milão, incluindo uma das maiores da Italia, na Pinacoteca di Brera. A Biblioteca Ambrosiana e três universidades estão entre as mais conhecidas contribuições para a vida intelectual da Itália.

Napoles

De acordo com uma antiga lenda, Nápoles foi fundada pela sereia Parthenope. Ela foi, de fato, fundada pelos Gregos no século 4. Neapolis, o nome Grego para ela, significa “nova cidade”. Nápoles sempre foi um centro vital de arte, aprendizado, e comércio.

É considerada como a terceira-maior cidade da Italia. Sua magnífica localização sobre a parte norte da baía de Nápoles tem inspirado grandes poetas como Virgílio e filósofos de esquina que têm dito repetidas vezes, Vedi Napoli e poi muori – “Veja Nápoles e depois morra”. A implicação é que não há nada mais maravilhoso de ser visto nesta terra depois de se ter visto Nápoles.

Muitas pessoas concordaram com essa idéia. O escritor Francês Stendhal disse mais de um século atrás que Nápoles era “uma capital tão grande quanto Paris …. Há mais vida aqui, mais ruído; a conversa é muitas vezes tão estridente, que me ensurdece. Nápoles é a verdadeira capital da Itália”. E até hoje, Nápoles, com seus magníficos monumentos arquitetônicos, mercados lotados, e favelas infelizmente superlotadas, é uma cidade de imensa vitalidade.

Há um ruído constante de tráfego, de canções, de vozes em uma conversação energética. No início de 2008 Nápoles teve grandes problemas com a remoção de lixo – por semanas, a cidade estava literalmente cheia de montes de lixo.

Hoje, como a terceira maior cidade da Itália e segundo maior porto marítimo, Nápoles é um centro de mercado para a zona rural circundante, bem como a casa de indústrias como a produção de metais e fábricas de conservas de alimentos e artesanato tais como luvas e fabricação de jóias. O Museu Nacional tem uma notável coleção de tesouros artísticos e históricos. O Museu Arqueológico guarda as relíquias de Pompéia e de Herculano – as cidades destruídas pela erupção do Vesúvio em 79.

O passado mais recente é recordado na Igreja de San Domenico Maggiore, ao lado da qual Santo Tomás de Aquino, o estudioso Católico medieval, uma vez ensinou. A San Carlo Opera House já recebeu alguns dos maiores talentos musicais de todos os tempos desde que foi inaugurada no século 18. O instituto de marinha e zoologia da cidade e seu aquário são considerados entre os melhores do mundo.

Turin

Demora menos de duas horas para ir de Milão, a segunda maior cidade da Itália, à Turim, a quarta maior, mas chegando em Turim, se sente que se está em uma nova terra. Esta é mais surpreendente devido ao fato de que Turim é verdadeiramente a capital industrial da Itália e tem mais de 20 mil fábricas.

A maior é a Fiat Sp.A., a maior organização privada industrial da Itália. A Fiat, fundada em 1899, é uma holding internacional e um dos maiores fabricantes de automóveis do mundo.

Nem a indústria automobilística nem a confecção de vestuário, artigos de couro, doces de chocolate, e vermute conseguiram ofuscar o encanto do elegante charme de Turim. Mesmo suas lojas e restaurantes têm um ar de elegância.

Em Turim, é fácil sentir que a França e a Suíça estão muito perto – na verdade, elas estão do outro lado dos Alpes. O humor de Turim é, portanto, um pouco diferente do que qualquer outra cidade Italiana. Parece de alguma forma mais suave, mais sofisticado e elegante.

Tudo isso está de acordo com o lugar importante de Turim na história Italiana, pois foi aqui – no Palazzo Carignano – que a idéia de um reino unido nasceu e foi proclamada. Os marcos mais importantes da cidade estão associados à unificação.

O Palazzo Reale foi a residência dos reis da Sardenha, da Casa de Sabóia, e mais tarde, dos reis da Itália. A Basílica de Superga foi a capela do enterro real. Todos esses marcos históricos não se sobrepuseram ao presente, no entanto.

O Torinese é provavelmente igualmente orgulhoso de dizer que a cidade tem um dos maiores estádios da Europa. A cidade é o lar de dois dos principais times de futebol profissional da Itália e sediou a Olimpíada de Inverno de 2006.

Palermo

Palermo, a quinta-maior cidade Italiana, é a capital da Sicília e a sede do governo regional. Esta cidade encantadora com o seu clima ameno e localização maravilhosa na Conca d’Oro – a fértil planície à beira do mar – teve uma história conturbada.

Os fundadores da cidade, os Fenícios, foram seguidos por uma longa procissão de invasores. Depois dos Fenícios vieram os Cartagineses, Romanos, Vândalos, Visigodos, Ostrogodos, Bizantinos, Árabes, Francêses Angevin, Alemães Swabianos, Franceses Normandos e Espanhóis.

Os estilos Bizantino, Árabe, e Normando da arte e da arquitetura ainda são evidentes em edifícios, entre os quais os mais famosos são a Capela Palatina do Palácio Real, com seus requintados mosaicos Bizantinos, e os palácios Chiaramonte e Sclafani.

A uma vez sonolenta capital provincial tornou-se um movimentado centro de comércio e indústria. Além de seu porto importante, Palermo tem um número de indústrias que vão desde a produção de aço e massas para a de mobiliário, têxtil, vidro, cimento, produtos químicos e perfume.

É a riqueza da cidade de sítios históricos, no entanto, que atrai um número cada vez maior de turistas a cada ano. As favelas assoladas pela pobreza estão lentamente sendo erradicadas. Na década de 1980, o governo empreendeu uma maciça campanha contra o crime organizado levando a um “maxi-processo” de 1987 em Palermo, em que 338 réus Sicilianos foram condenados por envolvimento em um importante anel do crime.

Genova

Genova é o porto principal da Itália e a sexta-maior cidade. Milhões de toneladas de carga anualmente passam pelas modernas instalações portuárias do porto.

Além disso, Genova é o centro líder da construção naval da Italia e tem trabalhos em ferro e aço. Ela também produz 25% do sabão da nação.

Genova tem um magnífico cenário de um grande porto, e sua história remonta a tempos antigos. A cidade atingiu o auge de seu poder como uma república marítima durante a Idade Média, e os comerciantes Genoveses tinham armazéns em postos remotos como a Criméia, Constantinopla, Síria e Norte da África. Genova foi derrotada por sua rival, a república de Veneza, no século 14, mas belos palácios, igrejas e jardins senhoriais ainda recordam a glória do passado da cidade. Lembranças do filho mais famoso de Gênova, Cristóvão Colombo, incluem a casa em que o grande explorador é suposto de ter nascido.

Em Julho de 2001, Genova recebeu a cúpula do G-8 (o grupo dos sete países mais ricos, mais a Rússia). Durante o evento, violentos confrontos entre manifestantes antiglobalização e a polícia resultaram na morte de um manifestante.

Veneza

Veneza, considerada uma das mais belas cidades do mundo, foi fundada por refugiados que fugiam dos invasores bárbaros no século 5. Os refugiados escolheram bem. Seu esconderijo cresceu em uma cidade construída em mais de 100 ilhas na Lagoa de Veneza no extremo norte do Mar Adriático. Os Venezianos chamaram sua cidade de a Noiva do Mar Adriático e orgulhosamente falam de estarem casados com o mar, pois foi o mar que trouxe-lhes riqueza.

Com a sua localização estratégica no cruzamento do comércio leste-oeste, Veneza se tornou uma grande potência marítima. Suas frotas atingiram a portos distantes do Oriente Próximo e do Extremo Oriente e voltavam carregadas de seda e brocados, ouro e especiarias. Os ricos comerciantes construíram palácios soberbos ao longo dos famosos canais que percorrem Veneza em lugar de ruas. Durante os séculos 15 e 16, artistas de renome tais como a família Bellini, Giorgione, Paolo Veronese, Ticiano, e Tintoretto viveram e trabalharam nesta cidade única e fascinante.

A descoberta de uma rota marítima contornando a África no século 15 marcou o início do declínio de Veneza: a cidade não tinha mais o monopólio do comércio de especiarias. No entanto, o esplendor da cidade tem sofrido. Seus habitantes vivem praticamente na água, e estão ligados ao continente apenas por uma ponte ferroviária e uma calçada de automóveis.

Hoje, o mar, uma vez a fonte de riqueza e grandeza Veneziana, ameaça a existência da cidade. Os magníficos edifícios de frente para a água são ameaçados pela corrente dos canais, que é aumentada pelo tráfego de lancha, e pela água do mar que lentamente corrói os alicerces dos edifícios.

A cidade afundou 10 polegadas (25 cm) ao longo do século passado – um ritmo muito mais rápido do que quando apenas gôndolas e barcos a remos cruzavam os canais. As vibrações causadas pelos vaporetti (autocarros aquáticos) e outras lanchas atacam as fundações da cidade. As indústrias na área ao redor de Veneza estão lentamente drenando a água subterrânea, contribuindo assim para a formação de depressões.

As emanações de gás, acrescentadas à umidade e ao próprio ar salgado estão lentamente comendo no mármore e pedras dos edifícios e o bronze dos monumentos. Para combater esta deterioração constante, no final de 2001, o chamado Projeto Moisés foi iniciado. Este plano foi concebido para proteger a cidade com comportas móveis nas entradas da lagoa de Veneza, e depois de cuidadosa consideração, ele finalmente recebeu a “luz verde” do governo Italiano em 2003. Ele deve ser concluído até 2012.

Florença

Florença, berço do Renascimento na Itália, também a contragosto teve seu destino alterado pela água, não por mar, no entanto, mas pelo Rio Arno, que corta a cidade em duas partes desiguais.

Na noite de 4 Novembro de 1966, enquanto todos dormiam, o rio rompeu suas margens, inundando completamente a parte da cidade que é a mais rica em história e arte, e cobrindo tudo com uma espessa camada de água, lama e óleo. Em vários lugares do centro, o nível da água esteve sobre 30 pés (9 metros).

Monumentos, obras de arte, obras-primas únicas e insubstituíveis, igrejas, lojas elegantes, museus, e bibliotecas cheias de manuscritos e textos de valor inestimável foram inundados e contaminados.

Depois de alguns dias, quando as águas finalmente baixaram, foi possível avaliar os danos sofridos pela cidade. Chamada de Atenas ou a Cidadela da cultura Italiana, Florença tem sido ao longo da história o lar de muitos dos maiores artistas, poetas, cientistas e arquitetos de todos os tempos. A lista se estende de Dante Alighieri a Michelangelo a Galileu, e muitas das suas obras foram danificadas – algumas quase além do reparo.

Nos dias do dilúvio, Florença recebeu a prova tocante de que o seu lugar na história da arte e idéias era reconhecido em todo o mundo. Estudantes e trabalhadores, especialistas e leigos, pessoas pobres e pessoas ricas trabalharam ombro a ombro. Eles conseguiram resgatar da suja lama muitos documentos preciosos, grandes obras de arte. A Biblioteca Nacional de Florença está em débito com eles por salvarem muitos de seus 4.000.000 de volumes.

Hoje, Florença recuperou sua aparência anterior. Muitos dos estragos mais visíveis do dilúvio têm sido reparados. Resta apenas uma linha escura nas paredes de muitos edifícios. E em muitas ruas do centro há uma pequena placa com uma linha azul ondulada e a inscrição simples, “Aqui, o Arno, 4 de Novembro de 1966,” para marcar o nível atingido pelas águas naquela noite terrível.

Florença parece estar crescendo para fora em anéis de rodovias e para cima em blocos de prédios de apartamentos. O coração da velha cidade, no entanto, manteve-se inalterado durante séculos. Ruas estreitas estão repletas de carros, criando um novo problema para todos os que querem salvar os tesouros da cidade do gás e da poluição sonora.

No entanto, a cidade continua imbatível em arte e na arquitetura. No espaço de uns poucos blocos estão algumas das maiores obras-primas do mundo. O horizonte é dominado pela torre do Palazzo della Signoria (Câmara Municipal), a graciosa cúpula de Brunelleschi para a Catedral de Santa Maria del Fiore, e o campanário de Giotto. As portas de Ghiberti para o batistério próximo são obras de arte. A Igreja de Santa Croce é conhecida por suas obras de Giotto, Andrea del Castagna, Luca della Robbia, e Donatello, bem como obras de muitos outros pintores e escultores.

A Igreja de San Lorenzo, o local de sepultamento dos Medicis, que governaram a cidade-Estado de Florença do século 14 ao século 16, é famosa por suas esculturas de Michelangelo. Os Florentinos e muitos visitantes da cidade estão constantemente descobrindo novos tesouros em sua cidade e em seus distintos museus, o Bargello, o Pitti, o Uffizi, e muitos outros.

Economia

O desenvolvimento industrial moderno não ocorreu na Itália até o início do século 20, cerca de um século mais tarde que em outras partes da Europa Ocidental.

Este atraso foi devido a três fatores principais: a falta de matérias-primas industriais, especialmente carvão; a sobrevivência no século 19 das antigas estruturas sociais feudais, em que a terra era detida por alguns indivíduos e instituições; e a fragmentação política, o que dificultou o desenvolvimento de um mercado nacional único.

A industrialização inicial foi concentrada principalmente no noroeste, enquanto o resto da Itália manteve-se basicamente agrícola. O rápido crescimento economico após a Segunda Guerra Mundial transformou a Itália em um estado industrial que em 2010 ocupava o 11º lugar no mundo em termos de produto interno bruto (PIB). (O PIB é o valor de mercado total de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano).

A Itália foi um dos membros fundadores da Comunidade Economica Europeia, que mais tarde se tornou a Comunidade Europeia e, mais tarde ainda, a União Europeia. Ela também é membro da União Monetária Europeia e adotou o euro como sua moeda, substituindo a lira.

No entanto, a Itália continua a ser basicamente dividida em um norte industrial desenvolvido e um sul agrícola menos desenvolvido. Na década de 1950 o governo estabeleceu a sua Cassa per il Mezzogiorno (“Fundo para o Desenvolvimento do Sul da Italia”), um plano de longo prazo para o desenvolvimento do sul da Itália.

Ele incentivou as indústrias a se mudarem para lá, oferecendo-lhes impostos mais baixos e empréstimos. Isso funcionou até certo ponto, mas muitas pessoas do sul ainda se moveram para o norte procurado emprego seja na Itália ou em outros países da UE. E os subsídios serviram para aumentar a dependência do sul no apoio do governo.

Os governos pós-guerra da Itália acreditavam fortemente no planejamento econômico. Da era Fascista eles herdaram um órgão chamado Istituto per la Ricostruzione Industriale (Instituto para a Reconstrução Industrial, IRI), um sistema de empresas de propriedade do estado que passaram a controlar um grande número de indústrias diferentes.

Elas nacionalizaram indústrias adicionais, tais como de energia, e criaram um Conselho de Planejamento Econômico Nacional para dirigir o desenvolvimento economico. Após o boom economico do pós-guerra desacelerar nos anos 1970s e 1980s, o tamanho do setor público, com todas as suas ineficiências, passou a ser visto como um freio na economia.

A privatização das indústrias públicas começou assim que a Itália poderia reduzir sua grande dívida pública. O IRI, por exemplo, foi dissolvido em 2000. O processo foi lento, no entanto, e a estagnação econômica persisitiu através da primeira década do século 21.

Serviços

Os serviços são agora o maior setor da economia Italiana. Eles incluem áreas como a administração pública, saúde e educação, serviços bancários e outros serviços financeiros, transporte, comércio atacadista e varejista, e imobiliário. Acima de tudo, na Itália, eles incluem o turismo, que é um componente importante da economia. Ao todo, os serviços na Itália empregam mais de 65 por cento da força de trabalho e contribuem com cerca de 75% do PIB.

Indústria

O setor industrial da Itália emprega cerca de 30 por cento da força de trabalho. Ele contribui com quase 30 por cento do PIB. A mais antiga indústria da Itália é a fabricação de têxteis. A seda é cultivada nas regiões da Lombardia, Piemonte e Friuli-Venezia Giulia. Fábricas de lã e algodão são encontrados no Vale do Pó.

Uma proeminencia da produção têxtil da Itália é a sua emergência como um exportador líder de roupas. Os ternos, vestidos, bolsas, chapéus, sapatos e outros acessórios Italianos são vendidos em todo o mundo.

Além dos têxteis e vestuário, a Itália fabrica uma grande variedade de produtos, incluindo máquinas de precisão, veículos automotivos, produtos químicos, produtos farmacêuticos e produtos elétricos. O gigante de autos Fiat não só exporta para todo o mundo, mas tem subsidiárias em todo o mundo; outras empresas de auto Italianas se especializam em veículos de luxo. Armas de fogo e aeronaves militares estão entre outros produtos notáveis. O processamento de alimentos é uma outra grande indústria.

O trabalho organizado, uma vez extremamente poderoso, perdeu muito de sua força quando a nação passou de uma economia industrial para uma economia mais centrada em serviços. Há três principais confederações de sindicatos.

Formados imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, eles originalmente tinham estreitas associações com os partidos políticos. A CGIL (Confederação Geral Italiana do Trabalho) era Comunista; a UIL (União Italiana do Trabalho) era filiada ao Partido Socialista; e a CISL (Confederação Italiana de Trabalhadores Organizados) era associada com o agora dissolvido, mas há muito dominante Partido Democrata Cristão.

Agricultura

No final da Segunda Guerra Mundial quase a metade da força de trabalho da Itália trabalhava na agricultura. Pela primeira década do século 21, apenas cerca de 4 por cento da população ativa trabalhava na agricultura, o que contribuiu com menos de 2 por cento do PIB.

O sul é a única parte da Itália que ainda é essencialmente dedicada à agricultura. Mas a agricultura no desgastado solo rochoso é difícil e não muito produtiva. A legislação nos anos pós-Segunda Guerra em grande parte eliminou o antigo sistema de vastos latifúndios pertencentes a proprietários ausentes.

As fazendas mais prósperas estão no Vale do Pó e nos vales do centro da Itália. No centro da Itália, o antigo sistema de parceria (mezzadria) deu lugar a fazendas de propriedade privada ou alugadas. Frutas, legumes, uvas para vinho, batata, beterraba, soja, grãos, e azeitonas estão entre os produtos mais importantes. Embora a Italia exporta frutas e legumes, ela deve importar o trigo duro usado para fazer espaguete, macarrão e outras massas alimentícias.

Energia

A Itália tem muito limitadas fontes de energia doméstica. É, portanto, fortemente dependente de importações de petróleo da Rússia, Líbia e Oriente Médio e de gás natural daqueles países, bem como da Argélia.

O gás natural é a maior fonte de combustível único para geração de eletricidade. Para reduzir a dependência do país às importações, em 2008 o governo reverteu uma decisão tomada no final dos 1980s para eliminar progressivamente todas as usinas nucleares.

Ele anunciou um plano para construir de 8-10 novos reatores que podem suprir 25 por cento da eletricidade da Itália por 2030. O governo também patrocinou projetos para desenvolver as energias solar e eólica, bem como os biocombustíveis. A Itália já é um dos principais produtores de energia geotérmica.

A principal empresa de petróleo e gás da Italia é a Eni, uma agência estatal que foi em grande parte privatizada na década de 1990. Ela tem extensas operações de perfuração e de refino de petróleo em todo o mundo e controla a produção e a distribuição de petróleo e gás natural dentro da Itália. A geração de eletricidade e a rede de energia são em grande parte o domínio da Enel, outro ex-monopólio estatal que foi parcialmente privatizado.

Comércio

Os parceiros comerciais mais próximos da Itália são os outros países da UE, bem como a Rússia. Os produtos industriais, vestuário e têxteis, e os generos alimentícios são suas principais exportações. Combustíveis e outras matérias-primas, carne e grãos são as grandes importações.

Transporte

As ferrovias da Itália são de propriedade estatal. O sistema ferroviário, que começou com uma trilha de 5-milhas (8 km) que liga Nápoles e Portici, é agora uma rede moderna abrangendo cerca de 12.200 milhas (19.700 km) e é na maior parte eletrificado. O desenvolvimento de uma rede de trens de alta velocidade (TAV) começou na década de 1990. Os principais segmentos dela estão agora em operação.

Na Itália, uma rede de autostrade – “auto-estradas”, tem sido construída desde a Segunda Guerra Mundial. Considerada um dos melhores sistemas de auto-estrada do mundo, esta rede tem ajudado a quebrar as antigas diferenças regionais e tem literalmente pavimentado o caminho para o crescimento econômico em todo o país.

A rede de auto-estrada Italiana eventualmente será ligada à Sicília por uma ponte sobre o Estreito de Messina. A Alitalia é a maior companhia aérea do país. A companhia aérea nacional anterior, que tinha o mesmo nome, interrompeu as operações em 2009. Sua substituição é uma empresa privada.

Comunicações

A radiodifusão Italiana é dominada por dois gigantes da mídia: a RAI estatal, que opera muitas estações de televisão e de rádio; e a Mediaset, que é a empresa de mídia de propriedade do ex-primeiro-ministro do país, Silvio Berlusconi.

Entre os jornais diários mais influentes do país (e aqueles com as maiores circulações) estão o Corriere della Sera baseado em Milão, o La Repubblica baseado em Roma, e o La Stampa baseado em Turim.

Governo

Do tempo de sua unificação até 1946, a Itália foi oficialmente uma monarquia. No entanto, de 1922 até 1943, a ditadura Fascista de Benito Mussolini deteve todo o poder real, e o rei governava apenas no nome. Em Junho de 1946, o povo Italiano decidiu fazer de seu governo uma república.

De acordo com a Constituição que entrou em vigor em Janeiro de 1948, a Itália é “uma república democrática fundada no trabalho”. O Parlamento da Itália é formado por duas casas, a Câmara dos Deputados (630 membros) e o Senado (326 membros, 315 deles eleitos). Todos os membros do Parlamento são eleitos para mandatos de cinco anos por sufrágio universal com base na representação proporcional (ou seja, cada partido recebe assentos na proporção de sua votação popular). Os membros especiais adicionais do Senado incluem ex-presidentes e outros que podem ser nomeados pelo presidente por mérito especial em campos como ciência, as artes, e economia.

O presidente da República Italiana é escolhido para um mandato de sete-anos por uma maioria de dois-terços do Parlamento. O presidente nomeia o primeiro-ministro, que por sua vez, seleciona os chefes dos vários ministérios. Este governo deve, então, ganhar a aprovação de ambas as casas do Parlamento.

O tribunal constitucional tem o poder de passar a constitucionalidade de toda a legislação proposta.

A Itália tem um grande número de partidos políticos, que constantemente se dividem, mesclam, reformam, e renomeiam-se.

Para a maior parte da segunda metade do século 20 a Itália teve três principais partidos políticos: o Partido Democrata Cristão (rebatizado de Partido Popular), o Partido Comunista (rebatizado de Partido Democrático da Esquerda, ou PDS), e o Partido Socialista. Todos perderam o apoio no início dos 1990s, em parte como resultado de escândalos de corrupção.

As eleições de 1994 levaram ao poder uma nova coalizão de centro-direita.

Ela era composta de três partidos: a Forza Italia, a Liga do Norte regionalmente baseada, e a Aliança Nacional.

Por 2010, seis partidos estavam representados no Parlamento. Os mais importantes eram o Povo da Liberdade, fundado oficialmente em 2009 com a fusão da Forza Italia e da Aliança Nacional; a Liga do Norte, o Futuro e Liberdade, um grupo de centro-direita; e o Partido Democrata, uma fusão de vários grupos esquerdistas e centristas formados em 2007.

A Constituição prevê a utilização da iniciativa e do referendo. Desde os 1970s, essas ferramentas de legislar têm sido usadas com freqüência. Por exemplo, elas têm defendido medidas controversas tais como a legalização do divórcio e o aborto em certas circunstâncias. Um referendo em 1987 sobre questões da energia nuclear provocou a decisão do governo (uma vez revertida) para eliminar progressivamente a energia nuclear de geração de energia.

A Constituição de 1947 autorizou a criação e eleição de 20 governos regionais, revertendo assim o sistema altamente centralizado de administração que tinha sido emprestado da França em 1861. Inicialmente, no entanto, tais governos foram realmente configurados para apenas cinco regiões de “status especiais” (Sicília, Sardenha, Trentino-Alto Adige, Val d’Aosta, e Friuli-Venezia Giulia). Não até 1970 a legislação fez por implementar os restantes 15 governos regionais.

Há também 94 governos provinciais, cada um com seu próprio parlamento e executivo. As unidades mais importantes do governo local são as comunas, dirigidas por prefeitos e conselhos. Elas dependem pesadamente de dotações do governo central.

História

Pouco se sabe sobre a história inicial e o estabelecimento na Itália. Sabe-se definitivamente, no entanto, que as invasões fizeram parte da história da Itália desde o início. Colônias Gregas provavelmente foram estabelecidas na Sicília e no sul da Itália no século 8 aC.

Sabe-se também que um povo notável chamado os Etruscos estavam vivendo no centro da Itália por cerca de 800. Essas pessoas misteriosas, cuja linguagem foi apenas parcialmente decifrada, tinham uma cultura altamente desenvolvida. Eles podem ter introduzido a uva do vinho, o azeite, e a carroça para a Itália.

Sua habilidade em trabalhar metais, como ferro, bronze, e ouro forneceram a base do seu comércio. O nome Grego para os Etruscos, Tyrrhenoi, permanece em nome do Mar Tirreno fora da costa oeste da Itália e em nome de sua principal região, a Toscana.

Os Gauleses do norte e os Romanos do sul conquistaram os Etruscos, cujo último reduto importante caiu em 396. Foi a ameaça de novas invasões Gaulesas do norte que trouxe a península sob o domínio Romano. A partir desta base o poder Romano cresceu até que incluía a maior parte da Europa e partes do Oriente Próximo.

Os cerca de 1.000 anos de domínio Romano fizeram da Itália o centro do mundo conhecido, e muito tempo depois que o Império Romano caiu para os invasores bárbaros em 476, o ideal Romano de uma Europa unida por uma lei e uma língua – o Latim -sobreviveu, principalmente através da Igreja Católica Romana.

A Idade das Trevas

Durante os séculos 5 e 6 os papas Católicos Romanos tentaram prover liderança política e espiritual para o povo da península. Foi principalmente através de seus esforços que os Lombardos, uma tribo Germânica que havia tomado a maior parte do norte e o centro da Itália, foram mantidos fora de Roma.

A derrota final dos Lombardos veio com a ajuda dos Francos, liderados por Pepino e depois pelo seu filho Carlos Magno. Como recompensa por seus serviços, e para estender a autoridade da Igreja, o Papa Leão III coroou Carlos Magno como o primeiro imperador dos Romanos no dia de Natal, do ano 800.

Após a morte de Carlos Magno, o reino que ele havia construído foi dividido e subdividido. O único poder contínuo permaneceu nas mãos dos papas. A própria Itália foi cortada em mil unidades fragmentadas que foram mal governadas, e os invasores a atingiram por todos os lados.

Embora a península parecesse ingovernável, vários nobres tomaram o título de Rei da Itália. O último a fazê-lo durante muitos séculos foi Berengário II, Marquês de Ivrea no Piemonte. Quando Berengário não conseguiu unir as pessoas por trás dele, ele cedeu “o reino” para Otto I da Alemanha. Em 962, Otto, como Carlos Magno antes dele, foi coroado imperador. Seu vasto domínio, o Sacro Império Romano, sobreviveu de uma forma ou de outra, com um ou outro rei Alemão ou Habsburg no trono, até o início do século 19.

Na atualidade, o império era impossível de governar de forma eficiente naqueles dias de más estradas e comunicações primitivas. Poucos dos imperadores tiveram tempo para governar seus domínios Alemães e a terra através dos Alpes também. O resultado foi que a Itália fazia parte do império apenas no nome e desenvolveu-se de forma totalmente independente.

Quão ineficaz o império era em unificar os Italianos logo ficou claro. As cidades fortificadas do norte, o domínio dos papas, e o reino separado das Duas Sicílias no sul cada uma representava o que equivalia a um país distinto. As cidades estavam se movendo em direção à independência.

O papado se esforçou para manter o seu poder. E o sul, nas mãos dos senhores Francês e Espanhol, lentamente afundou sob o peso de uma estrita regra feudal que fez a maioria dos camponeses pobres e apenas alguns proprietários ricos.

O Crescimento da Cidade-Estados

Ao longo dos séculos 12 e 13, o norte cresceu cada vez mais próspero como resultado do aumento do comércio que começou com as Cruzadas. Cidades como Veneza, Florença, Gênova, Pisa, e Milão cresceram em poderosas cidades-estados independentes. O comércio com as cidades do norte da Europa e do Oriente por sua vez estimulou o crescimento de setores como a indústria têxtil, o processamento de metais, e a construção naval e, eventualmente, o crescimento dos bancos.

Os novos ricos emprestavam dinheiro a enormes taxas de juros e tornaram-se não só mais ricos, mas mais poderosos, como a família de banqueiros Medici de Florença provaram tornando-se os governantes da cidade, entre os séculos 14 e 18.

Por volta do século 14, as pessoas ricas das cidades-estados tinham mais dinheiro e mais lazer. Um renascimento do interesse pela literatura clássica Grega e Romana, a arte e idéias estimulou um período de crescimento artístico e científico sem precedentes na Itália. Este período, que em Italiano foi chamado de rinascimento – “renascimento” – fez da Itália o centro da cultura Europeia entre os séculos 14 e 16. Na literatura o Renascimento iniciou-se com A Divina Comédia de Dante no início do século 14.

O poeta Francesco Petrarca, o contador de histórias Giovanni Boccaccio, e o comentarista político Niccolò Machiavelli são provavelmente os mais conhecidos de seus sucessores. Na arte o período abriu com as pinturas de Giotto e a escultura de Nicola Pisano e alcançou sua maior altura nas obras de Sandro Botticelli, Paolo Uccello, Fra Angelico, Masaccio, Leonardo da Vinci, Rafael e Michelangelo.

Governantes estrangeiros

A magnificência das cidades renascentistas e as artes que elas promoveram não foram acompanhadas por acontecimentos políticos. A unidade era tão remota como sempre. As poderosas cidades envolveram-se em guerras mesquinhas pela supremacia. Dentro das cidades, dois partidos políticos disputavam o poder.

Eles eram os Guelfos – os partidários do Papa e os Gibelinos – partidários do partido do imperador. Essa luta constante finalmente enfraqueceu as cidades e as fez presa fácil para a conquista estrangeira.

Ao longo da primeira metade do século 16, a Itália foi um peão no jogo de xadrez político jogado para determinar se a Espanha, França ou Áustria governariam a península. Pelo fim das guerras Italianas em 1559, a Espanha havia vencido. Mas quando o poder Espanhol declinou durante o século 18, a Áustria assumiu o governo da maioria da Itália.

A Itália estava na vanguarda no desenvolvimento da música de ópera e da ornada arquitetura barroca dos séculos 16 e 17. Galileo, o grande astrônomo e físico, ganhou fama internacional em face da Inquisição papal, que o denunciou por argumentar que o sol é o órgão central em torno do qual a Terra e outros planetas giram.

No século 18, intelectuais de várias partes da Itália eram conspícuos no Iluminismo, um movimento que procurou trazer reformas legais racionais e econômicas por déspotas esclarecidos. Cesare Beccaria de Milão, um defensor da punição mais humana para os criminosos, foi talvez o escritor Italiano mais influente deste período.

A Revolução Francesa de 1789 teve um profundo efeito sobre os Italianos. O estabelecimento da república Francesa os sensibilizou para a necessidade da unidade nacional entre o povo Italiano. Quando Napoleão Bonaparte levou seus exércitos para a Itália em 1796, ele foi recebido como um libertador.

Embora o governo Francês foi muitas vezes rigoroso e implacável, as reformas foram feitas, e tiveram um importante efeito na história Italiana. Repúblicas foram fundadas com constituições e assembléias representativas. Pela primeira vez desde a queda de Roma, os Italianos viram que eles poderiam viver juntos como uma nação.

A derrota de Napoleão em Waterloo em 1815 parecia a princípio voltar no tempo. No Congresso de Viena no mesmo ano as potências Européias se reuniram para determinar os detalhes do acordo de paz. O Príncipe Metternich da Austria desdenhosamente descartou a Itália como “uma expressão geográfica”. No sul os reis Bourbon de origem Francesa, que tinham se estabelecido em Nápoles desde 1735, se tornaram os governantes de Nápoles e da Sicília. Os Estados Pontifícios foram restaurados para os papas. A Lombardia, Veneto, e alguns Estados menores foram devolvidos para a Áustria. À Casa de Sabóia foi dado o governo do Piemonte, Sardenha, e Sabóia como o reino da Sardenha.

Mas o movimento pela unidade nacional não morreu. O Risorgimento (“ressurgimento”), como o movimento de unificação foi chamado, foi dividido em três grupos. Os radicais, sob Giuseppe Mazzini, esperavam estabelecer uma república Italiana. Os Católicos conservadores queriam unificar o país sob os papas.

Os moderados se uniram por trás da Casa de Sabóia. Embora os Austríacos tentassem suprimir esses movimentos, já era tarde demais. Mesmo os frequentadores de ópera expressavam os seus sentimentos gritando “Viva Verdi”, o que não só homenageava o patriótico compositor, mas também significava “Longa vida a Vittorio Emanuele, Rei da Italia”.

Vittorio Emanuele II, Rei da Sardenha, se tornou o rei da Itália, em grande parte como resultado dos esforços de seu primeiro-ministro Conde Camillo Cavour.

Cavour procurou fazer com que a Constituição fosse mais liberal, aumentou os impostos, e fortaleceu o exército. Ele ganhou um lugar para seu reino como uma potência Europeia enviando tropas para lutar ao lado da Grã-Bretanha e da França na Guerra da Criméia de 1854.

Em 1858, Cavour fez um acordo com Napoleão III de França pelo qual a França iria fornecer tropas para ajudar os Italianos a expulsar os Austríacos fora da Itália. Em troca, a Sardenha cederia Nice e Sabóia para a França.

Quando a Áustria declarou guerra em 1859, as forças Italianas e Francesas tiveram vitórias em Magenta e em Solferino. O poder da Áustria na Itália foi quebrado. Em 1860 todo o norte da Itália, exceto Veneto, tornou-se parte do reino da Sardenha.

No mesmo ano, Giuseppe Garibaldi desembarcou na Sicília e derrotou o exército do reino de Nápoles, cruzou para o continente, e tomou Nápoles. Com a exceção de Roma e Veneto, toda a Itália foi unida. Em 1861, Vittorio Emanuele foi declarado Rei da Itália.

O Reino da Itália: 1861-1922

Os últimos passos da unificação foram concluídos quando Veneto foi anexada em 1866 e os Estados Pontifícios, em 1870. Em Julho de 1871, Roma se tornou a capital oficial do reino. O Papa se retirou para o Vaticano, a pequena parte de Roma que inclui a Igreja de São Pedro. Não foi até 1929 que a Cidade do Vaticano foi reconhecida como independente.

A formação do reino não resolveu os antigos problemas da Italia: a falta de recursos industriais básicos como o ferro e o carvão, uma população muito grande para o país suportar, e o peso de anos de ocupação estrangeira, deixando pouca experiência de auto-governo. No entanto, o novo governo trabalhou rapidamente para tornar a Itália uma potência do século 19. Ferrovias foram construídas, uma frota mercante foi logo à vela, e a economia era sólida.

Milhares de emigrantes deixaram o país para se estabelecerem em outras terras, reduzindo assim o problema da superpopulação.

Mas o governo Italiano queria mais: queria que a nação fosse como as outras grandes potências, o que significava ter colônias na África. Esperando ao mesmo tempo resolver seus problemas de superpopulação restantes, a Itália decidiu expandir para a Eritreia e a Somália, um movimento que esvaziou-a de dinheiro e de pessoal. As forças Italianas sofreram uma séria derrota em Aduwa em 1896. Na própria Itália os anos finais do século foram marcados por instabilidade dos trabalhadores.

O novo século começou ameaçadoramente com o assassinato do Rei Umberto. Ele foi sucedido por seu filho Vittorio Emanuele III, e um grau de estabilidade foi adquirido sob a liderança política de Giovanni Giolitti, que ajudou a desenvolver os partidos democráticos e os processos na Itália.

Em 1911, no entanto, a Itália entrou em guerra com a Turquia para ganhar Tripoli no Norte da África. Isso às vezes é considerado o primeiro passo em direção à Guerra dos Balcãs, que levou à ainda mais terrível Primeira Guerra Mundial de 1914-18.

A Itália entrou na Primeira Guerra Mundial do lado dos Franceses e Britânicos em 1915, quando lhe foram prometidos certos territórios Austríacos no norte e nordeste. Depois de sofrer um pesado revés em 1917, os Italianos ganharam uma vitória decisiva em Vittorio Veneto, em 1918, o que levou à rendição da Áustria-Hungria.

O Regime Fascista: 1922-1943

Nas eleições parlamentares de 1919 o Partido Socialista se tornou a maior força política, enquanto os Católicos (recém-organizados no Partido Popular) surgiram como o segundo maior grupo. Os Liberais, que haviam dominado a política, estavam agora em declínio acentuado.

Também houve turbulência econômica. Sindicatos militantes chamaram inúmeras greves nas cidades industriais. Nas áreas rurais do Vale do Pó também houve muita agitação entre os recém-organizados trabalhadores rurais, que esperavam a propriedade da terra. Ambos os latifundiários e os proprietários de fábricas se opuseram a qualquer concessão aos grevistas. Assim, a revolução parecia quase inevitável.

Neste ponto, foi relativamente fácil aceitar as promessas de Benito Mussolini, um ex-Socialista, que tinha organizado em 1919 um partido Fascista de veteranos de guerra e havia prometido destruir o “bolchevismo” e restaurar “a lei e a ordem”. Quando suas milícias de camisas-pretas começaram a marchar sobre Roma em Outubro de 1922, o tímido rei nomeou-o premier.

Sob Mussolini, todos os outros partidos e os sindicatos independentes foram dissolvidos. Muitos de seus líderes foram presos ou forçados ao exílio. O Parlamento foi reestruturado em um sistema corporativo Fascista que regulava tanto a indústria e o trabalho. A imprensa foi censurada e as escolas foram feitas instrumentos do ensino Fascista. Apesar dessa repressão, o teatral líder Fascista (II Duce) e sua ditadura foram apoiados com entusiasmo por muitos anos pela maioria dos Italianos.

Mussolini negociou acordos com o Papa em 1929 que reconheceram a independência da Cidade do Vaticano e fizeram o Catolicismo Romano a religião “oficial” do Estado Italiano. Em 1933, durante a depressão econômica mundial, Mussolini criou o Instituto para a Reconstrução Industrial (IRI), que forneceu ajuda financeira do Estado para os bancos e indústrias em perigo de falência.

Isto levou a um sistema de capitalismo de Estado na Itália, que abraçou cerca de 17% da economia e proveu empregos bem-remunerados para os membros do partido no poder. As outras realizações de Mussolini incluíram a drenagem de pântanos da malária e a construção de estradas, instalações portuárias, estádios e prédios do governo.

Mas o Fascismo levou à guerra. Nos assuntos internacionais Mussolini conquistou a Etiópia (1935-1936), retirou-se da Liga das Nações, aliou-se com a Alemanha de Hitler, interveio no lado do General Franco na Guerra Civil Espanhola (1936-39), e tomou a Albânia (1939).

Em Junho de 1940, Mussolini tardiamente se juntou à Alemanha de Hitler na Segunda Guerra Mundial. Em Outubro de 1940, a Itália invadiu a Grécia e em 1941 declarou guerra à União Soviética e aos Estados Unidos.

Por meados de 1943, a Itália Fascista tinha perdido seus territórios Africanos, sua economia estava em frangalhos, e seus exércitos estavam quase destruídos. Em Julho, as tropas Aliadas desembarcaram na Sicília e logo conquistaram a ilha. Isto levou à prisão de Mussolini pelo Rei Vittorio Emanuele e o Marechal do Exército Pietro Badoglio em 25 de Julho de 1943. A era Fascista havia acabado. Em Setembro, o novo governo assinou um armistício com os Aliados.

Para os próximos 20 meses, a Itália foi dividida em duas e dilacerada pela guerra civil. Os Aliados libertaram o sul da Itália e persuadiram o governo real a declarar guerra à Alemanha. Na metade norte da península, Hitler tomou o controle, resgatando Mussolini e estabelecendo-o como chefe de uma nova República Social Italiana.

Este regime fantoche foi fortemente combatido por anti-fascistas “Comitês de Libertação Nacional” e por uma rede subterrânea de guerrilheiros Italianos que, com os braços em pára-quedas pelos Aliados, ajudou a derrubar o inimigo. No final de Abril de 1945, quando as Forças Aliadas finalmente libertaram o norte, os partisans Italianos capturaram e executaram Mussolini.

A democracia pós-guerra

A devastada pela guerra Itália fez uma dramática recuperação econômica com a ajuda dos Estados Unidos. Pelo final da década de 1940 o país tinha arrumado suas finanças, reconstruído seu sistema de transporte e indústrias, lançado a reforma agrária, e estava pronto para iniciar a modernização do “milagre econômico” dos anos 1950s.

Embora a Itália tivesse ajudado a causa Aliada de 1943-1945, ela foi tratada como um país derrotado quando a conferência de paz se reuniu em Paris em 1947.

Ela perdeu todas as suas colônias ultramarinas, e teve que devolver o que era então a cidade de Fiume para a Yugoslavia e algumas das províncias Eslavo-povoadas do nordeste da Italia. A disputada cidade de Trieste na cabeça do Mar Adriático finalmente voltou para a Itália após anos de difíceis negociações.

A grande questão política foi o que fazer com a monarquia. O país votou a favor da adoção de uma forma republicana de governo. Os eleitores também elegeram uma Assembléia Constituinte para redigir uma nova constituição, que entrou em vigor em 1 de Janeiro de 1948.

Os governos pós-guerra da Itália foram dominados pelos Democratas Cristãos até 1992, quando uma campanha de combate à corrupção levou ao colapso do sistema político estabelecido. Desde então, os governos têm incluído ex-Comunistas, membros do Partido Verde, e até mesmo neofascistas. Em Maio de 2001, um novo período pode ter começado com a retumbante vitória eleitoral da Forza Italia de Silvio Berlusconi.

Os partidos da Itália têm estado profundamente comprometidos com a causa da integração econômica, militar e política Europeia. Assim, a Itália foi um membro fundador da Organização de Cooperação Economica Europeia que administrou a ajuda do Plano Marshall (1947-1951); um dos signatários originais da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) (1949); da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (1951 ); e da Comunidade Economica Europeia (Mercado Comum) em 1957. Esta última tem gradualmente ampliado, rebatizada de União Europeia (UE) e, em 2007, tinha 27 membros. A Itália tem colhido benefícios destas organizações, pois seus investimentos, trabalhadores e produtos agora se movem livremente dentro deste imenso bloco comercial.

Deslocamentos maciços de populações estavam entre os aspectos mais importantes da história Italiana do pós-guerra. O desejo dos Italianos do sul para melhorar seu padrão de vida levou nos 1950s à emigração de mais de 1 milhão de homens jovens e suas famílias. Números semelhantes saíram na década de 1960, na década de 1970, e na de 1980.

A maioria dos migrantes assentaram-se nas margens das grandes cidades industriais do norte da Itália, mas outros moveram-se através dos Alpes para buscar empregos no noroeste da Europa. Enquanto isso, a própria Itália se tornou um lugar de imigração de milhares de Muçulmanos do norte da África e do Oriente Médio.

Era Moderna

Os anos de 1968-69 marcaram o início de um período caótico e violento da história Italiana. A geração “baby-boom” pós-guerra atingiu a maturidade apenas para descobrir que as universidades superlotadas eram incapazes de acomodá-los adequadamente. A inquietação se espalhou rapidamente para os sindicatos, que em 1969 extraíram dos empregadores enormes aumentos salariais que seriam ligados ao aumento do custo de vida.

O governo Italiano procurou reduzir alguns dos conflitos por uma reestruturação e expansão das universidades, diminuindo a idade de voto para 18 anos, introduzindo reformas fiscais e criando os 20 governos regionais previstos na Constituição.

A pior crise ocorreu em 1978, quando os esquerdistas terroristas das Brigadas Vermelhas seqüestraram e assassinaram Aldo Moro, líder Democrata Cristão que servira várias vezes como primeiro-ministro. O governo de centro-esquerda redobrou seus esforços para suprimir as atividades terroristas. Ao final dos anos 1980s, muitos membros da Brigada Vermelha haviam sido presos.

Enquanto isso, em 1978, o governo respondeu ao crescente movimento de mulheres e legalizou o divórcio e o aborto em certas circunstâncias. O Vaticano concordou em 1984 em revisar a Concordata de Latrão de 1929 com o estado Italiano. Como resultado, o estado deixaria de fazer cumprir as leis eclesiásticas em questões sociais.

O clima político da Itália passou recentemente por mudanças radicais. No início dos 1990s, o público perdeu a confiança nos partidos de centro-esquerda, após acusações de corrupção. Em Março de 1994, uma coalizão de direita chamada de Aliança da Liberdade conquistou a maioria nas eleições legislativas e o magnata da TV Silvio Berlusconi foi empossado como primeiro-ministro.

Em Dezembro de 1994, ele foi forçado a renunciar devido a uma série de escândalos danosos, mas ele retornou ao poder em Maio de 2001, aliado com dois partidos de extrema-direita. Embora alguns críticos acusassem Berlusconi de estar minando a democracia Italiana, ele continuou a desfrutar de um amplo apoio.

Mas em Abril de 2006, seu partido foi derrotado por uma coligação de centro-esquerda liderada por Romano Prodi, que permaneceu chefe do governo por 20 meses. Depois de uma crise prolongada, ele renunciou em Janeiro de 2008 e Berlusconi tornou-se o primeiro-ministro pela terceira vez.

Em 1999, a Itália teve um papel fundamental quando ataques da OTAN contra o Kosovo e na antiga Iugoslávia foram lançados a partir de 11 bases Italianas.

Durante a “Operação Arco-íris” na Albânia, a Itália ajudou a lidar com o fluxo maciço de refugiados do Kosovo. Em 2003, a Itália apoiou a decisão dos EUA para depor Saddam Hussein, apesar de protestos populares generalizados. Pelo final de 2006, todas as tropas Italianas haviam retornado para casa do Iraque.

A Itália tem a terceira maior economia da Europa, mas o crescimento econômico tem sido impedido por um grande e ineficiente setor governamental, a corrupção política, e a influência do crime organizado. A administração de Berlusconi fez pouco para promover as reformas. A crise global e econômica de 2008-09 colocou pressão adicional sobre a economia. E o pior estava para vir, quando as ondas de problemas da dívida soberana da Europa atingiu as costas Italianas em 2011.

Pelo verão de 2011, a Itália tinha uma dívida pública equivalente a 120 por cento do PIB. Muito disto foi um legado do passado, mas com sua economia estagnada, os investidores internacionais começaram a se perguntar se ela poderia atingir o crescimento necessário para reduzir a dívida abaixo.

Como resultado, esses investidores começaram a exigir taxas de juros cada vez mais altas em seus empréstimos ao governo Italiano. Isso elevou drasticamente o custo do endividamento da Italia, aumentando a possibilidade de que o país poderia ficar em default com suas dívidas. Este padrão de eventos tornou-se conhecido no seio da UE. A Grécia (duas vezes), a Irlanda e Portugal tiveram cada um sido forçados a se aplicar à um pacote de socorro financeiro na União Europeia para evitar o calote em suas dívidas.

Mas o tamanho da economia da Itália tornava difícil imaginar como a UE poderia fazer o mesmo para a Itália. O fato de que a Espanha, outra grande economia, enfrentou uma crise da dívida semelhante fez o problema para a UE muito pior.

O governo da Itália colocou os cortes de gastos no lugar em 2010 e fê-lo novamente quando a crise financeira ganhou força no verão de 2011. O governo foi muito fraco, no entanto, para passar reformas econômicas politicamente impopulares. A fragilidade do governo só piorou o medo dos investidores. À medida que o ano avançava, os custos dos empréstimos da Itália subiram para recordes, agravando seus problemas da dívida e alarmando seus parceiros da UE.

Charles F. Delzell

Fonte: Internet Nations

Itália

ITÁLIA, EPICENTRO DA ARTE

Itália foi berço de impérios e de movimientos artísticos e filosóficos que têm transformado ao longo da história o modo de vida e de pensar do resto da Europa e do mundo. O Império Romano submeteu-se sob a insígnia do loureiro a numerosas culturas tão importantes como a grega ou a egípcia, desenvolvendo um estilo próprio, cujas mostras podem-se ver, por exemplo em Espanha, Cartago ou Bretanha.

E se é possível admirar aquelas pegadas em outros países, é, com maior razão, em seu território, onde encontram-se com maior profusão e em muito bom estado de conservação. A imaginação dispara-se e precisa somente de um mínimo de esforço, para transportar-se a outros tempos para escutar os gritos do público, durante os combates entre gladiadores na areia dos circos, os cristãos orando nas catacumbas, às sentenças pronunciade nos debates do Senado do antigo Império ou bem sentir, muito de perto, o grande barulho nos antigos Foruns.

O Renascimento supôs uma mudança essencial no pensamento do homem. De uma etapa de obscuridade, como foi a Idade Média, passa-se a uma época na que o homem descobre-se com outras proporções e medida e, aprende a ser o próprio motor do seu desenvolvimento.

Este movimento também nasce na Itália e as mostras artísticas daquele revolucionário tempo salientam, majestosas e imponentes, tanto nas cidades quanto em estações naturais de grande beleza.

A influência de culturas de outras regiões do mundo têm deixado também sua pegada no caráter dos italianos, um povo aberto e bem disposto com as pessoas vindas de outros países. São acolhedores, hospitaleiros e alegres. Também percebe-se um toque congênito de distinção e elegância em seus gestos, fruto do seu rico passado histórico.

Passeando na Itália tem-se a sensação de que a máquina do tempo foi detida, conseguindo o efeito de unir o passado e o presente com o único fim, de provocar os sonhos mais formosos.

Caminhar pelas cidades que parecem resgatadas dos contos de fadas, percorrer os românticos canais da Veneza em uma gôndola, escutando os sons de tristes canções de amor, contemplar as melhores obras realizada por Miguel Angelo e Rafael, imaginar e sentir as violentas erupções do Etna ou o clamor popular que produzia-se com o regresso vitorioso de Júlio César e, as impressionantes legiões romanas, tudo isto aparece ante o turista, que visita Itália.

Não há que esquecer que a península com forma de bota esconde uma magnífica obra de arte em qualquer ponto, na rua mais inóspita de uma grande cidade ou em um remoto povoado de difícil acesso. Tudo isso e muito mais não deixa ser estranho que a Arte tenha escolhido estas terras cheias de encanto para oferecermos seu melhor rosto. Convidamos-lhe à deixar-se cativar por ela.

História

DADOS HISTÓRICOS

Embora que a História da Itália identifica-se em seus inícios com a do Império Romano e parece que não existira nada antes, o certo é que os gregos e os etruscos no século VIII a.C. e os galos no século V já tinham formado colônias nas costas da península e de ilhas.

Previamente eles, os terramanara ao norte e os vilavonia no centro já tinham habitado o solo italiano, durante a pré-história. Se bem é certo que até a unificação do território pelos romanos no século III a.C. Itália não consegue entrar na História com peso específico.

O Império Romano

A cidade fundada pelos gêmeos que foram amamentados por uma loba, Rômulo e Remo foi extendendo seu território em base à guerras cruéis contra os invasores e também entre os membros de sua população. Nos finais do século III a.C. controlavam toda a península, incluindo Sicília. Desde ali començou a invasão dos países vizinhos caindo Macedonia, Grécia, a Gália, Cisalpina, Istria, Dalmácia, Cerdenha-Córcega, Hispania Citerior e Ulterior, África e Ásia.

Uma vez acabada a expansão, embora as guerras aconteçam durante todo o Império Romano, o domínio militar começou ver-se diminuido pela luta por conseguir direitos civis e uma economia mais estável, através de uma reforma agrária que acabaria com os grandes latifúndios.

A plebe e os cavalheiros, que procediam de famílias de mercadores e alugadores, uniam-se para fazer frente à aristocracia. Asim, no ano 104 a.C. conseguia-se uma reforma do exército na que os milicianos civis também podiam aceder à uma parte dos motins de guerra, aumentando assim o poder de classes mais baixas.

Posteriormente todos os habitantes da península foram considerados cidadães romanos e, mais tarde, os moradores da maioria dos territórios anexados ao Império seriam, também, considerados cidadãos romanos, de fato, vários imperadores procederam de colônias como é o caso do ibero Trajano.

Os anos seguintes são uma sequência de lutas entre aristocratas e plebeus, por manter o poder até o 59 a.C., ano que emerge definitivamente uma nova figura, que controlaria a política romana de maneira indiscutível, César. trazendo sua morte, através do assasinato por Brutus, no 44 a.C. novo período de incerteza torna abrir com as lutas entre os partidários da república e os do império, triunfando finalmente, o império sob as ordens de Otávio, conhecido como Augusto e famoso também, por ter acabado com Cleopátra e Marco Antonio. Augusto deu prioridade ao senado frente às outras magistraturas, enquanto potenciava as caraterísticas latinas-romanas.

O Fim do Império Romano

Ao morrer Augusto, os grandes tiranos de Roma fazem sua aparição como Tibério, o perverso Calígula, o tagarela Claudio, o louco Nero e com eles e seus descendentes, começando a desgeneração do Império e preparando-se sua queda. Aos poucos o cristianismo vai crescendo, sobre tudo no século III, quando começa ser levado em conta. É o momento de grandes persiguições.

A situação política vai de mal à pior, as invasões dos bárbaros obrigam dividir o império nomeando-se dois imperadores, um para controlar a zona ocidental e outro a oriental, e também nomeiam-se dois ajudantes dos imperadores com dignidade de césares. A situação era caótica. Foi Constantino quem conseguiria reunificar de novo o Império, graças em boa parte, a sua decisão de legalizar o cristianismo no 313 d.C. através do célebre “Edito de Milão”.

Com a morte deste imperador, a situação tanto exterior como interior, já muito deteriorada, produzem novas divisões de poder e, as invasões estrangeiras, que conseguem chegar no centro de Roma, acabam definitivamente com o Império Romano, no ano 476 d.C.

A queda do Império não supõe a finalização de guerras. Embora com o Sacro Império Romano formado por Carlomagno, em 1174 se consegue uma certa estabilidade na que a Igreja, já como estado, e o poder político convivem sem grandes diferenças, com a morte do imperador, tudo se dificulta e as lutas entre igreja e estado não findarão até 1122, com o Concordato de Worms.

O Renascimento

Com a queda do feudalismo criam-se as comunas italianas que supõem uma profunda reestruturação da economia, dando lugar ao aparecimento de uma nova classe social: a burguesia. Estes dois componentes conseguem que uma nova estrutura econômica e social se sustente no norte do país, enquanto que o sul permanece fiel às antigas estruturas. Em 1454, com o Renascimento e graças sua filosofia consegue-se um período de estabilidade ao assinar-se um pacto de não agressão entre os maiores, Veneza, Florença, os Estados Pontifícios e Nápoles.

Finalizado este período no que as artes, as letras e as Ciências tiveram um grande desenvolvimento, as guerras de novo atingem o território. Domínio de espanhóis primeiro e Áustriacos depois, conseguem que se produza um grande retrocesso em todos os campos, embora durante o século XVIII consegue-se vencer em zonas muito concretas como Nápoles e Milão.

O Ressurgimento

O período napoleônico permite a criação de novas repúblicas e o desaparicemento de outras como Veneza, assim como, os Estados Pontifícios. O ressurgimento de monarquias absolutas, durante o Antigo Regime, consegue que apareçam os primeiros movimentos independentistas que atuavam em segredo.

O Ressurgimento, com uma sólida base inteletual e boas estratégias como Garibaldi e Víctor Manuel, deram como fruto as revoluções nacionalistas de 1848, que embora não conseguiram seu objetivo, a independência, sentaram as bases e conseguiram os apoios internacionais necessários para que à partir de 1859, durante a Segunda Guerra da Independência, ficassem livres Sicília, Nápoles e algumas regiões aledanhas ou Piamonte, que através de um plebiscito decidiram unir-se criando o novo Reinado da Itália, completado com a adesão de Roma, em 1870.

Depois da II Guerra Mundial

Com o governo de Giolitti começa o decolar do país já que este liberal progressista impulsionou enormemente a agricultura, a indústria, além de aprovar a Lei do Sufrágio Universal. Com sua união à Triple Entente em 1915 e a derrota dos austríacos, consegue recuperar o Trentino, o Alto Adígio, Trieste, Istria e Zara.

A ditadura de Mussolini, 1922-1945, além, de melhorar as obras públicas do país, não serviu nada mais, que para a Itália entrar na Segunda Guerra Mundial do lado perdedor. não há que esquecer o destacado labor realizado pelos partisanos, que estavam contra o facismo e conseguiram que nascesse a República italiana, sob o governo de Gasperi.

Itália passou ser européia de pleno direito com sua entrada na CEE e a Aliança Atlântica. Os diferentes governos que tem tido até agora passaram por momentos piores, como por exemplo durante o sequestro de Aldo Moro, em 1978, ou melhores, como durante o governo de Sandro Pertini. Escandalos, relações dos governantes com os dirigentes da máfia, juizes assassinados, etc., contribuíram à instabilidade política atual da Itália. Porém, o senso democrático firmemente assentado neste povo, vai encontrando saída a todos os problemas, conseguindo que continue com passo firme em seu caminho à convergência européia.

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Para os cidadãos da União Européia, em viagem de turismo, só é necessário apresentar o Documento Nacional de Identidade (DNI) ou Passaporte em vigor para entrar na Itália. Se pretende-se permanecer mais tempo, é necessário solicitar uma permissão especial ao Consulado da Itália, de cada país. Se procede de outro ponto do mundo deve ter o passaporte em vigor e alguns deles precisará de visto, pelo que convém informar-se nos centros oficiais correspondentes.

Os visitantes da União Européia não tem problemas para importar os presentes e artigos que tenham comprado, sempre que não se pretenda comercializá-los. Não há limite para nenhum produto na hora de passar pela alfândega. Os não residentes da União poderão passar pela alfândega 500 cigarros, 100 charutos ou 500 gr. de tabaco para cachimbo, um litro de bebida alcoólica, dois litros de vino.

CLIMA

As temperaturas são muito parecida às de Espanha. Quanto mais para o norte mais frio sendo especialmente baixas as temperaturas nos Alpes. No sul as temperaturas são mais estáveis, devido à aproximidade do mar, enquanto que no centro do país os invernos são suaves e os verões muito mais quentes, com temperaturas altas. A maioria dos europeus não terão problemas na hora de adaptar-se ao clima italiano. Se viaja no inverno à zona alpina, é preciso abrigar-se muito bem.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Para viajar na Itália é necessário levar roupa de algodão e, sobre tudo, um calçado muito cômodo, já que para se ver todas as maravilhas deste país é preciso caminhar muito. Como sempre, é necessário não esquecer capa de chuva, pois pode aparecer alguma imprevista nuvem preta que finalizará em tormenta. Se viaja no inverno à zona dos Alpes, são necessárias botas de neve, cachecol, luvas e ir bem abrigado; no resto do país, uma roupa de abrigo será suficiente.

IDIOMA

O idioma oficial é o italiano, embora em determinadas zonas falem dialetos, como o piamontés, venezano, lombardo, toscano, Sicíliano ou o sardo, mais complicado e próprio de Cerdenha.

RELIGIÃO

O país que acolhe o Estado Pontificio não podia deixar de ser católico, e é em uma porcentagem alta, de 99,5 %, quer dizer, só meio italiano de cada cem, não professa esta religião.

ELETRICIDADE

A corrente elétrica é de 220 volts a 60 Mhz. Tomada tipo Europa continental.

MOEDA E CÂMBIO

No dia 1 de Janeiro do ano 2002, o Euro converteu-se na moeda de curso oficial e comunitária de doze Países da Europa: Espanha, Alemanha, Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal. As notas são iguais para os doze Países e distinguem-se entre si pela sua cor e tamanho.

Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

Estas notas têm incorporados elementos de segurança avançados, os quais permitem, fácilmente, comprovar a sua veracidade, como uma marca de água, um holograma, uma linha de segurança, tinta de cor variável, impressão em relevo e uma banda iridescente que brilha e muda ligeiramente de cor sob uma luz intensa.

Além disso, puseram-se em circulação oito moedas que têm uma face comúm e uma face nacional, desenhada por cada País. Todas as moedas se consideram válidas nos doze Países da zona do euro. Há moedas de 2 euros,  1 euro, de 50 cêntimos,  20 cêntimos,  10 cêntimos, 5 cêntimos, 2 cêntimos e 1 cêntimo. Cada uma delas com um diâmetro, peso, cor, composição e espessura diferente para uma mais fácil identificação.

Não existe nenhum problema para realizar trocas. Os bancos abrem das 8.00 às 13:30 h. e das 14:30 as 16: 00 h. de segunda-feira à sexta-feira. Se precisar trocar fora desse horário, ou nos finais da semana, pode fazer-se em hotéis, estações do trem, aeroportos e escritórios de câmbio. Não existe nenhuma restrição à hora de introduzir moeda no país, pelo que não costuma-se ter nenhum problema com a quantidade à trocar, já que é livre.

CORREIOS E TELEFONIA

Os escritórios de Correios e Telégrafos italianos funcionam bastante bem. Costumam permanecer abertos todos os dias, exceto domingo, das 8.30 às 14.00 h.

Nas principais cidades é possível que abram pelas tardes, os sábado encurtam o horário das 8.00 às 11.45 h. Se pode enviar um telegrama por telefone marcando 186. Os selos também pode-se adquirir nas lojas de cigarros, em cujo rótulo figura Tabaccaio, que se identificam com uma letra de cor branca em fundo preto.

As cabinas de telefones costumam estar situadas por todo canto, na rua, nos edifícios públicos e nos restaurantes ou cafés. Funcionam com moedas ou com cartões que vendem-se nas tabacarias, estações de ferrocarril, de ônibus e em aeroportos.

FOTOGRAFIA

Não existe nenhum problema para adquirir filmes de fotos de qualquer modalidade. Os preços, quanto ao material e equipamento, são muito similares aos de outros países da Europa.

HORÁRIO COMERCIAL

Embora variam ligeiramente, dependendo da zona em que se encontre, as lojas costumam abrir das 8.30 às 12.30 h. e das 15.30 ou 16.00 h. às 19.00 ou 19.30 h. de segunda-feira a sábado. É necessário lembrar que a maioria dos estabelecimentos comerciais fecham na segunda-feira pela manhã, nos meses do inverno.

As grandes lojas e os centros comerciais não costumam fechar no meio dia.

GORJETAS

As gorjetas costumam estar incluidas no serviço, mas se em alguma ocasião não estiver, deverá calcular-se entre 10% e 15 % sobre o total da fatura.

TAXAS E IMPOSTOS

O IVA deve aparecer em todas as faturas. Normalmente, está incluido no preço. Não existem taxas de aeroporto e nem taxa nos portos marítimos.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Itália é uma península cujo território tem uma curiosa forma, o que faz com que seja conhecida no mundo inteiro por sua forma de bota. Extende-se ao longo de 301.277 quilômetros quadrados e tem fronteiras ao oeste com França, ao norte com Suiça e Áustria e ao leste com Eslovênia. As costas italianas são banhadas, ao oeste pelos Mares de Liguria, Cerdenha e Tirreno, ao sul pelo Jônico e pelo Adriático ao leste.

O clima, em sua maior parte é mediterrâneo, sem dúvida, apresenta grandes contrastes de umas zonas a outras. Na região alpina a medida que vai-se subindo em altura, vai-se descendo em temperatura. A região pádua-véneta tem principalmente um clima suave mas seco, na alpina um clima suave mas com abundantes chuvas, a zona sul conta com temperaturas estáveis quase todo o ano devido à influência do mar, enquanto que na zona adriática os invernos são suaves e os verões tórridos com temperaturas muito altas.

Montanhas, Planícies e Lagos

Na Itália encontram-se duas cadeias montanhosas de importância: Os Alpes com alturas que se mantém perpetuamente com neve como o belo Mont Blanc de 4.810 metros, ou Monte Rosa de 4.634 metros ou o Monte Cervino com 4.478 metros.

Os Alpes podem dividir-se em três seções: a parte ocidental com os Marítimos, Cottios e Graios; a parte central com os Peninos, Lepontinos e Réticos e a parte oriental com os Dolomíticos, Cárnicos e Julianos.

Os Apeninos são a outra grande cadeia montanhosa, que embora não tenha picos de grande altura, caracteriza-se por percorrer toda a Península ao longo de 1.190 quilômetros, como se fosse um espinhaço. Tem como sistemas aledanhos o Pré-apenino Tirreno e o Pré-apenino Adriático.

Aos pés dos Alpes encontra-se a Planície Piamontesa e os Grandes Lagos de origem glacial. O Lago Maior de 212 quilômetros de diâmetro é o mais profundo, o de Como de 146 quilômetros e o de Garda, o maior, com 370 quilômetros. A planície mais extensa é a Páduano-Véneta com 4.600 quilômetros quadrados que encontra-se entre as de grandes cadeias montanhosas.

Costas e Rios

A península com tanto terreno banhado pelo mar, tem costas para todos os gostos. Praias de areias finas e águas transparentes na zona do Adriático e rochedos muito altos e escarpados nos golfos de Nápoles, Gênova, Veneza ou Salermo, entre outras.

Os rios italianos não têm uma grande extensão e seu caudal varia dependendo da estação do ano e da zona. Os da zona setentrional têm abundante caudal nas estações de verão e outono. Os rios peninsulares são torrenciais e estão cheios no inverno e primaveira. Os mais importantes avaçam no Mar Adriático, como é o caso dos rios Po e o Adigio, sendo também os únicos navegáveis. O Arno e o Tiber acabam no Mar Tirreno, enquanto que o Mar Jônico recebe somente torrentes e cursos curtos, procedentes da Basilicata e Calábria.

Ilhas

As ilhas italianas apresentam interessantes sistemas montanhosos. Sicília contém, na realidade, uma prolongação dos Apeninos, além de possuir o único vulcão ativo da Europa, o Etna com 3.323 metros. As erupções mais violentas e com funestas consequências para a população produziram-se no ano de 1669, destruindo parte da Catânia, e em 1928.

Cerdenha não conta com nenhum vulcão, porém, tem como caraterística o fato de que suas elevações procedem de um antigo maciço, o Tirrénido, que na maior parte encontra-se afundado. Os rios de ilhas são de caráter torrencial e sofrem graves acréscimos no inverno, enquanto que no verão aparecem totalmente secos.

FLORA E FAUNA

Dependendo do lugar onde se estiver viajando na Itália, irão descobrir diferentes tipos de vegetação e de espécies animais em meio à uma natureza rica em contrastes.

Para o norte do país, em meio de glaciares e cascatas, encontram-se espécies alpinas; nas planaltos e zonas calcáreas, prevalece a flora e fauna mediterrânea, enquanto que nas grutas e costas dão-se numerosas espécies marítimas.

Nos Alpes italianos há espécies que têm conseguido adaptar-se às baixas temperaturas e aos ventos gelados. As árvores de coníferas, com a faia como principal expoente, e pradarias de alta cota, são o entorno no que movimentam-se animais como marmotas, arminhos, lebres, águias reais, faisões de monte, francolins, cervos, camurças e corços. Porém, a espécie rainha deste entorno é a cabra montesa, que tem conseguido superar o perigo de extinção, graças o privilegiado meio que existe na zona dos Alpes.

A zona central tem como entorno aos Apeninos, assim como, à fauna e flora tipicamente mediterrâneas. Os bosques de faias, além de outorgar uma grande beleza à paisagem, têm dado hospedagem a numerosas espécies de animais maltratados pelo homem ao longo da história (o urso pardo marsicano, a camurça dos abruzos e o lobo, têm encontrado neste entorno um lugar idôneo, para regenerar suas espécies).

Nesta zona prevalecem, também, animais típicos como o lobo apenínico, a águia do Bonelli e o curioso bico preto. Por outro lado, o chamado Pinus Laricio, outorga à paisagem um belo contraste que lembra a dos países nórdicos.

Nas costas predominam, sobre tudo, os cormorães que escolhem estas zonas para reunir-se em grandes bandos e passar o inverno.

Na Itália toda, à exceção de zonas montanhosas, encontram-se mochos, águias, açores, raposas, queixade e cabras selvagens, assim como, a típica vegetação mediterrânea: oliveiras, laranjeira, limoeiros, vides, macieira, albaricoqueiros, pereiras e pessegueiros.

Arte e Cultura

Da Pré-história ao Renascimento

Desde os tempos mais remotos, a história da Itália tem estado ligada à arte em alguma de suas manifestações. Pinturas pré-históricas como as encontradas nas Grutas de Balzi Rossiou Romanelli, utensílios de pedra e bronze, cerâmica e os estupendos muraghi de Cerdenha (morade construide com enormes blocos de pedra de forma cônica, verdadeiras fortalezas), são os principais restos da Pré-história que, em sua maior parte, têm chegado aos nossos dias, em muito bom estado.

Os etruscos e os gregos também deixaram sua pegada neste país. As necrópoles de Taquina e Cervéteri constituem uma excelente testemunha para conhecer o povo etrusco, cujo reflexo pode-se perceber também através de portas de arco nas muralhas de Perusa. Como mostras da arte grega, que tanto influiria depois na romana, pode-se contemplar magníficos exemplos arquitetônicos em Paestum, Poseidonia e Elea, assim como no Teatro e Museu de Siracusa, o Templo dorico de Gela e o Templo da Caracella em Taormina.

A arte romana tem suas melhores obras na arquitetura. Mestres desta disciplina conseguiram, através da combinação de elementos como o arco de meia ponta a bóveda, e sobre tudo, o norteiro de concreto, obras de grande envergadura que conservam-se muito bem, ainda hoje ao longo de tudo o território italiano. Exemplo disso são as Termais de Caracola, o Coliseu, o Forum ou os Arcos de Tito e Constantino, que resultam impressionantes.

Os cristãos desenvolveram primeiro sua arte nas catacumbas, com pinturas e sarcófagos trabalhados em relevo. Depois do Édito de Milão, continuaram com a construção de impressionantes basílicas como Santa Maria a Maior ou São Pedro Extramuros, assim como, em Mausoléus como o de Gala Placidia em Rávena, de grande beleza.

Na Idade Média o românico deu excelentes mostras na Itália. Pisa é um bom exemplo com a Catedral, o Batistério e a famosíssima Torre inclinada que é, na realidade, o Campanário do conjunto arquitetônico. Também são os claustros de São Paulo Extramuros e São João de Letrán. O românico transformou-se no estilo lombardo no Vale do Po, com caraterísticas muito particulares que podem-se apreciar na milanesa São Ambrósio, as catedrais de Parma, Módena e em São Zemão de Verona.

A pintura italiana começa desenvolver-se neste período, acabando com o hieratismo da arte bizantina, boas mostras são o crucifixo de Cimabue e a Virgem do Trono de Duccio de Buoninsegna.

O gótico, porém, não influiu de maneira determinante na arquitetura, embora adotaram-se alguns de seus elementos. O Duomo consagrado à São Francisco de Assis ou a Catedral de Siena e Santa Maria da Flor, em Florença, são boas mostras desta adaptação. Em troca, a pintura encontrou desenvolvimento dentro deste estilo, com a figura humana e as paisagens como novos motivos. Giotto, Simone Martini ou Lorenzetti são seus principais representantes.

O Renascimento

O verdadeiro estouro artístico italiano produziu-se durante o Renascimento. De fato este movimento nasce em Florença à princípios do século XV, graças aos príncipes dos estados italianos que não duvidaram em ser os mecenas de artistas que, sem este apoio, tal vez não tivessem conseguido nem sequer sobreviver.

Tode as manifestações artísticas foram potenciade neste período.

Em arquitetura um soberbio Brunelleschi encheu Florença de mostras do seu incomparável estilo: o Hospital dos Inocentes, a Igreja do Espírito Santo, a Abadia Fiesolana ou o Palácio Pitti. Porém, não apenas este maravilhoso arquiteto demostrava sua arte, também faziam outros com mais ou menos engenho, como Leão Battista Alberti, Bramante, Vignola e, Miguel Angelo com a cúpula de São Pedro e a Praça do Capitólio. Todos eles são geniais representantes da arquitetura renascentista.

A escultura renascentista pretende refletir os valores espirituais do homem, Donatello consegue-o plenamente em seu São Jorge, o Amorrino Delfino de Andrea do Verrochio é também uma boa mostra. Porém, o único, o gênio neste estado puro, foi Miguel Angelo, A Piedade, o Moisés ou o David são tão perfeitos, que dão a sensação de que vão ter vida de um momento para outro.

Em pintura também há excelentes mestres. Junto Masaccio, o primeiro que deu o salto do gótico à pintura renascentista, destacam Piero da Francesca pelo cuidado da luz em suas pinturas e Mategna, quem abriu novos horizontes em relação com a perspetiva. Porém, os pintores que destacaram dentro deste período são os da chamada Escola Florentina e não são outros que o inigualável Leonardo da Vinci, com um estilo inconfundível, que combina perfeitamente o conhecimento do corpo humano e a técnica com saber criar o ambiente perfeito, Miguel Angelo com a força como máxima qualidade, figuras de grande expressividade como todas as da Bóveda da Capela Sixtina e Rafael, que soube combinar os conhecimentos de Leonardo com a força de Miguel Angelo e, cujo resultado são obras tão magníficas como as conhecidas como “Estâncias” do Vaticano.

O Manerismo segue as técnicas renascentistas, mas com um maior número de ornamentações. Pintores do time de Tintoretto, Corregio, Veronés, Tiziano e Caravaggio, escultores como Cellini e arquitetos como Palladio e Sansovino são somente alguns de sus melhores representantes. Um passo mais na ornamentação leva-nos ao Barroco, estilo sobrecarregado que tem em Bernini, o criador da Colunata da Praça de São Pedro, a Praça Navona e do projeto da Fontana de Trevi, um de seus máximos criadores. Tiépolo, os Carracci, ou Albani destacam também em pintura barroca.

Uma saturação pelo sobrecarregamento do Barroco, conduz uma época mais austera baseada nos padrões greco-romanos, dando lugar ao neoclassicismo (Canaleto em pintura e Canova em arquitetura).

A Arte Moderna libera-se e consegue que os artistas sigam suas próprias tendências evolucionando para obras muito menos homogêneas e futuristas, como Boccioniou Carrá (metafísicos), ou independentes, como Modigliani ou Morandi.

Literatura

O desenvolvimento da literatura italiana começa com a poesia na Sicília e Toscana que acaba evoluindo para a prosa em língua vulgar que compete com o latim.

Na Idade Média os poemas de cavalarias competem, com os temas religiosos e a poesia satírica, sobre as cortes de São Gimgnano. Os poetas toscanos como Cavalcanti da Pistoia oferecem uma maior profundidade nos temas até chegar a Dante, com a “Divina Comédia” que põe um ponto final à todo o anterior e abre um novo horizonte cheio de possibilidades. “O Decameron” de Bocaccio recolhe a testemunha e, faz isto com um reflexo plenamente literário da sociedade burguesa.

O Renascimento consegue que a língua vulgar ocupe o lugar predominante, com obras como “Orlando Namorado” de Boiardo ou as “Prosas em Língua Vulgar” de Pietro Bembo. Uma vez, em pleno funcionamento a língua popular, passa a relatar os temas do momento, quer dizer, ressurge da burguesia sem preconceitos e com um grande senso do humor, como pode-se constatar nos contos de Firenzuolaou Straparola, a poesia de Folengo, a prosa de Cellini e sobre tudo, nas comédias teatrais de Aretino e Bibbem a, assim como, em “A Mandrágora” de Maquiavel. O “Orlando Furioso” de Ariosto ou o “Príncipe” de Maquiavel, são os melhores expoentes deste período que deixou passo à religiosidade plasmada por Tasso em “A Jerusalém Liberada”. Depois da austeridade, a redundância do Barroco e por cima de ambas coisas, Galileu.

Saturados do Barroco tenta-se criar algo novo de mais qualidade nascendo, entre outros, o teatro de Goldoni e a poesia satírica de Parini. O Romanticismo consegue que a literatura italiana passe a considerar-se moderna e Manzoni com “Os Noivos”, os “Cantos de Leopardi” ou as “Confissões de um Italiano” de Nievo, são uma boa mostra. Com a poesia de D’Annunzio e o teatro de Pirandello se dá uma nova perspectiva recolhida já neste século, por autores muito mais profundos como Croce e Gentile, poetas como Ungaretti e Montale e romancistas do time de Pavese, Moravia e Sciásia. Não pode-se esquecer as obras de Carlo Levi, Italo Calvino e Tomasi di Lampedusa. Entre os mais atuais destacam Umberto Eco, Morselli e Tabucchi entre outros escritores contemporâneos.

Locais Turísticos

Para descobrir as belezas e atrativos da Itália temos dividido o país em cinco regiões. Iniciaremos o nosso percurso pelo Centro da Itália, onde situam-se sua formosa e histórica capital, Roma, a impressionante Cidade do Vaticano, a Santa Vila de Assis, a cultural Perusa, a medieval e encantadora Siena, a perfeita Florença e Pisa com sua popular Torre Inclinada. Daqui viajaremos para a Costa Central do Mar Adriático, visitando a República Independente de São Marino, Rimini com seu rico passado histórico e Ancona, um dos mais importantes portos do país. Nos transladaremos, seguidamente para o Norte da Itália com Gênova, uma cidade maravilhosa, São Remo, a cidade de flores, Turim, a antiga capital do país com uma cultura florescente, Milão, vila onde palpita a vida em qualquer local, os Lagos Pré-alpinos, estação natural de grande beleza, Verona, cidade de namorados, a pitoresca Vicenza, Trento famosa pelo Concílio do mesmo nome, a maravilhosa Pádua, a incomparável Veneza e seus românticos canais, a barulhenta Trieste, Bolônia, cruzamento de culturas e a melódica Rávena.

Viajaremos para o Sul da Itália para descobrir a pessoal Nápoles, Salerno, Cosenza e a Região de Calábria, Taranto, banhada por dois mares e a barulhenta Bari. Nosso percurso pelas formosas ilhas da Itália, a paradisíaca Capri, Sicília, a ilha maior do Mediterrâneo e Cerdenha, com sua paisagem montanhosa.

Centro

ROMA

Fundada, segundo a mitologia, por Rômulo um dos dois gêmeos que foram amamentados por uma loba, e que converteu-se depois de sua morte, no deus protetor preferido pelos romanos, Roma é hoje a capital da Itália. O visitante deverá ir preparado com um bom calçado, porque para conhecer bem esta cidade precisa pelo menos uma semana e não irá ver tudo, sempre ficam fascinantes cantos por descobrir. Recomenda-se fazer uma lista com os lugares que são prioritários e faze-lo por zonas e não por estilos, ja que tudo está misturado. É importante lembrar que praticamente tudo (quanto a museus), à exceção do Vaticano, fecha nas segunda-feiras. Uma vez equipados só resta começar o percurso. Adiante! Roma não defrauda a nenhum de seus viajantes.

Se decidir começar o percurso desde o centro da cidade deverá situar-se na Praça Veneza. Nela encontra-se o Palácio Veneza que foi a sede do governo fascista. É um edifício provido de uma torre angular. Este grande palácio do Renascimento romano foi mandado edificar-se pelo Papa veneziano Paulo II, no ano 1455. Conta com um atrativo museu provido de uma estupenda mostra de artes aplicadas, entre as que destacam uma abundante e boa coleção de esculturas, como a de Arnolfo di Cambio, assim como, os belos bronzes de Barsanti, utensílios de ouro e prata, tapetes, brocados e diversas mostras dos oficios e artes da época medieval e renascentista; na fachada do palácio destaca o anjo decorado com esmaltes do Pantocrator do século XIII. A sala do Mapamundo que serviu como escritório a Mussolini, tem sido completamente restaurada em seu estilo original e está situada no apartamento papal. Este Palácio permanece aberto todo dia de 9.00 a 14.00 h, exceto segundas-feiras e domingos até as 13.00 horas.

Dali deve-se ir para a Praça de São Marcos, onde levanta-se a Basílica de São Marcos, dedicada ao Santo Padroeiro que supõe ter escrito seu Evangelho, em uma casinha situada no pé do Capitólio. Também está dedicada ao que fora Papa, do mesmo nome, no ano 336. Desta mesma data são os alicerces da construção. As relíquias do Papa reposam sob o Altar Maior, junto às dos santos Abdão e Senén. Distinguem-se sua fachada renascentista, um esplêndido mosaico do século IX no ábside e o campanário românico. A primeira igreja é a mais antiga e foi edificada segundo os padrões da basílica clássica. Entre os séculos III e IV construiu-se acima desta uma segunda igreja, embora o edifício que atualmente aparece, data do século IX e foi obra do Papa Gregório IV. A maior parte de interior é dos séculos XVII e XVIII, enquanto que o precioso teto dourado e o portão renascentista datam da época de Paulo II, no século XV.

No muro da direita da porta do portão pode ler-se a inscrição de Vanozza Cattanei, amante do papa Borgia, Alexandre VI, e mãe de seus três filhos.

Depois de visitar a Basílica pode-se chegar ao monumento dedicado ao rei Vítor II, Vittoriano, conhecido como o “bolo nupcial” entre os romanos. Este gigantesco volume de mármore branco de Brescica parece-se efetivamente, em muitos sentidos, a um bolo desse tipo. Esta obra de Giuseppe Sacconi edificou-se para evocar a unificação da Itália e foi inaugurada em 1911. Em seu interior pode-se admirar o Altar à Pátria, o Túmulo do Soldado Desconhecido, acrescida depois da Segunda Guerra Mundial e o Museu Central do Ressurgimento. Nas ocasiões especiais em que o edifício pode ser visitado, a panorâmica da cidade que pode-se admirar desde sua parte mais alta resulta espetacular. Dali chega-se a uma de sete colinas de Roma, Campidoglio, a que foi a mais famosa de sete colinas da cidade, sede do Governo e santuário da antiga Roma. Aqui esteve o Templo de Júpiter, lugar onde o senado celebrava a primeira sessão do ano. Atualmente tão só conservam-se alguns dos blocos de pedra cinzento que formavam o Pódium.

Se bem o Palácio Senatorio é ainda a sede oficial da municipalidade, o Capitólio deixou de ser o centro político da cidade para dar passo a uma zona de museus.

Chegar-se a eles, através da maravilhosa cordoada de Miguel Angelo, uma pendente pouco pronunciada, com dois grupos de Dioscuros, que foi desenhada por este genial artista para a entrada triunfal do Imperador Carlos V, em Roma em 1536. E se quiser seguir desfrutando com o incomparável Miguel Angelo há que admirar o equilíbrio da Praça do Campidoglio com suas fachada e pavimentos, que também foram obra sua. Nesta praça pode-se contemplar uma bela mostra de relevos que procedem do antigo Templo de Adriano. O Museu Capitolino, com uma excelente mostra da escultura clássica e uma grande pinacoteca, está formado, na verdade, por dois palácios, um deles o Palácio do Conservatório que à finais da Idade Média, fora sede dos tribunais. Na atualidade celebram-se reuniões políticas em suas salas decorado com afrescos (no segundo andar localiza-se a Oficina Municipal de Registros).

Neste museu exibem-se obras de Tiziano, Caravaggio, Tintoretto, O Veronés, Guercinio, Rubens e Vam Dyck, assim como, uma grande exibição de esculturas entre as que se destacam: a “Vênus Esquilina” do século I a.C. ou os fragmentos da colossal “Estátua do Imperador Constantino II”, uma cabeça e uma mão, do século IV d.C.. Também pode-se admirar obras greco-romanas e a Passagem do Muro Romano formado por restos do Templo de Júpiter Capitolino.

O segundo é o Palácio Novo. No centro do pátio pode admirar-se a bela fonte ornamentada com um grande deus do rio, conhecido como Marforio (uma de chamade “estátuas falantes”). A fachada deste palácio também foi um projeto de Miguel Angelo, embora foi finalizada pelos irmãos Girolamo e Carlo Rainaldi, no ano 1654. O museu está dedicado à esculturas principalmente, a maior parte cópias romanas de originais gregos e bustos dos que destacam-se a Sala dos Filósofos, o “Retrato da Mulher Flávia”, o “Discóbolo”, o “Fauno Roxo”, o “Gálata Moribundo” ou a “Estátua eqüestre de Marco Aurélio”. A Pinacoteca Capitolina conta com obras de Tiziano, Tintoretto, Rubens, Velázquez ou Caravaggio, entre outros. Este museu permanece aberto de 9.00 h. às 13.00 h. e de 17.00 h. ás 20.00 h. terça-feira, de 9.00 h. às 13.30 h. de quarta-feira à sábado e de 9.00 h. ás 13.00 h. aos domingo. Nos meses de abril à setembro abre de 20.00 h. ás 23.00 h. aos sábado e nos meses de outubro à março de 17.00 h. ás 20.00 h., também aos sábado.

Nesta praça localiza-se também o Palácio Senatorio que na verdade é a Prefeitura de Roma, construido sobre o antigo Arquivo do Estado Romano. Não perca a Basílica Santa Maria in Aracoeli, na qual pode-se admirar em sua fachada de tijolos um afresco do século XV do “Funeral de São Bernardino”, obra de Pinturicchio.

Via dos Foruns Imperiais

Através da Via dos Foruns Imperiais chega-se aos restos de construções que edificaram-se em volta do Forum romano, o que fora centro político, religioso e comercial da antiga Roma. Destaca o Coliseu, também conhecido como Anfiteatro do Flávio, inaugurado no ano 80, embora o início da construção data do 72 a.C.; no muro exterior pode-se apreciar colunas jônicas, corintas e dóricas (na parte superior uma grande carpa protegia os espectadores do sol), o velarium, as entradas com seus 80 arcos numerados que permitiam a entrada ao povo, enormes galerias internas que permitiam a acomodação em 10 minutos dos espectadores, a grande plataforma ou pódium onde sentava-se o imperador e os membros de classes adineirade e o vomitorium que era a saída numerada de cada seção e, afirma-se que tomou seu nome de uma gigantesca estátua de bronze do colosso, que alçava-se junto o anfiteatro. Esta edificação, que tem visto inumeráveis combates de gladiadores e feras, tem 57 metros de altura e uma capacidade para 50.000 pessoas. Permanece aberto de 9.00 às 19.00 h. segunda-feiras, terças, quinta-feira e sábado, exceto nos meses de outubro à março, quando fecha às 15.00 h. nesses dias. Nas quarta-feira e domingo de 9.00 h. às 13.00 h. Feriados permanece fechado.

Arco do Constantino, do ano 315, resulta imponente devido às enormes proporções dos três arcos com estátuas e medalhões e de oito colunas coríntias pertencentes a outras épocas. Foi edificado para comemorar a vitória do imperador sobre Majencio na ponte Milivio. Os melhores relevos tomaram-se de anteriores monumentos dedicados à Marco Aurélio, Trajano e Adriano.

Através desta via poderemos ver também as extensas ruinas do Templo de Vênus e Roma, um magnífico templo construido no ano 135 d.C. e projetado a maior parte pelo imperador Adriano.

Na igreja de Santa Francesca Romana, cujo nome procede de uma Santa do século XV, pode-se ver um formoso mosaico do século XII da Madona no trono com os santos.

Domus Aurea, é o lugar onde, segundo a lenda, Nero esteve tocando a lira enquanto ardia Roma. Neste lugar construiu-se um fantástico palácio coberto de ouro e o maior luxo da época em suas salas, com mananciais de águas sulfurosas, assim como, água corrente, quente e fria. Trajano mandou construir aqui seus Banhos Públicos depois de que o fogo a destruira, no ano 104. Hoje pode-se apreciar as pinturas, contando com uma boa lanterna e prismáticos, assim como, o vestíbulo octogonal e o vestíbulo principal. Para visitá-la é preciso marcar hora, ligando ao telefone 699-01-10, de 8.00 h. às 13.30 h.

Forum do Augusto distingue-se pelo grande muro que separava-o do Bairro de Suburra. Neste pode-se apreciar as três colunas do Templo do Marte Vingativo. Na parte oriental deste esteve o Forum Nerva do que atualmente distinguem-se duas impressionantes colunas corintas somente, com um relevo de Minerva entre elas. Para o oeste do Forum localiza-se a Casa dos Cavalheiros de Rode e o Palácio dos Cavalheiros de São João de Jerusalém.

Forum do Trajano, o que fora o mais impressionante de todos e considerado uma de maravilhas do mundo em seu tempo, hoje em dia conserva só a Coluna do Trajano do ano 113, com numerosas figuras que cobrem totalmente a estrutura. As cinzas do Trajano e sua estátua coroando a ponta foram substituide, em 1587 por uma esfígie de São Pedro.

Nestes Fórons Imperiais encontram-se duas igrejas: Santa Maria de Loreto e Santíssimo Nome de Maria.

Uma vez submersos neste ambiente, o Forum Romano servirá de cólofon. Entrando-se no que foi o coração da vida romana, através do Pórtico dos deuses Tolerantes, com suas doze colunas, pode-se observar como era a vida dos cristãos presos pelos romanos na cadeia Marmertina e relaxar observando o Templo da Concórdia. nesta primeira impressão aparecem, também, igrejas como a dosSantos Lucas e Marina, a antiga Igreja Medieval e a Basílica Aemilia, construida no ano 179 a.C. (o que hoje pode ver-se é o que ficou depois do saque de Roma por Alarico no ano 410 d.C.).

Depois pode-se rememorar as grandes disputas pelo poder no que era a sede do Senado, a Cúria, fundada pelo rei Tullo Ostilio (o atual edifício de tijolos é uma reconstrução de Diocleciano do 303 a.C.). No interior pode-se admirar os Pluteos de Trajano, dos grandes retábulos que mostram os animais sacrificados nas oferendas solenes e de cenas da vida de Trajano e o que supõe-se que é o túmulo de Rômulo, uma pedra quadrada de mármore preto perante a Cúria, na que pode-se ver a inscrição sagrada que é o documento mais antigo da língua latina, séculos V-VI a.C.

Também pode-se lembrar as grandes vitórias magníficas no Arco do Septimio Severo, construido no ano 203 d.C., aos grandes oradores que declamavam desde a plataforma de Rostri, e a barulhenta tertúlia da Praça do Forum.

Através da Sacra Via chega-se no Templo do Saturno, situado no alto de um pódium, encostado a Via, que data de ano 497 a.C. Lá guardava-se o tesouro do Estado. Distingue-se, também, a Basílica Julia na que celebravam-se grandes processos judiciais, construida no ano 54 a.C. por Júlio César, terminada por Augusto e reconstruida por Diocleciano no ano 284. O Templo dos Dioscuros, do ano 484, foi dedicado aos deuses escuros Castor e Polux e nele pode-se admirar o alto Pódium Regilo, do ano 496 a.C. No alto deste levantam-se três elegantes colunas corintias tabuada dos tempos de Adriano ou Augusto.

Na Igreja de Santa Maria a Antiga, do século VI, formada por três navios com mátrex e ábside rodeada por duas capelas; nos muros pode-se ver afrescos dos séculos VI à VII com cenas de grande importância como: a Adoração da Cruz, a Crucificação ou a Teoria dos Santos, entre outros. Na Fonte de Juturna, dedicada à deusa do mesmo nome, há um altar da época imperial adornada com relevos e o oratório de Juturna, da época trajana, à direita da fonte. O Templo do César onde foi incinerado depois de seu assassinato no dia 19 de março do ano 44 e onde celebraram-se seus funerais, construido para o ano 42 a.C. A Casa de Vestaisonde viviam as sacerdotisas virgens, cuja função era manter viva a labareda sagrada, no circular templo de Vesta. A Casa Régia, escritório do sumo sacerdote na antigüidade.

Cemitério Antigo conta com uma série de túmulos de poço e de fossa dos séculos IX ao VI a.C. O Templo do Rômulo com uma cúpula que data do século IV d.C., é o edifício de forma circular que conserva a porta original de bronze. A impressionante Basílica do Constantino com restos de seus imensos arcos e tetos, o Antiquarium Forense, pequeno museu com os achados arqueológicos do Forum, entre os que encontra-se o friso do Eneas e a fundação de Roma, e para finalizar o Arco do Tito, reconstruido no século XIX, que mostra-se tal e como devia ser, alcançando-se no mais alto da Via Sacra e que data do ano 81 d.C. Este arco ergueu-se em memória de vitórias de Tito e Vespasiano sobre os judeus, no ano 71 d.C. Dentro do arco pode-se ver dois belos relevos.

A continuação nada melhor que um merecido descanso para recuperar forças e ascender à colina do Palatino, que mantém as mais antigas lembranças de Roma.

A beleza deste lugar, com restos arqueológicos, a riqueza de sua vegetação e suas maravilhosas vistas fazem dele um dos mais formosos lugares da cidade que inspira a proximidade dos deuses. É fascinante passear através dos Jardins Orti Farmesianicriados por Vignola para Alexandre Farnese no século XVI (foram os primeiros jardins botânicos da Europa dos que conserva-se só uma parte), ou visitar o Templo da Cibeles que foi o centro do culto à fertilidade, construido no ano 204 a.C. Dele conserva-se o pódium, embaixo de uma arcada mostra-se a estátua da Cibeles em seu trono, e descobrir como viviam os romanos ricos na Casa da Livia. Tibério mandou construir a residência imperial aqui, da que conserva-se parte da estrutura e alguns quartos abovedados com as pinturas murais destes, Calígula fez uma prolongação da casa e uma ponte para unir o Capitólio. Na zona oriental encontra-se o famoso Cryptoporticus de Nero, uma cumprida galeria subterrânea na que o decorado de estuco de bóvede tem sido substituido por cópias. Aberto todos os dias de 9.00 h. ás 18.00 h. No inverno até ás 15.00 h. Domingo até ás 13.00 h.

Através do Criptopórtico se chega ao Palácio dos Flavios, em muito bom estado, e para saber em que lugar residiam os imperadores é conveniente internar-se no Domus Augustana, residência privada do imperador e sua família, construido por Diocleciano, da que conservam-se restos de um pequeno templo, um grande pátio com uma fonte e, em volta, numerosos recintos cobertos com bóveda ou cúpula. As Termais Severianas, próximas à Galeria Imperial da que ficam restos de recintos com ábside e as edificado por Sétimo Severo para uso do palácio imperial, e por último, pode-se imaginar à perfeição a gritaria do público que assistia às competições no Estádio perto desta.

Via do Corso

Seguramente um dos lugares que ninguém quer perder em Roma é a Fontana de Trevi, mas é melhor não ir diretamente, brincando um pouco com a impaciência e começar este percurso pela principal rua de Roma, a Via do Corso na que à altura do número 304 situa-se a Praça do Colégio Romano, na que deve-se visitar o Palácio Doria Pamphilj do século XV, com mistura de vários estilos e períodos e no que têm habitado diversas famílias de aristocratas.

Atualmente conta com dependências privade habitade que guardam numerosas lembranças familiares tanto na estância verde como no salão Andrea Doria. A Galeria Doria pode visitar-se desfrutando assim, da excelente pinacoteca de grandes artistas como Velázquez, Ticiano, Caravaggio e Rafael com obras como “O Retrato do Papa Pamphili”, “Inocêncio X”, “A Religão Socorrida por Espanha” e “Salomé”, “Santa Maria Madalena”, “Sam João Batista” ou a “Fuga ao Egito”, entre outras. Também conta com o salão Amarelo que exibe uma coleção de doze tapetes de Gobelinos feitos para Luis XV. Abre suas portas as terça-feira, sextas, sábado e domingo de 10.00 h. às 13.00 h.

Em São Marcelo, “A Crucificação” de Vam Dyck pode-se admirar na Sacristia e São Ignácio conta com um “trompe l´oeil” no teto que representa a entrada de São Ignácio no Paraíso.

É delicioso passear pelas Praças de Pedra e Coluna, a Coluna de Marco Aurélio de mármore com seus 29 metros não passará despercebida, como também não o Palácio de Montecitorio com uma aula desenhada por E. Basile e tetos decorados, nem SãoLorezo in Lucina com afrescos de P. Da Cortona, mosaicos do século VI e o campanário românico do 1100.

Descendo através da Via Condotti desfruta-se do ambiente de um dos centros da vida romana, a Praça da Espanha, que data da época de Sixto V e, que encontra-se rodeada de monumentos dignos de ver-se como a Escalinata da Trinitá dei Monti, a maravilhosa Fonte da Barcaccia, suposta obra de Pietro Bernini ou do seu filho Giam Lorenzo (conta a lenda, que esta assinala o lugar onde encalhou um barco com motivo do desbordamento do Tíber), a Coluna da Imaculada ou o Palácio de Propaganda Fide. Depois pode-se visitar Sant’Andrea delle Fratte, igreja barroca com a segunda cúpula mais alta de Roma, a Galeria dell’Academia di São Luca, aberta de 10.00 h. às 13.00 h, e por fim, agora se chegar à Fontana di Trevi, sem dúvida alguma a fonte mais famosa de Roma.

Embora seu grande tamanho situa-se em pequeno espaço entre três estreitas ruas. Supõe-se que disso toma seu nome “tre vie”, a água chega à fonte através de um aqueduto chamado Água Vergine que data do ano 19 a.C. Seu criador foi Nicola Salvi, toda ela é uma composição de deuses, deusas, cavalos e tritões que surgem de rochas esculpidas no meio à cascatas de água. Há que ter uma moeda preparada para jogá-la no seu interior e assegurar-se assim a volta à Roma.

E uma vez que tem-se disfrutado de um dos lugares mais visitados de Roma, pode-se ver a Basílica dos Santos Apóstolos que data do século VI, sua fachada neo-clássica de G. Valadier, o pórtico, o obelisco e os afrescos de Baciccia merecem uma visita, a Coluna Dell´Immacolata, uma coluna coroada pela estátua da Imaculada e a Galeria Coluna, com uma exibição de pinturas de Carlos da Maratta, Vam Dyck, Rubens, Veronese, Tintoretto e Vivarini entre outros.

Não pode-se deixar de visitar Gesú, igreja barroca com cúpula e fachada de G. Da Porta e o afresco de Baciccia “Il Triunfo do nome di Gesú”. Esta igreja é a de mais importância da ordem dos jesuitas em Roma com a capela do fundador da ordem, São Inácio de Loyola. Sant’Andrea da Valle, tem a segunda cúpula mais alta da cidade, de C. Maderno, fachada de C. Rinaldi, estátuas de P. Bernini, A. Bonvicino e F. Mochi e afrescos de Ferrucci e Domenichino.

À partir daqui pode-se iniciar um percurso por diferentes palácios como o Palácio Máximo alle Colonne construido por Peruzzi para a familia Máximo, a qual toma o nome, com grandes colunas características de sua estrutura antiga e peça única pela arquitetura de sua fachada em forma de curva e o uso engenhoso do estreito e difícil terreno, a Piccola Farnesina que contém no interior o Museu Barraco com uma importante coleção de escultura antiga, originais e cópias, romanas, egípcias, gregas, fenícias, assírias, etc., oPalácio Braschi construido no ano 1780, com o famoso Pasquino, objetos curiosos como o vagão de trem particular do papa Pio IX e o Museu de Roma, o qual exibe material abundante da vida e história da Roma desde a Idade Média até nossos dias, com uma mostra de carroças, berlinas de gala e uma importante coleção de cerâmica de diferentes épocas. Se pode visitar quarta-feira, sexta-feira e sábado das 9.00 h às 14.00 h, terça-feira e quinta-feira das 9.00 h as 14.00 h e de 17.00 h às 20.00 h e domingo das 9.00 h ás 13.00 h. O Palácio da Cancelleria uma de melhores mostras do Renascimento junto com o Palácio Farnese no qual pode-se admirar a arquitetura de Antonio Sangallo, Miguel Angelo e Giacomo Da Porta, com tetos de vigas, tapetes e afrescos de Domenichino e de Lafranco, são dos lugares que bem merecem uma visita.

Praça Navona

Depois pode-se impregnar do ambiente da Praça Navona onde reunem-se pintores e artistas em meio à belos palácios e cafés ao ar livre, com três estupende fontes, a do Fiumi no centro, é a mais famosa, de Giani Bernini inaugurada em 1651, onde estão representados os rios Nilo, Danúbio, Ganges e o Rio da Prata, com estátuas de Franceli, Poussin, Raggi e Baratta. A Fonte do Moro, esculpida em 1654 por G. A. Mari desenhada por Bernini e apoiada em uma banheira de G. Da Porta de 1576, ocupa a esquina sul da praça com Tritão e a Fonte de Netuno, com uma banheira e uma jofaina obra de G. Da Porta e esculturas de Zappalá e Da Bitta. À um costado levanta-se Santa Maria Sopra Minerva, única igreja gótica de Roma, construida sobre as ruinas do templo dedicado à antiga deusa Minerva no ano 1280. No seu interior pode-se ver afrescos de Filippino Lippi e “O Cristo carregando a Cruz” de Miguel Angelo à esquerda do altar maior. O Juízo de Galileu Galilei celebrou-se no convento anexo a esta igreja. Merece a pena visitar a Galeria Nacional de Arte Antigo, situada no interior do incomparável Palácio Barberini, de construção barroca iniciada em 1625 por Carlo Moderno e finalizada por Bernini no ano 1633; na Galeria pode-se admirar obras de Rafael, O Greco, Tintoretto, Filippo Lippi, entre outros. Aberto todos os dias das 9.00 h às 14.00 h., exceto segunda-feira e domingo até ás 13.00 h.

Santa Maria do Popolo, destaca por alojar em seu interior a capela Chigi de forma exagonal realizada por Rafael e a capela do cruzeiro com maravilhosas pinturas de Caravaggio, que datam dos anos 1601-1602.

Os parques romanos são uma delícia como é o caso do Ara Pacis Agustae, o mais formoso e grande da capital italiana, construido entre o ano 13 e 9 a.C. Horário 9.00 h às 19.00 h exceto segunda-feira, feriados de 9.00 h às 19.00 h. Vila Borghese, o segundo parque maior de Roma, data do século XVII, inspirado no Tívoli. No seu extremo norte fica o pequeno zoológico da cidade. A Galeria Borghese encontra-se dentro do cassino da que fora casa de repouso do Cardeal, dita coleção somente é superada pela do Vaticano, com magníficas obras de Antonio Canova, Bernini, Rafael, Caravaggio, Rubens e Tiziano.

Aberto de 9.00 h às 14.00 h exceto segunda-feira, domingo de 9.00 h às 13.00 h. O Museu Etrusco da Vila Julia, com antigüidades do Lacio e da Etruria Meridional, como o “Sarcófago dos Noivos” e o “Apolo” de Veio. Aberto todo dia de 9.00 h às 19.00 h menos segunda-feira, feriados de 9.00 h às 13.30 h.

Praça do Quirinale, mostra o Palácio do mesmo nome, construido em 1574, foi residência papal até 1870, hoje em dia é a residência oficial do Presidente do Governo Italiano. Neste palácio pode-se admirar vários salões entre os que destacam o Salão dos Espelhos no que pode-se ver os formosos castiçais de Murano, também pode-se admirar o “Fragmento do Juízo Final” de Melozzo da Forli. Visitas só mediante solicitação por escrito.

Porta Pia, segundo um projeto de Miguel Angelo, foi construida em 1561. Este edifício acolhe atualmente o Museu Bersaglieri com uma interessante exibição de objetos militares.

Belas Igrejas de Roma

Três maravilhosas igrejas, que não deve-se deixar de visitar são Santa Inés, Santa Constança e Santa Maria dos Anjos. A primeira delas foi edificada em um lugar que pode resultar um pouco estranho, já que encontra-se dentro de catacumbas, lugar onde foi enterrada a santa do mesmo nome. Construida entre os anos 625-638, nesta igreja pode-se ver no altar maior a estátua de alabastro de Santa Inês que data do século XVI sob a que descansam seus restos junto com os da Santa Emereciana. Pode-se admirar também o mosaico dourado do século VII que representa à Santa com um vestido bizantino e rodeada pelos papas que construiram a igreja.

Santa Constanza, igreja construida como mausoleu para as filhas do imperador Constantino, Elena e Constanza, data do século IV. Nela pode-se admirar belos mosaicos enfeitando a bóveda, desenhos ornamentais compostos por figuras geométricas e florais, adornados com Cupidos, aves e frutas. Perto encontram-se as Termais de Diocleciano, os maiores banhos de Roma construidos no ano 298 e terminados uns sete anos depois, com muros de mármore e uma superfície de 13 hectares e uma capacidade para três mil pessoas. Na atualidade a maior parte do edifício é ocupado pelo Museu Nacional Romano, fundado em 1889 como depósito de obras de arte e antigüidades descobertas em Roma, com obras entre as que se destacam o “Discóbolo” de Lancelotti, o “Apolo” de Anzio, a “Venus Cirene” ou o “Trono” de Ludovisi. Aberto todos os dias exceto segunda-feira, de 9.00 h. às 14.00 h. Domingo de 9.00 h. às 13.00 h.

Santa Maria dos Anjos, criada por Miguel Angelo no ano 1566 e reformada pelos irmãos Vanviotelli em 1749, conta em seu interior com maravilhosos afrescos sete-centescos. Santa Maria a Maior, grande basílica patriarcal, é um dos lugares mais importantes de peregrinação da cidade. A igreja é de estrutura paleo-cristã e data dos anos 432- 440, construida por Sixto III. A basílica conta com 36 painéis de mosaicos sobre o alquitrabe representando cenas do Antigo Testamento, porém, são mais fáceis de apreciar os mosaicos dourados e belamente coreados do arco triunfal, representando os momentos mais importantes da vida de Jesus Cristo. Também são dignos de ver o Oratório do Presépio do século VII, a pequena capela que lembra a gruta de Belém, as estátuas de São José, os três Reis Magos, o boi e o asno que formavam parte do nascimento original de Arnolfo (tem que pedir a alguém da Sacristia que abra a porta da gruta para ve-las), o Altar Maior, com incrustações de ágatas, jaspe, ametistas e lapis lázuli, no centro deste o célebre retrato de Archeiropointeon, que supostamente não foi pintado por mão humana, e representa à Madona e o Menino, possivelmente do século VIII. Aos pés deste, a estátua de Pio IX ajoelhado perante o relicário do Santo Berço que se expõe os dias 25 de cada mês e no Natal. Cada cinco de agosto deixam cair pétalas brancas desde a cúpula da capela como comemoração da visão de Liverio e a lendária nevada.

Nos arredores da Praça de São Giovanni in Laterano pode-se visitar a Capela de São Venâncio decorada com mosaicos do século XVII sobre um fundo de ouro; a Capela de Santa Rufina, em suas orígens pórtico do Batistério com um mosaico do século V no ábside; o Palácio Luterano, que fora residência pontifícia até 1309, reconstruido em 1586 por Domenico Fontana; o Claustro de São João Letrán, obra de arte do século XIII, que sobreviveu os dois incêndios que destruiram a primitiva basílica (nela conservam-se fragmentos dos mosaicos da basílica medieval); a Scala Santa, que conduz à porta que dá ao Santa Santorum, capela privada do Papa. A Porta Asinária, atualmente fora de uso, é a porta menor e tão antiga como a muralha Aureliana do século III d.C.

Basílica de São João Letrán é a Catedral de Roma, edificada no século IV sobre os quartéis do exército imperial e reconstruida em diversas ocasiões. Em 1735 Alessandro Galilei restaurou a fachada principal, inspirada na de São Pedro. As portas centrais, feitas de bronze, tão antigas como famosas, trouxeram da Casa do Senado no Forum. A do extremo direito só abre durante o Ano Santo. No interior da basílica pode-se admirar diferentes e maravilhosas obras, como um fragmento do afresco do Papa Bonifácio VII de Giotto e o monumento ao Papa Silvetre II (afirma-se que esta pedra transpira e faz um ruido parecido ao ranger de ursos, mas unicamente antes da morte de um papa). No altar maior há uma mesa de madeira, que supõe-se é onde São Pedro celebrou a Eucaristia, o Claustro onde mostra-se os mais formosos mosaicos artísticos de Roma realizados por Vassalletto e seu filho com ouro e mármores multicoloridos, o Batistério rodeado por quatro capelas, onde realizava-se o batismo por imersão ou as famosas portas musicais na capela de São João.

São Paulo fuori le Mura, é uma igreja que data do ano 386, seriamente danificada por um incêndio, no ano 1823. Foi restaurada com mosaicos de P. Cavallini e de artistas Venezianos; na fachada de F. Vespignani pode-se admirar um sagrário do ano 1285.

As Termais de Caracalla que na época foram as mais luxuosas de Roma, construiram-se no ano 206 e, foram terminada, onze anos depois. Com uma capacidade para 1.500 pessoas este lugar era considerado mais como um centro de reunião que um lugar para banhar-se (funcionaram até o século VI quando os godos cortaram a água do aqueduto). Atualmente utilizam-se uma parte de ruinas como cenário para representar óperas ao ar livre no verão. Aberto todos os dias de 9.00 h. às 16.00 h. Domingo e segunda-feira de 9.00 h. às 13.00 h.

Santa Sabina é uma magnífica mostra de uma basílica do século V. É um dos trabalhos mais antigos em madeira, como demonstra-se nas folhas de portas talhada em madeira de cipreste que expõem 18 originais motivos do século V. Santa Maria in Trastevere, a primeira igreja dedicada ao culto da Virgem Maria, construida no ano 352 e reconstruida por Inocencio II em 1143, conta com um pórtico que data de 1702, campanário românico do século XII e fachada de mosaicos. A igreja mostra no interior afrescos de Domenichino.

Não perca a bóveda pintada por Rafael na Farnesina, construida por Peruzzi em 1508-11, sendo esta uma de obras mestras do Renascimento. Dali à avenida romana com mais encanto, a Via Appia Antica, construida no ano 312 a.C. tem poucos passos. A avenida começa na porta de São Sebastião, entrando-se na campina e fazendo-se pouco a pouco mais vazia.

O VATICANO

A Cidade do Vaticano conta com numerosos atrativos que fazem imprescíndivel uma visita, além de principais cerimonias religiosas que pode-se seguir de lábios do Santo Padre. O Vaticano oferece uma inigualável mostra de tesouro s artísticos.

Antes de adentrar-se na Cidade do Vaticano convém visitar o Castelo de São Anjo, lugar caraterístico de Roma, obra do imperador Adriano data do ano 130, que em seus inícios estava destinado a ser seu mausoleu. Este castelo foi finalizado por seu sucessor Antonio Pío no 113, um ano depois da morte de Adriano. O túmulo Imperial, onde se guardam as urnas com as cinzas dos imperadores encontra-se no segundo andar. O castelo continuou como mausoleu até a norte de Caracalla no século III, quando passou à ser uma fortaleza conhecida como a Cidadela de Roma. A estátua de São Miguel coroa as torres e foi agregada em 1753. O papa Leão IV cercou com uma muralha o Vaticano e o Borgo, convertindo-o em uma fortaleza, onde se refugiavam os papas em épocas de perigo. A passagem que une o Vaticano com o Castelo, fez Alexandre VI no século XV. Durante o pontificado do Papa Paulo III, se decorou o interior, colocando-se um anjo de mármore na parte mais alta, obra de Raffaelo de Montelupo. Durante o Renascimento se utilizou como prisão e mais tarde como residência papal. Na atualidade acolhe o Museu Nacional do mesmo nome, de grande importância, que se abriu ao público no ano 1933. Pode-se visitar quatro andares e os apartamentos papais com valiosas coleções de móveis, tapetes, pintura, armas e armaduras, que datam do século VII a.C., de autores como Miguel Angelo e Perin do Vaga, entre outros. No terceiro andar encontra-se A Loggia de Pauolo III, que conduz à galeria aberta de Pio IV, desde a que se contempla uma bela panorâmica da cidade. Também desde o terraço à Loggia de Julho II se ve o Ponte Sant´Angelo e na parte mais alta da cidade se contempla uma bela vista de São Pedro e seus arredores. Aberto, segunda-feira das 14.00 h às 19.30 h, de terça-feira a sábado das 9.00 h às 14.00 h, domingo das 9.00 h às 13.00 h.

O percurso por esta “cidade” tem que começar pela Praça de São Pedro, desde a que em ocasiões especiais o Papa abençoa os fiéis ali congregados, realmente impressionante. Dela chega-se a São Pedro do Vaticano, o coração do cristianismo. Depois de muitos anos na complicada tarefa de reconstruir e aumentar a igreja, obra original de Constantino, foram os arquitetos Sangallo, Rafael e Peruzzi que dirigiram a construção da Basílica mais formosa e grandiosa do mundo todo, com forma de cruz grega, em sua orígem, ficando depois em forma de cruz latina e rematada, posteriormente, por Miguel Angelo, com a maravilhosa cúpula de 132,5 metros de altura que da unidade ao interior da basílica. A fachada de Carlo Moderno, o pórtico de Bernini, acima deste a Loggia, galeria que dá à praça antes mencionada com cinco portas de acesso, destas a da direita unicamente se abre cada vinte e cinco anos, durante o Ano Santo. As portas centrais de bronze, com retrato próprio e de seus ajudantes por detrás mostrando seu trabalho, são obra de Antonio Filarete que demorou doze anos em terminá-las (1433-1445). Ali também pode-se ver a Scala Regia de Bernini. Na capela, à direita da entrada, encontra-se a obra de arte mais importante de São Pedro, “La Pietá de Miguel Angelo, que esculpiu com só 25 anos de idade, sendo também a única peça assinada por ele. Outras obras que pode-se admirar na basílica são a escultura de “São Pedro no Trono” atribuída a Arnolfo di Cambio, século XIII, situada ao final da nave e à direita perto do altar papal. Sob este altar encontra-se a grade dourada que cobre o ninho de Pallia, mosaico original e restaurado do século VI. A maioria do interior da basílica é barroco, obra de Bernini, assim como, o grande baldachino central de bronze que tardou dez anos em terminar e que se alça acima do altar papal. Sua importância é indiscutível.

Não pode-se deixar de admirar o túmulo de São Pedro, situado na mesma basílica. As visitas do Tesouro têm horário de 9.00 h às 13.00 h, no verão de 9.00 às 18.00 h. Se podem contemplar obras tão importantes como a “Dalmática”, a “Cruz do Imperador Justino II” e o “Sarcófago” de Giunio Basso.

Museus e Galerias do Vaticano

Os Museus e Galerias do Vaticano têm o seguinte horário: das 9.00 h às 14.00 h. de segunda-feira a sábado (no período de Páscoa desde o 1 de julho ao 30 de setembro, das 9.00 h às 16.00 h.). Fechado aos domingo, exceto o último de cada mês, com entrada gratuita das 9.00 h às 13.00 h.

Estes edifícios guardam uma de coleções de arte mais importantes do mundo. Os palácios originariamente se edificaram como residências papais renascentistas.

No século XVIII se expuseram pela primeira vez ao público as obras de arte que colecionaram os papas ao longo dos séculos. Por falar em alguns dos tesouros mais apreciados, destacam o Museu Gregoriano Egípcio, criado em 1839 por Gregório XIV, que compreende uma importante documentação da civilização e a arte do antigo Egito, com múmias e sarcófagos, estrelas funerárias e comemorativas, assim como, estátuas de época romana inspirade na arte egípcia, entre outras.

Museu Pío-Clementino guarda uma grande coleção sobre tudo de esculturas gregas e romanas, entre as que destacam o “Junho Sospita”, a “Amazona Ferida”, o “Busto de Trajano”, a “Ariadna Dormida”, o “Apolo de Belvedere”, o “Hermes”, a “Estátua da Deusa”, o célebre grupo do “Laoconte” e o “Heros de Centocelle”, entre outros.

Museu Gregoriano Etrusco, aberto unicamente as segunda-feira e sexta-feira das 9.00 às 14.00 h. foi criado no ano 1837 por Gregório XVI. Em seu interior encontra-se uma interessante coleção procedente de escavações da Etruria meridional e recentes doações, entre as que encontram-se o “Marte” de Toldi, estátua do século V a.C., o “Túmulo Regolini-Galassi” de Cervéteri do século VII a.C., e um “Discóbolo”, cópia do original de Miró. Neste museu não pode-se deixar de visitar a Galeria dos Castiçais, com um “Sarcófago com criança” do século III d.C. e a “Moça correndo”, obra classicista do círculo de Praxiteles do século I a.C., entre outras; a Galeria dos Tapetes, com uma grande exibição de têxtéis que representam a vida de Cristo e a Galeria dos Mapas, com uma extensão de 120 metros quadrados, decorados com os mapas da Itália obra de Ignácio Danti dos anos 1580 -1583.

As Estâncias de Rafael, decorada por ele mesmo a petição de Júlio II em 1508, estão considerada como uma de obras primas de todos os tempos. Pode-se visitar a Estância do Incêndio do Borgo, a Estância da Signatura, na que pode-se admirar a “Disputa do Sacramento”, a “Escola de Atenas e o Parnaso”, a Estância de Constantino e a Estância de Heliodoro, com a “Liberação de São Pedro da Cadeia” e o “Milagro de Bolsena e Heliodoro expulso do templo”. Na continuação, a Galeria de Rafael, situada no segundo andar, com decoração de estuco e grotescos entre os repinturas e nas paredes obra de Giovani da Udine.

A bóveda está decorada com cenas do Antigo e do Novo Testamento, tode desenhade pelo artista e realizada por Giulio Romano, Perin do Vaga e F. Penni.

Destinguem-se, além disso, a Capela de Fray Angélico, ornamentada toda ela com afrescos de Fray Angélico de 1448 -1450 e oApartamento Borgia, em cuja visita se incluem as duas estâncias da torre Borgia, nesta Capela pode-se visitar além diferentes salas como a de Sibilas, com profetas e sibilas dos discípulos de Pinturicchio, a dos Mistérios da Fé, a do Credo, a de Ciências e de Artes Liberais, a da Vida dos Santos e a dos Pontífices, além de outras duas salas menores com afrescos de Pinturicchio.

Pinacoteca, com uma maravilhosa exibição de obras como “Histórias de São Nicolás de Vari”, a “Virgem do Magnificat”, a “Coração de Maria”, o “Cristo ante Pilatos” e o “Tríptico Stefaneschi”, entre outras, além dos dez tapetes tecidos por Pieter vam Aelst nos anos 1515 -1516, sobre cartões de Rafael.

Como peça essencial e autêntica jóia destaca a Capela Sixtina, construida nos anos 1475-1481, na época de Sixto IV. Nela celebram-se os conclaves para a eleição dos Papas, sendo além a Capela privada e oficial dos Pontífices. A balaustrada que a divide foi decorada por Mino da Fiesole, Giovani Dalmata e A. Bregno.

Nesta maravilhosa estância pode-se admirar diferentes obras de diferentes autores: na paredee direita do altar, as “Tentações de Jesus” de Botticeli, a “Entrega de chaves à São Pedro” de Perugino, ajudado por Signorelli, a “Última Ceia” de C. Rosselli e o “Batismo de Jesus” provavelmente de Perugino e Pinturicchio, entre outras. Destacam além as Figuras dos Papas nos ninhos entre as janelas obra de Botticeli e Ghirlandajo, entre outros artistas e na paredee esquerda do altar, o “Passo do Mar Morto” de C. Rosselli, “Moisés e as Filhas de Jetro” de Botticeli e a “Morte de Moisés”, entre outras.

Porém, a Cúpula é, sem dúvida, um dos maiores atrativos da Capela. Foi decorada pelo genial Miguel Angelo com maravilhosos afrescos, iniciados no ano 1508 e acabados em 1512. As figuras e as cenas se enquadram em uma bela e monumental obra arquitetônica pintada. No centro da bóveda distribuide em nove repinturas retangulares se representam as Histórias do Gênesis, enquanto que a parede do Altar está coberta pelo grande afresco do Juízo Universal pintado por Miguel Angelo nos anos 1535-1541, durante o papado de Pablo III. Nesta genial obra se cubriu com roupagens a nudez de algumas figuras por ordem de Pio IV, tal e como aparece refletido no maravilhoso filme “Miguel Angelo” interpretada por Charlton Heston. Alguns retoques posteriores e a fumaça de velas têm escurecido a pintura, embora nos últimos tempos têm-se realizado restaurações devolvendo à obra seu desenho e cor original.

ASSIS

A tão só hora e meia de carro desde Roma, para o norte, encontra-se Assis, uma pequena cidade com muito encanto e conhecida mundialmente por ser o lugar em que nasceu São Francisco. Este nascimento tem marcado à vila já que seus principais edifícios se referem a este Santo, amante dos animais.

Assim, o Convento e a Basílica de São Francisco, constituem um conjunto arquitetônico de grande interesse. A Basílica está formada por duas igrejas superpostas, a fachada, adornada com um duplo rosetão, e o campanário que data do ano 1239. Na praça inferior, porticada e do século XV, encontra-se a entrada à Igreja Inferior, que é o santuário onde repousam os restos do Santo situados na cripta que se compõe de uma nave só de colunas baixas. Daqui à explanada de ingresso que conduz ao Claustro, de estilos românico-gótico, com um navio decorado com afrescos do chamado Mestre de São Francisco do século XIII. Nesta Igreja Inferior pode-se contemplar diversas capelas entre as que destacam a terceira da direita, decorada com afrescos atribuidos a Giotto e seus discípulos do ano 1314 e a primeira da esquerda, decorada por Simone Martini com Histórias da vida de São Martim dos anos 1322 e 1326. A cúpula do ábside está adornada com afrescos alegóricos da escola de Giotto. No ábside pode-se admirar um coro de madeira do século XV, com formas góticas. No braço esquerdo do cruzeiro ressaltam os afrescos de Pietro Lorenzetti representando a Paixão e no direito os afrescos de Giotto e seus discípulos representando histórias da vida de Cristo. Através deste Cruzeiro chega-se à Igreja Superior, de estilo gótico, na que pode-se ver, na parte baixa a famosa série de afrescos de Giotto que representam 28 cenas da vida de São Francisco de Assis e na parte alta, os afrescos da Escola de Cimabue e Romana, I. Torriti. No Cruzeiro mostram-se pinturas ao afresco de Cimabue e discípulos e no ábside, o coro talhado de madeira do século XV (no ano de 1997 Assis sofreu um forte terremoto que provocou sérios danos no conjunto histórico. Alguns afrescos têm-se perdido para sempre).

O Tesouro contém maravilhosas pinturas dos séculos XIII-XV, excelentes tapetes dos séculos XV-XVI, magistrais vestes sacerdotais e mobília dos séculos XIII-XVIII.

São de interesse também o Convento de São Damião, que data do século XIII, edificado em volta do oratório campestre, no que supõe-se que o Crucifixo falou à São Francisco, no ano 1205. Do lado da pequena igreja está o Jardim de Santa Clara, no qual afirma-se que o Santo compôs o Cântico de Criaturas.

Eremo delle Carceri, situado em um bosque de azinheiras e carrascos que cobre as ladeiras do monte Subasio, foi lugar ao que se retirou São Francisco para meditar. Este lugar encontra-se rodeado por uma série de grutas de ermitanhos; aqui fica o Convento fundado no século XV. Do lado da Igreja localiza-se o primitivo eremo, desde onde desce-se à gruta do Santo.

A 5 quilômetros de Assis encontra-se Santa Maria degli Angeli, impressionante Basílica dos anos 1569-1679, obra de Alessi, construida no lugar onde fundou-se a Ordem Franciscana. Sob a alta cúpula encontra-se o oratório, que data dos séculos X-XI e à direita do ábside a famosa Capela do Trânsito, a cela onde morreu São Francisco no ano 1226. É nesta capela onde pode-se ver a estátua do Santo realizada por A. Da Robbia em terracota esmaltada. Cerca desta igreja pode-se ver o famoso Roseto de São Francisco, esplêndido jardim, onde pode-se admirar as cinco roseiras sem espinhos plantados pelo Santo, como também a capela decorada com afrescos do século XVI. O museu com seres sacros dos séculos XIV-XVIII, tábuas pintadas e relicários, encontra-se no convento.

PERUSA

A 23 quilômetros de Assis, em direção norte, encontramos a capital da região de Umbría. Perusa tem um grande ambiente cultural, graças a que acolhe duas Universidades e dois famosos festivais, o de Música Sacra e a Desolata da Sexta-feira Santa.

Esta vila conserva um grande número de restos etruscos como a Muralha Etrusca, situada na parte mais alta da cidade e ampliada no século XIV sobre os contrafortes de colinas. O Hipogeu dei Volumni, um túmulo etrusco muito complicado que data do século II a.C., nele conserva-sem umas formosas urnas funerárias.

Museu Arqueológico Nacional de Umbría, situado dentro de um antigo convento dominico, conta com várias seções como a Pré-histórica, que abraça o período compreendido entre o Paleolítico e a Idade do Ferro, com documentação da cultura e material da região desde os assentamentos mais antigos. A Etrusca, especialmente rica e documentação abundante com inscrições epigráficas, bronzes, sarcófagos, copos e urnas funerárias típicas da região de Perusa e A Romana que recolhe formosos bustos e relevos.

Catedral, de estilo gótico, foi reconstruida entre os anos 1345-1490. À sua fachada não concluida acrescentou-se uma porta barroca tardia. No lateral esquerda pode-se observar uma variada decoração, entre a que destaca uma porta que data do ano 1568 realizada por G. Alessi e um púlpito do século XV. No interior desta pode-se desfrutar com a vista de grandes obras de arte entre as que destacam a Capela de São Bernardino, decorada com a valiosa obra de Barocci “O Descendimento”. Na lateral esquerda da nave, em meio dos dois primeiros arcos, encontra-se a grade de ferro realizada nos anos 1496-1511, e atrás desta a Capela do Santo Anei, que tem a honra de guardar o anel nupcial da Virgem Maria, guardado em um valioso sagrário do ano 1511. No ábside, de forma poligonal, pode-se ver um coro de madeira talhado e traçado por Giuliano da Maiano e Domenico do Tasso, dos anos 1486-1491, enquanto que na sacristia do século XV pode-se admirar armários traçados desse mesmo século. Não pode-se deixar de ver oOratório de São Bernardino, com interior de estilo gótico, maravilhosamente decorado, obra de Agostino Duccio dos anos 1457-1461.

Igreja de São Pedro, do século X, ainda conserva sua estrutura basilical. Precedida por um pórtico barroco com um campanário hexagonal do século XV está decorada com um maravilhoso fundo de pinturas e obras de geniais artistas como Sassoferrato, Reni, Dosso, Guerniccino e Perugino entre outros. No presbitério pode-se contemplar um magnífico coro de madeira realizado nos anos 1526-1535, enquanto que na sacristia pode-se admirar as quatro pinturas obra de Perugino com representações dos Santos.

Fontana Maggiore, construida entre os anos 1275-1278, destingue-se por sua decoração profusa e delicada. Acima de uma série de degraus circulares concêntricos alcança- se a pia de mármore da fonte, de forma poligonal com 24 lados. Acima desta se levanta uma segunda pia de marmore e sobre esta uma terceira, menor, de bronze. Está ornamentada por um grupo de esculturas de bronze formado por três ninfas obra de Giovanni Pisano, igual que as 24 estatuetas de mármore, que adornam a segunda pia, além de todas as que decoram a fonte, menos os baixo-relevos da copa inferior que, em parte, deve-se a Nicola Pisano e que representam os meses do ano com figuras alegóricas.

Como cólofon nada melhor que visitar o Palácio Comunale, uma construção excelentemente conservada e um dos mais grandiosos palácios da Itália medieval.

Foi edificado em várias etapas que comprendem os anos 1293 -1443 utilizando silhares regulares e ornamentado com janelas de traceria calada. Conta com uma grande escalinata em forma de leque virado, que leva até a porta, com uma torneira de bronze e um leão que datam do ano 1281. A visita deve continuar na Sala de Notari, decorada com um afresco de Pietro Cavallini do ano 1297, para seguir logo pela Galeria Nacional de Umbría, que pela magnífica coleção de pintura gótica que aloja tem-se convertido em uma de mais importantes da Itália central. Se exibem obras tão importantes, como um “Crucifixo” do Mestre de São Francisco do século XIII, esculturas de Arnolfo di Cambio, uma “Virgem com a Criança e os Anjos” de Duccio di Bonisegma, numerosas obras de Perugino e Pinturicchio, e na Capela do Prior afrescos de B. Bonfigli, do século XV, entre outras muitas obras.

SIENA

Seguindo para o norte, extendendo-se acima de três colinas, encontramos uma de cidades com mais encanto da Itália, Siena, terra de excelentes vinhos como o Chianti, e do artesanato de grande qualidade. A cidade esta considerada como uma de capitais européias da arte gótica. O melhor para empapar-se da magia de Siena é andar nas ruas. Seguro que o visitante se sentirá como transladado a uma autêntica aldeia medieval, com surpreendentes e numerosos tesouros que este antigo assentamento etrusco tem sabido conservar com verdadeiro esmero.

Talvez o primeiro que chame a atenção do viageiro sejam os 120 metros de altura da Torre do Mangia, construida no ano 1348. A parte mais alta foi desenho de Lippo Memmi e pode-se chegar a ela subindo os 503 degraus, com que conta para desfrutar de uma formosa vista da cidade e seus arredores.

Sem dúvida chama também a atenção o Duomo, enorme construção de estilo gótico, iniciada no ano 1150 e finalizada no ano 1267, não assim sua decoração.

Nos anos 1284-1296 a parte inferior da fachada, foi revestida com mármores e o alargamento do ábside foi obra de Camaino di Crescentino. Dita obra se interrompeu e serviu de base para a construção do Duomo novo, do que só se construiram oito grandiosos arcos. Seus principais atrativos são o Batistério, situado sob o ábside do Duomo, construido nos anos 1316-1325; no centro deste fica uma pia batismal de Iacopo dela Quercia quem recebeu a colaboração para realizá-la, entre outros, de Donatello e Ghiberti.

No Museu dell’Ópera Metropolitana pode-se admirar obras de grande importância como as 32 figuras da “Maesta” de Duccio di Buoinsegna dos anos 1308-1311, a “Natividade da Virgem” e um tríptico pintado por P. Lorenzettiou o “Beato Agostino Novello” de Simone Martini.

Muito perto ficam a Livraria Piccolomini, de 1492, com estupendos afrescos e uma boa mostra de cantorias e a Pinacoteca Nacionalcom uma ótima mostra da pintura sienesa dos séculos XII-XVII. Na primeira planta se expõem obras de Beccafumi, R. Manetti, Sodoma, Brescianino e Pinturicchio. Na segunda planta mostram-se obras de grande importância, como uma Cruz policromada do século XII, Retábulos dos séculos XII e XIII, e obras de Domenico di Bartolo, Duccio, Simone Martini, Lippo Memmi, Bartolo di Fredi e P. Lorenzetti, entre outros. No terceiro andar destaca a Coleção de Spannocchi que tem obras de autores da escola italiana, alemã, flamenca e de L. Lotto e Duero.

Museu Cívico exibe uma excelente coleção de afrescos que adornam as paredes de suas salas góticas como os de Simone Martini, Lorenzetti e Iacopo da Quercia. Na Sala do Consistório pode-se admirar tapetes florentinos e gibelinos do século XVI, assim como afrescos de D. Beccafumi. A Ante Capela e a Capela estão decorada com afrescos de Tadeo di Bartolo. Na Sala do Mapamondo podem-se admirar os afrescos de Sano di Pietro, Vecchieta e os famosíssimos afrescos de Simone Martini. Na Sala da Pace pode-se contemplar os afrescos alegóricos “O Buem Governo” e “O Mal Governo” de A. Lorenzetti que datam dos anos 1338-1340.

A continuação, o adequado é relaxar em uma de praças mais formosas do continente europeu, a Praça do Campo, com forma de concha e rodeada de antigos e belos palácios, torres e casas, é também o lugar ideal para apreciar um excelente café expresso.

FLORENÇA

A capital da região da Toscana, situada no quilômetro 494, é uma de cidades mais formosas do mundo. A antiga capital da Itália conserva dois lugares históricos dentro dela, por um lado o romano (no centro), e o medieval que rodeia o primeiro.

O ponto de interesse turístico e desde o que pode-se iniciar o percurso por este paraíso da arte é a Praça do Duomo.

É a mais central da cidade e recolhe no seu interior os edifícios religiosos mais importantes, todos eles de mármore policromado com desenhos geométricos: o Batistério, que data segundo alguns, do século IV-VI, e segundo outros do século XI-XII, com telhado piramidal e ao que se chega, através de famosas portas de bronze que representam cenas da vida de Cristo, de São João Batista e, a mais importante realizada por Ghiberti, com cenas do Antigo Testamento. Seu interior conta com paredes decorada, com colunas e semi colunas, sucedendo-se alternativamente. A Pia Batismal é de mármore e pertence à escola de Pisa, de 1371. À direita da entrada está o túmulo do “anti-papa” João XXIII, obra de Michelozzo e Donatello do ano 1427. A cúpula aparece recoberta de mosaicos de inspiração bizantina e é obra de artistas venezianos e florentinos como Cimabue. Na cabeceira destacam os mosaicos do mesmo estilo do Mestre Lacopo.

Campanile de Giotto, começado no ano 1334 por Gioto, continuado por Andrea Pisano e concluido por Francesco Talenti no ano 1359, conta com uma decoração que adorna os andares com tracerias calade e coronamentos. A altura é de 87 metros e pode-se subir os 414 degraus para desfrutar de uma formosa panorâmica da cidade. A parte inferior está adornada com baixo-relevos que são cópias dos originais do século XIV de Andrea Pisano e Andrea da Robbia.

O Duomo é também conhecido como Santa Maria do Fiore. Este edifício, com planta de cruz latina, está coroado por uma cúpula de dobrada bóveda de Brunelleschi que foi finalizada em 1461 e mede 91 metros de altura e 45.5 metros de diâmetro e está decorada com afrescos que representam o Julgamento Final de Vasari e Zuccari nos anos 1572-1579. Além de contemplar as maravilhas que encontram-se no interior e o exterior, o edifício conta com magníficas obras como a Porta do Campanille e a Porta do Canonici, todas duas do século XIV e a Porta da Mandiria, com o relevo da Assunção de Nani di Banco, do ano 1421 e o mosaico da Anunciação de Ghirlandaio de 1491. A igreja está dividida em três naves separade por grandes pilares que mantém as altísimas arquerias e as cúpulas nervadas. Nela pode-se admirar obras, como as divinas vidraçarias coloride de Lorenzo Ghiberti, o “Túmulo do Obispo D’Orso” de Tino di Camaino, um afresco ao claro escuro de Andrea Castagno de 1456, a Estátua Equestre de Nicolou da Tolentino e um afresco ao claro escuro de Paolo Unccello. Sob a cúpula aparecem três balcões, um deles destacado pelas notáveis vidraçarias de gênios, como Donatello, Ghilberti e Paolo Uccello. Também pode-se admirar obras de Benedetto da Maiano, Paolo Unccello e L. Da Robbia, entre outros. Porém, talvez o que mais impressiona seja seu tamanho já que é a quarta igreja maior do mundo.

Se a Praça do Duomo é conhecida por seus edifícios religiosos, a Praça da Signoria é na que se desenvolve a vida da cidade. Contém o edifício civil mais conhecido de Florença, o Palácio Vecchio ou da Signoria. Esta construção medieval, de estilo gótico, é a sede da Prefeitura desde 1872 e foi construido nos anos 1299-1314. Destaca pela versalidade acentuada pelos 94 metros da famosa Torre D’Arnolfo. Resulta uma verdadeira delícia passear pelo magnífico pátio porticado antes de percorrer os numerosos salões como o Salão dei Cinquecento, no que encontra-se a “Vitória” de Miguel Angelo, o Stúdio de Francesco I de estilo mineralista do século XVI, o Tesoreto decorado por Vasari, a Sala dei Dugento, obra de 1447, da que conserva-se o teto pintado por Benedetto da Maiano, a Sala dei Gigli com artesanato traceado de Giuliano da Maiano e a Sala da Cancilharia na que trabalhou Maquiavel e na que está situada a estátua do “Menino com golfinho” de Verrocchio.

Palácio Gli Uffizi, obra renascentista realizada por Vasari nos anos 1560-1580, é a sede da Galleria degli Uffizi, um dos museus mais valorados do mundo.

Na planta baixa encontra-se o ciclo de afrescos de A. Del Castagno que mostra retratos de personagens ilustres. No primeiro andar destaca o Gabinete dei Disegne delle Stampe com gravados e desenhos. No Corredor Vasariano, que une os Uffizi ao Palácio Pitti atravessando o Arno pela ponte Veniccio, pode-se desfrutar da Colleccione degli Autoritatti de pintores italianos e estrangeiros que vão do século XVI, até nossos dias. Suas galerias, dispostas em forma de passagem, mostram tapetes flamencos e florentinos dos séculos XVI-XVII, assim como, esculturas antigas. No segundao andar pode-se admirar maravilhosas obras destacade de Cimbaue, Duccio di Buoninsegna, Giotto, Simone Martini, Paolo Uccello, Veneziano, Piero da Francesca, Botticelli, Leonardo da Vinci, Rafael, Miguel Angelo, Tiziano e Rembrandt.

Também é importante o Palácio Pitti, construido com pedra rústica de silharia. Destacam suas fachada, de 205 metros de comprimento e o magnífico cortile (pátio) do ano 1570, obra de Ammannati. Este palácio foi residência do grande ducal e, nos anos 1865-1871 formou parte da corte do novo Reinado da Itália.

Hoje em dia contém no interior a Galeria Pitti, que embora não tem a importância do anterior, em suas impressionantes salas, com tetos pintados, pode-se encontrar os belos afrescos e obras de Tiziano e Rafael, embora de mais interesse resultam osAppartamenti Monumentali, antiga residência dos Medici e dos Lorena, que depois passaram ser as Salas de Gala dos Saboia.

Vale a pena visitar também o Museu degli Argenti, onde fica uma deslumbradora coleção de metais e pedras preciosas insertada nos mais variados objetos, cristais, marfim, etc. No museu pode-se admirar a Collezione Contini-Bonacosi, isso sim, com prévio aviso; a Galeria do Costume com suas onze salas que mostram maravilhosas pinturas de Velázquez, Goya, o Veronés, Duccio di Buoninsegna, G. Bellini, I. Bassano, Sassetta e Andrea do Castagno e, também móveis, esculturas, objetos de arte e uma exibição de trajes, que percorre a moda desde 1700 até 1900 (periodicamente vai-se renovando).

Se quer conhecer um verdadeiro jardim de estilo italiano é necessario passear pelo Giardino di Boboli, projetado por Tibolo no ano 1550 e finalizado no século VII. Conta com uma superfície de 45.000 metros quadrados com interessantes lugares como a gruta de Buontalenti de 1588, o Anfiteatro, o Vivero de Netuno de 1565, e o Jardim do Cavaleiro, desde a que se obtém uma esplêndida panorâmica.

Depois de relaxar nestes extraordinários espaços verdes pode-se visitar o Museu dell’Ópera do Duomo, onde o turista poderá extasiar-se com a beleza da maravilhosa “Pietat” de Miguel Angelo, do ano 1553 e, com as obras de escultores florentinos entre os que encontram-se Donatello e Arnolfo di Cambio.

Também pode-se admirar obras deste genial escultor no Museu nacional, situado no Palácio do Podestá construido entre os anos 1255-1346. Nele se expõem peças como o “São Jorge” ou o “David” de bronze de Donatello, entre outras muitas de excepcional índole. Na continuação pode-se andar nas ruas tomando a Via de Tornabuoni, como referência e é conveniente deixar-se surpreender por um dos palácios mais conhecidos de Florença, o Palácio Strozz, de estilo renascentista florentino, cuja construção começou Benedetto da Maiano em 1489, foi continuado por Cronaca e finalizado, em 1504.

Muito próxima encontra-se a igreja de São Lorenzo, edificada por Brunelleschi em 1446 e terminada por A. Manetti em 1460, com uma fachada de pedra rústica. Seu interior está formado por três pavilhões e foi decorada, em parte, por Donatello em 1460, com uma magnífica Sacristia (a Sagrestia Vecchia), que com a participação destes dois gênios se converte em uma peça maravilhosa, na que pode-se admirar o sarcófago com os restos de Giovanni e Piero de Médicis, sendo uma obra mestra de Verrocchio de 1472. Também é única a Sacrestia Nova de Miguel Angelo, do ano 1524, situada na Capela do Príncipe, de forma octogonal, culminada por uma cúpula e com seu interior recoberto de mármore e outros materiais, que contém também os “Sepolcri Medici”, outra obra cume de Miguel Angelo dos anos 1524-1533.

Outra magnífica obra de Brunelleschi é o Hospital dos Inocentes, do ano 1426. Atrás do pórtico, que conta com amplos arcos culminados com dez medalhões circulares de terracota obra de A. da Robbia, abre-se a fachada (no pátio pode-se admirar uma Anunciação do mesmo artista). No hospital há que visitar a Galeria del’Ospedale, com pinturas, códices minados, esculturas e mobília dos séculos XIV-XVIII, destacando entre elas a “Epifania” de Ghirlandajo. Também destacam o Pórtico da Confraternita de Servi di Maria, a Santíssima Anunciata e o Santuário do século XV. No interior, de estilo barroco, destacam um Templete de Michelozzo, do ano 1461, afrescos de A. Del Castagno, o ábside obra de Michelozzo e L. B. Alberti, além do Chiostro de Morti onde pode-se ver um afresco de Andrea do Sarto.

Não pode abandonar Florença, se não tem realizado uma visita à Academia de Belas Artes. Aqui se encontram, entre outras obras, as belas talhas de Miguel Angelo, entre as que destacam o inigualável “David”, esculpida entre os anos 1501-1504 e as esculturas de “Os Escravos Inacabados”, uma de obras mais enigmáticas do célebre artista.

Se quiser admirar uma de vistas mais formosas da cidade e realizar um bom passeio por um entorno agradável o trajeto começará em Viale dei Colli e finalizará no Piazzale Michelangelo onde, também, pode-se caminhar entre reproduções em bronze de obras deste grande artista.

PISA

Também na região da Toscana mas na zona noroeste e extendendo-se pela planície do Arno encontra-se Pisa, uma cidade de aproximadamente 100.000 habitantes, conhecida mundialmente por sua torre inclinada.

Campo de Miracoli acolhe os monumentos mais prestigiados desta antiga base naval romana, o Duomo, a Torre inclinada e o Batistério, assim como, o Camposanto e as esculturas da família Pisano. Todos eles formam um conjunto românico de extraordinária pureza.

Duomo, iniciado por Buscheto no ano 1064 e finalizado no século XII por Rainaldo, é realmente impressionante, em sua totalidade. Na fachada pode-se ver as três portas de bronze realizada pelos discípulos de Giambologna nos finais do século XVI. A entrada habitual é a Porta São Rainieri, com postigos de bronze adornados com histórias do Redentor, obra de Bonanno do ano 1180. No interior destacam seus cinco pavilhões decorada com mármore branco, preto e um artesanato de finais do século XVI, assim como, o púlpito, realizado por Giovanni Pisano em 1311, uma verdadeira maravilha gótica com dramáticos relevos representando cenas dos Evangelhos. Não pode-se esquecer a lâmpada de bronze do centro do edifício. Conta a lenda que graças a seu balanço Galileu desenvolveu a teoria do pêndulo. Assim mesmo resultam maravilhosos o Túmulo de Arrigo VII, obra de Tino da Camaino, os escanhos traceados do Prebistério do século XV, os lenços de alguns santos, obra de Andrea do Santo, o grande mosaico que decora o casquete do ábside do século XIII, as pinturas do século XVI realizada por Sodoma, Sogliani e Beccafumi e a Madona de marfim, de 1299, realizada por Giovanni Pisano.

A famosa e popular Torre Inclinada é na realidade o Campanário do conjunto. Situado perto do ábside, no exterior do Duomo, seu maior atrativo é a inclinação de 5,30 graus que sofrem seus 55 metros de altura. Resulta muito formosa a decoração de um marcado claro escuro, com seis níveis de galerias de colunas em volta do cilindro da torre. Se os estudos que estão sendo realizados para evitar seu derrubamento permitem-o, deve-se subir a escada de 294 degraus que conduz à Sala do Sino, desde a que Galileu experimentou com a gravidade e desde a que se obtém uma bela panorâmica da cidade e seus arredores. Sua criação iniciou-se no ano 1173, mas não concluiu até o ano 1275 (o campanil que corona-la foi acrescentado no século XIV).

O circular Batistério, cuja edificação começou no ano 1152 e terminou à finais do século XIV, também tem 55 metros de altura coroados por uma cúpula piramidal de oito lados. Contém no seu interior a primeira obra gótica da Itália realizada por Nicola Pisano, o púlpito do ano 1260, decorado com relevos representando a vida de Jesus. São também interessantes a magnífica pia batismal de Guido da Como, do ano 1246, a decoração de paredes e as magníficas estátuas de Nicola e Giovanni Pisano.

Destruido durante a Segunda Guerra Mundial o Camposanto tem sido restaurado em várias ocasiões. Este edifício de mármore de linhas horizontais foi iniciado por Gibanni di Simone, em 1277. A construção conta no interior como máximos atrativos com o Salão dos Afrescos onde pode-se ver delicade obras, como as do Mestre do Triunfo da morte e uma boa mostra de sarcófagos romanos e esculturas de todos os tempos de mestres como Tino da Camaino, L. Bartolino e Giobanni Pisano. As antigas correntes do porto de Pisa pode-se ver nas paredes do braço meridional deste cemitério.

Embora o maior atrativo de Pisa encontra-se neste conjunto românico, não pode-se deixar de andar nas ruas pela cidade. Do outro lado do rio Arno pode-se desfrutar com belos edifícios de várias épocas, como a Casatorre do século XIII, a melhor conservada e do modelo mais antigo e os palácios dos séculos XVII e XVIII como o Palácio deiCavalieri, construido no ano 1562, como sede da Ordem dos Cavaleiros de São Estevão (na atualidade, é a sede da Escola Normal Superior).

Destinguem-se, também, as igrejas medievais como Santa Maria da Spina, finalizada no ano 1323, uma jóia do estilo da transição gótico-românico; a Igreja do Santo Sepulcro edificada no ano 1153, por Diotisalvi e um estupendo museu que recolhe uma importante coleção de artistas pisanos e toscanos; o Museu Nacional de São Mateo, situado dentro do edifício de um antigo mosteiro com uma interessante exibição de pintura da escola toscana dos séculos XII-XV, assim como, esculturas de Giovanni Pisano e sua escola, entre as que encontram-se a “Madona de Latte” e o “Busto de São Lussorio” e vários objetos de artes menores. Como curiosidade há que visitar a Domus Galileana, na que exibem alguns objetos pessoais de Galileu.

Centro

Assis

A tão só hora e meia de carro desde Roma, para o norte, encontra-se Assis, uma pequena cidade com muito encanto e conhecida mundialmente por ser o lugar em que nasceu São Francisco. Este nascimento tem marcado à vila já que seus principais edifícios se referem a este Santo, amante dos animais.

Assim, o Convento e a Basílica de São Francisco, constituem um conjunto arquitetônico de grande interesse. A Basílica está formada por duas igrejas superpostas, a fachada, adornada com um duplo rosetão, e o campanário que data do ano 1239. Na praça inferior, porticada e do século XV, encontra-se a entrada à Igreja Inferior, que é o santuário onde repousam os restos do Santo situados na cripta que se compõe de uma nave só de colunas baixas. Daqui à explanada de ingresso que conduz ao Claustro, de estilos românico-gótico, com um navio decorado com afrescos do chamado Mestre de São Francisco do século XIII. Nesta Igreja Inferior pode-se contemplar diversas capelas entre as que destacam a terceira da direita, decorada com afrescos atribuidos a Giotto e seus discípulos do ano 1314 e a primeira da esquerda, decorada por Simone Martini com Histórias da vida de São Martim dos anos 1322 e 1326. A cúpula do ábside está adornada com afrescos alegóricos da escola de Giotto. No ábside pode-se admirar um coro de madeira do século XV, com formas góticas. No braço esquerdo do cruzeiro ressaltam os afrescos de Pietro Lorenzetti representando a Paixão e no direito os afrescos de Giotto e seus discípulos representando histórias da vida de Cristo. Através deste Cruzeiro chega-se à Igreja Superior, de estilo gótico, na que pode-se ver, na parte baixa a famosa série de afrescos de Giotto que representam 28 cenas da vida de São Francisco de Assis e na parte alta, os afrescos da Escola de Cimabue e Romana, I. Torriti. No Cruzeiro mostram-se pinturas ao afresco de Cimabue e discípulos e no ábside, o coro talhado de madeira do século XV (no ano de 1997 Assis sofreu um forte terremoto que provocou sérios danos no conjunto histórico. Alguns afrescos têm-se perdido para sempre).

O Tesouro contém maravilhosas pinturas dos séculos XIII-XV, excelentes tapetes dos séculos XV-XVI, magistrais vestes sacerdotais e mobília dos séculos XIII-XVIII.

São de interesse também o Convento de São Damião, que data do século XIII, edificado em volta do oratório campestre, no que supõe-se que o Crucifixo falou à São Francisco, no ano 1205. Do lado da pequena igreja está o Jardim de Santa Clara, no qual afirma-se que o Santo compôs o Cântico de Criaturas.

Eremo delle Carceri, situado em um bosque de azinheiras e carrascos que cobre as ladeiras do monte Subasio, foi lugar ao que se retirou São Francisco para meditar. Este lugar encontra-se rodeado por uma série de grutas de ermitanhos; aqui fica o Convento fundado no século XV. Do lado da Igreja localiza-se o primitivo eremo, desde onde desce-se à gruta do Santo.

A 5 quilômetros de Assis encontra-se Santa Maria degli Angeli, impressionante Basílica dos anos 1569-1679, obra de Alessi, construida no lugar onde fundou-se a Ordem Franciscana. Sob a alta cúpula encontra-se o oratório, que data dos séculos X-XI e à direita do ábside a famosa Capela do Trânsito, a cela onde morreu São Francisco no ano 1226. É nesta capela onde pode-se ver a estátua do Santo realizada por A. Da Robbia em terracota esmaltada. Cerca desta igreja pode-se ver o famoso Roseto de São Francisco, esplêndido jardim, onde pode-se admirar as cinco roseiras sem espinhos plantados pelo Santo, como também a capela decorada com afrescos do século XVI. O museu com seres sacros dos séculos XIV-XVIII, tábuas pintadas e relicários, encontra-se no convento.

Perusa

A 23 quilômetros de Assis, em direção norte, encontramos a capital da região de Umbría. Perusa tem um grande ambiente cultural, graças a que acolhe duas Universidades e dois famosos festivais, o de Música Sacra e a Desolata da Sexta-feira Santa.

Esta vila conserva um grande número de restos etruscos como a Muralha Etrusca, situada na parte mais alta da cidade e ampliada no século XIV sobre os contrafortes de colinas. O Hipogeu dei Volumni, um túmulo etrusco muito complicado que data do século II a.C., nele conserva-sem umas formosas urnas funerárias.

Museu Arqueológico Nacional de Umbría, situado dentro de um antigo convento dominico, conta com várias seções como a Pré-histórica, que abraça o período compreendido entre o Paleolítico e a Idade do Ferro, com documentação da cultura e material da região desde os assentamentos mais antigos. A Etrusca, especialmente rica e documentação abundante com inscrições epigráficas, bronzes, sarcófagos, copos e urnas funerárias típicas da região de Perusa e A Romana que recolhe formosos bustos e relevos.

Catedral, de estilo gótico, foi reconstruida entre os anos 1345-1490. À sua fachada não concluida acrescentou-se uma porta barroca tardia. No lateral esquerda pode-se observar uma variada decoração, entre a que destaca uma porta que data do ano 1568 realizada por G. Alessi e um púlpito do século XV.

No interior desta pode-se desfrutar com a vista de grandes obras de arte entre as que destacam a Capela de São Bernardino, decorada com a valiosa obra de Barocci “O Descendimento”. Na lateral esquerda da nave, em meio dos dois primeiros arcos, encontra-se a grade de ferro realizada nos anos 1496-1511, e atrás desta a Capela do Santo Anei, que tem a honra de guardar o anel nupcial da Virgem Maria, guardado em um valioso sagrário do ano 1511. No ábside, de forma poligonal, pode-se ver um coro de madeira talhado e traçado por Giuliano da Maiano e Domenico do Tasso, dos anos 1486-1491, enquanto que na sacristia do século XV pode-se admirar armários traçados desse mesmo século. Não pode-se deixar de ver o Oratório de São Bernardino, com interior de estilo gótico, maravilhosamente decorado, obra de Agostino Duccio dos anos 1457-1461.

Igreja de São Pedro, do século X, ainda conserva sua estrutura basilical. Precedida por um pórtico barroco com um campanário hexagonal do século XV está decorada com um maravilhoso fundo de pinturas e obras de geniais artistas como Sassoferrato, Reni, Dosso, Guerniccino e Perugino entre outros. No presbitério pode-se contemplar um magnífico coro de madeira realizado nos anos 1526-1535, enquanto que na sacristia pode-se admirar as quatro pinturas obra de Perugino com representações dos Santos.

Fontana Maggiore, construida entre os anos 1275-1278, destingue-se por sua decoração profusa e delicada. Acima de uma série de degraus circulares concêntricos alcança- se a pia de mármore da fonte, de forma poligonal com 24 lados. Acima desta se levanta uma segunda pia de marmore e sobre esta uma terceira, menor, de bronze. Está ornamentada por um grupo de esculturas de bronze formado por três ninfas obra de Giovanni Pisano, igual que as 24 estatuetas de mármore, que adornam a segunda pia, além de todas as que decoram a fonte, menos os baixo-relevos da copa inferior que, em parte, deve-se a Nicola Pisano e que representam os meses do ano com figuras alegóricas.

Como cólofon nada melhor que visitar o Palácio Comunale, uma construção excelentemente conservada e um dos mais grandiosos palácios da Itália medieval.

Foi edificado em várias etapas que comprendem os anos 1293 -1443 utilizando silhares regulares e ornamentado com janelas de traceria calada. Conta com uma grande escalinata em forma de leque virado, que leva até a porta, com uma torneira de bronze e um leão que datam do ano 1281. A visita deve continuar na Sala de Notari, decorada com um afresco de Pietro Cavallini do ano 1297, para seguir logo pela Galeria Nacional de Umbría, que pela magnífica coleção de pintura gótica que aloja tem-se convertido em uma de mais importantes da Itália central. Se exibem obras tão importantes, como um “Crucifixo” do Mestre de São Francisco do século XIII, esculturas de Arnolfo di Cambio, uma “Virgem com a Criança e os Anjos” de Duccio di Bonisegma, numerosas obras de Perugino e Pinturicchio, e na Capela do Prior afrescos de B. Bonfigli, do século XV, entre outras muitas obras.

Siena

Seguindo para o norte, extendendo-se acima de três colinas, encontramos uma de cidades com mais encanto da Itália, Siena, terra de excelentes vinhos como o Chianti, e do artesanato de grande qualidade. A cidade esta considerada como uma de capitais européias da arte gótica. O melhor para empapar-se da magia de Siena é andar nas ruas. Seguro que o visitante se sentirá como transladado a uma autêntica aldeia medieval, com surpreendentes e numerosos tesouros que este antigo assentamento etrusco tem sabido conservar com verdadeiro esmero.

Talvez o primeiro que chame a atenção do viageiro sejam os 120 metros de altura da Torre do Mangia, construida no ano 1348. A parte mais alta foi desenho de Lippo Memmi e pode-se chegar a ela subindo os 503 degraus, com que conta para desfrutar de uma formosa vista da cidade e seus arredores.

Sem dúvida chama também a atenção o Duomo, enorme construção de estilo gótico, iniciada no ano 1150 e finalizada no ano 1267, não assim sua decoração.

Nos anos 1284-1296 a parte inferior da fachada, foi revestida com mármores e o alargamento do ábside foi obra de Camaino di Crescentino. Dita obra se interrompeu e serviu de base para a construção do Duomo novo, do que só se construiram oito grandiosos arcos. Seus principais atrativos são o Batistério, situado sob o ábside do Duomo, construido nos anos 1316-1325; no centro deste fica uma pia batismal de Iacopo dela Quercia quem recebeu a colaboração para realizá-la, entre outros, de Donatello e Ghiberti.

No Museu dell’Ópera Metropolitana pode-se admirar obras de grande importância como as 32 figuras da “Maesta” de Duccio di Buoinsegna dos anos 1308-1311, a “Natividade da Virgem” e um tríptico pintado por P. Lorenzettiou o “Beato Agostino Novello” de Simone Martini.

Muito perto ficam a Livraria Piccolomini, de 1492, com estupendos afrescos e uma boa mostra de cantorias e a Pinacoteca Nacionalcom uma ótima mostra da pintura sienesa dos séculos XII-XVII. Na primeira planta se expõem obras de Beccafumi, R. Manetti, Sodoma, Brescianino e Pinturicchio. Na segunda planta mostram-se obras de grande importância, como uma Cruz policromada do século XII, Retábulos dos séculos XII e XIII, e obras de Domenico di Bartolo, Duccio, Simone Martini, Lippo Memmi, Bartolo di Fredi e P. Lorenzetti, entre outros. No terceiro andar destaca a Coleção de Spannocchi que tem obras de autores da escola italiana, alemã, flamenca e de L. Lotto e Duero.

Museu Cívico exibe uma excelente coleção de afrescos que adornam as paredes de suas salas góticas como os de Simone Martini, Lorenzetti e Iacopo da Quercia. Na Sala do Consistório pode-se admirar tapetes florentinos e gibelinos do século XVI, assim como afrescos de D. Beccafumi. A Ante Capela e a Capela estão decorada com afrescos de Tadeo di Bartolo. Na Sala do Mapamondo podem-se admirar os afrescos de Sano di Pietro, Vecchieta e os famosíssimos afrescos de Simone Martini. Na Sala da Pace pode-se contemplar os afrescos alegóricos “O Buem Governo” e “O Mal Governo” de A. Lorenzetti que datam dos anos 1338-1340.

A continuação, o adequado é relaxar em uma de praças mais formosas do continente europeu, a Praça do Campo, com forma de concha e rodeada de antigos e belos palácios, torres e casas, é também o lugar ideal para apreciar um excelente café expresso.

Florença

A capital da região da Toscana, situada no quilômetro 494, é uma de cidades mais formosas do mundo. A antiga capital da Itália conserva dois lugares históricos dentro dela, por um lado o romano (no centro), e o medieval que rodeia o primeiro.

O ponto de interesse turístico e desde o que pode-se iniciar o percurso por este paraíso da arte é a Praça do Duomo.

É a mais central da cidade e recolhe no seu interior os edifícios religiosos mais importantes, todos eles de mármore policromado com desenhos geométricos: o Batistério, que data segundo alguns, do século IV-VI, e segundo outros do século XI-XII, com telhado piramidal e ao que se chega, através de famosas portas de bronze que representam cenas da vida de Cristo, de São João Batista e, a mais importante realizada por Ghiberti, com cenas do Antigo Testamento. Seu interior conta com paredes decorada, com colunas e semi colunas, sucedendo-se alternativamente. A Pia Batismal é de mármore e pertence à escola de Pisa, de 1371. À direita da entrada está o túmulo do “anti-papa” João XXIII, obra de Michelozzo e Donatello do ano 1427. A cúpula aparece recoberta de mosaicos de inspiração bizantina e é obra de artistas venezianos e florentinos como Cimabue. Na cabeceira destacam os mosaicos do mesmo estilo do Mestre Lacopo.

Campanile de Giotto, começado no ano 1334 por Gioto, continuado por Andrea Pisano e concluido por Francesco Talenti no ano 1359, conta com uma decoração que adorna os andares com tracerias calade e coronamentos. A altura é de 87 metros e pode-se subir os 414 degraus para desfrutar de uma formosa panorâmica da cidade. A parte inferior está adornada com baixo-relevos que são cópias dos originais do século XIV de Andrea Pisano e Andrea da Robbia.

O Duomo é também conhecido como Santa Maria do Fiore. Este edifício, com planta de cruz latina, está coroado por uma cúpula de dobrada bóveda de Brunelleschi que foi finalizada em 1461 e mede 91 metros de altura e 45.5 metros de diâmetro e está decorada com afrescos que representam o Julgamento Final de Vasari e Zuccari nos anos 1572-1579. Além de contemplar as maravilhas que encontram-se no interior e o exterior, o edifício conta com magníficas obras como a Porta do Campanille e a Porta do Canonici, todas duas do século XIV e a Porta da Mandiria, com o relevo da Assunção de Nani di Banco, do ano 1421 e o mosaico da Anunciação de Ghirlandaio de 1491. A igreja está dividida em três naves separade por grandes pilares que mantém as altísimas arquerias e as cúpulas nervadas. Nela pode-se admirar obras, como as divinas vidraçarias coloride de Lorenzo Ghiberti, o “Túmulo do Obispo D’Orso” de Tino di Camaino, um afresco ao claro escuro de Andrea Castagno de 1456, a Estátua Equestre de Nicolou da Tolentino e um afresco ao claro escuro de Paolo Unccello. Sob a cúpula aparecem três balcões, um deles destacado pelas notáveis vidraçarias de gênios, como Donatello, Ghilberti e Paolo Uccello. Também pode-se admirar obras de Benedetto da Maiano, Paolo Unccello e L. Da Robbia, entre outros. Porém, talvez o que mais impressiona seja seu tamanho já que é a quarta igreja maior do mundo.

Se a Praça do Duomo é conhecida por seus edifícios religiosos, a Praça da Signoria é na que se desenvolve a vida da cidade. Contém o edifício civil mais conhecido de Florença, o Palácio Vecchio ou da Signoria. Esta construção medieval, de estilo gótico, é a sede da Prefeitura desde 1872 e foi construido nos anos 1299-1314. Destaca pela versalidade acentuada pelos 94 metros da famosa Torre D’Arnolfo. Resulta uma verdadeira delícia passear pelo magnífico pátio porticado antes de percorrer os numerosos salões como o Salão dei Cinquecento, no que encontra-se a “Vitória” de Miguel Angelo, o Stúdio de Francesco I de estilo mineralista do século XVI, o Tesoreto decorado por Vasari, a Sala dei Dugento, obra de 1447, da que conserva-se o teto pintado por Benedetto da Maiano, a Sala dei Gigli com artesanato traceado de Giuliano da Maiano e a Sala da Cancilharia na que trabalhou Maquiavel e na que está situada a estátua do “Menino com golfinho” de Verrocchio.

Palácio Gli Uffizi, obra renascentista realizada por Vasari nos anos 1560-1580, é a sede da Galleria degli Uffizi, um dos museus mais valorados do mundo.

Na planta baixa encontra-se o ciclo de afrescos de A. Del Castagno que mostra retratos de personagens ilustres. No primeiro andar destaca o Gabinete dei Disegne delle Stampe com gravados e desenhos. No Corredor Vasariano, que une os Uffizi ao Palácio Pitti atravessando o Arno pela ponte Veniccio, pode-se desfrutar da Colleccione degli Autoritatti de pintores italianos e estrangeiros que vão do século XVI, até nossos dias. Suas galerias, dispostas em forma de passagem, mostram tapetes flamencos e florentinos dos séculos XVI-XVII, assim como, esculturas antigas. No segundao andar pode-se admirar maravilhosas obras destacade de Cimbaue, Duccio di Buoninsegna, Giotto, Simone Martini, Paolo Uccello, Veneziano, Piero da Francesca, Botticelli, Leonardo da Vinci, Rafael, Miguel Angelo, Tiziano e Rembrandt.

Também é importante o Palácio Pitti, construido com pedra rústica de silharia. Destacam suas fachada, de 205 metros de comprimento e o magnífico cortile (pátio) do ano 1570, obra de Ammannati. Este palácio foi residência do grande ducal e, nos anos 1865-1871 formou parte da corte do novo Reinado da Itália.

Hoje em dia contém no interior a Galeria Pitti, que embora não tem a importância do anterior, em suas impressionantes salas, com tetos pintados, pode-se encontrar os belos afrescos e obras de Tiziano e Rafael, embora de mais interesse resultam osAppartamenti Monumentali, antiga residência dos Medici e dos Lorena, que depois passaram ser as Salas de Gala dos Saboia.

Vale a pena visitar também o Museu degli Argenti, onde fica uma deslumbradora coleção de metais e pedras preciosas insertada nos mais variados objetos, cristais, marfim, etc. No museu pode-se admirar a Collezione Contini-Bonacosi, isso sim, com prévio aviso; a Galeria do Costume com suas onze salas que mostram maravilhosas pinturas de Velázquez, Goya, o Veronés, Duccio di Buoninsegna, G. Bellini, I. Bassano, Sassetta e Andrea do Castagno e, também móveis, esculturas, objetos de arte e uma exibição de trajes, que percorre a moda desde 1700 até 1900 (periodicamente vai-se renovando).

Se quer conhecer um verdadeiro jardim de estilo italiano é necessario passear pelo Giardino di Boboli, projetado por Tibolo no ano 1550 e finalizado no século VII. Conta com uma superfície de 45.000 metros quadrados com interessantes lugares como a gruta de Buontalenti de 1588, o Anfiteatro, o Vivero de Netuno de 1565, e o Jardim do Cavaleiro, desde a que se obtém uma esplêndida panorâmica.

Depois de relaxar nestes extraordinários espaços verdes pode-se visitar o Museu dell’Ópera do Duomo, onde o turista poderá extasiar-se com a beleza da maravilhosa “Pietat” de Miguel Angelo, do ano 1553 e, com as obras de escultores florentinos entre os que encontram-se Donatello e Arnolfo di Cambio.

Também pode-se admirar obras deste genial escultor no Museu nacional, situado no Palácio do Podestá construido entre os anos 1255-1346. Nele se expõem peças como o “São Jorge” ou o “David” de bronze de Donatello, entre outras muitas de excepcional índole. Na continuação pode-se andar nas ruas tomando a Via de Tornabuoni, como referência e é conveniente deixar-se surpreender por um dos palácios mais conhecidos de Florença, o Palácio Strozz, de estilo renascentista florentino, cuja construção começou Benedetto da Maiano em 1489, foi continuado por Cronaca e finalizado, em 1504.

Muito próxima encontra-se a igreja de São Lorenzo, edificada por Brunelleschi em 1446 e terminada por A. Manetti em 1460, com uma fachada de pedra rústica. Seu interior está formado por três pavilhões e foi decorada, em parte, por Donatello em 1460, com uma magnífica Sacristia (a Sagrestia Vecchia), que com a participação destes dois gênios se converte em uma peça maravilhosa, na que pode-se admirar o sarcófago com os restos de Giovanni e Piero de Médicis, sendo uma obra mestra de Verrocchio de 1472. Também é única a Sacrestia Nova de Miguel Angelo, do ano 1524, situada na Capela do Príncipe, de forma octogonal, culminada por uma cúpula e com seu interior recoberto de mármore e outros materiais, que contém também os “Sepolcri Medici”, outra obra cume de Miguel Angelo dos anos 1524-1533.

Outra magnífica obra de Brunelleschi é o Hospital dos Inocentes, do ano 1426. Atrás do pórtico, que conta com amplos arcos culminados com dez medalhões circulares de terracota obra de A. da Robbia, abre-se a fachada (no pátio pode-se admirar uma Anunciação do mesmo artista). No hospital há que visitar a Galeria del’Ospedale, com pinturas, códices minados, esculturas e mobília dos séculos XIV-XVIII, destacando entre elas a “Epifania” de Ghirlandajo. Também destacam o Pórtico da Confraternita de Servi di Maria, a Santíssima Anunciata e o Santuário do século XV. No interior, de estilo barroco, destacam um Templete de Michelozzo, do ano 1461, afrescos de A. Del Castagno, o ábside obra de Michelozzo e L. B. Alberti, além do Chiostro de Morti onde pode-se ver um afresco de Andrea do Sarto.

Não pode abandonar Florença, se não tem realizado uma visita à Academia de Belas Artes. Aqui se encontram, entre outras obras, as belas talhas de Miguel Angelo, entre as que destacam o inigualável “David”, esculpida entre os anos 1501-1504 e as esculturas de “Os Escravos Inacabados”, uma de obras mais enigmáticas do célebre artista.

Se quiser admirar uma de vistas mais formosas da cidade e realizar um bom passeio por um entorno agradável o trajeto começará em Viale dei Colli e finalizará no Piazzale Michelangelo onde, também, pode-se caminhar entre reproduções em bronze de obras deste grande artista.

PISA

Também na região da Toscana mas na zona noroeste e extendendo-se pela planície do Arno encontra-se Pisa, uma cidade de aproximadamente 100.000 habitantes, conhecida mundialmente por sua torre inclinada.

Campo de Miracoli acolhe os monumentos mais prestigiados desta antiga base naval romana, o Duomo, a Torre inclinada e o Batistério, assim como, o Camposanto e as esculturas da família Pisano. Todos eles formam um conjunto românico de extraordinária pureza.

Duomo, iniciado por Buscheto no ano 1064 e finalizado no século XII por Rainaldo, é realmente impressionante, em sua totalidade. Na fachada pode-se ver as três portas de bronze realizada pelos discípulos de Giambologna nos finais do século XVI. A entrada habitual é a Porta São Rainieri, com postigos de bronze adornados com histórias do Redentor, obra de Bonanno do ano 1180. No interior destacam seus cinco pavilhões decorada com mármore branco, preto e um artesanato de finais do século XVI, assim como, o púlpito, realizado por Giovanni Pisano em 1311, uma verdadeira maravilha gótica com dramáticos relevos representando cenas dos Evangelhos. Não pode-se esquecer a lâmpada de bronze do centro do edifício. Conta a lenda que graças a seu balanço Galileu desenvolveu a teoria do pêndulo. Assim mesmo resultam maravilhosos o Túmulo de Arrigo VII, obra de Tino da Camaino, os escanhos traceados do Prebistério do século XV, os lenços de alguns santos, obra de Andrea do Santo, o grande mosaico que decora o casquete do ábside do século XIII, as pinturas do século XVI realizada por Sodoma, Sogliani e Beccafumi e a Madona de marfim, de 1299, realizada por Giovanni Pisano.

A famosa e popular Torre Inclinada é na realidade o Campanário do conjunto. Situado perto do ábside, no exterior do Duomo, seu maior atrativo é a inclinação de 5,30 graus que sofrem seus 55 metros de altura. Resulta muito formosa a decoração de um marcado claro escuro, com seis níveis de galerias de colunas em volta do cilindro da torre. Se os estudos que estão sendo realizados para evitar seu derrubamento permitem-o, deve-se subir a escada de 294 degraus que conduz à Sala do Sino, desde a que Galileu experimentou com a gravidade e desde a que se obtém uma bela panorâmica da cidade e seus arredores. Sua criação iniciou-se no ano 1173, mas não concluiu até o ano 1275 (o campanil que corona-la foi acrescentado no século XIV).

O circular Batistério, cuja edificação começou no ano 1152 e terminou à finais do século XIV, também tem 55 metros de altura coroados por uma cúpula piramidal de oito lados. Contém no seu interior a primeira obra gótica da Itália realizada por Nicola Pisano, o púlpito do ano 1260, decorado com relevos representando a vida de Jesus. São também interessantes a magnífica pia batismal de Guido da Como, do ano 1246, a decoração de paredes e as magníficas estátuas de Nicola e Giovanni Pisano.

Destruido durante a Segunda Guerra Mundial o Camposanto tem sido restaurado em várias ocasiões. Este edifício de mármore de linhas horizontais foi iniciado por Gibanni di Simone, em 1277. A construção conta no interior como máximos atrativos com o Salão dos Afrescos onde pode-se ver delicade obras, como as do Mestre do Triunfo da morte e uma boa mostra de sarcófagos romanos e esculturas de todos os tempos de mestres como Tino da Camaino, L. Bartolino e Giobanni Pisano. As antigas correntes do porto de Pisa pode-se ver nas paredes do braço meridional deste cemitério.

Embora o maior atrativo de Pisa encontra-se neste conjunto românico, não pode-se deixar de andar nas ruas pela cidade. Do outro lado do rio Arno pode-se desfrutar com belos edifícios de várias épocas, como a Casatorre do século XIII, a melhor conservada e do modelo mais antigo e os palácios dos séculos XVII e XVIII como o Palácio deiCavalieri, construido no ano 1562, como sede da Ordem dos Cavaleiros de São Estevão (na atualidade, é a sede da Escola Normal Superior).

Destinguem-se, também, as igrejas medievais como Santa Maria da Spina, finalizada no ano 1323, uma jóia do estilo da transição gótico-românico; a Igreja do Santo Sepulcro edificada no ano 1153, por Diotisalvi e um estupendo museu que recolhe uma importante coleção de artistas pisanos e toscanos; o Museu Nacional de São Mateo, situado dentro do edifício de um antigo mosteiro com uma interessante exibição de pintura da escola toscana dos séculos XII-XV, assim como, esculturas de Giovanni Pisano e sua escola, entre as que encontram-se a “Madona de Latte” e o “Busto de São Lussorio” e vários objetos de artes menores. Como curiosidade há que visitar a Domus Galileana, na que exibem alguns objetos pessoais de Galileu.

Costa Central do Adriático

Ao leste, também no centro da Itália, situam-se várias cidades de interesse banhados pelo Mar Adriático ou bem, muito perto de suas costas.

SÃO MARINO

Com 61.113 quilômetros quadrados e uns 22.000 habitantes, esta República soube manter sua independência, desde sua fundação por Marino no século IV até nossos dias. A necessidade de defender sua autonomia fez que se construira uma Muralha que rodeia a capital, chamada São Marino e que levantaram-se três torres fortificadas chamadas Rocche, nos três pontos mais elevados da cidade, a do norte com o nome de Guaita ou rocha, do século XI, a segunda, chamada Cesta, do século XIII, e a terceira com o nome de Montale, do século XIII. Delas pode-se contemplar bonitas paisagens. A cidade, muito agradável, tem vários palácios e museus que são de interesse, como o Museu delle Arme Antiche, o Palácio Público, ou o Palácio Valloni.

RIMINI

Cidade eminentemente dedicada ao turismo costeiro, Rimini tem sabido conservar todo o encanto que confere seu rico passado histórico. Conta com restos romanos, como a Ponte de Tibério, construida entre os anos 14 e 21 a.C., com cinco arcos e está construida com pedra de Istria, o Arco do Augusto, do ano 27 a.C., realizado em mármore travertino, o mais antigo que conserva-se e, que faz parte de muralhas da cidade. Destacam também palácios impressionantes como o Palácio Comunale, o Palácio dell’Arengo, edificado no ano 1204 (em seu Salão dell’Arengo se exibe um afresco realizado pela escola de Rimini, o Juízo Final do século XIV); oPalácio Podestá, do ano 1334, que aloja o Museu delle Arti Primitive, com uma boa mostra etnográfica; o Castel Sigismondo, castelo de 1446; o barroco Tempietto di Sant’Antonio, de forma octogonal e a Torre dell’Orologio, reconstruida no século XVIII.

Porém, o edifício com mais prestígio de Rimini, símbolo da cidade, é o Templo Malastestiano, mausoleu da família Malatesta. É uma de principais mostras do Renascimento Italiano e foi construido entre 1445 e 1460, em cima de uma igreja do século XVIII. Como principais atrativos conta com o túmulo de Segismundo, a Capellina delle Relique, com um estupendo fresco de Piero da Francesca representando o Santo Padroeiro do ano 1451 e um Crucifixo pintado em madeira de Giotto, do ano 1312.

ANCONA

No quilômetro 454, no centro desta zona costeira, encontra-se a capital da região de As Marcas, Ancona. A cidade tem sido um importante porto durante toda sua história, desde a época dos gregos e romanos até nossos dias. No cume da serra Guasco localiza-se O Duomo. Com planta de cruz grega, este monumental conjunto arquitetônico mistura sobre a base de um românico, predominante elementos bizantinos e góticos, construido entre os séculos XI-XIII. Destaca no interior o monumento ao Beato Ginelli, do ano 1509, realizado por Giovanni da Traú, e as colunas romanas com capiteles bizantinos.

Para ter uma idéia do passado desta cidade deve-se visitar o Museu Nacional, com importantes restos arqueológicos, que ficam situados no interior do Palácio Ferreti, do século XVI. As coleções que guardam este museu vão do Paleolítico à época romana. Também são interessantes o Palácio do Senado do século XIII, o Palácio degli Anziani que adorna sua fachada do século XVII, com elementos medievais, o Palácio Bosdari edificado no século XVI e restaurado por Tibaldi, o Palácio do Governo remodelado, em 1484 por Francesco di Giorgio Martini, com um maravilhoso arco renascentista que dá passagem o grande pátio e a Igreja de Santo Domingo, do século XIII, onde pode-se admirar a “Anunciação” de Guercino e uma “Crucificação” de Tizanio.

Pinacoteca Cívica contém obras de excelente qualidade como a “Virgem com Santos” de Tiziano, a “Imaculada” de Guercino e uma “Sagrada Conversação” de Lotto. Não deve deixar de contemplar as fachada da Igreja de São Francisco delle Scale com uma monumental porta gótico-veneziana de 1554 e um maravilhoso retábulo da Assunção, do ano 1550 obra de L. Lotto e a de Santa Maria da Piazza edificada no século XIII, seguindo os padrões do estilo românico acima de duas igrejas dos séculos V-VI.

Três monumentos mais destacam dentro deste entorno histórico, a Loggia dei Mercanti, dos anos 1451-1459, com sua fachada gótico-veneziana, restaurada por Tibaldi que também desenhou sua única sala adornada com estátuas, do ano 1560; o Arco do Trajano com colunas corintas e um só olho, muito bem conservado, que construiu-se no ano 115 d.C. por Apolodoro de Damasco em homenagem ao imperador e a Mole Vanvite-Iliana construido na primeira metade do século XVII por Vanvitelli.

Norte

GÊNOVA

A capital da região de Liguria encontra-se no centro do Golfo de Gênova.

Banhado pelo mar que dá nome à zona aparece no porto com maior movimento da Itália e um dos mais importantes do Mediterrâneo: Gênova.

No cinturão de muralhas, que datam do século 1155, encontram-se a Porta dei Vacca e a Porta Soprana desde as que pode-se começar um percurso pela zona do Porto Velho, que conserva becos, passagens e um maravilhoso ambiente medieval. No centro daPraça Caricamento, com suas ogivas alcança-se o Palácio São Giorgio, mistura de estilos góticos, do ano 1260 e renascentista, do ano 1571. Detrás dele encontra-se a Praça Banchi, na que salienta a Loggia dei Mercanti do século XVI. Numa rua lateral aparece oPalácio Spinola, em cujo interior se aloja a Galeria Nacional.

Outros atrativos desta cidade são a Igreja de São Siro, a primeira catedral de Gênova, com fachada neo-clássica e interior decorado pelos Carlone de estilo barroco e Santa Maria delle Vigne, reconstruida nos séculos XIII-XVI, com fachada neo-clássica e um rico interior (também, conserva um campanário do século XII). Vagueando se chega no Palácio Imperial, do ano 1560, com decorados de estuco. A Casa dei Doria, residência dos Dória, que data dos séculos XII-XV e a Igreja familiar São Mateo, fundada no ano 1125, com sua fachada tripartida, do ano 1278 e, em seu interior uma rica decoração, do século XVI com várias esculturas e com o túmulo de Andrea Doria, um dos personagens políticos, que mais têm favorecido esta cidade.

Um pouco mais longe levanta-se a melhor mostra da arquitetura medieval da vila, a Catedral. Reconstruida nos finais do século XII, conserva parte da estrutura da igreja românica sobre a que edificou-se. Esta igreja dedicada a São Lorenzo, tem como máximos expoentes exteriores os dos campanários, de finais do século XIV e princípios do XV; no interior destacam várias bóvedas e uma cúpula do século XVI, obra de Alessi. Também pode-se admirar, entre outras obras, um relevo da Crucificação de 1443, outro da Virgem em um luneto do século XV, a Capela Senarega, restaurada nos séculos XVI-XVII, com um magnífico coro do século XVI e um grande Cristo Crucificado, realizado por F. Barocci, em 1597. São importantes também, a Capela de São João Batista, construida entre os anos 1451-1465, por Domenico e Elia Cagini e em cujo interior mostram-se seis estátuas, do ano 1496 de M. Civitali e um baldaquim do século XVI, o Batistério decorado com pinturas de Cambiaso e reformado no século XVI e, sem dúvida, é necessário visitar o Museu do Tesouro de São Lorenzo, traçado por F. Albini, no ano 1956. Em suas salas circulares pode-se contemplar uma boa mostra de objetos realizados com materiais preciosos de diferentes épocas e orígens entre os que destacam um prato de Calcedônia do século I, uma Capa pluvial entretecida em ouro, do século XV e o baú de prata de Barba Roxa, do século XII.

Para os amantes de Rubens, no fastuoso interior da Igreja de São Ambrósio mostram-se duas telas deste genial pintor. Por outro lado, resulta interessante pela orígem paleo-cristã a Igreja de Santa Maria di Castello, reconstruida nos séculos XII-XVI. A fachada românica e as colunas do interior são de orígens muito antigos e no interior podem contemplar-se esculturas e pinturas da época renascentista.

O centro da cidade é um fiel reflexo do ambiente aristocrático que se viveu no século XVII. Em uma atmosfera de contrastes encontram-se junto a arranha-céus construções medievais, como a Casa de Cristóvão Colombo, reconstruida no século XVIII, ou aCasa do Chiostro di Sant’Andrea, do século XII. Na metade da rua mais comercial aparecem o Ponte Monumental e a Porta di Sant’Andrea, de 1155, edificada na muralha da mesma época. Em pleno bairro de negócios destacam dois palácios de extraordinário porte, o Palácio da Prefeitura do século XVI com magníficos pátios e galerias e o Palácio Spinola, de estilo gótico, adornado com tracerías caladas, que data do século XV. Não pode-se deixar de passear pela Via Garibaldi, nos dois lados desta rua, cujo traçado corresponde ao ano 1550, encontram-se formosos palácios nos que residiam os nobres da época, como o Palácio Cambiaso, o Palácio Parodi, os dois são obra de Alessi, ou o Palácio Doria e o Palácio do Padestá, ambos de G. B. Castello. E desde esta rua, em qualquer direção, pode-se respirar esse ambiente aristocrático, que se mencionava com numerosos palácios e igrejas.

Gênova conta com um bom número de importantes galerias de arte situada em lugares de grande beleza, como a Galeria do Palácio Bianco com uma importante mostra da arte local que encontra-se alojada no interior do Palácio Branco, construido no ano 1548 e, reformado no ano 1712. Em suas 20 salas mostram-se basicamente obras de pintores genoveses dos séculos XV-XVIII, como L. Cambiaso, B. Strozzi, L. Brea, G. Assereto, G. de Ferrari e A. Magnasco, assim como, de outros artistas italianos e estrangeiros entre os que ficam Murillo, Rubens e Pontormo. O Palácio Rolho, construido no ano 1677 e cujo nome deve-se à cor da fachada, acolhe no interior a Galeria do Palácio Rosso, nas 39 salas se expõem pinturas de flamencos e espanhóis dos séculos XV-XVII e um panorama da pintura genovesa e italiana, em geral (expõem artistas como Murillo, Vam Dyck, Durero, Tiziano, Caravaggio, Tintoretto, o Veronés, Bonifácio de Pitati e Pisanello). Nestas salas também pode-se contemplar uma coleção de cerâmica ligur, chinesa e francesa, moede, talhas de madeira e valiosos móveis.

Galeria Nacional do Palácio Spinola, situada no palácio do mesmo nome construido entre os séculos XV-XVII, exibe em suas luxuosas salas obras de artistas italianos e flamencos dos séculos XV-XVII, entre as que encontram-se o “Retrato do Garoto” de Vam Dyck, o “Hece Homo” de Antonello da Mesina, a “Dolorosa” de B. Strozzi e a estátua da “Justiça” de Giovanni Pissano. Resulta absolutamente imprescindível visitar com entretenimento e extasiar-se antes as mais de 15.000 maravilhosas peças de arte japonesa, chinesa, siamesa e do resto da Ásia, que são mostradas no Museu de Arte Oriental E. Chiossone“, assim como, noMuseu de Arqueologia e Etnografia dedicado a América e às civilizações pré-colombinas.

SÃO REMO

Parte integrante de A Riviera, São Remo é considera a capital da Região do Poente. Situada no quilômetro 59, é conhecida como a “Cidade de Flores”.

Se pode iniciar a visita pela zona mais moderna, onde situa-se o Cassino Municipal, edificado em 1906, o centro neufrálgico da cidade e desde ali realizar agradáveis percursos pelos passeios marítimos e desfrutar de antigas vilas. A parte histórica, conhecida como A Pigna, conserva muito bem o ambiente medieval com suas estreitas ruas enclinadas. Merecem uma visita o Santuário da Madonna da Costa, cuja edificação data dos séculos XVII-XVIII, e desde o qual pode-se desfrutar de uma maravilhosa panorâmica e oDuomo, dos séculos XIII-XIV, que conserva partes de estilo românico e partes de estilo gótico, em ambos lados e no seu interior. Para finalizar nada melhor que um relaxado passeio, pelo jardim mais popular de São Remo, o Parco Marsiglia que conta com um auditório ao ar livre.

TURIM

No noroeste do país, como capital do Piamonte e antiga capital do país, Turim é um grande centro industrial automotriz. Porém, isto não tem impedido o desenvolvimento de um importante ambiente artístico-cultural. Talvez por isto em toda a cidade aparecem com relativa abundância museus e galerias.

Palácio Madama, transformado em um castelo na Idade Média e ampliado no século XV, conserva o aspecto medieval em um de seus lados, enquanto que o outro lado, que dá à via Garibaldi, foi modificado no século XVII convertendo-se em um luxuoso palácio barroco para Madama, a regente Maria Cristina de Saboya. O palácio conta como máximos atrativos com as torres da porta, além de uma rica fachada de F. Juvara, do ano 1721. No interior acolhe o Museu Cívico de Arte Antiga com uma estupenda coleção da arte local, nacional e flamenca, com artistas como Macrino d’Alba, Spanzotti, Jacqueiro, D. Ferrari, Tino di Camaino, Antonello da Messina e Pontormo entre outros, assim como, valiosas coleções de cristal e porcelanas, tapetes, mobília e miniaturas. A Armeria Real expõe uma de mais impressionantes coleções de armas brancas e de fogo que pode-se ver na Europa. Também pode-se ver escudos, armaduras, bestas, lanças, etc.

Galeria Sabauda, situada na Academia de Ciências, um palácio do XVII, recolhe obras de piamonteses dos séculos XV-XVI como Spanzottiou Giovenone, toscanos como Frei Angelico ou Bronzino, lombardos como Savoldo, Venezianos, como o Veronés ou Tintoretto, flamencos como Rembrandt e Vam Eyck, além de obras de pintores de diferentes escolas italianas, dos séculos XVII-XVIII, assim como, esculturas chinesas, móveis medievais, objetos artísticos e retratos de vários príncipes. No Museu Egípcio, com uma de mostras mais importantes de Europa, situado no mesmo palácio, conta com múmias, sarcófagos, papiros, enxovais, pinturas, armas, etc., que procedem de escavações no Egito realizada por arqueólogos italianos, no século XVIII. Entre elas destacam o túmulo de Kha e Mirit dos anos 1420-1375 a.C., a reconstrução do pequeno templo rupestre de Ellesija do ano 1500 a.C. e a valiosíssima coleção de estátuas que mostra-se no andar baixo.

Depois da visita aos museus nada melhor que relaxar e passear por Turim, já que a oferta artística não tem fim. A Porta Palatina da muralha romana e os restos do teatro romano são uma boa maneira de começar. Se pode continuar com a Mole Antonelliana, a sinagoga de 1863 que, com sua coberta piramidal de uns 167 metros de altura tem-se convertido no símbolo da cidade e a Igreja da Grande Mãe de Deus, do ano 1831, que tem como característica fundamental sua peculiar redondeza. Depois de visitar estes três lugares, que levam longe do centro da cidade, é necessário regressar a ele e visitar o Duomo, construido no ano 1498, com suas atraentes, embora tímidas formas renascentistas, assim como, a Igreja de São Lorenzo, de estilo barroco, construida no ano 1668, por G. Guarini. Resultam assim mesmo muito atrativas as salas do Palácio Real, edificado no ano 1643, onde se pode admirar fastuosa mobília e coleções de vasilhas orientais, destacando também a Escada de Tesouras e o Gabinete Chinês, ambas obra de F. Juvara.

A sede do primeiro Parlamento Italiano no Palácio Carignano, criação de Guarini dos anos 1679-85, é famoso já que nele proclamou-se o Reinado da Itália no dia 14 de março de 1861. A maravilhosa Igreja de São Felipe Neri, que data dos séculos XVII-XVIII, é uma de mais ricas e amplas da cidade. Belo átrio do Palacete Carpano, do ano 1686, e as igrejas gêmeas, São Carlos e Santa Cristina, de F. Juvarra, merecem também uma visita.

O visitante não deve deixar de contemplar o Santuário da Consolata, um conjunto arquitetônico realizado por Guarini, em 1703, que consta de duas Igrejas e um Campanário francamente formoso de estilo românico, do século XI. O esplêndido interior do Santuário, de forma ecxagonal, está circundado por várias capelas elípticas. Também resultam magníficas as esculturas de V. Vela, do ano 1861, que podem ser vistas à esquerda do ábside.

Depois destas visitas pode-se passear ao longo de Via Garibaldi, uma rua do século XVIII, onde pode-se contemplar diferentes igrejas e edifícios em muito bom estado, como a Igreja da Santísima Trindade, do ano 1603, obra de A. Vitttozzi, com uma cúpula de mármore de Juvarra levantada em 1718; a Igreja dos Santos Mártires, de 1557 e a barroca Capela dos Barqueiros e os Mercadoresque mostra no interior uma rica coleção de pintura e estátuas.

Há também que percorrer a Via Albertina que acolhe várias galerias e museus como a Galeria da Academia Albertina, em cujo interior pode-se desfrutar com uma excelente variedade de desenhos e pinturas de artistas como Ferari, F. Lippi e Spanzoti, entre outros; o Museu Nacional de Artilharia, do século XVI, que expõe uma interessante coleção que explica a evolução dos canhões e as peças de artilharia ao longo da história; o também histórico Museu Petro Micca, que documenta o assédio francês sofrido pela cidade, em 1706 e a Galeria de Arte Moderna, em cujo exterior pode-se admirar o monumento do rei Vitório Emanuele II e, que exibe em seu interior obras dos séculos XIX e XX maioritariamente piamontesas.

Também merece uma visita o Museu do Carro já em seu interior aloja uma grande mostra, quase única em seu gênero, sobre a história do automóvel refletida em verdadeiras maravilhas, que se poderiam enquadrar dentro do término arte, como por exemplo, o carro à vapor Bordino, de 1854, um Fiat de 1899, o Itala de 1907 e o Rolls Royce “Silver Ghost”, de 1914, entre outras jóias automobilísticas. Também é interessante o Museu Nacional da Montanha Duca degli Abruzzi, que descreve a história do alpinismo e de grandes expedições polares como tema único. Também, desde lá, pode-se contemplar uma de melhores paisagens da cidade com o Po a seus pés e os Alpes como fundo.

MILÃO

Capital da Lombardia e principal eixo econômico da Itália, Milão conta, também, com um grande passado histórico e um importante movimento cultural e artístico.

Convém começar o percurso pelo famoso Teatro da Scala, edificado por Piermarni em 1778, já que encontra-se no centro da parte histórica de Milão. De lá, há que dirigir-se à Praça do Duomo, na frente do famoso Duomo de Milão, a maravilhosa catedral gótica de maior importância da Itália, com um comprimento de 157 metros e ocupando uma superfície de 11.700 metros quadrados e, uma altura máxima de 108.50 metros que atingem-se na agulha da Madonnina, uma estátua da Virgem criada em cobre dourado, no ano 1769. Sua construção se iniciou em 1386, por Giam Galeazzo Visconti, vários arquitetos continuaram esta edificação que não foi acabada até o século passado. A altura e a luz são realmente imponentes. Sua fachada, desenhada por Pellegrini no ano 1567, foi realizada na época napoleônica com os característicos pináculos góticos. A zona absidal, apresenta uma construção com três grandiosas janelas percorridas, por nervaduras, que datam do século XVI, enquanto que as laterais do ábside estão decorados, com numerosas estátuas dos séculos XIV-XIX. Especial atenção merece o presbitério, que data de finais do século XVI, no altar maior se pode ver um baldaquim de bronze e um magnífico coro realizado no século XVI. A cripta, situada sob este altar, é obra de Pellegrini, que também planificou a fachada. A Câmara sepulcral de São Carlos Borromeo foi realizada por F. M. Richini, no ano 1606 e nela encontra-se o túmulo do Santo; a seu lado localiza-se o Tesouro. A Sacristia, de finais do século XIV, foi realizada por Giácomo da Campione e no lado esquerdo do transepto, destaca o Castiçal Trivulzio, realizado em bronze no século XIII. Para terminar, pode-se visitar os restos arquitetônicos encontrados sob a Catedral, procedentes da época romana uns, e outros do Batistério de São João da Fonte e da Basílica de Santa Tecla, os dois do século IV.

Castelo Sforza é o principal monumento civil do Renascimento Milanês. Sua edificação foi iniciada, no ano 1450, por Francesco Sforza acima de um edifício do século XIV (a decoração foi realizada por Galeazzo Maria Sforza e Ludovico o Mouro). O Castelo está rodeado por um fosso fortificado com torres em seus vértices e com bastiões adosados à muralha. No centro da fachada levanta-se a Torre de Filarete e sob esta encontra-se a entrada principal. Após atravessar o arco da entrada aparece o pátio de armas, de forma retangular, e ao fundo deste somam-se várias construções, como a Torre de Bona de Saboia, do ano 1447 e a Rochetta, que são especialmente formosas como também, é o Palácio Ducale. Dentro do Castelo há diferentes mostras artísticas como uma coleção de gravados na Cívica Raccolta di Stampe Bertarelli. O Museu do Castelo contém coleções de arqueologia, mumismática, arte antiga e artes aplicadas. A Pinacoteca conta com uma estupenda coleção pictórica, dos séculos XIV-XVI, de mestres como Tintoretto, Pontormo, L. Lotto, Giovanni Bellini, Bergognone, Mantegna e Corregio, entre outros. Também é muito notável a Seção Egípcia e Paleontológica do Museu Arqueológico, com uma coleção de utensílios de culturas lombarde, que vão do Paleolítico à cultura de Golaseca, objetos egípcios e um lapidário. Como curiosidade pode-se desfrutar também, com uma coleção de instrumentos musicais, com os doze tapetes dos Meses do Ano, realizados em 1503 e, com cerâmicas e artes aplicadas nas salas da Rocchetta.

Santa Maria delle Grazie, cuja construção começou Solari, nos anos 1466-1490 e finalizou em 1492 Bramante, é outra obra representativa do gótico renascentista. No interior pode-se admirar os afrescos de Butinone do século XV e os de G. Ferrari. Bramante conseguiu um acabado magnífico no Claustro, com arquerias mantide por finas colunas com formosos capiteles e na Sacristia Velha, cujo tímpano da porta se ve à Virgem com Santos. Leonardo da Vinci deixou plasmada sua genialidade no Cenacolo Vinciano no que pode-se admirar, na parede do fundo, a “Última Ceia” pintada pelo criador da “Mona Lisa” entre os anos 1495 e 1497.

Fundada pelo próprio Santo no 386, a igreja de São Ambrósio conseguiu o aspecto, que conserva hoje em dia nos séculos XI e XII ao seguir os padrões do estilo românico-lombardo. Uma imponente fachada elevada sobre um átrio do ano 1150 e, dois majestosos campanários, dos séculos IX e XII, dão passagem ao interior, abrigado por cúpula de cruzaria. Na parte central destacam um púlpito realizado com fragmentos do século XI e o presbitério baldaquino adornado com relevos românicos-bizantinos do século XII. O altar maior, realizado por Voivino, no ano 835, é realmente impressionante, já que está revestido com lâminas de ouro e prata esmaltadas, pinceladas e trabalhadas com pedras preciosas. Na cripta pode-se contemplar os sepulcros de São Ambrósio, São Gervásio e São Protássio. São importantes também, o Oratório de São Vittore in Ciel d’Oro, ornamentado com mosaicos do século V, o Pórtico da Canônica realizado por Bramante no ano 1491. Nas capelas situadas ao longo dos pavilhões mostra-se pinturas e afrescos de Bergognone, Luini e Lanino.

Na Pinacoteca de Brera, aloja em um imponente castelo, construido pelos Jesuitas no século XVII, pode-se admirar no centro do pátio a Estátua de bronze de Napoleão realizada por Canova, em 1811. No interior da pinacoteca se contempla uma imelhorável coleção de afrescos da escola lombarda e as melhores obras de Bellini, Veronés, Tintoretto, de Roberti, Piero da Francesca e Rafael, entre outros, e uma extensa representação dos melhores pintores italianos dos séculos XV-XIX, assim como, de pintores estrangeiros como o Greco.

Palácios de Milão

Fora destes monumentos de grande interesse, Milão tem formosos palácios situados em maravilhosos locais medievais, como oPalácio dos Jurisconsultos, de 1564, o Palácio da Ragione construido, no ano 1233, o Palácio Real edificado por Piermarini, no ano 1778 e no que encontra-se o Museu de Arte Contemporâneo com uma estupenda mostra pictórica, com obras que vam desde o Futurismo até as mais recentes tendências ou extensas obras da última pós-guerra e uma recopilação monográfica dos artistas mais famosos; o Duomo, no que se expõe uma extensa mostra de esculturas excepcionais dos séculos XIV-XV, com obras góticas lombarda, renascentistas e francesas; O Palácio Marino, do ano 1558 construido por G. Alessi e sede da atual Prefeitura; a Casa Borromei, que data de princípios do século XV, com impressionantes afrescos de estilo gótico; o Palácio Sormani, construido no século XVIII, é uma suntuosa casa que na atualidade aloja a Biblioteca Comum Central e os palácios de Serbeloni, neo-clássico,Castiglioni, liberty e Litta, com fachada rococó.

Outros pontos de interesse de Milão

Outros lugares de interesse são a Loggia degli Osli com seu pórtico de 1316, a antiga tribuna para discursos conhecida como oArengario do ano 1939; a Igreja de São Gottardo in Corte com seu campanário octogonal do século XIV e, cujo interior encontra-se a sepultura de Azzone Visconte (obra de Giovani di Balduccio e um fragmento de afresco de Gioto); a Porta Nova, de 1171, dentro da muralha medieval; a Igreja de São Satiro obra de Bramante, do ano 1478, na que destacam o Batistério octogonal e a Capela da Piedade do século IX e a fachada romana-paleo-cristã de São Lorenzo Maggiore.

Destinguem-se, também a Rotonda de Via Besana, do século XVII, um antigo cemitério cuja igreja tem-se convertido em sala de exposições; a sede da Universidade que é o Ospedale Maggiore, edifício do ano 1456 obra de Filarete; a Capela Portinari com afrescos de Foppa do ano 1468 e o arca de mármore de São Pedro Mártir obra de Giobanni Balduccio; a Pusterla di São Ambrogio, antiga porta da muralha medieval com duas torres; o cemitério Monumental no que encontra-se o sarcófago de Alessandro Manzoni, numerosa capelas e monumentos de grande interesse do século XIX e contemporâneos, assim como, a impressionante Estação Central, com um desenho de 1906 que foi realizado nos anos 1925-1931, de 36 metros de altura.

E para desfrutar de um enorme espaço verde de 47 hectares, nada melhor que visitar o Parque onde encontram-se o Palácio da Arte, do ano 1933, sede do Trienal de Arte, o Aquário Cívico, a Arena de 1807, construido por L. Canonica em estilo neo-clássico, o Arco da Paz obra do mesmo artista, dos anos 1807-1838, em homenagem do imperador e os impressionantes 109 metros de altura da Torre-Belvedere.

Como centros de interesse artístico-cultural destacam a Casa-Museu de Alessandro Mazoni, a riqueza da coleção privada do Museu Poldi Pezzoli, com obras de, entre outros, Botticelli, Pollaiolo, Mantegna e Piero da Francesca; a Pinacoteca Ambrosiana com obras de Leonardo da Vinci, Rafael, e Caravaggio, entre outros, o Museu do Ressurgimento, com uma extensa e rica coleção de lembranças e objetos de valor que vão do século XVIII à princípios da Primeira Guerra Mundial; a Coleção Grassi dos séculos XIX- XX da Galeria da Arte Moderna, as seções grega, romana, etrusca e bárbara do Museu Arqueológico; e o Museu de História Natural, que além de acolher o Zoo e o Planetário em seus jardins explica a História Natural, através de métodos modernos conseguindo que este museu seja um dos mais importantes do país.

Não pode-se deixar de visitar o Museu Naval Didático e o Museu Nacional da Ciência e da Tecnologia Leonardo da Vinci, com várias salas, uma delas dedicada a este gênio, realmente interessante, assim como, as seções dedicadas aos transportes ferroviários e aéreos.

LAGOS PRÉ-ALPINOS

Situados ao norte de Milão, na região fronteriça com Suíça, os Lagos Pré-alpinos são os de maior extensão e beleza do país. Tem uma grande profundidade já que acredita, que ocupam fossas glaciares e estão situados em um marco natural realmente formoso. Destacam o Lago de Orta no Piamonte, o Lago Maior entre o Piamonte e Lombardia, o Lago Lugano compartido com Suiça, o Lago Como em Lombardia, muito curioso, o Lago Iseo, entre Bérgamo e Brescia, e o maior de todos, o Lago de Garda entre Lombardia, o Trentino e o Veneto.

VERONA

No quilômetro 158 encontra-se Verona, com 250.000 habitantes, antigo local romano de grande importância, que hoje conta com uma florescente indústria e uma excelente produção agrícola. Conserva ainda restos romanos de importância como a Arena, cujo edifício do século I tinha capacidade para 22.000 pessoas, o Teatro Romano também do século I, a Porta dos Borsari e o Arco dos Gavi. Também pode-se admirar restos romanos no Museu Arqueológico, no que além destas mostras aparecem peças gregas, etruscas e medievais.

O centro urbano destingue-se pelos palácios medievais, como o Palácio degli Honorij com um comprido empedrado de 1790. Na frente pode-se admirar o estilo neo-clássico do Palácio Municipal, do ano 1838, o Palácio da Grande Guardia do ano 1610 e aAcademia Filarmônica do século XVIII, que contém o Teatro homônimo de Bilbem a e o Museu Lapidário Maffeiano com uma mostra de peças etruscas paleo-vénetas, gregas e romanas.

No antigo Forum romano levanta-se hoje a Praça de Erbe na que pode-se ver duas formosas colunas, a do Mercado de 1401 e a deSão Marcos de 1523, além da Fonte de Madonna Verona de 1368, e a Berlina, baldaquim de mármore no que sentava-se a Podestá e que data do século XVI. Nos arredores da praça destacam as Torres de Gardello de 1370 e as dos Lamberti assim como, a Casa dos Mercadores, de 1301, as Casas Medievais Mazzanti e o Palácio Maffei de 1668.

Outras amostras de interesse são o Palácio Comum do ano 1100, de estilo românico que acolhe ao Tribunal de Justicia, o Palácio do Capitano, o Palácio do Governo com porta de Sammicheli de 1532, embora as obras cumes de Sammicheli são os paláciosBevilacquaCanossa e Pompei. Este último acolhe o Museu de História natural no que se exibem os mais formosos achados paleontológicos de Bolca e coleções da Idade de Bronze. Não pode-se deixar de ver o Palácio Forti-Emilei sede da Galeria de Arte Moderna e Contemporânea e o Palácio Giusti do ano 1580, com um maravilhoso jardim do século XVIII.

Como monumentos civis destacam também o Castel São Pietro, situado no teatro romano do século I, a Porta de São Jorge obra de Sammicheli do ano 1525, o Castelvecchio construido no século XIV por Cangrande II, segundo projeto de Francesco Belvilacqua, para ser residência e castelo de guardia do Ponte Scaligero e que acolhe o Museu Cívico da Arte, com uma importante mostra da pintura local com valiosas obras entre as que destacam, entre outras, a “Madona do Roseto”, o “Retrato de Belvilacqua” ou a “Madona da Quaglia”, a Galeria do Conselho, destacada obra do Renascimento véneto construida no século XV e as Arche Scaligere, circundada por uma austera grade do século XIV, impressionante mostra funerária de estilo gótico, na que pode-se ver as urnas de Mastino II de 1345, as de Casignorio de 1375 ou a de Casagrande I de 1330 e outros túmulos de sarcófago.

Entre os edifícios religiosos também encontram-se mostras artísticas de grande interesse, como a Igreja de Sant’AnastÁsia de estilo gótico, edificada nos anos 1290-1481, com magnífica porta do século XIV e em cujo interior destacam um belo altar Fregoso de Sammicheli, do século XIV adornado com estátuas de D. Cattaneo, curiosas pias de água bendita, além de várias obras como afrescos de Liberle da Verona, o fresco “Virgem e Santos” de 1395 obra de Altichiero, as “24 Cenas da Vida de Jesus” realizada em terracota, por Michele da Firenzeou o sepulcro Serego dos anos 1424-1429.

Duomo, construido no ano 1100, embora foi adaptado por artistas góticos e renascentistas, tem como máximos atrativos a fachada com um pequeno pórtico do mestre Nicolou do ano 1139 e um Campanário de Sanmichele do século XVI. No interior destaca a “Assunção” de Tizziano, entre outras.

Destingue-se, além a Igreja de Santa Elena levantada sobre restos paleo-cristãos com um pórtico do século XV; São Bernardino de 1451-1466, com porta lombarda de 1474 e em cujo interior mostra a famosa Capela Peregrini de Sammicheli, do ano 1556, e um órgaõ de 1481, com pequenas portas pintadas por D. Morone; São Fermo Maggiore, composta por duas igrejas, a inferior de estilo românico consta de três naves dos anos 1065-1138, com um crucifixo de madeira do século XIV e restos de afrescos dos séculos XI-XIII. E a igreja superior, gótica, com restos do claustro românico e um campanário do século XIII. No interior pode-se ver esculturas dos séculos XV-XVI, afrescos dos séculos XIV-XV, um importante retábulo de 1528 obra de G. F. Caroto, o monumento Brenzoni de Nanni di Bartolo e o célebre afresco de Pisanello “Anunciação e Arcanjos”.

Também resultam interessantes a Igreja de Santa Maria in Organo, com um campanário do ano 1525, uma estupenda cripta dos séculos VII e VIII e maravilhosas talhas de Giovanni da Verona no coro e a sacristia; a igreja de São Giovanni in Valle com restos de um claustro românico e uma cripta que contém dois sarcófagos cristãos do século IV e São Giorgo in Braida, construida nos anos 1477-1536, com fachada do século XVII e uma cúpula de Sanmichele no exterior e, no interior, uma mostra de maravilhosos afrescos dos pintores Veronés e Tintoretto.

Por outro lado, destaca por sua beleza e interesse artístico São Zeno Maggiore, igreja do ano 1120, com um Campanário de 1045, uma Torre da abadia do século XIII e uma maravilhosa porta que data do ano 1138 obra de Niccoló, realmente magistrais. No interior ressaltam a coberta de carena, do ano 1386, o Batistério do século XII, o Tríptico de Mantegna pintado no ano 1459, no altar maior, o Claustro dos séculos XII-XIV, e o Oratório de São Benedetto do ano 1100 com capiteles do século VI. Como curiosidade é necessário visitar São Francesco al Corso já que na sua cripta pode-se contemplar o sarcófago que segundo a lenda pertence a Julieta, protagonista do drama de Shakespeare, “Romeu e Julieta”.

VICENZA

Entre Verona e Pádua localiza-se Vicenza, uma pintoresca cidade surgida em uma zona de assentamentos paleo-vénetos, com mais de cem mil habitantes.

Situada aos pés dos montes Berici, Vicenza destingue-se pela profusão de construções renascentistas, especialmente as projetadas por Palladio, célebre arquiteto do século XVI.

Praça Matteotti é o ponto ideal para descobrir a cidade. Encontra-se muito perto do rio e acolhe diferentes monumentos de interesse, como o Palácio Chiericati, cuja construção foi iniciada nos anos 1550-1557 e finalizada no século XVII, sede do Museu Cívico, com uma excelente coleção paleo-etnológica e arqueológica. No primeiro andar deste belo edifício localiza-se a Pinacoteca, com obras renascentistas e pintura Veneziana de artistas do time de Tintoretto, Carpaccioou Piazetta, sem esquecer pinturas dos séculos XIII ao XV. Muito perto do palácio ergue-se a Igreja da Santa Corona, iniciada no ano 1261, adaptada no século XV e restaurada depois. Conta com uma impressionante porta, um célebre campanário e interior de estilo gótico, com obras tão importantes como a “Adoração dos Magos” do genial Veronés, o “Batizado de Jesus” de Giambellino, um relicário da Santa Espina de arte bizantina do século XIV e pinturas de Montagna e L. Bassano. Mais para o norte, na mesma praça, destingue-se o Teatro Olímpico, do século XVI construido em madeira e estuco de acordo ao projeto inicial de Palladio.

Finalizada estas três visitas já terá descoberto o chamado Corso Palladio, uma primorosa e reta rua que atravessa de leste à oeste, até a Praça de Castello, a parte histórica e monumental de Vicenza, sem dúvida, o mais representativo da cidade. Conforme se avanza vão aparecendo, de ambos lados, diferentes construções, palácios, pórticos e igrejas que chamam a atenção pela beleza. E de entre todos eles há que destacar a Casa Cogollo, chamada também Casa de Palladio, do século XVI; o Palácio de Schio, de estilo gótico-veneziano dos séculos XIV-XV; o Palácio Comum antigo Trissino do século XVI, cujo pórtico foi projetado por Scamozzi; a Igreja de São Felipe de Neri, reconstruida no ano 1730, com uma fachada de estilo neo-clássico e o Palácio Thiene Bonin, de estilo gótico-veneziano com uma preciosa galeria em seu pátio principal. Muito perto situa-se a Praça de Castelo, final do Corso Palladio e reconhecível facilmente, por sua Porta Medieval. Daqui pode-se chegar, por uma pequena rua, ao Duomo, com uma impactante fachada de estilo gótico, que data do ano 1467. Destacam também uma tribuna renascentista terminada no ano 1508, o ático e a cúpula, segundo desenho de Palladio, que foram realizada nos anos 1558-1574. Embora que tem sido restaurado em várias ocasiões, a espetacularidade do Duomo é inquestionável. É imprescindível, sem dúvida, visitar o campanário, do século XI, com base romana e o interior do templo, onde os elementos góticos proliferam por doquina. Merece especial menção a capela da Adoração dos Magos construida por Maffei.

Na mesma praça do Duomo localizam-se o Palácio Episcopal, do século XV, com uma bela galeria do ano 1494, obra de Bernardino da Milano, o Palácio Proti, do ano 1599, com um criptopórtico romano do século XVI e a Casa Pigafetta, de estilo gótico renascentista. Neste ponto pode-se cruzar o rio pela Ponte de São Miguel, para visitar o Oratório de São Nicolás de Tolentino, reconstruido no século XVII, com afrescos e estucos da época, ou bem, continuar para a bela Praça de Biade, onde levanta-se majestosa a Basílica, desenhada por Palladio e que compreende o Palácio da Ragione, dos anos 1441-1494, obra de Domênico da Veneza, com o Museu Palladino com maquetes e desenhos do artista e a Torre de Piazza, com mais de 80 metros de altura, iniciada no século XII, sendo terminada no ano 1444. A Basílica está rodeada de interessantes construções e de duas praças a mais, o que confere um caráter muito marcado difícil de encontrar em qualquer outra esquina de Vicenza. A Praça de Erbe e a Praça de Segnori alojam edifícios tão significativos, como a Torre de Girone, de estilo medieval e o Arco do Registro, do ano 1494.

Uma vez finalizada estas visitas, ficam por descobrir interessantes palácios como o Palácio de Negri da Salvi, de finais do século XVI, o Palácio Iseppo da Porto, o Palácio Valmarana restaurado no século XVII, e as igrejas de São Giacomo e Filippo que guardam no interior pinturas de artistas vénetos dos séculos XVI-XVII, como Fumiani, Maffei e outros; a igreja de São Estevão, templo barroco onde pode-se contemplar a obra de Palma, o Velho como a “Virgem e Santos”; ou a igreja de São Lorenzo, do século XIII, com uma enorme porta adornada de esculturas de 1344, um campanário gótico e no interior diversas capelas com abundantes adornos, grandes sepulcros patrícios e um formoso claustro do século XV. Todos eles situados nas proximidades do Corso Palladio.

Antes de abandonar Vicenza são imprescindíveis as visitas à Basílica de Monte Berico, do século XVI, que conserva uma admirada estátua da Virgem de 1444, a “Piedade” de B. Montagna, um coro de madeira do século XV e uma de obras mais famosas do Veronés do ano 1572, a “Ceia de São Gregório”.

Nos arredores da cidade, a Vila Valmarana do ano 1668, que contém um palacete e um albergue decorados com magníficos afrescos e a Rotonda, projetada por Palladio no ano 1550, e terminada em 1606 por Scamozzi, com suas quatro fachadas de templo jônico e um salão circular com cúpula, ambas dignas de serem visitadas.

TRENTO

Capital da região Trentino-Alto Adige, Trento é famoso mundialmente por ser a primeira sede do Concílio de Trento, 1534-63, no que a Igreja católica sentou diretrizes importantes como, por exemplo, o número de sacramentos ou que a única interpretação da Biblia válida era a da Igreja.

Esta cidade conta com um belo Duomo construido nos séculos XII e XIII, dedicado a São Vigílio sendo este um imponente edifício românico-gótico, que tem como peculiaridade um pequeno castelo elevado sobre o ábside, o Castelletto Merlato, do século XIII e com um campanário do século XVI. No interior se vê monumentos funerários, restos de afrescos dos séculos XIII-XV, o crucifixo de madeira ante o que se promulgaram os famosos decretos do Concílio de Trento, nos anos 1534-1563 e a cripta com restos de uma basílica paleo-cristã do século VI. Ao sair do Duomo localiza-se a praça do mesmo nome, na que pode-se admirar a Fonte do Netuno, do século XVIII, as Casas Cazuffi do século XVI, cujas fachadas foram pintadas por Fogolino, no ano 1530 e o Palácio Pretório, que data do século XIII no que encontra-se situado o Museu Diocesano e em cujo interior pode-se ver, entre outras obras, um Sacramentário otoniano do século XI, sete tapetes flamencos do século XVI, tecidos em Bruxelas, estátuas e altares de madeira talhada dos séculos XIV-XV. Detrás do Duomo fica o Palácio Sardagna que acolhe o Museu Tridentino de Ciências Naturais.

Em Trento pode-se passear por ruas franqueadas por belos palácios, como o Palácio Galasso, de estilo barroco, popularmente chamado “do diabo” e construido no ano 1602 e o Magno Palazzo levantado no ano 1536, seguindo os padrões do estilorenascentista, com afrescos de Dossi, Romanino e Fogolino e que acolhe o Museu Provincial da Arte com coleções arqueológicas, objetos sacros, códizes, moedas e pinturas. Também pode-se admirar castelos como o Castello do Buonconsiglio, que contém vários edifícios rodeados por uma muralha e que antigamente fora a residência dos príncipes obispos; o Castelvecchio restaurado em 1475, seguindo o estilo gótico Veneziano; torres como Torre Verde, resto da muralha do século XIII; Torre Grande unida ao Castelvecchio ou Torre Vanga, do século XIII.

As igrejas tão pouco faltam, São Lorenzo, de estilo românico que data do século XII, Santa Maria Maggiore, construida no ano 1520, em estilo renascentista com campanário de três vanos, um coro de mármore de 1534 e um retábulo de G. B. Moroni do ano 154, eSão Apollinare, do século XIV, românico-gótica. Destacam também o Monumento a Cesare Batisti elevado no ano 1935, desde o que pode-se ver uma formosa panorâmica da cidade e o conhecido Monumento a Dante, obra de Zocchi construido no ano 1896 e situado no Jardim Público.

PÁDUA

Situada no quilômetro 241 na província do Veneto, Pádua tem sabido conservar seu patrimônio histórico às vezes, que tem desenvolvido uma importante indústria.

O melhor para percorrer esta cidade é passear por ella, deixando-se levar pelo intrincado percurso de suas ruas e canais que escondem verdadeiras maravilhas.

Santo Antonio de Pádua, Padroeiro desta cidade, tem seu santuário na Basílica do Santo. Ainda que nasceu em Lisboa, Santo Antonio morreu em Pádua em 1231 e, é em volta do seu túmulo, onde levanta-se este impressionante edifício, eminentemente gótico e românico, embora com elementos de outros estilos.

Conta com oito cúpulas e vários campanários que parecem minaretes árabes. No interior destacam o altar maior com relevos e bronzes de Donatello e um valiosíssimo castiçal de bronze, com uma altura de 3,92 metros realizado por Andrea Briosco, no ano 1515. Ressaltam, também, a Capela de São Felice de 1377, que conserva formosos afrescos de Avanzo e Artichiero, a Capela do Tesouro de forma circular, do ano 1689, com valiosas obras de ourivesaria Capela dei Conti decorada no ano 1382, na que mostram-se afrescos de Menabuoi e a Capela do Arca do Santo do século XVI, com relevos talhados por Sansovino.

Na Praça do Santo encontram-se outras mostras artísticas importantes como a obra máxima de Donatello, o Monumento Eqüestre ao Gattamelata, o Oratório de São Giorgo dos anos 1377-1384 com afrescos de Alitichiero, os afrescos da Scuola de Sant’Antonioque são de Tiziano, entre outros, a Pinacoteca com importantes obras de Tiziano, Venziano, Bellini, Veronés, Tintoretto, Tiépoloou Giotto entre outros, além expõem-se as esculturas criadas por Canova, entre as que destaca o “Hermafrodita”, o Museu Bottacin, com uma mostra interessante de moeda e a Coleção Emo Capodilista com moeda, cerâmica e arte flamenca, sobre tudo.

Nos Jardins da Areia encontram-se os restos de um anfiteatro romano do século I e na Capela degli Scrovegni conservam-se impressionantes afrescos de Giotto (destacam também os zócalos com as “Sete Virtudes” e os “Sete Vícios”), na fachada interna o “Juízo Universal” e um grande friso com as 38 cenas representando a vida de Jesus, enquanto que no altar salientam duas Virgens de estilo gótico e dos Anjos de Pisano. A Cappella Ovetari está decorada com afrescos do ano 1448, pintados por Mantegna. OConvento dos Eremitani acolhe o Museu Arqueológico com mostras pré-romanas, romanas, egípcias, etruscas e paleo-cristãs, a coleção de moeda do Museu Bottacin, a coleção Emo Capodilista e a Pinacoteca com obras de Giotto, Bellini, Veronés, Tintoretto e Guardi, entre outros.

Um antigo albergue chamado O boi serviu de base para levantar a Universidade de Pádua, fundada no ano 1222 e que recibe o nome do Bo, na que podem-se admirar a Torre do Papafava, o renascentista Palácio de Capodivacca e a primeira aula desenhada para dar classe de anatomia, o Teatro Anatômico de 1595 e a Prefeitura, que encontra-se situada no Palácio degli Anziani, do século XIII.

Construido em 1219, o Palácio da Ragione tem no interior um único salão de 78.5 por 27 metros e 27 metros de altura, resultando realmente impressionante. A cúpula original pintada por Giotto foi restaurada no ano 1430.

Palácio do Capitanio obra de Falconetto nos anos 1599-1605, tem como peculiariedade o Arco dell’Orologio, de 1532. Cerca deste palácio encontram-se a Logia da Gram Guardia, construida nos anos 1496-1523, a do Capitanio e o edifício Liviano realizado no ano 1939, por Gio Ponti que acolhe à Faculdade de Letras e o Museu de Arqueologia e de Arte com estupendas obras de Donatello e objetos romanos e gregos.

Outros monumentos religiosos de interesse são o Duomo criado no século IX, com importantes mostras pictóricas e um importante tesouro, o Batistério de 1171, que mostra afrescos de Giusto de’Menabuoi, do ano 1378 e a Basílica de Santa Giustina com a capela da Virgem do século VI, o coro de madeira de 1566, o arca de São Lucas de 1316, obras de diversos mestres pisanos e o retábulode Veronés situado no altar maior.

Como curiosidades pode-se visitar o Jardim Botânico de 1545, o mais antigo de Europa, com curiosas e numerosas espécies e oCafé Pedrocchi, lugar de reunião dos protagonistas do Ressurgimento, em 1831.

VENEZA

Ao norte do Mar Adriático, no Golfo de seu mesmo nome, Veneza, com 310.000 habitantes, está construida sobre uma lagoa na que a única terra que pisa-se é a composta por umas 100 pequenas ilhas e umas 400 pontes que cruzam os 150 canais, que se convertem em ruas alagadas da água. Esta composição é um dos máximos atrativos e também um de seus máximos pesadelos, já que o possível afundamento da cidade unem-se as pragas periódicas de algas, que inundam de maus cheiros, mosquitos e sujeiras difíceis de limpar. Embora estes inconvenientes, Veneza é uma cidade de fábula, cheia dos monumentos e com uma ampla vida cultural e artística.

Praça de São Marcos é um imemorável lugar para começar a visita por esta cidade de sonho já que é o coração da vida veneziana. Como peça arquitetônica fundamental destaca a Basílica de São Marcos de estilo românico-bizantino, construida entre os séculos XI-XV. Conta com magníficos mosaicos com fundo de ouro, tanto no interior como no exterior. Seu interior é em forma de cruz grega com três pavilhões separadas por colunas, sobre estas se assentam as Galerias para Mulheres e os grandes arcos que suportam as cúpulas. O ábside de mármore, adornado com estátuas do ano 1394, dos Dalle Masegne, tem no centro o altar onde repousam os restos de São Marcos e detrás, a Pala d’Oro, retábulo realizado em ouro com incrustações de pedras preciosas e esmaltes dos séculos X-XIV. Pode-se visitar o Tesouro, com belas mostras da arte bizantina de 1204 e o Museu de São Marcos, que mostra os originais e famosos cavalos, pinturas do século XV, tapetes e corais minados. O Campanário foi reconstruido em 1912, depois de derrumbar-se o que havia de 1902 e, desde a parte superior de seus 99 metros pode-se desfrutar de uma formosa panorâmica da cidade dos canais. Na base deste, a excelente galeria de mármore realizada por Sansovino, no ano 1540.

A Praça de São Marcos conta com outros edifícios muito interessantes, como são a Procuratie Vecchie, a Torre do Relógio do ano 1496 na que pode-se ver as famosas Estátuas dos Mouros, dando as horas e as Procuratie muove, edifícios porticados construidos pelos excelentes arquitetos Gergamasco, Sansovino, Scamozzi e Longhena entre os anos 1584 e 1640 (o lugar onde se extendem os terraços dos cafés).

Outro edifício representativo de Veneza é o Palácio Ducale de estilo gótico veneziano construido como residência do Dux, nos anos 1309 a 1442. No exterior destacam a fachada do Relógio, barroca, e o arco de Foscari, de 1471 com cópias de Adão e Eva no interior, junto à porta de entrada. Uma vez no interior, o impressionante pátio, a escada dos Gigantes com estátuas de Sansovino, o apartamento ducal e a sala dos mapas são seus melhores tesouros, sem esquecer a mobília, os tetos ou as pinturas de pintores como Tiziano, Veronés, Tiépoloou Tintoretto. Em um dos lados do palácio levanta-se a Ponte dos Suspiros, chamada assim, porque por ela cruzava os presos que iam a Juízo. Muito perto dali, a Biblioteca Marciana construida por Sansovino, que acolhe além da biblioteca, o Museu Arqueológico com uma importante mostra escultórica romana e grega, com estátuas femeninas gregas dos séculos V-IV a.C., galos feridos do século III a.C., bustos e moedas entre outras peças.

Para ver uma estupenda coleção de pintura veneziana dos séculos XIV-XVIII, nada melhor que visitar as Galerias da Academia. Lá pode-se ver obras tão importantes como o “São Jorge” de Mantegna, as famosas “Virgens” de Bellini, a “Tempestade” de Giorgione, a “Virgem e Santos” e a “Comida em Casa Levi”, ambos do Veronés, “Santa Úrsula” de Carpaccio e o “Milagre de São Marcos” de Tintoretto entre outros.

Santa Maria Gloriosa do Frari, igreja gótica de enorme extensão, edificada pelos franciscanos, 1340-1443, conserva um formoso campanário de 1395, que destaca perante a austeridade da fachada. No interior, além de contemplar o túmulo de Tiziano, pode-se desfrutar de um estupendo coro talhado em madeira com adornos em mármore realmente formosos e com os magníficos retábulos de Tiziano, a “Assunta” e a “Madona” di Ca’Pesaro. Encostado a igreja situa-se a Escola Grande de São Roque na que se expõem as melhores obras de Tintoretto, realizada nos anos 1564-1587, entre as que encontram-se entre outras, a “Anunciação”, “Santa Maria Magdalena”, a “Crucificação” e as “Cenas da Paixão e do Antigo e Novo Testamentos”.

A grandeza de Santa Maria é superada pela de São Zanipólo construida entre os anos 1246 e 1430. Aparece a formosa porta renascentista na inacabada fachada. No interior pode-se ver os sepulcros dos personagens históricos mais famosos da cidade, entre eles vários duques, pinturas e esculturas de qualidade, realizada entre outros por L. Lotto, Tintoretto e Veronés. Na saída deste edifício pode-se contemplar a melhor obra de Verrocchio, o Monumento a Calleoni realizado em bronze sobre pedestal de mármore, do ano 1488 e a fachada renascentista da Escola Grande de São Marcos.

Se São Zanipolo é a maior construção religiosa, o Ca d’Oro é o principal edifício civil de Veneza. Este palácio de estilo gótico situado no Grande Canal e construido por Bon e Raverti entre os anos 1420 a 1440 acolhe a Galeria G. Franchetti, na que pode-se ver uma mostra da arte italiana de excelente qualidade, com obras dos mestres Tiziano, Mantegna, Carpaccio, Tintoretto, Vam Dyck, Bernini, Briosco e Antico, entre outros.

Uma vez visitados os principais monumentos, pode-se fazer uma travessia ao longo do Gram Canal a bordo do Vaporetto e desfrutar de uma imelhorável visão da cidade: mais de 100 palácios de diferentes estilos, como os de Giustinian, gótico, Treves dei Bonfili, classicista, Dario, renascentista, Da MolaGrimani, magnífica obra de Sammichelli, Manin de Sansovini ou Contarini-Dai Zaffo, renascentista; igual que de igrejas barrocas como Santa Maria da Salute ou românicas, como São Samuel, edifícios civis, comoCa’Rezzonico, barroco, em cujo interior está situado o Museu do Século XVIII, de estilo Veneziano, com uma curiosa mostra de objetos, que abrange desde pinturas ou tapetes até marionetes e uma farmácia, Ca’del Duca, com uma boa coleção de cerâmica, a Prefeitura dos séculos XII-XIII, as Fábricas Velhas convertida hoje, em um mercado, e as Fábricas Novas, sede do Tribunal de Justiça ou Correios, assim como, diferentes museus cobiçados em marcos incomparáveis, como o Museu de História Natural no que mostra-se sobre tudo, fauna marinha e está situado no Palácio Belloni Battaglia, ou a Galeria Internacional da Arte Moderna e oMuseu Oriental, ambos na barroca Ca’Pesaro.

Tanto a bordo do Vaporeto quanto caminhando, a Ponte de Rialto oferece um belo espetáculo. Com 48 metros de comprimento e 7.5 de altura, esta ponte conta com três escalinatas e várias arcade, assim como, com inumeráveis lojas. É um bom lugar para, uma vez percorrida a Veneza dos canais, conhecer a parte que pode-se visitar andando e que também oferece lugares de interesse, comoSanta Maria dei Miracoli de mármore de diferentes cores, tanto no interior, como no exterior, uma verdadeira jóia do primeiro Renascimento, obra dos Lombardo 1489; a Scuola di São Giorgo degli Shiavoni com estupenda pinturas de Carpácio, de 1502 a 1511, adornando o baixo andar que representam a vida de São Jorge e de outros santos; o Gueto, zona na que foram recluídos os judeus entre 1526 e 1797, com um curioso Museu da Arte Hebréia e cinco sinagogas; os Alicerces Novos com uma paisagem realmente formosa e onde se contempla a ilha de Murano; o Museu Histórico Naval; a Scuola dei Carmini, com nove obras em tela de Tiépolo no teto; a Virgem do orto, gótica do século XV, com pinturas de Tintoretto, cujos restos repousam nesta igreja e o irremprassável oco deixado pelo teatro LA Fenice, arrasado pelo fogo, no ano de 1996.

Ilhas da Veneza

As ilhas de Veneza oferecem seu próprio encanto. Giudecca tem um traçado regular com numerosos espaços verdes espalhados de edifícios de interesse, como a Igreja do Redentor, obra mestra de Palladio (edificada depois de sua morte), a Igreja e o mosteiro de São Giorgo Magiore, ambas com obras de Tintoretto ou o Palácio Cini. Murano, composta, por cinco pequenas ilhas, conhecida mundialmente pela excelente qualidade do vidro, que fabricam e na qual é de obrigatória visita o Museu da Arte do Vidro, que oferece uma mostra de vidros de todo o mundo, embora com especial interesse no Veneziano.

Em Burano pode-se adquirir lindos encaixes, São Francisco no Deserto destaca pela solidão, que oferece e por seu eremitório do século XIII, Torcello conta com uma importante Catedral do século VII, com estupendos mosaicos, uma igreja românica, Santa Fosca, e o Museu do Estuário instalado em dois palácios, do século XIV.

A mais famosa de todas as ilhas é o Lido, já que nela estão situados o Cassino Municipal, o Palácio do Cinema, sede da internacional Mostra de Veneza, e o Hospital do Mar. Como curiosidade, a ilha de São Lázaro dos Armênios, que foi escolhida por uma religão oriental para instalar sua comunidade (levam ali desde o século XVIII).

TRIESTE

Em plena fronteira eslovena, na parte mais norte oriental do Mar do Adriático, Trieste conserva um atrativo centro histórico, às vezes, que converte-se em uma cidade industrial, com uma importante atividade comercial.

Se pode passear por ruas franqueado por formosos palácios, como o Comunale, o Pitteri de 1785, o do Governo e o Carciotti, ambos com saída ao mar ou o Lloyd Triestino de 1883, assim como, edifícios civis, como a Pescheria que acolhe o Aquário Marino, a Casa Stratti de 1839, o Teatro Municipal de estilo neo-clássico ou o Castello com um interessante museu, no que mostram-se coleções de armas, tapetes e móveis. Não podem esquecer-se os edifícios religiosos, como a Catedral de São Giusto com fachada de pedra e rosetão gótico, um campanário do século XIV, que incorpora restos romanos, delicados mosaicos e um retábulode Carpaccio e o batistério de São João, com pia do século IX; a Igreja de São Nicolou dei Greci, que pratica o ritual grego oriental; ou a Igreja de Santo Antonio Novo, de estilo neo-clássico. Todas estas construções se vê envolvidas por fontes, como a do Netuno de Mazzoleni.

Museus de Trieste

Trieste conta com um bom número de museus: o Museu Revoltella com uma excelente mostra de pintura e escultura dos séculos XIX e XX; o Museu Cívico de História Natural, muito completo; o Museu Cívico Sartorio, com coleções de cerâmicas e porcelanas muito interessantes dos séculos XV-XIX, e, também, de pinturas na tábua dos séculos XIV-XIX; o Museu Cívico do Mar, que mostra maquetes e móveis ao longo da história da navegação; o Museu Teatral Schmidi; o do Rissurgimento ou o de História e Arte com uma importante mostra arqueológica.

Restos Romanos

Trieste conserva importantes restos romanos como a Basílica Forense do século II, o Templo Capitolino, o Arco de Ricardo do século I a.C. e também desse século o Teatro Romano. Depois de admirar todas estas maravilhas, só resta dar um passeio pelas ruas para saborear o ambiente que nelas se respira.

BOLONIA

Capital da região de Emilia Romagna, situada no sul da planície do Po, Bolonia tem sido desde tempos imemoriais um cruzamento de caminhos, pelo que têm passado todas as culturas deixando nela suas pegadas.

Cidade natal do arquiteto Antonio di Vicenzo, todos os edifícios góticos levam sua impronta, como é o caso de São Petronio, construido no ano de 1390.

Destacam as esculturas de Iacomo da Quercia da porta, as capelas do interior com magníficas obras de arte, o ábside com uma impressionante tribuna de Vignola, um coro de 1477 e o órgão mais antigo da Itália, de 1475.

Praça Maior, na que encontra-se São Petronio, conta além com outros edifícios de interesse, como a Prefeitura com umaestupenda porta de Alessi, a Sala de Hércules e as Coleções Municipais de Arte, o Palácio dos Notarios, de estilo medieval, o renascentista Palácio do Alcaide, com a Torre dell’Arengo de 1212 e o Palácio de Banchi construido por Vignola. A Praça Maior faz forma de “L”, passando a chamar-se, em seu traçado mais curto Praça do Netuno, devido à fonte dedicada à este deus da mitologia e obra de Giambologna. É neste tramo onde encontra-se o Palácio di Re Enzo do século XIII.

Pinacoteca Nacional tem uma ótima mostra de arte distribuida em três seções: na primeira exibe obras de artistas emilianos dos séculos XIV-XV, entre eles Vitale da Bologna, Giobani da Moeda, Michele di Mateoou Simone d’Crocifisi, assim como, de artistas toscanos, Venezianos e umbríos dos séculos XIII-XIV como Lorenzo Monaco, Guiotto e sua escola, Lorenzo Venezano ou Andrea di Bartolo. A segunda está dedicada ao Renascimento, com obras de Francesco do Cossa, E. de Roberti, F. França e A. Aspertini, entre outros, também pinturas de artistas estrangeiros e da segunda metade do século XVI, como Vasri, P. Faccini, C. Procaccini e G. Reni, entre outros; a terceira seção está dedicada ao Barroco e contém obras de Agostino, Carracci, G. Reni, G. Cavedoni, Guercino, Domenichino, L. Pasinelli e G. M. Crespi, entre outros artistas.

São Domenico conserva parte da estrutura original dominica, do ano 1221. No seu interior tem como máximos atrativos a Capela Ghisilardi, obra de Peruzzi com dois túmulos característicos de Badalquino, a Capela di São Domenico, com afrescos de Reni na que fica a Arca do Santo, com relevos de Nicola Pisano e esculturas de Nicolou dell’Arca, o Claustro dos Mortos que destacam pela beleza e o Museu no que pode-se contemplar, entre outras peças, o Busto em terracota de Santo Domingo de Nicolou dell’Arca, o prato com um São João, do ano 1460 e afrescos de L. Carracci.

A igreja de São Francesco, de influência gótico francesa, 1236-1263, tem no interior a Capela de São Bernardino do século XV e o túmulo de Albergati de Ferrucci, como lugares mais interessantes, junto com os dois campanários, um de 1260 e o outro construido por di Vicenzo, em 1402.

O resto da cidade contém outros monumentos de interesse como as torres Azzoguidi e Prendisparte ambas do século XII, as duasTorres Pendenti de estilo renascentista considerada como o símbolo da cidade; edifícios religiosos como a Metropolitana, com uma cripta com o conjunto “A Piedade”, composto por oito figuras de Lombardi; Santiago o Maior na que destacam o túmulo Bentivoglio e a capela do mesmo nome; o Convento dos Agostinos e seus dois belos claustros; Santa Maria dei Servi, realmente formosa ou o conjunto de igrejas que conformam Santo Stefano.

Não podemos esquecer os palácios, de grande beleza, como o de Bevilacqua com uma fonte no centro do pátio, o do Archiginnasiosede da Biblioteca Cívica, o da Mercanzia e o Arcivescoville do século XIII, assim como, os museus Cívico Medieval com coleções de ourivesaria, vidro de Murano e códices, entre outros objetos, o Museu Arqueológico, com uma excelente mostra de peças etruscas e pré-históricas e o Museu Naval, com uma curiosa mostra de barcos á escala.

RAVENA

A tão só 8 km do Mar Adriático, ao noroeste da região de Emília Romagna, Rávena é hoje um importante centro de reunião para as indústrias químicas e petroquímicas assim como, para os amantes da boa música.

Igreja de São Vital foi consagrada no ano 547. Tem um campanário cilíndrico e uma cúpula que cobre sua planta octogonal. Seu interior é diáfano, mármores e mosaicos decoram as paredees, enquanto que o altar é de alabastro oriental realizado no século VI. Também são muito formosos os mosaicos do século V do Mausoleu de Gala Placidia.

Palácio Comunale tem forma de torre e foi construido em 1681 e reconstruido no século XVIII. O Duomo também conta com um campanário cilíndrico do século X e em seu interior destaca a Capela do Sacramento, com afrescos de Reni. O Batistério Neoniano data do século V, assim como, os mosaicos do interior.

Em Rávena pode-se visitar o túmulo do Dante, que consta de um templete de 1870 e um arca com a imágem do poeta de Lombardo. São de interesse também o campanário da Igreja de São Giovanni Evangelista, a Basílica de São Apollinare Novo, com um campanário cilíndrico do século IX e estupendos mosaicos, a Loggetta Lombardesca sede da Pinacoteca Comunale, o Museu Nacional com importantes mostras arqueológicas, o Museu Arcivescovile com a cátedra de Maximiano, como jóia da coleção e, fora da cidade, o Mausoleu de Teodorico e a Basílica de São Apolinar em Classe, cuja construção foi ordenada por um rei ostrogodo, no ano 520.

Sul

NÁPOLES

Capital da região de Campania, banhada pelo Mar Tirreno e dominada pelo Vezúvio, Nápoles é uma cidade tipicamente mediterrânea, com um parte histórica de grande beleza.

Castel Novo construido no século XIII e reconstruido no XV, tem como entrada o impressionante Arco do Triunfo, construido em 1443. Uma vez no interior a capela palatina do século XIV e a Sala dos Barões com a janela de cruz güelfa são seus principais atrativos.

Uma antiga basílica paleo-cristã serviu como base, para a construção do Duomo no século XIII. Seus tetos de madeira, a pia batismal de basalto egípcio, a Capela Di São Genaro, que acolhe os conhecidíssimos recipientes, que contém o sangue do Santo, que liquidifica-se ou não, dependendo dos acontecimentos que estejam para suceder, a Basílica paleo-cristã de Santa Restituta e o Batistério do século V são seus máximos atrativos.

Situada no lugar escolhido pelos deuses, na Colina do Vómero, a Certosa di São Martino, de estilo barroco, oferece, além de umas formosas vistas, uma igreja com pinturas napolitanas do século XVII, o Coro deli Conversi com silharia do XVI, a Capela do Tesouro, com afrescos de Giordano e o Museu Nacional São Martino, onde podemos ver cristal de Murano, uma excelente exibição de Belenes e policrípticos entre outros muitos objetos.

Recolhendo uma das melhores coleções de arte greco-romano do mundo, o Museu Nacional, instalado em um edifício de 1585, tem obras de valor incalculável tanto em escultura como em mosaicos ou pintura mural.

São Lorenzo Magiore, de estilo medieval, conserva um campanário de 1507 no exterior e, no interior, destaca o claustro que dá acesso a escavações arqueológicas.

No Museu e Galeria do Capodimonte pode-se admirar estupendos tapetes, esculturas em bronzes ou magníficas pinturas como a “Crucificação” de Masaccio, “A Flagelação” de Caravaggio ou “A Transfiguração” de Bellini, entre outras. Também pode-se visitar o Apartamento Histórico e o Museu com uma mostra de porcelanas de toda Europa de excelente qualidade e a coleção de Ciccio. Se prefere cerâmica, o Museu Nacional da Cerâmica Duca di Martina, oferece uma insuperável coleção com peças do mundo todo.

Muito interessantes também o Palácio Reale de Fontana, o Teatro São Carlo, onde as representações líricas podem ser desfrutadas por um dos maiores Fóruns do mundo, o Palácio do Município que guarda em seu interior a Igreja de São Giaocomo degli Spagnoli, o impressionante Claustro de Monteoliveto, a Igreja de Santa Anna dei Lombardi de 1411, cujo interior é um verdadeiro museu de escultura renascentista, Santa Maria Donnaregina com duas igrejas, uma gótico franciscana de 1316 e, outra barroca de 1649 e finalmente, o magnífico campanário românico de Santa Maria Maggiore.

A zona do Porto de Santa Lucia é realmente formosa. A parte do passeio marítimo, o Porto Antigo com seus barcos de pesca e os restaurantes de especialidades marinhas, tem como edifício dominante o Castel dell’Ovo e desde a Immacolatella, fonte de mármore de Bernini e Naccherio, pode-se desfrutar de uma paisagem encantadora.

Aquário é um dos melhores do país todo. A Porta Capuana conserva dois torreões procedentes da muralha aragonesa.

Não deve-se abandonar Nápoles sem visitar as Catacumbas de São Genaro do século II que encontram-se sob a Basílica de São Genaro. Na zona de extra muros, o túmulo do Virgílio do Parco Virgiliano, o Maechiaro bairro formado por casas de pescadores antigas nas que pode-se comer peixe cozido de forma caseira e o Mirador do Parco di Posilipo.

Não há que esquecer que à 13 quilômetros só de Nápoles encontra-se o lendário Vezúvio. Pode subir a cratera do vulcão em um teleférico, e rememorar as violentas erupções do 79, 1631, 1794 e 1806. Desde a erupção de 1944 permanece inativo.

SALERNO, COSENZA E REGGIO DE CALÁBRIA

Continuando pelo sul da Itália, pela parte dianteira da “bota”, chega-se em Salerno. Aqui pode-se visitar uma magnífica Catedral normanda. Seguindo mais para o sul fica Cosenza com um estupendo Castelo normando, o Duomo que guarda o túmulo de Isabel de Aragão e um coro lavrado em madeira de 1505, em São Francisco de Assis.

Justo na ponta do pé da bota, encontra-se Reggio de Calábria, reconstruida totalmente depois do terremoto, de 1908. Esta cidade é atrativa unicamente por seu impressionante Museu Nacional, onde pode-se contemplar excelentes restos arqueológicos, como os guerreiros de bronze de Riace e estátuas gregas muito bem conservadas.

TARANTO

Na parte interior do “salto da bota” encontra-se esta cidade situada entre dois mares, o Jônico e o Adriático e que comparte sua vida entre o porto e a indústria pesada.

Taranto tem bastantes espaços verdes nos que erguem-se formosas casas, como Vila Peripato, o Palácio Comunale, o Castelloconstruido em 1840, por Fernando o Católico, o Duomoou o Palácio degli Uffici. Porém, o máximo atrativo desta cidade é o Museu Nacional cuja fundação data de 1890, embora tem sido restaurado em várias ocasiões.

Neste Museu fica uma das melhores coleções de arte grego do mundo, assim como, restos romanos em muito bom estado:crateras proto-italiotas de Ceglie do Campo do 400 a.C., uma torre e um sarcófago do 500 a.C., aribalos de três cabeças, copas com peixes, adornos femeninos como anéis de ouro com cabeça de mulher ou um braçalete espiral com cabeça de carneiro, e o belo enxoval funerário, realizado em prata, encontrado no túmulo de Canosa.

BARI

Situada na parte superior traseira do “salto da bota” encontra-se Bari, importante cidade portuária e que foi um anexo de união entre Itália e Oriente. Hoje em dia, combina uma preciosa parte histórica, com a agitada vida do porto.

As orígens bizantinas da cidade percebe-se no Castelo de enormes dimensões, que ainda conserva a ponte levadiça, como forma de acesso ao interior. A Catedral, porém, destaca por seu estilo românico pulhés do século XI, pelo Museu Diocesano e pelo Arquivo Metropolitano, que guarda a inscrição conhecida como “Exultet” da primeira metade do século XI.

São Nicolas, padroeiro da cidade, está enterrado desde 1087, na Basílica de São Nicolás. Construida entre 1087 e 1097, seguindo os padrões do românico pulhes, resulta realmente impressionante por ser singela e grandiosa.

Em Bari deve-se andar nas ruas e percorrer o Passeio Marítimo Imperador Augusto, que leve desde o porto velho até o novo, visitar também o Museu Arqueológico com os túmulos de Noicattaro e Varrese como jóias da coleção, o Palácio da Prefeitura, o Orto Botânico que conta com uma interessante seção didática, a Pinacoteca Provincial e a fachada vermelha do Teatro Petruzzelli.

As Ilhas

CAPRI

Pode-se chegar à Capri desde Nápoles sem problemas, já que existe um serviço regular de transbordadores.

Nesta ilha, de forma comprida, pode-se descansar e passear por praias de areia fina na zona oriental, escarpados rochedos na zona sul e vinhedos e preciosos jardins no resto. Desde o porto principal, a Marinha Grande, pode-se visitar, de barca, a Gruta Azzurra, uma gruta de mais 50 metros de profundidade, 15 de comprimento e 30 metros de altura, tudo isso de uma linda cor azul. Também merecem a pena, ao norte da ilha, as ruinas romanas de Palazzo a Mare e os Banhos do Tibério.

Capri cidade, está composta por pequenas casinhas brancas típicas do Mediterrâneo com ruas estreitas de intrincado percurso. Não faltam monumentos de interesse, como a Igreja de Santo Stefano, barroco-muçulmana e com solo romano, a Cartuja de São Giacomo, com dois claustros desde onde mira-se o mar e a Residência de Tibério, chamada Vila Iovis. Como marcos naturais incomparáveis devem ser visitados a Loggia, o Arco Natural formado por uma rocha que cai no mar e o Parco Augusto.

Na segunda cidade em importância da ilha, Anacapri, pode-se admirar a Torre Damecuta do século XII, cuja finalidade era a defesa dos ataques piratas, a Igreja de São Michele com chão de azulejos e a Vila de São Michele com um jardim que conserva lembranças do escritor sueco Axel Munthe. Também se pode subir em teleférico ao Monte Solaroi, que graças à seus 589 metros de altura oferece uma panorâmica realmente formosa.

SICÍLIA

A ilha maior do Mediterrâneo possui o único vulcão europeu ativo, o Etna, além de outros atrativos turísticos.

Messina

Pode-se começar o percurso da ilha pela cidade com o porto mais próximo à Península, Messina. Destruida várias vezes pelos terremotos, seu aspecto atual é absolutamente moderno, embora conserve monumentos de interesse, como o Duomo mandado edificar no século XII por um monarca normando e reconstruido seguindo o traçado original. Tem no relógio astronômico animado de 1933, do campanário, seu maior atrativo. Porém, há que destacar a Fonte de Orione e a de Netuno de Montorsoli, a Igreja da Santíssima Anunciação dos Catalãs, normanda do século XII e a espanhola Fonte de São Salvador. Também deve-se visitar oAquário Comunale, o Museu Regional e a Pinacoteca com obras tão importantes, como o “Políptico” de São Gregório, a “Adoração dos Pastores” de Caravaggio e a “Escila” de Montorsoli.

Catânia

Catânia é a segunda cidade em importância de Sicília e situa-se aos pés do Etna porém o atual aspecto barroco, que apresenta deve-se a sua última reconstrução. A Praça do Duomo recolhe os edifícios de maior importância da cidade, seu símbolo, a Fontana dell’Elefante, o Palácio do Município e o majestoso Duomo, com uma bela fachada de grande altura e um não menos formoso coro talhado, de 1588, são seus máximos atrativos. Sob esta Praça encontram-se as Termais de Aquiles. Outros restos romanos de importância são o Teatro Romano do século V a.C. e o Anfiteatro Romano do século II.

Pois talvez o máximo ponto de interesse de Catânia se eleva até os 3.323 metros de altura, tem 200 quilômetros de perímetro e 200 grupos de conos laterais: o Etna. Segue latente embora na atualidade encontra-se rodeado de cultivos mediterrâneos e bosques de castanhos. Nos meses do inverno a neve cobre a lava depositada em antigas erupções.

Siracusa

Siracusa é um grande centro arqueológico grego e romano. Seu ponto neufrálgico é a chamada Neapoli, que conta com peças excepcionais, como o Teatro Grego de Democopos com 132 metros de diâmetro, o Anfiteatro Romano do século III, a Latomia do Paradiso com uma gruta artificial de grande acústica conhecida como a “Orelha de Dionísios” e a necrópolis Grotticelli com túmulos gregos do século V e VI a.C.

A parte mais moderna da cidade encontra-se situada na ilha de Ortigia, que embora também conserva restos arqueológicos destaca por edifícios medievais, como os Palácios do Arcebispado e do Senado, a Igreja de Santa Lucia alla Badia, o Castelo Maniace e o Palácio Bellomo, sede da Galeria Regional. O Duomo construiu-se sobre um antigo templo grego.

Palermo

Palermo é a capital de Sicília e um dos destinos mais procurados pelos turistas. Conta com monumentos de grande importância como a Catedral, com duas torres unidas ao campanário por duas pontes que conferem-no um aspecto realmente original. No interior destacam as esculturas de Gagini, a urna de prata que guarda os restos da Santa Rosália e a cripta do século XII. O Palácio dei Normanni tem remeniscências árabes e normande. Se podem ver afrescos de Velázquez na Sala de Hércules e estupendos mosaicos na cúpula bizantina. Destacam também São Giovanni degli Eremeti, de estilo normando, o campanário e os mosaicos daIgreja da Martorana, o Palácio Abatellis, sede da Galeria Regional de Sicília, os estupendos estucos do Oratório de São Lorenzo e do Oratório do Rosário di São DomenicoZisa, o antigo palácio de descanso dos reis mormandos e a coleção etrusca, as netopas selinuntinas do século V e as esculturas siliciotas do Museu Arqueológico. Como curiosidade deve-se visitar o Museu Internacional de Marionetes.

CERDENHA

Situada no Mar de Tirreno, ao sul de Córcega, esta ilha de forma retangular se caracteriza por ter uma geografia montanhosa e uma economia baseada na agricultura. Também está bem comunicada com a península graças aos transbordadores.

Cagliari

A capital, Cagliari, de orígens fenícias, conserva o porto como principal eixo da cidade. Seus principais monumentos são O Castelocom remeniscências espanholas, a Galeria Comnunale d’Arte, com uma interessante mostra de objetos orientais, o Museu Nacional Arqueológico, a Torre di São Pancrazio de 1305, a Catedral com um rico Museu Capitular, a Sacristia de estilo gótico-catalã e as pinturas flamencas e napolitanas da Sala Capitular, o Anfiteatro Romano do século II, a necrópolis de Káralis com túmulos púnicos e o túmulo romano, escavado em rocha, conhecido como a Gruta da Vipera.

Se pode chegar à antiga Cittada na que encontra-se o Museu Siamese de obras orientais pela porta dell’Arsenale.

Alghero

A outra cidade de importância da Cerdenha é Alghero. Ainda, conta com menos monumentos que Cagliari, tem um entorno natural mais formoso. Destacam a Catedral com um campanário com telhado de azulejo, a renascentista Casa Doria, a Igreja do São Francisco, a Porta a Mare que põe em contato o porto com os bairros mais antigos e as Torres Sulis e da Madalena.

Com entornos naturais destacam o formoso pinheiral conhecido como o Lido di São Giovanni, as enseadas rochosas de Porto Contee a Gruta do Netuno à que pode-se chegar de barca ou bem subindo seus 600 degraus.

Compras

Na Itália pode-se comprar qualquer artigo com o que se tenha sonhado, mas seja o que for que vai-se adquirir, mantém uma excelente qualidade. Os preços não costumam ser precisamente econômicos porém, em troca tem a certeza de que se adquire um produto italiano não ficará, jamais, descontente.

Todas as grandes cidades têm centros comerciais ou contam com ruas cheias de lojas como a Via Montenapoleone em Milão, a zona do Ponte Vechio em Florença, a Via do Corso, em Roma ou a Via Toledo em Nápoles. De todos modos, não pode-se deixar de andar nas ruas já que sempre pode-se encontrar coisas interessantes, em pequenas lojas ou em mercadinhos ao ar livre, não em vão os tesouros na Itália podem estar em qualquer canto.

Não há nenhum tipo de problema em nenhum lugar do país para conseguir artigos de couro, como sacolas, sapatos, cinturões, carteiras, malas, malas pequenas, etc., todos eles com atrativos desenhos e excelente qualidade.

Nas principais cidades as botiques de grandes firmas da moda com modelos exclusivos dos prestigiosos desenhadores italianos, como por exemplo, Valentino, as Irmãs Fendi ou Laura Biagiotti irão fazer as delícias de seus visitantes. Isto se, for provido de uma boa carteira, porque a exclusividade paga-se muito cara. Se a economia não alcança para roupa de luxo, sempre pode-se encontrar desenhos distintos ou divertidos ou ambas coisas, na moda “pret a porter”, não tão elitista, mas bastante mais acessível. Também resultam muito originais os produtos como guarda chuvas, luvas, lençóis, cigarreiras, bijoteria, a preços bastantes atrativos. Se pretende apenas comprar uma camiseta, pode encontrar um magnífico sortido com qualquer estampado, desde o David de Miguel Angelo, passando pela imágem do Santo Padre até uma com os Carnavais de Veneza como fundo, todas elas muito bem trabalhadas.

Se o que procura são objetos religiosos, em Roma pode-se encontrar grande variedade, qualquer estampa, figura ou rosário, têm aqui um lugar (não em vão, é a cidade na que reside o Santo Padre). Existem, também, lojas de velas de todas cores, tamanhos, formas e cheiros. Como curiosidade pode-se visitar as lojas de roupa interior para religiosos, assim como, o mercado de pulgasque cada domingo se instala em Porta Portesse. Não tem nada que ver com os temas religiosos, mas resulta francamente curioso.

Na Itália têm nascido muitas das fragrâncias que perfumam a homems e mulheres do mundo todo. As perfumarias abundam e, querendo experimenta-las, nada melhor que visitar as várias lojas especializadas e deixar-se envolver por cheiros de toda índole, cujas bases podem ser desde o cobiçado e poderoso almíscar até as frescas essências de flores e plantas selvagens. Se pode, o melhor é dar um passeio pela loja de Giovanni Daga, um perfumista que cria aromas personalizados para seus fregueses, segundo suas preferências ou então, pela imágem olfativa que queiram dar aos outros. Isto se, há que pensar bem antes de se decidir pelo próprio, já que seu preço é bastante elevado; se for muito caro, sempre pode-se decidir por um aroma mais universal e mais econômico. No final de contas, todos os perfumes variam de aroma ao contato com a pele de quem os utiliza, convertindo-os em algo único.

Os instrumentos musicais têm na Itália um bom produtor. São conhecidos, sobre tudo, as sanfonas de Castelfidardo, Strada e Vercelli e os magníficos violinos de Cremona, cuja qualidade outorgaram-lhes merecida fama no resto do mundo.

Para adquirir tecidos e tapetes as ilhas são ideais. Em Sicília, Cerdenha e as Abruzzi, encontra-se tudo aquilo que procurar com belos desenhos, além de resultar bastante econômicos. Se procura um trabalho mais delicado o melhor é adquirir os bordados eencaixes em Burano e nas duas ilhas de Veneza, algo mais caros, mas que compensam pela alta qualidade.

Na Veneza, mais concretamente em Murano, pode-se adquirir excelente vidro em qualquer forma que se desejar, desde lâmpadas até taças, passando por qualquer objeto de estranho e maravilhoso desenho, com o que surpreender a um bom amigo. E nesta cidade não pode-se deixar de comprar alguma máscara, que tão famoso têm feito o seu Carnaval; tem de todo preço, forma, cor e material, com desenhos muito originais, algumas com enfeites de ouro e pedras preciosas.

Preferindo a cerâmica, o mais certo é ir em Assis, Vietri, Calabriaou Sicília, onde se oferecem belezas com um acabado perfeito e com preços não excessivamente caros. O bronze e a porcelana têm seu melhor mercado em Nápoles e, se o que agrada é o vime e a ráfia pode-se adquirir bons artigos em Florença e Cerdenha. As melhores talhas em madeira encontram-se no Alto Adigio, Trento e Aosta. As caixas de madeira talhada de Cerdenha têm muita fama e se fama têm as caixas, os conhecidos artigos de mármore de Carrara não ficam para trás.

A ourivesaria tem seu ponto central em Toscana e os trabalhos em prata no Veneto. Se preferir os corpetes o melhor é ir visitar à Gressoney, onde também encontram-se belos gorros. Na Liguria podem-se adquirir os típicos “mezzoni”, lenços com os que cobriam-se antigamente as mulheres a cabeça. E se o que se procura são os úteis de lembrança debe ir à Romagna, onde pode-se comprar desde carroças, antigamente puxada por bois, até simples arados, foices, trilhos, guadanhas, etc.

Na Itália localiza-se um dos maiores sortidos do mundo, quanto a antigüidades. Pode-se procurar peças únicas em elegantes lojas de antiquários de célebre fama que extendem certidões de autenticidade, até mergulhar nos mercadinhos, onde pode-se encontrar de tudo e à preços muito variados, embora ninguém assegure que as peças sejam o que parecem ser. Estes mercados costumam ser instalados nas principais cidades, nos finais da semana do mês. Se precisar mais informação o melhor é consultar os escritórios de turismo da cidade que estiver visitando, para saber em que data exata celebram-se.

Para terminar, e como não podia ser de outra forma, na Itália pode-se adquirir além de todos os artigos já mencionados os não menos deliciosos produtos alimentícios, maravilhosa pasta de diversas qualidades, com a que deverá levar em conta a data de vencimento, deliciosos chocolates, embuchados únicos pelo gosto, especiarias típicas mediterrâneas, vinho de grande qualidade, azeite puro de oliva e sorvetes de incríveis sabores, tudo uma delícia. Isto se, estes últimos deverão desfrutar na hora, já que não suportariam uma viagem de volta.

População e Costumes

Itália conta com uma população aproximada de 57 milhões de habitantes. Com leves diferenças entre a população do norte e o sul, os italianos são, em geral, pessoas muito agradáveis, simpáticas e comunicativas.

Durante toda sua história têm sido invadidos periódicamente por diferentes culturas que têm deixado seu “posso” e talvez por isso, os italianos conseguem que os estrangeiros não se sintam em terra estranha, mas em um país amigo. A grandeza do Império Romano os tem marcado com um certo orgulho, já que não em vão dominaram a maior parte da Europa e conseguiram, na maioria dos casos, que os habitantes de zonas ocupadas se sentissem cidadãos romanos e não povos invadidos, todo um logro. Além disso, a localização dos Estados Pontifícios em seus territórios, confere a eles um profundo sentimento religioso que há que respeitar. Não pode-se entrar nos edifícios eclesiásticos mais importantes de calção curto ou camisetas sem mangas. Deve-se procurar não falar muito alto em seu interior e ir em silêncio se tem alguma cerimonia, o contrário pode ser considerado, como uma falta de respeito e de educação.

Quanto mais ao norte se vai, mais forte é a influência do resto de Europa. Áustria e Suiça estão muito perto e percebe-se tanto nas comida, como nos dialetos e no caráter. Também os gélidos invernos alpinos influem. Embora sigam sendo agradáveis, os italianos do norte falam um pouco mais baixo, dão menos risada e trabalham bastante mais. De fato, a maior parte das indústrias importantes encontram-se nesta zona. Na medida que vai descendo, a temperatura irá subindo graus e com ela todo o resto. As pessoas tornarão falar aos gritos, gargalhadas e ecoarão com força, as festas serão mais barulhentas. Porém, convém não esquecer que Itália está bem preparada para acolher os turistas e que estas diferenças que se destacam são muito leves. No país todo os visitantes são bem acolhidos e estes encontram-se com uma grande facilidade para poder bater um papo com eles e conhecer o caráter italiano que, na realidade, responde perfeitamente ao protótipo mediterrâneo.

Os italianos, em geral e salvando as distâncias, são tachados de “machistas”. Á mulher estrangeira dirá bonitas lisonjas com o fim de conquistá-la e convidar-la a jantar e dançar, embora que à sua irmã ou namorada proiba sair com gente desconhecida e vestir saia curta demais. Embora, que nos últimos tempos esta mentalidade vai mudando aos poucos nas grandes cidades, nas povoações do interior se mantém com bastante força. Como vantagens, ambos sexos costuman ter rasgos delicados, com profundos olhos escuros, cabelo moreno e sobre tudo, muito doces.

Como na maioria dos países mediterrâneos, também existe um grande respeito pela família e dentro desta pelos anciões. As “mamas” italianas são conhecidas em todo o mundo por manter a união e o carinho entre os compoentes da família, embora normalmente, é o pai quem leva a voz cantante. As crianças são educadas com respeito e carinho, em geral, sendo extremadamente vivazes. Os italianos costumam reunir-se com frequência com tios, primos e parentes, para festejar qualquer acontecimento. Estando por perto, é seguro que irão convidá-lo participar da festa e beber um bom copo de vinho caseiro. Sem dúvidas, melhor é aceitar e unir-se à eles, seguro que passará um momento agradável.

Entretenimento

Itália conserva tradições antigas, procedentes dos pequenos principados, em que dividia-se o país antes de conseguir a unidade, razão pela que tem uma curiosa mistura de espetáculos religiosos, civis, medievais, folclóricos e históricos. Todos eles têm em comum a intensidade com que são vividos por um povo, que por seu caráter mediterrâneo, gosta da diversão e de festas.

Atividades

Se com o que você desfruta é com a natureza, Itália, oferece paisagens muito belas dignas de levar em conta.

Aqui pode-se praticar qualquer modalidade esportiva que desejar: alto risco, esqui, sendeirismo, escalada, etc. Também encontrará lugares ideais para caçar ou pescar, assim como, belas praias no Mediterrâneo ou no Mar Adriático.

Se o que deseja é um pouco de paz e recuperar forças o melhor é visitar os balneários que esta terra rica em águas termais tem pelo país todo. Tem de águas frias ou quentes, com escassos minerais ou com uma mineralização muito alta. Nestes lugares de repouso é possível recuperar-se de enfermidades como a artrite ou neumonía, desfrutando enquanto isso de excelentes instalações com toda as comodidades e serviços, desde pistas para praticar qualquer esporte, até formosos salões com orquestra, as quais pode-se bailar uma valsa, em um ambiente de filme. Costumam dispor também de biblioteca e jardins agradáveis, para realizar passeios com total tranquilidade. Destacam, entre outros, os balneários de Chianciano, em Siena, famoso por suas águas sulfato-cálcico carbonado, que curam as enfermidades hepáticas, Salsomaggiore em Parma com águas sódico-iódicas, embora seu maior atrativo encontra-se na elegância das instalações, Montecatini em Pistoia, onde pode-se tratar as doenças gastro-intestinais, graças a suas águas variadas ou Fuggi, no Lacio, que caracteriza-se pelas águas frias oligo-metálicas, que ajudam melhorar os problemas dos rins e do metabolismo.

Festas e Eventos Culturais

O melhor para voltar ao passado da Itália é participar na Festa do Redentor ou a Regata Histórica, em Veneza. As roupas, o penteado, as jóias, as armas e, as armaduras, em uma encenação muito cuidada, transportam todo aquele que desejar à reviver a Idade Média e a época do Renascimento, graças à imaginação e à elegância inata dos italianos. Se além disso, quiser ver cavalos ricamente enfeitados, o melhor é não perder a Cavalgada Sarda, em Sássari.

Os Carnavais de Veneza e do Viareggio atraem cada ano milhares de pessoas que não querem perder este acontecimento mundial. Os canais lotam para ver passar os mais curiosos disfarces e as mais exóticas máscaras, em um ambiente de festa contínuo no que o anonimato consegue despertar a parte mais oculta da personalidade e mostrá-la publicamente sem nenhum pudor.

Nos meses do verão costuma ter festas locais em muitos povos. É imprescindível não deixar de assistir a tudo o que puder, já que o ambiente é muito animado e o vinho de boa qualidade, sem esquecer que os habitantes são gente aberta e muito simpática.

Se visitar Veneza, de agosto a setembro, e desfrutar com o cinema, o melhor é mergulhar no ambiente que desenvolve-se em volta daMostra Internacional do Cinema. Além de ver famosos atores e diretores, pode-se desfrutar dos últimos filmes que têm-se rodado no mundo. É um dos festivais de cinema mais cuidados de toda Europa. E tendo oportunidade, já que celebra-se cada dois anos só, nos anos ímpares, não pode deixar de ir à Bienal da Arte, também na cidade dos canais. É claro que estando nesta cidade, o que é uma experiência inesquecível é desfrutar com uma romântica viagem pelos canais em gôndola, e se tiver sorte e o gondolero for amável, talvez queira deliciar o passeio, cantando uma formosa balada enquanto passa-se por baixo da Ponte dos Suspiros.

TeatroÓpera e Museus

Se preferir o teatro, não tenha dúvida que pode-se desfrutar de boas representações em quadros de incomparável beleza. Embora que já não possa fazer na Fenice de Veneza devido ao incêndio que a destruiu totalmente em 1996, ainda ficam lugares tão mágicos quanto a Arena de Verona, as Termas de Caracalla em Roma, os teatros gregos de Taormina ou Siracusa e São Carlos em Nápoles. Neles, tudo se torna fantasia e as representações convertem-se em uma experiência inesquecível.

Por outro lado, não há que esquecer que Itália é o país da ópera. A Scala de Milão está considerada como o “Palácio da Lírica” e só como edifício, já vale a pena visitá-lo, quando os cantos de divas e os barítonos ecoam no interior, tudo se converte em um mundo muito mais formoso, que brilha com luz própria. A temporada lírica varia segundo a cidade. Em Milão tem lugar de dezembro à maio, em Perusa de janeiro à setembro, em Palermo de janeiro à junho e em Bolonia de janeiro à março. Praticamente no ano todo os italianos e os turistas podem desfrutar de um espetáculo operístico, já que nos teatros antes mencionados também representam-se libretos de ópera.

Seguindo com a música não pode-se deixar de assistir no Maio Florentino, as óperas, os concertos e os balés são a nota característica, no Festival dos Dois Mundos em Spoleto onde o teatro experimental, a música e o balé oferecem um conjunto original e, como mostra clássica, no Festival de Stresa. Para os amantes do jazz nada melhor que ir ao Umbria Jazz, toda uma experiência.

Itália conta com excelentes museus onde for. A maioria estão abertos das nove da manhã à uma ou duas do meio dia (normalmente fecham na segunda-feira).

Convém levar em conta que em alguns existe a tarifa reduzida, sendo recomendável perguntar antes de obter a entrada, sobre tudo, para os menores de 18 anos e os maiores de 60, já que em alguns casos a entrada pode ser de graça. Não há que deixar de entrar em todos aqueles que possam encontrar no caminho é seguro que são muitos. As mostras artísticas e arqueológicas são tantas e de tal qualidade, que merece findar o dia com os pés destroçados.

Outras formas de entretenimento

Itália oferece uma ampla rede de cinemassalas de festa e discotecas. Sem esquecer que Itália está na Europa e que trata-se de um país mediterrâneo muito parecido com Espanha. A noite tem vida própria e não faltará gente pelas ruas disposta a divertir-se.

As praças permanecem cheias de gente, já que são os lugares onde os italianos costumam reunir-se antes de decidir qual local irão a noite. Também pode-se visitar bares para tomar um bom vinho ou uma cerveja, e terraços, como na Praça de São Marcos em Veneza, nos que degustar um delicioso e bom café capuchino, enquanto uma orquestra acompanha a noitada com suas notas criando um ambiente especial. Não há que deixar de mergulhar nos encantadores cafés antigos, como o Antico Caffe ou o Greco em Roma, ambos muito agradáveis. Qualquer viajante que o desejar pode desfrutar de uma grande variedade de restaurantes, nos que degustar a excelente pasta ou um imexurável “ossobuco” ou bem, o original sabor do carpaccio. Porém, preferindo mais tranquilidade, nada melhor que sentar-se na escadaria de qualquer praça, acompanhado de um pedaço de pizza comprado em qualquer local de comida rápida, ou de algum cachorro-quente ou hamburguer, e deliciar-se contemplando o ir e vir dos italianos.

Transportes

Itália é um país muito bem comunicado com Europa e bastante bem com o resto do mundo. Por ser uma Península, pode chegar-se a ela por mar, terra ou ar.

Avião

O transporte aéreo é muito fluido em relação com a maioria de principais cidades européias e também com respeito aos vôos nacionais que mantém uma regular comunicação entre diferentes cidades da Itália.

Os grandes aeroportos internacionais encontram-se nas principais cidades italianas: Em Roma o Fiumicino e o Linate e o Malpensa em Milão, são os mais utilizados. Porém, também há vôos internacionais a Nápoles, Veneza, Palermo, Turime Cagliari.

As linhas aéreas italianas, AlItália, e as dos associadas, ATI e Avianova, prestam um bom serviço e contam com escritórios nas principais cidades européias.

Aliás, estas companhias costumam oferecer descontos em determinada épocas do ano (um sistema que garantiza 20 % de desconto nas passagens nacionais e certas prioridades nas reservas, estando subscrito à Alicard). É conveniente solicitar informação sobre estas vantagems antes de adquirir as passagens. Existem diferentes tipos de descontos nos viagens nacionais para os menores de 12 anos, jovens até os 22 e estudantes de idades entre os 22 e 26 anos não cumpridos, assim como, escolares de idades compreendidas entre os 6 e 19 anos, sempre que sejam grupos não inferiores à 10 pessoas. Também têm descontos as pessoas maiores de 60 anos. Convém lembrar que estes descontos são só para vôos nacionais.

Por outro lado, as companhias italianas também têm preços preferenciais para o resto da Europa, sempre que a estadia não seja superior aos três meses e a volta não seja antes do sábado seguinte à data da chegada. As famílias de três componentes como mínimo, um deles sendo o pai ou a mãe, também obtém vantagems econômicas à hora de viajar à Itália. Quanto ao excesso da bagagem é conveniente perguntar na hora de adquirir a passagem, já que varia de uma companhia para outra. As normas para embarque são as mesmas que na Europa, quer dizer, convém estar no aeroporto aproximadamente uma hora e meia antes do vôo, como mínimo e, ainda antes, sendo temporada alta.

Barco

Se preferir chegar a Itália navegando, os transportes marítimos são uma boa alternativa. Os portos de Gênova, Veneza, Trieste, Livorno, Ancona, Bari, Nápoles, Palermo e Cangliari estão muito bem equipados. Destes portos pode-se viajar da península às ilhas e vice-versa.

Companhias como Ferrovie dello Stato, Tirrena Navigazione, Grandi Traghetti, Trans Tirreno Expres, Navarma e Sardinia Expres oferecem saídas diárias, no verão, à Córcega e Sicília. Nos meses do inverno as frequências são escassas pelo que é conveniente informar-se sobre horários e datas de saída (de todos modos o serviço nesta época do ano é também bastante eficiente).

As menores ilhas estão unidas a península por transbordadores ou fora-borde.

Trem

Ferrovie dello Stato (FS) extende-se por toda península, através de 16.000 quilômetros de vias. As principais cidades da Europa estão comunicadas por trem com Itália. No interior do país existem linhas de arredores e de longo percurso que funcionam otimamente.

As passagens podem adquirir-se em agências de viagens, estações ou no mesmo trem (com 20 % de recargo). Os grupos, maiores de 60 anos, os jovens menores de 26, os menores de 12 e os descapacitados físicos têm desconto. Pode-se adquirir passagens mais econômicos pelo número de quilômetros a percorrer (espécie de Interrail Italiano). Cerdenha e Sicília também contam com serviço ferroviário e estão unidos com a península através de um serviço de transbordadores.

Ônibus

Existem numerosas linhas de ônibus que unem as principais cidades do país, assim como, numerosos povos. Em alguns trajetos é aconselhável fazer reserva com antecipação. O serviço é de qualidade, rápido e não muito caro. As ilhas também dispõem deste serviço.

Carro

Itália conta com uma excelente rede de estradas nacionais, provínciais e locais, assim como, perto de 6.000 quilômetros de auto-vias (geralmente de pesagem). A maioria de auto-vias italianas, sinalizadas com uma “A” seguida de um número escrito em branco sobre fundo verde, são de pesagem. Se pode pagar em dinheiro ou utilizando a Viacard de dois preços, 50.000 ou 90.000 liras aproximadamente e que adquiri-se nas mesmas auto-vias, bancos ou sedes do Carro Club Italiano (ACI). Perante qualquer problema pode-se ligar através dos telefones de emergência que tem a cada dois quilômetros. Dispõem de dois pulsadores, um assinalado com a cruz vermelha, no caso de uma urgência médica e outro, com um icono de uma chave inglesa, para averia mecânica. Este serviço está coberto em todo o território pelo ACI. As áreas de serviço, igual que em outros países da Europa, encontram-se com frequência. O limite de velocidade nas auto-vias é de 130 km por hora.

As estradas nacionais, provínciais e locais, sinalizados por rótulos azuis com letras brancas, também são atendidos em caso de urgência pelo Carro Club da Itália e só tem que marcar 116 para que o serviço de socorro entre à funcionar. O limite da velocidade nas estradas nacionais é de 110 km por hora, 90 nas provínciais e locais, e 50 km/h quando circula por um centro urbano.

Os postos de gasolina estão abertas todos os dias, exceto nos finais de semana, nos que se estabelecem turnos das 7:30 às 12:30 h. e das 15:00 às 19:00 h. Se pode pagar em dinheiro ou com os cartões de créditos habituais.

Transportes Públicos

Nas principais cidades do país existe o serviço de ônibus urbano. As cidades de Roma, Milão, Nápoles ou Gênova contam com serviço de metro (chamado “Metropolitana”). São rápidos e as passagens têm preços muito razoáveis. Existem várias modalidades, simples, de meio dia e abono semanal, muito recomendável se a estadia vai ser prolongada. Também existem passagens combinadas de metro e ônibus.

Preferindo utilizar o serviço de taxis os encontrará as 24 horas do dia, a preços algo elevados. Todos dispõem de taxímetro. Como em quase todos os países europeus existe uma série de suprimentos (dominical, noturno, dia festivo, aeroporto, bagagem, etc) e é recomendável verificar o custo dos mesmos.

Fonte: www.rumbo.com.br

Itália

Nome completo: República Italiana
População: 60,8 milhões (ONU, 2011)
Capital: Roma
Área: 301.338 quilômetros quadrados (116.346 milhas quadradas)
Maior idioma: Italiano
Grandes religiões: Cristianismo
Esperança de vida: 79 anos (homens), 85 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos
Principais exportações: máquinas e equipamentos de transporte, produtos químicos, roupas, vinho
PIB per capita: EUA 35330 dólares (Banco Mundial, 2011)
Domínio da Internet:. Ele
Código de discagem internacional: 39

Perfil

Tome as obras de arte de Botticelli, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Tintoretto e Caravaggio, as óperas de Verdi e Puccini, o cinema de Federico Fellini, adicione a arquitetura de Veneza, Florença e Roma, e você tem apenas uma fração dos tesouros da Itália de mais de dos séculos.

Enquanto o país é conhecido por essas e outras delícias, também é notório por sua vida política precária e teve várias dezenas de governos desde o fim da II Guerra Mundial.

O cenário político italiano passou por uma mudança sísmica no início de 1990, quando o “mani pulite” (“mãos limpas”) operação expostos a corrupção nos mais altos níveis da política e das grandes empresas. Vários ex-primeiros-ministros foram implicados e milhares de empresários e políticos foram investigados.

Havia grandes esperanças no momento em que o “mani pulite” escândalo daria origem a uma reforma radical da cultura política italiana, mas essas esperanças foram frustradas quando as velhas estruturas foram substituídas por um novo cenário político dominado pelo multi-milionário empresário Silvio Berlusconi, que se tornou cada vez mais atolado em escândalos e casos de corrupção.

A popularidade crescente desde 2009, de um movimento de protesto liderado pelo comediante e ativista Beppe Grillo reflete o nível de descontentamento com todos os partidos tradicionais, que muitos italianos vêem como sendo irremediavelmente auto-serviço e fora de contato com as preocupações dos cidadãos comuns.

A Itália foi um dos seis países que assinaram o Tratado de Paris de 1951, definindo Europa fora no caminho para a integração. Tem sido firmemente no coração da Europa desde então, apesar de o governo liderado por Berlusconi no início de 2000 adotou uma postura mais eurocépticos.

Berlusconi procurou alinhar a Itália mais de perto para os EUA, rompendo fileiras com os aliados tradicionais do país, a França ea Alemanha, em seu apoio à campanha liderada pelos EUA no Iraque.

A Itália é a quarta maior economia europeia e apreciado por muito tempo uma das maiores rendas per capita da Europa, apesar do declínio das indústrias tradicionais, como têxteis e fabricação de automóveis, como resultado da globalização.

Mas tornou-se uma das primeiras vítimas da zona do euro da crise financeira global de 2008. Em meados de 2012, a Itália teve o segundo maior nível da dívida pública – um imponente 123% do PIB (produção econômica anual) – na zona do euro.

Há preocupação com a taxa de natalidade da Itália – um dos mais baixos da Europa – e as implicações econômicas do envelhecimento da população.

A cronologia dos principais eventos:

1915 – Itália entra na I Guerra Mundial ao lado dos Aliados.

1919 – Ganhos Trentino, Tirol Meridional, Trieste e nos tratados de paz.

1922 – líder fascista Mussolini forma o governo após três anos de instabilidade política e econômica.

1926 – Supressão de partidos da oposição.

1929 – Tratado de Latrão cria estado da Cidade do Vaticano.

1935 – Itália invade a Etiópia.

1936 – Mussolini forma eixo com a Alemanha nazista.

1939 – Albânia em anexo.

1940 – Itália entra na II Guerra Mundial do lado alemão. As forças italianas ocupam Somaliland britânico na África Oriental.

1941 – A Itália declara guerra à URSS.

1943 – Sicília invadida pelos Aliados. Rei Victor Emmanuel III aprisiona Mussolini. Armistício assinado com os Aliados. Itália declara guerra à Alemanha.

1944 – exércitos aliados libertar Roma.

1945 – Mussolini, que tinha sido resgatado da prisão por alemães, é capturado e executado por guerrilheiros italianos.

Sentido da integração europeia

1946 – votos referendo para a república para substituir a monarquia.

1947 – Itália cede terras e territórios sob tratado de paz.

1948 – Nova Constituição. Democratas-Cristãos ganhar as eleições.

1951 – Itália se junta a Comunidade Europeia e do Carvão.

1955 – A Itália se junta Nações Unidas.

1957 – Membro fundador da Comunidade Econômica Europeia.

1963 – Partido Socialista Italiano junta democrata-cristão liderado coalizão do primeiro-ministro Aldo Moro.

1972 – Giulio Andreotti torna-se primeiro-ministro – cargo que irá realizar sete vezes em 20 anos.

1976-1978 – ganhos eleitorais comunistas levar a voz na formulação de políticas.

1978 – O ex-primeiro-ministro Aldo Moro raptado e assassinado por fanático grupo de esquerda, as Brigadas Vermelhas. Aborto legalizado.

1980 – Bombardeio de estação de Bolonha mata 84, ligado a extremistas de direita.

1983 – Bettino Craxi torna-se primeiro-ministro socialista da Itália desde a Segunda Guerra.

1984 – catolicismo romano perde status de religião do Estado.

1991 – Os comunistas renomeá-se Partido Democrático da Esquerda.

Investigação sobre corrupção

1992 – Revelações de corrupção de alto nível desencadear vários anos de prisões e investigações.

Top promotor anti-máfia, Giovanni Falcone, sua mulher e três guarda-costas mortos em ataque com carro-bomba.

1993 – escândalo de suborno leva à demissão de Craxi como líder do Partido Socialista. Mais tarde, ele foge do país, é julgado e condenado à revelia à prisão, mas morre na Tunísia, em 2000.

Março de 1994 – Freedom Alliance ganha a eleição. A coalizão, que inclui de Silvio Berlusconi Forza Italia, a Liga Norte ea Aliança Nacional neo-fascista, cai até o final do ano seguintes confrontos com magistrados de combate à corrupção e uma batalha com os sindicatos sobre a reforma das pensões.

1995-1996 – Lamberto Dini chefes de governo de tecnocratas. Orçamento de austeridade.

1996 – Centro-esquerda Árvore aliança Olive ganha a eleição. Romano Prodi torna-se primeiro-ministro.

1997 – Terremotos região Umbria greve, causando grandes danos à Basílica de São Francisco de Assis. Quatro mortos.

Governo Prodi perde voto de confiança. Massimo D’Alema torna-se primeiro-ministro.

1999 – Carlo Ciampi torna-se presidente.

2000 Abril – D’Alema renuncia após os resultados das eleições regionais pobres e é substituído por Giuliano Amato.

Berlusconi volta

2001 Maio / Junho – A coalizão de centro-direita, liderada por Silvio Berlusconi, do partido Forza Italia, ganha as eleições gerais.

Berlusconi forma novo governo de coalizão que inclui os líderes dos dois partidos de direita, Gianfranco Fini da Aliança Nacional e Umberto Bossi da Liga do Norte, bem como o Renato Ruggiero pró-europeu que se torna ministro das Relações Exteriores.

2001 Out – Primeiro referendo constitucional desde 1946 vê o voto a favor da mudança constitucional dando maior autonomia às 20 regiões do país, em impostos, políticas de educação e meio ambiente.

2002 Jan – Euro substitui a lira.

Ministro das Relações Exteriores Renato Ruggiero renuncia em protesto contra os pontos de vista Eurosceptical de colegas de gabinete de direita.

2002 Fevereiro-Março – Controvérsia quanto parlamento aprova projeto de lei que permite Berlusconi para manter o controle de seus negócios.

Outubro de 2002 – Câmara Baixa do Parlamento aprova lei controversa reforma penal que os críticos alegam se destina a ajudar PM Berlusconi evitar o julgamento por acusações de corrupção.

Berlusconi em tribunal

2003 maio-junho – o primeiro-ministro Silvio Berlusconi aparece no tribunal de Milão em seu próprio julgamento por acusações de corrupção relacionadas com negócios na década de 1980. Ele afirma que é vítima de uma conspiração por um Judiciário politicamente motivada.

Junho de 2003 – O julgamento de Berlusconi interrompido depois que o Parlamento aprova lei que concede imunidade a cinco titulares de postos-chave do Estado, incluindo o primeiro-ministro.

Novembro de 2003 – A Itália declara dia de luto nacional depois de 19 de seus soldados foram mortos em um ataque suicida contra sua base no sul do Iraque.

Vários bilhões de euros descoberto fraude na Parmalat gigante de fabricação de alimentos. A empresa é declarada insolvente.

Janeiro de 2004 – Tribunal Constitucional joga fora lei que concede Berlusconi e outros top estado pós detentores imunidade. Julgamento de Berlusconi retoma em abril.

2004 Outubro – expulsão forçada de ilha de Lampedusa de centenas de candidatos a asilo africanos é criticada por ONU.

Dezembro de 2004 – Depois de um julgamento de quatro anos, o primeiro-ministro Berlusconi é limpo de corrupção.

Março de 2005 – oficial do serviço secreto italiano morto a tiros durante a operação de refém livre no Iraque.

Abril de 2005 – O Parlamento ratifica Constituição da UE.

Coalizão de governo desmorona depois de sofrer uma derrota esmagadora em eleições regionais. Berlusconi renuncia. Dias depois, ele forma um novo governo depois de receber um mandato presidencial.

2005 Dezembro – Antonio Fazio renuncia como governador do Banco de Itália, na sequência de um escândalo sobre a venda da Banca Antonveneta. Ele nega agir de forma inadequada.

2006 Janeiro – O ministro da Defesa diz que as tropas italianas deixarão o Iraque. A missão termina em setembro de 2006.

Prodi em, em seguida, para fora

Abril de 2006 – O líder do Centro-esquerda Romano Prodi vence eleições gerais estreitamente lutaram. Ele é empossado como primeiro-ministro em maio.

Homem mais procurado da Itália, suspeita de chefe da máfia siciliana Bernardo Provenzano, é capturado pela polícia.

2006 maio – Giorgio Napolitano, um ex-comunista, é eleito como presidente.

Junho de 2006 – referendo nacional rejeita reformas destinadas a aumentar os poderes do primeiro-ministro e regiões. As mudanças foram propostas durante o premiê Silvio Berlusconi.

2006 Agosto – Centenas de soldados italianos partem para o Líbano. A Itália está prestes a se tornar o maior contribuinte para a força mandatada pelas Nações Unidas.

2007 Fevereiro – O primeiro-ministro Romano Prodi renuncia depois de o governo perde uma votação no Senado sobre sua política externa. O presidente pede para ele ficar e Romano Prodi passa a ganhar votos de confiança em ambas as casas do parlamento.

2008 Janeiro – Um voto de não-confiança forças do governo de Romano Prodi a renunciar.

Berlusconi volta

2008 Abril – Berlusconi vence eleições gerais, garantir um terceiro mandato como primeiro-ministro, depois de dois anos na oposição.

2008 Agosto – Berlusconi pede desculpas à Líbia pelos danos causados pela Itália durante a era colonial e assina um acordo de investimento de cinco mil milhões de dólares a título de compensação.

Companhia aérea nacional da Itália, Alitalia, arquivos de falência.

2008 novembro – Depois de postar dois trimestres consecutivos de crescimento negativo, a Itália é declarado oficialmente em recessão.

2009 Abril – Terremoto greves cidades da região montanhosa de Abruzzo, deixando centenas de mortos e milhares de desabrigados.

2009 Maio-Julho – Parlamento aprova polêmica lei que criminaliza a imigração ilegal e permitindo que as patrulhas dos cidadãos.

2009 Outubro – Tribunal Constitucional vira lei que concedeu Premier Berlusconi imunidade no exercício do mandato.

Dezembro 2009 – O primeiro-ministro Silvio Berlusconi é agredido em um comício em Milão. Um homem disse ter um histórico de doença mental lança um modelo da catedral de Milão no rosto do primeiro-ministro, quebrando seu nariz e dois dentes.

2010 Janeiro – O Papa Bento XVI pede aos italianos que respeitem os direitos dos imigrantes ilegais. O convite veio após uma onda de violência contra trabalhadores rurais africanos no sul da Itália, que deixou cerca de 70 pessoas feridas.

2010 Março – coalizão de Berlusconi faz fortes ganhos com a centro-esquerda nas pesquisas regionais.

Coalizão se divide

2010 Julho – Governo sobrevive a voto de confiança para pacote de austeridade destinadas a reforçar as finanças do país.

Berlusconi divide com seu ex-aliado político, presidente do Parlamento, Gianfranco Fini, que define rival do partido Futuro e Liberdade para a Itália (FLI), de centro-direita.

2010 Agosto – coalizão de Berlusconi perde maioria na câmara baixa do parlamento, depois de mais de 30 deputados romper com o seu Povo da Liberdade (PDL) e junte-se FLI do Sr. Fini.

2010 Dezembro – Berlusconi ganha dois votos de confiança – trazidos após escândalos em sua vida privada e acusações de corrupção – por margem delgado.

2011 Fevereiro – Um juiz de Milão ordens de Berlusconi para ser julgado em 6 de abril por abuso de poder e de pagar por sexo com uma prostituta menor de idade.

2011 Julho – FMI apela a Itália para fazer mais para reduzir a sua dívida pública – um dos maiores da zona do euro – e avançar com cortes de gastos.

2011 Setembro – Parlamento dá aprovação final a um euro 54 bilhões (R $ 47 bilhões; $ 74bn) pacote de austeridade. O pacote contém uma promessa de equilibrar o orçamento até 2013.

2011 Outubro – O primeiro-ministro Berlusconi vence voto de confiança chave sobre o manejo da economia.

Mais de 130 membros do público e mais de 100 policiais são feridos em protestos em massa em Roma marcação de um dia de protesto global contra a austeridade e as práticas bancárias.

Berlusconi sai

2011 Novembro – Em meio a dúvidas crescentes sobre a dívida da Itália, Berlusconi renuncia depois de seu governo não ter uma maioria absoluta na Câmara dos Deputados durante a votação do orçamento. O presidente Giorgio Napolitano nomeia o ex-comissário da União Europeia Mario Monti para formar um governo de tecnocratas.

2011 Dezembro – pacote de medidas de austeridade no valor de 33 bilhões de euros (R $ 27 bilhões; $ 43bn) de Mario Monti de cortes de gastos ganha aprovação parlamentar. O pacote também inclui medidas para aumentar os impostos e combater a evasão fiscal.

2012 Janeiro – Governo problemas decreto de-regulamentação que visa coibir práticas restritivas, reduzir o protecionismo e incentivar a concorrência. O decreto visa promover um sistema mais meritocrático e para tornar mais fácil para os jovens a encontrar emprego. EUA agência de classificação Fitch rebaixa rating de crédito da Itália em dois níveis para A-.

2012 Maio – de esquerda e partidos de protesto prosperar nas eleições locais em uma medida de descontentamento público com as medidas de austeridade, com as pessoas de centro-direita da Liberdade (PDL), partido Lega Nord e seu aliado executando mal.

2012 Setembro – Os números oficiais mostram que a economia encolheu 0,8% no segundo trimestre.

Berlusconi condenado

2012 Outubro – Um membro sênior do PdL, Franco Fiorito, é preso sob a acusação de desvio de dinheiro público.

Um tribunal de Milão encontra Silvio Berlusconi culpado de fraude fiscal em conexão com a compra de seu império Mediaset dos direitos televisivos de filmes norte-americanos.

2012 Dezembro – PdL retira apoio de Berlusconi partido do governo tecnocrata de Mario Monti. Parlamento é dissolvido.

2013 Fevereiro – as eleições parlamentares inconclusivos deixar bloco de centro-esquerda do Pier Luigi Bersani encarregado da câmara baixa, mas bloqueado a partir de uma maioria no Senado por PdL de Berlusconi. Um movimento de protesto liderado pelo comediante Beppe Grillo ganha 25% dos votos, com o bloco de centro do primeiro-ministro Mario Monti de fuga quarto pobre, com cerca de 10%.

2013 Março – Silvio Berlusconi é condenado a um ano de prisão mais de uma escuta telefônica ilegal. Ele está definido para apelar e permanecerá livre entretanto.

2013 Abril – Giorgio Napolitano é reeleito presidente – a primeira vez na história da República Italiana, que um presidente é eleito para um segundo mandato.

Fonte: news.bbc.co.uk

Itália

Turismo

Roma

A “Cidade Eterna” fascina inúmeros visitantes. Capital da Itália e maior cidade do país, ela é cheia de relíquias relacionadas mais de 2.000 anos de história.

Valle d’Aosta

A região de paisagens ásperas ao pé das montanhas mais altas da Europa – Mont Blanc, Monte Rosa, o Matterhorn e Mont Paradis – a fronteira entre França e Suíça.

Piedmont

Alta planície do Pó é a área densamente povoada, com uma concentração de grande indústria pesada italiana. Para os contras, as montanhas, a oeste da fronteira com a França, são escassamente povoadas e têm uma economia essencialmente pastoral.

Lombardia

Uma região próspera, com solo fértil e um clima temperado para os turistas, lagos espetaculares: Lago de Como, Lago Garda, Lago Maggiore eo Lago de Lugano.

Liguria

320 km de costa rochosa e arborizada de França para Toscana, onde começa o italiano “boot”. Esta é a Riviera, oferecendo muitas comodidades para os turistas, mesmo nas pequenas cidades portuárias.

Trentino – Alto Adige

Estas regiões totalmente montanhosas da fronteira suíça em torno do vale Isarco rio tem sua origem na passagem do Brenner e deságua no Adige e do Mediterrâneo.

Veneto

Veneto inclui baixo Po Valley, na costa leste do Lago de Garda e na parte oriental das Dolomitas, cobrindo o que antigamente era a República de Veneza.

Friuli – Venezia Giulia

Uma região no nordeste da Itália, na fronteira com a Áustria e Eslovénia. Ele mudou de mãos várias vezes ao longo dos séculos e empresa Friuli é uma complexa mistura de culturas.

Emilia-Romagna

A região de colinas médias entre Po e os Apeninos. Como em outros lugares no Vale do Pó, a agricultura intensiva é acompanhado pela indústria pesada.

Toscana

Esta região fértil situa-se entre os Apeninos do Norte e no Mar Mediterrâneo. A paisagem típica da Toscana inclui colinas cobertas de vinhedos, ciprestes, campos de girassóis e aldeias sobre os picos distantes.

Umbria

Às vezes chamado de “coração verde da Itália”, Umbria é uma área pequena, montanhosa e quase intacta entre Toscana e Marche. A paisagem se assemelha a de Toscana e é uma mistura entre a arquitetura medieval austera e fazendas de pedra de um lado e as colinas e rios do outro.

Marche, Abruzzo e Molise

A região agrícola montanhosa na costa central do Adriático, ao sul de San Marino. A capital e maior cidade regional da região, Ancona, é um porto naval e comercial muito importante, com uma série de ruínas romanas bem preservadas.

Lazio

Na costa oeste da Itália “boot” é uma região de colinas vulcânicas, lagos e praias perto de Roma.

Campania

Chamado Campania Felix (“país abençoado”) pelos romanos por causa de seu solo fértil, clima ameno e da quantidade de água que está presente (em comparação com os padrões do sul da Itália). A península está localizado ao sul de Nápoles é uma das áreas mais populares da Itália para os turistas.

Puglia, Basilicata e Calabria

Puglia sudeste em torno dos penhascos íngremes, arborizadas do Promontório Gargano, mais ou menos plana Salento península (o “calcanhar” da Itália) e, entre eles, a Murgia, um planalto de calcário crivado cavernas.

Sicília

Sua posição estratégica entre a Itália ea África do Norte, e por causa de suas terras férteis e águas costeiras ricas em peixes, Sicília experimentado incessantes invasões desde tempos imemoriais. Gregos, cartagineses, romanos, bizantinos, árabes, normandos, Angevins, aragonês, Bourbons e, mais recentemente, os alemães (e aliados), durante a Segunda Guerra Mundial – todos deixaram sua marcar nesta ilha única, o mais populoso do Mediterrâneo.

Sardenha

É a segunda maior ilha do Mediterrâneo. Grande parte da Sardenha, longe da costa, oferece uma paisagem lunar com pedras e buracos, ea ilha é pouco povoada em muitos lugares. Nos últimos anos, muitos investimentos foram feitos em infra-estrutura turística, especialmente no Norte, na Costa Esmeralda e da costa oeste perto de Alghero.

ECONOMIA

Durante a segunda metade do século XX, a economia italiana passou por profundas transformações que permitiram a ele para trazer o modelo de crescimento significativo e desenvolvimento das nações industrializadas, e, em particular, os países da União Europeia (UE).

Apesar das freqüentes mudanças de governo, este período foi favorável para o desenvolvimento de mecanismos de mercado e descentralizado de tomada de decisão ao nível da empresa, também foi marcado pelo constante esforço do governo para reduzir os desequilíbrios estruturais e preocupação integrar a economia italiana na construção europeia.

Hoje, o padrão de vida dos italianos quase pegou um dos seus parceiros europeus, em 2000, o produto interno bruto (PIB) per capita chegou a 19.710 contra $ 22.640 dólares no Reino Unido, 23 na França e 480 dólares 25.350 dólares na Alemanha. A Itália ocupa o sexto lugar no mundo para o PIB global e, assim, justificar a sua participação no G-7, que inclui os países mais industrializados do mundo.

Fonte: www.europa-planet.com

Itália

Os romanos usavam o nome Italia para se referir à península italiana. Além disso, a Itália foi invadida e colonizada por muitos povos diferentes. Etruscos na Toscana precedido os romanos e Umbria, enquanto os gregos colonizaram o sul. Os judeus entraram no país durante o período da república romana, e tribos germânicas veio após a queda de Roma. Povos mediterrânicos (gregos, norte-africanos, e fenícios) entrou no sul.

O Império Bizantino governou a parte sul da península de 500 anos, no século IX. Sicília teve muitos invasores, incluindo sarracenos, normandos, e aragonês. Em 1720, os austríacos governou a Sicília e em aproximadamente ao mesmo tempo controlado norte da Itália. Existe uma contínua mistura étnica.

Localização e Geografia

Itália é no sul da Europa central. É constituída por uma península formato de uma bota de salto alto e várias ilhas, abrangendo 116.300 milhas quadradas (301,200 km quadrados). A mais importante das ilhas são a Sicília, no sul e na Sardenha, no noroeste. O Mar Mediterrâneo é para o sul, e os Alpes, ao norte.

Uma cadeia de montanhas, os Apeninos, se projeta abaixo do centro da península. O fértil vale do Pó, no norte.

É responsável por 21 por cento da área total, 40 por cento da área da Itália, em contraste, é montanhoso e 39 por cento é montanhoso.

O clima é geralmente um clima temperado mediterrâneo, com variações causadas por áreas montanhosas e montanhosas.

Terreno montanhoso da Itália levou à criação de vários estados independentes. Além disso, a agricultura na maior parte do país tem sido de um tipo de subsistência e levou ao desmatamento. Desde a Segunda Guerra Mundial, muitos italianos se afastaram de ocupações rurais a exercer a economia industrial.

Roma foi uma escolha natural para a capital do país em 1871, quando o Estado moderno foi unido após a anexação dos Estados Pontifícios. Roma recorda antiga grandeza da Itália e da unidade sob domínio romano e sua posição como o centro da Igreja Católica.

População

Itália foi de aproximadamente 57 milhões em 1998. A taxa de crescimento da população é 0,08 por cento, com uma taxa de mortalidade de 10,18 por mil e uma taxa de natalidade de 9,13 por 1.000. A expectativa de vida ao nascer é de 78,38 anos. O crescimento da população diminuiu rapidamente após a Segunda Guerra Mundial, com a industrialização do país.

A maioria dos habitantes são etnicamente italiana, mas há outros grupos étnicos na população, incluindo francês, italianos e eslovena-italianos no norte e albaneses italiano e grego-italianos no sul.

Esta presença étnica se reflete nas línguas faladas: alemão é predominante no Trentino-Alto Adige região, o francês é falado na região do Valle d’Aosta, e esloveno é falado na área de Trieste-Gorizia.

Afiliação linguística

A língua oficial é o italiano. Vários “dialetos” são faladas, mas italiano é ensinado na escola e usado no governo. Siciliana é uma linguagem com o grego, árabe, latim, italiano, francês Norman, e outras influências e, geralmente, não é compreendido por falantes de italiano.

Há bolsões de alemão, esloveno, francês, e outros oradores.

Simbolismo

Patriotismo italiano é em grande parte uma questão de conveniência. Antigas lealdades a cidade natal persistiram ea nação ainda é, principalmente, “expressão geográfica” um (ou seja, há mais identidade com a própria região de origem do que o país como um) inteiro para muitos italianos. O hino nacional, Fratelli d’Ialia, geralmente é visto como algo a ser jogado em eventos esportivos com equipes de outros países.

A bandeira vermelha, verde e branco tem um significado para a maioria dos cidadãos, mas não mexa um grande fervor. Os fortes laços são para a família. Portanto, os políticos fazem apelos para a lealdade à nação com base na lealdade à família, enfatizando laços com a pátria (“pátria”).

História e Relações Étnicas

Surgimento da Nação

Ele não foi até o meio do século XIX que a Itália como a conhecemos hoje, veio a ser. Até essa altura, várias cidades-estados ocuparam a península, cada um operando como um reino separado ou república.

Forças para a unificação italiana começou a se reunir com a ascensão de Victor Emmanuel ao trono da Sardenha, em 1859. Naquele ano, após o francês ajudou a derrotar os austríacos, que tinham vindo a governar regiões através do Império Habsburgo, nobre Victor Emmanuel ministro, conde de Cavour da Sardenha, convenceu o resto da Itália, exceto os Estados Pontifícios para participar de uma Itália unida sob a liderança de Victor Emmanuel, em 1859.

Em 1870, Cavour conseguiu ser no lado direito quando a Prússia derrotou a França e Napoleão III, protetor do Papa, na Guerra Franco-Prussiana. Em 17 de Março de 1861, Vítor Emanuel da Sardenha foi coroado como rei da Itália. Roma se tornou a capital da nova nação.

História da Itália é longo e grande. Os etruscos foram o primeiro grande poder na península italiana e na Itália foi o primeiro unidos politicamente sob os romanos em 90 aC Após o colapso do Império Romano no século V dC, a Itália tornou-se meramente uma “expressão geográfica” por muitos séculos.

Caos se seguiu à queda do Império Romano. Carlos Magno restaurou a ordem e governo centralizado para o norte e centro da Itália nos séculos oitavo e nono. Carlos Magno cultura franco para a Itália, e sob os francos, a Igreja de Roma ganhou muita influência política. Os papas receberam uma grande autonomia e ficaram com o controle sobre o sistema jurídico e administrativo de Roma, incluindo a defesa.

A linha carolíngia tornou-se cada vez mais fraco e as guerras civis eclodiu, enfraquecendo a lei ea ordem. Árabes invadiram o continente de seus redutos na Sicília e Norte da África. No sul, os lombardos reivindicou soberania, onde estabeleceram um governo separado, até que eles foram substituídos pelos normandos, no século XI.

Prefeituras, no entanto, tinha lucrado regra Carolignian e permaneceu centros vibrantes de cultura. Famílias locais reforçou seu domínio sobre as áreas rurais e substituído governantes carolíngios. Itália tornou-se difícil de governar a partir de uma localização central. Tornou-se um conjunto de cidades-estados.

Ao longo dos anos que se seguiram, os governantes de inúmeros além dos Alpes, com ou sem o consentimento do papado, não conseguiu impor sua autoridade.

Ao longo dos séculos 14 e XV de campanilismo (patriotismo local), apenas uma minoria de pessoas que ouviram a palavra “Italia”. Lealdades eram predominantemente provincial.

No entanto, houve elementos que fizeram um forte contraste com o mundo para além dos Alpes: uma cultura jurídica comum, altos níveis de educação laica e urbana de alfabetização, uma estreita relação entre a cidade eo campo, e uma nobreza que freqüentemente envolvidos no comércio.

Três características em particular, a partir deste período solidificou a noção de uma cultura unificada. O primeiro foi o amadurecimento do desenvolvimento econômico que se originou nos séculos anteriores. Norte e centro comercial italiano, fabricação e capitalismo financeiro, juntamente com a crescente urbanização, eram para continuar com extraordinário vigor e ter influência notável em grande parte do mundo Mediterrâneo e da Europa como um todo, um desenvolvimento que serviu como prévia necessária para a expansão da Europa para além dos seus limites antigos, no final do século XV.

Segundo veio a extensão da de fato independente da cidade-estado, que, seja como repúblicas ou como poderes governados por uma pessoa ou família, criou uma impressão poderosa sobre contemporâneos e pósteros. Finalmente, e aliado a esses dois movimentos, foi a partir dessa sociedade que nasceu a civilização do “Renascimento Italiano” que, nos séculos XV e XVI era para ser exportado para o resto da Europa.

Rivalidades italianas de status, classe, família, cidade natal e impediu a unidade ao longo de sua história. O período entre o décimo quinto através de meados do século XVIII era nenhuma exceção. Nações cresceu e suas ambições, bem como os da cidades-estado italianas, continuou a assolar a Itália. França e Espanha, em particular, interveio em assuntos italianos. Além disso, o caos causado por estas invasões levou os estados italianos para perseguem seus próprios objetivos particulares.

Itália tornou-se parte da herança dos Habsburgos espanhóis em 1527, quando o rei espanhol Carlos I (imperador romano Carlos V) enviou suas tropas para tomar a Roma. A Espanha estabeleceu o controle completo sobre todos os estados italianos, exceto Veneza.

Itália estava pronta para as novas idéias do Iluminismo francês, após a depressão econômica, epidemias, guerras, fomes, e invasões do século XVII. Intelectuais italianos se ressentiam do caráter supranacional do papado, as imunidades dos clérigos do aparato legal e fiscal do Estado, a intolerância da Igreja e intransigência em questões teológicas e institucionais, e sua riqueza e propriedade, e exigiu reformas.

Algumas mudanças na administração, tributação e economia foram feitas por governantes Habsburgo Maria Teresa e José, mas essas reformas não vão longe o suficiente. A Revolução Francesa e do exército de Napoleão demonstrou que uma Itália unida era possível e que as armas pode ser a única maneira de conseguir isso.

Sob a liderança de Victor Emmanuel, conde de Cavour, e Giuseppe Garibaldi, as várias cidades-estados se mudou para a unidade. Os escritos de Allessandro Manzoni na língua comum ajudou a forjar uma identidade italiana.

Identidade Nacional

A questão do regionalismo tem atormentado a Itália para o dia de hoje. Originalmente, a questão foi um dos mais desenvolvidos do norte contra o sul pobre.

Regiões italianas tinham suas próprias histórias separadas durante um período de 14-100 anos. Muitos diferentes “dialetos” foram ditas, e os costumes variou de região para região. No período desde o Risorgimento, o movimento de unificação italiana, tem havido uma grande quantidade de unidade alcançada. Há ainda uma diferença entre o norte, a região central e do sul. No entanto, a alfabetização tem feito uma linguagem comum a norma. Televisão, rádio, jornais e ter ajudado a educação ao promover um sentido da cultura nacional.

Relações Étnicas

Muitos países e povos ocuparam a Itália durante os séculos. Italianos ressentiam cada um desses conquistadores. No entanto, eles se casaram com eles e aceitou uma série de seus costumes. Muitos costumes, por exemplo, na Sicília são o espanhol de origem.

Italianos assimilaram um número de pessoas dentro de sua cultura. Albaneses, franceses, austríacos, gregos, árabes e africanos têm agora geralmente encontrada uma recepção na interação social pacífica. Esta mistura é refletido na grande variedade de características físicas da pele de pessoas e corantes capilares, tamanho, e mesmo temperamentos. Italianos facilmente incorporar novos alimentos e costumes na mistura nacional. Ao todo, existem cerca de um milhão de estrangeiros residentes.

Urbanismo, Arquitetura e do uso do espaço

A zona norte é altamente industrializada e urbanizada. Milão, Turim e Gênova formam o “triângulo industrial”. Após a Segunda Guerra Mundial, houve uma grande migração para as áreas urbanas e em ocupações industriais.

Apesar da natureza anterior agrícola e rural de Mezzogiorno da Itália (sul), arquitetura de lá, assim como em áreas mais industrializadas da Itália seguiu modelos urbanos. A arquitetura em toda a Itália tem fortes influências romanas. Na Sicília, os gregos e árabe unir essas influências. Durante todo, um tom humanista forte prevalece, mas é um humanismo tocado com um profundo sentimento religioso. Há uma “família” sentimento sobre o divino que muitas vezes confunde não-italianos.

Italianos tendem a se agrupar em grupos, e sua arquitetura incentiva este agrupamento. As praças de cada cidade ou vila são famosos para o desfile de pessoas através deles à noite com amigos e parentes. O espaço público é para ser usado pelas pessoas, e sua apreciação é tida como certa.

Alimentos e Economia

Comida na vida diária de Alimentos

É um meio para o estabelecimento e manutenção de laços entre a família e os amigos. Ninguém que entra em uma casa italiana deve deixar de receber uma oferta de comida e bebida. Normalmente, pequeno-almoço consiste de um duro roll, manteiga, café forte, frutas e ou suco.

Tradicionalmente, um grande almoço fez-se a refeição do meio-dia. Massas foi geralmente parte da refeição em todas as regiões, juntamente com sopa, pão e carne, talvez, ou peixe. Jantar consistiu de sobras.

Em tempos mais recentes, a família pode usar a refeição mais tarde, como uma refeição em família. O costume da sesta está mudando, e um almoço pesado pode não ser mais prático.

Há diferenças regionais no que se come e como os alimentos são preparados. Em geral, mais de vitela é encontrado no norte, onde as refeições tendem a ser mais leves. Culinária do sul tem a reputação de ser mais pesado e mais substancial do que cozinhar norte.

Hábitos alimentares em ocasiões cerimoniais

Existem alimentos especiais para várias ocasiões. Há um especial de São José pão, pão de Páscoa com ovos cozidos, Saint Lucy “olhos” para seu dia de festa, ea festa dos sete peixes para a véspera de Ano Novo. O vinho é servido com refeições rotineiramente.

Economia básica

Apenas cerca de 4 por cento do produto nacional bruto vem da agricultura. Trigo, legumes, frutas, azeitonas e uvas são cultivadas em quantidades suficientes para alimentar a população. Carne e produtos lácteos, no entanto, são importados.

Lombardia é, talvez, a área mais rica da Itália. É o local do fértil vale do rio Pó, bem como Milão, o principal centro comercial, industrial e financeira. É também a principal área industrial de Itália. Têxteis, vestuário, ferro e aço, máquinas, veículos automóveis, produtos químicos, móveis e vinho são seus principais produtos.

Ela está em contraste marcante com a zona sul do país que só recentemente começou a emergir de sua economia agrícola.

Itália começou sua grande mudança da agricultura para uma grande economia industrial após a Segunda Guerra Mundial. No início do século XXI, é a quinta maior economia do mundo. Itália só recentemente abandonou suas políticas econômicas intervencionistas que criaram períodos de recessão.

Sob pressão da União Europeia, começou a enfrentar seu déficit federal, o crime ea corrupção. O Estado iniciou um retiro grande de participar de atividades econômicas. O desemprego, no entanto, manteve-se em torno de 12 por cento e um crescimento econônico aumentou ligeiramente acima do nível de 1 por cento como o novo milênio começou.

Posse de Terra e Propriedade

Economia da Itália é basicamente um da iniciativa privada. O governo, no entanto, possui uma grande parte de grandes instituições comerciais e financeiras. Por exemplo, o governo tem ações importantes no petróleo, transporte e sistemas de telecomunicações. Na década de 1990 começou a Itália mais longe de posse do governo de negócio.

Atividades comerciais

Maioria dos centros comerciais da Itália estão na região norte desenvolvido. Milão é o centro econômico mais importante da Itália. Ele está localizado no meio da terra rica e desenvolvimento industrial grande. Tem estrada extensa e ligações ferroviárias, auxiliando o seu poder industrial. Milão é predominante na produção de automóveis, aviões, motocicletas, grandes eletrodomésticos, material ferroviário e metalurgia outro.

Também é importante para os seus indústria têxtil e de moda. Produção de substâncias químicas, farmacêuticas, corantes, sabões e ácidos são também importantes. Além disso, o Milan é conhecida pelas suas artes gráficas e editoras, alimentos, madeira, papel e produtos de borracha. Ele manteve o ritmo com o mundo de produtos eletrônicos e cibernéticos.

Genoa permanece centro da Itália construção naval. No entanto, ele também produz petróleo, têxteis, ferro e aço, locomotivas, papel, açúcar, cimento, produtos químicos, fertilizantes, e elétrico, ferroviário e equipamentos marítimos. É também um centro de finanças e comércio. Gênova é o maior porto da Itália para passageiros e mercadorias.

Florença, localizado a cerca de 145 milhas (230 quilômetros) a noroeste de Roma, é conhecido pelo seu magnífico passado. Turistas lotam Florença para ver seus tesouros artísticos inigualáveis. Turim, em contraste, é conhecido pela fabricação de automóveis e seu ritmo de vida moderno.

Ele está localizado a leste dos Alpes. Além de Fiats e Lancias, Turim fabrica aviões, rolamentos de esferas, borracha, papel, couro trabalho, químico, metalúrgico e de produtos de plástico, e chocolates e vinhos.

Grandes indústrias

Itália é importante na produção têxtil, vestuário e moda, produtos químicos, automóveis, ferro e aço, produção de alimentos, vinhos, construção naval e outras atividades industriais.

Itália
Barcos flutuam em um canal ladeado por casas em Veneza

Estratificação Social

Classes e castas

Há uma grande diferença de riqueza entre o norte eo sul. Há também as classes sociais habituais que são encontrados na sociedade industrial. A Itália tem uma elevada taxa de desemprego, e as diferenças entre ricos e pobres são perceptíveis.

Os novos imigrantes se destacam, uma vez que vêm de países mais pobres. O governo tinha uma rede de bem-estar social, vasta que foi cortado nos últimos anos para se adequar às exigências da União Europeia. Estes cortes orçamentais caíram sobre as camadas mais pobres da sociedade.

Símbolos da estratificação social Fala

É um marcador de fronteira social na Itália. Quanto mais educação e “reprodução” uma pessoa tem, mais próximo discurso que a pessoa vem para a língua nacional e difere de um dialeto. Estilo de vestir, a escolha de alimentos e recreação, e outros marcos de fronteira também prevalecer. Roupas de Armani, Versace e outros estilistas estão fora do alcance dos pobres.

Há uma diferença também no que se come comida, determinado alimento ser mais prestígio, como a vitela ou carne, do que outros. Embora as massas eo pão ainda são grampos para todas as classes, é o que mais e em que quantidade de carne disponível, que marca as classes sociais.

Lazer e a maneira pela qual ele é gasto são também marcadores de limites da classe. O mais lazer ea quantia que a grande viagem marcar grupos entre si. O mais privada das praias, mais a sesta, o mais opulento da família villa, maior o prestígio. O futebol é para todos, mas de entretenimento mais caro é restrito pelo custo.

Vida Política

Governo

Itália é uma república com 20 regiões sob o governo central. Em 1861, os estados italianos foram unificados sob um monarca. A república foi constituída em 02 de junho de 1946 e em 1 de janeiro de 1948, Constituição da República foi proclamada.

Há três ramos do governo: executivo, judicial e legislativo. O sistema jurídico é uma combinação de direito civil e eclesiástico. O sistema trata apelos como novos julgamentos. Há um Tribunal Constitucional que tem o poder de revisão judicial. Um chefe de estado (o presidente) e um chefe de governo (primeiro-ministro) da cabeça do poder executivo. Houve inúmeras mudanças de governo desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Há duas casas do parlamento: o Senado ea Câmara dos Deputados. Ambas as casas foram eleitos e membros nomeados escolhidos por meio de um complicado sistema de representação proporcional e decorados. Os eleitores devem ter 25 anos de idade para votar, mas apenas 18 senadores em todas as outras eleições.

Liderança e Políticos Funcionários

Itália tem sido atingida por muitos partidos políticos e, em certo sentido, todo italiano é o seu próprio partido político.

Recentes reformas não terminaram o problema. Novos partidos têm crescido de combinações ou alianças de um número de partidos. Os principais partidos são Olive Tree, Pólo da Liberdade, Liga Norte, Refundação comunismo, Movimento Social Italiano, Lista Pannella-Sgarbi, o italiano List, Socialista Autônoma e Lista do Sul do Tirol.

A oliveira é o partido de esquerda democrata. O Pólo da Liberdade é o partido da direita para o centro. Outros partidos ocupar várias posições no espectro político. Existem certas regras de respeito para com aqueles no poder. Presentes normalmente são dadas, e apoio é prometido em troca.

As pessoas se aproximam aqueles no poder através de intermediários.

Problemas Sociais e Controle

Italianos ressentir intrusões na vida privada e familiar. Eles tiveram séculos de prática em escapar o que eles consideram leis injustas. O problema do crime principal vem da máfia. Juizados especiais e forças-tarefa ter feito algum progresso contra a Máfia. Escândalos ligando políticos e juízes para a máfia levaram a uma maior ação na busca de seu extermínio. Rua crime, como roubo, é predominante nas cidades maiores, e o assassinato é um problema grave, com cerca de 1.500 por ano, e um adicional de duas mil tentativas de assassinato por ano.

A Polícia Nacional são encontrados em todo o país. O sistema judicial funciona em um sistema inquisitorial. Não há presunção de inocência, e os juízes rotineiramente questionar réus. A Igreja Católica, a família e os amigos servem como fortes controles sociais informais.

Atividade Militar

Presidente do país é o comandante das forças armadas. Ele também preside o Conselho Supremo da Defesa. Serviço militar masculino é obrigatório. A Itália é um membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). A primeira implantação significativo de tropas de fora da Itália ocorreu em 1997, quando soldados foram enviados para a Albânia para ajudar a controlar o caos que resultou com o colapso da economia. Como membro da NATO, o país permitiu suas bases aéreas para ser usado em ataque à Jugoslávia.

Casamento, Família e Parentesco

Casamento

No passado, os casamentos eram arranjados e as mulheres trouxe um dote para o casamento. No entanto, havia maneiras de ajudar os pais a um de arranjar o casamento com a pessoa certa. As classes mais pobres, na verdade, tinha mais liberdade para fazê-lo do que os mais ricos. Dotes poderia ser afastado e muitas vezes eram. Atualmente, o casamento é tão livre quanto em qualquer outro lugar do mundo. Exceto para aqueles que entram no clero, quase todos os italianos se casam. Mas há um costume em muitas famílias para uma criança permanecer solteira para cuidar de pais idosos. O divórcio era proibido até recentemente.

Unidade doméstica

A família é a unidade familiar básica. Ela pode variar em tamanho, por ter outros parentes vivem com a família nuclear ou através da adopção de pensionistas.

Muitas vezes, duas ou mais famílias nucleares podem viver juntos. É comum que os casais recém-casados para viver por um tempo com os pais da noiva.

Tradicionalmente, o marido era o chefe da família, em teoria, enquanto a mulher cuidava das operações do dia-a-dia. A realidade pode ter sido bem diferente.

Tarefas tradicionalmente atribuídas de acordo com idade e sexo. Há evidências de que há alguma mudança nesse sistema como mais e mais vezes os pais trabalham fora de casa.

Herança. Pela lei, todos os membros da família herdar igualmente. Especiais itens pessoais podem ser dadas aos entes queridos antes da morte de assegurar a sua sendo recebido pelo herdeiro designado.

Grupos de parentes

Italianos são famosos por suas vidas familiares. Elas são muitas vezes ligados a um ao outro por relações de ambos os lados da família. Eles podem fazer e expandir ou contrair os seus longos grupos de parentesco, enfatizando ou diminuir a ênfase laços de parentesco diferentes.

Geralmente, as crianças da mesma mãe sente uma necessidade de cooperar contra o mundo exterior. Outros laços pode ser egocêntrico. Geralmente, um homem sente-se mais próximo, por muitas razões para irmãs de sua mãe e seus parentes. Estes parentes tradicionalmente protegido dele do lado do pai, tradicionalmente o lado de “justiça” em oposição a “misericórdia” e absoluto amor.

Itália
Telhados de prédios de tijolos e casas em Siena. Arquitetura em toda a Itália mostra fortes influências romanas

Celebrações seculares

Celebrações mais seculares também estão ligados a feriados religiosos, como Natal ou de Ano Novo (a circuncisão de Jesus). Estas celebrações tendem a ser assuntos da família. O aniversário da República é comemorado em 02 de junho. Há um show de patriotismo através de shows aéreos e fogos de artifício.

Geralmente, ele é, também, um dia de folga e férias em família. Dia da Independência é 17 de março e oferece outra oportunidade para atividade familiar.

As Artes e Humanidades

Apoio às Artes. Arte italiana tem uma longa história. Parte dessa história é o apoio que tem recebido dos benfeitores públicos e privados. Essa tradição continua até os dias de hoje com os benfeitores numerosos que apóiam as artes e humanidades. Estes incluem a Fundação Agnelli, La FIMA (Foundazione Italiana per la Musica Antica), e muitos outros.

Literatura literatura. Italiana tem suas raízes na literatura romana e grega. Até sobre a literatura século XIII italiano foi escrito em latim. Havia vários poemas, lendas, vidas de santos, crônicas e literatura similar. Francês e provençal também foi utilizado. Esta literatura preocupada Carlos Magno eo Rei Arthur.

Nos sicilianos do século XIII compôs a primeira poesia escrita em italiano na corte de Frederico II. Frederico e seu filho Manfred administrado o Sacro Império Romano da Sicília. Esta poesia era uma poesia cortês, seguindo os modelos provençais de perto. Quando a dinastia Hohenstaufen caiu em 1254, a capital da poesia italiana para o norte. Havia poetas antes de Dante, especialmente Guittone d’Arezzo e Guinizelli Guido, o fundador do dolce stil nuovo-estilo novo doce.

La Vita Nuova de Dante (1292) é neste estilo, e influenciou escritores do renascimento Petrach e outros. Por volta da mesma época que o dolce stil nuovo apareceu, São Francisco de Assis começou outro tipo de poesia, um estilo devocional cheio de amor para todas as criaturas de Deus. Maior obra de Dante foi La Divina Comida.

Petrarca foi a grande figura literária que vem na Itália. Ele trabalhou para restaurar latim clássico como língua de bolsa de estudos e literatura. Petrarca acredita que a Itália era o herdeiro de Roma, e ele trabalhou para promover o nacionalismo italiano e unidade. A despeito de sua erudição clássica, o seu trabalho em italiano é a maior contribuição de Petrarca à literatura. Seus sonetos para Laura trazem uma paixão ardente a literatura italiana. Decameron de Boccaccio (1353) baseou-se em ambos Dante e Petrarca como influências e por sua vez influenciou numerosos escritores. Ele não usa apenas o vernáculo, mas também usa true-to-vida histórias.

O século XV foi o período da Alta Renascença e incluiu “homens universais”, como Michelangelo, Leon Battista Alberti, e Leonardo da Vinci, entre outros. Esses homens geralmente lucraram patronos das artes, como Lorenzo de Médici e os papas, como Alexandre VI. O drama primeira grande italiano foi Orfeo (c. 1480) escrito por Angelo Poliziano. Havia ainda trabalha feito no estilo geste medieval, que foram baseados nos romances medievais.

No século XVI, italiano subiu a grandes alturas com a escrita de Pietro Bembo, Maquiavel Nicolo, e Ariosto. Maquiavel é mais conhecido por O Príncipe (1640), a primeira obra realista de ciência política e um apelo à unidade italiana. Poema de Ariosto, Orlando Furioso (1516) é um épico que lidam com Carlos Magno, um tema antigo, mas com uma nova sofisticação. Existem inúmeras belas obras escritas durante o século. A exuberância primitiva foi sufocado, no entanto, o estado de espírito da Contra-Reforma. No entanto, a obra de Torquato Tasso, Geusalemme liberata (1575), conseguiu romper a névoa da repressão.

No entanto, recebeu críticas mesquinhas tal que Tasso escreveu uma versão pobre do novo poema.

O século XVII e XVIII assistiu a um declínio no padrão de vida na Itália. Comércio tinha deslocado para o Atlântico e Itália estava sob a dominação política da Espanha, França e Áustria. Foi também o período do barroco. O trabalho de um grande período é Adone Giambattista Marino (1623). A maioria dos outros trabalhos no século é deprimente sombria, como convém ao teor geral da vida italiana do período.

O século seguinte viu um movimento em direção à simplicidade, o movimento Arcadia. Foi um período de ingenuidade em estilo e simplicidade na narrativa. Modelos gregos foram utilizados. O período também foi influenciado pelo Iluminismo francês.

O século XIX foi o século do Risorgimento. Giacomo Leopardi escreveu poemas líricos magníficas. Leopardi mostra grande sentimento em suas obras, bem como um nacionalismo profundo. Eu Alessandro Manzoni promessi sposi (1825-1827) é uma grande obra de ficção nacionalista. Manzoni chamado para uma voltar para o dialeto toscano puro. No entanto, o nacionalismo também inspirou um movimento realista que exaltava a beleza de dialetos regionais e vida. O siciliano Giovanni Verga era um líder do movimento e seu maior romancista.

O século XX testemunhou eaarly uma série de estilos diferentes. Gabriele D’Annunzio, que começou a escrever no século anterior, tiveram grande influência no século XX. Benedetto Croce e outros realizados no trabalho do que na Itália moderna. Luigi Pirandello, um ganhador do Prêmio Nobel 1934, foi um inovador em estilo e pensamento. Fascismo ameaçou destruir a literatura italiana, e muitos de seus grandes escritores foram para o exterior. Ignazio Silone, por exemplo, produziu Fonatamara e Pão e Vinho no exterior.

Itália
O Coliseu, em Roma, um ponto turístico popular

Após a Segunda Guerra Mundial literatura italiana floresceu novamente. Todos os movimentos principais encontrados no Ocidente teve suas contrapartes na Itália. Uma lista simples de figuras importantes é suficiente para sugerir a importância da literatura italiana moderna. Na poesia, há Giuseppe Ungaretti, Eugenio Montale e Salvatore Quasimodo. Na ficção, há Carlo Levi, Elio Vittorini, Vasco Pratolini, Mario Doldati, Cesare Pavese, Vitaliano Brancati, Giuseppe Tomasi di Lampedusa, Alberto Moravia, Giorgio Bassani, Dino Buzzati, Elsa Morante, Natalia Ginzburg Levi, Primo Levi, Umberto Ecco.

Artes Gráficas

A história de italianos artes gráficas é pelo menos tão longo quanto o de literatura. Artistas italianos, como Michelangelo, Leonardo, Fra Angelico, Rafael, e muitos outros são conhecidos em todo o mundo. Não há um tipo de arte em que a Itália não é famoso.

A Itália tem uma herança cultural que se faz sentir em todo o país. Restos de cultura material grega e etrusca são encontrados em todo o sul e centro da península.

Antiguidades romanas são encontrados em toda parte. Pompeia e Herculano são famosos por seus bem preservados restos arqueológicos. A cidade de Roma é em si mesmo um museu vivo. Em todo o país existem igrejas, palácios e museus que preservam o passado. Há, por exemplo, mais de 35 milhões de peças de arte em seus museus. Além disso, a Itália tem 700 institutos culturais, mais de 300 teatros, e cerca de 6.000 bibliotecas, que possuem mais de 100 milhões de livros.

Museus da Itália são mundialmente famosos e conter, talvez, as mais importantes coleções de artefatos de civilizações antigas. Museu de Taranto, por exemplo, oferece material que permita estudiosos a investigar profundamente a história da Magna Gracie. As coleções arqueológicas no Museu Nacional Romano, em Roma e no Museu Nacional de Arqueologia de Nápoles estão provavelmente entre os melhores do mundo. Da mesma forma, a coleção etrusca no Museu Arqueológico Nacional da Úmbria em Perugia, as esculturas clássicas no Capitalizar Museum (Museu Capitolino), em Roma, ea coleção egípcia do Museu Egípcio em Turim são, talvez, as melhores coleções do gênero no mundo.

A idade clássica não é a idade representavam apenas em museus da Itália.

O Renascimento italiano está bem representado em vários museus: a Galeria Uffizi (Galleria degli Uffizi), o Museu Bargello (Museo Nazionale del Bargello), e Palácio Pitti Gallery (Galleria di Palazzo Pitti, ou Galleria Palatina) estão todas localizadas em Florença.

A Uffizi contém obras-primas de Michelangelo, Leonardo da Vinci, Botticelli, Piero della Francesca, Bellini Giovanni, e Ticiano. O Bargello especializou-se em escultura de Florença, com obras de Michelangelo, Cellini Benvenuto, Donatello, ea família Della Robbia. O Palácio Pitti tem uma bela coleção de pinturas de Rafael, bem como cerca de 500 importantes obras dos séculos XVI e XVII, que foram recolhidos pelas famílias Medici e Lorena.

Artes desempenho

Música italiana foi uma das glórias maiores da arte europeia. Ele inclui o canto gregoriano, a música trovadoresca, o madrigal, ea obra de Giovanni Palestrina e Giovanni Claudio Monteverdi. Mais tarde compositores incluem Antonio Vivaldi, Alessandro e Domenico Scarlatti, Gioacchino Rossini, Gaetano Donizetti, Giuseppe Verdi, Giacomo Puccini, e Vincenzo Bellini. A mais famosa das casas de ópera da Itália é o La Scala, em Milão. Há outros locais famosos de ópera, incluindo San Carlo, em Nápoles, Teatro La Fenice, em Veneza, e da arena romana de Verona. Além disso, há 15 teatros publicamente de propriedade privada e numerosas prazo queridos na Itália. Esses teatros promover peças italianas e europeias, assim como balés.

Bibliografia

Belmonte, Thomas. Quebrado The Fountain, 1989.
Blok, Anton A Máfia de uma vila siciliana, 1860-1960:. Estudo de Empresários Camponesas violentos, 1988.
Buck, Joan Juliet. “Espírito-A italiana Generosidade de estilo.” Vogue 171: 293-319, 1981.
Cole, Jeffrey o novo racismo na Europa:. Um Exemplo siciliana, 1998.
Cornelisen, Ann Mulheres das Sombras:. Estudo das esposas e mães do sul da Itália, de 1991.
Galt, Anthony Cidade H. & Country em Locorotondo, 1992.
Gentile, Emilio. “A luta pela Modernidade: Ecos do Caso Dreyfus na cultura política italiana, 1898-1912.” Revista de História Contemporânea 33 (4): 497-511, 1998.
Gibson, Mary S. “visões e revisões: Mulheres na cultura italiana.” Jornal da história das mulheres 8 (2): 169-180, 1996.
Hauser, Ernest Itália: Um Guia Cultural, 1981.
Holmes, Douglas R. Culturais campesinatos desencantos trabalhador no nordeste da Itália, de 1989.
Kertzer, David I. A Família na Itália desde a Antiguidade até o Presente, 1993. “As Lições da História: Falta Itália de nacionalismo.” The Economist 327 (7817) pp 14-16.
Magliocco., Sabina As Duas Madonas: a política de Festival em uma Comunidade da Sardenha, de 1993.
Silverman, Sydel Os Três Sinos da Civilização:. A vida de um italiano Town Hill, 1975.
“O Triunfo da La Dolce Vita?” New Scientist 144 (1957-1958): 73-74, 1971.
Thompson, Doug controle. Estado na Itália fascista. Cultura e Conformidade, 1925-1943, 1994.
F RANK A. S Alamone

Fonte: www.everyculture.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+