Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Liguria

Liguria

PUBLICIDADE

Províncias: Genova (capital), Savona, Lo Spezia e Imperia.

Esta estreita e longa faixa de terra, banhada providencialmente pelo mari, que lhe dá um clima e uma vegetação luxuriante, que revela na cozinha as características e operosidade de seus habitantes.

Amantes de sua autonomia e independência, seu povo se utiliza de uma boa dose de criatividade.

A gastronomia da Liguria é caracterizada pelo perfume das hortaliças, das azeitonas e da peca. O manjericão (basílico) de aroma inconfundível, encontra na culinária da região um posto de primeiro grandeza. A Liguria orgulha-se de sua cozinha: simples e genuína.

Fonte: digilander.libero.it

Liguria

Dividida entre o mar e as montanhas, esta terra possui duas almas: o espírsito empreendedor dos centros marítimos, e aquele rural dos burgos interioranos.

A Ligúria é uma região em forma de arco voltado para o mar, com uma longa costa escarpada e, terra adentro, uma estreita faixa ocupada quase só por colinas e montanhas: um território desde sempre inóspito, onde, por serem o mar e a terra os únicos recursos, a opção de vida limitava-se àquela rude do marujo, do pescador, do portuário, ou àquela, igualmente dura, do camponês, em solos quase sempre íngremes e de difícil acesso.

Em compensação, sempre ofereceu abundância de pontos para fundear e, em tempos remotos, nela veio a estabelecer-se um povo primitivo, os Lígures, de quem tomou o nome.

Para os Romanos, que a duras penas a conquistaram, a Ligúria era antes de tudo zona de passagem, tanto que as cidades romanas foram levantadas nas poucas áreas planas: Albenga, que guarda o traçado ortogonal das ruas, Luni e Gênova.

Após a queda do Império, ali sucederam-se Bizantinos, Longobardos e Francos, enquanto, na Idade Média, a Ligúria foi primeiramente dividida em três regiões (ou “marcas”) e, mais tarde, em vários feudos ou em cidades autônomas.

Não obstante o predomínio de Gênova, La Superba, que a partir do Séc. XIV almejou ocupar a inteira região e, como potência naval, competiu com Veneza, La Sereníssima, como principal república marítima do Mediterrâneo, a história da Ligúria até o início do Oitocentos foi um suceder-se de rivalidades entre as cidades autônomas e a capital, e somente com o Congresso de Viena (1815), a Ligúria passou ao Reino do Piemonte e Sardenha, semente do futuro Estado unitário.

No que diz respeito ao desenvolvimento urbanístico, vale notar que o mapa dos centros habitados tomou sua configuração definitiva só na Idade Média, que viu disseminar-se muitos pequenos povoados, funcionais a um território tão acidentado.

Assim, as colinas estão pontilhadas de aldeias de origem agrícola – às vezes com importância estratégica -, construídas nos espigões, com uma planta típica em arco, ou radial.

Ainda, ao longo das muitas estradas levando aos passos apenínicos, que cada porto procurava ter para acessar as planícies do Piemonte, da Lombardia ou da Emília, surgiram povoados com traçado linear, voltados para o intercâmbio comercial.

Por sua vez, a costa tem um porto em cada possível lugar, com o povoado aninhado na encosta, ou alongado à beira do mar.

Sempre na Idade Média, foram fundados alguns centros de grande interesse, especialmente planejados com objetivos de defesa: além das conhecidas cidades de Chiavari, Sestri P., La Spezia, Loano, há centros menores, mas igualmente característicos, como Cisano, Bardineto, Borgomaro e Borghetto S. Spirito.

Em todo caso, a necessidade de construir em lugares apertados fez com que surgissem aldeias compactas, com ruas estreitas – os famosos ‘caruggi’ -, e quase sempre desprovidas da praça.

Os povoados nas montanhas são pobres, com traçado irregular, escarpados, com ruelas em degraus, as casas em pedra, os tetos em ardósia: lugares hoje cada vez menos povoados, quando não abandonados pelos habitantes, que encontram na costa fervor de atividades e maiores oportunidades de trabalho, mas que por isto mesmo mantiveram, ainda que decadentes, a sua integridade, e em alguns casos estão sendo pouco a pouco restaurados.

Conservaram-se também os centros históricos ao longo da costa, apesar de englobados por empreendimentos turísticos de grande porte, que às vezes os desfiguraram com suas estruturas altas, espigadas, exageradamente coloridas.

Muito presentes em todos os centros habitados são os pórticos, geralmente baixos e espessos, que nas localidades de passagem serviam de abrigo para os viajantes e suas montarias, ao passo que, nas outras, abrigavam a feira ou, mais simplesmente, serviam para desafogar a rua, como em muitos exemplos em Gênova, Chiavari, Lavagna, Toirano, Varese L., Zuccarello; enquanto em Porto Maurizio (Imperia), os pórticos são cavados nos muros.

Também numerosos são os castelos desta região onde, no passado, feudos e cidades autônomas estavam constantemente às voltas com problemas de defesa, enquanto alguns centros, mormente na província de Savona, exibem características casas-torres.

Poucas, ao contrário, são as muralhas, só presentes em cidades mais ricas, ou de recente fundação.

O patrimônio artístico está concentrado principalmente nas grandes cidades, ao passo que nos centros menores tiveram maior difusão as edificações religiosas românicas, com influências lombardas e pisanas, ou barrocas, estas com desenho refinado e sem excessos, e uso sagaz das cores tênues.

A tal período reporta-se também a predileção por ornamentar com pedras coloridas as praças das igrejas (como em Cervo, Deiva, Moneglia, Riva L., S.Michele di Ri…), ou os pórticos (Noli).

Na Ligúria, sempre predominou porém a arquitetura espontânea e popular, que é sem tempo, exceto por alguns detalhes – um pórtico, um portal, um friso – , que muitas vezes ornamentam as fachadas; enquanto nos Apeninos, já rumo à Emília, são mais comuns os engastes de gárgulas em pedra.

Sería inviável esgotar a descrição de todos os lugares de algum interesse que a região oferece, em virtude de cada canto seu reservar incríveis surpresas. Aqui, procurou-se tão somente oferecer um resumo das formas mais significativas de ocupação do território: eis assim Albenga, exemplo típico de cidade medieval construída por cima do antigo traçado romano, eis o elegante e refinado Finalborgo, ou os núcleos originários de Sanremo e Ventimiglia, ou os centros históricos na costa que tornaram-se importantes também para o turismo, como Portofino, Porto-venere, Camogli, ou os mais recentes S. Margherita L. e Rapallo.

Por sua vez, Lingueglietta e Ceriana representam bem os centros do interior,

entre os quais inclui-se o inovador núcleo circular de Varese L., ao passo que Sarzana e Villanova são cidadezinhas de recente fundação, mas também de muito interesse.

Sem esquecer o colorido de Camogli, antigo centro marinharesco berço de gerações de destemidos capitães; ou o das famosas Cinque Terre, outros tantos povoados a pico sobre o mar e acessíveis só por via férrea cavada na rocha; ou aquele mais romântico de S. Fruttuoso, este acessível só pelo mar e que guarda as tumbas da família Dória, além de, a vinte metros de profundidade, a estátua do Cristo dos Abismos, em memória de todos os náufragos do mar; ou, ainda, o de Bussana, vilarejo destruído por um terremoto no fim do Oitocentos, e que tornou-se um centro de artistas.

Mas, nesta terra, o importante é não ter pressa, porque muitas descobertas podem ser o fruto de um simples passeio, com o gosto e a sensibilidade de procurar fora dos caminhos batidos.

A Ligúria é uma região em forma de arco voltado para o mar, com uma longa costa escarpada e, terra adentro, uma estreita faixa ocupada quase só por colinas e montanhas: um território desde sempre inóspito, onde, por serem o mar e a terra os únicos recursos, a opção de vida limitava-se àquela rude do marujo, do pescador, do portuário, ou àquela, igualmente dura, do camponês, em solos quase sempre íngremes e de difícil acesso.

Em compensação, sempre ofereceu abundância de pontos para fundear e, em tempos remotos, nela veio a estabelecer-se um povo primitivo, os Lígures, de quem tomou o nome.

Para os Romanos, que a duras penas a conquistaram, a Ligúria era antes de tudo zona de passagem, tanto que as cidades romanas foram levantadas nas poucas áreas planas: Albenga, que guarda o traçado ortogonal das ruas, Luni e Gênova.

Após a queda do Império, ali sucederam-se Bizantinos, Longobardos e Francos, enquanto, na Idade Média, a Ligúria foi primeiramente dividida em três regiões (ou “marcas”) e, mais tarde, em vários feudos ou em cidades autônomas.

Não obstante o predomínio de Gênova, La Superba, que a partir do Séc. XIV almejou ocupar a inteira região e, como potência naval, competiu com Veneza, La Sereníssima, como principal república marítima do Mediterrâneo, a história da Ligúria até o início do Oitocentos foi um suceder-se de rivalidades entre as cidades autônomas e a capital, e somente com o Congresso de Viena (1815), a Ligúria passou ao Reino do Piemonte e Sardenha, semente do futuro Estado unitário.

No que diz respeito ao desenvolvimento urbanístico, vale notar que o mapa dos centros habitados tomou sua configuração definitiva só na Idade Média, que viu disseminar-se muitos pequenos povoados, funcionais a um território tão acidentado.

Assim, as colinas estão pontilhadas de aldeias de origem agrícola – às vezes com importância estratégica -, construídas nos espigões, com uma planta típica em arco, ou radial.

Ainda, ao longo das muitas estradas levando aos passos apenínicos, que cada porto procurava ter para acessar as planícies do Piemonte, da Lombardia ou da Emília, surgiram povoados com traçado linear, voltados para o intercâmbio comercial.

Por sua vez, a costa tem um porto em cada possível lugar, com o povoado aninhado na encosta, ou alongado à beira do mar.

Sempre na Idade Média, foram fundados alguns centros de grande interesse, especialmente planejados com objetivos de defesa: além das conhecidas cidades de Chiavari, Sestri P., La Spezia, Loano, há centros menores, mas igualmente característicos, como Cisano, Bardineto, Borgomaro e Borghetto S. Spirito.

Em todo caso, a necessidade de construir em lugares apertados fez com que surgissem aldeias compactas, com ruas estreitas – os famosos ‘caruggi’ -, e quase sempre desprovidas da praça.

Os povoados nas montanhas são pobres, com traçado irregular, escarpados, com ruelas em degraus, as casas em pedra, os tetos em ardósia: lugares hoje cada vez menos povoados, quando não abandonados pelos habitantes, que encontram na costa fervor de atividades e maiores oportunidades de trabalho, mas que por isto mesmo mantiveram, ainda que decadentes, a sua integridade, e em alguns casos estão sendo pouco a pouco restaurados.

Conservaram-se também os centros históricos ao longo da costa, apesar de englobados por empreendimentos turísticos de grande porte, que às vezes os desfiguraram com suas estruturas altas, espigadas, exageradamente coloridas.

Muito presentes em todos os centros habitados são os pórticos, geralmente baixos e espessos, que nas localidades de passagem serviam de abrigo para os viajantes e suas montarias, ao passo que, nas outras, abrigavam a feira ou, mais simplesmente, serviam para desafogar a rua, como em muitos exemplos em Gênova, Chiavari, Lavagna, Toirano, Varese L., Zuccarello; enquanto em Porto Maurizio (Imperia), os pórticos são cavados nos muros.

Também numerosos são os castelos desta região onde, no passado, feudos e cidades autônomas estavam constantemente às voltas com problemas de defesa, enquanto alguns centros, mormente na província de Savona, exibem características casas-torres.

Poucas, ao contrário, são as muralhas, só presentes em cidades mais ricas, ou de recente fundação.

O patrimônio artístico está concentrado principalmente nas grandes cidades, ao passo que nos centros menores tiveram maior difusão as edificações religiosas românicas, com influências lombardas e pisanas, ou barrocas, estas com desenho refinado e sem excessos, e uso sagaz das cores tênues.

A tal período reporta-se também a predileção por ornamentar com pedras coloridas as praças das igrejas (como em Cervo, Deiva, Moneglia, Riva L., S.Michele di Ri…), ou os pórticos (Noli).

Na Ligúria, sempre predominou porém a arquitetura espontânea e popular, que é sem tempo, exceto por alguns detalhes – um pórtico, um portal, um friso – , que muitas vezes ornamentam as fachadas; enquanto nos Apeninos, já rumo à Emília, são mais comuns os engastes de gárgulas em pedra.

Seria inviável esgotar a descrição de todos os lugares de algum interesse que a região oferece, em virtude de cada canto seu reservar incríveis surpresas.

Aqui, procurou-se tão somente oferecer um resumo das formas mais significativas de ocupação do território: eis assim Albenga, exemplo típico de cidade medieval construída por cima do antigo traçado romano, eis o elegante e refinado Finalborgo, ou os núcleos originários de Sanremo e Ventimiglia, ou os centros históricos na costa que tornaram-se importantes também para o turismo, como Portofino, Porto-venere, Camogli, ou os mais recentes S. Margherita L. e Rapallo.

Por sua vez, Lingueglietta e Ceriana representam bem os centros do interior,entre os quais inclui-se o inovador núcleo circular de Varese L., ao passo que Sarzana e Villanova são cidadezinhas de recente fundação, mas também de muito interesse.

Sem esquecer o colorido de Camogli, antigo centro marinharesco berço de gerações de destemidos capitães; ou o das famosas Cinque Terre, outros tantos povoados a pico sobre o mar e acessíveis só por via férrea cavada na rocha; ou aquele mais romântico de S. Fruttuoso, este acessível só pelo mar e que guarda as tumbas da família Dória, além de, a vinte metros de profundidade, a estátua do Cristo dos Abismos, em memória de todos os náufragos do mar; ou, ainda, o de Bussana, vilarejo destruído por um terremoto no fim do Oitocentos, e que tornou-se um centro de artistas.

Mas, nesta terra, o importante é não ter pressa, porque muitas descobertas podem ser o fruto de um simples passeio, com o gosto e a sensibilidade de procurar fora dos caminhos batidos.

Fonte: www.portalitalia.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+