Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  As Esquinas  Voltar

As Esquinas

Lima Barreto

A questão da venda de jornais volta a ser ventilada e há a tal respeito um projeto no Conselho Municipal.

Os jornais, em geral, se insurgem contra a regulamentação desse comércio. Não vemos razão para semelhante procedi­mento.

São as folhas volantes artigo de comércio como outro qualquer e dessa mercancia diversas pessoas auferem lucros, às vezes mesmo fabulosos, como no caso dos distribuidores.

É verdade que o imposto sobre os pequenos vendedores viria dificultar a circulação dos jornais, mas continuar a exposição dos jornais, como se faz atualmente na via pública, tomando os passeios, é coisa que não depõe muito francamente para o nosso adiantamento.

Os gansos do Binóculo, é de estranhar que não tenham ainda dado o alarme... Acresce o fato de que tais lugares são vendidos por avultadas quantias, passam de dono a dono, como se fossem verdadeiras casas comerciais, para justificar um maior rigor na fiscalização de tal comércio.

Não se compreende que certa e determinada classe de mercantes goze de privilégios e não se pode compreender também que a rua, propriedade comum, patrimônio de todos, seja cindida, limitada aqui e ali, transformando-se certos espa­ços dela em propriedade de alguns.

Que o Conselho Municipal tem toda a razão em voltar as suas vistas para o caso, não há pessoa de bom senso que o negue.

Basta passar pelas esquinas das ruas transitadas para verificar como é desagradável, como perturba o trânsito, o acúmulo de jornais que os vendedores nelas fazem.

Considere-se ainda que o número de jornais tende a crescer, que todos eles querem ser postos à venda, para justificar uma regulamentação, que se faz mister a menos que não queiramos ver os passeios das nossas ruas transformados em mostruário de quotidianos.

Os homens viajados e passeados pelo mundo dizem que essa venda é feita em outras capitais em quiosques espe­ciais - porque não pode ela ser feita aqui da mesma manei­ra?

Os pequenos vendedores não são o mais grave aspecto da questão; os "jornaleiros" estacionados nas esquinas, julgo eu é que constituem a face mais importante do problema.

Os nossos edis, que já protegeram a virtude com certo uniforme adequado, devem quanto antes voltar as suas vistas para essa feição da nossa vida urbana e resolvê-la cabalmente.

Correio da Noite, Rio, 9-1-1915

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal