Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  No Campo de Agramante  Voltar

No campo de agramante

Lima Barreto

Este charivari do Tiro 5, em que entraram o João do Norte, o senhor Denis Júnior e o tenente Nei merece alguns comentários. Os tiros, especialmente o 7 e o 5, eram tidos como o mais eficaz meio de semear em todos nós o gosto pelas coisas militares, o hábito da obediência, o sentimento de hierarquia, etc.

Calmon, que havia sido ministro e queria ser mais uma vez, não teve dúvidas em assentar praça num deles, marcha pelas ruas com o seu tank-limousine à vista, fazendo tudo o que compete a um soldado.

Os seus companheiros que têm o sentimento da hierarquia, viram logo que um antigo deputado, um ex-ministro, um lente que não dá aulas, um agricultor incansável nos discursos, um felizardo que tem limousines,um senhor assim não podia ser uma simples praça. Fizeram-no coronel, isto é, presidente do tiro.

No Tiro 5, nós tínhamos João do Norte e Denis Júnior, ambos literatos ou escritores. O primeiro já publicou alguns livros e o segundo já arranjou um bom emprego e comprou roupas. Aí, neste tiro, havia dessa forma mais estas dificul­dades no restabelecimento da hierarquia. Demais... Conti­nuemos: Denis, lançado pelo Binóculo não podia comparecer em frente de nossas damas binoculares, fardado de simples soldado.

A Barroso (J. do Norte), deputado, não ficava bem a blusa de praça.

Daí a necessidade urgentíssima, muito democrática de ambos se fazerem oficiais.

Barroso foi, Denis também; mas apareceu o ministro da Guerra e não quis mais esta guarda nacional. Acabou com os tais oficiais atiradores e tanto Barroso como o Denis volta­ram para a fileira.

No domingo passado, eles, os do Tiro 5, iam fazer uma passeata pela cidade. O instrutor viria a cavalo, com um aju­dante ao lado; Denis, que é solteiro e premedita, certamente, arranjar um bom casamento, para o que está inteiramente ta­lhado, teceu as coisas de modo que foi escolhido para aju­dante, e apareceria, na cidade, em cima de um bucéfalo policial, empunhando a espada nua e faiscante.

O sucesso de Denis seria incomparável. As damas vê-lo-iam logo de elmo e penacho, braçais, lanças, cota de malha e a divisa das armas esquarteladas no escudo: "Por ela e só!" Pleno torneio!

Esta "ela" podia ser uma qualquer, desde que satisfizesse certas condições monetárias suficientemente razoáveis.

Denis ficaria transfigurado e, com toda a razão cavaria o casamento rico. Ele tem obtido coisas mais difíceis, como ser inspector escolar, porque não conseguiria uma pequena com um bom dote? João do Norte não viu bem a coisa do cavalo. Bolas! Ele, deputado, autor de dois ou três livros, boa e bela figura, sabendo ler e escrever corretamente, tinha que ir a pé, enquanto o Denis iria a cavalo? Fez um es­tardalhaço e acabou-se a passeata do tiro.

Denis adiou o negócio do casamento; mas na próxima vez, ele não perderá a ocasião, pois as coisas se passarão de outra forma.

Tudo virá a cavalo e não haverá discórdia.

Lanterna, Rio, 29-1-1918

Fonte: pt.wikisource.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal