Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Qualquer Serve  Voltar

Qualquer serve

Lima Barreto

Aconteceu isto em Pernambuco. Não sei mesmo em que cidade, mas foi nas proximidades do Recife.

Havia lá uma família muito rica, cujo chefe era o Barão de ***.

Tinha este muitas filhas e nenhum varão; e todos os bacharéis da redondeza cercavam as meninas de todas as home­nagens.

Era o barão uma espécie Zé Bezerra, porquanto, sendo dono de uma grande usina de açúcar, dominava uma grande superfície ao derredor dela, marcando preços e emprestando dinheiro a bons juros sobre as futuras safras dos canaviais.

Com uma fortuna imensa, ele afugentava os prováveis maridos de suas filhas que temiam fazer-lhe o sacramental pedido.

Um belo dia, porém, houve um mais ousado que se animou a faze-lo.

Foi o doutor X, promotor da localidade, formado recente­mente e capaz de tudo.

O bacharelete vestiu-se com o melhor terno que tinha e foi até ao engenho do Barão de ***.

O barão, conquanto fosse muito orgulhoso de seu título e da sua fortuna, era delicado e atencioso.

Ouviu com toda a polidez a exposição do bacharel.

Dizia este:

— Animei-me a fazer-lhe este pedido, porquanto a minha situação social e a minha idade parecem mo permitir. O senhor barão, qualquer que seja a sua opinião, não se ofen­derá com ele. Não é assim?

— Não há dúvida. Mas com qual das minhas filhas o senhor deseja casar-se?

— Com da . Irene.

O barão coçou as barbas e disse, após um instante:

— Não lhe posso conceder a mão de minha filha Irene.

— Porque, barão?

— Ela já é noiva do doutor Castrioto, deputado estadual.

O promotor pensou alguns minutos; o barão ficou suspenso, à espera da resposta do rapaz, até que este disse:

— Não faz mal. Caso-me com a outra.

— Qual?

— A segunda.

— A Inês?

— Sim. A Inês.

Careta, Rio, 27-12-1919

Fonte: pt.wikisource.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal