Breaking News
Home / Folclore / Como Surgiram as Estrelas

Como Surgiram as Estrelas

PUBLICIDADE

Remotas, mas familiares, as estrelas fascinaram as pessoas ao longo da história e fazem parte de muitos mitos e lendas.

Embora o sol e a lua geralmente tenham os papéis principais na mitologia, muitas vezes aparecendo como divindades, as estrelas também aparecem em muitas histórias.

Em algumas culturas, as estrelas representam parte do cosmos, como os céus ou a morada dos deuses, ou um caminho entre a terra e outro mundo.

Em muitos mitos e lendas, estrelas individuais ou constelações, grupos de estrelas, têm um significado especial.

Como Surgiram as Estrelas – Folclore

Algumas índias foram colher milho para fazer pão para seus maridos. Um indiozinho seguiu a mãe e, ao vê-las fazendo pão, roubou um monte de milho.

Chamou seus amigos e foram pedir para a avó fazer pão para eles também.

Mas as mães sentiram a falta do milho e começaram a procurar. Os meninos, depois que comeram o pão, resolveram fugir. Para que a avó não contasse o que tinham feito, cortaram-lhe a língua. Então, fugiram para o mato. Chamaram o colibri e pediram para que amarrasse lá no céu o maior cipó que encontrasse.

Assim feito, começaram a subir.

As mães voltaram para a tribo para procurar o milho. Então, perceberam que as crianças não estavam lá.

Como Surgiram as Estrelas
Estrelas

Desesperadas, perguntaram para a avó o que tinha acontecido. Mas essa não podia responder.

Então, uma das mães olhou para o céu e viu os meninos subindo pelo cipó.

As mães correram e imploraram para que voltassem, mas os meninos não obedeceram. Então, elas decidiram subir no cipó também.

Mas os indiozinhos cortaram-no e as mães caíram. As chocarem-se contra o chão, transformaram-se em em animais selvagens.

Os meninos malvados foram punidos por sua crueldade.

Como castigo, tiveram que olhar fixamente todas as noites para a terra, para ver o que aconteceu com suas mães. Seus olhos, sempre abertos, são as estrelas.

Como Surgiram as Estrelas – Beija-flor

Beija-flor

Há muito tempo atrás viviam 4 animais na terra. Cada um dos animais vivia pacificamente e, por sua vez, o Grande Espírito os recompensava com a luz do sol eterna. Mas um dia algo novo veio ao mundo – brigas e ciúmes. No topo de uma grande árvore cresceu uma fruta muito grande e deliciosa e ao vê-la, Urso começou a subir no tronco da árvore para recuperar a bela coisa. Coiote, também vendo a fruta, ansiava por ela e pulou nas costas de Urso, derrubando os dois animais no chão. Quando começaram a brigar sobre a quem pertenciam as frutas, Águia voou entre os galhos da árvore e arrancou a fruta de onde estava.

Ao aterrissar, achando-se muito esperto por ter ganho a fruta dos outros dois, começou a rir, derrubando a fruta do bico no chão macio da floresta; assim seguiu-se a maior luta de que aquele animal já fez parte.

Tão perturbadora foi essa luta que seu barulho chegou alto no céu e nos ouvidos do Grande Espírito. Irritado pelo caos abaixo, o Grande Espírito jogou sua capa sobre o mundo, trazendo, pela primeira vez, uma imensa escuridão. Um silêncio imediatamente caiu sobre a terra abaixo, enquanto os animais paravam de lutar em busca da fonte dessa coisa nova. Incapaz de ver qualquer coisa, incapaz de entender o que havia acontecido, mas sabendo que eles haviam irritado o Grande Espírito, eles começaram a lutar mais uma vez, acusando um ao outro de suas próprias falhas.

Finalmente foi decidido que um animal deve ir ao Grande Espírito e pedir perdão.

“Eu vou fazer isso”, disse Coiote. “Vou nadar no rio mais largo e escalar a montanha mais alta e gritarei ao Grande Espírito, pedindo perdão.”

E assim o Coiote partiu pelos planos do mundo, nadou o rio mais largo e escalou a montanha mais alta até chegar ao topo. E lá ele parou e gritou para o Grande Espírito.

“Por favor, nos perdoe. Aprendemos nossa lição!” Mas não houve resposta. Durante horas Coiote ficou de pé e gritou até que sua voz ficou rouca e cansada, não emitindo nada além de um uivo, e então ele voltou para os outros.

Bear riu de seu amigo derrotado: “Você pensou que poderia gritar para o Grande Espírito?” E assim Bear partiu. Ao chegar ao topo da Grande Montanha, Urso respirou fundo, enchendo o peito de ar e gritou o mais alto que pôde: “Por favor, nos perdoe, Grande Espírito!” Mas não houve resposta. Depois de horas de tentativas fracassadas, Bear voltou para seus amigos, resmungando de frustração.

Ao retornar, Águia riu de alegria com o fracasso de seu amigo. “Agora você verá o que um verdadeiro animal pode fazer.” Mas assim que começou sua escalada em direção aos céus, ficou muito cansado.

Uma onda de morte envolveu seu corpo e ele retornou à terra, escolhendo sua vida sobre a felicidade de seus amigos.

O mais poderoso dos animais do Grande Espírito havia caído e com a percepção disso, um frio severo começou a habitar os animais.

Então, fora da escuridão, eles ouviram uma vozinha: “Eu posso fazer isso”.

E da escuridão surge o Beija-flor.

Os animais não podiam acreditar em seus olhos – eles nunca tinham visto essa pequena e patética criatura antes. Eles imediatamente caíram na gargalhada. “Você nunca alcançará o Grande Espírito meu amiguinho,” disse Bear. “Eu sou o grande guerreiro desta terra e não consegui fazer meus apelos serem ouvidos. Fique aqui onde é seguro, pois se você partir só conhecerá a derrota.”

Mas Beija-flor ignorou as brincadeiras de seus companheiros animais e começou seu vôo. Ele bateu as asas e, ao alcançar a capa do Grande Espírito, seu longo bico perfurou o tecido, mas seu corpo cedeu e ele caiu de volta à terra. Olhando para o céu, os animais viram o trabalho do pequeno Beija-flor, pois um minúsculo ponto de luz estava agora aparecendo através da capa.

Após uma pequena pausa, Beija-flor tentou novamente e novamente uma alfinetada apareceu na capa pouco antes de ele cair de volta à terra. Finalmente, depois de milhares de tentativas, Beija-flor fez uma última ponta, batendo as asas mais rápido do que nunca, enquanto caminhava para a escuridão. Um último buraco apareceu no céu, mas o Beija-flor não. Depois de vários minutos, o Grande Espírito apareceu diante dos animais com o minúsculo corpo do Beija-flor agarrado em suas mãos.

O coração do Beija-flor impressionou tanto o Grande Espírito que, em homenagem ao animal caído, o Grande Espírito cobre a terra com sua capa, não remendada, durante metade do dia, todos os dias.

Fonte: ifolclore.vilabol.uol.com.br/www.csun.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Como Surgiram as Fogueiras de “São João”

Como Surgiram as Fogueiras de 'são João', Lendas E Mitos Do Folclore, Como Surgiram as Fogueiras de 'são João'

Bode Preto

Bode Preto, Lendas e Mitos do Folclore, Bode Preto

Rondolo

Rondolo, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, Rondolo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.