Breaking News
Home / Folclore / Pai-do-mato

Pai-do-mato

PUBLICIDADE

Homem de pé de cabra e corpo cheio de pelos.
Mão semelhante a dos macacos.

Barbicha. Cor escura, idêntica a do corpo do mato enlameado.

Anda no bando desses porcos, cavalgando o maior.
É apenas mortal no umbigo e tem urina azul.

Raramente aparece ao homem.

Mito de Goiás.

Fonte: ifolclore.vilabol.uol.com.br

Pai-do-mato

Pai-do-Mato é uma figura folclórica da tradição do estado de Alagoas, no nordeste do Brasil.

História

É um bicho enorme, mais alto que todos os paus da mata, com cabelos enormes, unhas de dez metros e orelhas de cavaco. O seu urro estronda por toda a mata. À noite, quem passa ouve também a sua risada. Engole gente. Bala e faca não o matam, é trabalho perdido. Só se acertar numa roda que ele tem em volta do umbigo.

Em alguns Reisados, aparece uma personagem representando o entremeio do Pai-do-Mato, sob a forma de um sujeito feio, de cabelos grandes. São comuns as expressões entre as mães de família, referindo-se aos filhos que estão com cabelos grandes, sem cortar: “Está que é um Pai-do-Mato”, “você quer virar um Pai-do-Mato?”, No Reisado, canta-se no entremeio do Pai-do-Mato:

Ó que bicho feio

Só é Pai-do-Mato!…

Com denominação idêntica e materialização, vive o Pai-do-Mato em Pernambuco. Compare-se o Pai-do-Mato com o Ganhambora, o Mapinguari, o Bicho Homem, espécimes do ciclo dos monstros (Geografia dos Mitos Brasileiros). “Sem que jamais tivesse sido visto, conta a lenda queijeira da zona de Anicuns que o Pai-do-Mato é um animal de pés de cabrito, à semelhança do deus Pã da mitologia, tendo coo este o corpo todo piloso.

As mãos assemelham-se às dos quadrúmenos. Diferencia-se destes, entretanto, por andar como ente humano, com o qual se assemelha na fisionomia. Traz no queixo uma barbinha e a sua cor é escuro-fusca, confundindo-se com a do pelo do suíno preto enlameado. Dizem que anda sempre nos bandos de queixadas, cavalgando o maior, e conservando-se sempre à retaguarda.

Raramente anda só e raramente aparece ao homem. Quando alguém lhe atravessa na estrada, não retrocede, e, com indômita coragem, procura dar cabo do obstáculo que se lhe antepõe. A sua urina é azul como anil.” (Derval de Castro, Páginas do Meu Sertão, São Paulo, 1930).

Fonte: en.wikipedia.org

Veja também

Rondolo

Rondolo, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, Rondolo

São Benedito das Rosas

São Benedito Das Rosas, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, São Benedito Das Rosas

Pirarucumbóia ou Pirarucuambóia

Pirarucumbóia Ou Pirarucuambóia, Região Norte, Lendas E Mitos Do Folclore, Pirarucumbóia Ou Pirarucuambóia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.