Tarrasque

PUBLICIDADE

O legendário e único Tarrasque é o mais temido monstro originário do plano material primário.

Bípede escamoso, tem dois chifres, uma cauda comprida e uma carapaça refletora.

As Lendas da Provence: O Monstro Tarrasque de Tarascon

Há dois mil anos, a Provence já era o lugar mais bonito da Terra. Era ali que o sol era mais suave, a água mais viva e as colinas mais perfumadas. Mas, apesar dessas muitas bênçãos, o povo estava longe de ser feliz, especialmente aqueles que viviam perto das margens do rio Ródano.

Até os marinheiros que navegavam no Ródano paravam de cantar e remavam em silêncio ao se aproximarem da Provence. E ai daqueles que perturbaram as águas e acordaram a besta embaixo. Porque então essas águas se agitariam como a erupção de um vulcão e o barco não existiria mais.

Foi nesses tempos que o profundo e selvagem Rhône deu refúgio ao terrível Tarasca.

Os poucos que tinham visto o Tarasca falavam dele apenas em vozes calmas e temerosas. Disseram que era como um crocodilo gigante, com um corpo flexível e escamoso e pernas do tamanho de um elefante.

Ele respirava fogo e fumaça tão constantemente que era como se sua cabeça estivesse cercada por uma nuvem azul, perfurada por relâmpagos vermelhos.

Tarrasque

As pessoas tentaram matar o Tarasca, mas foi muito inteligente para eles, sempre aparecendo onde eles não esperavam. Quando armaram uma armadilha em Viviers, ela atacou Roquemaure.

E quando o povo de Avignon preparou seus machados para se defender, foram os de Arles que sofreram.

Então, um dia, a ajuda veio na forma de uma jovem, usando um lenço à moda oriental. Era Marta, irmã de Lázaro, que havia chegado da Terra Santa com Maria Madalena e outros.

Ela estava viajando pelo rio Ródano para espalhar a palavra de sua nova religião.

Um dia, Martha passou por uma aldeia deserta e soube que o Tarasca havia atacado na noite anterior, matando muitos. Ela percebeu que sua missão era livrar o mundo dessa terrível fera.

Ela encontrou um grupo de pessoas escondidas em uma floresta. “Eu vim para salvá-lo do Tarasca,” ela anunciou.

“Mas como?” perguntou um, enquanto as pessoas se aglomeravam ao redor.

“Por este sinal!” disse Martha, desenhando uma cruz no ar.

A multidão riu e teve pena do jovem tolo. O Tarasca era mais forte do que uma dúzia de homens, muito menos essa garota escorregadia.

Martha foi destemida e partiu para encontrar o monstro. Ela passou por outra aldeia que havia sido atacada poucas horas antes, o cheiro de queimado do hálito do Tarasca ainda enchendo o ar.

O ferreiro, o homem mais forte da cidade, ouviu falar de sua missão e pensou: “Essa garota é uma tola”. Ele estava com medo de segui-la.

Mas uma jovem mãe que havia perdido um filho tomou coragem e começou a andar atrás de Martha. Então outra mãe, e outra, e finalmente toda a aldeia a seguiu enquanto ela procurava a grande fera.

Não demorou muito para encontrá-lo, chamas saltando de sua boca. O monstro se virou quando viu Martha e começou a caminhar em direção a ela, pronto para fazer outra vítima. Mas Marta não tinha medo.

Ela estava diante do Tarasca, com os braços estendidos para cada lado, fazendo o sinal da cruz.

O monstro parou e se aquietou. Suas chamas se apagaram lentamente e a fumaça se dissipou. A multidão, atônita, calou-se e pôde ouvir Martha falando com a fera. Enquanto falava, dava um passo à frente e, a cada passo, o monstro baixava a cabeça, cada vez mais como um cachorro que teme seu dono. Finalmente, ele se deitou diante dela, encolhido.

“Morte ao Tarasca” gritou a multidão.

“Não”, disse Marta, “a besta me pertence”. Ela tirou o cachecol e o enrolou no pescoço do Tarasca. “Ele é inocente de agora em diante.”

Mas o monstro sabia que não tinha vida em cativeiro. Somente brincando nas profundezas escuras do Ródano e banqueteando-se com carne humana, como fazia desde o início dos tempos, poderia viver.

Ele lançou um olhar triste para Marta e deu um grande gemido e morreu.

A multidão se reuniu ao redor da fera, sem mais medo. Eles se ajoelharam diante de Marta, que fez um último sinal da cruz. Então ela tirou o lenço do pescoço do monstro, apertou as sandálias e começou a caminhar para o norte para continuar sua missão. O Tarasca, o terror do Ródano, tornou-se lenda.

Fonte: ifolclore.vilabol.uol.com.br/perfectlyprovence.co

 

Veja também

Folclore – Uirapuru

Uirapuru, Região Norte, Lendas, Mitos,Folclore, Animal, Ave, Crenças, História, Uirapuru

Tangarás

Tangarás, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, Tangarás

Rondolo

Rondolo, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, Rondolo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.