Breaking News
Home / Folclore / Como Surgiram as Frutas

Como Surgiram as Frutas

PUBLICIDADE

Há contos e lendas na tradição aborígine que parecem fragmento do Gênesis palpitando na selva.

O sabor que possuem leva-nos a acreditar que, em toda parte, em todos os ângulos da terra, o homem se absorvia na indagação do mistério de sua presença e deliciava-se na busca infrutífera de seu começo. Aqui, como nos Vedas, como no Gênesis, – observa um erudito viajante dos sertões – os casos humanos são resolvidos da mesma forma, isto é: no princípio tudo era felicidade, harmonia, paz de espírito; uma desobediência, uma leviandade, um episódio de amor, uma fruta proibida, trouxe a desgraça e a degradação.

Como Surgiram as Frutas

Leia-se, por exemplo, esta curiosa narrativa – Iuá Ipirungaua (princípio da fruta) – que anima de tanto pitoresco, de tanta graça e filosofia, o sábio fabulário neengatu.

Antigamente, quando o mundo principiava, nós éramos como os animais: tal e qual. Comíamos, como eles, caruru, capim, matinhos verdes, ervas rasteiras. Havia mesmo um roçado onde os homens plantavam mato e dele extraíam as folhas verdes. Mas era só. Frutas, flores, mandioca, toda qualidade de coisa que nós hoje em dia comemos, nada, nada existia.

Só o vento, de vez em quando, por esquisita maldade, espalhava na terra um cheiro bom e provocante de fruta. Todo aquele que cheirava, queria logo comer. Outros acordavam como doidos e corriam na direção do cheiro. Então o vento brincava dum lado para outro, enganando a gente. E os homens ficavam sem saber o que é que fazia aquele aroma gostoso, porque quando chegavam a um certo lugar perfumado, logo o aroma sumia para outro canto.

Não era só gente que procurava donde vinha o cheiro cobiçado; os animais também procuravam.

Contam que, em certo ponto, havia uma roça nova e que bicho andava devastando.

O dono da roça começou a vigiá-la.

Um dia, bem de manhãzinha, ele viu um guabiru ir para o meio da roça e começar a comer as plantas. Mais que depressa correu e agarrou o guabiru; logo o cheiro bom lhe chegou ao nariz.

– Será tu que estás comendo minha roça? – perguntou o dono irado. Eu te mato agora para não me desgraçares.

Nisto sentiu mais forte o cheiro bom chegar-lhe ao nariz. E logo mudou de atitude, propondo ao guabiru:

– Olha se me contares onde está a árvore em que comes, eu não te mato, eu te pouparei. E poderás voltar, quando bem quiseres, à minha roça.

O guabiru, dizem, respondeu:

– Pois sim! Vamos até à beirada do rio. Aí encontrarás a fruteira grande onde estão as comidas boas.

Foram juntos até perto da cachoeira do Uaracapuri, no Alto Buopé, e o guabiru, então, disse:

– Vês aquela grande árvore? Está cheia, está repleta de frutas boas que só o acutipuru aproveita. Cheira e depois comes, para veres como o acutipuru está devorando o nosso alimento, aquilo que nos pertence.

O homem correu para casa, anunciando a nova.

Toda gente se juntou para derrubar a grande árvore, a fim de que o acutipuru não acabasse com os frutos.

E, quando já os machados abatiam o tronco, ouviu-se uma voz de Uansquém, dono da árvore, que dizia irritado:

– Quem foi o tolo que indicou a utilidade desta fruta? Isto ainda não está maduro. Deixa estar! Eu hei de saber quem foi o mal-ouvido.

E foi para debaixo da árvore, aí encontrou casca de mandioca, e nesse casca viu o caminho do dente do acutipuru.

E logo disse:

– Ah! És tu que não me respeitas! Tu anoiteces em cima da árvore, hás de amanhecer embaixo dela.

Meteu imediatamente a flecha na zarabatana e procurou o acutipuru entre os ramos.

Fazia um luar que era um dia.

Uansquém apontou a flecha para cima do galho e logo depois o bichinho vinha ao chão.

E, caindo, afundou a pedra onde seu corpo bateu.

Então Uansquém disse:

– Tu, grande tolo, estragaste as frutas para todos. Deixa estar! Tua espécie e essas gentes hão de ter fome um dia e só então hão de ver que eles próprios se desgraçaram por suas mãos.

E desapareceu.

Com a madrugada que raiava, toda gente veio para perto da árvore e ali ficou por umas mãos de lua, até que o tronco desabasse. Assim que ele caiu, os homens se precipitaram para tirar as frutas: mandioca, batata, cará, abiu, cucura. Os pássaros também vieram e começaram a beliscar o bacaba, o açaí, o muriti, o inajá, e patauá, o carana. Depois, os outros animais tiraram uxi, cumaru, o resto que havia. No fim de tudo ainda apareceu o tapir, que só encontrou macucu e somente levou macucu.

E assim foi que o avô do acutipuru conseguiu estragar a nossa existência e o nosso pomar.

Se não fosse ele, teríamos sempre frutas boas, frutas doces e fáceis.

Porque todas haviam de amadurecer e, então, Uansquém, que era bom e puro, as faria aparecer e nós não sofreríamos agora, trabalhando e fazendo roça.

Mas o acutipuru meteu-se no meio; e o resultado, já se sabe, foi estragar as frutas que nos deviam ser oferecidas amavelmente, com o tempo.

Assim foi que se inutilizou o nosso destino e principiaram os nossos trabalhos.

Tal e qual como no caso de Adão e Eva.

Fonte: ifolclore.vilabol.uol.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Como Surgiram as Fogueiras de “São João”

Como Surgiram as Fogueiras de 'são João', Lendas E Mitos Do Folclore, Como Surgiram as Fogueiras de 'são João'

Bode Preto

Bode Preto, Lendas e Mitos do Folclore, Bode Preto

Folclore – Uirapuru

Uirapuru, Região Norte, Lendas, Mitos,Folclore, Animal, Ave, Crenças, História, Uirapuru

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.