Breaking News
Home / Folclore / Quilombo dos Palmares – Lenda

Quilombo dos Palmares – Lenda

PUBLICIDADE

Fugindo como podiam, a fim de livrarem-se da escravidão, os negros embrenhavam-se na mata e construíam o que chamavam de quilombos.

Existiam quilombos em vários pontos do país.

O mais importante de todos era o Quilombo dos Palmares, que ficava no estado de Alagoas. Este foi o primeiro movimento de libertação da raça africana em solo brasileiro. O seu chefe chamava-se Zumbi.

Diz-se que Zumbi era casado com mulher branca, a quem os quilombolas chamavam Dona Maria.

Ela era filha de um senhor de escravos, que era o “dono” de Zumbi, mas acabou se apaixonando pelo escravo e fugindo com ele para o quilombo.

Essa misteriosa mulher entrou na tradição popular, podendo se verificar curiosa semelhança entre ela e a existência de uma rainha branca no folguedo popular denominado Quilombo, do folclore de Alagoas.

Fonte: ifolclore.vilabol.uol.com.br

Quilombo dos Palmares – Lenda

A Lenda: Zumbi dos Palmares Imortal

Devido à grande dificuldade enfrentada pelas tropas da colônia sob a autoridade da capitania de Pernambuco, e até mesmo de invasores holandeses que derrotaram a própria capitania dominante, mas não os quilombolas, criou-se entre o povo, e entre o próprio quilombo, o mito sobre a imortalidade de Zumbi, exímio comandante e capoeirista, que tinha estratégias de ataques e defesa incríveis, com metodologias bem elaboradas, Zumbi promovia ataques épicos às tropas da Capitania e mais tarde, aos holandeses que também tentaram subjugar Palmares. Zumbi, por muito tempo gerava essa atmosfera legendária de uma possível imortalidade concedida por seus deuses, que supostamente lhe fecharam o corpo, dando-o muito poder sobre seus inimigos.

O Outro Lado da História

Alguns historiadores e autores levantam Zumbi não como um herói em sua totalidade da palavra, mas sim o oposto, relatando-o em seus registros e obras como uma espécie de tirano que, muitas vezes, impunha por meio de captura aos escravos que se negavam a seguir com as caravanas de Zumbi para o quilombo, uma adesão forçada à vida nos Palmares. Considera-se até o fato de um regime de escravidão entre os próprios quilombolas e o despotismo, que era executado a negros fugitivos do quilombo, recapturados e mortos, a servir de exemplo para não se transgredir a lei dos Palmares.

A Morte de Zumbi

Após muitas tentativas de exterminar com Palmares (um século, a contar da liderança de Ganga Zumba, para ser mais preciso) por parte da capitania de Pernambuco, o governador, ouvindo falar dos feitos, da valentia e da habilidade dos bandeirantes que exploravam a região de São Paulo e o sudeste brasileiro, resolve contratar o bandeirante paulista Domingos Jorge Velho com suas tropas a organizar uma invasão ao quilombo, quinze anos após Zumbi ter assumido a liderança dos Palmares. Em uma das investidas, em 06 de fevereiro de 1694, a capital de Palmares foi destruída e Zumbi, apesar de ferido, consegue fugir. Porém, refugiado quase dois anos depois, foi traído por Antônio Soares, um de seus aliados que, capturado pelos bandeirantes e sob a promessa de liberdade, revelou o local onde se escondia Zumbi. Esse, por sua vez, foi surpreendido e morto pelo capitão Furtado de Mendonça na Serra dos irmãos, região de Alagoas.

O herói foi decapitado e teve, por ordem do governador, em 20 de novembro de 1695, sua cabeça exposta na capital, Recife, como uma prova de que a suposta imortalidade de Zumbi não passara de uma lenda e de que Palmares, enfim tinha sido derrotado.

Fonte: quilombo-dos-palmares.info

Veja também

Rondolo

Rondolo, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, Rondolo

São Benedito das Rosas

São Benedito Das Rosas, Região Sudeste, Lendas E Mitos Do Folclore, São Benedito Das Rosas

Pirarucumbóia ou Pirarucuambóia

Pirarucumbóia Ou Pirarucuambóia, Região Norte, Lendas E Mitos Do Folclore, Pirarucumbóia Ou Pirarucuambóia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.