Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Sistema Solar  Voltar

Sistema Solar



Nossa vizinhança cósmica

O Sistema Solar está cheio de planetas, luas, asteróides, cometas, planetas menores, e muitos outros objetos interessantes.

Do nosso pequeno mundo, contemplava o oceano cósmico por milhares de anos. Antigos astrônomos observaram pontos de luz que pareciam mover-se entre as estrelas. Chamaram a esses objetos "planetas", que significa errante, e nomeou-los depois romana divindades-Júpiter, rei dos deuses, Marte, o deus da guerra, Mercúrio, o mensageiro dos deuses; Vênus, a deusa do amor e da beleza, e Saturno , pai de Júpiter e deus da agricultura. Os astrônomos também observaram cometas com caudas faiscantes, e meteoros ou estrelas cadentes aparentemente caindo do céu.

Desde a invenção do telescópio, mais três planetas foram descobertos em nosso sistema solar: Urano (1781), Netuno (1846), e, agora rebaixado a planeta anão, Plutão (1930). Além disso, há milhares de pequenos corpos como asteróides e cometas. A maioria dos asteróides na órbita em uma região entre as órbitas de Marte e Júpiter, enquanto a casa de cometas está muito além da órbita de Plutão, na Nuvem de Oort.

Os quatro planetas mais próximos do Sol-Mercúrio, Vênus, Terra e Marte são chamados planetas terrestres, porque eles têm sólidas superfícies rochosas.

Os quatro grandes planetas além da órbita de Marte e Júpiter, Saturno, Urano e Netuno-gigantes são chamados de gás. Tiny, distante, Plutão tem uma superfície sólida, mas icier que os planetas terrestres.

Quase planeta e cada uma das luas tem uma atmosfera. A atmosfera da Terra é principalmente nitrogênio e oxigênio. Vênus tem uma espessa atmosfera de dióxido de carbono, com traços de gases tóxicos como o dióxido de enxofre. Atmosfera de Marte dióxido de carbono é extremamente fina.

Júpiter, Saturno, Urano e Netuno são principalmente de hidrogênio e hélio. Quando Plutão está próximo do Sol, tem uma atmosfera fina, mas quando Plutão viaja para as regiões exteriores da sua órbita, a atmosfera congela e cai na superfície do planeta. Dessa forma, Plutão age como um cometa.

Luas, anéis e magnetosferas

Há 140 satélites naturais conhecidos, também chamados de luas, em órbita ao redor vários planetas em nosso sistema solar, que vão de corpos maiores do que a nossa lua de pequenos pedaços de detritos.

De 1610 a 1977, Saturno foi pensado para ser o único planeta com anéis. Nós agora sabemos que Júpiter, Urano e Netuno também têm sistemas de anéis, embora Saturno é, de longe, o maior. Partículas nesses sistemas de anéis variam em tamanho de pó de pedras para a casa de tamanho, e pode ser rochoso e / ou de gelo.

A maioria dos planetas também têm campos magnéticos, que se estendem para o espaço e formar uma magnetosfera em torno de cada planeta. Estes magnetosferas rodar com o planeta, varrendo as partículas carregadas com os mesmos. O Sol tem um campo magnético, a heliosfera, que envolve todo o nosso sistema solar.

Astrônomos antigos acreditavam que a Terra era o centro do universo, e que o sol e todas as outras estrelas giravam em torno da Terra. Copérnico provou que a Terra e os outros planetas do nosso sistema solar orbitam o nosso sol.

Pouco a pouco, estamos mapeando o universo, e uma questão óbvia surge: Existem outros planetas onde a vida possa existir? Só recentemente os astrônomos tinham as ferramentas para detectar grandes planetas indiretamente torno de outras estrelas nas proximidades de sistemas solares.

Fonte: science.nationalgeographic.com

Sistema Solar

O que é o Sistema Solar?

O Sistema Solar é composto de todos os planetas que orbitam a nossa dom Além de planetas, o sistema solar também é composto de luas, cometas, asteróides, planetas menores e poeira e gás.

Tudo no Sistema Solar orbita ou gira em torno do sol. O Sol contém cerca de 98% de todo o material do Sistema Solar. Quanto maior for o objeto de um, mais gravidade que tem. Porque o Sol é tão grande, a sua poderosa gravidade atrai todos os outros objetos do Sistema Solar em direção a ela. Ao mesmo tempo, esses objetos, que se movem muito rapidamente, tentar voar para longe do Sol, para fora, para o vazio do espaço exterior. O resultado dos planetas tentando voar para longe, ao mesmo tempo que o Sol está tentando trazê-los para dentro é que eles ficam presos no meio do caminho entre os dois. Equilibrada entre a voar em direção ao Sol, e escapar para o espaço, eles passarão a eternidade em órbita em torno de sua estrela-mãe.

Como é que o formulário do Sistema Solar?

Esta é uma questão importante, e que é difícil para os cientistas a entender. Afinal, a criação do nosso Sistema Solar levou bilhões de anos lugar antes que houvesse pessoas ao redor para testemunhar isso. Nossa própria evolução está intimamente ligada à evolução do Sistema Solar. Assim, sem entender de onde o Sistema Solar veio, é difícil compreender como a humanidade chegou a ser.

Os cientistas acreditam que o Sistema Solar evoluiu a partir de uma gigantesca nuvem de poeira e gás. Eles acreditam que essa poeira e gás começou a entrar em colapso sob o peso de sua própria gravidade. Como ele fez isso, o assunto contido neste poderia começar a se mover em um círculo gigante, assim como a água se move de drenagem ao redor do centro do dreno em um círculo.

No centro desta nuvem de fiação, uma pequena estrela começou a formar-se. Esta estrela cresceu maior e maior, uma vez que recolheu mais e mais da poeira e gás que desabou para ele.

Mais longe do centro da massa, onde a estrela estava a formar, não havia aglomerados mais pequenos de poeira e gás que também foram em colapso. A estrela no centro, eventualmente inflamado formar o nosso Sol, enquanto os aglomerados mais pequenos se tornaram os planetas, planetas menores, luas, cometas e asteróides.

Uma grande tempestade

Uma vez inflamado, poderosas do Sol ventos solares começou a soprar. Esses ventos, que são feitas de partículas atômicas sendo soprada para fora do Sol, empurrou lentamente o gás e poeira restantes fora do Sistema Solar.

Como é que o formulário do Sistema Solar?

Esta é uma questão importante, e que é difícil para os cientistas a entender. Afinal, a criação do nosso Sistema Solar levou bilhões de anos lugar antes que houvesse pessoas ao redor para testemunhar isso. Nossa própria evolução está intimamente ligada à evolução do Sistema Solar. Assim, sem entender de onde o Sistema Solar veio, é difícil compreender como a humanidade chegou a ser.

Os cientistas acreditam que o Sistema Solar evoluiu a partir de uma gigantesca nuvem de poeira e gás. Eles acreditam que essa poeira e gás começou a entrar em colapso sob o peso de sua própria gravidade. Como ele fez isso, o assunto contido neste poderia começar a se mover em um círculo gigante, assim como a água se move de drenagem ao redor do centro do dreno em um círculo.

No centro desta nuvem de fiação, uma pequena estrela começou a formar-se. Esta estrela cresceu maior e maior, uma vez que recolheu mais e mais da poeira e gás que desabou para ele.

Mais longe do centro da massa, onde a estrela estava a formar, não havia aglomerados mais pequenos de poeira e gás que também foram em colapso. A estrela no centro, eventualmente inflamado formar o nosso Sol, enquanto os aglomerados mais pequenos se tornaram os planetas, planetas menores, luas, cometas e asteróides.

Uma grande tempestade

Uma vez inflamado, poderosas do Sol ventos solares começou a soprar. Esses ventos, que são feitas de partículas atômicas sendo soprada para fora do Sol, empurrou lentamente o gás e poeira restantes fora do Sistema Solar.

De vez em quando, um desses cometas será jogado fora de sua órbita no Cinturão de Kuiper e arremessou em direção ao Sistema Solar interior, onde lentamente derrete em um show fantástico de cauda e luz.

Além do Cinturão de Kuiper fica uma vasta área conhecida como a Nuvem de Oort. Aqui dentro dessa nuvem confusa desorganizado vivem milhões de cometas adicionais. Esses cometas não orbitam o Sol em um anel ou um cinto. Em vez disso, cada uma delas em torno de vibra numa direção completamente aleatória, e, a velocidades extremamente elevadas.

Além da Nuvem de Oort

Ventos solares do Sol continuam empurrando para fora, até que finalmente começam a se misturar no meio interestelar, tornando-se perdido com os ventos de outras estrelas. Isso cria uma espécie de bolha chamada heliosfera. Cientistas definem os limites do Sistema Solar como sendo a fronteira da heliosfera, ou no local onde os ventos solares do mix dom com os ventos de outras estrelas.

A heliosfera estende a partir do Sol a uma distância de cerca de 15 bilhões quilômetros, que é mais de 160 vezes mais longe do Sol do que a Terra.

Sistema Solar Fatos

Cada página é cheia de fatos engraçados e emocionantes sobre o nosso Sistema Solar. Tome seu tempo e desfrutar de explorar nossa família solar.

Fonte: www.kidsastronomy.com

Sistema Solar

As primeiras descobertas

O teólogo polonês Nicolau Copérnico (1473 -1543), autor do livro "Sobre as Revoluções dos Orbes Celestes", explicou pela primeira vez que a Terra gira em torno do Sol. A idéia dá novo rumo às ciências naturais e tais idéias eram contrárias a teoria da igreja. Mas à princípio, suas declarações não incomodaram muito, até que alguns anos depois, outro grande astrônomo, o italiano Galileu Galilei (1564 - 1642), descobriu através de seu telescópio rudimentar que a Lua possui uma topografia irregular, cheia de vales, montanhas e crateras, alem de regiões mais planas denominadas mares.

A principal descoberta de Galileu Galilei foi feita ao apontar para o céu sua recém-inventada luneta, onde ele descobriu os quatro maiores satélites de Júpiter, marcando o início das pesquisas sobre o Universo. Tais luas passaram a ser chamadas até os dias de hoje de "Satélites Galileanos" (Io, Europa, Calisto e Ganimedes). Suas idéias foram repudiadas pela igreja que o acusou de heresia, o que atrasou os estudos astronômicos. Somente depois de muitos anos seu trabalho foi aceito.

Sistema Solar com o Sol e os nove planetas: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão.

Sistema Solar
Sistema Solar com o Sol e os nove planetas:
Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão.

Características do Sistema Solar

O sistema solar é formado por 9 planetas e por milhares de asteróides, além de um cintura de objetos kuiper localizada depois da órbita de Plutão.

Por ordem de distância do Sol estão: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão.

Sistema Solar
Sistema solar: Os planetas e suas distâncias do sol

Os planetas menores e mais próximos ao Sol, de formação rochosa, são chamados de planetas internos (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte). Já os planetas mais afastados e com alguns gigantes em relação aos internos, de formação gasosa, são denominados planetas externos (Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão).

O nascimento

O sistema solar nasceu a partir de uma gigantesca nuvem de gás e poeira. Essas nuvens giram ao redor de um único ponto, de maior gravidade, onde se localizará no futuro a estrela (Sol). Por efeito dessa rotação, a nuvem vai ganhando a forma de um globo que concentra em seu núcleo, a maior parte da massa e poeira.

Esse disco torna-se cada vez maior, mais quente e se condensa cada vez mais.

O calor que isso resulta, dá inicio à transformação do hidrogênio em hélio. Através desse processo, em que é liberado energia, desencadeia-se uma série de reações termonucleares que ativam o núcleo da nuvem surgindo assim, uma estrela.

Enquanto tudo isso ocorre no núcleo... Na parte mais externa, as nuvens também se condensaram até formar pequenas massas. Essas massas se transformam nos planetas, todas elas presas pela força maior do Sol, girando ao seu redor.

O processo continua

O processo, que a aproximadamente 5 bilhões de anos atrás deu origem ao sistema solar, continua... Estrelas semelhantes ao Sol nascem em muitos locais da galáxia, principalmente na nebulosa de Órion, a cerca de mil anos luz da Terra. Essas estrelas e seus planetas são irmãos do sistema solar, pois o Sol emergiu do cinturão de Guold, do braço da espiral de Órion.

Fonte: www.geocities.com

Sistema Solar

UMA ESFERA DE GÁS E PÓ

Sistema Solar
Sistema Solar

Há 4,5 bilhões de anos teve início a formação do sistema solar a partir de uma nuvem de gás e pó que entrou em colapso em virtude de seu próprio peso e que, devido a seu movimento de rotação, formou um disco ao redor do Sol que nascia.

UM DISCO EM ROTAÇÃO

Sistema Solar
Sistema Solar

O movimento de rotação do sistema solar primitivo prosseguiu, e a matéria sólida presente no disco começou a aglomerar-se. Alguns aglomerados de matéria mediam vários quilômetros. No centro, o Sol liberava uma enorme quantidade de calor que provocou a aglomeração da matéria.

A FORMAÇÃO DOS PLANETAS

Sistema Solar
Sistema Solar

No sistema solar exterior, formaram-se quatro grandes massas que deram origem aos planetas gigantes gasosos. sua intensa gravidade favoreceu a constituição de densas atmosferas. mais próximos do Sol formaram-se os planetas terrestres.

O SISTEMA SOLAR ATUAL

Sistema Solar
Sistema Solar

É composto por nove planetas que viajam em torno do Sol descrevendo órbitas estáveis. A maioria deles possui satélites naturais. Os asteróides e os cometas são resíduos do sistema solar primitivo.

ORIGEM DO SISTEMA SOLAR

O sol e o sistema solar tiveram origem há 4,5 bilhões de anos a partir de uma nuvem de gás e poeira que girava ao redor de si mesma. Sob a ação de seu próprio peso, essa nuvem se achatou, transformando-se num disco, em cujo centro formou-se o sol.

Dentro desse disco, iniciou-se um processo de aglomeração de materiais sólidos, que, ao sofrer colisões entre si, deram lugar a corpos cada vez maiores.

A composição de tais aglomerados relacionava-se com a distância que havia entre eles e o sol. Longe do astro, onde a temperatura era muito baixa, os corpos congelaram; perto dele, ao contrário, o gelo evaporou, restando apenas rochas e metais.

O SISTEMA SOLAR

O sistema solar é um conjunto de planetas, asteróides e cometas que giram ao redor do sol. Cada um se mantém em sua respectiva órbita em virtude da intensa força gravitacional exercida pelo astro, que possui massa muito maior que a de qualquer outro planeta.

Os corpos mais importantes do sistema solar são os nove planetas que giram ao redor do sol, descrevendo órbitas elípticas, isto é, órbitas semelhantes a circunferências ligeiramente excêntricas.

O sol não está exatamente no centro dessas órbitas, razão pela qual os planetas podem encontrar-se, às vezes, mais próximos ou mais distantes do astro.

Fonte: osistemasolar.vilabol.uol.com.br

Sistema Solar

O Sistema Solar tem como elemento central uma estrela anã, com cerca de 4.6 bilhões de anos de idade chamada Sol, ao redor da qual orbitam os nove planetas conhecidos, satélites, meteoróides, asteróides e cometas, todos distribuídos numa grande região de quase vinte bilhões de quilometros.

Sistema Solar
Sistema Solar

Da nuvem estelar que deu origem a nossa estrela e demais corpos a mais de cinco bilhões de anos atrás, 99,9% de sua massa formou o Sol e o restante 0,1% formou os demais corpos do Sistema Solar.

O estudo aprofundado do Sistema Solar nos permitiu conhecer muito melhor o nosso Sol e a exploração planetária trouxe uma nova visão desse conjunto.

Nosso planeta Terra ocupa uma situação muito especial por ter permitido a manutenção de formas de vida por períodos muito longos, situação essa que nós não encontramos nos demais planetas. Entender o funcionamento do Sistema Solar significa valorizar a Terra e como nós devemos nos comportar de modo a permitir existência profícua dela.

Os planetas do Sistema Solar são divididos habitualmente em dois grupos: Os quatro primeiros a partir do Sol são os planetas terrestres, também chamados de telúricos ou interiores (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte), formados principalmente por rochas e silicatos. Os quatro seguintes são os planetas jovianos ou exteriores (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), formado por gases.

Os planetas terrestres recebem esta denominação pois são planetas sólidos e que possuem superfície rígida. De Júpiter a Netuno, os planetas são gasosos e não têm superfície sólida que se possa pisar sem afundar.

Devido à grande distância e por isso carência de dados, não se pode dar uma classificação exata a Plutão, mas ao que parece ele se enquadra entre os planetas do tipo terrestre. Com o objetivo de estudar esse astro e sua lua Caronte mais profundamente, em janeiro de 2006 os EUA lançaram a nave New Horizons , que deverá atingir o astro em julho de 2015.

O número de planetas também poderá ser aumentado para dez ou onze, devido às recentes descobertas de 2003 UB313 , batizado provisóriamente de Xena e de 2003 VB12, batizado de Sedna .

CARACTERÍSTICAS

Os planetas do grupo terrestres apresentam massa pequena, densidade elevada, distância do Sol pequena, poucos ou nenhum satélite e são compostos de elementos pesados.

Os planetas jovianos apresentam massa elevada, baixa densidade, grandes distâncias do Sol, diversos satélites e são compostos de elementos leves, principalmente hidrogênio e hélio

Entre as órbitas de Marte e Júpiter encontra-se o Cinturão de Asteróides e após a órbita de Netuno, outra região, conhecida como Cinturão de Kuiper, agrupa uma série de gélidos asteróides.

MAIS CORPOS CELESTES

Muito além da órbita de Plutão e do Cinturão de Kuiper encontra-se a Nuvem de Oort, o repositório de cometas do nosso Sistema Solar.

Nosso Sistema Solar também apresenta um fenômeno atmosférico frequente: as estrelas cadentes. Quando essas estão no espaço são chamadas de meteoróides.

Quando entram em nossa atmosfera passam a se chamas "meteoros" e quando encontrados na superfície da Terra, recebem o nome de meteoritos.

Esse conjunto de cometas, asteróides e meteoróides são classificados como Corpos Menores do Sistema Solar.

Fonte: www.apolo11.com

Sistema Solar

Conjunto de nove planetas, entre os quais a Terra, 61 satélites naturais, milhares de asteróides, meteoróides e cometas, que gravitam em torno do Sol, além de gás e poeira interplanetários. Formado há cerca de 5 bilhões de anos, o Sistema Solar localiza-se no Braço de Órion da Galáxia Via Láctea, a aproximadamente 33 mil anos-luz de seu centro.

Sistema Solar
Sistema Solar

Planetas

São corpos celestes sem luz própria e relativamente frios que giram ao redor de uma estrela.

No Sistema Solar existem nove planetas conhecidos: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão. Entre 1995 e 1996 são descobertos cerca de 12 novos planetas, todos eles fora do Sistema Solar. Em torno dos planetas do sistema solar giram corpos celestes conhecidos como satélites.

Asteróides e meteoróides

Os asteróides são pequenos corpos celestes, com diâmetro inferior ao de Ceres (1.003 km), o maior de todos. Grande parte deles está localizada entre Marte e Júpiter, numa região conhecida por cinturão de asteróides. Os meteoróides são fragmentos de matéria com tamanho maior do que uma molécula e menor do que um asteróide. Ao entrarem na atmosfera terrestre se aquecem produzindo um fenômeno luminoso chamado meteoro. Ao atingir a superfície, recebem o nome de meteoritos. O maior meteorito (em massa) é o Hoba, que pesa 60 t e caiu na África do Sul.

Fonte: www.netguest.com

Sistema Solar

Nas noites de verão, quando não há uma única nuvem no céu estrelado, não dá a maior vontade de sair passeando por aí? Pois vamos aproveitar o bom tempo para dar uma volta pela vizinhança... pela vizinhança interplanetária.

Vamos chegar mais perto e dar um passeio pelos planetas do Sistema Solar.

Quase todos os planetas se dividem em dois grupos: quatro pequenos planetas rochosos perto do Sol (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte) e quatro planetas mais distantes, grandes e gasosos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno). Muito pequeno e gelado, Plutão não entra em nenhum dos grupos e fica de fora da turma.

Saindo da Terra e indo em direção ao Sol, o primeiro planeta que encontramos é Vênus.

De vista até parece com a Terra, são mais ou menos do mesmo tamanho. Mas Vênus possui uma atmosfera irrespirável e é circundada por uma pesada nuvem, que torna sua superfície muito quente para que haja vida por lá (pelo menos é o que se acredita até hoje...).

Vênus também é o planeta que demora mais tempo para girar em torno de si mesmo no Sistema Solar.

Enquanto a Terra demora apenas um dia, Vênus leva 243 dias.

Sondas espaciais revelaram alguns mistérios do planeta: Vênus é cheio de crateras, montanhas e vulcões, e tem duas grandes planícies.

Continuando o passeio, é bom que se diga que a "paisagem" espacial é bem diversificada. Não existem apenas os nove planetas descobertos até agora, mas também satélites, cometas, asteróides, meteoróides, tudo envolvido numa fina camada de "poeira" interplanetária. Precisamos fazer uma faxina na galáxia qualquer dia desses...

Chegamos a Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol.

Esse pequeno planeta lembra a Lua, com sua superfície cheia de crateras.

Mas aqui o calor e o frio são insuportáveis, oscilando entre 430 graus Celsius no lado iluminado pelo Sol e -170 graus Celsius no lado escuro.

Quando a noite chega em Mercúrio, a temperatura cai muito, pois quase não existe atmosfera no planeta.

Por isso, vamos dar meia-volta, passar por Vênus e aproveitar para dar uma olhada de longe na Terra.

Quinto maior planeta do Sistema Solar, a Terra vista do espaço é uma esfera azul com manchas marrons e verdes (que são os continentes).

Ops, aí vem a Lua, o único satélite da Terra. Melhor seguir adiante.

Chegamos ao "planeta vermelho": Marte, o quarto planeta mais próximo do Sol e que, junto com os outros três, integra o grupo dos planetas rochosos do Sistema Solar.

Assim como a Terra tem seu satélite, a Lua, Marte também não está desacompanhado: possui dois pequenos satélites de formas irregulares, com nomes engraçados: Fobos e Deimos.

No século 19, os astrônomos acreditavam que Marte possuía sinais de vida, como marcas parecidas com canais de água e manchas escuras semelhantes a vegetação.

Hoje se sabe que as manchas de "vegetação" eram áreas de concentração da poeira vermelha, cor de tijolo, que cobre a maior parte do planeta.

Mas, em relação à água, esses astrônomos estavam certos: em junho de 2.000, cientistas descobriram que existe mesmo água em Marte!

Embora não tenham encontrado nenhuma evidência de "vida marciana", os pesquisadores dizem que o planeta tem as condições necessárias para a existência de seres vivos.

E, em agosto de 2003, Marte passou "raspando" aqui na Terra! Em 60 mil anos, essa foi a ocasião em que o planeta vermelho chegou mais perto da gente. Confira no Arquivo do Jornal do Canal!

O próximo planeta que encontramos pela frente é Júpiter.

É o primeiro dos planetas gasosos, ao lado de Saturno, Urano e Netuno.

Existem algumas características comuns a esses quatro planetas: são formados por elementos leves (diferente dos planetas rochosos, compostos de rochas e metais), possuem vários satélites e são bem grandes.

Júpiter é o maior dos planetas, "apenas" mil vezes menor que o Sol, e possui vários anéis e satélites.

Como sua rotação é muito rápida, formam-se fascinantes estruturas de nuvens.

A mais incrível é uma tempestade chamada de Grande Mancha Vermelha, uma coluna em espiral de nuvens aproximadamente três vezes maior que a Terra!

Depois do gigante Júpiter, encontramos Saturno.

E aqui o visual é deslumbrante, porque os anéis em volta do planeta formam um lindo espetáculo de cores.

O sistema de anéis de Saturno é muito fino, com menos de um quilômetro de espessura, mas se estende por mais de 420 mil quilômetros além da superfície do planeta.

Como se não bastasse, Saturno é também o planeta com maior número de satélites, mais de 20 identificados até agora.

Se não fosse inabitável para os seres humanos, seria um lugar bonito de se morar...

Desviando das belezas de Saturno, chegamos a Urano, o terceiro maior planeta do Sistema Solar.

Constituído por uma mistura densa de diferentes tipos de gelo e gás ao redor de um núcleo sólido, Urano possui uma atmosfera com traços de gás metano, responsável por sua cor azul-esverdeada.

É rodeado por 11 anéis, compostos pela matéria mais escura do Sistema Solar, e por 15 luas conhecidas, todas de gelo.

Pena que, ao contrário de Saturno, cujo sistema de anéis tem milhares de quilômetros de largura, os anéis de Urano são muito pequenos e difíceis de identificar.

Próxima parada: Netuno, oitavo planeta do Sistema Solar.

Quatro vezes maior do que a Terra, ele tem quatro satélites principais e, como Saturno, também possui anéis, que só foram detectados em 1977!

É o último dos grandes planetas gasosos, composto principalmente por hélio e hidrogênio.

A atmosfera possui grandes manchas, que na verdade são enormes tempestades que dão a volta no planeta com ventos de cerca de 2 mil quilômetros por hora!

Depois dele vem o minúsculo Plutão, o menor do Sistema Solar, que não se encaixa em nenhuma classificação anterior e possui apenas um satélite.

Tem uma órbita bem maluca e é difícil de ser compreendida, tanto que às vezes chega a entrar em órbita alheia, quer dizer, na órbita de seu vizinho Netuno. Plutão passa pela órbita de Netuno durante 20 anos dos 248 anos que leva para dar uma volta ao redor do Sol.

Descoberto somente em 1930, Plutão é o último planeta do Sistema Solar. Pelo menos até agora.

Há suspeitas de que exista um planeta ainda não identificado, que por enquanto é conhecido pelo misterioso nome de Planeta X.

Bem, mas vamos deixar esse mistério para os cientistas e voltar para casa sãos e salvos.

Fonte: www.canalkids.com.br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal