Breaking News
Home / Astronomia / Bólido

Bólido

PUBLICIDADE

Definição

Uma rocha espacial que não entrou na atmosfera da Terra é geralmente referida como um meteoroide ou asteroide, uma vez na atmosfera da Terra, a rocha viajando em velocidades muito altas encontra o atrito da atmosfera, resultando em uma bola de fogo que é então referida como um meteoro. Meteoros que atingem o solo são chamados de meteoritos. Um meteoro extremamente brilhante é chamado de bólido.

Um clarão meteórico ou flash criado quando um meteoroide explode ou vaporiza ao passar pela atmosfera terrestre. Também chamada de bola de fogo.

Bólido
Um bólido é mais brilhante do que o meteoro médio

O que é um bólido?

Bólido é um termo geral para qualquer objeto originado no espaço que colide com a Terra ou exploda na atmosfera. Abrange meteoritos, asteroides e cometas.

Na astronomia, o termo é frequentemente usado para descrever um meteoro que é mais brilhante do que magnitude -4 – quase tão brilhante quanto o planeta Vênus – e é usado como sinônimo de “bola de fogo”.

Em geologia, o bólido é geralmente usado para descrever um meteorito ou asteroide que sai de uma cratera de impacto e tende a ser empregado onde não há informações suficientes para uma descrição mais específica.

O Sistema Solar contém muitos objetos, a maioria deles pequenos, em órbitas que podem cruzar a órbita da Terra.

Esses objetos têm composições variadas.

Bólido

Algumas podem ser descritas como “bolas de neve sujas” – poeira e pequenos fragmentos de rocha frouxamente unidos pelo gelo – enquanto alguns podem consistir em rochas densas com alto teor de metal, principalmente ferro e níquel. Eles orbitam a velocidades de até 42 km/s, em comparação com 29 km/s da Terra.

Dependendo da direção de onde eles se aproximam, eles podem entrar na atmosfera da Terra a até 71 km/s.

Nessas velocidades, o atrito com a atmosfera aquece rapidamente o objeto a temperaturas muito altas, fazendo-o brilhar intensamente.

Objetos muito pequenos queimarão completamente no alto da atmosfera, mas objetos maiores podem, dependendo do tamanho e da composição, atingir a superfície ou explodir na baixa atmosfera.

A maioria dos objetos que entram na atmosfera da Terra são do tamanho de um grão de areia.

Estes queimam rapidamente, mas são visíveis da superfície como meteoros.

Bólido

Bólidos que atingem a superfície podem deixar crateras de impacto. Numerosas dessas crateras podem ser vistas na Lua; entretanto, na Terra, a erosão e a atividade geológica tendem a eliminar as evidências de forma relativamente rápida, em termos geológicos.

Existem apenas algumas crateras de impacto na Terra que estão bem preservadas para serem óbvias como tal; o melhor exemplo é a Cratera Barringer no Arizona, EUA – uma cratera aproximadamente circular com mais de 1 km de largura.

Uma grande colisão de bólido pode ter um efeito devastador no planeta.

Além dos efeitos imediatos na área em torno do impacto, grandes quantidades de rocha vaporizada seriam lançadas na alta atmosfera, onde se condensariam em poeira fina.

Isso poderia reduzir muito a quantidade de luz solar que atinge a superfície de todo o planeta por um período sustentado, matando as plantas verdes e reduzindo drasticamente as temperaturas.

Talvez o exemplo mais conhecido de um grande evento de bólido seja o que ocorreu no final do período geológico do Cretáceo, 65 milhões de anos atrás.

A evidência de uma grande cratera, com 180 km de diâmetro, datada dessa época, foi encontrada na Península de Yucatan, no México, perto da cidade de Chicxulub.

Pensa-se que o objeto responsável teria cerca de 10 km de diâmetro.

Acredita-se que esse objeto tenha causado o evento de extinção em massa que ocorreu naquela época, exterminando os dinossauros e muitas outras classes de animais. Nem todos os cientistas, entretanto, concordam que o impacto do Chicxulub foi o único responsável por esse evento de extinção, e alguns pensam que pode ter ocorrido uma série de grandes impactos.

Bólido

Houve vários eventos de extinção em massa durante a história da Terra, e é possível que alguns ou todos eles tenham sido causados por grandes bólidos.

A maior bola de fogo de bólido conhecida por ter sido vista por humanos foi o evento Tunguska em 1908, quando uma enorme explosão ocorreu na área de Tunguska na Sibéria, causando uma devastação generalizada.

Felizmente, a área era desabitada e não havia vítimas humanas conhecidas, mas o caminho brilhante do objeto e a detonação foram testemunhados por várias pessoas em aldeias a alguma distância.

As simulações de computador baseadas no padrão de destruição calcularam o tamanho, o ângulo de abordagem e a possível composição do objeto, que se pensa ser um pequeno asteroide ou fragmento de cometa.

Fonte: astronomy.swin.edu.au/www.worldatlas.com/i1.wp.com/i.pinimg.com/www.wisegeek.org/www.dictionary.com/geology.isu.edu/news.engin.umich.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Órbita Geossíncrona

PUBLICIDADE Uma órbita geossíncrona é uma órbita alta da Terra que permite que os satélites correspondam …

Sistema binário de estrelas

Sistema binário de estrelas

PUBLICIDADE Definição Estrela binária é um sistema de duas estrelas em órbita ao redor de seu centro …

Galáxia do Triângulo

PUBLICIDADE Definição Em astronomia, a Galáxia do Triângulo é uma galáxia espiral relativamente próxima no Grupo Local, …