Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Astronomia / Aurora Polar

Aurora Polar

Aurora Polar – O que é

PUBLICIDADE

Aurora Polar
Aurora Típica

Aurora é uma luz colorida no céu à noite nas proximidades pólos magnéticos da Terra, chamados aurora boreal (“Luzes do Norte”) no hemisfério Norte e aurora austral ( ‘luzes do sul “) no hemisfério sul.

Embora auroras são normalmente restritos aos céus polares, as flutuações do vento solar, ocasionalmente, causar-lhes a ser visível em latitudes mais baixas.

Uma aurora é geralmente sob a forma de um arco luminoso com seu ápice em direção ao pólo magnético, seguido por arcos, bandas, raios, cortinas e coronae, geralmente verdes, mas muitas vezes mostrando tons de azul e vermelho, e às vezes amarelo ou branco.

Auroras são causadas em alturas de mais de 100 km / 60 mi por um fluxo rápido de partículas carregadas de erupções solares e ‘buracos’ de baixa densidade na corona do Sol. Estes são guiados pelo campo magnético da Terra em direção ao pólos magnéticos norte e sul, onde eles entram na atmosfera superior e bombardear os gases na atmosfera, fazendo com que elas emitem luz visível.

As luzes do norte, um dos vários fenômenos astronômicos chamados luzes polares (Aurora polar), são eixos ou cortinas de luz colorida visível na ocasião no céu à noite.

Aurora Polar – O que são

Aurora Polar
Aurora Polar

A aurora polar é o nome genérico atribuído ao fenômeno luminoso que ocorre nos céus em ambos os hemisférios: sua ocorrência no norte recebe o nome de aurora boreal; no sul, é nomeada como aurora austral.

Tais fenômenos são mais visíveis nas datas próximas aos equinócios, que representam o ponto da trajetória anual aparente do Sol na esfera celeste coincidente com a linha imaginária do equador terrestre, ocorrendo nas datas aproximadas de 23 de setembro e 21 de março.

O fenômeno é de interesse tanto por sua beleza – assumindo inúmeras formas, como manchas, nuvens, cortinas, véus, coroas e arcos luminosos, como se fossem chamas coloridas – quanto pelos eventos que ocorrem simultaneamente, já que as causas do fenômeno ocasionam também grande interferência no funcionamento de bússolas, em transmissões de rádio, na telefonia e até mesmo na rota de satélites.

As auroras polares são ocasionadas pela incidência do vento solar – que é um fluxo de partículas eletricamente carregadas, prótons e elétrons, emitidas pelo Sol – em camadas superiores da atmosfera terrestre.

Este fluxo de partículas é contínuo, mas podem adquirir maior intensidade com a ocorrência de erupções solares, sobretudo quando as atividades solares – surgimento de erupções e manchas solares associadas à atividade magnética no Sol – atingem seu pico, em ciclos de 11 anos. Nestes momentos de pico, a intensidade luminosa das auroras polares também atinge seu ápice.

Quando o vento solar atinge a atmosfera, suas partículas são capturadas pelo campo magnético terrestre. Este campo é mais intenso nas proximidades dos pólos magnéticos terrestres, isto explica a ocorrência e a intensidade do fenômeno nas proximidades das regiões polares (lembrando que os pólos geográficos não coincidem exatamente com os pólos magnéticos).

As partículas capturadas são aceleradas ao entrarem num túnel formado pelas forças magnéticas dos pólos, colidindo com grandes quantidades de moléculas de gás da atmosfera.

Pela ação das cargas elétricas positivas das partículas, os choques com os átomos formam íons que passam a emitir radiação eletromagnética em vários comprimentos de onda do espectro visível. Em outras palavras, os íons excitados passam a emitir luz de variadas cores, formando então o fenômeno da aurora polar, ocorrendo em altitudes de, no mínimo, 100 quilômetros.

Paralelamente, ocorrências mais intensas do fenômeno resultam em distúrbios do magnetismo terrestre que, por sua vez, acarretam interferências em vários tipos de equipamentos, seja em bússolas, seja em transmissões de telecomunicação.

A Terra pode ser considerada um imã gigantesco. O magnetismo terrestre é atribuído a enormes correntes elétricas que circulam no núcleo do planeta, que é constituído de ferro e níquel no estado líquido, devido às altas temperaturas.

Por convenção, chamamos de pólo norte da agulha magnética aquele que aponta para a região próxima do pólo norte geográfico. Entretanto, como sabemos, pólos de mesmo nome se repelem e de nomes contrários se atraem.

Então podemos concluir que:

I) se a agulha magnética aponta para uma região próxima do pólo norte geográfico é porque nessa região existe um pólo sul magnético;
II)
a mesma agulha aponta, o seu pólo sul magnético, para uma região próxima do pólo sul geográfico. Logo, nas proximidades do pólo sul geográfico existe o pólo norte magnético.

Aurora Boreal

Conhecida também pelo seu nome latino, Aurora Borealis, ou então como “Luzes do Norte”, este é o fenômeno de Aurora que ocorre no hemisfério norte

Aurora Austral

Com o nome latino de Aurora Australis este é o fenômeno de Aurora que ocorre no hemisfério sul

O Fenômeno e seu Apelido

Aurora Polar
Aurora Polar

A Aurora Polar é comumente conhecida pela expressão criada por Galileu: Aurora Boreal (em inglês, “Northern Lights”).

Pode também ser apelidada de Aurora Austral (em inglês, “Southern Lights”), expressão utilizada por James Cook.

Curiosidades

Galileu Galilei, por sempre vislumbrar a aurora polar no norte, criou a expressão Aurora Boreal em homenagem à Aurora e Bóreas, elementos históricos de Roma e Grécia.

A escolha se deve a história dos doisAurora (ou Eos) era a deusa romana do amanhecer, além disso, na mitologia grega, titã de segunda geração (os Titãs foram liderados por Cronos no enfrentamento contra Zeus e os Deuses Olímpicos pelo domínio do universo na Titanomaquia).

S – Aurora (ou Eos) era a deusa romana do amanhecer, além disso, na mitologia grega, titã de segunda geração (os Titãs foram liderados por Cronos no enfrentamento contra Zeus e os Deuses Olímpicos pelo domínio do universo na Titanomaquia).

€ – Bóreas, segundo a Mitologia Grega, representa os ventos do norte e possui três irmãos: Zéfiro(ventos do Oeste), Nótus (ventos do sul) e Euro(ventos do leste).

Um detalhe interessante: Euro (ou Noto) era o vento, em regra, tranqüilo e benévolo (apenas Horácio o apresentou como furioso).

Portanto, o nome euro, de origem grega, foi uma bela escolha para a moeda européia! Ademais, o símbolo da moeda européia (€) tem sua origem na letra grega épsilon (e), mas com duas barras paralelas no centro que representam a estabilidade atual do continente europeu, diferente do instável período grego.

Perceba que a escolha do símbolo e do nome da nova moeda única européia (o euro) foi envolta em inúmeros simbolismos, sobretudo que buscam consolidar uma idéia de união para os europeus, por exemplo, fortalecendo a noção de berço em comum: a cultura greco-romana!

História e Explicação do Fenômeno

Aurora Polar
Aurora Polar

De forma simples e fria, a Aurora Polar tem sua causa em elétrons de alta velocidade que colidem com átomos de oxigênio e nitrogênio na atmosfera superior.

Entretanto, para ficar mais agradável, vejamos a história do conceito e do fenômeno em si.

Por milênios, nossos ancestrais acreditavam que o fenômeno da aurora boreal fosse uma manifestação dos deuses para fatos vividos por suas civilizações. Presságios bons ou ruins, por exemplo, predizendo safras, guerras, pragas ou morte de líderes, entre outras previsões.

Os Vikings nórdicos possuíam grande proximidade com o fenômeno. Acreditavam que os arcos produzidos pela aurora boreal correspondiam ao “tremendo e impetuoso caminho percorrido por guerreiros mortos em batalha que levava até Valhalla”.

Curiosidades

Na mitologia nórdica, Valhalla (ou Valhol) era um palácio mágico (o castelo de Valhol) situado na terra dos deuses nórdicos, Asgard, para onde deveriam seguir (através dos “caminhos” da aurora boreal) os guerreiros destemidos e honrados mortos em combate. No castelo, os guerreiros treinariam durante o dia e teriam seus ferimentos curados de forma mágica. À noite, os guerreiros viveriam grandes banquetes e orgias.

Em troca, participariam de um exército para defender o castelo (o “Exército das Almas Vivas”) até o Ragnarok, ou seja, até a batalha do fim do mundo para os nórdicos (o “Armageddon”, no conceito bíblico).

O vínculo com a divindade foi reduzindo com os séculos. A partir de meados do século XVIII, os pensadores iniciaram o estudo científico do fenômeno. Os estudos realizados durante o início da “Era Espacial” possibilitaram muitas desmistificações. Os cientistas puderam vincular o fenômeno à ocorrência de tempestades magnéticas e aos fluxos de partículas carregadas que entravam na atmosfera conforme os ciclos de ventos solares.

Além disso, descobriram que suas cores eram produzidas pela “agitação” de centenas de átomos de oxigênio e nitrogênio situados algumas milhas acima da superfície da Terra.

No século XX, cientistas puderam criar uma aurora artificial em laboratório. A questão que ainda não havia sido solucionada era o que provocava o acionamento do fenômeno, alguns acreditavam que fossem partículas provenientes diretamente do Sol. Inclusive, ainda hoje, essa explicação é encontrada em alguns livros!

A explicação atual (retirada de um especial da NASA, leia mais no final do “post”) é a seguinte: “quando uma grande tempestade solar atinge o campo magnético da Terra, ele sofre rearranjos.

Nesse ponto, são liberadas significativas cargas de energia com poderosas correntes de partículas que fluem de diferentes e distantes partes do campo magnético terrestre na atmosfera. Essas partículas não são provenientes do Sol, mas do próprio campo magnético, uma vez que atinjam uma camada carregada, chamada Ionosfera, elas adquirem ainda mais energia.

A corrente de partículas carregadas e com grande velocidade continuam fluindo ao longo do campo magnético da Terra nas regiões polares e colidindo com o oxigênio e o nitrogênio presentes. As colisões produzem um forte brilho (vermelho escuro) a mais de cem quilômetros de altitude com lindas cortinas de luzes verdes e vermelhas com altitudes de noventa quilômetros”. (Dr. Sten Odenwald. IMAGE Satellite Program, NASA, com tradução minha).

A Aurora Polar é influenciada pelo impacto entre o vento solar e a alta atmosfera terrestre, pois nesse momento ocorrem alterações no campo magnético da Terra. Não é um conjunto de “raios” provenientes diretamente do sol que provocam o fenômeno.

Explicação Técnica

A aurora polar é produzida por elétrons (partícula subatômica que circunda o núcleo atômico), prótons (partícula subatômica do núcleo dos elementos e que junto com o nêutron formam o núcleo atômico) e partículas alfa (núcleos do átomo de Hélio) que ao colidirem com átomos da atmosfera, principalmente nitrogênio e oxigênio, produzem luz. As colisões descritas emitem parte da energia da partícula para o átomo que foi atingido, gerando processos de ionização, dissociação e excitação de partículas.

Na ionização (produção de íons, espécies químicas eletricamente carregadas), os elétrons são despejados nos átomos, que carregam energia e criam um efeito em cascata de ionização de outros átomos. A excitação resulta em emissão de luz, pois os átomos instáveis emitem luz para atingir a estabilização.

O oxigênio e o nitrogênio são importantes na atmosfera, porque o oxigênio demora até um segundo para estabilizar, enquanto o nitrogênio estabiliza-se e emite luz de forma instantânea.

As cores predominantes do fenômeno são: verde e vermelho, mas aparecem inúmeros outros tons, como o ultravioleta, o violeta e o azul.

Aurora Polar – Terra

Aurora Polar
Aurora Polar

As auroras podem ser observadas nas camadas mais elevadas da atmosfera, nas proximidades dos pólos norte e sul da Terra.

É um belo espetáculo de luz e cores na atmosfera à noite.

A que ocorre no pólo norte recebe o nome de aurora boreal, a do pólo sul é conhecida como aurora austral.

Elas formam no céu uma luminosidade difusa, que pode ser vista quando o Sol está baixo no horizonte.

O Sol emite uma grande quantidade de partículas eletricamente carregadas, prótons e elétrons, que caminham em todas as direções.

Esse fluxo de partículas recebe o nome de vento solar. Ao atingir as altas camadas da atmosfera da Terra, essas partículas eletrizadas são capturadas e aceleradas pelo magnetismo terrestre, que é mais intenso nas regiões polares.

Essa corrente elétrica colide com átomos de oxigênio e nitrogênio – num processo semelhante à ionização (eletrificação) de gases que faz acender o tubo de uma lâmpada fluorescente.

Esses choques produzem radiação em diversos comprimentos de onda, gerando assim as cores características da aurora, em tonalidades fortes e cintilantes que se estendem por até 2 000 quilômetros.

Aurora Polar
Campo Magnético da terra

Enquanto a luz emitida pelo nitrogênio tem um tom avermelhado, a do oxigênio produz um tom esverdeado ou também próximo do vermelho.

As auroras polares podem surgir em forma de manchas, arcos luminosos, faixas ou véus. Umas têm movimentos suaves, outras pulsam.

Sempre em alturas de cerca de 100 quilômetros de altitude. Quanto mais próximo o observador estiver dos pólos magnéticos, maior a chance de ver o fenômeno.

O campo magnético da Terra nos protege das partículas presentes no vento solar, que viajam a 400 km/s. Se não fosse esse campo, teríamos sérios problemas de saúde, pois seríamos atingidos por essas partículas.

A II Guerra Mundial consumia a Europa e a Ásia em setembro de 1941. Nos Estados Unidos, os cidadãos da Califórnia, na costa oeste, temiam um ataque japonês.

Inesperadamente, no meio de uma noite escura, o céu ficou vermelho.

Pânico, alerta geral: aquilo só podia ser o inicio da invasão. E era. Mas nenhum japonês estava por trás daquela luz. Ela vinha de outro lugar e o “campo de batalha” situava-se a cerca de cem quilômetros de altura. Os califonianos estavam presenciando uma aurora polar.

Nada a ver com o raiar do dia.

A aurora polar acontece mesmo no meio da noite. É um fenômeno luminoso produzido por partículas energizadas vindas do Sol. São prótons e elétrons que, viajando a 1,4 milhão de quilômetros por hora, penetram pelas linhas magnéticas da Terra criando os mais variados efeitos luminosos.

É como se a atmosfera terrestre fosse um gigantesco tubo de televisão, pois em ambos os elétrons energizados emitem luzes, e assim, criam imagens. Se for uma aurora polar, pode ser, por exemplo, uma cortina brilhante que se estende por centenas de quilômetros. Ela se move lentamente.

Em sua base, insinua-se um verde, depois um vermelho, como se fosse a barra do tecido, que pulsa e ondula.

Na Antiguidade, quando nem se suspeitava que o Sol emitisse matéria, a ocorrencia de uma aurora polar era sinal da ira divina, prenúncio de catástrofes e guerras, castigo certo. O terror se espalhava entre os espectadores.

Aquilo só podía ser coisa de Deus, ou do diabo. Passaram-se muítos séculos até que a ciencia comesasse a entender o espetáculo. Em 1621, um homem que investigava o movimento dos astros começou a explicar o que antes apenas apavorava a humanidade. Já que, por algum motivo que ele não suspeitava, a luminosidade notuma quase sempre ocoria no norte da Europa, ele começou batizando o fenômeno de “aurora boreal” (de Bóreas, o deus grego do venta norte).

Aquele sábio italiano, de tanto estudar, compraria uma briga feia com a Igreja Católica, por ter descoberto que a Terra, humildemente, girava em torno do Sol.

Seu nome era Galileu Galilei e a expressão que ele inventou para designar a aurora polar é usada por muita gente até hoje. Mas não é a mais correta.

No século seguinte, o navegante inglês James Cook, descobridor da Austrália, presenciaria no oceano Índico a aurora de Galileu, mas na direção do polo sul.

Chamou-a de aurora austral.

A partir daí, ficou claro que ela não pertencia exclusivamente ao norte, mas as duas regiões polares do planeta. Veio dai o nome aurora polar.

Um sujeito que entrou para a historía na cauda de um cometa, o astronomo Edmond Halley (1656-1742), foi o primeiro a ligar a ocorrência das auroras polares ao campo magnético terrestre, sua principal área de estudo.

No entanto, foi apenas no fim do século XVIII que outro pesquisador, o americano Elías Loomis, daría um passo decisivo para transformar o mistério da aurora em ciencia, ao investigar a atividade solar.

Ele percebeu que ao acorrer uma erupção solar (súbito brilho na superficie do Sol que dura menos de duas horas), 20 a 40 horas mais tarde tinha-se noticia de uma espetacular aurora em regiões próximas á latitude 77°, no norte do Canadá e dentro do círculo polar ártico.

Não por acaso, desconfiou Loomis, o polo magnético da Terra, para ande todas as bússolas se dirigem. Mas que relação pode existir entre uma erupção solar, auroras polares ocorrendo dias dias depois (a 149 milhões de quilômetros de distáncia do Sol) e o campo magnético terrestre? Essa relação é dada pelo vento solar, uma descoberta que ainda não completou meio século.

No fim da década de 50, os cientistas perceberam que, além de luz e calor, o Sol também emite grandes quantidades de matéria, ou, mais exatamente, prótons e elétrons. Deu-se o neme de vento solar a este fluxo de prótons e elétrons carregados eletricamente. Ele é ininterrupto, mas quando há uma erupção solar torna-se mais violento. É esse vento solar que explica o fato de as caudas dos cometas estarem sempre no sentido contrário ao Sol – como o vento comum aquí da Terra empurra as caudas dos papagaios e das pipas da garotada.

A hipótese do vento solar apareceu em 1957, a partir de um trabalho do físico americano Newman Parker. No ano seguinte, o satélite americano Explorer 1 anunciava a entrada dos Estados Unidos na corrida espacial e comprovava, com seus instrumentos, a veracidade da idéia de Parker.

Quando o vento solar entra em contato com o campo magnético terrestre, parte das partículas é atraída para onde existe maior atividade magnética, ou seja, nos polos.

Imagine-se aquí a Terra funcionando como um gigantesco imã: sua maiar força de atração está nos polos. Com o movimento de rotação da Terra, formamnestas regiões linhas de magnetismo em forma de espiral. -se

É alí que as partículas vindas do Sol seráo aceleradas. Em contato com o oxigênio e nitrogênio livres na alta atmosfera, as partículas aceleradas emitem luz, como se estivessem num tubo de lâmpada fluorescente. Essa a teoria que atualmente explica a ocorrência das auroras polares.

As auroras polares podem surgir na forma de manchas, ralos, arcos, faixas ou véus. Umas tém movimentos suaves, outras pulsam, formando um quadro mutante. Sempre a cem quilômetros das nossas cabeças, no mínimo.

A distância é providencial pois a formação da aurora polar libera energia da ordem de um milhão de watts (o que produz, no pico, a Usina de Sobradinho, no río São Francisco). Mesmo assim, de longe, elas provocam tempestades magnéticas tão fortes que costumam afetar as rádiotransmissões, o movimento das bússolas, a ação de radares e até mesmo a rota de alguns satélites.

Quanto mais próximo o observador estiver dos polos magnéticos (que não coincidem exatamente com os pólos geográficos), maiar a chance de ver o fenômeno.

Como o polo magnético no nosso hemisfério sul está em pleno oceano, o mais indicado é o norte do Canadá, entre 60° e 77° de latitude, longe das luzes da cidade e, de preferência, de 20 a 40 horas depois de uma erupção solar. Nos Estados Unidos, existe um serviço para astrônomos amadores que informa a ocorrência de erupçáo solar.

Aurora Polar – Luzes

Aurora Polar
Aurora Polar

As auroras polares são faixas brilhantes de luz colorida que surgem nos céus das regiões de maiores latitudes, próximo do Pólo Norte e do Pólo Sul (no caso de ocorrerem no hemisfério Norte designam-se por auroras boreais e no caso de ocorrerem no hemisfério sul designam-se por auroras austrais).

As auroras polares são produzidas na ionosfera e são provocadas pela radiação ultravioleta e por partículas carregadas de eletricidade resultantes da interação entre a radiação solar e a atmosfera terrestre.

A radiação ultravioleta e as partículas eletricamente carregadas são atraídas pelo campo magnético da Terra na direção dos Pólos Norte e Sul, produzindo faixas verdes, azuis, brancas e vermelhas pela ionização dos gases da atmosfera terrestre.

Nas noites polares, a escuridão do céu é, às vezes, interrompido por brilhantes luzes multicoloridas que apresentam um movimento, como se fossem cortinas luminosas agitadas por estranhos ventos.

O estudo desses fenômenos permitiu identifica-los como uma radiação luminosa visível, emitida por átomos e moléculas existentes na ionosfera.

Tais átomos ou moléculas são bombardeados por elétrons provindos do sol, e essa excitação provoca a sua ionização, ou mesmo o rompimento de moléculas, dando origem a outros tantos átomos ou moléculas ionizadas.

Os íons formados emitem radiação eletromagnética numa ampla faixa espectral, que vai do ultravioleta ao infravermelho.

Essa radiação resulta da relaxação dos elétrons de átomos/moléculas excitados, que retornam a níveis de menor energia, ou da captura de elétrons livres pelos íons já formados.

O efeito luminoso mais comum nas auroras polares é o de cor verde-clara, que decorre de emissão por átomos de oxigênio. Por vezes ocorrem belas emissões cor-de-rosa, feitas por átomos de nitrogênio.

O aspecto de cortina movediça dessa auroras se deve a variações no campo magnético da Terra, que é o responsável pela orientação do fluxo de elétrons provindo do sol.

Fonte: digitalphotopix.com/www.cesarkallas.net/br.geocities.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Sextante

Sextante

PUBLICIDADE O sextante é um instrumento que permite medir ângulos entre dois objetos, como dois …

Ciclo Solar

Ciclo Solar

PUBLICIDADE O ciclo solar ou o ciclo de atividade magnética solar é a mudança quase …

Cinturão de Kuiper

Cinturão de Kuiper

PUBLICIDADE O cinturão de Kuiper é um disco circunstelar que orbita em torno do Sol …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database.https://www.pass4itsure.com/az-103.html You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: https://www.pass4itsure.com/az-9002.html The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. https://www.pass4itsure.com/az-300.html QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint https://www.pass4itsure.com/n10-007.html servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation