Breaking News
Home / Astronomia / Asteroides

Asteroides

PUBLICIDADE

Asteroide – Definição

Simplesmente, os asteroides são pequenos objetos – muitas vezes rochosos, metálico ou ambos – que orbitam o Sol. A maioria desses planetas menores, como também são conhecidos, circula a nossa estrela central em uma região entre Marte e Júpiter conhecido como o cinturão de asteroides.

Os asteroides são numerosos, possuem formas irregulares e designam-se por planetas menores, pois são muito mais pequenos que os planetas propriamente ditos.

Se uma dessas rochas gigantes acaba em rota de colisão com a Terra, nós estamos diante de um grande problema.

Um asteroide é como um cometa. No entanto, enquanto os cometas são feitos principalmente de gelo, asteroides são compostos de rocha ou mesmo metal.

Isso os torna perigosos porque podem causar uma série de danos se colidir com um planeta.

As crateras da Lua foram formadas por asteroides e alguns pensam que era um asteroide que eliminou os dinossauros.

Estima-se em milhões o número destes objetos a orbitar o Sol. Uma vez que só podem ser detectados como pontos luminosos em telescópios, William Herschel chamou-lhes asteroides, uma palavra de origem grega que significa ?parecido com estrela, para designar este novo tipo de corpos celestes.

O que é um asteroide?

Um asteroide, às vezes chamado de planetóide, é um pequeno corpo celeste que orbita ao redor do Sol, junto com outros objetos no sistema solar, como planetas. No entanto, ao contrário dos planetas, os asteroides são tipicamente muito pequenos, com apenas um punhado de asteroides atingindo tamanhos imensos.

O maior asteroide conhecido é Ceres, que tem 930 quilômetros de diâmetro.

Após a descoberta de Ceres em 1801, muitos outros asteroides foram descobertos, pois os astrônomos sabiam o que procurar. Milhares de novos asteroides são descobertos todos os anos.

O nome asteroide vem do grego asteroides, que significa “semelhante a uma estrela”. Asteroides são coleções de vários materiais de forma irregular, incluindo minerais metálicos e carbonáceos.

Quando um fragmento de um asteroide colide com a atmosfera da Terra, é denominado meteoroide.

O flash de luz que caracteriza um meteoro é causado pela vaporização quando um pedaço de material estranho atinge a atmosfera.

Outros corpos estranhos que entram na atmosfera da Terra também são chamados de meteoroides.

Asteroides orbitam o Sol junto com os planetas

Quando o sistema solar começou a se formar, criando os planetas, também se formaram asteroides. A maior parte dos asteroides do sistema solar está concentrada em um “cinturão de asteroides” localizado entre Marte e Júpiter. Acredita-se que a imensa atração gravitacional de Júpiter pode ter influenciado a formação dos asteroides, que poderiam ter se agrupado para formar um grande planeta.

Dentro do cinturão de asteroides, a maioria dos asteroides orbita em grupos, que recebem o nome do maior ou mais notável asteroide do grupo.

Outros asteroide podem ser encontrados espalhados por todo o sistema solar. Os padrões orbitais exatos de cada asteroide descoberto não foram determinados, mas, como muitos outros corpos celestes, asteroides se estabeleceram e orbitam específicas. Os cometas são a exceção a esta regra, com órbitas altamente irregulares que podem dificultar a previsão de seus movimentos.

Alguns asteroides também chegam muito perto da Terra e acredita-se que as colisões com os asteroides principais podem estar por trás de vários eventos importantes na história geológica da Terra.

A probabilidade de outra colisão desse tipo é muito baixa, para alívio de muitos organismos que chamam a Terra de seu lar.

Os astrônomos catalogam asteroides, junto com outros corpos celestes, na tentativa de aprender mais sobre o sistema solar e o universo. A maioria dos asteroides são identificados com um número universal, e asteroides únicos também recebem nomes. Dados sobre asteroides são publicados regularmente, para que os astrônomos possam determinar se um asteroide é ou não uma nova descoberta.

Asteroide – Formação

Acredita-se que os asteroides são formados da mesma maneira que o resto dos corpos sólidos do nosso sistema solar – durante o colapso da nebulosa solar – com a maioria resultante na área entre Marte e Júpiter.

Muitos dos asteroides, especificamente os maiores, foram expulsos da órbita. Os modelos de computador indicam que tão pouco como 1% da massa original permaneceu, com dois maiores pedaços – Ceres e Vesta – absorvendo uma parte do material restante e arrefecimento em órbitas quase esféricas.

Asteroide – Classificação

Asteroides são geralmente classificados por um de dois métodos: de acordo com seus aspectros ou a sua composição química.

Por isso, é mais comum para se referir a asteroides por suas características orbitais, especificamente na órbita do nosso sistema solar.

Os principais grupos de asteroides incluem aqueles em órbita no cinturão de asteroides, os asteroides troianos e os asteroides Apollo.

O cinturão de asteroides

Talvez a origem de praticamente todos os asteroides no nosso sistema solar, o cinturão de asteroides contém milhões de objetos individuais, embora a grande maioria destes variam em tamanho de pequenas pedras do tamanho de carros. No entanto, não são estimados em até 2 milhões de “grandes” asteroides – aqueles com diâmetro superior a um quilômetro.

Asteroides troianos

Asteroides troianos são aqueles caracterizados por orbitar o Sol ao longo do mesmo caminho como um dos planetas.

O agrupamento mais famoso de asteroides troianos são aqueles que levam e siga o planeta Júpiter.

Localizado nas pontos de Lagrange, 60 graus à frente e atrás do corpo em questão, as órbitas dos asteroides permanecem na posição em relação ao planeta, que orbita na mesma velocidade em torno do sol.

Enquanto isso pode ser possível para asteroides troianos a orbitar em torno dos planetas interiores, apenas órbita de Marte foi encontrada para contê-los. Isto talvez não é surpreendente uma vez que a população provavelmente surgiu de asteroides capturados gravitacionalmente emergentes da correia.

Asteroides perto da Terra

Parece que existe uma barragem quase constante de reportagens que tratam de asteroides ou cometas que estão indo em direção à Terra.

A realidade é muito menos emocionante. Na verdade, existem milhares de asteroides que encontram o seu caminho perto da Terra em uma base quase constante.

Os que realmente cruzam a órbita da Terra são conhecidos como asteroides Apollo.

O resto simplesmente têm órbitas em torno do Sol, que ocasionalmente lhes trará perto da Terra. Estes asteroides são monitorados, bem de perto, por pesquisadores da NASA.

Descobrimentos de Asteróides

O primeiro asteroide a ser descoberto foi Ceres, um grande exemplo das espécies encontradas em órbita no cinturão de asteroides.

Ceres possui 940 km de diâmetro, o que representa cerca de um quarto do diâmetro da Lua. Por outro lado, possui cerca de 25% da massa de todos os asteroides detectados.

Astrônomo Giuseppe Piazzi encontrou a cerca de 600 milhas de diâmetro o asteroide em 1801.Ceres é o maior asteroide descoberto até hoje e é o único objeto a ser classificado como um planeta anão do sistema solar interno.

Satélites avançados como o WISE infravermelho, permitirá aos cientistas para encontrar asteroides mais facilmente, enquanto eles ainda estão longe da Terra.

Os asteroides mais pequenos assemelham-se a pequenas rochas com apenas alguns metros. A massa de todos os asteróides juntos, mesmo assim, seria inferior à da Lua.

Asteroide – Corpos

AsteróidesAsteroide

São corpos de pequeno porte, já que apenas 13 têm diâmetro superior a 250 km. Não possuem atmosfera e a maioria possui formas irregulares.

Os asteroides se encontram principalmente entre as órbitas de Marte e Júpter. A maioria se encontra no chamado ‘cinturão de asteróides’, a distância de 2,2 a 3,3 UA do Sol.

O primeiro asteroide foi a ser descoberto foi Ceres, com 1000 km de diâmetro, em 1801. Hoje conhecemos muitos deles, estima-se que cerca de meio milhão de asteroides com mais de 500 metros de diâmetro exitam nesta região. A massa total dos asteróides conecidos atualmente é menor que 1/1000 da massa da Terra. O centro do cinturão se encontra a uma distância de 2.8 UA, como previsto pela lei de Titius-Bode.

Atualmente acredita-se que os asteroides forma formados junto com os planetas, ao contrário da teoria adotada anteriormente, que dizia que os asteroides seriam resultado da explosão de um planeta.

No início haveria apenas asteroides maiores, que através de colisões e fragmentação surgiram os asteroides menores, de forma que os asteroides maiores que vemos hoje seriam alguns dos asteroides primordiais.

Os asteroides estão distribuídos não uniformemente na região do cinturão, existem áreas onde não encontramos asteroides, as chamadas ‘falhas de Kirkwood’.

As falhas mais evidentes estão nas distâncias onde o período orbital do asteroide em torno do Sol seria 1/2, 1/3, 2/5 ou 3/7 do período orbital de Júpter, ou seja, estavam em ressonância com Júpiter, o que fez com que as pequenas perturbações que pudessem haver nos asteroides destas áreas se ampliassem, fazendo com que o corpo se deslocasse para uma outra órbita.

Os efeitos da ressonância não são simples de serem explicados pois alguns asteroides ficam aprisionado em uma órbita quando em ressonância com Júpter, isto ocorre com os Troianos (que possuem a mesma órbita de Júpiter) e o grupo Hilda (razão entre os períodos é 2/3). Os troianos pertencem aos asteroides que se movem fora da região do cinturão, se movendo na mesma órbita de Júpter, mas 60° a frente e atrás do planeta. Asteroides não podem ser observados sem auxílio de instrumento, quando se apresentam como pontos de luz (similares a estrelas) e com através de um telescópio grande pode-se notar seu movimento em relação ao fundo de estrelas. As primeiras imagens de asteroides forma obtidas no início da década de 90, pela sonda Galileu.

Asteroide – Objetos

Asteróides
Asteroide

Asteroides são pequenos corpos do Sistema Solar que não são cometas.

O termo asteroides historicamente, se refere a objetos dentro da órbita de Júpiter. Eles também têm sido chamados planetóides, especialmente os maiores.

O termo “asteroide” deriva do grego “astér”, estrela, e “oide”, sufixo que significa semelhança. São semelhantes aos meteoros, porém em dimensões bem maiores, possuindo forma e tamanhos incertos.

O termo asteroide vem cada vez mais para se referir especificamente para os pequenos corpos do Sistema Solar dentro da órbita de Júpiter, que são geralmente rochosos ou metálicos.

Eles estão agrupados com os corpos exteriores- centauros, troianos de Netuno, e objetos trans-netunianos -como planetas menores, que é o termo preferido em círculos astronômicos. Este artigo usa o “asteróide”, para os planetas menores do interior do Sistema Solar.

A grande maioria dos asteróides orbitam no cinturão de asteróides entre as órbitas de Marte e Júpiter ou co-orbital com Júpiter (os troianos de Júpiter). No entanto, outras famílias orbitais existem com populações significativas, incluindo os asteróides próximos da Terra.

Asteróides individuais são classificados pela sua característica espectros, com a maioria em três grupos principais: C-type, tipo S, e M-tipo.

Estes foram nomeados depois e geralmente são identificados ricos em carbono, e metálicas composições, respectivamente.

Asteróide – Símbolos

Os primeiros asteróides a serem descobertos foram atribuídos símbolos emblemáticos, como os tradicionalmente utilizados para designar os planetas.

Em 1851, depois de o asteróide XV ( Eunomia ) tinha sido descoberto, Johann Franz Encke fez uma grande mudança na edição de 1854 próximo da Astronomisches Berliner Jahrbuch (AJB, Berlim Astronômica Yearbook ). Ele apresentou um disco (círculo), um símbolo tradicional de uma estrela, como o símbolo genérico para um asteróide.

O círculo foi então numerados em ordem de descoberta para indicar um asteróide específico.

A convenção (numeração-círculos)foi rapidamente adotado por astrônomos. O próximo asteróide a ser descoberto, 16 Psique, em 1852, foi o primeiro a ser designado dessa forma na época de sua descoberta.

No entanto, foi dado para Psique, um símbolo, assim como alguns asteróides descobertos ao longo dos próximos anos (ver gráfico acima). Massalia 20 foi o primeiro asteróide que não foi atribuído um símbolo.

Asteróide – Sistema Solar

Chamam-se asteróides ou pequenos planetas, a algumas dezenas de milhares de fragmentos rochosos, cujas dimensões variam de pequenos penhascos até 1.000km de diâmetro, caracterizados por uma superfície irregular e pela ausência de atmosfera.

Cerca de 95% destes corpos ocupam, um espaço compreendido entre as órbitas de Marte e de Júpiter; no entanto, alguns grupos orbitam próximos do Sol e de Mercúrio e outros afastam-se até à órbita de Saturno. Calcula-se que sua massa total seja 1/2.500 em relação à Terra, sendo comparável com Japeto, um satélite de Saturno.

As hipóteses sobre as origens dos asteróides são várias; no entanto, as mais aceitas na atualidade reduzem-se a duas:

Que os fragmentos asteróides são o resultado da destruição de um único corpo celeste
Que uma família de um limitado número de asteróides, não mais que uns 50, se formou desde a origem do sistema solar, mas que se foram multiplicando com as sucessivas e reciprocas colisões

O primeiro asteróide descoberto e também o maior é Ceres, de 1.000km de diâmetro, descoberto em 1801 por Giuseppe Piazzi, diretor do observatório astronômico de Palermo.

Alguns anos mais tarde foram ainda descobertos o Palas Atenea, com um diâmetro de 530km (Olbers, 1802); Juno, com um diâmetro de 220km (Harding, 1804), e Vesta, com um diâmetro de 530km (Olbers, 1807).

O grande impulso à classificação dos asteróides foi dado por Max Wolf em 1891, com a introdução da investigação sobre placas fotográficas.

Hoje os asteróides classificados são mais de dois mil e existem dois grandes centros mundiais, um nos Estados Unidos, em Cincinnati (Ohio), e outro na Rússia, em S. Petersburgo, que se ocupam exclusivamente de seu estudo.

Consoante com sua posição orbital, os asteróides estão subdivididos em três grupos: o chamado cinturão principal, que ocupa 95% de todos os asteróides conhecidos e que se encontra entre as órbitas de Marte e Júpiter, exatamente entre 2,2 e 3,3 UA do Sol. Aqui, os asteróides mais interiores têm períodos orbitais de aproximadamente dois anos, os mais exteriores de seis anos. No interior deste cinto existem vácuos denominados pelos estudiosos de “lagoas de Kirkwood” (chamadas assim pelo astrônomo que as observou pela primeira vez em 1866) e nas quais não existe nenhum asteróide em órbita. Estas lagoas são causadas pela presença próxima do maior planeta do sistema solar, Júpiter, que tem um período orbital de doze anos.

Quando um asteróide ocupa uma órbita que tem um período similar ao de Júpiter, é afastado pela força gravitacional deste último.

As lagoas mais relevantes encontram-se em correspondência de órbitas com períodos de 4; 4,8; 5,9 anos.

Os denominados pequenos planetas troianos, que ocupam a mesma órbita que Júpiter, precedendo-o ou seguindo-o nela. Por sua vez, estão subdivididos no chamado “grupo de Aquiles”, formado por várias centenas de corpos que precede Júpiter, e no “grupo de Patrocio”, um pouco menos numeroso, que segue Júpiter.

O grupo Apolo e Amor, formado por um milhar de corpos e caracterizado por órbitas muito mais elípticas, que se estendem aos planetas interiores e que, portanto, podem potencialmente entrar em colisão com a Terra. A este propósito, alguns astrônomos mantêm que, várias catástrofes do passado, como por exemplo a extinção dos dinossauros do Cretáceo-Terciário, há 65 milhões de anos, foi causada pela queda na Terra de um destes asteróides, com um diâmetro estimado de aproximadamente 10km. Os objetos do grupo Apolo e Amor, no entanto, segundo alguns estudiosos, não seriam uma derivação do grupo originário dos asteróides, mas núcleos de cometas, carecendo da componente volátil e reduzidos a orbitar entre os planetas interiores.

A composição dos asteróides é estabelecida por meio de métodos de análise indireta, graças à luz que eles refletem. Os resultados indicam que, em sua maior parte, estes corpos celestes são compostos por substâncias similares aos meteoritos, isto é, fragmentos de composição pétrea ou ferrosa que se precipitam sobre a Terra, provocando o espetacular fenômeno das estrelas cadentes e que, às vezes, conseguem ser recuperados.

Os Asteróides como o indicam alguns astrônomos, poderiam converter-se no futuro em óptimas reservas de minerais valiosos que são escassos no nosso planeta.

Portanto, poderiam ser amplamente aproveitados numa futura colonização humana do sistema solar.

Fonte: space.about.com/br.geocities.com/skyandtelescope.org/www.wisegeek.org/spaceplace.nasa.gov/en.wikipedia.org/www.rnoa.rcts.pt

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Espaço sideral

Espaço sideral

Espaço sideral – Definição PUBLICIDADE O espaço sideral é a área fora da atmosfera da Terra onde …

Cratera

Cratera

PUBLICIDADE Cratera – Definição Uma cratera é uma depressão em forma de tigela, ou área oca, produzida …

Tempestade Solar

PUBLICIDADE Tempestade Solar – Definição Uma tempestade solar é um termo usado para os efeitos atmosféricos sentidos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.