Breaking News
Home / Astronomia / Luas de Saturno

Luas de Saturno

PUBLICIDADE

Definição

Júpiter há muito tempo detém o recorde de número de satélites que orbitam um planeta no sistema solar, mas esse título agora foi para outro planeta: Saturno.

Saturno é o sexto planeta do sol, com os maiores anéis planetários do Sistema Solar.

É o segundo maior planeta depois de Júpiter e, recentemente, com muitas outras luas sendo descobertas, superou o número de luas de Júpiter e agora é considerado o planeta com os mais numerosos satélites.

As luas de Saturno são numerosas e diversificadas, variando de pequenas luas com menos de 1 km de diâmetro até o enorme Titã, que é maior que o planeta Mercúrio

Quais são as luas de Saturno?

Saturno, o segundo maior planeta do Sistema Solar e o sexto mais distante do Sol, possui sessenta luas confirmadas, apenas três a menos que seu vizinho, o rei Júpiter.

Sete dessas luas são grandes o suficiente para serem aproximadamente esféricas, tendo atingido o equilíbrio hidrostático, e seriam consideradas planetas anões se estivessem em órbita ao redor do Sol.

Essas luas são: Titã, Tétis, Dione, Rhea, Iapetus, Mimas e Encélado.

Cinco das luas de Saturno foram descobertas no primeiro século da invenção do telescópio.

Titã foi o primeiro a ser descoberto pelo astrônomo holandês Christiaan Huygens em 1655.

Essa descoberta foi seguida pela observação de Tethys, Dione, Rhea e Iapetus entre 1671 e 1684 pelo astrônomo italiano Giovanni Cassini. Uma sonda que chegou ao sistema saturniano em 2004 foi nomeada Cassini em sua homenagem.

Em 1789, Mimas e Encélado, as restantes luas esferóides, foram descobertas por William Hershel.

Desde então, 53 luas adicionais foram descobertas em torno de Saturno, através da combinação de placas fotográficas de longa exposição, sondas espaciais e poderosos telescópios modernos.

Essas luas têm diâmetros que variam de cerca de quatro quilômetros.

Saturno também abriga pelo menos oito “moonlets” (lua menor, satélite natural menor ou satélite menor) com diâmetros de algumas centenas de metros, e acredita-se que existam milhares ainda não descobertos.

Saturno é circundado por numerosos anéis compostos de poeira e rochas que variam de nanômetros a dezenas, senão centenas de metros de diâmetro.

Existem aglomerações tênues de material em anel que se fundem e se separam em escalas de tempo de semanas. Algumas luas são explicitamente chamadas de “pastores de anéis”, que servem para esculpir os anéis de Saturno e dar-lhes arestas vivas através de sua influência gravitacional.

A lua mais famosa de Saturno é Titã, com um diâmetro de 5151 km, tornando-a a segunda maior lua do Sistema Solar, um pouco atrás do Ganimedes de Júpiter. Esta lua é massiva o suficiente para sustentar sua própria atmosfera, a única lua no Sistema Solar que conseguiu isso. Sua atmosfera é feita de hidrocarbonetos e é ainda mais densa que a nossa.

Em 2004, o orbitador da Cassini lançou a sonda Huygens na atmosfera de Titã, onde se tornou o primeiro objeto artificial a pousar na superfície de um corpo externo do sistema solar.

Outra das luas mais interessantes de Saturno é Iapetus, às vezes chamada de lua “yin-yang” devido ao seu lado branco brilhante e ao lado escuro como breu.

Esta lua também possui uma cordilheira incomum que circunda o equador, seguindo-o quase precisamente, e sobe a uma altura de 10 km, dando à lua a aparência de uma noz.

Quais são algumas características proeminentes de Saturno?

Saturno é um gigante gasoso no sistema solar externo, um pouco além da órbita de Júpiter. É famosa por seus anéis grandes e bonitos e inúmeras luas, incluindo uma com sua própria atmosfera, Titã.

Saturno orbita cerca de 9 UAs (unidades astronômicas, distância Sol-Terra) do Sol, fazendo uma revolução a cada 29,5 anos. O dia da semana em que o sábado recebe o nome de Saturno. É nomeado após o deus romano Saturnus, pai de Júpiter. Saturno pode ser visto como uma estrela amarelada a olho nu, mas ver seus anéis leva binóculos ou telescópio.

Saturno é o planeta mais oblato do sistema solar – ou seja, seu diâmetro é aproximadamente 10% maior que a distância entre seus pólos. Isso ocorre devido a uma combinação de baixa densidade, rotação rápida e seu estado gasoso. Como todos os outros gigantes de gás, Saturno é composto principalmente de hidrogênio. Tem um núcleo rochoso que inclui hidrogênio metálico.

Quantidades vestigiais de cristais de amônia, água, amônio e hidrossulfeto são suspensos em sua atmosfera.

O astrônomo holandês Christiaan Huygens foi o primeiro a observar os anéis de Saturno de maneira conclusiva, em 1655. Galileu Galilei os observou mais cedo, mas os chamou de “ouvidos” e ficou perplexo quando eles desapareceram quando se tornaram perpendiculares da perspectiva da Terra.

Saturno tem muitos anéis e muitas lacunas entre eles, o maior chamado Divisão Cassini, em homenagem a Giovanni Cassini, que descobriu pela primeira vez a discrição dos anéis.

Em 2004, uma espaçonave com o nome de Cassini, a sonda Cassini, chegou a Saturno e logo depois lançou uma sonda, Huygens, na atmosfera de Titã.

Este foi o primeiro objeto artificial a pousar em um corpo externo do sistema solar e enviar observações. Ele continuou transmitindo por 45 minutos após uma descida de 2 horas e meia através da atmosfera espessa de Titã para a superfície. Ele enviou imagens de mares de hidrocarbonetos, que os cientistas esperavam fortemente estar lá.

Titã é de grande interesse para os cientistas porque é vista como um potencial alvo futuro da colonização e um possível portador de vida exótica.

As luas de Saturno

Saturno tem 82 luas.

Cinquenta e três luas são confirmadas e nomeadas e outras 29 luas aguardam confirmação da descoberta e nome oficial.

As luas de Saturno variam em tamanho, desde maior que o planeta Mercúrio – a lua gigante Titã – até o tamanho de uma arena esportiva.

As luas moldam, contribuem e também coletam material dos anéis e da magnetosfera de Saturno.

Distância, tamanho e massa

Saturno está cerca de 9,5 vezes mais distante do Sol que a Terra.

A uma distância de 9,6 UA (unidades astronômicas) do Sol e 10,6 UA (unidades astronômicas) da Terra, é o sexto planeta mais distante.

A luz leva aproximadamente 1 hora e 29 minutos para viajar de Saturno e depois chegar à Terra.

É o segundo maior planeta do Sistema Solar, com um raio de 58.232 km ou 36.183 mi, cerca de nove vezes o da Terra e um diâmetro de 120.536 km ou 74.897 mi, quase 9,5 vezes maior que o diâmetro da Terra.

Titã

Titã é a primeira lua descoberta de Saturno. Foi descoberto em 1655 pelo astrônomo Christiaan Huygens.

É a maior lua de Saturno e a segunda maior lua do Sistema Solar.

Tem um raio de cerca de 1.600 mi/2.575 km e um diâmetro de 3.199 mi/5.149 km.

É maior em tamanho que o planeta Mercúrio, mas tem apenas 40% de massa.

Titã é 50% maior que a lua da Terra e 80% mais massivo.

Embora seja o segundo em tamanho apenas da lua de Júpiter, Ganimedes, Titã é a única lua no Sistema Solar com nuvens e uma atmosfera densa com evidências claras de corpos estáveis de líquido superficial.

A lua é composta principalmente de gelo e material rochoso, com um núcleo rochoso no centro cercado por várias camadas de gelo e uma camada subterrânea de água líquida rica em amônia. A atmosfera é composta em grande parte por nuvens de nitrogênio, metano e etano com poluição orgânica rica em nitrogênio. As características climáticas incluem vento e chuva que criam características semelhantes às da Terra, como dunas, rios, lagos, mares e deltas.

Ele orbita Saturno uma vez a cada 15 dias e 22 horas e está travado de forma tidal com seu planeta pai, apenas um lado de seu rosto é diretor em direção a Saturno, permanentemente. O pequeno satélite Hyperion, de formato irregular, é bloqueado em ressonância orbital 3:4 com Titã.

A análise do nitrogênio atmosférico de Titã sugeriu que ele possivelmente foi originado de um material semelhante ao encontrado na nuvem de Oort e não de fontes presentes durante o co-acréscimo de materiais em torno de Saturno.

A temperatura da superfície é de cerca de -179,2°C. A essa temperatura, o gelo da água tem uma pressão de vapor extremamente baixa; portanto, o pouco vapor de água presente parece limitado à estratosfera.

Titã recebe cerca de 1% da luz solar que a Terra. O metano atmosférico cria um efeito estufa na superfície de Titã, sem o qual ele ficaria muito mais frio.

Titã é o corpo mais distante da Terra que tem uma sonda espacial pousando em sua superfície. A sonda Huygens pousou em Titã em 2005.

A análise desde então aponta que Titã pode ser um ambiente prebiótico rico em compostos orgânicos complexos. Ele contém um oceano global sob sua concha gelada e, dentro desse oceano, as condições são potencialmente adequadas para a vida microbiana.

Essas descobertas fazem de Titã um objeto muito estudado, com missões futuras já sendo planejadas.

Resumo

Saturno possui mais de 60 luas conhecidas, cujos dados estão resumidos na tabela.

Nomes, números tradicionais e características orbitais e físicas são listados individualmente.

Dos 18 primeiros descobertos, todos, exceto a lua muito mais distante Phoebe, orbitam a cerca de 3,6 milhões de quilômetros (2,2 milhões de milhas) de Saturno.

Nove têm mais de 100 km de raio e foram descobertos telescopicamente antes do século XX; os outros foram encontrados em uma análise das imagens da Voyager no início dos anos 80.

Várias luas internas adicionais (incluindo Polideuces) – corpos minúsculos com raios de 3 a 4 km – foram descobertas nas imagens da sonda Cassini a partir de 2004.

Todas as luas internas são regulares, com progressão, baixa inclinação, e órbitas de baixa excentricidade em relação ao planeta.

Pensa-se que os oito maiores tenham se formado ao longo do plano equatorial de Saturno a partir de um disco protoplanetário de material, da mesma maneira que os planetas formados ao redor do Sol a partir da nebulosa solar primordial.

Luas de Saturno
Em 1655, o astrônomo holandês Christiaan Huygens descobriu a primeira lua de Saturno, Titã


Saturno e suas maiores luas

Fonte: solarsystem.nasa.gov/www.pas.rochester.edu/nineplanets.org/phys.org/www.wisegeek.org/www.space.com/www.esa.int/coolcosmos.ipac.caltech.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Nebulosa solar

Nebulosa solar

PUBLICIDADE Definição A Nebulosa solar é uma grande nuvem de gás e poeira da qual o sol, …

Inclinação axial

PUBLICIDADE Definição Na astronomia, a inclinação axial, também conhecida como obliquidade, é o ângulo entre …

Princípio antrópico

Princípio antrópico

PUBLICIDADE Definição O princípio antrópico é a crença de que, se considerarmos a vida humana como uma …