Breaking News
Home / Astronomia / Planeta Vulcano

Planeta Vulcano

O que é o planeta Vulcano?

PUBLICIDADE

planeta Vulcano, além de ser o planeta fictício de Jornada nas Estrelas de onde Spock vem, é um planeta hipotético que muitos astrônomos do século 19 acreditavam ter existido.

Este planeta deveria ter uma massa baixa e estar mais próximo do Sol do que Mercúrio, tão perto que os telescópios da época não conseguiam resolvê-lo devido ao brilho avassalador do próprio Sol.

O planeta Vulcano, se existisse, poderia ter temperaturas de superfície ainda mais altas do que a de Mercúrio, que atinge o pico de 427 graus Celsius.

A razão pela qual os astrônomos inferiram que o planeta Vulcano existia provavelmente foi devido às discrepâncias na órbita de Mercúrio, detectadas pelo matemático francês Urbain Jean Joseph Le Verrier em 1840-1843 quando ele tentava prever o movimento do planeta com base nas teorias de Newton. A procissão de seu perélio (o ponto em que está mais próximo do Sol) em torno de sua órbita estava a cerca de 43 segundos de arco por século do que as teorias de Newton previam.

Considerando que todos os outros planetas do Sistema Solar se moviam de maneiras precisamente previstas pelas teorias de Newton, isso era intrigante, e o planeta Vulcano foi invocado como a causa da discrepância.

Em 1846, Le Verrier descobriu o planeta Netuno com base no mesmo princípio, perturbações na órbita de Urano. Isso galvanizou os astrônomos para procurar o planeta que Le Verrier previu.

A partir de 1859, os astrônomos começaram a relatar pequenos pontos negros transitando na superfície do Sol, que se pensava ser o planeta Vulcano.

Nos seis anos seguintes, foram feitas cerca de uma dúzia de alegadas observações de pontos negros transitando pelo Sol, mas os trânsitos sempre falharam em se rematerializar com base em observações anteriores.

Em 1866, as observações do planeta Vulcano começaram a diminuir, mas as observações anteriores foram consideradas como “prova” da existência do planeta, pois Le Verrier anunciou sua descoberta em 1860.

Em 1867, dois astrônomos confiáveis afirmaram ter visto um planeta semelhante ao de Vulcano perto do Sol durante um eclipse, mas em retrospectiva, provavelmente era uma estrela. Le Verrier morreu em 1877, ainda convencido de que havia descoberto dois novos planetas.

Planeta Vulcano
Le Verrier

Em 1915, ficou claro que nunca houve um planeta Vulcano.

A nova teoria da relatividade de Einstein explicou com precisão a anomalia como um subproduto do campo gravitacional do Sol.

Os novos números que sua teoria previa correspondiam exatamente às observações. Em tempos mais modernos, os astrônomos têm pesquisado intensamente a região ao redor do Sol em busca de quaisquer corpos rochosos, como asteróides vulcanóides, que poderiam orbitar em uma região gravitacional estável ao lado do sol.

No entanto, as observações descartaram qualquer coisa maior do que cerca de 60 km de largura.

Hoje, a busca por objetos vulcanoide continua. Muitos cientistas estão céticos, argumentando que o efeito Yarkovsky, que altera as órbitas com base na emissão de fótons de alta energia em um asteróide ao lado de uma estrela, faria com que as órbitas de qualquer asteróide vulcanoide se tornassem instáveis, afundando no Sol ou impactando Mercúrio.

História do Planeta Vulcano

Vulcano: o famoso planeta que nunca existiu

Por várias décadas no século 19, muitos dos maiores astrônomos do mundo acreditaram que um planeta hipotético chamado “Vulcano” existia em nosso sistema solar.

Em 1859, o cientista francês Urbain-Jean-Joseph Le Verrier começou a trabalhar em um dos problemas mais intrigantes da astronomia: a órbita de Mercúrio.

Durante anos, os astrônomos notaram que o menor planeta do sistema solar parecia seguir um curso peculiar ao girar em torno do sol.

Em particular, seu periélio – o ponto onde passava mais perto do sol – parecia mudar ligeiramente a cada órbita.

De acordo com a lei da gravitação de Sir Isaac Newton, esta discrepância deveria ter sido facilmente explicada pela presença de outros objetos celestes.

No entanto, mesmo depois de Le Verrier ter considerado a atração gravitacional de Vênus, Terra, Marte e Júpiter, suas previsões da órbita de Mercúrio sempre foram ligeiramente erradas.

O planeta simplesmente nunca acabou onde deveria estar.

Depois de verificar e verificar meticulosamente seus cálculos, Le Verrier ofereceu uma hipótese inovadora: algum outro objeto, desconhecido e invisível, estava exercendo uma atração gravitacional na órbita de Mercúrio. “Um planeta, ou se preferir um grupo de planetas menores circulando nas proximidades da órbita de Mercúrio, seria capaz de produzir a perturbação anômala sentida por este último planeta”, escreveu ele. Le Verrier especulou que o brilho do sol impediu que o objeto fosse positivamente identificado no passado. Ainda assim, ele argumentou que deveria ser facilmente localizado nas condições adequadas.

A comunidade científica deu as boas-vindas à teoria de Le Verrier, e por um bom motivo – ele tinha um histórico comprovado de encontrar novos planetas. Treze anos antes, o francês havia feito uma previsão semelhante ao tentar explicar uma oscilação gravitacional na órbita do planeta Urano. Quando os astrônomos escanearam os céus usando suas figuras, eles encontraram o planeta anteriormente desconhecido de Netuno. A descoberta havia saltado Le Verrier para o estrelato científico internacional, ganhando sua admissão na Legião de Honra Francesa e um posto como chefe do Observatório de Paris. Um colega matemático desde então descreveu seu intelecto como “quase sobre-humano”.

Armados com uma nova previsão do descobridor de Netuno, os astrônomos começaram imediatamente a caçar o novo planeta de Le Verrier. No entanto, como se viu, a descoberta já havia ocorrido vários meses antes, cortesia de um amador chamado Edmond Modeste Lescarbault. Médico de profissão, Lescarbault também era um observador de estrelas apaixonado que construiu seu próprio observatório improvisado na cidade rural francesa de Orgères-en-Beauce. Enquanto olhava por seu telescópio em 26 de março de 1859, ele observou um pequeno ponto preto – possivelmente um planeta – deslizar pela face do sol. O médico não contou a ninguém sobre a descoberta na época, mas depois de ler sobre o planeta hipotético de Le Verrier, ele lhe enviou uma carta com um relatório completo.

Ao receber a carta, Le Verrier viajou para Orgères-en-Beauce para questionar Lescarbault e examinar seu equipamento e notas. Ele saiu da reunião mais convencido do que nunca – havia de fato um novo nono planeta localizado ainda mais perto do sol do que Mercúrio. Le Verrier anunciou a descoberta no início de 1860. Na tradição de nomear os planetas para divindades mitológicas, ele chamou o planeta de “Vulcano” em homenagem ao deus romano da ferraria e da forja.

A descoberta de Vulcano foi saudada como um grande salto para a ciência. Lescarbault foi admitido na Legião de Honra e Le Verrier foi mais uma vez elogiado por seu gênio matemático.

Havia apenas um problema: o novo mundo era frustrantemente difícil de detectar. Avistamentos de vulcanos dispersos vieram de todo o mundo, mas a maioria era de astrônomos amadores.

Le Verrier ainda precisava de uma confirmação independente de um profissional respeitado. Na esperança de resolver o problema, os apoiadores calcularam que o planeta seria visível no final de março e início de abril de 1860. Os astrônomos prepararam seus telescópios, mas quando chegou a hora marcada, Vulcano não se mostrou.

Muitos logo começaram a se perguntar se ele existia.

Ao longo dos próximos anos, Vulcano se tornou o assunto de uma caça planetária internacional. Houve avistamentos ao longo da década de 1860, mas para cada observador do céu que alegou ter visto, houve muitos que tentaram e não encontraram nada. As fileiras dos céticos só aumentaram em 1871, quando uma equipe de astrônomos ingleses não conseguiu localizar Vulcano pelo terceiro ano consecutivo.

“Era como se a questão de Vulcano tivesse girado em uma gangorra desde 1859”, escreveu o autor Thomas Levenson em seu livro “The Hunt for Vulcan”.

“Avistamentos ocasionais e cálculos aparentemente consistentes iriam impulsioná-lo até o topo da corrida; as tentativas obstinadas de verificar sua existência o fizeram desabar de volta. ”

Em 1876, a sorte de Vulcano parecia estar em alta. Um astrônomo profissional relatou que observou o planeta transitar o sol de um posto avançado na China, e os jornais receberam uma nova enxurrada de avistamentos amadores. O entusiasmo era tão grande que o New York Times se sentiu confortável em opinar.

“Vulcano existe e sua existência não pode mais ser negada ou ignorada”, dizia um artigo daquele setembro. “A Terra deve, doravante, ser classificada como o quarto planeta a partir do sol, e as crianças nas escolas públicas que foram ensinadas a recitar seus planetas segundo a ordem antiquada devem ser obrigadas a memorizar Vulcano e inseri-lo em seu lugar apropriado.”

Urbain-Jean-Joseph Le Verrier morreu em 1877, mas o período mais agitado da vida de Vulcano ainda estava por vir. Apenas um ano depois, em 29 de julho de 1878, um eclipse solar total ocorreu em partes da Rússia e da América do Norte. O evento apresentou condições de visualização privilegiadas para Vulcano, e legiões de astrônomos montaram seus telescópios e câmeras na esperança de capturá-lo. A maioria ficou aquém, mas dois astrônomos respeitados, James Craig Watson e Lewis Swift, afirmaram tê-lo avistado.

Os jornais mais uma vez começaram a alardear a existência de Vulcano, mas o triunfo durou pouco. Os críticos produziram evidências de que os homens tinham realmente visto duas estrelas conhecidas e, em pouco tempo, a maioria da comunidade científica considerou sua descoberta um erro.

Depois que as observações de Watson e Swift foram desmascaradas, a crença científica em Vulcano caiu a um ponto mais baixo. O planeta se tornou o equivalente astronômico do El Dorado – um mito esquecido pela maioria, mas ainda perseguido apaixonadamente por alguns poucos selecionados.

No entanto, se Vulcano não existisse, os cientistas ainda teriam uma pergunta incômoda: o que estava causando a mudança na órbita de Mercúrio?

A resposta definitiva para o enigma finalmente chegou em 1915, quando Albert Einstein lançou a bomba científica que era sua Teoria da Relatividade Geral. Ao contrário das teorias da gravidade de Newton, que só poderiam explicar a órbita de Mercúrio postulando a existência de um planeta desconhecido como Vulcano, a Relatividade Geral argumentou que um objeto supermassivo – neste caso o sol – era capaz de dobrar o espaço e o tempo e alterar o caminho da luz. Pouco antes de anunciar sua teoria, Einstein a aplicou a Mercúrio e descobriu que ela explicava perfeitamente a discrepância em sua órbita.

Mercúrio não estava sendo puxado por nenhum outro objeto, concluiu ele, estava simplesmente se movendo através do espaço-tempo distorcido.

Como o autor Isaac Asimov escreveu mais tarde, na esteira da descoberta de Einstein, “Vulcano foi lançado do céu astronômico para sempre.” Os astrônomos apagaram o planeta de seus mapas, e seus avistamentos anteriores foram explicados como estrelas ou manchas solares mal identificadas. Vulcano já foi citado como um dos becos sem saída mais famosos da história científica, mas sua morte não marcou o fim da busca por novos mundos dentro do sistema solar. Em 1930, o planeta anão Plutão foi descoberto após uma longa pesquisa. Enquanto isso, nos últimos anos, os cientistas encontraram evidências suficientes de que um hipotético “Planeta Nove” pode surgir em algum lugar na borda externa do sistema solar.

Planeta Vulcano
A lei da gravitação universal, formulada por Newton em 1687,
foi usada para elaborar a hipótese de que Vulcano orbitava próximo a Mercúrio

Planeta Vulcano
O falecido Leonard Nimoy interpretou o amado Vulcano Sr. Spock na franquia Star Trek

Fonte: memory-alpha.fandom.com/earthsky.org/www.nationalgeographic.com/www.history.com/www.uh.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Órbita Geossíncrona

PUBLICIDADE Uma órbita geossíncrona é uma órbita alta da Terra que permite que os satélites correspondam …

Sistema binário de estrelas

Sistema binário de estrelas

PUBLICIDADE Definição Estrela binária é um sistema de duas estrelas em órbita ao redor de seu centro …

Galáxia do Triângulo

PUBLICIDADE Definição Em astronomia, a Galáxia do Triângulo é uma galáxia espiral relativamente próxima no Grupo Local, …