Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Astronomia / Ano Sideral

Ano Sideral

PUBLICIDADE

Na astronomia, vários tipos de ano são distinguidos, com comprimentos ligeiramente diferentes.

O ano solar (365 dias 5 horas 48 minutos 46 segundos), também chamado de ano tropical, ou ano das estações, é o tempo entre duas ocorrências sucessivas do equinócio vernal (o momento em que o Sol aparentemente cruza o equador celestial movendo-se para o norte). Por causa da precessão dos equinócios (efeito de um balanço lento na rotação da Terra), o ano solar é menor do que o ano sideral (365 dias 6 horas 9 minutos 10 segundos), que é o tempo que o Sol leva para retornar ao o mesmo lugar em sua jornada aparente anual contra o fundo das estrelas.

O ano anomalístico (365 dias 6 horas 13 minutos e 53 segundos) é o tempo entre duas passagens da Terra através do periélio, o ponto em sua órbita mais próxima do Sol.

Um ano lunar (usado em alguns calendários) de 12 meses sinódicos (12 ciclos de fases lunares) tem cerca de 354 dias de duração.

Um ano cósmico é o tempo (cerca de 225 milhões de anos) necessários para que o sistema solar gire uma vez ao redor do centro da Via Láctea.

Ano Sideral – Período

O período de tempo necessário para que a Terra faça uma revolução completa em torno do sol, medida de um equinócio vernal ao próximo e igual a 365 dias, 5 horas, 48 minutos, 45,51 segundos. Também chamado de ano astronômico, ano tropical.

Ano Sideral é um período de 365 ou 366 dias, no calendário gregoriano, dividido em 12 meses, agora contabilizado no início de 1 de janeiro e encerrado em 31 de dezembro (ano civil).

Ano Tropical

Desde há muito tempo, as pessoas determinaram o tempo observando os céus e os eventos astronômicos que ocorrem. Você já sabe que a rotação da Terra define dia e noite, enquanto a revolução da Terra ao redor do sol causa diferentes estações e também determina um “ano”. No entanto, com os avanços tecnológicos, os cientistas desenvolveram a definição de um ano e o designaram com precisão como Ano Tropical ou Ano Solar.

O ano tropical é o intervalo médio entre um equinócio vernal para outro equinócio vernal, o que significa que é o período de tempo em que o sol retorna à sua posição original ao longo de sua eclíptica ou caminho na esfera celestial após um ciclo de estações visto da Terra.

O movimento do sol é o ponto de referência do ano tropical. A posição do sol é medida usando uma vara vertical também conhecida como gnomon, medindo os moldes de sombra no gnomon ao meio dia. As variações dia a dia são então calculadas.

O ano tropical varia em minutos, mas o ano tropical médio é 365.2422 SI dias devido aos efeitos gravitacionais dos diferentes corpos celestes, como a lua e os planetas na terra. Os cientistas, portanto, determinaram os diferentes anos tropicais ao longo dos quatro pontos eclípticos, que incluem equinócio vernal, equinócio de outono, solstício de verão e solstício do sul. Os valores de cada um dos anos tropicais são então calculados para obter o ano tropical médio. O equinócio vernal é de particular importância, pois isso marca o início e o fim de um ano tropical.

Quanto tempo dura um Ano tropical / Ano solar?

O comprimento de um ano tropical é o tempo que leva a Terra para completar uma órbita completa ao redor do Sol, mas varia de ano para ano.

Um ano nunca dura 365 dias.

Um ano tropical, também conhecido como um ano solar, um ano astronômico, ou um ano equinoccial, é, em média, aproximadamente 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 45 segundos de duração (365.24219 dias).

No tempo e data, calculamos um ano tropical do equinócio de março para o equinócio de março próximo.

Existe um calendário perfeito?

Sem a quantidade correta de anos bissextos, nosso calendário ficaria rapidamente sem sincronia. Isso aconteceu com o calendário juliano, que teve muitos anos bissextos. Eventualmente, foi substituído pelo calendário gregoriano.

Ano tropical

Um ano tropical (também conhecido como um ano solar) é o período de tempo que o Sol, visto da Terra, leva para retornar à mesma posição ao longo da eclíptica (seu caminho entre as estrelas na esfera celestial) em relação ao equinócios e solstícios.

O tempo preciso depende de qual ponto da eclíptica escolher: a partir do equinócio vertical (norte), um dos quatro pontos cardinais ao longo da eclíptica, produz o ano equinócio vernal. A média de todos os pontos de partida na eclíptica produz o ano tropical médio.

Na Terra, os humanos percebem o progresso do ano tropical a partir do movimento lento do Sol, do sul ao norte e da parte de trás.

A palavra “tropical” é derivada do tropos grego que significa “virar”.

Os trópicos de Câncer e Capricórnio marcam as extremas latitudes norte e sul onde o Sol pode aparecer diretamente sobre a cabeça. A posição do Sol pode ser medida pela variação do dia a dia do comprimento da sombra ao meio dia de um gnomon (um pilar ou pau vertical). Esta é a maneira mais “natural” de medir o ano no sentido de que as variações de insolação conduzem as estações.

Como o equinócio vernal se move de volta ao longo da eclíptica devido à precessão, um ano tropical é menor do que um ano sideral.

Calendário

Calendário, qualquer sistema para dividir o tempo em períodos prolongados, como dias, meses ou anos, e organizar tais divisões em uma ordem definitiva. Um calendário é conveniente para regular a vida civil e observâncias religiosas e para fins históricos e científicos. A palavra é derivada do calendário latino, que significa “registro de interesse” ou “livro de contas”, uma derivação de calendae (ou kalendae), o primeiro dia do mês no calendário republicano romano, dia em que dias de mercado futuros, festas e outras ocasiões foram proclamadas.

O desenvolvimento de um calendário é vital para o estudo da cronologia, uma vez que isso diz respeito ao tempo de cálculo por divisões ou períodos regulares, e usando estes eventos até a data. É essencial, também, para qualquer civilização que precise medir períodos para fins agrícolas, comerciais, domésticos ou outros.

O primeiro calendário prático para evoluir a partir desses requisitos foi o egípcio, e foi isso que os romanos desenvolveram no calendário juliano que serviu a Europa Ocidental por mais de 1.500 anos.

O calendário gregoriano foi uma nova melhoria e foi quase universalmente adotado porque desencadeia de forma satisfatória em um sistema a datação de festivais religiosos com base nas fases da Lua e atividades sazonais determinadas pelo movimento do Sol. Esse sistema de calendário é complexo, uma vez que os períodos das fases da Lua e o movimento do Sol são incompatíveis; mas, adotando ciclos regulares de dias e regras comparativamente simples para sua aplicação, o calendário fornece um ano com um erro de menos de meio minuto.

Medição do tempo e tipos de calendários

Unidades e ciclos padrão

A unidade básica de computação em um calendário é o dia. Embora os dias sejam agora medidos da meia-noite à meia-noite, isso nem sempre foi assim. Os astrônomos, por exemplo, de cerca do século II até 1925, contaram dias de meio-dia a meio-dia. Em civilizações anteriores e entre povos primitivos, onde havia menos comunicação entre diferentes assentamentos ou grupos, diferentes métodos de avaliação do dia não apresentavam dificuldades. A maioria das tribos primitivas usou um cálculo do amanhecer, chamando uma sucessão de dias tantos alvoreceres, ou sóis. Mais tarde, os babilônios, judeus e gregos contaram um dia do pôr ao pôr-do-sol, enquanto que o dia começava no início dos hindus e dos egípcios e à meia-noite para os romanos. Os Teutons contaram noites, e deles é derivado o agrupamento de 14 dias chamado quinzena.

Havia também uma grande variedade nas formas em que o dia foi subdividido. Na Babilônia, por exemplo, o dia astronômico foi dividido de forma diferente do dia civil, que, como em outras culturas antigas, era composto de “relógios”. O comprimento dos relógios não era constante, mas variava com a estação, mais longo no verão e os relógios noturnos no inverno. Tais variações sazonais nas divisões do dia, agora chamadas de horas sazonais ou temporais, tornaram-se habituais na antiguidade porque correspondiam ao comprimento do tempo do Sol acima do horizonte, no máximo no verão e no mínimo no inverno. Somente com o advento dos relógios mecânicos na Europa Ocidental, no final do século 13, as horas sazonais (desiguais) tornaram-se inconvenientes.

A maioria das civilizações ocidentais iniciais usaram 24 horas sazonais no dia-12 horas de luz do dia e 12 da escuridão. Esta era a prática dos gregos, dos sumérios e dos babilônios, dos egípcios e dos romanos – e da cristandade ocidental até o ponto de vista civil.

A igreja adotou suas próprias horas canônicas para avaliar a adoração diária: havia sete dessas matins, prime, terce, sext, none, vésperas e compline, mas em assuntos seculares o sistema de 24 horas dominou. Este número, 2 × 12 ou 24, foi derivado na Babilônia do método sexageiro sumério de cálculo, com base em gradações de 60 (5 × 12 = 60) em vez de em múltiplos de 10. Na Babilônia, para a maioria dos propósitos, tanto a luz do dia e a noite foram divididos em três relógios iguais, e cada relógio foi subdividido em relogios de meio e quarto. Astrônomos babilônicos, talvez de preferência ao sistema civil variável, divididos todos os dias em 12 unidades iguais, denominadas beru, cada uma das quais subdividida em 30 gestos. Os textos astronômicos conhecidos mais antigos são do antigo período babilônico, mas esse sistema dual pode ser atribuído à sociedade suméria anterior.

Uma vez que o dia é dividido em partes, a próxima tarefa é reunir um número de dias em grupos. Entre os povos primitivos, era comum contar luas (meses) ao invés de dias, mas mais tarde um período menor do que o mês foi considerado mais conveniente e um intervalo entre dias de mercado foi adotado. Na África Ocidental, algumas tribos usaram um intervalo de quatro dias. Na Ásia Central, cinco dias eram costumeiros. Os assírios adotaram cinco dias e os egípcios 10 dias, enquanto os babilônios atribuíram importância aos dias da lunação que eram múltiplos de sete. Na Roma antiga, os mercados foram mantidos em intervalos de oito dias. Por causa do método romano de numeração inclusiva, o dia do mercado foi designado nundinae (“nono dia”) e a semana de oito dias.

A semana de sete dias deve sua origem em parte às quatro (aproximadamente) fases de sete dias da Lua e, em parte, à crença babilônica na sacralidade do número sete, provavelmente relacionado aos sete planetas. Além disso, no primeiro século a seguir, a semana judaica de sete dias parece ter sido adotada em todo o mundo romano, e isso influenciou a cristandade. Os nomes em inglês dos dias da semana são derivados de nomes latinos ou anglo-saxões de deuses.

O mês é baseado na lunação, no período em que a Lua completa um ciclo de suas fases. O período dura aproximadamente 29 1/2 dias, e é fácil de reconhecer e suficientemente curto para os dias a serem contados sem o uso de grandes números. Além disso, é muito próximo ao período menstrual médio das mulheres e também à duração do comportamento cíclico em algumas criaturas marinhas. Assim, o mês possuía um grande significado e era muitas vezes o período de governo para observâncias religiosas, das quais o namoro da Páscoa é um exemplo notável. A maioria dos calendários iniciais foram, essencialmente, coleções de meses, os babilônios usando períodos de 29 e 30 dias alternadamente, os egípcios corrigindo a duração de todos os meses aos 30 dias, com os gregos copiando-os, e os romanos no calendário juliano tendo um sistema bastante mais complexo usando um período de 28 dias com os outros 30 ou 31 dias.

O mês não é adequado para determinar as estações, pois são fenômeno solar, não lunar. As estações variam em diferentes partes do mundo. Nos países tropicais existem apenas os períodos chuvoso e seco, mas em outros lugares há sucessões de mudanças mais amplas. No Egito, as inundações anuais do Nilo foram seguidas pela semeadura e depois pela colheita, e três temporadas foram reconhecidas; mas na Grécia e em outros países mais do norte, houve uma sucessão de quatro temporadas de comprimentos ligeiramente diferentes. No entanto, muitos pareciam existir, era reconhecido em todos os lugares que as estações estavam relacionadas ao Sol e que poderiam ser determinadas a partir de observações solares. Estes podem consistir em notar o comprimento variável das sombras do meio-dia lançadas por uma barra empurrada verticalmente para o chão ou seguir o procedimento muito mais sofisticado de deduzir das observações noturnas a posição do Sol no fundo das estrelas. Em ambos os casos, o resultado foi de um ano de 365 dias, um período incompatível com a lunação 29 1/2-dia. Encontrar uma relação simples entre os dois períodos foi o problema que enfrentou todos os fabricantes de calendários desde a época babilônica.

Uma série de sinais naturais não-astronômicos também foram utilizados na determinação das estações.

Na área do Mediterrâneo, tais indicações mudam rapidamente, e o poeta grego Hesídi (c. 800 aC) menciona uma grande variedade: o grito de guindastes migratórios, que indicava um tempo para arar e semear; o tempo em que os caracóis escalam as plantas, após o qual a descida das vinhas deve cessar; e assim por diante. Uma aproximação involuntária ao ano tropical também pode ser obtida por intercalação, usando um simples calendário lunar e observações de comportamento animal. Uma situação tão incomum cresceu entre os pescadores Yami da Ilha Botel Tobago (Lan Yü, Taiwan). Eles usam um calendário baseado em fases da Lua, e em algum momento sobre março – a data precisa depende do grau de erro de seu calendário lunar em comparação com o ano tropical – eles saem em barcos com luzes iluminadas. Se aparecerem peixes voadores, a temporada de pesca pode começar, mas se o calendário lunar estiver longe demais das estações, o peixe voador não aumentará. A pesca é adiada para outra lunação, que eles inserem no calendário lunar, tendo assim um ano de 13 em vez das 12 lunações usuais.

Determinação do tempo por estrelas, Sol e Lua

Os corpos celestes fornecem os padrões básicos para determinar os períodos de um calendário. Seu movimento à medida que eles se levantam e se configura agora é conhecido por ser um reflexo da rotação da Terra, que, embora não seja exatamente uniforme, pode convenientemente ser calculada para fornecer um dia de calendário adequado.

O dia pode ser medido pelas estrelas ou pelo Sol.

Se as estrelas são usadas, então o intervalo é chamado de dia sideral e é definido pelo período entre duas passagens de uma estrela (mais precisamente do equinócio vernal, um ponto de referência na esfera celestial) em todo o meridiano: são 23 horas 56 minutos 4.10 segundos de tempo solar médio. O intervalo entre duas passagens do Sol através do meridiano é um dia solar. Na prática, uma vez que a taxa do movimento do Sol varia com as estações, o uso é feito de um Sol fictício que sempre se move através do céu a uma taxa uniforme. Este período de comprimento constante, muito mais conveniente para fins civis, é o dia solar médio, que tem duração em tempo sideral de 24 horas e 3 minutos 56,55 segundos.

É mais longo do que o dia sideral porque o movimento da Terra em sua órbita durante o período entre dois trânses do Sol significa que a Terra deve completar mais de uma revolução inteira para levar o Sol de volta ao meridiano. O dia solar médio é o período usado na computação do calendário.

O mês é determinado pela passagem da Lua em torno da Terra, e, como no caso do dia, existem várias maneiras pelas quais ela pode ser definida.

Essencialmente, estes são de dois tipos: primeiro, o período tomado pela Lua para completar uma órbita da Terra e, segundo, o tempo que a lua leva para completar um ciclo de fases. Entre as sociedades primitivas, o mês foi determinado a partir das fases. Este intervalo, o mês sinódico, agora é conhecido por ser 29.53059 dias. O mês sinódico tornou-se a base do mês do calendário.

O ano é o período tomado pela Terra para completar uma órbita ao redor do Sol e, novamente, há várias maneiras pelas quais isso pode ser medido. Mas para o cálculo de um calendário que deve permanecer em sintonia com as estações, é mais conveniente usar o ano tropical, uma vez que isso se refere diretamente ao movimento anual aparente do Sol. O ano tropical é definido como o intervalo entre passagens sucessivas do Sol através do equinócio vernal (isto é, quando ele cruza o equador celestial no final de março) e equivale a 365.242199 dias solares médios.

O ano tropical e o mês sinódico são incomensuráveis, 12 meses sinodicos no valor de 354,36706 dias, quase 11 dias menos do que o ano tropical. Além disso, nenhum deles é composto de um número completo de dias, de modo a compilar qualquer calendário que mantenha o passo com as fases da Lua ou com as estações é necessário inserir dias em intervalos apropriados; tais adições são conhecidas como intercalações.

Em calendários lunares primitivos, a intercalação foi geralmente alcançada tomando alternativamente meses de 29 e 30 dias.

Quando, para manter as datas em sintonia com as estações, um calendário solar foi adotado, uma maior diferença entre os meses e as fases da Lua deveria ocorrer.

E o calendário solar apresentou um problema ainda mais fundamental: o de encontrar o comprimento preciso do ano tropical.

As observações de mudanças cíclicas na vida vegetal ou animal foram muito imprecisas e as observações astronômicas tornaram-se necessárias. Uma vez que as estrelas não são visíveis quando o Sol está no céu, foi necessário encontrar algum caminho indireto para determinar sua localização precisa entre eles. Em países tropicais e subtropicais, foi possível usar o método de levantamentos helíacos. Aqui, a primeira tarefa foi determinar as constelações em todo o céu através das quais o Sol parece se mover no decorrer de um ano. Então, ao observar as estrelas que se elevavam no leste, logo após o pôr-do-sol, era possível saber quais eram precisamente o oposto no céu, onde o Sol estava naquele momento. Tais levantamentos helíacos poderiam, portanto, ser usados para determinar as estações e o ano tropical. Nos países temperados, o ângulo em que as estrelas se levantam do horizonte não é suficientemente íngreme para que esse método seja adotado, de modo que construíram estruturas de madeira ou de pedra para marcar pontos ao longo do horizonte para permitir análises análogas.

O mais famoso deles é Stonehenge em Wiltshire, Eng., Onde a estrutura original parece ter sido construída cerca de 2000 aC e adições feitas em intervalos vários séculos depois. É composto por uma série de furos, pedras e arcos dispostos principalmente em círculos, o anel mais externo de furos com 56 posições marcadas, as interiores 30 e 29, respectivamente. Além disso, há uma pedra grande – o talão de pedra no Nordeste, bem como alguns marcadores de pedra menores. As observações foram feitas alinhando buracos ou pedras com a pedra do calcanhar ou um dos outros marcadores e observando a aparência do Sol ou da Lua contra esse ponto no horizonte que se encontrava na mesma linha reta. As posições extremas do norte e do sul no horizonte do Sol – os solstícios de verão e inverno – foram particularmente observadas, enquanto os círculos internos, com suas 29 e 30 posições marcadas, permitiram “oco” e “cheio” (29 ou 30- dia) meses lunares a serem contados. Mais de 600 estruturas contemporâneas de um tipo análogo, mas simples, foram descobertas na Grã-Bretanha, na Bretanha e em outras partes da Europa e das Américas. Parece, então, que a observação astronômica para fins calendários foi uma prática generalizada em alguns países temperados há três a quatro milênios atrás.

Ano Sideral
Vista aérea de Stonehenge, localizado em Wiltshire, Eng

Hoje, um calendário solar é mantido em conjunto com as estações por uma regra fixa de intercalação. Mas, embora os egípcios, que usassem o aumento helicoidal de Sirius para determinar a inundação anual do Nilo, soubessem que o ano tropical tinha cerca de 365,25 dias de duração, eles ainda usavam um ano de 365 dias sem intercalação. Isso significava que a data do calendário do aumento de Sirius tornou-se cada vez mais desfasada com as datas originais à medida que os anos avançavam. Em conseqüência, enquanto as estações agrícolas eram reguladas pelo aumento helicoidal de Sirius, o calendário civil seguia seu próprio curso separado. Não foi até bem na época romana que um dia intercalar uma vez a cada quatro anos foi instituído para manter a coincidência.

Ciclos complexos

O fato de nem meses nem anos ter ocupado um número inteiro de dias foi reconhecido bastante cedo em todas as grandes civilizações. Alguns observadores também perceberam que a diferença entre as datas do calendário e os fenômenos celestes que devam ocorrer neles aumentaria e depois diminuíria até que as duas mais uma vez fossem coincidentes. A sucessão de diferenças e coincidências seria cíclica, recorrendo uma e outra vez com o passar dos anos. Um reconhecimento precoce deste fenómeno foi o ciclo de Sírius egípcio, com base na estrela Sirius (chamado Sothis pelos antigos egípcios). O erro em relação ao ano de 365 dias e os levantes heliacal de Sirius somou um dia a cada quatro anos tropicais, ou um ano civil egípcio inteiro a cada 1.460 anos tropicais (4 × 365), o que foi equivalente a 1.461 anos civis egípcios. Após este período, o aumento helicoidal e a configuração de Sothis coincidem novamente com as datas do calendário.

O principal uso dos ciclos foi tentar encontrar alguma base conveniente para calendários lunares e solares, e as mais conhecidas de todas as tentativas iniciais foram os octaerteris, geralmente atribuídos a Cleostratus de Tenedos (c. 500 bce) e Eudoxus de Cnidus (390 -c. 340 aC). O ciclo abrangeu oito anos, como o próprio nome indica, e os octaerstis totalizaram 8 × 365 ou 2.920 dias. Isso foi muito próximo do total de 99 lunações (99 × 29,5 = 2,920.5 dias), então esse ciclo deu uma ligação que valia a pena entre os calendários lunares e solares. Quando no 4º século aC, o período aceito do ano se tornou 365,25 dias, o número total de dias do calendário solar envolvidos tornou-se 2,922, e então percebeu-se que o octaerter não era um ciclo tão satisfatório como era suposto.

Outro ciclo precoce e importante foi o saros, essencialmente um ciclo de eclipse. Houve alguma confusão sobre sua natureza precisa porque o nome é derivado da palavra babilônica shar ou sharu, o que poderia significar “universo” ou o número 3,600 (isto é, 60 × 60). No último sentido, foi utilizado por Berosus (290 aC) e alguns autores posteriores para se referir a um período de 3.600 anos. O que agora é conhecido como saros e aparece como tal em livros de texto astronômicos (ainda geralmente creditado aos babilônios) é um período de 18 anos 11 1/3 dias (ou com um dia mais ou menos, dependendo de quantos anos bissextos estiverem envolvidos ), após o que uma série de eclipses é repetida.

Na América Central, foi estabelecido um sistema independente de ciclos. A mais significativa de todas as primeiras tentativas de fornecer alguma compatibilidade entre um calendário lunar religioso e o ano tropical foi o ciclo metônico. Este foi primeiro concebido cerca de 432 aC pelo astrônomo Meton de Atenas. Meton trabalhou com outro astrônomo ateniense, Euctemon, e fez uma série de observações dos solstícios, quando a sombra do meio do Sol, lançada por um pilar vertical, ou gnomon, atinge seu máximo ou mínimo anual para determinar o comprimento do ano tropical. Tomando um mês sinódico para ser 29,5 dias, eles calcularam a diferença entre 12 dessas lunações e seu ano tropical, que totalizou 11 dias. Poderia ser removido intercalando um mês de 33 dias a cada três anos.

Mas Meton e Euctemon queriam uma regra de longo prazo que fosse tão precisa quanto conseguisse, e, portanto, estabeleceram um ciclo de 19 anos. Este ciclo consistiu em 12 anos de 12 meses lunares cada e sete anos, cada um de 13 meses lunares, totalizando 235 meses lunares. Se este total de 235 lunações for tomado para conter 110 meses vazios de 29 dias e 125 meses completos de 30 dias, o total chega a (110 × 29) + (125 × 30) ou 6.940 dias. A diferença entre este calendário lunar e um calendário solar de 365 dias totalizou apenas cinco dias em 19 anos e, além disso, deu um tempo médio para o ano tropical de 365,25 dias, um valor muito melhorado que, no entanto, foi permitido não faz diferença para o cálculo diário no calendário civil. Mas a maior vantagem deste ciclo foi que estabeleceu um calendário lunar que possuía uma regra definitiva para a inserção de meses intercalares e manteve o passo com um ciclo dos anos tropicais.

Também deu um valor médio mais preciso para o ano tropical e foi tão bem sucedido que constituiu a base do calendário adotado no império Seleucid (Mesopotâmia) e foi usado no calendário judaico e no calendário da igreja cristã; também influenciou o ensino astronômico indiano.

O ciclo metônico foi melhorado tanto por Callippus quanto por Hipparchus. Callipus de Cyzicus (c. 370-300 aC) foi talvez o principal astrônomo de seu tempo.

Ele formou o que foi chamado o período Callippic, essencialmente um ciclo de quatro períodos Metônicos. Foi mais preciso do que o ciclo metônico original e fez uso do fato de que 365,25 dias é um valor mais preciso para o ano tropical do que 365 dias. O período Callippic consistiu em 4 × 235, ou 940 meses lunares, mas a distribuição dos meses oco e completo foi diferente da de Meton.

Em vez de ter os totais de 440 e 500 meses oco completos, Calipo adoptada 441 oco e cheio 499, reduzindo assim o comprimento de quatro ciclos Metônico por um dia. O total de dias envolvidos, portanto, tornou-se (441 × 29) + (499 × 30), ou 27,759 e 27,759 ÷ (19 × 4) dá 365,25 dias exatamente. Assim, o ciclo Callippic montou 940 meses lunares precisamente para 76 anos tropicais de 365,25 dias.

Hiparco, que floresceu em Rodes a cerca de 150 aC e provavelmente foi o maior astrônomo observacional da antiguidade, descoberto a partir de suas próprias observações e das outras feitas nos 150 anos anteriores, que os equinócios, onde a eclíptica (o caminho aparente do Sol) cruza o celestial equador (o equivalente celestial do Equador terrestre), não foram fixados no espaço, mas se moviam devagar pela direção oeste. O movimento é pequeno, totalizando não mais de 2 ° em 150 anos, e é conhecido agora como a precessão dos equinócios. Calendário, foi uma descoberta importante porque o ano tropical é medido com referência aos equinócios, e a precessão reduziu o valor aceito por Callippus. Hipparchus calculou o ano tropical para ter um comprimento de 365.242 dias, o que foi muito próximo do cálculo atual de 365.242199 dias; ele também calculou o comprimento preciso de uma lunação, usando um “excelente ano” de quatro ciclos Callippic. Ele chegou no valor de 29.53058 dias para uma lunação, que, novamente, é comparável com a figura atual, 29.53059 dias.

A data do calendário dos eventos históricos e a determinação de quantos dias se passaram, uma vez que algumas ocorrências astronômicas ou outras são difíceis por vários motivos. Os anos bissextos têm que ser inseridos, mas, nem sempre regularmente, meses mudaram seus comprimentos e novos foram adicionados de tempos em tempos e os anos começaram em datas variadas e seus comprimentos foram computados de várias maneiras. Uma vez que os encontros históricos devem ter em conta todos esses fatores, ocorreu com o estudante literário francês Joseph Justus Scaliger (1540-1609), do século XVI, que um sistema de numeração consecutivo poderia ser de ajuda inestimável. Isso ele pensou que deveria ser organizado como um período cíclico de grande comprimento, e ele trabalhou o sistema que é conhecido como o período juliano. Ele publicou suas propostas em Paris em 1583 sob o título Opus de emendatione temporum.

O período juliano é um ciclo de 7.980 anos. Baseia-se no ciclo metropolitano de 19 anos, um “ciclo solar” de 28 anos e o ciclo de indicação de 15 anos. O chamado ciclo solar foi um período após o qual os dias da semana de sete dias repetiram nas mesmas datas. Uma vez que um ano contém 52 semanas de sete dias, mais um dia, os dias da semana repetirão a cada sete anos, nenhum ano bissexto para intervir. Um ciclo de calendário juliano do ciclo ano é quatro anos, portanto, os dias da semana repetem nas mesmas datas a cada 4 × 7 = 28 anos. O ciclo da Indicação foi um período fiscal, não astronômico. Primeiro aparece em recibos fiscais para o Egito em 303 ce e provavelmente tomou sua origem em um recenseamento periódico de tributação de 15 anos que seguiu a reconquista de Egito em Diocleciano em 297 ce. Ao multiplicar os ciclos Metônico, Solar e Indicação juntos, Scaliger obteve seu ciclo de 7.980 anos (19 × 28 × 15 = 7.980), um período de tempo suficiente para cobrir a maioria das datas históricas anteriores e futuras exigidas a qualquer momento.

Scaliger, rastreando cada um dos três ciclos de volta no tempo, descobriu que tudo coincidiu no ano 4713 aC, no cálculo do calendário juliano. Sobre a informação disponível para ele, ele acreditava que isso seria um encontro consideravelmente antes de qualquer evento histórico. Ele, portanto, estabeleceu o início do primeiro período juliano em 1 de janeiro de 4713 aC. Os anos do período juliano não são usados agora, mas o número do dia ainda é usado na astronomia e na preparação das tabelas do calendário, pois é o único registro onde os dias estão livres de combinação em semanas e meses. Escrito por: Colin Alistair Ronan John D. Schmidt Tatiana Proskouriakoff E.J. Bickerman E.J. Wiesenberg Chao Lin

Fonte: www.thefreedictionary.com/www.timeanddate.com/www.britannica.com/calendars.com/planetfacts.org

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Sextante

Sextante

PUBLICIDADE O sextante é um instrumento que permite medir ângulos entre dois objetos, como dois …

Ciclo Solar

Ciclo Solar

PUBLICIDADE O ciclo solar ou o ciclo de atividade magnética solar é a mudança quase …

Cinturão de Kuiper

Cinturão de Kuiper

PUBLICIDADE O cinturão de Kuiper é um disco circunstelar que orbita em torno do Sol …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+