Breaking News
Home / Astronomia / Nebulosa de Órion

Nebulosa de Órion

PUBLICIDADE

A Nebulosa de Órion é um lugar onde novas estrelas estão nascendo.

A constelação de Órion é uma das constelações mais brilhantes e conhecidas no céu noturno. Encontra-se no equador celeste.

Estrelas não duram para sempre. Estrelas velhas acabam por morrer e novas nascem de grandes nuvens de gás e poeira no espaço.

O local mais conhecido e mais próximo onde os astrônomos podem observar regularmente o nascimento de estrelas fica a 1500 anos-luz de distância e é chamado de Nebulosa de Órion.

O que é a nebulosa de Órion?

A Nebulosa de Órion é uma nebulosa difusa com cerca de 30 anos-luz de diâmetro, localizada na constelação de Órion, abaixo do cinturão de Órion, a 1.500 anos-luz da Terra.

Uma nebulosa difusa tem esse nome porque se arrasta para o espaço, é parcialmente transparente e carece de limites bem definidos. É uma das nebulosas mais brilhantes e famosas do céu noturno, sendo também uma das mais bem estudadas. Também é conhecido como M42 como referência ao seu número Messier.

A Nebulosa de Órion é parte de um corpo maior chamado Complexo de Nuvens Moleculares de Órion, que está presente em toda a constelação de Órion e contém outros objetos famosos, como Barnard’s Loop, Nebulosa da Cabeça de Cavalo, M43, M78 e Nebulosa da Chama. A própria nebulosa cobre uma porção de 10 ° do céu, cerca de um décimo do tamanho do disco da lua.

A Nebulosa de Órion é um viveiro estelar e contém mais de 700 estrelas em vários estágios de formação. Sendo uma nebulosa de emissão e de reflexão, ambas contêm estrelas que ionizam o meio circundante e nuvens moleculares que servem como “espelhos”, refletindo a luz na Terra. As nebulosas de emissão são chamadas de “regiões HII”, em referência ao abundante gás hidrogênio ionizado que elas contêm.

As regiões HII também são onde podemos encontrar o nascimento de estrelas em objetos chamados glóbulos de Bok e os discos protoplanetários subsequentes criados em torno de sóis em desenvolvimento.

Algumas das estrelas mais jovens da galáxia foram observadas dentro dos limites da Nebulosa de Órion.

Embora a Nebulosa de Órion seja visível a olho nu, nenhum dos astrônomos antigos a observou, sua descoberta em 1610 atribuída a Nicolas-Claude Fabri de Peiresc, um astrônomo jesuíta.

Embora Galileu Galilei tenha usado um dos primeiros telescópios para observar a constelação de Órion em detalhes naquele mesmo ano, ele não a anotou.

A Nebulosa de Órion foi o assunto da primeira astrofoto, tirada por Henry Draper em 1865. Isso é reconhecido como a primeira vez na história que a astrofotografia no céu profundo foi realizada.

Quem é Órion?

Órion é uma figura da mitologia grega e também uma constelação facilmente vista no céu de inverno. Como uma constelação, Órion é um caçador, com seu bastão, escudo e espada à mão.

Existem vários mitos variantes que fazem referência a Órion, e nem todos podem ser conectados sem problemas. Seguindo uma trilha, ele é filho do deus Poseidon e do Gorgon Euryale, com o poder de caminhar na superfície do mar. Ele estava noivo de Merope, mas cegado por seu pai por consumar sua união antes da cerimônia de casamento. Eventualmente curado por Helios, o deus do sol, Órion viajou para Creta, onde conheceu a deusa da caça, Ártemis.

Como Órion deu a Artemis o que lhe era devido, eles caçaram felizes juntos por um tempo. A partir deste ponto, a história diverge. Ou Órion ameaçou matar todas as criaturas e a Mãe Terra, não estando feliz com esse resultado, enviou um Escorpião para matá-lo ou Apolo ficou com ciúmes do prazer de sua irmã na companhia desse mortal e a enganou a matá-lo.

Como ele chegou a ser uma constelação é um pouco mais certo.

A localização de Órion no céu é parcialmente explicada por um mito sobre sua morte. Parece que Órion foi morto por um Escorpião, e Esculápio, um médico que nunca havia perdido um paciente, tentou revivê-lo. Hades, preocupado com o fato de que se as pessoas fossem continuamente revividas, ele não teria ninguém para governar, fez Zeus intervir, com muita força, com um raio, matando o médico. Por causa de seus méritos, porém, Esculápio foi transformado em constelação, junto com o Escorpião. Mas, para evitar problemas no céu, eles foram colocados o mais longe possível de Órion, para que Órion e o Escorpião nunca mais se encontrassem.

Outro mito de Órion de Works and Days (Trabalhos e Dias) de Hesíodo diz isso de maneira diferente. Diz que Órion está imortalizado no céu perseguindo as Plêiades, sete irmãs que aparecem como estrelas no ombro de Touro, e que Canis Major e Canis Minor são seus cães de caça.

Constelação de Órion – Estrelas

A constelação de Órion tem várias estrelas muito brilhantes que estão entre as mais reconhecidas no céu.

Rigel, um supergigante branco-azulado 40.000 a 50.000 vezes mais brilhante que o sol, forma o pé direito de Órion e Rigel, de fato, significa “pé” em árabe. Betelgeuse, um nome derivado de uma série de erros acadêmicos, é a supergigante vermelha que forma um dos ombros de Órion.

É cerca de 13.000 vezes mais brilhante que o sol, e seu diâmetro é cerca de 500 vezes maior também.

Bellatrix, um nome talvez mais conhecido nos livros de Harry Potter do que no estudo astronômico, é a estrela que forma o outro ombro de Órion.

É um gigante branco-azulado e também uma das estrelas mais proeminentes no céu noturno.

O que é a nebulosa solar?

Pensa-se que nosso sistema solar se formou cerca de 4,6 bilhões de anos atrás, a partir de uma grande nuvem de gás e poeira, medindo vários anos-luz de diâmetro, conhecida como nebulosa.

Essa nuvem consistia principalmente de gás hidrogênio, com quantidades menores dos elementos que compõem o sistema solar hoje.

De acordo com a teoria da nebulosa solar, parte dessa nuvem começou a se contrair gravitacionalmente, possivelmente devido à perturbação de uma supernova próxima ou à passagem de outra estrela, e, ao fazê-lo, a lenta rotação inicial da nuvem começou a aumentar à medida que ela se contraía, fazendo com que ela fique achatada em forma de disco. Quanto mais material se acumulava no centro do disco, a densidade e a temperatura aumentavam, chegando ao ponto em que a fusão dos átomos de hidrogênio começou, formando hélio e liberando enormes quantidades de energia, resultando no nascimento do Sol. Os planetas, asteróides e cometas formados a partir do material restante.

Depois de um tempo, o colapso foi interrompido pelo Sol, alcançando o equilíbrio hidrostático. O vento solar do jovem Sol dispersou grande parte do material na nebulosa solar, reduzindo sua densidade, e a nebulosa começou a esfriar. Além dos três elementos mais leves – hidrogênio, hélio e lítio – os elementos dos quais a nebulosa solar era composta eram formados por fusão nuclear em estrelas já longínquas ou, no caso de elementos mais pesados que o ferro, criados por supernovas. Moléculas covalentes simples, incluindo água, metano e amônia, e moléculas iônicas, como óxidos de metal e silicatos, também estariam presentes.

Inicialmente, devido às altas temperaturas no disco, esses compostos teriam sido gasosos, mas como o resfriamento ocorreu a maioria dos elementos e compostos condensou-se em pequenas partículas; os metais e compostos iônicos se condensaram primeiro devido aos seus pontos de ebulição e fusão mais altos.

Perto do centro do disco predominavam metais, compostos metálicos e silicatos, mas mais adiante, onde as temperaturas eram mais baixas, grandes quantidades de gelo condensavam-se na nebulosa. Nesta região externa, hidrogênio gasoso e hélio também eram abundantes; esses gases foram amplamente dispersos pelo vento solar mais próximo do sol. Pequenas partículas sólidas colidiram e grudaram, formando objetos cada vez maiores que começaram a atrair mais material através da gravitação, resultando eventualmente na formação de planetas.

No sistema solar interno, a falta de gelo, hidrogênio e hélio resultou na formação dos planetas relativamente pequenos Mercúrio, Vênus, Terra e Marte, compostos em grande parte de rochas. Mais além, o gelo e as partículas minerais se agregam, formando corpos maiores capazes de reter os gases leves hidrogênio e hélio através de seus campos gravitacionais relativamente fortes, resultando nos planetas “gigantes gasosos”, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

A teoria da nebulosa solar é responsável por uma série de características-chave do nosso sistema solar. O fato de que os planetas – com exceção de Plutão, que não é mais considerado um planeta – estão todos mais ou menos no mesmo plano, e o fato de todos orbitarem o Sol na mesma direção sugere que eles se originaram em um disco em torno do sol.

A presença de planetas rochosos relativamente pequenos no sistema solar interno e gigantes de gás na região externa também se encaixa bem neste modelo.

Além de Netuno, o planeta mais externo, fica o Cinturão de Kuiper, uma região de objetos relativamente pequenos compostos de rocha e gelo. Pensa-se que Plutão pode ter se originado aqui, e que os cometas são objetos do Cinturão de Kuiper que foram empurrados para órbitas que os trazem para o sistema solar interno.

O Cinturão de Kuiper também é bem explicado pela teoria da nebulosa solar como resultado de sobras de gelo e material rochoso muito disperso para formar planetas.

Outras evidências que apoiam essa teoria vêm de outros lugares da Via Láctea.

Os astrônomos podem estudar partes de nossa galáxia onde estrelas estão se formando atualmente, como a Nebulosa de Órion, um grande volume de gás localizado na constelação de Órion.

A maioria das novas estrelas nesta nebulosa é cercada por discos de gás e poeira dos quais se pensa que os planetas acabarão se formando.

Nebulosa de Órion

Galileu Galilei usou um dos primeiros telescópios para observar a Constelação de Órion

Fonte: earthsky.org/www.nasa.gov/hubblesite.org/stars.astro.illinois.edu/www.wisegeek.org/nineplanets.org/www.constellation-guide.com/www.pbs.org/www.eso.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Órbita Geossíncrona

PUBLICIDADE Uma órbita geossíncrona é uma órbita alta da Terra que permite que os satélites correspondam …

Sistema binário de estrelas

Sistema binário de estrelas

PUBLICIDADE Definição Estrela binária é um sistema de duas estrelas em órbita ao redor de seu centro …

Galáxia do Triângulo

PUBLICIDADE Definição Em astronomia, a Galáxia do Triângulo é uma galáxia espiral relativamente próxima no Grupo Local, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.